P. 1
Legislação Ambiental - resumo

Legislação Ambiental - resumo

|Views: 2.086|Likes:
Publicado porLívia de Lima

More info:

Published by: Lívia de Lima on Sep 21, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/11/2013

pdf

text

original

Princípios de Legislação

Art. 225 – Constituição Federal – Política Geral do Meio Ambiente
Principio do ambiente ecologicamente equilibrado como direito (baseado no principio I da Declaração de Estocolmo 1972)   Aparece com destaque na CF(constituição federal). O homem tem o direito de usar o meio em que vive mas também tem o dever de proteger e se possível melhorar o meio para as gerações futuras.

Principio da natureza pública da proteção ambiental    Aparece no art. 225 CF Meio ambiente como bem comum do povo Fala sobre as ações que devem ser feitas pelo governo para garantir uma manutenção do equilíbrio ecológico, uma vez que o meio ambiente é um patrimônio público e deve ser assegurado e protegido por ser de uso coletivo.

Principio da obrigatoriedade da intervenção estatal    Art. 225 da CF determina o dever do poder público na defesa e preservação do meio ambiente. Há necessidade do poder público atuar em favor do interesse ambiental. (É bem de uso comum). Princípio 17 de Estocolmo = As tarefas de planificar, administrar e controlar a utilização dos recursos ambientais é das instituições nacionais (Ex: Ibama, Secretaria do meio ambiente...)

Principio da cooperação entre os povos   Intercambio de informações e procedimentos que sirvam para solucionar problemas ambientais globais. Art. 4 da CF menciona a cooperação dos povos para o progresso da humanidade

Principio da Ubiquidade  Em toda atividade do poder público e de empresas privadas tem que ser levado em consideração o fator ambiental buscando o equilíbrio ecológico.

Principio da Participação (Principio 10 da Declaração do Eco Rio 92)    Deve-se assegurar a participação em níveis adequados de todos aqueles que tem interesse em processos que garantem o desenvolvimento ecológico. O Estado deve facilitar e incentivar essa participação pública. Os instrumento de participação são: Plebiscito; Ação Popular; Mandado de Segurança...

Dano Ambiental = Falta de parâmetros ambientais (legais) adequados. Pode ser de 2 formar In natura = devolve o meio ao que era antes Indenizatória Principio do usuário – pagador     Deve-se pagar por recursos usados com fim econômico. 36 = É uma forma de compensação ambiental. Principio da Prevenção  Através de impactos já conhecidos identifica-se prováveis impactos. 225. A intenção é evitar que o ato se repita e buscar ao mesmo tempo a reparação para o que já aconteceu. o poluidor tem o dever de indenizar e reparar os danos causados. Pode gerar ações de responsabilidade civil e criminal por danos causados ao meio ambiente. De acordo om a lei nº 6938/81 o usuário tem que contribuir pelos recursos usados.  Principio da Reparação    Reparar o que já aconteceu. Nesse caso o risco ainda não é concreto. De acordo com o art. De acordo com a lei nº 9985/2000 SNUC art. 14 da lei nº 6938/1981 (Política Nacional do Meio Ambiente) não importa de quem for a culpa. Ressarcimento = Compensação em dinheiro OU devolver ao método in natura (recuperação do ambiente) .Principio do Poluidor – pagador     Art. Dano irreversível/irreparável = Não é possível recuperar o ecossistema afetado. Princípios da precaução   Deve-se afastar o perigo e fornecer segurança às gerações futuras. Licenciamento ambiental = o empreendimento tem que instalar grupo de proteção ambiental e destinar uma quantidade para isso. se foi desastre natural ou não. parágrafo 3 da CF Condutas e atividades lesivas ao meio ambiente geram sanções penais a pessoas físicas e jurídicas. ainda não se tem certeza.

Sempre houve impactos ambientais. a caça predatória também auxilia. O que é: Proteção do direito líquido. Ocorre quando: Ausencia de norma reguladora Ou quando: Inviabilidade de exercícios dos direitos inconstitucionais. porém a natureza tinha como responder às retiradas de recurso e se recuperar. Mandado de Injunção Ambiental    Correção das omissões dos poderes públicos para cidadãos exercerem seus direitos fundamentais. omissivos ou lesivos ao meio ambiente. O que é: Instrumento de tutela dos interesses individuais e coletivos Ação Popular Ambiental Aplicado por: Cidadão O que faz: Ele convoca ao pronunciamento o órgão jurisdicional responsável por atos ilegais ou inconstitucionais. Legislação Ambiental   Toda lei ocorre em virtude de uma necessidade. organização sindical e ministério público. Mandado de segurança ambiental Aplicado por: Partido político. . são normas que conduzem a vida em sociedade. de alguma forma. forem causadores de danos respondem e devem indenizar. por que há a exploração do recurso em quantidade superior ao que a natureza tem capacidade de repor.Solidariedade na ocorrência de danos ambientais Art. sendo os principais: Ação Civil Pública Ambiental Aplicado por: Ministério Público. O autor (cidadão) é isento de custos judiciais. O judiciário põe à disposição do Estado e dos cidadãos meios para proteção do meio ambiente. 225 da CF – Todos que. órgãos de administração pública direta e indireta e associações por lei. pessoas judiciarias estatais. Proteção Jurisdicional do Meio Ambiente Art. 225 CF – O meio ambiente é bem comum do povo e sua proteção cabe a todos. A degradação se iniciou com a agricultura.

1. além de aumentar poluição. leva em consideração costumes e casos já observados e julgados. Para o “bem maior”. Ambos os interesses são particulares.  O grande marco para a potencialização da degradação foi a Revolução Industrial. Estado é “chefe” Interesses mostrados pelo direito público são coletivos. Meios para impor a lei: . A revolução industrial também aumenta a demanda de energia. . Estado = Impositor de leis. Direito = Conjunto de normas (leis) impostas pelo estado. Fontes do direito A 1ª fonte á a consciência. Lei omissa   Quando não existe lei “específica para o julgamento” Usa-se casos similares. nunca particulares. a exploração de recursos para obter matéria prima e a queima de combustíveis fósseis. para isso devem ser importas por coerção (exercício da lei). É necessário que as normas sejam cumpridas. 2. Teoria Tridimensional do direito Fato – Acontecimento Valor – “Consciência” Norma – Base para leis/outras leis. Direito Público x Direito Privado Público:    Privado  As 2 partes envolvidas são particulares e estão em igualdade. etc. através de máquinas que utilizavam o recurso e potencializavam a produção final. a 2ª é a fonte formal.Coerção sem coação: Ex: abatimento para quem paga impostos adiantados .Coerção com coação: Ex: Penhora de bens para sonegadores. resíduos. leis.

III. Promulgação    Momento em que algo vira lei Quem promulga é o poder executivo Momento em que sai no diário oficial. Pode voltar ao congresso e se 2/3 aprovar a lei o veto é derrubado. II. Vigencia  Tempo em que uma lei tem efeito Decreto – lei   Dado pelo presidente É aplicada nas áreas de: Segurança nacional. VI. Sanção  Presidente converte em lei após aprovado no Congresso Promulgação  Veto   Se o presidente discorda a lei é vetada. Senado ou na Presidencia. Hierarquia de leis I. Após ser sancionada a lei é promulgada. IX. VIII. finaças públicas e normas tributárioas. V. Constituição Emendas Leis complementares Leis ordinárias Decretos – lei Decretos legislativos Resoluções Decretos Portarias Todo projeto de lei tem que ser baseado na constituição Elaboração de leis Um projeto de lei pode se iniciar na Câmara de deputados. VII.Leis É uma fonte de obrigação para todos os cidadãos. publicada . IV. mas deve ser aprovado por todos. ou seja.

etc. Conceito de direito ambiental  Conjunto de regras relativas à proteção do meio ambiente e à luta contra a poluição . Algo que aconteceu e independe de ações futuras ou de indivíduos. Estado 3. Já aconteceu Titulares de Direito Pessoa Físca     Todo ser humano Incapaz = Até 16 anos Relativamente capaz = de 16 a 18 anos Plenamente capaz = + de 18 anos Pessoa Jurídica Ilícito Jurídico Algo que contraria a norma de direito. Competências Predominância de interesses: 1. As punições podem ser Civil   Penal   Fatos graves. serviços comunitários. União 2. Município Fato e Ato Jurídico Fato   Ato  Depende da manifestação de vontade do individuo (tem que ser “de propósito”). Vai para julgamento Reparação civil Ex: cesta básica.Período de Vocatio Legis  Período de 45 dias entre a publicação da lei e a vigência da lei.

. Tem como finalidade criar sistemas de prevenção ou reparação.

 O .

° f¾ f f ¾ ¾f¾f¯ f¯  ° – f¯¾f°sµ ¾½ °f¾f½ ¾¾f¾ €¾nf¾ © nf¾  O ° °sjx f f¾  ½f  ¾nff¯ ¾¯ ¯½f ½ffsj½ff  ©hfn° n   O  fn n¯f  f °$%9nf-fn°f . ¯  ° %°j ¯½f  ¯€fn½f ¾ € ¾f¾ °ff°j ½  ¯    ° °f  ½ff¾ f°¾nf¾f ¾  O 9 – ffsµ ¾  ¾½°¾f  f n n¯°f½ f°¾nf¾f ¾f¯  f¯  °  9°n½ f ½ffsj O  ½ff ©hfn° n  9 ¾  €¯f O °°ff   ¯ f  ff° ¾ O ° °ff 9°n½ ¾h ½f–f  O   ¾ ½f–f½ n¾¾¾f ¾n¯€¯ n°´¯n  O  fn ¯f °$¾h ¯ n° ½ ¾ n¾¾¾f ¾  O  fn n¯f °$-D.

f  ¯f€¯f n¯½ °¾fsj f¯  °f  O n °nf¯ °f¯  °f  ¯½ ° ¯ ° ¯ °¾ff–½ ½ sj f¯  °f  ¾°f¯ff° f ½ff¾¾  9°n½ f9  °sj O fx¾ ¯½fn¾©hn° n ¾ °€nf ¾ ½h ¾¯½fn¾  9°n½¾ f½ nfsj O   ¾ f€f¾f½ – €° n ¾ –f°sfg¾– fsµ ¾€f¾  O - ¾¾ nf¾¾nf° f°jxn°n  f° f°j¾  ¯n  f  f°¯  °f ff ½fi¯ ¾f¯  °f¾% –f¾%f f ¾  f°  ¾ $ ½fh  -jx½¾¾  n½ f n¾¾¾ ¯ff€ f    ¾¾fn¯ ° .

¯½ °¾fsj ¯ ° D  f¯x °°ff% n½ fsj f¯  ° %    .

 f f °fny°nf  f°¾f¯  °f¾   f.

 @ ¾  f–¯f€¯f € ¯nf¾f  ¾  f°¾ ¾½° ¯   ¯° °f  9 sj¾ n°f . ¯  °   .

 ¯ f¯  ° x ¯n¯¯ ½ ¾f½ sjnf f ¾  © nh½µ g ¾½¾sj ¾f   ¾n f j¾¯ ¾½ff½ sj ¯ f¯  °  ¾ ° ¾½°n½f¾  sj.

°¾x9 n ½ ¾¾f¾© nff¾ ¾ff¾ –j¾ f ¯°¾fsj½ nf  f °  f f¾¾nfsµ ¾½    x °¾¯ °  f ¾°  ¾¾ ¾°  f¾ n ¾ sj9½f¯  °f ½nf ½ .9 nf¯  °f ½nf ½ .

f° f  °©°sj¯  °f O .f° f  ¾ –f°sff¯  °f ½nf ½ 9f ½n –f°fsj¾° nf ¯°¾x½ n   x 9 sj      . f j  €f  n°nff½°°nf¯ °–j©¾ n°f ¾½°¾h ½f¾ –f¾ °n°¾n°f¾ ¯¾¾¾ ¾¾f¯ f¯  °  f%n f j%x¾ ° n¾¾© nf¾  .

 sj f¾¯¾¾µ ¾ ¾½  ¾½ n¾½ffn f j¾  n  ¯¾ ¾  ¾ €° f¯ °f¾  O n f°  ¾ °nf °¯f –f f O f°  °f  f    nn¾ ¾  ¾°n°¾n°f¾   –¾fsj¯  °f O @ f n  ¯  ¯f° n ¾¾ f ¾j°¯f¾ n°  ¯f f ¯ ¾n f  O  ¯½  ¯½fn¾f¯  °f¾ ½x¯f°f f°fn¯ ¾½° g¾  f f¾  n¾ ¾  n½ f  –f fsj¾ °nn¯ff–nf fnfsf ½ fff¯ x¯ff ½ hf ½fsj  n¾ ¯f° f  ¾½ f f°f f ¯nf½fn f   ½  .

O –f° ¯fn½fff½ °nffsj f –f fsj€f sj° ¾f  ffx¾ ¯h°f¾ ff¯ n¾ ½ °nfff¯f½ sj€°f  fx¯ f¯ °f½sj  ¾ ¾  n  O  sj° ¾ff¯ x¯f¯ °ff ¯f° f  ° –f f ½fsj   n¾¾½ff  ¯fxf½¯f f ¯f n¯ ¾ ¾€¾¾ ¾  @ f@ ¯ °¾°f    f n° n¯ ° If #.

°¾ny°nf# -¯f  f¾ ½ff ¾$f¾ ¾  ° n ¾¾h f¾°¯f¾¾ ©f¯n¯½ f¾ ½ff¾¾  ¯¾ ¯½f¾½ n sj%  nn f %      .

¾½ff¯½f   .°©° °¯f¾% ¾%¯½¾f¾½  ¾f     ¾f  ¯½¾  ¾  .

 sj¾ ¯nfsj  f f¯ °½ff ¯½f–f¯½¾¾f f°f ¾  .

 sjn¯nfsj  9 °f  °¾½ff¾° –f  ¾   9 n 9f  9 n  O 9ff# ¯¯f#  O ¾f x#n € # O °  ¾¾ ¾¯¾f ¾½   ½ n¾jn ¾ °°nf½fnf ¾  9f  O ¾½f ¾ ° f¾¾j½fnf ¾  ¾j ¯–f f ¯ ¾¾°  ¾¾ ¾¾j ½fnf ¾   ° ¾    €° hfn°¾ny°nf fxf€° €¯f  ¾   ¯¾¾f O .f° °j ¾  # ¾½ n€nf½ff©–f¯ °# O D¾f ¾ nf¾¾¾¯f ¾  f ¯n°¾ fsjn¾¯ ¾ nf¾¾©h ¾ f ¾  ©–f ¾   .

 ¾ ¯f€°   –fsj½ff ¾¾n f j¾  9¯–fsj O .¯ ° ¯ f–f  O . ¯½¯–fx½   n O .¯ ° ¯ ¾f° h€nf  I– °nf O @ ¯½ ¯ ¯f  ¯ €   n    O f ½ ½ ¾ °  O f½nf f°f¾h f¾  –f°sf°fn°f €°fsf¾½ nf¾ °¯f¾ hf¾   ff  ¾      I  I I  I  I  O  .

°¾sj ¯ ° f¾  ¾n¯½ ¯ °f ¾  ¾ °hf¾  n ¾    n ¾ –¾f¾  ¾sµ ¾  n ¾ 9ff¾ @ ½©    ¯ ¾  f¾ f °fn°¾sj f fsj  ¾ D¯½©   ½ ¾ °nf°f.

i¯ff  ½f ¾  °f °f9 ¾ °nf ¯f¾  ¾ f½f ½ ¾  f°sj O 9 ¾ ° n°   ¯ f½¾f½f °.

°– ¾¾ 9¯–fsj O ½¾¾ ¾f°n°f ff x½¯–f f ¾ ©f ½ nf f I  O  ½ ¾ °  ¾n ff x f f  O 9 ffn°– ¾¾ ¾ $f½ff  x  f   .

9   Inf –¾ O 9    f¾ ° f½ nfsj f  f–y°nf f   .

°n½ f  n f O – fn° n  ° ½ °  fsµ ¾€f¾ °  ¾  O hfn° n   O  ½ °  f¯f°€ ¾fsj °f  °  % ¯ ¾ # ½½¾#%  @f ¾   9 ¾¾f¾nf O O O O @ ¾ ¯f° °nf½f xf°¾  ff¯ ° nf½f  ff°¾ 9 °f¯ ° nf½f + f°¾ 9 ¾¾f nf n n – n°fff°¯f    ¾½°sµ ¾½ ¯¾  .¯½ y°nf¾ 9 ¯°i°nf °  ¾¾ ¾    D°j   ¾f    .

 O  ½ffsjn O  n ¾f h¾nf ¾ s¾n¯°h¾  n  9 °f O f¾–f ¾  O If½ff©–f¯ ° .

°n    f¯  °f O .

°©°  –f¾ ff¾g½ sj ¯ f¯  °  gfn°ff½sj .

O @ ¯n¯€°f f nf¾¾ ¯f¾ ½  °sj ½ffsj              .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->