Você está na página 1de 2

O CARIMB

A mais extraordinria manifestao de criatividade artstica do povo paraense foi criada pelos ndios Tupinamb que, segundo os historiadores, eram dotados de um senso artstico invulgar, chegando a ser considerados, nas tribos, como verdadeiros semi-deuses. Inicialmente, segundo tudo indica, a "Dana do Carimb" era apresentada num andamento montono, como acontece com a grande maioria das danas indgenas. Quando os escravos africanos tomaram contato com essa manifestao artstica dos Tupinamb comearam a aperfeioar a dana, iniciando pelo andamento que , de montono, passou a vibrar como uma espcie de variante do batuque africano. Por isso contagiava at mesmo os colonizadores portugueses que, pelo interesse de conseguir mo-de-obra para os mais diversos trabalhos, no somente estimulavam essas manifestaes, como tambm, excepcionalmente, faziam questo de participar, acrescentando traos da expresso corporal caracterstica das danas portuguesas. No toa que a "Dana do Carimb" apresenta, em certas passagens, alguns movimentos das danas folclricas lusitanas, como os dedos castanholando na marcao certa do ritmo agitado e absorvente. Dana apresentada em pares. Comea com duas fileiras de homens e mulheres com a frente voltada para o centro. Quando a msica inicia os homens vo em direo s mulheres, diante das quais batem palmas como uma espcie de convite para a dana. Imediatamente os pares se formam, girando continuamente em torno de si mesmo, ao mesmo tempo formando um grande crculo que gira em sentido contrrio ao ponteiro do relgio. Nesta parte observa-se a influncia indgena, quando os danarinos fazem alguns movimentos com o corpo curvado para frente, sempre puxando-o com um p na frente, marcando acentuadamente o ritmo vibrante. As mulheres, cheias de encantos, costumam tirar graa com seus companheiros segurando a barra da saia, esperando o momento em que os seus cavalheiros estejam distrados para atirar-lhes no rosto esta parte da indumentria feminina. O fato sempre provoca gritos e gargalhadas nos outros danadores. O cavalheiro que vaiado pelos seus prprios companheiros forado a abandonar o local da dana.Em determinado momento da "dana do carimb" vai para o centro um casal de danadores para a execuo da famosa dana do peru, ou "Peru de Atalaia", onde o cavalheiro forado a apanhar, apenas com a boca, um leno que sua companheira estende no cho. Caso o cavalheiro no consiga executar tal proeza sua companheira atira- lhe a barra da saia no rosto e, debaixo de vaias dos demais, ele forado a abandonar a dana. Caso consiga aplaudido.

O CARIMB

Você também pode gostar