5

1 – FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA PORTARIA N.º 518, DE 25 DE MARÇO DE 2004. Estabelece os procedimentos e responsabilidades relativos ao controle e vigilância da qualidade da água para consumo humano e seu padrão de potabilidade, e dá outras providências. NORMA DE QUALIDADE DA ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO CAPÍTULO II DAS DEFINIÇÕES Art. 4.º Para os fins a que se destina esta Norma são adotadas as seguintes definições: I - água potável – água para consumo humano cujos parâmetros microbiológicos, físicos, químicos e radioativos atendam ao padrão de potabilidade e que não ofereça riscos à saúde; II - sistema de abastecimento de água para consumo humano – instalação composta por conjunto de obras civis, materiais e equipamentos, destinada à produção e à distribuição canalizada de água potável para populações, sob a responsabilidade do poder público, mesmo que administrada em regime de concessão ou permissão; III - solução alternativa de abastecimento de água para consumo humano – toda modalidade de abastecimento coletivo de água distinta do sistema de abastecimento de água, incluindo, entre outras, fonte, poço comunitário, distribuição por veículo transportador, instalações condominiais horizontais e verticais; IV - controle da qualidade da água para consumo humano – conjunto de atividades exercidas de forma contínua pelo(s) responsável(is) pela operação de sistema ou solução alternativa de abastecimento de água, destinadas a verificar se a água fornecida à população é potável, assegurando a manutenção desta condição; V - vigilância da qualidade da água para consumo humano – conjunto de ações adotadas continuamente pela autoridade de saúde pública, para verificar se a água consumida pela população atende a esta Norma e para avaliar os riscos que os sistemas e as soluções alternativas de abastecimento de água representam para a saúde humana; VI - coliformes totais (bactérias do grupo coliforme) – bacilos gram-negativos, aeróbios ou anaeróbios facultativos, não formadores de esporos, oxidase-negativo, capazes de

gás e aldeído a 35. COMPOSIÇÃO TRIPTOSE___________________________20.5ºC em 24-48 horas.5 ± 0.6 desenvolver na presença de sais biliares ou agentes tensoativos que fermentam a lactose com produção de ácido.0 g FOSFATO MONOPOTÁSSICO___________2. MEIO DE CULTURA Caldo Lauril Sulfato Triptose Aplicação: Meio para determinação de coliformes pelo método dos tubos múltiplos. 2005).8 ± 0. Citrobacter. não hidrolisa a ureia e apresenta atividade das enzimas ß-galactosidase e ß-glucoronidase.75 g FOSFATO DIPOTÁSSICO______________2. VIII . embora vários outros gêneros e espécies pertençam ao grupo.2 – 121ºC/15 min Fonte: SILVA.2ºC em 24 horas.0 g LAURIL SULFATO TRIPTOSE___________0. sendo considerado o mais específico indicador de contaminação fecal recente e de eventual presença de organismos patogênicos.5 ± 0. oxidase negativa. A maioria das bactérias do grupo coliforme pertence aos gêneros Escherichia.75 g NaCl________________________________5. 2005 . tendo como principal representante a Escherichia coli.0 ± 0.2ºC em 24 horas produz indol a partir do triptofano. Klebsiella e Enterobacter. com produção de ácido e gás a 44.Escherichia coli – bactéria do grupo coliforme que fermenta a lactose e manitol. e que podem apresentar atividade da enzima ß-galactosidase. VII . de origem exclusivamente fecal.0 g LACTOSE____________________________5.1 g ÁGUA DESTILADA____________________1 L pH 6. teste presuntivo (SILVA.coliformes termotolerantes – subgrupo das bactérias do grupo coliforme que fermentam a lactose a 44.

Figura 1: reação cromogênica e fluorogênica Fonte: IDEXX. por cálculo de probabilidade. através da distribuição de alíquotas em uma série de tubos contendo um meio de cultura diferencial para crescimento dos microorganismos alvo. À medida que os coliformes se reproduzem no Colilert. a densidade original dos microorganismos na amostra (SILVA. A determinação do número de microorganismos é baseada no princípio de que. 2005). Já que a maioria dos não coliformes não conta com estas enzimas. pode ser separada por agitação. eles utilizam ß-galactosidase para metabolizar o indicador de nutriente ONPG e alterá-lo de incolor para amarelo. Esta abordagem diminui a incidência de falso-positivos e falso-negativos. 2011. resultando numa suspensão em que as células estejam uniformemente distribuídas. A combinação de tubos com crescimento positivo ou negativo. coli utiliza ß-glucuronidase para metabolizar MUG e criar fluorescência. uma amostra líquida. após a incubação permite estimar. O E.7 TÉCNICA DOS TUBOS MÚLTIPLOS A técnica de tubos múltiplos é um método de análise quantitativo que permite determinar o Número Mais Provável (NMP) dos microorganismos alvo da amostra. . eles não podem se reproduzir e interferir. Os poucos não coliformes que têm estas enzimas são seletivamente suprimidos pela matriz especificamente formulada do Colilert. coli em água. TECNOLOGIA DE SUBSTRATO DEFINIDO O Colilert utiliza tecnologia de substrato definido [Defined Substrate Technology (DST)] para detecção de coliformes totais e E.

detectar e quantificar a presença/ausência do Grupo Coliforme seja eles. . Termotolerantes ou Totais em uma amostra de Água Mineral envasada da Marca Água Crim utilizando a técnica do número mais provável (NMP) e pelo método americano – Colilert – Tecnologia do Substrato Definido (TSD).8 2 – OBJETIVO Este relatório tem por objetivo analisar.

 Saco estéril coletor para amostra.  Proveta de 100 mL.  Pera.9 3 – MATERIAIS E REAGENTES MATERIAIS  Estufa para crescimento microbiano (BOD). REAGENTES  Caldo Lauryl Sulfato Triptose (LST).  Tubos de Ensaio.  Papel Madeira.  Erlenmeyer.  Tubos de Duhram.  Água mineral.  Barbante.  Pipetas Graduadas.  Estantes para tubos de Ensaio. .  Banho Maria.  Capela de Fluxo Laminar.  Autoclave.

10 4 – PROCEDIMENTOS EXPERIMENTAIS MÉTODO DO NMP – SÉRIE DE 5 TUBOS PREPARO DO MEIO DE CULTURA Caldo LST Com Concentração Tripla Pesou-se 5. em seguida esterilizou-se na estufa por 15 minutos à 121ºC juntamente com as pipetas. sendo 5 amostras para o teste presuntivo com tubos de Duhram invertido. INOCULAÇÃO 1ª ETAPA: TESTE PRESUNTIVO Higienizou-se a capela de fluxo laminar com álcool 70%. Pipetou-se 20 mL da amostra de água e transferiu-se para cada tubo contendo 10 mL de caldo LST com concentração tripla homogeneizou-se.60 g --------------------------.87 g de LST sólido ESTERILIZAÇÃO Transferiu-se o caldo LST com concentração tripla para 5 tubos de ensaio. Cálculo LST 35. os tubos de ensaio e Erlenmeyeres. .1000 mL de água 3 · X--------------------------------. Transferiu-se a amostra da garrafa de água mineral para uma proveta de 100 mL.87 g de LST sólido e homogeneizou-se em 55 mL de água destilada. aqueceu-se para melhor diluição do sólido.55 mL de água X = 5. Em seguida incubou-se a 35ºC por 24-48 horas.

Incuba-se a 35ºC por 24-48h. . Incuba-se a 35ºC por 24-48h. em seguida adicionou-se o conteúdo de uma ampola contendo quantidade pré-distribuída do meio de cultura.1 – Coliformes Totais Adiciona-se 1 mL das amostras com resultado positivo em quantidades de tubos de ensaio referente a quantidade de tubos positivos contendo 9 mL de caldo Verde brilhante. COLI) Adiciona-se 1 mL das amostras com resultado positivo em quantidades de tubos de ensaio referente a quantidade de tubos positivos contendo 9 mL de caldo EC.11 Figura: Caldo LST e amostra 2ª ETAPA: CONFIRMATIVO 2. Figura: Caldo Verde Brilhante e amostra 2. Figura: Caldo EC e amostra MÉTODO AMERICANO – COLILERT – TECNOLOGIA DO SUBSTRATO DEFINIDO Coletou-se 100 mL da amostra em um saco estéril.2 – Coliformes termotolerantes (E. disponível comercialmente e já esterilizado. Incubou-se a 35ºC por 18 horas.

.12 5 – RESULTADOS E DISCURSSÕES Após o período de 48h depois da incubação não ocorreu à formação de gás indicando resultado negativo para o teste presuntivo de coliformes. Porém para um resultado confiável e conclusível é necessário à realização do teste em triplicata. O método americano após 18 horas mostrou-se negativo. confirmando o resultado negativo do teste presuntivo com LST. Com o resultado negativo do teste presuntivo não foi necessário à realização do teste confirmativo.

. o que foi confirmado pelos métodos do NPM e Colilert com o resultado negativo para presença de coliformes.13 6 – CONCLUSÃO Com este experimento foi possível concluir que a água mineral analisada atende aos parâmetros microbiológicos de potabilidade e que não oferece riscos à saúde. porém para um resultado mais confiável ou para que se possa emitir um laudo é necessário à realização do teste em triplicata.

Método 2011. 28 p. A. et al.br/portal/arquivos/pdf/portaria_518_2004.. Coordenação-Geral de Vigilância em Saúde Ambiental. SANT’ANA. Disponível em: < http://portal. Portaria MS n.14 7 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS Brasil. – (Série E. N. Secretaria de Vigilância em Saúde. Manual de métodos de análise microbiológica da água. et al. Legislação em Saúde).º 518/2004 / Ministério da Saúde. São Paulo: livraria Varela.pdf > Acesso: 17 de junho de 2011. Disponível em: < www.saude.compubwebresourcespdfen_uswater6406300l.gov. S. Ministério da Saúde. 2005. Qualidade Microbiológica de Águas Minerais.Geral de Vigilância em Saúde Ambiental – Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 2007. SILVA. Colilert: Tecnologia de Substrato Definido.pdf> Acesso: 17 de junho de .. Coordenação. Secretaria de Vigilância em Saúde. 2005.idexx.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful