1

Capítulo 01
Introdução
1.1) O que aprender neste capítulo? 1.2) Histórico das Atividades Humanas 1.3) Histórico da SST 1.4) Segurança do Trabalho Tradicional 1.5) Princípios Modernos de SST 1.6) Princípios de SST: Tradicional x Moderno 1.7) Resumindo: 1.8) Para Saber Mais... 1.9) Exercícios de Fixação 1.10) Filme 1.11) Estudo de Caso

1.1) O que aprender neste capítulo? Entender a relação entre Segurança e as atividades humanas; Acompanhar a evolução da SST ao longo da história; Diferenciar SST Tradicional e Moderna; Conhecer a abordagem moderna de SST.

1.2) Histórico das Atividades Humanas

Homem Primitivo (Idade da Pedra)

Caça, Pesca e Guerra

Acidentes devido a práticas inseguras no manejo das armas

Lanças, Machados, Facas

2 Artífice (Idade Média)

Mineração, Metalurgia, Artesanato Quedas, queimaduras, afogamentos, lesões devidas a animais

Fogo, Ferramentas, Tração animal

Revolução Industrial (Idade Moderna)

Manufatura

Máquinas, engrenagens, gases, poeiras, produtos químicos, ruído, calor

Máquinas a vapor, energia hidráulica, eletricidade

3 Assim, pudemos perceber que: Para cada época distinta da história, o homem utilizou instrumentos e equipamentos diferentes para exercer atividades diferentes, e se expôs a riscos diferentes inerentes às mesmas. 1.3) Histórico de SST

1.000.000 a.c.

Idade da Pedra

Australopitecus usavam pedras como arma e ferramentas, ocasionando cortes e lesões oculares; os caçadores de bisão contraíam antrax Inicia-se a produção de alimentos e a história das ocupações

10.000 a.c. Idade da Pedra 5.000 a.c. 2360 a.c.

Idade do Bronze e Os artesãos de metais são liberados da produção de alimentos, e surge a do Cobre metalurgia Egito Antigo Papiro Seller II primeira referência escrita relacionada ao ambiente de trabalho e aos riscos a ele inerentes

460 a.c. 50 d.c. 1556

Considerado o pai da Medicina, Hipócrates fala sobre acidentes e doenças do Hipócrates (Grécia trabalho, identificando o envenenamento por chumbo de mineiros e Antiga) metalúrgicos Plínio, o velho Identifica o uso de bexiga de animais para evitar a inalação de poeiras e fumos

Publicação do livro De Re Metallica , com estudos sobre problemas George Bauer ou relacionados à extração de minerais e fundição; discussão sobre acidentes de Georgius Agrícola trabalho e doenças comuns aos mineiros Escreve Dos Ofícios e Doenças da Montanha , primeira monografia sobre as Paracelso relações entre trabalho e doenças; referências à silicose e intoxicações por chumbo e mercúrio nos mineiros e fundidores Pai da Medicina Ocupacional, Ramazzini publica De Morbis Artificum Bernardino Diatriba (Doença dos Artífices), sobre uma série de doenças relacionadas a 50 Ramazzini (Itália) diferentes profissões e introduz a prática da anamnese ocupacional Percival Lott (Inglaterra) Robert Peel (Inglaterra) Descreve o câncer ocupacional entre os limpadores de chaminé, devido à fuligem e à falta de higiene Criação de uma CPI para a aprovação da Lei de Saúde e Moral dos Aprendizes, a primeira lei de proteção aos trabalhadores Várias leis complementares, pouco eficientes devido a pressões por parte dos empregadores Contratado por um industrial, Baker aconselhou-o a contratar um médico para visitar o local diariamente e estudar a influência do trabalho sobre a saúde dos operários surgia o primeiro serviço médico industrial do mundo

1567

1700

1775 1802

1800 - 1830 Inglaterra Robert Baker (Inglaterra)

1830

4 1830 Charles Thackrah Autor do primeiro livro sobre doenças ocupacionais na Inglaterra; a obra inspira (Inglaterra) a criação da legislação ocupacional inglesa Michael Saddler (Inglaterra) Inglaterra Relatório de uma CPI sobre as péssimas condições do ambiente de trabalho na Inglaterra Sob o impacto do relatório da CPI, foi baixado o Factory Act (Lei das Fábricas), a primeira legislação realmente eficiente no campo de proteção ao trabalhador Aprovação da Lei Operária, primeira legislação trabalhista de proteção ao trabalhador fora da Inglaterra Contratação de um médico responsável desde os exames admissional e periódico até a orientação e prevenção de doenças ocupacionais ou não Estabelecimento de uma série de medidas legislativas em prol da saúde e segurança do trabalhador Surgimento dos primeiros serviços médicos de empresa industrial, a partir do aparecimento da legislação sobre indenização em caso de acidentes de trabalho, com o objetivo de redução dos custos com indenizações Primeira conferência nacional sobre doenças ocupacionais no país Estabelecimento dos objetivos da saúde ocupacional de forma ampla Elaboração da Recomendação 97 da OIT, que propôs dois métodos básicos para a proteção da saúde dos trabalhadores: acompanhamento médico e as medidas técnicas para prevenir, reduzir ou eliminar riscos no ambiente de trabalho

1831

1833

1833 1842

Alemanha James Smith (Escócia)

2ª metade do Europa século XIX Início do século XX 1911 1950

EUA EUA Comissão conjunta OIT/OMS Conferência Internacional do Trabalho

1953

Council of Industrial Health Origem dos princípios básicos para orientação do funcionamento dos serviços da American 1954 médicos industriais Medical Association (EUA) Conferência Estabelecimento da Recomendação 112 da OIT sobre a atuação de forma 1959 Internacional do preventiva dos serviços de saúde ocupacional trabalho American Medical 1960 Revisão dos princípios básicos Association (EUA) Criação de serviços médicos por iniciativa dos empregadores, com atuação 1930/1970 América Latina eminentemente curativa e assistencial 1972 Brasil Criação da Portaria 3237/72, tornando obrigatória a existência dos serviços médicos, de higiene e segurança nas empresas com mais de 100 trabalhadores

5 1.4) A Segurança do Trabalho Tradicional

Trevor Kletz (1984?) Implantação de uma fábrica e esperar para ver o que acontecia; Atitude meramente corretiva; Iida (1991) Análise de acidentes por meio de freqüência de ocorrência; Relatório sumário, com poucas informações quanto às condições de trabalho no local do acidente; Francesco De Cicco & Mário Fantazzini (1993) Caráter meramente estatístico; Baseado em acidentes já ocorridos;

1.5) Princípios Modernos de SST

1.5.1) Estudos de H. W. Heinrich (EUA, Anos 30) Heinrich trabalhava com seguros; em 1926, analisou acidentes de trabalho liquidados por sua companhia, na tentativa de obter dados sobre os gastos adicionais das empresas nas quais os acidentes haviam ocorrido; Heinrich considerou: Custo Direto (CD): gastos da seguradora com a liquidação dos acidentes Custo Indireto (CI): perdas sofridas pelas empresas em termos de danos materiais e interferências na produção Propôs ainda, baseado em suas observações, a proporção CI/CD = 4:1 Heinrich introduziu o conceito de acidentes sem lesão, que são acidentes com danos somente à propriedade, e um novo conceito de acidente, no qual considera-se acidente todo evento não planejado, não controlado e não desejado que interrompe uma atividade ou função Posteriormente, Robert P. Blake analisou os estudos de Heinrich, e juntamente com este formulou alguns princípios e sugestões, dentre elas a de que as empresas deveriam promover medidas tão ou mais importantes que aquelas que visassem apenas a proteção social de seus empregados, mas efetivamente deveriam partir para evitar a ocorrência de acidentes.

6 Pirâmide de Heinrich (1931)

1 29

Acidentes com lesão incapacitante

Já estavam sendo considerados Acidentes com lesões menores

Acidentes sem lesão

300

Não eram considerados em nenhum aspecto, nem financeiro ou no que tange aos riscos potenciais caso algum fator contribuintes os transformasse em acidentes

Com a obra Industrial Accident Prevention , Heinrich aponta que os acidentes de trabalho ocorre devido a 03 causas básicas: Personalidade do trabalhador Prática de atos inseguros por parte do trabalhador Existência de condições inseguras nos ambiente de trabalho 1.5.2) Estudos de R.H. Simonds (EUA, 1947) R. H. Simonds propôs um método para cálculo do custo de acidentes, que enfatizava a necessidade de se realizar estudos pilotos sobre os custos associados a quatro tipos de acidente: lesões incapacitantes, casos de assistência médica, casos de primeiros socorros e acidentes sem lesões. Além disso, propôs a substituição dos termos custo direto e custo indireto por custo segurado e custo nãosegurado, termos estes muito utilizados em Gerenciamento de Risco atualmente.

1.5.3) Estudos de Frank E. Bird Jr. (EUA, Anos 50 e 60) Bird iniciou na Luckens Steel, metalúrgica da Filadélfia, um programa de Controle de Danos, que tinha como objetivo principal a redução das perdas oriundas de danos materiais, sem no entanto se descuidar dos acidentes com danos pessoais; Neste estudo, Bird analisou 90.000 acidentes ocorridos na empresa durante 7 anos com os cerca de 5.000 empregados desta.

7 Pirâmide de Bird (1966)

1

Acidentes com lesão incapacitante Já estavam sendo considerados

100

Acidentes sem lesões

500

Acidentes com danos à propriedade

Bird introduziu este conceito, pois anteriormente somente eram considerados acidentes os acontecimentos que resultassem em lesões pessoais

O grande mérito deste trabalho foi ter apresentado dados baseados em projeções estatísticas e financeiras; Além disso, Bird calculou uma proporção de 6:1 entre custo não-segurado e custo segurado para a Luckens Steel demonstrando que cada empresa deve fazer inferências sobre os resultados dos próprios dados levantados; Segundo Bird, a forma de se fazer segurança é através do combate a qualquer tipo de acidente, e que a redução das perdas materiais liberará novos recursos para a segurança; Para ele (1978), os mesmos princípios efetivos de administração podem ser usados para eliminar ou controlar muitos, senão todos, os incidentes comprometedores que afetam a produção e a qualidade ; Bird estabeleceu ainda que, prevenindo e controlando os incidentes através do controle de perdas, pessoas, equipamentos, material e ambiente estão protegidos com segurança; Os quatro aspectos principais em que se baseavam os programas de controle de danos são: Informações sobre o processo; Investigação do processo; Análise do processo; Revisão do processo.

1.5.4) Estudos da Insurance Company of North America

ICNA (EUA, 1969)

Após os estudos anteriores, Frank Bird foi nomeado diretor de segurança de serviços de engenharia da ICNA;

8 Nesta condição, Bird conduziu um outro estudo, que analisou 297 empresas que empregavam cerca de 1,75 milhões de empregados, obtendo 1.753.498 relatos uma amostra significativamente maior, que possibilitou uma relação mais precisa que os estudos anteriores de Heinrich e do próprio Bird.

Pirâmide da ICNA (1969)

1 10 30

Acidentes com lesões graves Acidentes com lesões leves Acidentes com danos à propriedade Já estavam sendo consideradas

600

Quase acidentes

Conceito introduzido pela ICNA, os quase acidentes nos revelam potenciais enormes de acidentes, ou seja, situações com risco potencial de

Os quase acidentes demonstram que, se o acidente quase ocorreu , também a perda ou dano quase ocorreu , e poderia ser tanto material quanto pessoal

1.5.5) Estudos de John A. Fletcher e Hugh M. Douglas (EUA, 1970) Fletcher e Douglas propuseram que o Controle de Danos de Frank Bird se estendessem para um Controle Total de Perdas (Total Loss Control); Este trabalho, baseado nos estudos de Frank Bird, abrangeu também acidentes com máquinas, materiais, instalações e meio ambiente, considerando também ações de prevenção de lesões; Os programas de Controle Total de Perdas, com o objetivo de reduzir ou eliminar todos os acidentes que pudessem interferir ou paralisar o processo produtivo, abordam todo e qualquer tipo de evento que interfira negativamente no mesmo, prejudicando a utilização plena de pessoal, máquinas, materiais e instalações; Fletcher e Douglas observaram que os acidentes que resultam em danos às instalações, materiais e equipamentos têm as mesmas causas básicas dos que resultam em lesões; Engloba ainda: perdas provocadas por acidentes em relação a explosões, incêndios, roubo, sabotagem, poluição industrial, doença, defeito do produto, etc.

1.5.5) Estudos de Willie Hammer (EUA, 1972)

9 Aliado às práticas administrativas propostas por Bird e depois por Fletcher e Douglas, Hammer institui uma nova mentalidade sob um ponto de vista da Engenharia, no qual existiam problemas técnicos que exigiam soluções técnicas; Na visão de Hammer, as abordagens de Bird e Fletcher eram programas administrativos de controle de risco, sendo, pois, insuficientes. Hammer, especialista em Engenharia de Sistemas que já havia trabalhado com projetos na USAF e na Nasa, aplicou conceitos da área aeroespacial adaptados à indústria; Este enfoque sistêmico permitiu uma compreensão melhor dos erros humanos, muitos deles provocados por erros em projeto e/ou materiais deficientes que, devido a isto, deveriam ser debitados na organização (bens e serviços que farão uso deste produto), e não aos usuários do mesmo (trabalhadores).

1.6) Princípios de SST:

Tradicional x Modernos

Segurança e Prevenção de Acidentes Tradicional Segurança vista como sinônimo de prevenção de lesões pessoais Ações voltadas somente para a prevenção de acidentes fatais ou com lesões incapacitantes; Acidentes que não envolviam pessoas não tinham valor nenhum Moderna Segurança voltada para prevenção de perdas e danos

Ações voltadas não só para acidentes com pessoas, mas também com equipamentos, máquinas, instalações, meio ambiente, etc., ou seja, tudo o que interfira no processo produtivo

Definição dos Acidentes Tradicional Má definição dos acidentes Acidentes considerados como fatos inesperados, com causas fortuitas e/ou desconhecidas Moderna Acidentes bem definidos

Acidentes considerados como fatos indesejáveis, com a maior partes das causas sendo conhecidas e controláveis

Programas de SST Tradicional Abordagem Corretiva Enfoque corretivo Espera pela ocorrência do acidentes para depois atacar as conseqüências ou evitar acidentes semelhantes Moderna Abordagem Preventiva

Enfoque preventivo Conceitos de ato e condição insegura Maior preocupação com os acidentes pessoais e perdas a eles associados

10 Atividades de Segurança Tradicional Responsabilidade centralizada Executantes com pouca informação e poder de ação preventiva Impossibilidade de prevenção dos riscos inerentes aos processos produtivos Falta de compromisso por parte dos executantes Moderna Responsabilidade compartilhada

Integração da organização Aumento da eficácia das medidas corretivas e preventivas Maior conhecimento dos trabalhadores sobre os riscos aos quais estão expostos, bem como sobre sua redução ou eliminação

1.7) Resumindo: A SST está intimamente ligada ao tipo de atividade exercidas pelo homem ao longo da história, desde os primórdios da humanidade até os dias de hoje; Após a Revolução Industrial, a necessidade por medidas mais bem elaboradas ficou evidente observada até nos dias de hoje; tendência

A legislação foi sendo adaptada a medida que a percepção e a conseqüência sobre acidentes, perdas e danos foi evoluindo; O mesmo acontece com a abordagem feita pela SST.

Segurança vista como sinônimo de prevenção de lesões pessoais apenas

Atividades de SST reservadas somente para profissionais da área

Utilização somente de ações corretivas e não de ações preventivas

Acidente era considerado como fato de origem fortuita e/ou inesperada

11
Heinrich (1931) Acidentes s/ lesão Pirâmide de Heinrich Proporção CI/CD 4:1 ICNA (1969) Quase acidente Dados estatísticos sobre acidentes pessoais e materiais Pirâmide da ICNA Fletcher&Douglas (1970) Programa de Controle Total de Perdas Implicações em máquinas, equipamentos, instalações, meio ambiente, etc.

1930

1940

1950

1960 Bird (1966) Programa de Controle de Danos Dados estatísticos e financeiros Pirâmide de Bird

1970

1980

Hammer (1972) Eng. de Segurança de Sistemas Erros de projeto e/ou em especificação dos materiais

1.8) Para Saber Mais...

ALBERTON, Anete. Uma metodologia para auxiliar no gerenciamento de riscos e na seleção de alternativas de investimentos em segurança. Dissertação do Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção e Sistema, UFSC, 1997. SOUZA, Evandro Abreu. O treinamento industrial e a gerência de riscos: Uma proposta de instrução programada. Dissertação do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção e Sistema, UFSC, setembro, 1995.

