Você está na página 1de 7

Energia:

O termo Energia é tão amplo que não existe definição precisa, de uma forma concisa.

Falando Tecnicamente a energia é uma grandeza escalar associada ao estado de um ou

mais objeto.

O modo mais apropriado de definir energia em um sistema ou objeto se faz através de

transformação ou mudança de um objeto para outro, mas sempre a quantidade total é a

mesma.

Energia Cinética:

A Energia Cinética esta associada ao estado de movimento dos objetos, ou seja, quanto

maior a velocidade do objeto, maior será a sua Energia Cinética, por dedução quando

um objeto esta em repouso a sua Energia Cinética é nula.

A expressão para calcular Energia Cinética é dada por:

1

k = m v

.

.

2

2

Sendo:

K – Energia Cinética

m – Massa do Objeto

v – Velocidade do Objeto

A unidade de Energia Cinética (Ou qualquer Energia) no SI é expressa em Joule (J).

1 Joule = 1 J = 1 kg.m 2 /s 2

Obs.: Diferença entre Peso e Massa.

Massa – é propriedade intrínseca de um corpo que mede sua resistência à aceleração ou

ao movimento.

Peso ou Força Gravitacional – A força mais comum em nossa experiência é a força

gravitacional da terra sobre um corpo, conhecida como força G. Esta força é o peso w

do corpo. Se soltarmos um corpo nas proximidades da terra, este será atraído pela Terra

a uma aceleração de 9,81 m/s 2 . Esta aceleração é a mesma para qualquer corpo,

independente de forma e massa. Esta aceleração é denominada de g. Pela Segunda Lei

de Newton podemos escrever que a Fg sobre um corpo de massa m, será:

Fg = m.a

Com a = g e simbolizando Fg como w temos o seguinte:

W = m. g

Exemplo:

Em 1896, em Waco, Texas, Willian Crush, posicionou duas locomotivas em

extremidades opostas de uma linha férrea, com 6,4 km de extensão, acendeu as caldeiras

e amarrou os aceleradores para que permanecesse acionado e fez com que as

locomotivas sofressem uma colisão frontal. Sabendo que cada locomotiva pesa

aproximadamente 1,2x10 6 N e sua aceleração constante de 0,26 m/s 2 . Calcule a energia

cinética no momento da colisão.

Primeiro Calcular a velocidade das Locomotivas: Dados: - Velocidade Inicial (V0) = 0 m/s - Aceleração

Primeiro Calcular a velocidade das Locomotivas:

Dados:

  • - Velocidade Inicial (V0) = 0 m/s

  • - Aceleração = 0,26 m/s 2

  • - Distância Percorrida = 3,2 km ou 3200 m ou 3,2x10 3 m

    • v = v + 2.a.x

0

2

2

v = 40,8 m/s ou 146,88 km/h

Segundo Calcular a massa das Locomotivas:

P = m.g, logo m = P/g

m = 1,22x10 5 kg

Terceiro Calcular a Energia Cinética das Locomotivas:

1

k = . m . v

2

2

k = 2,0x10 8 J

Trabalho:

É a energia transferida para um objeto ou de um objeto através de uma força que age

sobre o mesmo. Quando a energia é transferida para o objeto o trabalho é positiva e

negativa quando a energia é transferida do objeto.

Exemplo:

Em uma partida de bilhar, é muito provável que os jogadores não tenham idéia que eles

estão diante de um excelente laboratório de colisões. Durante toda partida as bolas

colidem, trocando energia e mudando a direção.

Trabalho: É a energia transferida para um objeto ou de um objeto através de uma força
Trabalho: É a energia transferida para um objeto ou de um objeto através de uma força

Exercício:

Em um sistema existem duas bolas de massa 0,2 kg, onde a velocidade inicial de “A” é

2,0 m/s antes da colisão com a bola “B” e velocidade final de 0,5 m/s. A bola “B” tem

uma velocidade inicial antes da colisão de 0,5 m/s e velocidade final depois da colisão

de 1,5 m/s. Determine qual a Energia Cinética Final das bolas “A” e “B” após a colisão

e comente o resultado encontrado.

