P. 1
Analise de Custos - Parte 1

Analise de Custos - Parte 1

|Views: 116|Likes:
Publicado porangeljp2006

More info:

Published by: angeljp2006 on Aug 24, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/12/2013

pdf

text

original

ANÁLISE DE CUSTOS

Parte 1

6º Semestre

ANÁLISE DE CUSTOS

2.011
1 – Introdução a Análise de Custos O nascimento da Contabilidade de Custos decorreu da necessidade de maiores e mais precisas informações, que permitissem uma tomada de decisão correta após o advento da Revolução Industrial. Com a Revolução Industrial, as empresas passaram a adquirir matéria-prima para transformar em novos produtos. O novo bem criado era resultante da agregação de diferentes materiais e esforços de produção, constituindo o que se convencionou chamar de custo de produção ou fabricação. Atualmente as empresas enfrentam o dinamismo do mercado globalizado, as informações são altamente divulgadas em pequenos espaço de tempo, novas ferramentas gerenciais são desenvolvidas e as preocupações de a empresa conseguir se manter no mercado aumentam. A necessidade da análise e do controle dos gastos empresariais acentua-se à medida que cresce a competição entre as empresas. A atual tendência à globalização dos mercados, que estende essa competição a um nível internacional, enfatiza, como não poderia deixar de ser, a necessidade da adoção de técnicas e procedimentos que permitam o adequado gerenciamento desses gastos. Fórmula gerenciamento preços:   Anterior a globalização o C + L = Pv Após a globalização o Pv – C = L

O momento atual caracteriza-se com uma intensidade de mudanças significativas como:  desenvolvimento tecnológico  aumento da competitividade  complexidade do ambiente econômico  globalização, colocando as empresas diante de novos desafios.

2

ANÁLISE DE CUSTOS

1.2 – Conceito Custos Contabilidade de Custos é a parte da ciência contábil que se dedica ao estudo racional dos gastos feitos para se obter um bem de venda ou de consumo, quer seja um produto, uma mercadoria ou um serviço. Contabilidade de Custos é o ramo da função financeira que acumula, organiza, analisa e interpreta os custos dos produtos, dos inventários, dos serviços, dos componentes da organização, dos planos operacionais e das atividades de distribuição para determinar o lucro, para controlar as operações e para:

 auxiliar o administrador no processo de tomada de decisão.

A Contabilidade de Custos – que atende essa necessidade – destina-se à geração de informações contábeis de interesse dos usuários internos da empresa, servindo de apoio indispensável a decisões gerenciais das mais diversas naturezas. Inicialmente desenvolvida para uma melhor avaliação dos estoques, da qual depende a apuração do Custo dos Produtos ou Serviços Vendidos e, consequentemente, dos Resultados, as funções da Contabilidade de Custos expandiram-se, à medida que aumentava a competição dos mercados, de forma a abranger, hoje, todas as áreas e atividades das empresas, assumindo uma posição de absoluto destaque entre as prioridades da empresa bem administrada. Por isso, aumenta, a cada dia, a necessidade de divulgação e aplicação das técnicas de análise e de controle dos gastos empresariais, das quais se ocupa a Contabilidade de Custos.
3

mensuração de lucros. A administração necessita de elementos e informações rápidas e exatas.ANÁLISE DE CUSTOS Custos são essencialmente medidas monetárias dos sacrifícios com os quais uma organização tem que arcar a fim de atingir seus objetivos. 1. em tempo real. o gestor pode traçar estratégias e metas como por exemplo: • adequar o preço de venda ao valor praticado no mercado. As informações de custos são necessárias para quatro propósitos principais:     Para Para Para Para decisão de planejamento. quando existe forte concorrência ou estão em perspectiva de novos concorrentes. para a empresa é condição indispensável saber o valor do custo de produção do produto para poder fazer esse cálculo. as providências adequadas para manter o equilíbrio econômico/financeiro e aumentar a eficiência da empresa. em épocas de desequilíbrio econômico.3 – Objetivo da Contabilidade de Custos O objetivo básico da Contabilidade de Custos é de ser utilizado como instrumento que possibilita à administração da empresa gerenciar suas atividades produtivas. através do conhecimento dos custos dos seus produtos para avaliar estoques e apurar o resultado das indústrias. ocasiões 4 . comerciais e financeiras. mas. pois através dela. A Contabilidade de Custos é de suma importância para a organização. decisões de controle. Isto não só em tempos normais. e não é surpresa que os contadores estejam muito envolvidos com a coleta e análise das informações de custos. e informação aos empregados. principalmente. são parte muito importante do processo decisorial. tanto quanto possível. a fim de que se possa tomar. pois. Consequentemente.

e) A determinação do preço de venda dos produtos ou serviços. controle e atribuição dos custos.  Fornece rapidamente os inventários de materiais. bem como o controle e previsão dos negócios. b) Fornecer informações aos dirigentes para o controle das operações e atividades da empresa. c) Fornecer informações para o planejamento da direção e a tomada de decisões.  Permite descobrir quais os produtos/serviços mais lucrativos para a empresa.  Permite localizar os desperdícios de material. fases de fabricação.ANÁLISE DE CUSTOS como estas é que obrigam o gestor a fazer revisões de suas estratégias e metas nos âmbitos da política e fixação de preços. etc. reduzir ou eliminar gastos. facilitando o levantamento de balancetes. produtos. 1.4 Finalidade da Contabilidade de Custos A Contabilidade de Custos ocupa-se da classificação.4 – Importância da Contabilidade de Custos Dentre as principais importâncias da Contabilidade de Custos. balanço e demonstração de resultados parcial/total. sendo que os custos coletados servem seguintes finalidades principais: a) Fornecer dados de custos para a medição dos lucros e avaliação dos estoques. 1.Sacrifício financeiro com que a entidade arca para a obtenção de um produto ou serviço qualquer. períodos. destacam-se:  Permitir avaliar os custos unitários de produção. conseqüentemente fixar os preços de venda. agrupamento. aproveitar resíduos. 1. seções. horas máquinas/homens. sacrifício esse 5 .5 Terminologia utilizada  Gasto . produtos.  Permite apuração de custos por elementos. departamentos.  Oferece elementos para comparação e interpretação dos custos ocorridos por departamentos.  Oferece elementos para estudo acurado das despesas. produtos em elaboração e produtos acabados. d) O estabelecimento dos orçamentos.

