P. 1
Apostila Do Livro Sociologia Geral

Apostila Do Livro Sociologia Geral

|Views: 8.073|Likes:
Publicado porJosé Ney Pinheiro

More info:

Published by: José Ney Pinheiro on Aug 08, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/06/2013

pdf

text

original

Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof.

Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas, 2006 – 7ª edição.

Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas – 7ª edição.

Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas, 2006 – 7ª edição.

Sociologia Geral Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI Editora Atlas, SP, 2006 – 7ª edição. Capítulo 01 Ciências Sociais e Sociologia Os três níveis do conhecimento científico As especificidades das Ciências Sociais ou Humanas na análise de A Sociologia nas Ciências Sociais ou Humanas e suas especificidades Para conceituar a Sociologia e contextualiza-la no âmbito das ciências em geral e das ciências sociais em particular, vamos identificar os três níveis de conhecimento científico: inorgânico, orgânico e superorgânico. Assim, o conhecimento científico do “inorgânico” é o das Ciências Físicas; o “orgânico”, é investigado pelas Ciências Biológicas e o “superorgânico”, abrangido pelas Ciências Sociais. “De acordo com esta concepção, o campo de ação das Ciências Sociais tem início justamente quando os estudos físico e biológico do homem e seu universo terminam. Os três níveis encontram-se inter-relacionados, e a transição de um para outro é gradativa. O superorgânico é observado no mundo dos seres humanos em interação e nos produtos desta interação: linguagem, religião, filosofia, ciência, tecnologia, ética, usos e costumes e outros aspectos culturais e da organização social. homem em sociedade”. Podem ser classificadas como Ciências Sociais ou Humanas: Portanto, ao estudar o superorgânico, as Ciências Sociais têm seu interesse voltado para o

 

seu objeto de estudo 

Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas, 2006 – 7ª edição.

A Antropologia: Estuda as semelhanças e diferenças culturais, origem e história das culturas do homem, sua evolução e desenvolvimento, estrutura e funcionamento. Exemplos: ritos de passagem, tipos de organização familiar; religião e magia; artes e artesanato; mitos, meios de comunicação. O Direito: Estuda as normas que regulam o comportamento social, estabelecendo direitos e obrigações entre as partes, através dos sistemas legislativos característicos das sociedades. Concentra-se, portanto, na análise dos fatores normativos do comportamento social. Exemplos: direito trabalhista, direito comercial, direito civil, etc. A Economia: Estuda as atividades humanas no campo da organização de recursos, isto é, produção, circulação, distribuição e consumo de bens e serviços. Exemplos: macroeconomia e microeconomia. A Política: Estuda a distribuição do poder nas sociedades humanas. Exemplos: formas de governo, partidos políticos; mecanismos de eleições. A Psicologia Social: Estuda o comportamento e a motivação do indivíduo, determinados pela sociedade, e, seus valores. Os estímulos que indivíduo recebe do grupo e as influências que os contatos sociais exercem sobre a sua personalidade, constituem o campo de interesse da Psicologia Social. Exemplos: comportamento em relação às questões raciais; comportamentos e atitudes de adolescentes, etc.

Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas, 2006 – 7ª edição.

A Sociologia: “Estudo científico das relações sociais, das formas de associação, destacando-se os caracteres gerais comuns a todas as classes de fenômenos sociais, fenômenos que se produzem nas relações de grupos entre seres humanos. Estuda o homem e o meio humano em suas interações recíprocas. A Sociologia, desta forma, é o estudo e o conhecimento objetivo da realidade social”. Exemplos: formação e desintegração de grupos; divisão das sociedades em estratos, mobilidade de indivíduos e grupos nas camadas sociais; processos de competição e cooperação, etc. Verificamos, portanto, que o objeto material das Ciências Sociais ou Humanas é o mesmo: o homem na sociedade. Todavia, essas ciências possuem seu objeto formal distinto, apesar de relacionadas e complementares entre si. Cabe à Sociologia estudar a sociedade como um todo, com características e relações que podem ser observadas em qualquer sociedade. “Em relação à natureza do homem, cada Ciência Social concebe um tipo específico, por exemplo, o homo economicus ou o homo politicus, com características singulares, ou seja, dominado pelo interesse econômico ou pelo desejo de poder. Para a Sociologia, o homo socius, é, ao mesmo tempo, econômico, político, religioso, ético, artístico, dominado pelos mais diferentes interesses ou desejos”. Compete, portanto à Sociologia, o estudo do homem e do universo sociocultural como um todo, analisando as relações entre os diversos fenômenos sociais, uma vez que, as outras Ciências Sociais, em virtude de seu caráter especializado, consideram apenas um aspecto.

Cada ciência possui um conjunto de métodos. Método Histórico: Partindo do princípio de que as atuais formas de vida social. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. Metodologia engloba métodos de abordagem. é importante pesquisar suas raízes. Método Monográfico: Partindo do princípio de que qualquer caso que se estude em profundidade pode ser considerado representativo de muitos outros ou até de todos os casos semelhantes. para compreender sua natureza e função – representante: Franz Boas.representante Le Play. visando provocar respostas na natureza e na sociedade. Teoria é toda generalização relativa a fenômenos físicos ou sociais. é um procedimento cuidadosamente elaborado.  Métodos e Técnicas de Pesquisa da Sociologia Método é um conjunto de regras úteis para a investigação. sociedades ou povos contribui do com comportamento a finalidade de humano. paulatinamente. e. .Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. 2006 – 7ª edição. as instituições e os costumes têm origem no passado. A técnica engloba processos de que se serve uma ciência: a habilidade para usar normas. verificar para uma melhor método e realiza explicar compreensão comparações este similitudes divergências – representante Tylor. o método monográfico consiste no estudo de determinados casos particulares com a finalidade de obter generalizações . procedimento e técnicas. Método Comparativo: Considerando que o estudo das semelhanças e diferenças entre diversos tipos e grupos. a parte prática. descobrir sua lógica e leis. estabelecida com rigor científico necessário para que possa servir de base segura à interpretação da realidade.

O Método Funcionalista estuda a sociedade do ponto de vista da função de suas unidades. comparou e classificou diversos tipos de cidades. Método Tipológico: Apresenta semelhanças com o Método Comparativo. compreendendo-se as funções que desempenham no todo. dessa vez. Método Estatístico: O método estatístico representa os fenômenos sociológicos por meio de termos quantitativos e procedimentos estatísticos que permite verificar relações de fenômenos e obter generalizações – representante Quetelet. representante deste método. cada qual satisfazendo funções essenciais da vida social. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. eleva-se a seguir ao nível abstrato. mas as relações que entre eles ocorrem. Exemplo: estudo das relações sociais e a posição que estas relações determinam para indivíduos e grupos. Método Estruturalista: O método parte da investigação de um fenômeno concreto. ao comparar fenômenos sociais. visando a construção de um modelo que passe a retratar a estrutura social onde tais relações ocorrem. pois a verdadeira significação resulta da relação entre eles – representante: Lévi-Strauss. 2006 – 7ª edição. como uma realidade estruturada e relacionada com a experiência do sujeito social. Método Funcionalista: Levando-se em conta que a sociedade é formada por grupos com suas particularidades. por intermédio da constituição de um modelo que represente o objeto de estudo. retornando por fim ao concreto. não existem fatos isolados passíveis de conhecimento. . tais grupos serão mais bem compreendidos. pois somente estas são constantes. pois. ao passo que os elementos podem variar.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. organizadas em um sistema-representante: Malinowski. relacionados entre si. dessa forma. não se analisam mais os elementos em si. o pesquisador cria tipos ideais (ou modelos). mas. estabelecendo as características essenciais da “cidade”. Utilizando-se o Método Estruturalista. Max Weber.

