Você está na página 1de 14
O Que E Sociologia? Desenvolvendo uma perspectiva sociolégica Eotuda -lelegia Como a sociologia pode ajudar ‘em nossas vidas? Consciéncia das citerengas culturis ‘Asaliando os efeitos das paltcas Auto-esclarecimento (O desenvolvimento do pensamento socioidgico Primeiros teéricos 24 26 a ar ar er 7 ‘Augusta Comte Emile Durkheim asl Marx Max Waber Perspectivas sociolégicas mais recentes Funcionaismo Perspectvas de confito Perspecivas de acto socal Conclustio Pontos principals I I 14: O Que E Sociologia? je vivemos ~ no comego do séeulo KXI~ num mun- do profundamente preocupante, porém repleto das mais extraordindrias promessas para'o futuro. E um mundo inundado de mudangas, marcado por enormes confli- tos, tensdes e divisdes sociais, como também pelo ataque des- ‘rutivo da tecnologia modema ao ambiente natural. Mesmo as- sim, temos possibilidades de controlar nosso destino ¢ moldar ‘nossas vidas para melhor, de um modo inimagingvel para as, _peragGes anteriores, Como esse mundo surgiu’ Por que nossas condigées de vi- 4a sio tho diferentes daquelas de nossos pais e avés? Que dire- silo as mudangas tomaro no futuro? Essas questées sao a prin- cipal preocupacio da sociologia, um campo de estudo que cen- seqiientemente tem um papel fundamental na cultura intelec- ‘tual moderna. A sociologia €0 estudo da vida social humana, dos grupos € das sociedades. E um empreendimento fascinante e irresisti- vel, jd que seu objeto de estado é nosso préprio comportamen- to como seres socias. A abrangéncia do estudo sociolégico € extremamente vasta, incluindo desde a anélise de encontros ocasionais entre individuos na rua até a investigagéo de proces- 80s sociais globais ‘A maioria de nds vé o mundo a partir de caracterfsticasfa- riliares a nossas préprias vidas. A sociologia mostra a necessi- dade de assumir uma visio mais ampla sobre por que somos co- ‘mo somos ¢ por que agimos como agimos. Ela nos ensina que aguilo que encaramos como natural, inevitivel, bom ou verda- deiro, pode nfo ser bem assim e que os “dados” de nossa vida Sto fortemente influenciados por forgas histéricas e sociais. En- tender us modos sutis, porém complexos e profundos, pelos ‘quais nossas vidas individuaisrefletem os contextos de nossa ex- perigncia social é fundamental paraa abordagem sociotégica Desenvolvendo uma perspectiva sociolégica Aprender a pensar sociologicamente ~ olhando ~em outras pa- Javras, de forma mais ampla ~ significa cultivar a imaginacao, Estudar sociologia nio pode ser apenas um processo rotineiro de adquirir conhecimento, Um socislogo € alguém que é capa. de se libertar da imediatidade das circunstincias pessoais € apresentar as coisas num contexto mais emplo. O trabalho so- ciolégico depende daquilo que o autor norte-americano C. ‘Wright Mills, numa frase famosa, chamou de imaginago so- ciolégica (Mills, 1970) A imaginacio sociolsgica, acima de tudo, exige de n6s que ‘Pensemos fora das rotinas familiares de nosss vidas cotdianas, a fim de que as observemas de modo renovado. Considere o simples sto de tomar uma xicara de cal. O que podertamos dizer, a pastir «de um ponto de vista sociol6gico, sobre esse exemplo de compor- tamento aparentemente desinteressante? Muias e muitas coisas Poderiamos assinalar, antes de tudo, que 0 café néo é s0- ‘mente um teftesco. Ele possui valor simbélico como parte de nossas atividades sociis didtias. Freqientemteutc, 0 rtual asso- ciado a beber café é muito mais importante do que o ato de con- sumir a bebida propriamente dita. Para muitos ocidentais, a xi- ‘cara de café pela manha ocupe o centro de uma rotina pessoal Ela é um primeiro passo, essencial, para comegar 0 dia, O café bebido de manta é muitas vezes seguido depois, urante 0 dia, Por um café em companhia de outras pessoas ~a base de um ri- tual social. Duas pessoas que combinam de se encontrar para 0 eafé esto, provavelmente, mais interessadas em icarem juntas coaversar do que naquilo que realmente bebem. Na tealidade, comer ¢ beber, em todas as sociedades, fomecem ocasides para a interaglo social e para a encenacio de rituais, oferecendo um assunto rico para 0 estudo sociolégico, Em segundo lugar, o café & uma droga, por contercafeina, que tem um efeito estimulante sobre o cérebro, Muitas pes- soas bebem café pelo “estimulo extra” que ele propicia. Dias Jongos no escritério e noites ce eshida até tarde tornam mais toleréveis gracas as pausas para um café, O café é uma substincia que cria dependéncia, mas os viciados em café no sdo vistos pela majoria das pessoas na cultura ocidental como usuarios de drogas, Como o alcool, o café é uma droga social- ‘mente aceita, enquanto a maconha, por exemplo, nio 0 é No entanto, ha sociedades que toleram o consumo de maconha ou, até mesmo, de cocaina, mas desaprovam o café e o alcool. Os socislogos estéo interessados no porqué da existéacia de tais contrastes. Em terceiro lugar, um individuo que bebe uma xicara de café é apanhado numa complicada trama de relacionamentos sociais e econdmicos que sc estendem pelo mundo. O café é tum produto que conecta as pessoas das mais ricas e das mais empobrecidas partes do planeta: ele é consumido em grandes quantidades em pafses ricos, mas é cultivado principalmente «em paises pobres. Ao lado do petréle, o café é uma das mer- cadorias mais valiosas no comércio internacional; ele fornece a ‘auitos paises sua maior fonte de divisas externas. A produgao, © transporte ¢ a distribuigdo de café requerem transagées con- nuas entre pessoas a milhares de quilémetros de distincia de seu consumidr, Estudar tais transagSes globais é uma impor- tante tarefa da sociologia, ume vez que muitos aspectos de nos- sas vidas so agora afetados por influéncias e comunicacdes sociais em escala mundial ‘sm quarto lugar, o ato de beber um café pressupée todo um processo passado de desenvolvimento social e econdmica. Da ‘mesma forma que outros itens da dietaocidental agora familiares, omo ché, bananas, batalas ¢ agdear branco ~ 0 café passou a ser langamente consumido somente a partir de fins do século XIX. Socio _ 25 Emboraabebida tena se originad no Oriente Médio, seu consu- ‘mo de massa, remonta 4 perf de expansio ocidental que da ta de um século ¢ meio. Virualmente, todo o café que bebemos hoje vem de éreas (Amética do Sul e Aftica) que foram coloiza- opsas; nao €, portauiv, de Found alguna, uma pare “natural” da dicta ocidental. O legado colonial tem tido um im- ‘acto enorme no desenvolvimento do comes Em quinto lugar, 0 c ‘mundial de café & um produto que permanece no centro dos debates contemporineos sobre globalizacio, comet cio intemacional, direitos humanos e destruigio ambiental. Co- mo o café tem crescido em popularidade, ele passou a ser uma ““marca*” ¢ ficou politizado: as decisies que os consumidores quitir tm torna- do-se escolhas de estilo de vida. Os individuos podem escolh beber somente café orginico, café naturalmente descafeinado ou café “comercializado honestamente” (através de esquemas {que pagam integralmente os pregos de mercado a pequenos pro Gutores de café em paises em desenvolvimento). Eles podem optar por ser clientes de cafeterias “independentes” em ver de cadeias “corporativas” de café, como a Starbucks.** Os consu- ‘midores de café podem decidir boicotar o café vindo de certos paises que violam os direitos hu dos ambieniais, Os sovislogos estio interessados em entender como a globalizacdo cia das pessoas acerca de assuntos que vem fazem sobre qual tipo de calé bebere onde o a nose aumenta a con: + NeGeRT. Agui significa (bre 0, num New Shore rae cers urban qe cas diversi ) marca distin de um ipo 04 semelhado& (a le mark) marca Press, Ls p.2 fsde ma xcara de ca com os argos 6 uma experiéaca social comum, mas 0 saiéloge pensar nela de manelas iesperada, ocorrendo em cantos distantes do planeta, estimulando-es a de senvolver novo conhecimento em suas prOprias vidas. dizer respeito somente ao individuo, na verdade, rele tem questes mais amplas. O divércio, por exemplo, pode ser um processo muito dificil para alguém que passa por ele ~0 que Mills cchama de “problema pessoal”, Mas o divércio, assinala Mills, & também um problema piblico numa sociedade como a atval G Bretanha, onde mais de um tergo de todos os ezsamentos termina ‘dentro de dez anos. O desemprego, para usar outro exemplo, pode ser uma tragédia pessoal para alguém despedido de umm emprego « inapto para encontrar outro. Mesto assim, sso vai bem além de "uma questio geradora de afligdo pessoal, se considerarwos que ti- Ides de pessoas numa sociedade estdo na mesma situago: é um assunto pibico, expressando amplas tendéncias socias, ‘Tente aplicar esse tipo de perspectva & sua propria vida. Néo ¢ necessirio pensar apenas em acontecimentos preocupants Consider, por exemplo, porque ved est vrando as plginas des tc liv ~ porque voeé decidiu estudar Sociologia. Voeé pode ser um estudant de sociologia eluant, fazendo o curso somente pa ra preenchereréitos exigidos. Ou voeé pode estar entusismado para descobrir mas sobre oassunto. Quisquer que sejam as suas motivagbes, voc provavelment tem muito em comum, sem saber Suu devisio necessuriamente, com outtos que estudam sociologi individual retlete sus posigo numa sociedade mais vasta. AAs seguintes caracteristicas se aplicam a vocé? Voce vem? Branco? Vocé vemn de um background profissional ou de colarinho-branco? Vocé ja teve, ou ainda tem, um trabatho de a