P. 1
relatorio 5

relatorio 5

1.0

|Views: 248|Likes:
Publicado porFábio Massa

More info:

Published by: Fábio Massa on Aug 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/19/2014

pdf

text

original

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FT-FACULDADE DE TECNOLOGIA

Disciplina: Química Sanitária e Laboratório de Saneamento I - ST305 Professor: Dr. Peterson Bueno de Moraes

EXPERIMENTO 5: DETERMINAÇÃO DE FLÚOR, CLORO E OXIGÊNIO CONSUMIDO EM UMA AMOSTRA DE ÁGUA
Experimento realizado em 28 de Maio de 2010

Fábio Alexandre Massa - R.A. 091062

.092250 Limeira 2010 Sumário 1. Introdução ao Flúor ---------------------------------------..1.. Introdução ao Oxigênio Consumido -------------------...5 3....3 2....5 3........ Materiais e Métodos --------------------------------------.094073 Mariana Carolina Rossi – R.2.4 3....A.. ................2 2...... 094849 Leticia Namorato Dias – R........ .... . ... ..... 091619 José Luiz Borges Pizzol – R... Introdução --------------------------------------------------..A.... ...........2.... .A. Objetivo do Experimento Página -----------------------.A..A...R.5 .3 2...3..3 2. Materiais e Métodos Cloro -------------------------------...Jaqueline de Souza Santana ... 091944 Lucas Pisciotta – R.. ... Materiais e Métodos Flúor -------------------------------.... Introdução ao Cloro --------------------------------------....1....

.. Conclusão ---------------------------------------------------. procedimentos do laboratório.............. Além disso.......... ....... . Resultados e Discussão -----------------------------------.... Referências --------------------------------------------------.OBJETIVO DO EXPERIMENTO O objetivo deste experimento é determinar o flúor..... .9 6...... vivenciar todas as etapas dos .... Materiais e Métodos Oxigênio Consumido ------------. o oxigênio consumido e o cloro em uma amostra de água..3.3.. .10 1 .6 4......8 5.......

onde só raramente (na forma de fluoretação) aparece em concentrações superiores a 10 mg/l.2 – INTRODUÇÃO 2. 2. no entanto. É importante que seja mantido um teor ótimo de fluoreto na água em torno de 1 mg/l de Flúor nas águas para se obter uma efetiva prevenção de cáries sem.1 Introdução ao Flúor O Flúor pode ocorrer em águas naturais. A determinação de flúor em águas ganhou importância com o emprego da fluoretação das águas de abastecimento público com a finalidade de prevenção de cáries dentárias.2 Introdução ao Cloro . causar a fluorose.

identificaremos se a um problemas de algas no reservatório através dessa análise. podemos admitir que essa análise nos fornece a quantidade de matéria orgânica presente na água. porém a medida que percorrem a rede. O cloro aplicado quer na sua forma elementar. . Dessa forma. Dessa forma. ferro. 2. matéria orgânica em geral e outras substancias presentes.A cloração de águas de abastecimento e águas poluídas tem como objetivo principais destruir ou desativar a presença nociva de microorganismos. gera uma oxidação do ferro para o estado de Fe III. ácido hipocloroso (HClO) e com hipoclorito (ClO-). o contato com o oxigênio. química e organolíptica da água. pela reação do cloro com amônia. bem como melhorar as características de qualidade física. reservatórios. está associada o ferro redutor solúvel (Fe II). porque não só os microorganismos são representados nesse caso pela matéria orgânica. tornando-se colorida e turva. nessas condições água-ferro são límpidas e atravessam o filtro. manganês. O alto consumo de oxigênio. Essa analise pode determinar também a ploriferação de algas em represas.3 Introdução ao Oxigênio Consumido O oxigênio consumido nos permite avaliar a quantidade de material redutor existente na água. quer na forma de hipocloritos. reage com água hidrolizando com produção de cloro livre (Cl2). Essa determinação é importante. sulfitos. etc. A cloração pode também produzir efeitos indesejáveis com a intensificação do gosto e odor característicos de fenol e outros compostos orgânicos eventualmente presentes nas águas de abastecimento.

Espectrofotômetro Hach DR-2000.1 Materiais Flúor • • Erlenmeyer (250 ou 150 ml). . 3.3 – MATERIAIS E MÉTODOS 3.1 – Materiais e Métodos Flúor 3.1. • Cubetas de vidro de 25 ml.1.2 Métodos Flúor • Tomar 25 ml da amostra. no erlenmeyer.

