P. 1
1ºEdição

1ºEdição

|Views: 117|Likes:
Publicado porjornalismodoquintal

More info:

Published by: jornalismodoquintal on Aug 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/09/2013

pdf

text

original

R$ 1,50

Do Quintal

Um jornal a serviço do nosso quintal
O Do Quintal surge com o objetivo de contar as histórias de ontem e de hoje do Pilarzinho, São Lourenço, Abranches, Mercês e Vista Alegre. Bairros que juntos concentram a maior parte e os mais visitados parques e bosques da cidade, o “coração verde” da capital. Pág. 16

Julho de 2010 - Ano I - Número 1

Marco André Lima

O seu bairro pode mudar para melhor. E você pode ajudar.
Veja como na Pág. 5

Família Basso, há um século no Pilarzinho.

Onde nascem Os santOs
droga já virou epidemia e está exterminando jovens
Arquivo

Ela chegou em 1888 à região e desde então é sinônimo de comércio no bairro. Pág. 3

Fábricas no Pilarzinho e Vista Alegre abastecem igrejas e fiéis de Curitiba e várias regiões do País. Páginas 8 e 9

Os perigos do crédito consignado
Cada vez mais aposentados e pensionistas recorrem a essa modalidade. Pág. 14

» CRACk

Arquivo da família

O crack tornou-se o principal combustível para morte de adolescentes. Em 2009, Curitiba e Região Metropolitana registraram em média três assassinatos de garotos entre 12 e 18 anos por semana. Para autoridades, situação é um caso de saúde pública. Páginas 6 e 7

» CRAQUE

Ize, a história do baixinho driblador que deixou saudade
O Canhotinha de Ouro foi um dos melhores jogadores que já pisaram os gramados do Pilarzinho. Página 10

Curitiba, 26 de maio de 2010

»2

Do Quintal

edItORIaL

Um quintal verde
O Do Quintal surge com uma proposta simples, mas ao mesmo tempo inovadora. A de simplesmente fazer bom jornalismo e com isso contribuir com a região que abrange no sentido de informar sobre o que de mais importante acontece por aqui, de lembrar a história de quem veio antes de nós, de colocar em evidência o que hoje há de bom – e enaltecêlo – e o que há de ruim – questionando e cobrando soluções para os problemas. O Do Quintal atuará nos bairros do Pilarzinho, Vista Alegre, Mercês, Bom Retiro e São Lourenço. A escolha não é por acaso. É justamente esta região que concentra as principais áreas verdes e parques da cidade. Ao mesmo tempo, abriga áreas com uma história centenária, onde famílias de várias partes do mundo chegaram em séculos passados para ajudar a construir o que é hoje a cidade de Curitiba. Antigamente eram chácaras, a partir das quais os pioneiros iniciavam uma nova vida, longe de seus familiares deixados do outro lado do Oceano Atlântico. Com trabalho e muito sacrifício, aos poucos os bairros se tornaram o que são hoje. Muita coisa mudou, mas a história de quem veio antes continua presente, seja em nomes de ruas ou no sobrenome de muitos moradores locais, que de certa forma continuam a saga de seus ancestrais. Hoje, a região é um ponto turístico que atrai pessoas de todos os cantos do mundo. Vêm em busca das belezas naturais e das intervenções conscientes do homem, que redundaram nas atrações como a Ópera de Arame, Parques Tanguá, Tingui, do Alemão, Gutierrez, São Lourenço, Pedreira Paulo Leminski e outras. Numa cidade conhecida por ecológica, pode-se dizer que este é o coração, o “coração verde da cidade”. Mesmo com essa importância, a região ainda carece de obras que a torne melhor não só para quem a visita, mas principalmente para quem mora nela. Um passo importante nesse sentido foi o anúncio da revialização da Fredolin Wolf, do Santa Felicidade ao Pilarzinho. Obra que o Do Quintal acompanhará minuciosamente. Ao mesmo tempo, em outra proposta inovadora, o Do Quintal, trabalhará com duas faixas etárias geralmente negligenciadas pela grande imprensa: os adolescentes e os idosos. Em relação aos primeiros, a partir das escolas locais o jornal irá acompanhar o que vive o jovem de hoje e tentará contribuir para um melhor entrosamento entre os jovens e a própria escola, a família e o bairro em que vivem. Já os chamados da terceira idade, terão no Do Quintal informações que interessam a essa faixa etária, a que mais vem crescendo no Brasil e no mundo, mas que ainda sente falta de publicações que atendam aos seus anseios. É com essas propostas que o Do Quintal pede licença para entrar em seus lares. Sabendo, porém, que elas só terão sucesso com a participação dos moradores, seja criticando, elogiando, dando sugestões, enfim, participando. Só assim poderemos fazer um jornal dos moradores para os moradores, ou seja, um jornal com a cara do nosso quintal.

a história do abranches
ara incentivar o interesse dos jovens pela história do bairro, a Associação dos Moradores e Amigos do Abranches (Amada) está promovendo um concurso de redação voltado aos estudantes dos colégios da região. Os melhores textos sobre personagens e fatos históricos do bairro serão reunidos em livro. O presidente da Amada, José Gomes, diz que a idéia é que a partir do trabalho, os mais jovens conheçam um pouco mais da centenária história do Abranches. Ele explicou que há 27 anos foi realizada ação parecida, quando os estudantes da época também fizeram pesquisas e colheram depoimentos de moradores mais antigos. O problema, porém, é que na época os relatos acabaram se perdendo. “Desta vez, as histórias vão virar um livro e ficaram preservadas”, explica José Gomes.

P

» História do Abranches 2?
Apesar de o presidente da Amada dizer que não restou registro dos trabalhos daquela época, o Do Quintal descobriu nos arquivos municipais um dos textos feitos em 1983. Trata-se do depoimento do morador Antônio Kucaniz, um comerciante aposentado e bisneto dos primeiros colonos que vieram para o Abranches. Infelizmente, o nome dos estudantes que fizeram o trabalho foi riscado, sendo possível decifrar somente o nome “Roberto”. Ao lado, reprodução da página que consta no arquivo da Casa da Memória. Quem souber quem foram os alunos que fizeram o trabalho ou tiver informações sobre Antônio Kucaniz, entre em contato conosco (Telefones 35270501 e 8819-8717. E-mail: Doquintal@yahoo.com.br)

» Brochado
A rua Primeiro-Ministro Brochado da Rocha, que começa na Hugo Lange e dá acesso à Universidade do Meio Ambiente, será completamente reformada, a partir de setembro. O anúncio foi feito pelo prefeito, Luciano Ducci, no último dia 31, durante a assinatura da ordem de serviço para as obras da Fredolin Wolf.

mento é da Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem (SPVS). A ONG fez na capital o primeiro estudo no Brasil que mostra a importância das florestas urbanas no combate ao aquecimento global, do qual o dióxido de carbono é um dos principais fatores. O CO2 é retirado do ar pelas plantas. Para se ter uma ideia do benefício das florestas para Curitiba, 4,2 milhões de toneladas de CO² são a quantidade liberada por cerca de 1 milhão de veículos circulando durante um ano e meio nas ruas da cidade.

» Bom Negócio
Dezenas de empreendedores do Pilarzinho e Mercês, pessoas que já possuem uma empresa ou que pretendem criá-la, participaram , em maio e junho, do Programa Bom Negócio, da Prefeitura de Curitiba. A formatura foi no dia 30 de junho, no Estação Convention Center. Em 20 dias de aulas, os participantes aprenderam como aperfeiçoar a gestão de seus negócios. Os empreendedores certificados passam a ter acompanhamento de consultores especializados. No total, de 11 bairros atendidos no primeiro semestre, foram 450 formados. No segundo semestre, o programa atingirá mais nove bairros, entre eles o centro e o Bom Retiro. O curso é gratuito.

» Mais um parque
Reforçando sua condição de “coração verde” da cidade, a nossa região ganhará mais um parque. A Prefeitura anunciou que transformará uma área de 100 mil metros quadrados de uma antiga pedreira desativada na rua Gardênio Scorzato, no bairro Vista Alegre, em parque de preservação ambiental e de uso público. A intenção é tornar o local, que tem vegetação nativa e uma cachoeira, em espaço de contemplação, mas também para a prática de esportes radicais. O prefeito, Luciano Ducci, informou que determinou à equipe do Meio Ambiente a elaboração de um projeto onde o visitante consiga interagir com as belezas naturais do parque.

» Mão única
A rua Coronel João Guilherme Guimarães, no bairro Mercês, tornou-se mão única em um trecho de cinco quadras, com sentido da rua Myltho Anselmo da Silva para a Dr. Roberto Barroso. Segundo a Urbs, a intenção é garantir melhor fluidez do tráfego. A rua tem cerca de dois quilômetros de extensão e liga a Avenida Manoel Ribas, nas Mercês, à rua Claudio Manoel da Costa, no Pilarzinho. A rua ganhou também nova pintura e duas lombadas, na quadra entre a Desembargador Vieira Cavalcanti; e na quadra entre as ruas Solimões e Mamoré.

» Filtro verde
As florestas dentro de Curitiba têm 1,16 bilhão de toneladas de carbono estocados em seus galhos, troncos, raízes e folhas. Isso representa 4,25 milhões de toneladas de dióxido de carbono (CO2) a menos no ar respirado pelos curitibanos. O levanta-

Movido à mula
Na época em que os Basso chegaram à cidade, Curitiba tinha recém-inaugurado seu primeiro sistema de transporte coletivo. Em novembro de 1887, a Empreza Curitybana pusera em funcionamento o primeiro bonde, puxado por mulas. A foto, do acervo de Cid Stefani, mostra um carro da linha Batel-Seminário na esquina das ruas XV de Novembro e Monsenhor Celso, e um guarda civil. O registro foi feito em 1911. Dois anos depois, em 7 de janeiro de 1913, seria inaugurado o primeiro ônibus elétrico da cidade. Só em 1952 chegariam os ônibus, primeiro movidos a gasolina e depois, a diesel, aposentando definitivamente o velho bonde. A foto e outras de Cid Stefani estão expostas no mais antigo bar da cidade, o Stuart, na Praça Osório, inaugurado em 1904 e ainda em funcionamento.

Curitiba, 26 de maio de 2010

Do Quintal

»3

PIONEIROS
Arquivo familiar

Basso, uma história centenária
Família chegou da Europa no século XIX e fincou raízes na região
Família tradicional do Pilarzinho, os Basso participam da história do bairro há mais de um século. Os primeiros representantes deles aportaram por esta região por volta de 1888, vindos da Itália, numa das primeiras levas de imigrantes europeus que buscavam no Brasil oportunidades de crescimento pessoal. O casal Luiz e Rosa Basso se fixou inicialmente na região onde é hoje o bairro São Lourenço. Com a experiência que já tinham na lavoura, começaram a plantar milho, feijão e hortaliças nas novas terras, vendendo a produção no centro da cidade. Com isso, criaram os filhos, que casaram e constituíram famílias. Um deles, Augusto, havia se casado há poucos anos com Ângela Costa, quando, em 1918, comprou o armazém de secos e molhados do alemão Gustavo Born, ao lado da Capela Nossa Senhora do Pilar. O comércio funcionava em uma casa de madeira, que ficava numa área que compreendia do atual posto de gasolina, na esquina das ruas São Salvador com a Desembargador José Carlos Ribas, até à Sociedade Primavera, na atual Domingos Moro. Na época, toda a região era formada por chácaras. O armazém era a única casa comercial da região. A venda de secos e molhados mais próxima ficava na Cruz do Pilarzinho, de propriedade dos Polak, uma das famílias polonesas que vieram para o Paraná em 1871. Na época, os produtos vendidos eram bem diferentes dos de hoje. Querosene era um dos principais, pois como ainda não havia luz elétrica, os moradores tinham que usar esse combustível para acender os lampiões ou lamparinas. Com o comércio, o casal foi tocando a vida. Tiveram oito filhos. Em agosto de 1938, vítima de câncer, Augusto morreu aos 54 anos, deixando Ângela, ou Angelina como era chamada pelos familiares, para cuidar dos filhos e do negócio. Benjamim Com o tempo, os filhos mais velhos buscavam seus caminhos, encontrando empregos em outras regiões. O sexto filho, Benjamim, também parecia seguir a mesma rota. Na maioridade, foi para o Rio de Janeiro servir ao Exército. Findo o tempo de serviço obrigatório, em 1950, porém, ele voltou para Curitiba, para auxiliar a mãe no negócio. Tinha a ajuda do irmão José, o Bepe, e da irmã caçula, Leonilda, que até hoje trabalha no local. E por ali continuou, assumindo a empresa após a mãe retirar-se da vida no comércio. Benjamim casou-se em 1953 com Lídia Pilati. Na época em que Benjamim assumiu o negócio, o bairro ainda carecia de infra-estrutura básica, oferecendo poucos serviços aos moradores. Com isso, muitas vezes, ele tinha que usar sua caminhonete F 100 para fazer um tipo de serviço social, como transportar famílias, levar doentes a hospitais, fazer carretos para os clientes etc. Ferragens Em 1962, Vitório Pilati, casado com uma das filhas de Augusto, Catarina Basso, entrou na sociedade no armazém. A sociedade durou até 1988, quando o armazém ficou trabalhando somente com os produtos com que trabalha ate hoje, e a parte de ferragens, ferramentas e materiais de construção ficou com o sócio, dando origem à Fermatti Materiais de Construções, vizinho ao supermercado. Desde o início do século passado, o atual supermercado funcionava em uma antiga casa de madeira. O atual prédio só seria construído na década de 1970. Benjamim e Lídia tiveram cinco filhos. O mais velho, Renato Olivir é engenheiro florestal e trabalha em Sinop (MT); o quarto, Ronei, é funcionário do Banco do Brasil. Os demais, Joceli, a segunda filha, Rubens, o terceiro, e Janete, a caçula, assumiram o negócio em 1988. Lídia faleceu precocemente, aos 60 anos, em 1990. Tempos depois, ele se casaria com Terezinha Macanhão. Nos últimos anos, Benjamim enfrentou um câncer, e quando estava quase curado, surgiu o alzheimer. Com isso, ficou 16 meses hospitalizado, alimentando-se por aparelhos. Em maio último, ainda em estado vegetativo, ele teve alta do hospital e foi levado para a casa da filha Janete. Ele está com 83 anos, completados em 15 de janeiro. Apesar da tristeza com o estado do pai, os três filhos e a irmã Leonilda dão continuidade ao trabalho de Benjamim e à história dos Basso no Pilarzinho.

O armazém dos Basso, ao lado da Capela, em foto de 1959.

Arquivo familiar

O casal Luiz e Rosa chegou da Europa em 1888.

Casamento de Angelina com Augustinho, pouco antes da compra do armazém.
Marco André Lima

Benjamim e a esposa Lídia em foto de 1985.

Leonilda e os sobrinhos Rubens e Joceli em frente ao atual prédio.

Tempos de tripa e querosene
Se um jovem de hoje viajasse no tempo e entrasse no Armazém Basso nos anos 50 se depararia com uma série de produtos nas prateleiras que nem saberia para que serviam. O querosene, por exemplo, era um campeão de vendas. Mas, compravam o produto não para usá-lo na limpeza como hoje. Antes, ele era usado para iluminar as casas. Numa época em que ainda não havia chegado a luz elétrica à região, ele era o combustível para os lampiões e lamparinas. Um dos artigos mais curiosos que se vendia naquele tempo era a tripa de porco. Rubens Basso explica que a “tripa seca” era usada para se fazer salame e outros embutidos, muito consumidos pelos moradores de então. Outra mercadoria que não podia faltar era o fumo de rolo, opção para os fumantes numa época em que nem se imaginava que um dia até fumar em bares seria proibido. Os produtos oferecidos atendiam às necessidades básicas da região, que ainda era formada por chácaras onde se produzia a maior parte dos alimentos consumidos. Então, vários produtos hoje comuns no mercado, como milho e seus derivados, batata, leite, frutas, hortaliças, ovos, óleo (usava-se banha) e carnes in natura não eram oferecidos. Em compensação, como ninguém tinha geladeira, vendia-se muito charque e torresmo. Lenha, ferramentas para a lavoura, materiais para construção, cera, louças e panelas também tinham muita saída, assim como linhas, agulha, cordas para amarrar animais, uma infinidade de miudezas para o lar e até roupas rústicas. Nesta época, o Basso também comercializava galinhas, mas não como hoje, depenadas, cortadas, limpas e às vezes até temperadas. Na época, elas eram vendidas vivas. Ao lado do mercado, havia um cercado, onde os clientes escolhiam a que levariam para casa, para botar ovos ou para virar o prato do dia. Quem não deve sentir saudade dessa época são as mulheres. Antes de levar um galináceo ao fogo, elas tinham primeiro que matá-lo, depois depená-lo em água fervente, cortá-lo, limpá-lo e temperá-lo, e só então colocar o bicho na panela ou no forno. Sem contar, claro, o trabalho para acender o fogo feito com lenha. Melhor hoje, não? (DSF)

Curitiba, 26 de maio de 2010

»4

Do Quintal

JÁ ERA HORA
Revitalização da importante é desejo antigo dos moradores da região

Como ficará a “nova Fredolin”
Início das obras: 1.º de junho de 2010 Previsão de término: 31 de maio de 2011 A avenida será alargada e terá de sete até 11 metros, conforme o trecho Ciclovia compartilhada com sinalização exclusiva. Rampas para idosos e pessoas com deficiência Vários cruzamentos terão faixa adicional para conversões à esquerda Rotatórias em alguns cruzamentos Do Parque Tanguá até a rua Grazielli Wolf haverá duas faixas para quem segue em direção a Santa Felicidade.

Finalmente, a reforma da Fredolin
O
s moradores do Pilarzinho, São João e Santa Felicidade têm um bom motivo para comemorar. Depois de anos e anos de espera, finalmente começaram, na manhã do último dia primeiro, a reforma e o alargamento da Rua Fredolin Wolf, uma das mais importantes vias da região. Esburacada, estreita, em grande parte sem acostamento e calçadas, além de enfeiar a região que concentra algumas das principais atrações turísticas da cidade, a Fredolin como está é um risco diário principalmente para pedestres e ciclistas. Com a assinatura da ordem de serviços pelo prefeito Luciano Ducci, no último dia 31, esta situação tem data para estar completamente resolvida: 31 de maio de 2011. Este é o prazo que o consórcio vencedor da licitação, formado pela empresa paranaense Gaissler Moreira e a argentina Dos Arroyos, tem para entregar os 7.765 metros de obras entre a Manoel Ribas, no Santa Felicidade, e a Nilo Peçanha, no Pilarzinho, abrangendo trechos também das ruas Saturnino Braga, Domingos Moro e São Salvador. O projeto, orçado em R$ 17.914,90 prevê pistas de 7 a 11 metros de largura, recape completo, calçadas com ciclovias em todo o trecho, nova rede de drenagem, nova sinalização e plantio de 800 árvores. As obras fazem parte do programa Pró-Cidades, que tem financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e contrapartida de 50% do município. A Prefeitura diz que com a revitalização consolidará uma nova alternativa de acesso rápido entre Santa Felicidade, São João e Pilarzinho, beneficiando uma população de 80 mil pessoas, melhorando também os acessos aos parques Tanguá e Tingui e a saída da Ópera de Arame, cartões-postais de Curitiba localizados entre o Abranches e o Pilarzinho. » Poucas desapropriações Apesar da extensão da obra, a sua execução não exigirá grandes desapropriações, como explica o chefe do setor de Projetos Viários do Ippuc, Márcio Augusto de Toledo Teixeira. Segundo ele, ao todo serão nove desapropriações, mas todas de pequenas áreas. Marcio Teixeira explica que na própria concepção do projeto foi buscado o mínimo de intervenção em propriedades particulares. Daí o fato de a via ser projetada para ter várias larguras, de sete a 11 metros, conforme as peculariedades de cada trecho. Na Domingos Moro, por exemplo, ficará em sete metros. Da Saturnino Braga até o Parque Tingui, ela terá 11 metros, com duas faixas de tráfego por sentido e estacionamento. Do Tingui até a Rua José Ribeiro de Cristo, serão nove metros, com duas faixas subindo e uma descendo, e estacionamentos em alguns pontos. Da José Ribeiro de Cristo até Nilo Peçanha, sete metros de pista e remansos (estacionamentos em forma de baias) em alguns locais. A maior desapropriação será no Bairro São João, na confluência da Fredolin com a rua Ari José Vale. Ali será desapropriado um grande terreno, onde será construído um “bolsão de retorno” para os veículos. Márcio Teixeira explica que os proprietários de terrenos a serem atingidos pelas obras serão chamados pela Prefeitura para conversar sobre os detalhes da desapropriação e indenização. No caso de muros que precisem ser afastados, a Prefeitura se encarregará de derrubá-los e reconstruí-los no novo local, sem custos para o proprietário.

Bloqueios exigem atenção
As equipes estão trabalhando em dois trechos da avenida, entre as ruas Edson Campos Matesich e Ari José Valle, em Santa Felicidade, numa extensão de 480m, e entre as ruas Graziele Wolf e Melchíades Silveira do Valle, no bairro São João, próximo ao Parque Tingui, numa extensão de 670m. Os dois trechos foram bloqueados totalmente e nos próximos dois meses, os motoristas terão que passar por desvios, que estão sinalizados. No primeiro trecho de obras, o desvio é feito pelas ruas Edson Campos Metesich, Praxedes Silva Avelleda e Edison Nobre de Lacerda, para quem vem de Santa Felicidade para o bairro São João. No sentido contrário, o desvio é feito pelas mesmas ruas. Parte do segundo trecho de obras opera em meia pista. A partir da rua Graziele Wolf, o bloqueio é total e o desvio é por ela (Graziele Wolf) e pela Raposo Tavares, na divisa com o município de Almirante Tamandaré. Também neste caso, o desvio é o mesmo nos dois sentidos. Moradores, comerciantes e a população em geral deverão estar atentos às informações a respeito do andamento dos trabalhos. Sempre que houver necessidade de desvios, eles serão sinalizados. Pedestres e ciclistas também devem estar atentos à sinalização. Por enquanto, não há mudanças nas linhas de ônibus, mas os usuários das linhas que utilizam as vias também precisarão observar os informativos quanto a possíveis alterações temporárias nos itinerários, caso seja necessário durante o período de obras. Comerciantes e moradores da região terão acesso aos seus imóveis.

Curitiba, 26 de maio de 2010

Do Quintal

»5

JÁ ERA HORA

Curva da capela preocupa
Quando anunciadas as obras de revitalização da Fredolin Wolf, os moradores e comerciantes ao redor da Capela Nossa Senhora do Pilar já tinham uma pergunta na ponta da língua: como ficará a confluência das as ruas Domingos Moro, São Salvador e Bruno João da Silva ? É que este local é considerado um dos mais perigosos da região. Como não há sinalização ou redutor de velocidade, e como os motoristas não têm visão da pista contrária devido à curva fechada e ao prédio da Capela, é um perigo constante. Principalmente para as centenas de crianças que estudam no Bento Munhoz e outras escolas da região, que têm que passar pelo local diariamente. A equipe do Do Quintal apurou junto ao Ippuc o que está projetado para o local. O chefe do setor de projetos viários do órgão, Márcio Teixeira, adiantou que, além da sinalização, será construída uma meia lua, ou uma meia rotatória, no cruzamento. Com ela, os motoristas que vêm pelos dois sentidos da Domingos Moro ou da São Salvador em direção à Nilo Peçanha, terão um local de parada para fazer a confluência. Já para aumentar a segurança dos pedestres, estão previstas a construção de duas “ilhas” do lado da São Salvador, que serão bases para a travessia. Para a abrir espaço para as mudanças, será necessária a desapropriação de uma faixa do terreno que fica na esquina da São Salvador com a Bruno João da Silva. Segundo Marco Teixeira, será desapropriada uma faixa de três metros. O corte abrangerá uma dezena de velhos cedros. Como, porém, essa árvore não é nativa, e portanto não está protegida de corte como no caso do Pinheiro do Paraná, a prefeitura espera não ter entraves para a desapropriação.

João Gava terá lombada eletrônica em frente a Ópera

Gaúcho da Ópera: campanha para fazer o curitibano parar na faixa de pedestres.

“O Brasil para na faixa. Só falta Curitiba”. A placa, em cima de um triciclo, fica diariamente exposta em frente à Opera de Arame, alertando os motoristas que passam pela João Gava para que respeitem a faixa de pedestres no local. Raros, porém, são os que fazem isso. Autor da placa, o comerciante Jairo Araujo da Cunha, conhecido como o Gaúcho da Ópera, iniciou a campanha há quatro anos, após constatar diariamente os problemas de moradores e de turistas para atravessarem a movimentada via. Proprietário de uma loja de lembranças em frente à Ópera, ele promoveu nos últimos meses um abaixo-assinado que reuniu o nome de cinco mil pessoas, entre turistas e moradores da região, pedindo a construção de uma passarela elevada no local. O documento foi entregue em maio à Câmara Municipal. O vereador Professor Galdino (PSDB), que encaminhou o pedido, disse que a Prefeitura considerou mais eficiente a instalação de uma lombada eletrônica e que o secretário de governo de Curitiba, Luiz Fernando Jabur, lhe garantiu que ainda em junho ela seria instalada. Jairo da Cunha diz que agora a expectativa é pela instalação do equipamento o mais rápido possível, isso porque o radar que havia no local foi retirado justamente para dar lugar à lomba-

da eletrônica. Sem ela, a velocidade média dos veículos aumentou, agravando o problema para os pedestres atravessarem a via em horários de maior movimento. O novo equipamento obrigará o motorista a diminuir a velocidade para 40 km/h e o penalizará, caso exceda o limite estipulado. » Campanha O desrespeito à faixa de pedestres é um problema crônico no Brasil e responsável por grande parte dos mortos e feridos no trânsito urbano. No ano passado, por exemplo, o tema da Campanha Nacional do Trânsito foi justamente esse. Em Curitiba, foi lançada a campanha “O trânsito é de todos, a faixa é do pedestre”. No material educativo, orientava-se o pedestre a atravessar na faixa e o motorista a respeitá-la. Para quem atravessa a faixa, a orientação é que nos cruzamentos sem semáforo a pessoa faça um sinal com a mão, indicando aos motoristas a intenção de atravessar para que ele pare o carro. Onde há semáforos é preciso respeitar o sinal. O artigo 214 do Código de Trânsito Brasileiro (CTB) prevê, desde 1998, a penalização para quem desrespeitar a faixa de pedestres. A multa é de R$ 192 e mais a perda de sete pontos na carteira de habilitação.

