Material médico hospitalar: uma interação entre Farmácia e Enfermagem.

Enfermeira Esp: Lídia Peres

HISTÓRIA DA ENFERMAGEM 
Florence Nightingale: Nightingale:  A enfermeira britânica destacou-se destacoudurante a guerra da Crimeia ao alterar o modo de funcionamento do hospital militar do exército inglês na Turquia e ao introduzir mudanças naquela que era entendida como enfermagem tradicional. 2%. Os soldados fazem dela o seu anjo da guarda e ela será imortalizada como a "Dama da Lâmpada" porque, de lanterna na mão, percorre as enfermarias, atendendo os doentes. 

A mortalidade decresce de 40% para

 A fundadora da enfermagem moderna continuou a desenvolver esforços para promover a profissão que.  Em 1859 fundou a primeira escola de enfermagem.  Faleceu em Londres em 13 de agosto de 1910. no Saint Thomas Hospital. . em Londres. através dela. passou a ser encarada como fundamental na prestação de cuidados de saúde.

sob a (1864presidência de Solano Lopes. colocando-se à disposição de colocandosua Pátria. . nasceu Ana Justina Ferreira. um médico militar e um oficial do exército.Ana nery  Aos 13 de dezembro de 1814.  Anna Nery não resiste à separação da família e escreve ao Presidente da Província. na Cidade de Cachoeira. CasouCasou-se com Isidoro Antonio Nery. são convocados a servir a Pátria durante a Guerra do Paraguai (1864-1870).  Seus dois filhos. na Província da Bahia. enviuvando aos 30 anos.

Improvisa hospitais e não mede esforços no atendimento aos feridos. onde dois de seus irmãos também lutavam. . é acolhida com carinho e louvor. recebe uma coroa de louros e Victor Meireles pinta sua imagem. Em 15 de agosto parte para os campos de batalha.  Faleceu no Rio de Janeiro a 20 de maio de 1880. que é colocada no edifício do Paço Municipal.  Após cinco anos. retorna ao Brasil.  A primeira Escola de Enfermagem fundada no Brasil recebeu o seu nome.

INTERAÇÃO ENTRE FARMÁCIA E ENFERMAGEM  O farmacêutico prepara conserva e distribui medicamentos para o uso humano ou veterinário e executa análises clínicas. condições de armazenamento. informar sobre os prazos de validade. encomendas e estoques.  Numa farmácia hospitalar. farmacêutico é responsável por distribuir os medicamentos nas enfermarias. interação e incompatibilidades. o .  Este profissional pode também prestar informações ou conselhos sobre os cuidados a ter com a utilização dos medicamentos no que diz respeito a sua ação.

pela equipe de enfermagem.  Na realidade brasileira. por técnicos e auxiliares de enfermagem sob a supervisão do enfermeiro. na maioria das vezes. . o exercício dessa atividade está sendo praticado. na maioria das instituições de saúde. decorrendo da implementação da terapêutica médica. A administração de medicamentos é uma das funções assistenciais exercida.

 A partir daí surge a necessidade de interação entre toda equipe de saúde. por este profissional ser responsável pela distribuição e acondicionamento dos mesmos.  O farmacêutico deve portanto conhecer os materiais médicos hospitalares utilizados para administração dos fármacos. em especial entre Enfermeiros e Farmacêuticos devido a responsabilidade de ambos no manuseio de medicamentos. .

 Jelco: Tem a mesma finalidade do scalp. porém possui silicone onde a agulha é retirada possibilitando maior durabilidade do acesso venoso. sua numeração é ímpar: 19 ao 27. .MATERIAL MÉDICO HOSPITALAR  Scalp: É um dispositivo para acesso venoso periférico. Sua numeração é par: 14 ao 24.

arterial ou esofágica. alimentação. pode ser usado para intrainfundir medicação ou alimentação.  Bomba de Infusão: é um aparelho utilizado para infundir Infusão: líquidos tais como drogas ou nutrientes. com controle de fluxo e volume nas vias venosa. esofágica. Equipo: Utilizado na punção venosa com finalidade de Equipo: ministrar fluídos intra-venosa no paciente. .

ACESSO VENOSO .

.  Uma pessoa que não pode. A nutrição parenteral serve para complementar ou substituir a alimentação oral ou enteral. não consegue ou não deve alimentar-se alimentarutilizando seu aparelho digestivo necessita de uma outra maneira de alimentação que o mantenha com um estado nutricional adequado.

urina). para armazenamento de eliminação de gases ou fezes.  Papagaio: Utilizado pra eliminações urinárias. .  Bolsa colostomia: bolsa coletora posicionada através da parede abdominal. eliminação de necessidades fisiológicas (fezes. Comadre: Material utilizado para banho no leito.

inserida pela boca ou nariz. flexível. Diagnosticar a motilidade intestinal. Tratar uma obstrução ou um local com sangramento. Deve ser feito controle de Raio-X após a passagem da sonda. alimentação são de poliuretano ou borracha de silicone e tem diâmetros pequenos.SONDAGENS  Sonda nasogástrica: sonda plástica ou de borracha.  Sonda nasoenterica: As sondas de . podendo ser curta ou longa. Elas possuem ponta de tungstênio e algumas tem lubrificantes ativados pela água. Administrar medicamentos e alimentos. As sondas nasoentëricas podem ser usadas tanto para alimentação quanto para aspiração e descompressão. com a finalidade de : Descomprimir o estômago e remover gás e líquidos. RaioÉ introduzida através do nariz e passada pelo esôfago e estômago até o trato intestinal. Obter conteúdo gástrico para análise.