3. Reagente DPD Hach.2. • Fazer a leitura no espectrofotômetro DR-2000 em 570 nm (método nº 190). Agitar a cubeta para misturar durante 20 segundos.2 Métodos Cloro • • • • Colocar amostra na cubeta.3 – MATERIAIS E MÉTODOS OXIGÊNIO CONSUMIDO . • Agitar a amostra e transferir para a cubeta.2 – MATERIAIS E MÉTODOS CLORO 3. Adicionar o reagente DPD em pó e colocar a tampa. Acid zirconyl – SPANDS. • O espectrofotômetro já estava zerado com o branco. Colocar a cubeta no colímetro e proceder a leitura dentro de 1 minuto após a preparação. 3.• Adicionar a amostra 5. por isso não se fez necessário fazê-lo. Cubetas.1 Materiais Cloro • • • Clorímetro. 3.0 ml da solução desenvolvedora de cor.2.

3.2 Métodos Oxigênio Consumido • Colocar 100 ml da amostra em um balão de fundo chato de 250 ml.0125 N • Titular com permanganato de potássio 0. • Juntar 10 ml de solução de permanganato de potássio 0.0125 N • Solução estoque de Permanganato de Potássio 0.3. até uma coloração rósea persistente.0125 na amostra. .1 Materiais Oxigênio Consumido • Balão fundo chato de 500 ml • Bureta de 25 ml • Termômetro 100° C • Chapa aquecedora • Pipetas graduadas e volumétricas • Solução de Ácido Sulfúrico 1:3 • Solução padrão de Oxalato de Sódio 0.0125 N. • Adicionar 10 ml de Ácido Sulfúrico 1:3. • Adicionar 10 ml de ácido oxálico 0. 3.0125 N *As soluções já estão preparadas e padronizadas.0125 N • Solução de Ácido Oxálico 0.125 N • Solução de Permanganato de Potássio 0.3. • Ferver por 10 minutos em chapa aquecedora.

a tabela abaixo mostra os valores encontrados: ANALISES EXECUTADAS Flúor Cloro Oxigênio consumido RESULTADOS GRUPO 8 0.12 mg/l 0.7 mg/l .56 mg/l 3.RESULTADOS E DISCUSSÃO Nosso grupo (grupo 8) coletou a água na torneira do campo.4 .

5 .7 mg/L mostrando-se fora dos padrões estabelecidos pela Resolução CNNPA n° 12/1978 da Anvisa.12 mg/L. o teor ideal de flúor é de 0.7 mg/L. somente o teor de cloro na amostra.56 mg/L. O teor do flúor encontrado na amostra foi de 0. o qual não se encontra nos padrões estabelecidos pelos órgãos vigentes. a qual determina que para águas de consumo humano a concentração deve ser de até 2. pois para o Estado de São Paulo. podendo variar entre 0. a qual emprega que o mínimo de cloro nas águas de fim de rede deve ser de 0.5 mg/L de oxigênio.5 mg/L. A concentração de oxigênio consumido na amostra foi de 3.CONCLUSÃO A partir dos resultados obtidos no experimento. igual a 0. .6 e 0. encontra-se dentro dos padrões de potabilidade estabelecidos pela portaria 518/04. e ao sair da ETA (Estação de Tratamento de Água) a concentração de cloro presente nas águas deve ser de no mínino 0. conclui-se que.2 mg/L.8 mg/L.

REFERÊNCIAS Moraes.179:8080/518/legislacoes/portaria-ms-no. Acesso em 10/06/2010 Negri. Acesso em 10/06/2010 Portaria n° 518 de 25 de março de 2004 Disponível em: http://189.128.sabesp.gov. 1º semestre 2010 SABESP Disponível em: www.28. Apostila de Análise de Água e Esgoto. Apostila Teórica e Apostila Atividades Experimentais – ST305 Química Sanitária e Laboratório de Saneamento I.htm . Prof. Acesso em 10/06/2010 Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA Disponível em: www.br .anvisa.br/legis/resol/12_78_agua.-518 .com. Marivalda e Nogueira. Dr. . Adria Álvares. Março 2005. Peterson Bueno de.6 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->