P. 1
FIGURAS DE LINGUAGEM

FIGURAS DE LINGUAGEM

|Views: 1.634|Likes:

More info:

Published by: Nathalia Niely Tavares on Jul 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/11/2013

pdf

text

original

FIGURAS DE LINGUAGEM

FIGURAS Palavras Metonímia

CONCEITOS Substitui o sentido de uma palavra pelo de outra que com ela apresenta relação constante.

EXEMPLOS Ganhar o pão com o suor do rosto. O homem bebeu dois copos de cerveja e comeu quatro espetinhos de churrasco Ele descansava nos braços da poltrona O poeta dos escravos morreu jovem Sua voz é um violão em serenata.

Palavras Catacrese Palavras Perífrase Palavras Metáfora

Dá um novo sentido a um termo já Enterrei uma existente que passa a designar um aguina na mão outro ser semelhante. Substitui um nome próprio por uma circunstância ou qualidade que a ele se refere. Compara dois seres através de uma qualidade atribuída a ambos. Comparação sem presença da conjunção. Mistura numa mesma expressão sensações percebidas por diferentes sentidos. A cidade-luz continua bela e majestosa. A vida é um combate

Palavras Sinestesia

Um cheiro azedo ³E as doces exalava daquele palavras que eu cobertor. tinha cá dentro«´ ( Gonçalves Dias) João é forte como um leão. A bola entro como um raio.

Palavras Comparação

Compara dois elementos através de qualidade comum a ambos. Os elementos são ligados pela conjunção como. Exagera a expressão para reforçar a idéia.

Pensamento Hipérbole

Estou esperando Saiba de cor mil há um século e trezentas que você se orações. arrume. A casa que ele fazia. Sendo a sua liberdade. Era a sua escravidão. (Vinicius de Morais) Ora temos esperança, ora nos damos ao desespero.

Pensamento Prosopopéia

Opõe duas ou mais idéias ou pensamentos.

Pensamento Ironia

Ocorre quando dizemos o contrário Aatmosfera da do que pensamos. cidade poluída é puríssima.

Eis o grande esforço que fizeste: tiraste nota dois na prova.

FIGURAS

CONCEITOS

EXEMPLOS

pulava os portões.´ (Guilherme de Almeida) Vi com meus próprios olhos a terrível cena. . ³Nosso céu tem mais estrelas. Nossos bosques têm mais vida. Construção Polissíndeto Sua irmã é carinhosa e meiga e doce e encantadora. Faz a concordância com a idéia subentendida e não com a palavra expressa.lago sereno. Sei que nunca serás minha. Amigo não desperdice o tempo da mocidade. Nossas várzeas têm mais flores. (Manuel Bandeira) Construção Anáfora Construção Elipse Omite palavras ou expressões facilmente subentendidas. Omite propositalmente a conjunção e ou outras conjunções aditivas. e descampado.Pensamento Eufemismo Abranda as expressões duras e rudes Interpela alguém em meio ao discurso. assustava as pessoas. Altera a ordem normal dos termos na oração ou nas orações no período. a carreira política. Construção Pleonasmo ³Eu canto um canto matinal. ria sem parar. Nossa vida Mais amores´ (Gonçalves Dias) ³Tudo era lânguido.´ (Fernando pessoa) Desfilavam a frente de todas as crianças da préescola.´ (Graça aranha) ³Vi uma estrela tão alta. e deserto. a palavra. na cabeça chapéu. O céu. Você faltou com a verdade Ele passou desta para melhor Pensamento Apóstrofe ³Moreninha. Eu tinha a fama. Repete a palavra ou a frase no início de versos ou frases.manto azulado. e vazio. Construção Assíndeto O louco corria. O mar. Usa luvas nas mãos. É a palavra ou expressão redundante que torna a frase mais vigorosa e enfática. Construção Inversão Sinto da tua vida ao amargo preço. Repete enfaticamente a conjunção e. Todos os homens somos iguais. moreninha. (Cassimiro de Abreu) Construção Silepse São Paulo é muito populosa. Vi uma estrela tão iria! Vi uma estrela luzindo Na minha vida vazia.

quando se inicia um outro pensamento sem ligação alguma com o anterior. existe. . nunca A beleza. é em nós que ela interrompida vi idioma mais complicado.Construção Anacoluto Frase Tua língua materna.

