P. 1
Baço

Baço

|Views: 1.295|Likes:
Publicado porWeb Midia
Uploaded from Google Docs
Uploaded from Google Docs

More info:

Published by: Web Midia on Aug 31, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/14/2013

pdf

text

original

BAÇO

Realce mosqueado fase arterial, homegeinização fase portal e lavagem fase de equilíbrio

Artefato de realce anciforme

Artefato de realce focal

Ti pós Gd c realce mosqueado fase arterial, homogeinização faase venosa e hipersinal em t2

Sinal hipointenso normal em t2 de rn por imaturidade sistema linfático

Sinal hiperinenso normal em t2 após maturaçãao sistema linfático

Eplenomegalia

Transformação cavernosa veia porta:baço aumentado em t1 com múltiplos artefatos hipodensos de nódulos sideróticos devido hemorragia de repetição em gradiente echo

Hipertrofia baço ascessório pós esplenectomia em paciente com esferocitose hereditária

Baço ectópico

Heterotaxia t1: poliesplenia, ausência vci intrahep e continuação v.ázigos vci

Heterotaxia t1:poliesplenia

Heterotaxia:fígado linha média,poliesplenia(seta), estômago dir e veia porta pré duodenal

Neoplasias

Leucemia e Linfoma
 Maioria da malignidades hepáticas  Os linfomas podem ser Hodgkin ou não
Hodgkin  Ocorre em adultos e criaças  esplenomegalia  Lesões hipoecóicas/hipodensa e hipovasculares ou infiltração difusa

Leucemia: múltiplosnódulos hipoecóicos

Linfoma: esplenomegalia com múltiplos n;odulod de baixa atenuação

Doença linfoproliferativa pós transplante: múltiplas lesões nodulares hipodensas

Hemangioma
         
Apesar de rao é neoplasia esplênica benigna mais comum(15%) 30-50anos Discretamente mais comum em mulher Crescimento lento Pode causar esplenomegalia e dor Complicação:maioria ruptura(25%), hiperesplenismo, maliganização, S.Kassabar Merritt(anemia, trombocitopenia e coagulopatia) Sólido ou cístico Único ou múltiplo Pode calcificações puntigorme hipervascular

Hemangiomatose: esplenomagalia com m;ultiplas lesões hiperecogênicas, hipointensas em t1 e hiperintensas em t2

Hemangioma: massa ecogênica com foco ecogênico central, isointensa na fase portal, contendo calcificação central

Hemangiomas múltiplos: lesões hiperdensas fase portal e isodensas na fase tardia

Hemangioma cavernoso:massa hipodensas áreas periféicas hiper e hipocaptantesbem definidas c

Hemangioma: massa hipointensa em t1 com foco hiperintenso hemorrágico e sinal intermediário em t2 com áreas lineares de baixo sinal e focod hemorrágicos hiperintensos

Hemartoma
        
Também chamado esplenoma ou hiperplasia nodular Qualquer idade Sem predileção por sexo Maioria assintomático Gdes pode causar esplenomeglia e hiperesplenismo Associado tb a esclerose tuberosa Sólido e bem definido Maioria único hipervascular

Hemartoma: massa bem definida de ecotetura mista hipervascular

Hemartoma: massa de limites parcialmentes definidos no hilo esplênico, com relce heterogêneo na tc

Hamartoma: massa isointensso t1, discretamente hiperintensa t2 e realce homogêneo pelo Gd

Linfagioma
   
Maioria em criança e assintomático Crsecimento lento Sintoma compressivos qdo gde Pode ocorrer mediastino, pescoço, axila e retroperitônio  Nódulo solitário, múltiplo ou difuso  Maioria cístico e solitário  Pode ser multisseptado e conter calcificação

Linfagioma capilar: massa cística multisseptada

Linfagioma:fase tardia com múltiplas massas hipodensas bem definida, com presença de calcificação

Linfagiomas: massa hipodensas multifocais com baço de tamanho normal e aumentado

Angioma de células litorânias
 Ocorre em qualquer idade  Sem predileçào por sexo  Febre, hiperesplenismo  Características malignas  Associado a lesõs corretais, reanis,
pancrea’ticas e meningomas  Maioria esplenomegalia com nódulos multifocais

Acl:esplenomagalia com múltiplas áres hiperecogênicas

Acl: espenomagalia com massa focal hiperecogênica

Acl:fase portal c esplenomegalia com múltiplas massas hipodensas confluentes

Isointensidade fase tardia

Acl: múltiplas massas hipointensas em t1 e t2

Acl: múltiplas massa hipodensas hipoatenuantes

Acl:múltiplas massa de baixa atenuação e tamanhos variados

Acl:múltiplas massa de baixa atenuação parcialmente confluentes

Acl: massas hipodensas de baixa ateuação

Angiossarcoma
 Apesar de extremamente rao é a malignidade esplênica        
não hemetolinfática mais comum Ocorre em pacientes acima de 40 anos sem predileção por sexo Pode estar associado a qt para linfoma e rt para ca de pnm Apresenta-se com dor abd, febre e perda de peso e hiperesplenismo Ruptura expontânia em 30% Metástase para fígado, pnm, osso, medula óssea e linfáticos Sobrevida de 1 ano Esplonemegalia maciça Massa solitária hemorrágica

Angiossarcoma: esplenomegalia com múltiplas massas hipoecóicas a aumento da vascularização

Angiossarcoma: massa heterogênea, com realce perifério e múltiplas metástases hepáticas

Hemorragia exponânea em angiossarcoma:massa com focos hemorragicos hiperdensos e realce heterogêneo

Angiossarcoma: massa mal definida contendo calficicação e com realce heterogêneo

Angiossarcoma: massa c área hemorrágica central de hiperssinal e múltiplas metástase hepáticas em t1 e sinal misto em t2

Angiossarcoma: baço aumentado, completamentes susbtituido pelo tumor, com áreas menores de baixa atenuação

Angiossarcoma: tc c massa hipervascular no centro do baço com periferia hipodensa sugerindo infarto e necrose com múltiplas metástases hepáticas hipevasculares; t1 c massa hiperintensa e lesões hepáticas semelhantes ao dígado, hipercaptantes de gd

Angiossarcoma: míltiplas pq massas hipodensas

Peilose hepática
 Extremamente raro  Múltiplos espaços vasculares dilatados
preenchidos por sangue  Associado a usos de esteroides, bk, cancer e aids  Maioria incidental  Pode levar a ruptura esplênica fatal secundário a trauma mínimo

Peilose: pq lesões hipodensas

Cistos
 Congênito(epidermóide)  Pós traumático  Hidático

Cistos epidermóides

Cisto septado

Cisto simples

Lesões vasculares

Ruptura capsula esplênica com hemorragia intraperitonial

Em 6m pós trat conservador: cisto pós traumático

Ruptura esplênica: extravasamento material de contraste

Ruptura expontânia: densidade heterogênea

Infarto esplênico: lesões vasculares Infarto esplênico:ausência de realce em pac periféricas em cunha de ausência com trombose v.eplêncica pós pancreatite de realce pós infecção fúngica

Infarto esplênico subcapsular em pac com anemia falciforme: eplenomegalia hipodensa com realce capsular

Infeção

Granuloma calcificdo de cmv

Abcesso piogênico:lesão hipodensa bem definida

Cândida:microabcessos hipecóicos múltiplos

Febre da arranhadura do gato: microabcessos múltiplos

Micobactéria:esplenomegalia com textura heterogênea

Doença de depósito

Gaucher:esplenomegalia com múltiplos nódulos hipodensos que representam fibrose pós infarto

Hemossideroso: baixo sinal em t1

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->