Você está na página 1de 18

1

I

,. . ~ , - - - .
,.
.
~
,
-
- -
.

Sede e complexo esportivo em Miramar

Hinos que contal11 a história do clube

o Clube tem três hinos (ofici-

ais ou oficiosos), sendo um históri-

co, um realmente oficial e um po- pular. O histórico, pouco conheci- do, tem letra de Carlos Oias Fer- nandes e música do maestro Cami- 10 Ribeiro. Sua letra:

Somos da equipe brava e forte Do Cabo Branco triunfador. Vamos mostrar do Sul ao Norte Nosso ideal, nosso valor.

Da luta sempre

Palmas e flores por troféu.

Tem o pendão que defendemos

nós trazemos

Há um mundo de emoção Nas suas noites de esplendor

Há um convite para o sonho, há um

convite

Vem prá o Cabo Branco,

braços meus, Vem no Cabo Branco, vou prá os bra-

ços teus Oh, vem que as nossas festas sem- pre hão de brilhar

E nossos atletas

Vem ver nosso Carnaval

Nesses dias sem igual Aqui o ambiente é franco, Vem para o clube dos meus amores

para o amor

vem para os

hão de triunfar

A

cor

da

neve

e a cor

do céu.

Vem torcer

p~r nossas cores

 

Vem gritar:

"E Cabo Branco!"

Cheio de louros

e de glórias

O

Cabo Branco

é sem rival.

Finalmente,

há um hino muito

Cantemos,

Nosso

pois, nossas vitórias

nosso ideal.

valor,

nos Carnavais do Clube,

de autoria (letra e música) de Ge-

cantado

 

nival Macedo.

Tem a seguinte le-

E

as moças todas

de improviso

tra:

Formosas

vêm nos ofertar

A

flor gentil do seu sorriso,

A

doce luz do seu olhar.

O

hino oficial, marcha-hino com le-

tra

é o seguinte:

Vem ao Jardim Miramar

Ver

Dia e noite a reabrilhar É uma pérola encantada Lá no alto engastada Sempre namorandoo mar Se é domingo de verão há sereias na piscina

e música de Rivaldo Serrano,

meu clube, o Cabo Branco

Esporte Clube Cabo Branco Rua CeioSouza Lemos, 167 - Miramar

João

Pessoa/PB

- Cep.:58.043-190

Tel: (Ox83) 3225-3715

e 3225-2855

E-mail: cabobranco@uoLcom.br

Editado pela diretoria divulgação, arte e cultura Diretor:

de

Rômulo Gomes de Lima

Responsável:

Jornalista

Cardoso

Filho

Fotos:

Castelo

Contato

comercial:

Edna Lustosa

e Mazinha

Araújo

Programador

visual:

Paulo Sérgio

Sou Cabo Branco Cabo Branco até morrer Meu clube é forte

E o seu lema é vencer

~eu clube é quente

E pra frente,

No Carnaval,

é legal

o meu clube

É mais sensacional

Vamos todos dançar e amar Carnaval só é bom assim

Você bem juntinho a mim Vou nessa onda até o dia amanhecer Sou Cabo Branco

Cabo Branco até

morrer.

CONGRATULAÇÕES

A diretoria

do Esporte

Clube

Cabo Branco se congratula

com toda

a crônica social, enviando um frater- no abraço pela valiosa colaboração. Abelardo Jurema Filho Anchieta Maia Fábio Bernardo Gerardo Rabello Gorette Zenaide Hélia Botelho Ivonaldo Corrêa Marcelo Rocha(in memorian) Ricardo Olavo Rogério Freire Tereza Madalena

Faltam apenas 10 anos para o Esporte Clube CaboBrancocompletar 100 anosde existência. Com- pletando seu centenário em meio à crise econômica

Edição comemorativa de 90 anos

que atravessa todos os seguimentosda sociedade, o clube vem enfrentando o tempo e progredindo a cada ano que passa.Essa revista tem o objetivo de mos-

I!I

trar

essa realidade, o quanto o Cabo Branco evo-

,

luiu.

Havendodúvidasquan-

to à história do Esporte

Clube Cabo Branco

O ano de 2005 foi de glórias para o clube. Se-

diou o Campeonato Mundial de Natação; foi cam- peão de várias modalidades em competições reali- zadas dentro e fora do Estado. Promoveugrandes eventos, com a presença de cantores e artistas de renome nacional e internacional. Dentro da filosofia de Guilherme Carvalho, que deixou a presidência do sodalício no dia 13 de de- zembrode 2005, continua promovendocompetições, principE1'mente,destinadas as crianças e adolescen- tes, para elevar ainda mais o nomedo Esporte Clube Cabo Branco no cenário esportivo nacional. Nas suas vinte páginasa revista pretende mos-

trar aquilo que o sócio cabobranquensenão conhe- ce, principalmente sua história, uma entrevista com o ex-presidente, Guilherme Carvalho e com o atual presidente, Alexandre Cunha. Novinho faz um ba- lanço da sua gestão, mostrando o que fez durante quatro anos a frente do alvirubro do Miramar.

O Esporte Clube Cabo Branco está em franco

crescimento. E esse crescimento depende única e

exclusivamente do sócio, seja ele, remido, proprie- tário ou contribuinte. É de sua contribuição que de- pende o soerguimento do clube. Clube que já esteve com sua sede central, localizada na rua Duque de Caxias, preste a ser leiloada, mas, graças à cora- gem do presidente, isso não aconteceu.

A edição dessa revista visa mostrar, além de sua

hisfória, como está o seu patrimônio e quais os es- portes que estão em franca evolução.

A novadiretoria do clube também tem um desa-

fio. Dar continuidade ao excelente trabalho desem- penhado por Guilherme Carvalho. Alexandre Cunha pretende colocar o clube na segundadivisão do Fu- tebol paraibano. Depois de 56 anos o sodalício pôde voltar a disputar o campeonato. Alexandre é um presidente cheio de idéias, tem nomes importantes que compõema sua diretoria e isso ele considera importante para dar mais impulso as suas pretensões. Jovem, foi um dos importantes atletas do clube, na modalidade de Voleibol e sem- pre sonhou um dia ser o mandatário maior daquele que é considerado um dos mais importantes clubes sociais do Estado, do Nordeste e do País.

o pesadelo da perda da sede

central, originadode umaaçãotra- balhista reclamada por um gar- çom

Resgatar

os velhos carna-

vais. Este foi o principal

Pág-6

_I

O agente fiscal do Estado, Gui- lherme Carvalho, presidiu o

Em fevereiro,

no Verme-

lho e Branco, a esfuziante

. Edição -90 Anos

3

Esporte Clube Cabo Branco

Havendo dúvidas quanto à história do Esporte ClubeCaboBranco,noque diz res- peito às alterações introç/uzidas no seu nome, de sua fundação até os nossos dias,

tomamos

a iniciativa de realizar uma pes-

quisa a fim de que a verdade fosse restau- rada, dirimindo, desse modo, as controvér- sias, encerrando as polêmicas em torno do assunto. De acordo com dados que colhemos em jornais da época e em atas do arquivo do próprio clube, chegamos a algumas conclusões.

o Esporte ClubeCabo Branco foi fundado em 13 de dezembro de 1915 por um grupo de rapazes reunidos naquele acidente geo-

gráfico, quando retornava de uma

festa

partiu de Mr. Kerr, um dos inte- grantes do grupo, engenheiro quí- mico da extinta fábrica de sabo- nete Seixas. N início se dedicou ao "foot-ball" levantando o cam-

peonato de 1915, depois se

ressou por outras modalidades esportivas, notadamente o tênis.

Em 1934 disputou o seu último campeonato,sagrando-se campeão

no saudoso campo da Avenida 1°

de

Daí em diante passou a movi- mentar e a incentivar promoções sociais, realizando festas que marcaram época. Não suportando, porém, as despesas fez fusão com o Clube dos Diários., fundado em 12 de maio de 1925, considerado

um dos Clubes mais elegantes da cidade, rivalizando com o tradi- cional Ateria em realizações so-

ciais. A fusão foi realizada

5 de fevereiro de 1938 e dessa união nascia o Parahyba Clube. A sessão fio presidida conjunta- mente, pelos presidentes dos Di- ários e do Cabo Branco, respec- tivamente, drs. José Magalhães e Orris Barbosa. Valenotar que en- tendimentos nesse sentido vinham

sendo promovidos desde outubro de 1937. Numahomenagemaos dois clu-

na Praia da Penha. O nome

inte-

Maio, de sua propriedade.

no dia

Esporte Clube

Cabo Branco

bes, que mudavam de nome, as duas bandeiras foram hasteadas juntas na Sede Central. Coubeao médico HiginoBrito erguer o brin- de pela prosperidade e pelo en- grandecimento do Parahyba Clu- be, no momentoem que era servi- do o profuso copo de cerveja. Coma magnífica herança recebi- da, o Parahyba Clube logo se in- tegrou na vida social e esportiva de João Pessoa e a sua primeira diretoria provisória, aclamada, ficou assim constituída: Presiden-

te - Abelardo

Lobo; Secretário

-

Mirocem Navarro; Tesoureiro - Amaro Nunes Cavalcanti.Emvista de se encontrar ausente da nossa capital o Sr. Mirocem Navarro, o presidente designou o Sr. Luis Clementino de Oliveira para se- cretariar os trabalhos.

Julgamos

ainda necessário

relembrar os nomesdaqueles que, com muita dignidade, dirigiram o Clube dos Diários, isto é, a sua primeira diretoria, por sinal tam- bém aclamada: Dr. João Maurício

de Medeiros - presidente; Cel.

Manuel Hyppólito de Oliveira -

vice-presidente;

Manuel

Lucena - 1° Secretário;

Dr. Severino de

Ribeiro

da Cruz - 2° secretário;

Epaminondas

de

Souza

Gouveia

-

tesoureiro; Drs. Paulo de Maga- lhães e Fernando Carneiro da Cu-

nha Nóbrega - suplentes de se- cretários. Votamos ao Parahyba Clube. Doisanos depois, precisamente no

4

dia 23 de novembrode 1940, atra- vés de uma nova fusão, desta vez com o AutomóvelClube, entidade criada em 9 de maiode 1937, por dissidentes do Clube dos Diários inconformados com o resultado adverso da última eleição era res- taurado o nome do Esporte Clube Cabo Branco. Vê-se, assim, que o Automóvel Clube viveu, apenas, dois anos.

Vejamos, neste

momento, a

composição da primeira diretoria do Cabo Branco, aclamada com

vigência até

30 de janeiro

de

1941: presidente

- Basileu Gomes;

secretário - Lourival Lisboa; te-

soureiro - Manuel de Oliveira. Valeressaltar que a diretoria do AutomóvelClube estava assim constituída:José de SousaMaci- el - diretor-presidente; José de

Borja

Peregrino

Antônio

Pereira

- 1° secretário;

Gomes

Filho

-

secretário;

Álvaro Lemos - tesou-

Edição-90 Anos

reiro e José Rodrigues de Aquino - diretor jurídico. Julgamos, ainda, interessan- te tecermos comentários em tor- no das cores do Cabo Branco para o conhecimentodos maisnovos.De 1915, data de sua fundação até 1958, alvi-celeste. A partir de

1959, gestão do senhor João Bra- sil Mesquita, passou a alvi-rubro

por sugestão

José

rém, voltoua disputar futebol, nos anos de 1942 a 1943, vestiu ca- miseta tricolor idêntica a do Flu- minense, do Rio de Janeiro: ver- de, grená e branco. É bom frisar e deixar bem claro que essa ca- misa era somente usada pelo De- partamento Esportivo.O clube,em si, mantinhaa sua tradicional alvi- celeste, até 1958, a camisa trico- lor durou apenas dois anos. Hoje, para todos os fins, prevalece a alvi-rubra.

do secretário

sr.

João Torres.

Quando, po-

Edição -90 Anos

Outro assunto que merece um item à parte é o que se relaciona com as suas sedes. Na avenida 1°

de Maio funcionavaa sede espor- tiva e na rua Duque de Caxias, a social, isto quando iniciouas suas atividades. Depois da primeira fusão com o Clube dos Diários permaneceu na avenida 1° de Maio, passando, também, a ocu- par o prédio da rua Peregrino de Carvalho, onde hoje ainda se en- contra. No ano de 1958 transfe-

riu a sede

Miramar,na presidência do senhor Manuel Luís Ribeiro de Morais.

No primeiro carnaval, na sede nova, ano de 1958, um grupo de foliões homenageou a diretoria. Todos vestidos de operários, com as ferramentas características, construindo o colossodo Miramar. Atendendo ao pedido da equipe, Humberto Maul,o mais festejado poeta do CamisaListrada, assim se manifestou em versos escritos em cartazes conduzidos pelos fo- liões:

da 1° de Maio para o

Cabo Branco a minha glosa, Relembra teus imortais, Eis a obra majestosa, Do presidente Morais. Obra desta natureza, Um clube assim tão bonito, Pode afirmar com certeza,

É

Parece até

obra

de Higino Brito

brincadeira,

Comdinheiro a toda, Subiste muito oh! Sobreira Construindo a sede nova. Numa das mais justas home- nagens, deixamos para o final a apresentação da primeira direto- ria, aclamada em 13 de dezembro de 19156,que, comjusta seguran- ça, iniciouos primeiros passos do Esporte Clube Cabo Branco, da- quele que mais tarde se tornaria no Colosso do Miramar, para o justo orgulhodos paraibanos: pre-

sidente

- Waldemar Wraal; secre-

tário - MiltonLago;tesoureiro -

José Barbosa e Captain da Equi- pe - Henrique de Souza.

5

DADOS

IMPORTANTES

Cidade de Origem:

João Pessoa(PB)

Fundação:

13 de dezembro de 1915 Na internet:

www.cabobranco.com.br

Situação

Atual:

Encerrou o futebol profissional em 1942

Estádio:

Almeidão(45.000 espectadores) Títulos:

CampeãoParaibanoem 1918,1920,

1924,1926,1927,1929,1931,1932

e1934

Sedes:

Central: Localizada no coração de João Pessoa, com aproximadamente 1.000 metros de área coberta, dotada

de duas amplas salas para bate-papo, salas de leitura e tv, barbearia, res-

taurante,

salas para sinuca, jogos de

xadrez, cartas, gamão e dominó. Rua Duque de Caxias, 352 - Centro

Em magnífica localiza-

ção no bairro do mesmonome,comárea de quatro hectares, composta de giná- sio poli-esportivo, campo de futebol soçaite, piscina olímpica,piscina semi- olímpica,sauna, quadras de tênis, boa- te, restaurante panorâmico e restau- rante da pérgola. Rua Cel. Souza Lemos, 167 - Miramar

Miramar:

Esses dados representam ape- nas pequeno capítulo da brilhan- te trajetória do Esporte Clube Cabo Branco. Quem acompanha a sua vida, quem vive o seu dia-o- dia, sabe muito bem disso.

Esporte

Clube

Cabo

I3raDCD

Resgatando

o social

Resgatar os velhos carnavais.

Este foi o principal motivo da atu-

do Clube Cabo Bran-

co em contratar a Orquestra Ve-

neza de Frevos, de Recife, para

animar o Carnaval Vermelho

e

Branco realizado na Boate do clu-

be, no dia 4 de fevereiro.

al diretoria

O presidente Alexandre Cu-

nha disse que esse foi o primei-

ro passo para soerguer o Espor- te Clube Cabo Branco, que ain- da contratou a Banda S-3 para tocar, também, no Vermelho e Bral'lco. Alexandre disse que assumiu

o clube encontrando

ficuldades deixadas por antigas administrações, isentando Novi- nho desses problemas, conside-

algumas di-

rando o ex-presidente lutador.

como um

O presidente do clube salien-

tou que Novinho conseguiu reas- cender o quadro social, sanou as dívidastrabalhistas e, dentro des-

sa linha conseguiufazer com que

o sócio retornasse ao clube.

Num trabalho

considerado

sem precedente, o novopresiden- te determinou limpezatotal da pis- cina olímpica o que não acontecia à cerca de 17 anos, apenas era

I

.,

Alexandre e Arlan pretendem dar continuidade ao trabalho de Novinho

feita a manutenção.A piscina teve que ser esvaziada. Ele ressaltou a parceria feita pela Prefeitura Municipal de João Pessoaque auxiliou na retirada do entulho deixado pela limpeza rea- lizada em vários setores do clube. Alexandre também lembroua par-

ceria firmada

Paraibanade Natação, através do presidente Ricardo Barbosa.

com a Federação

A nova administração do clu-

be restaurou a entrada princi-

pai do clube que passará a ser

usada a partir de março. "Vamos

com que o Clube Cabo

como o clube

mais social do estado", disse Ale- xandre.

de: posse,

fazer

Branco continue

No seu discurso

ocorrida no dia 13 de dezembro de 2005, o presidente Alexandre Cunhadisse que uma de suas me- tas é reintegrar o clube no setor

futebolístico do Estado, inician- do pela Segunda Divisão.

Av. Maxlmiano

Esporte Clube

Figueiredo.

513 - Centro

Gilio Branco

- João

Pessoa/PB

- CEP.: 58013-470 - Fone/Fax: (83) 3222.6012 / 9984.5842

6

Edição -90Anos

Ediçã.o-90 Anos

PRIMEIRA IGREJA BATISTA DE JOÃO PESSOA

Av. Getúlio Vargas, s/n CEP: 58013-240 Fone: (83) 3222-7100/ Fax: 3222-7080 Livraria Shalon: Fone: (83) 32224266 HomePage: www.pibjp.com.br email: igreja@pibjp.com.br

Espaço Gospel Av.Rui Carneiro, s/n - Tambaú- Fone: (83) 3247-2055 Culto aos domingos às 19:00horas Culto da Vitória 5'"feiras às 19:30horas

7

Esporte Clube

Cã.bo Branco

Administração

o agentefiscal do Estado,Gui-

lherme Carvalho,presidiu o Espor- te ClubeCaboBrancodurante cin-

co anosem duas legislaturas.Nes- se período Novinho, como é mais conhecidoo ex-presidente realizou uma administração que vai ficar para a história. Resolver a questão de dívida trabalhista que quaselevoua sede central, localizada na Rua Duque de Caxias, em João Pessoa,a lei- lão foi uma das maiores ações de Novinho. A dívida já ultrapassava os R$ 70 mil.

O ex-presidente do clube re-

lacionou as ações realizadas du- rante os cinco anos de mandato, informatizando a secretaria do

Cabo BrQnco, colocando uma nova iluminação no parque aquá- tico e ainda fazendo a reforma das piscinas. Novas raias foram colocadas nas com piscinas reforma dos ba- nheiros, impermeabilizou o piso superior do clube e reativou o salão de beleza. Reformou o de-

-'+-

'\:.

.

,

"

'

Esporte Clube Cabo Branco

partamento médico e iluminou a quadra de tênis.

Na parte

administrativa,

No-

vinho conseguiu parcelar as dívi- das com o INSS, taxa de lixo e o

IPTU,

existente

tros pontos citados por Novinho

para lembrar

foram

como também

na rede

as reformas

um débito

Ou-

bancária.

a sua administração

no Restauran-

8

histórica

Guilherme Carvalho sanou dívidas do clube. Administração

vai ficar na históriado Cabo Branco

te Panorâmico, na sede central,

campo de futebol e ainda refor- ma total dos banheiros feminino

e masculino do ginásio. Novinho tem certeza que o seu substituto, Alexandre Cu- nha, vai fazer uma administra-

ção, junto com Arlan Rodrigues,

que também ficará

tória

para a his-

do Clube Cabo Branco.

Edição - 90 Anos

-

,

!

I

j

,

(

I,

Edição - 90Anos

9

I

L~

-

-Da

IC

-

-- -

~c

-

Féit6meno~dã

humildade

Principal

nadador do Brasil

é a

grande esperança de medalhas no Pan de 2007 e nas Olimpía- das de Pequim. Ele é a mais nova sensação da natação mundial. Com sete medalhas de ouro na Copa do Mundo 2005/06, o paraibano Kaio Márcio de Almeida está na

na atualidade,

Kaio Márcio

briga pelo prêmio da Federação Internacional (Fina) para o me- lhor atleta da temporada. E mais:

em dezembro, ele entrou para o seleto grupo de onze brasileiros que já conseguiram quebrar um

recorde

Tanto sucesso em nada muda

mundial na natação.

,

,

Comoé ser o melhor do mun- do no estilo borboleta? Muda

alguma coisa na vida Márcio?

Kaio

do

Kaio - Muda pouca coisa. Ba-

sicamente,

lidade que agora aumentou mui- to. Antes, eu nadavacontra eles,

apenas a responsabi-

Esporte Clube Cabo Branco

a rotina de Kaio. Treinando no mesmo clube onde começou a

carreira, o Cabo Branco, e com

o mesmo técnico,

Kaio procura simplificar as coi- sas. A única coisa que mudou realmente foi à pressão de ga- nhar medalhas nos Jogos Pan- Americanos de 2007, no Rio de Janeiro, e nas Olimpíadas do ano seguinte, em Pequim. "A única diferença é que ago- ra todos querem me vencer. Mas

é normal, encaro isso com natu- ralidade", disse o nadador. Kaio retorna hoje a João

Léo Arruda,

Pessoa. E já nesta segunda-fei-

ra retoma os treinos

no parque

agora são eles que querem me vencer.

Você. sempre foi

muito

con-

tido

que quebrou o recorde mundial em Santos, você.explodiu na co- memoração. O que passou por sua cabeça naquele momento?

nas vitórias.

Mas na hora

10

aquático

mais seis horas diárias de bra-

çadas e muito esforço. Tudo para chegar em forma no Mun- dial de Piscina Curta, que este ano será disputado em Xãngai, na China. Será a primeira oportunida- de para o duelo mais aguardado na natação mundial no momento:

do Cabo Branco, para

Kaio x Michael Phelps.

pon-

tos da entrevista

cio, feita via e-mail, quando o atleta fazia uma escala na Bél-

gica, após participar da etapa sueca da Copa do Mundo.

A seguir, os principais

com Kaio Már-

Kaio

- A

comemoração

veio

naturalmente, comoresposta, uma explosão de comemoração.Afinal, foi um recorde mundial. Foi a re-

alização de um projeto pessoal muito difícil de ser alcançado, para alguns, quase impossível.

Sinceramente,

você. espera-

Edição

- 90 Anos

I

]

I

va tanto sucesso?

são sete

vitórias seguidas

na

Copa

do

Mundo

- Bem, eu sabia que a pre-

paração

o Léo, era suficiente para me

segurança. Mas na hora da com-

petição sempre

dúvida, ganhar essas medalhas

renova muito o estímulo para con-

tinuar com

e atingir

o meu técnico,

dar

.

Kaio

feita com

é diferente. Sem

o trabalho

meus próximos objetivos.

E agora, o Mundial da Chi-

Você terá pela frente Ian

Michael Phelps

na.

Crocker,

para assustar?

Kaio

- No esporte

que pratico

não exi~tem muitas surpresas. Se

você trabalha, consegue os resul- tados. Não tenho medo deles, mas

muito respeito. O Ian e o Michael

são comprovadamente grandes fenômenos da natação, porém

confio

no trabalho

que

estou

fa-.

zendo para o Mundial.

Como está a briga pelo prê-

mioda Fina, para o melhor atleta

da Copa do Mundo? Dá para bri- gar por mais esse título aqui em Belo Horizonte, na superfinal?

muito

Kaio - A disputa está

acirrada, muito difícil.Provavel-

mente os vencedores desse prê-

mio só serão definidos mesmo em

Belo Horizonte.

Você é

recordista

mundial

dos

50m

borboleta.

Dá para

brigar

pelos recordes

também

nos Quando você acha

100m e

200m

borboleta?

que estará

preparado para isso?

Kaio

- Acho

que o resultado

de um trabalho acontece natural-

mente. Não posso afirmar que vou

Recentemente,

o Fernando

Scherer

dos cinco melhores nadadores do mundo na atualidade. Como

você receb~u esse elogio?

lhe colocou como um

Kaio

- E gratificante

saber

nível me co-

locar no patamar de melhores

mundo. Sem dúvida, fico feliz com

pelo

que representa o Xuxa para a na-

tação brasileira. Isso serve para

me motivar ainda mais no objetivo

de estar sempre atleta.

essa opinião, principalmente

que um atleta desse

do

crescendo como

Os bons resultados

vão lhe

dar mais pressão nos Jogos Pan- Americanos e nas Olimpíadas. Você está preparado para con- viver com essa pressão?

Kaio

- Penso

em

continuar

crescendo de forma progressiva,

de degrau em degrau. A Olimpía-

da de

cia muito grande, principalmente

no aspecto emotivo. Hoje estou

Atenas

foi uma experiên-

mais preparado

para essa pressão.

Você nunca treinou

no ex-

terior

e

até

hoje está

no Cabo

Branco, em João Pessoa. Isso

quer

dizer

que

podemos for-

mar

os

nossos

campeões

aqui

mesmo?

 

Kaio - Isso já é fato comprova-

do com os resultados que consegui-

mos. Se o Brasil é o país do fute-

bol, podemos torná-Io o país da

natação também. Temos excelentes

atletas,

excelentes

técnicos,

que

precisam de estrutura e apoio como

o que me de João

os Correios, que juntos bancaram

uma equipe multidisciplinar,de

foi dado pela Prefeitura Pessoa, a Chesf, o Sesi e

Com orgulho, exibindo uma das medalhas conquistadas

destaques da Paraíba no momen-

to. Outros

estão chegando, como

o Manuel

Fernandes

e o Giovane

Filho.

Você nada melhor em pisci- na curta, mas nas Olimpíadas só temos piscinas de 50 metros. Isso é um problema?

Kaio - A diferença está mais no número de competições. Nesta

temporada, nadei apenas duas

vezes em piscinalonga,e também obtive bons resultados, como no

Mundial de Montreal. Depois, tivemos competições em piscinas de 25 metros.

Mas você vai fazer algum trabalho específico para melho- rar seus tempos também em pis- cinas longas? Kaio - Sem dúvida. O princi-

pal pensamento

é continuar a trei-

nar para manter os resultados

venho tendo.

que

Hoje toda

a

mídia nacional

está aos seus pés. Você se pre- parou para todo esse assédio?

Kaio - Acredito

que

os

resul-

tados que obtive chegaram em uma

conseguir mais recordes, e se isso

grandes

profissionais. A minha

pre-

hora em que tenho maturidaç:fe

vai ser agora ou mais tarde. O que

paração

hoje está

no mesmo

nível

para conviver com

isso. A mídia é

posso dizer é que todo o trabalho

dos grandes

atletas do mundo.

muito benéfica na vida de um atle-

que faço está voltado para a su-

peração de minhas marcas indivi-

duais, e se isso significar recor-

des, ótimo! Após

sível atingir um recorde mundial,

passo a acreditar que sou capaz de outros feitos também.

ver que foi pos-

Edição

- 90Anos

Quem está na trilha do Kaio Márcio? Tem algum paraibano que pode despontar na natação dentro de mais algum tempo?

Kaio - Acredito

muito

no Ví-

ta, pois dá visibilidade aoS patro- cinadores.

Entrevista publicada no Jor-

nal da Paraíba

- edição de 24 de

tor Franca, na Adília, na Laís Ro-

janeiro

de 2006,

concedida

ao

drigues. Estes

já são oS grandes

Jornalista Expedito

Madruga

11

Esporte Clube

Cabo Branco

~

-

I

I

Carreia iniciada

por sugestão

médica

Kaio Márcio começousua car- reira vencedora na natação por sugestão médica, porém não se

adaptou 'de início ao esporte. No primeiro teste foi reprovado pelo treinador Leodegário Arruda,

durante teste

Cabo Branco. Um ano depois atleta e trei- nador voltaram a se encontrar nas

no Esporte Clube

piscinas do Esporte Clube Cabo Branco e, desde os 12 anos de idade, Kaio Márcio e Léo Arruda

passaram a trabalhar

juntos. Lê,

inclusive, é um dos responsáveis pelo sucesso internacional de um

dos maiores atletas paraibanos. Numa entrevista concedidaao jornalista Marcos Lima, do Jor-

nal A União,Léo Arruda disser que aos nove anos Kaio foi fazer um teste para entrar naturminha mais avançadaqueo clubetinha parasua idade. Ele ficava agarrado à bor- da, com medo,chorando."Eu o re- provei. Faleipara o coordenadordo clube que ele não dava para a na- tação", disse Léo Arruda. Um ano depois Kaio e Léo vol- taram a se encontrar nas piscinas do Esporte Clube Cabo Branco. "Ele era ensinado pelo professor Alan e eu ficava observando. Quando ele tinha 12 anos passa- mos a trabalhar juntos", conta o atual treinador. Mesmo assim o paraibano se achava incapacitado para a nata-

ção e um dos seus desejos era o pólo aquático. Ele falava em aban- donar a modalidade devido a um

rival e a uma paixão herdada do pai, José Márcio de Almeida, ex- jogador da Seleção Brasileira de Pólo Aquático. Um menino,em Re- cife, campeãobrasileiro e que ga- nhavatodas foi umdosfatores que desestimularam Kaio da natação. Numa clínica de natação, em Brasília, com as presenças dos ídolos Gustavo Borges, Ricardo Prado e Fernando Scherer, Kaio Márcio mudou de idéia, quando recebeu um uniforme da Seleção Brasileira e viu os ídolos pela pri- meira vez. Daí em, diante, "mer- gulho de cabeça na natação", par- ticipando de várias competições de âmbito nacionale depois inter- nacional.

lugar conquistado

por Kaio Márcio, aos 12 anos, em

Maceió,

peonato Brasileiro de Natação, o incentivou ainda mais rumo ao re- corde mundial.

Um sexto

Alagoas, durante o Cam-

Nome completo:

Kaio Márcio Ferreira Costa de Almeida Data de nascimento:

19/10/1984

Local de nascimento:

João Pessoa(PB)

Altura:

Residência:

João Pessoa

1.75m

Peso:74 kg

43 anos

realizando

o sonho

da casa própria

www.i mobil

iariabomfi

m.com.

br

FONE- 221-2446/9985-9025 Av. Maximiano Figueiredo, 36 sala 101 -Centro João Pessoa

Esporte Clube

Cabo Branco

12

- PB

Cr.ei

. 001

. J

Edição - 90 Anos

1

I .