com as calças rasgadas.. Ex: "(. Ex: Vi com meus próprios olhos.omissão de era Hipérbato alteração ou inversão da ordem direta dos termos na oração. nas or. vozes veladas / Vagam nos velhos vórtices velozes / Dos ventos.E o rapaz: . do termo regido de preposição ao termo regente. comparativas. Obs1. e grita. Obs2. Ocorre muito nas or. no lugar de a igreja catedral. Ex: "Da morte o manto lutuoso vos cobre a todos. e) verbo .. outros não estudam.: pleonasmo vicioso ou grosseiro .. Em especial o verbo dizer em diálogos . Ex: "Com tais premissas ele sem dúvida leva-nos às primícias" (Padre Antonio Vieira) Onomatopéia criação de uma palavra para imitar um som Ex: A língua do nhem "Havia uma velhinha / Que andava aborrecida / Pois dava a sua vida / Para falar com alguém. inicia -se uma determinada construção sintática e depois se opta por outra. / Minha vida. baiano. gerando sujeito oculto ou implícito: iremos depois. descer para baixo) Assíndeto ausência de conectivos de ligação. Ex: "Olha a voz que me resta / Olha a veia que salta / Olha a gota que falta / Pro desfecho que falta / Por favor. a camisa rota.. por: O presidente morreu. mineiro / Meu tataravô. "E sob as ondas ritmadas / e sob as nuvens e os ventos / e sob as pontes e sob o sarcasmo / e sob a gosma e o vômito (.: Bechara denomina esta figura antecipação. Utilizada. / E estava sempre em casa / A boa velhinha. Cruz e Souza) Assonância repetição dos mesmos sons vocálicos.)" (Carlos Drummond de Andrade) Anacoluto termo solto na frase.: RL considera anástrofe um tipo de hipérbato Anástrofe anteposição. São determinadas por ênfase e podem até gerar anacolutos. ou das orações no período.estar bêbado. vulcanizadas. Normalmente. por: O manto lutuoso da morte vos cobre a todos. no lugar de: espero que você me entenda.decorre da ignorância.. assim como a sinestesia. as calças rasgadas. Cruz e Souza é o melhor exemplo deste recurso." Polissíndeto repetição de conectivos na ligação entre elementos da frase ou do período.) Vozes veladas. Uma das características marcantes do Simbolismo." (Cecília Meireles) Figuras de sintaxe Elipse omissão de um termo ou expressão facilmente subentendida. / Volúpias dos violões.Figuras de Linguagem Figuras sonoras Aliteração repetição de sons consonantais (consoantes). outros não. e chora. em expressões nominais. compraríeis a casa? b) substantivo . / "O meu pai era paulista / Meu avô. com a camisa rota. por: alguns estudam. O) .. comprometendo o sentido drasticamente.a catedral." (Chico Buarque) ."O que o vago e incóngnito desejo de ser eu mesmo de meu ser me deu. Ex: (A. com objetivo de enfatizar a idéia. vivas. Casos mais comuns: a) pronome sujeito. O) . "E rir meu riso e derramar meu pranto / Ao seu pesar ou seu contentamento." (Vinicius de Moraes). / Resmungando sozinha: / Nhem -nhem-nhem-nhemnhem. perdendo o caráter enfático (hemorragia de sangue. parece-me que vou desmaiar. no ligar de o es tádio Maracanã c) preposição . Se for verbo. quebrando a estruturação lógica. bonito lhe parece (alteraram-se as relações entre termos da oração) Anáfora repetição de uma mesma palavra no início de versos ou frases. no lugar de: queria mais o filho que queria à filha." (Chico Buarque) .Não sei de nada !.queria mais ao filho que à filha. Eu. Obs." (Fernando Pessoa) Paranomásia o emprego de palavras parônimas (sons parecidos). sobretudo. Ex: "Não sopra o vento.". Maracanã. d) conjunção espero você me entenda." (Caetano Veloso) (E. Ex: O menino resmunga. não murmuram os rios.: para Rocha Lima é um tipo de hipérbato Pleonasmo repetição de um termo já expresso. assim atribui maior rapidez ao texto. não gemem as vagas."Sou um mulato nato no sentido lato mulato democrático do litoral. em vez de E o rapaz disse: Zeugma omissão (elipse) de um termo que já apareceu antes. e esperneia.: Se a inversão for violenta. vãs. Ao pobre não lhe devo (OI pleonástico) Obs. tudo não passa de alguns anos sem importância (sujeito sem predicado) / Quem ama o feio. coordenadas. Rocha Lima e Celso Cunha denominam-na sínquise Obs3. pernambucano / O meu bisavô. pode ne cessitar adaptações de número e pessoa verbais. veludosas vozes. e maltrata." (fragmento de Violões que choram. Ex: Alguns estudam. Ex: Morreu o presidente. no lugar de: estar bêbado.

(foi reprovado) Obs. abstrato. c) de pessoa: Os brasileiros somos otimistas (3ª pess .brasileiros) / Brilham os cristais (matéria pela obra .. Ex: Ler Jorge Amado (autor pela obra . / "Veja bem. Não sou moço. Ex: A Amazônia é o pulmão do mundo. Você não foi feliz nos exames. V.: Joana creio que veio aqui hoje. Ex.atribuição de ações. fundindo-se dois sentidos ou mais (olfato.: esta figura foi muito utilizada pelos simbolistas Catacrese uso impróprio de uma palavra ou expressão. Perderam valor estilístico e se formaram graças à semelhança de forma existente entre seres.os brasileiros. perífrase substituição de um nome de pessoa ou lugar por outro ou por uma expressão que facilmente o identifique. ou vice -versa barbearia) / Bebi dois copos de leite (continente pelo conteúdo .: Para Rocha Lima. Para Bechara. Classifi ações c propostas por Rocha Lima. alteração semântica. Ex: "Neste momento todos os bares estão repletos de homens vazios" (Vinicius de Moraes) Obs.livro) / Ir ao barbeiro (o possuidor pelo possuído.. mas quem fala ou escreve também participa do processo verbal) Antecipação antecipação de termo ou expressão. casos como pé de meia e boca de forno são considerados metáforas viciadas. Encontrei a chave do problema. Ex.idéias contraditórias num só pensamento. É um tipo de comparação implícita.: repetição em final de versos ou frases é epístrofe. Obs2. em lugar de Ele é cego. audição.: "Mais claro e fino do que as finas pratas / O som da tua voz deliciava . D. é uma das modalidades de metáfora. é um tipo de metáfora Metonímia substituição de um nome por outro em virtude de haver entre eles associação de significado.nome de um ser ou coisa concreta assumindo valor convencional.: Celso Cunha denomina-a prolepse.: Para Rocha Lima. (Ele não vê. Existem três tipos: a) de gênero (masc x fem): São Paulo continua poluída (= a cidade de São Paulo). Escritor Maldito = Lima Barreto Obs.culpado) / Completou dez primaveras (parte pelo todo . por esquecimento ou na ausência de termo específico.: Modernamente. obtendo-se. . Ex.leite) / Ser o Cristo da turma. Fusão entre nome e seu aposto.: Espalhar dinheiro (espalhar = separar palha) / "Distrai-se um deles a enterrar o dedo no tornozelo inchado.. eram volatas / Em lânguida espiral que iluminava / Brancas sonoridades de cascatas . Figuras de palavras ou tropos (Para Bechara alterações semânticas) Metáfora emprego de palavras fora do seu sentido normal. Um comentário que amargamente condena os m otivos dados.: Rocha Lima considera como uma variação da metonímia Sinestesia interpenetração sensorial. estavam ocupados. Hipérbole exagero de uma idéia com finalidade expressiva Ex: Estou morrendo de sede (com muita sede).. / Era um som feito luz. Ex: "Todo pranto é um comentário. nosso caso / É uma porta entreaberta. gustação e tato).Obs. símbolo e sinestesia. assim. (roubou). O rei das selvas = o leão. Silepse é a concordância com a idéia. representa uma modalidade de metáfora Anadiplose é a repetição de palavra ou expressão de fim de um membro de frase no começo de outro membro de frase. sem termo comparativo. visão. hipérbole. (balança = justiça.copos). / Tanta harmonia melancolizava. O casal não veio." (Cruz e Souza ) Obs. ? Personificação .: Paradoxo . A cidade luz = Paris. proposição de Rocha Lima ("dor que desatina sem doer" Camões) Eufemismo consiste em "suavizar" alguma idéia desagradável Ex: Ele enriqueceu por meios ilícitos." Figuras de pensamento Antítese aproximação de termos ou frases que se opõem pelo sentido. além do simbolismo universal das cores) Obs2. qualidades e sentimentos humanos a seres inanimados. repetição no início e no fim será símploce. Quixote = idealismo.: Rocha Lima define como modalidades de metáfora: personificação (animismo).: Para Rocha Lima. (A lua sorri aos enamorados) ? Símbolo ." O verbo enterrar era usado primitivamente para significar apenas colocar na terra. Pode gerar anacoluto. pelo plural . como recurso enfático." (Luís Gonzaga Junior) Obs1. Obs1. cão = fidelidade.anos) / O brasileiro é malandro (sing. O tempo parece que vai piorar Obs. Sª é lisonjeiro b) de número (sing x pl): Os Sertões contra a Guerra de Canudos (= o livro de Euclides da Cunha). e não com a palavra escrita. / Na dolência velada das sonatas / Como um perfume a tudo perfumava. Ironia utilização de termo com sentido oposto ao original.afirma-se algo pela negação do contrário. por analogia. em vez de Sou velho). valor irônico. Ela é louca pelos filhos (gosta muito dos filhos) Obs. (indivíduo pala classe .: Rocha Lima propõe uma variação chamada litote . Ex: O mestre = Jesus Cristo. Antonomásia.