Estes filósofos foram a grande influência do pensamento medieval. As relações entre os homens e a constituição dos grupos foi pensada na cultura ocidental. Os pensadores sociais e suas obras mais significativas: Antigüidade. Os pensadores sociais e suas obras mais significativas na Idade Média. “Durante a Renascença apareceram obras vigorosas em que se propunham normas entrosadas de política. com as fontes primárias e fontes secundárias. em suas diversas modalidades. Capítulo 02 História da Sociologia  Os pensadores sociais e suas obras mais significativas: Antigüidade. Questionário. há pelo menos 2.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Entrevista. preenchido pelo pesquisador.). expressos. nas obras de Santo Agostinho (neo-platônico 354-430). Cartografia. Cidade de Deus e São Tomás de Aquino (1226-1274). delas destacando-se a de Campanella (1568-1639). Sociometria: estudo das relações interpessoais de um grupo.500 anos.  Idade Média. em particular na obra Summa theologica. A República e de Aristóteles (384-322 a. Renascença. sobretudo. por exemplo. Cidade do Sol e.).C.C. A Política. a conhecidíssima .  modernidade e contemporaneidade. Renascença até o século XVIII. História de Vida. auto-preenchido e formulário. Observação sistemática ou participativa. Técnicas de Pesquisa: Documental. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. 2006 – 7ª edição. Podemos destacar as obras de Platão (429-341 a.

Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. e uma compreensão linear da história e do conhecimento em progresso. por Rousseau (1712-1778). de Adam Smith (1723-1790).. “Desse período em diante. 2006 – 7ª edição. Sob o pensamento Iluminista que preconizava a observação e a experimentação. Os pensadores sociais e suas obras mais significativas: O  Iluminismo e o século XVIII. o Leviatã. Deste período merecem destaque também as obras de Hegel e dos chamados socialistas utópicos.. que estabeleceu uma correlação entre os sentimentos e as estruturas sociais (. encontramos obras e autores relevantes para o pensamento do Homem em Sociedade: O príncipe. de Maquiavel (1469-1527). o Contrato Social. multiplicaram-se as chamadas „doutrinas socialistas‟. cujos autores. Davi Ricardo (1772-1823) escreveu Princípios de economia política e Malthus (1766-1834) escreveu Ensaios sobre o princípio de população. criticavam a situação existente e pregavam novas e mais eqüitativas relações entre os homens. de John Locke e o Novum Organum de Francis Bacon (1561-1626). Entre eles podemos destacar Fourier (17721837). Na transição da Renascença para o Iluminismo. por Montesquieu (1689-1775). tentando atenuar as justiças imperantes na distribuição de riquezas e na exploração dos trabalhadores. origens das práticas científicas.) Saint Simon (1760-1825). A passagem do século XVIII para o XIX foi profícua para o pensamento sociológico. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. o Tratado sobre a natureza humana. A Riqueza das nações. romance político e social avançado para a sua época”. verdadeiro fundador do . foram escritas: O espírito das leis. de Thomas Hobbes (15881679). os Ensaios sobre o entendimento humano. sempre sob a inspiração de problemas criados pela evolução econômica. Utopia de Thomas Morus (1478-1535). de David Hume (1711-1776).

Karl Marx (1818-1883). antítese e síntese”. A dialética de Hegel baseia-se no método antitético. Uma nova visão da sociedade. de acordo com sua necessidade‟. mediante um processo em três tempos: tese. na realidade um filósofo social e economista alemão. Todavia. “Hegel (1770-1831) promove m movimento de íntimo entrosamento entre princípios puramente filosóficos e as ciências sociais. criando relações técnicas de produção. uma ordem social mais equilibrada”. Os pensadores sociais e suas obras mais significativas na  modernidade e contemporaneidade: Durkheim. e a cada um. dando origem à explicação das mudanças ocorridas no universo. Proudhon (1809-1865). atua sobre a natureza. 2006 – 7ª edição. entretanto. Weber e Marx. O homem. contribuiu para o desenvolvimento da Sociologia. essa atuação não é . O que é propriedade. O postulado básico do marxismo é o determinismo econômico. Marx: “Fundador do materialismo histórico. A tônica de suas diretrizes residia. salientando que as relações sociais decorrem dos modos de produção (fator de transformação da sociedade). para satisfazer suas necessidades. procediam à análise da realidade social. socialismo. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. numa tentativa de elaborar uma teoria sistemática da estrutura e das transformações sociais. para fundamentar suas críticas e seus projetos. autor da famosa frase „de cada um de acordo com sua capacidade. segundo o qual o fator econômico é determinante da estrutura do desenvolvimento da sociedade. através de radicais alterações da ordem política. “Os líderes socialistas. fundador das primeiras sociedades cooperativas. criador do sistema mutualista”. Owen (17711858). na intenção de mudar as instituições e costumes vigentes e de criar.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof.

Obra principal O Capital”.). o homem relaciona-se com outros seres humanos. defende seus interesses. o sistema de produção provoca uma divisão de trabalho (proprietários e nãoproprietários das ferramentas de trabalho ou dos meios de produção) e o choque entre as forças produtivas e os proprietários dos meios de produção determina a mudança social.).Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Os homens desenvolvem as relações técnicas de produção através do processo de trabalho (força humana e ferramentas). circulação e consumo de mercadorias). Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. 2006 – 7ª edição. é formado pelas normas e leis que correspondem à sistematização das relações já existentes. Para Marx. A superestrutura divide-se em dois níveis: o primeiro a estrutura jurídico-política. geram um determinado sistema de produção (distribuição. toda mudança social se origina das modificações nas forças produtivas e nas relações de produção (. religião. por sua vez. justificativa do real. a sociedade divide-se em infra-estrutura e superestrutura. A infra-estrutura é a estrutura econômica. dando origem a forças produtivas que. Sendo a infra-estrutura determinante. é formado por um conjunto de idéias de determinada classe social que. a estrutura ideológica (filosofia. etc. O conjunto dessas relações leva ao modo de produção. formada das relações de produção forças produtivas. . dando origem às relações de produção. através de sua ideologia. o segundo.. arte.. isolada: na produção e distribuição necessárias ao consumo.

que se origina das semelhanças entre os membros individuais. 2006 – 7ª edição... A divisão do trabalho gera um novo tipo de que a sociedade de solidariedade mecânica se . “o princípio de divisão do trabalho está baseado nas diversidades das pessoas e dos grupos e se opõe diretamente à solidariedade por semelhança. a primeira. o progresso da divisão de trabalho faz com transforme”. e sua metodologia”. baseada na consciência coletiva. necessária à sobrevivência do grupo.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. uma realidade distinta que persiste no tempo e une as gerações (.) enuncia dois princípios básicos: consciência coletiva e solidariedade mecânica e orgânica. Para a manutenção dessa igualdade. peculiar ao indivíduo (. As „primitivas‟ coletividades humanas são caracterizadas pela solidariedade mecânica. formando um sistema autônomo. Sua primeira obra. isto é...). determinou seu objeto. Durkheim: Émile Durkheim (1858-1917).) À medida que as sociedades se tornam mais complexas.. de duas consciências. Por consciência coletiva entende-se a soma de crenças e sentimentos comuns à média dos membros da comunidade. a coletiva e a individual. dão origem a um sistema legislativo (. compartilhará com o grupo.. em cada indivíduo. a divisão de trabalho e as conseqüentes diferenças entre os indivíduos conduzem a uma crescente independência das consciências.. “francês. deve a coerção social. Para Durkheim. A divisão do trabalho social (1893) (. próprio dos estudos sociológicos. a segunda. através de regras de rigor científico.. As sanções repressivas. que existem nas sociedades „primitivas‟. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas.. predominante. ser severa e repressiva (. é considerado por muitos estudiosos o fundador da Sociologia como ciência independente das demais Ciências Sociais.) Durkheim acusa a existência..) Todavia. Ao preconizar o estudo dos fatos sociais como „coisas‟.

