Fenômenos Fonológicos

Expandindo Noções

. Isso. i] como em em vela e vila.Neutralização Examinemos as vogais anteriores do português:  Embora haja distinção entre [E. no entanto. Save]. Não é possível haver distinção de significado entre [ Savi. esse contraste não existe em sílaba átona final. não invalida o fato de que é possível contrastar palavras através da distinção entre as vogais anteriores.

Na verdade. Ou seja. que é algo intermediário entre [e] e [i]. ocorre a realização dessa vogal neutralizada. a vogal transcrita como [I] (semelhante ao i do inglês lip) .Neutralização A oposição de abertura das vogais anteriores é neutralizada em português em posição átona final. tanto faz pronunciarmos de uma forma como de outra.

por exemplo. Temos assim um único elemento abstrato. esses três fonemas deixam de ter esse papel distintivo. na sílaba pós-tônica. . que representa esses três elementos: a esse representante abstrato dos três segmentos.Arquifonema Se em contextos de tonicidade. temos três fonemas distintos ([e. chamamos arquifonema.i]).E. O arquifonema é o resultado de uma neutralização.

1970):  Vogais nasais puras. É o que acontece no francês: /bo/ (bon) em oposição a /b n/ (bonne)  Vogal nasalizada pelo contato com uma consoante nasal adjacente. É o que acontece no português. .Nasalidade Há dois tipos de vogais nasais nas línguas do mundo (Câmara Junior.

Vejamos: . daquela resultante do contato com uma nasal na sílaba seguinte. é preciso distinguir a nasalidade transmitida por uma consoante nasal na mesma sílaba.Nasalidade Ainda segundo Matoso Câmara Jr. a emissão nasal da vogal é fonológica. Ex1: lança (lan-ça) Ex2: lama (la-ma) No primeiro caso. tem valor distintivo.

vogal nasal é resultado de vogal seguida de consoante nasal na mesma sílaba. (1984. . a nasalização da vogal é consequência obrigatória em português do travamento da sílaba por uma consoante nasal pós-vocálica . em português. a emissão nasal da vogal não gera contrastes de sentido.Nasalidade lança [las ] laça [las ] No caso de lama. p 31). para Matoso Câmara. Assim. Ou seja.

. velar ou palatal. portanto. dental. essa consoante é indiferenciada quanto ao ponto de articulação: pode ser labial. de acordo com a consoante que a segue. em termos fonéticos. Assim. simbolizando a neutralização dos traços articulatórios da nasal. uma relação de homorganicidade entre as consoantes como em [ kapu] e [leda].Nasalidade Segundo matoso Câmara. Estabelece-se. Essa consoante. corresponde a um arquifonema dos fonemas nasais existentes em português . o autor analisa a consoante nasal de travamento como um arquifonema representado por /N/.

falada no norte do Japão: mak-a abrir ker-e tocar pis-i perguntar pop-o ferver tus-u agitar .Assimilação Termo genérico que se refere a qualquer processo em que um som adquire características e traços de sons que o rodeiam. Observemos exemplos na língua ainu.

janta [ ant ] .longo [lo gu] .  Assimilação parcial (Ponto de Articulação) Um segmento assimila o ponto de articulação de um segmento vizinho.samba [samb ] . dizemos que a consoante nasal assimila o ponto de articulação da consoante oclusiva que a segue: . temos um processo de assimilação total: a vogal do sufixo é uma cópia exata da vogal da raiz.Assimilação Nesses caso. Nos casos abaixo.

cotuca [cutuk ] .Harmonia Vocálica Fenômeno pelo qual as vogais dentro de um determinado domínio concordam com relação a um ou mais traços: .menino [mininu] .

apresentam um sufixo com uma vogal alta.Dissimilação Processo pelo qual um som adquire características distintas dos sons que o rodeiam. Vejamos o que ocorre no ainu. [i] ou [u]. em vez de assimilar a vogal da raiz. com valor oposto ao da raiz com relação ao traço [±posterior]: hum-i picar pir-u limpar com pano pok-i abaixar ker-u esfregar . Alguns verbos apresentam um sufixo que.

 em que situação isso ocorre (o contexto da regra). A B / C___D Ex: /t/ [tS] / ___ [i] . devemos indicar os seguintes elementos:  o que muda (o foco da regra).Notação de Regras Quando formulamos uma regra fonológica.  em que ele se transforma (a mudança estrutural da regra).