Exemplos:  Aquisição  Aquisição  Aquisição  Aquisição  Aquisição de de de de de móveis e utensílios imóveis marcas e patentes matéria-prima material de escritório e de consumo.  Despesa . Exemplos:  Gasto com mão-de-obra (salários e encargos sociais)  Gasto com aquisição de mercadorias para revenda  Gasto com aquisição de matérias-primas para industrialização  Gasto com energia elétrica  Gasto com aluguel de edifícios. Exemplos:  Salários e encargos sociais do pessoal de vendas  Salários e encargos sociais do pessoal administrativo  Energia elétrica consumida na sede administrativa  Gasto com combustíveis e refeições do pessoal de vendas 6 .Gastos com bens e serviços não utilizados nas atividades produtivas e consumidos com a finalidade de obtenção de receitas. 2003).Gasto ativado em função de sua vida útil ou de benefícios atribuíveis a futuro(s) período(s). para a fabricação de um produto ou execução de um serviço. de seu desaparecimento ou de sua desvalorização(Martins.  Custo .ANÁLISE DE CUSTOS representado por entrega ou promessa de entrega de ativos (normalmente dinheiro).  Investimento . de seu consumo. Todos os sacrifícios havidos pela aquisição de bens ou serviços (gastos) que são “estocados”. nos Ativos da empresa para baixa ou amortização quando de sua venda. Exemplos:  Salários do pessoal da produção (MOD)  Matéria-prima utilizada no processo produtivo  Combustíveis e lubrificantes usados nas máquinas da fábrica  Alugueis e seguros do prédio da fábrica  Depreciação dos equipamentos da fábrica  Gastos com manutenção das máquinas da fábrica.Gasto relativo a um bem ou serviço utilizado na produção de outros bens ou serviços. É reconhecido no momento da utilização dos fatores de produção.

não se importando com os retalhos. Exemplo: Uma indústria de estamparia que aproveita apenas 90% da chapa de aço e considera 10% como perda técnica.ANÁLISE DE CUSTOS   Conta telefônica da administração e de vendas Alugueis e seguros da sede administrativa. nem sempre é fácil distinguir Custos e Despesas. o camiseiro que considera o preço do pano total comprado.  gastos com embalagens são Custos se realizados no âmbito do processo produtivo (o produto é vendido embalado)  são Despesas. Exemplos:  1º caso: são considerados da mesma natureza que as Despesas e são contabilizados diretamente contra o resultado do período: o Incêndio o Obsoletismo de estoques o Período de greve o Enchente o Furto/roubo. Podese. É um gasto não intencional decorrente de fatores externos fortuitos ou da atividade produtiva normal da empresa.a partir daí.Diferença entre Custos e Despesas Em termos práticos.  2º caso. durante ou após a entrada da utilidade comprada.Bem ou serviço consumido de forma anormal e involuntária. são Despesas. as perdas normais de matérias-primas na produção industrial.  Perda . por exemplo. Assim. Da mesma forma. onde se enquadram. 1.Saídas de caixa para atender a aquisição de um bem ou serviço. propor uma regra simples do ponto de vista didático:  todos os gastos realizados com o produto até que esteja pronto. se realizados após a produção (o produto pode ser vendido com ou sem embalagem) 7 . por exemplo. entretanto. Pode ocorrer antes. Em alguns casos admite-se também considerar dias parados por motivo de greve como “ociosidade” e inclui-los nos gastos gerais de fabricação para rateio na formação do custo de todos os produtos. são Custos .  Desembolso .6 . como custo. integram o custo de produção.

A separação entre custos e despesas 2º Passo .A apropriação (rateio) dos custos indiretos Por que estudar os Custos?  Atender necessidades gerenciais de três tipos: – – – informações sobre a rentabilidade e desempenho de diversas atividades da entidade.ANÁLISE DE CUSTOS Todos os Custos que estão incorporados nos produtos acabados que são fabricados pela empresa industrial são reconhecidos como Despesas no momento em que os produtos são vendidos. a matéria-prima incorporada aos produtos acabados em estoque. auxílio no planejamento. no momento de sua compra. pelo fato destes serem ativados.A apropriação dos custos diretos 3º Passo . informações para a tomada de decisões. A matéria-prima industrial que. volta a ser Investimento. Entretanto. ESQUEMA BÁSICO DA CONTABILIDADE DE CUSTOS PARA FINS GERENCIAIS 1º Passo .escritório venda Consumo combustível – venda Conta telefone – fábrica Conta telefone – escritório Aquisição de equipamentos – fábrica Depreciação equipamento escritório 8 . passa a ser considerada Custo no momento de sua utilização na produção e torna-se Despesa quando o produto fabricado é vendido. representava um Investimento. Exercícios de Fixação Classifique os seguintes itens como: ( I ) Investimentos ( C )Custo ( D ) Despesa ( P ) Perda Compra MP – fábrica Consumo energia elétrica – fábrica Mão de obra . controle e desenvolvimento das operações.

MÉTODOS DE CUSTEIO Entende-se por Métodos. a forma de apuração de custos de um determinado produto. cada um com uma metodologia própria. Existem diversos conceitos de sistemas de custeio. tem-se diferentes custos para um mesmo produto. Dependendo do método de custeio adotado. com suas vantagens e desvantagens de aplicação Os métodos mais utilizados no Brasil são: • Sistemas de Custeio por Absorção (fiscal) 9 .ANÁLISE DE CUSTOS Tempo ocioso (remunerado) Consumo materiais – escritório Pessoal contabilidade (salário) Honorário da administração Honorário diretor técnico – fábrica Depreciação prédio – sede empresa Deterioração estoque MP por enchente Sucata no processo produtivo (desperdício) Gastos com desenvolvimento novos produtos Gastos com treinamento funcionários – fábrica Gastos com treinamento funcionários – vendas Limpeza da fábrica Aluguel escritório fabril Aluguel escritório administrativo Comissão dos vendedores Seguro da fábrica Pagamento frete s/ aquisição MP Embalagem – estoque Embalagem usada durante o processo produtivo Embalagem usada após o processo produtivo Pagamento frete s/ produtos vendidos Assinatura jornais e revistas Consumo material de escritório Serviços de consultoria e auditoria Uniformes – fábrica Transporte de funcionários administração Danificação MP em função de incêndio 2.

diretamente b) Custos fixos . b) Custos Indiretos . salário da supervisão.Em termos de custos totais. Representam a capacidade instalada que a empresa possui para produzir e vender bens ou serviços. 10 . mão de obra direta. outros métodos de custeio são utilizados para necessidades gerenciais como: • • • Método de Custeio Pleno (RKW) Custeio Baseado em Atividades (ABC) Custo-Padrão (Standard). teremos diferentes custos para um mesmo produto. depreciação.: Matéria-prima. podemos entender como sendo as formas de apuração de custos de um determinado produto. quanto maior for o volume de produção ou venda. exceto os materiais diretos e mão-de-obra direta.: Matéria prima. Características: . Ex.ANÁLISE DE CUSTOS • Sistema de Custeio Direto ou Variável (gerencial) Entretanto.Em termos de custos unitários. Ex.  Em termos unitários. aluguel.: Aluguel.São aqueles que independem do volume de produção ou venda. é necessário que os custos sejam classificados conforme a seguir. os custos permanecem constantes. menores serão os custos por unidade.1 CLASSIFICAÇÃO DE CUSTOS Quanto à alocação dos Custos aos Produtos: a) Custos Diretos . Características: . Quanto a sua dependência com o Volume de Produção ou de Venda a) Custos variáveis . Ex. Por sistema de custeio. 2. Dependendo do sistema de custeio adotado. Para melhor trabalhar com os métodos de custeio. maiores serão os custos totais.São aqueles que estão relacionados com o volume de produção ou venda.São aqueles que são facilmente atribuíveis a um determinado bem ou serviço. MOD.: depreciação. Ex. São todos os custos de produção. quanto maior for o volume de produção.São aqueles custos que beneficiam toda a produção de um bem ou serviço.

independem das quantidades produzidas ou vendidas.ANÁLISE DE CUSTOS  Em termos de custos totais. CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS (CDV) TOTAIS 11 .

00 $ 100.00 $ 500.00 $ 333.2 DIFERENÇA BÁSICA ENTRE O SISTEMA DE CUSTOS VARIÁVEIS E POR ABSORÇÃO A diferença do sistema de custeio variável para o sistema de absorção.00 $ 200. pode ser indicada em três aspectos: 12 .000.ANÁLISE DE CUSTOS ( y) $ 300.00 1u 2u 3u (x) VOLUME CUSTOS E DESPESAS FIXAS POR UNIDADE ( y) $1.33 1u 2u 3u (x) VOLUME 2.

ANÁLISE DE CUSTOS  A classificação dos gastos gerais de fabricação entre fixos e variáveis.  o custeio direto é mais utilizado para análise do comportamento dos custos (análise gerencial) 3. SISTEMA DE CUSTEIO POR ABSORÇÃO Consiste na apropriação de todos os custos de produção aos produtos elaborados de forma direta e indireta.  Uso de demonstrativos para refletir as relações de custo-volumelucro. obtidos através de rateios. A diferença existe. devido ao fato de que:  o sistema de absorção é primeiramente voltado para o aspecto contábil da medida dos custos. 13 . basicamente.  O reconhecimento dos custos fixos como custo do período.

sua filosofia básica alia-se aos preceitos contábeis geralmente aceitos. O método é falho em muitas circunstâncias. volume e ao nível de atividade a fim de recuperar todos os custos e despesas de certo período de tempo.2 Desvantagens custos por absorção a) Nos processos de rateios é possível perder de vista determinados custos controláveis do período e as áreas funcionais às quais eles se aplicam.3 Exercício: 14 . 3.ANÁLISE DE CUSTOS O método combina custos fixos e variáveis em uma mesma taxa composta. 3. 3. apesar de se apresentarem de forma lógica. que.1 Vantagens custeio por absorção a) Aparentemente. c) Alocação de todos os custos pode melhorar a utilização dos recursos escassos de uma empresa reduzindo consumos excessivos. poderão levar a alocações arbitrárias e até enganosas. Ao mesmo tempo se decide a respeito da capacidade. b) É aceito para fins de relatórios externos. b) Lucros dependem não somente do volume de vendas. c) Alocações dos custos fixos indiretos podem distorcer análises para fins gerenciais. como instrumento gerencial de tomada de decisão. variando de acordo com o volume de produção do período e com as quantidades de produtos elaborados no período anterior. porque tem como premissa básica os rateios dos chamados custos fixos. principalmente aos fundamentos do regime de competência.

SISTEMA DE CUSTEIO DIRETO. VARIÁVEL OU MARGINAL 15 .600 Pede-se: Elaborar os razonetes para apuração dos saldos das contas e Demonstração do Resultado do Exercício (Lucro Líquido) DRE – Custeio por Absorção: Venda Bruta (-) Impostos Incidentes (=) Receita Operacional Líquida (-) CPV/CMV (=) Lucro Operacional Bruto (-) Despesas operacionais (=) Lucro Líquido 500 300 R$ 300 600 500 100 200 4.ANÁLISE DE CUSTOS Dados extraídos do sistema de custos empresa Metalúrgica São José Ltda: Estoque Inicial material direto R$ Estoque final material direto R$ Compra materiais diretos R$ 600 Estoque inicial produtos em elaboração Estoque final de produtos em elaboração R$ Gastos gerais de fabricação R$ Mo direta aplicada R$ 400 Estoque inicial de produtos acabados R$ Estoque final de produtos acabados R$ Vendas do período R$ 1.

