Você está na página 1de 7

Peter Facinelli " Não dá para acreditar que já se passaram 10

anos!”

19 de Junho de 1998

Aquele foi o dia em que pela primeira vez eu assisti “Mal posso esperar” no
Cinema 10 em Succasunna, NJ, eu estava com meu amigo Cameron e nem
percebi que havia gostado tanto do filme – havia a garota de “O Quinteto”
que tinha um cabelo muito bonito e Mark de “Sexo, Rock e Confusão” que
havia ficado sexy – mas não tão sexy quanto o novo ator que interpretava
Mike Dexter.

Aquele era Peter Facinelli e “Mal posso esperar” marcou o seu primeiro hit
de bilheteria – um filme pelo qual ele ainda é reconhecido, mesmo após
estrelar em vários outros e em seriados na TV.

E agora “Mal Posso Esperar – Edição de Aniversário de 10 anos” chega as


lojas (americanas), fazendo-me sentir com uns 100 anos de idade. Eu
entrevistei Peter – que está fazendo uma ótima performance em “Damages”
e se preparando para o lançamento de “Crepúsculo” – ele nos conta sobre o
filme que começou tudo.
Pop Wrap: Como o roteiro de “Mal posso esperar” chegou até voce?

Peter Facinelli: Eu havia feito um filme com Breckin Meyer chamado


“Dancer, Texas” e ele estava namorando a roteirista Deborah Kaplan
naquela época. Eu gostei do roteiro, então coloquei meu nome na lista para
fazer o teste no estúdio.

PW: Ter alguém “de dentro” ajudou?


Peter: Nem um pouco – não foi assim “de graça”. Na verdade, eu quase não
fiz o filme, pois queria fazer um independente no lugar do mesmo. Isso foi
há uns 9 ou 10 anos atrás e eu era mais arte do que comércio. “Eu estarei
no filme de arte, recebendo 5 centavos a hora!” Mas no final das contas, eu
acabei fazendo os dois.

PW: Você se lembra da sua primeira impressão sobre o roteiro?


Peter: Eu só me lembro de me identificar com o mesmo. Quando eu estava
no colegial, em cada mesa havia um grupo diferente de adolescentes e esse
filme teve muito a ver com a minha própria experiência.
PW: Então, em qual mesa você sentava?
Peter: Eu sentava com os alcoólatras de Middle Village, apenas um grupo de
crianças daquela cidade no qual eu nem ao menos vivia. Eu apenas os
achava legais, mas pude sentar em montes de mesas diferentes, então
podia entrar e sair dos grupos, coisa do qual gostava. E esse desejo de não
ser boicotado era algo que eu transmiti para a atuação

PW: O seu curriculo é bem diversificado. Isso foi intencional ou


ocasional?
Peter: Quando eu fiz “Mal posso esperar”, imediatamente fui visto como o
“garanhão da escola”, logo depois me foram oferecidos dois papéis para
filmes de adolescentes, o que eu não queria fazer. Então troquei para
“Supernova” – raspei o cabelo, deixei uma barba crescer e ganhei 5 quilos
de músculo. Eu só queria uma imagem diferente daquela que todos
esperavam.

PW: Tanto “Supernova” quanto “Mal posso esperar” tiveram muitos


cortes antes de serem lançados, certo?
Peter: Sim, os cortes em “Mal posso esperar” aconteceram porque em 1998
não havia nenhum filme classificado como “restrito” que fizesse sucesso.
Então eles tiveram que cortar para “14 anos”. Então, um ano depois,
American Pie saiu e mudou tudo isso.

PW: Você assistiu ao filme de novo recentemente?


Peter: Eu fiz o comentário para o novo DVD e o filme realmente não saiu de
moda. O mais interessante é que eu não havia percebido quantos atores
está no filme, fazendo pequenos papéis. Eu não sabia que Selma Blair
estava no mesmo e eu tenho cenas com ela!
PW: Aonde você acha que Mike Dexter está hoje?
Peter: Eu conheci um garoto como Mike e nós sempre brincavámos que ele
era tão ligado a escola que provavelmente ficaria por lá – então eu acho que
Mike provavelmente voltou. Não como professor ou coordenador
psicológico, mas vendendo lanches ou como jardineiro.

PW: Você ainda é aclamado por causa do filme hoje?


Peter: Sim, bastante. Se tornou um clássico. Eu trabalhei com pessoas dez
anos mais novas do que eu que o amaram. O que me faz sentir um pouco
velho. Do tipo ”Você tinha 5 anos quando assistiu?”

PW: Sério, como quem?


Peter: Eu fiz “Finding Amanda” com Brittany Snow e o nome dela no filme
era Amanda.Há uma parte do filme em que eu estou gritando para ela
“Amanda! Amanda! Amanda!” Ela vem correndo histericamente rindo e diz
“Eu não consigo fazer esta cena com você gritando dessa forma, só vejo
Mike Dexter.” É como se tivéssemos voltado ao inicio de tudo.

Continue lendo para saber mais sobre “Crepúsculo”, o novo seriado de tv de


Peter e o que ele pensa sobre a sua esposa em “Barrados no Baile”!
PW: O seu próximo filme “Crepúsculo” tem muitos fãs devotados –
isso te deixa nervoso?
Peter: Quando começamos a filmar, com certeza. Mas eu acho que todos os
fãs ficarão felizes com o resultado final. Eu vi uma parte e achei lindo. Eu
adoro o visual do filme e Catherine [Hardwicle, a diretora] tem uma visão
incrível. Ela fez um filme muito artístico combinado com uma obra
comercial.

PW: Então não se parece com “Harry Potter”?


Peter: Não há efeitos especiais ao extreme, não estamos tentando fazer
nada além de “Crepúsculo” e eu acho que sera ótimo. Eu só espero que os
fãs fiquem contentes porque é dificil quando se tem uma visão específica
em sua mente sobre o livro.

PW: Você tem uma aparência bem diferente como Carslile Cullen –
aquele cabelo loiro acinzentado – você gostou?
Peter: Quando eu pintei o cabelo, não achei que estivesse legal, mas ficou
realmente ótimo no filme. Isso também é legal na Catherine – ela é como a
minha esposa no sentido de que pode chegar em uma casa em construção
e visualizar como ficará quando estiver pronto. Catherine olha para você e
pode ver o personagem dentro de você, você não precisa entrar em um
cômodo vestido como o mesmo. Ela irá cuidar disso.

PW: Vocês já estão pensando em fazer as sequências ou estão


vivendo um dia de cada vez?
Peter: Para mim, eu levo um dia de cada vez. Com toda a expectativa, eu só
espero que as pessoas apareçam e queiram mais. Eu adoraria fazer parte de
mais filmes da saga – Eu me diverti muito fazendo este.

PW: Já que o tema desta entrevista é “10 anos atrás”, o que mais
te surpreendeu na última década?
Peter: Eu realmente me sinto sortudo por ter conquistador o meu sonho de
ser ator. Eu tive a sorte de trabalhar com grandes nomes – Kevin Spacey,
Drew Barrymore, Glenn Close, James Spader – e isso era o que queria fazer:
estar rodeado de gente talentosa. Isso e tentar não ser um estereótipo.

PW: Mas as vezes é dificil não se tornar um.


Peter: Sim, se é um bom ator quando todos ficam como “eu quero contratar
aquele cara!”. Mas quando se está tentando evitar ser um estereótipo, você
tem que provar a todos que pode fazer vários tipos de papéis diferentes.
Olhe para “Crepúsculo”. Eu não sou loiro e olhando para mim, se vê que não
sou a escolha ideal para Carslile, mas a Catherine olhou para o meu
trabalho em geral e sabia que poderia me modificar para se encaixar no
personagem.

PW: É como se você sempre fosse diferente.


Peter: E isso que é divertido em ser um ator – as pessoas que estão sempre
iguais, na aparência e no jeito de atuar, não importa em qual filme estejam.
Eu gosto de tentar coisas diferentes. Se você colocar Mike Dexter perto de
Carslile Cullen, é muito diferente! E isso é o mais divertido!

PW: Quais são seus projetos para o futuro?


Peter: Eu estou fazendo um seriado chamado “Nurse Jackie” com Edie Falco.
Eu interpreto Dr. Cooper, que todos pensam que é calmo e situado, mas por
dentro é um desastre. É um personagem muito divertido de se interpretar e
é fantástico trabalhar com Edie. Eu adoro comédias, então estou dando o
meu melhor.

PW: Você e sua esposa, Jennie Garth, se conheceram no set, vocês


consideram trabalhar juntos de novo?
Peter: Eu não sei, se a oportunidade certa vier. Eu tenho as minhas coisas
para fazer e ela tem as dela, se os nossos caminhos cruzarem, ótimo! Mas
não vamos tentar forçar nada.
PW: Você assistiu a antiga série “Barrados no Baile”?
Peter: Eu assisti ao original e tinha tudo a ver com a adolescência, mas
agora tenho 30 anos e não consigo me identificar com nada no seriado. Um
colégio fica louco porque o outro veio e derrubou suas lixeiras? Mas a minha
esposa vai trazer para o show, eu espero, algo para os mais velhos como
eu! Precisamos de algo para a nossa geração.

PW: Com certeza, eu quero ver outra cena de Brenda ou Kelly!


Peter: Eu acho que eles estão tentando mostrar o que acontece nos colégios
hoje, por isso algumas pessoas reclamam que é muito picante. Mas o
original também estava nessa. Eu lembro toda a conversa sobre perder a
virgindade – mas hoje eu vejo isso com um olhar de pai. Eu tenho três filhos
eu não quero as menininhas assistindo! Então, pronto, eu me tornei velho e
chato (risos.

Tradução por: Thais Mendes.

Interesses relacionados