Sendo seu fundamento a diversidade. o próprio significado do fenômeno estudado. o pesquisador deve abandonar as pré-noções e a pressuposição do significado ou caráter de uma prática ou instituição social. Somente assim..). ou seja. como as coisas exteriores se opõem às coisas interiores (. ao estabelecer as regras de distinção entre o normal e o patológico.) Para explicar um fenômeno social. baseado na complementação de partes diversificadas. relativa à observação dos fatos sociais. Durkheim não mais denomina baseada de nas solidariedade orgânica solidariedade. Na análise dos fenômenos sociais como „coisas‟. Procura-se a causa nos fatos anteriores. a Sociologia pode manipular. desvinculada de concepções filosóficas e não subordinada às noções biológicas e psicológicas. e a função. e na mesma fase de evolução. deve-se procurar a causa que o produz e a função que desempenha. „Coisas‟ opõem-se a „idéias‟. um outro tipo de princípio de solidariedade. com finalidade de estudo e análise. Durkheim publica As regras do método sociológico. pois estabelece as regras que devem ser seguidas na análise dos fenômenos sociais.. propôs: um fato social é normal. O encontro de interesses complementares cria um laço social novo. consiste em considerá-los como „coisas‟. sociais e não individuais. e que dá origem a uma nova organização esta social. Para esse autor. Esta regra estabelece . 2006 – 7ª edição. através da investigação. mas na sua independência. solidariedade. a solidariedade orgânica implica maior autonomia com uma consciência individual mais livre. Durkheim. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. dentro da sociedade particular em pauta (.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. semelhanças de indivíduos e grupos. Deve ser objetivo e estabelecer.. com moral própria. quando considerado numa determinada fase de seu desenvolvimento. através da relação que o fato mantém com algum fim social. Em 1895.. para um tipo social determinado. É o seu trabalho mais importante. fundamental. desde que se apresente na média das sociedades da mesma categoria. os fenômenos sociais. a primeira regra.

agindo de acordo com o que os outros outros. uma norma de relatividade e de objetividade na observação dos fatos sociais. em sociedades de mesmo nível ou estágio de evolução. a conduta emocional. também. como foi ilustrado em sua obra sobre o suicídio. tidos como patológicos. b. Esta ênfase dada à compreensão subjetiva levou Weber a definir ação social como a conduta humana. a que o agente atribui significado subjetivo. Em uma de suas obras centrais.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. a Sociologia é o Estudo das interações significativas de indivíduos que formam uma teia de relações sociais. Assim. Segundo Max Weber. relativa às antigas tradições. Obras principais: A ética protestante e o espírito do capitalismo (1905) e Economia e sociedade. só o são à medida que ultrapassam uma taxa dita „normal‟. Para Weber. reação habitual ou comportamento dos a conduta valorizada. sendo seu objetivo a compreensão da conduta social. a conduta social se apresenta em quatro formas ou categorias: a. Suicídio. Uma proposição que estabelece relação de regularidade entre esses fatos sociais. que certos fenômenos sociais. Demonstra. é uma lei sociológica”. Durkheim demonstra que o suicídio varia inversamente ao grau de integração do grupo social do qual o indivíduo faz parte. Weber: “Max Weber (1864 – 1920) era alemão. de 1897. pública ou não. publicação póstuma (1922). em determinado momento. c. indivíduos esperam de nós. 2006 – 7ª edição. a conduta tradicional. expressando-se em termos de lealdade ou antagonismo. com algumas exceções por ele apontadas. a Sociologia estuda fatos sociais. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. .

. torna-se possível estabelecer relações causais entre seus elementos. preconizando que “em todos os ramos de estudos. se obedecesse à preocupação da máxima objetividade. d. foi o criador da doutrina positivista. pensador francês. deve haver pelo menos uma segunda condição.. a aceitação psicológica de idéias e valores favoráveis e essa transformação”. em conseqüência. os esforços de compreensão de tudo o que se referia ao homem. colocou a matemática na base e. o autor entendia um sistema de máximas de comportamento humano (. preconizada entre o método cientifico de abordar os dados sociológicos e o método do valor-julgamento: a validade dos valores é um problema de fé. Essa condição deve pertencer ao mundo interior do homem. a conduta racional-objetiva. que consiste em agir segundo um A contribuição de Max Weber à metodologia foi a distinção plano concebido em relação à conduta que se espera dos demais.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. não de conhecimentos. Sua obra A ética protestante e o espírito do capitalismo permite verificar esta relação. 2006 – 7ª edição. existe forçosamente um poder motivador específico. Em sua classificação das ciências. qual seja. principalmente as relações entre eles. Os pensadores sociais e suas obras mais significativas na  modernidade e contemporaneidade. Por „espírito‟. Weber desenvolveu um instrumento de análise dos acontecimentos ou situações concretas que exigia conceitos precisos e claramente definidos – o tipo ideal. O principal objetivo da análise sociológica é a formulação de regras sociológicas. Augusto Comte: Augusto Comte (1798 – 1857). as Ciências Sociais devem libertar-se dos valores. . no ápice.) Weber chegou à conclusão de que o surgimento do capitalismo não é assegurado só por condições econômicas específicas. Quando a realidade concreta é estudada desta forma. isto é.

em toda parte. com seus conhecimentos. evolua da mesma maneira e no mesmo sentido. estado teológico ou fictício. assumia uma posição diferente da dos socialistas. três princípios básicos: a. nos estudos de Comte. para compreender e explicar um fenômeno social. devemos analisa-lo no contexto global a que pertence.). resultando daí que a humanidade em geral caminha para um mesmo tipo de sociedade mais avançada. com objetividade e com ausência de metas preconcebidas. em geral personificadas em fenômenos da natureza ou corpos celestes (fetichismo). potências sobrenaturais (politeísmo) ou em um deus único (monoteísmo). em Desses princípios básicos. deveriam constituir uma nova ciência. Defendia o ponto de vista de somente serem válidas as análises das sociedades quando feitas com verdadeiro espírito científico. a que se deu o nome de „Sociologia‟. . o homem é o mesmo por toda parte e em todos os tempos. entretanto. o progresso dos conhecimentos é característico da sociedade humana: a sucessão de gerações. em que se explicam os diversos fenômenos através de causas primeiras. permite uma acumulação de experiências e de saber que constitui um patrimônio espiritual objetivo e liga as gerações entre si. Comte conclui ser natural que a sociedade. a fim de prover (. Os estudos das relações humanas. assim. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas.. b..Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. De tais idéias surgiu a classificação das sociedades denominada „ A Lei dos Três Estados‟: a. mas propor normas de comportamento. próprios das ciências em geral. Podemos discernir. Nessa atitude. existe uma coerência entre o estágio dos conhecimentos e a organização social. virtude de possuir idêntica constituição biológica e sistema cerebral. c. Esta na deveria limitar-se apenas à análise. 2006 – 7ª edição. seguindo a orientação resumida na famosa fórmula positivista „saber para prever. prioridade do todo sobre as partes: significa que.

formulando leis. assinalados por uma heterogeneidade progressiva das partes. homogêneas.. Herbert Spencer: “Na segunda metade do século XIX. caracterizado pela simplicidade de estrutura e pela homogeneidade.) Desses princípios básicos chega-se à formulação de uma lei geral. a ciência que maior impacto recebeu da teoria de Darwin. passa por um estágio primitivo. estado metafísico ou abstrato. no qual o homem tenta compreender os fenômenos naturais e sociais através da observação científica e do raciocínio. a sociedade assemelhase a um organismo biológico. aparece nítida interdependência entre as partes (. Especificamente no que concerne às sociedades. sem qualquer organização política e de reduzida divisão de trabalho. depois da Biologia. na explicação dos fenômenos naturais.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. estado positivo ou científico. por analogia. em que as causas primeiras são substituídas por causas metafísicas/abstratas. a estágios de complexidade crescente. sendo o crescimento caracterizado pelo aumento da massa. a História demonstra a diferenciação progressiva das mesmas: de pequenas coletividades nômades. indiferenciadas. acompanhadas por novas maneiras de integração.. como as „idéias‟. a das sociedades). c. São obras significativas: Curso de filosofia positiva (1830 – 1842) e Política positiva (1851 – 1854). segundo a qual a evolução de todos os corpos (e. levando ao aparecimento da Escola Biológica. portanto não mais procura conhecer a natureza íntima das coisas e as causas absolutas”. mais heterogêneas. A Sociologia foi. as idéias de Darwin sobre a evolução das espécies influenciaram a maioria dos estudiosos. Segundo a concepção desse pensador. iniciada pelo inglês Herbert Spencer (1820 – 1903). para Spencer. . b. o processo de crescimento dá origem à complexidade da estrutura. as sociedades tornam-se cada vez mais complexas. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. 2006 – 7ª edição.