1 Margem de Contribuição 16 . tem como premissa básica. Este método é proibido pela legislação fiscal porque fere principalmente o princípio da competência. conhecer qual é margem de contribuição que cada produto contribui para cobrir os gastos fixos da empresa e gerar lucro. A DRE pelo sistema do Custeio Variável se apresenta da seguinte forma: Venda Brutas (-) Deduções de vendas (=) Vendas Líquidas (-) Custos Variáveis (-) Despesas Variáveis (= ) Margem de Contribuição (-) Custos Fixos (-) Despesas Fixas (=) Lucro Líquido 4.ANÁLISE DE CUSTOS Sistema de custeio direto que é utilizado pelas empresas no auxílio a tomada de decisões.

Os custos de manufatura e os demonstrativos de resultados pelo sistema de custeio direto.ANÁLISE DE CUSTOS Margem de Contribuição pode ser definida como sendo a diferença entre a Receita e o Custo e despesa variável de cada produto. etc. Este método só admite na determinação do custo dos produtos a apropriação dos custos variáveis. refletem uma melhor apresentação do que pelo sistema de absorção.  Auxilia os Administradores a decidir sobre linha de produção a ser abandonada.2 Vantagens do Sistema de Custeio Direto • • O impacto dos custos fixos nos resultados é salientado porque o total dos custos aparece no demonstrativo de resultados.  Identifica o valor com o qual cada produto contribui na amortização dos gastos fixos e formação do lucro. inclui os custos primários e os custos indiretos variáveis. é o valor que cada unidade efetivamente traz à empresa de sobra entre sua receita e o custo que de fato provocou e lhe pode ser imputado sem erro. • • 17 . ou recuperação do produto. o custo-padrão e os orçamentos.  Auxilia na avaliação de alternativas que se criam em relação à redução de preços. As informações para análise das relações entre custo-volume-lucro são obtidas mais facilmente do que no sistema de custo por absorção.CUSTOS E DESPESAS VARIÁVEIS Objetivos:  Ajuda a Administração na decisão que produtos merecem maior esforço de venda. descontos. O sistema de custeio direto adapta-se melhor aos instrumentos de controle da organização. tais como. prêmios sobre vendas. 4. campanhas publicitárias. MC = PREÇO DE VENDA . isto é. sendo os custos indiretos fixos são registrados como gastos do período em que o produto é fabricado.

A legislação brasileira do imposto de renda não permite a sua utilização. acionistas. por exemplo. Os custos de manufatura não são determinados no processo de custo de produção. requerendo alocações suplementares quando estudos de preço a longo prazo são realizados.ANÁLISE DE CUSTOS 4.3 Desvantagens do Sistema de Custeio Direto  Dificuldades serão encontradas na separação entre custos fixos e custos variáveis.   Em resumo a principal vantagem do custeio direto é que ele é uma ferramenta importante para análise de custos apesar de ser algo desvantajoso para a elaboração de relatórios dirigidos a terceiros como. 18 .

000. Mas.000. O sistema de custeio variável também é conhecido como sistema de custeio direto. parece ser mais adequada a expressão sistema de custeio variável.00 A indústria vendeu toda a sua produção.000. com receita total de 40.00 3. como se fossem despesas.00 25. Nessa mesma hipótese. em razão de nesse método serem apropriados à produção tanto os custos variáveis diretos quanto os variáveis indiretos.000. como regra.4 Exemplificando Em razão dos problemas existentes no uso do sistema de custeio por absorção no que diz respeito à apropriação dos custos fixos.00 40.00 19 . o lucro líquido será igual nos dois métodos.000. Se toda a produção iniciada e acabada num determinado período for vendida. sem transitar pelos estoques.00 5. Consideremos que uma indústria tenha apurado os seguintes gastos em seu primeiro mês de atividades: Custos variáveis totais Custos fixos totais Despesas administrativas Despesas de vendas 15.000.00 (20.000.00 2. sendo os custos fixos lançados diretamente ao resultado. Comparando o resultado pelo custeio por absorção com o resultado apurado pelo custeio variável.00)¹ 20. pela não-apropriação dos custos fixos aos produtos no sistema de custeio variável e a conseqüente redução do custo dos produtos vendidos.000.00.000.000. pois os custos fixos integrarão o custo dos produtos vendidos no custeio por absorção e estarão entre as despesas operacionais no custeio variável. diretos.000.ANÁLISE DE CUSTOS 4.00)¹ Lucro Bruto Custeio por Absorção 40. em que são apropriados aos produtos apenas os custos variáveis de produção. em virtude de os custos variáveis serem. o lucro bruto pelo custeio variável será maior que o apurado pelo custeio por absorção. temos: Demonstração do Resultado Custeio Variável Vendas Brutas Custo dos Produtos Vendidos (15.

000.00 5.000.00 (3.00) 15.00 ¹O CPV no custeio por absorção é representado por todos os custos de produção.000.000.000.000. Consideremos que uma indústria tenha apurado os seguintes gastos em seu primeiro mês de atividades: Custos variáveis totais Custos fixos totais Despesas administrativas Despesas de vendas 20.00 4.000.000.000.ANÁLISE DE CUSTOS Despesas Administrativas Despesas de Vendas Custos Fixos Lucro Líquido (3. Exemplificando.00) (10.00 50.000. Mas o lucro líquido será maior pelo custeio por absorção.000.00)² 15. temos: Demonstração do Resultado Custeio Variável Vendas Brutas Custo dos Produtos Vendidos (16.00.000.00 10.00 (24.00)² Lucro Bruto Despesas Administrativas Despesas de Vendas Custos Fixos Lucro Líquido Custeio por Absorção 50.00 20 . permanecerem. tanto variáveis quanto fixos.000.00 (5.000.000.000.00) (2.000.000.00) 17. serem deduzidos integralmente como se fossem despesas operacionais e.000. proporcionalmente. pela falta dos custos fixos na composição do custo dos produtos vendidos.000. Se parte da produção iniciada e acabada em determinado período permanecer em estoque.000.00 A indústria vendeu 80% de sua produção e apurou receita total de 50.00 34.00) (4. no custeio variável. em estoque como parte da produção não vendida.00 (5. Já o CPV no custeio variável é correspondente apenas aos custos variáveis e os custos fixos são apresentados como despesas operacionais. o lucro bruto nesse período será maior pelo custeio variável.000. no custeio por absorção.00)¹ 15. Comparando o resultado pelo custeio por absorção com o resultado apurado pelo custeio variável.000.000.00) (2.00) (5. em razão de os custos fixos.00)² 26.000.00) (4.

o sistema de custeio variável antecipa a apropriação dos custos fixos ao resultado.50 Quantidade vendida: 100.000 Custos Fixos R$ 60. enquanto no custeio variável os custos fixos são integralmente apropriados como se fossem despesas operacionais. porém. principalmente no processo administrativo de tomada de decisão.Fio dental: vendido ao preço de R$ 6 e tem custos e despesas variáveis de R$ 4.000 unidades acabadas EI e EF produtos em elaboração: zero EI de produtos acabados: zero Vendas: 3.Pasta dental: vendida ao preço de R$ 3 e tem custos e despesas variáveis de R$ 1 Quantidade vendida: 100.5 Exercícios para fixação 1) A Cia Pernalonga apresentou os seguintes dados contábeis: Custos Variáveis R$ 80. fixos e variáveis. existem quatro principais de higiene pessoal que são os seguintes: .000 unidades a R$ 50 cada Pede-se: calcular o lucro líquido utilizando o custeio por absorção e o custeio variável.000 unidades 21 . O CPV no custeio variável é equivalente a 80% dos custos variáveis e os custos fixos foram apropriados como despesas operacionais. O custeio variável é adotado para fins gerenciais.ANÁLISE DE CUSTOS ²O CPV no custeio por absorção é correspondente a 80% dos custos totais de produção. Entre os diversos produtos. 4. Os resultados acumulados. Em comparação com o custeio por absorção. Os princípios contábeis e a legislação do Imposto de Renda determinam a utilização do custeio por absorção.000 unidades . são iguais nos dois métodos.000 Produção: 5.000 Despesas Fixas R$ 30.000 Despesas Variáveis R$ 20. No custeio por absorção todos os custos fixos são apropriados ao resultado dentro do custo dos produtos vendidos. 2) Em Botucatu existe uma eficaz rede de supermercados chamada Supermercados Malú.

00.5 Quantidade vendida: 100. Fabricante S/A produziu 8. tanto a fabricação como a venda estão isentas de tributação. Indique qual é o produto que melhor apresenta a Margem de Contribuição em relação ao faturamento total dos produtos de higiene pessoal.00 total. 3) A Cia.Sabonete: vendida ao preço de R$ 5 e tem custos e despesas variáveis de R$ 3. sendo que após vários estudos.00 e) Não haverá nem lucro nem prejuízo 22 .Shampoo: vendida ao preço de R$ 8 e tem custos e despesas variáveis de R$ 7 Quantidade vendida: 100. custos indiretos de fabricação fixos. vendeu 6.000.000. a empresa não possuía estoque inicial de produtos.00.00 c) Prejuízo Líquido de R$ 22.000 unidades de seu produto e.000. o Resultado Líquido apurado no período será: a) Lucro Líquido de R$ 44. correspondentes a 60% dos CIFs.000.00 por unidade. se a empresa utilizar o Custeio Variável.000 unidades Obs: Os custos/despesas fixas somam R$ 100.00 d) Prejuízo Líquido de R$ 4. custos indiretos de fabricação R$ 40.00 b) Lucro Líquido de R$ 38.000. descobriram que o custos e despesas fixas podem ser rateadas à proporção de 25% cada. As outras informações relativas às operações do período são as seguintes: materiais diretos R$ 2.ANÁLISE DE CUSTOS . no mesmo período. despesas fixas com vendas e administração R$ 10.000 unidades ao preço unitário de R$ 10.000.000. mão-de-obra direta R$ 1. Com os dados acima alinhados.00 por unidade.000 unidades .

ANÁLISE DE CUSTOS 5 . Se soubessem o quão importante é o conhecimento deste indicador para a sobrevivência de um empreendimento. em alguns casos pelo completo desconhecimento do ramo de atividade a que se propuseram. e. na maioria dos casos. acabam 23 . O descontrole administrativo é tão grave que as vezes o executivo se ilude pensando que está obtendo lucros em suas operações. Muitas micro e pequenas empresas não conseguem completar um ano de vida. Busca identificar-se diferentes necessidade de cobertura de diferentes necessidades.VOLUME LUCRO 5. Alguns realmente sabem. Para obter o ponto de equilíbrio é indispensável que a margem de contribuição atinja um valor suficiente para dar cobertura aos custos e despesas fixas. tais como: • Despesas • Investimentos / Amortizações • Remuneração do Capital Próprio faturamento para É muito comum encontrarmos empresários que afirmam saber o que significa Ponto de Equilíbrio. jamais se permitiriam desconhecê-lo.ANÁLISE DE CUSTO .1 . por completo descontrole administrativo.PONTO DE EQUILÍBRIO É o ponto onde ocorre a igualdade entre as receitas totais e o somatório das despesas e custos de natureza fixa e variável. mas na verdade. outros pensam que sabem e têm aqueles que literalmente não fazem a menor ideia do que venha ser Ponto de Equilíbrio.

00 Prova: Ponto de Dados acima Equilíbrio 100.00 15. onde.0 0 100.00% 30. usaremos a mais tradicional.00 30. acreditam que se as receitas forem iguais às despesas fixas ( aluguel do imóvel. A falência é uma questão de tempo. etc ) estarão pelo menos " tocando o negócio e empatando " .ANÁLISE DE CUSTOS quebrando sem saber o motivo.00% 15. incluído-se o custo da mercadoria vendida ou do serviço prestado. condomínio.00% 70. Ponto de Equilíbrio é um dos indicadores contábeis que informa ao executivo o volume necessário de vendas.00 30.00% 24 Vendas totais (-) Custos Variáveis totais (=) Margem de Contribuição (-) Custo Fixo Total .00% 50. material de expediente. no período considerado.00 70. para cobrir todas as despesas.00 Custos Variáveis Totais 70. Por incrível que pareça.00 15. fixas e variáveis. Há várias formas de se calcular o Ponto de Equilíbrio. nem prejuízo.00% 35. não obtendo.00 / 30% = 50. PE = Custos Fixos + Despesas Fixas % Margem de Contribuição Exemplo: Vendas Totais 100. o valor das receitas iguala-se ao das despesas. combustível.00 % margem de contribuição = 30.00% 30. nem lucro .00% 15. pró-labore. conforme o explicado anteriormente. como se diz na gíria.00 100.00 70.00 ou 30% Valor total dos Custos e Despesas Fixas = 15. salário do pessoal.00 PE = (Custos e Despesas fixas / % margem) PE = 15. O Ponto de Equilíbrio é o quociente simples da divisão dos valores dos custos e despesas fixas pela margem de contribuição.

Se vendermos apenas 50. que é o Ponto de Equilíbrio. teremos um lucro de 15. 5. tendo em vista o comportamento do mercado. 25 .00 0.00% 0.00.00. de certa forma.ANÁLISE DE CUSTOS (=) Lucro 15. vendendo 100.1.1 OBJETIVOS O cálculo do ponto de equilíbrio (receita = despesas).00% Como podemos observar no exemplo. atendido satisfatoriamente às decisões empresariais relativas a:  alteração do mix de vendas. Agora se a empresa está vendendo abaixo do ponto de equilíbrio. não teremos nem lucro nem prejuízo. restamlhe algumas providências:     mudar as estratégias ou buscar novos mercados para ampliar as vendas recalcular o preço de venda diminuir os custos / despesas ou ainda tudo isso ao mesmo tempo. Custos Variáveis/ Despesas Variáveis:  Custo das Vendas  Impostos sobre vendas  Folha de Pagamento c/ Encargos do Pessoal de Vendas/ Produção  Comissões de vendedores  Etc. daremos abaixo uma lista dos custos e despesas que geralmente ocorrem numa pequena empresa comercial: Custos Fixos/ Despesas Fixas:  Aluguel  Imposto Territorial e Predial  Folha de Pagamento dos Administrativos C/ Encargos  Despesas de manutenção do prédio  Despesas com Escritório de contabilidade  Depreciações e Amortizações  Despesas com telefones  Material de Escritório  Etc. Apenas a título de ilustração.00 15. tem.00.

Fórmula em valor: PEC = Custos e Despesas Fixas 26 . Para facilitar a análise do resultado do ponto de equilíbrio.  definição do mix de produtos. 5. Ponto de equilíbrio contábil: são levados em conta todos os custos e despesas fixas contábeis relacionadas com o funcionamento da empresa. do nível de produção e preço de produto.ANÁLISE DE CUSTOS  alteração de políticas de vendas com relação ao lançamento de novos produtos.2 FORMAS PARA A DETERMINAÇÃO DO PONTO DE EQUILÍBRIO E TOMADA DE DECISÕES O Ponto de equilíbrio pode ser apurado das seguintes formas: • • em unidades físicas: que representa a quantidade a ser produzida e vendida em termos monetários: que representará quantos reais a empresa deverá vender para não ter prejuízo.  planejamento e controle de vendas e de resultados. tais como: o Quantas unidades de produto devem ser vendidas para obter determinado montante de lucro? O que acontecerá com o lucro se o preço aumentar ou diminuir? O que acontecerá com o ponto de equilíbrio se determinada matéria-prima aumentar 20% e não tiver condições de ser repassada aos preços dos produtos? o o  avaliação de desempenho através da análise da margem de contribuição de cada produto. econômico e financeiro.  dar solução a muitas perguntas que exigem respostas rápidas.  Indica o ponto de lucro zero. é muito importante que esse indicador seja determinado sob ponto de vista contábil. Indica o volume de Vendas em que as Receitas totais igualam-se aos custos totais.

ANÁLISE DE CUSTOS % Margem de Contribuição Fórmula em quantidades: PEC unidades: Custos e Despesas Fixas MC unitária/R$ Ponto de equilíbrio econômico: o ponto de equilíbrio tem como principal objetivo auxiliar o gestor nas decisões relativas alternativas de investimento e retorno de capital. Exemplo: Patrimônio Líquido Lucro líquido exercício R$ 100.000 6% (R$ 100. Este cálculo verifica o nível de atividades em que são pagos os custos fixos mais as dividas no período.000) Se a taxa de aplicação fosse 8% ? É preferível aplicar no mercado financeiro do que em aumento de produção.) Custos e Despesas Variáveis VALORES % R$ 100. segue abaixo a fórmula: Fórmula PEF = CF + DF – Depreciação – Amortização % Margem de Contribuição CF + DF – Depreciação – Amortização Margem de Contribuição Unitária – R$ PEF em unidades = 5.3 Descobrindo % da Margem de Contribuição Demonstração de Resultado da empresa " XYZ " ITEM Receita Bruta ( . deduzindo-se deste numerador o valor referente às depreciações.000.000 R$ 6. Fórmula em valor: PEE = Custos e Despesas Fixas + Lucro Desejado % Margem de Contribuição Ponto de equilíbrio financeiro: os únicos custos e despesas fixos a serem considerados são aqueles que serão efetivamente desembolsados no período de análise.00 65 % 27 .000 x 6% = R$ Taxa aplicação mercado financeiro 6.00 100 % R$ 65. isto é. A empresa se encontra no PEE quando o lucro contábil representa um valor igual ao que a empresa iria apurar se aplicasse seu Patrimônio Líquido no mercado financeiro.000. aqueles que onerarão financeiramente a empresa.

00 R$ 28. % Margem Contribuição R$ 28.) Custos e Despesas Variáveis = Margem de Contribuição ( .00 35 % 5.000.00 R$ 28. Verificação: Demonstração de Resultado do PE da empresa " XYZ " => PEC = R$ 80.00 ITEM Receita ( .000.00 PEC = --------------------------35 % Então.2 .00 R$ 7.000.Ponto de Equilíbrio Econômico É o Ponto de Equilíbrio com um lucro desejado.00. tomando como exemplo a demonstração da empresa "XYZ". a diretoria determine um Ponto de Equilíbrio com um lucro desejado.Ponto de Equilíbrio Contábil É o mínimo que deveremos vender num determinado período de tempo para que nossas operações não dêem prejuízo.00 é o mínimo.00 R$ 52. Obviamente que também não estaremos conseguindo lucro. ou seja.) Custos e Despesas Fixos = Lucro Líquido R$ 35. Poderá acontecer de.000. considerando que a diretoria determinou um lucro desejado de R$ 6. R$ 80.000. que esta empresa tem que vender para conseguir bancar a sua estrutura.ANÁLISE DE CUSTOS = Margem de Contribuição ( .000.00 R$ 28.) Custos e Despesas Fixos = Lucro Líquido VALORES R$ 80.1 . no processo de elaboração orçamentária. No caso da empresa acima.3.3.000. o Ponto de Equilíbrio seria: Custo Fixo PEC = --------------------------então.000. aproximadamente.000. Vamos ver o cálculo.000. para não entrar em prejuízo.00 % 100 % 65 % 35 % 5.00 R$ 0. acima do Ponto de Equilíbrio: 28 .000.

mas que. de acordo com os Princípios Contábeis.3 Ponto de Equilíbrio Financeiro É quando dentro dos Custos Fixos. existem variações patrimoniais que não significam desembolsos para a empresa.86 R$ 34.86 R$ 63.000.000.142.00 + R$ 6.00 % 100 % 65 % 35 % 5. 29 . sendo confrontados com as receitas. o Ponto de Equilíbrio cai. porque contribuíram para a constituição da mesma. estas variações devem figurar no resultado do exercício.000.00 35 % Verificação: => PEE = R$ 97.000.000.) Custos e Despesas Fixos = Lucro Líquido VALORES R$ 97.00 referente à depreciação.00 R$ 6.00 R$ 28.000.3. vamos imaginar que dentro dos custos fixos exista um valor de R$ 2. Eliminando-se a depreciação. Exemplo clássico é a depreciação.142.ANÁLISE DE CUSTOS PEE = R$ 28.) Custos e Despesas Variáveis = Margem de Contribuição ( .86 Demonstração de Resultado do PE da empresa " XYZ " ITEM Receita (. Usando o mesmo exemplo anterior.142. sem o lucro desejado.

) Custos e Despesas Variáveis = Margem de Contribuição ( .) Custos e Despesas Fixos = Lucro Líquido VALORES R$ 74.71 R$ 26.000.000.00 % 100 % 65 % 35 % 5. Exemplo: Quantidade Vendida: 10 unidades/mês 30 .285. Quanto maior for a Margem de Segurança.000.R$ = 2.71 R$ 48.00 R$ 26. maior a segurança de que a empresa não incorrerá em prejuízos.000.ANÁLISE DE CUSTOS PEF R$ 28.00 R$ 0.285.00 35 % => PE = R$ 74.285. maior a capacidade de geração de lucro e também.4 – Margem de Segurança A Margem de Segurança corresponde à quantidade de produtos ou valor de receita em que se opera acima do Ponto de Equilíbrio.71 Verificação: Demonstração de Resultado do PE da empresa " XYZ " ITEM Receita ( .00 .

00/unidade PE(q) R$ 12.000. O administrador (controller) precisa conhecer a estrutura do mercado onde atua:  identificar as fontes de valor percebidas pelo cliente  as formas de competição. 6 .000.000 MS = 10un (-) 6un MS = 4 unidades Nesse caso as vendas poderão ser reduzidas em até 04 unidades ou 40%.000 – R$ 2. que a empresa não entrará na área de prejuízo.ANÁLISE DE CUSTOS Custos e despesas variáveis: R$ 2.00/mês Preço de Venda: R$ 4.Formação do Preço de Venda 6. pois qualquer redução de atividades coloca a empresa em situação de lucro nulo ou em área de prejuízo. termos uma Margem de Segurança muito frágil. A sua determinação e gerenciamento exige da administração a observação de um conjunto de variáveis.00/unidade Custos e despesas fixos: R$ 12.000.1 Introdução O preço de venda de uma mercadoria é uma das variáveis estratégicas de extrema relevância. Em uma situação em que o Ponto de Equilíbrio fique muito próximo das vendas totais. sua posição relativa no mercado frente à concorrência 31 .000_____ = 6 unidades R$ 4.

que é onde o empresário através do confronto com suas contas a receber e a pagar verificará. temos aqui uma forma de responder a sua pergunta a partir de uma pequena análise. 6. como: • • • • • Cotar de 2 a 5 fornecedores no mínimo Visitar feiras técnicas Comprar ou assinar revistas especializadas Análise do Estoque Mínimo. por outro lado. pois é ela que serve de suporte para que todas as áreas funcionem bem.2 Ciclo de Gestão Empresarial Como tudo na vida obedece a um ciclo. Podemos concluir que uma compra errada. As áreas influenciadas são as seguintes:  Compras e Estoques: A estratégia de compras e estoques a ser adotada pelo empresário possui grande influência sobre os custos de suas mercadorias.ANÁLISE DE CUSTOS  suas metas de crescimento  bem como. o lucro será sensivelmente danificado. Máximo e Lote de Compra Análise de Fornecedores  Finanças: É a área mais importante da empresa. Muitas vezes as empresas se perguntam: • Será que este produto esta dando lucro para minha empresa? Pois bem. A fixação de preços é uma decisão de suma importância para a administração. por ser o fator primordial de sobrevivência. ou seja. além dos fatores operacionais e financeiros. para que se inicie o processo de formação de preços seja ele. precisamos dar atenção a todas aquelas relações que existem dentro das empresas. seus custos e despesas. pois qualquer mutação dentro de uma política de preços provocará sérias mudanças em todas as suas áreas. no comércio ou na indústria. no caso de estouro de caixa. já que a sua correta definição permitirá a manutenção e o crescimento autossustentado. lucratividade e posicionamento da empresa no mercado. Muitos são as ferramentas utilizadas para que se tenha êxito nesta área. É fundamental que o empresário tome alguns cuidados preventivos dentro desse processo. porem uma das mais utilizadas. devido principalmente a sua praticidade é o FLUXO DE CAIXA. no caso de sobra de caixa. ou até mesmo aplicá-lo. Com base no cálculo do preço de venda torna-se possível a verificação da margem justa na venda do(s) produto(s). entender suas operações internas.  Custos: 32 . gerará invariavelmente uma venda errada. se deve captar recursos.

pois sabendo-se quais os impostos a serem pagos sobre as vendas ter-se-á condições de calcular essas percentagens e agregá-las ao valor do preço de venda.). Política de preços de venda competitivos. Prazos de financiamento para as vendas.  O regime tributário da empresa. além de ser um instrumento de informações fiscais para fins de geração de dados. de forma a controlar seus insumos produtivos (mão de obra. Definição das margens de lucro. despesas financeiras. Análise da concorrência para a determinação da política de preços a ser adotada na empresa. material de embalagem. na sua produção e sua estrutura administrativa a operacional.  Pagamento de comissões sobre a venda. Preocupação dos empresários com seus custos. Necessidade de informações atualizadas. etc.ANÁLISE DE CUSTOS O objetivo da análise de custos é ter na empresa. Alocação das despesas fixas. despesas administrativas. precisamos saber:  O valor do custo dessa mercadoria/produto. para cálculo das alíquotas de impostos: Este item é importante.  O valor do custo da mercadoria (empresa comercial): O custo da mercadoria corresponde ao valor constante na nota fiscal de compra (valor da mercadoria mais IPI menos desconto concedido na nota fiscal) mais frete (se houver) menos ICMS incidente sobre o preço de aquisição e sobre o frete (se a empresa encontra-se no regime normal de tributação do ICMS). para cálculo das alíquotas de impostos. A questão da tributação encontra-se 33 . visando obter maiores lucros com menores custos. Desenvolvimento do mix de itens. otimizando os resultados. É nesta fase que verificamos: O mercado cada vez mais competitivo.  O regime tributário da empresa.  A participação dos custos fixos (despesas operacionais) em relação às vendas  A margem de lucro líquido esperada.             6. Verbas de propaganda. Tomada de decisão com rapidez Os custos das mercadorias.3 Formação do Preço de Venda Para se calcular o preço de venda de uma mercadoria/produto. matéria prima.

ou seja. pelos custos. Entretanto. após pagos todos os custos (da mercadoria. O preço ideal de venda é aquele que cobre todos os custos do produto e serviços e ainda proporciona o retorno desejado pela empresa. Os preços são muitas vezes formados pela lei da oferta e procura. cuja percentagem é conveniente estabelecer-se. a empresa deverá desenvolver alguma ação para diminuir os seus custos. estadual e municipal. Uma maneira bem razoável de trabalhar é separar todos os custos fixos (despesas fixas).  A margem de lucro líquido esperada: Este é o lucro esperado pelo empresário. exclusivamente. escassez e demanda do comércio. acima de tudo. aceitar um lucro líquido menor. ou amenizar eventuais prejuízos. para ser agregado ao cálculo do preço de venda. mas acreditamos que. ou despesas. ou então. comissões e despesas fixas). despesas de comercialização e margem de contribuição objetivada ou preços praticados pela concorrência. Entendemos que é muito importante conhecer a estrutura do preço e utilizar as táticas de preço para incremento de vendas. Caso o preço de mercado seja menor do que o preço calculado. deve-se comparar com o preço praticado pelo mercado.  Pagamento de comissões sobre as vendas: O percentual de comissões sobre vendas.ANÁLISE DE CUSTOS em item separado.  Participação dos custos fixos (despesas fixas) em relação às vendas: Os custos fixos devem ser estimados para que participem no preço de venda. para que a empresa saiba o que realmente está ganhando ou perdendo. se houver. com a explicitação dos impostos federal. deve ser conhecido. impostos. 34 . os preços devem ser definidos pelo valor percebido pelo consumidor e não. calcular sua média mensal e estabelecer sua relação percentual em relação às vendas totais da empresa.

mas requer um conhecimento. outras despesas e a margem de lucro desejada. É um índice aplicado sobre o custo de um bem ou serviço para a formação do preço de venda. O micro e pequeno empresário poderão utilizar o mark up genérico ou por produto. as despesas administrativas fixas. a partir desse multiplicador. da estrutura operacional do empreendimento. Esse índice é tal que cobre os impostos e taxas aplicadas sobre as vendas.4 . despesas administrativas. comissões sobre as vendas. despesas de vendas.Método de Formação de Preços (Mark Up) O Mark Up ou taxa de marcação como é também conhecido.ANÁLISE DE CUSTOS 6. os custos financeiros e o lucro desejado. É um índice muito utilizado para precificação. 35 . O correto seria o multiplicador por produto. mesmo que os demais gastos sejam iguais. as despesas de vendas fixas. Aplica-se um multiplicador de tal forma que os demais elementos formadores do preço de venda sejam adicionados ao custo. os custos indiretos fixos de fabricação. é um multiplicador aplicado sobre o custo de um bem ou serviço para a formação do preço de venda. Esse multiplicador é obtido através de uma fórmula que insere os impostos sobre venda. pois cada produto tem a sua margem de lucro já determinada e margens diferentes acarretarão em multiplicadores diferentes. por parte do micro e pequeno empresário. despesas financeiras.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->