P. 1
O Que é Empreendedorismo

O Que é Empreendedorismo

4.0

|Views: 2.833|Likes:
Publicado porapi-3696913

More info:

Published by: api-3696913 on Oct 14, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

Considerações Iniciais

• A palavra empreender é derivada de “imprehendere”, do latim, e foi incorporada a língua portuguesa no século XV. Já a expressão “empreendedor” surgiu na língua portuguesa no século XVI • Todavia a expressão empreendedorismo parece ter sido originada da tradução da expressão “entrepreneurship”, da língua inglesa, que, por sua vez, é composta da palavra francesa “entrepreneur” e o sufixo inglês “ship” que indica posição, grau, relação, estado, qualidade, perícia ou habilidade • O termo empreendedorismo tem conotação prática, mas também implica atitudes e idéias. Significa fazer coisas novas, ou desenvolver maneiras novas e diferentes de fazer as coisas

O que é empreendedorismo ?
• Criação de empresas • Geração de auto-emprego (trabalhador autônomo) • Empregado-empreendedor : “intrapreneur” intraempreendedor. São aqueles que, a partir de uma idéia, e recebendo a liberdade, incentivo e recursos da empresa onde trabalham, dedicam-se entusiasticamente em transformá-la em um produto de sucesso • Empreendedorismo comunitário (como as comunidades empreendem) • Políticas públicas (políticas governamentais para o setor) • Um novo profissional : inserção diferenciada como ofertante de trabalho

1

O que é Empreendedorismo ?
A revolução nos Estados Unidos
• Pesquisas no tema iniciaram-se há cerca de 30-40 anos • os anos 70 – o tema já era tratado em cerca de 50 Universidades • Em 1999 em mais de 1.000 Universidades e escolas de 2o. grau em todo o País !

• Obrigatório em cursos elementares em 5 estados • Em 1988, em uma população adulta de 120 milhões, 1 em cada 7 era auto-empregado • Em 1998, 3 em cada 7 são auto-empregados ou donos do seu próprio negócio • O sonho de trabalhar por conta própria existe na maioria do restante da população

O que é Empreendedorismo ?
ão sendo uma ciência, não tendo ainda formulado paradigmas próprios, o empreededorismo é um campo de estudo que não oferece respostas universais. A profusão de conceitos é natural em uma área nova. No empreendedorismo tudo ainda está em aberto. “Estamos em permanente construção” Empreender é um processo de perscrutar e caminhar em direção ao desconhecido. Um processo inconstante, imperfeito, emocional, autocriador, mutante, humano enfim, que perderia sua vivacidade e se transformaria no contrário do que é se fosse engessado por mandamentos impositivos

2

O que é Empreendedorismo ?

Seduz os que insistem em ultrapassar seus próprios limites. É isso que o empreendedor faz: gera conhecimentos que dizem respeito a si mesmo, a seu sonho, a suas idéias, seus desejos e suas relações com os outros e com o mundo

O que é Empreendedorismo ?
Uma revolução silenciosa
“O empreendedorismo é uma revolução silenciosa, que será para o século 21 mais do que a revolução industrial foi para o século 20”
Jeffrey Timmons - 1994 New Venture Creation, Irwin, Boston, EUA

3

O que é empreendedorismo ?
“ ós definimos empreendedorismo como a exploração da oportunidade independentemente dos recursos que se tem à mão” Howard Stevenson – Harvard Business School “Empreender é criar e construir algo de valor a partir de praticamente nada. Isto é, o processo de criar ou aproveitar uma oportunidade e perseguí-la a despeito dos recursos limitados. O empreendedorismo envolve definição, criação e distribuição de valor e benefícios para indivíduos, grupos, organizações e para a sociedade. Raramente é uma proposta de enriquecimento rápido; consiste, antes, na construção de valor a longo prazo e de uma corrente durável de fluxo de caixa”
Timmons - 1994

Evolução conceito Empreendedor
• Final do século XVII – Firme resolução de fazer alguma coisa • Século XIX e início do século XX – Grandes capitães da indústria: Ford, Toyota, Pegeout • Hoje – EUA – alguém que criou uma empresa : franqueado, dono de oficina – Inglaterra : Proprietário dirigente de empresa – Quebéc : emprega-se o termo nos 2 sentidos

4

Quem é o empreendedor ?
O empreendedor é o agente do processo de destruição criativa que, de acordo com Joseph A. Schumpeter *, é o impulso fundamental que aciona e mantém em marcha o motor capitalista, constantemente criando novos produtos, novos métodos de produção, novos mercados e, implacavelmente, sobrepondo-se aos antigos métodos, menos eficientes e mais caros
* Economista americano – autor de “Capitalismo, Socialismo e Democracia” _ Harper and Brothers – New York

Quem é o empreendedor ?
• “possui funções inovadoras e de promoção de mudanças que ao combinar recursos em uma maneira original, servem para promover o desenvolvimento e crescimento Shumpeter - 1934 econômicos” • “alguém decidido, que toma iniciativa de reunir recursos de maneira inovadora, gerando uma organização relativamente independente, cujo sucesso é incerto”
Shapero - 1977

• “qualquer indivíduo pode aprender a se comportar de forma empreendedora. O empreendedorismo é um comportamento, e não um traço de personalidade”
Drucker - 1987

5

Quem é o empreendedor ?
• “é alguém capaz de identificar, agarrar e aproveitar oportunidades. Para transformá-las em negócio de sucesso, busca e gerencia de recursos” Jeffrey Timmons - 1994 • “é alguém que define metas, busca informações e é obstinado”
Ferla Cunha - 1996

• “é um grande estrategista, inovador, criador de novos métodos para penetrar e/ou criar novos mercados; é criativo, lida com o desconhecido, imaginando o futuro, transformando possibilidades em probabilidades, caos em harmonia” Gerber -1996 • “ O espírito empreendedor não é um “dom” de poucos, mas uma característica comum a todos e, portanto pode ser desenvolvida.” Fernando Dolabela - 2003

Quem é o empreendedor ?
“aquele capaz de deixar os integrantes da empresa surpreendidos, sempre pronto para trazer e gerir novas idéias, produtos ou mudar tudo o que já existe. É um otimista que vive no futuro, transformando crises em oportunidades e exercendo influência nas pessoas para guiálas em direção às suas idéias. É aquele que cria algo novo ou inova o que já existe sempre pesquisando. É o que busca novos negócios e oportunidades com a preocupação na melhoria dos produtos e serviços. Suas ações baseiam-se nas necessidades do mercado”
Maria Inês Felippe - 1999

6

Quem é o empreendedor ?
• O termo carrega uma certa magia. Sugere o acesso a fortunas, o que lhe concede um halo romântico • Ser um realizador que produz novas idéias através da congruência entre criatividade e imaginação • É aquele que desenvolve a arte de empreender, de mudar, conquistar • Aquele que inicia algo novo, que vê, enfim, aquele que realiza antes, aquele que sai da área do sonho, do desejo e parte para a ação • São aquelas pessoas cujas características fogem do princípio estático, imutável • A tese de que empreendedor é fruto de herança genética não encontra mais seguidores nos meios científicos • Características empreendedoras de alguém podem ser adquiridas e desenvolvidas através de um aprendizado especial

Quem é o empreendedor ?
Teoria Visionária “é alguém que imagina, desenvolve e realiza visões”
Louis Jacques Filion, Universidade de Montreal - Canadá

Sendo que a visão é uma imagem projetada no futuro, do lugar que se quer ver ocupado pelos seus produtos no mercado, e da organização necessária para conseguí-lo. Utiliza cinco elementos de suporte :
– Conceito de si (ou autoconhecimento) – a forma como a pessoa se vê, a imagem que tem de si
mesma (está contida a sua forma de ver o mundo, a motivação). A empresa é uma extensão do ego

– Conhecimento do setor – significa saber tudo sobre ele: tecnologia, mercado, ambiente e a
dinâmica do negócio em si.

– Rede de Relações – influencia na visão. São pessoas da família, amigos, conhecidos, Internet,
participação em congressos e feiras, informações de livros, pesquisas, revistas, jornais, etc

– Energia – é o tempo reservado às atividades profissionais e a intensidade com que elas são
executadas

– Liderança – capacidade de empreendedor de convencer apoiadores (sócios, colaboradores, financiadores, fornecedores, clientes) de que é capaz de conduzi-los a uma situação favorável no futuro

O treinamento empreendedor tem por objetivo despertar e aprimorar a capacidade de construção da visão e a habilidade de desenvolver os elementos de suporte

7

Quem é o empreendedor ?
Teoria Empreendedora dos Sonhos
“o empreendedor é alguém que sonha e busca transformar seu sonho em realidade”
Fernando Dolabela

O sonho estruturante deve ser: congruente com o sistema de valores e a forma de ser de quem sonha e; ser factível. A habilidade de tentar, aprender com os erros e, portanto, de evoluir, constitui a própria construção do saber empreendedor. O desenvolvimento do empreendedor supõe as seguintes capacidades : sonhar; agir, persistir e se emocionar na busca da realização do sonho, estabelecer as conexões autocriativas entre sonhar e realizar. O objeto do sonho é algo que depende da ação e faz parte de uma realidade que sofre constantes transformações, impondo um aprendizado que recomeça a cada dia. O aprendizado através dos erros altera o conceito de fracasso, que passa a associar-se muito mais ao não fazer do que a resultados indesejáveis. O fracasso ocorre diante de uma única situação : a desistência. Tentar, errar, aprender, refazer, acertar e recomeçar.

Quem é o empreendedor ?
Teoria Empreendedora dos Sonhos
O sonho, ao ser realizado, perde a capacidade de gerar emoções na intensidade que tinha antes. Ele deve renascer, assumindo outra forma. A percepção de que o processo de realizar também produz auto-realização. O sucesso está muito mais em buscar do que em chegar (dimensão interna x parâmetros externos associado ao poder de manutenção de alta intensidade emocional). “É aceitável pedir aos aprendizes da vida : “ Faça o que for necessário para alcançar seu sonho; avalie, reflita, minimize os riscos de erros e insucesso; aja dentro da ética e do amor; faça tudo, mas não desista, não morra “ “Esta teoria permite acolher o empreendedor em qualquer tipo de atividade (além da empresa) “ “Libertar o empreendedor que existe dentro de nós implica que empreender é uma capacidade da espécie humana. atural, como qualquer outra” Fernando Dolabela

8

Ciclo do Empreendedor
Antecipar Decidir

Inovar

Empreendedor

Agir

Criar

Empreender
Leite -1999

Tipos de Empreendedor
• Empreendedor artesão – o indivíduo é essencialmente um técnico e escolhe instalar um negócio independente para praticar o seu ofício • Empreendedor tecnológico – o indivíduo associado ao desenvolvimento ou comercialização de um novo produto ou processo inovador e que monta uma empresa para introduzir essas melhorias tecnológicas e obter lucro • Empreendedor oportunista – o indivíduo que enfoca o crescimento e o ato de criar uma nova atividade econômica e que monta, compra e faz crescer empresas, em resposta a uma oportunidade observada • Empreendedor “estilo de vida” – o indivíduo autônomo ou que começa um negócio por causa da liberdade, independência e/ou outros benefícios para seu estilo de vida, que seu empreendimento tornam possíveis
Young-1990

9

Características Perfil Empreendedor
• O empreendedor tem um “modelo” que o influencia • Tem iniciativa, autonomia, autoconfiança (auto-estima – mesmo em situações de fracasso), otimismo (sem perder o contato com a realidade), necessidade de realização • Cultiva a imaginação e aprende a definir visões • Confia em si mesmo. O fracasso é visto como um resultado. Aceita e aprende com seus erros e com os erros dos outros • Luta contra padrões impostos. Diferencia-se. Tem a capacidade de ocupar um intervalo não ocupado por outros no mercado • Tem forte intuição. Como no esporte, o que importa não é o que se sabe mas o que se faz. O conhecimento é volátil, mutante, nervoso, emocional • Comprometimento. Crê no que faz. Orientado para resultados. Alto nível de compromisso com o trabalho que desenvolve

Características Perfil Empreendedor
• Tem capacidade de análise. Identifica oportunidades • Precisa de liberdade para agir e para definir suas metas e os caminhos para atingi-las • Sabe onde quer chegar. Estabelece objetivos de longo prazo e metas de curto prazo. Fixa metas, planeja como chegar, garante a execução do planejado, identifica e corrige possíveis desvios de rota • Persistente. Trabalhador incansável. É motivado pelo desejo de realizar. Tem prazer em realizar o trabalho e em observar o seu próprio crescimento empresarial • Tem energia, é tenaz, firme e resistente ao enfrentar dificuldades • Orientado para resultado. Orientado para o futuro. Aceita o dinheiro como uma das medidas de seu desempenho

10

Características Perfil Empreendedor
• Sonhador realista. É racional, mas usa também a parte direita do cérebro • Trabalha sozinho, não depende dos outros para agir; porém, sabe agir em conjunto. É capaz de delegar • Líder. Sistema próprio de relações com empregados. “Líder da banda” • Acredita no trabalho com participação e contribuição social • Tece rede de relações moderadas. Rede interna (sócios, colaboradores) mais importante que a externa • Conhecimento do negócio • É flexível sempre que possível. Está sempre concebendo novas soluções e conceitos • Traduz os seus pensamentos em ações

Características Perfil Empreendedor
• Mantém a automotivação, mesmo em situações difíceis • É criativo na solução de problemas. Está sempre concebendo novas soluções e conceitos • É capaz de desenvolver os recursos de que necessita e de conseguir as informações de que precisa • ão busca, exclusivamente, posição ou reconhecimento social • Tem grande necessidade de atualização. Está sempre disposto a aprender • Define o que deve aprender ( a partir do não definido) para realizar as suas visões (aprender a aprender, pró-ativo) • Método próprio de aprendizagem. Aprende a partir do que faz (fazer, analisar os resultados, aprender, fazer de forma melhor). Emoção e afeto são determinantes para explicar o seu interesse. Aprendem indefinidamente

11

Características Perfil Empreendedor
• Internalidade. Controle, capacidade de influenciar, do comportamento das pessoas • Assume riscos moderados, viáveis, possíveis, calculados • Alta tolerância à ambiguidade e incerteza

Intraempreendedorismo
Os empreendedores são necessários não somente para iniciar novos empreendimentos em pequena escala, mas também para dar vida às empresas existentes, em especial as grandes

Deve-se apoiar pessoas com idéias inovadoras e iniciativa (empreendedores e intraempreendedores) porque elas são agentes de mudança e esperança para o futuro

12

Intraempreendedorismo
“O intraempreendedorismo é um sistema revolucionário para acelerar as inovações dentro das grandes empresas, através de um uso melhor de seus talentos empreendedores. .....Os intraempreendedores são os integradores que combinam os talentos dos técnicos e dos elementos de marketing, estabelecendo novos produtos, processos e serviços “
Pinchot III-1989

“... a maioria dos funcionários com características intraeempreendedoras deixa as corporações não porque considera insuficientes seus salários e benefícios, mas porque se sentem frustados em suas tentativas de inovar. Eles precisam de delegação de poder para agir, tanto quanto precisam de compensação salarial”
Pinchot III-1989

Conceitos - Empreendedorismo
Comportamento e Competência do Empreendedor
• • • • • • • • • • • • • • • • • • Perseverança Iniciativa Criatividade Protagonismo Energia Rebeldia a padrões impostos Capacidade de diferenciar-se Comprometimento Capacidade de sonhar de forma realista Capacidade ilimitada de trabalho Liderança Orientação para o futuro (construção do próprio sonho) Imaginação Pró-atividade (aprender a partir do que deseja fazer) Método próprio de aprendizagem Tolerância a riscos moderados Alta tolerância à ambiguidade e incerteza Internalidade – “lócus de controle” – disposição pessoal próprias ações – eventos próprias ações”

controle sobre as

13

Conceitos - Empreendedorismo
Empreender em tudo
A necessidade de aquisição de conhecimentos nasce no momento em que o indivíduo começa a caminhar para a realização do sonho. É a emoção que trás a tona as características empreendedoras inerentes a espécie humana

Empreender é de todos
Sonhar e buscar a realização dos sonhos são faculdades do ser humano

Empreender é para todos
Sonhos realizados não podem ser medidos exclusivamente por padrões financeiros, mas pela utilidade que geram para a coletividade (foco no lucro x contribuição social)

Empreender é indissociável da ética
O resultado financeiro ou a contribuição para a formação do PIB não podem ser os parâmetros definidores da atividade empreendedora. Trata-se da avaliação da utilidade que agrega a sociedade

Conceitos - Empreendedorismo
A ferramenta não define o sucesso empreendedor
Ferramentas são apenas ferramentas

Empreendedorismo não se aprende como tabuada
Se o empreendedor está sempre envolvido com coisas novas, por força de sua atividade, estará em permanente processo de aprendizado e de geração de novos conhecimentos. A habilidade estratégica do empreendedor é aprender a aprender

Auto-estima e internalidade : o óbvio negligenciado
ão distanciar o trabalho da emoção em nome da eficácia. Auto-estima é necessária para desenvolver internalidade

14

Mudanças nas relações de trabalho
• O emprego-padrão de hoje, com vínculo salarial, patrão e horário rígido, já é artefato do século passado. O emprego dá lugar a novas formas de participação • As vagas de emprego nas empresas estão cada vez mais enxutas • Dissociação da noção de emprego e cargo – Emprego (empresas) Cargo (pessoas que detém habilidades e capacidades) • Emprego fixo contratação de serviços para uma necessidade específica

Mudanças nas relações de trabalho
• Eliminação de vínculo empregatício – Cooperativas – Autônomos – Prestadores de serviço, etc • unca se teve tanta incerteza sobre o futuro profissional

• Aumento de desemprego no mundo • Altas taxas de desemprego também no Brasil a partir da década de 90 (~11,0%)

15

Mudanças nas empresas
• Mudanças no interior das empresas
– Unidade de negócio – Gestão de objetivos – Contratos de gestão – Empregado gestor – empreendedor – o empreendedor interno – A formação do profissional com perfil empreendedor !

Emprego X Novas Oportunidades
Paradoxo : Fim do emprego início de novas oportunidades !
• A maioria das pessoas empregadas estão insatisfeitas com o seu trabalho, salário e rumo de suas carreiras • A figura lendária e mística do empreendedor ganha destaque na atualidade em função da necessidade de gerar novos postos de trabalho • A importância das pequenas (PME) e médias empresas como agente complementar nas cadeias de produção • PMEs como agentes de desenvolvimento econômico. Programas de fomento e apoio (ex.SEBRAE) • PMEs absorvem mais de 60% mão de obra (Brasil e Mundo) • Empresas de base tecnológica :
– Principal ativo – o conhecimento – Oportunidades fartas

16

Empregar sai muito caro - Brasil
Quanto custa para empresas gerar um emprego formal – em % sobre o salário de um horista

Contribuições Sociais
I SS FGTS Salário-educação Seguro acidente (média) Serviços Sociais (Sesi, Sesc, Sest) Formação profissional (Senai, Senac, Senat) Sebrae Incra 20,00 8,50 2,50 2,00 1,50 1,00 0,60 0,20

Subtotal A

36,20
Fonte : Exame 15/09/2004

Empregar sai muito caro - Brasil
Quanto custa para empresas gerar um emprego formal – em % sobre o salário de um horista

Remuneração de Tempo não trabalhado I
Repouso semanal Férias Abono de férias Feriados Aviso Prévio Licença-maternidade 18,10 9,45 3,64 4,36 1,32 0,55

Subtotal B

38,23

Fonte : Exame 15/09/2004

17

Empregar sai muito caro - Brasil
Quanto custa para empresas gerar um emprego formal – em % sobre o salário de um horista

Remuneração de Tempo não trabalhado II
13o. salário Férias Indenização de dispensa – 50% do FGTS 10,91 3,21

Subtotal C Incidências Cumulativas
A/B ( todas as incidências do grupo A se aplicam ao grupo B) FGTS/13o. Salário

14,12
13,88 0,93

Subtotal D Total Geral

14,81 103,46
Fonte : Exame 15/09/2004

Empregar sai muito caro - Brasil
• o Brasil do século XXI vigora uma lei trabalhista de mais de 60 anos repleta de amarras. Pesquisa de rigidez das leis trabalhistas entre 85 países, do ational Bureau of Economic Research de Washington, indica o Brasil como o país mais rígido

• “Lei tamanho único” gera desestímulo a empregar e o estímulo para contratar na informalidade. Os países mais ricos regulam mais por negociação do que por lei • Em pesquisa do Banco Mundial com 145 países o Brasil ficou em último lugar nos quesitos : facilidade de contratação, facilidade para demissão e condições de trabalho
Fonte : Entrevista José Pastore - Exame 15/09/2004

18

Empregar sai muito caro - Brasil

• “O Brasil, como nação é um péssimo lugar para quem trabalhar – e horroroso para quem quer contratar”

• “Pesquisas revelam que o excesso de regulação legal na área trabalhista contribui para aumentar o desemprego e a informalidade”
José Pastore - USP

Empregar sai muito caro - Brasil
• o Brasil há 76 MM de trabalhadores
– 30 MM na formalidade (40%) – 46 MM na informalidade (60%)
• • • • • 20 MM empregados 15 MM trabalham por conta própria 6 MM trabalham sem remuneração 4 MM são empregados domésticos 1 MM outros

• As empresas necessitam ter capacidade administrativa para preencher e recolher tantos impostos e capacidade jurídica para se defender de eventuais queixas. A CLT tem 950 cláusulas que a empresa tem que cumprir aumento do risco jurídico José Pastore - USP

19

Empregar sai muito caro - Brasil
• Cresce o número de pessoas subempregadas e desempregadas, e uma multidão de jovens, muitos sem qualificação, é “jogada” no mercado de trabalho todos os anos • Previsão : Em 5 anos apenas 20% da população economicamente ativa será constituída de empregados (ABPRH)

A Atividade Empreendedora
• A pequena empresa tem sido vista como a solução para aqueles que sonham em livrar-se do emprego fixo e tornar-se independentes. Muitas vezes este sonho não leva o investidor ao sucesso ilimitado • Não há como garantir o sucesso de um empreendimento. O que se busca são elementos que permitam a diminuição do risco, e não sua eliminação • Normalmente, uma empresa só começa a dar retorno após três anos, ou mais • “Alta taxa de mortalidade infantil. No mundo das empresas emergentes, a regar é falir, e não ter sucesso” • 35% das pequenas e médias empresas costumam fechar suas portas depois do primeiro ano de vida • 56% destas são fechadas após o terceiro ano • Apenas 3% dos novos negócios sobrevivem mais de cinco anos
Mota - 2000

20

Segmentação de tamanho
Definição utilizada pelo Sebrae

Tamanho/ o. Indústria Comércio/Serviços empregados Micro 19 9 Pequena Média Grande 20 a 99 100 a 499 > 500 10 a 49 50 a 99 >100
Ago/04

Facilidade nos Negócios
Abrir uma empresa no Chile é mais fácil que no Brasil

Países Estados Unidos Chile Brasil

úmero de passos
5 10 17

Dias necessários
5 28 152

Fonte : Banco Mundial 2004

21

PMEs no Brasil
• Crescimento do número de empresas abertas entre 1997 e 2002
– Interior – 45,5% – Capitais – 33,9%

• Tempo necessário para legalização de um negócio
– Brasil - 152 dias – Colômbia - 40 dias

• Crescimento entre 2001 –2002
– – o. de sócios e proprietários de empresas – 12,3% o. de assalariados – 5,7%
Fonte : TV Globo - IBGE

PMEs no Brasil
Classificação de Empresas por tamanho Micro e Pequena 4.000.000 Média 23.115 Grande 19.106 Total 4.124.343

Fonte : Cadastro Central de Empresas - IBGE

22

Pesquisa PMEs no Brasil
• Pesquisa promovida pelo SEBRAE no primeiro trimestre de 2004 • Abrangência acional – Micro e Pequenas Empresas • Empresas constituídas e registradas em 2000, 2001 e 2002 • Cerca de 470 mil novas empresas são constituídas anualmente
Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - SEBRAE- 08/04

Pesquisa PMEs no Brasil
Taxa de mortalidade (2000-2002) (%) Ano de Constituição 2002 2001 2000 Brasil 49,4 56,4 59,9

• Cerca de 60% para empresas com até 4 anos de existência
Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - SEBRAE- 08/04

23

Pesquisa PMEs no Brasil
Fatores de sucesso Categoria
Habilidades

Fatores de Sucesso
Bom conhecimento do mercado onde atua (conhecer a clientela potencial e
quais produtos eles procuram, avaliar e procurar as melhores fontes para a aquisição dos bens para a formação do estoque, etc)

% de Empresários
49%

Gerenciais

Boa estratégia de vendas (definição de preços de comercialização compatível com o perfil do mercado, estratégias de promoções das mercadorias e serviços, marketing, etc)

48%

Obs : A questão admitia respostas múltiplas

Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - SEBRAE- 08/04

Pesquisa PMEs no Brasil
Fatores de sucesso Categoria
Capacidade

Fatores de Sucesso
Criatividade do empresário oportunidades de negócios Empresário com perseverança Capacidade de liderança

% de Empresários
31% 29% 28% 25%

Empreendedora Aproveitamento das

Obs : A questão admitia respostas múltiplas

Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - SEBRAE- 08/04

24

Pesquisa PMEs no Brasil
Fatores de sucesso Categoria
Logística Operacional

Fatores de Sucesso
Escolha de um bom administrador Uso de capital próprio Reinvestimento dos lucros na empresa Acesso a novas tecnologias

% de Empresários
31% 29% 23% 17%

Obs : A questão admitia respostas múltiplas

Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - SEBRAE- 08/04

Pesquisa PMEs no Brasil
Causas das dificuldades Categoria
Falhas Gerenciais
Ranking 1o. 3o. 8o. 9o.

Fatores de Sucesso
Falta de capital de giro Problemas financeiros Ponto/local inadequado Falta de conhecimentos gerenciais Instalações inadequadas Falta de mão-de-obra qualificada

% de Empresários
42% 21% 8% 7% 3% 5%

Logística Operacional

12o. 11o.

Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - Ago2004

25

Pesquisa PMEs no Brasil
Causas das dificuldades Categoria
Causas Econômicas Conjunturais Políticas Públicas e
Ranking 2o. 4o. 6o. 5o. 10o. 13o. 7o.

Fatores de Sucesso
Falta de clientes Maus pagadores Recessão econômica Falta de crédito bancário Problemas com a fiscalização Carga tributária elevada Outra razão

% de Empresários 25% 16% 14% 14% 6% 1% 14%

Legal

Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - Ago2004

Pesquisa PMEs no Brasil
• Quando se utilizou respostas espontâneas em vez de perguntas estimuladas, a única grande alteração foi na resposta da carga tributária como causa de dificuldade aumentou para 29,1% • Intenso dinamismo na criação de novas empresas. Cerca de 470 mi/ano. Há aumento líquido anual no número de PMEs (470-280) Perfil das empresas extintas : – Distribuição por porte • 21% ocupavam 1 pessoa 96% microempresas • 75% ocupavam de 2 a 9 pessoas
• 3% de 10 a 19 pessoas • 1% acima de 20 pessoas

– Ramos
• 51% Comércio • 46% Serviços • 3% Industria

– Geração média de postos de trabalho – 3,2 pessoas – Proprietários
• 63% Sexo masculino e faixa etária de 30 a 49 anos
Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - Ago2004

26

Pesquisa PMEs no Brasil
Perfil das empresas extintas : (continuação)
– Atividades principais exercidas antes
• • • • • • 30% funcionário de empresa privada 25% trabalhador autônomo 10% empresários 8% donas de casa 7% estudantes 7% funcionários públicos

– Grau de escolaridade (semelhante das em atividade)
• 29% curso superior completo • 46% colegial completo até superior incompleto

– Experiência anterior
• 26% nenhum conhecimento prévio no ramo ou experiência em negócios • 19% apontaram referência de experiência familiar com negócio similar
Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - Ago2004

Pesquisa PMEs no Brasil
Principais indicadores de desempenho
Indicador
Empresas ativas 2000 2001 2002 Empresas extintas 2000 2001 2002

53,6 M 122,2 M 44,5M 25,7M 22,6M 33,2M Capital médio investido (R$) Origem do capital Próprio Próprio fixo investido (74%) (74%) Empregos médios 8,8 8,7 6,5 3,4 2,8 3,4 gerados Faixa de Acima de R$ 120M Acima de R$ 120M faturamento (26%) (6%) Tipo de assessoria/ Não procurou Não procurou auxílio (25%) (32%)
Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - Ago2004

27

Pesquisa PMEs no Brasil
Custo socioeconômico advindo da taxa de mortalidade empresarial no Brasil

Ano 2000 2001 2002 Total

Empresas Perdas de encerradas ocupações
275.900 276.874 219.905 772.679 882.880 885.996 703.696 2,4 milhões

Desperdícios econômicos
R$ 6,6 bilhões R$ 6,7 bilhões R$ 6,5 bilhões R$ 19,8 bilhões

Fonte : Fatores Condicionantes e Taxa de Mortalidade de Empresas no Brasil - Ago2004

Alguns dados pesquisados
• Empregados têm em geral 3 vezes mais vontade de se aposentar em relação aos empresários que dirigem seu próprio negócio • Empresários sentem-se bem consigo mesmos, com o trabalho e com a recompensa financeira. Têm os mais altos níveis de satisfação, desafio, orgulho e remuneração • os EUA o volume de novas empresas criadas por mulheres cresce mais que as empresas criadas por homens

• Cada vez mais as pessoas não querem aposentar, mas iniciar segunda carreira em pequenas empresas, de preferência empresas próprias

28

Como nos posicionar ...?
• O espírito empreendedor é hoje uma questão de postura e competitividade pessoal • Estabilidade do emprego x Risco do empreendimento • Ganho limitado x Ganho desejado ou planejado

Empreender como opção de Carreira
Motivos para iniciar um negócio próprio
– Vontade de ganhar muito dinheiro e ser independente – Desejo de sair da rotina – Vontade de ser seu próprio patrão – ecessidade de provar a si e aos outros que pode vencer

– Desejo de produzir algo que traga benefícios para si e para a sociedade – Involuntários. Motivo alheio a sua vontade. Ex. Desempregados - imigrantes , profissionais que saíram de grandes organizações com recursos econômicos significativos, ou que herdaram algum negócio de família

29

Empreender como opção de Carreira
Motivos para iniciar um negócio próprio
– A realização pessoal – A natureza humana : as individualidades, as diferenças pessoais, o ego, a emoção, a criatividade – O ser é mais importante que o saber – Conhecimento do negócio, e não uma visão fragmentada – Uma nova relação com o trabalho – O empreendedor é visto como : o “motor” da economia

Empreender como opção de Carreira
Motivos para iniciar um negócio próprio
– Grande mudança nos conceitos de trabalho e emprego no mundo atual – Redução na capacidade de absorção de mão de obra pelas empresas – Aumento de produtividade e redução de jornadas de trabalho – Introdução de inovações tecnológicas – tecnologia da informação – Restruturações organizacionais :
• • • • Encurtamento das cadeias de produção Downsizing organizacional Descentralização das decisões Terceirização avançando para as atividades centrais de produção

30

Empreender como opção de Carreira
É bom saber desde já que :
– A semana de quem inicia um novo negócio também tem 7 dias, mas ele não descansa a noite e nem durante o final de semana – Um novo negócio exige aplicação inicial de recursos, tem um tempo de maturação e só começa a se pagar após algum tempo – Leva algum tempo (algumas vezes, alguns anos) para que se possa tirar do negócio o capital investido – ão há espaço para “não gostar de “. Mesmo que não se goste de contabilidade o empreendedor vai ter que se acostumar com ela

– O salário dos funcionários tem que ser pagos até o 5o. dia útil do mês, chova ou faça sol

Empreender como opção de Carreira
Como se preparar para criar um negócio próprio ?
– Desenvolver uma íntima relação com os computadores (informações para desenvolvimento pessoal e profissional) – Dominar os princípios básicos de administração – Pensar pequeno (envolver poucas pessoas) – Aprender a trabalhar em equipe (distância entre empregador e empregado estão cada vez menores) – ão se apegar demasiadamente a detalhes (mudanças rápidas)

– Fazer aquilo que gosta – Ser otimista, atraindo bons fluidos

31

Fontes de Idéias
• • • • • • • • • • • • • • • • • • Pesquisa universitária Olhar nas ruas, observação do que se passa em volta Idéias que deram certo em outros lugares Experiência adquirida enquanto consumidor Experiência no emprego, empregos anteriores Contatos profissionais (advogados de patentes, contadores, associações empreendedores) Consultoria (dar consultoria pode ser uma fonte de idéias) Mudanças demográficas e sociais Caos econômico, crises, atrasos (estabilidade as oportunidades são mais raras) egócios existentes (negócios em falência) Como usar as capacidades e habilidades pessoais Imitação Dar vida a uma visão Transformar um problema em uma oportunidade Descobrir algo que já existe (melhorar, acrescentar) Combinar de uma nova forma Franquias e patentes Feiras e exposições

Idéia e Oportunidade
• É importante que a idéia seja discutida, criticada • Idéias (nascem no interior das pessoas) não são necessariamente oportunidades (embora em uma oportunidade exista uma idéia) • Há maior quantidade de idéias do que boas oportunidades de negócios (quanto mais imperfeito o mercado mais oportunidades) • A oportunidade deve se ajustar ao empreendedor • Características da oportunidade :
Atraente Durável Tem uma hora certa É ancorada em um produto ou serviço que cria ou adiciona valor para o seu comprador – É um alvo móvel. Se alguém a vê, ainda há tempo de aproveitá-la – É a fagulha que detona a explosão do empreendedorismo – – – –

• Um empreendedor habilidoso dá forma a uma oportunidade onde outros nada vêem, ou vêem muito cedo ou tarde • ão é questão de usar técnicas, checklists e outros métodos

32

Empreendedor, Idéia e Implementação
São dois processos básicos para a criação de uma empresa : a formação de uma idéia e o caminho para sua validação através do Plano de egócios Empreendedor
?

Idéia

P

Mercado Plano de negócio

?
Estas 2 relações acontecem antes/depois do Plano de Negócios e são fundamentais. Dependem do conceito de si
(auto conhecimento)

Criação do Empreendimento

Potencial Evangélico
Alguns indicadores que revelam o tamanho desse mercado no Brasil

500 milhões de reais
é quanto movimentam, por ano, os produtos evangélicos no mercado nacional

32 milhões de fiéis
é o tamanho do rebanho protestante, o equivalente a 18% dos brasileiros

1 milhão de empregos
são gerados pelas empresas que vendem produtos destinados a evangélicos

10.000 novos pontos
de pregação são abertos a cada ano em várias regiões do país

Fonte : Sepal e EBF Eventos -Exame Fev 05

33

Plano de Negócios
• O conhecimento do setor de atuação é fundamental para o sucesso. Conhecer bem uma área de negócio não é tarefa simples, demora de seis meses a dois anos • O conhecimento profundo do negócio, dos clientes, dos fornecedores, da concorrência, das tendências e sinalizações sobre o futuro do produto • Será necessário muito estudo, pesquisa, análise, planejamento. Você terá que fazer um Plano de egócios • O Plano de egócios é essencial : para diminuir riscos e para que você tenha, mais do que qualquer pessoa no mundo, a capacidade de estimar se a sua empresa, projetada com base na sua visão de mundo, nos seus valores, expectativas, conhecimento de mercado, terá sucesso ou não

Plano de Negócios
• A metodologia de Plano de egócios é muito utilizada na Europa, Canadá e USA • É uma linguagem para descrever de forma completa o que é ou o que pretende ser uma empresa. Forma de pensar sobre o futuro do negócio (aonde ir, como ir mais rapidamente, o que fazer durante o
caminho para diminuir incertezas e riscos)

• Um documento completo, o Plano de egócios, dá todas as respostas sobre a empresa . Descreve o negócio • Quem são os “clientes” do Plano de egócios ?
– – – – – – – O próprio empreendedor Sócios e empregados Sócios em potencial Parceiros em potencial (distribuidores, representantes) Órgãos governamentais de financiamento, banco, capitalistas de risco Grandes clientes atacadistas, distribuidores Franqueados

34

Plano de Negócios
• É um instrumento de negociação interna e externa • É um instrumento para obtenção de financiamentos, empréstimos, novos sócios,etc • Motivos para fazer um Plano de egócios : A taxa de mortalidade de novas empresas e a necessidade de conhecer o mercado, a gestão financeira, leis, etc Exemplos de questões que você deverá estar apto a responder são:
• Qual o percentual de sucesso garantido pela qualidade intrínseca do produto ? Cerca de 15% ? Quase nunca o produto de maior sucesso é o que apresenta a melhor qualidade. Ex. IBM, Microsoft Cite o nome de 3 concorrentes. Quem seriam os seus fornecedores de equipamentos e de matéria-prima? Qual o lucro médio das empresas que atuam nesse setor, em relação a seu faturamento. É realmente importante conhecer o processo tecnológico de um produto

Sucesso depende de 3 etapas
1 - Identificar a oportunidade de negócio Identificar oportunidades Coletar informações 3 – Implantar o negócio Operacionalizar o negócio Elaborar Plano de egócio

2 – Desenvolver o conceito do negócio Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Definir estratégia competitiva

Avaliar potencial de lucro e crescimento

35

1a Etapa–Identificar a Oportunidade de Negócio

Fórmulas
• Identificação de necessidades • Observação de deficiências (destruição criativa. Ex. Caneta tinteiro) • Observação de tendências • Derivação da ocupação atual • Procura de outras aplicações. Ex. Apicultura melhorando a produção de cítricos • Exploração de hobbies • Lançamento de moda • Imitação do sucesso alheio

1a Etapa–Identificar a Oportunidade de Negócio

Coletar informações
Filosóficas
• • • • • • • Alguém já teve esta mesma idéia ? Quais os resultados ? Como está este mercado ? Como funciona a indústria ? Quem são os clientes ? Quem são os fornecedores ? Quais os produtos substitutos e porque não funcionam ?

Práticas • Como estão instalados ? • Qual o investimento inicial ? • Qual o tempo de maturação ? • Qual o pay-back ?

36

1a Etapa–Identificar a Oportunidade de Negócio

Coletar informações – outras preocupações
• • • • • • • • • • • Sazonalidade Efeitos da situação econômica Controle governamental Dependência de elementos de disponibilidade e custos incertos Ciclo de vida do setor Lucratividade Mudanças que estão ocorrendo no setor Efeitos da evolução tecnológica Grau de imunidade à concorrência Atração pessoal Barreiras a entrada

2a Etapa–Desenvolver o conceito do negócio

Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Avaliar potencial de lucro e crescimento Definir estratégia competitiva

• Identificada a oportunidade de negócio e coletadas as informações, o empreendedor precisa ordenar as idéias. Precisa descrever claramente :
– as necessidades do grupo de clientes que ele pretende atender, – com algo – produto ou serviço – que sabe fazer, – a um custo que estes clientes – estão dispostos a pagar

37

2a Etapa–Desenvolver o conceito do negócio

Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Avaliar potencial de lucro e crescimento Definir estratégia competitiva

• Modelo das 5 forças do Porter
– Você é um novo entrante potencial ! – Que tal analisar a indústria que você está entrando para descobrir quais são as barreiras ? Entrante Potencial
Ameaça de novos entrantes Poder de barganha dos fornecedores

Competidores da industria Compradores Rivalidade interna
Poder de barganha dos compradores

Fornecedores

Ameaça de produtos substitutos

Produtos Substitutos

2a Etapa–Desenvolver o conceito do negócio

Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Avaliar potencial de lucro e crescimento Definir estratégia competitiva

• É necessário identificar, ainda :
– Problemas de ordem pessoal – Problemas relacionados com a inovação – Problemas de comercialização – Problemas de rentabilidade • Acesso a linhas de financiamento (governamentais e
privadas)

• Capacidade de gerar capital para investimento inicial, possíveis injeções, capital de giro por determinado tempo – Problemas societários

38

2a Etapa–Desenvolver o conceito do negócio

Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Avaliar potencial de lucro e crescimento Definir estratégia competitiva

• Se o seu negócio for uma franquia, muito cuidado com a propaganda enganosa :
– visite franqueados – use o conceito de mecânico de família – leia jornais e revistas

• Se não for, identifique os benchmarks disponíveis e descubra quem eles são, como vivem, quais os resultados que tiveram, etc. procure saber se o sucesso vem do próprio negócio ou se o negócio é um hobbie deficitário

2a Etapa–Desenvolver o conceito do negócio

Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Avaliar potencial de lucro e crescimento Definir estratégia competitiva

• Só se consegue reduzir os riscos de um novo empreendimento se há um forte investimento preliminar em informação • Isso significa :
– – – – – – Pesquisa Estudo Detalhamento Questionamento Comprometimento Ação

39

2a Etapa–Desenvolver o conceito do negócio • Qual o potencial de lucro do negócio ? • Em quanto tempo ? • Qual o Plano de Marketing para o negócio ? • Qual o ciclo de vida do negócio? • O que fazer se o negócio chegar ao final do ciclo ? • Que outros caminhos podem ser trilhados ? • Rascunhe um Plano Financeiro !

Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Avaliar potencial de lucro e crescimento Definir estratégia competitiva

2a Etapa–Desenvolver o conceito do negócio • Isso também cheira a Porter: coloque-se como participante da indústria e reordene as forças que podem estar atuando sobre você • Descubra qual o seu tamanho nesta indústria e qual as suas Vantagens Competitivas • Como fazer para se tornar um Desafeto Agradável ? • Você estará firme sobre o cavalo ?

Desenvolver conceito Identificar riscos Procurar benchmarks Reduzir os riscos Avaliar potencial de lucro e crescimento Definir estratégia competitiva

40

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

1. O projeto
1.1 - Resumo Executivo (duas páginas no máximo)
O resumo executivo é o lugar onde você resume todas as idéias e planejamentos, transforma as partes soltas de sua empresa num todo, e resume tudo o que está propondo. Portanto o resumo deve ser elaborado por último

1.2 – Missão da Empresa (um parágrafo)
Admissão expressa a maneira como o empreendedor projeta a empresa na sua visão de mundo e o papel por ela desempenhado nesta visão

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

1.3 - Objetivos (claros e quantificados. Ex. 1% do mercado regional do
produto no 1o. ano)
– – – – – – – – – – –

Algumas das principais questões que você deverá estar apto a responder são:
Qual o propósito do seu negócio ? Qual é o seu produto/serviço ? Qual é a oportunidade de mercado ? Que problema ou necessidade o produto/serviço vai solucionar ? Que tendências ou mudanças criaram esta oportunidade ? O que a empresa pode fazer/oferecer agora que não era feito/oferecido antes ? Como pode esta competência atender às necessidades do mercado ? Qual é o tamanho do mercado para os produtos da empresa ? Quais as oportunidades da empresa no mercado externo ? Quão rapidamente o mercado poderá crescer ? Quem são seus concorrentes ?

– De que maneira a empresa pode atender ao consumidor melhor que o concorrente (mais rápido, mais barato..) ? – Qual a vantagem competitiva da empresa ? – Quais as vendas, lucros e retorno esperados sobre o investimento ? – Que montante de capital a empresa espera levantar ?

41

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

2. Os Empreendedores
2.1 – Perfil Individual dos Sócios 2.2 – Estrutura Organizacional 2.3 – Motivação
Algumas das principais questões que você deverá estar apto a responder são : • • • • • • • Qual a razão para começar seu próprio negócio ? O histórico dos empreendedores credenciam-nos para ter sucesso neste novo projeto ? Quais são os executivos principais e quais são as suas funções ? O que eles já fizeram que possa sugerir que serão bem-sucedidos na empresa ? De quem mais você precisa e como se encaixa na sua organização ? Quem poderia convidar para ingressar ou ser parceiro de sua empresa ? Como a empresa pretende se estruturar para levar adiante sua estratégia ?

Obs : A existência de parcerias já firmadas (formalizadas, por exemplo, através de uma carta de interesse), é bem vista quando da avaliação da viabilidade técnica do projeto. Se possível, procure firmar estas parcerias e anexe as cartas de interesse obtidas em seu plano de negócios. Após a elaboração desta parte, faça o seu “check-list”

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

3. Plano de Marketing
3.1 – Ambiente do egócio 3.2 – Definição do Produto 3.3 – Características Técnicas do Produto 3.4 – Estudo de Mercado Alvo acional/Internacional 3.5 – Avaliação Contínua do Projeto 3.6 – Concorrência
Obs : As premissas de crescimento de mercado devem estar apoiadas, sempre que possível, em análises quantitativas sólidas. Após a elaboração desta parte, faça o seu “check-list”.

Algumas das principais questões que você deverá estar apto a responder são : • Qual a necessidade de mercado que a empresa pretende atender ? • Que tendências e mudanças criaram estas necessidades ? • Como se espera que esta tendência continue ? • Quais são os clientes que a empresa espera atender ? • O que provocou esta necessidade para estes clientes ? • Como isto os afeta ? • Como isto varia nos diferentes segmentos de mercado ? • Se o produto é melhor, qual o valor da qualidade para estes clientes ?

42

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

3. Plano de Marketing (Continuação)
• • • • • • • • • • • • • • • • • Que valor pode ser agregado para servir às necessidades dos clientes ? Se o produto da empresa faz as coisas mais rapidamente, qual o valor do tempo para os clientes? Quanto os clientes pagarão para ter estas necessidades atendidas? Qual o tamanho do mercado para estes produtos e serviços ? Quão rápido é o crescimento esperado ? O que está orientando o crescimento do mercado ? Espera-se que continue ? Por quê ? Que tecnologia os produtos da empresa irão utilizar ? Como esta tecnologia se compara com as tecnologias existentes ? A tecnologia pertence à empresa ? Se não, qual a vantagem de desenvolvê-la ? Qual o plano para desenvolver as tecnologias e os produtos ? Quando eles estarão completos ? Quanto custará o seu desenvolvimento ? Qual o diferencial competitivo ? Qual a extensão do ciclo de vida esperada ? Qual a disponibilidade de fatores tecnológicos, materiais e humanos ? Quais as vantagens e desvantagens de sua empresa em relação à concorrência ?

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

4. Plano de Vendas
4.1 – Estratégia geral de vendas 4.2 – Distribuição 4.3 – Política de preços 4.4 – Propaganda e Promoção 4.5 – Pós venda e garantia
Obs : Após a elaboração desta parte, faça o seu “check-list”

Algumas das principais questões que você deverá estar apto a responder são : • Qual o segmento e nicho de mercado que pretende atingir ? • Quais as necessidades de seu público alvo, em termos de abrangência de solução e preço ? • Qual a forma de empacotamento ? • A empresa licenciará a tecnologia, produzirá e venderá os produtos, distribuirá no mercado ? • Quais os canais de distribuição ? • Como a empresa posicionará seu produto frente à concorrência ? • A empresa dispõe de material publicitário acerca de seus produtos/serviços ? • Quais os esforços da empresa no sentido de melhorar, manter ou proteger sua imagem ?

43

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

5. Plano de Projeto e Desenvolvimento
5.1 – Estágio atual do desenvolvimento 5.2 – Plano de gestão dos riscos
Obs : Após a elaboração desta parte, faça o seu “check-list” Algumas das principais questões que você deverá estar apto a responder são : • • • • • • • • Em que estágio de desenvolvimento encontra-se o seu projeto ? Qual a previsão de lançamento da primeira versão ? Qual a perspectiva de lançamento de novas versões ? Como a empresa pretende minimizá-lo ? Quais são os principais riscos tecnológicos ? Como a empresa pretende minimizá-los ? Que outros riscos existem ? Quais são os principais riscos de mercado?

3a Etapa-Montar Plano de Negócios e Ir à Luta

5. Plano Financeiro
6.1 – Investimento inicial 6.2 – Despesas fixas 6.3 – Resultado financeiro projetado 6.4 – Projeção do movimento de caixa
Obs : Após a elaboração desta parte, faça o seu “check-list”

Algumas das principais questões que você deverá estar apto a responder são : • Como a empresa espera recuperar o investimento que está realizando ? • Que estrutura de custos a empresa espera para desenvolver sua atividade ? • Quão rentável o negócio da empresa espera ser ? • Que montante de capital a empresa espera levantar agora ? Quanto mais adiante ? • Quando a empresa espera tornar-se rentável ? • Qual a taxa de retorno esperada ? • Como os investidores encontrarão liquidez para seus investimentos ? • • Qual é a atual estrutura de controle acionário ? Os investidores atuais farão novos aportes ? Que premissas são utilizadas nas projeções financeiras ?

44

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->