P. 1
CAPÍTULO 1

CAPÍTULO 1

|Views: 556|Likes:
Publicado porAlvaro Bonfá

More info:

Published by: Alvaro Bonfá on Sep 05, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/13/2012

pdf

text

original

CAPÍTULO 1 O Pensamento Pedagógico Oriental O pensamento pedagógico surge com a prática da educação, com a necessidade de ordená-la para determinados

fins e objetivos. O Oriente afirmou os valores da não-violência e da meditação. A educação estava relacionada sobretudo com a religião, como o taoísmo, o budismo, o hinduísmo e o judaísmo. A educação primitiva era prática, marcada pelos rituais de iniciação e tinha como base a visão animista: tudo possuía uma alma semelhante à do homem. A educação oriental baseava-se na imitação e na oralidade, limitada ao presente. Era também espontânea, natural e não-intencional.

O taoísmo é a doutrina pedagógica mais antiga e seus princípios são uma vida tranqüila, sossegada. Baseado nesta doutrina, Confúcio criou um sistema moral que exaltava a tradição e o culto aos mortos. Considerava o poder dos pais sobre os filhos ilimitado. Criou também um sistema de exames baseado no ensino dogmático e memorizado. Dessa forma, fossilizava a inteligência, a imaginação e a criatividade. A educação chinesa tradicional visava reproduzir o sistema de hierarquia, obediência e subserviência ao poder dos mandarins.

A educação hinduísta também tendia para a contemplação e reprodução das castas, exaltando o espírito e repudiando o corpo. Os egípcios foram os primeiros a dar maior importância ao ensino e a eles devemos o uso prático das bibliotecas. Criaram casas onde ensinavam a leitura, a escrita, a história dos cultos, a astronomia, a música, e a medicina. Essas doutrinas pedagógicas se estruturaram a medida que surgiam as classes na sociedade. A escola como instituição formal surgiu como resposta à divisão social do trabalho e ao nascimento do Estado, da família e propriedade privada. Na comunidade primitiva toda a população tinha direito à educação, em função da vida e para a vida. A escola era a própria aldeia. Com a divisão do

trabalho, surgiram as especialidades. A escola não é mais a aldeia e a vida, funciona num lugar especializado onde uns aprendem e outros ensinam. A escola que conhecemos hoje nasceu com a desigualdade econômica e com a hierarquização. A história da educação se desenrolou baseada na história das desigualdades econômicas. A educação primitiva era única e igual para todos, com a divisão social do trabalho aprece também as desigualdades na educação: uma para ricos e outra para pobres. CAPÍTULO 3 O Pensamento Pedagógico Romano Assim como os gregos, os romanos não valorizavam o trabalho manual: separavam a direção do trabalho do exercício deste. Seus estudos são basicamente humanistas, cultura geral que transcende os interesses locais e nacionais. Os romanos queriam universalizar sua humanistas e conseguiram através do cristianismo. Roma teve muitos teóricos da educação, entre eles:  Catão (234-149 a.C.), por exemplo, que se destacou pela importância que atribuía à formação do caráter;

 Marco Fábio Quintiliano (por volta de 35-depois de 96) pôs o peso principal do ensino no conteúdo do discurso;  Sêneca (por volta de 4 a.C. -65) insistia na educação para a vida e a individualidade. Acreditava que deveria se ensinar para a vida e não para a escola.

Pela primeira vez na história, o Estado se ocupa diretamente da educação. Foram treinados os supervisores-professores para vigiar as escolas. A educação romana era utilitária e militarista, organizada pela disciplina e pela justiça. Começava pela fidelidade administrativa: educação para a pátria, paz só com vitórias e escravidão aos vencidos. Aos rebeldes, a pena de morte.

Alguns nomes importantes podem ser destacados neste época:  São Paulo (a.  São Basílio (329-379). dogmática. Cristo havia sido um grande educador. critério de vida e verdade. sabia também comunicar-se com o povo mais humilde. obra terminada pelo cristianismo. Os estudos medievais compreendiam : . É o fenômeno chamado "romanização". CAPÍTULO 4 O Pensamento Pedagógico Medieval Com a decadência do Império Romano e as invasões dos "bárbaros" acaba a influência greco-romana. Foi justamente essa tradição que fez o sucesso da Igreja e dos futuros padres. ao mesmo tempo que dominava a linguagem erudita. e uma educação para o clérigo.  São Gregório (por volta de 330. Do ponto de vista pedagógico.C.por volta de 389). Criaram ao mesmo tempo uma educação para o povo.Os romanos conseguiram conquistar o Império e conservá-lo por muitos anos. porém submetendo-a a sua ideologia. -entre 62 e 68). que saíam do meio camponês e dominam até hoje uma dupla linguagem. catequética. humanista e filosófico-teológica. As culturas precedentes forma substituídas pelo poder de Cristo.  Orígenes (por volta de 185-254). A Igreja Cristã sucedeu à cultura antiga preservando-a.  Santo Agostinho (354-430). a popular e a erudita. Surge um tipo histórico de educação.  Clemente de Alexandria (por volta de 150-entre 211 e 215).

Atingia principalmente o clero. geometria. a nobreza e a burguesia nascente. . Foi caracterizada pelo elitismo. Oxford. por isso. porque considerava o corpo pecaminoso.o trivium: gramática. as repetições e as disputas. Bolonha. dialética e retórica. astronomia e música. Nesta época discutia-se a gratuidade do ensino e o pagamento dos professores. Constatou-se na Idade Média que o saber universitário aos poucos foi se elitizando. A criação das universidades de Paris. tinha de ser sujeitado e dominado. Foram as grandes navegações do século XVI e a invenção da imprensa realizada por Gutemberg que exerceram grande influência neste pensamento pedagógico.o quadrivium: aritmética. A educação renascentista preparou a formação do homem burguês e. Os principais educadores renascentistas foram: . guardado em Academias. A Igreja não se preocupava com a educação física. pelo aristocracismo e pelo individualismo liberal. essa educação não chegou às massas populares. CAPÍTULO 5 O Pensamento Pedagógico Renascentista Este pensamento se caracterizava por uma revalorização da cultura grecoromana. Heidelberg e Viena foi um fato muito importante ocorrido na Idade Média. Representaram e representam ainda hoje uma enorme força nas mãos das classes dirigentes. incluindo a cultura do corpo e substituindo processos mecânicos por outros mais agradáveis. Foi essa nova mentalidade que influenciou a educação tornando-a mais prática. Elas desenvolveram sobretudo três métodos: as lições. submetido à censura da Igreja e burocratizado pelas Cortes.. Salerno.

CAPÍTULO 6 O Pensamento Pedagógico Moderno Os séculos XVI e XVII tiveram a ascensão de uma classe poderosa que se opunha ao modo de produção feudal. a produção deixou de se apresentar em atos isolados para se constituir num esforço coletivo. A Reforma Protestante foi considerada a primeira grande revolução burguesa. . para o povo sobrou apenas o ensino dos princípios da religião cristã. Nesta época iniciou o sistema de cooperação e. Em 1542 organizou a Inquisição para combater o protestantismo e toda forma herética de doutrina cristã. nos países protestantes.  Juan Luís Vives (1492-1540). universal e gratuita. A Igreja Católica reagiu à Reforma Protestante através do Concílio de Trento e da Companhia de Jesus. dessa forma.  Fraçois Rabelais (por volta de 1483-1553). destaca-se João Calvino (1509-1564) que deu ao protestantismo suíço e ao francês sua doutrina e organização. Os jesuítas desprezaram a educação popular. Mas não consistia ainda em uma escola pública. Dentre os reformadores cristão. Tinha como lema a obediência ao papa até a morte. leiga. Iniciada pelo monge Martinho Lutero (1483-1546). como é entendida atualmente. Vittorino da Feltre (1378-1446). A educação jesuíta encaminhou-se para a formação do homem burguês. Nesta educação tudo estava previsto. Seu fundador foi Inácio de Loyola (1491-1556). Os jesuítas tinham como objetivo converter os hereges e alimentar os cristãos vacilantes. incluindo a posição das mãos e o modo de levantar os olhos.  Erasmo Desidério (1467-1536). teve como conseqüência a transferência da escola para o controle do Estado. obrigatória. e  Michel de Montaigne (1533-1592). Era uma escola pública religiosa.

No século XVII aparece a luta das camadas populares pelo acesso à escola. na qual predominou o regime absolutista. era uma tábua rasa. John Locke também foi outro nome importante desta época. Ensinava as "sombras das coisas". criticou o ensino humanista e propôs a matemática como modelo de ciência perfeita. De humanista a educação tornou-se científica. O século XVI assistiu a uma grande revolução lingüística: exigia-se dos educadores o bilingüísmo. o conhecimento das coisas. A criança. A classe trabalhadora podia e devia ter um papel na mudança social. Muitas dessas escolas ofereciam ensino gratuito na forma de internato. Entre os iluministas destaca-se: . João Amos Comênio (1592-1670) escreveu a Didática magna considerada como método pedagógico para ensinar com rapidez e sem fadiga. O conhecimento só tinha valor quando preparava para a vida e para a ação. A pedagogia realista pregava a superioridade do domínio do mundo exterior sobre o domínio do mundo interior.René Descartes (1596-1650) escreveu o famoso Discurso do método que mostrou os passos para o estudo e a pesquisa. Desenvolveu a paixão pela razão e o estudo da natureza. Também neste período. O pensamento pedagógico moderno caracterizava-se pelo realismo. o latim como língua culta e o vernáculo como língua popular. segundo ele. CAPÍTULO 7 O Pensamento Pedagógico Iluminista A Revolução Francesa pôs fim a Idade Moderna. ao nascer. Tratava-se de uma educação filantrópica e assistencialista. isto é. um papel em branco sobre o qual o professor podia escrever tudo. surgiram várias ordens religiosas católicas que se dedicavam à educação popular.

e na América do Norte.  Froebel (1782-1852) idealizou os jardins de infância. A partir dele. Nunca se havia discutido tanto a formação do cidadão através das escolas como durante os seis anos de vida da Revolução Francesa. principalmente na Alemanha e na Inglaterra que criaram seus sistemas nacionais de educação. nem reprimir ou modelar. Entretanto. pois acreditava que o desenvolvimento da criança dependia de uma atitude espontânea. com sua falsa concepção da vida. revolucionária. A educação não deveria apenas instruir. mas sim como um ser que vive em seu mundo próprio. Baseado na teoria da bondade natural do homem. a burguesia estava arrancando daquela o monopólio da educação. uma atitude construtiva e um estudo da natureza. Depois de tantos séculos de sujeição feudal à Igreja. a criança não seria mais considerada um adulto em miniatura. o da adolescência e o da maturidade. o adulto. Apresentava uma teoria educacional nova. Só na adolescência deveria haver desenvolvimento científico mais amplo e estabelecimento da vida social.  Emanuel Kant (1724-1804) acreditava que o homem é o que a educação faz dele através da disciplina. Jean-Jacques Rousseau (1712-1778) resgata a relação entre a educação e a política. é que perverte a criança. da didática. Uns acabaram recebendo . Depois dele os jardins de infância se multiplicaram até fora da Europa e suas idéias ultrapassaram a educação infantil. As idéias revolucionário tiveram influência em outros países. da formação e da cultura. que expandiu a participação do Estado na educação. Rousseau sustentava que só os instintos naturais deveriam direcionar. É ele também que divide a educação em três momentos: o da infância. a criança nasce boa. que afirmava os direitos dos indivíduos. a nova classe mostrou que não estava de todo em seu projeto a igualdade dos homens na sociedade e na educação.

a humanidade passou por três estágios: o estado teológico. Comte deduziu o sistema educacional afirmando que em cada homem as fases históricas se reproduziriam. o estado metafísico e o estado positivo. A partir dessa lei dos três estados. esse era o princípio fundamental da educação burguesa. A tecnocracia é um exemplo prático do ideal social positivista. a fé na ciência. Um dos nomes mais importantes na sociologia da educação foi Émile Durkheim (1858-1917). Os representantes destas duas forças foram:  Augusto Comte (1798-1857). assim. dessa forma. o movimento popular e o socialista se fortaleceram desde o final do século XVIII. No Brasil. Ele dizia que a educação é um fato fundamental e. estabeleceu uma nova fé.mais educação do que outros. a libertação social e política passava pelo desenvolvimento da ciência e da tecnologia. sob o controle das elites.  Karl Marx (1818-1883). que estava preocupado apenas com a manutenção dos fatos sociais. CAPÍTULO 8 O Pensamento Pedagógico Positivista Este pensamento consolidou a concepção burguesa da educação. Para os pensadores positivistas. O positivismo tinha como doutrina a substituição da manipulação mística e mágica do real pela visão científica e. Dentro do iluminismo. A educação popular deveria fazer com que os pobres aceitassem a pobreza. À classe dirigente era dada a instrução para governar e à classe trabalhadora a educação para o trabalho. este pensamento inspirou a Velha República e o golpe militar de 1964. . Segundo a ideologia da ordem. Acreditou que para alcançar o progresso era preciso ordem e tornou-se a ideologia da ordem. A tendência cientificista ganhou força na educação com o desenvolvimento da sociologia e da sociologia da educação. De acordo com Comte. o país seria governado pela racionalidade dos cientistas: os tecnocratas. que considerava a educação como imagem e reflexo da sociedade. a pedagogia seria uma teoria da prática social.

A concepção socialista da educação se opõe à concepção burguesa. acusando a educação dominante de se opor aos interesses do povo e de incutir-lhe a sujeição a seu estado de miséria. a redução da jornada de trabalho para seis horas diárias. Os princípios de uma educação pública socialista foram enunciados por Marx e Engels. para ele o mais importante na vida . Vladimir Ilich Lênin (1870-1924) deu grande importância à educação no processo de transformação social. Foi este pensamento que influenciou o primeiro projeto de formação do educador no final do século passado.O pensamento pedagógico positivista trouxe muitas contribuições para o avanço da educação no Brasil. Como primeiro revolucionário a assumir o controle de um governo. CAPÍTULO 9 O Pensamento Pedagógico Socialista Foi formado no meio do movimento popular pela democratização do ensino. Instituiu o trabalho como princípio educativo. Platão já relacionava educação com a política. em seu Manifesto do partido comunista. a educação laica e a co-educação. Sua contribuição ao estudo científico da educação é inegável. porém nunca realizaram uma análise sistemática da escola e da educação. defendem a educação pública e gratuita para todas as crianças. principalmente pela crítica que exerceu sobre o pensamento humanista cristão. As idéias socialistas na educação não são recentes. pois não atendem aos interesses dominantes e muitas vezes são relegadas a um plano inferior. mas foi o inglês Thomas Morus (1478-1535) quem criticou a sociedade e propôs a abolição da propriedade. superior e profissional socialistas. Anatoli Vasilievith Lunatcharski (1875-1933) foi o verdadeiro responsável por toda a transformação legislativa da escola russa e o criador dos sistemas de ensino primário. Graco Babeuf (1760-1796) queria uma escola pública do tipo único para todos. Acreditava que a educação deveria desempenhar papel importante na construção de uma sociedade e que mesmo a educação burguesa era melhor que a ignorância. pois propõe uma educação igual para todos. Ambos. Inspirado em Rousseau. pôs na prática a implantação das idéias socialistas na educação.

por isso. A classe trabalhadora necessita de uma consciência. uma teoria avançada para realizar essa missão histórica. A doutrina socialista fundada nas pesquisas de Marx. ser educador é uma questão de personalidade e caráter e não de teoria. Em 1978. lecionando numa escola de formação de professores. a coletivização. O princípio muscular-nervoso seria o fundamento de uma nova concepção de mundo. A China realizou nos anos 60 uma notável revolução Cultural. significa uma construção ética e antropológica. Deve ser executado com interesse. para uma liberdade responsável. Antonio Gramsci (1891-1937) afirmou que a coação e a disciplina são necessárias na preparação de uma vida de trabalho.escolar deveria ser o trabalho produtivo. A escola pode ser o espaço indicado para essa elaboração. a eliminação da oposição cidade . sem exercer uma ação violenta sobre a personalidade da criança. voltaram- . defendeu o pagamento de salários pelo trabalho produzido na escola. cuja direção é a liberdade. pois o coletivo molda a convivência humana.campo e privilégios de classe. quando acabou a revolução os chineses descobriram a beleza da diferença. como o trabalho manual para todos. Onde existe o coletivo o educador pode desaparecer. estudo e aprendizagem. Lev Semanovich Vygotsky (1896-1934) trabalhou com crianças com defeitos congênitos. Deu grande importância ao domínio da linguagem na educação. O trabalho é considerado meio pedagógico eficiente quando dentro da escola é planificado e organizado socialmente e levado à diante de forma criativa. É através da fala que o homem manifesta seus direitos. Acreditava ainda que o incentivo econômico era importante na motivação dos estudantes para o trabalho e. o verdadeiro processo educativo se faz pelo próprio coletivo e não pelo indivíduo que se chama educador. Para ele. preservando valores socialistas. afirmando que a linguagem era o meio pelo qual a criança e os adultos sistematizavam suas percepções. concebido como atividade produtiva socialmente necessária. Anton Semionovich Marakenko (1888-1939) propôs a escola única até os 10 anos. participa coletivamente da construção de outra sociedade e defende seus pontos de vista Mao Tsé-Tung (1893-1976) conseguiu criar a República Popular da China. De acordo com Marakenko.

Construiu vários jogos e materiais pedagógicos que. construiu-se um . Um dos pioneiros da Escola Nova foi Adolphe Ferrière (1879-1960). segundo seus próprios interesses vitais.se para conhecer a si mesmo e todo o mundo. O importante era aumentar o rendimento da criança. mais tarde se transformando numa filosofia espiritualista. mas a educação se confundiria com o próprio processo de viver. Nesse sentido. ao mesmo tempo. fonte de toda atividade. Suas idéias se basearam em concepções biológicas. com algumas variações. CAPÍTULO 10 O Pensamento Pedagógico da Escola Nova A Escola Nova representa o mais novo movimento da educação depois da escola pública burguesa. John Dewey (1859-1952) foi o primeiro a formular o novo ideal pedagógico. afirmando que o ensino deveria dar-se pela ação e não pela instrução. a educação era um processo de reconstrução. Pela primeira vez na história da educação. Ferrière criticava a escola tradicional afirmando que ela havia substituído a alegria de viver pela inquietude. Não existiria um fim a ser atingido. Sua teoria propunha que a educação fosse instigadora da mudança social e. a educação continuamente reconstruía a experiência concreta de cada um. e que o dever da educação seria conservar e aumentar esse impulso. que transpôs para crianças normais seu método de recuperação de crianças deficientes. a experiência da médica Maria Montessori (1870-1952). a Escola Nova acompanhou o desenvolvimento capitalista. representou a exigência desse desenvolvimento. Considerava que o impulso vital espiritual é a raiz da vida. De acordo com essa visão. Só o aluno podia ser o autor de sua experiência. Para ele. Teve também grande destaque dentro desta escola. Essa experiência se apresentava sempre diante de problemas que a educação poderia ajudar a resolver. se transformasse porque a sociedade estava em mudança. são ainda utilizados em pré-escolas. Propunha a construção de um homem novo dentro do projeto burguês da sociedade.

etc. Educar não significa ser omisso. mostrar um caminho. A pedagogia da essência teve início com Platão e foi desenvolvida pelo cristianismo. propondo o método da observação para a educação da criança. cadeiras. O papel do educador é intervir. representou um avanço na história das idéias pedagógicas. substituindo o aprendizado individual. Jean Piaget (1896-1980) investigou a natureza do desenvolvimento da inteligência na criança. Essas inovações atingem os educadores que muitas vezes se perdem diante de tantos meios e métodos propostos. estantes. Paulo Freire (1921) denunciou o lado conservador dessa visão pedagógica e observou que a escola podia servir para educação prática da dominação e para a educação como prática da liberdade. neutro diante da sociedade atual. para obter bons resultados o professor deveria respeitar as leis e as etapas do desenvolvimento da criança. adotado até hoje. Os métodos foram se aperfeiçoando e levaram para a sala de aula o rádio. a televisão. Deixar a criança à educação espontânea é também deixá-la ao autoritarismo de uma sociedade nada espontânea. Ela . o cinema. O pedagogo Roger Cousinet (1881-1973) desenvolveu o método de trabalho em equipes. Defendia a liberdade no ensino e no trabalho coletivo. propôs que o mobiliário escolar fosse despregado do chão para que os alunos pudessem formar grupos em classe e ficar um de frente para o outro. Criticou a escola tradicional que ensina a copiar e não a pensar. CAPÍTULO 11 O Pensamento Pedagógico Existencialista Bogdan Suchodolski (1907-1992) dividiu as manifestações pedagógicas em: as pedagogias da essência e as pedagogias da existência.ambiente escolar com objetos pequenos para que a criança tivesse domínio sobre eles: mesas. Segundo ele. Para ele. e não se omitir. o vídeo. O objetivo da educação deveria ser aprender por si próprio a conquista do verdadeiro. o computador e as máquinas de ensinar. a educação nova não foi um mal em si mesma.

a educação . A fenomenologia está preocupada com o que aparece e com as aparências. tenta levar a criança à organização e à satisfação das necessidades atuais da criança através do conhecimento e da ação. Stirner (1806-1856) e Nietzsche (1844-1900) desenvolveram teorias relacionadas com a pedagogia da existência. e introduziu mais perguntas relacionadas com a formação social das novas gerações. A pedagogia da essência sugere um programa para levar a criança a conhecer as etapas do desenvolvimento da humanidade. CAPÍTULO 12 O Pensamento pedagógico antiautoritário O movimento antiautoritário teve em Sigmund Freud (1856-1939) um de seus inspiradores. ao descobrir o fenômeno da transferência e ao evidenciar a prática repressiva da sociedade e da escola em relação à sexualidade. Surgiram duas tendências baseadas neste conflito: uma tentando ligar a pedagogia da existência ao ideal. a aparência também faz parte da ser. É na pedagogia moderna que a contradição essência/existência aparece com mais nitidez. A existência do ser humano não é igual à de outra coisa qualquer. a educação consiste em afirmar a existência concreta da criança. tentando mostrar que seu erro está em impor às pessoas um ideal ultrapassado. Entretanto. uma vez que aquilo que parece nem sempre é. Mais do que um método. Este método procura descrever e interpretar os fenômenos pelo que eles são. A educação nova tenta acabar com as dúvidas levantadas pela pedagogia da existência. sendo uma pessoa única. Para Kierkegaard. Kierkegaard (1813-1855). é uma atitude. Stirner atacou a pedagogia da essência. condenada a ser ela mesma.investiga tudo que é empírico no homem e concebe a educação como ação que desenvolve no indivíduo o que define a sua essência verdadeira. Assim. influenciou a mentalidade dos educadores. e a pedagogia da existência. Para a filosofia existencial. e a outra unindo a pedagogia da essência à vida concreta. sem preconceitos. Freud. Ele acreditava que a educação representava um processo com o objetivo de modelar as crianças de acordo com valores impostos. por sua vez. o indivíduo não se repete.

Francisco Ferrer Guardia (1859-1909) fundador da escola moderna. não no professor. permitindo que respondesse ao máximo a suas necessidades e tendências vitais. Se ele puder crescer em plena liberdade. na expressão livre. Segundo ele. Neill (1883-1973) se propôs a realizar o postulado de uma educação sem violência. Foi com Célestin Freinet (1896-1966) que o trabalho manual entrou na prática e na teoria da educação. criticou muito a escola tradicional. apoiado no pensamento iluminista. pudesse combatê-la. O professor deveria ser formado para dedicar-se menos ao ensino e mais ao deixar viver. Todo processo educativo deveria centrar-se na criança. CAPÍTULO 13 O Pensamento pedagógico crítico O movimento pela Escola Nova criticou os métodos tradicionais da educação. seria necessário mostrar-lhe a origem da injustiça social para que ele. inserindo-o na luta de classes. para emancipar um indivíduo. Ele centrava a educação no trabalho. O novo papel do mestre exigiria que o mesmo fosse preparado para. acomodando o desenvolvimento do seu ego às exigências morais e culturais do superego. Acreditava. a organizar o trabalho. o clima psicológico favorecia o pleno desenvolvimento do indivíduo. Trata-se de um papel antiautoritário dar à criança consciência de sua força e convertê-la ao seu próprio futuro em meio à grande ação coletiva. assim como Rousseau. que o Homem era bom na sua essência. Ele valorizava também a empatia. pois acreditava que dessa forma. Neill nunca desenvolveu um sistema formal a respeito dos objetivos e métodos da educação. Freinet distingue-se de outros educadores da escola nova por dar ao trabalho um sentido histórico. Alexander S. aí a criança se transformará em um homem feliz e bom. e na pesquisa.obriga a criança a renunciar a impulsos naturais. Para ele. através do conhecimento. aperfeiçoar a organização material e a vida comunitária de sua escola. Foi um revolucionário que acreditava no valor da educação como remédio absoluto para males da sociedade. O marxismo e o positivismo também criticaram a educação enquanto . individual e cooperativamente. só conhecendo como limite o direito e a liberdade do outro. Na Espanha conservadora. sem distinção entre sexo ou classe. defendia a coeducação. ajudaria a nova geração a criar uma sociedade mais justa. nem no conteúdo pragmático.

Estudou o papel da educação na reprodução cultural das relações de classe: a maneira pela qual uma sociedade seleciona. Althusser afirmou que a função da escola capitalista consistia na reprodução da sociedade e que toda ação pedagógica seria uma imposição arbitrária da cultura das escolas dominantes. O pensamento crítico antiautoritário. apresenta um dos referenciais mais importantes. Foi a partir da segunda metade deste século que a crítica à educação e à escola se acentuou. Essa é sua teoria da transmissão cultural. Podemos dizer que esses autores formularam as seguintes teorias da educação: Althusser. Entre os autores dessa escola encontramos Walter Benjamin (1892-1940). Ele criticou o ensino nas universidades. salientando que a criança exige do adulto uma representação clara e compreensível. Bourdieu e Passeron a teoria da escola enquanto violência simbólica. a teoria da escola enquanto aparelho do Estado. onde predominava a informação ao invés da formação. a obra de Myles Horton (1905-1990) tem grande importância. Na educação popular e na educação de adultos. Benjamin também criticou as visões adultocentrista e a falta de seriedade para com a criança. a profissionalização ao invés da preocupação com a totalidade e a individualidade de cada ser humano. dramas. e entre os maiores críticos encontramos Louis Althusser (1918-1990). distribui e transmite o conhecimento educacional que considera público. jogos de chá. Elas demonstraram o quanto a educação reproduz a sociedade. com o objetivo de . se baseava na cultura dos grupos que a freqüentavam: história oral. O otimismo foi substituído por uma crítica radical. aquarelas e decalcomanias. As obras desses autores tiveram grande influência no pensamento pedagógico brasileiro da década de 70. canções. Apontou o valor da ilustração dos livros infantis. Ressaltou ainda o valor dos jogos que se dirigem à pura intuição da fantasia: bolhas de sabão. encontrado na "Escola de Frankfurt". Pierre Bourdieu e Jean Claude Passeron. classifica. danças. reflete a distribuição de poder e os princípios de controle social. escola que fundada por ele. Bourdie e Passeron acreditavam que a escola constituía-se no instrumento mais acabado da capitalismo para reproduzir as relações de produção e a ideologia do sistema. mas não infantil. Outro teórico do pensamento crítico é Basil Bernstein (1924).pensamento antiautoritário. O processo educacional da Highlander.

 a educação deveria ser científica e técnica.  a educação deveria ter um conteúdo nacional.  a educação deveria ser uma preparação para a vida. Este programa fracassou na África. No ano em que morreu. Também impuseram uma única língua estrangeira para catequizar a todos e uni-los numa religião universal. no processo de lutas pela sua emancipação. Hoje. por caminhos diferentes. secundário e universitário. publicada por muitos anos na Espanha. escravizando seus índios e negros. encontrou Paulo Freire em Chicago e puderam verificar o quanto. porque a tradição religiosa européia se baseava na palavra escrita ao passo que a tradição cultural africana é basicamente dominada pela oralidade. CAPÍTULO 14 O Pensamento Pedagógico do Terceiro Mundo Países da África e América Latina construíram uma teoria pedagógica original. Um dos maiores difusores da pensamento pedagógico liberal foi o argentino Lorenzo Luzuriaga (1889-1959). não religiosa. abordou os diversos aspectos da psicologia e da educação da infância.aumentar a confiança e a determinação. Para ele os aspectos mais importantes da educação eram quatro:  a educação deveria ser leiga. adolescência e juventude e suas relações com os ensinos primário. religião. saía um livro de ambos contando suas experiências. esses pensamentos influenciam muito educadores do chamado Primeiro Mundo. pois foi esta que colonizou os dois continentes. Em 1977. Os colonizadores combateram a educação e a cultura nativas. Na histórica latino-americana é importante a contribuição de José Martí (1853-1895). Martí acreditava no poder da liberdade. África e América Latina não podem ser compreendidas sem a Europa. haviam andado na mesma direção. . Em suas obras. impondo seus hábitos. Acreditava também que um governo que desejava servir seus cidadãos deve demonstrá-lo através do valor que dá a educação de seu povo. Propagou a Escola Nova na Revista Pedagógica. costumes.

a pedagogia originária do "Terceiro Mundo" é acima de tudo política. O desenvolvimento da escola pública e a expansão da imprensa desencadearam a popularização do ensino. repetitivo. que estimulava a competição através de prêmios e castigos. os pensamentos pedagógicos estavam concentrados na luta pela independência da educação do colonizador. Com o pensamento iluminista a teoria da educação brasileira pôde das alguns passos. superando a educação jesuíta tradicional que dominava o pensamento pedagógico brasileiro desde os primórdios. O balanço mostrava o nosso atraso educacional. dividida entre analfabetos e doutores. CAPÍTULO 15 O Pensamento Pedagógico Brasileiro O pensamento pedagógico brasileiro passa a ter mais autonomia com o desenvolvimento das teorias da Escola Nova. Era uma educação que reproduzia uma sociedade perversa. Rui Barbosa fez um balanço da educação até o final do Império em dois pareceres: o primeiro sobre o ensino secundário e superior e o segundo sobre o ensino primário. reformas importantes impulsionaram o debate intelectual. Neles Rui Barbosa prega a liberdade de ensino. Na década de 20. visando a ação entre os homens. As lutas pela independência que acabaram com o regime colonial apontavam para um novo modela econômico-político e também para uma nova valorização da cultura nativa e para a expansão da educação popular. tivemos um ensino de caráter verbalista. O movimento anarquista também teve interesse na educação no início do século. Com os jesuítas. Finalizando. não especulativa. Em 1924. que predominaram até o Império. mas precisariam acontecer . com a criação da Associação Brasileira de Educação (ABE) nosso maior objetivo era o de reconstruir a sociedade através da educação. a fragmentação do ensino e o descaso pela educação popular. a laicidade da escola pública e a instrução obrigatória. É o que Paulo Freire chama de pedagogia do oprimido. retórico. mas prática. a educação não era o principal agente desencadeador do processo revolucionário. Para os anarquistas. nossa pedagogia reproduzia o pensamento religioso medieval. portanto.Tanto na África quanto na América. Até o final do século XIX.

Em 1944. teve mais espaço nas preocupações do poder. com o movimento da educação pública popular. O ideal seria unir os defensores da educação popular que se encontravam nos dois movimentos. Foi com o Manifesto dos pioneiros da educação nova que houve o primeiro grande resultado político e doutrinário de 10 anos de luta da ABE em favor de um Plano Nacional de Educação. principalmente a pública. educação dos sentidos e o estudo do crescimento físico. A educação. que é um precioso testemunho da história da educação no Brasil. o movimento educacional teve um novo impulso. Depois da ditadura de Getúlio Vargas (1937-1945). fonte de informação e formação para educadores brasileiros até hoje. sustentado pelos partidos políticos mais engajados na luta pela educação do povo. Essa unidade passou a ser mais concreta a partir de 1988. em que as liberdades democráticas foram respeitadas. com a fundação do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos (Inep). leitura. Moura afirmava que. começa um período de redemocratização no país que é interrompido com o golpe militar de 1964. Neste intervalo de tempo. formando a solidariedade de classe e lutando por um Sistema Nacional Unificado de Educação Pública. realizando o sonho de Benjamin Constant que havia criado em 1890 o Pedagogium.mudanças na mentalidade das pessoas para que a revolução social fosse alcançada. língua prática e história. a burguesia urbano-industrial chega ao poder e apresenta um novo projeto educacional. O pensamento pedagógico libertário teve como principal difusora Maria Lacerda de Moura (1887-1944) que propôs uma educação que incluísse educação física. distinguindo-se por dois movimentos: o movimento por uma educação popular e o movimento em defesa da educação pública. Um outro grande acontecimento. além das noções de cálculo. os que defendiam uma escola com nova função social. seria preciso estimular associações e despertar a vida interior da criança para que houvesse uma auto-educação. . o Inep inicia a publicação da Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos. foi em 1938. Em ambos movimentos existem posições conservadoras e progressistas. Em 1930.

o Estado deve intervir o mínimo possível na vida de cada cidadão particular. No início da década de 90. em que são codificados os temas levantados na fase anterior de tomada de consciência. Ele criticou a maioria dos pedagogos que desconsideravam esses aspectos extra-escolares e que acreditavam que a escola. Mas têm em comum uma filosofia do consenso. por meio da qual se torna possível reinterpretar a sociedade e a história. as possibilidades e os desafios das situações concretas. Temas como diversidade cultural. é problematizador. criou um novo estilo de pensar a realidade social. Paulo Freire situa-se entre os pedagogos humanistas e críticos que deram uma contribuição decisiva à concepção dialética da educação. embora existam alguns mais conservadores. não . transformaria a sociedade. é ao mesmo tempo educador e educando. para se tornar na práxis transformadora. o discurso pedagógico foi enriquecido pela discussão da educação como cultura. diferenças étnicas e de gênero começaram a ganhar espaço no pensamento pedagógico brasileiro e universal. No pensamento pedagógico contemporâneo. Florestan Fernandes (1920). como também a sociologia anterior produzida no Brasil. na qual se descobre o universo vocabular. isto é. c) etapa de problematização. Os católicos também podem ser incluídos no pensamento liberal.A maior contribuição de Paulo Freire deu-se no campo da alfabetização de jovens e adultos. com sua sociologia. Para Luiz Pereira (1933-1985) a solução dos problemas enfrentados dentro da escola depende da solução dos problemas externos a ela. mas não o bancário. Seu trabalho de formação da consciência crítica passa por três etapas que podem ser descritas da seguinte forma: a) etapa da investigação. é coerente com sua prática. O objetivo final de seu método é a conscientização. as palavras e temas geradores da vida cotidiana dos alfabetizandos. Segundo eles. Sua pedagogia é para a libertação na qual o educador tem um papel diretivo. b) etapa de tematização. Nessas tendências existem defensores da escola pública e defensores da escola privada. os métodos novos baseados na natureza da criança. na qual se descobrem os limites. por si só. Não se cansa de repetir que a história é a possibilidade e o problema que se coloca ao educador e a todos os homens é saber o que fazer com ela. que envolvem aspectos econômicos e sociais. de pensamento e de pesquisa. Os educadores e pedagogos da educação liberal defendem a liberdade de ensino.

o saber técnico-científico deve ter por objetivo o compromisso político.reconhecem na sociedade o conflito de classes e restringem o papel da escola ao pedagógico somente. é o deslocamento da formação puramente individual do homem para o social. poderíamos pensar a questão escolar através de dois momentos históricos: o da tradicional e o da educação nova. individual. embora sobreviva até hoje. O traço mais original deste século. a formação da consciência crítica passa pela assimilação do saber elaborado. na educação. queda do muro de Berlim. A. caminhamos para uma mudança da própria função social da escola. perestroika. a chamada educação popular. A educação nova desenvolveu-se nos dois últimos séculos e trouxe várias conquistas. Possui este nome pelo seu caráter popular. Apesar de existirem muitos desníveis entre regiões e países. são apresentadas algumas tendências atuais. democrático e socialista que essa concepção traz. CRISE E ALTERNATIVAS A educação tradicional começou seu declínio no movimento renascentista. A . Dentro deste pensamento encontramos correntes que defendem várias posições para a escola: para uns. e tentar reduzi-lo a esquemas fechados seria uma forma de esconder essa riqueza e essa dinâmica. não podemos falar do futuro da educação sem tomar certos cuidados. A educação deste fim de século tornou-se permanente e social. Baseados em Jesus Palácios. o político. para outros. Nesta parte do livro. O pensamento pedagógico brasileiro é rico e está em movimento. CAPÍTULO 16 Perspectivas Atuais Hoje. Os seguidores da educação progressista defendem o envolvimento da escola na formação de um cidadão crítico e participante da mudança social. Tanto a educação tradicional quanto a educação nova têm em comum o fato de conceber a educação como um processo de desenvolvimento pessoal. apoiadas em educadores e filósofos que tentaram apontar caminhos. depois de todos os acontecimentos históricos. principalmente nas ciências da educação e nas metodologias de ensino.

São apontados nove sintomas: o atraso da escola.educação tradicional repousava sobre a certeza de que o ato educativo destina-se a reproduzir os valores e a cultura da sociedade. B. não fazer economia de trabalho sobre ela mesma. educadores e políticos educacionais imaginaram uma educação intercaionalizada confiada a uma grande organização. a incapacidade de reciclar os professores que acabam neuróticos. científica. A EDUCAÇÃO PERMANENTE Na metade deste século. As respostas a essa crise podem ser dividas em três grupo: 1O. em que estudantes se rebelaram. suas disfunções. a incapacidade da escola atual de oferecer instrução. a Unesco. No ano de 1968.) O primeiro insiste da disfuncionalidade da escola tradicional. analisando a crise educacional. Mas. evidenciar suas contradições. No Brasil. a promoção de estudos de maneira mecânica. chamada pedagogia comparada. com os "pioneiros da educação nova". propôs uma nova orientação chamada educação . socialista. práticas e sistemas educacionais. elas caem na ilusão pedagogista de pretender resolver a crise acreditando na igualdade entre professor e aluno e acreditando que podem chegar à autogestão social pela autogestão pedagógica. foi criada uma disciplina nova. A impressão que se tem é a de que o melhor caminho de superação da crise educacional é vivê-la intensamente. o autoritarismo escolar. essa prática iniciou-se em 1932. Os estudos e as pesquisas em educação caracterizam-se pela comparação entre teorias. o desconhecimento da realidade. formadora da personalidade política. Em 1917. 2O) O segundo grupo de respostas reúne as várias tendências nãoautoritárias. a incapacidade de poder preparar o indivíduo para poder viver e atuar no mundo. Essa superação encontra-se na escola viva. Os problemas começaram quando essa convivência harmoniosa entre educação e sociedade foi rompida. ativa. 3O) O terceiro grupo é o da "superação integradora das ilusões". Desenvolver as contradições escolares é a única forma de superá-la. a negação das relações interpessoais. A crise da escola começou com a perda da certeza na qual ela se apoiava em relação à sua função reprodutora. na tentativa de divulgar inovações de países mais desenvolvidos. concreta. social. a Unesco.

A educação opera com a linguagem escrita e a nossa cultura atual vive com uma nova linguagem: a linguagem do rádio e da televisão. Os esforços da Unesco. dessa forma. a dominar a linguagem. tiveram algum impacto nos países do chamado Terceiro Mundo. E. O incrível poder da televisão não pode ser ignorado pelos educadores.permanente: os sistemas nacionais de educação deveriam ser orientados pelo princípio de que o homem se educa a vida inteira. o homem . Hoje. Segunde Capra. O DESAFIO TECNOLÓGICO E A ECOLOGIA No início da década de 70. C. embora tivessem o fato de não servirem senão como recomendações aos países membros. é necessária uma revisão dos valores culturais vigentes na nossa sociedade para transpor esta fase. Mesmo assim. Isso levou a Unesco a proclamar a última década deste milênio de "Década da Alfabetização". existe no mundo 900 milhões de adultos analfabetos e 100 milhões de analfabetos em idade escolar. ou não conseguiram avaliar o poder da comunicação audiovisual. ensinar a pensar criticamente. Os sistemas educacionais ainda não sentiram. muitos países não conseguiram eliminar o analfabetismo. já era previsto que a evolução das tecnologias modernas traria várias conseqüências à educação. Fritjof Capra considera que a era atual atravessa um momento de transição e crise em ritmo bastante rápido. apesar de todos os esforços internacionais. A evolução de uma sociedade está ligada a mudanças no sistema de valores que serve de base a todas as suas manifestações. A função da escola consistirá em ensinar a pensar. É preciso mudar nossos métodos para reservar ao cérebro humano o que lhe é peculiar.

ruído. do conhecimento em torno do homem. Ele acredita que a teoria deve ser crítica e engajada politicamente. ambigüidade. a paixão. Os que sustentam os paradigmas holonômicos procuram buscar na unidade de contrários. o pessoal. O desequilíbrio entre esses dois fatores tem como conseqüência a doença. significa "todo". escolha. porque etimologicamente "holos" . Essas seriam as novas categorias dos paradigmas que se chamam holonômicos. e os novos paradigmas procuram não perder de vista a totalidade. em grego. Os enfoques clássicos banalizam essas dimensões da vida porque sobrevalorizam o macroestrutural. pela ciência e pela técnica. projeto. síntese. Os holistas sustentam que são o imaginário. o sistema. na cultura contemporânea. o olhar. a escuta. é fundamental a relação entre corpo. a utopia e a imaginação os fatores instituintes da sociedade. Para que haja bom estado de saúde. Assim. De acordo com essa nova concepção de ver o mundo como sistema equilibrado. valorizando o seu cotidiano. sua atividade será modelada por influências ambientais.é dependente do meio ao qual está ligado. ele possui condições de adaptar-se ao meio ou modificá-lo de acordo com suas necessidades. A técnica e a ciência surgiram sob a forma de uma nova ideologia que legitima o poder opressor. o acaso e outras categorias como decisão. que sugere um princípio unificador do saber. lingüísticas. uma direção do futuro. um sinal dos tempos. Um dos maiores críticos atuais do tecnicismo é Jürgen Habermas (1929). É necessário recolocar o homem como o centro de "interesse" do conhecimento. Apesar de o homem ser totalmente dependente do meio ambiente. encontrando nesses e em outros autores uma aproximação que . a educação tem como papel reformular e transmitir os conhecimentos de nova era. Recusam uma ordem que aniquila o desejo. D) OS PARADIGMAS HOLONÔMICOS Dentro desta perspectiva devemos incluir as reflexões de Edgar Morin. Os problemas éticos e as indagações a respeito dos significados de sua existência e da história são relegados a um segundo plano. psíquicas. onde tudo é função ou efeito das superestruturas socioeconômicopolíticas ou epistêmicas. mente e meio ambiente. a singularidade. vínculo e totalidade.

antever os próximos passos associando teoria pedagógica e prática educacional a uma análise sócio-histórica. os países capitalistas dependentes. . coloca num novo patamar as novas correntes e tendências do pensamento pedagógico. Essa nova concepção da educação fundamenta-se na antropologia e nela é possível encontrar a síntese.aponta um certo caminho comum e que eles chamam de pedagogia da unidade. Dentro dessa perspectiva. autônoma. espaço de um sadio pluralismo de idéias onde o ensino não se confunde com o consumo de idéias. já surgem sistematizações novas teóricas que trazem um discurso novo. divididas por questões políticas. crítica e participativa. ESCOLA ÚNICA (PARA TODOS) E POPULAR (NOVO CONTEÚDO) Falar em futuro da educação trata-se. tentam se desobrigar de ministrar a educação para todos. da incorporação das conquistas da ciência. Essa base filosófica. Essa luta não dispensa. porém. E. a educação à distância. o envolvimento dos meios de comunicação. A informatização da educação. Eles passam a ganhar outro sentido. A educação nesses países tornou-se instrumento de luta e de emancipação. As alternativas educacionais populares serão resultado de uma luta pela organização do poder popular. o fundamento perdido abaixo de numerosas teorias e métodos acumulados historicamente. metodológicas e epistemológicas. do chamado Terceiro Mundo. Enquanto os países socialistas procuram hoje desformalizar o ensino público. associando a luta social com a luta pedagógica. superando o conteudismo e o politicismo: é a criação de uma escola oniforme. Essa escola única e popular busca o desenvolvimento onilateral de todas as potencialidades humanas. a ampliação dos meios não-formais e nãoconvencionais de educação parecem despertar enorme esperança de desenvolvimento da educação nos países latino-americanos. com políticas privatistas e elitistas. a criação e a invenção de novos meios educacionais. da técnica e da tecnologia. universal. à luz da história da educação.

não prioriza o processo de conhecimento e suas finalidades. Na verdade. e a educação pósmoderna trabalha com o conceito-chave "eqüidade". para torná-los essencialmente significativos para o aluno. a não ser como negação do modernismo. uma educação pósmoderna seria aquela que considera a diversidade cultural. a sugestão que fica é a reflexão do leitor.CONCLUSÃO: DESAFIOS DA EDUCAÇÃO PÓS-MODERNA O que é de maior interesse nesta parte. a educação pós-moderna pretende enfrentar o desafio de manter o equilíbrio entre a cultura local. ao seu mundo. O homem pós-moderno dedica-se ao seu cotidiano. Hoje há um grande debate sobre a chamada educação pós-moderna e multicultural. Como se trata de um assunto muito polêmico. com metas pessoais e de curto prazo. Ele busca a sua afirmação como indivíduo. envolve-se com as minorias. Hoje o pós-modernismo é considerado um movimento de indagação sobre o futuro. Assim. Em síntese. buscando eliminar as diferenças. da automação e da informação. a educação e a escola do futuro. é pensar. ou desintegração. Nesse sentido. O pós-modernismo na educação trabalha mais com o significado do que com o conteúdo. própria de um grupo social ou minoria étnica e uma cultura universal. com pequenas causas. . portanto uma educação multicultural. patrimônio hoje da humanidade. através do pósmodernismo. face à globalização da economia e das comunicações. buscando a igualdade sem eliminar as diferenças. A educação pós-moderna está muito ligada à cultura e mostra-se permanente. que causam certa perda de identidade nos indivíduos. mas sim trabalha para uma profunda mudança deles na educação. está a invasão da tecnologia eletrônica. regional. Não nega conteúdos. Faltam referenciais. muito mais com a intersubjetividade e a pluralidade do que com a igualdade e a unidade. Entre os elementos reveladores da pósmodernidade. ele não tem uma identidade própria. pode-se dizer que a educação moderna trabalha com o conceitochave "igualdade".

A escola primária destinava-se a ensinar os rudimentos: leitura do alfabeto. Os estudos secundários compreendiam a educação física. da civilização e da educação ocidental. e na moral e dos sentimentos através da música e das artes. a literatura.  Xenofontes foi a primeira tendência a pensar na educação da mulher. embora restrita aos conhecimentos caseiros e de interesse do esposo. . escrita e cômputo. O mundo grego foi muito rico em tendências pedagógicas:  Pitágoras pretendia realizar na vida a ordem encontrada no universo. No ensino superior prevalecia o estudo da retórica e da filosofia. CAPÍTULO 2 O Pensamento Pedagógico Grego A Grécia serviu de berço para o desenvolvimento da cultura. no meio da crise. todo ensino deveria ser público e por isso se submetia ao controle o mais próximo possível da comunidade. os elementos de uma nova educação estão surgindo. na formação da mente através da filosofia e ciências. os estudos literários e científicos. A educação do homem integral estava baseada na formação do corpo pela ginástica. pois se encontra em uma posição geográfica estratégica. as ciências e a filosofia. Na Grécia.Se uma educação pós-moderna for possível no futuro será porque hoje. O desafio deixado é o de tentar identificar o novo no velho e caminhar para a frente. Foram os gregos que realizaram a síntese entre a educação e a cultura: valorizaram a arte. construindo a educação do futuro.  Isócrates centrava o ato educativo na retórica e na linguagem. no interior do moderno. a artística. a harmonia que a matemática demonstrava. entre o comércio do Ocidente com o Oriente.

pois o espírito deveria estar livre para criar.O ideal da cultura aristocrática grega não incluía o trabalho. .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->