Você está na página 1de 10

Núcleo Gerador: Argumentação e Assertividade (AA)

Colectânea de textos seleccionados a partir de pesquisas efectuadas na Internet


utilizando o "Google" e que se pretende ajudem a descodificar os temas do
Núcleo Gerador: Argumentação e Assertividade (AA) da Área de Cidadania e
Profissionalidade do Referencial de Competências-Chave de Nível Secundário,
relativo ao Processo RVCC no âmbito da Iniciativa Novas Oportunidades.

[Nota: Todos os Adultos/Formandos devem mencionar no seu PRA as fontes de todas as leituras que
efectuaram, não podendo copiar ou plagiar, arriscando-se à expulsão do processo RVCC.]

Boas leituras...

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 1/10


U nid ade de C o m petên ci a 7: Capacidade de intervenção pública em contextos de antagonismo de pontos de
vista.
D R1

Capacidade argumentativa

C o m petên ci a s
Calibrar a iniciativa argumentativa própria com o acolhimento de pontos de vista divergentes
Critério s de E vidên ci a
 Identificar a necessidade de reflexão crítica face a pontos de vista diferenciados.
 Reconhecer talentos internos de abertura e receptividade a outros pontos de vista.
 Explorar situações de interacção argumentativa

http://www.soaresbasto.pt/CRVCC/secundario/RVCC_CP.pdf

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 2/10


http://cidadania-e-profissionalidade.blogspot.com/

A comunicação é essencial ao homem e esta traduz-se no facto de ser irrealizável antropologicamente a


não-comunicação. É que paradoxalmente não querer comunicar é já uma forma de comunicação.
A comunicação realiza-se a partir de dois vectores que, classicamente, se vinculam com a demonstração e
com a argumentação. Mas, se a demonstração assume um pendor científico e os seus enunciados são
objecto de verificação empírica (ex.: o calor dilata os corpos metálicos), a argumentação, diferentemente,
tendo como pano de fundo os aspectos mais problemáticos do dia-a-dia e as dúvidas que lhes são
inerentes, assume a verificação intersubjectiva como critério de verdade (ex.: Aborto - sim ou não?).
Deste modo, se a argumentação está presente em todos os âmbitos da nossa vida: seja na explicação de
um ponto de vista a um amigo, seja na recusa de uns ténis de marca ao filho, seja na justificação de uma
determinada atitude aos nossos entes queridos; compreender a sua estrutura é dar um passo significativo
para que cada cidadão se constitua como membro activo da sua comunidade e para que o conceito e a
realidade da cidadania alcance o seu verdadeiro significado e expressão.
«Se é vergonhoso para um homem perder na luta corpo a corpo, é impossível que este não se
envergonhe de perder na luta pelas palavras cuja diferença o distingue» . [Aristóteles, Retórica]
Proposta de Trabalho: A argumentação assume três movimentos que se materializam na tese, na antítese e
na síntese. Fernando Pessoa salienta esse mesmo processo dentro da poesia ao evidenciar que a ode grega
e, em geral, toda a ode, é presidida pela estrofe, em que se determina a ideia; pela antístrofe, em que se
lhe opõe a ideia contrária; e, pelo epodo, onde se conciliam ambas ideias. Tendo em consideração o
esquema argumentativo que acabamos de enunciar, desoculte algumas experiência de vida em que teve
de defender uma determinada posição com alguém. Em primeiro lugar, evidencie a sua tese em

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 3/10


contraposição com a antítese do seu interlocutor; depois, desenvolva os seus argumentos, tendo em
consideração os argumentos contrários; finalmente, elucide os pontos em que está disposto a ceder ante a
veracidade dos argumentos do seu interlocutor.
Esquema argumentativo:
Questões:
.....→ Despenalização da interrupção voluntária da gravidez?
.....→ Legalização da eutanásia?
.....→ Educação sexual nas escolas?
Tese (Sim)
.....→
.....→ Argumentos
.....→
Antítese (Não)
.....→
.....→ Contra-argumentos
.....→
Síntese (sim/não, mas...)
Ler em: http://cidadania-e-profissionalidade.blogspot.com/search/label/CP%20-%20NG7%20-%20DR1

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 4/10


http://cosmocronos.blogspot.com/
Capacidade Argumentativa
No contexto de uma sociedade democrática, demais a mais, praticamente "governada" pela opinião, a
capacidade de argumentar constitui-se como uma competência fundamental para a vida em sociedade.
Efectivamente a distinção entre o modo de vida democrático e todos os outros, encontra-se
fundamentalmente na importância da deliberação em orgãos de carácter colegial que implica um processo
de tomada de decisões precedido e, muitas vezes, sucedido de debates. Ora nesses debates a força dos
argumentos veio historicamente substituir os argumentos da força, típicos das sociedades não
democráticas.
Nas sociedades dirigidas por orgãos que se regem por mecanismos deliberativos as ordens política e
jurídica, mas também as questões de natureza eminentemente social como os costumes, a moda, a arte, o
desporto e todos os fenómenos de massas, são susceptíveis de debates em que a capacidade de argumentar
se revela essencial para a conquista da adesão do maior e mais qualificado número de membros do
auditório (por vezes uma e outra condição não são totalmente coincidentes).
Foi na Grécia Antiga que se começou a levantar a importância do debate e da deliberação colectiva como
processo de tomada de decisão para os assuntos de natureza pública, precisamente por ter sido em Atenas,
velha e próspera cidade-estado da antiga Grécia, que primeiro se constitui um sistema de governo com
instituições democráticas em que os cidadãos e ápenas estes, se reuniam em assembleias e tribunais e
decidiam dos negócios públicos.
Surgiram então profissionais da formação para o debate, que os cidadãos abastados contratavam para que
treinassem os seus filhos nessas artes; esses formadores ficaram conhecidos por "Sofistas" e a técnica em
que eram especialistas é a Retórica ou arte de argumentar. Continuar a ler

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 5/10


D R2

Capacidade assertiva

C o m petên ci a s
Identificar e compreender a interacção dos vários âmbitos problemáticos do dia-a-dia.
Critério s de E vidên ci a
 Identificar processos profissionais e pessoais em interacção controversa.
 Reconhecer a necessidade de participação assertiva em âmbitos de vida distintos.
 Capacidade de elaborar um plano de acção pessoal em situações profissionais e pessoais complexas.

http://www.soaresbasto.pt/CRVCC/secundario/RVCC_CP.pdf

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 6/10


http://www.educador.brasilescola.com/trabalho-docente/
Postura assertiva do século XXI
O termo assertividade origina-se de asserção, fazer asserção quer dizer afirmar, do latim “afirmare”, tornar
firme, consolidar, confirmar e declarar com firmeza.
Assertividade é o ingrediente dos relacionamentos proveitosos. Nesse tipo de relacionamento temos a
vontade de defender os nossos direitos, mas ao mesmo tempo somos capazes de aceitar que os outros
também tenham os seus. A pessoa com comportamento assertivo ouve bastante e procura entender, trata as
pessoas com respeito, aceita acordos, soluções, vai direito ao assunto sem ser áspero, insiste na procura do
seu objetivo. Quando se relaciona com o outro a sua expressão corporal , se transmite por um contato
visual suficiente para dar a entender que é sincero, seu tom de voz é moderado, neutro, mas firme, sua
postura é comedida e segura e de acordo com as palavras.
Ao ser assertivo o indivíduo desenvolve a confiança, defende as suas ideias e suas posições, sabe ouvir,
sabe lidar com a critica , respeita os outros, sabe o que quer em cada momento.
Para se integrar na sociedade contemporânea um indivíduo deverá ter competências que lhe permitam:
comunicar eficientemente; controlar situações e gerir o tempo; trabalhar em equipe, colaborar, negociar e
participar no esforço coletivo; criar sinergias, adaptar, associar e sintetizar os seus conhecimentos; utilizar
conhecimentos para resolução de problemas; adaptar-se à imprevisibilidade; tomar decisões rápidas e
controlar acontecimentos ocasionais; ter bons conhecimentos de linguagens simbólicas (sinais, símbolos,
códigos, diagramas.)
Estas competências caracterizam o que se designa por Assertividade ou Comportamento Assertivo. Na
Sociedade do Conhecimento e da globalização há necessidade de se abrir contextos para os cidadãos no
domínio da assertividade. Os indivíduos assertivos são proativos e pertencem à categoria dos “arquietos

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 7/10


do futuro”; tomam iniciativa e se antecipam aos fatos; são líderes e formadores de opiniões; assumem
responsabilidade por seus atos; seu comportamento é fruto de sua própria escolha consciente, baseada em
valores e princípios.
Continuar a ler em: http://www.educador.brasilescola.com/trabalho-docente/postura-assertiva-seculo-xxi.htm

http://namp.ist.utl.pt/
Comportamento Assertivo
O comportamento assertivo pode ser definido como aquele que envolve a expressão directa, pela pessoa,
das suas necessidades ou preferências, emoções e opiniões sem que, ao fazê-lo, ela experiencie ansiedade
indevida ou excessiva, e sem ser hostil para o interlocutor. É, por outras palavras, aquele que permite
defender os próprios direitos sem violar os direitos dos outros.

Continuar a ler: http://namp.ist.utl.pt/documentos/020305.pdf

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 8/10


D R3

Mecanismos deliberativos

C o m petên ci a s
Participar activamente em instituições deliberativas de escala diversa
Critério s de E vidên ci a
 Identificar diferentes escalas institucionais.
 Compreender múltiplos mecanismos deliberativos.
 Explorar a disponibilidade para participar em projectos diversificados.

http://www.soaresbasto.pt/CRVCC/secundario/RVCC_CP.pdf

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 9/10


D R4

Debates e intervenção pública


C o m petên ci a s
Intervir em debates públicos
Critério s de E vidên ci a
 Identificar formas de resolução de conflitos numa escala de intervenção pública.
 Distinguir formas democráticas de intervenção pública.
 Explorar a intervenção em debates públicos.

http://www.soaresbasto.pt/CRVCC/secundario/RVCC_CP.pdf

Preparado em 16-09-2008 por adulto/formando – Cont@cto página: 10/10