DonaHozana(de boné),exemplode superação.Ela é a atleta com mais idadeematividadena nataçãoda Pa- raíba sendo homenageadapelo só- cio AladimCordeiro.

ECCBe Clube dos Oficiais da PM em parceria pelo engrandecimento do Es- porte Amador da Paraíba

.

'

.

ó>i

~.W4

O

.

.~'

Início de uma gestão vitoriosa "Sempre Cabo Branco".José Mário Porto, Gratuliano Brito e Guilher- me Carvalho

Tereza Madalena, Patrick Dimon, Go- retti Zenaide e Guilherme Carvalho

Sócios do clube parabenizam o cam- peão Kaio Márcio. Na foto com An- tônio Toscano, Aldenor Medeiros, Guilherme Carvalho e Sales Neto

Professor Léo Arruda, treinador do natador Káio Márcio, passando sua experiência aos atletas do clube

l

Arlan Rodrigues e Cardilândia com a cantora Wanderleia

Arlan Rodrigues, Guilherme Carvalho e o jornalista Abelardo Jurema

Guilherme e Dirce, Goretti Zenaide, Leone e Deyse

O maestro Severino Araújo da Orquestra Tabajara de Frevos foi homenageadopelo clube

Guilherme Carvalho (presidente do ECCB)e Fininho, que iniciou a carrei- ra nas escolinhas do clube, sendo hoje um dos maiores atletas de Fut- sal do mundo

Ricardo Coutinho prestigia evento social do Esporte Clube Cabo Branco

J~

Certamente

I':j

J '

(/

~",

.~/

I"

I

~

;.

e nossa

Guilherme

Carvalho, por

determinação, coragem e confiança na for-

ça do Esporte Clulbe Cabo Branco será sempre lembrado pelos que fazem a gran- de família alvirrubro.

O pesadelo

da perda

da sede

central,

originado

de uma ação trabalhista

recla-

mada por um garçom do arrendatário

do restaurante

panorâ-

mico, em 1993, acabou poucas horas antes do velho casarão

da Duque de Caxias ser leiloado, graças a um acordo entre as partes, no dia 24 de outubro último.

Mário Porto, vice-

presidente e também diretor jurídico do clube, o presidente 6uilherme Carvalho, com estoicismo, aceitou pagar ao recla-

Sempre

assistido

e orientado por José

mante a importância de R$ 79.000,00, sendo R$ 10.000,00 no dia 16 dezembro de 2002, mas 34 parcelas de R$ 2 mil e a última de R$ 1 mil, todas no dia 15 de cada mês.

pela bravura, em face'

do perigo que correm as entidades sociais nos dias de hoje e

Uma tomada

de posição histórica

pela esperança

firme

de que o clube honrará o compromisso

assumido.

A esse

respeito,

o jornalista

Gonzaga Rodrigues

escreveu

a seguinte

crônica:

Que venham mais Guilhermes

No dia que fecharam a Livra-

ria Pedrosa, casa que de particu-

lar só tinha o registro,

Grande ficou menor. Os seus lí- deres não atinaram para a foto antiga que despencava de suas paredes. O fechamento, agora do Co- légio das Neves é a inutilização de uma torre, de um templo na fotografia interior de três ou quatro gerações. No dia que dei- xarem ruir São Francisco (que Deus nos livre!) povoe cidade se- rão outros. O verdadeiro foi so-

terrado. Somos o que construí- mos. E não só com a pedra e o tijolo de cada parede; também com o sentimento de que foram

impregnadas. A sede central do Cabo

Campina

Bi-

blioteca Pública, é uma dessas

instituições

veis. Se faltasse

escrita, se os Coriolanos, os

Celsos e Wellingtons

vessem cuidado disso, teríamos

de aprender a ler e ouvir os sons

e

suas salas e no esforço impra- ticável de recompor uma iden- tidade que é única: a de uma gente de espírito crítico ao mes- mo tempo cordial. Aprendemos no Clube dos Di- ários a não ver com ingenuidade

a

meira leitura

de, abancado ainda em suas ca- deiras. Mas sempre gregário, cor- dial, cavalheiro. Dois velhos "ha-

Branco entre a Igreja

e

a

sem dúvida venerá-

uma memória

não hou-

falares remotos do recesso de

primeira informação nem a pri-

É o viés da cida-

bitués" dessa colméia não se mal-

tratariam

incivilizadosdo da última quinta- feira na Tv. Ao lutar, bravamente, para a entidade não ir a leilão em con- seqüência de ação trabalhista que rola desde 1993, o presidente Guilherme Carvalhofez o que ou- tros não fizeram coma livraria de Campina e o Colégio das Neves. Mesmo o clube vivendo dias difí- ceis, seu presidente não amunhe- cou. Fez acordo, vai pagar nin- guém sabe como, restando a cada herdeiro desse patrimônio social e cultural chegar pronto coma sua parte, R$ 50 que seja. A minhajá fui levar. Mesmonão tendo umavô que me cobre solidariedade de uma daquelas cadeiras.

