CAPÍTULO 4 – CONCLUSÃO (ANÁLISE CRÍTICA

)
A preservação ambiental, além de melhorar a imagem da empresa, traz grandes vantagens econômicas, tanto por evitar os custos do descumprimento da lei, como pela diminuição de perdas. Os custos iniciais com a adoção de uma Gestão Ambiental são logo superados, trazendo retorno econômico. Observa-se no mundo empresarial um crescimento da preocupação em preservar o meio ambiente, inicialmente apenas de uma forma reativa, para atender as exigências da legislação, mas sobretudo pela percepção dos empresários de que é muito mais lucrativo preservar e controlar possíveis danos do que reparar. Outro fator relevante, que vem obrigando as empresas a adotarem práticas ambientais, são as exigências do próprio mercado, pois atualmente as empresas que associam a sua marca com práticas ambientais é bem mais aceita pelos consumidores. A Avaliação de Impacto Ambiental (AIA), como uma política ambiental preventiva, tem trazido grandes benefícios para a sociedade como um todo. O uso de EIA (Estudo prévio de Impacto Ambiental) e RIMA (Relatório de Impacto sobre o Meio Ambiente), como práticas democráticas, permitindo o envolvimento da comunidade nas decisões ambientais, mostra a grande preocupação do Governo com a participação social nas políticas públicas. Acreditamos que a tendência futura é que cada vez mais essas empresas procurem aumentar a sua responsabilidade sócio-ambiental, pois além dos controles e exigências cada vez mais rígidos, terá que enfrentar uma nova geração de consumidores muito mais conscientes dessa necessidade, fruto da valorização cada vez maior da educação ambiental.