Perigo diário
Convite ao pedalar
Revitazada, a Fredolin Wolf deverá ser um convite ao pedalar. Os ciclistas terão uma ciclovia compartilhada com os pedestres nos 7,6 km da obra. Para incentivar a boa convivência entre pedestres e ciclistas, todo o trecho terá uma sinalização especial, baseada num manual de sinalização exclusiva elaborado pelo IPPUC. A ciclovia da Fredolin será interligada futuramente com a que está em fase de licitação na Toaldo Túlio. Com as duas obras concluídas, será possível ir de bicicleta, com segurança, da Ópera de Arame até a BR 277. Ou seja, não haverá mais desculpa para quem alega não usar bicicleta por falta de uma via apropriada na região.

A diretora Mercedes Gonçalves em frente ao colégio: risco diário de acidente.

Um dos problemas mais generalizados no Abranches é a questão do trânsito. Ruas esburacadas, falta de calçadas e sinalização deficiente são um perigo constante. Os alunos da Escola Estadual Sebastião Saporski, na rua Maria de Lourdes Mickosz, entre o Abranches e o Taboão, convivem com o problema inclusive em frente ao estabelecimento de ensino. Só há calçada numa faixa estreita do lado do colégio. Já do outro lado, além de não haver espaço para pedestres, uma extensa erosão na lateral da pista torna o trecho ainda mais perigoso. Também trafegam ônibus em alta velocidade pela rua, que desemboca na Rua Mateus Leme, centenas de metros depois, ao cruzar a Rua José Carlos Ribeiro Ribas. A diretora Mercedes Antônia Gonçalves diz que já cansou de pedir providências. Única escola estadual na região, a Sebastião Saporski mantém cerca de mil alunos do ensino fundamental e médio. O trecho também não tem local para estacionamento. Para poder abrigar parte dos carros dos professores, a comunidade escolar teve que improvisar um espaço até então tomado por mato, bem em frente ao colégio.

Curitiba, 26 de maio de 2010

»6

Do Quintal

XXXXXX
Projeto inovador põe os próprios moradores para definirem o futuro do local onde vivem

construindo o bairro dos sonhos
C
om pouca divulgação, sem estardalhaço, está começando por quase toda a cidade uma ação que poderá transformar profundamente, para melhor, os bairros e a própria relação dos moradores entre si e com os locais em que vivem. Trata-se do projeto Rede de Desenvolvimento Local, coordenado pelo Sesi, mas elaborado pela própria comunidade. Ou seja, são os próprios moradores que apontam as carências de sua região, definem soluções e, juntos, trabalham para que elas virem realidade. Dentre os bairros abrangidos pelo Do Quintal, os pilarzienses estão numa etapa adiantada do projeto. Grupos de moradores já estão trabalhando para transformar, em dez anos, o Pilarzinho no bairro de seus sonhos. O projeto foi lançado em 2007 pela Rede de Participação Política do Empresariado do Sistema Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep/Sesi), atingindo as principais cidades do interior. Neste ano, chegou a Curitiba, onde pretende atingir 70 dos 75 bairros da cidade. A ação é simples, mas pode ter resultados formidáveis e permanentes. Tudo começa com os agentes comunitários, estudantes universitários treinados pelo Sesi, que contatam líderes locais, presidentes de associações, enfim, pessoas ativas do bairro. Estas, por sua vez, convidam outras pessoas que se interessam pelo futuro do local onde moram, que por sua vez chamarão outras, formando uma rede representativa do bairro. A partir deste núcleo, iniciam-se as reuniões, onde os moradores projetam como gostariam que o bairro fosse em 2020. Nas reuniões seguintes, são levantados as carências do bairro, o que ele tem a oferecer e traçados planos para se chegar ao “bairro dos sonhos” dos moradores. A última fase é colocar tudo isso em prática. No Abranches, Vista Alegre e Mercês, as agentes comunitárias estão na fase de mobilizar os líderes locais para participarem do projeto. No São Lourenço, a agente está sendo treinada para em seguida iniciar o trabalho local. Já no Pilarzinho, a primeira etapa começou em março e agora os participantes já estão trabalhando para colocar em prática as primeiras ações rumo ao bairro de seus sonhos.

A hora do jovem mostrar sua voz
O projeto articulado pelo Sesi é uma ótima chance dos jovens locais colocarem em prática o chamado “protagonismo juvenil” . O termo, incorporado à educação pelo pedagogo mineiro Antônio Carlos Gomes da Costa, designa o papel de frente que os adolescentes poderiam – e deveriam – ter em relação ao seu meio. O educador defende que o jovem deve participar ativamente do meio social, mobilizando-se por melhorias da comunidade onde vive, contribuindo assim para o seu próprio crescimento pessoal. E o projeto de desenvolvimento comunitário criado pelo Sesi é um espaço perfeito para o jovem demonstrar o que acha do bairro, o que considera que deve ser criado ou melhorado. E o que pode fazer para que isso aconteça. Membros do Grêmio Estudantil do Colégio Bento Munhoz perceberam isso, e estão participando ativamente do projeto do Pilarzinho. Entre as propostas que o grupo defende, e já está lutando por isso, é a de que o colégio abra aos finais de semana para realização de feiras de ciências e eventos culturais. Jovens que têm idéias para melhorar a região onde moram devem entrar em contato com o agente comunitário de seu bairro, pelos telefones divulgados nesta edição. Força jovem: membros do Grêmio Estudantil do Bento Munhoz trabalham por um bairro melhor.

Como participar
Se você quer também contribuir para deixar o seu bairro um local melhor para se viver, entre em contato com o agente de sua área e fique sabendo como participar: Abranches: Mariana Daros. Telefone: 9608-3822. E-mails: maridaros@gmail.com e mariana.daros@sesipr.org.br Pilarzinho: Michelle Norberto, telefone 9982-9284 e Vinicius (9960-3350) ou pelos e-mails michelle.norberto@sesipr.org.br ou vinicius.santos@sesipr.org.br Mercês: Camila Braga Karam, telefones 3271.7423 e 8803-7781. E-mail: camila.karam@sesipr.org.br São Lourenço: A agente está em fase de treinamento. Tão logo termine, será divulgado o seu contato. Vista Alegre: Fernanda B. Penteado. Telefone: 8841-2779. Informações sobre o projeto e seu andamento nos bairros estão no site www.rededeparticipacaopolitica.org.br

as ações estão em curso e todos podem contribuir
A Rede de Desenvolvimento do Pilarzinho deu no último dia primeiro de junho o passo mais importante rumo ao “bairro dos sonhos”. Neste dia foi celebrado o pacto dos participantes em torno dos objetivos comuns. Os grupos de participantes apresentaram oito ações em várias áreas a serem implantadas até outubro deste ano. Os coordenadores dos grupos agora estão em busca de pessoas do bairro que se disponham a participar das ações. Veja a seguir a lista das primeiras ações para começar a melhorar o bairro. Escolha uma ou mais ações em que você queira contribuir de alguma forma – mesmo que seja só para apoiar a iniciativa - e entre em contato com os agentes do Sesi no Pilzarzinho, Michelle Norberto, telefone 9982-9284 e Vinicius (9960-3350) ou pelos e-mails michelle.norberto@sesipr.org.br ou vinicius.santos@sesipr.org.br, para ser encaminhado ao grupo respectivo.Seja você também um membro atuante da comunidade: 1 - Cães abandonados – Está se formando uma comissão para buscar soluções para o problema de cachorros soltos na rua. O primeiro passo é uma campanha de castração de cães e de conscientização dos moradores para não abandonar os animais. 2 - Alfabetização de idosos – Aulas já estão sendo ministradas para 12 pessoas. Idéia é ampliar o trabalho. 3 - Fortalecimento do comércio – Intenção é criar uma associação comercial para unir os comerciantes e mostrar aos moradores locais que eles podem fazer a maior parte de suas compras no próprio bairro. 4 - Lazer da terceira idade – Coordenado pela professora Sônia Brush, já existe um grupo que realiza passeios mensais com idosos. Intenção é ampliar essa ação.

Uma das reuniões no Colégio Bento Munhoz: união para melhorar o bairro.

5 - Comissão de segurança – Grupo está buscando soluções para o problema da criminalidade no bairro. Primeiro passo é um levantamento junto ao comércio local sobre a incidência de crimes na região nos últimos meses. 6 - Fortalecimento da Associação dos Pais e Mestres- Intenção e divulgar a importância da participação dos pais no dia-a-dia das escolas do bairro. 7 - Feiras de ciências e cultura – Grupo de alunos do colégio Bento Munhoz puxa a iniciativa de abrir as escolas nos finais de semana para realização de eventos voltados à comunidade. 8 - Saneamento do Clube Golfinho – Amplo espaço abandonado na Rua São Salvador virou foco de proliferação de doenças. Grupo busca solução para o problema.

Curitiba, 26 de maio de 2010

Do Quintal

»7

XXXXXXX
Professora dá exemplo
DSF

Pilarzinho quer criar associação comercial
Da redação

Primeiras letras: professora Sônia orienta o aluno Sebastião.

Sim, nós podemos!
Entre as pessoas inconformadas com algo errado, há basicamente dois tipos: as que reclamam, mas não fazem nada para mudar a situação; e as que arregaçam as mangas e vão à luta. A professora Sônia Brusch faz parte deste segundo grupo. Mesmo tendo seu dia tomado por dois empregos, uma pós-graduação e tendo que cuidar dos dois filhos adolescentes, ela ainda consegue tempo para se dedicar à melhoria da qualidade de vida dos moradores do bairro onde vive, o Pilarzinho. Professora de História e lecionando para sete turmas do ensino fundamental no Colégio Estadual Bento Munhoz, Sônia se indignou com o que acontecia a 100 metros da escola. Ela presenciou o atropelamento de uma criança por um motociclista, quando a aluna ia para o ponto de ônibus da rua Hugo Simas, próximo à Cruz do Pilarzinho. Dias depois, estava envolvida numa campanha para melhorar a segurança no local. Com seus alunos, produziu cartazes sobre segurança no trânsito e puxou um abaixo-assinado de pais pedindo providências. Depois de uma maratona por órgãos públicos, ela conseguiu que uma equipe da Diretran avaliasse o que poderia ser feito. Decidiu-se transformar a lombada que havia a cerca de 50 metros do semáforo, na confluência com a Hugo Lange, numa ‘travessia elevada para pedestres”. Nos primeiros dias, foi tudo bem, pois os agentes de trânsito estiveram no local. Hoje, porém, são raríssimos os que param na faixa. Sônia voltou a pedir providências à Diretran, e foi informada que estão estudando uma nova ação, que poderia ser até a instalação de um radar ou câmaras para flagrar as infrações. A professora está aguardando.

ma das propostas tiradas dos encontros dos moradores do Pilarzinho foi a de lutar pelo fortalecimento do comércio local. A idéia é que um comércio forte e bem diversificado atrairia mais moradores a fazerem boa parte de suas compras por aqui mesmo, evitando deslocamentos desnecessários para o centro ou outras regiões da cidade. Ou seja, seria bom para os moradores locais, para os comerciantes e até para o trânsito na área da central, que seria em parte desafogado. Para se chegar a esse objetivo, o primeiro passo está sendo juntar os empresários para criarem a Associação Comercial, Industrial e Empresarial do Pilarzinho e Região (Aciep). Até foi lançado um site, o www.aciep.com.br, que já recebe adesões e informa sobre os objetivos da iniciativa. Uma das coordenadoras da ação é a sócia-proprietária da papelaria Jollis, na Hugo Simas, Lorena Drescher. Segundo ela, a idéia surgiu ao perceber que há um grande potencial comercial ainda

U

não explorado no bairro. E que, unindo as empresas, seria possível realizar ações para fortalecer o setor e atrair mais clientes e consumidores. Uma delas, por exemplo, poderiam ser promoções conjuntas de todo o comércio. Outra possibilidade, seria unir esforços para lutar pela instalação de agências bancárias e dos correios no bairro. Sabe-se que muita gente que vai ao banco no centro, acaba fazendo compras por lá, não devido ao preço ou qualidade do produto, mas por já estar por lá mesmo. Ou seja, a simples existência de serviços bancários já ajudaria a incrementar as vendas locais. Lorena lembra, porém, que por enquanto o objetivo é unir os comerciantes para criar a associação e só então é que serão definidas as ações . A primeira reunião para expor os objetivos da associação foi no dia 2 de julho. Quem não participou, mas quer se associar ou saber mais sobre a iniciativa, entre no site ou ligue para um dos três coordenadores: Lorena (33390010), Amarilda (8820-0007) e Adélcio (8853-3806).
DSF

Lorena Drescher: união para fortalecer o comércio e o bairro.

