Você está na página 1de 1

Escola Bsica e Secundria do Cerco - Porto Proposta de correo do Teste Diagnstico de Portugus 12.

Ano

1. Nas quatro primeiras estrofes do poema, encontram-se representadas sensaes visuais e auditivas, atravs dos elementos seguintes: que j vi mas no vi (v. 3) (sensao visual); As crianas, que brincam s sacadas altas, / Vivem entre vasos de fores (vv. 5-6) ( sensao visual); As vozes, que sobem do interior do domstico, / Cantam sempre (vv. 89) (sensao auditiva). 2. Na terceira estrofe do poema, o tempo da infncia caracterizado por um ambiente de despreocupao feliz, sugerido pelo acto de brincar (As crianas, que brincam s sacadas altas, / Vivem entre vasos de fores ( vv. 5-6) e pela no conscincia da passagem do tempo (Sem dvida, eternamente. ( v. 7). 3. A relao que o sujeito potico estabelece com os outros nas seis primeiras estrofes marcada pela diferena. De acordo com o sujeito potico, os outros so felizes, como se deduz a partir dos elementos referidos no texto, nomeadamente, a alegria aparente (v. 2 e v. 4), a brincadeira (v. 5), as flores (v. 6), o canto (vv. 8 a 10), a festa (v. 11). O sujeito potico considera-se um ser parte e diferente deles: So felizes, porque no so eu. (v. 4), Quegrande felicidade no ser eu! (v. 14). 4. A dor e o vazio expressos na ltima estrofe, particularmente no verso Um nada que di... (v. 26), decorrem das refexes desenvolvidas nas duas estrofes anteriores. O sujeito potico questiona-se quanto aos outros (v. 15) e aos seus sentimentos, concluindo que cada outro um eu (v. 16) e s possvel sentir enquanto eu ou ns (vv. 21-24). Assim, no se pode saber o que eles, os outros, sentem (vv. 17-20), pois existe uma incomunicabilidade essencial entre os seres humanos, de que resulta a conscincia individual separada de cada eu.

1.

2.1. as terras 2.2. Sujeito (composto) 2.3. (Orao) subordinada (adverbial) consecutiva
Correo a partir daqui: http://cdn.gave.min-edu.pt/files/388/Portugues_639_CC1_11.pdf