P. 1
Alimentos e alimentação, Resumo

Alimentos e alimentação, Resumo

|Views: 70|Likes:
Publicado porRenata Tavares

More info:

Published by: Renata Tavares on Aug 09, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/07/2013

pdf

text

original

UNIVERSIDADE JOSÉ DO ROSÁRIO VELLANO MESTRADO CIÊNCIA ANIMAL ALIMENTOS E ALIMENTAÇÃO

Resumo Alimentação de Suínos Avaliando a série histórica dos custos de produção de suínos no Brasil, em media, a alimentação nas granjas estabilizadas e de ciclo completo corresponde a 65% do custo. Em épocas de crise na atividade o valor atinge a cifra de 70 a 75%. O suíno deve receber água potável. Alguns parâmetros são importantes para assegurar a potabilidade e a palatabilidade da água: ausência de materiais flutuantes, óleos e graxas, gosto, odor, coliformes e metais pesados e temperatura inferior a 20° C. Vários sistemas de alimentação são disponíveis para prover dietas liquidas em todas as fases de desenvolvimento dos suínos. . É sugerida uma mistura na proporção de 2:1 de água em relação ao alimento para atingir bons resultados (Liptrap & Hogberg, 1991). A alimentação pastosa é similar à alimentação líquida. No entanto, a água e o alimento são misturados em relações entre 1,1. Para compor uma ração balanceada e necessária a disponibilidade e combinação adequada de ingredientes e incluindo um núcleo. Os alimentos são divididos em: Alimentos essencialmente energéticos, energéticos também fornecedores de proteína, energéticos com médio a alto teor de fibra, fibrosos com baixa concentração de energia e médio teor de proteína, fibrosos com baixa concentração em proteína, protéicos com alto teor de energia, protéicos com alto teor de minerais e exclusivamente fornecedores de minerais. Esse trabalho tem como objetivo citar os tipos de alimentação e alimentos usados na nutrição de suínos. A nutrição de suínos exige usar formulas especificas para cada fase da criação (pré-inicial, inicial, crescimento, terminação, gestação e lactação) elaborada por técnicos especializados. O arraçoamento em uma granja de ciclo completo tem o consumo total de rações por fase produtiva dos suínos durante um ano corresponde a 11% na gestação, 6% na lactação, 13% pelos leitões na creche, e 70% pelos suínos no crescimento e terminação. Quando avaliado sob o ponto de vista da quantidade de nutrientes fornecidos aos suínos, em um determinado intervalo de tempo, existem essencialmente três sistemas de alimentação: a vontade, controlada por tempo e com restrição. Alguns dos alimentos fornecidos na alimentação de suínos é a aveia, Conforme dados do NRC (1998) a aveia é rica em carboidratos, boa fonte de vitaminas E, e contém ainda vitaminas A e C, porém em deficiência em minerais, principalmente Cálcio e alto teor de fibra. Também a cevada, no caso seu bagaço é utilizado na nutrição de suínos, Gomes et al (2004) e Abreu et al (20040, o bagaço de cevada é um produto que apresenta um alto teor de umidade (75%), rico em PB (23%), energia, vitaminas e minerais, com teor de Fibra bruta (20%). Já o uso de farelo de arroz na dieta de suínos passou a ser uma alternativa em regiões onde há grande produção de arroz, pois seu preço, geralmente, é inferior ao do milho e ao do farelo de soja. A participação da mandioca na alimentação animal ainda é restrita, apesar das raízes substituírem total ou parcialmente o milho, e as ramas fornecerem elevados teores de proteína, vitamina C, caroteno e minerais como ferro, zinco e cobre (Carvalho et al., 1983; Sampaio et al., 1994), em relação a toxidade quando as raízes são arrancadas ou são submetidas a qualquer processamento para o consumo ou sua parte aérea é picada e desidratada, o ácido cianídrico é naturalmente eliminado (Costa

A proteína deste farelo é de melhor qualidade que a do milho e o farelo apresenta altos teores de potássio e fósforo. por apresentar elevado nível energético.44%. cereal que combina a qualidade protéica e energética do trigo com a rusticidade do centeio. Em relação ao milho ele tem sido o cereal mais usado na formulação de rações. O triticale.et al.. as necessidades básicas dos animais são supridas sem causar nenhuma deficiência.. terminação. 46% e 48%). o óleo de soja. 1989). 2004). rico em amido (aproximadamente 72%). a substituição de milho por triticale nas dietas para suínos em crescimento piora linearmente a conversão alimentar (Myer et al. O farelo de trigo é um ingrediente muito utilizado na alimentação suína é basicamente composto pelo tegumento que envolve o grão. 1999). gestação. também para que ocorram partos normais e produção de leite para o desenvolvimento de leitões. pois é mais resistente ao estresse hídrico e menos exigente em fertilidade do solo que o milho (Lopes. Chego à conclusão que através do manejo da alimentação. O sorgo é o segundo cereal em importância para a alimentação de suínos no Brasil. Fazem parte da alimentação animal também: a soja in natura. a lecitina de soja e o farelo de soja (com variados teores de proteína . 1979). pobre em fibras (< 2%) e de alta palatabilidade. a casca de soja. O seu cultivo é interessante. no Brasil. assegurando assim uma boa manutenção das fases de crescimento.. ______________________________ Renata Mendes Tavares Mestranda em Ciência Animal UNIFENAS . mas não afeta o consumo de ração e o ganho de peso (Furlan et al.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->