O escândalo na assembléia
Desde março, os paranaenses acompanham o escândalo de corrupção na Assembléia Legislativa que, segundo a série de reportagens do jornal Gazeta do Povo e da RPC-TV, seria responsável por uma sangria de mais de R$ 100 milhões nos cofres públicos. Além da indignação diante do que seria o maior desvio de dinheiro público da história do Paraná, chama atenção a falta de mobilização da população. O próprio presidente da Assembléia, Nelson Justus (DEM) disse, em maio, que não havia pressão popular para que ele deixasse o cargo. É hora do eleitor cobrar uma postura ética do deputado em quem votou. Para acompanhar o que ele vem fazendo na AL, acesse o site WWW.vigilantesdademocracia.com.br, do Sistema Fiep. Já para manifestar sua indignação contra os “fantasmas da Assembléia”, participe da campanha “O Paraná que queremos”, organizada pela OAB/PR, e que já havia reunido até 30 de junho, o apoio de 1.353 empresas, 577 entidades de classe e 31.399 pessoas. Para apoiá-la, acesse o site WWW.novoparana.com.br. Se nada disso resolver, aí então só restará ao eleitor mostrar o cartão vermelho em outubro a quem não o respeita. (DSF)

» Primeiras letras
Sônia dá aulas no Bento Munhoz à tarde e à noite. De manhã trabalha na Unidade de Saúde Vista Alegre. E foi ali que ela conheceu o senhor Sebastião Barbosa, de 72 anos. Num dia, ele comentou que seu sonho é de um dia poder tirar uma carteira de identidade que não tenha o carimbo “analfabeto”. O fato comoveu a professora. Sabendo que haveria mais pessoas iletradas no bairro, ela fez cartazes e anunciou que daria aulas de alfabetização de graça. Isso foi em março. Hoje são 12 pessoas que três vezes por semana se reúnem numa sala do Bento Munhoz para dar os primeiros passos no universo das letras. E isso tudo não cansa? Sônia diz que sim, mas que é gratificante. “Estou fazendo bem para mim e para eles”, diz ela. A professora afirma que nada paga ver a alegria e o brilho nos olhos dos idosos que, de certa forma, começam uma nova vida ao aprender a escrever. Uma vez por mês, a professora leva os alunos para um passeio. Para não haver custo para os alunos, ela conseguiu parceiros no bairro: a empresa de ônibus Nossa Senhora do Carmo cede ônibus, motorista e combustível ; e a panificadora Companhia do Pão doa pães, bolos e salgadinhos para a confraternização. Ou seja, tudo foi conseguido pela própria comunidade. Faltava apenas alguém que tomasse a frente. E o que poderia ser feito se houvesse dezenas ou centenas de Sônias por aqui? Vale pelo menos uma reflexão, não? (veja no www.doquintal.com.br, mais detalhes sobre o trabalho e o depoimento dos alunos da professora Sônia). (DSF)

Curitiba, 26 de

»8

Do Qu

XXXXXXX
Fotos: Marco André Lima

Há três décadas, ex-seminarista produ

Pilarzinho
Douglas de Souza Fernandes

ão Francisco de Assis, barba bem aparada e com passarinhos ao redor, observa Nossa Senhora Aparecida, que ao lado tem santo Antônio à espera da próxima moça que irá lhe pedir um marido perfeito. Logo adiante, a Virgem de Guadalupe divide espaço com Nossa Senhora da Luz dos Pinhais, que passa o tempo a abençoar a cidade que a escolheu como padroeira. Para os descrentes, a cena pode parecer ficção. Mas, é pura realidade numa rua bucólica do Pilarzinho. Ali, na Humberto de Campos, 56, estes e mais uma infinidade de outros santos e santas esperam tranquilos para viajar. Em breve irão estar em igrejas de Curitiba e região ou em residências de várias partes do país e do exterior. A façanha de reunir tanta santidade em tão pouco espaço é da família Joly. Nos anos 70, Vilson Joly, um ex-seminarista, concluiu que embora sentisse não ter vocação para seguir carreira eclesiástica, poderia continuar no caminho religioso a partir da reprodução das imagens de santos católicos. Ali surgia a semente, como o grão de mostarda da passagem bíblica, que germinaria e se tornaria anos depois uma respeitada fábrica de imagens de santos. O começo não foi fácil. Após fazer um curso de pintura em gesso,Vilson começou a adquirir as peças, pintá-las e vendê-las. Nesta época, ainda nos anos 70, saía humildemente de casa com uma sacola com suas primeiras produções para oferecer para as paróquias de Curitiba. A qualidade das reproduções foi o suficiente para que o negócio prosperasse. Daí a produzir suas próprias peças foi um passo. O negócio cresceu e, ao lado de Vilson passaram a trabalhar o seu irmão, Eduardo, o Dudu, a irmã Neuza Maria e a mãe, dona Carmem. Logo foi necessário contratar funcionários para atender à demanda. Há dois anos, o irmão abriu uma subdivisão na empresa, passando a atuar na área de forros e decoração em gesso (veja matéria ao lado). Avesso à publicidade, Vilson pediu para não ser fotografado pela reportagem do Do Quintal e nem quis informar qual o número de santos produzidos e vendidos atualmente por mês. De qualquer forma, a quantidade é menor do que a de alguns anos atrás, devido à concorrência com as imagens feitas em polietileno e pintadas industrialmente. Mas, Vilson tem uma clientela fiel entre paróquias de Curitiba e região. Como são peças frágeis, difíceis de transportar, Vilson diz não ter interesse em buscar mercados distantes. Mesmo assim, os seus santos já chegaram a vários países das Américas e da Europa, levados por turistas ou viajantes que passaram por Curitiba nos últimos 30 e poucos anos. Vilson só afirma que a quantidade que ele comercializa é justamente aquela que ele tem condições de produzir e por isso não tem interesse em aumentar sua clientela. “Nunca pensei em ficar rico com isso”, resume. Mais falante, o irmão Dudu diz que não é pela quantidade que os santos de Vilson se destacam, mas pela qualidade das peças, principalmente pela pintura, toda feita artesanalmente, com o uso de pincéis, e não com sprays ou mecanicamente, como acontece nas grades linhas de produção. O trabalho minucioso dos pintores é que garante a qualidade artística às imagens. Apesar de retratar santos, as imagens ficam assim “mais humanizadas”.
Dudu com Nossa Senhora do Guadalupe: santos por todos os lados.

S

Família no gesso
Vilson Joly não só teve sucesso na atividade que escolheu, como “arrastou” a família para o mundo do gesso. O irmão Eduardo, ou Dudu, trabalhou vários anos com a produção e venda de imagens até que há cerca de dois anos pegou um novo caminho. Passou a produzir e instalar forros de gesso e outros materiais de acabamento e decoração, como divisórias, estátuas etc. Já a irmã Neuza Maria atua na produção e venda de santos, só que em tamanhos menores que os trabalhados pelo irmão Vilson. Também mantém uma lojinha para exposição e venda de imagens, ao lado da fábrica. Seus principais clientes são pequenos comerciantes e participantes de feiras artesanais. A mãe, Dona Carmem, também não ficou de fora. Ela se especializou em restauração de imagens. Com seu meticuloso trabalho, ela atende a igrejas de toda a região, que a procuram quando têm alguma imagem danificada. (DSF)

Funcionário modela peça.

e maio de 2010

uintal

»9

uz imagens de santos para igrejas e fiéis

o de todos os santos
Nos anos 70, indústria de imagens dava emprego a crianças do Vista Alegre

Do tempo em que criança trabalhava
Há 36 anos, instalava-se na Avenida Victório Viezzer, próximo ao então Grupo Escolar e hoje Colégio Estadual Bom Pastor, no Vista Alegre, uma indústria de imagens de santos que empregaria pelos anos seguintes dezenas de crianças e adolescentes do bairro. A fábrica, mantida pela Sociedade Educadora São Francisco Xavier, havia sido trazida do interior paulista, pois o terreno onde funcionava fôra desapropriado para dar passagem à Rodovia Imigrantes. Em Curitiba, ela ficaria ligada à Escola de Orientação e Formação de Menores e serviria para levantar recursos para as obras xaverianas e também para dar emprego e formação profissional para crianças a partir de 10 anos, numa época em que se permitia o trabalho infantil em algumas modalidades. Hoje, o Centro de Produção de Artigos Religiosos e Missionários continua funcionando a todo vapor, vendendo seus produtos para paróquias de várias partes do País. Só que não emprega mais mão-de-obra infantil, mudança feita após o surgimento do Estatuto da Criança e do Adolescente, no início da década de 1990. Se hoje o trabalho infantil é condenado pela sociedade em geral, naquela época muitos viam nele uma forma de ajudar crianças de famílias pobres, ao ensinar uma profissão e ao mesmo tempo tirá-las dos “perigos da rua”. Em pouco tempo, já eram 30 crianças e adolescentes trabalhando em dois períodos: quem estudava de manhã, trabalhava à tarde e vice-e-versa. Os que tinham entre 16 e 18 anos operavam as quatro máquinas. Os entre 10 e 15 anos faziam a pintura das peças, sob a supervisão de três professoras da Escola de Pintura. “Bairro pobre” O Vista Alegre de 1974 era considerado um “bairro pobre”. Todo o comércio se limitava a uma mercearia, não havia saneamento básico, nem asfalto ou qualquer outra indústria. Ainda havia muitas chácaras e não era difícil encontrar vacas pastando tranquilamente pelas ruas cheias de mato e buracos. Em reportagem do extinto Diário do Paraná, de 10 de agosto de 1974, o repórter dizia que um dos problemas do Vista Alegre era “o grande número de garotos que perambulam pelas ruas, invadindo propriedades e furtando pequenos objetos”. O tempo passou, o bairro se urbanizou e teve seu perfil completamente mudado, mas a indústria continua funcionando no mesmo endereço (Victorio Viezzer, 767). Hoje, com sete funcionários adultos, a fábrica produz, além de imagens de santos, terços e outros produtos religiosos. A secretária, Agnes Lopes, diz que a indústria atende a paróquias do Sudeste, Norte e Nordeste do País. As imagens são feitas em polietileno, injetado em formas. Alem do custo reduzido, o material é muito mais resistente que o gesso, facilitando o transporte a longas distâncias. (DSF) NR: Pessoas que tenham trabalhado quando criança nesta indústria e que queiram relatar sua experiência, entre em contato conosco: Doquintal@yahoo.com.br ou entre no site www.doquintal.com.br .

O trabalho artesanal na pintura garante santos “humanizados”.

Santos das mais diversas origens dividem espaço na Humberto de Campos.

aparecida reina absoluta
A procura por santos muda de acordo com a época do ano. Entre junho e julho, o campeão é Santo Antônio, seguido de longe por São João e São Pedro; em janeiro, Cosme e Damião; em novembro e dezembro, a Divina Família e o presépio; na Quaresma, Jesus Morto e Jesus Ressuscitado e a Pietá (ou “piedade”, que representa Jesus morto nos braços da Virgem Maria) . Mas, alguns santos têm boa saída o ano inteiro. Entre eles, o Santo Expedito, São Francisco de Assis, Santa Terezinha e o “santo casamenteiro” citado na abertura. Mas, a campeã de todos os tempos, no entanto, continua sendo a Virgem Maria. Há muitos séculos, a mãe de Jesus é retratada em várias imagens, cujos nomes trazem os locais de suas aparições ou a forma em que ela é invocada pelos fiéis. Daí terem surgido mais de mil Nossa Senhoras, que de fato é uma só: a de Fátima (Portugal), a de Lourdes (França), de Guadalupe (México), do Pilar (Espanha) etc. Em relação às graças recebidas, também há inúmeras: Nossa Senhora Auxiliadora, das Mercês, da Divina Providência, da Luz, da Ajuda, do Bom Caminho, Desatadora de nós, do Divino Pranto, do Bom Parto e muitas outras. Dentre todas as imagens em que ela é retratada, porém, Nossa Senhora Aparecida mantém a majestade absoluta. De longe, ela é a mais requisitada durante o ano todo, não só aqui mas em todo o país. A devoção por ela só tem aumentado no Brasil desde 1717, quando sua imagem foi encontrada por pescadores no Rio Paraíba do Sul, então no município de Guaratinguetá, no interior paulista. Daí o nome “Aparecida”. Seu nome completo, porém, é Nossa Senhora da Imaculada Conceição Aparecida. O “Imaculada Conceição” lembra que a mãe da Virgem Maria, Santa Ana, a concebeu pura, sem pecado. (DSF) Depois do primeiro milagre atribuído a ela – o de transformar uma pescaria até então sem resultados numa descomunal apreensão de peixes -, o segundo foi o da multiplicação de fiéis. Primeiro ela ficou exposta na casa de um pescador, mas logo foi preciso construir uma capela para os milhares de devotos que não paravam de chegar; depois vieram a Basílica Velha, a criação do município de Aparecida e mais recentemente, a Basílica Nova, que só perde em grandiosidade para a Basílica de São Pedro, no Vaticano. Em 1930, ela foi coroada pelo papa Pio XII como Rainha e Padroeira do Brasil. Desde 1980, por decreto federal, os brasileiros têm o dia 12 de outubro como feriado para sua devoção. Para os milhões de fiéis, no entanto, todo dia é dia de reverenciá-la.

Em 1974, o Diário do Paraná noticiava o trabalho na fábrica e a situação precária do bairro Vista Alegre.

Curitiba, 26 de maio de 2010

» 10

Do Quintal

XXXXX
Apelidado de Canhotinha de Ouro, o baixinho fez história defendendo as cores do bairro

Foto dos anos 70, data não identificada: em pé, Queijo (massagista), o goleiro Clóvis, César, Marião, Euclides, César Suruge, Renato, Roberto (o Robe), o goleiro Cunha e o candidato a vereador Haroldo Armnstrong. Agachados: Moisés, Aristão, Carlinhos, Gaynor, Otavinho, Ize e Wilson.

Ize, o craque do Pilarzinho
B
Ize (esq) em uma das passagens pelo Vasquinho.

axinho, driblador, com um pé esquerdo certeiro, fosse nos lançamentos precisos ou nas cobranças de faltas, sempre colocando a bola onde queria. O “canhotinha de ouro”, como foi apelidado ao desfilar sua técnica pelos clubes da região, como o Flamengo do Bom Retiro, e o Vasco e Operário, do Pilarzinho, fez história. Foi cobiçado pelos então grandes clubes da capital, o Coritiba, Atlético e Ferroviário. Também chamou a atenção de clubes poderosos da época, como o Botafogo do Rio de Janeiro, que tentou levá-lo, numa época em que mantinha em seu escrete pesos-pesados como Jairzinho, o furacão da Copa de 1970, Paulo César Caju, que teria futuramente duas copas no currículo, Zagallo, o técnico de 1970, e Gérson, também tri-campeão mundial e também apelidado de canhotinha de ouro pela precisão do pé. Apesar disso, Ize, ou Izidoro Costa Pinto, nunca deixou o Pilarzinho.

Esse caso de amor com a região começou na segunda metade dos anos 60, impulsionado pelo pai, Glauco, o Gogô, que também jogou por um bom tempo no Flamengo do Bom Retiro. Ize veio pela primeira vez para o Operário Pilarzinho em 1966, lembra Nelson Rubens Fabri, presidente do Conselho Deliberativo. Fabri já foi de tudo dentro do Operário, de atendente do bar a presidente, em 1984, e acompanha por dentro a história do clube há mais de 50 anos. Aos 73 anos, ele assistiu a várias gerações de jogadores, mas diz não ter dúvidas de que Ize foi um dos melhores que já passaram pelos times daqui. “Ele desequilibrava...”, resume. » Interesse alvinegro Ainda adolescente, o jogo refinado do baixinho curitibano chamou a atenção de “olheiros” de todos os cantos. Em 1967, ainda defendendo as cores do Operário, Ize jogou pela Seleção Paranaense de Amadores, inclusive no Rio de Janeiro. Daí surgiu a proposta do alvinegro-carioca. Sílvia, irmã de Ize, diz que ele só não aceitou o convite por causa da morte da mãe, Dinorá, ocorrida pouco tempo antes. O seu pai achou que o filho deveria continuar aqui para ajudar a família neste momento.

Para os amigos, porém, o que pesou foi que Ize tinha uma afinidade muito grande com seu círculo de amizades e que, no fundo, preferia ficar por aqui mesmo. Seu lado boêmio teria falado mais alto. Ele não queria mudar seu estilo de vida e isso desagradou aos clubes interessados. E ele ficou. Tempos depois foi levado para o Vasco do Pilarzinho por uma curta temporada, retornando em seguida para o Operário. Em 1970, iria novamente para o Vasquinho, onde se sagraria campeão da Primeira Divisão de Amadores, inclusive fazendo o gol do título de 1970, de falta, o segundo dos 2 x 1 contra o Trieste, nos últimos momentos da partida. O curioso é que nesta temporada no Vasquinho, Ize jogou de quarto-zagueiro e não como meia-atacante, que era a sua especialidade. Depois, voltou novamente para o Operário, de onde não sairia mais. Jogou no time principal até o início dos anos 80, depois foi para o de veteranos, no qual jogaria até o início dos anos 90. Nesse período, O operário nunca foi campeão da divisão principal. Nelson Fabri conta que o clube não tinha recursos para montar times mais competitivos, e que muitos jogavam por amor à camisa. Para compensar a falta de dinheiro, o clu-

be ajudava os jogadores na forma do possível. Ize, por exemplo, teve facilitada a compra do terreno onde construiria sua casa, uma retribuição aos bons serviços do atleta para o time. Apesar da estrutura modesta do clube, o Operário ergueu várias taças nos anos 70, entre elas o bi-campeonato da Copa Pinheirão e a Copa Cidade de Curitiba. » Feliz Profissionalmente, Ize trabalhava como hidrometrista, fazendo análises e medição de rios para a extinta Superintendência de Recursos Hídricos e Meio Ambiente (Surehma). Mas, sua paixão era o futebol,e a partir dela fincou profundas raízes no bairro. Em 1974, casou-se com Maria da Luz Ribas Pinto, com quem teve três filhos: Adilson, Aliocha e Adriano. Ize morreu em 2008. Ele nunca se afastou do Pilarzinho. Passada sua juventude, ainda jogou nos veteranos do clube. Quando não tinha mais condições físicas para estar dentro do campo, tornou-se um espectador assíduo dos jogos. Para quem conviveu com ele, como a esposa Maria, Ize morreu feliz. Pois fez sempre o que gostava. Onde jogou foi sempre considerado um dos melhores. Fez história.

Uma dupla perfeita
Pelos times do Pilarzinho e região passou muita gente boa de bola nas últimas décadas. Alguns se destacariam em outros clubes, inclusive profissionais. Uns tinham bons chutes, outros driblavam muito bem, ou tinham facilidade para desarmar o adversário, e por aí vai. Ize, por sua vez, conseguia reunir várias dessas características ao mesmo tempo. Dirson Mateus Glodsienski, o Pé, chegou a jogar algumas vezes com Ize, mas somente em “peladas” mas se lembra , bem do que o baixinho conseguia fazer dentro das quatro linhas. Pé, que jogava na zaga, diz que Ize fazia tudo bem. Driblava, lançava,chutava com força e colocado e era um bom cabeceador, embora a baixa estatura. “Era bem rápido, defendia, atacava. Fora de série. Era bonito de ver” recorda. , Carmelino Basso, que foi diretor financeiro do Operário por 27 anos consecutivos, e um dos responsáveis por trazer Ize para o Operário pela primeira vez, também diz que não houve ninguém no clube que se assemelhasse ao “canhotinha de ouro” . A polivalência de Ize ficou clara em 1970, quando sagrouse campeão da divisão principal do futebol amador pelo Vasco do Pilarzinho jogando como quarto-zagueiro. Durante mais de uma década, Ize fez dupla com Otavinho, ou Otávio Hein Filho. Otavinho, considerado um dos melhores centro-avantes que pisaram os gramados amadores da capital, jogava “por música” com o então meia-esquerda. As tabelinhas saíam naturalmente, deixando os adversários desorientados. No auge da dupla, do final dos anos 60 à metade dos 70, os dois repetiram uma façanha. Otavinho lembra que por três vezes, em partidas diferentes, houve três gols em que só eles dois tocaram na bola. Ou seja, na saída de jogo, um passa a bola para outro e começa uma tabelinha que só termina na rede adversária. Coisa de craque.

Curitiba, 26 de maio de 2010

Do Quintal

» 11

XXXXXXX

Filho de peixe...
Ize só cultivou sólidas amizades com quem convivia, como deixou parte de seu legado de bom jogador para os filhos. Adilson, hoje com 35 anos, e Aliocha, 33, lembram que, ainda crianças pequenas, o pai os levava ao campo do Operário para assistir aos jogos. Mas, como eram muito pequenos para prestar atenção às partidas, passavam o tempo brincando no barranco e nos pinheiros que existiam ali antes da construção das arquibancadas no Bôrtolo Gava. Aliocha não jogou em clubes como o seu pai, mas mostra habilidade nos torneios dos quais participa, muitos ligados à imprensa, já que ele é hoje o chefe do departamento fotográfico dos jornais O Estado do Paraná e Tribuna do Paraná. Já Adilson e o caçula, Adriano, hoje com 29 anos, participaram da conquista de um título que daria muito orgulho ao pai. Os dois estavam no time titular do Operário em 2000, quando o clube conquistou pela primeira e única vez o título da Primeira Divisão de Amadores. Um antigo sonho da torcida pilarziense. Adilson já não joga mais pelo time principal. Adriano estava na equipe que ajudou o Operário a voltar no ano passado à elite do futebol amador do Paraná. Neste ano, só não está jogando devido a uma contusão no tornozelo. Também baixinho, habilidoso e jogando de meia-atacante, Adriano lembra o tipo físico e o estilo de jogo do pai. Adilson conta que há alguns anos assistia a um jogo do Operário junto com amigos de seu pai e que há tempos não vinham ao bairro, quando um deles comentou que tinha um jogador que era muito parecido com o Ize. Só aí ficou sabendo que o jovem que se destacava no jogo era o caçula do velho amigo.

Operário Pilarzinho luta para se manter na elite

Q

uatro dias após completar 59 anos, o Operário Pilarzinho reestréia na elite do futebol amador de Curitiba com a intenção de se manter entre os grandes. É o que afirma o presidente do clube, José Roberto de Souza Santos, o Betinho. Em 2009, ele conduziu o Operário de volta à Série A. Com o time reforçado, Betinho diz que o primeiro objetivo da temporada é ficar entre os oito primeiros no campeonato deste ano. Assim, o “Gigante do Bôrtolo Gava” comemoraria os seus 60 anos de fundação, em 2011, entre os grandes da capital. Para isso,o presidente anuncia reforços e mudanças em relação ao time que chegou às semifinais da Taça Paraná deste ano. As mudanças começam pela comissão técnica ainda na Taça Paraná, quando o técnico Zé Maria deixou o clube e foi substituído por Wilsinho, que até então atuava como lateral do time. Para essa nova empreitada, Wilsinho tem os seguintes jogadores à disposição: goleiros: Jura e Rodrigo; laterais-direitos: Merci e Renan; laterais esquerdos: Dionatan e Evertinho; Zagueiros: Uissan, Faísca, Pico e Eri; volantes: Paraguaio, Molão e Robson Paiva; meias: Paulinho, Peter (Tangua), e Italo; atacantes: Dinda, Eder, Fernando e Fabio. Entre os destaques do time, está o lateral Dionatan, que já jogou na divisão profissional em Portugal e que foi trazido do Combate. Betinho também cita como importantes reforços o meia Ítalo, que veio

do Inter de Campo Largo e Fábio, o centro-avante que foi o artilheiro da Taça Paraná deste ano jogando pelo Colombo. » A força da torcida Betinho, sobrinho do ex-treinador de juniores do clube, Élcio Santos, acompanha o Operário Pilarzinho desde criança. Em 2008, além de torcedor fanático, tornou-se vice-presidente da gestão de Renê Pilati Júnior, que continua atuante na diretoria. No ano passado, toda a diretoria e comissão técnica uniram esforços para colocar o alvirubroanil de volta à série A, depois de quatro anos amargando a divisão de acesso. Agora que o Operário reconquistou seu lugar, Betinho espera que a apaixonada torcida também volte em peso a apoiar o time nos jogos do campeonato. Afinal, nestas quase seis décadas de existência, gerações e gerações de moradores tiveram no Operário um fator de união e de orgulho. A própria história do clube se confunde com boa parte da história do bairro, com a presença sempre forte das famílias pioneiras, passando o amor pelo clube de pais para filhos. E é hora de reavivar esse amor, afinal, no ano que vem esse “casamento” entre moradores e clube completa suas Bodas de Diamante.
Betinho foi premiado como melhor presidente de 2009 no futebol amador.

Confira a tabela da série A do Campeonato Amador
1.ª Fase/1.º Turno

Ope. Pilarzinho SC X Uberlândia EC Combate Barreirinha FC X Vila Hauer EC U. Nova Orleans X Vila Fanny FC Osternack FC X Ure Santa Quitéria U. Capão Raso FC X Trieste FC Sobe Iguaçu X Ace Urano

» 2ª Rodada – 10/07/10 Sábado às 13h30 e 15h30

Op. Pilarzinho SC X U. Capão Raso FC Sobe Iguaçu X Combate Barreirinha FC Osternack FC X U. Nova Orleans Trieste FC X Vila Hauer EC Vila Fanny FC X Uberlândia EC Ace Urano X Ure Santa Quitéria

» 4ª Rodada – 24/07/10 Sábado às 13h30 e 15h30

Vila Fanny FC X Op. Pilarzinho SC Trieste FC X Combate Barreirinha FC Vila Hauer EE X U. Nova Orleans Ace Urano X Osternack FC Uberlândia EC X U. Capão Raso FC Ure Santa Quitéria X Sobe Iguaçu

» 1ª Rodada – 03/07/10 Sábado às 13h30 e 15h30

Vila Hauer EC X Op. Pilarzinho SC Ure Santa Quitéria X C. Barreirinha FC U. Nova Orleans X Ace Urano Uberlândia EC X Osternack FC Trieste FC X Sobe Iguaçu U. Capão Raso FC X Vila Fanny FC

» 3ª Rodada – 17/07/10 Sábado às 13h30 e 15h30

U. Nova Orleans X Op. Pilarzinho SC Uberlândia EC X Trieste FC Ure Santa Quitéria X Vila Fanny FC Ace Urano X Vila Hauer EC U. Capão Raso FC X Sobe Iguaçu Combate Barreirinha FC X Osternack FC

» 5ª Rodada – 31/07/10 Sábado às 13h30 e 15h30

Adilson, dona Maria, Adriano e seu filho João Vitor neto de Ize.

Do Quintal
Como gente grande
O Do Quintal já nasceu com cara de gente grande. Em seu primeiro mês já está andando e começou a falar. E já pensa no futuro: quer crescer para ajudar a também crescer e melhorar o quintal onde mora. Ajude esta criança a se desenvolver e a por em prática seus ideais: leia o Do Quintal, indique a amigos, critique ou elogie, dê sugestões sobre os assuntos que você quer ver no jornal. Adote esta idéia.
Doquintal.com.br doquintal@yahoo.com.br Tel: 3527-0501 - 88198717

Curitiba, 26 de maio de 2010

» 12

Do Quintal

CRACK E VIOLÊNCIA

adolescência interrompida
Uso da droga já virou epidemia e o principal combustível para assassinatos de jovens em Curitiba
Ângela Maria Ribeiro

Fotos: arquivo

A

cada semana do ano passado, em média, três adolescentes foram assassinados em Curitiba e Região Metropolitana, conforme dados do IML. Em outubro de 2009, o jornal Gazeta do Povo noticiava que, desde janeiro, 117 adolescentes entre 12 e 18 anos já haviam sido mortos, algo em torno de 10% do total de assassinatos no período. Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Estado, no ano passado Curitiba e RM registraram 1.523 assassinatos, 20,4% a mais que 2008. Desse total, cerca de 40% das vítimas tinham entre 16 e 25 anos. E se o índice era altíssimo, ficou ainda pior neste ano. Dados oficiais mostram que em Curitiba as mortes violentas aumentaram 58 % no primeiro trimestre de 2010 em relação ao ano passado. Na maioria absoluta dos casos de assassinatos envolvendo adolescentes, existe um fator em comum: a ligação com o crack. E o número de crianças e jovens mortos em Curitiba é só a ponta do iceberg. Segundo o coordenador do Centro de Socioeducação da capital, Francesco Serale, somente em 2008, 2.972 adolescentes passaram pelo Centro Integrado de Atendimento ao Adolescente Infrator (Ciaddi). Desses, 95% seriam usuários de crack. » Epidemia Potente, mais barata que a cocaina e com oferta abundante, o entorpecente que chegou ao Brasil na década de 80 sob o estigma de “droga de pobre”, “coisa de menino de rua”, hoje já avançou pela classe média e por todas faixas etárias. Em Curitiba, atinge inclusive crianças na primeira infância. Segundo Inês de Oliveira, presidente do Conselho Tutelar da Regional Boa Vista, as substâncias psicoativas como o crack, a maconha e o álcool tem atingido adolescentes em idades cada vez menores, sendo comum crianças com seis, sete anos de idade já dependentes. É que essas crianças vêm de famílias desestruturadas, nas quais já existem casos de dependência. Ela conta ser comum casos de três,

quatro pessoas da mesma família que precisam de internamento para tratamento clínico. Para Inês Oliveira, a questão do uso do crack pelo adolescente é um problema que deve ser tratado como uma epidemia que tomou conta não só do Paraná como do país. Hoje, o problema, segundo a conselheira, é muito mais de saúde pública, um problema social do que criminal. Uma das cinco conselheiras da Regional do Boa Vista, Inês Oliveira chama atenção para o fato de o Estado não contar com um número suficiente de clínicas ou casas terapêuticas especializadas para atender o contingente de jovens que precisa de atendimento imediato para evitar uma dependência maior: “É preciso uma política pública de prevenção capaz de atender a esses jovens quando eles ainda estão no início da dependência. Isso impediria que eles cometam atos infracionais por causa do vício.” » Pais desesperados Outro conselheiro do Boa Vista, Marcos Rocha conta que há casos de pais que chegam ao Conselho Tutelar desesperados, pedindo ajuda para salvar os filhos que já estão ameaçados por traficantes porque começaram a comercializar crack para manter sua dependência. “Teve um pai que chegou aqui pedindo ajuda porque se ele fosse cuidar do filho, perdia o emprego e se fosse trabalhar perdia o filho. É uma situação gravíssima que só tem aumentado. Tem muitas famílias perdendo seus filhos, vendo filhos seus morrendo por causa do crack.” Por isso, Inês Oliveira chama atenção para a importância de uma política pública que trate o alastramento do crack como um problema de saúde, educação e inclusão social. “São necessários programas do governo federal direcionados à família, com inserção no mercado de trabalho, escolas com períodos integrais que permitam que esses pais trabalhem, clínicas especializadas para o atendimento dessas famílias, enfim, é um caso de saúde pública que a polícia não vai conseguir, sozinha, conter”.

Faltam clinicas
“Quando chega um caso de uma criança, de um adolescente, nós temos de atender a toda a família, porque toda a família sofre” explica a conselheira Inês Oliveira. É por isso que é , necessário, segundo o também conselheiro Marcos Rocha, uma ação conjunta entre sociedade, escola, órgãos de saúde, juntamente com os conselheiros tutelares e assistentes sociais do município. Segundo ele, muitas vezes uma família inteira é dependente e encontra apenas uma vaga para o tratamento em clínicas especializadas. Para Inês, mais do que construir penitenciárias, o Estado precisa construir clínicas para oferecer tratamentos terapêuticos para resgatar esses jovens. Curitiba tem nove conselhos tutelares, cada um reúne com cinco conselheiros. A Regional do Boa Vista atende a 13 bairros com uma população estimada de 300 mil habitantes e cerca de 100 mil crianças e adolescentes. Segundo o Conselho Tutelar, a região registra uma demanda muito alta de atendimento, principalmente porque reúne bairros que se tornaram um foco de compra e venda de entorpecentes. Bairros como Pilarzinho, São Lourenço, Vila Esperança, Jardim Aliança, Atuba, Abranches, Barreirinha sofrem o impacto da epidemia do crack por serem uma área fronteiriça com municípios como Colombo e Almirante Tamandaré, que apresentam altos índices de criminalidade.

Onde procurar ajuda
O usuário de crack ou outras drogas e que queira receber tratamento para deixar a dependência deve ir à unidade de saúde mais próxima de sua residência. Dali ele será encaminhado para a triagem de um dos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) da cidade. O tratamento é definido caso a caso, indo desde o acompanhamento psicológico até o internamento, nos casos de situações agudas. Cerca de 85% dos tratamentos são feitos no próprio ambulatório. O restante é encaminhado para a desintoxicação e para comunidades terapêuticas. Pelo programa Cara Limpa, desenvolvido pela Prefeitura e Núcleo Terapêutico Menno Simons, são atendidas crianças e adolescentes encaminhados pelos Conselhos Tutelares. Uma equipe multidisciplinar faz uma triagem dos jovens, elabora um plano terapêutico e define os encaminhamentos necessários. Serviço: Denúncias, pedido de informações sobre os serviços, podem ser fetos pelo telefone 156, da Prefeitura Municipal, ou para o Disque 100 do Ministério Público. Através desses números, os conselhos tutelares entrarão em contato com a família, na tentativa de resgatar esses jovens. Já para as denúncias de narcotráfico, o número é o 181. Informações sobre como participar da Rede de Colaboração Curitibana e Metropolitana de combate ao uso de drogas e prevenção à violência, ligue 3250 7700.

Oito motivos para dizer NÃO ao crack
O crack é produzido a partir do cozimento da pastas de cocaína com bicarbonato de sódio ou amônia. O nome vem do barulho que a pedra faz ao ser queimada. Fumado, ele chega ao cérebro em poucos segundos, provocando intensa euforia e autoconfiança. O efeito dura de 5 a 10 minutos, seguido de profunda depressão, o que leva o usuário a ficar desesperado por uma nova dose e assim, sucessivamente. A seguir algumas das conseqüências de seu uso: INToxICAção O usuário aquece a lata de refrigerante para inalar o crack. Além do vapor da droga, ele aspira o alumínio, que se desprende da lata aquecida. O metal se espalha pela corrente sanguínea e provoca danos ao cérebro, aos pulmões, rins e ossos. DESNuTRIção O dependente perde o apetite e o sono. Os casos de desnutrição são comuns. PulMõES A fumaça do crack gera lesão nos pulmões, deixando o usuário vulnerável a doenças como pneumonia e tuberculose. CoRAção Aumenta a frequência cardíaca e a pressão arterial, podendo provocar infarto. oSSoS E MúSCuloS O uso crônico da droga pode levar à degeneração irreversível dos músculos esqueléticos. SISTEMA NEuRolóGICo O crack provoca lesões no cérebro, causando deficiências de memória e de concentração, oscilações de humor e dificuldade de ter relacionamentos afetivos. Podem ocorrer psicoses, paranóia e alucinações. SExo O desejo sexual diminui. Os homens têm dificuldade para conseguir ereção. MoRTE Pacientes podem morrer de doenças cardiovasculares (derrame e infarto) e relacionadas ao enfraquecimento do organismo (tuberculose). A causa mais comum de óbito é a exposição à violência e a situações de perigo, por causa do envolvimento com traficantes, por exemplo.

Curitiba, 26 de maio de 2010

Do Quintal

» 13

CRACK E VIOLÊNCIA

Para sociólogo, droga é efeito, não a causa
Especialista, da UFPR, diz que as vítimas estão sendo transformadas em rés
Ângela Maria Ribeiro

Reprodução

ara o sociólogo e coordenador do Grupo de Estudos da Violência da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Pedro Bodê, afirmar que a violência que hoje toma conta dos centros urbanos se deve às drogas é uma atitude reducionista. Para ele, o uso de entorpecentes não é a causa dessa “tragédia social” e sim o efeito dos reais problemas que tal explicação silencia. “Trata-se de um processo em que as vítimas são transformadas em rés’, considera. Segundo Bodê, ver as drogas como a causa da violência, levando o debate para a área penal dificulta que a questão seja tratada sob a perspectiva social. Ele lembra também que ao responder ao problema encarceirando mais jovens, coloca-se em segundo plano o que deveria ser a política pública voltada ao adolescente, como facilitar o acesso deles ao trabalho ou aos processos educativos e escolares.

P

Segundo o sociólogo, é simples entender a questão, basta que nos perguntemos quem são as principais vítimas de violência. “São os jovens, negros e da população periférica. É um resultado concreto, tratase de um processo de extermínio”. Mas, lembra Bodê, o uso do crack não é restrito aos mais pobres. Ele diz que desde os anos 90, a droga vem sendo consumida pela classe média. Mas, quem aparece são os consumidores de rua. “O que acontece é que essa maior visibilidade supostamente criminosa da população pobre se deve a uma tendência de esconder os casos quando ligados à classe média” Para Pedro Bodê é preciso que o uso de drogas seja tratado como uma questão de saúde pública. O sociólogo defende a descriminalização, levando a discussão para a esfera da saúde, educação e regulamentação.

Pedro Bodê: “Quem são as principais vítimas?”

Uma questão social
O delegado do 4º Distrito de Curitiba, Marcos Antonio de Góes Alves, também afirma que o tráfico e o consumo de substâncias psicoativas como o crack é uma questão de ordem social e alerta para a necessidade de que tanto os pais quanto as escolas devem estar atentas às atitudes desses adolescentes para detectar seu envolvimento em fase inicial. Recém chegado do Rio de Janeiro, onde era capitão da Polícia Militar, o delegado afirma que Curitiba, a exemplo de outras capitais, já pode falar de uma epidemia do crack. “O que acontece aqui é que o problema da droga está difundido de uma forma diferente. Lá (no Rio) a gente sabe para onde apontar, existem grades quadrilhas de tráfico. Aqui essas quadrilhas não se criam, a polícia do Paraná desbarata rapidinho. A questão é que a venda do crack, por exemplo, é mais diluída, um comércio mais rápido e difícil de controlar”. Para o delegado, é fundamental entender que se trata de uma questão muito mais social do que criminal e que exige uma política pública de tratamento e prevenção. “... prova disso é que o índice de criminalidade envolvendo as drogas atinge muito mais as classes baixas da sociedade. Os usuários da classe média podem manter sua dependência”. (AR).

Governo acorda

Promotora lembra papel dos pais e escolas
Promotora lembra papel dos pais e escolas Para a promotora de Justiça da Infância e Juventude de Curitiba, Heloise Bettega Kuniyoshi Casagrande, é importantíssimo que haja uma ampla e eficaz política de ação preventiva ao uso de substâncias entorpecentes. Ou seja, contendo o mal no início, seria evitada necessidade da atuação do Poder Público na outra ponta, quando o adolescente já está comprometido e envolvido na prática infracional. A promotora afirma que, embora os índices diferenciem-se de local para local, tem se verificado a presença cada vez maior dos entorpecentes nas ocorrências policiais. Segundo ela, a maioria dos casos diz respeito a adolescentes de quinze a dezessete anos, mas a Promotoria tem percebido que os adolescentes vem se envolvendo na prática infracional cada vez mais cedo: “Não são raros os casos em que atendemos adolescentes de treze ou quatorze anos”. A promotora admite que “o consumo do crack está alastrado entre os adolescentes, causando o desespero de familiares e maior envolvimento com atos infracionais”. Para ela, porém, tão importante quanto uma política pública é a efetiva atenção e fiscalização dos pais e demais familiares e dos responsáveis no ambiente escolar quanto ao adolescente. “É dentro de cada lar , no dia-a-dia, na escola, que o adolescente deve ser observado, para que o problema possa ser resolvido quando ainda está no início”, defende ela.

Embora com atraso de alguns anos, o meio político finalmente está despertando para o avanço do crack. No dia 20 de junho, o presidente Lula assinou o decreto que instituiu o Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, que investirá este ano R$ 410 milhões na prevenção, combate e tratamento de usuários. Segundo o ministro da Saúde, José Temporão, o plano é integrar ações de educação, saúde, cultura e combate ao tráfico.

236 mil pedras

A delegada do Departamento de Combate ao Narcotráfico da Polícia Civil (Denarc), Ana Carvalho, informou que até maio já haviam sido apreendidos 59 kg de crack em Curitiba. Estima-se que com cada quilo se produza até 4 mil pedras.

Bairrista, eu? Todo leitor merece um jornal que fale de seu bairro, que lembre sua história e conte o que há de novo em sua região. Acreditando nisso, surge o Do Quintal para atender aos bairros Vista Alegre, Pilarzinho, Mercês, Abranches e São Lourenço. Com boa informação, queremos contribuir para a melhoria da qualidade de vida na área onde moramos. Afinal, quanto mais o morador souber sobre o seu bairro, mais ele poderá fazer para ajudar a manter o que há de bom e mudar o que precisa ser mudado. Defendemos o bairrismo em seu bom sentido, ou seja, o amor e o respeito pelo local onde vivemos, mas, sem menosprezar outros bairros e regiões. Por isso, o Do Quintal tem orgulho em dizer que é bairrista, sim senhor. Mostre que você também é: leia e anuncie no jornal Do Quintal: Tel: 3527-0501, 8819-8717. E-mail: www.doquintal@yahoo.com.br Site: www.doquintal.com.br

Curitiba, 26 de maio de 2010

» 14

Do Quintal

MAIOR IdAdE
Cada vez mais aposentados e pensionistas recorrem ao crédito consignado
Aposentada faz empréstimo para ajudar filho e neta

“Fiz e foi um sufoco”
Lindamir de Sá, 67 anos, se aposentou em março. Pela segunda vez. A primeira foi aos 52 anos. “Na primeira vez achei que ia curtir a vida e até foi assim por uns meses, mas aí um filho perdeu o emprego. E eu não podia deixar minha neta parar a faculdade no último ano. Assumi as contas e hoje ele tá formado e feliz, mas tô pagando até hoje” , resume. Para pagar o último ano do curso de veterinária da neta e ajudar o filho na fase difícil Lindamir recorreu a empréstimos consignados. Ela não se arrepende. “Fiz o que tinha que fazer pela minha família” , explica, para continuar dizendo que precisou voltar a trabalhar aos 56 anos, quando as contas já eram muito maiores do que a renda da aposentadoria. “Foi um sufoco. Empréstimos consignados são um pepino, comem a renda da gente, mas a gente faz na emergência, pra acudir um filho, comprar um remédio, mas não é bom negócio” diz a ex, funcionária da Universidade Federal do Paraná, que agora faz planos de quitar as dívidas (sim, ainda faltam parcelas daqueles empréstimos em 60 meses) e se dedicar a ginástica e aos passeios com os netos. Lógico que são planos. Ela deu essa entrevista na semana em que se aposentou e, feliz da vida, planejava uma temporada na praia. “Deixa eu curtir um pouquinho essa fase porque problemas sempre vêm...” despediu-se. (CB) ,

dinheiro fácil, mas perigoso
Christiane Beller

ma pessoa trabalha mais de trinta anos e chega à terceira idade na esperança de curtir um pouco mais a vida. Junto com a aposentadoria aparece o desejo de viajar, de entrar numa academia, ter mais tempo para ler e se dedicar a passatempos. Mas a fantasia é duramente atropelada pela realidade. No Brasil, grande parte dos idosos que se aposentam é obrigada a voltar a trabalhar para conseguir sobreviver ou acaba virando arrimo da família, tendo que sustentar (ou ajudar a sustentar) a família dos filhos e netos. Se não fosse assim, eles não teriam que recorrer tanto a empréstimos como vêm fazendo nos últimos tempos. Somente em janeiro deste ano, os aposentados e pensionisas do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) emprestaram, por meio do crédito consignado, a quantia de R$ 2,16 bilhões. O montante é 118,6% maior do que o liberado no mesmo período do ano passado, que foi de R$ 990 milhões. Em comparação com 2008, a diferença da soma de recursos liberados para o mês é de 360%, pois os empréstimos somavam R$ 469 milhões. » Dinheiro fácil O dinheiro emprestado para o aposentado tem juros mais baixos que o do cheque especial (em torno dos 10% ao mês) e do empréstimo pessoal (4% a 7% ao mês) e é justamente aí que reside o problema. Filho endividado em vez de assumir um empréstimo no banco no seu nome muitas vezes recorre ao pai ou a mãe, a quem a justificativa do juro mais barato e a ne-

U

cessidade do ente querido sempre convencem. Este foi um dos motivos para o crescimento dessa modalidade de empréstimo. Outro motivo foi a alteração das regras para os empréstimos feitas pelo governo federal para enfrentar a crise financeira do ano passado. Entre os atrativos para aumentar o volume de empréstimos e ajudar os bancos, foi ampliado o limite de comprometimento de renda dos aposentados ou pensionistas, que passou de 20% para 30%. Também foi reduzido o teto de juros para esse tipo de crédito, que passou de 2,50% ao mês para 2,34%. Mas nem todos os bancos chegam a cobrar a taxa máxima, pois dos 53 listados pela Previdência, 15 operam abaixo desse patamar. » Empréstimos de R$ 1.400 Em janeiro, a maioria dos que tomaram crédito tem renda de um salário mínimo. Essa faixa salarial movimentou R$ 1,01 bilhão em 721 mil contratos realizados no período. A média do valor por empréstimo ficou em R$ 1.400. A maior parte dos tomadores de crédito contratou o parcelamento de 49 a 60 meses, o prazo mais longo permitido para esse tipo de crédito. Na comparação entre os meses de janeiro, o balanço mostra que o beneficiário do INSS está deixando de utilizar o cartão de crédito para conseguir os recursos e dá preferência para o empréstimo pessoal. O número de operações com cartão caiu 81,1%.

Seu Pedrinho: “Ajudou meus filhos, dou meus pulos, mas empréstimo no banco eu não faço” .

“Empréstimo eu não faço”
Aos 71 anos, seu Pedrinho roda o bairro Vista Alegre oferecendo seus produtos sem agrotóxico. São couves, alfaces, rúcula, temperos e brócolis. Preço único: R$ 1. É assim que ele complementa a aposentadoria de pouco mais de R$ 500. Diz que sobrevive e se orgulha de ser econômico. “Eu sempre dei muito valor no dinheiro e não desperdiço não, mas viver com R$ 514 não dá. Se não fosse a horta não teria nem o fusquinha, diz o aposentado, que já perdeu as contas de quanto já ajudou os filhos. “Mais a filha do que o filho. Ela tá separada, tem duas crianças e vez por outra precisa de alguma coisa. Aí eu dou meus pulos...vejo o que tenho e ajudo, mas é difícil. Empréstimo no banco não faço não. Isso não é certo.” Pode parecer radical, mas Pedro Govaski aprendeu a ser assim com o pai dele, um lavrador de Almirante Tamandaré que mandou o filho para Curitiba para ele ganhar a vida. Foi o que ele fez. Dos 17 aos 63 anos tinha dois empregos – era açougueiro nos dias de semana e jardineiro nos fins de semana – até que o INSS aceitou o pedido de aposentadoria. Safenado e com três hérnias de disco, o corpo parece não combinar com a disposição, mas ele não se faz de vítima. Separado da mulher há 33 anos, por incompatibilidade de gênios, Pedrinho diz que não sente problemas em morar sozinho. Casar, ele diz não querer mais. “Agora, namorar já é outra coisa” diz, sem , detalhar sua situação sentimental. Sua única decepção é não ter conseguido incutir nos filhos o respeito pelo dinheiro. “Do jeito que as coisas estão eu só sinto não ter passado pra eles o bom senso pra economizar. Tem gente que ganha 500 e consegue poupar alguma coisa e outro que ganha um milhão e ainda deve... eu não queria que eles tivessem dívidas. Isso vira uma bola de neve, que é difícil resolver” (CB) .

Cuidados antes de emprestar
• • • • • • • • Primeiro, analise friamente se o empréstimo é realmente necessário. Compare as taxas de juros oferecidas. O teto permitido é de 2,34%, mas vários bancos cobram abaixo disso. O limite de comprometimento de renda é de 30%, mas busque não passar dos 20% para não ter as finanças prejudicadas. O banco é obrigado a informar previamente a taxa mensal e anual de juros, o número das prestações e a soma total a pagar pelo empréstimo. Ao assinar o contrato,o beneficiário deve exigir sua via. É vedada por lei a contratação de empréstimos por telefone e também a cobrança da Taxa de Abertura de Crédito (TAC) ou qualquer outra taxa ou impostos Ninguém é obrigado a fazer o empréstimo no banco em que recebe o pagamento O beneficiário que se sentir enganado ou prejudicado, deve registrar sua reclamação no INSS, pela internet (www.previdencia.gov.br) ou pelo telefone 135.

Curitiba, 26 de maio de 2010

Do Quintal

» 15

HIStóRIAS Ou LENdAS?

Fique ligado Enem

Quem for prestar o Exame Nacional de Ensino Médio (Enem) este ano terá um mês a mais para se preparar. Ele estava previsto para outubro, mas devido às eleições neste mês, foi adiado para 6 e 7 de novembro. As inscrições vão até o dia 9 de julho. A taxa é de R$ 35. Alunos de escolas públicas estão isentos.

Pirata, túneis e outros mistérios
odos os bairros têm histórias e estórias (*). Tem aquelas registradas em livros por historiadores, que garantem o caráter oficial dos relatos. E há aquelas passadas de boca em boca por várias gerações, e que acabam virando as chamadas “lendas urbanas”. O problema é saber até onde vai a realidade e onde começa a imaginação. O Mercês,Vista Alegre, Pilarzinho e Abranches também têm as suas. A seguir, mostramos algumas das mais famosas. Nas próximas edições o Do Quintal investigará o que há de real e de ficção em cada caso. Se você souber de algo que ajude a desvendar esses mistérios, entre em contato conosco. - O Pirata das Mercês: Um almirante inglês de nome Summers desertou da marinha britânica por volta de 1840 e passou a saquear embarcações até que, acuado pelos patrícios, se escondeu em Paranaguá e de-

T

6 milhões

No ano passado, 4,1 milhões de estudantes se inscreveram no Enem e 3,2 milhões fizeram as provas. Para este ano, esperase 6 milhões de inscritos. O governo promete um Enem com questões mais próximas do dia a dia dos estudantes. No primeiro dia, das 13h às 17h30, as provas serão de ciências da natureza e humanas, cada uma com 45 questões. No domingo, haverá uma hora a mais para as provas de matemática e linguagens, incluindo uma redação.