12

Capítulo 02
Conceitos de Gerência de Riscos
Índice 2.1) O que aprender neste capítulo? 2.2) Revisão de conceitos de Segurança 2.3) Conceitos Básicos de SST 2.4) As Leis de Murphy 2.5) Função Empresarial de Segurança 2.6) Gerência de Riscos 2.7) Resumindo: 2.8) Filme: Os Simpsons + Acidentes Acontecem 2.9) Para Saber Mais... 2.10) Exercícios de Fixação

2.1) O que aprender neste capítulo?

Conhecer conceitos básicos utilizados em Gerência de Riscos; Revisar o conceito de acidente do trabalho; Revisar quais são as causas dos acidentes de trabalho; Conhecer os conceitos de Perigo e Risco, e saber diferenciá-los; Revisar alguns conceitos de segurança.

2.2) Segurança

Revisão de Conceitos

Segurança: é a garantia de um estado de bem-estar físico e mental, traduzindo por saúde, paz e harmonia; Segurança do Trabalho: é a garantia de um estado de bem-estar físico e mental do empregado, no trabalho para a empresa e se possível, fora do ambiente dela (viagem de trabalho, lar, lazer, etc.). A Segurança do Trabalho é a parte do planejamento, organização, controle e execução do trabalho, que objetiva reduzir permanentemente as probabilidades de ocorrência de acidentes (parte de administração com objetivo de reduzir permanentemente os riscos).

Linha de atuação para atingir a segurança Administração correta Com pessoas capazes Com planejamento, organização e métodos eficazes Com supervisão atuante

13 Que acredita em segurança Que apóie a segurança Conscientização dos empregados e empregadores quanto à segurança Linha de atuação para atingir a segurança Atuação na área de riscos Identificação Eliminação Controle Proteção do trabalhador Atendimento aos acidentados Primeiros socorros Médico-hospitalar Psicológico Social

2.3) Conceitos Básicos de SST

"Acidentes ocorrem desde os tempos imemoriais, e as pessoas têm se preocupado igualmente com sua prevenção há tanto tempo. Lamentavelmente, apesar do assunto ser discutido com freqüência, a terminologia relacionada ainda carece de clareza e precisão. Do ponto de vista técnico, isto é particularmente frustrante, pois gera desvios e vícios de comunicação e compreensão, que podem aumentar as dificuldades para a resolução de problemas. Qualquer discussão sobre riscos deve ser precedida de uma explicação da terminologia, seu sentido preciso e inter-relacionamento." Willie Hammer

2.3.1) Conceito de Acidente Acidente é toda ocorrência não programada que pode produzir danos. É um acontecimento que não prevemos, ou se prevemos, não sabemos precisar quando acontecer. Um acidente pode acontecer: Em milésimos de segundo, e Em milímetros de espaço. 2.3.2) Tipos de Acidente Acidente Pessoal: ocorrências com pessoas Ex.: Queda de pessoa Acidente Material: ocorrências com materiais

14 Ex.: Queda de um aparelho de medição Acidente Administrativo: ocorrência com a empresa (PJ) Ex.: Falência não programada de uma empresa

2.3.3) Conceito de Acidente de Trabalho Temos vários conceitos de trabalho: Conceito Legal Conceito Prevencionista Outros conceitos Conceito Legal Acidente é aquele que ocorrer pelo exercício do trabalho a serviço da empresa, provocando lesão corporal ou perturbação funcional que cause morte, perda ou redução permanente ou temporária da capacidade laboral para o trabalho. Lei 8213, 24.07.1991

Conceito Prevencionista Acidente é uma ocorrência não programada, inesperada ou não, que interrompe ou interfere no processo normal de uma atividade, ocasionando perda de tempo útil, lesões nos trabalhadores ou danos materiais. Outros Conceitos de Acidente do Trabalho É a ocorrência, uma perturbação no sistema de trabalho que, ocasionando danos pessoais ou materiais, impede o alcance do objetivo do trabalho. Qualquer evento não programado que interfere negativamente na atividade produtiva e que tem cobertura da seguradora.

2.3.4) Conceito de Danos É a conseqüência negativa do acidentes, ou seja, é o produto ou resultado negativo do acidente (prejuízo). Dano é a gravidade da perda, seja ela humana, material, ambiental ou financeira, que pode ocorrer caso não se tenha controle sobre um risco. A probabilidade e a exposição podem manter-se inalterados, e mesmo assim, existir diferença na gravidade do dano.

Os danos podem ser: Pessoais lesões, ferimentos, perturbação mental

15 Materiais danos em aparelhos, equipamentos Administrativo prejuízo monetário, desemprego em massa 2.3.5) Conceito de Perda Perda é o prejuízo sofrido por uma organização, sem garantia de ressarcimento através de seguros ou outros meios.

2.3.6) Conceito de Sinistro Sinistro é o prejuízo sofrido por uma organização, com garantia de ressarcimento através de seguros ou outros meios. 2.3.7) Conceito de Risco abordagem tradicional

Risco é tudo o que pode causar acidentes, ou seja, tudo com potencialidade ou probabilidade de causar acidentes. De um modo geral, os riscos são visíveis nas tarefas, podendo ser eliminados ou controlados. Por vezes, o risco está oculto no processo que envolve a realização das tarefas.

Como podemos descobrir um risco? Preventivamente: conhecimento, estudos, pesquisas, testes; Corretivamente: após algum acidente. Tipos de risco: Pessoal: o homem em si; Material: condição insegura risco no ambiente, máquinas, equipamentos, ferramentas, etc.; Administrativa: gerência, supervisão ou outros representantes; é o risco mais crítico da empresa. Mais adiante, discutiremos novamente o conceito de risco.

2.3.8) Conceito de Causa (de acidente) Causa é aquilo que provocou o acidente, sendo responsável por sua ocorrência, permitindo que o risco se transformasse em danos. A causa só passa a existir após a ocorrência do acidente.

Antes do acidente: Risco Tipos de Causas de Acidentes

Depois do acidente: Causas

Baseado na definição proposta por Heinrich (1931), temos 3 tipos de causas:

16 Ato Inseguro Comportamento conscientes ou não, emitidos pelo trabalhador ou empresa que podem levar ao acidente. Os atos inseguros são praticados por trabalhadores que desrespeitam regras de segurança, ou não as conhece devidamente, ou ainda que têm um comportamento contrário à prevenção. Podem ser cometidos tanto por pessoa física quanto jurídica. Os atos inseguros são cometidos por imprudência, imperícia ou negligência; Imprudência Imperícia Negligência Exemplos de Ato Inseguro: Dirigir em velocidade acima do permitido ou recomendado; Não uso de EPI em área ou tarefa onde tal uso é mandatório; Ordem da chefia para trabalhar em rede desenergizada sem testar a ausência de tensão e sem aterrar o trecho desligado; Dirigir sem habilitação; lançamento de ponta de cigarro acesa; Viajar sem antes conferir as condições de conservação e segurança do veículo. Condição Insegura Deficiências, defeitos ou irregularidades técnicas no ambiente de trabalho que constituem ou favorecem o aparecimento de riscos para a integridade física do trabalhador, para sua saúde e para os bens materiais da empresa Exemplos: ambiente mal iluminado; escritório com fios espalhados pelo chão; compressor ruidoso sem isolamento acústico; manuseio de reagentes químicos que desprendem gases, sem exaustão; recolhimento de lixo hospitalar; arranjo físico inadequado. Fator Pessoal de Insegurança Problema pessoal do indivíduo que pode vir a provocar acidentes Problemas de saúde Problemas familiares Dívidas Alcoolismo Uso de Substâncias Tóxicas 2.3.9) Perigo e Risco Nesta definição, usaremos os conceitos de Perigo (Hazard) e Risco (Risk) como estão definidos na BSI OHSAS 18001 e na BS 8800, normas internacionais que tratam de Saúde e Segurança do Trabalho Estes conceitos serão doravante utilizados neste curso de Gerência de Riscos. 2.3.10) Conceito de Perigo (Hazard)

17 Uma ou mais condições de uma variável com potencial necessário para causar danos tais como: lesões pessoais, danos a equipamentos e instalações, meio ambiente, perda de material em processos ou redução da capacidade produtiva.

2.3.11) Conceito de Risco (Risk) Probabilidade de possíveis danos dentro de um período específico de tempo, podendo ser indicado pela probabilidade de um acidente multiplicada pelo impacto deste em valores monetários. 2.3.12) Perigo x Risco Perigo e Risco costumam ser aplicados como sinônimos em diversos casos até mesmo em leis e normas

Uma terminologia é algo para ser seguido, e as pessoas devem ser rigorosas no seu uso. Isso é particularmente requerido dos especialista isto é, NÓS! Desta forma, observemos que: Identificamos PERIGOS; Avaliamos RISCOS. Se falamos em PERIGOS, denotamos que apenas identificamos condições com potencial para causar danos. Se alguém se manifesta em termos de RISCO, indica que, de alguma forma, já foram avaliadas conseqüências e probabilidade de ocorrência do evento gerador de danos.

2.3.13) Perigo x Risco

Teoria dos Portadores de Perigo

Sob um enfoque mais filosófico, perigo é uma energia danificadora que quando ativada pode provocar danos corporais e/ou materiais, podendo estar associada tanto a pessoas quanto a objetos; Pessoas e objetos podem ser portadoras de perigos em determinadas circunstâncias; se tais perigos forem ativados repetidamente, tal perturbação caracteriza o acidente, que impede o alcance do objetivo; Quando não interseção entre as áreas, não há riscos.

Área de perigos OBJETOS

Área de perigos PESSOAS

O risco é gerado quando há uma interseção entre as áreas perigosas de pessoas e objetos.

18

Área de Risco

OBJETOS

RISCO

PESSOAS

Exemplo 01: Perigos: Motorista embriagado Carro estacionado, desligado Risco de acidente: não há

Exemplo 02: Perigos: Motorista embriagado Carro em alta velocidade Risco de acidente: Alto

2.3.14) Nível de exposição (Danger) Relativa exposição a um risco que favorece a materialização do risco como causa de um acidente e dos danos resultantes deste. O nível de severidade varia de acordo com as medidas de controle adotadas, ou seja:

Nível de Exposição =

Risco Medidas de Controle adotadas

2.3.15) Conceito de Desvio Desvio é qualquer ação ou condição que tem potencial para conduzir, direta ou indiretamente, a danos a pessoas, ao patrimônio ou causar impacto ambiental, que se encontre desconforme com as normas de

19 trabalho, procedimentos, requisitos legais ou normativos, requisitos do sistema de gestão, ou boas práticas. O conceito de desvio é similar ao de perigo, mas com uma diferença sutil: um desvio está associado a uma não conformidade com requisitos pré-definidos, ou seja, é algo desconforme com o adequado. O conceito de desvio é muito importante, pois inclui qualquer não-conformidade física (instalações) ou comportamental (operacional). Todo desvio é um perigo, mas alguns perigos, no entanto, não são desvios: perigos naturais, ou aqueles oriundos de mudanças e processos inovadores, que (ainda) não estejam desconformes a normas e/ou requisitos.

2.3.16) Perigo x Desvio Desvios são usualmente evidenciados por inspeções in loco , sendo um importante conceito nas chamadas auditorias comportamentais . Perigos podem ser identificados tanto in loco quanto por análise a priori (técnicas de análises de risco), que será vista nos próximos capítulos. Quando ocorre um acidente, perigos ou desvios se tornam as causas do mesmo, que se encadeiam desde a origem das seqüências até o acidente em si e seus efeitos (danos ou perdas).

2.3.17) Conceito de Incidente Incidente é qualquer evento ou fato negativo com potencialidade para provocar dano, mas por algum fator não satisfeito, não ocorre o esperado acidente. O incidente não manifesta danos significativos (também chamados visíveis ou macroscópicos). O conceito de incidente surgiu nos anos 60, na aviação, e foi transportado na mesma época, para a indústria. Este fato foi chamado em sua origem de incidente crítico , pois os acidentes aeronáuticos sempre representam altos danos, tanto pessoais quanto materiais. O termo atual de uso geral na indústria é incidente ou quase-acidente, o que explica rapidamente o conceito. O que torna o incidente um instrumento poderoso na prevenção é que esses fatos evidenciam os perigos e desvios, sem no entanto ocorrer lesões nem danos macroscópicos. Se algo tem a menor possibilidade de dar errado, dará. Qualquer operação pode ser feita de forma errada, não interessa o quanto essa possibilidade é remota, ela algum dia vai ser feita desse modo Não importa o quanto é difícil danificar um equipamento, alguém sempre vai achar uma maneira de fazê-lo.

20 Se algo pode falhar, essa falha deve ser esperada para ocorrer no momento mais inoportuno e com o máximo dano. Mesmo na execução da mais perigosa e complicada operação, as instruções poderão ser ignoradas. (Murphy era um otimista...)

2.5.1) Conceituação Evitar acidente Para: Manter continuidade operacional Preservar a integridade física e mental do trabalhador Garantir a salubridade e segurança do público Levando a: Maior racionalização do trabalho Aumento da produtividade Diminuição dos custos

2.5.2) Distribuição de responsabilidades

Áreas Técnicas Obter Profissionais de Segurança

Padrões de Segurança Medir desvios

Manter

2.5.3) Pirâmide de Maslow

21

Necessidades de auto-realização Necessidades de (auto) estima
Necessidades secundárias

Necessidades sociais Necessidades de segurança
Necessidades primárias

Necessidades fisiológicas

Necessidades Fisiológicas Preocupações com o bem estar; Necessidades básicas: fome, sede, sono, respirar; Preocupação não com o trabalho em si, mas com a satisfação da necessidade.

Necessidades de Segurança Preocupações com a segurança atual e futura; Necessidades de seguro saúde, planos de aposentadoria, boas condições físicas do ambiente de trabalho; Ênfase também na necessidade, não no trabalho em si.

Necessidades Sociais Preocupação em relacionamentos sociais, em aliar-se e ser recebido como membro do grupo; Valorização de trabalhos que ofereçam oportunidade de descobrir e estabelecer relacionamentos interpessoais

Necessidades de Estima Ênfase em reconhecimento de oportunidades que permitam demonstrar sua competência; Dependência essencial do próprio trabalho produzido como fonte motivacional

Necessidades de auto-realização

22 Preocupações em testar seu próprio potencial através de oportunidades desafiantes; Necessidade de grande dose de autonomia na função, liberdade de expressão e oportunidade de realizar experiências.

2.6) Gerência de Riscos Conjunto de procedimentos que visa proteger a empresa das conseqüências de eventos aleatórios que possam reduzir sua rentabilidade, sob forma de danos físicos, financeiros ou responsabilidades para com terceiros. A finalidade da Gerência de Riscos é prevenir todos os fatos negativos que distorcem um processo de trabalho, impedindo que se cumpra o programado, podendo provocar danos e/ou perdas às pessoas, materiais, instalações, equipamentos e meio ambiente. A Gerência de Riscos consiste em: Identificação de Perigos; Análise de Riscos; Avaliação de Riscos; Tratamento de Riscos.

Gerência de Riscos
Análise de Riscos
Prevenção e Controle de Perdas Avaliar e acompanhar todos os projetos da empresa, detalhando as providências que devem ser tomadas do ponto de vista da eliminação e controle, bem como da aprovação dos equipamentos de segurança (EPI e EPC). Inspecionar regularmente os locais de trabalho onde se verifica o cumprimento das normas de segurança

Seguros
Administrar todos os contratos feitos para complementar as medidas de prevenção

Levantar as possibilidades de ocorrência de falhas e problemas em todas as áreas

Processo de Decisão

Determinação da grandeza do risco; Avaliação do risco; Desenvolvimento de alternativas para tratamento do risco; Seleção da melhor alternativa; Aplicação de medida de controle.

Responsabilidades da Gerência de Riscos

23 Identificação dos riscos; Classificação dos riscos; Avaliação dos riscos; Geração, atualização e registro de dados estatísticos e relatórios; Estabelecimento de uma política de riscos; Cooperação e busca da cooperação de todos os departamentos da empresa. Perigo e Risco

Perigo

Perigo

Risco

Acidente

Danos

Perigo e Desvio
Perigo Perigo Desvio Acidente Danos

Procedimentos Regulamentos Pré-requisitos

Causas de Acidente

Causa raiz Causa Causa raiz

Acidente

Danos

24 Incidente e Acidente

Perigo Perigo Desvio Acidente Danos

Incidente

ALBERTON, Anete. Uma metodologia para auxiliar no gerenciamento de riscos e na seleção de alternativas de investimentos em segurança. Dissertação do Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção e Sistema, UFSC, 1997. FANTAZZINI, Mário. Revista Proteção Série Prevenção de Riscos.

