P. 1
relatorio 3 fisquim-b

relatorio 3 fisquim-b

|Views: 407|Likes:
Publicado porcaiodnog
blurgh-blurgh
blurgh-blurgh

More info:

Published by: caiodnog on Aug 24, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/07/2014

pdf

text

original

ESCOLA POLITÉCNICA DA USP

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO INSTITUTO DE QUÍMICA

RELATÓRIO FÍSICO-QUÍMICA XVII

DETERMINAÇÃO DA CONSTANTE DE DISSOCIAÇÃO DO ÁCIDO ACÉTICO E DA CONCENTRAÇÃO DE ÁCIDO OXÁLICO NO “SEMORIN”

ANDRÉ GRIZANTE BIANCARDI FELIPE DOS REIS UESATO GABRIELE MINA IADA

6520168 6847127 6846881

TURMA 35 – GRUPO 4

PROF. PAULO TENG SÃO PAULO

OBJETIVOS

21/09/2010

Esse experimento tem como objetivo testar algumas das teorias propostas por Friedrich Kohlrausch. Por meio da condutimetria, serão determinados o grau de dissociação (α) e a constante de ionização (K) do ácido acético. Além disso, será determinado, agora por meio da titulação condutométrica (utilizando a água de cal como titulante), a concentração de ácido oxálico (H2C2O4) no produto “Semorin”, um conhecido líquido que tira ferrugens e manchas de tecidos.

INTRODUÇÃO
O processo de dissociação ocorre quando algumas substâncias, quando em solução, fornecem íons a ela. Estes solutos são denominados eletrólitos e suas soluções conduzem eletricidade melhor que o solvente puro. Existem eletrólitos fortes e fracos, como é o caso do ácido clorídrico e do ácido acético, respectivamente. Em uma solução de eletrólitos fortes existem somente íons em solução, já em uma solução de eletrólitos fracos, os íons estão em equilíbrio com moléculas não dissociadas. Uma solução não eletrolítica não libera íons à solução à medida que se dissolve e assim, não influencia na condutividade do solvente. Para os ácidos fracos pode-se calcular uma constante que irá relacionar a quantidade de moléculas dissociadas e a quantidade de moléculas não dissociadas quando o sistema atinge o equilíbrio. Para ácidos fortes, por estar com praticamente todas as moléculas dissociadas, não faz sentido esse tipo de relação. Para um eletrólito binário do tipo AB, tem-se a equação 1. (Eq. 1)
AB ↔ A + B
+ −

A equação 2 representa o cálculo da constante de ionização (K). = (Eq. 2)

K=
Onde equação 3.

[ A + ].[ B − ] [ AB ]

α 2c 1 −α

α

é o grau de dissociação, que também é dado pela

α

=
Λ Λ0

(Eq. 3)

Onde
Λ

é a condutância molar, ou seja, a condutância de uma

solução, contendo um mol de soluto, colocada entre 2 eletrodos paralelos, de área convenientemente grande, afastados de 1 cm, e é a condutância molar a diluição infinita. A condutância molar é

Λ0
dada pela equação 4. =
Λ

κ

V=
1000κ c

(Eq. 4)

Onde V é o volume da solução em cm3 que contém 1 mol do soluto, c é a concentração em mol.L-1 e é a condutância específica κ (ou condutividade), isto é, a condutância medida nesse experimento pelo condutivímetro numa cela com 2 eletrodos planos, paralelos de 1 cm2 de área afastados de 1 cm. A condutividade elétrica envolve a passagem, através de um meio, de partículas carregadas eletricamente. A condutância (recíproco da resistência) depende do número de íons, da carga e da mobilidade dos mesmos. Para soluções diluídas de eletrólitos fortes, vale a relação de Friedrich Kohlraush, um físico alemão que realizou vários experimentos nessa área e descobriu um fenômeno interessante sobre a condutância molar de acordo com a concentração destes. Segundo sua Lei de Migração Independente dos Íons, cada íon possui uma certa resistência elétrica específica e que, assim, a resistência de uma solução depende somente da resistência de seus íons. Além disso, Kohlrausch constatou que a condutância molar de uma solução aumenta com a diminuição de concentração do soluto dissociado pois aumenta a dissociação iônica. Ou seja, íons tendem a se aglomerar, quanto menos concentrados estão em um meio. A relação de Kohlraush é dada pela equação 5. =
Λ

(Eq. 5)

Λ0 − k c

Essa relação indica uma dependência linear entre a condutância molar e a , permitindo por extrapolação gráfica ( versus ) Λ c c obter o valor de . é uma constante que depende da temperatura,

Λ0 k
da natureza do solvente e do eletrólito. Para eletrólitos fracos, a relação não é linear e no gráfico (
Λ

versus

) não há uma extrapolação bem definida devido à curvatura na

c
região de baixas concentrações ser muito acentuada. Na diluição infinita, os íons contribuem independentemente para a condutância molar do eletrólito como demonstrado na equação 6. =
Λ

(Eq. 6)
Λ +Λ
+ 0 − 0

Conhecendo-se os valores de

para três eletrólitos fortes, é

Λ0
possível, através do método de Kolhraush, obter algebricamente o valor de . Se MX for um eletrólito fraco e os outros três forem

Λ0
eletrólitos fortes pode-se escrever a equação 7. =
Λ 0,MX

(Eq. 7)

Λ 0,MCl + Λ 0, NaX − Λ 0, NaCl

PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL
Condutância Eletrônica
Primeiro, preparar as soluções com diferentes concentrações do ácido clorídrico e do ácido acético. Logo, calibrar a cela de condutância com uma solução padrão de KCl 0,02 mol/L. Depois de calibrada, tirar 3 medidas de condutância para cada uma das soluções de HCl (0,02 mol/l; 0,01 mol/L; 0,005 mol/L; 0,0025 mol/L; 0,00125 mol/L; 0,0006 mol/L). Então, fazer o mesmo para as soluções com diferentes concentrações do ácido acético (0,05 mol/L; 0,025 mol/L; 0,0125 mol/L; 0,006 mol/L; 0,003 mol/L; 0,0015 mol/L). Construir 4 gráficos, 2 primeiros (condutância específica versus concentração) para melhor a visualização do problema de se usar a

condutância como específica, e os outros 2 (condutância molar versus raiz da concentração) para a resolução do objetivo do relatório. Um para as soluções de ácido clorídrico e outro para as soluções de ácido acético. Calcular o grau de dissociação e a constante de dissociação para cada solução de ácido acético.

Titulação condutométrica

Nessa etapa, diluir uma parte de Semorin para quatro partes de água (5 mL de Semorin em 20 mL de água). Titular essa solução em 200 mL de uma solução 0,018 M de hidróxido de cálcio (água de cal, Ca(OH)2). Verificar a condutância específica inicial da solução de água de cal. Depois disso, titular 0,5 mL da solução diluída de Semorin e verificar novamente a condutância específica. Repetir esse processo até o valor da condutância parar de diminuir e começar a aumentar. Determinar a concentração de ácido oxálico presente no produto comercial.

RESULTADOS E DISCUSSÃO
Determinação do grau de dissociação e constante de ionização
Na primeira etapa da experiência, foi obtida por meio das medidas (3 para cada concentração de cada um dos ácidos) a condutância específica dos dois ácidos iniciais. Além disso, calculamos a condutância molar Λ (em cm2/mol Ω) por meio da fórmula:

cm /mol Ω)
2

 = κ .V = 1000.κ /c

(em

Em que V é o volume da solução em cm3 que contém 1 mol do soluto, c é a concentração em mol/L e κ é a condutância específica em S/cm.

Para o HCl:

Condutância Específica (mS/cm) [HCl] (mol/L) 0,02 0,01 0,005 0,0025 0,00125 0,0006 1 10,51 5,13 2,64 1,293 0,622 0,241 2 10,55 5,19 2,65 1,317 0,648 0,251 3 10,52 5,19 2,65 1,317 0,650 0,253

E para o ácido acético:
Condutância Específica (mS/cm) [HAc] (mol/L) 0,05 0,025 0,0125 0,006 0,003 0,0015 1 0,477 0,332 0,232 0,165 0,120 0,080 2 0,479 0,340 0,237 0,165 0,122 0,082 3 0,478 0,340 0,231 0,165 0,126 0,084

Com esses gráficos, percebe-se que a concentração apresenta forte influência na comparação de eletrólitos fortes e fracos. Para que esse problema seja resolvido, utiliza-se a condutância molar , já calculada acima. Para tal, usa-se a relação de Kohlrausch: Λ = Λ 0 − κ c1/2 Deve-se encontrar o valor de Λ0 (a constante molar a diluição infinita). Para tal, é necessário construir um gráfico de condutância molar em função da raiz da concentração. Para o HCl, temos:
[HCl] (mol/L) 0,02 0,01 0,005 0,0025 0,00125 0,0006 Raiz da Concentração 0,1414 0,1000 0,0707 0,0500 0,0354 0,0245 Condutância Específica Média (mS/cm) 10,53 5,17 2,65 1,309 0,640 0,248 Condutância Molar (cm²/Ω mol) 526,33 517,00 529,33 523,60 512,00 413,89

Pela equação obtida com o gráfico acima, obtém-se Λo,HCl = 464,17 cm2/mol.Ω. A linha de tendência deveria ter sido decrescente e não crescente como apareceu no gráfico. No entanto, atribui‐se esse erro à falta de precisão do condutivímetro já que, na hora do experimento, os dados mostrados no visor oscilavam muito. Já para o ácido acético temos:
[HAc] (mol/L) 0,05 0,025 0,0125 0,006 0,003 0,0015 Raiz da Concentração 0,2236 0,1581 0,1118 0,0775 0,0548 0,0387 Condutância Específica Média (mS/cm) 0,478 0,337 0,233 0,165 0,123 0,082 Condutância Molar (cm²/Ω mol) 0,956 1,349 1,867 2,750 4,089 5,467

Como podemos observar, pelo gráfico do ácido acético não é possível obter o Λo, pois a relação não é linear. Isto acontece devido ao fato do ácido acético ser um eletrólito muito mais fraco que o ácido clorídrico. Portanto, deveremos utilizar o método de Kohlrausch, conhecendo-se os valores de Λ0 para 3 eletrólitos fortes:

Λ0,HOAc = Λ0,HCl + Λ0,NaOAc − Λ0,NaCl
Para utilizá‐la, temos os seguintes dados: Λ0,Na+ = 50,1 cm2/mol.Ω ; Λ0,Cl‐ = 76,4 cm2/mol.Ω; Λ0,NaCl = Λ0,Na+ + Λ0,Cl‐ = 126,5 cm2/mol.Ω; Λ0,Ac‐= 40,9 cm2/mol.Ω; Λ0,NaOAc = Λ0,Na+ + Λ0,Ac‐ = 91 cm2/mol.Ω e Λ0,HCl = 464,17 cm2/mol.Ω. Assim, encontra‐se que: Λo,HOAc = 428,67 cm2/mol.Ω Agora obtemos o grau de ionização e a constante de ionização do ácido acético, por meio das equações:

α =∧ 0α=ΛΛ0 /∧

K=α 2c/(1-α )

[HAc] (mol/L) 0,05 0,025 0,0125 0,006

∧ (cm²/Ω mol) 0,956 1,349 1,867 2,750

α (grau de dissociação) 0,0022 0,0031 0,0044 0,0064

K (constante de dissociação) 2,49E-07 2,48E-07 2,38E-07 2,49E-07

0,003 0,0015

4,089 5,467

0,0095 0,0128

2,76E-07 2,47E-07

Determinação da Concentração de ácido oxálico no produto comercial Semorim
O objetivo dessa etapa do experimento é calcular concentração de ácido oxálico (H2C2O4) no Semorin. Os resultados estão registrados nas tabelas abaixo:
Volume de Semorin na Solução (mL) 0,0 0,5 1,0 1,5 2,0 2,5 3,0 3,5 4,0 4,5 5,0 5,5 6,0 6,5 7,0 7,5 Condutância Específica (mS/cm) 7,10 7,02 6,81 6,73 6,55 6,34 6,12 5,99 5,87 5,73 5,60 5,34 5,25 4,92 4,40 4,09 Volume de Semorin na Solução (mL) 8,0 8,5 9,0 9,5 10,0 10,5 11,0 11,5 12,0 12,5 13,0 13,5 14,0 14,5 15,0

a

Condutância Específica (mS/cm) 3,82 3,51 3,27 2,96 2,72 2,47 2,24 1,997 1,883 1,868 1,926 1,982 2,06 2,15 2,24

Considerando que o mínimo da condutância específica representa a titulação da água de cal pelo ácido oxálico presente no Semorin, temos que a concentração de ácido oxálico é: c = numero de mols de ácido oxálico / volume da solução = (0,018 mol/L x 0,2 L x 5) / 0,0125 L = (0,018 x 0,2 x 5) / 0,0125 c = 1,44 mol/L

CONCLUSÃO
O experimento realizado esclareceu e exemplificou como são obtidos os dados encontrados na literatura. Os valores obtidos apresentam certas diferenças que se devem ao fato do condutivímetro não estar muito preciso. Seus valores mostrados oscilavam muito, o que gerou imprecisão nos nossos dados.

Na segunda parte do experimento, as imprecisões ocorreram não só devido ao condutivímetro, mas também pela aparelhagem não ser precisa o suficiente para que fossem titulados exatamente 0,5 mL da solução de Semorin. No entanto, é válido dizer que foram comprovadas as teorias propostas por Friedrich Kohlrausch, que falam que a condutância molar de uma solução aumenta com a diminuição de concentração do soluto devido ao aumento de dissociação iônica, fenômeno presente em eletrólitos.

BIBLIOGRAFIA
-http://en.wikipedia.org/wiki/Ion -http://en.wikipedia.org/wiki/Oxalic_acid -http://pt.wikipedia.org/wiki/Cal -http://en.wikipedia.org/wiki/Slaked_lime -http://en.wikipedia.org/wiki/Friedrich_Kohlrausch ‐http://www.galleries.com/minerals/organics/whewelli/whewelli.htm ‐http://medical‐ dictionary.thefreedictionary.com/Foods+high+in+oxalic+acid ‐http://chem.ch.huji.ac.il/history/kohlrausch.htm ‐http://www‐ec.njit.edu/~grow/conductivity.htm ‐ Atkins, P.; De Paula, J., Fisico‐Quimica Volume 2, 8a Edição, LTC Editora, 2008. ‐ Atkins, P.;Jones, L., Principios de Quimica, 3a Edição, Editora Bookman, 2006.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->