Geração digital

pois veio para Curitiba, onde seu nome foi abrasileirado para Zulmiro. E foi na região das Mercês, que ele teria feito um túnel que iria até as Ruínas de São Francisco, no centro da cidade, onde escondeu todo o seu tesouro nunca descoberto. - Túnel dos jesuítas ou dos leprosos – Próximo ao atual Parque Gutierrez, no Vista Alegre, havia um túnel, que também iria até o centro da cidade. Para alguns, ele foi construído por jesuítas, para fugirem de perseguições religiosas. Há quem diga, porém, que o túnel fora escavado por leprosos, pois começava próximo a um hospital de portadores de hanseníase. Também seria para escapar de possíveis perseguidores, contrários a presença dos doentes na região. -Túnel do Clube Concórdia – Diz-se que embaixo do clube de imigrantes alemães, nas Mercês, foi cavado um túnel que iria até o centro histórico da cidade. Seria uma rota de fuga criada pelos germânicos durante a Segunda Guerra Mundial, que contrapôs Brasil e a Alemanha.

- Dom Pedro II no Abranches: É fato comprovado que o imperador Dom Pedro II esteve em Curitiba, em 1880. Mas, há a versão divulgada por descendentes de poloneses do bairro, que ele teria visitado a Capela do Abranches e almoçado, junto com a imperatriz Teresa Cristina, na Casa Paroquial. Verdade? -Cruz do Pilarzinho – O maior símbolo do bairro, a Cruz levantada entre a Hugo Simas e Amauri Lange tem uma origem controversa. Há os que defendem que a primeira versão foi erguida em 1870 pela família Polak, como marco da posse da terra. Outra versão diz que ela surgiu bem antes e marcava de fato o local onde um boiadeiro, ou “cangaceiro,” foi morto quando seu bando passava pelo local. -Capela de 218 anos – Sabe-se que a Capela Nossa Senhora do Pilar, na rua São Salvador, foi construída em 1932. A controvérsia é sobre quando foi construída a capela original, feita em barro, lenha e capim. Na própria capela consta o ano de 1792. Não há conhecimento, porém, de documento que comprove esta data.

Quanto tempo as crianças e adolescentes passam em frente à tela de um computador, celular ou TV, e para quê eles utilizam tudo isso ? Para descobrir isso e qual o seu impacto no meio familiar e escolar, surgiu o projeto Gerações Interativas, que iniciou no último dia 20 a sua segunda pesquisa em países de língua espanhola e latino-americanos. O projeto é aberto a alunos de 6 a 18 anos de todas as escolas ligadas à internet. Para participar, a escola deve acessar o site www.educarede.org.br , onde receberá uma senha para ser usada pelos alunos.

A Loira do Banheiro
Uma das mais famosas lendas urbanas do Brasil é a da Loira do Banheiro, passada de geração a geração pelo menos desde os anos 70. São várias versões, mas a mais difundida conta que havia em uma escola uma estudante que sempre matava aula e ia fumar no banheiro. Um dia, escorregou, caiu, bateu a cabeça no vaso sanitário, e morreu. Desde então seu fantasma povoa todos os banheiros escolares. Para invocá-la, basta dar três descargas e um chutezinho no vaso e virar-se para o espelho – que ela estará lá, com as narinas tampadas por algodão e os olhos fixos em você.

Letras & Garranchos
» Caindo feio Autor de sucessos de público e crítica como Febre de bola, Alta fidelidade e Um grande garoto – todos adaptados para o cinema –, o inglês Nick Hornby também agrada em cheio com Slam. Com leveza e humor, ele conta a história do jovem skatista Sam, que, de uma hora para outra, sofre um verdadeiro slam, na gíria dos skatistas, um grande tombo. Arremessado à paternidade aos 16 anos, quando estava no último ano do colégio, ele vê sua vida virar de cabeça para baixo. Aos 18 anos, Sam relembra tudo isso e depois faz uma viagem ao futuro. Imperdível. Slam (tradução de Paulo Reis; Rocco; 264 páginas, R$ 33,00), » Qual profissão? Não bastasse a pressão para que escolham já aos 16, 17 anos uma careira para toda a vida, o jovem ainda tem de enfrentar provas e mais provas de vestibular, cobranças fa-

““Livros não mudam o mundo, quem muda o mundo são as pessoas. Os livros só mudam as pessoas.” (Mário Quintana)

Boceje mais
Bocejar ajuda a resfriar o cérebro e melhora a atenção, conclui um grupo de psicólogos norte-americanos. Segundo eles, a função do bocejo não é preparar o corpo para dormir, mas esfriar o cérebro para melhorar a concentração. Então, se você bocejar e alguém disser que é por falta de atenção, pode responder:”bocejo para prestar mais atenção em você” O resultado do estudo . está no site da revista New Scientist. Você já percebeu que o bocejo é contagioso? Já? Mas talvez o que você não saiba é que agora esses cientistas descobriram que as pessoas gentis são mais suscetíveis à transmissão bocejo. Faça o teste.

miliares e uma ansiedade alucinante. Autor de vários títulos de orientação profissional, o escritor Ruy Leal tenta amenizar esta fase. Leal indica os principais passos para ser bem-sucedido não só na escolha da carreira, mas também no temido ingresso para o mercado de trabalho. Superdicas para o jovem escolher bem sua profissão (Editora Saraiva, 136 páginas, R$ 9,50) » Em quadrinhos Para quem torce o nariz quando ouve falar em literatura clássica, mas é louco por gibis ou grafic novels, o mercado editorial do país tem trazido boas notícias. Várias editoras descobriram o filão ao verter clássicos para os quadrinhos. No ano passado, o Ministério da Educação (MEC) incluiu 19 HQs na lista do Programa Nacional Biblioteca na Escola (PNBE) de 2009, que distribui livros para as bibliotecas das escolas dos ensinos médio e fundamental, entre elas o Alienista, de Machado de Assis (Editora Ática) e O Sonha-

dor, de Will Eisner (Devir). A Ática também já lançou O Guarani, de José de Alencar, e O Cortiço, de Aluízio Azevedo. » Não pense só, escreva! Você que é aluno do Bento Munhoz, Bom Pastor, Guido Straube, Manoel Guimarães e que tenha textos em prosa ou poesia, e que queira divulgá-los, mandeos para nós. Dentro do possível, vamos divulgá-los nas próximas edições impressas do Do Quintal e no nosso site (www. doquintal.com.br). Seja uma redação sobre qualquer tema da atualidade,uma crônica, artigo ou texto de conteúdo ficcional. O importante é que você mostre o seu ponto de vista sobre seu mundo exterior ou interior. Envie para o e-mail doquintal@yahoo.com.br ou para o endereço: Rua Professor Ignácio Alves de Souza Filho, 343, CEP 82110-450, Coluna Letras & Garranchos. E fique ligado no nosso site, que em breve divulgaremos um concurso de redação com inscrições gratuitas e premiação em livros. Boa escrita!

Curitiba, 26 de maio de 2010

» 16

Do Quintal

XXXXXXX

Morar aqui é um privilégio
O Do Quintal abrange o “quintal verde” dos curitibanos. Nos bairros Pilarzinho, Mercês, Vista Alegre, Bom Retiro e São Lourenço encontramse os principais bosques e parques da cidade. Daí serem passagem obrigatória para os turistas que aportam diariamente vindos de todos os cantos do país e do exterior. Se visitar esta região é um presente para os turistas, morar nela é um privilégio. Colonizados a partir do final do século XVIII, inicialmente boa parte destes bairros foi o “celeiro” da cidade. Quando o presidente da Província do Paraná, Zacarias de Góes e Vasconcelos imprimiu uma forte política imigratória para Curitiba, na metade do século XIX, seu objetivo era exatamente trazer agricultores para produzir alimentos para a cidade. E com isso, enfrentar a carestia e a escassez de alimentos que afligiam então os curitibanos. Então, aos poucos brasileiros descendentes de portugueses que já moravam na região, vieram se somar levas de alemães, poloneses e italianos, e, em menor número, ingleses, franceses, prussianos, espanhóis e outros. Logo a cena das carroças dos colonos levando diariamente leite, cereais, hortaliças, frutas e carnes para vendê-los no centro da cidade já fazia parte da paisagem curitibana. Passou o tempo, a produção agrícola deixou de ser o forte da economia local e as chácaras foram aos poucos subdivididas em lotes menores destinados à habitação e ao comércio. Hoje, são bairros que têm em comum mais que a proximidade geográfica e as áreas verdes. São bairros pequenos, somados têm 1.829, 70 hectares. Para se ter uma idéia, o maior bairro curitibano, a Cidade Industrial (CIC), ocupa uma área de 4.337,80 hectares, ou seja quase duas vezes e meia o tamanho destes cinco bairros juntos. São bairros que mantêm uma boa qualidade de vida e baixa densidade demográfica. Somadas as populações do “coração verde da capital” , com base nos números do Ippuc para 2010, chega-se a pouco mais de 70 mil pessoas. A CIC tem 180 mil. Já somente o centro da cidade possui 33.631 pessoas espremidas em apenas 329 hectares. Não bastassem os encantos naturais, essa região tem ainda a vantagem de ser próxima do centro da capital. Bom Retiro, o mais próximo, está a 2.288 metros em linha reta do chamado marco zero da cidade, na Praça Tiradentes. Pilarzinho, o mais distante, fica a apenas 4.706 metros. Já o mais afastado dos 74 bairros curitibanos em relação ao centro, o Caximba, fica a quase 23 quilômetros de distância em linha reta. Por essas e muitas outras que é um privilégio morar por aqui, na região que já foi a que colocava o alimento na mesa dos curitibanos e que hoje alimenta os olhos de quem mora nela e quem a visita.

Guia Fauna e Flora incentivará o ecoturismo de observação nos parques da região

Olha o passarinho!
ocê alguma vez já viu uma gralha-picaça, um gaturamo ou uma jacutinga? Se não viu e quer ver é só começar a prestar mais atenção nos pássaros quando passear pelos parques da região. É o que propõe o Guia Fauna e Flora, em fase de finalização, e que deve ser lançado em breve pelo Instituto Municipal de Turismo. Nas 90 páginas do guia são listadas as espécies de animais, basicamente os pássaros, e de árvores encontradas em 12 parques da cidade. A intenção, segundo a prefeitura, é promover o ecoturismo de observação, atividade bastante difundida em algumas regiões, como África e Estados Unidos, mas pouco conhecida no Brasil. Além de orientar o turista, a publicação pretende servir de roteiro para os moradores locais andarem pelos parques com um olhar mais atento. O guia listou as principais espécies de 12 parques. Na área de abrangência do Do Quintal estão o Bosque Alemão, Universidade Livre do Meio Ambientes (Unilivre), Parque das Pedreiras, Parque São Lourenço, Parque Tanguá e Parque Tingüi. Também entram o Passeio Público, Jardim Botânico, Parque Barigüi, Museu de História Natural, Bosque do Papa e o Zoológico. Desenvolvido pela RCL, empresa de consultoria em turismo e meio

V

ambiente, o guia não lista todas as espécies presentes nestes parques. Luiz Augusto Andreguetto, um dos sócios da RCL, explica que foram listadas as espécies encontradas no levantamento feito por três biólogos durante seis meses a partir da bibliografia que já havia a respeito. “Desenvolvemos ações seguindo tendências da área e pensando em um novo conceito para o turismo em Curitiba”, diz a presidente do Instituto Municipal de Turismo, Juliana Vosnika. » observadores No guia, os observadores são divididos em três categorias, o contemplador, que tem pouco conhecimento, mas adora observar a paisagem; o curioso, que já observa as espécies da fauna e flora, mas não sabe detalhes; e o aventureiro, que já pratica a observação de espécies e tem um conhecimento mínimo sobre eles. A partir das categorias foram traçados três tipos de trilhas, com graus de dificuldade diferentes. A publicação também traz dicas sobre como evitar o impacto da poluição e a destruição das áreas verdes da cidade - não jogar lixo no chão, não perturbar a fauna local; e não arrancar pedaços das plantas.

O “coração verde” em números

Bairro Pilarzinho Vista Alegre Mercês São Lourenço Abranches

População (*) 32.354 12.538 14.242 8.689 13.369

Área 713,10 ha 369,10 ha 327,60 ha 225,50 ha 431,80 ha

Distância do Centro (**) 4.706 m 3.469 m 2.410 m 4.355 m 6.869 m

Área verde (***) 57,81 m2 84.03 m2 42,58 m2 87.28 m2 141,53 m2

Fonte: Ippuc * População projetada para 2010 a partir de dados do Censo de 2000. ** Distância em linha reta da divisa do bairro até o Marco Zero, na Praça Tiradentes. *** Metros quadrado de área verde por habitante do bairro.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->