” Talcott Parsons: “Norte-americano.. a estrutura é a resultante do processo de institucionalização dos elementos culturais – idéias. padronizado. etc. nascido em 1902. valores e símbolos.) as formas sociais. onde a autoridade política se torna organizada. compostas de grupos diferentes. transformados em normas de ação. para esse autor. são análogas. distinto do „conteúdo‟. 2006 – 7ª edição. a ação social O tema central da Teoria Sociológica de Parsons é o funcionamento das estruturas. aparecendo uma multiplicidade de funções econômicas e sociais. da escola. dos órgãos educacionais em geral. a mais importante. exigindo maior divisão de trabalho. O processo de socialização seria resultante da forma que mais se repetisse. como as relações de autoridade e subordinação. Obras principais: Estrutura da ação social (1937). Portanto.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Desta maneira. da vida social. Por exemplo: o valor geral da „educação‟ (conhecimento) institucionaliza-se no papel do professor. Simmel entendia por „forma‟ o elemento relativamente estável. apesar das múltiplas variações de conteúdo. Simmel indica „formas de socialização‟ tendo por base a interação social. editada em 1908.. Ensaios de teoria sociológica pura e aplicada (1949) e Sistema social (1951) A primeira contribuição de Parsons foi a indicação do objeto de estudo da Sociologia. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. a concorrência e outras. isto é. o valor geral da ‟justiça‟ institucionaliza-se no papel do juiz. mais numerosos. Obras mais importantes: Princípios de sociologia (1876 – 1896) e O estudo da sociedade (1873)” Georg Simmel: “Em sua obra Sociologia. que é variável (. a ciência que estuda as maneiras pelas quais as interações sociais se repetem constantemente. dos tribunais. Para ele. a . a Sociologia é.

no qual se insere. escola.) Exemplo: o um só elemento pode ter várias funções. que os itens culturais e individuais se integram em sistemas (. o que inclui lidar com conflitos e contradições. 2006 – 7ª edição. podem-se identificar quatro problemas fundamentais de ajustamento. e entre a personalidade e a motivação. devendo ajustar-se ao meio (social e biológico). Embora funcionalista Merton combate a pressuposição básica de que todos os elementos da cultura são funcionalmente interrelacionados.. institucionalização é um processo de integração e de estabilidade. Noção de equivalente funcional ou substituto funcional: assim como por elementos intermutáveis (. Para Parsons. direito. enfrentados por qualquer sistema social em sua subsistência: a. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. social. ou do sistema como um todo. instituições sociais: . c. todo sistema social é um sistema aberto. objetivos do sistema e suas partes.. O processo de família. Para este autor. estabilidade normativa: processo de aceitação dos valores de integração: coordenação das diferentes instâncias do sistema consecução: atingimento dos objetivos de partes do sistema adaptação: organização dos recursos para obtenção dos uma sociedade por seus integrantes. b. formando laços entre a sociedade e a cultura. isto é. d. Robert Merton: “Norte-americano.) Merton desenvolveu novos conceitos funcionais destinados a tornar relativos os postulados: a. ”. isto é.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof.. uma só função pode também ser desempenhada curandeirismo pode substituir um determinado tratamento médico institucionalização realiza-se ainda pela formação de „conjuntos estruturais concretos‟.. Obra principal: Teoria social e estrutura social (1957). etc.

Noção de disfunção: as disfunções são conseqüências que perturbam a adaptação ou o ajustamento do sistema (. aumentando assim o problema da subnutrição. as práticas religiosas proíbem o abate da vaca. Como exemplo. Ele formulou. ou somente perceptíveis ao observador [externo]”. b.. o seu objeto se encontra no exame dos fenômenos coletivos. constituem conseqüências de práticas não pretendidas nem previstas. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. Quanto à Sociologia.) Exemplo: na Índia. proposto por Durkheim. no século XX. entre os índios Pueblo. O estudo científico da sociedade sofreu indiscutível impacto. 2006 – 7ª edição. ao contrário.. através de teorias e métodos próprios. podemos citar os ritos relativos à chuva. Distinção entre função manifesta e latente: as funções manifestas são conseqüências objetivas de práticas compreendidas e desejadas pelos participantes do sistema. Embora a função manifesta de agir sobre as condições meteorológicas não sejam notadas. com a contribuição de Durkheim. a promoção da união e identidade do grupo. As funções latentes. por contribuírem para o ajustamento ou adaptação dos mesmos ao sistema. O conceito de ação social enunciado por Weber. O conceito de ação social proposto por Parsons O conceito de fato social. tais rituais desencadeiam uma função latente. Capítulo 03 Objeto da Sociologia CONCEITOS FUNDAMENTAIS    O conceito de fato social.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. no México. a saber. proposto por Durkheim “Uma ciência caracteriza-se pelo seu objeto e pelos seus métodos. c. por ser animal sagrado. com  .

independente das manifestações individuais que possa ter”.. de pensar e de sentir são exteriores às pessoas. firmeza e convicção. em virtude de ser comum ao grupo ou à sociedade. coercitividade. Exemplo: quando desempenhamos nosso papel de cidadãos. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. porque as precedem. em relação às consciências individuais. por ele definida como o conjunto das maneiras de agir. sendo. generalidade. EXTERIORIDADE. que é geral na extensão de uma sociedade dada. fixa ou não..) Essas características de anterioridade e de posterioridade levam à conclusão de que os fatos sociais transcendem os indivíduos. fossem aplicados os métodos e processos (. . apresentando uma existência própria. suscetível de exercer sobre o indivíduo uma coerção exterior. b. para estudá-lo.) empregados nas ciências exatas. transcendem e a elas sobrevivem (. independentes do indivíduo em particular. com efeito. exterioridade. [DEFINIÇÃO] “É fato social toda maneira de agir. 2006 – 7ª edição. de filhos. de adeptos de determinada religião. c.. Características do Fato Social: “De sua definição podemos tirar as características especificas do fato social: a. o fato social como uma “coisa”. Essa herança persiste no tempo. estamos praticando deveres definidos fora de nós e de nossos hábitos individuais. Qualificou.. uma assertiva que fortemente repercutiu nas interpretações sociológicas. e estão acima e fora deles. As maneiras de agir. O conceito de exterioridade dos fatos sociais baseiase na concepção durkheimiana de consciência coletiva. portanto. comum à média dos membros de determinada sociedade e que compõe a herança própria dessa sociedade. a coerção que o fato social exerce ou é suscetível de exercer sobre os indivíduos. no direito e nos costumes. de pensar e de sentir.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. transmitindo-se de geração para geração. e preconizou que.

