P. 1
A LUDICIDADE NA CRECHE COMUNITÁRIA LUZIA MAHIN DO

A LUDICIDADE NA CRECHE COMUNITÁRIA LUZIA MAHIN DO

|Views: 178|Likes:
Publicado porRenato Xavier

More info:

Published by: Renato Xavier on Aug 31, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/30/2015

pdf

text

original

FUNDAÇÃO VISCONDE DE CAIRU - FVC INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

A LUDICIDADE NA CRECHE COMUNITÁRIA LUZIA MAHIN DO BAIRRO DO URUGUAI
LIVIA CRISTINA PATRICIA LISBOA SONIA OLIVEIRA Orientadora: Profa. Dra. Maribel Barreto.

MOTIVAÇÃO Pessoal Profissional Comunidade Científica

PROBLEMA DA PESQUISA Quais bases teóricas para a ludicidade? Como ocorre o lúdico na Creche? Qual papel pratico da ludicidade para o desenvolvimento de um ser social? A ludicidade cumpre seu papel no processo de ensino-aprendizagem? ensino-

OBJETIVO GERAL
Fazer uma analise sobre o desenvolvimento e uso da Ludicidade na creche comunitária Luiza Mahin.

OBJETIVOS ESPECÍFICOS
A identificação dos desafios da creche comunitária; Caracterizar a ludicidade e seus benefícios para aprendizagem das crianças; Compreender a ludicidade como meio para o resgate da cultura local e nacional, e os resultados no processo educativo.

CAPITULO 1 

ESTRUTURA: ESTRUTURA:

OS DESAFIOS DA CRECHE COMUNITARIA LUZIA MAHIN BREVE CONTEXTO DAS CRECHES COMUNITARIAS CRECHE COMUNITARIA LUZIA MAHIN 

  

OBJETIVO: fazer uma breve análise do surgimento das creches OBJETIVO: comunitárias no Brasil e descrever como surgiu a creche comunitária Luiza Mahin no bairro do Uruguai. Uruguai. PRINCIPAIS AUTORES: AUTORES:
Santana, 1998; 1998; Seabra e Moura, 2005; 2005; Paulo Freire; Freire; 

Como surgiu a Creche Comunitária Luzia Mahin? Qual seu papel perante a comunidade e quais são os desafios encontrados? Como foi construído o PPP? 

Segundo Cunha (1984): O brincar é um recurso 1984) fundamental no desenvolvimento da mesma, pois é um direito que assiste a todas segundo a Declaração Universal dos Direitos da Criança, desenvolvendo a sociabilidade, exercitando suas potencialidades, fazendo amigos e se desenvolvendo. desenvolvendo.

CAPITULO 2 


ESTRUTURA: ESTRUTURA: 

OBJETIVO: OBJETIVO: aborda de que maneira as brincadeiras e as atividades lúdicas auxiliam no processo de ensino e aprendizagem e no desenvolvimento cognitivo da criança. criança. PRINCIPAIS AUTORES: AUTORES:
Luckesi, 2000; 2000; Piaget, 1975; 1975; Santin, 1994; 1994; Vygosty, 1994; 1994;

A ludicidade e seus benefícios na aprendizagem de crianças 

Piaget (1975), por meios de jogos a criança 1975), constrói conhecimento sobre o mundo físico e social, desde o período sensório-motor ate o sensórioperíodo operatório forma. forma.

CAPITULO 3 


ESTRUTURA: ESTRUTURA: 

OBJETIVO: refere-se à influência do intelecto dos conhecimentos OBJETIVO: refereemocional, físico e social, com as manifestações culturais trazidas por outros povos e os impactos causados pelas novas tecnologias; tecnologias; PRINCIPAIS AUTORES: AUTORES:
Junior, 1996 ; Kishimoto, 1993; 1993; Fantin, 2000; 2000; Freud, 1969; 1969;

As relações entre ludicidade, cultura e processo educativo. educativo. 

A brincadeira infantil constitui uma situação social onde, ao mesmo tempo em que há representações e explorações de outras situações sociais, há forma de relacionamento interpessoal das crianças ou eventualmente entre elas e um adulto na situação, forma essas que também se sujeitam a modelos, a regulações, e onde também está presente a afetividade: afetividade: desejos, satisfação, frustrações, alegria, dor (OLIVEIRA apud SANTOS, 2001, p. 80). 2001, 80)

CONCLUSÃO   

É competência da educação infantil proporcionar aos seus educandos um ambiente rico em atividades lúdicas, já que a maioria das crianças passa grande parte do seu tempo em instituições que atendem a crianças de 0 a 6 anos de idade, permitindo assim que elas vivam, sonhem, criem e aprendam a serem crianças. crianças. Percebemos que a ludicidade está inserida nos espaços mais favorecidos, pois nas creches comunitárias não se consegue perceber a presença da ludicidade, por não haver um trabalho pedagógico voltado para as necessidades lúdicas existentes, deixando com que se forme uma lacuna processo escolarização e aprendizagem da criança. criança. Confirmamos que ao brincar, a criança aumenta a independência, estimula sua sensibilidade visual e auditiva, valoriza a cultura popular, desenvolve habilidades motoras, diminui a agressividade, exercita a imaginação e a criatividade, aprimora a inteligência emocional, aumenta a integração, promovendo, assim, o desenvolvimento sadio, o crescimento mental e a adaptação social. social.

REFERÊNCIAS 
          



ALMEIDA, Geraldo Peçanha (2008). Teoria e Prática em Psicomotricidade: jogos, Psicomotricidade: atividades lúdicas, expressão corporal e brincadeiras infantis. 4ª ed. Rio de Janeiro. Wak. ARAÚJO, Márcio Flávio Moura de. et AL (2011). Creche Comunitária: um Cenário Para a Detecção da Obesidade Infantil. Revista Ciência, Cuidado e Saúde, Maringuá, v.5, n.1. Disponível em: j<http://www.portalbvsenf.eerp.usp.br/pdf/ccs/v5n1a03.pdf>.acesso em 04/03/2011. ARGUISO, Maria Beatriz Gomes de Almeida (1992). Proposta Curricular para Creches e PréPré- Escola Comunitária. Rio de Janeiro, s/Ed. ARIES, Philippe (1981). História Social da Criança e da Família. Rio de Janeiro. (1981). Família. Guanabara Kaagan. BETTELHEIM, Bruno (1984). Uma vida para seu filho. São Paulo. Artmed, 358p. filho. COSTA, Ana Alice Alcântara (org.) (1991). Creche Comunitária uma Alternativa Popular Salvador. NEIM/Universidade Federal da Bahia/EGBA/Sec. Salvador. FANTIN, Mônica. No mundo da brincadeira: jogo, brincadeira e cultura na Educação Infantil. Infantil. FARIA JUNIOR, Alfredo G (1996). A reinserção de jogos populares nos programas escolares. In Motrivivência, Florianópolis, n 9, p.44-65. p.44FREIRE, Paulo (1996). Pedagogia da Autonomia: Saberes Necessários à Prática Autonomia: Educativa. São Paulo: Paz e Terra. FREIRE, Paulo (1986). Medo e Ousadia: cotidiano do Professor. 10ª Ed. Rio de Janeiro. Ousadia: Paz e Terra. FREUD, S. (1969). Escritores criativos e devaneios. In J. Strachey (Ed.) & J. Salomão (Trad.), Edição Standard Brasileira das Obras Psicológicas e completas de Sigmund Freud (Vol. IX, pp. 147-158). Rio de Janeiro. Imago (Obra original publicada em 1908). 147KISHIMOTO, Tizuko Morchida (2003). Jogos infantis: o jogo, a criança e a educação. educação. 10ª ed. Petrópolis. Vozes. KISHIMOTO, T. M. (Org) (2000). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 4ª. ed. São Paulo. Cortez. 

         



KISHIMOTO, Tizuko M (1999). Jogo, Brincadeira e a Educação. São Paulo. Educação. Cortez. KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.) (1998). O brincar e suas teorias. São teorias. Paulo. Cengage Learning. KISHIMOTO, Tizuko M (1993). Jogos, a Criança e a Educação. Petrópolis. Educação. Vozes. MEIRA, A.M. e WALTER, Benjamin (2003). Os brinquedos e a infância contemporânea. contemporânea. São Paulo. Psicologia & Sociedade, v. 15, n. 2, pp. 74-87. Sociedade, 74PIAGET. A formação do símbolo na criança (1975). Rio de Janeiro. Zahar Editores. RAMOS DE OLIVEIRA, Zilma (2002). Educação Infantil: fundamentos e Infantil: Métodos. São Paulo. Cortez. REGO, Teresa Cristina (1994). Vygotsk: uma Perpectiva Historico-cultural da Vygotsk: HistoricoEducação. 17ª ed. Petrópolis. Vozes. SANTA, Marli dos Santos (1997). O lúdico na formação de educador. Petrópolis. Vozes. SANTANA, Judith Sena da Silva (1998). A Creche Sob a Ótica da Criança. Bahia. Universidade Estadual de Feira de Santana. SEABRA, Karla da Costa; MOURA, Maria Lúcia Scidl de (2005). Alimentação no Ambiente da Creche como Contexto de Interação nos Primeiros Dois Anos de Um Bebê. Revista Psicologia em Estudo, Maringuá, v.10, n1, Janeiro-Abril. Estudo, JaneiroDisponível em: <http://www.scielo.br/pdf/pe/v10n1/v10n1a9.pdf>. Acesso em: 19 Mar 2011. TIRIBA, Léa (1992). Buscando Caminhos para Pré-Escola Popular. São PréPaulo. Ática. VYGOTSKY, L. S (1988). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 2ª ed. Porto Alegre. Martins Fontes. superiores.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->