Você está na página 1de 1

Consequências dos desequilíbrios entre os principais nutrientes:

O excesso de gorduras, nomeadamente as de origem animal, dá origem a obesidade (que hoje em dia se verifica até nas camadas
populacionais mais jovens); arteriosclerose; doenças cardiovasculares (grande causa de morte no nosso país).
Estas situações são em grande parte devidas ao facto de as gorduras de origem animal serem ricas em ácidos gordos saturados, cuja ingestão
em excesso é um dos grandes factores de risco da doença arteriosclerose, primeiro passo para as doenças cardiovasculares.
A carência de gordura dá origem a emagrecimento, diminuição da capacidade de resistência ao frio.
É evidente que quem come muito pouca gordura, nomeadamente, azeite, óleo, manteigas, entre outras, não ingere, paralelamente, muitos
outros alimentos ricos em gorduras, verificando-se portanto uma carência, por assim dizer, dupla. Não come gorduras propriamente ditas nem
alimentos ricos em gordura, e daí, o emagrecimento. Tal situação diminui a resistência ao frio, por falta de gordura subcutânea, que actua
como isolante, em quantidade adequada.
Por sua vez, a falta de gordura dentro do abdómen faz desaparecer a "almofada" de sustentação dos órgãos abdominais.

O excesso de proteínas, nomeadamente de origem animal, determina, em muitos casos, reumatismo, arteriosclerose, doenças
cardiovasculares.
A má gestão dos orçamentos domésticos fundamenta-se no facto de que ao, ingerir proteína animal a mais, comem-se alimentos em geral
caros (carnes, peixes), em doses supérfluas, gastando mais do que o preciso e, ainda, podendo correr o risco das doenças citadas.
A carência de proteínas provoca anemias por dificuldades de formação dos glóbulos vermelhos; paragem de crescimento nas crianças;
dificuldade de cicatrização de qualquer tipo de ferida, perda de tecidos (acidentes intervenções cirúrgicas, etc.); dificuldades digestivas, por
formação de menores quantidades dos fermentos digestivos; transtornos endócrinos, por dificuldades de formação de hormonas; diminuição
de auto capacidade de luta contra as infecções por diminuição da produção de anticorpos; emagrecimento e formação de edemas. É fácil
compreender todas estas situações se se tiverem em atenção as principais funções das proteínas, que são os nutrientes para a construção e
reconstrução de todos os tecidos orgânicos, base de formação das enzimas, hormonas, e anticorpos.

A falta de hidratos de carbono origina emagrecimento; fadiga muscular, que pode ir até à incapacidade de contracção muscular, isto é, de
trabalho muscular; crises de hipoglicemia.
O trabalho muscular depende muito dos hidratos de carbono, ou seja, dos alimentos de origem vegetal. O elemento fundamental para o
trabalho de qualquer músculo do corpo humano é derivado dos hidratos de carbono - o glicogénio -, cuja carência total inibe o trabalho
muscular. Ainda pelo facto de não haver açúcar circulante, nem nos músculos (glicogénio), há um predomínio dos produtos de degradação dos
alimentos de origem animal a circular no sangue, que dá origem à acidose, que por sua vez origina o coma.

As fibras são um paradoxo porque não alimentam, mas são essenciais à saúde. Elas previnem doenças graves e até podem ajudar no
emagrecimento. Dietas com quantidades suficientes de fibras regularizam o funcionamento do intestino e evitam prisão de ventre e outros
problemas. Entretanto, o consumo exagerado de fibras pode dificultar a absorção de alguns minerais.

A falta de vitaminas pode ser total - avitaminose -, ou parcial – hipovitaminose, pode ser provocada por: redução de ingestão, pela diminuição
da absorção, pelas alterações da flora intestinal, pelas alterações do metabolismo, pelo aumento de consumo.
O excesso de vitaminas - hipervitaminose - pode ser a consequência da ingestão, ou da administração exagerada de vitaminas.
Vitamina C
Manifestações de carência: O escorbuto, um mal clássico dos marinheiros de longo curso, é, hoje em dia, uma doença praticamente
desconhecida. Uma manifestação observada nos cabelos que pode sugerir a carência de vitamina C é quando os pelos se tornam crespos nos
locais onde antes eram lisos.
Manifestações de excesso: formação de cálculos nos rins. Note-se que a dose diária recomendada é de 60 mg/dia. Alguns produtos comerciais
contêm até 2000 mg por comprimido, o que significa a ingestão de 35 ou mais vezes o dose diária recomenda.
Vitamina B
Manifestações de carência: a doença clássica é o Beribéri que se manifesta principalmente em pessoas mal alimentadas dos países pobres. Nas
crianças de peito a falta de vitamina B1 pode aparecer por ser o leite materno muito pobre, principalmente se a mãe não receber suplemento
de vitamina B1.
Manifestações de excesso: mesmo em doses elevadas, não é tóxica. Os eventuais excessos ingeridos são eliminados pelos rins, deixando a
urina amarelada.
Vitamina B12
Manifestações de carência: anemia.

Os sais minerais são nutrientes com função plástica e reguladora do organismo. É necessário ingerir cálcio e fósforo em quantidades
suficientes para a constituição do esqueleto e dos dentes. Outros minerais, como o iodo e o flúor, apesar de serem necessários apenas em
pequenas quantidades, previnem o aparecimento de doenças como a cárie dentária e o bócio. Uma alimentação pobre em ferro provoca
anemia (falta de glóbulos vermelhos no sangue). O excesso de sódio, provocado pela ingestão exagerada de sal, aumenta o risco de doenças
cardiovasculares e é um dos responsáveis pela hipertensão.