Minha alma está fria " Outras expressões poderiam substituir esta frase. não existiria luz se não fosse a escuridão. baseando -se numa estreita ligação de sentido entre eles. Esse tipo de figura de linguagem recebe o nome de metonímia. (. "A asa da xícara está quebrada. o autor utilizou expr essões de sentido oposto.José entregou a alma à Deus "." A palavra perna. .Nessa frase é óbvio que o narrador não pode estar lendo Jorge Amado (pessoa).. sedoso e agradável ao toque. ocorre uma figura de estilo. se não houvesse o silêncio. É um tipo de metáfora. que eu não veja.. etc. " . Veja outros exemplos de catacrese: "Sentou no braço do sofá. é usada com mais propriedade quando se refere a um ser animado. personificação. Ex: "A lua. Antítese .A perna da mesa está quebrada. "O careca não veio ao trabalho hoje" ( Onde uma característica física substitui uma pessoa). para representar outro ou para substitui-lo. é uma modalidade de metáfora Figuras de estilo (ou Figuras de Linguagem) a) " . " . Ao escolher a palavra fria para conotar o seu sentimento. Assim podemos citar também como exemplos: "Todo Brasil vai torcer pela seleção na copa do mundo" ( onde todo Brasil refere-se ao povo brasileiro).: Rocha Lima designa como antífrase Ex: O ministro foi sutil como uma jamanta. no entanto." " . Catacrese . por falta de um termo apropriado para defin essa parte do móvel. som / silêncio. Essa figura de estilo consiste na substituição de um termo ( lendo Jorge Amado) por outro ( Um livro de Jorge Amado). Ao recurso de suavizar a expressão de uma idéia considerada chocante ou desagradável. damos o nome de eufemismo. colocando lado a lado.Obs.é um recurso lingüístico usado para realçar uma idéia ou emoção. baseando -se na sua emoção." (Jõao Bosco / Aldir Blanc) Obs..aparece quando por falta de um termo próprio usamos um termo figurado. por exemplo: b) " Estou triste " ou ainda c) " Estou sem emoções " .Nessa frase o narrador associa a suavidade das mãos de uma mulher a um tipo de tecido macio. vamos tratar nessa página somente as mais usadas na escrita convencional e que provavelmente serão as pedidas nos concursos e nos vestibulares. "Não achei a chave do problema"." . nada pensas que eu não saiba. o emissor utilizou uma expressão mais suave. Essa figura de estilo chama-se catacrese." Prosopopéia.. animismo é a atribuição de qualidades e sentimentos humanos a seres irracionais e inanimados .é a substituição de um termo por outro. Quando é usado esse recurso. o narrador consegue transmitir o seu sentimento com maior intensidade. Surge assim.: Para Rocha Lima.. " .Suas mãos eram pura seda.." . Figura de Estilo ou Figura de Linguagem .. ele recebe o nome de antítese. Gradação apresentação de idéias em progressão ascendente (clímax) ou desc endente (anticlímax) Ex: "Nada fazes.) Pedia a cada estrela fria / Um brilho de aluguel . baseandose numa comparação de ordem pessoal ou subjetiva. luz / escuridão.: "Suas mãos eram pura seda" quando queria dizer "Suas mão eram muito macias". Como são muitas as Figuras de Estilo. Para não dizer que José morreu.. nada tramas.acontece quando o narrador usa um termo. "O Ceará disse que seu filho nasceu" ( onde o lugar substitui a pessoa). " .Estou lendo Jorge Amado " ." (Lulu Santos) Para dar maior realce às suas idéias. Ex. homem ou animal. uma comparação subjetiva que fica subentendida no contexto geral da frase. que eu não conheça perfeitamente.Não existiria som. Veja outros exemplos: "Meu coração está ilhado" . "Tempere com um dente de alho. mas sim textos de Jorge Amado. Você percebe que a primeira frase poderia ser substituída por outra para expressar o mesmo sentimento por parte do narrador. Metonímia . Toda vez que uma palavra ou expressão for utilizada conotativamente com o objetivo de realçar uma idéia ou emoção.é uma figura de estilo pela qual se salienta a oposição entre palavras ou idéias. ". " Vamos tomar uma coca? " (onde uma marca substitui um produto). ir usamos a palavra para defini-la. Metáfora . Nesse confronto de ordem pessoal e emotivo do escritor reside o valor literário dessa figura denominada metáfora.

ele não é escrito na frase." Ironia . e assim. o uso da vírgula não é obrigatório. que não foram enunciados anteriormente.já as conheço muito bem. veja: No deserto. Exemplo: E ri e chora e canta e entristece. o zeugma ocorre com o verbo querem (querer).Veja outro exemplo: "A brisa cantava suave". tornando -se opcional. substituindo-a pela vírgula. Neste caso. Pleonasmo: Redundância de informações que buscam enfatizar (reforçar) um determinado ponto: Exemplo: Tais pessoas.. meu amor! ". ( Sol ). sabemos que está lá. pois.. salgados. o Sol escaldante.recebem um reforço quando são mencionadas novamente com o uso do pronome oblíquo ³as´ .Eufemismo. ou "Já lhe avisei mil vezes". já as conheço muito bem." Não diga. cabendo ao leitor pausar a leitura como se a vírgula lá estivesse.Acontece justamente quando você atribui um valor depreciativo ou sarcástico a palavras ou expressões. porém.. sendo que. a cidade e o país". entristece.. Assíndeto: Omissão reiterada (várias vezes) de conjunções entre orações que se dispõem em seqüência: Exemplo: Ri. por exemplo: " as folhas batiam palmas ao vento " . hein?" ao que a mulher responde: .Acontece quando você expõe suas idéias de maneira crescente ou d ecrescente. Perífrase . veja: Uns querem doces. alguns estudiosos aconselham o não uso da vírgula porque a pausa criada na leitura com seu uso. Exemplo: " . Polissíndeto: Repetição da mesma conjunção entre orações dispostas em seqüência." Prosopopéia ou Personificação . ou ainda. outros querem salgados. permitindo um entendimento contrário ao que foi dito ou escrito.é o emprego de uma expressão suave e polida no lugar de uma outra considerada grosseira ou pouco polida.Acontece quando você substitui um termo usual e costumeiro por outro não muito comum. .é a figura de estilo que consiste em atribuir uma característica humana a um ser inanimado. Veja que as ³Tais pessoas.. que já foi escrito no período da frase uma ve e não é z repetido na Segunda parte. " Visitarei a cidade-luz. estaria subentendida a cada conjunção utilizada.nessa frase o autor confere uma ação que só é possível ao homem executar às folhas de uma árvore. Hipérbole .´ (Caetano Veloso) . o Sol arde escaldante. chora. Neste caso. canta. Elipse: É a omissão de termos que estão subentendidos na frase mas. Aliteração: Repetição de consoantes da mesma natureza. Neste caso." . "Passar desta para melhor. Gradação . A elipse ocorre com o verbo arder.´ . Exemplo: " Estou morrendo de rir".. José conquistou o bairro. Exemplo: " O Astro Rei nasceu mais cedo". Exemplo: Num diálogo entre duas pessoas ( marido e mulher ) eles estão discutindo e em dado momento o marido diz: " Mas você hoje está insuportável. Exemplo: ³Acho que a Chuva ajuda a gente a se ver.. apesar de estar lá: Uns querem doces. Zeugma: Omissão de termos que já ocorreram anteriormente no enunciado. "Ele faltou com a verdade. a frase omite várias vezes o uso da conjunção ³e´.É o exagero intencional de uma expressão para reforçar um pensamento. Outros exemplos de eufemismo são: " Vestir um terno de madeira. outros.". querem dizer exatamente o contrário do que simbolizam.Nesse contexto as palavras meu amor. ou de natureza semelhante. veja um exemplo disso: Na frase: No deserto..

Reinaldo Dias Adaptado do livro Língua e Literatura . Exemplo: ³Bastou ouvir o teu silêncio para chorar de saudades. grandes resultados. grandes obras. Exemplo: Não consegui entender a explicação por causa do zumzumzum da classe.editora ática .´ (Reinaldo Dias) Onomatopéia: Representação de algo por meio do som de uma palavra ou expressão. Carlos Faraco e Francisco Moura . Epíteto: Qualificação do nome por meio de uma característica que lhe é peculiar: Exemplo: Não havia Lua na escura noite. Paradoxo: Confronto de idéias opostas e simultâneas.Anáfora: Repetição de uma palavra a espaços regulares durante o texto: Exemplo: Grandes pensadores.aa. Veja que neste caso o som das palavras é representado pela expressão ³zumzumzum´.

e vacila.´(Guimarães Rosa) 10. ( ) ³Tão bom se ela estivesse viva me ver assim. Como comem!´ (Aníbal Machado) ) ³Sonhei que estava sonhando um sonho sonhado. em sua casa deles dois.. ( 17.´(Machado de Assis) ) ³Aquela mina de ouro. pombas voando. ramalhetes de flores com laços de fitas. E levanta se. invioláveis esconderijos. ( ) ³Wilfredo foge. ( ) V.. corre. acendeu o cachimbo. da outra banda.´ (Guimarães Rosa) 5. na Lapa-Laje.´ (Mário Andrade) 4. inclemente.´ (Aníbal Machado) 6.´ (José Lins do Rego ) ) ³Este prefácio.´ (Aurélio Buarque de Holanda) ) ³Fulgem as velhas almas namoradas. mas quão diferentes. atiçou o fogo. ( 9.Figuras de linguagem .. ( ) ³E brinquei.. faça a associação de acordo com o seguinte código: a) elipse g) anacoluto b) zeugma h) silepse de gênero c) pleonasmo i) silepse de número d) polissíndeto j) silepse de pessoa e) assíndeto l) anáfora f) hipérbato m) anástrofe 1. ( ) ³Era véspera de Natal.´(Martinho da Vila) ) ³Rubião fez um gesto. e foge alucinadamente. e tropeça e resvala. ( ) ³Em volta: leões deitados.. ( 8. a salv ou tinham mais o. me escute. ³ (Euclides da Cunha) 7. Palha outro.exercícios Nos exercícios de número 1 a 22. o Zé -Povinho de chapéu erguido.´ (Graciliano Ramos) 14.. os sertanejos emboscados. inútil. ele não ia deixar que outras espertas botassem as mãos.´(Alexandre Herculano) 11. ( ) ³Grande parte.´( Machado de Assis) ) ³Estava certo de que nunca jamais ninguém saberia do meu crime. (Mário de Andrade) ) ³Mas. deslizavam melhor. Foge.. a gente vamos chegar lá. O horror vai com ele.. dos membros daquela assembléia estavam longe destas idéias. Exa. as horas passavam. ( ) ³Sob os tetos abatidos e entre os esteios fumegantes. ( 3) ( ) ³Dizem que os cariocas somos pouco dados aos jardins públicos. ninguém não pegava. ele devia de querer estar ao lado de lá -Dijina. ( 16. ( ) ³Agachou-se..´(Olavo Bilac) 13.. ( ) ³Coisa curiosa é gente velha. e dancei e fui Vestido de rei. porém. ( 19. apanhou uma brasa com a colher. está cansado? ) ³Caça.´(Chico Buarque) 12. apesar de interessante. ( 2. pôs -se a chupar o canudo do taquari cheio de sarro. ( 18. ..´ (Antônio Olavo Pereira) 15.

que faremos nós os mortais? ³ ( V.´ (Raimundo Correa) 22.´(Clarice Lispector) ) ³O administrador José Ferreira Vestia a mais branca limpeza. ( ) ³Tende piedade de mulher no instante do parto. ) ³O pé que tinha no mar a si recolhe. Simões Lopes Neto) 21. De guerreiros.´ (J. ( ) ³Avista-se o grito das araras.´ (Vinícius de Morais) Nos exercícios de números 23 a 40. de santos. ( 28.´ (João Cabral de Melo Neto) 26. ( 30. Onde ela é como a água explodindo em convulsão Onde ela é como a terra vomitando cólera Onde ela é como a lua parindo desilusão. ( ) ³Asas tontas de luz. ( 33.Almas tristes. Bergo) ) ³Solução onda trépida e lacrimosa. de poetas. ( ) ³A noite é como um olhar longo e claro de mulher. ³ (Vinícius de Morais) ) A virgem dos lábios de mel é um das personagens mais famosas de nossa literatura. o pistoleiro sumir de ladrão. ( 31. ( ) ³Redondos tomates de pele quase estalando. ( 25. ³ (Camilo Pessanha) 20. faça a associação de acordo com o seguinte código: a) metáfora f) sinédoque b) comparação g) sinestesia c) prosopopéia h) onomatopéia d) antonomásia i) aliteração e) metonímia j) catacrese 23. de queixo caído.´ (Camões) ) ³Se os deuses se vingam. resignadas. severas.´ ( José de |Alencar) 32. ( ) ³Muita gente anda no mundo sem saber pra quê: vivem porque vêem os outros viverem.´ (José Cândido de Carvalho) 27. o mesmo silêncio anela de opresso..´ (Guimarães Rosa) ) ³Da noite a tarde ea taciturna trova . cortando o firmamento!´ (Olavo Bilac) 24. fugindo nos cascos de seu cavalo. geme a brisa folhagem. ( ) ³A cidade inteira viu assombrada. ( ) ³Um mundo de vapores no ar flutua. ( 29.

( ) ³Na chuva de cores Da tarde que explode A lagoa brilha (Carlos Drummond de Andrade) 42. a vida é um sol estático Não aquece. toda vida se tece de mil mortes.´ (Alcântara Machado) 37.. se segue a noite escura. Era subalterno.´ ( Adonias Filho) ) ³Lá fora a noite é um pulmão ofegante. ( 35. ( ) ³O Forte ergue seus braços para o céu de estrelas e de paz.´ (Fernando Namora) ) ³O meu abraço te informará de mim. ( ) ³Eu era pobre. Depois de luz.. a alegria. ³ (Cecília Meireles) Nos exercícios de números 41 a 50. Era nada. ( ) ³Todo sorriso é feito de mil prantos.´ (Gregório de Matos) 43. ( ) ³Um olhar dessa pálpebra sombra. ( ) ³Iam-se as sombras lentas desfazendo Sobre as flores da terra frio orvalho. ( ) ³Residem juntamente no teu peito Um demônio que ruge e um deus que chora. e não dura mais que um dia.´ 34. ( ) ³O arco-íris saltou como serpente multicolor nessa piscina de desenhos delicados. Em tristes sombras morre a formosura Em contínuas tristezas.) 39. faça a associação de acordo com o seguinte código: a) ironia d) paradoxo b)eufemismo e) hipérbole c) antítese f) gradação 41. nem ilumina´ (Carlos Drummond de Andrade. ³(Machado de Assis) 44.´( Carlos de Laet) 45. ( 36.´ (Álvares de Azevedo) 40.Soluça.´ . ( ) ³Nasce o sol. somaria mais que todas as vertidas desde Adão e Eva. ( ) ³Não há criação nem morte perante a poesia Diante dela. ³( Camões) 38. ( ) ³Se eu pudesse contar as lágrimas que chorei na véspera e na manhã.´ (Monteiro Lobato) 46.

.. ³Lá vem o vaqueiro. cantam os chocalhos dos tristes bodes patriarcais. Não quero ser amado. três séculos de família. Tenho tudo quanto quero. 55. blém. ( Andrade) ) ³O dinheiro é uma força tremenda.´ (Vinícius de Morais) R. ³Olha a bolha d¶água no galho Olha o orvalho!´ (Cecília Meireles) R. ³Belo belo belo. ( ) ³Quando a indesejada das gentes chegar. ( 50. R. 51. pelos atalhos.´ (Manuel Bandeira) 48.(Olavo Bilac) 47. ³ (Camões) 49. onipotente. 53. Não quero combater Não quero ser soldado... ³E fria. burra como uma porta: um amor.. 57. frouxa claridade . sem sombra. tangendo as reses para os currais. bem tratada. ³Não quero amar.´ ( Olavo Bilac) ) ³Moça linda. 52. bomba atômica.´ (Haroldo de Campos) R.´(Manuel Bandeira) R.. Blém. fluente.´ (Manuel Bandeira) R.´ (Ascenso Ferreira). ( ) ³Voando e não remando.. 56. lhe fugiram. Blém. assombrosa. 54. ³Bomba atômica que aterra! Pomba atônita da paz! Pomba tonta. ³dúvida sombra Sem dúvida na sombra Na dúvida..´ (Mário de Identifique nos textos abaixo os tipos de recursos expressivos que ocorrem.

58.´ (Cassiano Ricardo) 61.. ( ) ³Se você gritasse Se você gemesse. José!´ (Drummond) 60.. ( ) ³Diamante. Tua porta. áspera asa risca . Estabeleça a correlação: a) assonância b) paronomásia c) onomatopéia d) aliteração 59. Lua morta. Vidraça ) Rua arisca. se você tocasse a valsa vienense. você é duro. ³A onda anda aonde anda a onda? a onde ainda ainda onda ainda onda aonde? aonde? a onda a onda. se você dormisse se você cansasse se você morresse Mas você não morre.³ (Cruz e Souza) R..Flutua como as brumas de um letargo.´ (Manuel Bandeira) R. ( torta.

70. ³E o olhar estaria ansioso esperando e a cabeça ao saber da mágoa balançando e o coração fugindo e o coração voltando e os minutos passando e os minutos passando. continuam acesas. que ficavam velhas no chão.. O ar cheira a passarinho..´ (J. ... Lins do Rego) R.Ninguém não vê nem um pé de cana. ³. 71. E brilha.. ( (. ( ) ³É pleno dia. ) ³Do amor morto motor da saudade recuando de olhos acesos. Assurbanipa!.´ (Raquel de Queirós) R. aqui e ali. E passa... ³Plantava tudo que era verdura.´ (Vinícius de Morais) R. 67. ³Essas que ao vento vêm Belas chuvas de junho!´ (Joaquim Cardoso) .´(Mário de Andrade) 63. 69.o ar.´ (Drummond) R. 68.´ (Graciliano Ramos) R. O zumbido da mosca embalança de sede..´ (Carlos Drummond de Andrade) R..) Divindade do duro totem futuro total´ (Caetano Veloso) Nomeie as figuras encontradas nos exercícios abaixo: 64. Os altares. esquecidas da noite que se foi. ³(José Lins do Rego) R. ³E os sessenta milhões de brasileiros falamos e escrevemos de inúmeras maneiras a língua que nos deu Portugal. 66 ³A igreja era grande e pobre. ( ) ³Adeus: vamos para a frente. humildes. ³Guardei na memória pedaços de conversas. 72.. ³Algumas janelas.´ (Guilherme de Almeida) 62.´( Fernando Sabino) R.. O lábio se dissolve em açúcares breves. 65.

Quem sabe a malícia das coisas quando a matéria se aborrece?´ (Drummond) a) antítese b) assíndeto c) prosopopéia d) catacrese e) comparação.´ (Álvares de Azevedo) R.´ (Camões) a) metáfora e sinestesia b) silepse e catacrese c) catacrese e comparação d) anáfora e hipérbole e) hipérbato e sinédoque 76. partem tão tristes meus olhos por vós. ( ) ³O préstito passando Bando de clarins em cavalos fogosos Utiaritis aritis assoprando cometas sagradas Fanfarras fanfarrans fenferrens finfirrins forrobodó de cuia. Identificar nos textos abaixo as figuras presentes nas frases: 74. ³Foi por ti que num sonho de ventura a flor da mocidade consumi. que nunca tão tristes vistes outros nenhum por ninguém.R. ( ) ³A casa tem muitas gavetas e papéis. escadas compridas. meu bem.´ (Mário de Andrade) a) aliteração e metáfora b) comparação e silepse c) onomatopéia e aliteração d) onomatopéia e metáfora e) prosopopéia e comparação Relacione as figuras de palavras: . . 73. ( ) ³Senhora. 75.

( 84. ( 91. cá estou para outras.´ (Mauro Mota). ( 82.E o povo de Marvalha? perguntava ele aos canoeiros. na sacristia escura.´ (Mário de Andrade) 87. parece-me que sim. apertando-se. sem sombras. ( ) ³. e delira. ( ) ³Deixe em paz meu coração Que ele é um pote até aqui de mágoa. tudo gasta..´ (Mário de Sá Carneiro) ) ³Vossa Senhoria pode ficar descansado.´ (Carlos Drummond de Andrade) ) ³Eu. ( 86.. não digo nada.´( Machado de Assis) ) ³Os outros reparos. as mãos é que se estenderam pouco a pouco. ( ) ³Política.a) sinestesia d) metonímia b) catacrese e) sinédoque c) metáfora f) comparação 77. entravam claridades cinzentas e surdas.´ (Carlos Drummond de Andrade) Relacione as figuras de construção: a) silepse de gênero f) anáfora b) elipse g) pleonasmo c) zeugma h) hipérbato d) assíndeto i) anacoluto e) polissíndeto j) silepse de número l) silepse de pessoa 83. todas quatro. ( ) ³Entramos os cinco. a folha de um livro retoma.´ (José Lins do Rego) 90. e voa. ( ) ³Não nos movemos. ) ³Tudo cura o tempo. ( ) ³. aceitei-os todos.´ (Clarice Lispector) 80. e treme. como um lustro de seda dentro de um confuso montão de trapos de chita. Samuel não discutia. ) ³noite sem lua. pelo menos nada conheço.Estão em São Miguel.´ (Carlos Drummond de Andrade) 88. ( ) ³Tenho certeza que fala de amor. em fila.. ( ) ³Por uma única janela envidraçada.´ (Machado de Assis) . ( ) ³Ama.´ (Raquel de Queirós) 79.pegando -se.´(Otto Lara Resende). tudo digere.´(Chico Buarque) 78.´( Vieira) 93. fundindo-se.. concha sem pérola´( Guimarães Rosa). ( 92.´ (Alberto de Oliveira) 89. entrevada. ( ) Folheada. que se lhe aparente. .. ( 85. ( ) ³Navegam fome e cansaço nas profundezas do rio.´ (João Cabral de Melo Neto) 81. ) ³A cidadezinha está calada. e foge e engana.

.´ (Machado de Assis) ) ³Gente que nasceu.( 104.Relacione as figuras de pensamento: a) antítese b) paradoxo c) ironia d) eufemismo e) hipérbole f) gradação g) prosopopéia ou personificação apóstrofe 94. Holanda edificará templos. você não vai a lugar ne-nhum.´ (Chico Buarque) Relacione as figuras de som: a) aliteração b) assonância c) kparonomásia d) onomatopéia 102.´ (Chico Buarque) 105. ( 99.´ . zum.´ (Chico Buarque) 96. ( 100.´ (Fernan -do Brandt) ) ³E pela paz derradeira que enfim vai nos redi-mir. ( 101. ( ) ³Há um pinheiro estático e extático. Holanda levantará altares. ( ) ³Plunct. ( )³Parece que toda cidade precisava ter um louco na rua para chamar o povo à razão.´ (Vieira) 97. ( 95. ( ) ³Holanda defenderá a verdade de vossos sacra-mentos.. fecha a porte dos teus mares. plact. ( )³As florestas ergueram os braços peludos.´ (José J Veiga) )³E me beija com alma e fundo/ até minh¶alma se sentir beijada. amou.. ( 98.´ (Castro Alves) ) ³Tendes a volúpia suprema da vaidade.´ (Raul Bopp) ) ³Colombo. qu é a vaidade da modéstia. ( ) ³Leis perfeitos seus peitos direitos me olham assim fino menino me inclino pro lado do sim rapte-me adapte-me capte-me coração.´ (Raul Seixas) ) ³Toda gente homenageia Januária na janela. Deus lhe pague.´ (Caetano Veloso) 103.. sofreu aqui.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->