Promover drenagem urinária dos pacientes com incontinência urinária. Auxiliar no diagnóstico das lesões traumáticas do trato urinário. . DeveDeve-se utilizar técnica asséptica no procedimento a fim de evitar uma infecção urinária no paciente. Sondagem vesical: É a introdução de um catéter estéril através da uretra até a bexiga. Controlar o volume urinário. Preparar para as cirurgias principalmente as abdominais.Tem por finalidade : Esvaziar a bexiga dos pacientes com retenção urinária. com o objetivo de drenar a urina.

. Sonda Retal: Utilizada para retirada Retal: de gazes e esvaziamento do reto em pacientes com dificuldades para evacuar. TUBO . flexível transparente e uma superfície rigorosamente lisa. com uma ponta arredondada aberta no lado proximal do tubo com 01 orifício.Em PVC atóxico.

e o mesmo deve ser posicionado à menor distância da loja a ser drenada. biliares extra-hepáticas. Seu orifício de saída deve ser ocluído com gaze estéril. como prótese modeladora. ou seja. devendo este curativo ser substituído sempre que necessário. tracionado em cada curativo. O orifício de passagem do dreno deve ser amplo.  Dreno de Kerr: Introduzido na região das vias . de líquidos pósinfectados ou não. através de uma contra incisão. utilizado em cirurgias que implicam em possível acúmulo local pós-operatório. utilizados para drenagem extraexterna. O dreno de penrose deve ser observado e mobilizado em intervalos de 12 horas. tipo látex. não utilizando o dreno através da incisão cirúrgica e.DRENOS  Dreno de penrose: Dreno de borracha. ou ainda. tanto quanto na pele. impedindo sua saída espontânea. sim. descompressão. após anastomose biliar. devendo ser fixado através de pontos na parede duodenal lateral ao dreno.

2mm.4mm).8mm ou 6.  É constituído por uma bomba de aspiração com . DRENO DE SUCÇÃO (PORTOVAC): É um sistema fechado de drenagem pós-operatória. com cordão de fixação. póscom dureza projetada para uma sucção contínua e suave. 4. e um catéter de drenagem com agulha de aço cirúrgico ( 3. capacidade de 500 ml. uma extensão intermediária em PVC com pinça cortacortafluxo e conector de duas ou três vias. de polietileno.

É um ventilador manual. . usado principalmente em casos de parada cardiorespiratória.  Laringoscópio: é um instrumento utilizado para o exame do laringe. Na intubação endotraqueal o laringoscópio é utilizado para obter-se obteruma exposição adequada das cordas vocais facilitando a introdução de um tubo orotraqueal que é utilizado para ventilar o paciente.SUPORTE AVANÇADO DE VIDA  Ambu: Espécie de bolsa/ máscara utilizado para promover a ventilação.

 Intubação endotraqueal: é um procedimento de suporte avançado de vida onde o médico. .  Cânula de Guedel: Tubo curvo e curto de plástico que não permite a queda da língua na faringe ou paciente morder o tubo endotraqueal. visualiza o laringe e através dele introduz um tubo na traquéia (tubo endotraqueal). com a ajuda de um laringoscópio.

 Combitube: é um tubo de duplo lúmem . O Combitube é introduzido às cegas e permite adequada ventilação independentemente de sua posição ser esofágica ou traqueal. em insuficiência respiratória. O outro lúmem apresenta a extremidade distal aberta similar ao um tubo traqueal convencional. com 02 balonetes (proximal orofaríngeo e distal). Sua invenção possibilitou o nascimento das Unidades de Terapia Intensiva possibilitando o tratamento dos pacientes com quadros graves. com fundo cego e perfurações laterais na altura da faringe. Um lúmem se assemelha ao obturador esofágico. Respirador ou ventilador mecânico: é o equipamento cuja função é bombear ar aos pulmões e possibilitar a sua saída de modo cíclico para oferecer suporte ventilatório ao sistema respiratório.

acesso para infusão de medicamentos quando a obtenção de um acesso venoso periférico não for possível.  Catéter intra-ósseo: Via de . Sua inserção é muito rápida e dispensa a laringoscopia. Deve ser inserido na tíbia. Máscara Laríngea: é um tubo semicurvo. que forma uma vedação à volta da entrada da laringe. que se inicia em um conector padrão e termina em uma pequena máscara com um suporte periférico inflável.

. DU e traçado eletrocardiográfico fetal na busca de DIP.  Cárdiotocógrafo: Aparelho utilizado para ausculta de BCF.  Estetoscópio de pinnard: Auscutador de BCF fetal.MATERIAIS UTILIZADOS EM OBSTETRÍCIA  Espéculo vaginal: Material utilizado na coleta de papa nicolaou.

suínos ou ovinos. Sua aplicação é como sutura cirurgica. preparada com uma parte dos intestinos de animais. normalmente bovinos. . pois são reabsorvidas pelo organismo humano quando a cicatrização já está completa. As fibras de catgut são ideais para uso interno. caprinos. Catgut: é o nome que se dá a Catgut: uma fibra natural de grande elasticidade .

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful