1

8. ORGANIZAÇÃO SINTÁTICA DO PERÍODO SIMPLES E DO PERÍODO COMPOSTO

1- FRASE, ORAÇÃO E PERÍODO
Frase Frase é todo enunciado de sentido completo, podendo ser formada por uma só palavra ou por várias, podendo ter verbos ou não. A frase exprime, através da fala ou da escrita: ideias emoções ordens apelos A frase se define pelo seu propósito comunicativo, ou seja, pela sua capacidade de, num intercâmbio linguístico, transmitir um conteúdo satisfatório para a situação em que é utilizada. Exemplos: O Brasil possui um grande potencial turístico. Espantoso! Não vá embora. Silêncio! O telefone está tocando. Observação: a frase que não possui verbo denomina-se Frase Nominal. Na língua falada, a frase é caracterizada pela entoação, que indica nitidamente seu início e seu fim. A entoação pode vir acompanhada por gestos, expressões do rosto, do olhar, além de ser complementada pela situação em que o falante se encontra. Esses fatos contribuem para que frequentemente surjam frases mu ito simples, formadas por apenas uma palavra. Observe: Rua! Ai! Essas palavras, dotadas de entoação própria, e acompanhadas de gestos peculiares, são suficientes para satisfazer suas necessidades expressivas. Na língua escrita, a entoação é representada pelos sinais de pontuação, os quais procuram sugerir a melodia frasal. Desaparecendo a situação viva, o contexto é fornecido pelo próprio texto, o que acaba tornando necessário que as frases escritas sejam linguisticamente mais completas. Essa maior complexidade linguística leva a frase a obedecer as regras gerais da língua. Portanto, a organização e a ordenação dos elementos formadores da frase devem seguir os padrões da língua. Por isso é que: As meninas estavam alegres. constitui uma frase, enquanto: Alegres meninas estavam as. não é considerada uma frase da língua portuguesa. Tipos de Frases Muitas vezes, as frases assumem sentidos que só podem ser integralmente captados se atentarmos para o contexto em que são empregadas. É o caso, por exemplo, das situações em que se explora a ironia. Pense, por exemplo, na frase "Que educação!", usada quando se vê alguém invadindo, com seu carro, a faixa de pedestres. Nesse caso, ela expressa exatamente o contrário do que aparentemente diz. A entoação é um elemento muito importante da frase falada, pois nos dá uma ampla possibilidade de expressão. Dependendo de como é dita, uma frase simples como "É ela." pode indicar constatação, dúvida, surpresa, indignação, decepção, etc. Na língua escrita, os sinais de pontuação podem agir como definidores do sentido das frases. Veja:

2

Existem alguns tipos de frases cuja entoação é mais ou menos previsível, de acordo com o sentido que transmitem. São elas: a) Frases Interrogativas: ocorrem quando uma pergunta é feita pelo emissor da mensagem. São empregadas quando se deseja obter alguma informação. A interrogação pode ser direta ou indireta. Você aceita um copo de suco? (Interrogação direta) Desejo saber se você aceita um copo de suco. (Interrogação indireta) b) Frases Imperativas: ocorrem quando o emissor da mensagem dá uma ordem, um conselho ou faz um pedido, utilizando o verbo no modo imperativo. Podem ser afirmativas ou negativas. Faça-o entrar no carro! (Afirmativa) Não faça isso. (Negativa) Dê-me uma ajudinha com isso! (Afirmativa) c) Frases Exclamativas: nesse tipo de frase o emissor exterioriza um estado afetivo. Apresentam entoação ligeiramente prolongada. Por Exemplo: Que prova difícil! É uma delícia esse bolo! d) Frases Declarativas: ocorrem quando o emissor constata um fato. Esse tipo de frase informa ou declara alguma coisa. Podem ser afirmativas ou negativas. Obrigaram o rapaz a sair. (Afirmativa) Ela não está em casa. (Negativa) e) Frases Optativas: são usadas para exprimir um desejo. Por Exemplo: Deus te acompanhe! Bons ventos o levem! De acordo com a construção, as frases classificam-se em: Nominal e Verbal Frase Nominal: é a frase construída sem verbos. Exemplos: Fogo! Cuidado! Belo serviço o seu! Trabalho digno desse feirante. Frase Verbal: é a frase construída com verbo. Por Exemplo: O sol ilumina a cidade e aquece os dias. Os casais saíram para jantar. A bola rolou escada abaixo.

3

Estrutura da Frase As frases que possuem verbo são geralmente estruturadas a partir de dois elementos essenciais: sujeito e predicado. Isso não significa, no entanto, que tais frases devam ser formadas, no mínimo, por dois vocábulos. Na frase "Saímos", por exemplo, há um sujeito implícito na terminação do verbo: nós. O sujeito é o termo da frase que concorda com o verbo em número e pessoa. É normalmente o "ser de quem se declara algo", "o tema do que se vai comunicar". O predicado é a parte da frase que contém "a informação nova para o ouvinte". Normalmente, ele se refere ao sujeito, constituindo a declaração do que se atribui ao sujeito. É sempre muito importante analisar qual é o núcleo significativo da declaração: se o núcleo da declaração estiver no verbo, teremos um predicado verbal (ocorre nas frases verbais); se o núcleo da declaração estiver em algum nome, teremos um predicado nominal (ocorre nas frases nominais que possuem verbo de ligação). Observe: O amor é eterno. O tema, o ser de quem se declara algo, o sujeito, é "O amor". A declaração referente a "o amor", ou seja, o predicado, é "é eterno". É um predicado nominal, pois seu núcleo significativo é o nome "eterno". Já na frase: Os rapazes jogam futebol. O sujeito é "Os rapazes", que identificamos por ser o termo que concorda em número e pessoa com o verbo "jogam". O predicado é "jogam futebol", cujo núcleo significativo é o verbo "jogam". Temos, assim, um predicado verbal. Oração Uma frase verbal pode ser também uma oração. Para isso é necessário: - que o enunciado tenha sentido completo; - que o enunciado tenha verbo (ou locução verbal). Por Exemplo: Camila terminou a leitura do livro. Obs.: Na oração as palavras estão relacionadas entre si, como partes de um conjunto harmônico: elas são os termos ou as unidades sintáticas da oração. Assim, cada termo da oração desempenha uma função sintática. Atenção: Nem toda frase é oração. Por Exemplo: Que dia lindo! Esse enunciado é frase, pois tem sentido. Esse enunciado não é oração, pois não possui verbo. Assim, não possuem estrutura sintática, portanto não são orações, frases como: Socorro! - Com Licença! - Que rapaz ignorante! A frase pode conter uma ou mais orações. Veja: Brinquei no parque. (uma oração) Entrei na casa e sentei-me. (duas orações) Cheguei, vi, venci. (três orações) Período Período é a frase constituída de uma ou mais orações, formando um todo, com sentido completo. O período pode ser simples ou composto. Período Simples: é aquele constituído por apenas uma oração, que recebe o nome de oração absoluta.

Vou gritar para todos ouvirem que estou sabendo o que acontece ao anoitecer. Saiba que: Como toda oração está centrada num verbo ou numa locução verbal. Exemplos: Quando você partiu minha vida ficou sem alegrias. Em análise sintática. Quero aquelas rosas. são representados pelo sujeito e predicado nas orações. Período Composto: é aquele constituído por duas ou mais orações. Termos da Oração No período "Conhecemos mais pessoas quando estamos viajando". O tempo é o melhor remédio. Estrutura de um Período Observe: Conhecemos mais pessoas quando estamos viajando. Obs. aposto. São representados por: adjunto adnominal. 2) Integrantes Completam o sentido dos verbos e dos nomes. jantei e fui dormir. Segundo a Nomenclatura Gramatical Brasileira. existem seis palavras. agente da passiva. Cheguei. 3) Acessórios Desempenham função secundária (especificam o substantivo ou expressam circunstância).objeto direto e indireto. é um termo à parte: não pertence à estrutura da oração. Termo é a palavra considerada de acordo com a função sintática que exerce na oração. a maneira prática de saber quantas orações existem num período é contar os verbos ou locuções verbais. As plantas necessitam de cuidados especiais. cada palavra da oração é chamada de termo da oração. em análise sintática. Cada uma delas exerce uma determinada função nas orações. os termos da oração podem ser: 1) Essenciais Também conhecidos como termos "fundamentais". são representados por: complemento verbal . Ao analisarmos a estrutura do período acima. . Objetivos da Análise Sintática A análise sintática tem como objetivo examinar a estrutura de um período e das orações que compõem um período. complemento nominal.4 Exemplos: O amor é eterno. adjunto adverbial.: O vocativo. Quero aquelas flores para presentear minha mãe. é possível identificar duas orações: Conhecemos mais pessoas e quando estamos viajando.

Predicado Sujeito Sujeito no Meio do Predicado: Despreocupadas. são necessários alguns termos básicos: os termos essenciais. Sujeito Predicado: termo que contém o verbo e informa algo sobre o sujeito. Brincavam despreocupadas as crianças. a oração pode estar: Na Ordem Direta: o sujeito aparece antes do predicado. Por Exemplo: As crianças brincavam despreocupadas. Diz-se que o sujeito é simples quando o verbo da oração se refere a apenas um elemento. A oração possui dois termos essenciais. Sujeito Predicado Na Ordem Inversa: o sujeito aparece depois do predicado. Existem ainda as orações sem sujeito. o sujeito e o predicado.Sujeito Determinado: é aquele que se pode identificar com precisão a partir da concordância verbal. Pode ser: a) Simples Apresenta apenas um núcleo ligado diretamente ao verbo. Por Exemplo: As praias estão cada vez mais poluídas.5 2. as crianças brincavam. Por Exemplo: Os meninos estão gripados. um numeral ou uma oração subjetiva. . Por Exemplo: As praias estão cada vez mais poluídas. Todos cantaram durante o passeio. 1 . seja ele um substantivo (singular ou plural).TERMOS ESSENCIAIS DA ORAÇÃO Sujeito e Predicado Para que a oração tenha significado. Predicado Posição do Sujeito na Oração Dependendo da posição de seus termos. Sujeito: termo sobre o qual o restante da oração diz algo. um pronome. Por Exemplo: A rua estava deserta. Observação: não se deve confundir sujeito simples com a noção de singular. Predicado Sujeito Predicado Classificação do Sujeito O sujeito das orações da língua portuguesa pode ser determinado ou indeterminado.

(Sujeito Indeterminado) No caso a. transitivos indiretos e de ligação). Sujeito Os novos candidatos foram aprovados. Exemplos: Vive-se melhor no campo. Veja: a) Aprovou-se o novo candidato. sem que se refira a nenhum termo identificado anteriormente (nem em outra oração): Por Exemplo: Procuraram você por todos os lugares. (Verbo de Ligação) Entendendo a Partícula Se As construções em que ocorre a partícula se podem apresentar algumas dificuldades quanto à classificação do sujeito. c) Implícito Ocorre quando o sujeito não está explicitamente representado na oração. Sujeito b) Precisa-se de professor. que atua como índice de indeterminação do sujeito. sempre se fica nervoso.Sujeito Indeterminado: é aquele que.mos. o sujeito é simples e determinado. Nessas construções. (Verbo Transitivo Indireto) No casamento. concordando com o sujeito. pois o sujeito nós é indicado pela desinência verbal . Por Exemplo: Dispensamos todos os funcionários. Nessa oração. O verbo obrigatoriamente fica na terceira pessoa do singular. b) Com verbo ativo na 3ª pessoa do singular. (Verbo Intransitivo) Precisa-se de técnicos em informática. não se pode determinar nem pelo contexto. nem pela terminação do verbo. Na língua portuguesa. o se é uma partícula apassivadora e o verbo está na voz passiva sintética. há três maneiras diferentes de indeterminar o sujeito de uma oração: a) Com verbo na 3ª pessoa do plural: O verbo é colocado na terceira pessoa do plural. Sujeito No caso b. c) Com o verbo no infinitivo impessoal: Por Exemplo: . embora existindo. Tênis e natação são ótimos exercícios físicos. o sujeito é indeterminado e o verbo fica sempre na 3ª pessoa do singular. seguido do pronome se: O verbo vem acompanhado do pronome se. 2 . Sujeito Aprovaram-se os novos candidatos.6 b) Composto Apresenta dois ou mais núcleos ligados diretamente ao verbo. Essa construção ocorre com verbos que não apresentam complemento direto (verbos intransitivos. (Sujeito Indeterminado) Precisa-se de professores. mas pode ser identificado. Observe a transformação das frases para a voz passiva analítica: O novo candidato foi aprovado. Estão pedindo seu documento na entrada da festa. se é índice de indeterminação do sujeito e o verbo está na voz ativa.

Amanheceu antes do horário previsto. o verbo ser poderá ficar no singular. o sujeito é determinado. Por Exemplo: Choviam crianças na distribuição de brindes. (crianças=sujeito) Já amanheci cansado. Estar: Está tarde. Ocorre sujeito oculto. amanhecer. fazer e haver. Observe a estrutura destas orações: Sujeito Predicado Havia formigas na casa. .: ao indicar tempo. concordando com o número de dias.: quando o verbo está na 3ª pessoa do plural. esses verbos podem ter sujeito determinado. É possível constatar que essas orações não têm sujeito. Observação: quando usados na forma figurada. (Tempo decorrido) Fez 39° C ontem. (Tempo) Está muito quente. Por Exemplo: Choveu muito no inverno passado.Oração Sem Sujeito: é formada apenas pelo predicado e articula-se a partir de um verbo impessoal. (Data) Obs. o sujeito de compraram é eles (Felipe e Marcos).: ao indicar data. estar. a mensagem centra-se no processo verbal. trovejar. 3 . (Hora) Obs.(Temperatura) Fazer: Faz dois anos que não vejo meu pai. Por Exemplo: Faz muitos anos que nos conhecemos. fazendo referência a elementos explícitos em orações anteriores ou posteriores. Devemos ter cuidado com os verbos fazer e haver usados impessoalmente: não é possível usá-los no plural. ventar. chover. etc. O conteúdo verbal não é atribuído a nenhum ser. É triste assistir a estas cenas tão trágicas. (Verbo Haver significando existir) Atenção: Com exceção do verbo ser. quando usados para indicar uma ideia de tempo ou fenômenos meteorológicos: Ser: É noite.7 Era penoso estudar todo aquele conteúdo. Compraram muitas verduras. Constituem a enunciação pura e absoluta de um fato. Nevou muito este ano em Nova Iorque. (Período do dia) Eram duas horas da manhã. ou então irá para o plural. Nesse caso. relampejar. através do predicado. os verbos impessoais devem ser usados SEMPRE NA TERCEIRA PESSOA DO SINGULAR. subentendendo-se a palavra dia. Obs. (Temperatura) Haver: Não a vejo há anos. (eu=sujeito) b) Verbos ser. gear. Os casos mais comuns de orações sem sujeito da língua portuguesa ocorrem com: a) Verbos que exprimem fenômenos da natureza: Nevar. Por Exemplo: Felipe e Marcos foram à feira. (É uma hora/ São nove horas) Hoje é (ou são) 15 de março. anoitecer. o verbo ser varia de acordo com a expressão numérica que o acompanha. (Tempo decorrido) Havia muitos alunos naquela aula.

Em termos. Houve muitas pessoas interessadas na reunião. Veja alguns exemplos: As mulheres compraram roupas novas Predicado Durante o ano. acontecimento. Nele é obrigatória a presença de um verbo ou locução verbal. são mais conhecidos como verbos de ligação. em outras palavras. Os verbos nocionais são os que exprimem processos. Predicado Predicado é aquilo que se declara a respeito do sujeito. quando ocorrer) numa oração é o seu predicado. atuando como verbo não nocional.acabar ± tornar-se ± passar (a) Os verbos não nocionais sempre fazem parte do predicado. atividade mental: Acontecer ± considerar ± desejar ± julgar ± pensar ± querer ± suceder ± chover ± correr fazer ± nascer ± pretender ± raciocinar Esses verbos são sempre núcleos dos predicados em que aparecem. Veja outros exemplos: Há muitas pessoas interessadas na reunião. Quanto à predicação.8 Deve fazer dias quentes na Bahia. atuando como um verbo nocional. Para analisar a importância do verbo no predicado. O verbo andar exprime uma ação. entre outros: Ser ± estar ± permanecer ± continuar ± andar ± persistir ± virar ± ficar ± achar-se . indicam ação. mas não atuam como núcleos. identifica-se também o predicado. na oração: Ela anda muito rápido. Predicado Predicado A natureza é bela. Predicado OS VERBOS NO PREDICADO Em todo predicado existe necessariamente um verbo ou uma locução verbal. Para perceber se um verbo é nocional ou não nocional. Os verbos não nocionais exprimem estado. transitivos ou de ligação. Já na oração: Ela anda triste. . Haverá muitas pessoas interessadas na reunião. O verbo exprime um estado. tudo o que difere do sujeito (e do vocativo. muitos alunos desistem do curso. Deve ter havido muitas pessoas interessadas na reunião. os verbos podem ser intransitivos. fenômeno natural. Pode ter havido muitas pessoas interessadas na reunião. Quando se identifica o sujeito de uma oração. desejo. Havia muitas pessoas interessadas na reunião. Fazem parte desse grupo. é necessário considerar o contexto em que é usado. devemos considerar dois grupos distintos: os verbos nocionais e os não nocionais. Predicação Verbal Chama-se predicação verbal ao resultado da ligação que se estabelece entre o sujeito e o verbo e entre os verbos e os complementos. Assim.

Por Exemplo: Nós escutamos nossa música favorita. 3 3= Verbo Transitivo Direto e Indireto a= preposição 3) Verbo de Ligação É aquele que. sente algo. Por Exemplo: Eu gosto de sorvete. Simples Predicado As crianças de carinho. expressando estado. sem necessitar.9 1) Verbo Intransitivo É aquele que traz em si a ideia completa da ação. precisam 1 2 1= Verbo Transitivo 2= Complemento Verbal (Objeto) O verbo transitivo pode ser: a) Transitivo Direto: é quando o complemento vem ligado ao verbo diretamente. como: local: O avião caiu sobre as casas da periferia. Por Exemplo: Ela contou tudo ao namorado. Essas informações ampliam o significado do verbo. sem preposição obrigatória. Se desejar. O verbo cair é intransitivo. integrando-se aos complementos. estabelecendo entre eles (sujeito e características) certos tipos de relações. de um outro termo para completar o seu sentido. liga características ao sujeito. O verbo e ligação pode expressar: a) estado permanente: ser. . mas não são necessárias para que se compreenda a informação básica. tempo: O avião caiu no mês passado. para adquirir sentido completo. com preposição obrigatória. Sua ação não transita. revela algo a alguém. modo: O avião caiu lentamente. quem revela. Por Exemplo: O avião caiu. isto é. viver. 1 1= Verbo Transitivo Direto b) Transitivo Indireto: é quando o complemento vem ligado ao verbo indiretamente. 2) Verbo Transitivo É o verbo que vem acompanhado por complemento: quem sente. o falante pode acrescentar outras informações. 2 2 = Verbo Transitivo Indireto de= preposição c) Transitivo Direto e Indireto: é quando a ação contida no verbo transita para o complemento direta e indiretamente. ao mesmo tempo. pois encerra um significado completo. O sentido desse verbo transita. segue adiante. Veja: S. portanto.

Além disso. O núcleo do predicado é bela. As demais palavras ligam-se direta ou indiretamente ao verbo (necessitar é. devemos considerar se as palavras que formam o predicado referem apenas ao verbo ou -se também ao sujeito da oração. no caso. dois núcleos: amanheceu e ensolarado. ao sujeito da oração.O jovem anda preocupado. . podemos reconhecer três tipos de predicado: verbal. tornar-se. Veja o próximo exemplo: O dia amanheceu ensolarado Sujeito Predicado Percebemos que as duas palavras que formam o predicado estão diretamente relacionadas ao sujeito: amanheceu (verbo significativo) e ensolarado (nome que se refere ao sujeito). andar. o nome bela se refere. expressa uma ação. Veja o exemplo abaixo: Os animais necessitam de cuidados especiais Sujeito Predicado O predicado. Classificação do Predicado Para o estudo do predicado. Observação: a classificação do verbo quanto à predicação deve ser feita de acordo com o contexto e não isoladamente. Renato permanece mal. por intermédio do verbo. Um mesmo verbo pode aparecer ora como intransitivo. de algo). e) estado aparente: parecer Por Exemplo: Marta parece melhor. expressa um estado.O jovem anda devagar. Júlia fez-se brava. o papel de núcleo significativo do predicado. achar-se. virar. O predicado apresenta. permanecer Por Exemplo: Renato continua mal. Veja: 1 . ora como de ligação. Mamãe encontra-se bem. fazer-se Por Exemplo: Júlia ficou brava. nominal e verbo-nominal. Já em: A natureza é bela Sujeito Predicado No exemplo acima. portanto. assim. anda= verbo de ligação. anda = verbo intransitivo. Tomando por base o núcleo do que está sendo declarado. b) estado transitório: estar. encontrar-se Por Exemplo: Mamãe está bem. apresenta apenas uma que se refere ao sujeito: necessitam. é necessário verificar se seu núcleo significativo está num nome ou num verbo. apesar de ser formado por muitas palavras. 2 . que assume. d) continuidade de estado: continuar. O verbo agora atua como elemento de ligação entre sujeito e a palvra a ele relacionada. c) estado mutatório: ficar.10 Por Exemplo: Sandra é alegre. Sandra vive alegre.

Veja: Ele está triste. o que não impede o verbo demolir de ser o núcleo do predicado. (sem sabor = locução adjetiva) b) Substantivo ou palavra substantivada: Por Exemplo: Esta figura parece um peixe. (diretora = predicativo do sujeito. Veja os exemplos abaixo: O dia clareou. c) Indica estado ou qualidade. c) Indica ação. (núcleo do predicado verbal = demolida) Obs. parecia = verbo de ligação) Nosso herói acabou derrotado. Todo predicado construído com verbo de ligação necessita de predicativo do sujeito. (núcleo do predicado verbal = Chove) Ocorreu um acidente naquela rua. (núcleo do predicado verbal = clareou) Chove muito nos estados do sul do país. que traga uma ideia de ação. (núcleo do predicado verbal = Ocorreu) A antiga casa foi demolida. acabou = verbo de ligação) Uma simples funcionária virou diretora da empresa. está = verbo de ligação) A natureza é bela.: no último exemplo há uma locução verbal de voz passiva.11 Predicado Verbal Apresenta as seguintes características: a) Tem um verbo como núcleo. Pode ser representado por: a) Adjetivo ou locução adjetiva: Por Exemplo: O seu telefonema foi especial. tendo como intermediário um verbo de ligação. ao mesmo tempo que o ligam ao predicativo. isto é. Por Exemplo: Leonardo é competente. é = verbo de ligação) O homem parecia nervoso. que desempenha a função de predicativo do sujeito. Por exemplo: Eles revelaram toda a verdade para a filha. é necessário que o verbo seja significativo. o núcleo é sempre um nome. Os exemplos abaixo mostram como esses verbos exprimem diferentes circunstâncias relativas ao estado do sujeito. (recomeçar = verbo substantivado) c) Pronome Substantivo: Por Exemplo: Meu boletim não é esse. (derrotado = predicativo do sujeito. Predicado Nominal No predicado nominal. b) Não possui predicativo do sujeito. Predicado Verbal Para ser núcleo do predicado verbal. O predicativo do sujeito é um termo que caracteriza o sujeito. (esse = pronome substantivo) d) Numeral: . (peixe = substantivo) Amar é um eterno recomeçar. (especial = adjetivo) Este bolo está sem sabor. b) É formado por um verbo de ligação mais o predicativo do sujeito. (bela = predicativo do sujeito. (triste = predicativo do sujeito. Predicado Nominal Apresenta as seguintes características: a) Possui um nome (substantivo ou adjetivo) como núcleo. (nervoso = predicativo do sujeito. virou = verbo de ligação) Predicativo do Sujeito É o termo que atribui características ao sujeito por meio de um verbo.

12 Por Exemplo: Nós somos dez ao todo. c) Indica ação ou atividade do sujeito e uma qualidade.Verbo Transitivo + Objeto + Predicativo do Objeto Por Exemplo: A despedida deixou a mãe aflita. Por Exemplo: Os alunos saíram da aula alegres. Veja: Os alunos saíram da aula. um verbal e um nominal.Verbo Transitivo + Objeto + Predicativo do Sujeito Por Exemplo: Os alunos cantaram emocionados aquela canção. Sujeito Verbo Transitivo Predicativo do Sujeito Objeto Direto Saiba que: Para perceber como os verbos participam da relação entre o objeto direto e seu predicativo. que indica uma ação praticada pelo sujeito. Chamou-lhe ingrato. (dez = numeral) Predicado Verbo-Nominal Apresenta as seguintes características: a) Possui dois núcleos: um verbo e um nome. b) Possui predicativo do sujeito ou do objeto. Verbo Significativo Predicativo do Objeto O verbo julgar relaciona o complemento (os homens) com o predicativo (insensíveis). e um predicativo do sujeito (alegres). Eles estavam alegres. Sujeito Voz Passiva: Os homens Verbo Significativo Objeto Direto Predicativo do Objeto são julgados insensíveis pelas mulheres.) . Assim. basta passar a oração para voz passiva. Por Exemplo: Todos o chamam de irresponsável. É importante observar que o predicado dessa oração poderia ser desdobrado em dois outros. (Chamou a ele ingrato. Sujeito Verbo Transitivo Objeto Direto Predicativo do Objeto 3 . Sujeito Verbo Intransitivo Predicativo do Sujeito 2 . Essa relação se evidencia quando passamos a oração para a voz passiva. que indica o estado do sujeito no momento em que se desenvolve o processo verbal. Predicado Verbo-Nominal O predicado é verbo-nominal porque seus núcleos são um verbo (saíram .Verbo Intransitivo + Predicativo do Sujeito Por Exemplo: Joana partiu contente. Ocorre predicativo do objeto indireto com o verbo chamar. Observação: o predicativo do objeto normalmente se refere ao objeto direto. Veja: Voz Ativa: As mulheres julgam os homens insensíveis. Estrutura do Predicado Verbo-Nominal O predicado verbo-nominal pode ser formado de: 1 .verbo intransitivo). vem precedido de preposição.

Por Exemplo: A criança chorou lágrimas doídas pela perda da mãe. vos.: caso o objeto direto não viesse preposicionado. Objeto Direto 2) Objeto Indireto É o termo que completa o sentido de um verbo transitivo indireto. complemento nominal. verbos intransitivos. o objeto direto pode vir acompanhado de preposição facultativa. ligando-se a ele sem o auxílio necessário da preposição. Obs. nos./ Unimos o útil ao agradável. .quando o objeto é representado por um pronome pessoal oblíquo tônico: Ofenderam a mim. São eles: complementos verbais (objeto direto e objeto indireto). Exemplos: Não desobedeço a meus pais. lhes. as. Exemplos: Espero-o na minha festa. o sentido da oração ficaria ambíguo. agente da passiva. não a ele. / Onde você leu isso? Atenção: Em alguns casos.quando o objeto é representado por um pronome substantivo indefinido: O diretor elogiou a todos. os. Saiba que: Frequentemente. se. / O menino que conheci está la fora. Isso pode ocorrer: . a. pois não poderíamos apontar com precisão o sujeito (o nosso colega). vos. chamados integrantes.para evitar ambiguidade: Venceu ao inimigo o nosso colega. c) Por qualquer pronome substantivo. podem aparecer como verbos transitivos diretos. Exemplos: O agricultor cultiva a terra. São eles: 1) Objeto Direto É o termo que completa o sentido do verbo transitivo direto. se. .quando o objeto é um substantivo próprio: Adoremos a Deus. Exemplos: Não veio ninguém à aula hoje. nos. / Ela me ama. me te. b) Pelos pronomes oblíquos o. Atuam como objeto indireto os pronomes: lhe. Vem sempre regido de preposição clara ou subentendida. Por Exemplo: Abri os braços ao vê-lo. te. . Objeto Direto O objeto direto pode ser constituído: a) Por um substantivo ou expressão substantivada.TERMOS INTEGRANTES DA ORAÇÃO Certos verbos ou nomes presentes numa oração não possuem sentido completo em si mesmos. Sua significação só se completa com a presença de outros termos.13 3 . Objeto Indireto . me. Complementos Verbais Completam o sentido de verbos transitivos diretos e transitivos indiretos.

geralmente com a intenção de colocá-lo em destaque. Por Exemplo: Roberto me viu na escola. as (e as variantes lo.(OD) Eu lhe pagarei um sorvete. adjetivos) e alguns advérbios em -mente. no. Observe o próximo exemplo: João me telefonou. Portanto. o alvo da declaração expressa por um nome. Difere deste apenas porque. por exemplo). Para determinar sua função sintática.(OI) Substituindo-se "me" por um substantivo qualquer (amigo. Por Exemplo: As mulheres. os. de objeto direto. 3) Complemento Nominal É o termo que completa o sentido de uma palavra que não seja verbo. o paciente.: muitas vezes o objeto indireto inicia-se com crase (à. "me" é objeto direto. Os pronomes lhe. pode referir-se a substantivos. . então se trata de um objeto indireto. A preposição foi usada. complementa nomes (substantivos. los." Veja que a preposição não foi usada. Exemplos: da filha. (Preposição clara "de") Objeto Indireto um recado. Cecília tem orgulho substantivo complemento nominal Ricardo estava consciente de tudo. las.a preposição a está subentendida) Obs.(OI) c) Os pronomes oblíquos me. tem-se: "Roberto viu o amigo na escola.(OD) Substituindo-se "me" por um substantivo qualquer (amigo. se. eu já lhes forneci o pagamento mensal. Assim. que acaba se contraindo com a palavra seguinte. sempre por meio de preposição. te. eu as vi na cozinha. "me" é objeto indireto. (Objeto Indireto) b) Os pronomes oblíquos o. la. É regido pelas mesmas preposições do objeto indireto. adjetivos ou advérbios. (Objeto Direto) A todas vocês. que consiste na retomada do objeto por um pronome pessoal. àquele. (Enviei a ele . (à = "a" preposição + "a" artigo definido) Observações Gerais: a) Pode ocorrer ainda o (objeto direto ou indireto) pleonástico. advérbio complemento nominal Saiba que: O complemento nominal representa o recebedor. àquela. a. Isso ocorre quando o verbo exige a preposição "a". caso contrário. nos. àquilo). nos. na. Portanto. tem-se: "João telefonou ao amigo". Por Exemplo: Entregaram à mãe o presente. lhes são sempre objeto indireto. vos podem ser objeto direto ou indireto. por exemplo). (OD) Vou avisá-lo. nas) são sempre objeto direto. Exemplos: Eu a encontrei no quarto.14 Preciso Enviei-lhe Objeto Indireto de ajuda. em vez de complementar verbos. adjetivo complemento nominal A professora agiu favoravelmente aos alunos. podemos substituir esses pronomes por um substantivo: se o uso da preposição for obrigatório.

circunstanciais. Trata-se de uma oração sem sujeito. são importantes para a compreensão do enunciado. Ao acrescentar informações novas.exprimem circunstância. temos uma oração de predicado verbal formado por um verbo impessoal. observe o que ocorre ao expandirmos um pouco mais a oração acima: Por Exemplo: Suavemente anoiteceu na deserta cidade do planalto.15 4) Agente da Passiva É o termo da frase que pratica a ação expressa pelo verbo quando este se apresenta na voz passiva. apesar de dispensáveis na estrutura básica da oração. .caracterizam o ser. Poderíamos. (substantivo) Este livro foi escrito por mim. Veja: escolheram a vencedora. agora. São termos acessórios da oração: o adjunto adverbial. esses termos: . . Temos. Por Exemplo: foi escolhida pelos jurados. duas noções acessórias. Por Exemplo: O público não foi bem recebido. (pronome) b) Embora o agente da passiva seja considerado um termo integrante. A vencedora Sujeito Verbo Agente da Paciente Voz Passiva Passiva Ao passar a frase da voz passiva para a voz ativa. (pelos anfitriões) 4 . Por Exemplo: O solo foi umedecido pela chuva. Agora. Agente da Passiva Observações: a) O agente da passiva pode ser expresso por substantivos ou pronomes. pode muitas vezes ser omitido.determinam os substantivos.TERMOS ACESSÓRIOS DA ORAÇÃO Sobre os Termos Acessórios Existem termos que. ampliar a gama de informações contidas nessa frase: Por Exemplo: Suavemente anoiteceu na cidade. Os jurados Sujeito Verbo Objeto Direto Voz Ativa Outros exemplos: Joana é amada de muitos. O verbo anoiteceu é suficiente para transmitir a mensagem enunciada. o agente da passiva recebe o nome de sujeito. No exemplo acima. Vem regido comumente da preposição "por" e eventualmente da preposição "de". ligadas ao processo verbal: o modo como anoiteceu (suavemente) e o lugar onde anoiteceu (na cidade). A esses termos acessórios que indicam circunstâncias relativas ao processo verbal damos o nome de adjuntos adverbiais. . A ideia central continua contida no verbo da oração. Sujeito Paciente Agente da Passiva Essa situação Sujeito Paciente já era conhecida de todos. o adjunto adnominal e o aposto. Vamos observar o exemplo: Anoiteceu. no entanto.

que enfatiza esse núcleo: o criador de poetas. no entanto. pois. Na verdade. Por isso. adjunto adverbial de meio e adjunto adverbial de lugar. muito intensifica o advérbio mal. delimitando-lhe o sentido. No primeiro caso. de um adjetivo ou de um advérbio. Note que a frase é capaz de comunicar eficientemente uma informação. Veja o exemplo abaixo: Amanhã voltarei de bicicleta àquela velha praça. era português. Observação: nem sempre é possível apontar com precisão a circunstância expressa por um adjunto adverbial. Adjunto Adverbial É o termo da oração que indica uma circunstância (dando ideia de tempo. Trata-se. Nessas três orações. respectivamente em: adjunto adverbial de tempo. que é núcleo do predicado verbal. Nada nos impede. avisem-me. É difícil precisar se calorosamente é um adjunto adverbial de modo ou de intensidade. é fundamental levar em conta o contexto em que surgem os adjuntos adverbiais. muito é adjunto adverbial de intensidade. Em alguns casos. que é o núcleo do adjunto adverbial de modo. caracterizando-o. de bicicleta indica meio. de enriquecer mais um pouco o conteúdo informativo. Há ainda um predicativo do sujeito (português) relacionado ao sujeito pelo verbo de ligação (era). de uma oração com predicado nominal. Esse termo é chamado de aposto. etc. além do núcleo do sujeito (Fernando Pessoa) há um termo que explica. No segundo. O time jogou muito mal. . analise a frase abaixo: Fernando Pessoa era português. que é o núcleo do predicativo do sujeito. Sabendo que a classificação do adjunto adverbial se relaciona com a circunstância por ele expressa. O adjunto adverbial é o termo que modifica o sentido de um verbo. Observe as frases abaixo: Eles se respeitam muito. O adjunto adverbial pode ser expresso por: 1) Advérbio: O balão caiu longe. 2) Locução Adverbial: O balão caiu no mar. finalidade. Nessa oração. intensifica o adjetivo interessante. determinando-lhe o sentido. o sujeito é determinado e simples: Fernando Pessoa. Por Exemplo: Entreguei-me calorosamente àquela causa. Os termos em destaque estão indicando as seguintes circunstâncias: amanhã indica tempo. intensifica a forma verbal respeitam. Veja: Fernando Pessoa. causa. modo. as diferentes possibilidades de interpretação dão origem a orações sugestivas. parece ser uma fórmula de expressar ao mesmo tempo as duas circunstâncias. Seu projeto é muito interessante. São chamados adjuntos adnominais. Trata-se de termos acessórios que se ligam a um nome.16 Surgiram termos que ser referem ao substantivo cidade. o criador de poetas. Por último. Agora. 3) Oração: Se o balão pegar fogo.). Na terceira oração. os termos acima podem ser classificados. lugar. àquela velha praça indica lugar.

Ele irá com certeza. Sem erros. O menor trabalha por necessidade. (ou segundo o combinado) Dúvida Por Exemplo: Talvez seja melhor irmos mais tarde. Assunto Por Exemplo: Falávamos sobre futebol. Não deixe de observar os exemplos. você não irá. Fim. Afirmação Por Exemplo: Sim. Viajei a negócio. realmente irei partir. Daniel estudou para o exame. . Condição Por Exemplo: Sem minha autorização. (ou de futebol. Não comentamos nada por discrição. Concessão Por Exemplo: Apesar do estado precário do gramado. Com quem você saiu? Sempre contigo irei estar.17 Classificação do Adjunto Adverbial Listamos abaixo algumas circunstâncias que o adjunto adverbial pode exprimir. Companhia Por Exemplo: Fui ao cinema com sua prima. o jogo foi ótimo. Conformidade Por Exemplo: Fez tudo conforme o combinado. finalidade Por Exemplo: Ela vive para o amor. ou a respeito de futebol). Causa Por Exemplo: Com o calor. não há acertos. Trabalho para o meu sustento. Acréscimo Por Exemplo: Além da tristeza. sentia profundo cansaço. encontrariam a solução da crise? Quiçá acertemos desta vez. o poço secou. Porventura.

Viajou para o litoral. Havia reuniões todos os dias.18 Frequência Por Exemplo: Sempre aparecia por lá. Viajei de trem. O artista criava seus desenhos a lápis. Enriqueceram mediante fraude. Meio Por Exemplo: Fui de avião. . "Há. Lugar Por Exemplo: Nasci em Porto Alegre. Negação Por Exemplo: Não há erros em seu trabalho. Era feito de aço. Intensidade Por Exemplo: A atleta corria bastante. Vive nas montanhas. Não aceitarei a proposta em hipótese alguma. um altar a um Deus diferente. Limite Por Exemplo: A menina andava correndo do quarto à sala." (Álvaro de Campos) Matéria Por Exemplo: Compunha-se de substâncias estranhas. Fiquem à vontade. O remédio é muito caro. Modo Por Exemplo: Foram recrutados a dedo. Preço Por Exemplo: As casas estão sendo vendidas a preços muito altos. Instrumento Por Exemplo: Rodrigo fez o corte com a faca. Esperava tranquilamente o momento decisivo. Estou em casa. em cada canto de minh¶alma.

perplexos é predicativo do objeto direto (seus amigos). obteremos: Ele deixou uma obra originalíssima. o artigo" o" (em ao). locuções adjetivas. Ontem à tarde encontrou um velho amigo. artigos. Se substituíssemos esse objeto direto por um pronome pessoal. Beto e Mara se casarão em junho. Adjunto Adnominal É o termo que determina. se substituirmos o núcleo do objeto por um pronome. Nessa oração. Note que perplexos se refere ao objeto. Tempo Por Exemplo: O escritório permanece aberto das 8h às 18h. sem qualquer participação do verbo. mas não faz parte dele. do objeto direto e do objeto indireto. As palavras "o". pronomes adjetivos e numerais adjetivos. obteríamos: Sua atitude deixou-os perplexos. pois é um termo que se refere ao objeto. Isso é facilmente notável quando substituímos um substantivo por um pronome: todos os adjuntos adnominais que estão ao redor do substantivo têm de acompanhá-lo nessa substituição. Saiba que: A percepção de que o adjunto adnominal é sempre parte de um outro termo sintático que tem como núcleo um substantivo é importante para diferenciá-lo do predicativo do objeto. o predicativo permanecerá na oração. Portanto. Observe: Sua atitude deixou os amigos perplexos. Veja: O notável poeta português deixou-a. Ao substituirmos poeta pelo pronome ele. especifica ou explica um substantivo. . por se tratar de adjuntos adnominais. Observe como os adjuntos adnominais se prendem diretamente ao substantivo a que se referem.19 Substituição ou troca Por Exemplo: Abandonou suas convicções por privilégios econômicos. notável e português tiveram de acompanhar o substantivo poeta. O mesmo aconteceria se substituíssemos o substantivo obra pelo pronome a. Por Exemplo: O notável poeta português deixou uma obra originalíssima. respectivamente. do sujeito determinado simples. Ao redor de cada um desses substantivos agrupam-se os adjuntos adnominais: o artigo" o" e o adjetivo inovador referem-se a poeta. O predicativo do objeto é um termo que se liga ao objeto por intermédio de um verbo. o pronome adjetivo seu e a locução adjetiva de infância são adjuntos adnominais de amigo. o numeral dois e o adjetivo longos referem-se ao substantivo trabalhos. a qual pode ser desempenhada por adjetivos. O adjunto adnominal possui função adjetiva na oração. os substantivos poeta. trabalhos e amigo são núcleos. Veja o exemplo a seguir: O poeta inovador enviou dois longos trabalhos ao seu amigo de infância. mas não faz parte dele. Núcleo do Predicado Sujeito Objeto Direto Objeto Indireto Verbal Na oração acima.

chorinho. A expressão "à mãe" classifica-se como complemento nominal. pai de Marina. Exemplo 2 : Vera é um amor de mãe. Por Exemplo: Dona Aida servia o patrão. chorinho. rock. O adjunto adnominal tem sempre valor ativo.: após a eliminação de ontem. ou seja. blues. Veja outro exemplo: Aprecio todos os tipos de música: MPB. Para evitar que isso ocorra. será um adjunto adnominal. pois mãe é agente de amar.20 Distinção entre Adjunto Adnominal e Complemento Nominal É comum confundir o adjunto adnominal na forma de locução adjetiva com complemento nominal. Observe os exemplos: Exemplo 1 : Camila tem muito amor à mãe. seu valor é passivo. só se relaciona a substantivos cujos significados transitam. Objeto Direto Aposto do Objeto Direto Se retirarmos o objeto da oração. adjetivos e advérbios. Segunda-feira. A expressão "de mãe" classifica-se como adjunto adnominal. seu aposto passa a exercer essa função: Aprecio MPB. considere o seguinte: a) Somente os substantivos podem ser acompanhados de adjuntos adnominais. Aposto Aposto é um termo que se junta a outro de valor substantivo ou pronominal para explicá-lo ou especificá-lo melhor. passei o dia com dor de cabeça. pois mãe é paciente de amar. fica claro que o termo ligado por preposição a um adjetivo ou a um advérbio só pode ser complemento nominal. Vem separado dos demais termos da oração por vírgula. Por Exemplo: Ontem. rock. menina levada = aposto de Marina. o substantivo Segunda-feira assume a função de adjunto adverbial de tempo.: o termo a que o aposto se refere pode desempenhar qualquer função sintática (inclusive a de aposto). já os complementos nominais podem ligar-se a substantivos. pratica a ação de amar. samba. Classificação do Aposto De acordo com a relação que estabelece com o termo a que se refere. Segunda-feira é aposto do adjunto adverbial de tempo ontem. Obs. etc. Dizemos que o aposto é sintaticamente equivalente ao termo a que se relaciona porque poderia substituí-lo. samba. é sobre ele que recai a ação. Assim. Objeto Direto Obs. menina levada. recebe a ação de amar. Portanto. Analisando a oração. o aposto pode ser classificado em: . etc. b) O complemento nominal equivale a um complemento verbal. blues. dois-pontos ou travessão. temos: pai de Marina = aposto do objeto direto patrão. Veja: Segunda-feira passei o dia com dor de cabeça. Quando não houver preposição ligando os termos.

Observações: 1) Os apostos. Por Exemplo: Acabo de ler o romance A moreninha. complemento nominal ou adjunto adverbial pode aparecer precedido de preposição. em geral. Rafael e Bianca não entraram na sala de aula após o recreio. d) Comparativo: Seus olhos. detacam-se por pausas. A rua Augusta está muito longe do rio São Francisco. prendendo-se a ele diretamente ou por meio de uma preposição. Além desses. com as felicitações. É. 2) Às vezes. ciência que investiga as relações dos seres vivos entre si e com o meio em que vivem. o termo em destaque tem a função de adjetivo: a obra camoniana. a saber. um adjunto adnominal. fixaram-se por muito tempo na baía anoitecida. isto é. por exemplo. indicadas na escrita. 4) O aposto que se refere ao objeto indireto. adquiriu grande destaque no mundo atual. observe a seguinte frase: A obra de Camões é símbolo da cultura portuguesa. a música não tem fronteiras. cidadania plena. há o aposto especificativo. Por Exemplo: Código universal. por vírgulas. tudo isso está na base de um país melhor. o aposto pode vir precedido de expressões explicativas do tipo: a saber. O aposto especificativo individualiza um substantivo de sentido genérico. portanto. Por Exemplo: Alguns alunos. aquele na poesia e este na prosa. não haverá vírgulas.21 a) Explicativo: A Ecologia. com o ingresso na universidade. Por Exemplo: Estava deslumbrada com tudo: com a aprovação. e) Distributivo: Drummond e Guimarães Rosa são dois grandes escritores. ação. c) Resumidor ou Recapitulativo: Vida digna. b) Enumerativo: A vida humana se compõe de muitas coisas: amor. que difere dos demais por não ser marcado por sinais de pontuação (vírgula ou dois-pontos). Marcos. indagadores holofotes. sinal de preparo físico. Nessa oração. Não havendo pausa. etc. trabalho. Atenção: Para não confundir o aposto de especificação com adjunto adnominal. Vocativo . dois pontos ou travessões. f) Aposto de Oração: Ela correu durante uma hora. sem que haja pausa na entonação da frase: Por Exemplo: O poeta Manuel Bandeira criou obra de expressão simples e temática profunda. igualdade de oportunidades. 3) O aposto pode aparecer antes do termo a que se refere.

temos que estudar mais. a oração de que é constituído recebe o nome de oração absoluta.O vocativo não mantém relação sintática com outro termo da oração. nem ao sujeito nem ao predicado.22 Vocativo é um termo que não possui relação sintática com outro termo da oração. Por Exemplo: A menina comprou chocolate. é feita de escolhas. vamos entrar. olá. Vocativo Nessas orações. Distinção entre Vocativo e Aposto . a senhora está muito elegante hoje! Eh! Gente. Por Exemplo: Crianças. Olá professora. mas sem nenhuma dependência sintática. b) Composto por Subordinação: ocorre quando é constituído de um conjunto de pelo menos duas orações. Rita! Vocativo Senhor presidente. tais como ó. Sujeito Aposto 6 . invocar ou interpelar um ouvinte real ou hipotético. eh!. minha amada. iluminai-me em minhas decisões.O aposto mantém relação sintática com outro termo da oração. Por Exemplo: Não fui à aula porque estava doente. Vocativo . Veja os exemplos: Não fale tão alto. portanto. etc. Obs. os termos destacados são vocativos: indicam e nomeiam o interlocutor a que se está dirigindo a palavra. . queremos nossos direitos! Vocativo A vida.: o vocativo pode vir antecedido por interjeições de apelo. Por Exemplo: Ó Cristo. Por Exemplo: Saímos de manhã e voltamos à noite. coordenadas entre si. geralmente se relaciona à segunda pessoa do discurso. foi filmada. ele pode apresentar os seguintes esquemas de formação: a) Composto por Coordenação: ocorre quando é constituído apenas de orações independentes. Quando um período é composto. Oração Principal Oração Subordinada c) Misto: quando é constituído de orações coordenadas e subordinadas. grande profeta. Por seu caráter. em que uma delas (Subordinada) depende sintaticamente da outra (Principal).PERÍODO COMPOSTO Coordenação e Subordinação Quando um período é simples. É o termo que serve para chamar. Por Exemplo: A vida de Moisés. Não pertence.

é feita pelo uso da conjunção "e". e semelhantes. Oração Coordenada Oração Coordenada Oração Subordinada Obs. dá-se o nome de orações coordenadas. tanto. Introduzem as orações coordenadas sindéticas aditivas. Entre a segunda e a terceira. representada na escrita por uma vírgula. alternativas. As orações coordenadas que se ligam umas às outras apenas por uma pausa.: qualquer oração (coordenada ou subordinada) será ao mesmo tempo principal. Essas estruturas costumam ser usadas quando se pretende enfatizar o conteúdo da segunda oração.) PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO Já sabemos que num período composto por coordenação as orações são independentes e sintaticamente equivalentes. a) Aditivas Expressam ideia de adição. Obs.. mas (também). No exemplo acima. As orações sindéticas aditivas podem também estar ligadas pelas locuções não só. Classificação das Orações Coordenadas Sindéticas De acordo com o tipo de conjunção que as introduz. conclusivas ou explicativas.: a classificação de uma oração coordenada leva em conta fundamentalmente o aspecto lógico -semântico da relação que se estabelece entre as orações. não mantêm entre si dependência gramatical.. abrem-se as cortinas e começa o espetáculo. são chamadas assindéticas.. O período é composto de três orações: As luzes apagam-se. Oração Coordenada (2) (Com relação à 1ª. Existe entre elas.. É o caso de "As luzes apagam-se" e "abrem-se as cortinas". As orações. Por Exemplo: Fui ao mercado e comprei os produtos que estavam faltando. Veja: .23 Por Exemplo: Fui à escola e busquei minha irmã que estava esperando. que podem ser assindéticas ou sindéticas.) e Oração Principal Oração Coordenada (1) Oração Subordinada (3) (Com relação à 3ª. no entanto. começa o espetáculo. abrem-se as cortinas. acrescentamento. A essas orações independentes. Por Exemplo: Discutimos várias propostas e analisamos possíveis soluções. As orações coordenadas introduzidas por uma conjunção são chamadas sindéticas. acontecimentos ou pensamentos dispostos em sequência. adversativas. são independentes. As conjunções coordenativas aditivas típicas são "e" e "nem" (= e + não). sem conjunção. mas do ponto de vista sintático. A conexão entre as duas primeiras é feita exclusivamente por uma pausa. uma relação de sentido. Observe: As luzes apagam-se. evidentemente. as orações coordenadas sindéticas podem ser: aditivas. se houver outra que dela dependa.como. uma não depende da outra. a oração "e começa o espetáculo" é coordenada sindética. Normalmente indicam fatos. pois é introduzida pela conjunção coordenativa "e".

24

Chico Buarque não só canta, mas também (ou como também) compõe muito bem. Não só provocaram graves problemas, mas (também) abandonaram os projetos de reestruturação social do país. Obs.: como a conjunção "nem" tem o valor da expressão "e não", condena-se na língua culta a forma "e nem" para introduzir orações aditivas. Por Exemplo: Não discutimos várias propostas, nem (= e não) analisamos quaisquer soluções. b) Adversativas Exprimem fatos ou conceitos que se opõem ao que se declara na oração coordenada anterior, estabelecendo contraste ou compensação. "Mas" é a conjunção adversativa típica. Além dela, empregam-se: porém, contudo, todavia, entretanto e as locuções no entanto, não obstante, nada obstante. Introduzem as orações coordenadas sindéticas adversativas. Veja os exemplos: "O amor é difícil, mas pode luzir em qualquer ponto da cidade." (Ferreira Gullar) O país é extremamente rico; o povo, porém, vive em profunda miséria. Tens razão, contudo controle-se. Janaína gostava de cantar, todavia não agradava. O time jogou muito bem, entretanto não conseguiu a vitória. Saiba que: - Algumas vezes, a adversidade pode ser introduzida pela conjunção "e". Isso ocorre normalmente em orações coordenadas que possuem sujeitos diferentes. Por Exemplo: Deus cura, e o médico manda a conta. Nesse ditado popular, é clara a intenção de se criar um contraste. Observe que equivale a uma frase do tipo: "Quem cura é Deus, mas é o médico quem cobra a conta!" - A conjunção "mas" pode aparecer com valor aditivo. Por Exemplo: Camila era uma menina estudiosa, mas principalmente esperta. c) Alternativas Expressam ideia de alternância de fatos ou escolha. Normalmente é usada a conjunção "ou". Além dela, empregam-se também os pares: ora...ora, já...já, quer...quer..., seja...seja, etc. Introduzem as orações coordenadas sindéticas alternativas. Exemplos: Diga agora ou cale-se para sempre. Ora age com calma, ora trata a todos com muita aspereza. Estarei lá, quer você permita, quer você não permita. Obs.: nesse último caso, o par "quer...quer" está coordenando entre si duas orações que, na verdade, expressam concessão em relação a "Estarei lá". É como disséssemos: "Embora você não permita, estarei lá". d) Conclusivas Exprimem conclusão ou consequência referentes à oração anterior. As conjunções típicas são: logo, portanto e pois (posposto ao verbo). Usa-se ainda: então, assim, por isso, por conseguinte, de modo que, em vista disso, etc. Introduzem as orações coordenadas sindéticas conclusivas. Exemplos: Não tenho dinheiro, portanto não posso pagar. A situação econômica é delicada; devemos, pois, agir cuidadosamente. O time venceu, por isso está classificado. Aquela substância é toxica, logo deve ser manuseada cautelosamente.

25

e) Explicativas Indicam uma justificativa ou uma explicação referente ao fato expresso na declaração anterior. As conjunções que merecem destaque são: que, porque e pois (obrigatoriamente anteposto ao verbo). Introduzem as orações coordenadas sindéticas explicativas. Exemplos: Vou embora, que cansei de esperá-lo. Vinícius devia estar cansado, porque estudou o dia inteiro. Cumprimente-o, pois hoje é o seu aniversário. Atenção: Cuidado para não confundir as orações coordenadas explicativas com as subordinadas adverbiais causais. Observe a diferença entre elas: - Orações Coordenadas Explicativas: caracterizam-se por fornecer um motivo, explicando a oração anterior. Por Exemplo: A criança devia estar doente, porque chorava muito. (O choro da criança não poderia ser a causa de sua doença.) - Orações Subordinadas Adverbiais Causais: exprimem a causa do fato. Por Exemplo: Henrique está triste porque perdeu seu emprego. (A perda do emprego é a causa da tristeza de Henrique.) Note-se também que há pausa (vírgula, na escrita) entre a oração explicativa e a precedente e que esta é, muitas vezes, imperativa, o que não acontece com a oração adverbial causal.

PERÍODO COMPOSTO POR SUBORDINAÇÃO
Classificação das Orações Subordinadas As orações subordinadas dividem-se em três grupos, de acordo com a função sintática que desempenham e a classe de palavras a que equivalem. Podem ser substantivas, adjetivas ou adverbiais. Para notar as diferenças que existem entre esses três tipos de orações, tome como base a análise do período abaixo: Só depois disso percebi a profundidade das palavras dele. Nessa oração, o sujeito é "eu", implícito na terminação verbal da palavra "percebi". "A profundidade das palavras dele" é objeto direto da forma verbal "percebi". O núcleo do objeto direto é "profundidade". Subordinam-se ao núcleo desse objeto os adjuntos adnominais "a" e "das palavras dele ". No adjunto adnominal "das palavras dele", o núcleo é o substantivo "palavras", ao qual se prendem os adjuntos adnominais "as" e "dele". "Só depois disso" é adjunto adverbial de tempo. É possível transformar a expressão "a profundidade das palavras dele", objeto direto, em oração. Observe: Só depois disso percebi que as palavras dele eram profundas. Nesse período composto, o complemento da forma verbal "percebi" é a oração "que as palavras dele eram profundas". Ocorre aqui um período composto por subordinação, em que uma oração desempenha a função de objeto direto do verbo da outra oração. O objeto direto é uma função substantiva da oração, ou seja, é função desempenhada por substantivos e palavras de valor substantivo. É por isso que a oração subordinada que desempenha esse papel é chamada de oração subordinada substantiva.

26

Pode-se também modificar o período simples original transformando em oração o adjunto adnominal do núcleo do objeto direto, "profundidade". Observe: Só depois disso percebi a "profundidade" que as palavras dele continham. Nesse período, o adjunto adnominal de "profundidade" passa a ser a oração "que as palavras dele continham". O adjunto adnominal é uma função adjetiva da oração, ou seja, é função exercida por adjetivos, locuções adjetivas e outras palavras de valor adjetivo. É por isso que são chamadas de subordinadas adjetivas as orações que, nos períodos compostos por subordinação, atuam como adjuntos adnominais de termos das orações principais. Outra modificação que podemos fazer no período simples original é a transformação do adjunto adverbial de tempo em uma oração. Observe: Só quando caí em mim, percebi a profundidade das palavras dele. Nesse período composto, "Só quando caí em mim" é uma oração que atua como adjunto adverbial de tempo do verbo da outra oração. O adjunto adverbial é uma função adverbial da oração, ou seja, é função exercida por advérbios e locuções adverbiais. Portanto, são chamadas de subordinadas adverbiais as orações que, num período composto por subordinação, atuam como adjuntos adverbiais do verbo da oração principal. Forma das Orações Subordinadas Observe o exemplo abaixo de Vinícius de Moraes: que em meu gesto existe o teu gesto." "Eu sinto Oração Principal Oração Subordinada Observe que na Oração Subordinada temos o verbo "existe", que está conjugado na terceira pessoa do singular do presente do indicativo. As orações subordinadas que apresentam verbo em qualquer dos tempos finitos (tempos do modo do indicativo, subjuntivo e imperativo), são chamadas de orações desenvolvidas ou explícitas. Podemos modificar o período acima. Veja: Eu sinto existir em meu gesto o teu gesto. Oração Principal Oração Subordinada Observe que a análise das orações continua sendo a mesma: "Eu sinto" é a oração principal, cujo objeto direto é a oração subordinada "existir em meu gesto o teu gesto". Note que a oração subordinada apresenta agora verbo no infinitivo. Além disso, a conjunção que, conectivo que unia as duas orações, desapareceu. As orações subordinadas cujo verbo surge numa das formas nominais (infinitivo - flexionado ou não - , gerúndio ou particípio) chamamos orações reduzidas ou implícitas. Obs.: as orações reduzidas não são introduzidas por conjunções nem pronomes relativos. Podem ser, eventualmente, introduzidas por preposição. 1) ORAÇÕES SUBORDINADAS SUBSTANTIVAS A oração subordinada substantiva tem valor de substantivo e vem introduzida, geralmente, por conjunção integrante (que, se). Por Exemplo: Suponho que você foi à biblioteca hoje. Oração Subordinada Substantiva

Verbos como: convir .ocorrer . Oração Subordinada Substantiva Classificação das Orações Subordinadas Substantivas De acordo com a função que exerce no período. quando.Foi anunciado . como: Sabe-se . pessoa do singular.É claro .Expressões na voz passiva. como). em construções do tipo: É bom . a oração correspondente a "isso" exercerá a função de sujeito. Veja algumas estruturas típicas que ocorrem na oração principal: 1.admirar .Diz-se .Ficou provado Por Exemplo: Sabe-se que Aline não gosta de Pedro.Soube-se .27 Você sabe se o presidente já chegou? Oração Subordinada Substantiva Os pronomes interrogativos (que.Está comprovado Por Exemplo: É bom que você compareça à minha festa.É útil . o verbo da oração principal está sempre na 3ª. a oração subordinada substantiva pode ser: a) Subjetiva É subjetiva quando exerce a função sintática de sujeito do verbo da oração principal.cumprir . . Sujeito É fundamental que você compareça à reunião. qual) também introduzem as orações subordinadas substantivas. Sujeito Dessa forma.importar .Verbos de ligação + predicativo.É conveniente .Conta-se .Está evidente . Assim.É sabido . 2. quem.Comenta-se .acontecer Por Exemplo: Convém que não se atrase na entrevista. onde.Parece certo . Veja os exemplos: O garoto perguntou qual era o telefone da moça. Obs. temos um período simples: É fundamental isso ou Isso é fundamental. bem como os advérbios interrogativos (por que.: quando a oração subordinada substantiva é subjetiva. Oração Subordinada Substantiva Não sabemos por que a vizinha se mudou. Observe: É fundamental o seu comparecimento à reunião.É certo . Oração Principal Oração Subordinada Substantiva Subjetiva Atenção: Observe que a oração subordinada substantiva pode ser substituída pelo pronome " isso".constar . 3.

c) Objetiva Indireta A oração subordinada substantiva objetiva indireta atua como objeto indireto do verbo da oração principal. o que é mais interesante. Ouvi que ele gritava. fazer (chamados auxiliares causativos) e ver. Essa é a única situação da língua portuguesa em que um pronome oblíquo pode atuar como sujeito. perceber (chamados auxiliares sensitivos) ocorre um tipo interessante de oração subordinada substantiva objetiva direta reduzida de infinitivo. 2. nas interrogações indiretas: Por Exemplo: Eu não sei por que ela fez isso. (Todos querem isso) Oração Principal Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta As orações subordinadas substantivas objetivas diretas desenvolvidas são iniciadas por: 1. ouvir. Observe: Deixe-me repousar. E. a preposição pode estar elíptica na oração. qual. 3. Orações Especiais Com os verbos deixar.: em alguns casos. Objeto Direto Todos querem que você seja aprovado. Por Exemplo: Todos querem sua aprovação no vestibular. Objeto Indireto Meu pai insiste em que eu estude. Nesses casos. Ouvi-o gritar. sentir. Mandei que eles saíssem. Por Exemplo: Meu pai insiste em meu estudo. (Meu pai insiste nisso) Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta Obs. Mandei-os sair. dos sujeitos das formas verbais das orações subordinadas. os pronomes oblíquos atuam todos como sujeitos dos infinitivos verbais. convém transformar as orações reduzidas em orações desenvolvidas: Deixe que eu repouse. quão (às vezes regidos de preposição). Nas orações desenvolvidas.Conjunções integrantes "que" (às vezes elíptica) e "se": Por Exemplo: A professora verificou se todos alunos estavam presentes. efetivamente. quem. as orações destacadas são todas objetivas diretas reduzidas de infinitivo. nas interrogações indiretas: Por Exemplo: O pessoal queria saber quem era o dono do carro importado. por que.28 b) Objetiva Direta A oração subordinada substantiva objetiva direta exerce função de objeto direto do verbo da oração principal. onde. Para perceber melhor o que ocorre. os pronomes oblíquos foram substituídos pelas formas retas correspondentes. É fácil compreender agora que se trata.Pronomes indefinidos que. Vem precedida de preposição. quanto (às vezes regidos de preposição). mandar.Advérbios como. quando. Por Exemplo: .

2) ORAÇÕES SUBORDINADAS ADJETIVAS Uma oração subordinada adjetiva é aquela que possui valor e função de adjetivo. f) Apositiva A oração subordinada substantiva apositiva exerce função de aposto de algum termo da oração principal. Complemento Nominal Sentimos orgulho de que você se comportou. é necessário levar em conta o termo complementado. e) Predicativa A oração subordinada substantiva predicativa exerce papel de predicativo do sujeito do verbo da oração principal e vem sempre depois do verbo ser. Por Exemplo: Sentimos orgulho de seu comportamento. Observe o exemplo: Esta foi uma redação bem-sucedida. Essa é. enquanto que orações subordinadas substantivas completivas nominais integram o sentido de um nome. usa-se a preposição expletiva "de" para realce. Por Exemplo: Fernanda tinha um grande sonho: a chegada do dia de seu casamento.) Fernanda tinha um grande sonho: que o dia do seu casamento chegasse.29 Marta não gosta (de) que a chamem de senhora. Por Exemplo: Nosso desejo era sua desistência. Veja os exemplos: O presente será dado por quem o comprou. As orações vêm introduzidas por pronome relativo e exercem a função de adjunto adnominal do antecedente.) Oração Subordinada Substantiva Completiva Nominal Lembre-se: Observe que as orações subordinadas substantivas objetivas indiretas integram o sentido de um verbo. ou seja.) Oração Subordinada Substantiva Predicativa Obs. (Sentimos orgulho disso.: em certos casos. Aposto (Fernanda tinha um grande sonho: isso. Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta d) Completiva Nominal A oração subordinada substantiva completiva nominal completa um nome que pertence à oração principal e também vem marcada por preposição. podem ser incluídas como orações subordinadas substantivas aquelas que funcionam como agente da passiva iniciadas por "de" ou "por" . Para distinguir uma da outra. Veja o exemplo: A impressão é de que não fui bem na prova. o segundo. um nome. O espetáculo foi apreciado por quantos o assistiram . a diferença entre o objeto indireto e o complemento nominal: o primeiro complementa um verbo. aliás. que a ele equivale. Predicativo do Sujeito Nosso desejo era que ele desistisse. Substantivo Adjetivo (Adjunto Adnominal) . + pronome indefinido. (Nosso desejo era isso. Oração Subordinada Substantiva Apositiva Saiba mais: Apesar de a NGB não fazer referência.

isto é. é possível formarmos outra construção. Além delas. que não são introduzidas por pronome relativo (podem ser introduzidas por preposição) e apresentam o verbo numa das formas nominais (infinitivo. Classificação das Orações Subordinadas Adjetivas Na relação que estabelecem com o termo que caracterizam. há uma oração subordinada adjetiva desenvolvida. Oração Subordinada Adjetiva Restritiva Nesse período. Há aquelas que restringem ou especificam o sentido do termo a que se referem. observe que a oração em destaque restringe e particulariza o sentido da palavra "homem": trata-se de um homem específico. altera-se o modo verbal da segunda oração. único. Forma das Orações Subordinadas Adjetivas Quando são introduzidas por um pronome relativo e apresentam verbo no modo indicativo ou subjuntivo. já que é introduzida pelo pronome relativo "que" e apresenta verbo conjugado no pretérito perfeito do indicativo. muitas vezes age animalescamente. Nessas orações não há marcação de pausa. as orações subordinadas adjetivas são chamadas desenvolvidas. Obs. a qual exerce exatamente o mesmo papel. Exemplo 1: Jamais teria chegado aqui. No primeiro período. A oração limita o universo de homens. Oração Subordinada Adjetiva Explicativa . não fosse a gentileza de um homem que passava naquele momento. Por Exemplo: Ele foi o primeiro aluno que se apresentou. Ele foi o primeiro aluno a se apresentar.: para que dois períodos se unam num período composto. Atenção: Vale lembrar um recurso didático para reconhecer o pronome relativo que: ele sempre pode ser substituído por: o qual . Além de conectar (ou relacionar) duas orações. o pronome relativo desempenha uma função sintática na oração subordinada: ocupa o papel que seria exercido pelo termo que o antecede. que se considera racional. Existem também orações que realçam um detalhe ou amplificam dados sobre o antecedente. Exemplo 2: O homem.a qual . mas sim àquele que estava passando naquele momento. que já se encontra suficientemente definido. as quais denominam-se subordinadas adjetivas explicativas. Nesse caso.os quais -as quais Por Exemplo: Refiro-me ao aluno que é estudioso. Essa oração é equivalente a: Refiro-me ao aluno o qual estuda. Oração Principal Oração Subordinada Adjetiva Perceba que a conexão entre a oração subordinada adjetiva e o termo da oração principal que ela modifica é feita pelo pronome relativo que. Veja: Esta foi uma redação que fez sucesso. gerúndio ou particípio). individualizando-o. as orações subordinadas adjetivas podem atuar de duas maneiras diferentes. não se refere a todos os homens. existem as orações subordinadas adjetivas reduzidas.30 Note que o substantivo redação foi caracterizado pelo adjetivo bem-sucedida. sendo chamadas subordinadas adjetivas restritivas. No segundo. há uma oração subordinada adjetiva reduzida de infinitivo: não há pronome relativo e seu verbo está no infinitivo.

a oração em destaque não tem sentido restritivo em relação a palavra "homem": na verdade. Por Exemplo: Não sei o que vou almoçar. vamos aprofundar nosso conhecimento acerca desses pronomes. é preciso restringir seu universo. que a pontuação seja indicada como forma de diferenciar as orações explicativas das restritivas: de fato. não é um elemento identificador. A palavra "irmão". Por Exemplo: É uma realidade que degrada e assusta a sociedade. por isso.31 Nesse período. o = antecedente que vou almoçar = Oração Subordinada Adjetiva Restritiva Emprego e Função dos Pronomes Relativos O estudo das orações subordinadas adjetivas está profundamente ligado ao emprego dos pronomes relativos. 1) Pronome Relativo QUE O pronome relativo "que" é chamado relativo universal. . no caso. pois seu emprego é extremamente amplo. Obs. temos: y Eis os artistas. o relativo "que" pode desempenhar várias funções: a) Sujeito: Eis os artistas que representarão o nosso país. o qual mora em Roma. essa oração apenas explicita uma ideia que já sabemos estar contida no conceito de "homem". dois irmãos. É comum. Observações: As orações subordinadas adjetivas podem: a) Vir coordenadas entre si. Exemplo 2: Mandei um telegrama para meu irmão. que. é representada pela vírgula.: ao redigir um período escrito por outrem. ou seja. podemos afirmar com segurança que a pessoa que fala ou escreve tem. Exemplo 1: Mandei um telegrama para meu irmão que mora em Roma. A informação de que o irmão more em Roma não é uma particularidade. y Os artistas (= que) representarão o nosso país. e = conjunção b) Ter um pronome como antecedente. é necessário levar em conta as diferenças de significado que as orações restritivas e as explicativas implicam. Saiba que: A oração subordinada adjetiva explicativa é separada da oração principal por uma pausa. No período acima. Para isso. a oração subordinada adjetiva será explicativa ou restritiva de acordo com o que se pretende dizer. Por isso. um que mora em Roma e um que mora em outro lugar. e sim um detalhe que se quer realçar. na escrita. as restritivas. que estejam no singular ou no plural. precisa ter seu sentido limitado. usa-se uma oração subordinada adjetiva restritiva. diferenciador. Em muitos casos. ou seja. no mínimo. as explicativas vêm sempre isoladas por vírgulas. não. Nesse período. Sintaticamente. que mora em Roma. Substituindo o pronome pelo antecedente. é possível afirmar com segurança que a pessoa que fala ou escreve tem apenas um irmão. Esse pronome pode ser usado para substituir pessoa ou coisa.

Na língua escrita formal. y Fui atacado pelo animal (= por que) Agente da Passiva g) Adjunto Adverbial: O acidente ocorreu no dia em que eles chegaram. . É sempre precedido de preposição. y Muitos querem ser o professor (= que) Predicativo do Sujeito f) Agente da Passiva: Este é o animal por que fui atacado. y Preciso do caderno (= de que) Objeto Indireto d) Complemento Nominal: Estas são as informações de que ele tem necessidade. 2) Pronome Relativo QUEM O pronome relativo "quem" refere-se a pessoas ou coisas personificadas. b) Objeto Indireto: Este é o jogador a quem me refiro sempre. temos: y Estas são as informações. Substituindo o pronome pelo antecedente. Substituindo o pronome pelo antecedente. é sempre recomendável esse cuidado. c) Complemento Nominal: Este é o jogador a quem sempre faço referência. Substituindo o pronome pelo antecedente. temos: y Este é o animal. percebe-se que o pronome relativo deve ser precedido de preposição apropriada de acordo com a função que exerce. temos: y Você é o professor. temos: y Trouxe o documento y Você pediu o documento (= que) Objeto Direto c) Objeto Indireto: Eis o caderno de que preciso.32 Sujeito b) Objeto Direto: Trouxe o documento que você pediu. (= em que) Adjunto Adverbial de Tempo Observação: Pelos exemplos citados. e) Adjunto Adverbial: A mulher com quem ele mora é grega. no singular ou no plural. influenciou-me profundamente. Substituindo o pronome pelo antecedente. podendo exercer diversas funções sintáticas. temos: y O acidente ocorreu no dia y Eles chegaram no dia. a quem admiro muito. y Ele tem necessidade das informações (= de que) Complemento nominal e) Predicativo do Sujeito: Você é o professor que muitos querem ser. temos: y Eis o caderno. Substituindo o pronome pelo antecedente. Observe os exemplos: a) Objeto Direto Preposicionado: Clarice. d) Agente da Passiva: O médico por quem fomos assistidos é um dos mais renomados especialistas. Substituindo o pronome pelo antecedente. (adjunto adverbial de tempo).

Veja: a) Adjunto Adnominal: Não consigo conviver com pessoas cujas aspirações sejam essencialmente materiais. é bem menos frequente e tem se limitado aos casos em que é necessário para evitar ambiguidade. não poderíamos impor essa restrição. atuando na maior parte das vezes como adjunto adnominal e em algumas construções como complemento nominal. cuja leitura agradou muito aos alunos. tende a exigir o relativo sob as formas " o / a qual". espacial..33 3) Pronome Relativo CUJO (s). o relativo a qual também evita ambiguidade. cujo o tio é professor. às quais se dedica o repouso e a intimidade.. Observe esses dois exemplos: a) Sujeito: Conhecemos uma das irmãs de Pedro. (cuja leitura = a leitura do livro) Atenção: Não utilize artigo definido depois do pronome cujo." os quais" e "as quais" são usados com referência a pessoa ou coisa. b) Complemento Nominal: O livro. "dos quais". "onde" é advérbio interrogativo. a qual trabalha na Alemanha. (Não consigo conviver com pessoas / As aspirações dessas pessoas são essencialmente materiais). "das quais").. b) Adjunto Adverbial: Não deixo de cuidar da grama. nas quais) e nos casos da ideia de causa / efeito ou de conclusão. Se fosse usado o relativo que. escrita ou falada. A QUAL. Nesse caso. O uso de às quais permite deixar claro que nos estamos referindo apenas às noites. no qual (e suas flexões na qual. A preposição sobre. AS QUAIS "O qual"." ou "O garoto. Se usássemos a que. deve-se preferir o uso de em que. OS QUAIS. trata dos tristes anos da ditadura. 5) Pronome Relativo ONDE O pronome relativo "onde" aparece apenas no período composto. sobre a qual às vezes gosto de um bom cochilo.. dissilábica. "onde" deve ser limitado aos casos em que há indicação de lugar físico. Por Exemplo: Existem dias e noites. nos quais. em um período como "Onde você nasceu?". "de quem". Por essa razão." Forma correta: "cuja casa" ou "cujo tio". São erradas construções como: "A mulher cuja a casa foi invadida." a qual". entretanto. não é possível pensar em pronome relativo: o período é simples. por exemplo. rejeitando a forma "que". Desempenham as mesmas funções que o pronome "que". CUJA (s) "Cujo" e sua flexões equivalem a "de que". 4) Pronome Relativo O QUAL. Quando não houver essa indicação. para substituir um termo da oração principal numa oração subordinada. "os / as quais". e nesse caso. não seria possível determinar quem trabalha na Alemanha. Estabelecem normalmente relação de posse entre o antecedente e o termo que especificam. "do qual" (ou suas flexões "da qual". seu uso. Por Exemplo: . Na língua culta.

Observe os exemplos abaixo: Naquele momento. condição. fim. É. "todos" ou "todas". Baseia-se na circunstância expressa pela oração. Seria possível reduzi-la. Dessa forma. mas sim por uma preposição ("a". (Sujeito) Comeu tudo quanto queria. em que (na qual) a violência gratuita impera. Quando desenvolvida. senti uma das maiores emoções de minha vida. pois apresenta uma das formas nominais do verbo ("ver" no infinitivo) e não é introduzida por conjunção subordinativa. Atuam. 6) Pronome Relativo QUANTO. A oração em destaque é reduzida. Quando vi a estátua. vem introduzida por uma das conjunções subordinativas (com exclusão das integrantes). 3) ORAÇÕES SUBORDINADAS ADVERBIAIS Uma oração subordinada adverbial é aquela que exerce a função de adjunto adverbial do verbo da oração principal. Essa oração é desenvolvida. causa. obtendo-se: Ao ver a estátua. do pretérito perfeito do indicativo). No primeiro período. Por Exemplo: Durante a madrugada. a um verbo. como adjuntos adverbiais de modo e de tempo. pode exprimir circunstância de tempo. Obs. Veja os exemplos: Tente examinar todos quantos comparecerem ao consultório. COMO. respectivamente. "É aquilo ou aquele que determina um acontecimento". eu olhei você dormindo. Os adjuntos adverbiais são termos acessórios que indicam uma circunstância referente. portanto.34 Quero uma cidade tranquila. modo. Oração Subordinada Adverbial Observe que a oração em destaque agrega uma circunstância de tempo. No segundo período. Classifica-se de acordo com a conjunção ou locução conjuntiva que a introduz. etc. Atuam principalmente como sujeito e objeto direto. quantos e quantas: são pronomes relativos que seguem os pronomes indefinidos "tudo". essse papel é exercido pela oração "Quando vi a estátua". combinada com o artigo "o"). Principal conjunção subordinativa causal: PORQUE . portanto. (Objeto Direto) b) Como e quando: exprimem noções de modo e tempo. senti uma das maiores emoções de minha vida. QUANDO a) Quanto. hipótese. que é. uma oração subordinada adverbial temporal. senti uma das maiores emoções de minha vida. via de regra. ao motivo do que se declara na oração principal. pois é introduzida por uma conjunção subordinativa (quando) e apresenta uma forma verbal do modo indicativo ("vi". portanto. Circunstâncias Expressas pelas Orações Subordinadas Adverbiais a) Causa A ideia de causa está diretamente ligada àquilo que provoca um determinado fato. "naquele momento" é um adjunto adverbial de tempo. Exemplos: É estranho o modo como ele me trata. É a hora quando o sol começa a deitar-se.: a classificação das orações subordinadas adverbiais é feita do mesmo modo que a classificação dos adjuntos adverbiais. onde possa passar alguns dias em paz. chamada de oração subordinada adverbial temporal. que modifica a forma verbal "senti". A classificação do adjunto adverbial depende da exata compreensão da circunstância que exprime. Vivemos uma época muito difícil.

assinaremos o contrato. contanto que. pois que. desde que. São introduzidas pelas conjunções e locuções: que. e pelas estruturas tão. A oração acima expressa uma condição: o fato de "eu" ir só se realizará caso essa condição for satisfeita. tão. sem que. é sempre consultado. Como ninguém se interessou pelo projeto. a não ser que.que. salvo se. (Oração Reduzida de Infinitivo) Sua fome era tanta que comeu com casca e tudo.. pois. tanto. convide-me para a festa. posto que.. exceto se. à quebra de expectativa. Principal conjunção subordinativa concessiva: EMBORA Utiliza-se também a conjução: conquanto e as locuções ainda que. causa dor. a menos que. Não saia sem que eu permita. uma vez que (seguida de verbo no subjuntivo).. admitem uma contradição ou um fato inesperado. Caso você se case. uma vez que. que é efeito do que se declara na oração principal.. Principal conjunção subordinativa condicional: SE Outras conjunções condicionais: caso. Exemplos: Se o regulamento do campeonato for bem elaborado.) Nunca abandonou seus ideais. (Oração Reduzida de Infinitivo) b) Consequência As orações subordinadas adverbiais consecutivas exprimem um fato que é consequência. As orações subordinadas adverbiais condicionais exprimem o que deve ou não ocorrer para que se realize ou deixe de se realizar o fato expresso na oração principal. já que. de sorte que acabou concretizando-os. Principal conjunção subordinativa consecutiva: QUE (precedido de tal. não houve alternativa a não ser cancelá-lo. visto que. Já que você não vai. c) Condição Condição é aquilo que se impõe como necessário para a realização ou não de um fato. mesmo que. Por ter muito conhecimento (= Porque/Como tem muito conhecimento)..35 Outras conjunções e locuções causais: como (sempre introduzido na oração anteposta à oração principal). A ideia de concessão está diretamente ligada ao contraste. isto é. Compare agora com: . (Oração Reduzida de Gerúndio) d) Concessão As orações subordinadas adverbiais concessivas indicam concessão às ações do verbo da oração principal. Exemplos: As ruas ficaram alagadas porque a chuva foi muito forte. apesar de que. Não consigo ver televisão sem bocejar.que. tanto que. de forma que. certamente o melhor time será campeão. se bem que.. o professor não os teria punido. Observe este exemplo: Só irei se ele for. tamanho. em consequência. eu também não vou. tamanho) Exemplos: É feio que dói. de sorte que. (É tão feio que..que. tanto. Uma vez que todos aceitem a proposta. ainda quando. Conhecendo os alunos (= Se conhecesse os alunos). etc.

f) Conformidade As orações subordinadas adverbiais conformativas indicam ideia de conformidade. Principal conjunção subordinativa comparativa: COMO Por Exemplo: Ele dorme como um urso. temos agora uma concessão: irei de qualquer maneira.. independentemente de sua ida. Principal conjunção subordinativa conformativa: CONFORME Outras conjunções conformativas: como. Foi aprovado sem estudar (= sem que estudasse / embora não estudasse). Veja os exemplos: Sua sensibilidade é tão afinada quanto a sua inteligência O orador foi mais brilhante do que profundo. pelo menos metade da população continua à margem do mercado de consumo. levei agasalho. todos os cidadãos têm direitos iguais. exprimem uma regra. Principal conjunção subordinativa final: A FIM DE QUE Outras conjunções finais: que. Consoante reza a Constituição. Exemplos: Fiz o bolo conforme ensina a receita. menos (do) que. quando se comparam ações diferentes. a finalidade daquilo que se declara na oração principal. ou seja. A oração destacada é. isso não ocorre.36 Irei mesmo que ele não vá. o Brasil é o campeão mundial de má distribuição de renda. consoante e segundo (todas com o mesmo valor de conforme). g) Finalidade As orações subordinadas adverbiais finais indicam a intenção. Saiba que: É comum a omissão do verbo nas orações subordinadas adverbiais comparativas. Conquanto a economia tenha crescido. Utilizam-se com muita frequência as seguintes estruturas que formam o grau comparativo dos adjetivos e dos advérbios: tão. mais (do) que. um modelo adotado para a execução do que se declara na oração principal. Segundo atesta recente relatório do Banco Mundial. portanto. subordinada adverbial concessiva. (comparação do verbo falar e do verbo fazer).como (quanto). Por exemplo: Ela fala mais do que faz. A distinção fica nítida. (agem) Oração Subordinada Adverbial Comparativa No entanto. (reduzida de infinitivo) e) Comparação As orações subordinadas adverbiais comparativas estabelecem uma comparação com a ação indicada pelo verbo da oração principal.. porque (= para que) e a locução conjuntiva para que. Observe outros exemplos: Embora fizesse calor. Por Exemplo: . Por exemplo: Agem como crianças.

(menor). Por Exemplo: Na medida em que não há provas contra esse homem. depois que.(menos).37 Aproximei-me dela a fim de que ficássemos amigos... ele deve ser solto. um fato simultâneo ao expresso na oração principal. i) Tempo As orações subordinadas adverbiais temporais acrescentam uma ideia de tempo ao fato expresso na oração principal. acertávamos mais questões.. chegaram outros convidados. todas as vezes que.(maior). logo que..(menor). Assim.(menos). Terminada a festa. Há ainda as estruturas: quanto maior. (= Quando terminou a festa) (Oração Reduzida de Particípio) PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO E SUBORDINAÇÃO Num período podem aparecer orações que se relacionam pela coordenação e pela subordinação. h) Proporção As orações subordinadas adverbiais proporcionais exprimem ideia de proporção. Principal conjunção subordinativa temporal: QUANDO Outras conjunções subordinativas temporais: enquanto.. 3ª Oração: Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta (em relação à 2ª Oração). ocorrem problemas. Sempre que ele vem. mal e locuções conjuntivas: assim que. quanto mais.. Na medida em que exprime uma ideia de causa e equivale a "tendo em vista que" e só nesse sentido deve ser usada. maior será o tombo. portanto.(mais) quanto menos... Lembre-se: À medida que é uma conjunção que expressa ideia de proporção.. quanto maior. pode ser substituída por "à proporção que". Mal você saiu. Principal locução conjuntiva subordinativa proporcional: À PROPORÇÃO QUE Outras locuções conjuntivas proporcionais: à medida que.(mais). Exemplos: À proporção que estudávamos. sempre que. todos se retiraram. Felipe abriu a porta do carro para que sua namorada entrasse. ao passo que. ou seja.. Quanto maior for a altura. anterioridade ou posterioridade. podendo exprimir noções de simultaneidade. Observe outro exemplo: ...... Atenção: não use as formas ³à medida em que´ ou ³na medida que´. antes que. desde que.(maior). ela chegou. Por Exemplo: O atleta entrou na piscina e pediu que todos saíssem. 1ª Oração 2ª Oração 3ª Oração 1ª Oração: Oração Coordenada Assindética 2ª Oração: Oração Coordenada Sindética Aditiva (em relação à 1ª oração) e Oração Principal (em relação à 3ª oração). temse um período misto. etc. quanto menor. Exemplos: Quando você foi embora. quanto mais. quanto menos.. quanto menor. Visito meus amigos à medida que eles me convidam.

As orações que apresentam essa forma recebem o nome de Orações Reduzidas. os verbos estão em suas formas nominais (infinitivo. Ouvimos uma criança chorando na praça. Comprada a casa. Comprada a casa. todo candidato deve aguardar. de modo que apenas a forma da frase seja alterada. Exemplos: Tenho muita vontade de comprar este vestido. Forma Desenvolvida: quando terminar a prova. Análise da Oração: oração subordinada adverbial temporal reduzida de infinitivo. mas não estudavam. as orações reduzidas podem permitir mais de um tipo de desenvolvimento. Análise da Oração: oração subordinada adverbial temporal reduzida de particípio. Além disso. Forma Desenvolvida: ouvimos uma criança que chorava na praça. a família mudou-se. Ouvimos uma criança chorando na praça. Orações Reduzidas de Infinitivo Podem ser: . Análise da Oração: oração subordinada adjetiva restritiva reduzida de gerúndio. Orações Reduzidas Fixas Esteja atento às orações reduzidas fixas.: dependendo do contexto. Veja que as orações em destaque não são introduzidas por conjunção. e não o seu sentido. a família mudou-se. pois não são passíveis de desdobramento. Este homem enriqueceu vendendo pastéis. a família mudou-se. Obs. gerúndio e particípio). podemos desenvolvê-la da seguinte maneira: 1) Substitui-se a forma nominal do verbo por um tempo do indicativo ou do subjuntivo. ORAÇÕES REDUZIDAS Sobre as Orações Reduzidas Observe as frases abaixo: Ao terminar a prova. Observe agora como seria o desenvolvimento das orações já vistas: Ao terminar a prova. Forma Desenvolvida: Assim que comprou a casa. todo candidato deve aguardar. todo candidato deve aguardar.38 Eram alunas que tiravam boas notas. 2) Inicia-se a oração com um conectivo adequado (conjunção ou pronome relativo). Para reconhecer mais facilmente o tipo de oração que está sob a forma reduzida. 1ª Oração 2ª Oração 3ª Oração 1ª Oração: Oração Principal 2ª Oração: Oração Subordinada Adjetiva Restritiva 3ª Oração: Oração Coordenada Sindética Adversativa (em relação à 2ª oração) e Oração Subordinada Adjetiva Restritiva (em relação à 1ª oração).

Orações Reduzidas de Gerúndio Podem ser: 1. d) Condicionais: Querendo uma amiga para conversar. Veja o exemplo: Os documentos trazidos pela secretária serão arquivados. f) Temporais: Ao rever o amigo.Subordinadas Adjetivas Encontramos alguns turistas andando perdidos pelo centro da cidade. e) Completivas Nominais: Jorge tinha grande necessidade de passar no concurso. d)Temporais: Terminada a palestra. A viagem foi cancelada pela agência. Exemplos: Preciso estudar mais este semestre. liguei para a polícia. d) Condicionais: Meus filhos não ganham sobremesa sem almoçar direito. 2 -Subordinadas Adverbiais a) Temporais: Retornando ao museu.39 1 -Subordinadas Substantivas a) Subjetivas: Não é conveniente comprar todos estes materiais. pensei em outra hipótese. c) Consecutivas: O professor se atrasou tanto a ponto de não termos aula naquele período. b) Objetivas Diretas: Quanto ao José. conte comigo. avise-me. o problema será resolvido. b) Concessivas: Apesar de ter chorado. Observação: o infinitivo. 2 -Subordinadas Adverbiais a) Causais: Assustado com a situação. o almoço não ficou bom. 3 -Coordenadas Aditivas Organizou os presentes. encontrei o vizinho a tropeçar no meio da rua. 3 -Subordinadas Adverbiais a) Causais: Não te procurei novamente por encontrar-me doente. Os palhaços estão divertindo as crianças. b) Concessivas: Mesmo cansado. Orações Reduzidas de Particípio Podem ser: 1 -Subordinadas Adjetivas As orações subordinadas adjetivas podem ser consideradas simples adjuntos adnominais. sorriu a todos os convidados. e) Finais: Estamos aqui para convidá-la para nossa festa. tentou cumprir os compromissos. só nos resta uma saída: ficarmos calados. c) Condicionais: Desvendado este mistério. c) Objetivas Indiretas: O sucesso da tua carreira depende de teres dedicação. c) Concessivas: Embora cozinhando diariamente. dizem ter viajado para a Europa. alunos e professores aplaudiram. 2 -Subordinadas Adjetivas Quando saí de casa. d) Predicativas: A única alternativa é estudarmos no exterior. o gerúndio e o particípio não constituem orações reduzidas quando fazem parte de uma locução verbal. f) Apositivas: Diante deste vexame. b) Causais: Notando seu desânimo. . entregando-os às crianças carentes. deu-lhe um longo abraço.

CONCORDÂNCIA VERBAL Ocorre quando o verbo se flexiona para concordar com seu sujeito. Às vezes. podendo ser verbal ou nominal.40 ESTUDO COMPLEMENTAR DO PERÍODO COMPOSTO Sobre o Período Composto No período composto.todos estavam deslumbrantes. Plural 3ª p. as flexões de pessoa. SINTAXE DE CONCORDÂNCIA Concordância Verbal e Nominal Observe: As crianças estão animadas. com ele concordará o verbo em número e pessoa. um comentário ou uma opinião. apesar de terem forma de singular ou viceversa. se interpõem a outras orações expressando uma ressalva. c) Orações intercaladas ou interferentes: São sintaticamente independentes. 3ª p. mostravam-se muito amigos. o adjetivo animadas está concordando em gênero (feminino) e número (plural) com o substantivo a que se refere: crianças. Por isso. que eu saiba. Plural Casos Particulares Há muitos casos em que o sujeito simples é constituído de formas que fazem o falante hesitar no momento de estabelecer a concordância com o verbo. convém analisar com cuidado os casos a seguir. as crianças. No segundo exemplo. o prêmio é do Brasil! Nenhum destes artistas. b) Orações cujo verbo encontra-se elíptico (subentendido): Por Exemplo: O candidato promete que. Singular Os pares que rodeavam a nós dançavam bem. Caso não me emprestasse os livros (Devo ter comprado aproximadamente dez já) estaria muito chateada. transformará o país. a concordância puramente gramatical é contaminada pelo significado de expressões que nos transmitem noção de plural. Nesses dois exemplos. se eleito. podemos encontrar: a) Orações subordinadas justapostas (sem conectivo): Por Exemplo: Ana e Gustavo já se conheciam. Crianças animadas. o verbo estar se encontra na terceira pessoa do plural. Concordância é a correspondência de flexão entre dois termos. . concordando com o seu sujeito. 3ª p. Podem vir de forma intercalada em apenas uma oração ou ainda no meio de outras. Este ano. Singular 3ª p. Exemplos: No dia da nossa formatura . a) Sujeito Simples Regra Geral O sujeito sendo simples. disse a torcedora. número e gênero se correspondem. gosta de dar autógrafos. Veja os exemplos: A orquestra tocou uma valsa longa.como me lembro bem! . No primeiro exemplo.

a maioria de. grande parte de. vários) seguido por "de nós" ou "de vós".: quando a expressão "mais de um" se associar a verbos que exprimem reciprocidade. Obs.: nesses casos. As Minas Gerais são inesquecíveis. . perto de. o grosso de. (ofenderam um ao outro) 3) Quando se trata de nomes que só existem no plural.) seguida de um substantivo ou pronome no plural.41 1) Quando o sujeito é formado por uma expressão partitiva (parte de. Por Exemplo: Qual de nós é capaz? Algum de vós fez isso. o verbo deve ficar no singular.. o verbo deve concordar com o substantivo. metade de.. Esse mesmo procedimento pode se aplicar aos casos dos coletivos. Metade dos candidatos não apresentou / apresentaram nenhuma proposta interessante. Mais de um atleta estabeleceu novo recorde nas últimas Olímpíadas. Os Sertões imortalizaram Euclides da Cunha. Obs. Obs. Quando há artigo no plural. a maior parte de. alguns.. frase que soa como uma denúncia. o verbo pode ficar no singular ou no plural. muitos.) seguida de numeral e substantivo.". Minas Gerais produz queijo e poesia de primeira. menos de. 2) Quando o sujeito é formado por expressão que indica quantidade aproximada (cerca de. o uso do verbo no singular enfatiza a unidade do conjunto. uma porção de. o plural é obrigatório: Por Exemplo: Mais de um colega se ofenderam na tumultuada discussão de ontem. o verbo deve ficar o plural. a concordância deve ser feita levando-se em conta a ausência ou presença de artigo. o verbo ficará no singular. Perto de quinhentos alunos compareceram à solenidade. Isso não ocorre quando alguém diz ou escreve "Alguns de nós sabiam de tudo e nada fizeram. já a forma plural confere destaque aos elementos que formam esse conjunto. quantos. Exemplos: Os Estados Unidos determinam o fluxo da atividade econômica do mundo. quando especificados: Por Exemplo: Um bando de vândalos destruiu / destruíram o monumento. o verbo concorda com o substantivo. o verbo pode concordar com o primeiro pronome (na terceira pessoa do plural) ou com o pronome pessoal. mais de. Veja: Quais de nós são / somos capazes? Alguns de vós sabiam / sabíeis do caso? Vários de nós propuseram / propusemos sugestões inovadoras.: veja que a opção por uma ou outra forma indica a inclusão ou a exclusão do emissor.. Alagoas impressiona pela beleza das praias e pela pobreza da população. Observe: Cerca de mil pessoas participaram da manifestação. 4) Quando o sujeito é um pronome interrogativo ou indefinido plural (quais. Sem artigo. poucos. Nos casos em que o interrogativo ou indefinido estiver no singular. esta pessoa está se incluindo no grupo dos omissos. 5) Quando o sujeito é formado por uma expressão que indica porcentagem seguida de substantivo. Quando alguém diz ou escreve "Alguns de nós sabíamos de tudo e nada fizemos". quaisquer. Por Exemplo: A maioria dos jornalistas aprovou / aprovaram a ideia.

Por Exemplo: Ademir da Guia foi um dos jogadores que mais encantaram os poetas. as formas aceitáveis são: " Das alunas mais brilhantes da sala. Fomos nós que pintamos o muro. Por Exemplo: . 6) Quando o sujeito é o pronome relativo "que". Ainda existem mulheres que ficam vermelhas na presença de um homem. pode-se utilizar o verbo na terceira pessoa do singular ou em concordância com o antecedente do pronome. Se você é um dos que admiram o escritor. / Fomos nós quem pintamos o muro.. És tu que me fazes ver o sentido da vida. é a concordância no singular. Exemplos: Fui eu quem pagou a conta / Fui eu quem paguei a conta." " Dos deputados que mais lutaram pela aprovação da emenda. Fomos nós quem pintou o muro. o verbo deve assumir a forma plural. Quando a expressão que indica porcentagem não é seguida de substantivo. sino. Assim." A análise da construção acima torna evidente que a forma no singular é inadequada. torre. Exemplos: Fui eu que paguei a conta. 8) Quando o sujeito é o pronome relativo "quem". O que se ouve efetivamente. temos: "Ela é uma das alunas mais brilhante da sala. o verbo deve concordar com o número. dar e soar se dá de acordo com o numeral. o verbo concordará com esse sujeito. ele é um".: caso o sujeito da oração seja a palavra relógio. Ao compararmos com um caso em que se use um adjetivo. 1% dos alunos faltaram à prova. 7) Com a expressão "um dos que". 85% dos entrevistados não aprovam a administração do prefeito. 1% do eleitorado aceita a mudança.42 Exemplos: 25% do orçamento do país deve destinar-se à Educação. Por Exemplo: Deu uma hora no relógio da sala. ela é uma. na linguagem corrente. Obs. Por Exemplo: Vossa Excelência é diabético? Vossas Excelências vão renunciar? 10) A concordância dos verbos bater. o verbo fica na 3ª pessoa do singular ou plural. Deram cinco horas no relógio da sala. 1% conhece o assunto. são construções como: "Ele foi um dos deputados que mais lutou para a aprovação da emenda". a concordância em número e pessoa é feita com o antecedente do pronome. Atenção: A tendência. etc. 9) Quando o sujeito é um pronome de tratamento. certamente lerá seu novo romance. Veja: 25% querem a mudança.

: quando o sujeito é composto. Casos Particulares 1) Quando o sujeito composto é formado por núcleos sinônimos ou quase sinônimos. Convém insistir que isso é uma opção. Aceita-se. b) Sujeito Composto 1) Quando o sujeito é composto e anteposto ao verbo. a concordância se faz no plural: Exemplos: Pai e filho conversavam longamente. Aqueles que indicam fenômenos da natureza. 11) Verbos Impessoais: por não se referirem a nenhum sujeito. Por Exemplo: Descaso e desprezo marcam / marca seu comportamento. formado por um elemento da segunda pessoa e um da terceira. é possível empregar o verbo na terceira pessoa do plural. passa a existir uma nova possibilidade de concordância: em vez de concordar no plural com a totalidade do sujeito. prevalece sobre a terceira. a concordância é feita obrigatoriamente no plural. Sujeito 2) Nos sujeitos compostos formados por pessoas gramaticais diferentes. Faltou coragem e competência. que por sua vez. Primeira Pessoa do Plural (Nós) Tu e teus irmãos tomareis a decisão. Exemplos: Havia muitas garotas na festa. Faz dois meses que não vejo meu pai. e não uma obrigação. Terceira Pessoa do Plural (Eles) Obs. Veja: Teus irmãos." 3) No caso do sujeito composto posposto ao verbo. a frase: "Tu e teus irmãos tomarão a decisão. Fazer indicando tempo. o verbo pode ficar no plural ou no singular. no entanto. Observe: Abraçaram-se vencedor e vencido. . São verbos impessoais: Haver no sentido de existir. Chovia ontem à tarde. são usados sempre na 3ª pessoa do singular. Ofenderam-se o jogador e o árbitro.43 O tradicional relógio da praça matriz dá nove horas. 4) Quando ocorre ideia de reciprocidade. tu e eu tomaremos a decisão. Segunda Pessoa do Plural (Vós) Pais e filhos precisam respeitar-se. pois. o verbo pode estabelecer concordância com o núcleo do sujeito mais próximo. Por Exemplo: Faltaram coragem e competência. a concordância ocorre da seguinte maneira: a primeira pessoa do plural prevalece sobre a segunda pessoa. Sujeito Pais e filhos devem conversar com frequência.

3) Quando os núcleos do sujeito composto são unidos por "ou" ou "nem". mas também o pouco caso castigam o Nordeste.mas ainda". Por Exemplo: Com você.quanto"." 6) Quando os núcleos do sujeito são unidos por expressões correlativas como: "não só.44 2) Quando o sujeito composto é formado por núcleos dispostos em gradação. o verbo deverá ficar no singular. a concordância é feita com esse termo resumidor. Você ou ele será escolhido. um segundo me satisfazem / satisfaz.. os núcleos recebem um mesmo grau de importância e a palavra "com" tem sentido muito próximo ao de "e".: com o verbo no singular. o verbo pode ficar no plural ou concordar com o último núcleo do sujeito. Não só a seca. O governador com o secretariado traçou os planos para o próximo semestre. tudo é muito importante na vida das pessoas. 7) Quando os elementos de um sujeito composto são resumidos por um aposto recapitulativo. 5) Quando os núcleos do sujeito são unidos por "com". O sujeito é simples. descanso. Nesse caso. Tanto a mãe quanto o filho ficaram surpresos com a notícia. não se pode falar em sujeito composto. o verbo deverá ficar no plural se a declaração contida no predicado puder ser atribuída a todos os núcleos. Quando a declaração contida no predicado só puder ser atribuída a um dos núcleos do sujeito. "não apenas. boas conversas. o verbo concorda de preferência no plural. o verbo pode ficar no plural.. No segundo caso. Por Exemplo: Roma ou Buenos Aires será a sede da próxima Olimpíada.. Na verdade. Por Exemplo: Filmes. Obs. meu amor. Veja: O pai com o filho montaram o brinquedo. o verbo no plural enfatiza a unidade de sentido que há na combinação. No primeiro caso.. "tanto. Outros Casos 1) O Verbo e a Palavra "SE" . O pai com o filho montou o brinquedo. Nem o professor nem o aluno acertaram a resposta. o verbo no singular enfatiza o último elemento da série gradativa. Nesse mesmo caso. uma vez que as expressões "com o filho" e "com o secretariado" são adjuntos adverbiais de companhia.. Trabalho. Veja: "O pai montou o brinquedo com o filho." "O governador traçou os planos para o próximo semestre com o secretariado. "não somente". O governador com o secretariado traçaram os planos para o próximo semestre. embora o plural também seja praticado. Nem um nem outro saiu / saíram do colégio... ou seja. nada o tirava da apatia. Por Exemplo: Um e outro compareceu / compareceram à festa. Por Exemplo: Drummond ou Bandeira representam a essência da poesia brasileira. diversão.. se os núcleos forem excludentes. o verbo pode ficar no singular.mas também". se a ideia é enfatizar o primeiro elemento. (Só será escolhido um) 4) Com as expressões "um ou outro" e "nem um nem outro". uma hora.. é como se houvesse uma inversão da ordem. novelas. um minuto. a concordância costuma ser feita no singular.

transitivos indiretos e de ligação.45 Dentre as diversas funções exercidas pelo "se". Quando pronome apassivador. o "se" acompanha verbos transitivos diretos e indiretos na formação da voz passiva sintética. o "se" acompanha os verbos intransitivos. Confia-se em teses absurdas. o verbo ser concorda com o numeral. 2) O Verbo "Ser" A concordância verbal se dá sempre entre o verbo e o sujeito da oração. Predicativo do Sujeito Se o sujeito indicar pessoa. o . b) quando é partícula apassivadora. que obrigatoriamente são conjugados na terceira pessoa do singular. Obs.: admite-se a concordância no singular quando se deseja fazer prevalecer um elemento sobre o outro. O verbo ser concordará com o predicativo do sujeito: a) Quando o sujeito for representado pelos pronomes .e o predicativo estiver no plural. dias e distâncias. Minhas alegrias é esta criança. . c) Quando o sujeito for pronome interrogativo que ou quem. Exemplos: Construiu-se um posto de saúde. O que eu admiro em você são os seus cabelos compridos. Quando índice de indeterminação do sujeito. há duas de particular interesse para a concordância verbal: a) quando é índice de indeterminação do sujeito. isso.isto. Aquilo eram problemas gravíssimos. Por Exemplo: Gustavo era só decepções. Por Exemplo: A vida é ilusões. Sujeito Predicativo do Sujeito Sua rotina Sujeito eram só alegrias. Construíram-se novos postos de saúde. Era-se mais feliz no passado. o verbo deve concordar com o sujeito da oração. Não se pouparam esforços para despoluir o rio. Exemplos: Precisa-se de governantes interessados em civilizar o país. aquilo. Por Exemplo: Que são esses papéis? Quem são aquelas crianças? d) Como impessoal na indicação de horas. No caso do verbo ser. e o predicativo for um substantivo no plural. b) Quando o sujeito estiver no singular e se referir a coisas. Exemplos: Isso são lembranças inesquecíveis. tudo. o verbo concorda com esse sujeito. essa concordância pode ocorrer também entre o verbo e o predicativo do sujeito. Nesse caso. Não se devem poupar esforços para despoluir o rio. Exemplos: Nosso piquenique foram só guloseimas.

Obs. Atenção: Com orações desenvolvidas. Ela não é eu. Saiba que: Na indicação de dia. Três metros de tecido é pouco para fazer seu vestido. medida. Obs. Por Exemplo: Alguns colegas pareciam chorar naquele momento. Por Exemplo: Alguns colegas parecia chorarem naquele momento. o verbo parecer fica no singular. g) Quando o sujeito for uma expressão de sentido partitivo ou coletivo e o predicativo estiver no plural. e) Quando o sujeito indicar peso. o verbo ser admite as seguintes concordâncias: 1) No singular: Concorda com a palavra explícita dia. Por Exemplo: No meu setor. literária.46 Exemplos: É uma hora. o verbo ser concordará com o predicativo. o verbo ser fica no singular. o verbo concorda com o pronome sujeito. São três da manhã. etc. Por Exemplo: Hoje é dia quatro de março. admite duas concordâncias: a) Ocorre variação do verbo parecer e não se flexiona o infinitivo. Aqui os adultos somos nós. Por Exemplo: A grande maioria no protesto eram jovens. o infinitivo sofre flexão. mais de. 3) No singular: Concorda com a ideia implícita de dia.: a primeira construção é considerada corrente. Duas semanas de férias é muito para mim. menos de.. Por Exemplo: Hoje é quatro de março. Por Exemplo: Hoje são quatro de março. O resto foram atitudes imaturas.: sendo ambos os termos (sujeito e predicativo) representados por pronomes pessoais. enquanto a segunda. Eram 25 de julho quando partimos. f) Quando um dos elementos (sujeito ou predicativo) for pronome pessoal do caso reto. Exemplos: Cinco quilos de açúcar é mais do que preciso. sem a palavra explícita dia. 2) No plural: Concorda com o numeral. eu sou a única mulher. b) A variação do verbo parecer não ocorre. Daqui até a padaria são dois quarteirões. com este concordará o verbo. Por Exemplo: Eu não sou ela. quantidade e for seguido de palavras ou expressões como pouco. muito. . 3) O Verbo "Parecer" O verbo parecer. quando seguido de infinitivo.

. a concordância pode variar. Exemplos: . ocupa-se da relação entre nomes.Caso os substantivos sejam nomes próprios ou de parentesco. ou numeral substantivo) e as palavras que a ele se ligam para caracterizá-lo (artigos. ( = vejam-se) CONCORDÂNCIA NOMINAL A concordância nominal se baseia na relação entre um substantivo (ou pronome. ( = atente-se) b) O verbo haver pode variar (desde que não seguido de preposição). pronomes adjetivos. Por Exemplo: As adoráveis Fernanda e Cláudia vieram me visitar. Basicamente. Podemos sistematizar essa flexão nos seguintes casos: a) Adjetivo anteposto aos substantivos: . Encontrei os divertidos primos e primas na festa. como adjunto adnominal. o adjetivo deve sempre concordar no plural. considerando-se o termo seguinte como sujeito. numerais adjetivos e particípios).47 Por Exemplo: As paredes parece que têm ouvidos.) 4) A Expressão "Haja Vista" A expressão haja vista admite as seguintes construções: a) A expressão fica invariável (seguida ou não de preposição). A concordância do adjetivo ocorre de acordo com as seguintes regras gerais: 1) O adjetivo concorda em gênero e número quando se refere a um único substantivo. (Parece que as paredes têm ouvidos. Por Exemplo: As mãos trêmulas denunciavam o que sentia. e o adjetivo. Encontramos caída a roupa e os prendedores. 2) Quando o adjetivo se refere a vários substantivos. Por Exemplo: Hajam vista os exemplos de sua dedicação.O adjetivo concorda em gênero e número com o substantivo mais próximo. Lembre-se: normalmente. Por Exemplo: Haja vista as lições dadas por ele. Por Exemplo: Encontramos caídas as roupas e os prendedores.O adjetivo concorda com o substantivo mais próximo ou com todos eles (assumindo forma masculino plural se houver substantivo feminino e masculino). b) Adjetivo posposto aos substantivos: . ( = por exemplo) Haja vista aos fatos explicados por esta teoria. adjetivos. Encontramos caído o prendedor e a roupa. o substantivo funciona como núcleo de um termo da oração.

Por Exemplo: Admiro a cultura espanhola e a portuguesa. muito. Exemplos: A beleza e a inteligência feminina(s). 6) A palavra "só". Por Exemplo: Cristina saiu só. Por Exemplo: Eles só desejam ganhar presentes. podem ser usadas as construções: a) O substantivo permanece no singular e coloca-se o artigo antes do último adjetivo. este último geralmente é usado no masculino singular. b) O substantivo vai para o plural e omite-se o artigo antes do adjetivo. 5) Nas expressões formadas por pronome indefinido neutro (nada. algo. A indústria oferece localização e atendimento perfeitos. etc. . pois indicam que o adjetivo efetivamente se refere aos dois substantivos. tem função adverbial. portanto.) + preposição DE + adjetivo. o adjetivo fica no singular ou plural. o adjetivo foi flexionado no plural masculino. A indústria oferece atendimento e localização perfeita.: quando a palavra "só" equivale a "somente" ou "apenas". Obs. .48 A indústria oferece localização e atendimento perfeito. se este for modificado por um artigo ou qualquer outro determinativo. b) O adjetivo concorda com o substantivo. A indústria oferece atendimento e localização perfeitos. se o substantivo não for acompanhado de nenhum modificador. Por Exemplo: Os jovens tinham algo de misterioso. Por Exemplo: Água é bom para saúde. que é o gênero predominante quando há substantivos de gêneros diferentes. Por Exemplo: Esta água é boa para saúde. tanto. Cristina e Débora saíram sós.Se os substantivos possuírem o mesmo gênero. 3) Expressões formadas pelo verbo SER + adjetivo: a) O adjetivo fica no masculino singular. ficando. Nesses casos.: os dois últimos exemplos apresentam maior clareza. tem função adjetiva e concorda normalmente com o nome a que se refere. quando equivale a "sozinho". 7) Quando um único substantivo é modificado por dois ou mais adjetivos no singular. Obs. invariável. 4) O adjetivo concorda em gênero e número com os pronomes pessoais a que se refere. O carro e o iate novo(s). Por Exemplo: Juliana as viu ontem muito felizes.

: veja esta construção: Estudo a cultura espanhola e portuguesa.Obrigado .49 Por Exemplo: Admiro as culturas espanhola e portuguesa. cavalos de vento!" (Cecília Meireles). Seguem inclusos os papéis solicitados. (adjetivo) . É preciso cidadania. ficam invariáveis se o substantivo a que se referem possuir sentido genérico (não vir precedido de artigo). Já lhe paguei o que estava devendo: estamos quites. pronomes ou adjetivos. A menina agradeceu: . Bastante .É permitido a) Essas expressões. pronomes adjetivos. Esta salada é ótima. melancia é bom. Observe: Seguem anexas as documentações requeridas. formadas por um verbo mais um adjetivo. No verão.Caro .É preciso . Não é permitido saída pelas portas laterais. Obs. Casos Particulares É proibido . (advérbio) As casas estão caras. São precisas várias medidas na educação. nas alvoradas.Mesmo .Barato . (adjetivo) Achei barato este casaco. tanto o verbo como o adjetivo concordam com ele. Concordam com o nome a que se referem quando funcionam como adjetivos. é necessário atenção. Exemplos: É proibido entrada de crianças. A educação é necessária. espano-portuguesa? Procure evitar construções desse tipo. (adjetivo) "Vais ficando longe de mim como o sono. Note que ela provoca incerteza: trata-se de duas culturas distintas ou de uma única.(advérbio) Hoje as frutas estão baratas. nós mesmas faremos isso. Muito obrigadas.Quite Essas palavras adjetivas concordam em gênero e número com o substantivo ou pronome a que se referem.Longe Essas palavras são invariáveis quando funcionam como advérbios.É bom . Em certos momentos." (Cecília Meireles) (advérbio) "Levai-me a esses longes verdes. disseram as senhoras. ou numerais. Anexo .Próprio . b) Quando o sujeito dessas expressões estiver determinado por artigos.Incluso . Exemplos: As jogadoras estavam bastante cansadas. Exemplos: É proibida a entrada de crianças.Muito obrigada. (pronome adjetivo) Nunca pensei que o estudo fosse tão caro. (advérbio) Há bastantes pessoas insatisfeitas com o trabalho.É necessário .

pois oferece oportunidade de conhecermos as diversas significações que um verbo pode assumir com a simples mudança ou retirada de uma preposição. -> agradar significa acariciar. que sejam corretas e claras. no padrão culto da língua. permanecem sempre invariáveis. possui. Por Exemplo: Os escoteiros estão sempre alerta. contentar. sentido diferente. Saiba que: O conhecimento do uso adequado das preposições é um dos aspectos fundamentais do estudo da regência verbal (e também nominal). O estudo da regência verbal permite-nos ampliar nossa capacidade expressiva. no segundo caso.Meia a) A palavra "meio". b) Quando empregada como advérbio (modificando um adjetivo) permanece invariável. Carolina tem menos bonecas que sua amiga. Por Exemplo: A noiva está meio nervosa. conclui-se que "agradar alguém" é diferente de "agradar a alguém". e a regência culta. Logo. é muito comum existirem divergências entre a regência coloquial. Veja os exemplos: Cheguei ao metrô. satisfazer. A mãe agrada ao filho. que expressem efetivamente o sentido desejado. A oração "Cheguei no metrô". SINTAXE DE REGÊNCIA Regência Verbal e Nominal Definição: Dá-se o nome de regência à relação de subordinação que ocorre entre um verbo (ou um nome) e seus complementos. No primeiro caso. -> agradar significa "causar agrado ou prazer". cotidiana de alguns verbos. concorda normalmente com o nome a que se refere.50 Meio . Aliás. é o meio de transporte por mim utilizado. o metrô é o lugar a que vou. As preposições são capazes de modificar completamente o sentido do que se está sendo dito.Menos Essas palavras são advérbios. portanto. Por Exemplo: Pedi meia cerveja e meia porção de polentas. quando empregada como adjetivo. Cheguei no metrô. Ocupa-se em estabelecer relações entre as palavras. Alerta . REGÊNCIA VERBAL Termo Regente: VERBO A regência verbal estuda a relação que se estabelece entre os verbos e os termos que os complementam (objetos diretos e objetos indiretos) ou caracterizam (adjuntos adverbiais). popularmente usada a fim de indicar o lugar a que se vai. Observe: A mãe agrada o filho. . criando frases não ambíguas.

Ao empregar esses verbos. / Amo-o. Exemplos: Fui ao teatro. adorar. las (após formas verbais terminadas em -r. enquanto lhe e lhes são. aborrecer. São verbos transitivos diretos. para. Verbos Intransitivos Os verbos intransitivos não possuem complemento. / Amam-no. abraçar. acusar. as preposições usadas para indicar destino ou direção são: a. castigar. prejudicar. Esses pronomes podem assumir as formas lo. socorrer. Adjunto Adverbial de Lugar Ricardo foi para a Espanha. suportar. namorar." Ir a algum lugar" sugere também o retorno.51 Para estudar a regência verbal. Obs. Exemplos: Quero beijar-lhe o rosto. / Ele deve amá-la. ouvir. Na língua culta. ver. conhecer. (= beijar seu rosto) Prejudicaram-lhe a carreira. auxiliar. amparar. / Amo-a. nos. objetos indiretos. prezar. la. Na língua culta. visitar. alegrar. nas (após formas verbais terminadas em sons nasais). defender.: "Ir para algum lugar" enfatiza a direção. Por Exemplo: Comparecemos ao estádio (ou no estádio) para ver o último jogo. a partida. conservar. os. (= prejudicaram sua carreira) Conheço-lhe o mau humor! (= conheço seu mau humor) . quando complementos verbais. não é um fato absoluto: um mesmo verbo pode atuar de diferentes formas em frases distintas. dentre outros: abandonar. proteger. Amam aquele rapaz. respeitar. amolar. condenar. -s ou -z) ou no. Ele deve amar aquela mulher. Ir Normalmente vêm acompanhados de adjuntos adverbiais de lugar. a) Chegar. admirar. los. no entanto. Isso significa que não exigem preposição para o estabelecimento da relação de regência. na. a. humilhar. porém. lhes só acompanham esses verbos para indicar posse (caso em que atuam como adjuntos adnominais). destacar alguns detalhes relativos aos adjuntos adverbiais que costumam acompanhá-los. eleger. esses verbos funcionam exatamente como o verbo amar: Amo aquele rapaz. Adjunto Adverbial de Lugar Obs. agruparemos os verbos de acordo com sua transitividade. Importante: reserva-se o uso de "em" para indicação de tempo ou meio. Veja: Cheguei a Roma em outubro.: os pronomes lhe. estimar. devemos lembrar que os pronomes oblíquos o. Adjunto Adverbial de Meio b) Comparecer O adjunto adverbial de lugar pode ser introduzido por em ou a. ameaçar. Amo aquela moça. acompanhar.convidar. abençoar. Adjunto Adverbial de Tempo Chegamos no trem das dez. A transitividade. É importante. as atuam como objetos diretos. Verbos Transitivos Diretos Os verbos transitivos diretos são complementados por objetos diretos.

Dentre os principais.: o verbo responder. Almejar Almejamos a paz entre as nações. Simpatizo com os que condenam os políticos que governam para uma minoria privilegiada.52 Verbos Transitivos Indiretos Os verbos transitivos indiretos são complementados por objetos indiretos. temos: Abdicar Abdicou as vantagens do cargo. o "lhes". Ansiar Anseia respostas objetivas. Não se utilizam os pronomes o. / Não acreditava na própria força. Obs. Respondeu-lhe à altura. b) Obedecer e Desobedecer: Possuem seus complementos introduzidos pela preposição "a". usam-se pronomes oblíquos tônicos de terceira pessoa (ele. ela) em lugar dos pronomes átonos lhe. Verbos Transitivos Diretos ou Indiretos Há verbos que admitem duas construções. Veja: O questionário foi respondido corretamente. a. Respondemos às perguntas. Eles desobedeceram às leis do trânsito. apesar de transitivo indireto quando exprime aquilo a que se responde. uma transitiva direta. d) Simpatizar e Antipatizar Possuem seus complementos introduzidos pela preposição "com". Esse verbo pede objeto indireto para indicar "a quem" ou "ao que" se responde. Os verbos transitivos indiretos são os seguintes: a) Consistir Tem complemento introduzido pela preposição "em". . Por Exemplo: Respondi ao meu patrão. lhes. / Almejamos pela paz entre as nações. admite voz passiva analítica. Com os objetos indiretos que não representam pessoas. Acreditar Não acreditava a própria força. os. Isso significa que esses verbos exigem uma preposição para o estabelecimento da relação de regência. sem que isso implique modificações de sentido. Por Exemplo: A modernidade verdadeira consiste em direitos iguais para todos. Todas as perguntas foram respondidas satisfatoriamente. para substituir pessoas. / Abdicou das vantagens do cargo. Por Exemplo: Antipatizo com aquela apresentadora. Os pronomes pessoais do caso oblíquo de terceira pessoa que podem atuar como objetos indiretos são o "lhe". as como complementos de verbos transitivos indiretos. outra indireta. c) Responder Tem complemento introduzido pela preposição "a". Por Exemplo: Devemos obedecer aos nossos princípios e ideais. / Anseia por respostas objetivas.

/ Gozava de boa saúde. / Não renuncie ao motivo de sua luta. / Necessitamos de algumas horas para preparar a apresentação. Deparar Deparamos uma bela paisagem em nossa trilha. Satisfazer Era difícil conseguir satisfazê-la. / Cogitávamos em uma nova estratégia. Atender Atendeu os meus pedidos. Atentar Atente esta forma de digitar. Gozar Gozava boa saúde. Objeto Indireto Objeto Direto Cristo ensina que é preciso perdoar o pecado ao pecador. / Sua partida antecedeu a uma série de fatos estranhos. Veja os exemplos: Agradeço aos ouvintes a audiência. Merecem destaque. Cogitar Cogitávamos uma nova estratégia. / Atente nesta forma de digitar. Renunciar Não renuncie o motivo de sua luta. / Ninguém presidia ao encontro. Presidir Ninguém presidia o encontro. / Sua palestra versou sobre o estilo dos modernistas. / Cogitávamos de uma nova estratégia. Versar Sua palestra versou o estilo dos modernistas. Verbos Transitivos Diretos e Indiretos Os verbos transitivos diretos e indiretos são acompanhados de um objeto direto e um indireto. Necessitar Necessitamos algumas horas para preparar a apresentação. / Era difícil conseguir satisfazer-lhe. nesse grupo: Agradecer. Objeto Direto Objeto Indireto . / Atendeu aos meus pedidos. Consentir Os deputados consentiram a adoção de novas medidas econômicas. / Os deputados consentiram na adoção de novas medidas econômicas. Preceder Intensas manifestações precederam a mudança de regime. Perdoar e Pagar São verbos que apresentam objeto direto relacionado a coisas e objeto indireto relacionado a pessoas./ Intensas manifestações precederam à mudança de regime. / Atente para esta forma de digitar. / Deparamos com uma bela paisagem em nossa trilha.53 Anteceder Sua partida antecedeu uma série de fatos estranhos.

/ Perdoei-a. certificar. Agradeço aos eleitores que confiaram em mim. Informar Apresenta objeto direto ao se referir a coisas e objeto indireto ao se referir a pessoas. perdoar e pagar a pessoa deve sempre aparecer como objeto indireto. Paguei aos meus credores. / Informei-lhes os novos preços. / Paguei-as. muito comum na linguagem cotidiana. Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta Saiba que: 1) A construção "pedir para". Paguei minhas contas. Observe: Agradeci o presente. (ou sobre os novos preços) Na utilização de pronomes como complementos. Perdoei a ofensa. notificar. Comparar Quando seguido de dois objetos. Por Exemplo: Comparei seu comportamento ao (ou com o) de uma criança. nesse caso.54 Paguei o débito ao cobrador. / Informe-os deles. Por Exemplo: Pedi ± lhe favores. esse verbo admite as preposições "a" ou "com" para introduzir o complemento indireto. / Agradeci-o. Agradeço a você. Pedir Esse verbo pede objeto direto de coisa (geralmente na forma de oração subordinada substantiva) e indireto de pessoa. veja as construções: Informei-os aos clientes. / Paguei-lhes. a preposição "para" introduz uma oração subordinada adverbial final reduzida de . Por Exemplo: Informe os novos preços aos clientes. / Perdoei-lhe. ou vice-versa. deve ter emprego muito limitado na língua culta. Observe que. Já perdoei aos que me acusaram. / Agradeço-lhe. Informe os clientes dos novos preços. (ou sobre eles) Obs. é considerada correta quando a palavra licença estiver subentendida. prevenir. Informe-os dos novos preços. No entanto. Objeto Direto Objeto Indireto O uso dos pronomes oblíquos átonos deve ser feito com particular cuidado. Por Exemplo: Peço (licença) para ir entregar-lhe os catálogos em casa. Saiba que: Com os verbos agradecer. mesmo que na frase não haja objeto direto. Objeto Indireto Objeto Direto Pedi± lhe Objeto Indireto que mantivesse em silêncio. Perdoei ao agressor.: a mesma regência do verbo informar é usada para os seguintes: avisar. cientificar. Veja os exemplos: A empresa não paga aos funcionários desde setembro.

acariciar. oferece possibilidades expressivas a quem fala ou escreve. antes. Dentre os principais. / Sempre o agrada quando o revê. Preferir Na língua culta. não se usam as formas pronominais átonas "lhe" e "lhes" e sim as formas tônicas "a ele (s)". ser agradável a. (Aspirava-o) 2) Aspirar é transitivo indireto no sentido de desejar. auxiliar. Rege complemento introduzido pela preposição "a". Exemplos: . mas coisa. estar presente. 2) Assistir é transitivo indireto no sentido de ver. O conhecimento das diferentes regências desses verbos é um recurso linguístico muito importante. também muito usada popularmente.55 infinitivo (para ir entregar-lhe os catálogos em casa). satisfazer. As empresas de saúde negam-se a assisti-los. apresentam mudança de significado. O cantor não lhes agradou. Por Exemplo: Prefiro qualquer coisa a abrir mão de meus ideais. Por Exemplo: As empresas de saúde negam-se a assistir os idosos. ter como ambição. Obs. é igualmente considerada incorreta. inalar. 2) A construção "dizer para". pois além de permitir a correta interpretação de passagens escritas. de acordo com a mudança de transitividade. um milhão de vezes. inspirar (o ar).: na língua culta. 2) Agradar é transitivo indireto no sentido de causar agrado a. Prefiro trem a ônibus. A ênfase já é dada pelo prefixo existente no próprio verbo (pre). Por Exemplo: Aspirava o suave aroma. " a ela (s)". presenciar. Por Exemplo: O cantor não agradou aos presentes. caber. Veja o exemplo: Aspiravam a uma existência melhor. o verbo "preferir" deve ser usado sem termos intensificadores. estão: AGRADAR 1) Agradar é transitivo direto no sentido de fazer carinhos. (Aspirávamos a elas) Obs. / Cláudia não perde oportunidade de agradá-lo. pertencer. ASPIRAR 1) Aspirar é transitivo direto no sentido de sorver. prestar assistência a.: como o objeto direto do verbo "aspirar" não é pessoa. (= Aspiravam a ela) ASSISTIR 1) Assistir é transitivo direto no sentido de ajudar. Por Exemplo: Aspirávamos a melhores condições de vida. esse verbo deve apresentar objeto indireto introduzido pela preposição "a". mais. tais como: muito. Cláudia não perde oportunidade de agradar o gato. Mudança de Transitividade versus Mudança de Signi ficado Há verbos que. mil vezes. Por Exemplo: Sempre agrada o filho quando o revê.

Observe o exemplo abaixo: Custei para entender o problema. acarretar. solicitar a atenção ou a presença de. Essa lei assiste ao inquilino. vá chamá-la. CUSTAR 1) Custar é intransitivo no sentido de ter determinado valor ou preço. Forma correta: Custou-me entender o problema. IMPLICAR 1) Como transitivo direto. 2) Chamar no sentido de denominar. penoso pode ser intransitivo ou transitivo indireto. / Por favor. Exemplos: A torcida chamou o jogador mercenário. Não assisti às últimas sessões. esse verbo tem dois sentidos: a) dar a entender. A torcida chamou o jogador de mercenário. 2) No sentido de ser difícil. fazer supor. Obs. Verbo Oração Subordinada Substantiva Subjetiva Intransitivo Reduzida de Infinitivo Custa-me (a mim) crer que tomou realmente aquela atitude. vá chamar sua prima. Por exemplo: Muito custa viver tão longe da família. CHAMAR 1) Chamar é transitivo direto no sentido de convocar. apelidar pode apresentar objeto direto e indireto. provocar Por exemplo: Liberdade de escolha implica amadurecimento político de um povo. sendo acompanhado de adjunto adverbial de lugar introduzido pela preposição "em". Por Exemplo: Assistimos numa conturbada cidade. .: a Gramática Normativa condena as construções que atribuem ao verbo "custar" um sujeito representado por pessoa. pressupor Por exemplo: Suas atitudes implicavam um firme propósito. o verbo "assistir" é intransitivo. Por exemplo: Frutas e verduras não deveriam custar muito. A torcida chamou ao jogador mercenário. residir. trazer como consequência. ao qual se refere predicativo preposicionado ou não. Chamei você várias vezes. b) Ter como consequência. A torcida chamou ao jogador de mercenário.: no sentido de morar. Objeto Oração Subordinada Substantiva Subjetiva Indireto Reduzida de Infinitivo Obs. Por exemplo: Por gentileza.56 Assistimos ao documentário. / Chamei-o várias vezes. sendo acompanhado de adjunto adverbial.

não havia como refutá-las. Procedeu-se aos exames. VISAR 1) Como transititvo direto. ter vontade de. Você procede muito mal. QUERER 1) Querer é transitivo direto no sentido de desejar. executar (rege complemento introduzido pela preposição "a") é transitivo indireto. estimar. REGÊNCIA NOMINAL Regência Nominal é o nome da relação existente entre um nome (substantivo.: no sentido de antipatizar. ter fundamento ou portar-se. Despede-se o filho que muito lhe quer. é preciso levar em conta que vários nomes apresentam exatamente o mesmo regime dos verbos de que derivam. cobiçar. envolver Por exemplo: Implicaram aquele jornalista em questões econômicas. Essa relação é sempre intermediada por uma preposição. Queremos um país melhor. Observe o exemplo: Verbo obedecer e os nomes correspondentes: todos regem complementos introduzidos pela preposição "a". 2) No sentido de ter em vista. Ele quer bem à linda menina. vem sempre acompanhado de adjunto adverbial de modo. Exemplos: As afirmações da testemunha procediam. 2) Nos sentidos de ter origem. derivar-se (rege a preposição" de") e fazer. Querem melhor atendimento. ter implicância. O gerente não quis visar o cheque. Veja: . 2) Querer é transitivo indireto no sentido de ter afeição. Nessa segunda acepção.57 2) Como transitivo direto e indireto. adjetivo ou advérbio) e os termos regidos por esse nome. ter cabimento. Exemplos: O avião procede de Maceió. Prometeram tomar medidas que visassem ao bem-estar público. comportarse. significa comprometer. Conhecer o regime de um verbo significa. nesses casos. Por Exemplo: Implicava com quem não trabalhasse arduamente. ter como objetivo. O delegado procederá ao inquérito. agir. PROCEDER 1) Proceder é intransitivo no sentido de ser decisivo. rubricar. Por Exemplo: O homem visou o alvo. apresenta os sentidos de mirar. No estudo da regência nominal. conhecer o regime dos nomes cognatos. Exemplos: Quero muito aos meus amigos. Exemplos: O ensino deve sempre visar ao progresso social. Obs. fazer pontaria e de pôr visto. ter como meta. é transitivo indireto e rege a preposição "a". amar. é transitivo indireto e rege com preposição "com".

em. por .58 Obedecer a algo/ a alguém. para. contra Bacharel em Capacidade de. de Contíguo a Contrário a Curioso de. com. de. por Semelhante a Sensível a Sito em Suspeito de Vazio de Devoção a. de Obediência a Ojeriza a. paralelamente a. para com Agradável a Alheio a. Obediente a algo/ a alguém. por Atentado a. para Fácil de Fanático por Favorável a Generoso com Grato a. por Apto a. de Análogo a Ansioso de. para com. por Proeminência sobre Respeito a. para. por Doutor em Dúvida acerca de. relativa a. Apresentamos a seguir vários nomes acompanhados da preposição ou preposições que os regem. relativamente a. para Ávido de Benéfico a Capaz de. sobre Horror a Impaciência com Medo a. para Adjetivos Acessível a Acostumado a. por Hábil em Habituado a Idêntico a Impróprio para Indeciso em Insensível a Liberal com Natural de Necessário a Nocivo a Paralelo a Parco em. Substantivos Admiração a. para. de Passível de Preferível a Prejudicial a Prestes a Propício a Próximo a Relacionado com Relativo a Satisfeito com. para Compatível com Contemporâneo a. em. associar esses nomes entre si ou a algum verbo cuja regência você conhece. com Afável com. Observe os atentamente e procure. por Descontente com Desejoso de Advérbios Longe de Perto de Obs. com.: os advérbios terminados em -mente tendem a seguir o regime dos adjetivos de que são formados: paralela a. por Aversão a. sempre que possível. Diferente de Entendido em Equivalente a Escasso de Essencial a.

(advérbio) Tudo me incomoda nesse lugar. emprega-se ênclise. Essas três colocações chamam-se. Isso ocorre porque os pronomes átonos (me. lhe. c) Nas orações iniciadas por pronomes e advérbios interrogativos. sem que exista pausa. . 1) Próclise Na próclise. Ou se diverte.59 SINTAXE DE COLOCAÇÃO Colocação dos Pronomes Oblíquos Átonos Fernanda. observe que o pronome "te" foi expresso em lugares distintos: antes e depois do verbo. vive-se. vos. você precisa falar com o gerente. quem te contou isso? Fernanda. Em se pensando em descanso. f) Com gerúndio precedido de preposição "em". pensa-se em férias. Comprarei o relógio se me for útil. (pronome indefinido) Obs. nos. respectivamente: próclise. Exemplos: Aqui se vive. depois do verbo e no interior do verbo. Exemplos: Ninguém o apoia. ou fica em casa. o pronome surge antes do verbo. te. as) podem assumir três posições diferentes numa oração: antes do verbo. contaram-te isso? Nos exemplos acima. Costuma ser empregada: a) Nas orações que contenham uma palavra ou expressão de valor negativo. se. Por Exemplo: Aqui. Exemplos: Quem te convidou para sair? (pronome interrogativo) Por que a maltrataram? (advérbio interrogativo) d) Nas orações iniciadas por palavras exclamativas e nas optativas (que exprimem desejo). o. a. Nunca se esqueça de mim. b) Nas orações em que haja advérbios e pronomes indefinidos. Exemplos: Como te admiro! (oração exclamativa) Deus o ilumine! (oração optativa) e) Nas conjunções subordinativas: Exemplos: Ela não quis a blusa. lhes. os. Não me fale sobre este assunto. embora lhe servisse. É necessário que o traga de volta. Exemplos: Só se lembram de estudar na véspera das provas. "somente") e com as conjunções coordenativas alternativas.: caso haja pausa depois do advérbio. g) Com a palavra "só" (no sentido de "apenas". Exemplos: Em se tratando de negócios. ênclise e mesóclise.

c) A mesóclise é colocação exclusiva da língua culta e da modalidade literária. dando-lhe carinho e proteção. Exemplos: Falar-lhe-ei a teu respeito. pois obedece à sequência verbocomplemento. o pronome surge depois do verbo. d) Nas orações imperativas afirmativas. desfaz-se a mesóclise.60 h) Nas orações introduzidas por pronomes relativos. Assim. ajude-me neste exercício! Observações: 1) A posição normal do pronome é a ênclise. assustando-se com o ruído que ouvira. Importava-se com o sucesso do projeto. não se abre frase com pronome oblíquo. Para que ocorra a próclise ou a mesóclise é necessário haver justificativas. Professor. Exemplos: Diga-me apenas a verdade. (Procurariam + me) Observações: a) Havendo um dos casos que justifique a próclise. (Falarei + lhe) Procurar-me-iam caso precisassem de ajuda. b) Nas orações reduzidas de infinitivo. desde que não se justifique a próclise. 2) A tendência para a próclise na língua falada atual é predominante. 3) Ênclise A ênclise pode ser considerada a colocação básica do pronome. mas iniciar frases com pronomes átonos não é lícito numa conversação formal. na língua culta. Por Exemplo: . Há pessoas que nos tratam com carinho. Espero contar-lhe isto hoje à noite. Exemplos: Foi aquele colega quem me ensinou a matéria. O menino gritou. Exemplos: Convém confiar-lhe esta responsabilidade. c) Nas orações reduzidas de gerúndio (desde que não venham precedidas de preposição "em".) Exemplos: A mãe adotiva ajudou a criança. pois. O pronome fica intercalado ao verbo. Exemplos: Fale com seu irmão e avise-o do compromisso. Aqui é o lugar onde te conheci.) b) Com esses tempos verbais (futuro do presente e futuro do pretérito) jamais ocorre a ênclise. (O pronome "tudo" exige o uso de próclise. Por Exemplo: Tudo lhe emprestarei. pois confio em seus cuidados. 2) Mesóclise Emprega-se a mesóclise quando o verbo estiver no futuro do presente ou no futuro do pretérito do indicativo. Emprega-se geralmente: a) Nos períodos iniciados por verbos (desde que não estejam no tempo futuro).

a) Se não houver fator que justifique a próclise. Obs. Exemplos: Nunca me viram cantar. Eu machuquei-me no jogo. o pronome ficará antes da locução. . Por Exemplo: Não me haviam avisado da prova que teremos amanhã. Por Exemplo: Quero ajudar-lhe ao máximo. a colocação do pronome será facultativa. Colocação dos Pronomes Oblíquos Átonos nas Locuções Verbais As locuções verbais podem ter o verbo principal no infinitivo. emprega-se o pronome após a locução. Por Exemplo: As crianças tinham-se perdido no passeio escolar. Por Exemplo: Seu rendimento escolar tem-me surpreendido. Linguagem Formal: Alcança-me a caneta. (antes) Não pretendo falar-lhe sobre negócios. é possível usar tanto a próclise como a ênclise. no gerúndio ou no particípio. Nosso filho há de se encontrar na escolha profissional.61 Linguagem Informal: Me alcança a caneta. Veja: Por Exemplo: Haviam me convencido com aquela história. Não haviam me mostrado todos os cômodos da casa. 3) Se o verbo não estiver no início da frase. 2) Com a preposição "a" e o pronome oblíquo "o" (e variações) o pronome deverá ser colocado depois do infinitivo. 2) Verbo Principal no Particípio Estando o verbo principal no particípio. b) Com palavra que exija próclise: O pronome pode ser colocado antes ou depois da locução. (depois) Observações: 1) Quando houver preposição entre o verbo auxiliar e o infinitivo. o pronome ficará depois do verbo auxiliar. As crianças esforçam-se para acordar cedo. é comum o uso da próclise em relação ao particípio. 1) Verbo Principal no Infinitivo ou Gerúndio a) Sem palavra que exija a próclise: Geralmente. Exemplos: Eu me machuquei no jogo. Por Exemplo: Voltei a cumprimentá-los pela vitória na partida. nem conjugado nos tempos Futuro do Presente ou Futuro do Pretérito. b) Se houver fator que justifique a próclise. As crianças se esforçam para acordar cedo. o pronome oblíquo átono não poderá vir depois dele. Por Exemplo: Nosso filho há de encontrar-se na escolha profissional.: na língua falada.

não haverá crase. . Passou a camisa a ferro.Penso na aluna.Começou a brigar. da (s). depende da compreensão da fusão das duas vogais. Veja os exemplos: . Há duas maneiras de verificar a existência de um artigo feminino "a" (s) ou de um pronome demonstrativo "a" (s) após uma preposição "a": 1. Se surgir a forma ao.diante de substantivos masculinos: Andamos a cavalo. o verbo é transitivo (conhecer algo ou alguém). com o pronome demonstrativo "a" (s). ou seja. . É fundamental também. Observe os outros exemplos: Conheço a aluna. exigida pelo verbo ir (ir a algum lugar) e a ocorrência do artigo "a" que está determinando o substantivo feminino igreja. Fazer o exercício a lápis. Na escrita. com o "a" inicial dos pronomes aquele (s). Observe: Vou a a igreja. portanto. Se essas preposições não se contraírem com o artigo. se o termo regido não admitir a anteposição do artigo feminino "a" (s). "mistura". por.Optou por brigar. logo não exige preposição e a crase não pode ocorrer. desde que o termo seguinte seja feminino e admita o artigo feminino "a" ou um dos pronomes já especificados. .Apaixonei-me pela aluna. utilizamos o acento grave ( ` ) para indicar a crase. a crase é possível. Refiro-me ao aluno. No exemplo acima. para o entendimento da crase. Evidentemente..Colocar um termo masculino no lugar do termo feminino que se está em dúvida. No primeiro exemplo. Atenção: lembre-se sempre que não basta provar a existência da preposição "a" ou do artigo "a". de. dominar a regência dos verbos e nomes que exigem a preposição "a".). aquela (s).Insiste em brigar. Compramos os móveis a prazo.diante de verbos no infinitivo: A criança começou a falar. . O uso apropriado do acento grave. / Refiro-me à aluna. Refiro-me à aluna. Na língua portuguesa. pela (s). No segundo exemplo. a união delas é indicada pelo acento grave.Cansou de brigar. / Conheço o aluno. Assisitimos a espetáculos magníficos. se não surgirem novas formas (na (s). . aquilo e com o "a" do relativo a qual (as quais).Trocar o termo regente acompanhado da preposição a por outro acompanhado de uma preposição diferente (para. temos a ocorrência da preposição "a". é o nome que se dá à "junção" de duas vogais idênticas. Fomos a pé. em.Foi punido por brigar. É de grande importância a crase da preposição "a" com o artigo feminino "a" (s). Veja os principais casos em que a crase NÃO ocorre: . Quando ocorre esse encontro das duas vogais e elas se unem. sobre). Portanto. é preciso provar que existem os dois. sob. . Vou à igreja. ocorrerá crase antes do termo feminino. 2.. Ela não tem nada a dizer.. . não haverá crase.62 CRASE A palavra crase é de origem grega e significa "fusão". consiste em aprender a verificar a ocorrência simultânea de uma preposição e um artigo ou pronome. Aprender a usar a crase. Veja os exemplos: Conheço "a" aluna. . o verbo é transitivo indireto (referir-se a algo ou a alguém) e exige a preposição "a".

Mostrarei a vocês nossas propostas de trabalho. Sempre vamos à praia no verão. Troque a palavra feminina por uma masculina. (Informei o ocorrido ao senhor. Ele saiu às duas horas. Peço a Vossa Senhoria que aguarde alguns minutos.diante da palavra "moda". Sou grata à população.) . Estava com vontade de comer frango à (moda de) passarinho. Aonde você pretende ir a esta hora? Agradeci a ele. constatamos que o "a" dos exemplos acima é apenas preposição. senhorita e dona: Diga a ela que não estarei em casa amanhã.em locuções adverbiais. Voltamos a contemplar o céu. Obs.diante da maioria dos pronomes e das expressões de tratamento. Usava sapatos à (moda de) Luís XV. Elas chegaram às dez horas. ocorrerá crase.: como os verbos não admitem artigos. Os poucos casos em que ocorre crase diante dos pronomes podem ser identificados pelo método explicado anteriormente. Quero informar a algumas pessoas o que está acontecendo. . Daqui a uma semana começa o campeonato. (Peça ao próprio Cláudio para sair mais cedo. Isso não interessa a nenhum de nós.na indicação de horas: Acordei às sete horas da manhã. (Refiro-me ao mesmo indivíduo. prepositivas e conjuntivas de que participam palavras femininas.) Peça à própria Cláudia para sair mais cedo. Por exemplo: à tarde às ocultas às pressas à medida que à noite às claras às escondidas à força à vontade à beça à larga à escuta às avessas à revelia à exceção de à imitação de à esquerda às turras às vezes à chave à direita à procura à deriva à toa .63 Estavam a correr pelo parque.) Informei o ocorrido à senhora. Este aparelho é posterior à invenção do telefone. Ele fez referência a Vossa Excelência no discurso de ontem. Foram dormir à meia-noite. Entreguei a todos os documentos necessários. Fumar é prejudicial à saúde. a quem tudo devo. Ela disse à irmã o que havia escutado pelos corredores. . Continuamos a observar as plantas. com o sentido de "à moda de" (mesmo que a expressão moda de fique subentendida): O jogador fez um gol à (moda de) Pelé. . O menino resolveu vestir-se à (moda de) Fidel Castro.diante de palavras femininas: Amanhã iremos à festa de aniversário de minha colega. Por exemplo: Refiro-me à mesma pessoa. caso na nova construção surgir a forma ao. . Casos em que a crase SEMPRE ocorre: .diante de numerais cardinais: Chegou a duzentos o número de feridos. com exceção das formas senhora. Estou disposto a ajudar. logo não ocorrerá crase.

O termo regente do exemplo acima é o verbo transitivo indireto referir (referir-se a algo ou alguém) e exige preposição. Veja: . O monumento ao qual me refiro fica no centro da cidade. Fiz aquilo que você disse. As Quais A ocorrência da crase com os pronomes relativos a qual e as quais depende do verbo. Observe este outro exemplo: Aluguei aquela casa. Quero agradecer àqueles que me socorreram. Aquilo Haverá crase diante desses pronomes sempre que o termo regente exigir a preposição "a". Estou na França. admitem o artigo. Crase com os Pronomes Relativos A Qual. Para saber se um nome de lugar admite ou não a anteposição do artigo feminino "a". Por exemplo: Vou à França. Por exemplo: Refiro-me a aquele atentado. a crase não ocorre nesse caso.64 à luz à sombra de à frente de à proporção que à semelhança de às ordens à beira de Crase diante de Nomes de Lugar Alguns nomes de lugar não admitem a anteposição do artigo "a". É possível detectar a ocorrência da crase nesses casos. Estou em São Paulo. Esta foi a conclusão à qual ele chegou. (Vim de Pernambuco. Estou em Pernambuco. Comprei aquela caneta. (Vim da Grécia. haverá crase. Se o verbo que rege esses pronomes exigir a preposição "a". Logo. ocorre a crase. Preposição Pronome Refiro-me àquele atentado.) Cheguei a Pernambuco. A sessão à qual assisti estava vazia. entretanto.) Retornarei a São Paulo. Estou em Porto Alegre. Crase diante dos Pronomes Demonstrativos Aquele (s). Espero aquele rapaz. Veja outros exemplos: São normas às quais todos os alunos devem obedecer. desde que o termo regente exija a preposição "a". Várias alunas às quais ele fez perguntas não souberam responder nenhuma das questões.) ATENÇÃO: quando o nome de lugar estiver especificado. Refiro-me àquilo que aconteceu com seu pai. Por exemplo: A igreja à qual me refiro fica no centro da cidade. deve-se substituir o termo regente por um verbo que peça a preposição "de" ou "em".) Retornarei à Itália. haverá crase. A ocorrência da contração "da" ou "na" prova que esse nome de lugar aceita o artigo e. Outros. Veja: Retornarei à São Paulo dos bandeirantes.) Cheguei à Grécia. (Vim da Itália. ocorrerá crase. Irei à Salvador de Jorge Amado. Caso surja a forma ao com a troca do termo. Veja outros exemplos: Dediquei àquela senhora todo o meu trabalho. por isso. Não obedecerei àquele sujeito. Crase com o Pronome Demonstrativo "a" A ocorrência da crase com o pronome demonstrativo "a" também pode ser detectada através da substituição do termo regente feminino por um termo regido masculino. utilizando a substituição do termo regido feminino por um termo regido masculino. portanto. Estou na Itália) Vou a Porto Alegre. (Vim de São Paulo. (Vim de Porto Alegre. Aquela (s). (Vim da França. de modo que diante deles haverá crase. ocorrerá a crase. Assisti àquele filme três vezes. Estou na Grécia. O verbo "alugar" é transitivo direto (alugar algo) e não exige preposição.

então podemos escrever as frases abaixo das seguintes formas: Cedi o lugar a minha avó. Observe: Paula é muito bonita. Contei a Laura o que havia ocorrido na noite Contei a Pedro o que havia ocorrido na noite passada. Por exemplo: Os militares ficaram a distância. é facultativo o uso do artigo feminino diante de nomes próprios femininos. Reconheci o menino a distância.) Se a palavra distância não estiver especificada. Contei à Laura o que havia ocorrido na noite Contei ao Pedro o que havia ocorrido na noite passada. Ensinou à distância. Os exemplos são semelhantes aos de antes. Seus argumentos são superiores aos dele. Cedi o lugar à minha avó. . A Paula é muito bonita. para evitar ambiguidade. Entreguei o cartão a Roberto. Gostava de fotografar a distância. Dizem que aquele médico cura a distância. Entreguei o cartão ao Roberto. Entreguei o cartão à Paula. Observação: por motivo de clareza. Diga a seu irmão que estou esperando por ele. Casos em que a ocorrência da crase é FACULTATIVA . Por exemplo: Sua casa fica à distância de 100 Km daqui. A minha avó tem setenta anos.diante de pronome possessivo feminino: Observação: é facultativo o uso da crase diante de pronomes possesivos femininos porque é facultativo o uso do artigo. Minha irmã está esperando por você. Como podemos constatar. pode-se usar a crase.) Todos devem ficar à distância de 50 metros do palco. Ensinou a distância. A minha irmã está esperando por você. Laura é minha amiga. As orações são semelhantes às de antes. Cedi o lugar a meu avô. Aquela rua é transversal à que vai dar na minha casa. Aquele beco é transversal ao que vai dar na minha casa. a crase deve ocorrer. Seu casaco é idêntico ao de minha colega. Meu luto é ligado ao do meu país. (A palavra está especificada. . Observe: Minha avó tem setenta anos.65 Minha revolta é ligada à do meu país. Veja: Gostava de fotografar à distância. A Laura é minha amiga. então podemos escrever as frases abaixo das seguintes formas: Entreguei o cartão a Paula. determinada. A Palavra Distância Se a palavra distância estiver especificada. Suas perguntas são superiores às dele.diante de nomes próprios femininos: Observação: é facultativo o uso da crase diante de nomes próprios femininos porque é facultativo o uso do artigo. Sendo facultativo o uso do artigo feminino diante de pronomes possessivos femininos. (A palavra está determinada. Dizem que aquele médico cura à distância. Cedi o lugar ao meu avô. passada. Sua blusa é idêntica à de minha colega. Diga a sua irmã que estou esperando por ela. passada. a crase não pode ocorrer.

ou Fui até à praia. .66 Diga à sua irmã que estou esperando por ela. Acompanhe-o até a porta.depois da preposição até: Fui até a praia. A palestra vai até as cinco horas da tarde. . ou Acompanhe-o até à porta. ou A palestra vai até às cinco horas da tarde. Diga ao seu irmão que estou esperando por ele.