Manual de

GUIA PRÁTICO SUBSÍDIO PARENTAL
NOTA: EM VIGOR A PARTIR DE 01 DE MAIO DE 2009
INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P

ISS, I.P. – Departamento/Gabinete

Pág. 1/15

P.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático – Subsídio Parental (3010 – v1. Pág.P. nº 43 1250-194 Lisboa www. I.seg-social. I.pt DATA DE PUBLICAÇÃO Maio 2009 ISS.P. RESPONSÁVEL Gabinete de Comunicação MORADA Rua Rosa Araújo. AUTOR Instituto da Segurança Social.02_2) PROPRIEDADE Instituto da Segurança Social. I. 2/15 .

.......................................... 12 E – Outra Informação............................................................ 11 D3 – Quais as minhas obrigações? ............................................................... 12 D4 – Por que razões termina?.......... 8 D – Como funciona esta prestação? D1 – Quanto e quando vou receber?......................................................................................................................... 3/15 ......................................................................... 14 ISS........................................................................................................... 13 E2 – Glossário ...P..................... 4 B1 – Quem tem direito?...................................................... 9 D2 – Como posso receber?................................................................................................................................. I...................................................................................... E1 – Legislação Aplicável....................... 5 B2 – Qual a relação desta prestação com outras que já recebo ou posso vir a receber? ........................................... 7 C – Como posso pedir? C1 – Que formulários e documentos tenho de entregar? .................Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 ÍNDICE A – O que é? ........................................ 13 Perguntas Frequentes .............................. Pág...........................................................................................................................................................................

Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 A – O que é? O subsídio parental é um apoio em dinheiro dado ao pai ou mãe que estão de licença (estão autorizados a faltar ao trabalho) por nascimento de filho e destina-se a substituir os rendimentos de trabalho perdidos durante o período de licença. 4/15 . I. Subsídio parental inicial exclusivo do pai. Obs. Subsídio parental inicial exclusivo da mãe. o pai tem direito. No caso de nascimento de Gémeos. se quiser.P. Os primeiros cinco dias são seguidos e gozados imediatamente a seguir ao nascimento e os outros cinco dias têm que ser gozados nos 30 dias após o nascimento. Nota: Tanto os 30 dias facultativos como as seis semanas obrigatórias estão incluídos no período de concessão correspondente ao subsídio parental inicial. devendo gozálos em simultâneo com a licença parental inicial da mãe. Subsídio parental inicial de um progenitor em caso de impossibilidade do outro. podendo ser seguidos ou não. O que é o subsídio parental inicial exclusivo do pai? É um apoio em dinheiro dado ao pai que está de: Licença de dez dias obrigatórios O pai tem direito a dez dias úteis obrigatórios de licença a contar do dia do nascimento. a mais dois dias que acrescem aos 10 dias obrigatórios e mais dois dias que acrescem aos 10 dias facultativos. no caso de os pais optarem por partilhar a licença parental inicial e cada um goze. consoante a opção. seguidos ou não. Pág. No entanto. um período de 30 dias consecutivos ou dois períodos de 15 dias consecutivos após as seis semanas obrigatórias da mãe. o período de licença de 120 ou 150 dias e respectivo subsídio. conforme opção dos pais. O que é o subsídio parental inicial exclusivo da mãe? O subsídio parental inicial exclusivo da mãe é um apoio em dinheiro concedido por um período facultativo até 30 dias antes do parto e seis semanas obrigatórias (42 dias) após o parto. por cada gémeo além do primeiro. direito a mais dez dias úteis. Este acréscimo pode ser gozado apenas por um dos pais ou partilhado por ambos. é acrescido de 30 dias. E Licença de dez dias facultativos O pai tem. O Subsídio Parental tem as seguintes modalidades: x x x x Subsídio parental inicial. os quais têm que ser gozados imediatamente ISS. em exclusivo. O que é o subsídio parental inicial? O subsídio parental inicial é um apoio em dinheiro concedido por período até 120 ou 150 dias consecutivos.

o respectivo esquema de protecção social integre a eventualidade. Quem estiver a receber Pensão de Invalidez Relativa.P. x x Quem não tem direito ao subsídio parental inicial. x Trabalhadores independentes (a recibos verdes ou empresários em nome individual) a descontarem para a Segurança Social x Beneficiários do Seguro Social Voluntário que: o o x Trabalhem em navios de empresas estrangeiras ou Sejam bolseiros de investigação. independentes ou seguro social voluntário desde que. Pág. neste último caso. O que é o subsídio parental inicial de um progenitor em caso de impossibilidade do outro? É um subsídio que corresponde ao período de tempo de licença parental inicial da mãe ou do pai que não foi gozado por um deles devido a:  Incapacidade física ou mental. Trabalhadores em situação de pré-reforma. incluindo os trabalhadores do serviço doméstico. enquanto esta se mantiver. x O pai ou a mãe na situação de pré-reforma que não trabalhem (suspensão total de actividade). I. ou Pensão de Velhice ou Pensão de Sobrevivência e a trabalhar e a fazer descontos para a Segurança Social. desde que exerçam actividade enquadrada em qualquer dos regimes de segurança social dos trabalhadores por conta de outrem. ISS. Quem estiver a receber Subsídio de Desemprego ou Subsídio Social de Desemprego (que se suspendem durante o tempo que estiver a receber subsídio parental). 5/15 . B1 – Quem tem direito? Quem tem direito ao subsídio parental inicial Quem não tem direito ao subsídio parental inicial Quais as condições necessárias para ter acesso ao subsídio parental inicial Qual é o prazo de garantia Quem tem direito ao subsídio parental inicial x Trabalhadores por conta de outrem (a contrato) a descontarem para a Segurança Social.  Morte.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 após os referidos períodos. medicamente certificada.

mas dentro do período em que ainda há direito a receber subsídio. Para completar este prazo de 6 meses é contado. x Nota: (ver perguntas frequentes: situação contributiva irregular). pode ter direito ao Subsídio Social Parental Inicial. Qual é o prazo de garantia? Para ter direito ao subsídio parental inicial. I. se for necessário. se for trabalhadora independente. Nota: Nas situações em que os meses de descontos não são seguidos. x Nota: (ver perguntas frequentes: situação contributiva irregular). sendo indeferido o subsídio se a situação contributiva não estiver regularizada. no dia em que deixa de trabalhar por nascimento de um ou mais filhos tem de ter trabalhado e descontado durante seis meses (seguidos ou não) para a Segurança Social ou outro sistema de protecção social que assegure um subsídio nestes casos. Quais as condições necessárias para ter acesso ao subsídio parental inicial.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 x Os pensionistas de invalidez. ISS. x Cumprir o prazo de garantia. NOTA: Se não cumpre o prazo de garantia de 6 meses. o beneficiário tem que cumprir novo prazo de garantia que começa a contar-se a partir do mês em que há novo registo de remunerações. x Ter os pagamentos para a Segurança Social em dia até ao fim do terceiro mês imediatamente anterior ao mês em que deixa de trabalhar devido ao nascimento do filho. deixou de trabalhar por nascimento de um filho e entraram descontos na Segurança Social até 09/02/2009. velhice ou sobrevivência que não trabalhem nem descontem para a segurança social. não pode haver um período igual ou superior a 6 meses sem descontos. Caso ocorra um período igual ou superior a 6 meses sem descontos. nos 6 meses a contar do primeiro dia em que não trabalhou. Caso o subsídio seja pedido fora deste prazo.P. Pedir o subsídio dentro do prazo. No dia 10 de Fevereiro. ou seja. 6/15 . Ter os pagamentos para a Segurança Social em dia até ao fim do mês anterior ao mês em que deixa de trabalhar devido ao nascimento do filho se estiver abrangida pelo Seguro Social Voluntário. o mês em que inicia a licença desde que tenha trabalhado e descontado pelo menos um dia nesse mesmo mês. Pág. Como na data do parto não tinha 6 meses de descontos. é descontado o período de atraso. Exemplo: Um beneficiário começou a descontar em Setembro de 2008. o mês de Fevereiro vai ser considerado para completar o prazo de garantia apesar de não ter trabalhado o mês todo.

