P. 1
Planos de Aula Professor A Claudete

Planos de Aula Professor A Claudete

|Views: 9.261|Likes:

More info:

Published by: Claudete Meus de Freitas on Sep 17, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/14/2013

pdf

text

original

PLANO DE AULA Nº.

01 1 Identificação: Escola: Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série: 2ª Turma: Data: Duração: 2 horas-aula

Turno:

2 Conteúdo/ Atividade: Técnica de apresentação: A teia da amizade. 3 Objetivos : Participar de técnica de apresentação, desenvolvendo a expressão oral e fortalecendo laços de amizade entre a turma. 4 Metodologia 4.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Apresentação das estagiárias e dos objetivos do Estágio. 2º momento: Técnica de Apresentação A teia da Amizade. 3º momento: Leitura da Mensagem - Existem vários tipos de amigos... Elaboração de texto criando novos tipos de amigos a partir da mensagem lida. 4.2 Recursos Didáticos: Um novelo de lã, folhas fotocopiadas, marcadores de quadro branco. 5. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. 6. Fontes Bibliográficas: http://www.inforum.insite.com.br www.Coelhodacartola.glogspot.com 7. Observações:

Técnica de Apresentação
A teia da amizade Participantes: 42 pessoas. Dispor os participantes em círculo. A professora irá tomar nas mãos um novelo de lã. Em seguida irá prender a ponta do em um dos dedos de sua mão. Pedir para os alunos prestarem atenção na apresentação que a professora fará de si mesma. Assim, logo após se apresentar brevemente, dizendo quem é de onde vem, o que faz etc., joga o novelo para uma das pessoas a sua frente. Esta pessoa apanha o novelo e, após enrolar a linha em um dos dedos, irá repetir o que lembra sobre a pessoa que terminou de se apresentar e que lhe atirou o novelo. Após fazê-lo, essa segunda pessoa irá se apresentar, dizendo quem é de onde vem, o que faz etc. Assim se dará, sucessivamente, até que todos do grupo digam seus dados pessoais e se conheçam. Como cada um atirou o novelo adiante, no final haverá no interior do círculo uma verdadeira teia de fios que os une aos outros. Pedir para os alunos dizerem: O que observaram; O que sentem; O que significa a teia; O que aconteceria se um deles soltasse seu fio etc. Mensagem: Todos somos importantes na imensa teia que é a vida; ninguém pode ocupar o seu lugar.

Existem vários tipos de amigos...
AMIGO ÍMÃ carrega você para todos os passeios... AMIGO IRMÃO Muitas vezes você acha que ele é até melhor que seu próprio irmão... AMIGO PARCEIRO Sempre pronto para o que der e vier AMIGO "VIAGEM NA MAIONESE" Embarca junto com você em seus sonhos mais mirabolantes AMIGO BARULHO Quando sai, deixa um silêncio incrível... AMIGO BANQUEIRO Sempre ajuda você na$ hora$ mai$ difícei$. AMIGO POPULAR Você tem que entrar na lista de espera para falar com ele AMIGO PROTETOR Defende você em situações difíceis AMIGO ESOTÉRICO acredita que existe 'uma razão' para tudo AMIGO OTIMISTA Esse tem a solução para tudo AMIGO CONSELHEIRO Vive lhe dando conselhos, mesmo que você não peça AMIGO ANTIGO Para ser preservado AMIGO NOVO Para ser conquistado AMIGO SÁBIO sabe quando falar e quando calar AMIGO EXPERIENTE Sempre sabe como fazer as coisas AMIGO ANUAL Você encontra uma vez por ano, e nota que o tempo não acabou com o sentimento de amizade...

Reconheceu seus amigos em algum dos tipos? 1E você, dos amigos listados no texto, que tipo de amigo é? _______________________

_______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 2- Dentre os amigos listados no texto, qual deles gostaria de ter? Explique? E qual não gostaria? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 3- Para você, qual é o valor da amizade e que importância ela ocupa em sua vida? É importante termos amigos? Por quê? __________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4 – Agora faça você o mesmo que o autor, criando no mínimo quatro novos tipos de amigos assim como foi feito no texto.
AMIGO......................................................................................................................................... AMIGO.......................................................................................................................................... AMIGO......................................................................................................................................... AMIGO.........................................................................................................................................

5- Produção textual: Relate em no mínimo em quinze linhas, como foi esta primeira aula. Como se desenvolveu a aula, se você faria algo diferente, que tipo de atividades gosta de trabalhar, dentro da disciplina de língua portuguesa, qual a disciplina que mais gosta e sugestões de trabalho. _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________

Sujeito e Predicado. OLIVEIRA. 2004 – Coleção novo tempo – livro de 7ª série.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. identificando suas ideias principais e reconhecendo o sujeito e predicado das frases. Tânia Amaral. BERTOLIN. Fontes Bibliográficas: SILVA. 4. quadro branco e pincel atômico para quadro. 3º momento: Reflexão sobre o uso da língua através da realização de exercícios. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes.aula 2 Conteúdo/ Atividade: Leitura e interpretação. 2º momento: Leitura e interpretação do texto Adolescência. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. 02 1 Identificação: Escola: Professor: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série: 2ª Turma: Data: Duração: 2 horas . 5. Tecendo textos: ensino de língua portuguesa através de projetos.PLANO DE AULA Nº. Antônio de Siqueira e. 7. 3 Objetivos : Ler e compreender o texto.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de folhas fotocopiadas. Rafael. 4. 6. um passo para a vida adulta. São Paulo: IBEP. Observações: Turno: . Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos.

Na verdade. Algumas substâncias químicas passam a ser produzidas em quantidades maiores: são os hormônios. apesar da influencia da sociedade. A maneira de encarar o sexo vai mudando. O comportamento de cada um resulta do relacionamento que se tem com a família. a convivência familiar é mais difícil. autoconfiança. Como não vivemos isolados. o que gosta de dar conselhos. Ele mesmo hesita em pedir ajuda. Ao mesmo tempo. Mas elas existem e é importante aceitálas. hoje já podem ser discutidos em casa. que alteram também o humor. mas parece que ninguém confia em suas decisões. que recebe o nome de cultura. Às vezes. o que adora chamar a atenção: há sempre o engraçadinho. muito do que pensamos e fazemos é influenciado pelos padrões de comportamento. mas ainda não está preparado para enfrentar os desafios dessa nova vida. Está ansioso por construir um mundo melhor e contesta tudo o que está à sua volta.. o jovem tem ideias próprias. uma série de mudanças está acontecendo em seu corpo. com novas formas de pensar e agir. Mas isso não quer dizer que os conflitos deixaram de existir. tudo parece conspirar contra o jovem. o estudioso. aos alunos da escola. Nesse importante passo para a vida adulta. pelo conjunto dos valores espirituais e materiais de uma sociedade. tolerância. Não é mais criança. ora como “gente grande”. Tem aquele que é tímido. na escola e entre amigos. parece que nunca houve nem vai haver período melhor na vida. A adolescência representa um momento de crise. pelas crenças. porque. enfim. Nem sempre é fácil conviver com essas diferenças. da educação que recebe. vai se transformando com as inovações tecnológicas. do ambiente e das condições econômicas em que se vive da religião. essas influências não atingem um único indivíduo: elas se estendem à família. o sono. . enfim. Ela muda com o tempo. Muitos assuntos que eram proibidos. à sociedade. vai descobrir que cada um é de um jeito. por se achar maduro e experiente. o distraído. Ora é tratado como criança. à turma de amigos. Fernando Gewindsznajder. O jovem já tem “cara” de adulto. UM PASSO PARA A VIDA ADULTA Se você analisar a sua turma.ADOLESCÊNCIA. de tudo o que compõe a história de vida de cada pessoa. Em outros momentos. E cada sociedade tem a sua..

quem foi o agente da ação. 2.Função de indicar que ação foi praticada e em que circunstâncias. 3. ou seja. de acordo com a sua função. d) Somos influenciados pelos padrões de comportamentos sociais. ____________________________________________________________________________ Agora pense e responda: a) Que ação foi relatada? ______________________________________________________ __________________________________________________________________________ b) Quem é o agente dessa ação. ou seja. b) “Às vezes. o distraído. Organize as palavras de forma a dar sentido ao pensamento expresso.. REFLEXÃO SOBRE O USO DA LÍNGUA: Observe o trecho a seguir: “Na idade brigarem de os sentimentos sua dentro de comum é muito você. a convivência familiar é mais difícil”.PRÁTICA DE LEITURA 1. 1. o estudioso. Leia para seus colegas um trecho do texto que mais lhe chamou a sua atenção e faça um comentário sobre ele. quem a praticou? ___________________________ ___________________________________________________________________________ 3. No texto é empregado o pronome de tratamento “você” para se referir ao leitor. a) “A adolescência representa um momento de crise”. Explique qual é a intenção do autor ao utilizá-lo..”. . tudo parece conspirar contra o jovem”. . c) “Nesse importante passo para a vida adulta. Copie em seu caderno as frases abaixo. Onde costuma ser publicado esse tipo de texto? Como você chegou a esta conclusão? 4.” (Marta Suplicy). . e) “Há sempre o engraçadinho. Faz algum sentido o que foi escrito anteriormente? Por quê? ________________________ ____________________________________________________________________________ 2. separando as palavras em duas colunas. Qual a intenção de quem escreveu o texto? Comente.Função de indicar quem praticou a ação.

* fugiriam deles. ou seja. Para isso. se os * conhecessem os perigos. Mas * é o mesmo que tentar dissuadir o alpinista do seu sonho de escalar o Himalaia por causa dos perigos das montanhas. um pensamento. O mesmo acontece se você deseja saber como uma casa foi construída. que critérios foram usados para a divisão dos cômodos. Da mesma forma. as vigas. ou tentar convencer o Amyr Klynk a cancelar sua viagem ao pólo sul por causa dos perigos dos mares. Concluindo: . “Os programas que buscam alertar os adolescentes sobre os perigos das drogas estão fadados ao fracasso. terá ideia de como se constrói uma casa e. quem sabe. Aquilo ou aquele de quem dizemos algo ou que pratica uma ação chamamos de sujeito. eles. um conjunto de palavras que se organiza em torno de um verbo. preenchendo as lacunas com uma ou mais palavras que possuem exercer a função de sujeito dessas orações. o que você pode concluir a respeito dos blocos de palavras organizados em seu caderno? VAMOS PRATICAR? Reescreva o texto a seguir em seu caderno. até construir uma delas. É o perigo que dá emoção. * empreendem suas aventuras suas aventuras exatamente para desafiar o perigo. Essas frases se entrelaçam para formar um texto. etc.Depois dessa explicação complementar. isso. * são elaborados sobre o pressuposto de que. você precisa analisar as diversas maneiras de combinar maneiras de combinar as palavras em um enunciado e perceber as funções que elas exercem. alpinistas e navegadores. para conhecer os mecanismos de funcionamento da língua. expressões que comunicam uma idéia.”1 Rubem Alves 1 Respostas: Seguindo a ordem de preenchimento: Eles. Só assim. “um tecido” feito de palavras. em dois grandes blocos: bloco do sujeito e bloco do predicado. adolescentes. ou seja. . O que dizemos é o predicado. você precisa saber como foram armados os blocos de tijolos. construímos frases e orações. ou seja. Podemos dividir uma oração. Mas como é feito esse entrelaçamento? Para responder a essa questão.VOCÊ SABIA? Como é chamado o agente da ação? Como chamamos a parte da frase que indica que ação foi praticada? Ao falar ou escrever. você precisa analisar a estrutura da língua.

6. muita sorte. Agora não dependerá mais de sorte. ou seja.Por que é importante reconhecer o sujeito e o predicado das orações? . Avaliando a aprendizagem . 2. apenas do empenho da equipe. no entanto. 3. ou seja. também de forma individual. Cada um. Os recortes serão colocados em outro saquinho. no entanto. aquilo que se disse de um sujeito sem indicar. individualmente. Todos deverão ler a frase que foi composta pela união do sujeito ou do predicado Será campeã a equipe que conseguir o maior número de frases. tenham sentido completo. Escolha uma das frases construídas pela equipe. Além disso. escreverá em um pedaço de papel uma oração com sujeito Cada um dos membros do grupo A recortará o nome da pessoa. Segunda partida A equipe perdedora na etapa anterior ainda tem uma chance de se recuperar. Façam as apostas!!! Primeira partida: Etapas: 1. de quem ou de que se esta falando. mas recortará o e predicado sobre qualquer tema. de quem ou de que se disse de um sujeito sem indicar. Distribuir os alunos em dois grupos. empregado (a) como sujeito de sua oração e o coloca em um saquinho reservado para isso. Etapas: 1.HORA DO JOGO Neste jogo será campeão aquele que conseguiu separar o sujeito do predicado e tiver muita. Ganhará o jogo a equipe que formar o maior número de frases. as frases precisarão obedecer às normas de concordância verbal e nominal. 5.O que aprendi com a “Hora do jogo” . 4. 2. 3. Modifique a ordem das palavras o máximo de vezes possível de modo a não alterar o sentido original. orações que recebido com o trecho da oração que cada um já possuía. predicado. animal ou coisa que foi O grupo B fará a mesma coisa.

( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos. 7. Fontes Bibliográficas: CEREJA. Termos Acessórios da Oração.PLANO DE AULA Nº. 03 1 Identificação: Escola: Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série: 2ª Turma: Data: Duração: 2 horas-aula Turno: 2 Conteúdo/ Atividade: Leitura e interpretação.-São Paulo: Atual. 4. Português Linguagens. Observações: . 3 Objetivos : Ler e compreender poema quanto ao seu modo de construção.2 Recursos Didáticos: Material fotocopiado. Thereza Cochar. 4. 5. 6. 2005. marcador de quadro branco. Adjunto Adnominal e Complemento Nominal.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Correção de exercícios da aula anterior e distribuição de folhas fotocopiadas. William Roberto e MAGALHÃES. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. 2º momento: Leitura do poema Balanço e realização de exercícios. 5ed. identificando suas ideias principais e reconhecendo o adjunto e complemento nominal. 3º momento: Correção dos exercícios.

] (Minidicionário Sacconi da língua portuguesa. ___________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 2.). Que outro sentido e que outra função sintática essas expressões podem ter? _____________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 4. oscilação. 4.A palavra balanço. receita e despesa.(o) 1.lan. Ação ou efeito de balançar (-se ).. Verificação ou resumo de contas comerciais. que formam vários pares antitéticos. Brinquedo infantil de oscilar. Uma delas é a de adjunto adnominal. Note que eles apresentam duplo sentido e. apresenta vários sentidos. 2.. Identifique alguns desses pares. de acordo com cada um dos sentidos.A construção do poema tem como base o contraste de palavras. que fusão sintática elas desempenham? ___________________________________ 3. 1. não apresenta verbos. que dá titulo ao poema. isto é. 3. Veja alguns deles: ba. respectivamente. situação em que tudo e nada são possuidores da incerteza e da certeza. as expressões de tudo e de nada desempenham funções sintáticas diferentes. Observe os versos das três primeiras estrofes. a) Que substantivos desempenham o papel de núcleo destas expressões?_________________ ___________________________________________________________________________ b) Que palavras e expressões modificam esse núcleo?________________________________ c) Logo. .ço sm. Levantamento [.Releia os versos da 4ª estrofe.O adjunto adnominal e o complemento nominal na construção do texto Leia o poema de Carlos Drummond de Andrade e responda às questões propostas: Balanço A pobreza do eu a opulência do mundo A opulência do eu a opulência do mundo A pobreza de tudo a opulência de tudo A certeza de tudo na incerteza de nada.Observe que o poema é essencialmente nominal. As imagens são sempre construídas a partir de um nome (substantivo) e de termos que o acompanham.

pois estava com problemas nas cordas da voz. Transforme-a em adjetivo. o adjunto adnominal está representado por uma locução adjetiva. conforme o exemplo: O espetáculo de dança foi suspenso até segunda ordem. a) Hoje. Introduzindo pares antitéticos novos. Tomando esse dado como uma das possibilidades de leitura do texto responda: __________________________________________________________________ a) De quais dos sentidos apontados na questão anterior o título “Balanço” se aproxima? _______________________________________________________________________________ b) Nesse “balanço”. d) Não se esqueça de catalogar os livros por faixa de idade. O espetáculo coreográfico foi suspenso até segunda ordem. à tarde. a que conclusão se chega a respeito da opulência e da pobreza do eu e do mundo? ________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 6. e) A decisão do juiz nos foi favorável. de qual desses sentidos a palavra balanço se aproxima mais? Por quê? _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 5. a ultima estrofe pode ser considerada uma espécie de síntese ou conclusão do poema.Considerando a troca de posição das palavras e a ambiguidade semântico – sintática de algumas delas. g) Na assembléia legislativa. n) As águas da chuva provocaram uma erosão. c) Não se aborreça. j) Tanto o corpo administrativo quanto o corpo dos professores e o dos alunos participarão da campanha de arrecadação de brinquedos para crianças carentes. Nas frases a seguir. . o) O brilho das estrelas iluminava o caminho. f) A professora licenciou-se por um mês. i) O médico prescreveu-lhe algumas sessões de fisioterapia para suas dores nas costas. este é um partido da minoria ou da maioria. O tempo logo melhorará: são apenas chuvas de verão. m) O espetáculo de circo foi um sucesso. já que facilita a consulta. Essas músicas parecem cantos de morte. h) Novamente você teve um comportamento de criança. b) Desligue esse rádio. visitaremos uma exposição de selos. l) O sindicato dos patrões está irredutível.

Observações: Turno: Manhã . 3 Objetivos : Conhecer o histórico de leitura dos alunos através de perguntas e respostas e de produção textual. 6. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos.br – PROGRAMA GESTÃO DA APRENDIZAGEM ESCOLAR . 4.Leitura e Processos de Escrita II – AAA6 7. 04 1 Identificação: Escola: Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série: 2ª Turma: 204 Data: 03/11/09 Duração: 2 horas aula 2 Conteúdo/ Atividade: Memórias Literárias. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos.PLANO DE AULA Nº.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de material fotocopiado. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes. marcador de quadro branco. formação de duplas para trabalho. Fontes Bibliográficas: http:// www. 5.mec.gov. 4. 2º momento: Explicação de como deverá transcorrer a atividade.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. 3º momento: Elaboração do Mural de Histórias de Leitura. papel pardo.

de suas vontades como leitor e dos livros que gostaria de ver ou ler. das histórias que escutou. conte você mesmo um “causo” e divulgue entre os colegas. para realizá-la. por isso um livro pode ser lido por duas pessoas que tenham impressões e opiniões muito diferentes da história ao final da leitura.O QUE LEMOS? Durante a sua vida escolar. a) Conte. Cada aluno deverá fazer uma das perguntas ao colega. Você já leu alguma história que tenha conseguido despertar o seu interesse? 4. relacionadas às suas histórias de leitura. uma história pessoal com os livros. Em duplas. você deve ter experimentado momentos especiais com a leitura de algum livro de literatura ou de uma simples história. Você já quis ler uma história até o final? Por quê? 5. você e sua turma poderão pensar juntos sobre leitura e fazer diferentes reflexões sobre o tema. a conversa é com toda a turma. Em um bate-papo compartilhado. este deverá relembrar e responder às questões. Agora. c) Indique um livro ou uma história para um amigo da sala ler e gostar. Você conhece alguma história de literatura.” que você lembra ter escutado na vida? 3. escrita especialmente para jovens? Qual? 2. as emoções e as aventuras de cada texto. você e os seus colegas responderão às perguntas a seguir. a cada experiência de leitura. e mesmo fora da escola. 1. qual tipo de história gostaria de ler agora? .. b) Fale um pouco dos livros que conheceu. com breves palavras. os autores. d) Se você não lembra de algum livro. Qual é a primeira história de “Era uma vez. o mundo das histórias. Algum dia você já parou para pensar sobre as suas experiências com as histórias contadas nos livros? A atividade a seguir é um exercício de memória e. Ao ler. como foi o seu encontro com a literatura. Está aí a magia de ser leitor e de poder construir. Se você pudesse escolher um livro.. é preciso mergulhar nas lembranças pessoais. Alguém já contou histórias para você? Quem? Onde? Quando? Por quê? 6. vivemos emoções muito particulares.

Atenção! Aproveite a sua leitura para dar dicas ao colega de como tornar a sua produção ainda melhor. Depois da leitura. _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ . leia o texto que você produziu e observe se não falta alguma informação.Produção de Texto Chegou a sua vez de escrever. a grafia das palavras e o emprego da pontuação necessária ao texto. em uma produção escrita. a sua história de leitura e a experiência de falar sobre esse assunto na escola. procure um colega que possa ilustrar o seu texto ou faça isso você mesmo. Após a escrita. observe a organização da escrita. troque de texto com o seu colega da dupla e faça a mesma leitura atenta do texto do colega. Antes de organizar em sua sala um Mural de Histórias de Leitura. as palavras utilizadas. Dê os acabamentos finais e divulgue a sua produção a todos da sala. Conte.

6. 2005. Alet Aprendendo a ler e escrever textos.PLANO DE AULA Nº. Maria. marcador de quadro branco. 5 ed. Avaliação: ( ) O objetivo foram plenamente atingidos. Curitiba: Positivo. 3º momento: Realização e correção oral dos exercícios.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. Observações: . Fontes Bibliográficas: FERNANDES.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de folhas fotocopiadas. ( ) O objetivo foram atingidos em partes. 7. 2º momento: Interpretação do texto Histórias da propaganda e explicação do conteúdo. 5. ( ) O objetivo não foram atingidos. 4. 3 Objetivos : Reconhecer os Termos Acessórios da Oração diferenciar através do significado das palavras Essencial e Acessório para melhor entendimento do conteúdo estudado 4. 05 1 Identificação: Escola: Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série: 2ª Turma: Data: Duração: 2 horas .aula Turno: 2 Conteúdo/ Atividade: Sintaxe período simples (Acessórios da oração).

Qual é o objeto direto? Reescreva o período usando o verbo na voz passiva.com. Mas confessa: “Só entrei aqui porque furou o pneu do meu carro na sua porta. f) Na frase “. É um verbo transitivo direto e indireto.. Era uma manhã ensolarada de abril de 1971 e o jovem vestido na moda típica da época.) conquistou a vaga de estágio e começou assim uma história de sucesso que poucos desconhecem.. no bairro paulista de Higienópolis. um rapaz de jardineira (sem camisa por baixo).. porque meu pneu não costuma furar duas vezes no mesmo lugar. estudante de Comunicações – conquistou a vaga de estágio e começou assim uma história de sucesso que poucos desconhecem.” Washington Olivetto – este era o nome do visitante furão e autoconfiante. no bairro paulista de Higienópolis. cabelos desgrenhados. Faça as alterações necessárias... 2005. Na voz passiva a oração ficaria assim: “Um Karmann –Ghia vermelho é estacionado na Rua Itaimbé.) a) O texto poderia ter a seguinte manchete: “Conquista estágio e constrói uma história de sucesso”. Logo pensa em telefonar para alguém que o socorra. percebe o pneu furado que a confessa incompetência para atividades manuais não lhe permite trocar.] (LANIUS. estaciona um KarmannGhia vermelho na Rua Itaimbé.. sem pestanejar diante de um dos sócios da diminuta agência. [... onde uma placa indica HGP Publicidade. d) Como você classifica o verbo “telefona”? Qual o seu complemento? É um verbo transitivo indireto. O objeto direto é “uma conversa” e o objeto indireto é “á recepcionista”. c) Qual oração apresenta sujeito inexistente (oração sem sujeito)? Era uma manhã ensolarada de abril de 1971. Acho melhor o senhor me dar este emprego.este era o nome do estudante furão e autoconfiante.. b) O verbo “estaciona” é transitivo direto. Solicita a recepcionista uma conversa com o proprietário e. mas muda de ideia ao entrar em uma casinha fronteiriça. História da propaganda. Qual é a frase que apresenta o mesmo significado desta manchete? Trata-se da frase Washington Olivetto (.. . Eduardo. mas mantendo o significado.”. cabelos desgrenhados. tufos de barbas no rosto e calçando tamancos holandeses”. pede trabalho. O objeto direto é “Karmann –Ghia vermelho”.uol. qual é o verbo de ligação? Qual o sujeito? Qual o predicativo do sujeito? O verbo de ligação é “era” (Washington Olivetto) e o predicativo do sujeito é “o nome do estudante furão e autoconfiante”. por um rapaz de jardineira (sem camisa por baixo). Disponível em: http://jcrs. tufos de barbas no rosto e calçando tamancos holandeses.br Acesso em 06 abr. e) Qual o sujeito do verbo “solicita”? Que tipo de verbo é? Quais os seus complementos? O sujeito é “ele” (oculto). O objeto direto é “para alguém”.Leia o texto a seguir: Histórias da propaganda Com menos de vinte anos de idade.

etc. acrescentando: (respostas pessoais). Reescreva a frase. brincos. porta etc. televisor 29’. cambio. etc. d) numa casa? Essencial: fogão. adicional. pia. fundamental. calça. complemento. etc. vidro escuro. 2. geladeira. calça etc. Acessórios: lenço. bancos. cinto. Acessórios: cinto. a) Características do menino e dos amigos: b) Dia. responda: O que é essencial e o que é acessório: a) num carro?Essencial: motor. ar-condicionado. época: c) Lugares: d) Companhia: e) Tipo de veículo: 3. guarda roupa. b) no vestuário masculino? Essencial: camisa. Observe as definições: Essencial – absolutamente necessário. Escreva uma breve explicação para o nome. Acessórios: rádio. gravata. Exemplos: Edson Arantes do Nascimento – o mais conhecido jogador de futebol Rio de Janeiro: cidade maravilhosa Picasso Chaplin Legião Urbana Paralamas do Sucesso Fernanda Montenegro Joaquim José da Silva Xavier - Paris São Paulo: Fortaleza Manaus Austrália Oriente Médio - . Acessórios:microondas s. c) no vestuário feminino? Essencial: blusa. hora. DVD. saia etc. prendedor de gravata. Acessório – secundário. lenço etc. Leia a frase abaixo: O menino e os amigos foram passear. freezer. Agora.Acessórios da oração REFLEXÃO 1. Abaixo você tem um quadro com nomes de personalidades e lugares conhecidos pela maioria das pessoas. o mais importante. bolsas. etc.

no meio do Pacífico. numerais. Deixe somente a informação principal. Exemplo: Ontem. Adjunto adverbial é o termo – palavra ou grupo de palavras – que modifica verbo. mas são importantes por apresentarem informais que caracterizam ou determinam os outros termos. . Adjunto adnominal é a palavra ou conjunto de palavras que modifica um substantivo. Agora. Esse termos não são imprescindíveis. O adjunto adnominal pode ser: pronomes adjetivos. Pode ser um advérbio ou uma locução adverbial. *Adjunto adnominal Acompanha o substantivo. mas nunca de adjetivo ou advérbio. Pode aparecer vinculado aos núcleos de qualquer termo da oração. ontem felizmente. à caneta com a madrasta talvez Diferenças entre adjunto adnominal e complemento nominal É comum confundir adjunto adnominal (quando representado por uma locução adjetiva) com complemento nominal. nunca. ele precisou buscar o livro. Você refletiu sobre os termos acessórios da oração. Exemplo: Meus professores encontraram uma boa solução para ajudar a resolver o problema da higiene escolar: dois alunos de cada classe vão preparar uma campanha. artigos e adjetivos. responda: Qual a importância dos acessórios para o texto? O aluno deve perceber que os acessórios são importantes. pois caracterizam ou determinam os termos essenciais. A ilha de Páscoa foi berço de uma cultura refinada e misteriosa. A ilha de Páscoa. com tristeza na estrada. Circunstâncias de tempo de modo de lugar de negação de afirmação de intensidade de instrumento de companhia de dúvida Exemplos no ano passado. a quase 4 mil quilômetros do continente. pequena e inóspita. com certeza muito. apresentando características e especificando-o. exprimindo circunstancias. Mas há necessidade de se observar o seguinte: *Complemento nominal Complementa o sentido de um nome (substantivo ou adjetivo) com o auxílio de preposição. Reescreva o texto abaixo. foi o berço de uma cultura refinada e misteriosa. (locução adjetiva) acompanha ou especifica o sentido de um substantivo. fazendo alguns cartazes para serem colocados em todos os ambientes da escola. lá não. adjetivo ou advérbio. de jeito nenhum sim. pois ambos apresentam preposição. mais ou menos a lápis. retirando os termos acessórios. locuções adjetivas.4. procurando caracterizálo ou determiná-lo.

Universidade da nossa gente.UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Fruto da nossa terra. Observações: . Fontes Bibliográficas: FERNANDES. Conteúdo/ Atividade: Sintaxe período simples ( Acessórios da Oração) 3. 5 ed.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. 06 1. 2005. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos 6. Curitiba: Positivo. 2º momento: Interpretação dos textos A lixeira e Guerra fedorenta e explicação do conteúdo. Identificação: Escola: Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série: 2ª Turma: Data: Duração: 2 horas .aula Turno: 2. 3º momento: Realização e correção oral dos exercícios. marcador de quadro branco.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de folhas fotocopiadas. 4. 7. Objetivos : 4. PLANO DE AULA Nº. Alet Aprendendo a ler e escrever textos. 5. Maria.

aproximou-se e ajudou-a a levantar-se. o verbo é transitivo indireto e significa presenciar.” Bin Laden que se cuide. (LADEIRA. espreguiça. ficam olhando. • Dos verbos sublinhados. as duas assistiram às cenas deprimentes e dolorosas do pronto-socorro. • O verbo “assistir” aparece duas vezes no texto.. O jogo de não jogar. Então a lixeira acorda. atrai.ed. acendem. Abrem o refrigerador. de noite atrapalha. vai dormir.172. 1994). não se importam.. Verdadeiro . que você fica sem conseguir pensar ou falar sem conseguir respirar – a única reação possível é correr.. de tampa fechada. assistiram às cenas. Levou-a ao hospital mais próximo e assistiu a mulher até a chegada de seus familiares. No caso de elas serem falsas. alguém aparece. já atestou a eficiência da nova arma. se copo de leite.” A psicóloga Pamela Dalton. diz George Rhynedance. Comida fica cheirando. “Essa arma nos daria grande capacidade ofensiva contra o grupo de rebeldes”. em Filadélfia.. pensa vem.”. todos os da casa vão logo para a sala ou para o quarto.. tão horrível. Os intransitivos são: descansa. As lixeiras de fora.) a) O termo “o fedor” é um objeto indireto da locução verbal “quer usar”. importam. Em “. uma das responsáveis pelas pesquisas com o cheiro. se espreguiça e pensa: “Lá vem problema”. Enquanto isso. fica (muito tempo). Toda bonita e cheirosa. b) O verbo “daria” necessita de dois complementos: objeto indireto “nos” e objeto direto “uma grande capacidade ofensiva”. Uma bomba que solta um odor assim está sendo pesquisada pelo Pentágono. As de dentro de casa sabem que comida de noite não é bom. do centro Monnell de Química dos Sentidos. “Uma vez liberamos acidentalmente o cheiro no laboratório”.] Tarde da noite ninguém fica muito tempo por ali. É um objeto direto – não apresenta preposição. Aí ela gosta. 3. que ficam no quintal. (SUPERINTERESSANTE. ficam cheirando. abrem. 2002.”.. Guerra fedorenta Imagine um cheiro tão repugnante. explique o que o correto. aparece. Leia: Quando percebeu a senhora caída no meio-fio. algumas vezes. quais são transitivos e quais são intransitivos? Qual tipo aparece mais? Os transitivos são: gosta. o verbo é transitivo direto e significa dar assistência. O tipo que aparece mais é o verbo intransitivo. O exército americano que quer usar o fedor para afastar as tropas inimigas. jan. 3. Acendem as luzes. ed. Leia o texto e verifique as afirmações abaixo são verdadeiras ou falsas. Leia os textos e observe os verbos ou as locuções verbais sublinhadas: A lixeira A lixeira da cozinha só descansa quando a turma da casa vai dormir. multidões hostis e cercar zonas militares proibidas – seria possível evacuar um prédio em minutos com a cantiga. Atrai baratas. Falso. diz. Fica limpinha.. São Paulo: Abril. Durante a noite. Qual o significado de cada um deles? Qual o significado de cada um deles? Qual deles é transitivo direto e qual é transitivo indireto? Como você chegou a essa conclusão? Em “. 2.1. atrapalha. Comida.. vão. “Pouco tempo depois o prédio estava vazio. refrigerante ou o pudim que sobrou do jantar. “E minimizaria os riscos de ferimentos entre os soldados e os inimigos.. ficam olhando o que escolher. porta – voz do Pentágono. açoda.São Paulo: Atual.. [.assistir a mulher. Estados Unidos. O aluno deve presenciar isso pelo contexto e pelo uso da crase em “ assistiram às cenas”. Julieta de Godoy.

o de aniversario. B. SINTAXE PERÍODO SIMPLES Alguns conceitos e exemplos: Conceitos FRASE Todo enunciado de sentido completo. mas comeram uma parte do bolo de aniversário. OBJETO INDIRETO INTEGRANTES COMPLEMENTO NOMINAL AGENTE DA PASSIVA Complementa o sentido de um nome (substantivo ou adjetivo) com o auxilio de preposição. Comeram do bolo de aniversário.Complementa o sentido de um verbo com auxilio de preposição.Complementa o sentido de um verbo sem auxilio de preposição. e) As seguintes frases têm o mesmo sentido: “Libertamos acidentalmente o cheiro no laboratório. O livro está na estante. Falso. Verdadeiro 5. Todos beberam do suco da fruta exótica. Ela rasgou a cortina. quando o verbo está na voz passiva. É predicativo do sujeito. . Havia outros bolos. isto é. . Qual a diferença de sentido entre as frases abaixo? A. o da fruta exótica. Verdadeiro d) O termo “vazio” é predicativo do objeto de “o prédio”. Socorro! Venha me ajudar! Pedi sua ajuda. mas você não ouviu. O professor pode informar que as orações B e D apresentam objetivo direto preposicionado (com proposição). Não tem necessidade de ajuda. Exemplos: PERÍODO É a frase organizada com uma ou varias orações. Indica o praticante da ação verbal. Pedi sua ajuda. mas beberam um pouco do de fruta exótica. OBJETO DIRETO . Ela precisa de ajuda. O livro está na estante. TERMOS DA ORAÇÃO: SUJEITO ESSENCIAIS PREDICADO Contém o verbo e informa algo sobre o sujeito. havia outros tipos de suco. C.c) Os termos “de ferimentos” e “da nova arma” são complementos nominais. É o termo sobre o qual se diz algo. respectivamente. Pode ter ou não verbo. ORAÇÃO É o enunciado que se estrutura em torno de um verbo ou de uma locução verbal. Havia apenas um bolo. Todos beberam o suco da fruta exótica. de “riscos” e “eficiência”. Havia apenas um suco.” e “ O cheiro foi liberado acidentalmente no laboratório por nós”. A cortina foi rasgada por ele. isto é. Comeram o bolo de aniversário. D.

Criticaram duramente sua atitude. “ O sonhos são a atividade estética mais antiga”. trabalhadores e ativista de vários movimentos pela paz participaram dos protestos. O trem passou mais cedo hoje.ADJUNTO ADNOMINAL ADJUNTO ADVERBIAL Acompanha o substantivo. INDETERMINADO TIPOS DE PREDICADO VERBAL NOMINAL VERBO NOMINAL O núcleo é um verbo transitivo ou intransitivo O núcleo é um NOME (substantivo ou adjetivo) Possui dois núcleos: um verbo e um nome. esclarece. É o termo que explica. O cachorro morreu. Possui mais de um núcleo. O dia está chuvoso. “Nenhum dos vencedores acredita em sorte” Distribuiu dinheiro aos amigos. escreveu Iracema. (Eisenhower) Os homens partiram tristes. Exige um complemento sem preposição. . O sujeito sofre a ação. Liga o sujeito ao seu predicado. . ao adjetivo ou a um advérbio. A vidraça foi quebrada pelo menino O menino machucou-se. O sujeito pratica e sofre a ação. Roubaram minha bolsa. Precisa-se de profissionais competentes. indicando uma circunstância. procurando As serras azuis estão encobertas pela nuvem. O menino quebrou a vidraça. grande romancista brasileiro. APOSTO José de Alencar. Jovens estudantes. “Os pessimistas são meros espectadores”. Exige um complemento com preposição. É sempre um advérbio ou uma locução adverbial. Discute-se muito sobre o assunto. Exige dois complementos: um sem preposição e outro com preposição. desenvolve ou resume outro termo da oração. (Jorge Luis Borges) TIPOS DE SUJEITO SIMPLES COMPOSTO Possui um só núcleo. ACESSÓRIOS Refere-se ao verbo.Estão dizendo coisas horríveis sobre você. CLASSIFICAÇÃO DOS VERBOS QUANTO À PREDICAÇÃO INTRANSITIVO TRANSITIVO DIRETO TRANSITIVO INDIRETO TRANSITIVO DIRETO E INDIRETO VERBO DE LIGAÇÃO Possui sentido completo. O mundo pertence aos otimistas. caracterizá-lo ou determiná-lo. Quando não se quer ou não se pode identificar claramente a quem o predicado da oração se refere. VOZES DO VERBO VOZ ATIVA VOZ PASSIVA VOZ REFLEXIVA O sujeito pratica a ação.

Avaliação: ( ) O objetivo foram plenamente atingidos.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: 2º momento: 3º momento: 4. ( ) O objetivo foram atingidos em partes. Observações: Turno: . Fontes Bibliográficas: 7. marcador de quadro branco.aula 2 Conteúdo/ Atividade: 3 Objetivos : 4.PLANO DE AULA Nº. ( ) O objetivo não foram atingidos. 07 1 Identificação: Escola: Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Língua Portuguesa Série: 2ª Turma: Data: Duração: 2 horas .2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. 6. 5.

Novas Palavras – Português – Literatura. www. CAMPEDELLI.gov. Observações: . FERREIRA. 2002. – São Paulo: FTD. Fontes Bibliográficas: AMARAL.UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Fruto da nossa terra. Ricardo. 2º momento: Leitura e comentários orais sobre o Simbolismo. 2005.-São Paulo: Saraiva.br 7. Turno: 4. Mauro.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. 3 ed. PLANO DE AULA Nº. 3 Objetivos : Ler e conhecer o contexto histórico do Movimento Simbolista. LEITE. Samira Yousseff.dominiopublico. 5. Universidade da nossa gente. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes. 6. 02 1 Identificação: Escola: Instituto Estadual de Educação Osvaldo Cruz Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Literatura Série: 2ª Turma: 204 Data: Duração: 1 hora .1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de material fotocopiado. 3º momento: Realização da técnica Mapa Mental. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos. renov. Emilia. Produção de Textos & Gramática – Literatura. marcador de quadro branco. ed. 4.aula 2 Conteúdo/ Atividade: Simbolismo. 2.

noites remotas Que nos azuis da Fantasia bordo. Quando lá choram na deserta rua As cordas vivas dos violões chorosos. Cruz e Sousa Ah! plangentes violões dormentes..] RELEITURA: Considerando que a repetição é o principal elemento linguístico que confere musicalidade ao texto. Qual o substantivo mais repetido no poema? Violões 2. Quando os sons dos violões vão soluçando.Violões que Choram. O primeiro verso do poema. Identifique as que aparecem na primeira estrofe. responda ao que se pede. Extraia uma imagem sinestésica presente no texto..[. justificando sua escolha. “mornos”. 3. que eu recordo. Noites de além. Noites da solidão. 1. pois funde sonoridade e tato: “Ah! Plangentes violões dormente mornos” . choros ao vento. ao longo da primeira estrofe. Quando os sons dos violões nas cordas gemem. os mais vagos contornos. “dormente”. As imagens são: “soluços ao luar”. “o”) (assonâncias) e consonantais (“t”. Tristes perfis. Vou constelando de visões ignotas. “Plangentes”. remotas. “choros ao vento”. Identifique alguns adjetivos que. Bocas murmurejantes de lamento. Anseio dos momentos mais saudosos. é sinestésico. Soluços ao luar. Esses adjetivos contribuem com o efeito de musicalidade do texto por apresentarem repetições de sons vocálicos (“e”... “s”) (aliterações). “murmure jantes de lamento”. E vão dilacerando e deliciando. dentre outros.. Ao longo do texto. há imagens poéticas que podem ser associadas ao som dos violões. 4. Rasgando as almas que nas sombras tremem.. caracterizam o referido substantivo e mostre como contribuem com o efeito de musicalidade. Sutis palpitações a luz da lua. mornos.

isto é. a pureza. o materialismo e o racionalismo e valoriza as manifestações metafísicas e espirituais. como a estrutura dos versos. Por isso. Ele quer trazê-las de uma forma mais palpável para o texto. paralelamente as tendências pré–modernistas. ressaltando as sensações que provocam no espírito humano. Esse ambiente provavelmente representou a origem da escola simbolista.1918) e com o Pré-Modernismo. das aliterações. ou o opaco. O poeta simbolista não quer somente cantar e evocar suas emoções. bem como de oposição ao Parnasianismo. a associação de impressões sensoriais distintas. A cor branca é sempre a mais presente e já sugere. A nova estética nega o cientificismo. Sua poesia. Apesar disso. Situação Histórica Inserido no momento de transição entre os séculos XIX e XX. repleta de novas palavras. a religião são valores retomados numa tentativa de encontrar novos caminhos. no entanto. O movimento surge como uma retomada de alguns ideais do Romantismo. 2 Figura que resulta da fusão numa mesma unidade de sensações percebidas por diferentes órgãos do sentido. com o emprego de novos ritmos que associem de forma harmoniosa a poesia à música. angústias. o uso da sinestesia. é amplo. para que possam ser sentidas em sua plenitude. falta de perspectivas. Sua principal característica foi à negação do Realismo e de suas manifestações. conserva algumas peculiaridades parnasianas. Naturalismo. rejeitando o fato e privilegiando o sujeito. entre outras coisas. o sonho a fé. o Simbolismo iniciou-se na última década do século XIX e avançou pelo inicio do século XX. indiciando a presença de neblina ou nuvem e tornando as imagens poéticas mais obscuras. Há também a forte ligação com as cores. correntes literárias apreciadas pela elite social. marcada por frustrações. vai mais além. o Simbolismo convive com o período que antecede a Primeira Guerra Mundial (1914. O misticismo. explorando muito o uso da sinestesia2. que se anunciava em 1902. ecos e assonâncias. . Há a constante busca de uma linguagem mais rica. e a preciosidade no vocabulário. o vasto uso do soneto.Movimento Simbolista Tanto no Brasil como em Portugal.

O objetivo desta técnica é dar maior liberdade possível à mente. por exemplo: primeiro poeta do simbolismo no Brasil. com todos os seus mistérios. mórbido e algumas vezes satânico. características mais marcantes. cuja poesia é marcada pela religiosidade e pela melancolia. O autor aborda mistérios da vida e da morte com uma linguagem rica. bem como a exaltação das forças espirituais e místicas que regem o universo. . o símbolo preserva o domínio da intuição sobre a razão. então. evidenciando um clima mais pessimista. Na literatura. é uma forte característica simbolista: a realidade é revelada de uma forma imprecisa e vaga. Não há a preocupação de nomear os objetos. Servindo como ponte entre o homem e as coisas. Exercício: Técnica do mapa mental. o Simbolismo antecipa características que seriam marcantes dentro do Modernismo. marcada pela musicalidade. à loucura e à alienação. 4º. Escreva o tema central (Simbolismo) no centro de uma folha. A poesia. Esse caminho. 5º. ganha o tom subjetivista que a aproxima muito do movimento romântico. dando voz ao fluxo da consciência e trabalhando de forma mais desarticulada a palavra e seu significado. 2º. As primeiras obras literárias são Missal e Broquéis (1863). É o culto ao sonho. o material ao irreal. seu dualismo (espírito e matéria) e seu destino frente à vida e à morte. entre o céu e a terra. O processo é o seguinte: 1º. autor de Câmara Ardente e Kiriale.Obscuridade. disposto a explorar e sentir tudo o que há entre a alma e a carne. Rompendo com a linearidade do texto. ao desconhecido. e sim evocá-los. leva ao isolamento. sugeri-los. à solidão. Desenhe diversas linhas a partir do tema e escreva em seus extremos palavras – chave. à fantasia e à imaginação. contrária ao Cientificismo. numa busca pela essência do ser humano. É o emprego do símbolo. etc. ao Positivismo e ao materialismo naturalista e parnasiano. de Cruz e Souza. Outro representante do movimento é Alphonsus de Guimaraens (1870-1921). Estabeleça as relações que quiser entre cada uma delas e faça os esquemas que achar útil. que liga o abstrato ao concreto. O poeta se entrega muitas vezes ao seu inconsciente e ao subconsciente para estar mais próximo dos segredos que ligam o homem a Deus. Gere ideias a partir de cada uma das palavras-chave relacionadas com o tema central. por vezes alucinado. o primeiro manifesto simbolista é publicado em 1891. 3º. no jornal Folha Popular. aliás. Analise as combinações geradas e avalie a coerência e concordância.

: o modelo do mapa mental será passado no quadro para que os alunos possam entender melhor a atividade. SIMBOLISMO .Obs.

2º momento: Leitura dos poemas: A Catedral e Antífona. 3º momento: Realização e correção de exercícios. 01 1 Identificação: Escola: Instituto Estadual de Educação Osvaldo Cruz Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Literatura Série: 2ª Turma: 204 Data: Duração: 1 hora-aula 2 Conteúdo/ Atividade: O Simbolismo. marcador de quadro branco. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes. Observações: .1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de material fotocopiado. 6. 3 ed. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos. 3 Objetivos : Ler e compreender as poesias do Simbolismo. Universidade da nossa gente. Produção de Textos & Gramática – Literatura. Samira Yousseff. 2002. PLANO DE AULA Nº. 4. Turno: Manhã 7. Fontes Bibliográficas: CAMPEDELLI.-São Paulo: Saraiva.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas.UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Fruto da nossa terra. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. 4. 5.

A catedral ebúrnea do meu sonho Afunda-se no caos do céu medonho Como um astro que já morreu. Em sua opinião. A catedral ebúrnea do meu sonho Aparece na paz do céu tristonho Toda branca de luar. noite. O hialino orvalho aos poucos se evapora. Há no poema uma progressão envolvendo a ideia de cor e de luz. Onde os meus olhos tão cansados ponho. A catedral ebúrnea do meu sonho Aparece na paz do céu risonho Toda branca de sol. Esse poema sugere que o poeta acompanhou o dia em suas etapas: identifique-as. treva). O objetivo é comparar a vida a essas etapas(nascemos.dia. O astro glorioso segue a eterna estrada. 3. Em A Catedral. entardecer.Leitura & Compreensão A Catedral ( Alphonsus Guimaraens) Entre brumas ao longe surge a aurora. Do relâmpago a cabeleira ruiva Vem açoitar o rosto meu. A cor e a luz são dadas pela etapa dia que o poeta percorre (brumas. meio. Recebe a bênção de Jesus. onde o aspecto musical é mais reforçado? No refrão que imita um sino. Uma áurea seta lhe cintila em cada Refulgente raio de luz. lírios e lilases. Identifique-a. 2. qual seria objetivo do poeta ao destacá-las? Manhã. crescemos. E o sino chora em lúgubres responsos: E o sino canta em lúgubres responsos: “Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!” “Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!” O céu é todo trevas: o vento uiva. áurea seta. E o sino geme em lúgubres responsos: E o sino clama em lúgubres responsos: Exercícios: “Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!” 1. A musicalidade é outro tipo de tentativa dos simbolistas em todos os seus poemas. “Pobre Alphonsus! Pobre Alphonsus!” Por entre lírios e lilases desce A tarde esquiva: amargurada prece Põe-se a lua a rezar. envelhecemos e morremos. . Agoniza o arrebol. A catedral ebúrnea do meu sonho.

de neves.. (. Ó Formas vagas.. . “trêmulos”.. brancas.). olfato etc. Formas claras de luares. “Sonho”. “Dor”. “pelos versos cantem”. “Formas fluidas”. “ de neves”.Antífona (Cruz e Souza) Ó Formas alvas. paladar. de neblinas!. “Cor”. Incensos dos turíbulos das aras.) EXERCÍCIOS Do Sonho as mais azuis diafaneidades Que fuljam. “horas do ocaso”. que na Estrofe se levantem E as emoções... “incensos dos turíbulos”. “cristalinas”. faça um levantamento das cores referidas no poema. A sinestesia é uma figura de linguagem que consiste na exploração dos nossos sentidos ( tato.. (. (. As iniciais maiúsculas conferem um caráter simbólico a estas palavras.. Com relação a Antífona. “Verso”.. Horas do Ocaso... Réquiem do Sol que a Dor da Luz resume.) a. “cristalinas”. Repare atentamente nos versos de Antífona: aponte exemplos de sinestesia. pelos versos cantem. delicadezas. que variedades de “branco” você pode encontrar? “Alvas”... “claras”. “de luares”. c..) Forças originais. Destaque as palavras grafadas com inicial maiúscula em Antífona: que importância tem isso? “Formas”. cristalinas. “Perfume”.. “Estrofe”.... “branca”. b. todas as castidades da alma do Verso. “Sol”. graça De carnes de mulher.) Indefiníveis músicas supremas.. harmonias da Cor e do Perfume. fluídas. trêmulas.. essência.. extremas. Todo esse eflúvio que por ondas passa Do Éter nas róseas e áureas correntezas (. “Ocaso”.

1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de material fotocopiado. 04 1 Identificação: Escola: Instituto Estadual de Educação Osvaldo Cruz Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Literatura Série: 2ª Turma: 204 Data: Duração: 1 hora-aula 2 Conteúdo/ Atividade: Características do Simbolismo.. Fontes Bibliográficas: CAMPEDELLI. PLANO DE AULA Nº. Produção de Textos & Gramática – Literatura. Turno: 7.UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Fruto da nossa terra. Universidade da nossa gente.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos 6. 3º momento: Correção oral dos exercícios 4. 4. 2º momento: Leitura e comentários orais sobre o Simbolismo e realização de exercícios. Observações: . 2002. Samira Yousseff. marcador de quadro branco. 3 ed.-São Paulo: Saraiva. 5. 3 Objetivos : Conhecer as características do Movimento Simbolista no Brasil.

e o racionalismo. visuais e olfativas. ( Cruz e Souza ) 1. Quero vê-la subir. segredantes vozes do mar e luares de contemplativas vagas visões volúpicas. de condores e de águias e albatrozes. cientificismo. do Aroma. Características do Simbolismo • Nega o materialismo.. e) Predomínio da sugestão e uso de símbolos para a representação do mundo.. que representa a fusão de sensações (beijo amargo. apenas uma NÃO corresponde à leitura interpretativa do poema. fúlgidas. c) Valorização da sinestesia. • O objeto deve estar subentendido. velozes. • Valorização do inconsciente e do subconsciente. Aladas alegrias sugestivas de asa radiante e branda de albornozes. de toda a dor que a alma clama.daí o "símbolo" • Referência a cores • Culto da forma. Assinale-a: a) Visão objetiva da realidade. som que evoca uma imagem). • Religiosidade. sobretudo na pintura. .. do sol entre os clarões imorredouros toda esta dor que na minh’alma clama. em que a técnica sobrepõe-se à imaginação. ficar cantando nas chamas das Estrelas. dardejando nas luminosas sensações da chama. através dos astros.. É espiritualista em sua essência. cheiro azul) • Abordagem vaga de impressões subjetivas e/ou sensoriais (Impressionismo). • Musicalidade nos versos. Das alternativas que seguem. não mostrando claramente . d) Sublimação. com freqüente uso de aliterações. Espiritualizai nos Astros louros. + b) Preferência por uma luminosidade que torna os elementos nebulosos e imprecisos. com influência parnasianas • Uso da figura de linguagem chamada sinestesia (relação subjetiva que se estabelece entre uma percepção e outra que pertença ao domínio de um sentido diferente: perfume que avoca uma cor.Ler e responder: Eternas. tribos gloriosas. apesar de conviverem na mesma época. altivas. imortais origens vivas da Luz. • Idealização da morte como libertação do espírito e da alma. acentuando a correspondência entre imagens acústicas. • Uso de sugestões... • Subjetivismo contrapondo-se ao objetivismo do Realismo e do Parnasianismo. • Linguagem simbólica.

.Exercícios: 1. 2.Associe as características literárias a seus respectivos movimentos. vozes veladas. ( a ) 2) Utilização de vocabulário litúrgico e religioso. veludosas vozes. assemelhando-se. + b) Olavo Bilac. ( a ) 3) Associação da poesia com a escultura. o autor dessas obra é Cruz e Souza. (a) Simbolismo (b) Parnasianismo 1) Expressão intensa da musicalidade da linguagem. b) Busca obsessivamente a objetividade. f) Alphonsus de Guimaraens é o autor de Ismália. sendo o poeta visto como uma espécie de escultor da linguagem. Pode-se dizer que o Simbolismo: a) Retorna o espírito nacionalista do Romantismo. escreveu o poema formal Profissão de fé. c) Faz da poesia uma forma de denuncia social. + d) Valoriza o poder sugestivo das imagens poéticas e a musicalidade da linguagem. da palavra rara e objetividade no tratamento dos temas.também é chamado de Cisne Negro. A publicação das obras Missal e Broquéis marca o início de que movimento poético no Brasil? Quem é o autor dessas obras? Movimento Simbolista. ( b ) 4)Valorização exagerada da forma.” fazem parte do poema Violões que choram. de que é contemporâneo.. assim. (Unip-SP) Não corresponde ao Simbolismo a afirmativa: a) No Brasil.( b) 3. um dos poetas mais festejados do período. por isso da preferência aos sonetos descritivos. c) Os versos “Vozes veladas..Cruz e Souza . ambos de Cruz e Sousa. / Volúpias dos violões. o Simbolismo começa em 1893 com a publicação de Missal e Broquéis. d) O autor mais representativo desse movimento . ao movimento realista. 4.

Objetivos: Ler e compreender o poema.UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Fruto da nossa terra.aula 2. 6. marcador de quadro branco. Identificação: Escola: Instituto Estadual de Educação Osvaldo Cruz Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Literatura Série: 2ª Turma: 204 Data: Duração: 1 hora.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de material fotocopiado. 2º momento: Leitura do poema: Ismália. William Roberto e MAGALHÃES. Thereza Cochar. Português Linguagens. identificando as características simbolistas presentes nele.-São Paulo: Atual.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. PLANO DE AULA Nº. Conteúdo/ Atividade: Simbolismo. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. 03 1. 5 ed. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos. 4. Turno: 7. 3º momento: Realização e correção de exercícios. 3. 5. 2005. Fontes Bibliográficas: CEREJA. Universidade da nossa gente. Observações: . 4. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes.

ISMÁLIA Quando Ismália enlouqueceu. E como um anjo pendeu As asas para voar.. de versos ritmados e de estruturas paralelísticas... Queria a lua do céu. subiu/desceu. a) Identifique dois pares de antíteses no texto. que se dividem entre a realidade virtual e a realidade concreta. 4. . Viu uma lua no céu. Queria subir ao céu.. Queria descer ao mar. Pôs-se na torre a sonhar. representa o universo material.. Seu corpo desceu ao mar. Com base no desfecho do poema.. O mar recebe o corpo. ritmo e paralelismo. As antíteses articulam-se em torno dos desejos contraditórios de Ismalia. E... por ser um movimento antilógico e anti-racional. a realidade concreta. a) O poema em estudo liga-se ou não a essa tradição? Justifique.. A lua do céu representa a realidade espiritual.. Queria a lua do mar.. o poema estabelece relações entre corpo e alma ou matéria e espírito. pois traz uso da redondilha maior. Alguns poemas de Alphonsus de Guimaraens ligam-se à tradição medieval.. no desvario seu. Banhou-se toda em luar.. Observe no texto os seguintes aspectos formais: métrica. desvario. b) Que outro movimento literário perseguiu a mesma tradição medieval? O Romantismo. responda: a) Céu e mar relacionam-se ao universo material ou espiritual? O céu recebe a alma. liga-se ao aspecto espiritual. Enlouqueceu. como “Viu uma lua no céu. 3.. 2. Estava perto do céu.. recursos comuns na poesia medieval. Retire do texto palavras ou expressões que comprovem essa característica simbolista. Sim. b) Reconheça o elemento que representa a realidade espiritual e a realidade concreta.. Exercícios: 1. perto/longe. /viu outra lua no mar”. As asas que Deus lhe deu Ruflaram de par em par. sonhar . O Simbolismo. logo. logo. e a do mar. Na torre pôs-se a cantar. Estava longe do mar. Todo o poema é constituído com base em antíteses. Sua alma subiu ao céu. Céu/mar. No sonho em que se perdeu... Viu outra lua no mar.O poema que segue é o mais popular de Alphonsus de Guimaraens. Tal qual no Barroco e no Romantismo. valoriza os aspectos interiores e pouco conhecidos da alma e da mente humana.

Dar vazão ao mundo interior. sim: por meio da morte. Ismália transcende o mundo material integra-se ao cosmus. explorar zonas ocultas da mente humana é o mesmo que transcender os limites do mundo material. c) Pode-se afirmar que. a razão e a lógica aprisionam o homem. para os simbolistas sonho e loucura levam à libertação? Justifique. para os simbolistas.b) Ismália conseguiu realizar o desejo simbolista de transcendência espiritual? De acordo com o conceito Simbolista. Sim. . porque.

2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. 5.aula 2 Conteúdo/ Atividade: Simbolismo 3 Objetivos : Reconhecer os poetas que mais importantes do Simbolismo no Brasil. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos. Mauro. 05 1 Identificação: Escola: Instituto Estadual de Educação Osvaldo Cruz Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Literatura Série: 2ª Turma: 204 Data: Duração: 1 hora . 2. Novas Palavras – Português – Literatura. Ricardo.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de material fotocopiado. Fontes Bibliográficas: AMARAL. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. PLANO DE AULA Nº. Turno: 4. ed. Emilia. Universidade da nossa gente. 2005. renov. marcador de quadro branco. 7. 6. 3º momento: Correção oral dos exercícios 4. Observações: . LEITE. 2º momento: Leitura e comentários orais sobre os poetas do Simbolismo e realização de exercícios.UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Fruto da nossa terra. FERREIRA. – São Paulo: FTD.

O outro destaque desta escola em nosso país foi Alphonsus de Guimaraens. além de ter sido discípulo do alemão Fritz Müller. o Simbolismo não atingiu aqui o destaque que teve na Europa. formando-se em 1895. Logo vai para São Paulo para estudar direito. Tornou-se. Suas idéias abolicionistas ganharam ainda mais força ao ser recusado como promotor na cidade de Laguna pelo fato de ter sido negro. ao lado da esposa Zenaide de Oliveira e seus quatorze filhos. apesar de sua refinada formação. um dos principais escritores abolicionistas brasileiros. teve uma experiência que influenciou sua poesia por toda a vida: sua prima e noiva.O Simbolismo no Brasil Com o destaque dado aos poetas parnasianos. com uma linguagem simples e um ritmo bem musical. Ela passa a aparecer por toda a sua obra. além de um dos maiores nomes de nosso Simbolismo. O preconceito. considerado o mais místico poeta de nossa literatura. Cruz e Souza sofreu a vida inteira com o preconceito racial. sendo. A figura mais importante do Simbolismo brasileiro foi Cruz e Souza. um dos maiores ícones do Simbolismo. perfeita. Minas Gerais. e sua mulher enlouqueceu. dizem os especialistas. Manteve em sua obra a . além da utilização de redondilhas. com quem aprendeu matemática e ciências naturais. Sua poesia é toda marcada por uma profunda suavidade e lirismo. dentro dos moldes medievais: pura. que tomou contato com as idéias simbolistas. Autor pertencente à corrente do Simbolismo. então. Voltou para Minas Gerais para residir em Mariana. Foi no Rio de Janeiro. porém. não foi a única tragédia de sua vida: seus quatro filhos morreram jovens de tuberculose. Desde pequeno recebeu tutela e educação refinada de seu ex-senhor. A morte aparece. como única maneira de chegar à amada. que é considerado um dos maiores nomes do Simbolismo universal. então. lá viveu até a sua morte. onde trabalhou como juiz. não haveria essa estética no Brasil. Alphonsus tem também em seus poemas elementos do Romantismo. Alphonsus de Guimarães: os melhores poemas. onde trabalhou como funcionário da Estrada de Ferro e colaborou com a imprensa local. Ainda em Ouro Preto. às vésperas do casamento. portanto desejável. versos alexandrinos e sonetos. Cruz e Souza Filho de escravos alforriados. cheio de aliterações e sinestesias. Alphonsus de Guimaraens A obra de Alphonsus de Guimaraens é considerada uma das mais influenciadas pelo misticismo de nossa literatura. Em viagem ao Rio de Janeiro. em 1921.de quem o poeta era devoto fervoroso. O Lutador. intocável. sendo muitas vezes confundida com a própria Virgem Maria . Constança (filha do escritor Bernardo de Guimaraens) morreu aos 18 anos. conheceu Cruz e Sousa. Foi em São Paulo que teve contato com os ideais simbolistas e construiu a maior parte de sua obra. Principais obras: Centenário das dores de Nossa Senhora e Câmara ardente (poesia). o que o aproxima muito dos poetas românticos. Sem ele. Obra Completa. Nasceu em Ouro Preto em 1870 onde concluiu seus primeiros estudos.

Broquéis. Sonetos da noite. rítmico. Lâmpada antiga. o linguajar dos caipiras do interior de São Paulo. Poesia completa. rimas ricas. uma riqueza de vocabulários. com uma variedade de efeitos sonoros. . Os Sertões. e) No Brasil origina-se e se concentra principalmente em Vila Rica. O Gaúcho. Poesias. Era um autodidata. Foi membro da Academia Brasileira de Letras. Tropos e fantasias. O Dialeto Caipira. Letras floridas. como Mallarmé. Memorial de um passageiro de bonde. embora não se destacasse especialmente por sua qualidade. Assinale a alternativa correta sobre o Simbolismo: a) Movimento poético que buscava a arte pela arte. O Mulato e Iracema 2. Diva. Espumas. sempre se preocupava em contribuir para a formação e desenvolvimento das pessoas. Cartas de Cruz e Sousa. Cruz e Sousa. b) Seu maior representante foi Castro Alves. É considerado por muitos como um dos maiores poetas simbolistas do Mundo. Névoa. etc. e Ubirajara Macunaíma. Obra completa.estrutura formal típica do Parnasianismo (uso de sonetos. mas em um tom mais musical. e Til A Guerra dos Mascates. c) Uso da figura de linguagem chamada sinestesia. tendo uma obra que. Enquadrou-se entre os poetas da fase pós-parnasiana. Principais obras: Tropos e fantasias. Foi o primeiro a estudar no Brasil um dialeto local à luz da linguística no caso.). Também por esta preocupação foi um grande incentivador do escotismo no Brasil. O elogio da mediocridade. Tradições populares. o Mulato e O Jesuíta Missal e Broqueis. São Obra de Cruz e Souza: a) b) c) d) e) As Minas de Prata. Principais obras: Urzes. d) Teve início em 1580 com forte influência espanhola. Missal e Broquéis. Exercícios: 1. com qualidade literária comparável a dos grandes franceses. A pulseira de ferro. e um precioso jogo de correspondências (sinestesias) e contrastes (antíteses). Amadeu Amaral Amadeu Amaral destacou-se em sua época por sua enorme erudição em uma época onde não havia no Brasil as faculdades e cursos especializados que surgiriam depois. Faróis.

único – São Paulo: FTD. Turno: Manhã 4. compreender o conteúdo e elaborar questões sobre o mesmo. Novas Palavras – Português – Literatura. 3º momento: Elaboração pelos alunos de questões (com respostas) sobre o conteúdo estudado. Mauro. marcador de quadro branco. Observações: . 06 1 Identificação: Escola: Instituto Estadual de Educação Osvaldo Cruz Professora: Claudete Meus de Freitas Pinto Componente Curricular: Literatura Série: 2ª Turma: 204 Data: Duração: 1 hora-aula 2 Conteúdo/ Atividade: Simbolismo 3 Objetivos : Ler. 7. 4. 2º momento: Leitura e comentários orais sobre o paralelo das características do Simbolismo e do Parnasianismo. Fontes Bibliográficas: AMARAL. 6. ( ) O(s) objetivo(s) foram atingidos em partes.2 Recursos Didáticos: Folhas fotocopiadas. LEITE. Ricardo.1 Procedimentos Didáticos: 1º momento: Distribuição de material fotocopiado. Universidade da nossa gente. FERREIRA. 2003. Emilia. PLANO DE AULA Nº.UNIVERSIDADE DA REGIÃO DA CAMPANHA Fruto da nossa terra. Vol. Avaliação: ( ) O(s) objetivo(s) foram plenamente atingidos. ( ) O(s) objetivo(s) não foram atingidos. 5.

como o sonho e a loucura. Misticismo. Contenção dos sentimentos . Retomada de elementos da tradição clássica. religiosidade: Os simbolistas são espiritualistas.” (“Ismália” . Retomada de elementos da tradição romântica . Leva consigo este brasão augusto Do grande amor. por exemplo. transcendentais e místicos. Paganismo greco – latino . . os Simbolistas já manifestavam interesse em explorar zonas da mente humana sobre as quais se conhecia muito pouco.. os simbolistas voltaram a explorar temas macabros e satânicos. . Interesse por temas universais: a natureza. culta. “Para as Estrelas de cristais gelados As ânsias e os desejos vão subindo. Busca do equilíbrio formal. “Quando Ismália enlouqueceu.” (Sorriso interior). objetos de arte. CARACTERÍSTICAS DA LINGUAGEM SIMBOLISTA Com base no poema “Violões que choram. Linguagem precisa. Linguagem vaga. da grande fé tranquila. Pessimismo. E sinestesias. ambientes noturnos e misteriosos. Interesse pelas zonas profundas da mente (inconsciente e subconsciente) e pela loucura: embora as ideias de Freud – fundador da psicanálise –só viessem a público no início do século XX. extravasamento e transcendência do mundo real. . . Desejo de transcendência e integração cósmica: em oposição aos limites do mundo físico e material. a poesia. Cultivo do soneto e de outras formas de composição poéticas. fluida que busca sugerir em vez de nomear. Interesse pelo noturno. Interesse pelas zonas profundas da mente humana e pela loucura . Alphonsus de Guimaraens) .” (Cruz e Souza “Siderações”) . Subjetivismo. . comparações aliterações. .. . Viu outra lua no mar. dor de existir. o amor. objetiva. SIMBOLISMO PARNASIANISMO . escreveu poemas que expressam uma concepção particular de catolicismo: “O ser que é ser e que jamais vacila Nas guerras imortais entra sem susto.. Cruz e Souza. . assonâncias. . racionalismo . integração com os astros. Objetivismo . anti – racionalismo. Materialismo. Viu uma lua no céu. Misticismo. pelo mistério e pela morte. . ligados tanto ao cristianismo quanto a outras formas de religião. veja a seguir o quadro comparativo das principais características da poesia simbolista e parnasiana. os simbolistas apreciam situações de viagem interior ou cósmica. Preferência pelo soneto. Atração pela morte e elementos decadentes da condição humana: aproximando-se bastante dos ultra – românticos..” de Cruz e Souza. . . Pôs-se na torre a sonhar. merecem destaque: . Galgando azuis e siderais noivados De nuvens brancas a amplidão vestindo. Abundância de metáforas. Antimaterialismo. religiosidade . Racionalismo .Dentre as características já estudas.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->