P. 1
As organizações vistas como Organismos

As organizações vistas como Organismos

|Views: 902|Likes:
Publicado pordenilsonmata

More info:

Published by: denilsonmata on Sep 13, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/07/2013

pdf

text

original

Resenha do Capítulo 3 do livro “Imagens da Organização” Aluno: Denilson da Mata Daher Professores: Mozar José de Brito e Fernando Guilherme

Tenório

As Organizações vistas como Organismos Ao comparar as organizações com organismos, há um contraste ao pensamento mecanicista, o qual o foco era na estrutura e na eficiência. Agora, a atenção é dada a sobrevivência, relações organização ambiente e eficácia organizacional. O capítulo intitulado: “A Natureza entra em Cena: As Organizações vistas como Organismos” integrante do livro “Imagens da Organização” (São Paulo: Atlas, 1996) de autoria de Gareth Morgan, trata a biologia como fonte de idéias para refletir sobre as organizações, devido principalmente aos problemas levantados pela visão mecanicista. “(...) As organizações são concebidas como sistemas vivos, que existem em um ambiente mais amplo do qual dependem em termos da satisfação das suas várias necessidades.” A partir dos estudos de Elton Mayo na fábrica de Hawthorne de Western Eletric Company em Chicago, percebeu-se que as atividades de trabalho são tanto influenciadas pela natureza dos seres humanos como pelo planejamento formal, logo se deve prestar muita atenção ao elemento humano na organização. A partir da experiência em Hawthorne, uma nova teoria da organização começou a emergir, apoiada na idéia de que indivíduos e grupos, da mesma forma como os organismos biológicos, atuam mais eficazmente somente quando as suas necessidades são satisfeitas. Abraham Maslow, apresentou o ser humano como um organismo que busca satisfazer suas necessidades, procurando o crescimento e desenvolvimento. Ao contrário das teorias de administração científica e clássica, nas quais a orientação era excessivamente estreita e autoritária, essa nova proposta dá ao funcionário mais autonomia, tornando-o mais participativo, dentro de uma organização mais democrática. Acreditavam que fazendo os funcionários se sentirem mais úteis e importantes, faria com que eles se envolvessem mais com o trabalho. A preocupação com os aspectos técnicos e humanos da organização reflete-se agora na visão de que as organizações são mais bem compreendidas como "sistemas sóciotécnicos". O enfoque de sistemas fundamenta-se no princípio de que as organizações, como os organismos, estão "abertos" ao seu meio ambiente e devem atingir uma relação apropriada com este ambiente caso queiram sobreviver. Os teóricos da administração clássica trataram a

Para se obter a saúde organizacional e desenvolvimento “a tarefa de empreender mudanças e desenvolvimento organizacional bem-sucedidos. a tecnologia da empresa e o ambiente. Muitas "adhocracias” utilizam a “organização matricial” para tipos de organização que possuam alto grau de variação. bem como o ajustamento com o ambiente. Henry Mintzberg. todavia. da ação e da falta de ação de tal forma que a incongruência e o conflito sejam freqüentemente a regra”. Nas organizações. Outro ponto relevante é que diferentes enfoques em administração devem ser necessários para desempenhar diferentes atividades. A estrutura simples e a "adhocracia" trabalham melhor em ambientes instáveis. O objetivo é mostrar que a organização eficaz depende do desenvolvimento de um conjunto coeso de relações entre o planejamento da estrutura. A adhocracia freqüentemente envolve equipes de projeto que se formam para desempenhar uma atividade. A máquina burocrática e a forma departamentalizada tendem a ser ineficazes. depende do fato de harmonizar melhor as diferentes dimensões em jogo de tal forma que a organização possa ir ao encontro dos desafios e oportunidades colocados pelo ambiente. o grau de harmonia interna. desaparecendo quando esta termina. Na natureza.organização como um sistema “fechado” e se preocuparam com os princípios do planejamento interno. a idade. A burocracia profissional modifica os princípios do controle centralizado para permitir maior autonomia ao pessoal. O enfoque contigencial aborda que as organizações necessitam de equilibrar necessidades internas e se adaptar ao meio ambiente. sendo apropriada para lidar com condições relativamente estáveis em que as tarefas sejam relativamente complicadas. Já a "adhocracia" são por definição temporárias. são produtos da decisão humana. identifica cinco configurações ou tipos de organizações. descobrese que os organismos são dotados de um padrão harmonioso de relações internas e externas como um resultado da evolução. Alerta que a forma adequada de administrar depende do tipo de tarefa ou do ambiente que está lidando. exceto sob condições nas quais as tarefas e o ambiente sejam simples e estáveis. embora funcionando de forma altamente centralizada na figura do presidente. Na estrutura simples a organização é muito informal e flexível e. Típica de empresas jovens e inovadoras de sucesso. é ideal para se atingirem mudanças e manobras rápidas. . o tamanho. freqüentemente. e seus membros se reagrupando em outras equipes dedicadas a outros projetos. são altamente adequadas para ambientes turbulentos.

Ambas as visões da população-ecologia e contingencial concebem as organizações como existindo num estado de tensão ou de luta com os seus ambientes. onde há uma contínua troca e aprendizagem com o seu ambiente. no. O que se percebe no capítulo. p.41-65. Ilona. Rio de Janeiro. 2007 . Novas Formas de Organização do Trabalho e Autonomia no Trabalho. VELOSO. é que as organizações passaram a ser tratadas como “sistema abertos”.52. para sobreviver. uma vez que ignorou que os recursos podem ser abundantes ou auto-renováveis e que as organizações podem colaborar uma com as outras. como organismos da natureza. As organizações e os seus ambientes estão engajados em um padrão de criação mútua. . Sociologia. da sua habilidade para adquirir adequado suprimento de recursos necessários ao sustento da existência. Leonardo.As organizações. TEXTOS RECOMENDADOS: KOVACS. dependem. é necessário reforçar que as organizações são produtos de visões e idéias. TREVISAN. Pública. ISSN 0873-6529. n. Gestão de competitividade e políticas públicas de formação de mão-deobra: o caso Centro Paula Souza. em que cada um produz o outro. 2006. Elza. Rev. v. somente os mais adaptados sobrevivem. Porém estes (populações e ambientes) são elementos de um ecossistema complexo. contudo tendeu a ser parcial. uma vez que comumente exista escassez de recursos. A seleção natural pode ser entendida como o esforço que tais organizações enfrentam e a competição com outras organizações e. Por outro lado. Este enfoque foi criado para neutralizar as distorções criadas pela teoria contingencial. 5. enxergando neles um colaborador. nas várias teorias apresentadas. 41. alguém que pode auxiliar os gestores na administração. Oct. Outro ponto que merece destaque é que as organizações passaram a observar os funcionários com outro ângulo. logo suas configurações e estruturas são muito menos resistentes e seguras do que a estrutura material de um organismo. Adm.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->