Exemplo: “um indivíduo seqüestra e mata uma criança. é preciso buscar separadamente a causa eficiente que o produz e a função que desempenha. descoberto. dotadas de poder coercitivo. um brasileiro de um boliviano (. mas às convenções da sociedade GENERALIDADE. As normas de conduta ou de pensamento são. 2006 – 7ª edição. pois. uma função útil: manter esses sentimentos em determinado grau de intensidade. isto é..) A coerção não necessita ser drástica. existe nas partes porque existe no todo’”. apesar de ter recebido resgate de seus pais (causa da penalidade). mas. a zombaria. sem isso. dará feição a uma sociedade e permitirá distinguir. é preso e condenado a uma longa pena: o castigo tem. ocorrer o linchamento do culpado”.. é característica geral de determinado grupo ou sociedade. independentes de suas vontades (. e está bem longe de ser coletivo porque geral. inclusive.. se exacerbariam.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. de pensar e de sentir. A causa determinante de um fato social deve ser buscada entre os fatos sociais anteriores. “Os fatos sociais são explicados por causas sociais. „Quando procuramos explicar um fenômeno social. ..) Para Durkheim. o afastamento dos amigos. e não entre os estados de consciência individual.. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas.. Constitui um estado de grupo porque se repete nos indivíduos e a eles se impõe. por que se impõe aos indivíduos. a função de um fato social deve ser sempre buscada na relação que mantém com algum fim social‟”. igualmente são eficazes o riso. mais ou menos obrigatório. COERCITIVIDADE.. por exemplo. o fato social é geral ainda porque ‘coletivo. por outro lado. isto é. ao contrário. Está bem longe de existir no todo por existir nas partes. quando nosso comportamento não constitui transgressões às leis. A consciência coletiva. o conjunto das maneiras de agir.. além de externas aos indivíduos. podendo.

compreendendo o contexto emocional em que ocorreu sua ação (compreensão explicativa). Esta „compreensão ao nível do significado‟ pode ocorrer de duas maneiras: Em primeiro lugar. é uma ciência que tem por objeto compreender claramente a conduta humana e fornecer explicação causal de sua origem e resultados. reproduzindo em nós o raciocínio do agente. ou. podem-se compreender as ações e intenções subjetivas dos membros individuais”. pode-se ir além da demonstração de relações funcionais e de uniformidades. “Weber considerava que as Ciências Sociais tinham certas vantagens sobre as Ciências Naturais. Assim. no estudo dos grupos sociais. no caso de uma ação irracional. ou presenciar alguém que. chega-se à compreensão do motivo. [DEFINIÇÃO] “A ação social. por exemplo. a compreensão por observação direta do significado subjetivo do ato de outra pessoa (compreensão atual).  O conceito de ação social enunciado por Weber “Com Émile Durkheim. “A Sociologia. havendo a possibilidade de uma espécie de compreensão. segundo o autor. Exemplo: alguém declarar que a terra é redonda. acentua a importância de ser a ação social uma espécie de conduta que envolve significado para o próprio agente”. na interpretação de Weber. num momento de raiva quebra coisas ou diz palavrões. pública ou não. porque determina o caráter social da ação a partir da coerção exercida do exterior sobre a conduta dos indivíduos. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. 2006 – 7ª edição. faz-se necessário pesquisar a natureza e a .Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Quando Max Weber conceitua de modo subjetivo a ação social – objeto da Sociologia – baseia-se em critérios internos dos indivíduos participantes”. Se são as atitudes que explicam a conduta social. baseada no fato de que os seres humanos são diretamente conscientes das suas ações. a definição do objeto da Sociologia – fato social – tem caráter objetivo. seria a conduta humana. a que o agente atribui significado subjetivo. Em segundo lugar.

) consiste nas disposições do ator e fornece a energia a ser gasta na  . toma em consideração o comportamento dos outros e é por ele afetada no seu curso“. assim como o seu comportamento. O conceito de ação social proposto por Parsons “Talcott Parsons sofreu forte influencia de Max Weber na definição do objeto de estudo da Sociologia: a ação social”. A ação social é social. b..) e mais exatamente ainda. “Analisando a orientação do agente. pode ser: racional. a ação social.. em função da significação subjetiva que o individuo ou os indivíduos que agem lhe atribuem. 2006 – 7ª edição.“Ligar significado à conduta própria e à dos outros é atribuir a ela um sentido simbólico suscetível de ser transmitido e compreendido. Para Weber.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. visando aos valores. c. principalmente.) A ação humana. a ação de um individuo deve ter um valor simbólico para os outros e vice-versa . levando-se em consideração. “Ao expor um esquema de referência para o estudo da ação social.. afetiva (emotiva) ou tradicional.. serem estas atitudes afetadas ou modificadas por motivos e ações de outros indivíduos (. Parsons distinguiu três elementos imprescindíveis: o agente (ator).. pois: a. operação desses fatores. visando aos fins. A orientação motivacional (. a situação e a orientação desse agente em relação à situação”. racional. graças a um código (. as pessoas devem levar em consideração a existência e a presença de outros. para Max Weber é social à medida que. da mesma maneira que toda ação.. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. toda conduta de indivíduos empenhados em uma ação social deve sofrer influência da percepção do significado da ação dos outros e da sua própria. é inserir essa conduta num sistema de comunicação”. dividiu-a em dois componentes: orientação motivacional e orientação de valor.

. competição e conflito.... a situação em que está integrado o agente (ator) é composta de objetos físicos. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. Processo Social: isolamento e contato adaptação.. catética. A orientação de valor. consistindo a submissão do ator às suas determinações. avaliativa (. Segundo Parsons. que possibilite por parte do ego (eu). indica a observância de normas e padrões sociais. social e cultural. estética e moral. que constituem o centro da orientação motivacional. psíquico ou da personalidade.  . Por esse motivo. processo pelo qual o agente dá ao objeto um significado emocional ou afetivo. situa-se sempre simultaneamente em quatro contextos ou sistemas: biológico. sentimentos e valores. Por sua vez.). 2006 – 7ª edição. ação.. a ação social.. a interpretação das prováveis reações do alter (outro) e vice-versa. o processo de interação entre ego e alter pode ser entendido como microcosmo dos sistemas sociais.)..) e moral”. objetos sociais (outras pessoas) e objetos culturais (elementos simbólicos).) apreciativa (. acomodação e assimilação. pois contém os elementos constitutivos dos sistemas sociais: sistemas partilhados de crenças. Por outro lado. cooperação. a interação supõe uma cultura comum.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. para Parsons. A orientação de valor apresenta também três modalidades: cognitiva (. apresentando três modalidades: cognitiva (. Capítulo 04 Processos Sociais CONCEITOS FUNDAMENTAIS   Processo Social: isolamento e contato Interação Social: comunicação. critérios culturalmente padronizados de avaliação técnica. em contraposição às necessidades.

podem ser contatos com o passado. dando origem a formas de associação ou dissociação.) no mundo moderno. [DEFINIÇÃO] “Aos nos referirmos às relações sociais. nas sociedades complexas. Purk e Burgess indicaram quatro tipos de isolamento: isolamento espacial ou físico. isolamento estrutural (constituído pelas diferenças biológicas tais como sexo. isolamento funcional (tem origem nos defeitos físicos. mediados por meios técnicos de comunicação. quando ocorrem face a face por meio da percepção física e indireta. formais. A esse aspecto dinâmico damos o nome de processo social”. Os indivíduos. usos. religião e outros fatores. devemos compreendê-las em seus aspectos dinâmicos. Isolamento e contato: “ISOLAMENTO pode ser entendido como a falta de contato ou de comunicação entre grupos ou indivíduos”. que diz respeito à separação ocasionada pela diferença de hábitos. O contato social é um processo primário. mudez e outras limitações físicas) e isolamento habitudinal. podem ser voluntários e involuntários. podem ser contatos primários. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Os contatos podem ser diretos. há um número maiorde contatos secundários (. pessoais. raça. “Os vários tipos de contato não são mutuamente exclusivos (. cegueira... podem aproximar-se ou afastar-se. . CONTATO é a fase inicial da interestimulação e as modificações resultantes são denominadas de interação. cuja finalidade é a transmissão da herança social e com o presente. fundamental do processo social. através das relações sociais. 2006 – 7ª edição. linguagem. impessoais e racionais. surdez. íntimos e espontâneos e secundários.) e os contatos tendem a tornar-se cada vez mais superficiais e passageiros”... idade). costumes.

Para a satisfação de suas necessidades e aspirações. A cooperação pode ser temporária ou contínua. Comunicação: pode ocorrer por meios não-verbais. [DEFINIÇÃO] “Interação social é a ação social. com maior ou menor energia”. competição e conflito. “Em todas as sociedades existem diferenças de capacidades e de desejos entre seus componentes. os indivíduos (e também os grupos menores. Variando em intensidade e extensão. direta ou indireta. . discussão. Quando uma pessoa se interpõe no caminho da satisfação ou dos desejos da outra. integrantes do grupo total) competem entre si. É requisito especial e indispensável para a manutenção e continuidade dos grupos e sociedades”. adaptação. litígio. 2006 – 7ª edição. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. “Verificamos que competição consiste em esforços de indivíduos ou grupos para obter melhores condições de vida. palavras e símbolos. surgem os choques” (conflitos). acomodação e assimilação. Cooperação. debate. mutuamente orientada. competição e conflito: [DEFINIÇÃO] “A cooperação é o tipo particular de processo social em que dois ou mais indivíduos ou grupos atuam em conjunto para a consecução de um objetivo comum. Distingue-se da mera interestimulação em virtude de envolver significados e expectativas em relação às ações de outras pessoas. cooperação. os conflitos se apresentam como rivalidade. contenda e guerras. Podemos dizer que a interação é a reciprocidade de ações sociais”.  Interação Social: comunicação. de dois ou mais indivíduos em contato.

tolerância. acomodação e assimilação: “A adaptação social de um indivíduo ao grupo não significa necessariamente conformidade social.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Capítulo 05 Status e Papel Status Papel Status e Papel Status     [DEFINIÇÃO] “Status é o lugar ou posição que a pessoa ocupa na estrutura social. de acordo com o julgamento coletivo ou consenso de . aparecendo apenas nos aspectos externos do comportamento. Variando o grau de liberdade ou restrição. sendo pequena ou nula a mudança interna”. [DEFINIÇÃO] “Acomodação é um processo social com o objetivo de diminuir o conflito entre os indivíduos ou grupos. É um ajustamento formal e externo. arbitragem. Adaptação. tradição. a acomodação pode se dar por meio de: conciliação. mas supõe a utilização de certa margem de liberdade ou de autonomia que o meio concede”. É um indício de integração sociocultural”. A adaptação do indivíduo ao meio social realiza-se principalmente em três níveis: biológico e psicomotor. compromisso e coerção. reduzindo-o e encontrando um novo modus vivendi. [DEFINIÇÃO] “Assimilação é o processo social em virtude do qual indivíduos e grupos diferentes aceitam e adquirem padrões comportamentais. nível afetivo e de pensamento. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. sentimentos e atitudes da outra parte. 2006 – 7ª edição.

consideramos que é definido por fatores extrínsecos às pessoas e. reconhecidos pública e juridicamente. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. [DEFINIÇÃO] “Status legal é uma posição caracterizada por direitos (reivindicações apoiadas por normas) e obrigações (deveres prescritos por normas). para a atribuição do status”. importantes para a posição e as funções na sociedade”.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. o status é a posição em função dos valores sociais correntes na sociedade”. Portanto. dessa forma. assim como o comportamento dos outros em relação a ele”. existem certos critérios universais. contidos nos valores sociais.  parentesco  riqueza  ocupação  educação  religião  características biológicas  Papel [DEFINIÇÃO] “ As maneiras de se comportar que se esperam de qualquer indivíduo que ocupa certa posição constituem o papel associado com aquela posição”. . Critérios de determinação do Status “Ao se dizer que o status é algo definido socialmente. capacidades e incapacidades. opinião do grupo. É o comportamento socialmente esperado e/ou aprovado. de ocupante do status. [DEFINIÇÃO] “Status social abrange características da posição que não são determinadas por meios legais. 2006 – 7ª edição.

Comunicação e Cultura de Massas Grupos sociais – grupos primários e grupos secundários Categorias Sociais [DEFINIÇÃO] “Uma categoria social é uma pluralidade de pessoas que são consideradas como uma unidade social pelo fato de serem efetivamente semelhantes em um ou mais aspectos” (Fichter. baseadas em normas socialmente aprovadas.  Status e Papel “O status salienta a posição tal como é concebida pelo grupo ou pela sociedade que a mantém. 2006 – 7ª edição. permitindo variações individuais”. independente do grupo de que participa. 1973:85). Exemplos: adolescentes. entretanto.”. Público e Massa. existe certa amplitude nessa determinação. etc. e o papel destaca a pessoa que ocupa a posição. o papel enfatiza os elementos que compõem o comportamento esperado”. operários. analfabetos. Se o status realça o fato de que nos grupos sociais relevantes existem expectativas de tipo normativo.. soldados. mas espera que se comporte de forma diferente em cada grupo (.. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas.  .) As expectativas dos outros. determinam a maneira pela qual cada um deve desempenhar seu papel. “Não há necessidade de proximidade ou contato mútuo para que as pessoas pertençam a uma categoria social. Capítulo 06 Grupos Sociais       Categorias Sociais Estereótipos Agregados Opinião Pública. “Uma pessoa é a mesma personalidade básica.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof.

estereótipos baseiam-se características  comprovadas e não demonstradas.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. atribuídas a pessoas. e mesmo estes variam de acordo com o objetivo do estudo. f) fatores biológicos. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. não significa que deixe de ser estereótipo”. jovens. “Em relação aos aspectos semelhantes entre as pessoas. ateus. . servem de base para a classificação das categorias sociais significativas”. Exemplo: se quisermos analisar os padrões de comportamento religiosos. d) educação. adultos e idosos”. portanto. etnia e religião. “As principais categorias estudadas pela Sociologia são as que implicam valores sociais. a) parentesco. alguns constituem determinantes quase universais de status e. coisas e situações sociais. budistas e outras. cristãos. b) riqueza. c) ocupação. Estereótipos “Ao lado das categorias. na realidade não existem. e) religião. 2006 – 7ª edição. construções mentais falsas. judeus. só nos interessam aqueles que têm significação sociológica. Pelo fato de um estereótipo salientar qualidades em vez de defeitos. homens. mas que. encontramos os estereótipos. mulheres. imagens e idéias de conteúdo Os alógico que estabelecem em critérios socialmente não falsificados. Os principais estereótipos referem-se à classe. a classificação abrangeria a categoria de crentes. construções mentais baseadas nos fatos. Embora estes variem nas sociedades.

2006 – 7ª edição. os estereótipos são criações do grupo e. se necessário. Opinião Pública. agregados residenciais e agregados funcionais. são: manifestações públicas. Mais do que criações do indivíduo. segundo Fichter. portanto. público e massa. o mesmo acontecendo com o estereótipo que se propaga e passa a ser aceito por maior número de pessoas.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Os meios de comunicação de massa colaboram na criação e difusão de estereótipos”. a organização da comunicação pública permite uma resposta imediata e efetiva a uma opinião publicamente expressa. a massa é uma coleção abstrata de indivíduos. d. é praticamente igual o número de pessoas que expressam e recebem opiniões. formada através dessa discussão. c. Agregados “Agregado é uma reunião de pessoas frouxamente aglomeradas que. mesmo contra o sistema de autoridade vigente. Público. mais ou menos autônomo em suas ações. apesar da proximidade física. Massa. b. têm um mínimo de comunicação e de relações sociais. os estereótipos tendem a se fortalecer. a opinião. à medida que o indivíduo se isola. Os principais agregados. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. diminuindo a oportunidade de experiências novas. Conjunto de elementos em que: a. e os diferentes tipos de multidão”. recebendo impressões e   . encontra possibilidade de se transformar em ação efetiva. Conjunto de indivíduos em que: a. o número de pessoas que expressam opiniões é incomparavelmente menor do que aquele que as recebe. as instituições de autoridade não têm penetração: o público é.

veiculadas pelos meios de comunicação de massa. a massa. a organização da comunicação pública impede ou dificulta a resposta imediata e efetiva às opiniões externadas publicamente. afigura-se a etapa de tomada de posição: pessoal. coletiva [através da livre discussão]”.. Diante dessas informações.) o processo de formação de opinião pública pressupõe o acesso potencial de todos os cidadãos às informações estereotipadas que os meios de comunicação divulgam. podem formular opiniões autoconscientes (. os agentes institucionais têm maior penetração. . portanto.. grupal. em igualdade de condições com os demais. c. opiniões já formadas.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. 2006 – 7ª edição. o pessoal ou a estrutura de governo”. sendo reduzida a formação da opinião independente através da discussão Opinião Pública. não tem autonomia. as autoridades controlam e fiscalizam os canais por meio dos quais a opinião se transforma em ação. d.  James Bryce – A Comunidade Americana: “Só existe opinião pública quando os indivíduos de uma sociedade têm acesso livre e total às informações da atualidade e.  Hans Speier – Desenvolvimento histórico da opinião pública / Jornal Americano de Sociologia: “Consideramos como opinião pública as opiniões sobre assuntos de interesse da nação. em conseqüência. livre e publicamente expressas por homens que não participam do governo e reivindicam para suas opiniões o direito de influenciarem ou determinarem as ações. que cada indivíduo recebeu (ou pode receber) livremente. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. b.

que induzem condutas. reduzindo os segundos a um papel de pessoas passivamente informadas. em que os dois pólos – transmissor e receptor – apresentam relação de ambivalência. Assim. através da transmissão de um sentido ou significado. 2006 – 7ª edição. de modo irreversível a força expansiva e autocriadora do saber diminui. e quando o primeiro se assenhora e monopoliza o papel de informador.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof.. os meios de comunicação seriam. podendo o transmissor passar a receptor e vice-versa”. isto é. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. “Considera-se cultura de massa o resíduo de todas as mensagens em que há um predomínio da informação sobre a comunicação. microcomputadores. “Quando a bilateralidade da autêntica intercomunicação é atrofiada pela enorme desproporção entre os agentes transmissores e receptores. veiculadas pelos agentes e sedimentadas no pólo receptor que se constitui numa sociedade de massas (. os canais artificiais utilizados para veicular entre seres racionais – transmissores / receptores – essas mesmas linguagens. principal e concretamente. cartazes. televisão. desenhos. convertida em elite.. todos os meios técnicos ou tecnológicos capazes de excitar um receptor. ideologias e . de outro. em seu sentido mais amplo.)”. expressar e comunicar o saber – a diferentes linguagens – mas. de um lado. “Entende-se por meio de comunicação não apenas o emprego de símbolos por parte dos homens para significar. tanto oral quanto visual (sinais de fumaça. etc.  Comunicação e Cultura de Massas “Entende-se por comunicação ou relação comunicativa aquela que tanto supõe quanto produz uma interação bilateral. rádio. todas as linguagens. satélites.) Define-se a cultura de massa justamente pela sedimentação das formas de saber. ficando reduzida sua função a uma relação unilateral entre dois pólos: uma oligarquia informadora. cuja característica é serem mais convencionais do que artificiais e. e uma pluralidade indiferenciada de receptores. transformada em massa”.

nomeação ou designação. aceitação voluntária da participação. depositadas sem contestação na consciência do homemmassa”. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. 2006 – 7ª edição. coerção. indicação. as categorias e os agregados sociais. todos eles possuem determinadas características. interesses e valores sociais. c. para a consecução de objetivos comuns” (1973:140) “Para esse autor. não só na forma de recrutamento. b. finalidade e objetivos. Esses „quase grupos‟ constituem um campo de recrutamento para grupos”. estruturada. contínua. como ser social. as características dos grupos sociais são as seguintes:  . d. “O homem. como também na organização. assim como as classes sociais. que ocorre de diferentes maneiras: a. de pessoas sociais que desempenham papéis recíprocos. eleição. Grupos sociais – grupos primários e grupos secundários “Segundo Morris Ginsberg. f. Isto implica o surgimento contínuo de novos grupos. conscrição. segundo determinadas normas. são „quase grupos‟. motivações. podendo dar origem a grupos plenamente desenvolvidos. Características dos Grupos “Os grupos apresentam diversidade entre si.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. cuja criação e manutenção levantam o problema do recrutamento de membros. que levaram Fichter a definir grupo social como “uma coletividade identificável. contrato. vive em grupos. Porém. e.

Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. duração e estrutura – não são mutuamente exclusivos e podem aparecer conjuntamente. papéis individuais. Quanto à duração: acidentais ou periódicos ou permanentes ou contínuos. permanente ou contínuo e organizado. principalmente porque são fundamentais na formação da natureza social e nos ideais do indivíduo. estrutura social. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. “Esses três fatores – origem. permanência. 2006 – 7ª edição. certa fusão das individualidades num todo comum. porque envolve a espécie de simpatia e identificação mútua para as quais o „nós‟ é a expressão natural” (COOLEY). . psicologicamente. periódica ou acidental e difusa”. Exemplo: a escola constitui um grupo social contratual. a maneira mais simples de descrever essa totalidade consiste em apresenta-la como „nós‟. de modo que o próprio ego individual se identifica. relações recíprocas. Grupos primários e grupos secundários [DEFINIÇÃO] “Entendemos por grupos primários aqueles caracterizados por uma íntima cooperação e associação face a face. Características dos Grupos Quanto à origem: espontâneos ou contratuais. identificação. O resultado dessa associação íntima é. com a vida e o propósito comuns ao grupo. São primários sob vários aspectos. finalidade social. interesses e valores comuns. Quanto à estrutura: difusos ou organizados. Possivelmente. pelo menos para vários fins. a multidão é espontânea. normas comportamentais.

No grupo secundário. a posição dos membros define-se em relação aos papéis que lhes cabem. aldeia ou vizinhança.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. exército. o grupo secundário possui certas características que se apresentam como opostas às do grupo primário. Capítulo 07 Cultura e Sociedade       Conceito de Cultura Relativismo Cultural e Etnocentrismo Subcultura. “Desde o fim do século XIX. São exemplos de grupos secundários: empresa. são passageiras e desprovidas de intimidade. “Por sua vez. ainda não chegaram a um consenso sobre o significado exato do termo”. o tipo de contato é predominantemente secundário e categórico. igreja. grupo de amigos. Apesar da cifra ter ultrapassado 160 definições. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. transmitidos pelos indivíduos e grupos.  . 2006 – 7ª edição. no caso de serem por contato direto. aculturação e endoculturação Opinião Pública. a consciência de „nós‟ é fraca. sendo sua participação limitada à contribuição que prestam”. Público e Massa. São exemplos de grupos primários: família. as relações são ainda formais e impessoais. os antropólogos vem elaborando inúmeros conceitos sobre cultura. em sociedade”. Comunicação e Cultura de Massas Grupos sociais – grupos primários e grupos secundários Conceito de Cultura “Para os antropólogos a cultura tem significado amplo: engloba os modos comuns e aprendidos da vida. As relações geralmente são estabelecidas por contato indireto e.

“G. assim. Todos os povos formulam juízos em relação aos modos de vida diferentes dos seus. receitas. o relativismo cultural não concorda com a idéia de normas e valores absolutos e defende o pressuposto de que as avaliações devem ser sempre relativas à própria cultura onde surgem”. Adquire. diferem umas das outras em relação aos postulados básicos. aculturação e endoculturação “Subcultura pode ser considerada como um meio peculiar de vida de um grupo menor dentro de uma sociedade maior. de modo geral. Embora os padrões da subcultura apresentem algumas divergências em relação à cultura central ou a outras subculturas.) qualquer coisa que seja usada para impor um significado à experiência‟”. constante da totalidade dos instrumentos. Foster (1962) descreve a cultura como „a forma comum e aprendida da vida. “Mais recentemente. crenças. instituições – para governar o comportamento‟.. Para ele „mecanismos de controle‟ consiste (. Toda cultura é considerada como configuração saudável para os indivíduos que as praticam. As culturas. seus próprios sistemas de valores e sua própria integridade cultural.  Subcultura. . mantêm-se coesos entre si”. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. compartilhada pelos membros de uma sociedade. M. Por isso. motivações e sistemas de valores conhecidos pelo grupo‟ (1964:21)”. técnicas.. Clifford Geertz (1973) propõe: ‟a cultura deve ser vista como um conjunto de mecanismos de controle – planos. embora tenham características comuns. por meio do processo de endoculturação. 2006 – 7ª edição.  Relativismo Cultural e Etnocentrismo “A posição cultural relativista tem como fundamento a idéia de que os indivíduos são condicionados a um modo de vida específico e particular. etnocentrismo “significa a supervalorização da própria cultura em detrimento das demais”. Em contrapartida. regras.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. atitudes. instituições.

“É chamado endoculturação „o processo de aprendizagem e educação em uma cultura desde a infância‟”. existe um “encontro” deste. clientes. Com o passar do tempo. fornecedores.) da organização.. freqüentemente. cada organização constitui sua própria cultura que orienta o modo de perceber a realidade. concorrentes. . atitudes. “Aculturação é a fusão de duas culturas diferentes que. cristalizando-a. e as características (objetivos e metas. sentir e agir de seus funcionários entre si e para com os parceiros. regras e objetivos explícitos e claramente definidos. pensar. subjetividade . com seus valores.. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. valores e necessidades . O material a seguir foi elaborado pelo Prof. Paulo Antonini e.. Cultura e identidade organizacionais são muito próximos o que nos ajuda a entender porque. originam mudanças nos padrões culturais de ambos os grupos”. ocorrem grupos informais que podem se transformar em verdadeiras organizações paralelas e cujas características podem diferir e até antagonizar com as da organização formal.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. etc. 2006 – 7ª edição.. entrando em contato continuo. embora originalmente produzido para discussão da ‘Cultura Organizacional’. personalidade. é tão difícil mudar a cultura. permite generalizações para o tema aqui abordado: CULTURA ORGANIZACIONAL CULTURA Quando o indivíduo ingressa em uma organização. Dentro da organização formal com valores. A tendência é a de se transmitir a cultura aos novos integrantes.

valores explícitos. . valores explícitos.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Heróis Valores. tecnologia. E a grande parte submersa. tecnologia. estrutura Rituais. no qual a diminuta parte visível acima da linha d‟água corresponderia aos elementos formais explícitos simbólicos ou tangíveis: normas. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. motivos e afetos não explícitos/inconscientes Podemos comparar a cultura da organização a um iceberg. Elementos e níveis da Cultura Organizacional Elementos formais explícitos simbólicos ou tangíveis: Normas. Na linha divisória poderíamos situar rituais. estrutura. aos valores. motivos e afetos não explícitos/inconscientes. mitos e heróis. 2006 – 7ª edição. Mitos.

o „mal-dito‟ Processos de comunicação formais e informais. também de natureza psicológica" Os principais elementos que compõem a cultura organizacional         Valores: o que importante para se atingir o sucesso Normas e regulamentos Crenças e pressupostos: o que é tido como verdade na organização Rituais e Cerimônias: atividades que tornam a cultura mais tangível e coesa Histórias e mitos: relatos de fatos ou versões compatíveis com os valores da empresa Heróis: personificação dos valores da empresa Tabus: o interdito. pensar e sentir em relação a esses problemas” “Os laços que os indivíduos desenvolvem em suas relações com as organizações são mais do que simplesmente econômicos (.. portanto. como a forma correta de perceber.. Definição de Cultura Organizacional de Edgar SCHEIN “Cultura organizacional é o conjunto de pressupostos básicos que um grupo inventou.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. descobriu ou desenvolveu ao aprender como lidar com os problemas de adaptação externa e integração interna e que funcionaram bem o suficiente para serem considerados válidos e ensinados a novos membros. 2006 – 7ª edição.) são carregados de afeto e. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. .

passando a ser temida ou evitada. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. L A. Mª E. 2006 – 7ª edição. etc.  Conflitos de interesses e pontos-de-vista dos subgrupos na empresa  Percepção da necessidade da mudança  Acreditar na possibilidade da mudança  Identificação dos medos e ansiedades  Percepção de ganhos ou diminuição de perdas com a mudança  Histórico de mudanças bem sucedidas  Adesão e compromisso da alta direção e das lideranças  Fluxo constante de informações fidedignas através de canais de comunicação formalmente constituídos  Tecnologia e recursos disponíveis para proceder às mudanças  Apoio de consultoria externa Referências Bibliográficas: FLEURY. Mª T L. páginas 23 a 27. SHINYASHIKI. G e STEVANATO. 1999. . Cultura Organizacional: Identidade. com destaque para:  Pressões externas – legislação. FREITAS. Alguns fatores e algumas ações podem diminuir as resistências e favorecer as mudanças. concorrência. Sedução e Carisma? RJ: Editora da Fundação Getúlio Vargas. n 1. pode gerar o medo da desidentificação e da desestruturação. Funções desempenhadas pela cultura organizacional      Integração e coesão de pessoas e grupos Referencial para a construção da identidade do grupo/organização Como mecanismo de defesa coletivo de evitação de ansiedades Previsibilidade de atitudes e comportamentos circunscritos aos papéis que as pessoas desempenham Para o controle de pessoas e grupos – dimensão ideológica Mudança cultural Assim podemos compreender porque às vezes a mudança (qualquer mudança). Entre a Antropologia e a Psicanálise: dilemas metodológicos dos estudos sobre cultura organizacional – Revista de Administração de Empresas (ERA) da Fundação Getúlio Vargas/SP. 32.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. clientes. v.

. como os estudos de Caio Prado Jr. a formação do povo brasileiro e a identidade nacional. b. como os estudos de Gilberto Freire. A Sociologia no Brasil Em um artigo publicado na Revista Interamericana de Sociologia. no século XX e início deste século: a. economistas.. a crise e a reação da Sociologia a partir de 1964.. como o “Parceiros do Rio Bonito” de Antonio Candido de Mello e Souza. Alfonso Trujillo Ferrari faz uma análise do desenvolvimento da Sociologia no Brasil (. a dos precursores. como os estudos da historiadora Emília Viotti ou o belíssimo ensaio de José Miguel Wisnik sobre o futebol (Remédio Veneno) ou a erudição de Roberto Schwartz nos estudos sobre Machado de Assis. historiadores. c. com o reconhecimento da profissão em 1980.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. a da afirmação da ciência perante profundas modificações políticoeconômicas . os governos de Getúlio Vargas. o golpe de Estado de 1964. temas específicos como a escravidão e a abolição. b. Alguns dos grandes temas sociológicos abordados em nosso país. etc.) três grandes etapas podem ser identificadas: a. críticos de literatura. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. até mais ou menos 1928. entre 1929 e 1964: crash da Bolsa de Valores de NY e suas repercussões. o desenvolvimento econômico e social do País. em especial nos negócios do café. 2006 – 7ª edição. c. Juscelino Kubitschek e a nova Capital. Florestan Fernandes e Fernando Henrique Cardoso. Euclydes da Cunha (Os Sertões) ou Darcy Ribeiro ou identidades locais. Sérgio Buarque de Holanda. . Temas sociológicos têm sido abordados também por antropólogos.

consulte a bibliografia mais detalhada que compõe o material do curso. c. Paulo Antonini em Julho de 2008 com base no livro Sociologia Geral de Eva Maria LAKATOS e Marina de Andrade MARCONI São Paulo: Editora Atlas. Grandes temas sociológicos da atualidade a. como (alguns) estudos de Michel Foucault. as mudanças nas relações de produção e trabalho e os impactos sobre a cultura e a subjetividade: Richard Sennett. dentre outros. Adorno e Horkheimer. Humberto Maturana. Agnes Heller. Zygmunt Bauman. dentre outros. da inclusão e da exclusão. Francis Fukuyama (com a tese do fim da História) ou Robert Kurz (sobre o colapso da modernização). como. 2006 – 7ª edição. as bases do conhecimento e do conhecimento sociológico – epistemologia: Boaventura de Souza Santos. Christopher Dejours. a questão da identidade e massificação da cultura.Apostila da Disciplina SOCIOLOGIA Elaborada pelo Prof. Para aprofundar estes e outros temas. por exemplo em (algumas) obras de Hannah Arendt. Christopher Lasch. . b. a crise das grandes ideologias e a crise da crise das grandes ideologias. Francisco Varella. d.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->