P. 1
Teoria das Estruturas II - Apostila Introdução a Teoria das Estruturas

Teoria das Estruturas II - Apostila Introdução a Teoria das Estruturas

|Views: 8.305|Likes:
Publicado porPaulo Rolim

More info:

Published by: Paulo Rolim on Jul 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/24/2014

pdf

text

original

CURSO SUPERIOR DE ENGENHARIA CIVIL

TEORIA DAS ESTRUTURAS II

PROFESSOR: Eng. CLÁUDIO MÁRCIO RIBEIRO
ESPECIALISTA EM ESTRUTURAS

Estrutura
Definição:
Estrutura é um sistema destinado a proporcionar o equilíbrio de um conjunto de ações, capaz de suportar as diversas ações que vierem a solicitá-la durante a sua vida útil sem que ela perca a sua função. Para estudo das forças atuantes na estrutura, consideramos-as formadas pela composição de três peças: barras: pequenas dimensões transversais em relação ao comprimento. blocos: as três dimensões com pequenas diferenças. chapas: superfícies grandes em relação a sua espessura.

Classificação:
Hipostática Isostática Hiperestática Estrutura Hipostática: possui vínculos insuficientes para garantir a sua total imobilidade.

Estrutura Isostática: possui vínculos estritamente necessários para garantir a sua total imobilidade.

Estrutura Hiperestática: possui vínculos superabundantes para garantir a sua total imobilidade.

2

Estrutura de aço de um galpão industrial.Fotos: Estrutura de aço de um edifício. 3 .

4 .Uma Treliça Plana de madeira. Estrutura de uma ponte de concreto.

Cobertura em Treliça Espacial. Torre de alta tensão. 5 .

Indiretas: Deformações impostas. As ações reativas: forças ou momentos devido as reações de apoio.Ações Definição: Ações é toda influência exercida sobre um corpo capaz de produzir um estado de tensão ou modificar o estado já existente. Diretas: Cargas permanentes. Os carregamentos podem ocorrer devido: As ações ativas: forças ou momentos aplicados na estrutura. protensão. Acidentais: Ação esporádica na estrutura. deslocamento dos apoios. Classificação: As ações são classificadas: Forças Momentos Estáticas: Ação estática na estrutura. retração. fluência. constituída em função do uso da estrutura. Dinâmicas: Ação variável na estrutura. Carregamento é o conjunto de ações que atuam simultaneamente para a determinação dos esforços solicitantes num sistema estrutural. cargas variáveis e cargas acidentais. Permanentes: Constituída pelo peso próprio e pelas sobrecargas dos elementos construtivos e instalações permanentes 6 .

Pode ocorrer de duas formas: Uniforme Não uniforme 7 . Distribuídas: Ação distribuída em parte da extensão da estrutura.Concentradas: Ação com extensão de aplicação pequena em relação ao tamanho da estrutura.

Carga Móvel em uma ponte rodoviária. 8 .Ensaio de uma Carga Distribuída em laboratório.

9 . Carga Distribuída em estrutura metálica.Carga Concentradas em estrutura de madeira.

normalmente de translação.Reações de Apoio Definição: As Reações de Apoio são responsáveis pelo vínculo da estrutura ao solo ou a outras partes da mesma. Os vínculos podem ser classificados em função do número de movimentos que impedem. Símbolo: 10 . Classificação: Nos sistemas planos. existem três tipos de movimentos. de modo a ficar assegurada sua imobilidade. Portanto temos apoios com três graus de liberdade: Vínculo Simples Vínculo Duplo Vínculo Triplo Vínculo Simples: Apoio Móvel impede apenas um movimento. o de translação no eixo Y e o de rotação no eixo Z. a menos dos pequenos deslocamentos devidos às deformações. A figura abaixo mostra os três movimentos em relação ao plano XY o de translação no eixo X.

impede os três movimentos. Símbolo: Vínculo Triplo: Engastamento. normalmente permitindo apenas o de rotação. Símbolo: 11 . os dois de translação e o de rotação.Vínculo Duplo: Apoio Fixo impede dois movimentos.

em concreto. 12 . Rótula de uma viga gerber(dente gerber).Apoio fixo de uma estrutura pré-fabricada de concreto.

13 .Engaste em uma estrutura de concreto. Apoio Móvel em uma ponte de concreto.

Engaste em uma estrutura metálica. 14 .Apoio Móvel entre uma estrutura de concreto e aço.

Apoio Móvel utilizado para ensaios no laboratório. 15 .Engaste em uma estrutura metálica.

As solicitações provocam na estrutura dois tipos de tensões: Tensões Normais: podendo ser de Tração ou de Compressão.Solicitação Definição: Solicitação é todo esforço ou conjunto de esforços que devido às ações se exerçam sobre uma ou mais seções de um elemento da estrutura. Tensões de Cisalhamento. Classificação: Força Normal Força Cortante Momento Fletor Momento Torsor 16 .

Força Normal (N) Definição: A Força Normal é representa a soma algébrica de todas as forças contidas no plano YX. como tração (+) se esta é dirigida para fora do corpo ou compressão (-) se esta é dirigida para fora do corpo. portanto. perpendicular à seção transversal. Tração: LINK: TRAÇÃO Compressão: LINK: COMPRESSÃO 17 . produzindo no plano YZ tensões normais. Consideramos a Força Normal.

18 . provocando tensões normais de tração e compressão na estrutura. LINK: CORTANTE Momento Fletor (Mf) Definição: O Momento Fletor representa a soma algébrica dos momentos relativas a seção YX.Força Cortante (V) Definição: A Força Cortante representa a soma algébrica de todas as forças contidas no plano YZ. Produzindo esforço que tende a deslizar uma seção em relação a outra. perpendicular ao eixo da peça. contidos no eixo da peça. Produzindo esforço que tende a curvar o eixo longitudinal. gerados por cargas aplicadas transversalmente ao eixo longitudinal. provocando tensões de cisalhamento.

provocando tensões de cisalhamento. O equilíbrio estático de um sistema de forças coplanares deve preencher as condições das três equações da estática: A resultante das forças horizontais igual à zero ( H=0) A resultante das forças verticais igual à zero ( V=0) 19 .Momento Torsor (Mt) Definição: O Momento Torsor representa a soma algébrica dos momentos gerados por cargas contidas ou que possuam componentes no plano YZ. onde a soma de todas as deformações dos esforços internos gera o deslocamento das ações ativas e reativas na estrutura. perpendicular ao eixo X. Produzindo esforço que tende a fazer girar a seção em torno do eixo longitudinal. Equilíbrio Definição: Uma estrutura está em equilíbrio estático quando as grandezas externas possuem o mesmo módulo das grandezas internas.

Diagrama de Momento: retrata os esforços de flexão ao longo da estrutura. Diagrama de Força Cortante: retrata os esforços cortantes (cisalhamento) ao longo da estrutura. Linha de Influência: retrata os esforços de uma seção da estrutura. Classificação: Diagrama de Força Normal: retrata os esforços normais (tração e compressão) ao longo da estrutura. em relação a variação de uma força na estrutura. permitindo a visualização das variações desses esforços de uma seção para outra.A resultante dos momentos das forças e dos momentos aplicados é igual à zero ( M=0) As condições de equilíbrio são indispensáveis para o cálculo das reações de estruturas isostáticas e hiperestáticas. 20 . Esses gráficos retratam os valores dos esforços simples ao longo da estrutura. Diagramas Definição: Diagramas ou Linhas de Estado são o estudo gráfico dos esforços simples.

Exemplos: Diagramas de Força Normal Diagrama de Força Cortante Diagrama de Momento 21 .

Linha de Influência 22 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->