25

Capítulo 03
Noções Básicas de Seguros
Índice 3.1) O que aprender neste capítulo? 3.2) Riscos Conceitos e Amplitude 3.3) Riscos Empresariais 3.4) Grandes Acidentes 3.5) Tratamento de Riscos 3.6) História do Seguro 3.7) Teoria Geral do Seguro 3.8) Mercado de Seguros 3.9) Seguros x Gerência de Riscos 3.10) Resumindo: 3.11) Para Saber Mais... 3.12) Trabalho Prático: Análise de Relatório de Recomendações 3.1) O que aprender neste capítulo? Saber os princípios de cobertura atuarial de riscos e conceituação de seguros, bem como noções sobre o mercado de seguros; Aprender sobre a história do seguro no Brasil; Identificar quais são os riscos seguráveis e os não seguráveis; Conhecer quais são os tipos de seguros e sua relação com a Gerência de Riscos; Analisar criticamente um relatório de recomendações de uma seguradora/corretora de seguros

A noção de riscos é a mesma de um acontecimento ou evento. Algo que ocorre por falta da natureza ou do homem Pedro Alvim 3.2.1) Chance Possibilidade de um evento conduzir a um resultado favorável Ex.: Chance de vitória 3.2.2) Risco Possibilidade de um evento conduzir a um resultado desfavorável Ex.: Risco de falência É o evento incerto ou de data incerta que independe da vontade das partes contratantes, conduz a um resultado desfavorável e contra o qual é feito o seguro. Risco é a expectativa de sinistro; É a dúvida sobre o futuro; É a possibilidade de ocorrência de evento conduzindo a resultado desfavorável; É o objeto do seguro. 3.2.3) Riscos Seguráveis

26 O estabelecimento de riscos homogêneos, riscos da mesma natureza e com idêntico valor são condições essenciais para garantir qualquer estatística sobre seguros. Nem sempre o risco é considerado segurável. Para que um risco seja segurável, ele deverá ser: Ter um grande número de unidades homogêneas seguradas O sinistro deve ser acidental e não-intencional A perda deve ser definível e mensurável A probabilidade de perda deve poder ser calculada O prêmio deve ser economicamente viável A perda não pode ser catastrófica 3.2.4) Riscos Não Seguráveis ou Excluídos São os riscos não cobertos pelo seguro. Exemplos: Riscos fundamentais (do estado); Riscos que constituem carteiras específicas excluídos nas demais carteiras Riscos decorrentes de atos ilícitos do segurado, proibidos pelo Código Civil, exceção feita para os riscos de responsabilidade civil. 3.2.5) Categorias de Risco Técnico Minimizar ou maximizar propriedades Programático Obtenção e uso de recursos Suportabilidade Manutenção ou continuidade de processos 3.2.6) Classificação do Risco Natureza das Perdas Puro Especulativo Origem Fundamental Particular Alcance ou Impacto Desprezível, Marginal, Crítico, Catastrófico Avaliação Objetivos Especiais ou Subjetivos 3.2.7) Natureza das Perdas

27 Risco Puro É o risco onde há possibilidade de se perder ou não perder Os riscos puros podem ser pessoais (morte prematura, desemprego, velhice), de propriedade (perdas decorrentes da destruição parcial ou total de bens ou de furto/roubo) ou de responsabilidade (risco de uma pessoa ou entidade causar um prejuízo financeiro a terceiros e possam ser responsabilizados por isto) Risco Especulativo É o risco onde há possibilidade de perder, não perder ou ganhar 3.2.8) Origem do Risco Riscos Fundamentais Riscos tratados pelo estado; são impessoais, não são causados por pessoas e resultam das mutações sociais e econômicas. Ex.: Perdas decorrentes de guerra ou inflação. Riscos Particulares Riscos pessoais, ou seja, riscos puros particularizados, onde só se admitem 2 possibilidades: perder ou não perder; são riscos seguráveis a serem tratados por seguradores particulares. Ex.: A colisão de dois carros ou furto de um objeto. 3.2.9) Impacto do Risco Desprezível Insignificante o suficiente para não afetar a empresa Marginal Causa algum efeito, mas não impede a empresa de operar Crítico O efeito é suficientemente grande para ameaçar a existência da empresa Catastrófico Acarreta o fim da empresa

3.2.10) Avaliação do Risco Risco Objetivo Variação relativa entre a perda esperada e a realizada: é a mesma para todas as pessoas que se defrontam com a mesma situação Ex.: Conseqüências materiais de um incêndio, com base em apuração metodológica e financeira das perdas Risco Especial ou Subjetivo É quando a incerteza é avaliada apenas pelo estado de espírito de quem a está avaliando Ex.: Juízo de valor pessoal

28 Ambiente Interno Qualidade Custos Gestão/Política de RH Riscos Patrimoniais Riscos Ambientais Estratégia empresarial Gestão Financeira P&D Gigantismo SST Ambiente Externo Política Internacionais Conflitos Mercado Ambiente Consumidor Política de Financiamento Política Monetária Fiscais Regulatórios Sociais

3.4) Grandes Acidentes Local e Data Produto Causa BLEVE Vazamento seguido de BLEVE Explosão, incêndio Explosão BLEVE Incêndio Emissão tóxica Rompimento de tubulação Explosão Explosão Incêndio Explosão Conseqüência 18 mortes 81 feridos Perdas de Us$ 68 M 37 mortes 53 feridos 28 mortes 104 feridos Perdas de Us$ 412 M 10 mil animais mortos Contaminação 650 mortes 6.400 feridos Perdas de Us$ 85,2 M > 7.000 mortes 200.000 intoxicados Evacuação de 6.500 pessoas 56 mortes 4.000 contaminações >200.000 p. evacuadas 167 mortes 11 mortes Perdas de Us$ 497 M Multas de R$ 7,5 M

Feyzin, França (1966) Propano Duque de Caxias, Brasil (1972)

GLP

Flixborough, Inglaterra Ciclohexano (1974) Seveso, Itália (1976) Cidade do México, México (1984) Bhopal, Índia (1984) Dioxina GLP Isocianato de Metila

Cubatão, Brasil (1985) Amônia Chernobyl, Ucrânia (1986) Urânio

Mar do Norte - Escócia Petróleo (1988) Rio de Janeiro, Brasil (2001) Petróleo

A perda acidental de uma instalação ou sistema pode: Fazer com que o movimento de negócios seja sensivelmente abalado; Trazer sérias conseqüências à saúde financeira da empresa; Fazer com que a empresa tenha que dispor de recursos que não tem, em caráter emergencial;

29 Criar variabilidade significativa no fluxo de caixa. A perda de pessoas-chave pode fazer com que informações essenciais sejam perdidas, e que a empresa leve algum tempo para recuperá-la. Em casos extremos, o conhecimento estratégico pode ser definitivamente perdido. Um grande acidente não fica dentro de casa Quais são os envolvimentos internos e externos? O plano de emergência existe? É operacional? A empresa está preparada para atender as famílias das vítimas? A empresa está preparada para processos judiciais e indenizações? A empresa sabe a quem informar sobre os acidentes? A empresa tem um plano montado de relações públicas? O que aconteceu após os Grandes Acidentes? Visão integrada de risco envolvendo a engenharia, a operação, a manutenção a segurança e o seguro Adoção da Prevenção e Controle de Perdas como política institucional Desenvolvimento da gerência de riscos como agente de mudanças Investimentos em Segurança das Operações, desde a fase de concepção dos projetos 3.6) História do Seguro As primeiras modalidades de seguros surgiram na Babilônia,. quando as caravanas atravessavam o deserto para comercializar camelos em cidades vizinhas; como 2300 a.c. era comum alguns animais morrerem durante o caminho, os cameleiros, cientes do grande risco, firmaram um acordo em que pagariam para substituir o camelo de quem o perdesse. Além de uma atitude solidária por parte do grupo, já era sem dúvida uma forma primária de seguro Surge uma nova modalidade de seguro: o Contrato de Dinheiro e Risco Marítimo, formalizado por meio de um documento assinado por duas pessoas, sendo uma delas a que emprestava ao navegador Século XII quantia em dinheiro no valor do barco e das mercadorias transportadas. Se durante a viagem o barco sofresse alguma avaria, o dinheiro emprestado não era devolvido. Caso contrário, esse dinheiro voltava para o financiador acrescido de juros O papa Gregório IX proibiu o Contrato de Dinheiro e Risco Marítimo em toda Europa. Os homens ligados ao negócio buscaram então subterfúgios para que pudessem continuar a operar na navegação com aquele seguro. E encontraram: o banqueiro se tornava comprador do barco e das mercadorias transportadas. Caso o navio naufragasse, o dinheiro adiantado era o preço da compra. Se o barco chegasse intacto ao seu destino, a cláusula de compra se tornava nula e o dinheiro era devolvido ao banqueiro, acrescido de outra quantia como rendimento do empréstimo feito Firmado o primeiro contrato de seguro nos moldes atuais foi em Gênova, com a emissão da primeira apólice; era um contrato de seguro de transporte marítimo

1234

1347

A teoria das probabilidades desenvolvida por Pascal, associada à estatística, deu grande impulso ao Século XVI seguro porque a partir de então os valores pagos pelo seguro, seus prêmios, puderam ser calculados de forma mais justa 1653 Criação das Tontinas, uma das primeiras sociedades de socorro mútuo, por Lorenzo Tonti. Apesar da grande aceitação inicial, essa sociedade não conseguiu sobreviver ao longo do tempo;

30 Fundação, em Londres do Lloyds por Edward Lloyds, proprietário de um bar que era ponto de encontro de navegadores e atraía pessoas interessadas nos negócios de seguros. Ali, passaram a concretizá-los por meio de contratos. O Lloyds tornou-se uma verdadeira bolsa de seguros e assim opera até os dias de hoje;

1678

Surgimento e desenvolvimento de outras modalidades de seguro (incêndio, transportes terrestres, e vida); os tempos haviam mudado e o mundo ingressava na era da produção em série e do consumo Século XIX em escala; a figura do segurador individual desaparecia, e no seu lugar entram as companhias seguradoras como existem atualmente. Início da atividade seguradora no Brasil com a abertura dos portos ao comércio internacional; a primeira sociedade de seguros a funcionar no país foi a "Companhia de Seguros BOA-FÉ", em 24 de fevereiro daquele ano, que tinha por objetivo operar no seguro marítimo Surgimento da "previdência privada" brasileira, com a criação do MONGERAL - Montepio Geral de Economia dos Servidores do Estado - proposto pelo então Ministro da Justiça, Barão de Sepetiba, que, pela primeira vez, oferecia planos com características de facultatividade e mutualismo Promulgação do "Código Comercial Brasileiro" (Lei n° 556, de 25 de junho de 1850), primeiro estudo e regulamentação do seguro marítimo em todos os seus aspectos Autorização da exploração do seguro de vida, sob o fundamento de que o Código Comercial só proibia o seguro de vida quando feito juntamente com o seguro marítimo Surgimento das primeiras filiais de seguradoras sediadas no exterior A atividade seguradora era regulada pelas leis portuguesas Promulgação da Lei 294, dispondo exclusivamente sobre as companhias estrangeiras de seguros de vida, determinando que suas reservas técnicas fossem constituídas e tivessem seus recursos aplicados no Brasil, para fazer frente aos riscos aqui assumidos O Decreto n° 4.270, e seu regulamento anexo, conhecido como "Regulamento Murtinho", regulamentaram o funcionamento das companhias de seguros de vida, marítimos e terrestres, nacionais e estrangeiras, já existentes ou que viessem a se organizar no território nacional. Além de estender as normas de fiscalização a todas as seguradoras que operavam no País, o Regulamento criou a "Superintendência Geral de Seguros . Através do Decreto n° 5.072, a Superintendência Geral de Seguros foi substituída por uma Inspetoria de Seguros, também subordinada ao Ministério da Fazenda Sanção da Lei n° 3.071, que promulgou o "Código Civil Brasileiro", com um capítulo específico dedicado ao "contrato de seguro". Os preceitos formulados pelo Código Civil e pelo Código Comercial passaram a compor, em conjunto, o que se chama Direito Privado do Seguro. Esses preceitos fixaram os princípios essenciais do contrato e disciplinaram os direitos e obrigações das partes, de modo a evitar e dirimir conflitos entre os interessados. Foram esses princípios fundamentais que garantiram o desenvolvimento da instituição do seguro.

1808

1835 1850 1855 1862 1808/1850 1895

1901

1906

1916

História do Seguro no Brasil

31 1808 Início da atividade seguradora no Brasil com a abertura dos portos ao comércio internacional; a primeira sociedade de seguros a funcionar no país foi a "Companhia de Seguros BOA-FÉ", em 24 de fevereiro daquele ano, que tinha por objetivo operar no seguro marítimo Surgimento da "previdência privada" brasileira, com a criação do MONGERAL - Montepio Geral de Economia dos Servidores do Estado - proposto pelo então Ministro da Justiça, Barão de Sepetiba, que, pela primeira vez, oferecia planos com características de facultatividade e mutualismo Promulgação do "Código Comercial Brasileiro" (Lei n° 556, de 25 de junho de 1850), primeiro estudo e regulamentação do seguro marítimo em todos os seus aspectos Autorização da exploração do seguro de vida, sob o fundamento de que o Código Comercial só proibia o seguro de vida quando feito juntamente com o seguro marítimo Surgimento das primeiras filiais de seguradoras sediadas no exterior

1835 1850 1855 1862

1808/1850 A atividade seguradora era regulada pelas leis portuguesas 1895 Promulgação da Lei 294, dispondo exclusivamente sobre as companhias estrangeiras de seguros de vida, determinando que suas reservas técnicas fossem constituídas e tivessem seus recursos aplicados no Brasil, para fazer frente aos riscos aqui assumidos O Decreto n° 4.270, e seu regulamento anexo, conhecido como "Regulamento Murtinho", regulamentaram o funcionamento das companhias de seguros de vida, marítimos e terrestres, nacionais e estrangeiras, já existentes ou que viessem a se organizar no território nacional. Além de estender as normas de fiscalização a todas as seguradoras que operavam no País, o Regulamento criou a "Superintendência Geral de Seguros . Através do Decreto n° 5.072, a Superintendência Geral de Seguros foi substituída por uma Inspetoria de Seguros, também subordinada ao Ministério da Fazenda Sanção da Lei n° 3.071, que promulgou o "Código Civil Brasileiro", com um capítulo específico dedicado ao "contrato de seguro". Os preceitos formulados pelo Código Civil e pelo Código Comercial passaram a compor, em conjunto, o que se chama Direito Privado do Seguro. Esses preceitos fixaram os princípios essenciais do contrato e disciplinaram os direitos e obrigações das partes, de modo a evitar e dirimir conflitos entre os interessados. Foram esses princípios fundamentais que garantiram o desenvolvimento da instituição do seguro. Criação do Instituto de Resseguros do Brasil (IRB), através do Decreto-lei n° 1.186. As sociedades seguradoras ficaram obrigadas, desde então, a ressegurar no IRB as responsabilidades que excedessem sua capacidade de retenção própria, que, através da retrocessão, passou a compartilhar o risco com as sociedades seguradoras em operação no Brasil. Com esta medida, o Governo Federal procurou evitar que grande parte das divisas fosse consumida com a remessa, para o exterior, de importâncias vultosas relativas a prêmios de resseguros em companhias estrangeiras. Promulgação do Decreto n° 5.901, criando os seguros obrigatórios para comerciantes, industriais e concessionários de serviços públicos, pessoas físicas ou jurídicas, contra os riscos de incêndios e transportes nas condições estabelecidas no mencionado regulamento. Regulamentação, através do Decreto-lei n° 73, de todas as operações de seguros e resseguros e instituição do Sistema Nacional de Seguros Privados, constituído pelo Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP); Superintendência de Seguros Privados (SUSEP); Instituto de Resseguros do Brasil (IRB); sociedades autorizadas a operar em seguros privados; e corretores habilitados.

1901

1906

1916

1939

1940

1966

3.6) Tratamento de Riscos

32 As formas de tratamento de risco são: Evitar Reter Prevenir Mitigar Transferir 3.6.1) Evitar Cessar a atividade Alterar a tecnologia, rotinas ou metodologia Eliminar insumos Substituir equipamentos Isolar Nunca estar submetido à exposição de uma determinada perda Vantagem: Redução a zero da possibilidade de perda Desvantagens: Pode não ser possível evitar todas as exposições Evitar pode não ser viável na prática

3.6.2) Reter Absorver parte ou toda a perda resultante de alguma exposição; Recomendado quando: Não existe outra forma possível de tratamento A perda máxima possível não é muito grave As perdas são altamente previsíveis O custo do risco é suportável Pode-se reter todo ou parte de um certo risco; A retenção pode ser passiva (quando se está ciente do risco e intencionalmente decide retê-lo) ou ativa (quando o risco é retido por ignorância, indiferença ou preguiça) 3.6.3) Prevenir Procurar reduzir a probabilidade de perda, reduzindo desta forma a freqüência das perdas; seu objetivo é evitar a perda 3.6.4) Mitigar Admitir a ocorrência da perda e procurar diminuir seu efeito, ou seja, o valor da perda 3.6.5) Transferir Transferir sem segurar O risco é transferido a terceiros mas não a uma seguradora Transferência por contrato Incorporação de S.A. Segurar risco é transferido a uma seguradora

33 Transferir é, portanto, o desenvolvimento da resposta à ocorrência do evento de risco Determina que ações serão tomadas para cada aspecto de risco avaliado As ações podem ser categorizadas em estratégias como evitar, controlar (mitigar) e aceitar os riscos

3.6.6) Redução de Freqüências Melhoria da qualidade do sistema Aumento da confiabilidade do sistema Aperfeiçoamento da configuração do sistema Melhoria da disponibilidade dos sistemas de segurança Aumento da freqüência de inspeções nos equipamentos Programa de capacitação e treinamento 3.6.7) Redução de Conseqüências Redução de impactos Diminuição da quantidade de substâncias estocadas Medidas para contenção de vazamento Sistemas de combate a incêndio Reforço de estruturas Proteção da população exposta Plano de Emergência 3.7) Teoria Geral do Seguro O Seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma pequena remuneração, uma pessoa se faz prometer para si ou para outrem, no caso da efetivação de um evento determinado, uma prestação de uma terceira pessoa que, assumindo um conjunto de eventos determinados, os compensa de acordo com as leis da estatística e o princípio do mutualismo.
Memard

3.7.1) Conceito Seguro é uma operação pela qual, mediante o pagamento de uma remuneração (prêmio), uma pessoa (segurado) se faz prometer para si ou para outrem (beneficiário) no caso da efetivação de um evento determinado (sinistro), uma prestação (indenização) por parte de uma terceira pessoa (segurador) que, assumindo um conjunto de eventos determinados, os compensa de acordo com as leis da estatística e o princípio do mutualismo. As leis da estatística e o princípio do mutualismo são as técnicas básicas utilizadas na operação do seguro. 3.7.2) Finalidade e Característica do Seguro A morte de uma pessoa, deixando desamparados aqueles que dependem de sua atividade, ou a destruição de coisas ou bens fazendo desaparecer ou reduzir-se o patrimônio são acontecimentos que o homem procurou reparar por intermédio de uma instituição.

34 O seguro foi o organismo que se criou e que progressivamente vem se aperfeiçoando para restabelecer o equilíbrio perturbado. O segurado é a pessoa física ou jurídica perante a qual o segurador assume a responsabilidade de determinado risco. O prêmio, também elemento essencial do contrato de seguro, é o pagamento feito pelo segurado ao segurador, ou seja, é o preço do seguro para o segurado. Os parâmetros para cálculo do prêmio são: Prazo do seguro; Importância segurada; Exposição ao risco. O prazo de seguro é normalmente de 12 meses, mas nada impede que sejam calculados prêmios a prazos inferiores (curto prazo) ou superiores (longo prazo). 3.7.3) Franquia Dizemos que franquia é o valor inicial da importância segurada até o qual o segurado é o segurador de si próprio, ou seja, se dissermos que num seguro há uma franquia de um certo valor, isto quer dizer que prejuízos até este valor serão suportados pelo segurado. Tipos de franquia: Franquia dedutível: o valor é reduzido de todos os prejuízos; é a mais utilizada; Franquia simples: no momento que o prejuízo ultrapassa seu valor, ele deixa de ser deduzido. Ex.: Se temos a seguinte situação: Importância segurada: R$ 500 mil Franquia: 10% Considerando os 2 tipos de franquia, e os seguintes prejuízos: R$ 6 mil R$ 50 mil R$ 120 mil Franquia dedutível: R$ 50 mil R$ 6 mil < franquia: não há indenização R$ 50 mil = franquia: não há indenização R$ 120 mil > franquia: indenização de R$ 70 mil Franquia simples: R$ 50 mil R$ 6 mil < franquia: não há indenização R$ 50 mil = franquia: não há indenização R$ 120 mil > franquia: indenização de R$ 120 mil

3.7.4) Seguros Proporcionais e Não Proporcionais Seguros Proporcionais

35 Na maioria dos seguros de materiais, equipamentos, instalações, etc., os seguros são proporcionais, ou seja, você só recebe o valor total do prejuízo se seu seguro estiver suficiente; este é o princípio da cláusula de rateio. I = IS P = VR I: Indenização P: Prejuízo Seguros Não Proporcionais Neste tipo de seguro, não se cogita o valor em risco para o cálculo de indenização. O segurador paga pelos prejuízos ocorridos até o limite da importância segurada sem aplicar o rateio. Ex.: considere a seguinte situação: IS: R$ 1,5 M Sinistro com prejuízo de R$ 400 mil O seguro é proporcional Calcule o valor da indenização, considerando um VR de: R$ 500 mil R$ 1,5 M R$ 2 M 3.7.5) Vantagens e Desvantagens A indenização após uma perda garante a continuidade da operação, com pequena ou nenhuma redução da operação; A incerteza é reduzida, permitindo um planejamento a longo prazo; Seguradoras podem prover serviços tais como controle de perdas, análise de exposições e determinação do valor da perda; Os prêmios de seguro são considerados como despesas dedutíveis para fins de imposto de renda 3.8) Noções do Mercado de Seguros Decreto Lei no 73 de 21.11.1966 Promover e expandir o mercado de seguros privados Integrar o mercado de seguros no contexto sócio-econômico do país Coordenar a política de seguros com a política de investimentos do governo federal Evitar a evasão de divisas Promover o aperfeiçoamento e preservar a liquidez e a solvência das sociedades seguradoras O prêmio pode ser significativo e é pago antecipadamente à perda; Tempo e dinheiro consideráveis são aplicados à escolha das seguradoras e à negociação das condições A implantação de um programa de controle de perdas pode sofrer um relaxamento com a existência do seguro IS: Importância segurada VR: Valor em Risco

36 3.8.1) Estrutura do Mercado

CNSP
SUSEP
Seguros e Capitalização Corretor Seguradora Ressegurador

Órgão Deliberativo

ANS
Saúde Corretor Operadora Ressegurador

Órgãos Reguladores

Operação

3.8.2) Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) Órgão governamental de atuação e competência normativa, com participação minoritária de representantes da iniciativa privada, encarregado da fixação das diretrizes da política brasileira de seguros privados, previdência aberta e capitalização, bem como do julgamento dos recursos contra decisões da SUSEP. Membros: Ministro da Fazenda Superintendente da SUSEP Presidente do IRB Ministro da Saúde Ministro da Previdência Social Presidente do B. Central Secretário de Direito Econômico do MJ Representante do Ministério do Planejamento Fixa diretrizes e normas da política de seguros; Regula a constituição, organização, funcionamento e fiscalização dos que exercem atividades subordinadas ao SNSP, bem como aplicar as penalidades previstas; Reconhece os recursos de decisão da SUSEP e do IRB Estabelece as diretrizes gerais das operações de resseguro; Fixa características gerais dos contratos de seguros, previdência privada aberta, capitalização e resseguradoras; Disciplina a corretagem de seguros e a profissão de corretor

3.8.3) Superintendência de Seguros Privados (SUSEP) Fiscaliza a constituição, organização, funcionamento e operações das Sociedades Seguradoras, de Capitalização, entidades de previdência privada aberta e resseguradoras e dos corretores de seguros; Zela pela defesa dos interesses dos consumidores dos mercados supervisionados Zela pela liquidez e solvência das sociedades do mercado Promove a estabilidade dos mercados sob sua jurisdição, assegurando sua expansão e o funcionamento das entidades que neles operam Disciplina e acompanha os investimentos daquelas entidades, em especial os efetuados em bens garantidores de provisões técnicas;

37 Executa as diretrizes e normas da política de seguros traçada pelo CNSP

3.8.4) Instituto de Resseguros do Brasil (IRB) Elabora e expede normas reguladoras do cosseguro, retroseguro e retrocessão; Aceita resseguros do país e do exterior; Distribui pelas seguradoras a parte dos resseguros que não retiver e coloca no exterior as responsabilidades excedentes da capacidade do mercado segurador interno É uma sociedade de economia mista, dotado de personalidade jurídica própria e que goza de autonomia administrativa e financeira; Sua finalidade é regular as operações de cosseguro, resseguro e retrocessão, promovendo o desenvolvimento das operações de seguro de acordo com as diretrizes do CNSP 3.8.5) Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) Criada em 2000, a ANS é uma autarquia sob regime especial, vinculada ao Ministério da Saúde e que tem a missão de promover a defesa do interesse público na assistência suplementar de saúde, regulando as operadoras setoriais, inclusive quanto às suas relações com prestadores consumidores, contribuindo para o desenvolvimento das ações de saúde no país. 3.8.6) Operadores do Mercado No Brasil: Ressegurador Seguradoras Corretores de Seguros No exterior: 3.8.7) Resseguradora É a pessoa jurídica, seguradora e/ou resseguradora que aceita, em resseguro, a totalidade ou parte das responsabilidades repassadas pela seguradora direta, ou por outros resseguradores, recebendo esta última operação o nome de retrocessão. 3.8.8) Seguradora Empresas que operam na aceitação dos riscos de seguro, respondendo, junto ao segurado, pelas obrigações assumidas; Não podem explorar qualquer outro ramo de comércio ou indústria; Só podem operar em seguros para os quais tenham autorização; Estão sujeitas a normas, instruções e fiscalização da SUSEP e do IRB; Não estão sujeitas à falência, nem podem impetrar concordata; Ressegurador Brokers Seguradoras Corretores de Seguros Agents (EUA)

38 3.8.9) Corretor de Seguros Pessoa física ou jurídica, é o intermediário legalmente autorizado a angariar e promover contratos de seguros entre as sociedades seguradoras e as pessoas físicas ou jurídicas; O corretor não pode aceitar ou exercer empregos públicos, manter relação de emprego ou de direção com companhias seguradoras, sendo ainda responsável civilmente perante os segurados e as sociedades seguradoras pelos prejuízos que a eles causar por omissão, imperícia ou negligência, no exercício de sua profissão. O corretor está sujeito às normas, instruções e fiscalização da SUSEP. 3.8.10) Broker Pessoa física ou jurídica que faz a intermediação dos negócios entre o segurado e o segurador ou entre segurador e ressegurador; O broker representa e age em nome do segurado na solicitação ou compra do seguro, salvaguardando seus interesses; Entre segurador e ressegurador, somente PJ pode intermediar. 3.8.11) Agent No mercado dos EUA, indivíduo que vende apólices de seguro de acordo com as seguintes classificações: Direct Writer: representa somente uma companhia de seguros e vende apenas apólices da mesma; Independent Agent: representa mais de uma companhia de seguro e (teoricamente) serve os clientes procurando no mercado os preços mais vantajosos para as maiores coberturas. 3.8.12) Inspeção de Riscos Em determinados ramos de seguros, há necessidade e obrigatoriedade de uma inspeção prévia no risco ou riscos a segurar; Essa inspeção é feita por vários motivos, principalmente para determinação da taxa aplicável ao seguro O técnico que faz a inspeção de risco é chamado de inspetor de risco, que é encarregado de examinar o objeto do seguro, descrevendo a atividade e instalações, examinando os pontos críticos, avaliando a exposição ao risco coberto, bem como propondo ações e medidas que minimizem a materialização de sinistros. 3.8.13) Regulador de Sinistros Técnico indicado pelos (re)seguradores nos seguros de que participam, para proceder o levantamento dos prejuízos indenizáveis 3.8.14) Árbitro regulador Técnico que, à vista dos documentos examinados, é capaz de definir, em um sinistro, as responsabilidades envolvidas e respectivas participações. 3.8.15) Perito de Sinistros Técnico especialista, ou sabedor das nuances, características e condições tarifárias(gerais, especiais e particulares) de determinado tipo de risco sinistrado.

39 3.9) Seguros X Gerenciamento de Riscos

3.9.1) Conceito Gerenciamento de Riscos é um processo sistemático usado para a identificação e avaliação de exposições a riscos puros que se apresentam a organizações e a indivíduos, e para a seleção e implementação das técnicas mais apropriadas para o tratamento destas exposições. Gerenciar riscos = avaliar riscos + prevenir perdas 3.9.2) Objetivos Pré-Perda Preparação para uma perda da forma mais econômica possível Redução da ansiedade Atendimento de todas as imposições internas e externas shareholders e stakeholders Pós-Perda Sobrevivência da empresa após o sinistro Continuar operando Estabilidade dos lucros Crescimento contínuo da empresa Responsabilidade social por meio de minimização do impacto em: empregos de funcionários, clientes, fornecedores e a comunidade em geral 3.9.3) Princípios Primeiro Princípio A empresa não deve assumir riscos que possam supor perdas que conduzam a um desequilíbrio financeiro irreversível Segundo Princípio A empresa não deve aceitar riscos cujo custo seja superior à rentabilidade esperada da atividade geradora de tal risco

40
Análise de Riscos
Sim Não

Prevenção de Perdas

Posso transferir o risco? Auto seguro Transferência Auto adoção

Gerenciamento da Retenção de Riscos

3.10) Resumindo: Categorias de Risco Técnico, Programático, Suportabilidade Classificação do Risco Natureza das Perdas, Origem, Alcance ou Impacto, Avaliação

Riscos Seguráveis Ter um grande número de unidades homogêneas seguradas O sinistro deve ser acidental e não-intencional A perda deve ser definível e mensurável A probabilidade de perda deve poder ser calculada O prêmio deve ser economicamente viável A perda não pode ser catastrófica Riscos Não Seguráveis Riscos fundamentais (do estado); Riscos que constituem carteiras específicas excluídos nas demais carteiras Riscos decorrentes de atos ilícitos do segurado, proibidos pelo Código Civil, exceção feita para os riscos de responsabilidade civil. Os grandes acidentes industriais, que aconteceram principalmente a partir da segunda metade do século XX, modificaram a forma de as empresas lidarem com seguros e gerenciamento de riscos, que passaram a ser considerados como agentes de mudança Existem 5 formas de tratamento de risco: Evitar Reter Prevenir Mitigar

41 Transferir Os seguros, que tiveram papel fundamental na abordagem moderna de SST, surgiram no século XXIII a.c., ainda que de forma rudimentar; no Brasil, essa atividade teve início em 1808, com a abertura dos portos brasileiros por D. João VI Atualmente, a atividade securitária segue os preceitos de Prevenção e Controle de Perdas (Total Loss Control). Estrutura do Mercado Órgão deliberativo: CNSP Órgão regulador: SUSEP Operadores: Ressegurador Segurador Corretor de Seguros Agent e Broker (EUA) 3.11) Para Saber Mais... ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO Acidentes Industriais Maiores FUNENSEG, DIRETORIA DE ENSINO E PESQUISA Miguel Roberto Soares Silva. 2. ed. 3.12) Exercícios de Fixação Estudo de Caso Relatório de Inspeção de Riscos Convenção 174, Recomendação 181: Prevenção de

Seguro incêndio tradicional. Assessoria técnica de

42

Gerência de Riscos
Capítulo 04 - Fundamentos Matemáticos
Índice 4.1) O que aprender neste capítulo? 4.2) Confiabilidade 4.3) Probabilidade 4.4) Estatística 4.5) Álgebra Booleana 4.6) Resumindo: 4.7) Para Saber Mais... 4.8) Exercícios de Fixação

4.1) O que aprender neste capítulo? Aprender o conceito de confiabilidade Conhecer mais sobre Estatísticas e Probabilidades; Ter noções de álgebra booleana.

4.2.1) Confiabilidade (C) Confiabilidade é a probabilidade de um equipamento ou sistema desempenhar satisfatoriamente suas funções específicas, por um período de tempo determinado. Confiabilidade é a probabilidade de não haver falhas.

4.2.2) Confiabilidade x Controle de Qualidade

Confiabilidade Depende do Tempo Vida útil Manutenção preventiva e corretiva

Controle de Qualidade Independe do Tempo Constante Auditoria e Procedimentos

4.2.3) Probabilidade de Falha (P) É a possibilidade de ocorrência de um determinado número de falhas, em um período de tempo considerado. A probabilidade de falha era anteriormente conhecida como não confiabilidade . P=1-C

4.2.4) Taxa de Falhas ( )

43 É a freqüência com que as falhas ocorrem, em um certo intervalo de tempo, e é medida pelo número de falhas para cada hora de operação ou número de operações do sistema. = no de falhas tempo (h) 4.2.5) Tempo Média entre Falhas (T) É o recíproco da taxa de falhas. T=1 ou = no de falhas no operações

4.2.6) Tipos de Falhas Falhas Prematuras Ocorrem durante o período de depuração, devido a deficiências nas montagens ou componentes fora do padrão, que falham logo após serem colocados em funcionamento; As falhas prematuras não são consideradas na análise de confiabilidade porque se admite que o equipamento foi depurado e as peças iniciais defeituosas foram substituídas. Falhas Casuais São falhas que resultam de causas complexas, incontroláveis e, algumas vezes, desconhecidas; Ocorrem durante a vida útil do componente ou sistema; Falhas por Desgaste São falhas que ocorrem após o período de vida útil dos componentes; A taxa de falha aumenta rapidamente nesse período devido ao tempo e a algumas falhas casuais. 4.2.7) Taxa de Falha x Tempo
Falhas prematuras

Curva de Banheira
Falhas por desgaste

Taxa de Falha ( )
Falhas casuais

Período de depuração

Período de vida útil

Período de desgaste

Tempo (t)

4.2.8) Cálculo da Confiabilidade É dado pela expressão matemática que indica a probabilidade com que os componentes operarão, sem falhas, em um sistema de taxa de falhas constante, até uma determinada data t. C = et

ou

C = e-t/T

44 onde: C = confiabilidade do sistema ou equipamento e = 2,718 (exponencial neperiano) = taxa de falhas t = tempo de operação T = tempo médio entre falhas 4.2.9) Sistemas de Componentes em Série A característica principal do sistema de componentes em série é que uma falha de qualquer um dos componentes implica na quebra ou paralisação do equipamento ou sistema. Sejam R1, R2, R3, ..., Rn as funções de confiabilidade dos componentes de um sistema ou equipamento:

C1 Entrada 1

C2 2

C3 3

...

Cn n Saída

A confiabilidade C do sistema é dada pela expressão: C = C1 x C2 x C3 x ... x Cn que é denominada Lei do Produto de Confiabilidade. 4.2.10) Sistemas de Redundância Paralela Neste caso, para que haja a paralisação do sistema, é necessário que todos os meios ou componentes do sistema falhem.

1 Entrada 2 3 n

P1 P2 P3 Pn Saída

Sejam P1, P2, P3, ..., Pn as probabilidades de falha dos componentes de um equipamento ou sistema. A probabilidade de falha do equipamento ou sistema é dada pela fórmula: P = P1, P2, P3, ..., Pn A confiabilidade ou probabilidade de não falhar será: C=1-P

45 Pode ser que a corrida não seja sempre para o rápido nem a batalha para o forte - mas é assim que se deve apostar Damon Runyon É notável uma ciência que começou com jogos de azar tenha se tornado o mais importante objeto do conhecimento humano Pierre-Simon Laplace 4.3.1) Conceito A palavra probabilidade origina-se do Latim probare (provar ou testar). Informalmente, provável é uma das muitas palavras utilizadas para eventos incertos ou conhecidos, sendo também substituída por algumas palavras como sorte , risco , azar , incerteza , duvidoso , dependendo do contexto. Qual é a probabilidade de se jogar um dado e: Sair um número par? Sair um número divisível por 3? Sair um número igual ou maior a 4? Sair o número 5 por duas vezes seguidas?

Exemplo de experimento: lançamento de duas moedas. Observo a face virada para cima. K=Cara, C=Coroa Evento (pelo menos uma coroa)

Possível Resultado

KK

CK

KC

CC

S
Espaço amostral

S = {KK,CK,KC,CC}

46

O espaço amostral pode ser representado em uma tabela de contingência.

1a Moeda Cara Coroa Total

a

2a Moeda
Cara Coroa

Total KK, CK KC, CC S

KK KC

CK CC

Possível Resultado

KK, KC CK, CC
Espaço amostral

Evento
(cara na 1a moeda)

S = {KK,CK,KC,CC}
1a moeda

... Ou em um diagrama em árvore 2a moeda

K

K C K C

KK KC CK CC
Possível Resultado

C
S = {KK,CK,KC,CC}

Probabilidade de um evento A = P(A) 0 P(A) 1 P(S) = 1 Exemplo: de uma amostra dos clientes de um banco: 10.000 têm cheque especial e não têm aplicações 20.000 têm aplicações e não têm cheque especial 15.000 têm cheque especial e têm aplicações 5.000 não têm nem cheque especial nem aplicações

47

cheque

aplicações

10.000

15.000

20.000

5.000 intersecção
4.4.1) Conceito A Estatística é uma ciência que utiliza teorias probabilísticas para explicação de eventos, estudos e experimentos. Tem por objetivo obter, organizar e analisar dados, determinar as correlações que apresentem, tirando delas suas conseqüências para descrição e explicação do que passou e previsão e organização do futuro. A Estatística é também uma ciência e prática de desenvolvimento de conhecimento humano através do uso de dados empíricos. Baseia-se na teoria estatística, um ramo da matemática aplicada. Na teoria estatística, a aleatoriedade e incerteza são modeladas pela teoria da probabilidade. Algumas práticas estatísticas incluem, por exemplo, o planejamento, a sumarização e a interpretação de observações. Porque o objetivo da estatística é a produção da "melhor" informação possível a partir dos dados disponíveis, alguns autores sugerem que a estatística é um ramo da teoria da decisão. 4.4.2) Origem A palavra estatística surge da expressão em Latim statisticum collegium (palestra sobre os assuntos do Estado), de onde surgiu a palavra em língua italiana statista, que significa "homem de estado", ou político, e a palavra alemã Statistik, designando a análise de dados sobre o Estado. A palavra adquiriu um significado de coleta e classificação de dados, no início do século XIX.

Nós descrevemos o nosso conhecimento de forma matemática e tentamos aprender mais sobre aquilo que podemos observar. Isto requer: O planejamento das observações por forma a controlar a sua variabilidade (concepção do experimento) Sumarização da coleção de observações Inferência estatística - obter um consenso sobre o que as observações nos dizem sobre o mundo que observamos A probabilidade de um evento é freqüentemente definida como um número entre zero e um. Na realidade, porém, nunca há situações que tenham probabilidades 0 ou 1.

48 Você pode dizer que o sol irá certamente nascer na manhã, mas e se acontecer um evento extremamente difícil de ocorrer que o destrua? E se ocorrer uma guerra nuclear e o céu ficar coberto de cinzas e fumaças? Normalmente aproximamos a probabilidade de alguma coisa para cima ou para baixo porque elas são tão prováveis ou improváveis de ocorrer, que é fácil de reconhecê-las como probabilidade de um ou zero. 4.4.3) Definições População - conjunto de todas as medidas ou elementos Amostra - subconjunto da população representativa - mantém as características da população não representativa - (medimos só as maiores...)

Ex.: Duas empresas do mesmo ramo disputam a preferência do público. Suponha que 1000 consumidores fizeram um teste em que provaram os produtos de cada uma das empresas. Cada consumidor deveria dizer a preferência pelo produto da empresa A ou B. Descrever a população Todos os consumidores daquele produto Descreva a variável de interesse Proporção de consumidores que preferem o produto A (ou B) Descreva a amostra 1000 consumidores selecionados de uma população de todos os consumidores daquele tipo de produto Média Aritmética Medida de tendência central mais utilizada; É familiar para a maioria das pessoas; Média = xi/n xi = somatória de todos os valores n = no total de ocorrências Ex.: qual é a média da amostra com intervalo {1,34,67}? Mediana Valor que divide uma distribuição em exatamente duas metades O cálculo é feito da seguinte maneira: Arranjam-se os dados em ordem crescente; Encontra-se o valor central; Conjuntos com no par de observações: n+1/2 Conjuntos com no ímpar de observações: n/2, n+2/2 Ex.: qual é a mediana dos seguintes conjuntos:

49 1, 3, 7, 5, 4, 8, 2, 10, 6, 12, 16 11, 19, 14, 22, 27, 9, 8, 20 4.5) Álgebra Booleana 4.5.1) Introdução A álgebra booleana foi desenvolvida pelo matemático inglês George Boole, em meados do século XIX. A mais notável aplicação da lógica booleana foi na implantação de sistemas eletrônicos digitais que originaram os computadores. Mas não foi só na informática que a álgebra booleana tem aplicações: temos sistemas eletrônicos e eletromecânicos, em estudos que envolvem processos decisórios e Segurança de Sistemas. A aplicação do assunto fica limitada a sistemas ou processos que puderem assumir dois estados discretos: Sim ou Não Falso ou Verdadeiro Positivo ou Negativo 0 ou 1 4.5.2) Noções de Conjuntos Por conjuntos entendemos qualquer coleção de objetos, elementos, eventos, símbolos, idéias ou entidades matemáticas. A totalidade do conjunto é expressa pela unidade (1) e o conjunto vazio por zero (0).

Representa a união do conjunto A com o conjunto B

A

B

A U B ou A + B

Conjunto mutuamente exclusivo ou disjuntos

50

A

B

É a diferença entre os conjuntos A e B.

A

B

A-B

É o complemento de A ou A

A

A

Como já observado nas explicações anteriores à união e intercessão de conjuntos pode ser escrita desta forma: C=AUB C=A B ou ou C=A+B C = A . B = AB

A notação A significa não A, ou seja, o complemento do conjunto A 4.5.3) Conjunto Universo

51 Conjunto vazio: não apresenta nenhum elemento Lei dos conjuntos complexos ou vazios A.1=A A+Ø=A A.Ø=Ø A+1=1

Lei da involução: conjunto do complemento do sub-conjunto é ele próprio A=A

Lei da Idempotência A.A=Ø A.A=A Lei comutativa A.B=B.A Lei Distributiva A .(B+C) = (AB) + (AC) A+(B.C) = (A+B);(A+C) A+B=B+A A+A =1 A+A=A

Lei Associativa A . (BC) = (AB) . C (A+B)+C = A+(B+C) = A+B+C Lei da Dualização de Morgan (A+B) = A.B (A.B) = A + B

4.5.4) Tabelas Verdade Analisar um sistema significa, de maneira geral, estudar o comportamento da saída de acordo com os dados fornecidos à entrada, ou seja: Entrada Processo Saída

Nos sistemas lógicos, essa análise é feita em sua forma elementar, através de tabelas verdade, onde os elementos são as variáveis de entrada, com todas as combinações binárias possíveis. O resultado, na tabela verdade, representa os estados de saída do sistema, de acordo com as combinações das variáveis de entrada. 4.5.5) Portas Lógicas

52 Módulo: NOT (Não)

Símbolo:

A

0

S=A

Explicação: o módulo NOT indica inversão do valor (estado da variável de entrada) Tabelas: A = S; 0 = 1; 1 = 0 Módulo: OR (Ou)

A B
Símbolo:

A+B

Explicação: O módulo OR indica que, quando uma ou mais das entrada estiverem presentes, a proposição será verdadeira e resultará uma saída; ao contrário, a proposição será falsa se, e somente se, nenhuma das condições estiver presente Tabelas: A + B = S (OR)

Módulo: AND (E)

A B
Símbolo:

A.B

Explicação: O módulo AND indica que todas as condições determinantes ou entradas devem estar presentes para que uma proposição seja verdadeira Tabelas: A . B = S (AND)

Módulo: NOR

53

A B
Símbolo:

A+B

Explicação: O módulo NOR pode ser considerado um estado NO-OR (Não Ou); indica que, quando uma ou mais das entradas estiverem presentes, a proposição será falsa e não haverá saída, que só ocorre quando nenhuma das entradas estiver presente Tabelas: A + B = S (NOR)

Módulo: NAND

A B
Símbolo:

A.B

Explicação: O módulo NAND indica que quando uma ou mais das condições determinantes ou entradas não estiverem presentes, a proposição será verdadeira e haverá uma saída Tabelas: A . B = S (NAND) 4.6) Resumindo: Confiabilidade (C) é a probabilidade de um equipamento ou sistema desempenhar satisfatoriamente suas funções específicas, por um período de tempo determinado. Probabilidade de Falha (P) é a possibilidade de ocorrência de um determinado número de falhas, em um período de tempo considerado. P=1 C C = et

Sistema de Componentes em Série C = C1 x C2 x C3 x ... x Cn Sistema de Redundância Paralela Média

54 Soma de todos os valores dividido pelo número total de ocorrências Mediana Valor que divide uma distribuição em exatamente duas metades

OR (Ou) A+B=S 0 0 = 0 (Falso) 0 1 = 1 (Verdadeiro) 1 0 = 1 (Verdadeiro) 1 1 = 1 (Verdadeiro) AND (E) A.B=S 0 0 = 0 (Falso) 0 1 = 1 (Falso) 1 0 = 1 (Falso) 1 1 = 1 (Verdadeiro)

NOR (Não Ou) A+B=S 0 0 = 0 (Verdadeiro) 0 1 = 1 (Falso) 1 0 = 1 (Falso) 1 1 = 1 (Falso) NAND (Não E) A.B=S 0 0 = 0 (Verdadeiro) 0 1 = 1 (Verdadeiro) 1 0 = 1 (Verdadeiro) 1 1 = 1 (Falso)

4.7) Para Saber Mais... MARTINS, Gilberto. Princípios de Estatística. Editora Atlas PIAZZA, Gilberto. Introdução à Engenharia de Confiabilidade. Editora Educs 4.8) Exercícios de Fixação Confiabilidade Relatório Estatístico de SST

55

Capítulo 05
Custos de Acidentes de Trabalho
Índice 5.1) O que aprender neste capítulo? 5.2) Conceitos e Abordagens 5.3) Custo Direto e Custo Indireto 5.4) Custo Quantificável e Não Quantificável 5.5) Custo Total dos Acidentes 5.6) Custos com Insalubridade e Periculosidade 5.7) Custos com Acidentes x Investimentos em Segurança 5.8) Resumindo: 5.9) Para Saber Mais... 5.10)Trabalho Prático 5.1) O que aprender neste capítulo? Conhecer os fatores que influenciam no cálculo do custo do acidente de trabalho Calcular o custo total do acidente Calcular e minimizar os custos com adicionais de insalubridade e periculosidade. 5.2) Conceitos e Abordagens Os estudos de Heinrich, Simonds e Bird, na segunda metade do século XX, concluíram que o custo total dos acidentes do trabalho para a empresa é dado pela soma das seguintes parcelas: Custo Direto e Indireto dos acidentes com afastamento Custo Direto e Indireto dos acidentes sem afastamento Custo indireto dos acidentes sem lesão, com dano sobre o equipamento, ou simples paralisação do serviço Risco investido em acidentes de baixa freqüência e alta gravidade 5.3) Custo Direto e Indireto 5.3.1) Custo Direto Custos com compensações salariais Indenizações Dias (tempo) remunerados e não trabalhados Custos com atendimento médico Primeiros socorros Tratamento médico Plano de saúde (sinistralidade)

5.3.2) Custo Indireto Perda de tempo dos colegas e chefia do acidentado Perdas e danos em máquinas e equipamentos

56 Tempo de parada de máquinas e equipamentos Queda de produtividade (acidentado e empregados) Custos com reposição e treinamento de novos empregados Atrasos na entrega do produto final para o cliente Aumento do valor do prêmio do seguro Custos sociais e da imagem da empresa Custos legais associados (inclusive multas e penalizações) Disputa com sindicatos

5.3.3) Tipos de Acidentes Tipo Acidentes com afastamento Acidentes sem afastamento Acidente sem lesão, danos materiais Risco investido em acidentes com baixa freqüência, alta gravidade Custo não-quantificável Custo social 5.3.4) Análise Histórica Heinrich (1931): 1:29:300 Não considerava danos à propriedade K = CI/CD 4:1 Bird (1966) 1:100:500 Considerava danos à propriedade K = 6:1 variável de empresa para empresa ICNA (1969) 1:10:30:600 Considerava os quase-acidentes Danos estatísticos e financeiros 5.3.5) Dados Estatísticos e Financeiros 1) BID (2000) Custos com acidentes de trabalho na AL: R$ 180 B Brasil: 39,5% do PIB da AL Custo: R$ 72 B X X X X CD CI Ambos X X

57 2) OIT Safety in Numbers (2003): Custos relativos a lesões, mortes e doenças ligadas a atividades laborais correspondem a 4% do PIB mundial (2004), ou seja, Us$ 1,78 T PIB Brasil: R$ 1,75 T ~ Us$ 796 B Este percentual deve maior na AL (e conseqüentemente no Brasil), cerca de 10% 3) INSS (2003)

Aposentadoria, Pensão por morte, Auxílios

Aposentadorias Especiais R$ 3,4 B R$ 4,8 B Benefícios Acidentários: R$ 8,2 B R$

Custo Social, Falta de Trabalho, Redução da Produtividade: 32,8 B Trabalhadores formais e informais:

> R$ 91,1 B

Competitividade e Segurança

Custo de produção: Custo dos insumos (matéria prima) Custo da mão de obra Custos do processo Custos Indiretos Custos com acidentes

58 Outros custos Os acidentes interferem diretamente no custo da produção!

5.3.6) Custo Direto e Indireto de Acidentes com Afastamento Abordagem inicial: Somente custos diretos Custo Indireto: passou a ser considerado Cada empresa tem um coeficiente K variável, que tem aumentado ao longo dos anos (custo dos maquinário e equipamentos, acuracidade na detecção de perdas e danos e no cálculo dos custos) Ex.: U.S. Steel Co. K = 80:1

5.3.7) Custo Direto e Indireto de Acidentes sem Afastamento
Lesão Leves Sem Lesão

C u s t o

Lesão Incapacitante

1

10 0

50 0

L e s ã o

$

$$

$$$
CT = 10 CD

Custo Direto

Custo Indireto

Custo Total

59 5.3.8) Acidentes de Baixa Freqüência e Alta Gravidade Se levantarmos a estatística de acidentes de uma empresa por um período de, por exemplo, 10 anos, e calcularmos o custo, estaremos considerando apenas acidentes de alta/média freqüência e baixa/média gravidade. Não serão levados em conta acidentes de baixa freqüência e alta gravidade. Custo Potencial = Freqüência x Gravidade, explicitando que esta parcela de risco investido pode ser considerável. Limiares de detecção e probabilidade estatística

Freqüência

Perda de Tempo Danos Materiais Lesões Leves Lesão + Afastamento

Gravidade

Além dos custos que somos capazes de mensurar, existem outros que não são quantificáveis (ou pelo menos, não quantificáveis por nenhum autor até então...) Podemos citar alguns poucos aspectos dos mesmos: Aspectos Psicológicos Aspectos Fisiológicos Aspectos Orgânicos e Laborativos Imagem externa e mercado Aspectos individuais e sociais

5.4) Custo Quantificável e Não-Quantificável 5.4.1) Aspectos Psicológicos Trauma psicológico produzido nos trabalhadores de uma empresa devido à ocorrência de um acidente grave. Como quantificar isto? Muito difícil...

60 Mas é inegável a influência negativa do acidente sobre o grau de motivação dos trabalhadores sobre a produtividade

Quanto aos funcionários Trauma psicológico Imagem interna negativa Queda na motivação

Quanto aos Clientes e Opinião Pública Trauma Psicológico Imagem externa negativa

Queda nas vendas

5.4.2) Aspectos Fisiológicos Além dos problemas psicológicos, temos aspectos fisiológicos, por exemplo, stress, que é um conjunto de reações fisiológico-hormonais que ocorrem no organismo sob forte tensão, medo ou pavor. Como podemos quantificar a (perda de) produtividade de um trabalhador sujeito a um estado contínuo de stress? Quais os efeitos dos incidentes sobre o organismo, a curto e longo prazo, no trabalhador e na empresa?

Acidentes Trauma Psicológico Incidentes Stress Tensão Medo Diminuição momentâne a da eficiência Comprometiment o do estado de saúde

Condição Insegura

Queda progressiva da eficiência individual

Absenteísmo

Queda na Produtividade Global

5.4.3) Aspectos Orgânicos e Laborativos

61 Qual é a produtividade de trabalhador que, após ter se acidentado gravemente, é considerado apto para voltar ao trabalho? Podemos afirmar que a produtividade é a mesma do que era antes do acidente?

Aspectos sociais e psico-sociais de difícil quantificação
Cerca de 20% dos acidentados não se consideram aptos Incapacitaçã o

Total Parcial Cura (?)

Seguro Readaptação Processo de um ano

Acidente

Lesão

Afasta mento

Reintegração

Qual é a produtividade de um acidentado após sua reintegração?

5.4.4) Imagem Externa e Mercado O que representa para uma empresa a ocorrência de um acidente grave em termos de imagem externa e de mercado?

O impacto de um acidente grave representa: Internamente: diminuição na produtividade Externamente: queda nas vendas 5.4.5) Aspectos individuais e sociais O que representa o acidente de trabalho para a vítima do mesmo? E para sua família? O que representa o acidente de trabalho para a Nação em termos do chamado Custo Social da Incapacidade?

5.5) Custo Total de Acidentes

CT = C1 + C2 + C3 + C4 C1: Custo Direto e Indireto dos acidentes com afastamento

62 C2: Custo Direto e Indireto dos acidentes sem afastamento C3: Custo indireto dos acidentes sem lesão, com dano sobre o equipamento, ou simples paralisação do serviço C4: Risco investido em acidentes de baixa freqüência e alta gravidade Algumas outras abordagens: Custo quantificável x Custo não-quantificável Controle Total de Perdas Análise de Sistemas em função dos riscos potenciais; Teoria do Custo Total dos Sistemas O assunto poderia ser, entretanto, abordado sobre outros aspectos: Custo não-quantificável Controle Total de Perdas Teoria do Risco Potencial

5.6) Custos com insalubridade e periculosidade 5.6.1) Racionalização das perdas provocadas pelo adicional de insalubridade

Há um certo consenso entre os especialistas em se considerar que a percepção ao adicional de insalubridade representa uma posição retrógrada da legislação trabalhista brasileira, pois representa a monetarização do risco. A situação ideal é não termos ambientes insalubres, mas é evidente que ainda estamos um tanto quanto distantes deste objetivo no Brasil. Outra consideração sobre o assunto é quanto às perdas financeiras ocorridas em decorrência de falhas administrativas ligadas à questão do adicional de insalubridade, a saber: Erros de avaliação: a empresa acha que não tem ambientes insalubres, mas os tem; Não adoção de medidas (simples) que podem eliminar e/ou descaracterizar a insalubridade Desvios ou falta de clareza de funções Não isolamento do risco ocupacional 5.6.2) Considerações sobre racionalização da insalubridade: Pagamento do adicional quando não há dúvidas sobre tal Definição de papéis e responsabilidades quanto à execução de tarefas do item (a), não permitindo a polivalência nestes casos Controlar alguns produtos comprados pela empresa Manutenção de cuidados básicos de higiene ocupacional Criar e fazer cumprir regras gerais de higiene ocupacional Definir práticas padronizadas para a utilização de alguns produtos químicos Não pagar o adicional de insalubridade em algumas situações e deixar o ônus da prova para o reclamante Adotar equipamentos de proteção, mas zelar pela adequação, correta utilização e conservação dos mesmos Contestar os laudos, definindo pela insalubridade, até as últimas conseqüências Manter um controle administrativo para evitar surpresas

63 5.7) Custo do Acidente x Investimento em Segurança 5.7.1) Introdução De acordo com o prof. José Pastore (FIPE/USP), para cada R$ 1 investido em Segurança e Prevenção de Acidentes, economiza-se cerca de R$ 4 em perdas e danos com acidentes e doenças ocupacionais. Além disso, o déficit da Previdência Social e a elevação dos gastos com acidentes de trabalho estão provocando mudanças tanto na cobrança do Seguro Acidente de Trabalho (SAT) quanto no pagamento dos adicionais de insalubridade, com a criação de novos critérios para a concessão de aposentadorias especiais. 5.7.2) Seguro Acidente de Trabalho (SAT) A flexibilização do SAT pretende, através da cobrança de percentuais diferenciados, ampliar a consciência de empregadores quanto às necessidades de investimento na prevenção; O INSS conclui que o empregador que gera acidentes ou doenças ocupacionais deve ser responsabilizado pela situação gerada e financiar os custos que recaem sobre o organismo previdenciário, e vice-versa; Fatores previdenciários (FAP Fator Acidentário Previdenciário) que consideram a quantidade de ocorrências de origem acidentária ou doenças ocupacionais relatadas e organizadas pelo CID, a gravidade destas ocorrências e seu custo para o INSS serão o diferencial para cada empresa, que poderá dobrar o SAT ou reduzí-lo pela metade, dentro de um mesmo grupo homogêneo de empresas; Este sistema de bônus/malus representa um estímulo para que as empresas invistam em SST, uma vez que os percentuais recaem sobre o valor total da folha de pagamentos

5.7.3) Aposentadoria Especial As alterações adotadas para a concessão da aposentadoria especial representam importantes modificações na captação de recursos pelo INSS, e ao mesmo tempo, uma ferramenta indireta para estimular a ampliação de investimentos em SST; Ao criar sobretaxas de 6%, 9% ou 12% (de acordo com a classificação de risco da empresa) sobre o salário para empresas que expõe seus trabalhadores a agentes nocivos, a Previdência criou um estímulo à eliminação dos agentes nocivos e ao fim do adicional de insalubridade;

64

Capítulo 06
Prevenção e Controle de Perdas
Índice 6.1) O que aprender neste capítulo? 6.2) Fundamentos 6.3) Controle de Acidentes com Danos à Propriedade 6.4) Elementos Básicos para um Programa de Segurança 6.5) Controle de Identificação de Causas de Acidentes 6.6) Controle das Causas do Acidente 6.7) Administração de Riscos 6.8) Responsabilidade Civil e Criminal 6.9) Controle de Perdas e Perícias Trabalhistas 6.10) Para Saber Mais... 6.11) Trabalho Prático 6.1) O que aprender neste capítulo? Conhecer os conceitos básicos usados em Gerência de Riscos; Conhecer o conceito de acidente do trabalho; Conhecer o conceito de risco; Saber quais são as causas dos acidentes de trabalho; Revisar alguns conceitos de segurança. 6.2) Fundamentos
Heinrich (1931) Acidentes s/ lesão Pirâmide de Heinrich Proporção CI/CD 4:1 ICNA (1969) Quase acidente Dados estatísticos sobre acidentes pessoais e materiais Pirâmide da ICNA Fletcher & Douglas (1970) Programa de Controle Total de Perdas Implicações em máquinas, equipamentos, instalações, meio ambiente, etc.

1930

1940

1950 Bird (1966)

1960

1970

1980 Hammer (1972) Prevenção e Controle de Perdas Eng. de Segurança de Sistemas Erros de projeto e/ou em especificação dos

Programa de Controle de Danos Dados estatísticos e financeiros Pirâmide de Bird

6.2) Fundamentos

65
1
Lesões incapacitantes

1

Lesões incapacitantes

1

29 29

Lesões leves 100

Lesões leves

10

30
30

300

500

600

Sem lesões

Danos à propriedade

Incidente

O processo pelo qual ocorre uma perda por acidente é uma série seqüencial de causas de efeitos que resulta em danos aos recursos humanos e materiais ou em descontinuação operacional. Compõe-se de 3 fases distintas:

Causa

Fato

Efeito

Condição Potencial de Perdas

Acidente

Perda Real ou Perda Potencial

Condição potencial de perdas Condição ou grupo de condições capaz, sob certas circunstâncias não-planejadas, de causar perdas. Como condição, ela é estática e de equilíbrio instável Acidente Acontecimento indesejado e inesperado (não programado) que produz ou pode produzir perdas. Perda Real e Perda Potencial Perda Real: produto do acidente; pode manifestar-se como lesão ou morte de pessoas, danos à propriedade, perdas de produção, etc. Perda Potencial: também chamada de quase perda, é aquela que, em condições um pouco diferentes, poderia ter se transformado em perda real As perdas normalmente podem ser avaliadas em termos de custos (reparo de equipamentos danificados, despesas médicas, lucro cessante, aumento da taxa de seguro, etc.).

66 Circunstâncias que levam às perdas

Falta de Controle

Causa Básica

Causa Imediata

Acidente Incidente

Pessoas Materiais

Adminis tração

Origem

Sintoma Contato

Perdas

Circunstâncias que levam às perdas
Aquilo que as pessoas fazem ou deixam de fazer é considerado fator causal imediato

Material Pessoas

Uma das principais fontes de causa de acidente; elemento usado, transformado e do qual as pessoas se beneficiam

Considerados com sendo as fontes principais de (in)acidentes, originando a proteção de máquinas

Máquinas E Equipamentos

Ambiente

Tudo aquilo que está ao redor do trabalhador durante o trabalho

6.3) Controle de Acidentes com Danos à Propriedade 6.3.1) Estrutura do Programa Detecção e Comunicação de Acidentes Comunicação à seguradora e controle de acidentes envolvendo bens segurados Liberação dos bens segurados para reparos Investigação e análise de acidentes Implementação e controle de execução das medidas corretivas Controle do custo dos acidentes

67 6.3.2) Detecção e Comunicação de Acidentes Detecção do acidente: Ocorrência Execução de manutenção corretiva ou preventiva Inspeções de áreas Comunicação do acidente: Deve ser imediata, para o supervisor/gerente e aos profissionais de segurança, para que as devidas providências sejam tomadas

6.3.3) Comunicação à seguradora e controle de acidentes envolvendo bens segurados

Acidente

Fim

Não

Bens danificados são segurados ?

Sim

SESMT solicita uma estimativa de custo dos danos

Financeiro decide sobre liberação bens

Perda

SESMT informa a diretoria financeira

Financeiro comunica a seguradora

6.3.4) Liberação dos bens segurados para reparos Dois objetivos: Atendimento às normas da seguradora Prevenção de novos acidentes derivados da situação gerada pelo acidentes ocorrido A liberação dos bens se dá pela diretoria financeira da empresa. Ao SESMT cabe a recomendação de cuidados especiais quanto a aspectos de segurança 6.3.5) Investigação e Análise de acidentes Implementação e controle de execução das medidas corretivas Controle do custo dos acidentes

68 6.3.2) Benefícios do Programa Introdução de uma sistemática de acidentes com danos à propriedade Indicação de áreas, equipamentos e procedimentos críticos Controle de causas comuns a acidentes com danos à propriedade e/ou pessoais Fornecimento de subsídios para o aprimoramento da política de seguros da empresa Realce da importância das atividades de prevenção de acidentes, ressaltando a sua função social, bem como melhoria de produtividade e da rentabilidade da empresa Mudança de atitude do pessoal técnico e de decisão da empresa, passando do enfoque curativo (reparo de danos) para o corretivo (eliminação das causas dos acidentes), e deste para o preventivo (evitar que o acidente aconteça) Abertura de novos caminhos que possibilitem um avanço técnico da metodologia empregada na prevenção de acidentes 6.3.3) Controle administrativo de perdas Planos de Ação Prevenção de lesões Acidentes c/ danos à propriedades Prevenção e combate a incêndios Higiene do trabalho Segurança patrimonial Segurança do produto Técnicas de Análise Técnica de Incidentes Críticos (TIC), Análise qualitativa TIC, Análise qualitativa Análise qualitativa, Análise quantitativa Análise qualitativa, Análise quantitativa TIC, Análise qualitativa APR, FMEA (Análise de Modos de Falha e Efeitos), AAF (Análise de Árvores de Falhas), Análise de procedimentos

Redução das perdas por absenteísmo Análise das causas Redução das perdas por paralisação Confiabilidade, FMEA, Análise de procedimentos de equipamentos 6.4) Elementos Básicos para um Programa de Segurança 6.4.1) Direção A direção da empresa deve assumir a segurança em sua filosofia empresarial, implantando as normas básicas de segurança, contando com pessoal especializado para este fim e realizando a avaliação de riscos 6.4.2) Responsabilidade Clareza nas responsabilidades de cada um quanto à segurança do trabalho, que deve ser assumida por todos 6.4.3) Técnicas de Segurança Analíticas (aplicadas anterior e posteriormente aos acidentes) Operativas (permanentes, aplicadas sobre o fator técnico de concepção e humano ou para correção)

69 6.4.4) Inspeções de Segurança Tipos: Origem (interna, externa), Objetivos (periódicas, extraordinárias), Métodos (formais, informais), Agentes (SESMT, CIPA, consultores) Passos gerais: preparação, realização, classificação de riscos e estudo de soluções Lista de inspeção: instalações gerais, condições ambientais, instalações de PCI, manutenção Metodologia: inspeção em si; projetos e especificações; métodos de melhoramento (análise do método atual, questionamentos dos detalhes, elaboração e aprovação de novo método) 6.4.5) Sistema de Registro de Incidentes/Acidentes Criação de interesse geral na prevenção de acidentes Determinação das principais fontes de incidentes e acidentes Prestação de informações sobre atos e condições inseguras Informações sobre acidentes, suas causas e efeitos Julgamento da eficiência dos programas de segurança Justificativa dos gastos com SST Encaminhamento aos órgãos públicos 6.4.2) Investigação de Acidentes Critérios de seleção Formas de investigação Requisitos do investigador Requisitos da investigação Esquema da investigação Análise do local Início do processo dedutivo Tipos de causas Relatório 6.5) Controle de Identificação de Causas de Acidentes Inspeções programadas de segurança Estudo das doenças ocupacionais Análise de Segurança do Trabalho Observação de Segurança Permissão de Trabalho Delimitação de área restrita Relatório de incidente/acidente e ficha de investigação de acidente

6.6) Controle das Causas de Acidentes 6.6.1) Tipos de Controle Ambiental: reestruturação ou manutenção do local de trabalho de forma tal a não propiciar acidentes

70 Comportamental: influência ou modificação no comportamento do trabalhador visando minimizar ou eliminar o risco de acidentes 6.6.2) Elementos do Programa de Prevenção de Perdas Controle de causas dos acidentes Redução de perdas por acidentes Estruturação final Avaliação Recomendações 6.6.3) Elementos de Controle das Causas de Acidentes Projetos, arranjos físicos e proteção pessoal Prevenção de incêndio Manutenção Normas e procedimentos de segurança Ordem e limpeza / 5S Treinamento Divulgação da informação (para todos os níveis) 6.6.4) Elementos de Redução de Perdas por Acidente Primeiros Socorros Reabilitação Planos de controle de emergência

71 6.6.6) Avaliação PDCA 6.6.7) Recomendações Nova filosofia de SST patrocinada pela AA Conscientização de todos os empregados para SST Prevenção e Controle de acidentes Sistematização de verificação de atos e condições inseguras Estabelecimento de sistema de informação e comunicação Introdução gradativa do Programa

6.7) Administração de Riscos

6.7.1) Processos Básicos Identificação de perigos Análise de riscos Avaliação de riscos Tratamento de riscos: Prevenção Eliminação Mitigação Retenção Transferência

6.8) Responsabilidade civil e criminal Súmula 229 do STF A indenização acidentária não exclui a de direito comum em caso de dolo ou culpa grave do empregador . CF, art. 7.º - São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XXVIII - seguro contra acidente do trabalho, a cargo do empregador, sem excluir a indenização a que está obrigado, quando incorrer em dolo e culpa .

Fundamento Art.. 159 do Código Civil - Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência, ou imprudência violar direito, ou causar prejuízo a outrem, fica obrigado a reparar o dano. Art. 186 do Novo Código Civil - Aquele que, por ação ou omissão voluntária, negligência ou imprudência, violar direito e causar dano a outrem, ainda que exclusivamente moral, comete ato ilícito Não cumprimento das normas relativas à segurança e medicina do trabalho; das normas coletivas, do contrato individual de trabalho, das medidas propostas no PCMSO, PPRA, PCMAT, etc. . Lesões corporais art. 1.538 do C. C art. 949 N.C.C.

72 Ressarcimento das despesas do tratamento (dano emergente); Lucros cessantes até o fim da convalescença (alta médica); Danos morais (se a lesão provocou uma situação vexatória); Danos estéticos (deformidade); Pensão vitalícia, correspondente à importância do trabalho, constituído de um capital para garantir o pagamento das prestações futuras (proporcional a inabilitação para a atividade que desempenhava). Homicídio art. 1.537 do C. C art. 948 N.C.C. Pagamento das despesas com o tratamento da vítima, seu funeral, luto da família, jazigo, etc. (dano emergente); Danos morais Pensão mensal correspondente a 2/3 dos rendimentos do de cujus, até a época em que este completaria 65 anos (prestação de alimentos às pessoas a quem o defunto devia) Independência entre a Resp.civil e criminal art. 1525 CC

Condenação criminal art. 63 do CPP Sentença condenatória transitada em julgado constitui título executivo judicial para reparação no juízo cível. Solidariedade pela reparação art. 1518 do CC art. 942 NCC Todos responderão em caso de mais de um autor a ofensa. Responsabilidade objetiva art. 927 parágrafo único NCC Obrigação de reparar o dano, independente de culpa, quando a atividade normalmente desenvolvida pelo autor do dano implicar, por sua natureza, riscos para direito de outrem. Imputáveis - Empregador e seus agentes Sócios, gerentes, diretores ou administradores que participem da gestão da empresa, profissionais do SESMT Contravenção penal § 2.º art. 19 da Lei 8.213/91 Deixar de cumprir as normas de segurança e higiene do trabalho Pena de multa Crime - art. 132 do CP perigo para a vida ou a saúde de outrem Expor a vida ou a saúde de outrem a perigo direto e iminente . Pena: detenção de 3 meses a 1 ano, se o fato não constituir crime mais grave. Lesão corporal art. 129 CP detenção de 3 meses a 1 ano Lesão corporal grave - § 1.º - reclusão de 1 a 5 anos Incapacidade por mais de 30 dias, perigo de vida, debilidade permanente de membro, sentido ou função, aceleração do parto Lesão corporal gravíssima - § 2.º - reclusão de 2 a 8 anos Incapacidade permanente, enfermidade incurável, perda ou inutilização de membro, sentido ou função, deformidade permanente, aborto Lesão corporal seguida de morte - § 3.º- reclusão de 4 a 12 anos Homicídio culposo art. 121 § 3.º - detenção de 1 a 3 anos Homicídio doloso art. 121 reclusão de 6 a 20 anos

6.9) Controle de Perdas e Perícias Trabalhistas

73 6.9.1) Lei 6514 de 22.12.1977 Seção XIII - Das Atividades Insalubres ou Perigosas Art. 189. Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos. [...] Art. 191. A eliminação ou a neutralização da insalubridade ocorrerá: I - com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; II - com a utilização de equipamentos de proteção individual ao trabalhador, que diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância. Parágrafo único. Caberá às Delegacias Regionais do Trabalho, comprovada a insalubridade, notificar as empresas, estipulando prazos para sua eliminação ou neutralização, na forma deste artigo. Art. 192. O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo. Art. 195. A caracterização e a classificação da insalubridade e da periculosidade, segundo as normas do Ministério do Trabalho, far-se-ão através de perícia a cargo de Médico do Trabalho ou Engenheiro do Trabalho, registrados no Ministério do Trabalho. § 1º É facultado às empresas e aos sindicatos das categorias profissionais interessadas requererem ao Ministério do Trabalho a realização de perícia em estabelecimento ou setor deste, com o objetivo de caracterizar e classificar ou delimitar as atividades insalubres ou perigosas. § 2º Argüida em juízo insalubridade ou periculosidade, seja por empregado, seja por Sindicato em favor de grupo de associados, o juiz designará perito habilitado na forma deste artigo, e, onde não houver, requisitará perícia ao órgão competente do Ministério do Trabalho. 6.9.2) Lei 5584 de 26.06.1970 Art. 3º Os exames periciais serão realizados por perito único designado pelo Juiz, que fixará o prazo para entrega do laudo. Parágrafo único. Permitir-se-á a cada parte a indicação de um assistente, cujo laudo terá que ser apresentado no mesmo prazo assinado para o perito, sob pena de ser desentranhado dos autos. 6.10) Para Saber Mais... TAVARES, José da Cunha. Noções de Prevenção e Controle de Perdas em Segurança do Trabalho. Editora Senac, 2005. 6.11) Trabalho Prático

Caixa de Ferramentas Estudo comparativo das técnicas

74

Capítulo 07
Engenharia de Segurança de Sistemas
Índice 7.1) Introdução 7.2) Técnicas de Identificação de Perigos 7.3) Técnicas de Análises de Riscos 7.4) Técnicas de Avaliação de Riscos 7.5) Para Saber Mais 7.6) Trabalho Prático

7.1) Introdução A classificação do risco é um fator crítico em qualquer situação de Gerenciamento da Segurança, mas as técnicas que agora estão sendo disponibilizadas, auxiliadas pela crescente disponibilidade dos Bancos de Dados, permitirão, de agora em diante, a determinação dos riscos com uma exatidão cada vez maior. Qualquer risco poderá então ser calculado e otimizado para o bem da comunidade . A.J. Herbert (1976) 7.1.1) Conceito O conforto e desenvolvimento trazidos pela industrialização produziram também um aumento considerável no número de acidentes, ou ainda das anormalidades durante um processo devido a máquinas cada vez mais sofisticadas, obsolescência de equipamentos,etc. Com a preocupação e a necessidade de dar maior atenção ao ser humano, principal bem de uma organização, além de buscar uma maior eficiência, nasceram primeiramente o Controle de Danos, o Controle Total de Perdas e por último a Engenharia de Segurança de Sistemas. Esta última, surgida com o crescimento e necessidade de segurança total em áreas como aeronáutica, aeroespacial e nuclear, trouxe valiosos instrumentos para a solução de problemas ligados à segurança. Com a difusão dos conceitos de perigo, risco e confiabilidade, as metodologias e técnicas aplicadas pela segurança de sistemas, inicialmente utilizadas somente nas áreas militar e espacial, tiveram a partir da década de 70 uma aplicação quase que universal na solução de problemas de engenharia em geral. As principais técnicas difundidas pela Engenharia de Segurança de Sistemas classificadas segundo a finalidade a que se propõem, são descritas neste capítulo.

Identificação de Perigos

Técnica de Incidentes Críticos - TIC What-If Brainstorming Check List Lista de Verificações Análise preliminar de Perigos/Riscos - APP/APR Análise de modos de falha e efeitos - FMEA Análise de operabilidade de perigos - HazOp

Análise de Riscos

75 Avaliação de Riscos Análise de árvore de eventos AAE/ETA Análise por Diagrama de Blocos ADB Análise de árvore de falhas AAF/FTA Management Oversight and Risk Tree MORT

7.1.2) Condução dos Estudos de Perigo e Risco Cada estudo deve possuir um líder, com treinamento na técnica a ser utilizada, devendo ter participado de estudos semelhantes O líder deve estabelecer o escopo e fronteiras do estudo e sugerir a técnica mais adequada, em consenso com a liderança da unidade; deve ainda estruturar a equipe conforme as necessidades do escopo, atendendo o critério multidisciplinar; Para um subsistema de processo já segmentado e priorizado, recomenda-se que a equipe possua as seguintes áreas representadas: Operação (nível supervisão) Instrumentação, manutenção, automação, inspeção Operador(es) experiente(s) Especialistas em SMS (Segurança, M. Ambiente e Saúde) Engenharia e/ou Projetos Outros, se necessário O líder deve delegar atribuições e definir funções específicas tais como o registro do apoio de recursos O líder deve obter informações atualizadas para o perfeito entendimento do subsistema pelo grupo, incluindo, mas não se limitando a: Memorial de instalações Fluxogramas de processo e engenharia, diagramas de instrumentação e engenharia, plantas, esquemas, etc.; Dados de propriedades físico-químicas e características toxicológicas dos principais produtos, substâncias ou materiais utilizados no subsistema; Informações sobre acidentes, incidentes e desvios ocorridos desde a última revisão ou nos últimos 2 anos; Informações sobre itens especiais de segurança, intertravamento, etc.; Plano de emergência da área; Estudos de riscos anteriores; Documentação de operação (incluindo condicionantes das licenças ambientais); Procedimentos, normas e/ou regulamentos que afetem a área; Informações referentes a avaliações de riscos ambientais e condições ergonômicas da operação. Recomenda-se que, antes do início do estudo, o participante especializado no processo faça uma explanação sobre o subsistema para nivelamento de todo o grupo. Recomenda-se que o grupo vá a campo e verifique a situação física atual do subsistema, para iniciar o reconhecimento de perigos; O estudo deve ser documentado, sendo elaborado um relatório ou formulário padronizado, quando aplicável, cujos itens mínimos são: Introdução e folha de assinaturas; Resumo executivo; Resumo do processo, atividade ou operação analisada no estudo; Documentação do estudo, por meio de planilhas ou formulários preenchidos, segundo a técnica utilizada; Conjunto de recomendações sobre o subsistema, vinculada aos aspectos levantados na aplicação da técnica utilizada.

76 7.2) Técnicas de Identificação de Perigos 7.2.1) Técnica de Incidentes Críticos (TIC) A Técnica de Incidentes Críticos, também conhecida em português como "Confessionário" e em inglês como "Incident Recall", é uma análise operacional, qualitativa, de aplicação na fase operacional de sistemas, cujos procedimentos envolvem o fator humano em qualquer grau. É um método para identificar erros e condições inseguras que contribuem para a ocorrência de acidentes com lesões reais e potenciais, onde se utiliza uma amostra aleatória estratificada de observadores-participantes, selecionados dentro de uma população. Uma vez que incidentes ocorrem em uma quantidade muito superior aos acidentes, mas representam os mesmos perigos, sem redundar em danos, daí seu potencial preventivo.

Aplicações Principais: todo o tipo de empresa, em qualquer fase do seu ciclo de vida, para o reconhecimento constante de perigos e seu controle Resultados esperados: Revelação com confiança dos fatores causais de acidentes; Identificação de fatores causais associados a acidentes; Revelação de uma quantidade maior de informações sobre causas de acidentes; Identificação e exame dos problemas de acidentes anteriormente à ocorrência dos mesmos; Conhecimento necessário para a melhoria significativa de nossa capacidade de controle e identificação de problemas de acidente 7.2.2) What-If (E se...) O procedimento What-If é uma técnica de análise geral, qualitativa, cuja aplicação é bastante simples e útil para uma abordagem em primeira instância na detecção exaustiva de riscos, tanto na fase de processo, projeto ou préoperacional, não sendo sua utilização unicamente limitada às empresas de processo. A finalidade do What-If é testar possíveis omissões em projetos, procedimentos e normas e ainda aferir comportamento, capacitação pessoal e etc. nos ambientes de trabalho, com o objetivo de proceder a identificação e tratamento de riscos. A técnica se desenvolve através de reuniões de questionamento entre duas equipes. Os questionamentos englobam procedimentos, instalações, processo da situação analisada. A equipe questionadora é a conhecedora e familiarizada com o sistema a ser analisado, devendo a mesma formular uma série de quesitos com antecedência, com a simples finalidade de guia para a discussão. Para a aplicação o What-If, utiliza-se de uma sistemática técnico-administrativa que inclui princípios de dinâmica de grupo, devendo ser utilizado periodicamente. A utilização periódica do procedimento é o que garante o bom resultado do mesmo no que se refere à revisão de riscos do processo. Da aplicação do What-If resultam uma revisão de um largo espectro de riscos, bem como a geração de possíveis soluções para os problemas levantados, além disso, estabelece um consenso entre as áreas de atuação como produção, processo e segurança quanto à forma mais segura de operacionalizar a planta. O relatório do procedimento fornece também um material de fácil entendimento que serve como fonte de treinamento e base para revisões futuras.

77 Passos Básicos: Formação do comitê de revisão: montagens das equipes e seus integrantes; Planejamento prévio: planejamento das atividades e pontos a serem abordados na aplicação da técnica; Reunião Organizacional: com a finalidade de discutir procedimentos, programação de novas reuniões, definição de metas para as tarefas e informação aos integrantes sobre o funcionamento do sistema sob análise; Reunião de revisão de processo: para os integrantes ainda não familiarizados com o sistema em estudo; Reunião de formulação de questões: formulação de questões "O QUE - SE...", começando do início do processo e continuando ao longo do mesmo, passo a passo, até o produto acabado colocado na planta do cliente; Reunião de respostas às questões (formulação consensual): em seqüência à reunião de formulação das questões, cabe a responsabilidade individual para o desenvolvimento de respostas escritas às questões. As respostas serão analisadas durante a reunião de resposta às questões, sendo cada resposta categorizada como: - resposta aceita pelo grupo tal como submetida; - resposta aceita após discussão e/ou modificação; - aceitação postergada, em dependência de investigação adicional. O consenso grupal é o ponta chave desta etapa, onde a análise de riscos tende a se fortalecer; Relatório de revisão dos riscos do processo: o objetivo é documentar os riscos identificados na revisão, bem como registrar as ações recomendadas para eliminação ou controle dos mesmos. 7.2.3) Brainstorming O brainstorming (ou "tempestade de idéias") mais que uma técnica de dinâmica de grupo é uma atividade desenvolvida para explorar a potencialidade criativa do indivíduo, colocando-a a serviço de seus objetivos. Quando se necessita de respostas rápidas a questões relativamente simples, o brainstorming é uma das técnicas mais populares e eficazes. Muito embora, esta técnica tenha sido difundida e inserida em diversas outras áreas tais como, educação, negócios, e outras situações mais técnicas.

O Brainstorming clássico é baseado em dois princípios e quatro regras básicas: Princípios Atraso do julgamento Criatividade em quantidade e qualidade Regras Críticas são rejeitadas Criatividade é bem-vinda Quantidade é necessária Combinação e aperfeiçoamento são necessários 7.2.4) Check-List Procedimento de revisão de riscos de processos destinado a produzir: Retomada de um largo espectro de riscos;

78 Consenso entre as áreas de atuação (produção, processo, segurança); Relatório de fácil entendimento que também deve servir como material de treinamento; Ideal como primeira abordagem na análise de riscos de processos;

7.3) Técnicas de Análise de Riscos 7.3.1) Análise Preliminar de Riscos APR/PHA Também chamada de Análise Preliminar de Perigos (APP), consiste no estudo, durante a fase de concepção ou desenvolvimento prematuro de um novo sistema, com o fim de se determinar os riscos que poderão estar presentes na sua fase operacional. A APR é, portanto, uma análise inicial "qualitativa", desenvolvida na fase de projeto e desenvolvimento de qualquer processo, produto ou sistema, possuindo especial importância na investigação de sistemas novos de alta inovação e/ou pouco conhecidos, ou seja, quando a experiência em riscos na sua operação é carente ou deficiente. Apesar das características básicas de análise inicial, é muito útil como ferramenta de revisão geral de segurança em sistemas já operacionais, revelando aspectos que às vezes passam desapercebidos. A APR foi desenvolvida pelo Bell Labs, em 1962, e teve seu desenvolvimento na área militar, sendo aplicada primeiramente como revisão nos novos sistemas de mísseis. Assim, a APR foi aplicada com o intuito de verificar a possibilidade de não utilização de materiais e procedimentos de alto risco ou, no caso de tais materiais e procedimentos serem inevitáveis, no mínimo estudar e implantar medidas preventivas. Para ter-se uma idéia da necessidade de segurança, na época, de setenta e dois silos de lançamento do míssil intercontinental Atlas, 4 deles foram destruídos quase que sucessivamente. Sem contar as perdas com o fator humano, as perdas financeiras estimadas eram de US$ 12 milhões para cada uma destas unidades perdidas. Etapas básicas do desenvolvimento de uma APR/APP Revisão de problemas conhecidos: Consiste na busca de analogia ou similaridade com outros sistemas, para determinação de riscos que poderão estar presentes no sistema que está sendo desenvolvido, tomando como base a experiência passada. Revisão da missão a que se destina: Atentar para os objetivos, exigências de desempenho, principais funções e procedimentos, ambientes onde se darão as operações, etc.. Enfim, consiste em estabelecer os limites de atuação e delimitar o sistema que a missão irá abranger: a que se destina, o que e quem envolve e como será desenvolvida. Determinação dos riscos principais: Identificar os riscos potenciais com potencialidade para causar lesões diretas e imediatas, perda de função (valor), danos à equipamentos e perda de materiais. Determinação dos riscos iniciais e contribuintes: Elaborar séries de riscos, determinando para cada risco principal detectado, os riscos iniciais e contribuintes associados. Revisão dos meios de eliminação ou controle de riscos:Elaborar um brainstorming dos meios passíveis de eliminação e controle de riscos, a fim de estabelecer as melhores opções, desde que compatíveis com as exigências do sistema. Analisar os métodos de restrição de danos: Pesquisar os métodos possíveis que sejam mais eficientes para restrição geral, ou seja, para a limitação dos danos gerados caso ocorra perda de controle sobre os riscos. Indicação de quem levará a cabo as ações corretivas e/ou preventivas: Indicar claramente os responsáveis pela execução de ações preventivas e/ou corretivas, designando também, para cada unidade, as atividades a desenvolver.

79 7.3.2) Análise de Modos de Falha e Efeitos FMEA/AMFE

A FMEA é uma análise detalhada, podendo ser qualitativa ou quantitativa, que permite analisar as maneiras pelas quais um equipamento ou sistema pode falhar e os efeitos que poderão advir, estimando ainda as taxas de falha e propiciado o estabelecimento de mudanças e alternativas que possibilitem uma diminuição das probabilidades de falha, aumentando a confiabilidade do sistema. De acordo com HAMMER (1993), a confiabilidade é definida como a probabilidade de uma missão ser concluída com sucesso dentro de um tempo específico e sob condições específicas. A AMFE foi desenvolvida por engenheiros de confiabilidade para permitir aos mesmos, determinar a confiabilidade de produtos complexos. Para isto é necessário o estabelecimento de como e quão freqüentemente os componentes do produto podem falhar, sendo então a análise estendida para avaliar os efeitos de tais falhas. Método da FMEA Dividir o sistema em subsistemas que podem ser efetivamente controlados; Preparar um check-list dos componentes de cada subsistema e sua função específica; Determinar através da análise de projetos e diagramas, os modos possíveis de falha que possam afetar outros componentes. Os modos básicos de falha devem ser agrupados nas seguintes categorias: Falha de omissão Falha na missão: Falha por ato ou ação estranha Falha seqüencial Falha temporal Indicar os efeitos de cada falha sobre outros componentes e como esta afeta a operação do mesmo; Estimar a gravidade de cada falha específica de acordo com as categorias de risco, para possibilitar a priorização de alternativas; Indicar os métodos usados para detecção de cada falha específica; Formular possíveis ações de compensação e reparos que podem ser adotadas para eliminar ou controlar cada falha específica e seus efeitos;

7.3.4) Análise de Operabilidade de Perigos

HazOp Analysis

O estudo de identificação de perigos e operabilidade conhecido como HazOp é uma técnica de análise qualitativa desenvolvida com o intuito de examinar as linhas de processo, identificando perigos e prevenindo problemas. Porém, atualmente, a metodologia é aplicada também para equipamentos do processo e até para sistemas. O método HazOp é principalmente indicado quando da implantação de novos processos na fase de projeto ou na modificação de processos já existentes. O ideal na realização do HazOp é que o estudo seja desenvolvido antes mesmo da fase de detalhamento e construção do projeto, evitando com isso que modificações tenham que ser feitas, quer no detalhamento ou ainda nas instalações, quando o resultado do HazOp for conhecido. Em termos gerais, pode-se dizer que o HazOp é bastante semelhante à FMEA; contudo, a análise realizada pelo primeiro método é feita através de palavras-chaves que guiam o raciocínio dos grupos de estudo multidisciplinares, fixando a atenção nos perigos mais significativos para o sistema. As palavras-chaves ou palavras-guias são aplicadas às variáveis identificadas no processo gerando os desvios, que nada mais são do que os perigos a serem examinados.

80 A técnica HazOp permite que as pessoas liberem sua imaginação, pensando em todos os modos pelos quais um evento indesejado ou problema operacional possa ocorrer. Para evitar que algum detalhe seja omitido, a reflexão deve ser executada de maneira sistemática, analisando cada circuito, linha por linha, para cada tipo de desvio passível de ocorrer nos parâmetros de funcionamento. Para cada linha analisada são aplicadas a série de palavrasguias, identificando os desvios que podem ocorrer caso a condição proposta pela palavra-guia ocorra.

Palavras-guias do estudo HAZOP e respectivos desvios Palavra-guia Nenhum Mais Menos Mudanças na composição Componentes a mais Outra Condição Operacional Desvio Ausência de fluxo ou fluxo reverso Mais, em relação a um parâmetro físico importante. (Ex.: mais vazão, maior temperatura, mais pressão, etc.) Menos, em relação a um parâmetro físico importante. (Ex.: menos vazão, menor temperatura, menos pressão, etc.) Alguns componentes em maior ou menor proporção, ou ainda, um componente faltando. Componentes a mais em relação aos que deveriam existir. (Ex.: fase extra presente, impurezas,etc.) Partida, parada, funcionamento em carga reduzida, modo alternativo de operação, manutenção, mudança de catalizador,etc.

7.4) Técnicas de Avaliação de Riscos 7.4.1) Análise de Árvore de Eventos (ETA/AAE) A Análise da Árvore de Eventos (AAE) é um método lógico-indutivo para identificar as várias e possíveis conseqüências resultantes de um certo evento inicial. A técnica busca determinar as freqüências das conseqüências decorrentes dos eventos indesejáveis, utilizando encadeamentos lógicos a cada etapa de atuação do sistema. Nas aplicações de análise de risco, o evento inicial da árvore de eventos é, em geral, a falha de um componente ou subsistema, sendo os eventos subseqüentes determinados pelas características do sistema. Para o traçado da árvore de eventos as seguintes etapas devem ser seguidas: Definir o evento inicial que pode conduzir ao acidente; Definir os sistemas de segurança (ações) que podem amortecer o efeito do evento inicial; Combinar em uma árvore lógica de decisões as várias seqüências de acontecimentos que podem surgir a partir do evento inicial; Uma vez construída a árvore de eventos, calcular as probabilidades associadas a cada ramo do sistema que conduz a alguma falha (acidente). Ex.: Probabilidade de descarrilamento de vagões ou locomotivas, dado que existe um defeito nos trilhos

81

7.4.2) Análise por Diagrama de Blocos (ADB) A Análise por Diagrama de Blocos (ADB) se utiliza de um fluxograma em blocos do sistema, calculando as probabilidades de sucesso ou falha do mesmo, pela análise das probabilidades de sucesso ou falha de cada bloco. A técnica é útil para identificar o comportamento lógico de um sistema constituído por poucos componentes. Dependendo do sistema a análise pode ser feita em série ou em paralelo.

ADB em Série: P = P(A) x P(B) x P(C)

ADB em Paralelo: P = 1 - [(1 - P(A)) x (1 - P(B))]

7.4.3) Análise de Árvore de Falhas

FTA/AAF

A Ánalise de Árvore de Falhas FTA/AAF foi primeiramente concebida por H.A.Watson dos Bell Labs em 1961, a pedido da Força Aérea Americana para avaliação do sistema de controle do Míssil Balístico Minuteman. A FTA é um método excelente para o estudo dos fatores que poderiam causar um evento indesejável (falha) e encontra sua melhor aplicação no estudo de situações complexas. Ela determina as freqüências de eventos indesejáveis (topo) a partir da combinação lógica das falhas dos diversos componentes do sistema.

82 A diagramação lógica da árvore de falhas é feita utilizando-se símbolos e comportas lógicas, indicando o relacionamento entre os eventos considerados. As duas unidades básicas ou comportas lógicas envolvidas são os operadores "E" e "OU", que indicam o relacionamento casual entre eventos dos níveis inferiores que levam ao evento topo. As combinações seqüenciais destes eventos formam os diversos ramos da árvore.

Estrutura fundamental de uma árvore de falhas

7.4.4) Management Oversight and Risk Tree (MORT) O método conhecido como MORT é uma técnica que usa um raciocínio semelhante ao da AAF, desenvolvendo uma árvore lógica, só que com a particularidade de ser aplicado à estrutura organizacional e gerencial da empresa, ilustrando erros ou ações inadequadas de administração. Segundo Hammer (1993), o método pode ser também usado para esquematizar ações administrativas que possam ter contribuído para um acidente, o qual já tenha ocorrido. Nesta árvore cada evento é uma ação do operador ou administrador, sendo que as falhas de equipamentos ou condições ambientais não são consideradas.

83

Para Saber Mais... TAVARES, José da Cunha. Noções de Prevenção e Controle de Perdas em Segurança do Trabalho. Editora Senac, 2005. CARDELLA, Benedito.Segurança no Trabalho e Prevenção de Acidentes. Editora Atlas, 1999.

84

Capítulo 08
Custos de Acidentes de Trabalho
Índice

8.1) Introdução 8.2) Planejando o Sistema (Plan) 8.3) Operando o Sistema (Do) 8.4) Monitorando os Resultados (Check) 8.5) Introduzindo Melhorias (Act) 8.6) Sistemas Integrados de Gestão SIG 8.7) Para Saber Mais...

8.1) Introdução 8.1.1) Conceituação O que é Qualidade? O conceito de Qualidade é o mesmo para todas as pessoas? Existe boa e má qualidade? Dê exemplos

"Qualidade não é trabalhar muito, é trabalhar direito." "Qualidade não é obrigatória...sobrevivência também não... "Qualidade é uma questão de competitividade." William Edwards Deming

8.1.2) Evolução dos Modelos de SGSST Maio de 1996 Setembro de 1996 Publicada em Londres a BS 8800 ISO desaprova a criação de um grupo de trabalho para norma de SGSST BSI + organismos internacionais de normatização Norma unificada de SST ISO ratifica decisão de Setembro de 1996 Draft do OHSAS 18001 é publicado

Novembro de 1998 Janeiro de 1999 Fevereiro de 1999 8.1.3) PDCA

85

Análise crítica pela Administração Acidentes, incidentes, não conformidades, ações preventivas e corretivas

Política de SST Identificação de perigos, avaliação e controle de riscos Objetivos e programas de gestão Exigências legais e outras Documentação e controle de dados e documentos Preparação e atendimento de emergências Consulta e comunicação Controle operacional Estrutura e responsabilidade Treinamento, conscientização e competência

ACT CHECK

PLAN DO

Medição e monitoramento do desempenho Controle e gestão de registros Auditoria

8.2) Planejando o Sistema

8.2.1) Política de SST A empresa deve desenvolver e implementar uma política de gestão que defina o direcionamento geral, bem como os princípios de sua atuação em relação à SST. A formalização de uma política de SST traz as seguintes vantagens: Fornece uma forma de previsibilidade de ações às pessoas de dentro e de fora da organização Motiva a empresa a pensar com maior profundidade sobre os problemas de SST Fornece uma base para as ações da gerência e dá legitimidade a essas ações Fornece uma base para as ações da gerência e dá legitimidade a essas ações

86 8.2.2) Identificação de Perigos, Avaliação e Controle de Riscos

8.2.3) Exigências Legais e Outras

87 8.2.4) Objetivos e Programas de Gestão SST Objetivo (O Quê) Meta (Quanto e Quando) Indicador (Como)

POL ÍTI CA DE SST

OBJETIVO 01 OBJETIVO 02 OBJETIVO n Objetivos

PGSST 01 PGSST 02 PGSST n Programas

Plano 01 Plano 02 Plano n Plano de Ação

8.3) Operando o Sistema

8.3.1) Estrutura e Responsabilidade

Presidente / CEO VP Superintendente Comitê de Gerenciamento SST (diretoria/assessores) Representante da Administração Grupo de Implantação

8.3.2) Treinamento, Conscientização e Competência Os empregados devem ser competentes para realizar as tarefas que podem afetar a SST. A competência deve ser definida em termos de educação e treinamento adequados e/ou experiência. Os treinamentos devem levar em consideração os diferentes níveis de responsabilidade, habilidade, educação; e risco ao qual os trabalhadores estão expostos.

88

8.3.3) Consulta e Comunicação A organização deve estabelecer e manter procedimentos para assegurar que as informações relativas a SST sejam divulgadas entre os empregados e outras partes interessadas. O envolvimento e as consultas dos empregados devem ser documentadas e as partes interessadas informadas.

8.3.4) Documentação e Controle de Dados e Documentos

Estr

Política Objetivos Manual de SST

Tática

Programa de Gestão de Proc. Operacionais Instr. Segurança Formulários Registros SST

Planos de Emergência Proc. Operacionais Instr. Segurança Formulários Registros SST

Operacional

8.3.5) Controle Operacional

89

Assist. Técnica

Fonte

Entre ga
SGSST

Projeto

Perigo (Queda na periferia de laje)

Meio
Produ ção

Projeto
Planeja mento

Pessoas

Aquisi ção

Controle Operacional (Definir pontos de gancho no piso para fixação do cinto de segurança)

8.3.6) Preparação e Atendimento a Emergências

8.4) Monitorando os Resultados

90 8.4.1) Medição e Monitoramento

8.4.2) Controle e Gestão de Registros Identificação Legibilidade Rastreabilidade Proteção Tempo de retenção

8.4.3) Auditoria Escopo e freqüência das auditorias Metodologias e requisitos para conduzir e relatar os resultados Competências necessárias

8.5) Introduzindo Melhorias

8.5.1) Acidentes, Incidentes, NCs e CAPA

91

8.5) Introduzindo Melhorias

8.5.2) Análise Crítica pela Alta Administração A alta administração da organização, em intervalos por ela pré-determinados, deve analisar criticamente o Sistema de Gestão da SSO, para assegurar sua conveniência, adequação e eficácia contínuas. O processo de análise crítica deve assegurar que as informações necessárias sejam coletadas, de modo a permitir à administração proceder a essa avaliação. A referida análise crítica deve ser documentada. A análise crítica pela administração deve abordar a eventual necessidade de alterações na política, objetivos e outros elementos do Sistema de Gestão da SSO, à luz dos resultados de auditorias do mencionado Sistema, da mudança das circunstâncias e do comprometimento com a melhoria contínua.

8.6) Sistemas Integrados de Gestão

8.6.1) ISO 9000 x ISO 14000 x OHSAS 18000 Norma ISO 9001 Sistema Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ / QMS) Sistema de Gestão Ambiental (SGA / EMS) Sistema de Gestão de SST (SGSST / OHSMS) Propósito Satisfação do cliente

ISO 14001

Prevenção da poluição

OHSAS 18001

Ambiente de trabalho seguro e saudável

92 8.6) Sistemas Integrados de Gestão 8.6.2) Vantagens dos SIGs Diminuição e uso mais racional dos recursos necessários (humanos, financeiros, tecnológicos, tempo) Menor esforço por parte das organizações para certificação Mais propósitos atendidos com um número menor de elementos Melhor coordenação e balanceamento dos três propósitos Geração de uma menor quantidade de documentação Aumento da sinergia

SMS
5%

QSMS

27%

68%

Fonte: QSP (2002)

Para Saber Mais...

BENITE, Anderson Glauco. Sistemas de Gestão da Segurança e Saúde no Trabalho. Editora O Nome da Rosa, 2004. Vários. Apostila do curso Interpretação e Implementação da Gestão de Saúde e Segurança. Bureau Veritas do Brasil, 2006. British Standard Institution. OHSAS 18001: Occupational Health and Safety Management Systems specification. BSI, 1999.

This document was created with Win2PDF available at http://www.daneprairie.com. The unregistered version of Win2PDF is for evaluation or non-commercial use only.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful