P. 1
Mod divs contestação ação guarda de menor

Mod divs contestação ação guarda de menor

|Views: 2.225|Likes:
Publicado porsilviotom

More info:

Published by: silviotom on Jul 30, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/27/2013

pdf

text

original

EXMO. SR. DR. JUIZ DE DIREITO DA ª VARA DA FAMÍLIA E SUCESSÕES DO FORO REGIONAL DA .......

C.T.Y., nos autos da AÇÃO DE GUARDA DE MENOR COM PEDIDO DE TUTELA ANTECIPADA que lhe move J.G.S., proc. nº 000.00.0000-0, em curso por esta mui culta Vara e Cartório do º Ofício da Família e Sucessões do Foro, estando em termos, vem, na quinzena legal, apresentar suas RAZÕES DE ADVERSÃO. MM.JUIZ. Trata-se de Pedido de Guarda de Menor, com antecipação de Tutela, este, na verdade, direcionado para o pleito de Alimentos; não bastasse, com o "acerto" da data que o casal começou a se relacionar (1999 e não 1997, como dito), já se preparando a mulher, também, para pleitear a Dissolução de Sociedade. Na trilha de seus mais menores e egoístas interesses, não se peja, não muda o semblante, a "cara lisa", em afirmar comportamento que o pai (e companheiro), jamais exibiu. Nada tendo a dizer acerca da exemplar conduta do acionado, devaneia (para ser gentil), com estórias de agressões e sempre (como usual em casos que tais), baseada em ingestão de bebidas alcoólicas; e como fecho desta já cansada e vetusta linha de argumentação - como não poderia deixar de ser -

com a televisão ligada o dia inteiro. a um ... De efeito. sempre teve no companheiro o maior estimulador para seu progresso pessoal. Como facilmente se pode dessumir. a acompanha-la... de fato. v.. . Nesse sentido.. numa das imprudentes "brincadeiras" da mãe. em exame de vestibular (inscrevendo-se com ela). Tendo como companheiro o micro-ondas e a comida pronta. por duas vezes o supldo.... em julho de 2004. foi a criança gravemente ferida (no nariz). a final agressão física para justificar (como se pudesse) a saída imotivada do lar. e não 1997. não foram poucas..tudo fez a seu alcance para tentar trazer a paz para o lar. posto que certa vez. esse o teor da peça de incoação.... até. que nunca foi dada aos afazeres domésticos (e. as cansadas vezes. o bem estar físico-psicológico da filha .g. de resto..... certa feita. em todos os casos. A mulher.. Ao longo desse período. Debalde. e teve que se submeter a uma intervenção cirúrgica no Hospital ..em gran finale. preocupação esta perfeitamente fundamentada. ao trabalho de modo geral)...De primeiro urge deixar consignado que a relação do casal teve seu início em abril de 1999. para se dignar esquentar uma única mamadeira que fosse. em especial.. que a incentivou continuar os estudos. embora o esforço do acionado . Em apertada síntese. as adjetivações proliferam quando os argumentos escasseiam. não logrou permanecer mais que dois meses.Na verdade.. chegando. a aprimorar-se. a dois . a lamentável situação só não teve anterior basta do demandado de sorte a preocupação de relegar a filha às inconseqüências da genitora.. não tinha tempo o ócio..tendo sempre como mote. informática e. sequer. a matriculou em curso de inglês.

com a almejada guarda definitiva...como já foi dito e facilmente se verifica . cujas imoderadas repreensões (tapas e beliscões). a três .que conta com moradia própria há mais de dez anos.A mulher. útil acrescer que o quadro (antigo) de instabilidade da mãe é evidente . e neta. trata-se de uma criança. possui. tomou qualquer atitude agressiva com a autora. sabe-se lá onde...ir ao Estado do . expulsa da casa dos próprios pais (dela). ditos por ela como educativos. Não bastasse o evidente descaso. abandoná-la sabe-se lá onde e com quem. jamais. na verdade.. au contraire) . acabou sendo convidada a se retirar: igual fenômeno. que poderão continuar como já vinha ocorrendo .auxiliando na boa e adequada educação e estabilidade emocional da filha.não só o refletido em relação a filha . em proveito próprio. assim..Acerca do tema.. tirante o temor e os hematomas. a cinco . também. qualquer benefício . que nunca se preocupou com a tenra idade da filha. PREVALÊNCIA DO INTERESSE DA CRIANÇA. hoje com oito anos de idade.mas no sentido de que. id est: GUARDA DE FILHO.. em ordem a continuar o errático caminhar do dolce far niente: situação essa que o pai.poderiam trazer à criança. formado em curso superior (engenheiro) e ocupa cargo de extrema confiança em empresa de renome (gerente). a final. de forma alguma pode permitir.. a quatro .E não é só.. aliás. com ele. pais vivos de lar bem formado.O princípio orientador das decisões sobre a guarda de filhos é o de preservar o interesse da criança.. já tentou residir com diversas pessoas e sempre. após. No caso. e. pretende . (que não é dado ao vício da bebida e nunca. que há de ser criada no ambiente que melhor assegure o seu bem-estar físico e espiritual. já alertou que está de malas prontas para . como moeda de troca. com o pai ou mesmo com terceiro..usar a filha como escudo. nesse sentido... seja com a mãe... a falta de paciência.O reqdo. ocorreu em suas minguadas tentativas de emprego...como evidente . ao reverso da autora.de momento . Por sinal.. que .

1998. maioria de votos.in http://informativo.10ª Câm. . GUARDA E VISITAS. v.07.1986. garantindo-lhe a proteção integral dos direitos inerentes a pessoa humana. pois quanto maior a convivência do filho com a mãe. no momento. nº 63. Apelo improvido.056-4/0-Marília-SP. Apelação desprovida. TJRS. j. Ação procedente para esse fim. José Carlos Teixeira Giorgis. Des.1998.u. Pinheiro Franco. Emb. julgado em 4/2/2003.php) GUARDA.09. O bem-estar do menor recomenda que permaneça sob a guarda do pai. Sétima Câmara Cível. j. concedida ao pai.1ª Câm. TJSP . permanece como determinado na sentença. 2063/636-j.914-RS. Provas.stj..gov.desde os primeiros meses de vida sempre esteve sob a guarda do pai e sob os cuidados da avó paterna. nº 59. Des Rangel Dinamarco. de 13. Relator: Des. julgado em 26/04/00. Assim recomenda o estudo social constante dos autos e o parecer ministerial de primeiro grau. ficando assegurado à mãe o direito de visita.br/pesquisa. rel. Rel. com estudo social favorável à conservação dessa situação. Rel. pois uma mudança para a companhia da mãe poderia acarretar-lhe traumas e prejuízos irreparáveis. Ap. Ruy Rosado. também. 09.03. Direito de visita. Cív. GUARDA. GUARDA. quando comprovado que este possui melhores condições de proporcionar à filha uma melhor qualidade de vida. Ementa: Guarda de menor. Direito de visita. TJSP . 24. BAASP. Embargos infringentes recebidos. que lhe oferecem boas condições materiais e afetivas. Infr. G. Não basta que o menor esteja bem. REsp 469. Precisa. já que está sendo criado pelo pai e pelos avós paternos. Confirma-se a decisão que tornou definitiva a guarda provisória da menor. ficar integrado na micro sociedade que é a família e que quem tenha a guarda possa dar melhores oportunidades de desenvolvimento pleno. Quanto à regulamentação de visita. DISPUTA ENTRE PAI E MÃE . Min.912-São Caetano do Sul. Guarda deferida ao pai para convívio do menor com os demais irmãos.Hipótese em que a prova dos autos revela que o filho será melhor assistido. Apelação cível nº 70000448803. Ementa: Alteração de guarda. pelo pai. de Direito Privado.

ciúme e vingança.Despacho mantido . cruel e demonstra incapacidade. as partes podem lançar-se ao litígio proferindo alegações graves. verbo pro verbo. estando o casal separado de fato. para o exercício da guarda. 20. mascara sentimentos pouco nobres dos pais: discordância quanto ao pensionamento. (14 fls.96) em ordem que. Tratando-se de ação envolvendo interesses de menores. Relator: Des. José Ataídes Siqueira Trindade. pois o princípio a ser observado. como mui r. não seria razoável deixar o ônus da prova exclusivamente para as partes. como exige o artigo 333 do Código de Processo Civil.Prevalência dos interesses das menores . Deve-se sempre ter em mente que utilizar o filho para atingir o ex-cônjuge é inconseqüente. . posto que.). Apelação cível nº 598171874. tanto em virtude da reconhecida dificuldade na sua produção (testemunhas pouco presenciam as altercações domésticas). na guarda do filho menor. mas sem o correspondente respaldo probatório. na linha do magistério de Pedro Augusto Lemos Carcereri (in "Aspectos Destacados da Guarda de Filhos no Brasil").melhor para o seu desenvolvimento psíquico. rancor. de quem assim procede. Orli Rodrigues . GUARDA. ressentimento." (YUSSEF SAID CAHALI) (TJSC .08.Recurso conhecido e desprovido. Des. Agravo de instrumento . a disputa pela guarda. TJRS.requer. não raro. "Quando a guarda é requerida no pressuposto de uma preexistente separação de fato.Decisão que deferiu a guarda provisória das filhas ao pai . a tendência é manterem-se as coisas como estão.Irresignação da mãe . daí o largo arbítrio de que dispõe os tribunais para estabelecer o que julgar mais acertado em proveito dos menores. porém. até que se dissolva a sociedade através de separação judicial. Diante desta realidade. julgado em 23/12/99. a SINDICÂNCIA SOCIAL urge realizada. de regra absoluta. que preponderará em qualquer hipótese.AC 96. havendo conflito entre os genitores. Cív. como também devido ao volume de contradições constantes no . Oitava Câmara Cível.Rel. é da prevalência do interesse do menor. o juiz decidirá tendo em vista as circunstâncias de cada caso e sempre no interesse daquele.1ª C.J.000621-4 . Não se trata.

do menor e do meio em que vivem.662/93. Cit in "Theotônio Negrão . EDGARD DE MOURA BITTENCOURT. bem como do permissivo constante nos artigos 332 e 335 do Código de Processo Civil. 24ª ed.processo.987-RJ. art. de cunho informativo.CPC e Legislação Processual em Vigor. feito pelo assistente social forense. sobretudo quando em prejuízo de legítimos interesses de menor. inclusive indicando o melhor caminho para a instrução processual. estaria o assistente social forense incumbido de executar uma tarefa que não seria atribuição sua. p. 1981. das condições fáticas vividas pelo menor. qual seja: investigar. defende a medida: A sindicância objetiva apurar as condições morais. Deve-se ensejar a produção de provas sempre que ela se apresentar imprescindível à boa realização da justiça. E. econômicas e educacionais dos pais. . pode o julgador dispor com mais segurança sobre o regime de guarda dos filhos. Nesse sentido. citando a experiência da Corte de Paris. pág. é este o entendimento apontado pelo Superior Tribunal de Justiça: Na fase atual da evolução do direito de família. bem como suas atribuições. Min. Entrementes. é injustificável o fetichismo de normas ultrapassadas em detrimento da verdade real. o trabalho de apoio ao juízo. (STJ. Universitária de Direito. Com isto. 158). Resp. Prevalecendo o entendimento defendido pelo douto professor. sociais. (Guarda de Filhos. a confecção do estudo social pode auxiliar o esclarecimento de fatos levantados pelas partes. 4. 203). deve limitar-se a vistoria. regulamentadas pela Lei 8. Sálvio de Figueiredo Teixeira. mesmo restrito. levando-se em consideração sua competência constitucional (CF.. e não a investigação dos fatos. Ed. os juízes vêm determinando o acompanhamento de ações envolvendo guarda de filhos pelos assistentes sociais. através da "sindicância social". 272). Valendo-se do trabalho do serviço social forense. Rel.

São Paulo. especialmente por depoimento pessoal. com a final improcedência . M. Do Deferimento. 25 de outubro de 2004 FERNANDO HOMEM DE MELLO LACERDA FILHO. serenamente. prova pericial. . de sorte as contraprovas oportunamente formuladas ao longo da instrução (e demais meios de provas inerentes à sua adequada defesa). por lídima. inquirição de testemunhas. Adv.e anexados ( ) docs. .ulterior de documentos e demais (desde já requeridas). E. R.aguarda. j. escorreita JUSTIÇA! Termos em que.Ex positis et ipso facti.

. neste período ainda. 2. apresenta os documentos. através de seu procurador e advogado adiante assinado que esta subscreve.. colocando-a em segundo plano. vem a requerida CONTESTAR as inverdades assacadas contra si na peça inaugural.... na Comarca de . portadora da Cédula de Identidade/RG sob o nº.A requerida afirma que a vida conjugal do casal era excelente até a vinda do menor .. 4...Que. Após o nascimento do menor ... expor e requerer o quanto segue: 1. e outros tantos.. promovida por ...... do período de namoro até o nascimento do filho do casal de nome .....EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA ....... que foram feitos com o incentivo do marido. a requerida sempre trabalhou........ ... o que de fato acabou acontecendo. que seguem em anexo... com fundamento nos artigos 803 e 889 do CPC.... instrumento de procuração em anexo.. para tanto....... o requerente exigiu que a mesma parasse de trabalhar........ a requerida por ter diversos cursos de modelo e manequim.. que serão juntados oportunamente........ e CPF/MF nº .. haja vista a exigüidade de tempo que dispomos.. desfiles de modelo/manequim e trabalhar em outros eventos da área. 3... recebeu várias propostas para fazer fotonovelas. chegando a agressões físicas.... passando inclusive a fazer uso contínuo do álcool.. passando a dedicar-se exclusivamente ao filho e esposo.. ....... Exa. quando então reclamou e teve como resposta atitudes agressivas..Que. os quais na sua maioria foram bloqueados pelo requerente por ciúmes e machismo. a partir de então o requerente passou a dar atenção excessiva ao menor. nº . vem mui respeitosamente à presença de V. frente a urgência que merece o caso em tela...... (qualificação)..... apesar da MEDIDA CAUTELAR DE GUARDA E POSSE PROVISÓRIA... residente e domiciliado na Rua . ª VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE ..Que..

A requerida cedeu algumas vezes para evitar escândalos e certa feita. cuidados dispensados ao menor e afazeres domésticos. 8. insistindo que a mesma voltasse a se reconciliar.. pedia para entrar.. após a separação. a requerida teve sua saúde abalada. sendo contratada como psicóloga na . acarretando com isso a sua saída do trabalho da função de psicóloga e consequentemente acarretou sérios transtornos financeiros. mesmo após separados. 7. sendo em ambas aprovada.Que diante de tanta insistência. Com isso. chegando a reconhecer suas poucas qualidades. Tanto é verdade. realizando concurso na .Que. trabalho. registrou queixa.. quando não forçava sua entrada na casa. que os bilhetes inclusos provam que o requerente fazia tal assédio.Diante do fracasso da reconciliação. conforme documento . viu-se obrigada a trabalhar.A requerida. a requerida aceitou tentar viver conjugalmente mais uma vez. em decorrência da separação. implicando em internações e tratamento prolongado..Após a recuperação da saúde. a requerida voltou a procurar emprego.. o casamento caminhou para a separação. vendo-se em dificuldades financeiras em virtude do exíguo valor recebido como pensão alimentícia. 9.Que. porém até o momento não foi ainda convocada para assumir. indo logo ao banheiro onde se despia e voltava para a requerida. podemos observar claramente que o propósito da requerida era trabalhar dignamente na profissão que escolheu. 6.Que.. insistentemente. o requerente sempre procurava ir à casa da requerida. o mesmo. 11. conforme documentos anexos.. forçando-a a manter relações sexuais. não suportando as atitudes grotescas do requerente. voltava a residência da requerida. para exercer o cargo de Orientadora Educacional. 10. em decorrência da agressividade constante do requerente e do impedimento que a mesma sofria em relação ao seu trabalho. não obtendo êxito.5.

haja vista que o requerente trabalha. inclusive fazendo comentários desairosos.. 13. diante tal pedido. procurou o estúdio fotográfico. achou por bem retornar a profissão de Modelo/Manequim. 15. inclusive nua. solicitando cópias das fotos...O fotógrafo inadvertidamente. . identificando-se como sendo a requerida. usando-as para denegrir a imagem da mesma.. procurando um estúdio fotográfico para fazer um "BOOK".. 14. se assim entender. através de uma terceira pessoa. portanto. Exa.Frente as dificuldades encontradas na profissão de psicóloga. julgar improcedente a medida cautelar e. com objetivo de conseguir trabalhos em revistas e desfiles. .. se digne V. agiu de máfé. salientamos que a avó materna terá preferência. fez as fotos e as entregou para uma pessoa do sexo feminino que foi buscá-las.. Pede deferimento. consequentemente. mantendo o menor em poder da requerida. 16.. Nestes termos.Frente ao exposto e por tudo mais será devidamente comprovado. perguntamos: Quem irá cuidar do menor? No caso de ser avó paterna. senão tomar providências no sentido de ingressar em juízo com a ação de indenização para reparar danos morais sofridos frente a reprodução das fotos sem consentimento e com desvirtuamento das mesmas.. tirando várias fotografias. um estudo psicosocial para auxiliar numa decisão justa e coerente. determinando.. de . descobrindo tais fotos na casa da requerida.O requerente.. ...Diante dos fatos a requerida não tem outra alternativa. via telefone. 12. de .incluso.

promovida por . que seguem em anexo..Que.. (qualificação)... passando inclusive a fazer uso contínuo do álcool... implicando em .. o requerente exigiu que a mesma parasse de trabalhar. Advogado OAB/. apresenta os documentos.. portadora da Cédula de Identidade/RG sob o nº.. na Comarca de .. ª VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE .... residente e domiciliado na Rua .. cuidados dispensados ao menor e afazeres domésticos. viu-se obrigada a trabalhar.. quando então reclamou e teve como resposta atitudes agressivas. e outros tantos.... vem a requerida CONTESTAR as inverdades assacadas contra si na peça inaugural. EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR JUIZ DE DIREITO DA .... os quais na sua maioria foram bloqueados pelo requerente por ciúmes e machismo...A requerida... que serão juntados oportunamente... a requerida por ter diversos cursos de modelo e manequim. neste período ainda. desfiles de modelo/manequim e trabalhar em outros eventos da área. sendo contratada como psicóloga na . ..... apesar da MEDIDA CAUTELAR DE GUARDA E POSSE PROVISÓRIA. a requerida teve sua saúde abalada..... 4. que foram feitos com o incentivo do marido. frente a urgência que merece o caso em tela... após a separação.... chegando a agressões físicas......... recebeu várias propostas para fazer fotonovelas....Que.. o casamento caminhou para a separação... vem mui respeitosamente à presença de V. 5.. o que de fato acabou acontecendo. conforme documentos anexos....... a partir de então o requerente passou a dar atenção excessiva ao menor..A requerida afirma que a vida conjugal do casal era excelente até a vinda do menor . 7... vendo-se em dificuldades financeiras em virtude do exíguo valor recebido como pensão alimentícia... trabalho.. 3. em decorrência da separação.. Exa. expor e requerer o quanto segue: 1.... haja vista a exigüidade de tempo que dispomos.. do período de namoro até o nascimento do filho do casal de nome . Após o nascimento do menor ...... a requerida sempre trabalhou.. e CPF/MF nº . em decorrência da agressividade constante do requerente e do impedimento que a mesma sofria em relação ao seu trabalho.... para exercer o cargo de Orientadora Educacional..Que.. instrumento de procuração em anexo... colocando-a em segundo plano........... 6..... com fundamento nos artigos 803 e 889 do CPC... passando a dedicar-se exclusivamente ao filho e esposo. 2..Que..........Que. através de seu procurador e advogado adiante assinado que esta subscreve..... nº . para tanto.

. tirando várias fotografias. 15. se assim entender. determinando. 10. achou por bem retornar a profissão de Modelo/Manequim. Exa. mantendo o menor em poder da requerida. descobrindo tais fotos na casa da requerida.internações e tratamento prolongado.Frente as dificuldades encontradas na profissão de psicóloga. 9.Que diante de tanta insistência... . porém até o momento não foi ainda convocada para assumir. insistindo que a mesma voltasse a se reconciliar. registrou queixa. perguntamos: Quem irá cuidar do menor? No caso de ser avó paterna.. salientamos que a avó materna terá preferência. 11. mesmo após separados. Nestes termos. a requerida aceitou tentar viver conjugalmente mais uma vez. identificando-se como sendo a requerida. indo logo ao banheiro onde se despia e voltava para a requerida. acarretando com isso a sua saída do trabalho da função de psicóloga e consequentemente acarretou sérios transtornos financeiros.O fotógrafo inadvertidamente. não suportando as atitudes grotescas do requerente. quando não forçava sua entrada na casa. . fez as fotos e as entregou para uma pessoa do sexo feminino que foi buscá-las. conforme documento incluso..O requerente. se digne V. Pede deferimento. agiu de má-fé. 12.. diante tal pedido. senão tomar providências no sentido de ingressar em juízo com a ação de indenização para reparar danos morais sofridos frente a reprodução das fotos sem consentimento e com desvirtuamento das mesmas.. o mesmo. 16.. inclusive fazendo comentários desairosos. através de uma terceira pessoa. inclusive nua. insistentemente... que os bilhetes inclusos provam que o requerente fazia tal assédio.. 8. consequentemente.. julgar improcedente a medida cautelar e.. forçando-a a manter relações sexuais. 13.Diante dos fatos a requerida não tem outra alternativa. realizando concurso na . voltava a residência da requerida.. um estudo psicosocial para auxiliar numa decisão justa e coerente. sendo em ambas aprovada.. procurou o estúdio fotográfico. via telefone. de .. chegando a reconhecer suas poucas qualidades. haja vista que o requerente trabalha. Tanto é verdade. com objetivo de conseguir trabalhos em revistas e desfiles. de . podemos observar claramente que o propósito da requerida era trabalhar dignamente na profissão que escolheu. A requerida cedeu algumas vezes para evitar escândalos e certa feita. pedia para entrar. usando-as para denegrir a imagem da mesma. não obtendo êxito. portanto. a requerida voltou a procurar emprego.Após a recuperação da saúde. o requerente sempre procurava ir à casa da requerida. . procurando um estúdio fotográfico para fazer um "BOOK".Diante do fracasso da reconciliação. Com isso.Frente ao exposto e por tudo mais será devidamente comprovado. 14..Que. solicitando cópias das fotos.

(xxx). residente e domiciliada na Rua (xxx).. (Profissão).. inscrita no CPF sob o nº (xxx).. inscrito no CPF sob o nº (xxx).. no Estado de (xxx). . nos termos do art. Cidade (xxx). que lhe move REQUERIDA (Nacionalidade).. Cep... no Estado de (xxx). nº (xxx). nos termos do artigo 4º da Lei 1060/50.. (Profissão). (Estado Civil). Advogado OAB/. com redação introduzida pela Lei 7510/86. (Estado Civil). portadora da Carteira de Identidade nº (xxx). nº (xxx). Cep.. bem como o de sua família... pelos motivos que passa a expor: I .. afirma que não possui condições de arcar com custas processuais e honorários advocatícios sem prejuízo do sustento próprio. à presença de Vossa Excelência apresentar CONTESTAÇÃO nos autos da AÇÃO DE GUARDA DE MENORES C/C BUSCA E APREENSÃO.. vem. residente e domiciliado na Rua (xxx). Bairro (xxx)... respeitosamente. 1).. portador da Carteira de Identidade nº (xxx).. (Nacionalidade)..DA ASSISTÊNCIA JUDICIÁRIA GRATUITA: Inicialmente. 297 e seguintes do Código de Processo Civil. Cidade (xxx).. CONTESTAÇÃO À AÇÃO DE GUARDA DE MENORES C/C BUSCA E APREENSÃO MERITÍSSIMO JUIZ DE DIREITO DA ____ª VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE (XXX) Autos nº: (xxx) REQUERENTE. mandato anexo (doc.. por seu procurador infra-assinado. razão pela qual faz jus o REQUERENTE ao benefício da gratuidade da justiça. Bairro (xxx).. (xxx).

(xxx) daqueles autos. . DA AÇÃO DE DISSOLUÇÃO DE SOCIEDADE DE FATO De fato. que a REQUERIDA não mencionou fatos muitíssimo relevantes em sua petição inicial. o REQUERENTE cumpriu sua parte no referido acordo. ora REQUERIDA. ora REQUERENTE. a mãe. a afirmação de que a REQUERIDA foi. No entanto. permanecesse com seu pai. Quando o casal se separou. Após haver levado consigo a menor (xxx) no dia (xxx). expulsa pelo REQUERENTE da casa onde moravam. o menor (xxx) recusou-se a ir com sua mãe.NO MÉRITO 1. Devido a desentendimentos ocorridos entre ambos. a REQUERIDA manteve a filha em sua companhia até o final daquele mesmo ano.II . Excelência. a REQUERIDA realmente levou consigo os filhos. o REQUERENTE ingressou com a aludida ação de dissolução de sociedade de fato c/c guarda de menores (processo n° (xxx). Diante disto. na época com (xxx) anos de idade. fls. aproximadamente cinco meses após haver abandonado o lar. é também falsa a afirmação da REQUERIDA. 2. Ocorre. DO ABANDONO DA MENOR A REQUERIDA também deixou de expor em sua exordial um fato de enorme relevância. 3. insistindo que queria permanecer na companhia e sob a guarda do pai. juntamente com os filhos. de que o REQUERENTE levou um dia os filhos para passear e não retornou com eles. enquanto o filho (xxx) permaneceu com o ora REQUERENTE. de forma alguma. na secretaria da (xxx)ª Vara de Família desta comarca. No entanto. Naquele dia (xxx). os dois filhos mais velhos dos litigantes permaneceram na companhia do pai. comprometendo-se o REQUERENTE a entregar os menores (xxx) à mãe. DA SEPARAÇÃO DO CASAL Não é verdadeira. levando os menores até a mencionada secretaria. da forma relatada acima. No entanto. no qual foi firmado o acordo mencionado na exordial. que tramitou perante a (xxx)ª Vara de Família desta comarca). no dia (xxx). a REQUERIDA permitiu que os dois filhos mais velhos do casal voltassem a morar com o REQUERENTE. permitiu que o filho (xxx). a REQUERIDA abandonou a residência comum. Até o dia (xxx). onde a REQUERIDA deveria recebê-los.

que a menor (xxx) tem queda de cabelo por estar desnutrida. não mais procurou o REQUERENTE. que era um bilhete da REQUERIDA. Ao contrário. que na época estava com apenas (xxx) anos de idade.No entanto. em resumo. a autora abandonou sua filha. que ambos os menores andam até altas horas nas ruas do bairro sem prestar contas de onde foram. com cabelos desfeitos. Diante de tais fatos. A REQUERIDA nunca fez nenhum apelo ao REQUERENTE para ver os filhos. afirmações inverídicas. descabidas e falsas. Ademais. que os menores pedem esmolas na feira livre do bairro. nem foi buscar sua filha. a menor (xxx). de tarde. segurando um pedaço de papel. além de não haver contribuído em nada para a educação. ou para qualquer aspecto do desenvolvimento humano das crianças. como havia dito que faria no bilhete. Simplesmente não se interessou mais em ver os dois filhos. A REQUERIDA simplesmente nunca demonstrou. DAS REAIS CONDIÇÕES EM QUE VIVIAM AS CRIANÇAS NA CASA DO RÉU A REQUERIDA fez. é absolutamente falsa. de que solicitava ver os filhos. a REQUERIDA jamais fez qualquer esforço neste sentido. e tia da menor. que ficaram na companhia do REQUERENTE. de que muito lutou para ter consigo seus filhos. é importante salientar que a REQUERIDA. 4. DO COMPLETO DESINTERESSE DA REQUERIDA PELOS SEUS FILHOS A REQUERIDA. em uma data situada entre o natal e o último dia do ano de (xxx). qualquer interesse em vê-los. seus próprios filhos. a REQUERIDA simplesmente dizia para que o REQUERENTE tomasse conta da filha. na petição inicial. jamais contribuiu para o sustento material de sua prole. é fácil concluir que é totalmente falsa a afirmação da REQUERIDA na exordial. desde o mencionado dia em que abandonou sua filha (xxx). e que não têm alimentação suficiente na casa do . Neste bilhete. 5. encontrou a menor (xxx) sentada diante da casa. irmã do REQUERENTE. a Sra. mãe da REQUERIDA. ao abrir a porta. (xxx). O fato ocorreu da seguinte maneira: no dia mencionado. até que ela viesse buscá-la. em visitá-los. durante o período em que os dois filhos (xxx) e (xxx) permaneceram com o REQUERENTE. que passam fome na companhia do pai. durante o período em que os filhos permaneceram com o pai. A afirmação da REQUERIDA na inicial. até a época em que ingressou com a inicial perante este Juízo. Afirmou. que vivem mal trajados. A única pessoa que ocasionalmente visitava os menores era a sua avó.

Jamais o REQUERENTE. tia dos menores. e nunca tiveram qualquer problema de saúde causado por desnutrição. O REQUERENTE. de nome (xxx). Crianças desnutridas não têm bom rendimento escolar. A REQUERIDA afirmou ainda. Os menores nunca passaram fome na companhia do pai. os menores (xxx) e (xxx). saudáveis e bem cuidados. Sempre tiveram em casa alimentação adequada e abundante. Afirma ainda. e sempre tiveram constante ciência de onde os menores estavam. através da própria avó materna dos menores. O REQUERENTE. que conta com a ajuda de seu novo companheiro. na casa do pai. Todas estas afirmações da REQUERIDA são falsas. enquanto estiveram com o pai. Só este fato já demonstra a leviandade e a falsidade das afirmações da REQUERIDA. simplesmente porque nunca ficaram desnutridos. DA ATUAL SITUAÇÃO DO MENOR A REQUERIDA afirmou na inicial que a avó materna do menor (xxx) foi com ele até a residência do REQUERENTE para buscar o material escolar e que então o menor foi lá detido pelo pai. estavam regularmente matriculados na Escola Municipal (xxx). O pai dos menores não faz uso exagerado de bebidas alcoólicas. enquanto estavam na companhia do pai. pois é sabido que dificilmente uma criança tem bom desempenho escolar quando está sob a guarda de um adulto negligente. 6. que (xxx) "muito gostaria que fossem morar com eles os dois filhos menores (xxx) e (xxx). para lhe ajudar a criar seus filhos. Isto é um fato relevante. Isto se . seja em qualquer outro lugar. e obtinham bom desempenho escolar. seja na feira. no bairro (xxx). haja vista o fato de serem estimulados a estudar na casa do pai. e que o pai se alcooliza demais. permitiram que eles ficassem na rua até altas horas da noite. (xxx). juntamente com sua irmã. seus filhos e seus três sobrinhos.pai. Os menores nunca pediram qualquer esmola. tomou ciência de que seu filho (xxx) não está residindo com a REQUERIDA. Os menores têm." Isto também não é verdade. Tanto é falsa. que o referido menor não está atualmente em companhia do REQUERENTE. uma boa educação e a melhor qualidade de vida possível. Os menores. não permitindo jamais que eles se expusessem a qualquer tipo de perigo. sempre se esforçou por dar a todas as crianças que vivem na casa. a Sra. que o empurrou e jogou para dentro de casa. vestimenta adequada e decente. Tal alegação é falsa. ou sua irmã. e sim com a mãe da REQUERIDA. que o ajuda nos cuidados com os menores. sempre foram mantidos nas melhores condições de asseio e higiene. Além de tudo isto.

revela ser uma pessoa que dificilmente proporcionará o bem estar e a qualidade de vida necessários para o bom desenvolvimento físico. depoimento pessoal. para deixar este filho com outra pessoa. Ademais. Pelo exposto. mas não pretende ela mesma exercê-la. tendo com ele constantes desentendimentos. documental. O que ela pretende com isso. preferindo que ele viva com outra pessoa. que desde já requer. junto ao pai. que a guarda dos filhos menores dos litigantes seja exercida pelo REQUERENTE. O REQUERENTE. Tal fato gera uma situação absurda. educação e segurança. características de um verdadeiro lar. fato que pode ser comprovado com a oitiva do menor. ao contrário.CONCLUSÃO Constata-se. não o faz. determinando-se. Uma mãe que abandona sua própria filha de quatro anos de idade. bem como pelo depoimento dos menores. REQUER: A improcedência do pedido. à tia (xxx) e aos primos. não convive de forma amigável com o menor. o REQUERENTE não tem como saber. ao final desta ação. como sempre desejou. os menores. III . ao mesmo tempo em que priva o pai de exercer a guarda de (xxx). não mantém seu filho junto a si. (xxx) (filho) deseja. Em sua casa. que se desinteressa dos filhos por um longo período de tempo. O REQUERENTE provará tudo o que foi aqui afirmado por meio de qualquer prova em direito admitida. bem-estar e um ambiente familiar tranqüilos. podendo exercer desde já a guarda de fato do menor. pois a mãe de (xxx) é autora de uma ação na qual pretende a guarda dele mas. Tal situação revela que a mãe não deseja a guarda do filho.deve ao fato de que o referido companheiro da REQUERIDA. que a ora REQUERIDA não tem nenhuma aptidão moral para exercer a guarda de seus filhos menores. . permanecer em companhia de seu pai. sem querer ao menos saber como estão. emocional e intelectual de seus filhos menores. diante de tudo o que foi exposto. sempre demonstrou aptidão para manter os filhos em sua companhia. sempre tiveram boa alimentação. que pretende tirar do pai a guarda do filho. O que se pode afirmar apenas é que é uma situação prejudicial ao menor. especialmente testemunhal. Não se pode jamais admitir que uma mãe queira retirar do pai a guarda de um filho.

. Data e Ano). (Local.Termos que. Pede Deferimento. (Nome e Assinatura do Advogado).

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->