num debate dos níveis

r

I

f

~

(J1f/jJlo{f)W~

:

I

",

-- Ul

I

"

Clube promove

atrações

sociais

o

calendário social no ano de

2005

foi cumprido com êxito to-

tal, trazendo aos salões do clube

atrações para os mais variados gostos. Emfevereiro, no Verme- lho e Branco, a esfuziante canto- ra Gil lotou o Ginásio do Clube, na sede do Miramar, em noite inesquecível. A festa "Recordan- do os Velhos Carnavais", na sua segunda edição, superou a expec- tativa dos presentes. As marchas

e os frevos tocados durante toda

à noite pela orquestra do maestro

a

Fernando

Borges garantiram

enorme animação. Outros grandes eventos foram promovidos pela diretoria entre eles, a festa das mães, em maio

que contou com a presença

cantora Wanderleia; a madrinha da jovem guarda. Os pais tiveram seu dia comemorado em alto esti-

10,dançando ao som de Renato e seus BlueCaps. O grande baile de São João com Walquíria Santos. Filhos do Forró e CicinhoLima honraram a

tradição do clube em festas juni- nas. No mês de junho os cinquen- tões curtiram a famosa dupla An- tônio Carlos e Jocafi, com a boa- te lotada. Afora essas atrações o clube movimenta nos sábados os janta-

res dançantes

tradição cada vez mais prestigia-

da

panorâmico. Uma

da pelo quadro social.

;1'

A Banda Beijo foi uma das grandes atrações de edições do

Vermelho

e

Brancodo

Esporte

Clube

Cabo Branco I

Geraldo Cavalcanti participou dos grandes carnavais do ECCB

o

~i. m

Velhos carnavais têm espaço no ECCB com a presença de sócios tradicionais

Esporte Clube Cdbo Branco

Funcionários do ECCB. Considerados patrimônio do clube eles estão todos os dias trabalhan- do para que o nome do sodalício sempre tenha o nome divulgado com mais veemência nos quatro cantos da Paraíba, do Nordeste e do Brasil

18

Diogo Gimenez faz show no Restau- rante Panorâmico em homenagem ao aniversário do clube

Ediçã.o - 90 Anos

--r

j-j

'.)[.0

/

r

l~'()~

João Pessoa

No início do séc~:::

'::

=.: --:;-:z:x;s

ocupam a região

r'O,,::es- ""C e =-='-~=-

c

confiança dos índios pc- g :::--es ~::::::""?-

ximação

dificulta

a cc :=.~~~:~

~

;"

2-

sa. Em 1585 o porttJg\ks:::ã:

-=

~

~~

trói.

Felipe, para defender

dos franceses. Nasce er5::

na foz

do rio Po."'C:x: : =:-e

c

~

~

= =:~

S3::

:.:::s :=-:;:'--€;5

:.

de Filipéia.A paz comos .,~ge.~

só se consolida em 1599 c.p.és:;:.es-

=.e::-.:: ~

varíola que exterminou do s -e-ç:s :c

pulação nativa. Em1634, a região foi ''''.0:: ~ ~-=s -~

landeses,

x-e-

- ;3::

x~

-=

c

de aldeias inteiras e de

;;-.=e::

quando a cidade

~~e:;~

nome: Friederstadt.

Assirr ~

'::.J-

rante 20 anos. Em 1654, os :,.~""'eS

ro-.r'

expulsos por André Vida de '

Fernandes Vieira tomou posse c: eo::;.'"?C::e

governador da cidade, q

mar-se Parahyba. Em 1684 -o--c".-se c ca- pital da província, perdercc esse ~ ção quando a Parahyba foi .,.,co'"'X-c:: ::::ler- nambuco, em 1753.

.: =i-o-

eg-~

-::s

e

e

~-~

Os paraibanos partic:'X

"'O."""~

:::-u+e

da Revolução PernambuCOf'-cce :3

Confederação do Equaoc- e- ~8Z~ E'" 1930 o governador Jo& =>essx ~ ~ :).J- querque é indicado COMOCNC :.c-:::.: . ce- presidente da Repúbl'ca -;c c:-~ ~ Ge+.-J-

lio Vargas, pela Aliança

sinato, em julho daque'e are ro :;.os:re- textos para a Revolução c.e :93:

-

e da

,y~

Se.-::ssa5-

Em meio à comoção ~.-e ~ "';' - ~

:>(]-

raibanos com o assass:"'1CrC c;.ese

dor, no Recife, a cidade g::--=-- se

definitivo, JOÃO PESSC~ :::-=.es::.e-ei Estadual.

?=. e.-.rc-

~~,e

.'

,

I

l-

- ---- -

L

! ~

t

,./

A Prefeitura de João Pessoa tem a honra de

saudar o Esporte Clube Cabo Branco pelos

seus 90 anos de esporte, lazer e grandes

Ii

II

II I

I

I'

'. I.

I. "

I

histórias. Parabéns a todos que fizeram e

I

I

.

~

I

II ~

---

-

fazem parte da sua gloriosa trajetória.

-

--

--

--

--