Trabalho e Energia Cinética:

Dedução de uma equação para o trabalho.

Através da Segunda Lei de Newton uma Força F é utilizada para mover um objeto

através de um determinado ângulo Φ.

F = m.a

x

x

(I)

Como há uma força constante sobre o objeto, logo temos que a aceleração é nula e que

há uma variação inicial de velocidade de v 0 para v e temos a equação:

v

2

=

v

2

0

+ 2.

a

x

.

x

(II)

Substituindo a equação II em I teremos:

1

2

1

  • 2 F .d

  • 0 =

x

 

2

.

m v

.

 

2

m.v

x

Sendo que:

 

O primeiro termo é a Energia Cinética Final.

k

 

1

2

f =

 

.

m v

.

 

2

O segundo termo é a Energia Cinética Inicial.

 

1

2

k = m v

0

2

.

0

Logo teremos que o Trabalho é igual:

W = F .d

x

x

Teorema do Trabalho e Energia Cinética:

Relaciona a Energia Cinética do sistema (∆ k ) ao Trabalho (W) realizado sobre o

sistema.

Desta maneira podemos escrever:

∆ =

k

k

f

k

i

=

W

Isto significa que a variação da Energia Cinética do sistema é igual ao Trabalho Total

Executado sobre o sistema.

Também podemos escrever que:

k = W + k

f

i

Isto significa que a Energia Cinética depois da execução do Trabalho é igual à Energia

Cinética antes da execução do Trabalho mais o Trabalho Executado sobre o sistema.

Exemplo:

Dois operários estão deslocando um cofre (Conforme Figura) de massa 225 kg a partir

do repouso, e assim, produzindo um deslocamento de módulo 8,50 m. O operário 1

executa uma força de 12,0 N com um ângulo para baixo a horizontal de 30° e o operário

2 executa uma força de 10,0 N com um ângulo para cima a horizontal de 40°. Os

módulos e orientações das forças não variam com o deslocamento do cofre, e o atrito

entre o cofre e o peso é desprezível.

(a) Qual o trabalho total executado pelas forças F 1 e F 2 sobre o cofre durante o

deslocamento d?

  • (b) Qual é o trabalho gravitacional (W g ) realizado pela Força Gravitacional (F g ) sobre o cofre durante o deslocamento, e qual o trabalho normal (W N ) realizado pela Força Normal (F N ) sobre o cofre durante o deslocamento?

  • (c) O cofre esta inicialmente em repouso, qual é a sua velocidade final (v f ), após o deslocamento de 8,50 m?

Resolução (a): W = F d . .cos Φ W = F d . .cos Φ
Resolução (a):
W
=
F d
.
.cos
Φ
W
=
F d
.
.cos
Φ
1
1
1
2
2
2
W
=
(12,0
N
).(8,50
m
).cos30
°
W
=
(10,0
N
).(8,50
m
).cos 40
°
1
2
W
=
88,33
J
W
=
65,11
J
1
2
W
=
W W
+
T
1
2
W
=
88,33
J
+
65,11
J
T
W
=
153,4
J
T

Significa que os operários executaram um trabalho de 153,4 J para deslocar o cofre

8,50 m.

Resolução (b):

W

g

=

m g d

.

.

cos

Φ

g

W

g

=

(225

kg

).(9,81

m s

/ ).(8,50

m

).cos90

°

W

g

=

0 J

W

N

=

F

N

. d cos

Φ

N

W

N

=

(

F

N

).(8,50

m

).cos90

°

W

N

=

0 J

Valores esperados, pois estas forças estão perpendiculares ao deslocamento do cofre.

Resolução (c):

1 1 2 2 W = k − k = . m v − m v
1
1
2
2
W = k − k =
.
m v − m v
.
.
f
i
f
i
2
2
2. W
T
v
=
f
m
2.153,4 J
v
=
f
225
kg
v
= 1,17
m s
/
f