P. 1
Resumo Plano Diretor Aps Mg

Resumo Plano Diretor Aps Mg

|Views: 140|Likes:
Publicado porLEOFELIXMOC

More info:

Published by: LEOFELIXMOC on Aug 03, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/04/2012

pdf

text

original

Conceitos básicos sobre o Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde em Minas Gerais.

1
Leonardo Félix de Oliveira2

O PDAPS nasce a partir de um diagnóstico estadual da situação da APS em Minas. Esse diagnóstico aponta as seguintes situações: • A TRANSIÇÃO DEMOGRÁFICA ACELERADA baseada principalmente no fato de

que até 2030 a população idosa saltará de 9% (em 2005) para 15%; • A MORTALIDADE CONCENTRADA NAS CONDIÇÕES CRÔNICAS: aponta para

grande incidência de mortes por causas sensíveis ao cuidado primário ou atenção ambulatorial onde 23% dessas mortes são por complicações cardiovasculares. • A MORBIDADE CONCENTRADA NAS CONDIÇÕES CRÔNICAS: carga de doenças

compõe-se de 9% ligada a condições maternas ou perinatais e 66% por doenças crônicas, por assim ser, sensíveis ao cuidado ambulatorial. O SUS tem 33% de suas internações hospitalares ligado a essas condições. • A QUEDA DA MORTALIDADE INFANTIL, MAS COM ELEVADO NÚMERO DE

CAUSAS EVITÁVEIS. • A DUPLA CARGA DAS DOENÇAS COM 2/3 DETERMINADA POR CONDIÇÕES

CRÔNICAS: Minas hoje convive com a presença de doenças agudas (ex.: Dengue), concomitante a doenças crônicas (ex.: Chagas), o que leva as ações a serem divididas entre ambas as situações. • AS DESIGUALDADES EM SAÚDE: a grande desigualdade de índices de

necessidades de saúde entre municípios mineiros, sendo mais evidente a necessidade quanto mais ao norte o município esteja.

1

Todo o texto que se segue baseia-se em: IMPLANTAÇÃO do Plano Diretor da Atenção Primária à Saúde: Redes de atenção à Saúde/ Escola de Saúde Pública do Estado de Minas Gerais – Belo Horizonte: ESPMG, 2008. 2 Enfermeiro, Residência em Saúde da Família, esp. Ensino na Área da Saúde, esp. Clínica Psicanalítica. Docente da UNIMONTES, FASI e FUNORTE.

inclusive as crônicas. seguido de classificação de risco familiar. seguido de cálculo automatizado de necessidade de procedimentos e atividades necessárias para atenção às demandas programadas e espontâneas Contrato de gestão: a ser firmado. além de outras. . Linhas-guias de atenção à saúde. Essa organização baseia-se nos seguintes pontos: 1. cria-se a pactuação municipal com o Estado. levaram o governo do estado de Minas gerais à implantação do PDAPS com vistas a reorganizar a APS. Implantação de demais instrumentos de gestão da clínica: Diagnóstico local: baseado em ferramentas de territorialização (solo e processo). Prontuário de saúde da família. • O SISTEMA DE SAÚDE ORGANIZADO PARA ATENÇÃO ÀS CONDIÇÕES AGUDAS: O sistema de saúde utiliza modelo de atenção aguda para trabalhar com todas as condições existentes. Implantação de instrumentos de normalização da SES/MG: Manual de atenção primária à saúde. entre gestão e equipe de saúde da APS. Sistema de monitoramento: baseado em planilhas automatizadas que apontam metas e quantitativo a atingir para alcançar metas. inicialmente. Dadas as pactuações entre todas as ESF4 e SMS. atenção de média complexidade e atenção de alta complexidade. baseada em dados geográficos e sócio sanitários. com base em pactuações municipais com o Estado. 2. Programação local e municipal: com base em estratificação de agravos com classificação de risco individual. Todas essas situações3. 3 4 FONTE: comitê de assuntos estratégicos da SESMG (2005) Neste texto será utilizado ESF para Estratégia Saúde da Família e EqSF para equipe de saúde da família.• O SISTEMA DE SAÚDE FRAGMENTADO: Ainda impera a concepção de organização da prestação de serviços de saúde na lógica piramidal verticalizada e hierarquizada dividida em atenção básica.

de condições crônicas crianças.Como ações efetivas do Estado na busca pelo combate à situação atual destacam-se5: PARA A SITUAÇÃO A mortalidade infantil e materna elevadas A mortalidade por causas externas e por agudizações elevadas A morbi-mortalidade elevada por doenças cardiovasculares e diabetes A elevada incapacidade funcional dos idosos A rede hiperdia de atenção às doenças cardiovasculares e ao diabetes. A rede mais vida de atenção aos idosos. 6 FONTE: Comite de Assuntos Estratégicos da SESMG (2003) . A SOLUÇÃO DO PROBLEMA: o restabelecimento da coerência entre a situação de saúde e um sistema integrado de saúde. voltado para a atenção às condições agudas e crônicas. define-se o problema principal da organização da saúde em Minas e a proposta de enfrentamento: PROBLEMA PRINCIPAL: a incoerência entre uma situação de saúde de dupla carga de doença. com predominância das condições crônicas. coordenadas pela atenção primária à saúde. A rede de atenção às urgências e emergências. o que exige a implantação das redes de atenção à saúde. voltado para as condições aguda. e um sistema fragmentado de saúde.6 5 FONTE: Comitê de Assuntos Estratégicos da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (2006). A AÇÃO A rede viva vida de atenção às mulheres e Com base no exposto.

A deficiência da assistência farmacêutica básica. O sistema de educação continuada fragmentado. A ausência de diretrizes clínicas. coordenada pela atenção primária à saúde. . A infra-estrutura física inadequada das unidades básicas de saúde. prestada no tempo certo. com o custo certo. temos as seguintes situações problema:         O privilegiamento do modelo de atenção à saúde voltado para as condições agudas. no lugar certo. As desigualdades nas necessidades de saúde e no acessso aos serviços básicos. o conceito de Redes de atenção à saúde se dá por: “As redes de atenção à saúde são organizações poliárquicas de um conjunto de serviços de saúde que permitem ofertar uma atenção contínua e integral a determinada população. segundo o Comitê de Assuntos Estrategicos da SESMG (2003). As deficiências quantitativas e qualitativas dos recursos humanos. A fragilidade das funções resolutiva e coordenadora da atenção primária à saúde.Nesta concepção. com a qualidade certa e com responsabilidade sanitária e econômica sobre esta população” MENDES (NO PRELO) Especificamente em relação à análise da situação da atenção primária à saúde em Minas Gerais.

101)  A organização dos processos de trabalho: o A humanização e o acolhimento dos usuários trabalhadas em oficina específica. Embasado em protocolo de Manchester. o A análise situacional da atenção primária à saúde. Figurando como uma proposta para a melhoria da eficiência e da qualidade da atenção primária à saúde em Minas Gerais. o o o a ausência de parâmetros de remuneração. como forma de organização da demanda espontânea de urgência e emergência. o Os critérios para a identificação dos sinais de alerta segundo classificação de risco dos usuários. que considera tanto fatores de saúde quanto fatores sociais.   O subfinanciamento da atenção primária à saúde. o A atenção programada: . ambos pontuais. pg. a precarização das relações de trabalho. A concepção ideológica da atenção primária à saúde. contextualizado com as possibilidades e potencialidades da APS Mineira. As deficiências do trabalho. a rotatividade de profissionais. O Programa Saúde em Casa traz como propostas:  A normalização da atenção primária à saúde: o  Manual da atenção primária à saúde O diagnóstico local: o o A territorialização (solo e processo) O cadastramento das famílias com base na ficha A da ESF e sua por riscos com base em proposta do Estado de Minas Gerais (SES/MG). semelhante ao Programa Saúde da Família. porém. o Governo do Estado propõe o programa Saúde em Casa. com base em questionário proposto pela SES/MG (Oficina 1.

figurando como um mínimo completo. O sistema de atenção farmacêutica:  A relação estadual de medicamentos básicos figurando como um mínimo completo.   o A coleta local O uso racional da patologia clínica. A atenção programada às famílias por ciclos de vida. normalizado por manuais.  Os módulo de transporte intermunicipal e interestadual de pacientes. racional e resolutivo. micro e macro regional. amostras e resíduos. figurando como fonte segura de referência e contra-referência. o Os sistemas de informação em saúde  Os sistemas de apoio:  O sistema de apoio diagnóstico:  A carteira de exames da atenção primária à saúde. Os prontuários clínicos que serão informatizados e ganharão formato eletrônico. o Os sistemas de transporte sanitário  O módulo de transporte das EqSF. através da Central de regulação de leitos local. tendo por base organizacional.   O guia terapêutico dos medicamentos básicos O uso racional dos medicamentos básicos .   As ações de vigilância sanitária As ações de vigilância ambiental  Os sistemas logísticos: o o O cartão de identificação dos usuários (cartão SUS). racional e resolutivo. planilha automatizada para explanação quantitativa das ações a serem realizadas. já viabilizado pelo Estado para municípios não contemplados pelo PROESF. o O sistema de acesso regulado.  A vigilância em saúde: o As ações de vigilância epidemiológica desenvolvidas no cotidiano das EqSF.

para implantação dos instrumentos e produtos . A partir dessas intervenções.  A gestão de casos: refere-se à conduta da EqSF em relação às ações frente a indivíduos com crônicos graves onde o cuidado baseia-se muito mais na ação profissional que no auto cuidado assistido. A gestão da clínica:  As diretrizes clínicas  A gestão de patologias: refere-se à conduta da EqSF em relação às ações frente a indivíduos com agravos crônicos de nível moderado no qual o auto cuidado assistido tem grande apoio na atuação profissional. a SES/MG tem como Meta síntese: o redução das internações por condições sensíveis à atenção ambulatorial em 15% até 2010 o o Cobertura da ESF atingindo 75% até 2010 Implantação dessa estratégia através da implantação do plano diretor de atenção primária à saúde em todas as microrregiões sanitárias até dezembro de 2009. iniciado com profissionais médicos e com plano de expansão para outros membros da EqSF.   A lista de espera A auditoria clínica  O PEP:  Figurando como Programa de Educação Permanente. sendo:    10 oficinas de 16 horas (total de 169 horas presenciais) Oficinas microrregionais: capacitação de facilitadores Oficinas municipais: capacitação dos profissionais de todas as equipes da atenção primária  Períodos de dispersão intercalados com as oficinas.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->