no prazo de 5 dias úteis. apresentação quinzenal). Pode acumular com: x Pensão de invalidez relativa (desde que esteja a trabalhar e a descontar para a Segurança Social) x x Pensão de velhice (desde que esteja a trabalhar e a descontar para a Segurança Social) Pensão de sobrevivência.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 B2 – Qual a relação desta prestação com outras que já recebo ou posso vir a receber? Não pode acumular com… Pode acumular com… Não pode acumular com: x x x x Subsídio de desemprego (Ver nota) Rendimentos de trabalho Subsídio de doença. 7/15 . neste último caso. o início e o fim do período de concessão do subsídio parental inicial.P. excepto rendimento social de inserção e complemento solidário para idosos. devendo comunicar ao centro de emprego. Pág. Nota: Se estiver a receber prestações de desemprego. de modo a ficar dispensado do cumprimento dos deveres para com o centro de emprego (por exemplo. (desde que esteja a trabalhar e a descontar para a Segurança Social) x x x Pensões ou indemnizações por acidente de trabalho ou doença profissional Rendimento social de inserção Pré-reforma – Desde que exerçam actividade enquadrada em qualquer dos regimes de trabalhadores por conta de outrem. o respectivo esquema de protecção social integre a eventualidade. Prestações concedidas no âmbito do subsistema de solidariedade. independentes ou seguro social voluntário desde que. I. x Complemento Solidário para Idosos ISS. estas ficam suspensas enquanto estiver a receber subsídio parental inicial.

em www.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 C – Como posso pedir? C1 – Que formulários e documentos tenho de entregar? Formulários Documentos necessários Onde se pede? Até quando se pode pedir? Formulários RP 5049 – Requerimento de Protecção na Parentalidade (Subsídio Parental e Parental Alargado) RP 5049 (folha anexa) – Informações e Instruções de Preenchimento Documentos necessários Todas as situações x Folha de Continuação Mod. deve apresentar também: Se pedir o subsídio antes do parto x Declaração médica com a data prevista para o parto. Mod. ou certidão de óbito.Ou o formulário. . (Pode ser uma declaração do médico do Sistema Nacional de Saúde ou uma declaração de médico particular) Se pedir o subsídio depois do parto x Fotocópia de documento de identificação civil da criança ou declaração do médico do estabelecimento ou serviço de saúde comprovativa da data do parto. RP 5049/1-DGSS. x Documento da instituição bancária comprovativo do NIB. I. no caso de pretender que o pagamento seja efectuado por depósito em conta bancária.Preferencialmente. no caso do requerente ser o representante legal da pessoa a quem se destina o subsídio. Onde se pede? ISS. comprovativa da incapacidade física ou psíquica do outro progenitor. Além destes documentos. Subsídio parental inicial de um progenitor em caso de impossibilidade do outro x Certificação médica. ATENÇÂO: Os beneficiários devem ter a morada actualizada. 8/15 . MG 02-DGSS. Pág. o Serviço Segurança Social Directa.P.pt. no caso de não ter sido requerido subsídio parental inicial. o qual pode ser obtido nos serviços de atendimento da Segurança Social ou na Internet em www. conforme o caso.pt na opção Formulários. x Fotocópia de documento de identificação civil da criança ou declaração do estabelecimento ou serviço de saúde comprovativa da data do parto.seg-social.seg-social. Para o efeito devem utilizar: .

em exclusivo. após o requerimento dos subsídios. acrescem 30 dias por cada gémeo além do primeiro (apenas no caso de nados-vivos). mas entregar o requerimento durante o período legal de concessão do subsídio.seg-social.P. Por correio. conforme opção dos pais. 9/15 . os períodos de 120 ou 150 dias. houver alteração dos períodos das licenças. o pai e a mãe devem informar os respectivos empregadores através de declaração conjunta. Se. D – Como funciona esta prestação? D1 – Quanto e quando vou receber? Quanto se recebe? Como se calcula o valor do subsídio parental inicial Durante quanto tempo se recebe? A partir de quando se tem direito a receber? Quando se recebe o primeiro pagamento? x O subsídio parental inicial é um apoio em dinheiro concedido pelo período até 120 ou 150 dias consecutivos.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 x Segurança Social Directa (pode preencher o formulário e entregar a documentação digitalizada) https://www. Pág.pt/consultas/ssdirecta/ Serviços de atendimento da Segurança Social. devendo o requerimento dos subsídios mencionar os períodos a gozar ou gozados tal como foram comunicados aos empregadores. Quando a licença parental é partilhada. No caso de nascimentos múltiplos. são acrescidos de 30 dias consecutivos. desde que a mãe tenha gozado obrigatoriamente seis semanas. o que pode determinar valores diferentes dos subsídios já concedidos e referentes ao requerimento anterior. um período de 30 dias consecutivos ou dois períodos de 15 dias consecutivos. do início e termo dos períodos a gozar por cada um. no caso de cada um dos pais gozar. Se não pedir dentro deste prazo. o tempo que passou além dos seis meses será descontado na prestação. após as seis semanas que a mãe tem de gozar obrigatoriamente. até 7 dias após o parto. I. para o centro distrital de segurança social da área da residência do beneficiário x x Até quando se pode pedir? No prazo de 6 meses a contar do primeiro dia em já não trabalhou. deve ser feito novo requerimento ao centro distrital de segurança social com os novos períodos das licenças. cujo gozo podem partilhar após o parto. Nota: Nos casos de partilha da licença parental inicial. consoante a opção. x x ISS.

Se a licença parental inicial não for partilhada. durante os meses de Março a Agosto. se entrar de licença em Novembro. um período de 30 dias seguidos ou dois períodos de 15 dias seguidos) Gémeos 150 dias (120 + 30) 180 dias (150 + 30) 30 dias por cada gémeo.18 por dia (valor para 2009. 10/15 . igual a 80% de 1/30 do IAS). tanto o pai como a mãe gozem. conta o que foi declarado pela entidade empregadora. 100% Como se calcula o valor do subsídio parental inicial O que é a remuneração de referência? É a média de todas as remunerações declaradas à Segurança Social pela entidade empregadora nos primeiros seis meses dos últimos oito meses (a contar do 2º mês anterior àquele em que começa o impedimento para o trabalho). x x Quanto se recebe? Situação Duração da licença Quanto recebe % da remuneração de referência 100% 80% 100% 83% 100% (qualquer que seja o período de licença) 120 dias Parental Inicial 150 dias Parental Inicial Partilhada (desde que. para além do primeiro 10 dias úteis obrigatórios Parental Inicial Exclusivo do Pai 10 dias úteis facultativos Nota: No mínimo. o direito ao subsídio parental inicial é reconhecido à mãe. nacionais ou estrangeiros. recebe €11. e sem que a mãe perca o direito ao gozo (obrigatório) de seis semanas.P. É então efectuado o seguinte cálculo: ISS. é feita a média das remunerações declaradas à Segurança Social no período anterior ao impedimento e até ao início do mês em que o mesmo ocorreu. cada um e em exclusivo.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 x A concessão do subsídio parental inicial está dependente de declaração dos beneficiários dos períodos a gozar ou gozados pelos pais. o subsídio parental inicial pode ser concedido ao pai. caso este o requeira. após o gozo das 6 semanas pela mãe. de modo exclusivo ou partilhado. e se a mãe trabalhar e não tiver requerido o referido subsídio. Pág. em média. I. Caso não seja apresentada a declaração de partilha. No caso de não ter 6 meses de descontos na Segurança Social e o direito ao subsídio ser reconhecido por terem sido considerados períodos de descontos noutros regimes obrigatórios de Segurança Social. Por exemplo.

Durante quanto tempo se recebe? O subsídio parental inicial é concedido por um período até 120. ao pai ou à mãe. D2 – Como posso receber? Transferência bancária. Subsídio Parental de um Progenitor em Caso de Impossibilidade do Outro É concedido. consoante a opção do pai. tem direito a mais 30 dias por cada gémeo. ISS. O período de 180 dias corresponde à opção de 150+30 dias do acréscimo por partilha da licença com o valor do subsídio a 83% da RR. tendo direito a um período mínimo de 30 dias. I. até ao limite do período que falta gozar da licença parental inicial. nos 120 dias a seguir ao parto. ou seja: RR = R / (30 x n) Para o cálculo também contam os subsídios de férias e de Natal declarados nesse período. em caso de incapacidade física ou psíquica ou morte do outro. ainda que o período de licença que resta seja inferior a 30 dias. além do primeiro. 150 ou 180 dias consecutivos. Pág. Gémeos Se nascerem gémeos. Nota: O período de 150 dias pode corresponder à opção de 150 dias de licença com o subsídio pago a 80% da remuneração de referência (RR) ou à opção de 120+30 dias do acréscimo por partilha da licença com o valor do subsídio a 100% da RR. Cheque.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 A remuneração de referência é igual ao total das remunerações registadas até ao início do mês em que ocorreu o evento a dividir por 30 vezes o número de meses com remunerações registadas (com descontos).P. x No caso de morte ou incapacidade física ou mental da mãe não trabalhadora. 11/15 . A partir de quando se tem direito a receber? A partir do primeiro dia de impedimento para o trabalho. o pai tem direito a gozar os dias que faltam para os 120 dias ou 150 e acréscimos por gémeos se for o caso. x No caso de morte ou incapacidade física ou mental da mãe o subsídio parental inicial a gozar pelo pai tem a duração mínima de 30 dias.

12/15 . durante a licença parental inicial. I. ISS. Quem está a receber o subsídio estiver a trabalhar enquanto o recebe. Pág.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 D3 – Quais as minhas obrigações? Tem de avisar a Segurança Social no prazo de cinco dias úteis se ocorrer algo que leve à cessação do subsídio. x O internamento do beneficiário que estiver a receber o subsídio ou o internamento da criança. havendo lugar à suspensão do subsídio pelo período em que estiver doente (só é interrompido se o beneficiário que estiver a gozar a licença comunicar o facto à segurança social e apresentar certificação médica). Quem estiver a receber o subsídio morrer (o subsídio termina no dia seguinte). O subsídio parental inicial termina definitivamente se… x x x Houver fraude. x A mãe ou o pai optar por regressar ao trabalho antes do final do período de licença a que tinha direito. pode determinar a suspensão do subsídio parental inicial durante o período do internamento (só é interrompido se a mãe ou o pai comunicarem à segurança social e mediante apresentação de certificação médica).P. D4 – Por que razões termina? O pagamento do subsídio parental inicial é interrompido se… O subsídio parental inicial termina definitivamente quando… O pagamento do subsídio parental inicial é interrompido se… x O beneficiário que estiver a gozar a licença parental inicial pode suspendê-la se adoecer.

Nado-morto Criança que nasce sem vida. publicado no DR 2. de 30 de Abril Aprova os novos modelos de requerimento. º 1514/2008.ª Série. Prazo de garantia É o tempo durante o qual o beneficiário tem de ter trabalhado e descontado para a Segurança Social para ter direito a um dado benefício. de 29 de Dezembro Cria o Indexante dos Apoios Sociais (IAS). E1 – Legislação Aplicável Decreto-Lei n. não podendo haver um período de interrupção de descontos superior a 6 ISS. Despacho n. Lei n.º 8847/2001 2ª série. I. Portaria n. de 27 de Abril Exclui os meses em que há lacuna contributiva por formação profissional durante a concessão das prestações de desemprego. para efeitos de prazo de garantia e cálculo da remuneração de referência. 13/15 .º 53-B/2006. só tem direito ao subsídio parental inicial quem trabalhou e descontou durante seis meses (seguidos ou não.P. Neste caso.º 458/2009. Portaria n. de 24 de Dezembro Fixa o valor do Indexante dos Apoios Sociais (IAS). E2 – Glossário Pessoas equiparadas a residentes São considerados equiparados a residentes: Refugiado e apátrida portador de título de protecção temporária válido. de 9 de Abril Estabelece o regime jurídico de protecção social na parentalidade.º 91/2009. Estrangeiro portador de título válido de autorização de residência ou de prorrogação de permanência Nascituro Feto. a criança que vai nascer. regula a sua actualização bem como a das pensões e outras prestações sociais do sistema de segurança social. Pág.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 E – Outra Informação.

desde que tenha trabalhado e descontado pelo menos um dia nesse mesmo mês. Para este valor também contam os subsídios de férias e de Natal declarados nesse período. um período de 30 dias seguidos ou dois períodos de 15 dias seguidos. Para este prazo. excepto o período de Licença Exclusiva da Mãe (6 semanas). Pág. 14/15 . durante os meses de Março a Agosto. conta.Quando entram em vigor as novas regras? As novas regras entram em vigor em 1 de Maio de 2009. Com as novas regras. se for necessário.Como deve ser gozada a Licença Parental Inicial para que haja direito ao aumento de 30 dias à licença parental inicial de 120 ou 150 dias? O pai e a mãe devem gozar. Remuneração de referência É o valor que é usado para calcular o valor do subsídio. desde que a mãe seja trabalhadora. Perguntas Frequentes 1 . Neste caso.P.Se estiver a gozar licença de maternidade. Mas.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 meses) para a Segurança Social ou outro sistema de protecção social que lhe assegura um subsídio nestes casos. Por exemplo. 2 . em média. conta o que foi declarado pela entidade empregadora. o mês em que o ocorre o impedimento para o trabalho. I. cada um e em exclusivo. a mãe pode gozar apenas as 6 semanas de Licença Parental Inicial Exclusiva da Mãe e o pai o restante período da licença parental inicial? Sim. é a média de todas as remunerações declaradas à Segurança social pela entidade empregadora nos primeiros seis meses dos últimos oito meses (a contar do 2º mês anterior àquele em que começa o impedimento para o trabalho). neste caso. o pai pode gozar toda a licença. não há partilha de Licença Parental Inicial.Caso os pais queiram. 4 . paternidade ou adopção posso optar pelas novas licenças e subsídios? ISS. depois de a mãe ter gozado a Licença Parental Exclusiva da Mãe de 6 semanas a seguir ao parto. se entrar de licença em Novembro. não havendo lugar ao acréscimo de 30 dias. 3 .

mas dentro do período em que há direito ao subsídio.Se o beneficiário for trabalhador independente e a situação contributiva não estiver regularizada e se entretanto a regularizar. I. quais os períodos que vai gozar. A mudança para as novas regras não se aplica ao Subsídio Parental Inicial Exclusivo do Pai. Pág.Guia Prático – Subsídio Parental Nota: Em vigor a partir de 1 de Maio de 2009 A nova legislação prevê que os trabalhadores a quem estão a ser atribuídos subsídios de maternidade. através do formulário – RP 5049. 5. Caso regularize a situação fora do prazo. se regularizar a situação contributiva nos 3 meses seguintes ao mês em que tenha ocorrido a suspensão. Se fizer essa opção deverá comunicar à Segurança Social. que apenas poderá ser atribuído por nascimentos ocorridos a partir de 1 de Maio de 2009. no prazo de 30 dias.P. volta a receber a partir do dia seguinte àquele em que regularize a situação contributiva. 15/15 . o beneficiário volta ter direito ao subsídio desde a data em que este foi suspenso. Se a situação contributiva não for regularizada no referido prazo. Porém. o beneficiário perde o direito às prestações suspensas. paternidade ou adopção podem optar pelas novas regras. continua a não ter direito ao subsídio? A situação contributiva irregular determina a suspensão do pagamento do subsídio a partir da data em que o mesmo é devido. ISS.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful