P. 1
Jurisprudencias Turmas Recursais - Oletim Informativo - Civeis_71_a_80

Jurisprudencias Turmas Recursais - Oletim Informativo - Civeis_71_a_80

|Views: 233|Likes:
Publicado porVictor Maia Brasil

More info:

Published by: Victor Maia Brasil on Sep 28, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/30/2013

pdf

text

original

1

BOLETINS INFORMATIVOS Nº 71 A 80 JURISPRUDÊNCIA DAS TURMAS RECURSAIS RECURSOS CÍVEIS SUMÁRIO
Abastecimento de água - Inadimplência - Corte........................................................................... 22 Ação de cobrança - Cheques em garantia - Inexistência de vínculo............................................. 22 Ação de cobrança - Construção civil - Contrato - Comprovação................................................. 22 Ação de cobrança - Crédito educacional - Novação - Prescrição................................................. 23 Ação de cobrança - Documentos - Correção monetária................................................................23 Ação de cobrança - Entrega de quantia - Negócio desfeito.......................................................... 23 Ação de cobrança - Honorários advocatícios - Cumprimento da prestação................................. 23 Ação de cobrança - Seguro - Prescrição - Prazo........................................................................... 24 Ação de cobrança - Título de crédito - Exibição - Provas............................................................ 24 Ação de cobrança - Título extrajudicial - Cheque - Responsabilidade da obrigação................... 24 Ação de despejo - Incompetência................................................................................................. 24 Ação de execução - Conversão em cobrança - Dívida de valor - Atualização............................. 24 Ação monitória - Impossibilidade - Conversão em cobrança....................................................... 25 Ação rescisória - Sentença terminativa - Coisa julgada formal.................................................... 25 Acidente de veículo - Cobrança - Mora do segurado - Juros........................................................ 25 Acordo - Liquidação de obrigação - Protesto e inscrição - Responsabilidade.............................. 25 Agiotagem - Ônus da prova - Inversão......................................................................................... 25 Agravo - Inexistência - Ausência de preparo - Deserção.............................................................. 26 Agravo de instrumento - Decisão em audiência - Não-conhecimento.......................................... 26 Agravo de instrumento - Decisão terminativa - Julgamento - Turma........................................... 26 Águas - Servidão - Obrigação....................................................................................................... 26 AIJ - Parte sem advogado - Prova testemunhal - Prescrição dos juros......................................... 26 Aluguéis - Pagamento - Cobrança - Litigância de má-fé.............................................................. 27 Aluguel - Administração - Remuneração - Valor......................................................................... 27

2 Aluguel - Pagamento - Atraso - Débito.........................................................................................27 Animais - Pista de rodagem - Apreensão - Legitimidade............................................................. 27 Aparelho celular - Defeito - Danos - Consumidor - Responsabilidade objetiva...........................27 Aparelho celular - Roubo - Contrato - Rescisão - Força maior - Multa....................................... 28 Arrendamento mercantil - Leasing - Retenção de valores............................................................ 28 Arrendamento mercantil - Leasing - Valor das prestações........................................................... 28 Assalto - Contrato - Responsabilidade - Indenização................................................................... 28 Assalto a coletivo - Responsabilidade objetiva............................................................................. 28 Assistência judiciária - Comerciante - Prova de miserabilidade................................................... 29 Assistência judiciária - Concessão - Ação monitória - Rito - Ação de cobrança......................... 29 Assistência judiciária - Concessão - Requisitos............................................................................ 29 Assistência judiciária - Concessão - Requisitos............................................................................ 29 Assistência judiciária - Custas e honorários - Suspensão de exigibilidade................................... 29 Assistência judiciária - Fase recursal............................................................................................ 30 Assistência judiciária - Fase recursal - Deserção.......................................................................... 30 Assistência judiciária - Fase recursal - Deserção.......................................................................... 30 Assistência judiciária - Fase recursal - Deserção.......................................................................... 30 Assistência judiciária - Fase recursal - Impossibilidade............................................................... 31 Assistência judiciária - Fase recursal - Impossibilidade............................................................... 31 Assistência judiciária - Fase recursal - Inadmissibilidade............................................................ 31 Assistência judiciária - Não apreciação - Recurso - Deserção...................................................... 31 Assistência judiciária - Necessidade - Preparo............................................................................. 31 Assistência Judiciária - Pedido - Fase recursal............................................................................. 32 Assistência judiciária - Pedido - Momento processual................................................................. 32 Assistência judiciária - Pedido na fase recursal - Inadmissibilidade............................................ 32 Assistência judiciária - Pessoa jurídica - Recurso - Deserção...................................................... 32 Assistência judiciária - Requisitos de concessão - Deserção........................................................ 33 Audiência de conciliação - Ausência - Comprovação - Revelia................................................... 33 Audiência de conciliação - Ausência de advogado - Revelia....................................................... 33 Audiência de conciliação - Ausência de procurador - Homologação de acordo.......................... 33 Audiência de conciliação - Ausência do autor - Extinção do processo........................................ 33

3 Audiência de conciliação - Ausência do demandado - Revelia.................................................... 34 Audiência de conciliação - Convolação em AIJ - Cerceamento de defesa................................... 34 Ausência de preparo - Recurso - Não conhecimento.................................................................... 34 Bem imóvel - Compra e venda - Não efetivação - Culpa - Valor pago - Restituição................... 34 Cartão de crédito - Banco receptor - Ilegitimidade passiva.......................................................... 34 Cartão de crédito - CDC - Juros - Sentença - Fundamentação..................................................... 35 Cartão de crédito - Revisão contratual - Complexidade............................................................... 35 CDC - Imóvel - Compra e venda - Perda das prestações - Corretagem........................................ 35 CDC - Ônus da prova - Hipossuficiência do consumidor............................................................. 36 CDC - Produto com defeito - Prazo.............................................................................................. 36 CDC - Relação de consumo - Prova............................................................................................. 36 CDC - Relações contratuais - Princípios....................................................................................... 36 Cerceamento de defesa - Audiência - Atraso - Revelia................................................................ 37 Cerceamento de defesa - Citação - AIJ - Revelia......................................................................... 37 Cerceamento de defesa - Contestação - Prazo.............................................................................. 37 Cerceamento de defesa - Ônus da prova - Inversão...................................................................... 37 Cerceamento de defesa - Oportunidade de resposta - Especificação de provas........................... 37 Cerceamento de defesa - Prazo - Intimação.................................................................................. 38 Cerceamento de defesa - Preliminar - Revelia.............................................................................. 38 Cerceamento de defesa - Prova postulada - Julgamento antecipado.............................................38 Cheque - Devolução - Insuficiência de fundos - Culpa................................................................ 39 Cheque - Endosso - Depósito - Compensação de crédito............................................................. 39 Cheque - Execução - Embargos - Causa debendi - Má-fé - Prova................................................39 Cheque - Garantia de dívida de terceiro - Validade...................................................................... 39 Cheque - Nulidade - Sustação por desacordo comercial............................................................... 39 Cheque prescrito - Cobrança - Causa debendi.............................................................................. 40 Cheque prescrito - Executividade - Prova testemunhal - Ação de cobrança................................ 40 Citação - Correio - Nulidade......................................................................................................... 40 Citação - Correio - Procuração - Razões da apelação................................................................... 40 Citação - Correspondência - Recebedor - Identificação............................................................... 41 Citação - Natureza integrativa - Pressuposto - Prescrições legais................................................ 41

..........Tríplice identidade...... 44 Competência .......Ação anulatória ..........Devolução parcial.43 Coisa julgada material ..... 45 Compra e venda ...............Legitimidade.............Curso superior ................Furto ..........Erros .........Cheques ....Contrato .......Promitente vendedor ...Mercadoria de mostruário ..................... 43 Cobrança ....Pena superior a dois anos .. 45 Compra e venda ..................................................... 41 Cláusula contratual abusiva .............................Decadência ..Recurso adesivo .Juizado Especial ...................................Cobrança.......Boletim de ocorrência ...Indenização....Ação de cobrança ................Seguro ......................................Contrato de adesão ...............Descumprimento .....Nulidade ...... 48 ..................................Contrato de mútuo ............... 47 Condomínio ....................Domicílio do réu..................Cobrança ..............Invalidade........................Multa contratual ..Compromisso .......... 47 Condomínio ...........................Nulidade...................................... 42 Cobrança .........................Improcedência...Juros de mora............. 43 Cobrança ....... 41 Cobrança ......Composição de danos civis ....................... 46 Compra e venda ......................... 45 Compra e venda .Pessoa jurídica ..................... 47 Condições da ação ..............Município .............................Vício da coisa.................................................Perdas e danos.Contrato verbal .................. 48 Consórcio .......... 41 Cláusula contratual ..................Não proprietário..................46 Compra e venda ...............Inadimplência ........................Juros abusivos..........................Seguro residencial .........47 Condomínio ..........Desistência . 44 Compensação de títulos ..................Cobrança de contribuições ......Rescisão ........Irregularidade.................... 46 Compra e venda de veículo .....Não conhecimento...........TAMG...Cláusula penal ..............Dívida .........Contribuições ..... 44 Competência .Valor de multa......................................Fase recursal. 46 Comprovação de culpa ...................................Má-fé ...............Improcedência...Reconhecimento de dívida....... 42 Cobrança .........................Furto não comprovado .......... 42 Cobrança .....................Legitimidade .....Documentos novos........................Revelia .........Recurso .......4 Citação .......Imóvel .........Restituição .....................Responsabilidade..Presunção relativa ..... 43 Cobrança ..................Alienação fiduciária ....Cláusula aditiva .....................Ônus probatório.Prova....Pagamento ................Citação a menor impúbere .....................................CDC...............Questão de ordem pública .....................Forma eletrônica .Cláusula penal .......................Resilição .........Taxas ....................... 45 Competência ....................... 46 Compra e venda ..Valor pago .Depósitos bancários....Rescisão ..............................................................Instituição de ensino particular...Legitimidade ativa...Defeito........ 44 Competência ............................. 42 Cobrança ..............................................Extinção do processo..................Empresa não sediada no edifício ....... 47 Condomínio .........Construção .

.........Legitimidade passiva .Alteração unilateral......Produtos ou serviços .....Quitação integral .... 54 Consórcio de imóvel ..Momento.........51 Consórcio ................. 52 Consórcio ..48 Consórcio .....56 Consumidor .....52 Consórcio ............. 49 Consórcio ..Restituição de parcelas pagas .......Inversão...Responsabilidade .......Condenação solidária ...Parcelas pagas .. 50 Consórcio ........Restituição de parcelas ........Parcelas pagas ......... 53 Consórcio ...........................Devolução..............................................Restituição .............................Responsabilidade objetiva do prestador ... 53 Consórcio .... 55 Consumidor ..Parcelas pagas ................................Correção monetária.........Restituição ...............................................Ônus da prova .Restituição ....Responsabilidade civil.... 50 Consórcio ................Restituição ......5 Consórcio ........................................... 57 .....Restituição ................Devolução ...Inserção indevida .. 56 Conta corrente ........ 55 Consumidor ......Cláusula penal......................Restituição de valores ...Ônus da prova.......Momento..................................Morte de consorciado ................Interesse..............V....................Taxa de administração .. 52 Consórcio ....Devolução....... 53 Consórcio .................................................................Ato ilícito ....Parcelas pagas ... 52 Consórcio ..Reembolso...Falta de solicitação..........Rescisão .................................................Rescisão ...............Danos........Parcelas pagas ..........................Parcelas pagas ..Devolução ....Desistência ......Restituição ............. 56 Conta conjunta .Fornecimento ................ 51 Consórcio .............................Valor........Contrato de administração ............................56 Consumidor .....Parcelas pagas .....v...........................Direito à informação.......Momento .............Inexistência de dívida..........Desistência .............Restituição ........Momento .....Valor a ser restituído....Extinção do contrato.........Desistência .....................................................................Taxas abusivas...........Rescisão contratual .......... 54 Constrangimento .....Legitimidade .......Parcelas pagas ........................... 49 Consórcio ........Rescisão unilateral ......................Restituição de parcelas ..................Desistência ....Prejuízo de ambos.................Direito básico ............. 50 Consórcio ........................Parcelas pagas .................Retenções.........Taxa de fundo extraordinário.................Liquidação extrajudicial ...................................................Momento.......Desistência ........................Restituição de parcelas.......Rescisão unilateral ...........Encerramento .............................. 50 Consórcio ..........................Prejuízos ..............Seguro de vida ...........Parcelas pagas .....Rescisão contratual .. 53 Consórcio .....Fato do produto . 49 Consórcio ...............................Ressarcimento.................................Valores pagos ..Momento ........Valor..........49 Consórcio ...................................................Desistência..Parcelas pagas ...........Quitação.............. 51 Consórcio .....................Devolução...................... 55 Consumidor ............. 55 Consumidor ..........Contrato de adesão .........

....63 Dano .. 59 Contrato de adesão ........ 61 Contrato de seguro ...Devolução....Responsabilidade ...................Ilegitimidade ativa...............................Furto de celular -Responsabilidade ....................................Sentença citra petita.............................. 62 Critérios orientadores ............... 63 Dano ............................................................Cláusula penal .......Restituição...Prestação de serviços médicos .......Retenção.................... 62 Corretor ....................................Prova de intermediação.......Reclamação judicial ......Restrição de uso .Valor.Revisão .........Inadimplência do comprador .Falha ...Inclusão..................Furto ..Indícios e elementos de prova ................... 58 Contrato .... 58 Contrato ........Ciência do proprietário .............. 58 Contrato ..........Computador .Cadastro de negatividade de crédito .Contratação oral ...Provas...............Prazo .........Honorários .....................................Culpa ...............Anulatória ............Obrigação excessiva......Prova..Inadimplência ....Nulidade....Cumulatividade dos encargos ..... 60 Contrato de consultoria ...........Apresentação como gerente ............................. 63 Dano .........Responsabilidade..............................Restrição .................... 62 Corretagem de imóvel .........................................................Interpretação favorável ao consumidor..................Valor pago .. 61 Contrato de locação ......Ação de revisão ........................... 58 Contrato ........................Direito obrigacional ....................................................... 59 Contrato de adesão ............................. 63 Dano ......Decadência.... 61 Corretagem .......................Desistência ....6 Conta corrente .........................................Responsabilidade........Nulidade.............Pedidos sucessivos ... 59 Contrato bancário .......Pacta sunt servanda......................Comissão .........Devolução.........................Convicção..........Parcelas pagas ........Abusividade......... 57 Contrato ........................... 57 Contrato ..............60 Contrato de financiamento .......Pedido contraposto ...............................57 Conta corrente .Abusividade............... 60 Contrato de crédito .............................Comissão .Juros remuneratórios .Sobrecarga elétrica ................ 63 .. 61 Contrato de prestação de serviços ..................Cobrança............................................ 60 Contrato de compra e venda ..........Rescisão ......................Cerca elétrica ..................Conduta do réu .......Responsabilidade........... 61 Contrato social ..Saque sem autorização ..Multa .............Quantia paga ...................Vício de informação ......................Obrigações abusivas............................................. 57 Contrato .......Juros ....Perícia técnica....................................... 62 Dano .................Multa contratual ...........Prova ................................................Inclusão de sócio ...........................Princípio da adstrição......Provas..Devolução.... 62 Cumulação de pedidos .........................Despesas......................................................................Aperfeiçoamento do negócio................................................................. 59 Contrato de adesão ...........................................Rescisão ......Contratação .Princípio da confiança ...............

......Furto ...............CPF de terceiros ..........................Defeito na representação ....................64 Dano material ...Cheque .Indenização.........................................Cobrança indevida ...................... 66 Dano moral .....Indenização................... 65 Dano moral ..Indenização .......................Ônus da prova...................Ameaça de negativação.....Caracterização ................. 64 Dano material .SPC .................Débito de terceiro ................. 70 .............................. 67 Dano moral ........Responsabilidade............Constrangimento e humilhação .................Caráter pedagógico .......................Agressão .....................Litigância de má-fé ..............Sindicância ........................... 67 Dano moral ............Erro da instituição financeira.............Recurso adesivo ........Comprovação...Más condições ................................................................Rescisão contratual ..Constrangimento ......Indenização..........Cadastro de inadimplência ........................ 68 Dano moral ............Processo administrativo.....69 Dano moral ... 69 Dano moral .................Critério de fixação ............... 68 Dano moral ......................Constrangimento ilegal..............Indenização ............Manutenção. 70 Dano moral ....Inocorrência....Configuração ....................Ônus da prova....... 64 Dano ..Responsabilidade civil............Valor...............................Caracterização ..........................66 Dano moral ................................... 64 Dano estético ............................Negativação em órgãos de crédito.............................Defeito do serviço ......Prisão civil ...........Protesto.....Caracterização ............................................Depositário .............................................................................Negativação indevida ....Inscrição no SPC ......Falta de autorização ...............Valor......Cheque .............................Responsabilidade ......66 Dano moral ................Cerceamento de defesa ................. 66 Dano moral .66 Dano moral ..................... 70 Dano moral ...............Notificação hábil ....Culpa do gerente ........................... 67 Dano moral .....................Resgate ou substituição.....Responsabilidade civil..............................Cadastro de inadimplência ....Reparação.........................................Manutenção...........Correntista ..................................Indenização............Indenização....................................Ausência de cuidado ...........................................................Conduta ... 64 Dano ......Telefone .............................................Inadimplência ..........Conseqüências ..............................Configuração .............................Responsabilidade .......Cheque sem fundos.....Cadastro restritivo de crédito ....Culpa.Configuração ............ 65 Dano moral ....Indenização ............................. 70 Dano moral .Ilicitude da conduta ......... 69 Dano moral .Valor....Indenização.....Pessoas jurídicas .. 69 Dano moral .Indenização ........Ausência de nexo causal.......................Imóvel ........... 69 Dano moral ...........................Inscrição .........68 Dano moral . 69 Dano moral .................SPC ........ 65 Dano moral .........Reparação.. 68 Dano moral ......... 67 Dano moral .......................................................Cheque roubado ...7 Dano ...

.. 78 Dano moral .....Energia elétrica ......................... 74 Dano moral .............................. 78 Dano moral .........................Fornecimento de cheque .......... 71 Dano moral .. 73 Dano moral ...Responsabilidade...........................8 Dano moral .....Extinção do processo .......................................... 75 Dano moral ................................... 74 Dano moral ...........................Indenização ................... 71 Dano moral ......Protesto .......... 77 Dano moral .................Indenização ..Enquadramento legal .......................Incômodo ......Caracterização ..... 72 Dano moral ........................................................Indenização ......Legitimidade ...Razoabilidade ..........Legitimidade passiva........................Negativação indevida......................................................Indenização.......Indenização ...............Indenização .......................................Inclusão no SPC ...Limites. 73 Dano moral ...................Caracterizável como natural..............Provas.........................Responsabilidade objetiva..Indenização ............................................................... 71 Dano moral ....Energia elétrica .Negativação indevida ...............Consumidor......Tabelionato ............................ 77 Dano moral .......Pagamento parcial ......... 76 Dano moral . 76 Dano moral ................Manutenção de protesto .......Termo a quo.. 72 Dano moral ...........................Estabelecimento comercial ....Cancelamento sem prévio aviso......Guarda volume ..................Consórcio .. 76 Dano moral .....Indenização..............Justiça gratuita........ 76 Dano moral ..Interrupção ..................Finalidade.............Cheque especial .......Extravio de bagagem ....................................................................................................Apreensão de veículo ..............Falsa imputação..... 77 Dano moral ................ 72 Dano moral .............Responsabilidade...........74 Dano moral ......Indenização ................Indenização .Necessidade ............................... 77 Dano moral .................Telefonia celular ..Simples aborrecimento...Cancelamento de contrato.........Indenização .Indenização ......Indenização ..........Inscrição indevida ..................................... 71 Dano moral ..........Indenização .........Responsabilidade..............................Busca e apreensão............................Extravio de mercadorias .......Falta.............Juros. 75 Dano moral .........Dilação probatória ............................................Indenização .Dívida ......Suspensão indevida..........................Condição restritiva ...............Prova .........Manutenção indevida........... 75 Dano moral .....................................Devolução de cheque ...Critério de fixação..............Indicação errônea.............Descabimento......Agressão verbal ........Suspensão indevida... 78 ...........................SPC e SERASA ............ 73 Dano moral ...Fato de terceiro ...........................73 Dano moral ..............Racismo...77 Dano moral .......................Desconto promocional .................Constrangimento..... 73 Dano moral ................................Indenização ................Indenização ..............................Indenização ...............................Negligência bancária......Existência .......................................... 74 Dano moral ....

...Plano de saúde ........................Nexo causal..............................Fixação........................Inclusão indevida .........Ofensa . 79 Dano moral .................................................. 85 Dano moral ......Instituição financeira diversa ..........Enriquecimento sem causa ................................................. 83 Dano moral . 85 Dano moral ..Provas ...........Valor ....Cancelamento de contrato.....................SPC ...............Valor ....................................... 86 Dano moral .....................Repetição de indébito ......Indenização ........Indenização .............Indenização .....................9 Dano moral ...............Indenização..Indenização .. 79 Dano moral ...Negativação indevida ..Valor.................Indenização ...Matrícula..............Atos de terceiro ...................Valor....Protesto de título .....................SPC ................Indícios ..... 83 Dano moral .Protesto .............. 82 Dano moral .....................................................................................................SPC ...................................Indenização .......Parcela paga ............ 83 Dano moral ...........Valor...............Abuso do direito .....................................SPC .................Inversão..........Valor........Inclusão indevida ......................... 82 Dano moral ..............Plano de saúde ............................................Constrangimento......Responsabilidade civil ..................................................... 79 Dano moral .......Negativação indevida ........................................................Culpa .......Responsabilidade objetiva ............... 80 Dano moral ..... 84 Dano moral ..........................Cobrança .....................Indenização ..................Reparação .............Mácula.. 85 Dano moral ....................Indenização .... 81 Dano moral ..82 Dano moral .Dívida ..... 80 Dano moral ... 84 Dano moral .........Valor...............Inclusão indevida..........Indenização..............................Negativação indevida.....Legitimidade............................ 83 Dano moral ...... 81 Dano moral .....Prova da lesão ........... 82 Dano moral ......Manutenção indevida ........ 79 Dano moral ................Pagamento ................Quitação ..............Má-fé.........Indenização..........Interpretação extensiva............................Restrição de crédito ................................................................Gravidade da lesão..................Valor......................SPC ...........................................................................Protesto indevido ........ 80 Dano moral .............Prova...............Ônus.............Inclusão indevida . 81 Dano moral ...............Responsabilidade objetiva .....Vv..........Reparação.... 86 ..................................Negativação indevida ......................................................Inclusão indevida ..................... 79 Dano moral ...................................Legitimidade ativa........... 83 Dano moral ..............Culpa ............................Indenização ......................................................... 85 Dano moral .....Indenização.............................Fixação ..........Fixação...................................... 82 Dano moral ..............................................................Prova ........Provas .....................Negligência ........ 81 Dano moral .........Indenização...........................SPC..............................................Imagem ....Indenização ........... 80 Dano moral ..Valor ..............

.........SPC ..Condomínio ........................................................................................................Indenizações ....... 92 Danos .................Valores pagos ..........................................................Empresa de telefonia....................... 86 Dano moral ..................Invasão da pista contrária .......................Indenização... 88 Dano moral ...................Habilitação de linha .....Inscrição.......................Culpa.....SPC .Negligência .......TV a cabo ..............Prova........................ 90 Danos ....Verificação .........................................Inscrição indevida ...Ônus da prova...93 Danos ................................Contrato ...............................................................Cheque sustado ..............Busca e apreensão .........Telefonia ....................Demarcação errônea.................89 Danos ............................91 Danos ........................Empresa revendedora .............................. 87 Dano moral ...............Telefonia ...................................Manobra imprudente ..........Culpa .......................Elevadores ............................... 90 Danos ...........................Cobrança ...Reparação ...10 Dano moral . 88 Dano moral ........ 90 Danos ........Energia elétrica ........................................Reparação .......Seguradora ...........................Boletim de ocorrência......Indenização.....................................Suspeita de furto ................Indenização .......Documentos falsos.................. 90 Danos ......Abordagem humilhante.......................Nexo de causalidade..............SPC ...............Obrigação solidária ..Fixação........................Transferência de propriedade................93 Danos ..Inscrição indevida ........................................................Comprovação................Legitimidade.......Provas ......................................Acidente de veículo.....Responsabilidade...........................91 Danos ..................Valor..............Ônus......Direitos autorais ..........Fatos narrados .......Indenização ...........Manutenção de inscrição ........................ 88 Dano moral ...Reparação .................. 88 Dano moral .......SPC ............................... 90 Danos ........................... 87 Dano moral ....Tempo de ocorrência ...........Companhia telefônica .................................................................. 89 Danos ...............Indenização.................Negativa..Rescisão ......Devolução................Indenização......SPC .................... 91 Danos ................. 92 Danos .........Telefonia ....... 86 Dano moral ...........Nulidade de débito .............................................................. 91 Danos ........................Inclusão no SPC.................. 89 Danos ....................Sinistro.......................................Inclusão......Requisitos ............................Indenização ... 87 Dano moral .............. 93 .........Seguro ....Fixação........................................ 89 Dano moral ....Responsabilidade ....Veículo quitado .Capitalização ...... 92 Danos ..Veículo sinistrado ..............................Legitimidade ...................Legítima defesa ... 92 Danos ....Comprovação................................................Espancamento .......Assinatura ....Prova ....Interrupção de fornecimento............Indenização ...........Cobrança indevida..Responsabilidade civil ................. 91 Danos ......................................... 87 Dano moral ...................

.................Conta corrente .....Culpa ............................................Clube social . 101 Danos morais ...Fornecimento de água ........Indenização ...........97 Danos morais ............. 100 Danos morais .................... 97 Danos morais ..................... 98 Danos morais ..... 94 Danos ...........Momento.......Sentença criminal ....Injúria ...........................Indenização ...........................Serviços de telefonia ............ 99 Danos morais .......97 Danos morais ...........Cobrança indevida . 100 Danos morais ...........Quantum............................Culpa ...... 94 Danos materiais .......................................Ano letivo perdido..Vencimento....Indenização ..................Cadastro de inadimplentes .......... 96 Danos morais ..........11 Danos .................. 94 Danos materiais .Indenização.........................Viagem internacional .....Indenização.....99 Danos morais .............Loja ............... 98 Danos morais .................................. 98 Danos morais ..........Colisão de veículos .. 99 Danos morais . 98 Danos morais ... 96 Danos morais ..........Suspeita de furto .Adulteração de cheques.....................Propaganda enganosa ....... 96 Danos morais ............................ 93 Danos ................Extravio de bagagem ..Duplicidade de cobrança .......Advogado ............Empresa de turismo .....Fixação ....................................Contas não pagas................Indenização ...........Interesse....................................................................... 96 Danos morais ......................Indenização.Atribuição de prática de crime ..Mero aborrecimento ..Princípios... 97 Danos morais ..Força vinculante........Indenização.................. 99 Danos morais . 100 Danos morais .........Pedido de liminar............Transporte rodoviário .Fornecimento de água ........Novas provas .........Compra parcelada .................................Indenização...........Valor.................Indenização ...SPC .......Inscrição indevida ..............................Desídia....................Descaracterização..Indenização .......Fato exclusivo de terceiro.. 98 Danos morais ..................................................Carnê de pagamento ...........................................Não configuração.............................................Desatenção do banco...................Indenização .Manutenção do nome........Contas não pagas .........Valor do cheque ......Produção .............. 94 Danos ...........................Extravio de bagagem ........Transporte aéreo ............SERASA ................Novação da dívida ... 95 Danos morais ........... 101 ...Impedimento de entrada......... 95 Danos morais ................Cobrança indevida...................................................Condenação......Transporte rodoviário ................SERASA ....Ação de cobrança ...Dever de indenizar..............................Responsabilidade civil.... 95 Danos morais ...........Débito eletrônico..............Indenização ...........Provas................................................Quitação da dívida................Negativa de crédito .......Configuração.......Retenção da esposa da vítima ............Obrigação de fazer ........Indenização .......Ofensa a honra ... 95 Danos morais .....................................................Lesão a consumidor ................................SPC e SERASA ...................

.................Impossibilidade........Inscrição ............Art............................................Juros ............ 106 Dever de indenizar ...Descabimento.........Origem ..................................................Penhora ....... 48 da Lei nº 9.... 105 Desistência .. 103 Decisão .........Impossibilidade................Custas e honorários..............................................................................Tolerância .......Avaria em computador ..Limites legais ....Prova .... 103 Débito ..Inscrição indevida .....................Trânsito em julgado..............................Transferência de veículo ..........................................106 Despejo ..Erro . 107 Embargos .............................Presença ....Oportunidade........... 105 Deserção ...........Proteção ao crédito ......Alteração de código .........107 Embargos a execução ..12 Danos morais ...Autonomia dos contratantes.......................Teoria do risco ......................Fase de conhecimento...................... 103 Débito em conta ...Fato relevante .................Defensor Público ............ 103 Danos morais ........ 104 Defensor dativo ...........Indenização............Pagamento ....Falta de preparo ...............Pressupostos .....Culpa... 108 Embargos de declaração ......................Restituição devida................ 106 Devedor ...Parte requerida ......Responsabilidade .........................Uso próprio ....Indeferimento................................................................................Indenização.....Pagamento ................Anulação ...................099/95..........Estelionato .................Questão de direito...........................Local....Exceções da Lei...............Ação de anulação ................ 104 Depósito .............................................Trânsito ...................Pagamento integral .................Lançamento a menor ................................Cheque ...................Universidade particular .................Cumulação de pedidos . 107 Dívida ............ 104 Denunciação à lide ..........Protesto ..............Sub-rogação................. 106 Dívida ...............SERASA .....Ação executiva ............ 101 Danos morais ..........Responsabilidade.Execução fiscal .... 107 Embargos .......................Acórdão ....................... 102 Danos morais ... 102 Danos morais ...................................................Inadimplência ....Alienação....................Prova...Advogado ............Legitimidade...................Confirmação de sentença........Telefonia..Rescisão contratual ...Indenização...Alegações impertinentes ..........Citação ....Acórdão ........... 108 Embargos de declaração ...Revelia ................ 108 Embargos de declaração ......................Tempestividade.........Modificação ................... 108 Embargos de declaração .................................Título judicial ...................................Advogado particular....Prova .............. 105 Descarga elétrica ........Pedido contraposto .....SPC .........109 ....107 Embargos a execução ......Inscrição em banco de dados.............................Prova .................Intervenção de terceiros ....... 106 Direito de propriedade ...... 102 Danos morais .............................................Vv............... 108 Embargos a execução .................. 102 Danos morais .................Obrigação de indenizar......Extinção do processo...........Contra-razões ....................

Tramitação processual .................Confissão de dívida..Verba honorária ...Sentença ....... 112 Embargos de declaração .Legitimidade.............Suspensão.......Prazo ........Ônus da sucumbência.... 114 Embargos declaratórios ................. 111 Embargos de declaração ...............Decisão ..............Fundamentação ......Prestação serviço público .Reexame da causa........................Quantum exequendo ...................................................... 110 Embargos de declaração ......Erro material .. 113 Embargos de declaração ....................................Assistência judiciária..................Contradição inexistente ................................................................................... 112 Embargos de declaração ................Error in judicando .Prazo recursal .......Omissões .......111 Embargos de declaração ......Seguro .............................Inadmissibilidade.......Reforma da decisão .........................Rejeição.............................Não cabimento...110 Embargos de declaração ....Modificação do julgado....Inocorrência....Vícios não existentes ..... 115 Empresa privada .............................. 113 Embargos declaratórios ..............Existência......................... 113 Embargos de terceiros ........Inadequação.Efeito infringente ...........Decisão fundamentada.........113 Embargos declaratórios ..................Verbas da sucumbência................113 Embargos declaratórios .Regulamentação ...Rediscussão do mérito ....Reexame da causa..........................................................................................................Omissão no acórdão ..........Contagem ........... 114 Embargos declaratórios ......................................................... 111 Embargos de declaração ....Vistoria ........Recurso intempestivo ..........................Vícios inexistentes ..Suspensão ...........112 Embargos de declaração .........Alteração........Ônus da prova .Intenção ..Nulidade de título........... 116 .............Prazo .Indenização................................Recurso .114 Embargos declaratórios ....... 111 Embargos de declaração ... 115 Empréstimo ......................Metodologia utilizada......Omissão .........................Inocorrência............Argumentos......................... 114 Embargos declaratórios ......................Modificação do acórdão...................Deserção.............................................................Cobrança .......Ciência da sentença.............Decisão .......Desnecessidade......... 112 Embargos de declaração ............................................................................... 110 Embargos de declaração .Rejeição ......... 112 Embargos de declaração .........................................................Presunção.................13 Embargos de declaração ....109 Embargos de declaração .Ausência de questionamento.114 Embargos declaratórios . 116 Endosso-mandato ..Juros extorsivos ................... 110 Embargos de declaração ..............Interposição ...................Reforma ...................................................... 110 Embargos de declaração ................................. 109 Embargos de declaração ...Fundamentação ...............Fundamentos...................................Inocorrência. 109 Embargos de declaração ..Utilização....Sentença .Omissão ............................Propriedade .........................

...Indenização.....Decisão interlocutória ............. 116 Exceção de suspeição ..Revisão .............Ressarcimento...Fins sociais da lei ................................................................................ 119 Fornecedor ............Pedido em sede recursal .......... 122 Indenização ... 120 Gratuidade de justiça ...Valor ...Contrato particular ..........Não caracterização........................Boa-fé..............................Valor ..Não julgamento do mérito .. 118 Extinção do processo ....................Compra e venda ...................................Embargos do devedor ..................Arrependimento unilateral ................Arquivamento........Culpabilidade do réu.......Telefonia móvel....................... 120 Imóvel ......Morte de frangos . 121 Indenização ...........14 Energia elétrica ..........116 Exceção de pré-executividade ....................................Relação contratual ...........Configuração...Prejuízo ..... 121 Imóvel ......................Deserção....Estacionamento de shopping ................................. 120 Imóvel .........................Locação comercial .... 117 Execução .........Arras...................................................................Ônus da prova .Perigo de dano .Exoneração ....Restituição...............Penhora mantida ............... 120 Imóvel ................................ 118 Extinção do processo ........................122 Inicial ..............................Momento...................................Reforma em imóvel alheio ........................Prova pericial.....Ausência da parte.............Danos ...............Prova....................... 118 Falta de habilitação ...............................................................Complexidade da matéria ..Ressarcimento.....................Sem julgamento de mérito .................................................................Provas...........Declaração da seguradora.. 117 Extinção do processo ............Enriquecimento ilícito .118 Extinção do processo .................Compra e venda ............Indenização...............Determinação judicial não cumprida........Contrato de compra e venda ....Descumprimento .....................................................................................Marco da data ......Rescisão ...................Recurso inominado ................................ 121 Indenização ...............Alienação judicial.......Faculdade do Juiz..Contrato .......... 119 Fiança ........... 118 Extinção do processo ...............Direito de defesa ........................................................... 119 Faturamento ..Culpa in vigilando..............Veículo recuperado sem perda total ..... 121 Indenização .Título extrajudicial ..........Devolução...... 122 ..Cláusulas genéricas...Autor ..............Indenização.......................Rejeição .............Matrícula ...........Supressão de instância.................Nota promissória .......Informações.Reiteração de conduta ...............Tarifa bancária .......... 116 Estabelecimento de ensino ..........................Duração ...........Aval .. 119 Financiamento ............................................Rescisão ....Consumidor ..............Responsabilidade .............117 Execução .............. 117 Execução ...Falha no fornecimento ...................................Impenhorabilidade......Sem julgamento de mérito... 119 Fornecedor . 122 Indenização . 122 Indenização ...... 120 Furto em veículo ...............Cobrança ..

......... 127 Lucros cessantes ............................Solução rápida....... 123 Juiz ............... 124 Justiça gratuita .......Pagamento antecipado ................................. 124 Justiça gratuita .............. 126 Litisconsórcio ...................Competência.....................Mudança de endereço ...............Dilação probatória .....Penhora .......................... 125 Justiça gratuita .....................Quebra de sigilo bancário.. 124 Justiça gratuita ......... 129 ..........................................Oposição ............ 126 Locação ......126 Linha telefônica .........................Recurso ......................Exame..................STJ ................Embargos.............Indeferimento....................Advogados com procuração nos autos...Pedido ...Danos morais ... 123 Intimação ...........................Súmula 293.....................Legitimidade da seguradora............ 123 Julgamento antecipado ...................................Contrato ..............Convencimento .... 128 Mandado de segurança . 125 Justiça gratuita ..........................Legitimidade..........................Interesse de agir ..........................................Princípios ......................Requerimento ..........Deserção. 123 Inversão do ônus .......................Penhora em conta salário......................................................Assistência judiciária ................. 127 Mandado de segurança ........................Órgão de proteção ..............Validade .......Faturas anteriores à assinatura ......Liberdade ....................... 123 Instituição bancária ................................................................................... 126 Linha telefônica .Culpa do locador .................Pedido previdenciário ............ 124 Justiça gratuita .............. 125 Justiça gratuita ........15 Inscrição indevida ........................................................ 123 INSS ........Fase recursal ...Advogado do Réu...Provas .....................................Serviços telefônicos................................Fase recursal...................Descaracterização ....Prova de fato ................ 124 Justiça gratuita ......126 Locação .......................Sucumbência.... 125 Lei dos Juizados Especiais ......................................................Benefícios ..................Competência..................................Petição inicial ......Pensão e aposentadoria ..Preparo ................................................ 127 Mandado de segurança .............Regra geral ................. 125 Leasing .......... 128 Mandado de segurança ..............................Encargo do réu..................................Defesa indireta ....Momento processual..................Responsabilidade.Extinção do processo......................Sublocação...............Negativa de instalação...Retirada de relógio medidor......129 Mandado de segurança .......................Execução forçada ...........Fase recursal .................... 128 Mandado de segurança ....................Acidente de veículo ...Fase recursal.................Revelia ..................Pólo passivo ..............................Sucumbência...........................Ato ilícito ............Cobrança indevida....................................Prorrogação................................................Insuficiência de recursos.Fase recursal ....................Ato de Turma Recursal .Devolução dos valores...Rescisão ................Contrato escrito . 127 Locação . 128 Mandado de segurança .....Valor da causa.............

.....................134 Plano de saúde ................................................................................ 132 Pedido contraposto ..........Títulos........................................Não cabimento..........Confiança .....................................Competência ..................................Cobertura .Cabimento... 135 Plano de saúde .........Boa-fé ...................... 130 Normas trabalhistas ..............Usufruto ...... 132 Parcelas pagas ........Culpa concorrente...............................Sentença mantida......... 130 Ônus da prova .Preclusão.......Embargantes........Exclusão.Fato constitutivo de direito ..........Descumprimento ..................................................................Parcelas pagas ..............Exclusão ........Turma Recursal ......................................................................................Sinal .......................Regra .... 131 Ônus da prova ....Parcelas ...... 130 Nota promissória .....................16 Mandado de segurança ...................................Pessoa jurídica ..... 134 Plano de capitalização .........................Emissão em garantia................Inviabilidade .........................Forma ...131 Ônus da prova .... 135 Plano de saúde .Extinção do processo............................CDC..........................Prestadora .......... 132 Pagamento em dobro ..............................................Fato constitutivo........ 135 ...............................................Restituição ..................................Cobertura ..................................................................... 130 Nulidade ..........Instrumentos públicos...........Forma de apresentação.... 133 Perícia ................ 133 Perda de vôo ......CDC....... 132 Pedido contraposto ...........................Inversão ....................Justiça do Trabalho................Encargo do autor......Contrato de adesão ............................... 134 Plano de capitalização ...Garantia ...............Circunstâncias do caso.Rescisão contratual ..............."Taxa de estágio" ...... 130 Negócio jurídico ......... 134 Plano de saúde ................... 134 Petição inicial ............................Demonstração........Ônus probatório ....................................Nu-proprietário ................ 133 Penhora .............................................. 131 Ônus da prova .....Regras .........................................Cirurgia estética ...................Momento processual ..............................................129 Negócio desfeito ... 131 Ônus da prova ......Execução ................................................................Lesão moral . 132 Orçamento ................Indenização...........Contrato ....Fatos alegados............ 133 Penhora ......Impossibilidade...Restituição................................................... 133 Perturbação da vizinhança ....Devolução .............Oportunidade ...........Ausência de ilicitude...........Cláusula específica .........Surpresa à parte.....Equinos em zona urbana .........................Devolução........Dano ..................Abuso..........Falta de contestação ........................Culpa ............Responsabilidade...................... 129 Morosidade da recorrente .............................Serviço público .................................................. 131 Ônus da prova .......Cláusula restritiva.....................Cláusulas genéricas ....Responsabilidade objetiva......Devolução .................................Legislação municipal.........Cobertura ................131 Ônus da prova ..............

......Complexidade ..............................................Custas dispensadas ....Deserção...........137 Plano de saúde ..... 136 Plano de saúde ........Resgate.... 139 Preparo recursal .................... 135 Plano de saúde ...Ônus..............................................Fatos ............................... 138 Prazo recursal ...................................................................Mensalidade .. 143 Provas ......................Índice .......Gratuidade judiciária.................. 140 Princípio da igualdade ............Ações pessoais .....Alegação ........Reajuste ......Admissibilidade ........Pressuspostos ..................Contagem ......................Prova de abalo............Prova............................. 143 Recurso .Prazo...Exclusão inaplicável..Competência....Responsabilidade ......................................Redução de reajuste.........................Vista à parte......Extinção do processo.....Amplitude.Segurado ........Seguro ...... 138 Prejuízo ................Desistência ........................................................................140 Previdência privada ..................... 136 Plano de saúde .Profissional especializado ........................Aumento ......Teoria da aparência . 141 Produto com defeito .................... 143 Queixa crime .....................Deserção ................................Réplica ........Cerceamento de defesa...................................................Cadastros de negativação ..........Provas .....Vínculo empregatício .... 142 Prova técnica .....BO .........................Execução .............Advogado .............. 139 Preparo ....Restituição de contribuições......Cliente ..................Validade.................Início e suspensão..Desnecessidade .....Inversão do ônus ..............Onerosodidade excessiva .. 143 ...................................... 142 Provas ...................... 136 Plano de saúde ......Ausência.......Deserção....................... 140 Previdência privada .............. 138 Prazos processuais ............Fummus boni iuris ...Exclusão .Perícia ..................Incompetência ..Direito ............Obesidade mórbida .......Competência...........................................Despesas médicas ......................... 142 Prova pericial ..................... 140 Prescrição ........................... 136 Plano de saúde ......... 140 Prestação de serviços ...................Interpretação .............Suspensão .Obesidade mórbida .............................................................Princípio persuasão racional.....................Produção .........Consumidor................Vício no processo ..........Cláusula expressa ................ 142 Prova pericial ....Responsabilidade.....Fé pública.....Inclusão ....................... 141 Prova pericial ....Ausência de exclusão expressa..........Perícia informal ....Prova ..Análise................141 Prova ...................................................Garantia .............................. 137 Prazo prescricional ...........................................................Incompetência do Juizado..............139 Prescrição .....................................Contrato dúbio ................. 139 Preposto ...................Complexidade ...........................17 Plano de saúde ...................Perda do direito ......................................... 137 Plano de saúde ..................................................................Admissibilidade.......................Ausência................Proporcionalidade...Extinção processual.....................

..............Deserção..Contagem..........Momento.............Prazo ..............Nulidade............................................Intempestividade . 145 Recurso ...................................................Falta de preparo .............. 149 Recurso ...........................................Deserção ....Manutenção da sentença ........Ciência da sentença ...........................................Embargos de declaração ..........................Não conhecimento ................Conjunto probatório .........V....................Publicação .......... 148 Recurso .Sentença confirmada por seus fundamentos........Vv.............................Interesse de agir .............. 147 Recurso . 147 Recurso .......................Prazo ............................Deserção......... 145 Recurso .............Defensoria Pública .....Negado provimento ........Intempestividade.....................................................................Denominação ...................... 148 Recurso .......................................... 143 Recurso ...........Contagem ...........v............ 145 Recurso .Prazo ..Preparo .........150 ..... 146 Recurso ...................... 148 Recurso .......Devolução do prazo .......Custas ...... 149 Recurso ........Preparo ...Fundamentos.... 148 Recurso ...147 Recurso ..........................................Vv.............................................................................................................Prazo ....................Início ........................Pessoa jurídica....Justiça gratuita ..........................................Ausência ..................................146 Recurso .......Prazo .......................Deserção...............Prazo............ 147 Recurso .......... 145 Recurso ...................Prazo ............Preparo ................................... 144 Recurso ...........................................Prazo ..................................................................................Contagem ........................................................... 144 Recurso .......Informalidade....Deserção.........................................................................Contagem..Admissibilidade ........Sentença confirmada por seus fundamentos................................................. 144 Recurso .....147 Recurso ..............Não conhecimento................Momento..Preparo ............................Pedido ............... 147 Recurso .......Legitimidade.....................................Prazo legal ............Negado provimento ..............Órgão Oficial ...Preparo .Boa fé...Suspensão e interrupção...........................Pedido .Intempestividade.Ausência de preparo .......................................................Assistência judiciária ..................................Interposição .............Defensor Público ...............Prazo ..............Contra razões ...Duplo grau de jurisdição.......Prazo .............Férias forenses............... 149 Recurso .Interesse ..........................Intempestividade..........................Não conhecimento................ 146 Recurso .......... 144 Recurso ..............................Fase recursal .. 145 Recurso ..... 143 Recurso ............................................................Suspensão do prazo.................148 Recurso ..................Ausência de preparo ................................................................................. 149 Recurso ..........................................................Intempestividade............... 146 Recurso .....18 Recurso ....Pedido de vista .Deserção ........Justiça gratuita ...........................Assistência judiciária......................

........Confirmação .................................Devolução de valores ...Ausência da parte......................................Local de realização....Regime jurídico ...........................................................................................................Desistência pelo consumidor ..Preparo .............Pago.... 156 ..........156 Revelia .........Pagamento ................................ 155 Revelia ..........................................CDC........Reexame da matéria ................................. 153 Repetição de indébito ... 150 Recurso ......Preparo ......................Deserção.................... 150 Recurso ............................Sentença ........Consumo ...............................Provas..Intempestividade.............Orçamento ......................................152 Recurso intempestivo ........................................................................................Presunção da verdade ..Audiências ..............Preparo parcial.....155 Réu ........156 Revelia ......................................................Prova de eficácia.........................Tempestividade .. 151 Recurso extraordinário .......................19 Recurso ..............009/95 ..........Revelia.................................................................Inobservância de dispositivos...........Prazo legal. 153 Repetição de indébito ......... 154 Rescisória .........................................CPC......................Ausência de procurador .......Veracidade ... 155 Revelia .......Ausência ....................................... 153 Relação de consumo .............................Prazo ............................Defensoria Pública......Legitimidade passiva.........Preparo ...................Preparo ... 155 Revelia ................................Prazo.................................... 151 Recurso ........... 152 Recurso intempestivo ...Seguradora ....Devolução.........Litisconsórcio....... 150 Recurso .....................Preparo ................ 156 Revelia .. 154 Responsabilidade ...Motivo de força maior..........Audiência de conciliação ......... 153 Recurso.......... 152 Recurso inominado ...................................................Complexidade da causa ..... 154 Responsabilidade extracontratual .....................Impossibilidade......Pessoa física ...........Contrato de locação ................... 152 Recurso inominado ..........Devido ...........Condição de admissibilidade.................................Apropriação indébita .. 151 Recurso Inominado ....Ausência ......................................... 150 Recurso ..Elementos de prova...................................Prazo............................................................Obstáculo não comprovado................Interposição via fax ..Taxa de iluminação pública ...... 153 Relação jurídica .....Ocorrência ...............Deserção.Valores .................Inadmissibilidade ..................................................................Desconsideração da personalidade jurídica.....................Lei nº 9...............Fundamentos..................................Prazo............................................. 153 Reparação de dano .................................................................... 154 Rescisão contratual ...Caracterização. 151 Recurso extraordinário ...........................Mantida pelos próprios e jurídicos fundamentos.............................. 151 Recurso inominado .................Audiência .....Tempestividade ....Intempestividade.......Sentença ...Protocolo ..................................................................

........Enriquecimento ilícito........Revisão de prestação ......................Perícia documental .......... 161 Sentença ..... 163 Sentença ................Pagamento atrasado ...Próprios fundamentos.....Acidente de trabalho..159 Seguro saúde .........Próprios e jurídicos fundamentos.........................Cláusula de vigência... 159 Seguro residencial ..........Complexidade .Próprios e jurídicos fundamentos........................Vício na contratação...............Legitimidade passiva ...Manutenção .....................................................Trator ......Mantida ....Fundamentos ..........162 Sentença .................................................Prova em contrário...........................Competência ........Possibilidade...................... 157 Seguro ......163 Sentença ........................................Competência..Provas................................Confirmação .................................................. 159 Seguro obrigatório ..........Fundamentação......... 160 Sentença ....Nulidade..................................................................Nulidade.................................................................... 157 Seguro ........................ 159 Seguro saúde ...................................Dano moral.......................Legitimidade ....Mantida por seus próprios fundamentos....Confirmação pelos próprios e jurídicos fundamentos..Cancelamento .................... 163 ..............Princípio da boa-fé ................................... 160 Sentença .............. 163 Sentença .........Limites da demanda .................................................................................20 Revisão de mensalidade ..................Confirmação pelos próprios fundamentos. 162 Sentença ...Assinatura telefônica................................................................................................. 158 Seguro desemprego ......Cerceamento de defesa .............................. 157 Seguro ..... 162 Sentença ..... 157 Seguro .Indenização........Fundamentos .........................Mantida ..Poder regulamentador ........Execução ...... 162 Sentença .............................................Prêmio ............................ 161 Sentença ............................................Exclusão de cobertura ....... 162 Sentença .. 158 Seguro de automóvel ..Manutenção ...............Cláusula contratual limitativa ...............Renovação anual.......................Fundamentação ..SSP.....Manutenção .................................... 157 Seguro ............ 158 Seguro de veículo ...... 161 Sentença ...............Próprios e jurídicos fundamentos..................................... 156 Seguro ..................................................Desgaste natural ................. 160 Sentença ...........Prescrição .....Mantida .......................Repasse à seguradora ....................................................................Índice.....Confirmação pelos próprios fundamentos ....... 163 Sentença ..................Mantida ..........................................Aceitação .......160 Sentença ...................Teoria da aparência...........................Regras ................Próprios e jurídicos fundamentos....Fundamentos.....................Contrato ......................Critério de reajuste ................................Falecimento da segurada ...................................Responsabilidade......... 158 Seguro de veículo .Reajuste anual ..............................Cobrança.............Critérios de reajustamento.............................Validade.......

....................Prestação ..Opção .....................Dano moral .......Inversão.............Estacionamento.........Ônus da prova .Princípio da continuidade do serviço público. 165 Servidão de água .Instituição financeira .....Usucapião .............Locação .CDC.Serviços ....Vício oculto ............................Furto .......................................... 168 Telefonia ..Responsabilidade.Dano moral ..................... 166 SPC ............Execução .. 169 Tutela .............................Ausência de fiscalização..................Garantias.......................Danos .. 166 Telefone .Ausência ........Aluno desistente .......................Cláusula leonina............................ 164 Sentenças ................Identidade falsa......Serviço defeituoso.Fundamentações.... 165 Serviço telefônico .........................Perícia ..........................................................Volume e quantidade ........... 163 Sentença trabalhista ............................Concessionária ..........................................Preclusão da matéria......Uso de serviço . 164 Serviço telefônico ......Acórdãos ..........Dano moral............... 169 Título de capitalização ..Fiscalização........Indenização...................Desconto na aquisição de veículo ................................................Estabelecimento comercial .............Prova...................Competência.................................Competência.Não intimação de advogado...............Cadastro ..........................................Precatórias ................................Devolução..................Fixação unilateral de preço .... 169 Título de crédito .....................Direito de ação ........... 167 Telefonia ......... 166 Taxa de matrícula .Definição do critério exequendo...................... 167 Telefone móvel ....................Nulidade .. 168 Telefonia ....................Aquisição .Prazo .............Desconto na aquisição de veículo ..............Depreciação mercadológica .........Dolo..... 167 Telefonia ...................................170 Veículo . 166 Telefone ......170 Veículo ................164 Sentença ultra e extra petita ................. 167 Telefonia .................. 170 .................... 165 Sigilo bancário ...........Recomendações ........................................... 168 Teoria da aparência .......Responsabilidade............. 168 Título de capitalização ........................ 169 Veículo ........Dolo......... 169 Título judicial .....................Pagamento do débito ..............Contrato de locação ................................Suspensão de serviço .........Serviço público .......................Obrigação.....Comprovação....Direito Público ...............Fiscalização..........................................Medição dos pulsos ....Desvalorização ..Natureza interlocutória... 166 SPC .....................................Ligações internas .Antecipação ....Consumidor .Competência....................Contraditório.... 165 SPC ....Provas .......Ligações .....................................................................Princípios da adstrição ...................Decadência.....Nota promissória ..Nulidade .......................Inscrição indevida ................................................................................Indenização .Complexidade .164 Serviço de telefonia ............21 Sentença .....................Linha telefônica .. 168 Telefonia ....Coisa julgada ..................Não devolução .........................Provas ...

. mas que de fato foram 'descontados' para o requerido ......Rel... Boletim nº 72 ..... 171 Vício do produto ...................... (Turma Recursal de Ipatinga ...Transferência.Boletim nº79 Ação de cobrança ................Inexistência de vínculo "Ação de cobrança....Legitimidade .Não reconhecimento de responsabilidade de pagamento pelo pseudo-endossante ......... do Banco Central do Brasil ...................Falta de comprovação ..... Recurso conhecido e não provido. 172 Vício do produto ......Valor de indenização .............. Não comprovando o recorrente que efetivamente realizou os serviços além do contratado........170 Veículo .............Rel... na forma da Circular nº 103/67.......Pagamento a menos ...Boletim nº80 Ação de cobrança ...... e tendo abandonado a obra antes de sua conclusão.Indenização ....... 172 Vício redibitório ......Serviços de construção civil prestados além do contrato .......... 171 Veículo sinistrado ....... nº 021......Valor......Abandono da obra .....................10/12/03).....644/04 Turma Recursal de Itajubá ..........Responsabilidade pelos transtornos.. Inadimplência no pagamento.. 170 Veículo apreendido ..Valor comercial... nº 313..Carimbo da empresa requerida lançado no verso dos cheques....Juiz Edílson Magno de Macêdo .. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Juiz Selmo Sila de Sousa).......... não pode receber integralmente o valor avençado"...22 Veículo . (Rec..Construção civil ....Concessionária ...........Inexistência de endosso formal .......Seguro obrigatório ...Compensação...Comprovação "Ação de cobrança .................................. sem assinatura do responsável legal pela empresa não caracteriza chancela mecânica........... 171 Veículos automotores ..........Proprietário anterior ....Veículo ............ 172 Abastecimento de água ..150086-6 ...........Quilometragem ..Corte "Corte de abastecimento de água.. Provimento ao recurso"... Cheques que o autor alegou ter recebido como garantia de dívida..Tabela FIPE........Comprovação ........................ Consumidor avisado previamente............Cadeia produtiva....Rec....Depoimento pessoal do autor reconhecendo inexistência de vínculo jurídico com o sacador dos cheques Improcedência do pedido contido na inicial contra os dois requeridos...Contrato ...Responsabilidade civil....Responsabilidade.............. 171 Vício do produto ......... Possibilidade de corte.......Cheques em garantia ........Rec......... Juiz Ronaldo Claret de Moraes)....04....Trinca no bloco do motor.. nº 143/03 ..Prova de pagamento ....Inadimplência .....Transferência .Garantia .Vistoria .................

Sentença mantida. mesmo que não sejam títulos de créditos prescritos com requisitos originários de liquidez e certeza.Rel.Boletim nº80 Ação de cobrança . Boletim nº 71 Ação de cobrança . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Devida é a correção monetária a partir do vencimento da dívida.Honorários advocatícios .Prescrição "Ação de cobrança.Correção monetária "Ação de cobrança .Documentos que não se revestem de requisitos executivos. Crédito de natureza educacional.Inteligência do art. contudo. uma vez que a assinatura aposta pelo devedor reveste os documentos originários de validade e exigibilidade.Comprovada a entrega de quantia em dinheiro ao agente. Novação não descaracteriza natureza educacional do débito.nº 193/03 . Inteligência do artigo 22 da Lei nº 8. Juiz Renato Dresch).Juiz Dirceu Walace Baroni .899/81.Novação .Rel. 161. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . nº 024.Validade probatória .Rec.Rel.Rec. devidamente comprovadas. que desfez o negócio e não restituiu o importe. pelo devedor .18/11/03).140740-2 . embora caracterize novação. A ação de cobrança instruída com documentos assinados pelo devedor.Boletim nº80 Ação de cobrança . assinados.04.Crédito educacional . sob pena de locupletamento ilícito. § 1º. A prestação de serviço profissional de advocacia. de modo que continua sujeita a prescrição anual". no percentual de 1% ao mês. nº 223. nº 702. § 6º. Na vigência do CC/1916 a prescrição do crédito educacional se operava em um ano (art.23 Ação de cobrança .04. Prescrição na vigência do Código Civil de 1916.Juros moratórios de 1% devidos a partir da citação .Documentos . são suficientes para determinar a procedência do pedido. Os juros moratórios são devidos a partir da citação.04.150590-1 . assegura ao patrono contratado o direito aos honorários advocatícios previamente convencionados.Boletim nº79 . não se aplicando as disposições da Lei nº 6.Vencimento da dívida em face do reconhecimento expresso do devedor . Sentença mantida”. não descaracteriza a natureza educacional do crédito. (2ª Turma Recursal de Betim .Prova do cumprimento da prestação dos serviços contratados.Cumprimento da prestação Ação de cobrança de honorários advocatícios . 178.906/04 (Estatuto da OAB)".Entrega de quantia . Recurso conhecido e não provido". (1ª Turma Recursal de Divinópolis . 406 do CC c/c art. com interpretação dada pelo enunciado nº 20 da CEJ do STJ. Juíza Yeda Monteiro Athias). do CTN.Negócio desfeito “Juizado Especial Cível .Rec. nos termos da legislação aplicável. Juiz Carlos Donizetti Ferreira da Silva).382852-4 .Ação de cobrança .Correção monetária . à míngua de prova contrária produzida pelo requerido. VII). A emissão de duplicata ou cheque.

Juiz Mauro Lucas da Silva). (Turma Recursal de Cataguases . não bastando apenas a simples exibição do título de crédito.Rel. Dívida de valor com vencimento pré-estabelecido. 178. Sentença parcialmente reformada".Ação de cobrança .Inteligência do art. Juiz Ronaldo Claret de Moraes).Indeferido pedido de justiça gratuita .Prazo . (Turma Recursal de Passos . (Turma Recursal de Ipatinga . Recurso provido". nº 045/04 . (2ª Turma Recursal de Betim .815. Boletim nº 75 Ação de despejo . nº 313.Prescrição .Responsabilidade da obrigação "Tratando-se de ação de cobrança e não de execução de título extrajudicial (cheque).Conversão em cobrança .Rel. II.Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino 19/11/03).Ação de despejo apenas para uso próprio.24/03/04). nº 702. Recurso não provido”. Boletim nº 75 Ação de cobrança . que será documento a mais e não o único".Rel.Atualização "Ação de execução convertida em cobrança. no presente feito.Título de crédito .24 Ação de cobrança .Dívida de valor .Rec. nº 153.Exibição .Rec. Juiz Juarez Raniero . que.Impossibilidade .27/04/04).Prescrição .Início a partir da data do acidente .Incompetência "Incompetência do Juizado Especial .Prazo “Juizado Especial Cível .Rec.Seguro . deve o autor invocar e comprovar a causa debendi.Negado provimento ao recurso .063 .04.Boletim nº79 Ação monitória . ocorreu no dia do acidente. Boletim nº 74 Ação de execução . Inicia-se a contagem do prazo de um ano para o ajuizamento da ação do segurado contra a seguradora a partir do dia do conhecimento do fato.Rec.Condenação do recorrente em custas e honorários".Cheque . inciso III .Título extrajudicial . Boletim nº 71 Ação de cobrança . §61. Atualização monetária e juros devidos desde o vencimento da obrigação.Conversão em cobrança .Provas "Em se tratando de ação ordinária de cobrança. 3º. conforme contido no art.029.nº 191/03 .04. entendo cabível a discussão a respeito da responsabilidade pela obrigação.521-1 .030.131288-2 Rel. do Código Civil de 1916. (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Juiz José Luiz de Moura Faleiros .

compete ao devedor.Rec. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Descabimento. 485 do CPC . nº 223.25 "Ação monitória . nº 183/03 . promover a baixa do protesto e inscrições perante o serviço de proteção ao crédito".Boletim nº79 Agiotagem .Rel. A ação monitória. nº 04171-3 . se essa foi a tratativa.19/02/04). não pode ser apreciada sob o manto da Lei nº 9.Juros "Ação de cobrança .04. nº 04164-1 .Boletim nº80 Ação rescisória .Sentença terminativa . Formulado o pedido.Ação rescisória .Mora do segurado .Recurso especial . deverá ser recebido como ação de cobrança.24/03/04). Juiz Juarez Raniero .Ônus da prova .Coisa julgada formal .Deserção . após regular recebimento de carta de anuência. Recurso não provido".Rel.Rec. da Lei Especial". (3ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . (Turma Recursal de Passos .Rel.Rec. Configurado que o segurado demorou mais de três anos após o acidente para apresentar à seguradora documentos imprescindíveis para o pagamento do prêmio.Incabível ação rescisória de sentença terminativa.140634-7 .Rel.661 . Juiz Carlos Donizetti Ferreira da Silva). Boletim nº 74 Acordo . Boletim nº 74 Acidente de veículo . Juiz Edison Magno Macedo . que forma coisa julgada formal.Incidência de correção monetária . Juiz Walner Barbosa Milward de Azevedo .Não cabimento .Responsabilidade "Uma vez efetivado acordo para liquidação de obrigação. Inteligência dos artigos 2º.Cobrança .Ausência de preparo .Impossibilidade em sede de Juizado Especial Conversão em ação de cobrança .Rec.Inteligência do art. que não passa de mera atualização do valor devido". sem apreciação do mérito".Rel.Protesto e inscrição . Juiz Armando Conceição Vieira Ferro).099/95. nº 702. 3º e 51.Liquidação de obrigação . (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Coisa julgada formal "Processual civil .Sentença terminativa .Juros .Exigência de apresentação de documentos Mora do segurado . Boletim nº 73.Possibilidade .Inversão "A inversão do ônus da prova na alegação de agiotagem deve ser calculada em início razoável de demonstração da existência do fato.505. (1ª Turma Recursal de Divinópolis .Precedente .Rec.041. por ser procedimento especial do rito ordinário.Inexistência .Nulidade dos atos processuais praticados a partir da inicial. II.17/02/04).Procedimento especial . não pode a mesma ser compelida a pagar juros de mora. Agravo . mas tão somente correção monetária.Acidente de veículo .

Inexistência do recurso de agravo .Parte sem advogado . águas artificiais". 54. nº 029/04 Rel.Os juros de mora prescrevem em cinco anos. nº21. Não há que se falar em nulidades processuais se a parte por ocasião da abertura na AIJ. assim. A prova testemunhal somente é admissível em causa até dez vezes o valor do salário mínimo.18/11/03). pois no rito da Lei nº 9. Boletim nº 78 Agravo de instrumento .Obrigação "As águas que correm naturalmente é que devem ser suportadas pelo dono ou possuidor do prédio anterior. Juizado Especial Cível. Boletim nº 73. não conhecido porque inadequado . cujo recurso não se conhece por falta de amparo legal. § 1º.Rejeição. Juiz Selmo Sila de Souza).Decisão terminativa .Prova testemunhal . Decisão proferida em audiência.Não conhecimento do recurso.nº 148/03 . Agravo de instrumento . É deserto o recurso não preparado. sem qualquer informação de seu subscritor. Súmula: Não conheceram do agravo".Recurso aviado como Agravo de Instrumento contra decisão terminativa do processo.Desconhecido”.Prescrição dos juros "Nulidades processuais e cerceamento de defesa . apresentara-se desacompanhada de advogado em causa superior a vinte salários mínimos. (Turma Recursal de Itajubá .Julgamento . Agravo. Falta de preparo .Servidão .Rec. nos termos do art. Boletim nº 71 Águas . 42. meras anotações. Boletim nº 75 AIJ . a contar da data do vencimento da . (2ª Turma Recursal de Betim . Juiz Carlos Frederico Braga da Silva). pois decorrem da natureza humana. nº 153.Turma “Juizado Especial Cível .099/95 não há possibilidade de recurso durante a tramitação do feito e só há previsão legal para o recurso contra a sentença. Não-conhecimento. não podendo ser considerado início de prova escrita.Decisão em audiência .099/95. parágrafo único c/c art. Na Lei dos Juizados Especiais inexiste a figura do agravo de instrumento.26 "Juizado Especial Cível .Juiz Dirceu Walace Baroni .Rel.04. e não a água utilizada para remover o esgoto das propriedades.Não-conhecimento "Agravo de instrumento .502-1 . sendo.Direito processual. já julgado pela outra Turma Recursal. O agravo de instrumento interposto contra a decisão proferida em audiência realizada no âmbito de rito do Juizado Especial Cível.Rec.600-8/04 . Recurso não conhecido. da Lei nº 9.Deserção .Rec.Rel. que rejeitou questão processual posta à apreciação do julgador. (Turma Recursal de Passos .Recurso não conhecido. Prescrição dos juros . não deve ser reconhecido. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).029. (Turma Recursal de Cataguases .

Rel. Recurso não provido".Defeito de aparelho celular .Remuneração . 5º da LJE.Rec.Apreensão .27 obrigação".Legitimidade "A legitimidade da Polícia Rodoviária e do DNER na apreensão de animais soltos na pista de rodagem não é. Boletim nº 76 Aluguel . nº 153.Débito "A própria ré confessa tanto a relação locatícia quanto o fato de se encontrar em atraso com os aluguéis e não ter requerido a purga da mora no momento processual oportuno é de se concluir a persistência do débito".Pagamento . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). por sua própria natureza. Não há que se falar em ilegitimidade ad causam para responder perante o consumidor. Animais . bem como moral da recorrida. exclusiva.Administração . nº 153.Cobrança .Consumidor .Valor "Aplicando o princípio do art. nº 014/03 . Boletim nº 73. (Turma Recursal de Cataguases . escorado na experiência comum.30/03/04). ilícito afirmar.029815-7 .Danos . nº 058/2004 . ser de 10% do aluguel pactuado a remuneração pela administração".Rec. Boletim nº 73. (Turma Recursal de Cataguases . Juiz Juarez Raniero .Rel.029821-5 .Rec. Juíza Patrícia Vialli Nicolini). sem impugnação pelo recorrente. já que o próprio artigo 18 do Código de Defesa do Consumidor rege que os fornecedores do produto devem responder solidariamente pelos vícios do mesmo juntamente com o fabricante.Responsabilidade objetiva "Juizado Especial Cível .Litigância de má-fé "Juntados recibos.Pagamento . (Turma Recursal de Passos . (Turma Recursal da Comarca de Passos .Rel. tendo a concessionária.Rel.Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Pista de rodagem . Aluguel . Matéria assente nos nossos . por inerentes ao oferecimento de um serviço seguro".Defeito .Rec. Boletim nº 78 Aluguéis .Rec. (Turma Recursal de Cataguases . caracterizada está a litigância de má-fé. até por aplicação do Código de Defesa do Consumidor legitimidade concorrente para tais ações. fornecedores do produto e fabricantes. Boletim nº 76 Aparelho celular .Responsabilidade objetiva dos prestadores de serviços. buscando recebimento de valores já pagos.Atraso .04. o pagamento e a entrega do aparelho a uma das lojas de assistência técnica autorizada.Consumidor . Comprovados a venda. Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães).04. comprovando que os aluguéis foram pagos nas datas dos respectivos vencimentos. resta aos fornecedores do produto e prestadores do serviço de venda e assistência técnica a reparação pelos prejuízos de ordem material. nº 153 04 029796-9 .

o qual se mostra hábil para excluir a responsabilidade da empresa transportadora". do CODECON".Força maior . não é mais possível a utilização do aparelho roubado. imperativo a declaração de inexistência de débito do arrendatário para com aquele".Boletim nº79 Assalto a coletivo . Juiz Rubens Gabriel Soares). Rescisão contratual que se impõe.Rec. III.Multa "Roubo de aparelho celular. § 1º. nº 245/04 . Boletim nº 78 Arrendamento mercantil .Boletim nº79 Arrendamento mercantil . Recurso conhecido e provido. nº 024.Rel.Boletim nº79 Aparelho celular .Rel.293863-9 . (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Responsabilidade . o comando sentencial que determina a retenção de valores resultantes do referido empréstimo não lhe pode gerar conseqüências jurídicas. face à sua flagrante ilegitimidade passiva ad causam. Exigência afastada por violação à legislação consumerista.28 tribunais". com a conseqüente declaração de inexigibilidade da multa rescisória. Juiz Evandro Lopes da Costa Teixeira).Rel.03.04.04.Exclusão. (2ª Turma Recursal de Betim .Rec. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec.24/03/04). se o valor das prestações pagas mais aquele de alienação do veículo efetivada pelo arrendante ultrapassar o valor do contrato.Rec. Juiz Armando Conceição Vieira Ferro .Rel.Leasing .Responsabilidade objetiva . nº 024. (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Força maior que desobriga a manutenção do contrato. Boletim nº 74 Assalto . V." (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .382114-9 .Valor das prestações "Em arrendamento mercantil.Retenção de valores "Se o financiamento que foi concedido pelo primeiro réu do autor. Multa por rescisão contratual. por constituir caso fortuito ou de força maior. não houve a participação da recorrente. por motivo de força maior.Responsabilidade .Rec.Roubo .Contrato . Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino).Assalto . O assalto praticado por terceiro não viola a cláusula de incolumidade inerente ao contrato de transporte.Rel.Rescisão .294090-8 .Transportadora .Indenização "Indenização .Contrato . nº 04194-2 . nº 024. e 51. Juiz Paulo Balbino).Leasing . mediante subscrição do 'Contrato de Arrendamento Mercantil'. sob pena de violação ao disposto nos artigos 39. Não pode a empresa recorrente obrigar o recorrido a perpetuar o contrato de prestação de serviços de telefonia celular quando.

nº 994383-2 . Não fazendo o recorrente jus à obtenção da assistência judiciária.26/11/03).Rel.Ação de cobrança "Havendo pedido de concessão da gratuidade judiciária.Indeferimento . Assistência judiciária . (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Afirmação de pobreza . tendo o feito prosseguido regularmente seguindo referido procedimento. ante a ausência de preparo.Não conhecimento do recurso".Inexistência . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec.Requisitos .Concessão .Prova de miserabilidade . o recurso interposto se apresenta deserto e não deve ser reconhecido". Boletim nº 72 Assistência judiciária . LXXIV.Concessão .436-4 . Em conformidade com o disposto no art. esta seguiu o rito da ação de cobrança. 5º.Juiz Paulo Balbino). da Constituição Federal.Juiz Matheus Chaves Jardim). nº 150/03 .Juíza Yeda Athias de Almeida . (3ª Turma Recursal de Uberlândia .Requisitos "Assistência judiciária .Indeferimento . LXXIV. caracterizada a competência do Juizado Especial para o processamento da ação".060/50.060/50. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec.Juíza Maria Luiza Santana Assunção .Rec.Concessão .Rito .Rec.Concessão .Recurso deserto. 4º da Lei nº 1.10/12/03).Requisitos .Concessão .Custas e honorários .Indeferimento do benefício . a prestação de assistência judiciária integral e gratuita pressupõe a efetiva comprovação da insuficiência de recursos. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Boletim nº 72 Assistência judiciária . Boletim nº 72 Assistência judiciária . 5º. Juiz Paulo Balbino). 4º da Lei nº 1. o recurso interposto se apresenta deserto e não deve ser conhecido".Deserção . Boletim nº 72 Assistência judiciária . Não fazendo o recorrente jus à obtenção da assistência judiciária.Ação monitória . nº 071.Rec. da Constituição Federal. deve ser considerada ação de cobrança.Comerciante . nº 155/03 . Se a despeito de ter ajuizado ação monitória. a prestação de assistência judiciária integral e gratuita pressupõe a efetiva comprovação da insuficiência de recursos.Recurso deserto. o qual não recepcionou o art. Boletim nº 73. não há que se falar em deserção. nº 071778-9 .Suspensão de exigibilidade .29 "Subsiste a responsabilidade objetiva do transportador em hipóteses de assaltos a coletivos perpetrados em regiões de notória incidência criminológica".Condição de comerciante .Prova de miserabilidade "Assistência judiciária .Requisitos "Assistência judiciária . o qual não recepcionou o art. Em conformidade com o disposto pelo art.

30 "A Lei nº 1.060/50 não isenta seus beneficiários do pagamento das verbas da sucumbência (custas e honorários advocatícios), ficando apenas suspensa sua exigibilidade, nos termos do artigo 12 da referida Lei". (Turma Recursal de Cataguases - Rec. nº 015304034423-3 - Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Boletim nº79

Assistência judiciária - Fase recursal "Não se conhece do recurso quando o pedido de assistência judiciária gratuita ocorre tão somente com a finalidade do recorrente furtar-se dos ônus da sucumbência em sede recursal". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 003/04 - Rel. Juíza Patrícia Vialli Nicolini - 27/04/04). Boletim nº 75

Assistência judiciária - Fase recursal - Deserção Assistência judiciária - Juizado Especial Cível - Pedido de concessão apenas em sede recursal - Impossibilidade se o recorrente está representado por advogado constituído desde o início da ação - Evidenciado nos autos, as boas condições econômicas do recorrente - Falta de recursos não demonstrada - Falta de preparo - Deserção - Não conhecimento. No Juizado Especial Cível não tem direito aos benefícios da assistência judiciária o recorrente, comerciante, que, representado por procurador particular desde o início da ação, não comprova a sua hipossuficiência e pede esse benefício apenas para recorrer. Principalmente se resta evidenciado nos autos a boa condição econômica do recorrente. Inexistência de preparo prévio, declara-se deserto o recurso, negando-lhe conhecimento". (2ª Turma Recursal de Betim - Rec. nº 243/04 Rel. Juiz Wauner Batista Ferreira Machado).Boletim nº79

Assistência judiciária - Fase recursal - Deserção "Consumidor - Gratuidade de justiça. Pedido regularmente formulado apenas em sede recursal. Deserção. A carência da parte que constitui advogado desde a peça de ingresso, deve ser nela suscitada, segundo os critérios legais previamente estabelecidos. O pedido de justiça gratuita não pode ser formulado apenas para se eximir a parte do preparo recursal". (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 024.04.381946-5 - Rel. Juiz Evandro Lopes da Costa Teixeira).Boletim nº79

Assistência judiciária - Fase recursal - Deserção "Assistência judiciária - Pedido formulado somente na fase recursal - Inadmissibilidade Falta de preparo - Deserção - Não se conhece do recurso, quando não há o seu devido preparo, devendo o mesmo ser julgado deserto". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 479.04.075195-6 - Rel. Juiz Guilherme Sadi).Boletim nº79

31 Assistência judiciária - Fase recursal - Impossibilidade “Juizado Especial Cível - Ação de indenização - Pedido de assistência judiciária gratuita formulado apenas em via recursal - Impossibilidade. Não merece acolhida o pedido de concessão dos benefícios de assistência judiciária gratuita formulado somente para fins de recurso. Recurso julgado deserto, em razão da inexistência de preparo regular”. (2ª Turma Recursal de Betim nº 178/03 - Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino - 19/11/03). Boletim nº 71

Assistência judiciária - Fase recursal - Impossibilidade "Juizado Especial Cível. Concessão dos benefícios da Justiça gratuita apenas para recorrer - Impossibilidade se a recorrente contratou advogado particular. Não se concedem os benefícios da assistência judiciária gratuita em fase recursal, em causa superior a 20 (vinte) salários mínimos, se a parte, contratou advogado para a propositura do pedido inicial. Recurso não reconhecido". (Turma Recursal de Itajubá - Rec. nº 194/03 Selmo Sila de Souza - 18/12/03). Boletim nº 72

Assistência judiciária - Fase recursal - Inadmissibilidade "Assistência judiciária - Pedido formulado somente na fase recursal - Inadmissibilidade Falta de preparo - Deserção - Não se conhece do recurso quando não há o seu devido preparo, devendo o mesmo ser julgado deserto". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 016/04 - Rel. Juiz Guilherme Sadi - 30/03/04). Boletim nº 73.

Assistência judiciária - Não apreciação - Recurso - Deserção "Assistência judiciária - Não apreciação do pedido pelo juiz a quo - Pedido formulado nas razões recursais - Ausência de preparo - Deserção - Recurso não conhecido". (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 024.04.294003-1 - Rel. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).Boletim nº79

Assistência judiciária - Necessidade - Preparo "Deve ser negado o pedido de concessão dos benefícios da assistência judiciária, ainda que postulados na peça inaugural, se os fatos que deram origem à ação conduzem à certeza de não necessitar o recorrente de tais benefícios. A manutenção da decisão monocrática que negou ao recorrente os benefícios da assistência judiciária não autoriza a abertura do prazo para a efetivação do preparo do recurso interposto, o que ocorre tão-somente quando igual decisão é tomada apenas na fase recursal". (4ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 024.04.201562-8 - Rel. Juiz Maurílio Gabriel Diniz). Boletim nº 76

32 Assistência Judiciária - Pedido - Fase recursal “Juizado Especial Cível - Ação de indenização - Pedido de assistência judiciária gratuita formulado apenas em via recursal - Impossibilidade. Não merece acolhida o pedido de concessão dos benefícios de assistência judiciária gratuita formulado somente para fins de recurso. Recurso julgado deserto, em razão da inexistência de preparo regular”. (2ª Turma Recursal de Betim nº 197/03 - Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino - 19/11/03). Boletim nº 71

Assistência judiciária - Pedido - Momento processual "O pedido de Justiça gratuita pode ser pleiteado a qualquer tempo (v. artigo 6º, 1ª parte, da Lei nº 1.060/50), tanto pelo autor quanto pelo réu, inclusive nas razões do recurso de apelação, como é o caso. É nula a sentença que extingue a execução sem observância do determinado nos incisos I, II e III, do artigo 794, do Código de Processo Civil". (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 024.04.382009-1 - Rel. Juiz Rubens Gabriel Soares).Boletim nº79

Assistência judiciária - Pedido na fase recursal - Inadmissibilidade "Assistência judiciária - Pedido formulado somente na fase recursal - Inadmissibilidade Falta de preparo - Deserção - Não se conhece do recurso, quando não há o seu devido preparo, devendo o mesmo ser julgado deserto". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 159/03 - Juiz Guilherme Sadi - 16/12/03). Boletim nº 72

Assistência judiciária - Pessoa jurídica - Recurso - Deserção "Ação de indenização por descumprimento contratual - Assistência judiciária - Pessoa jurídica com fins lucrativos - Indeferimento - Deserção do recurso. Os benefícios da assistência judiciária não são extensíveis às pessoas jurídicas com fins lucrativos, mesmo em se tratando de micro empresa, visto que esta regra admite exceção apenas em relação a entidades filantrópicas, beneficentes, de caridade e pias. A falta de preparo do recurso acarreta sua deserção, com condenação em custas. A condenação em honorários advocatícios somente é devida nos casos em que o mérito do recurso é apreciado, conforme se depreende da interpretação do art. 55, caput, da Lei nº 9.099/95, que emprega a expressão 'recorrente vencido'. Estando vigente o contrato firmado entre as partes não são devidas as indenizações a título de perdas e danos, aviso prévio e cláusula penal, pois as mesmas são consectários de rescisão contratual. V.V. Por inteligência do art. 8º, § 2º, da Lei nº 9.099/95 o Juizado Especial não tem competência para conhecer e julgar ações propostas por pessoas jurídicas. A concessão de assistência judiciária à pessoa jurídica é possível, uma vez que a Lei nº 1.060/50 não traz essa vedação". (1ª Turma Recursal de Uberlândia - Rec. nº 150/03 - Juíza Yeda Athias de Almeida - 10/12/03). Boletim nº 72

Rel. (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete . tal fato não implica. Não fazendo o recorrente jus à obtenção da assistência judiciária. nº 205/03 .Ausência do procurador . portanto.Concessão .Inteligência do artigo 51. Boletim nº 78 Audiência de conciliação .Requisitos de concessão .Comprovação . é que.Rel Juiz Paulo Balbino).Processo de execução . comparecendo a requerente ao ato citatório e. nº 204/03 .Ausência . em revelia. Juiz Antônio João de Oliveira). o juiz procederá à instrução".Rec.Rec.Deserção "Assistência judiciária . da Lei nº 9.322-6 .060/50.Motivos de saúde . Assim certo afirmar que. comparecendo o requerido à audiência conciliatória sem advogado. uma vez que neste ato haverá somente a hipótese de homologação de acordo entre as partes. a exigência da presença do advogado não alcança a audiência conciliatória. neste ato.Ausência do autor . Nas causas com valor de alçada superior a vinte salários mínimos. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Recurso deserto. nº 293.Valor da causa . presente a parte ou seu representante legal com poderes para transigir. pois.Revelia . (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete .099/95.Requisitos . o recurso interposto se apresenta deserto e não deve ser conhecido".Rec.Extinção do processo "Juizados Especiais .099/95 deve ser interpretado de maneira restrita. 9º da Lei nº 9.Causa superior a vinte salários mínimos . § 2º.A ausência da ré a qualquer das audiências acarreta a presunção de veracidade dos fatos alegados no pedido inicial. o qual não recepcionou o art. havendo impedimento justificável.Extinção do processo . não há de se falar em decretação da revelia".Não incidência. Juiz Francisco Eclache Filho).Indeferimento . 4º da Lei nº 1. Boletim nº 74 Audiência de conciliação . Boletim nº 74 Audiência de conciliação . 5º. LXXIV. cabe ao advogado levá-lo até a abertura da audiência. não há se falar em revelia". (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete .Rel.Hipótese de homologação do acordo. c/c art.Ausência do autor . . mas mera irregularidade. Boletim nº 74 Audiência de conciliação .Audiência de conciliação .Necessidade comprovação até a abertura da audiência . não o fazendo. 53.Homologação de acordo "Audiência conciliatória . nº 199/03 .Superior a vinte salários mínimos .Revelia "Ausência de advogado na audiência conciliatória . O art.Comparecimento da parte .Ausência de advogado .Revelia "Ausência da ré na audiência de conciliação . Em conformidade com o disposto pelo art. necessariamente. Juiz José Aluísio Neves da Silva).Ausência de procurador . representada por seu preposto regularmente constituído.Rec. contudo. mesmo em causas superiores a vinte salários mínimos. a prestação de assistência judiciária integral e gratuita pressupõe a efetiva comprovação da insuficiência de recursos.33 Assistência judiciária .Rel. da Constituição Federal. I.

Pagamento -Restituição do valor pago.Revisão contratual .Rec. e não o valor de mercado do bem. (1ª Turma Recursal de Betim . Boletim nº 78 Bem imóvel . nos termos do artigo 51.Cerceamento de defesa .34 Tendo o autor sido intimado para audiência de conciliação.Valor pago .Ausência do demandado .Convolação em AIJ . nº 150633-9/04 .Recurso . indiferentemente ao comparecimento de seu advogado.Culpa . Oliveira). sem oportunizar à parte ré o direito de defesa". nº 225/04 . aceitando-se os fatos alegados na inicial como verdadeiros. Não comparecendo o demandado à audiência de conciliação. se a transação não se efetivou por culpa do vendedor.Boletim nº79 Cartão de crédito . Juiz Alexandre Magno R.Convicção do Juiz.Não efetivação da venda . Boletim nº 78 Ausência de preparo . nº 04023980-1 . nº 04. .Juiz José Américo Martins da Costa). Boletim nº 75 Audiência de conciliação . sob pena de enriquecimento indevido".Rec. O promitente vendedor deverá restituir ao promitente comprador o valor desembolsado para aquisição do bem imóvel.29/04/04).Revelia "Ausência do demandado a audiência de conciliação . acrescidos de correção monetária e juros de mora.Anulação de cobrança .Audiência conciliação . Juiz Edison Magno de Macêdo).AIJ Nulidade da sentença: Nula é a decisão proferida em audiência de conciliação que foi imediatamente convolada em instrução e julgamento.008913-1 Rel. (Turma Recursal da Comarca de Itajubá .Instituição bancária receptora das importâncias relativas às faturas mensais Ilegitimidade passiva.Compra e venda . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). a conseqüência é a extinção do processo sem julgamento do mérito.Rel. nº 015304029616-9 Rel. I.Banco receptor .Revelia decretada . da Lei dos Juizados Especiais. (1ª Turma Recursal de Uberlândia Rec.Rec. ainda que com poderes para transigir".Rec. indeferindo petição ulterior propugnado reconsideração". salvo se o contrário resultar da convicção do Juiz". Juiz Selmo Sila de Souza . e não comparecendo para tentativa de composição da lide.Cerceamento de defesa "Juizado Especial Cível .Não efetivação .Rel.Restituição "Bem imóvel .Boletim nº79 Audiência de conciliação . (Turma Recursal de Cataguases .Não conhecimento "Recurso não conhecido quando ausente o preparo prévio.Promessa de compra e venda .Ilegitimidade passiva "Contrato de administração de cartão de crédito . (1ª Turma Recursal de Betim . consuma-se a sua revelia.

Sentença . a intimação da parte passiva para a apresentação dos documentos indispensáveis à sua análise.595/64. Impõe-se o provimento jurisdicional acerca de todo o pedido. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Juiz Adalberto José Rodrigues Filho).Requerimento de sua apresentação.Fundamentação "Cartão de crédito .05/03/04). por serem de ordem pública e interesse social.382661-9. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Pedido ilíquido e não liquidado na instrução .Cartão de crédito . nº 024. sem provimento judicial a respeito. quanto à limitação dos juros a 12% ao ano.Imóvel .Rel. o que veio a ser requerido e reiterado pela parte ativa. apenas que com conclusões contrárias ao interesse da parte.Complexidade "Juizado Especial .Revisão contratual . Apelação provida parcialmente". da CR.CDC .Rec. Os contratos de cartões de crédito submetem-se às normas do CDC.Perda das prestações . para tanto.Corretagem .Aplicação de juros de 12% ao ano . É vedada a capitalização mensal de juros nos contratos de cartões de crédito. restaurando-se a Lei de Usura. bem assim o poder normativo do CMN sobre juros. da Lei nº 4. descabendo reconhecer de pedido ilíquido e não liquidado na instrução.(2ª Turma Recursal de Betim . a aplicação do artigo 25 do ADCT. Juíza Áurea Maria Brasil Santos Perez . na hipótese. Juiz Paulo Balbino). portanto.Questão que não se apresenta de complexidade elevada .Sentença citra petita . mesmo quando convencionada (artigo 4º do Decreto nº 22.Descabimento.Boletim nº80 Cartão de crédito .04.35 A instituição bancária que não compõe um dos pólos do contrato de prestação de serviços de administração de cartão de crédito e que tampouco se apresenta como destinatária das importâncias relativas às respectivas faturas mensais.Rec.Recurso nº 36794-1/04 .Fundamentação de sentença . que revogou o artigo 4º.Ausência de determinação para tanto . Não há nulidade na sentença que enfrenta suficientemente as questões essenciais.Competência do Juizado Especial . afigurando-se imprescindível.626/33 e Súmula nº 121 do STF). órgão sem poder legiferante.Rel. e que. Boletim nº 74 CDC . derivadas de diretriz constitucional. Embora tenha decidido o STF não ser auto-aplicável o artigo 192. que é lei geral nessa matéria. não detém legitimidade passiva para responder pela obrigação correspondente à anulação de suas cobranças". nº 071763-1 . das quais é mera receptora. § 3º.Vedação do anatocismo Desnecessidade de perícia para discussão de encargos . É desnecessária a perícia contábil como pressuposto do reconhecimento de inconstitucionalidade ou ilegalidade de cláusulas contratuais.Boletim nº79 Cartão de crédito .Juros . no primeiro grau".Documentos indispensáveis para o julgamento do pedido .Cassação. No Juizado Especial a sentença deve ser necessariamente líquida.Compra e venda .Revisão contratual .Rel. impõe-se. pelo réu . sobrelevam-se às resoluções do CMN. inciso IX.

18 do Código de Defesa do consumidor". in casu. pois a ré é fornecedora e a autora consumidora nos exatos termos dos artigos 2º e 14.Prova "Aplica-se. porém. independentemente da existência de culpa.643-0 Rel. Boletim nº 75 CDC .078/90. Pela dicção do artigo 333.136094-3 . já que a relação do direito material que existe entre as partes é de consumo.04. nº 04. permitindo restabelecer a igualdade e o equilíbrio contratual entre o consumidor e o . modificativo ou extintivo do direito do autor". caberia ao recorrente/fornecedor provar a culpa exclusiva da recorrida/consumidora. do Código de Processo Civil. (3ª Turma Recursal de Uberlândia . facultando ao comprador o pedido de rescisão ainda que inadimplente. não o fez. Juiz Rubens Gabriel Soares). nº 153.04. pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços'. nº 206/03 .Rec. Boletim nº 76 CDC . Portanto. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . que 'o fornecedor de serviços responde.Falta de elementos nos autos para quantificar o valor do prejuízo material .36 "O art 53 do Código de Defesa do Consumidor proíbe. trouxe inovações no âmbito das relações contratuais.294102-1 .Produto com defeito constatado pelo próprio fornecedor .Ônus da prova .Prazo "Juizado Especial Cível . Boletim nº 73.Transcurso de mais de dois anos .Rel. Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino).Boletim nº79 CDC . que por sua vez.030.Produto com defeito . em compromissos de compra e venda de imóvel loteado ou não. quando na avença for reconhecida cláusula abusiva. O valor de corretagem e outras despesas estão embutidos no percentual de decote a favor da parte vendedora. diz o artigo 14 da Lei nº 8. nº 024. incumbe ao réu.Relações contratuais .Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Recurso provimento negado".Código de Defesa do Consumidor .Rec.Rec.Rel. Juiz Luiz de Oliveira). a prova da existência de fato impeditivo. da confiança e da vulnerabilidade do consumidor.Princípios "O Código de Defesa do Consumidor. ao consagrar o princípio da boa-fé objetiva. (Turma Recursal de Cataguases .Rec. (2ª Turma Recursal de Betim . cláusulas que estabeleçam a perda das prestações pagas.Hipossuficiência do consumidor "O Código de Defesa do Consumidor admitiu a inversão do ônus da prova em razão da hipossuficiência do consumidor.Aplicação do inciso I do § 1º do art. fica com a posse e propriedade do imóvel livre e desembaraçada para nova alienação. que é parte fraca na relação consumerista. II. da Lei nº 8. as regras do CDC. Na verdade. CDC . e com maior razão. inclusive valorizando com a presumida evolução do loteamento".Relação de consumo .078/90.

nº 313.Inversão "Ocorre cerceamento de defesa quando o juiz monocrático leva em consideração somente na sentença a inversão do ônus da prova surpreendendo. inclusive acompanhadas de seus advogados.Rel.Rec.099/95 estipulação de prazo para contestação. cujo recurso conhece por falta de amparo legal". e dizer-se que o atraso de tal envergadura ainda consistira em momento processual adequado. na audiência .Audiência .37 fornecedor.Afronta ao princípio do contraditório e ampla defesa .Rec.131.Rel.029588-0 Rel.Rec.099 que. Juiz Selmo Sila de Souza).Protesto indevido . a não ser até a Audiência de Instrução e Julgamento.Atraso .Falta de oportunidade para oferta de resposta e especificação de provas . Cerceamento de defesa . nº 153. Perante o Juizado Especial. seria conspurcar todo o arcabouço do ritual da Lei nº 9.Revelia "Não há cerceamento de defesa quando o réu devidamente citado para comparecer a audiência de instrução e julgamento deixa de comparecer.Pertinência da indenização. Boletim nº 78 Cerceamento de defesa . repita-se. sendo acertada a decisão que decreta sua revelia".Rec.Especificação de provas "Cerceamento de defesa . Revelia decretada . (Turma Recursal de Itajubá . (Turma Recursal de Cataguases . Inexistência em homenagem ao princípio de celeridade . presentes as partes.Prazo "Inexiste na Lei nº 9. nº 153 04 029236-6 . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). (Turma Recursal de Cataguases .Inocorrência . a parte prejudicada".Rec.04. (Turma Recursal de Cataguases .Citação . Boletim nº 75 Cerceamento de defesa .Dano moral . Juiz José Geraldo Hemétrio).Rel. Na Lei dos Juizados Especiais inexiste a figura do agravo quer seja de instrumento ou na forma retida. Boletim nº 76 Cerceamento de defesa .Chegada com quinze minutos de atraso. (Turma Recursal de Ipatinga .04.Ônus da prova . vez que este dispõe de melhores condições técnicas.Cerceamento do direito de defesa.266-8 .Oportunidade de resposta . Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães). nº 21. Boletim nº 73.485-9 . nº 153.029. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). assim.614-9/04 .Efeitos de revelia mantidos .AIJ . Boletim nº 76 Cerceamento de defesa .04.Revelia "Audiência . econômicas e intelectuais para o desempenho de suas atividades".Rel. deve prestigiar ao máximo o princípio da celeridade".Contestação .Desprezar-se tal princípio e enfatizar que o espaço de quinze minutos não é suficiente para se decretar a revelia. pena de cerceamento de defesa.

Boletim nº79 . Preliminar de inaplicabilidade da revelia. nº 702. nº 463/03 .Boletim nº79 Cerceamento de defesa . Fato incontroverso . Boletim nº 76 Cerceamento de defesa .Rec. Falsidade de assinatura. Juiz José Maria dos Reis). o fato incontroverso.Prova postulada . Questão unicamente de direito.o recorrente não se insurgiu contra a condenação ao pagamento dos aluguéis em atraso.Rec. Ausência de prova . a constatação de protesto efetivado após o pagamento do título resulta na indenização por danos morais". Julgamento antecipado correto. (Turma Recursal de Cataguases Rec. ou sendo de direito e de fato não for necessária a produção de prova em audiência. Afastadas as preliminares e demais teses de defesa. oportunidade em que a defesa deverá ser apresentada.506.O comparecimento de advogado somente é obrigatório a partir da audiência de instrução. Foi devidamente afastada pelo reconhecimento da firma efetuado pelo Cartório local. nº 035/04 . for necessária ao justo desate da lide". A revelia foi aplicada somente aos réu a que não comparecerem .Revelia "Preliminar de cerceamento de defesa. Por outro lado.A alegação de falsidade de assinatura não restou comprovada nos autos.081 . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . resultará na revelia. A legislação é clara ao contemplar a possibilidade de julgamento da demanda sem a realização de instrução quando a questão for unicamente de direito.Rel. Condenação em custas e honorários. Juiz Jorge Paulo dos Santos).041. nº 015304035790-4 . ou seja.Obediência . tem-se que o julgamento antecipado da lide implica cerceamento de defesa se a produção da prova postulada revelar-se apta a alterar a convicção do julgador.Rel. já ficam cientificadas de que todas as provas deverão ser produzidas na próxima audiência de instrução e julgamento. Esta é a situação dos autos. ocorrerá o julgamento antecipado da lide. Não acolhimento . não acolhimento . Boletim nº 74 Cerceamento de defesa . Suspensão por litigar sob o pálio da gratuidade".Cerceamento de defesa caracterizado . (1ª Turma Recursal de Betim . sem qualquer prejuízo ou desrespeito aos princípios do contraditório e ampla defesa. sendo concedido ao fiador.Rel. sendo inexigível em sede de formulação de pedido e de conciliação. pena de revelia.Julgamento antecipado "Em face do artigo 130 do CPC.Prazo .Preliminar .Rec. Julgamento da demanda sem instrução.Rel. (1ª Turma Recursal da Comarca de Divinópolis . todas as oportunidades de defesa.Sentença anulada". Juiz Vinícius Gomes de Moraes). sem nenhuma justificativa.38 preliminar de conciliação e não havendo acordo. Nela não comparecendo o demandado. o juiz togado proferirá sentença". Juiz José Luiz de Moura Faleiros). a matéria está preclusa.A legislação é clara ao estabelecer que "não comparecendo o demandado. Possibilidade. Ausência de recurso quanto a cobrança dos aluguéis.Intimação "Despacho que estabelece prazo a partir da intimação . e havendo prova do ato constitutivo do direito do autor. Pelo contrário.

04/11/03).Ausência de má-fé Inexistindo provas nos autos da má-fé do credor adquirente de título posto em circulação e ainda não produzidas provas do descumprimento do negócio jurídico que a ele deu origem. até porque a origem da negociação não influencia em tal cobrança".Insuficiência de fundos . nº 153. acaba criando a figura da compensação de crédito.Rel. e que o deposita na própria conta da credora.04.Cheque .Endosso . (Turma Recursal de Passos . deve-se decretar a revelia.Discussão da causa debendi .Depósito após horário bancário . Juiz Paulo César Penido Coelho). vez que conferiu ao credor o direito de lhe cobrar diretamente por aquela.Rec. Tendo o credor exigido a emissão de cheques para pagamento de nota promissória. Boletim nº 71 Cheque .Sustação por desacordo comercial "Cheque .Execução . .Processamento regular .Causa debendi . sob pena de se permitir que o credor fique com os dois títulos em desfavor do devedor.Rel. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .39 Cheque .Nulidade .Provimento negado". Cheque . que se fez representar por mandatário. repassado de livre e espontânea vontade. Juíza Sandra Eloísa Massote Neves).029. cuja devolução ele se recusa a fazer.Anulação dos cheques .nº 136/03 Juiz Juarez Raniero .Sem efeito .099/95. nº 092/03 . responde por aquele débito. nº 243110-6 .Compensação de crédito “Cheque emitido pela credora que chega às mãos do devedor.Possibilidade .Ausência de culpa do banco .Culpa "Recurso .554-2 .Rec. é lícito ao devedor emitir uma contra-ordem de pagamento ao banco. 9º da Lei nº 9.Sustação por desacordo comercial Títulos emitidos para pagamento de nota promissória mantida em poder do credor Comprovação . Boletim nº 73. (1ª Turma Recursal de Betim . inteligência do art.Má-fé . Boletim nº 76 Cheque . incabível a discussão da relação subjacente com aplicação do princípio da autonomia das cambiais".Impossibilidade .Devolução .Rec. em garantia de dívida de terceiro.Inteligência do art.Validade "O emitente de cheque devidamente formalizado.Embargos . Realizada audiência de conciliação onde se constatou a ausência do réu.Garantia de dívida de terceiro .Audiência de conciliação Comparecimento de mandatário do réu . sendo possível a anulação dos cheques. por endosso de terceiro.099/95.Embargos . (Turma Recursal de Cataguases .Insuficiência de fundos . Recurso provido”. 9º da Lei nº 9.Ação declaratória de nulidade de título . que extingue aquela obrigação. Boletim nº 75 Cheque .Rel.Prova "Execução de cheque . Juiz Fernando Caldeira Brant).Depósito .Devolução .

Nulidade "Juizado Especial Cível .136083-6 .E. (2ª Turma Recursal de Betim . da Lei nº 9. haja vista ser elemento da garantia constitucional do direito de defesa". Boletim nº 73.Rec. a prestação jurisdicional.Cobrança . Nulidade da citação com reconhecimento de inexistência da sentença. da sentença Citação por correio .Ineficácia da sentença.Correio .Rel. estando ele aliado à prova testemunhal produzida a respeito da existência da dívida. Princípios da autonomia e da abstração da obrigação cambial.Impossibilidade de discussão da causa debendi perante terceiro de boa-fé portador do cheque.Citação por correio .Procuração . (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Se a recorrente não demonstra que não funcionava no local. a teor do art. (Turma Recursal da Comarca de Passos .40 que expressamente informa que as partes devem comparecer pessoalmente às audiências".Rec. Boletim nº 75 Cheque prescrito . Citação .099/95. conseqüentemente. . sob pena de retardar-se.Recebimento por pessoa estranha à lide .Rec. Tese de inadimplemento do negócio subjacente afastada por ausência de provas". Juiz Edison Magno Macedo 19/05/04). Juíza Yeda Monteiro Athias). não há como se decretar a nulidade do ato. Juiz Juarez Raniero). nº 215/03 .Nulidade da citação . Para a validade da citação por carta não basta a entrega da correspondência no endereço do citando. nº 209/03 . contrariando o princípio da celeridade que deve nortear o Juizado Especial Cível".Rel. nº 04. Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino).Prova testemunhal . (2ª Turma Recursal de Betim . nº 063/2004 . devendo ser recebida pelo próprio réu. indevidamente. 18. vício que pode e deve ser conhecido pelo juiz a qualquer tempo. não havendo como se baixar o processo em diligência para juntada de mandato. que exige que o ato se faça por meio de aviso de recebimento em mãos próprias.Causa debendi "Ação de cobrança de cheque prescrito .Razões da apelação "Juizado Especial Cível . 25 da Lei do Cheque.Executividade . nº 04135889-7 .Rec. procede ação de cobrança fundada nessa prova documental ainda mais na se desincumbindo o Réu de provar os fatos extintivos do direito da Autora. onde foi remetida a citação.Ausência de procuração. Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino).Rel. Recurso não provido". Inteligência do art. I.Ação de cobrança "Conquanto o cheque prescrito não tenha força executiva. Boletim nº 76 Cheque prescrito .Rel.Correio . O instrumento de procuração deve ser apresentado juntamente com as razões de apelo. Boletim nº 73.Nulidade de citação . (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Boletim nº 78 Citação .Rel.Rec.

Juiz Paulo César Penido Coelho).04/11/03).Rel. evidentemente.Sentença recorrida mantida por seus próprios fundamentos”.Não conhecimento "Consórcio Imobiliário. sob pena de nulidade". nº 381. nº 150584-4/04 .Correspondência . a aguardar o encerramento do mesmo .604-0 Rel. nos casos em que tal encarregado trabalhe no local que se situa a pessoa jurídica a ser citada. A citação realizada em local no qual não se encontra sediada a pessoa jurídica ou uma de suas filiais é irregular.Empresa não sediada no edifício .Nulidade. Recurso provido. há que se realizar em estrita observância das prescrições legais.Irregularidade "Citação pessoa jurídica . há algumas ressalvas.04.Rec. Os juros moratórios são devidos no percentual de 1% (um por cento) ao mês.Rel. sendo um pressuposto indeclinável da existência válida do processo.099/95.41 Citação .Boletim nº79 Cláusula contratual .Rec. eis que o mais importante instaurador do litígio.Juros de mora.Pressuposto . Recurso adesivo intempestivo e não conhecido.Nulidade .nº 104/03 .Restituição .Pessoa jurídica . sendo que.Juros de mora "Ação anulatória de cláusula contratual com restituição do valor pago . ao permitir que a citação poderá ser entregue ao encarregado da recepção.Prescrições legais "A citação constitui ato de natureza integrativa da relação processual. Boletim nº 75 Citação . portanto há de se fazer plena. (Turma Recursal de Cataguases . Juiz Veiga de Oliveira). O inciso II do artigo 18 da Lei nº 9.Valor pago . Ação anulatória de cláusula contratual com pedido de restituição de parcelas pagas. Boletim nº 71 Citação . devendo restar induvidosamente provada.Recebedor .Rec. § 1º". no artigo 161.Identificação “Correspondência citatória recebida por terceira pessoa . Prevista no contrato a devolução de parcelas já pagas." (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . o fez.Empresa não sediada no edifício Irregularidade da citação . notadamente porque deduzida a pretensão com a retenção de 20% do valor pago.Juiz Guilherme Sadi . ainda assim.Ação anulatória .Boletim nº79 Cláusula contratual abusiva . que remete à aplicação do Código Tributário Nacional. nº 153.Entregue ao porteiro . à luz do disposto no artigo 406 do Código Civil.Recurso adesivo . Ausência de dispositivo legal que obrigue o consorciado que quer se afastar do grupo.029.Natureza integrativa .517-9 .Identificação do recebedor Validade. (Turma Recursal de Passos . da citação até o pagamento do valor da condenação. o lapso temporal não há que ser estipulado apenas por umas das partes. Juiz Edison Magno de Macêdo). Entendimento do enunciado nº 5 do VII Encontro Nacional dos Coordenadores dos Juizados Especiais . quando ocorrida a saída do beneficiário. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .

Contrato verbal .Citação a menor impúbere . há que se trazer aos autos provas fortes. Limitação ao valor principal. Citação feita a filho menor impúbere da parte. Juiz Núbio de Oliveira Parreiras .Rel.42 para ser reembolsado quanto às parcelas pagas." (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Cláusula penal . Contrato de mútuo. Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro).23/12/03).Contrato de mútuo . havendo apenas controvérsia quanto ao valor pleiteado. Ação de cobrança. a multa incidirá apenas sobre as parcelas não liquidadas. Nulidade. não havendo assim que se falar em revelia e confissão.Valor de multa "Cobrança.04. inclusive. É nula a citação inicial feita ao filho menor impúbere da parte. porquanto não tem ele capacidade para receber citação.23/12/03). o terceiro garantidor pelo inadimplento não responde pelas penas acessórias para o caso de pagamento em atraso". devendo o devedor honrar o compromisso. Tendo havido livre pacto de cláusula penal e não se tratando de relação de consumo.Reconhecimento de dívida "Cobrança .Rec. quitando a dívida". Condenação mantida. nº 702041503666 .Rel. Ausência de prejuízo da empresa recorrente.293449-7 .Rel.Reconhecimento da dívida .Rec.Juros abusivos "Recurso de apelação civil. Na ausência de cláusula expressa. Alegação de juros cobrados acima dos índices legais não comprovada. Garantia de terceira pessoa . Civil. Nulidade da cláusula contratual que estipula a multa rescisória em 15%. Multa contratual em 20%.Rel.Ausência de previsão expressa quanto às penas acessórias. não se caracteriza manifestadamente excessiva multa de 20% no caso de inadimplento. Boletim nº 78 Cobrança .Necessidade de provas. Recurso a que se dá provimento para anular o processo a partir da citação". Juiz Núbio de Oliveira Parreiras . Não há se discutir dívida já reconhecida pela parte ré. nº 024. (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Boletim nº 74 Cobrança .Nulidade "Recurso de apelação. Recurso improvido.Controvérsia apenas quanto ao valor do pagamento . Não comprovando o devedor que o credor. Composição danos civis. nº 353/03 .Rec. nº 345/03 . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Ação de cobrança. não há que se falar em usura. em contrato de mútuo celebrado entre particulares. ainda que oriunda de contrato verbal. Sentença mantida. Cláusula penal limitada às parcelas não pagas. Boletim nº 74 Cobrança . (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Entretanto. Boletim nº 78 Cobrança . uma vez que não se pode condenar o . devendo o processo ser anulado a partir da citação.Composição de danos civis . ausência de excessividade manifestada. no entanto. cobrou juros acima dos índices legais. com os decotes legais.Rec. Juiz Renato Luís Dresch). De direito a imediata restituição das parcelas.Contrato verbal .

sendo tal exigência altamente potestativa e rejeitada pelos Tribunais e além de tudo. deve conduzir à procedência.Exigência de apresentação das notas fiscais dos bens . devendo responder pela litigância temerária".Má-fé. Tendo o requerido emitido cheques para pagamento de dívida e havendo comprovação de depósitos bancários efetuados em favor do credor dos títulos em valor correspondente aos mesmos.Presunção relativa .Boletim de ocorrência .Furto em escritório .Revelia . devem aqueles serem considerados como efetuados para saldar a dívida.Pagamento . nº 159/03 . a presunção relativa de veracidade dos fatos alegados.Juiz Edílson Magno de Macêdo . Em conformidade com o disposto no art.Descabimento .Prova. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Não tem cabimento a exigência da seguradora de apresentação pelo segurado das notas fiscais (ou outro documento que ateste a preexistência dos bens mantidos no interior do escritório). como efeito da revelia. integral ou parcial.Depósitos bancários efetuados na conta do credor Débito considerado liquidado . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . deixa de merecer consideração.16/10/03). Boletim nº 72 Cobrança .Revelia .Rec. nº 114/03 . inexistente".Documentos novos "Ação de cobrança . e registrada a ocorrência policial do furto. apresenta-se inoportuna e. neste caso específico.43 recorrente em quantia hipotética".Seguro .Furto não comprovado .Art. Comprovado que a dívida já foi paga. Cobrança . do pedido inicial". 396 do Código de Processo Civil.Cheques . Boletim nº 72 Cobrança . deve ele receber pelo valor total do seu prejuízo. Se consentânea com os elementos probatórios apresentados.Boletim de ocorrência .Má-fé .Seguro .10/12/03). por isso.Ônus probatório do segurado . I.Prova "Ação de cobrança . Juiz Paulo Balbino).Inadequação. nº 201557-8 Rel. que constitui prova para instruir o pedido de cobertura securitária. . Configurado que o segurado pagava corretamente o seguro.Dívida .Seguro residencial .Rec.Juiz Edílson Magno de Macêdo . nº 210/03 Rel. Boletim nº 74 Cobrança .Rec.Rec.Cobrança .Inocorrência de furto qualificado . (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete . Boletim nº 73.Furto .Presunção relativa de veracidade dos fatos alegados Documentos trazidos com as razões recursais . (1ª Turma Recursal de Uberlândia . patente de má-fé do autor. Juiz Francisco Eclache Filho). mormente se o autor não justificou a existência de outros créditos seus junto ao requerido.Improcedência "Ação de cobrança .Seguro residencial .Depósitos bancários "Dívida representada por cheque . a prova documental trazida com as razões recursais pelo recorrente cuja revelia fora decretada no curso do processo. do CPC. 333.

de unidade autárquica ou empresa pública federal. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Rec.Não configurado. Boletim nº 78 Coisa julgada material . improcede o pedido de indenização.Rel. conforme autorizado pelo CCB".44 Não havendo sido comprovada a ocorrência de furto qualificado na residência do segurado. Juiz Joemilson Donizetti Lopes).Instituição de ensino particular "Ação de extinção de débito com pedido liminar de matrícula em curso superior Competência da Justiça Estadual para apreciação da matéria .Rec. não se inserindo a matéria de interesse de instituição de ensino particular. nº 208/03 . de que não cabia mais recurso. (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete .científica.Boletim nº79 Competência . como também pelos erros".arrombamento .150372-4 . O modo de pagamento da mensalidade pela aluna à instituição de ensino. Juíza Yeda Monteiro Athias).Juizado Especial .Ausência . Boletim nº 74 Compensação de títulos . Tratando-se de instituição de ensino superior particular. configura-se em contra-prestação pelos serviços educacionais prestados.didático.Necessidade de identidade de partes. portadora da autonomia universitária.04.029.Rel. nº 04150574-5 . interesse da União. (Turma Recursal de Cataguases .Forma eletrônica ." (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Rel.ao qual seu preposto faz expressa alusão. mesma causa de pedir e mesmo pedido". nº 702. No caso de ocorrência de furto qualificado pelo arrombamento. mesmo pedido e mesma causa de pedir .Responsabilidade "Se o Banco Central estipula regras para compensação de títulos de forma eletrônica com o objetivo de melhorar o serviço. O instituto da coisa julgada se conceitua pela repetição de ação que já foi decidida por sentença. não tendo a seguradora procurado demonstrar a inexistência do fato . configurando-se quando verificada a identidade das partes.Rec.não há.Curso superior . insculpida no artigo 207 da Constituição Federal . e se porventura ocorrer algum erro.04.Rel. administrativa. nº 153. que dê ensejo à alentada competência veementemente questionada pela ré.Domicílio do réu . não pode depois se negar a pagar o seguro alegando tratar-se de furto simples. Boletim nº 75 Competência .527-8 .A Constituição Federal traz em seu artigo 109 o rol expresso das matérias da competência da Justiça Federal.Erros .Tríplice identidade "Coisa julgada material . Juiz Francisco Eclache Filho). levado a efeito diretamente ao credor. como é o caso em tela. in casu. bem como de gestão financeira e patrimonial .Rec. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). devem as partes que fazem parte do sistema se responsabilizarem não somente pelas vantagens do sistema.

Município .Recurso . nº 111/03 .Indenização por construção edificada no imóvel .255 do Código Civil. modificativo ou extintivo do direito do autor.Compromisso .Juiz Aurelino Rocha Barbosa . (Turma Recursal de Passos .Indenização "Compromisso de compra e venda . em caso de rescisão contratual. que é de dois anos.514/97.Rec.TAMG "Condenado o apelante no art. Boletim nº 71 Competência .nº 137/03 .030.Extinção do processo”.Aplicação do CDC.29/09/03). Boletim nº 71 Competência . em conformidade com o disposto pelo artigo 1.Rescisão .Construção . a competência no Juizado Especial se estabelece pelo domicílio do réu. deve receber de volta as parcelas que pagou. nº 153.Rescisão contratual . do Código de Defesa do Consumidor.Juiz Edílson Magno de Macêdo 16/10/03).393-2 . Boletim nº 75 Compra e venda . sendo plenamente aplicável o Código de Defesa do Consumidor frente a sua hipossuficiência com relação à empresa vendedora". cuja pena máxima é de três anos. não conseguindo cumprir com o avençado.Município . extrapola o limite imposto pela Lei dos Juizados Especiais. após a entrada em vigor da Lei nº 10. se apresenta nula de pleno direito.Extinção do processo “Juizado Especial .Rel.nº 404/03 .Rec.Descumprimento . A cláusula contratual que impõe ao consumidor a perda do direito à indenização ou retenção pelas benfeitorias realizadas no imóvel. por consubstanciar obrigação que o coloca em desvantagem . caput. Tendo o adquirente firmado contrato para aquisição de terreno sob a égide da Lei nº 9. como dispõe o diploma processual civil em seu artigo 333. Mesmo quando não imputada ao fornecedor ou prestador de serviços a inversão do ônus da prova prevista pelo artigo 6º. VIII. 10. porém.Possibilidade .Alienação fiduciária .45 “De regra.Pena superior a dois anos .437/97.Incompetência absoluta .Juiz Juarez Raniero 04/11/03).Ônus da prova. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . com aumento de pena previsto no § 4º da Lei nº 9. (2ª Turma Recursal de Divinópolis . por culpa sua. Boletim nº 72 Compra e venda . Recurso improvido”.259/2001 sendo a competência para apreciar e julgar o recurso do Tribunal de Alçada".CDC "Contrato de compra e venda de imóvel com alienação fiduciária em garantia Descumprimento pelo devedor . II. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). A construção edificada de boa-fé pelo legítimo possuidor do imóvel objeto de um compromisso de compra e venda que vem a ser rescindindo dá ensejo à respectiva indenização.04. (Turma Recursal de Cataguases . compete ao requerido comprovar a existência de fato impeditivo.

Juiz Renato Luís Dresch). (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Rel.Inadimplência . Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino).Vício da coisa .04.Devolução parcial dos valores pagos. Sentença mantida".Rec. c/c artigo 147. o negócio jurídico restou eivado.088866-1 .Resilição . II. Recurso não provido. Boletim nº 78 Compra e venda . Mercadoria de mostruário.Desistência .Contrato de compra e venda Promitente vendedor . Ausência de motivo para troca da mercadoria ou devolução dos valores pagos. Em caso de inadimplência do promitente comprador é devida a devolução das parcelas já quitadas com a dedução da multa compensatória e valor devido pela fruição do imóvel".04. do Código Civil de 1916". (1ª Turma Recursal de Betim .Rec.Perdas e danos "Contrato particular de compra e venda.Rescisão .382433-3 .Promitente vendedor .Mercadoria de mostruário . Consumidor ciente.46 exagerada.Recurso nº 027. nº 702030714977 Rel. nº 024.04. Não incidência no artigo 18. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Termo aditivo. Por não haver regularizado a situação do imóvel antes da assinatura do contrato com a recorrida. nos termos do artigo 102. Boletim nº 78 Compra e venda de veículo . (2ª Turma Recursal de Betim .04.Rec.Boletim nº79 Compra e venda .Resilição .Juíza Sandra Eloísa Massote Neves).Rel.Rescisão . § 1º.Defeito "Compra e venda. Desistência.Boletim nº79 Compra e venda . pela simulação. já que seu nome não consta da escritura pública. Juiz Paulo Balbino). do CDC. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Contrato . sem prejuízo do pagamento das perdas e danos em decorrência da utilização do imóvel". Uso do aparelho pelo consumidor por dez meses.Multa contratual . A resolução do contrato de compra e venda sujeita o culpado ao pagamento da multa pactuada em cláusula penal. desde sua concepção. nº 024.Cobrança .Decadência .Não proprietário. Cobrança de multa contratual.Imóvel .Rel. Conserto efetuado pela assistência técnica no prazo de 15 dias. I.008931-1 . além de ser incompatível com a boa-fé e com a eqüidade". Defeito posterior à compra e no prazo de garantia do produto.Devolução parcial "Contrato de compra e venda de imóvel .Inadimplência .Rec. nº 027. O motivo pelo qual foi rescindido o contrato reside no fato do recorrente não possuir legitimidade de disposição do imóvel.293888-6 . Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro). Boletim nº 78 Compra e venda .Não proprietário "Juizado Especial Cível .Cláusula penal .

Juiz Selmo Sila de Souza .Rec. Boletim nº 74 Condições da ação .Cobrança .04. Juros excessivamente onerosos. Decadência ocorrida.701.Rec. Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro).Condenação do recorrente em custas e honorários.917 . A atualização monetária do débito e a incidência de juros legais devem ser feitas pelos índices adotados pela Corregedoria de Justiça do TJMG.Rec. cumpre ao julgador acolhê-la. nº 219/04 Rel.075014-9 .Ação de cobrança . (Turma Recursal de Passos . Legitimidade ativa reconhecida.25/03/04). (Turma Recursal de Passos . (Turma Recursal de Itajubá .Rel.Improcedência. nº 702041503708 Rel.060/50". cujos efeitos se sobrepõe aos da revelia". por vícios da coisa.Questão de ordem pública . representação processual caracterizada." (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Rec.Situação que supera os efeitos da revelia. Boletim nº 73. Boletim nº 74 Comprovação de culpa .Improcedência "Ação de cobrança . Não restando. a improcedência se impõe".Sentença de primeira instância mantida .Compra e venda de veículo. 12 da Lei nº 1.Contribuições .24/03/04).Rel. demonstrado nos autos. Pedido de obrigação de fazer. Advogado mencionado no termo de audiência. Juiz Juarez Raniero . que o desvio dos valores pagos não fossem utilizados em prol do próprio condomínio. (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Autor que não se desincumbiu de seu ônus probatório . nº 702. Enunciado nº 09 do Fórum Permanente de Juízes Coordenadores dos Juizados especiais Cíveis e Criminais do Brasil.Improcedência do pedido inicial .23/03/04). Emergindo dos autos a ilegitimidade passiva para a causa. Recurso parcialmente provido. nº 175/03 .Rec.Ônus probatório "Culpa do recorrido não comprovada . em seu XIV Encontro Nacional ocorrido em novembro de 2003 em São Luiz/Maranhão. Boletim nº 78 Condomínio . Decisão confirmada". Legitimidade ativa do condomínio residencial para cobrar do condomínio qualquer quantia devida ao condomínio.030.Legitimidade .Cobrança de contribuições .Rel. nº 479.47 "Decadência . por se tratar de questão de ordem pública.Negado provimento ao recurso .Boletim nº79 Condomínio . suspensos em face do art. Juiz Guilherme Sadi). Juiz José Luiz de Moura Faleiros .Legitimidade ativa . por se tratar de questão de ordem pública.Conhecimento ainda que em grau de recurso .Fase recursal "Condições da ação .Despesas condominiais . Prazo de noventa dias que não se interrompe por reclamação junto ao PROCON. Condomínio .Legitimidade "Cobrança de contribuições condominiais.

nº 702. pedido de condenação do condômino ao pagamento de multa moratória de 2% (dois por cento).Boletim nº79 Consórcio . Legitimidade ativa reconhecida. validade e eficácia. pré-constituído.Assembléia geral extraordinária . Nulidade da sentença.Juíza Maria das Graças Ribeiro . Boletim nº 72 Consórcio . se aplica. ainda que o contrato de consórcio produza efeitos plurilaterais.Contrato individual por adesão . em que se vislumbra vantagem do fornecedor sobre o consumidor. à hipótese de alteração no preço do bem referenciado no contrato".Taxas . Juros.766/97. obrigatoriamente. A devolução de parcelas pagas somente após o encerramento do grupo não merece acolhida face ao anteparo que lhe impõe o ordenamento consumeirista.Prevalência . O contrato de adesão. traduzida pelas espécies normativas previstas pelo artigo 59 da Constituição Federal. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Legitimidade ativa do condomínio residencial para cobrar do condômino qualquer quantia devida ao condomínio. Sentença cassada". Recurso provido. nº 146/03 . correção monetária. Constituem fontes das obrigações a lei. Neste contexto. indisponível eventual discussão sobre as mesmas pelos contratantes. O aditamento contratual deve se revestir da mesma forma com que celebrado o ato jurídico originário. em seu XIV Encontro Nacional ocorrido em novembro de 2003 em São Luís/Maranhão.17/12/03).Restituição .Contrato de adesão .Rec. as deliberações tomadas por assembléia geral extraordinária não constituem cláusulas aditivas válidas e eficazes para obrigar o consorciado que.Contrato de adesão . Juiz Paulo Balbino).Rel Juíza Maria das Graças Rocha Santos 12/05/04).48 "Cobrança de contribuições condominiais.Parcelas pagas .Rel.Cláusula aditiva inválida .Circular BACEN nº 2. configura a limitação da autonomia da vontade.Invalidade "Consórcio . O rateio extraordinário previsto pelo artigo 17. bem como cláusula penal arbitrada contratualmente em 20%. embora por adesão.Rec.04. multa e honorários advocatícios. e os contratos que apresentem todos os requisitos de existência. exclusivamente. firmou com a administradora de consórcios contrato individual. Sentença prolatada pelo Juízo a quo não analisou a questão da multa moratória. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . expressamente.35839-2 . Sentença citra petita. I. Supressão de instância". A petição inicial aborda.Taxas abusivas "Consórcio de imóvel .Rec.381783-2 . Taxas de condomínio.766/97. aleatoriamente. nº 0024.041. em que as cláusulas são elaboradas unilateralmente. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Enunciado nº 9 do Fórum Permanente de Juízes Coordenadores dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Brasil.Cobrança "Cobrança. É abusiva a taxa de administração fixada em 17%.Cláusula aditiva . Boletim nº 75 Condomínio . por mera . da Circular BACEN nº 2.Ação anulatória de cláusula contratual com restituição de parcelas pagas.Rateio .

Momento .Rel.Rec.Desistência .Momento "Ação de restituição de parcelas pagas .Parcelas pagas . Juiz Veiga de Oliveira). Corregedoria de Justiça do Estado de Minas Gerais. taxa de administração e seguro . de resto não comprovado". se for . deve o bem ser restituído ao consorciado/fiduciante. Imediatamente. nº 04. quitadas todas as prestações inicialmente convencionadas. No caso de desistência do consorciado.Taxa de adesão.Impossibilidade . Havendo entrega de propriedade fiduciária em garantia do pagamento das prestações vincendas.Deduções permitidas . Juiz Joemilson Donizetti Lopes). acrescida de juros de 0.Condenação em custas e honorários". Em se tratando de contrato de administração de consórcio. Boletim nº 75 Consórcio .Propriedade resolúvel. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Momento .Boletim nº79 Consórcio . deve haver imediata devolução do valor pago.Alteração unilateral de cláusula .Desistência . Juiz Renato Dresh). nº 702. de uma só vez.Devolução "Consórcio . A correção monetária incide a partir do desembolso (Súmula 35 STJ).Rel.Negado provimento ao recurso .Legítimo interesse processual .332-8 . Boletim nº 73. Retenção da taxa de adesão e de taxa de administração.Restituição . e os juros moratórios a partir da citação ou outra forma de constituição em mora".Rec.Parcelas pagas .Alteração unilateral "Contrato de administração de consórcio . Juros moratórios a partir da citação. nº 071746-6 . sem que sobre o veículo recaia qualquer tipo de ônus ou impedimento".Fundo de reserva . não é admissível a sua alteração unilateral.Cláusula abusiva .12/05/04).Rel. principalmente quando traz consigo vantagem excessiva tão-somente para o fornecedor. sendo lícito à administradora reter a taxa de adesão e a taxa de administração.Contrato de administração .041.CDC .O desistente do grupo de adesão de consórcio tem direito à restituição das parcelas pagas. por se tratar de afronta direta às normas de ordem pública dispostas no Código de Defesa do Consumidor. Devolução imediata do valor pago.49 suposição de prejuízos.Devolução .Momento da devolução .Vantagem excessiva para o fornecedor . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Consórcio . destacando-se apenas o valores correspondentes à taxa de administração e seguro. Correção monetária a partir do desembolso.Rel Juiz Luís de Moura Faleiros .136060-4 . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Rec. corrigidas monetariamente desde a data do desembolso pelo índice adotado pela E. Desistência. Boletim nº 76 Consórcio .5% (meio por cento) ao mês contados da citação.Desistência .Rec. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .36004-2 .Parcelas pagas .Rescisão contratual .Retenções "Consórcio.Alienação fiduciária .Devolução das parcelas pagas . nº 381.

Quitação do bem anterior à transferência da administração. (Turma Recursal de Cataguases . Boletim nº 78 Consórcio . A quitação do saldo devedor pelo consorciado encerra a participação do mesmo.Cláusula penal "Consórcio . Boletim nº 74 Consórcio . Tanto a administradora responsável na época em que houve o pagamento.04. Ausência de responsabilidade por valores supervenientes.Desistência . sob pena de enriquecimento sem causa ".Extinção do contrato "Consórcio.Quitação . sendo indevida a recusa da administradora do consórcio em liberar o bem".50 o caso do contrato".Momento . como a que a sucedeu são responsáveis.Morte de consorciado . extinção do contrato. nº 024. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Com o pagamento extingue-se o contrato. não se sujeitando ainda a rateios posteriores. ato jurídico perfeito. Sobre o montante a ser pago. de acordo com as regras consumeristas.Consorciado desistente .Preliminar de falta de interesse afastada Devolução das quantias pagas . com a conseqüente liberação das garantias ofertadas. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Rel. Recusa em liberar a reserva no Detran.Rec.Rec.Restituição de parcelas "Havendo desistência de um dos consorciados enquanto o grupo encontra-se em pleno funcionamento deve-lhe ser assegurada. deverá incidir juros na forma da lei. (3ª Turma Recursal de Uberlândia . (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Ilicitude na recusa em expedir carta de liberação de ônus.Rel. Liquidação extrajudicial.Desistência .Desligamento do consorciado .19/02/04). Juíza Yeda Monteiro Athias . nº 04171-1 . Não se faz necessário que o consorciado desistente espere o encerramento do grupo do qual fazia parte para receber as parcelas que pagou. nº 133/03 .Seguro de vida .Rec.Retenção devida do valor correspondente à cláusula penal . Boletim nº 72 Consórcio .Rel. nº 153.294223-5 . a restituição das parcelas que destinara à administradora para fomento das atividades consorciais. uma vez que a primeira deveria tê-lo feito imediatamente e a sucessora tem responsabilidade para a realização imediata. sendo que esta não poderá ultrapassar 10% do valor a ser restituído. Pagamento integral do saldo.029.Juíza Maria Luiza Santana Assunção .Juros de mora. Boletim nº 75 Consórcio .Rec.498-2 . Juiz Renato Luís Dresch). se deu causa à rescisão contratual. O consorciado desistente deve arcar com o pagamento da cláusula penal. pois o mesmo faz jus ao recebimento do que lhe é devido a partir do momento em que se desliga do grupo de consórcio.29/10/03). abatida somente a taxa de administração pactuada". Responsabilidade da administradora precedente e sua sucessora.Quitação integral .Liquidação extrajudicial .Restituição de valores .04.

20/04/04).Valor "Consórcio. Juiz Joemilson Donizetti Lopes .51 "Recurso de apelação civil. tem ele direito a receber os valores pagos.03/12/03).V.35855-8 . Não havendo comprovação que o segurado agiu com má-fé. A correção monetária é devida desde a data do efetivo desembolso de cada parcela.Rec. V. Indenização mantida.Restituição de parcelas pagas . o consorciado desistente tem direito à devolução imediata das parcelas pagas. Ausência de dispositivo legal que obrigue o consorciado que quer se afastar do grupo. Boletim nº 74 Consórcio . a indenização do seguro é devida.Legitimidade passiva ad causam e interesse de agir . De direito a imediata restituição das parcelas pagas. deduzidas as despesas com serviços dos quais desfrutou. "Consórcio de veículo . Recurso a que se nega provimento". Doença preexistente não comprovada. quando assumiu ela a responsabilidade de contratar o seguro na ocasião da celebração do contrato de consórcio.041. como as taxas de administração e adesão e o valor do seguro. Rescindido o contrato de consórcio para aquisição de bens móveis por iniciativa do consorciado.Rel. não sendo necessário esperar o encerramento do grupo para aforar a ação.Restituição .Momento "Contrato de consórcio para aquisição de bens móveis . (1ª Turma Recursal de Divinópolis .Correção monetária e juros.Rescisão . nº 136003-4 Rel. corrigidos monetariamente. A administradora de consórcio é parte legítima passiva ad causam nas ações propostas visando à restituição das parcelas pagas.Rel Juíza Maria das Graças Rocha Santos . Recurso não provido. não . Ação anulatória de cláusula contratual com pedido de restituição de parcelas pagas. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Rec.v.Momento da devolução do valor das parcelas pagas . Nulidade da cláusula contratual que estipula a multa contratual em 20%. com decotes legais. Ausência de prejuízo da empresa recorrente que irá substituir o lugar do recorrido no grupo.12/05/04). Morte do consorciado.Devolução .Parcelas pagas . Juiz Núbio de Oliveira Parreiras . Seguro de vida. Quitação. Boletim nº 74 Consórcio . nº 311/03 . Consórcio. Os juros moratórios são devidos a partir do óbito do segurado. somente após decorridos trinta dias do encerramento do grupo ou da última contemplação.Rescisão unilateral pelo consorciado . Em se tratando de consórcio de veículo. Os juros contam-se da citação.Legitimidade passiva . escondendo a doença que o vitimou.Rec. A administradora de consórcio é parte legítima passiva ad causam nas ações propostas visando a restituição das parcelas pagas. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . nº 702.Interesse de agir . descabendo a inclusão de juros remuneratórios nas parcelas a serem restituídas devido a natureza do negócio". Juros a partir do óbito. Sentença mantida".Parcelas pagas . Boletim nº 75 Consórcio .v.Correção monetária e juros.Parcelas pagas .Restituição . a esperar o encerramento do mesmo para ser reembolsado quanto às parcelas pagas. É a empresa de consórcio responsável pelo pagamento do seguro de vida ao beneficiário indicado pelo consorciado falecido.Momento .

Rec. A correção monetária é devida desde a data do efetivo desembolso de cada parcela.Rec. Devido abatimento da taxa de adesão.Parcelas pagas .52 sendo necessário esperar o encerramento do grupo para aforar a ação. que quer se afastar do grupo. Negado provimento ao recurso".35959-8 .Rel Juíza Maria das Graças Rocha Santos .Correção monetária "Rescisão contratual com restituição de parcelas pagas.Restituição . a aguardar o encerramento do mesmo para receber o reembolso referente às parcelas pagas. Boletim nº 72 Consórcio . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . V. Taxa de administração fixada em percentual abusivo no contrato. a aguardar o encerramento do mesmo para receber o reembolso referente às parcelas pagas.041.V.Rec. De direito a imediata restituição. nº 041. deduzidas as despesas por serviços dos quais desfrutou. Recurso parcialmente provido". Boletim nº 75 Consórcio .Rescisão unilateral . somente após trinta dias do encerramento do grupo tem ele direito a receber os valores pagos corrigidos monetariamente.Rescisão contratual . com os decotes legais. como a taxa de administração e adesão.Momento . Rescindindo o contrato de consórcio para aquisição de móveis por iniciativa do consorciado. que quer se afastar do grupo. Juíza Maria das Graças Rocha Santos) Consórcio .Juiz Edílson Magno de Macêdo .Rescisão contratual .Valor "Rescisão contratual com restituição de parcelas pagas. seguro e administração. nº 702.Parcelas pagas . Ausência de dispositivo legal que obrigue o consorciado. Redução devida.16/10/03). De direito a imediata restituição. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Devolução . Negado provimento ao recurso". esta última limitada em 5%. a esperar o encerramento do mesmo para ser reembolsado pelas parcelas pagas. descabendo a inclusão de juros remuneratórios nas parcelas a serem restituídas devido à natureza do negócio". nº 123/03 .35865-7 Rel.Restituição de parcelas .Juíza Maria das Graças Ribeiro . Os juros contam-se da citação. De direito a imediata restituição das parcelas pagas. Ausência de dispositivo legal que obrigue o consorciado.Rescisão . Nulidade da cláusula contratual. Ausência de dispositivo legal que obrigue o consorciado.12/05/04). Boletim nº 72 Consórcio . Em se tratando de consórcio de veículo o consorciado desistente tem direito à devolução imediata das parcelas pagas. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . com incidência de atualização monetária e acréscimo de juros legais.12/11/03).Momento "Rescisão contratual com restituição de parcelas pagas. que quer se afastar do grupo. limitada em 10% a taxa de administração.Rec. nº 112/03 . com incidência de atualização monetária e acréscimo de juros legais.Restituição de parcelas .

impõe-se sua rescisão com a obrigação do administrador do grupo devolver imediatamente àquele o que houver pago.Parcelas pagas .Desistência "Ação de restituição de parcelas pagas . (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Valor a ser restituído "A taxa de administração.Legitimidade passiva ad causam e interesse de agir .Taxa de administração .10/12/03). nº 041763 Rel. Boletim nº 72 Consórcio . Juiz Luis de Oliveira . (3ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . nº 145/03 .Rec. descontando-se apenas os valores correspondentes à taxa de administração e seguro. Boletim nº 74 Consórcio .Rescisão unilateral pelo consorciado . A administradora de consórcio é parte legitima passiva ad causam nas ações propostas visando à restituição das parcelas pagas. acrescida de juros de 0. mormente se entre a data da desistência do negócio até a data da decisão houver decorrido prazo razoável para a substituição do excluído".Taxa de fundo extraordinário . se for o caso do contrato".Rescisão unilateral .Restituição de parcelas pagas .Juíza Yeda Athias de Almeida .Momento da devolução do valor das parcelas pagas . Boletim nº 72 Consórcio .10/10/03). corrigidas monetariamente desde a data do desembolso pelo índice adotado pela E.Rec.53 "Contrato de consórcio para aquisição de bens imóveis . incluída a taxa de administração e adesão. bem como a multa de 10% (dez por cento). não deve integrar o montante a ser restituído ao consorciado desistente". onde as cláusulas excessivamente onerosas podem ser modificadas.Devolução do valor das parcelas pagas. Corregedoria de Justiça do Estado de Minas Gerais. Os juros contam-se da citação". deduzidas as despesas obrigatórias oriundas do negócio. percebida pela administradora em decorrência de serviços prestados para a formação do grupo consorcial. nº 071.236-8 Juiz Matheus Chaves Jardim). imediatamente. Tratando-se de contrato de adesão.Devolução "Contrato de consórcio para aquisição de bens móveis . Em se tratando de consórcio de veículo o consorciado desistente tem direito à devolução imediata das parcelas pagas. A correção monetária é devida desde a data do efetivo desembolso de cada parcela. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Rec.Correção monetária e juros.Rescisão unilateral pelo consorciado .O desistente do grupo de adesão de consórcio tem direito à restituição das parcelas pagas. Boletim nº 72 Consórcio .24/03/04). (1ª Turma Recursal de Uberlândia . não sendo necessário esperar o encerramento do grupo para aforar a ação. Exigibilidade da cláusula penal. de uma só vez.5% (meio por cento) ao mês contados da citação. sobre o valor a lhes ser restituído.Rec. nº 146/03 .Joemilson Donizetti Lopes .

Não há incidência de multa penal no caso em que a extinção da relação contratual resulta em retenção de valores.Não cabimento . Desse modo. 21.Recurso a que se dá provimento parcial. condenando o recorrente ao pagamento das custas.03/12/03). adesão e seguro. pretende ver restituídos os valores das parcelas pagas.Rel. o caso é de nulidade parcial da sentença. contratualmente previstos a título de compensação pelos encargos e administração do contrato.Rec.54 "Consórcio.Restituição .Rel. primeiro porque não há previsão na Circular nº 2766/03. nos termos do art.Juiz Marco Aurélio Ferenzini . Não conheço do recurso interposto por LUIZ CARLOS DOS REIS. apenas em relação ao excesso praticado. nº 071. parágrafo único. Recurso a que se dá provimento parcial. Boletim nº 74 . Esclareço que. não há falar-se em obrigação do consorciado em pagar o rateio. sendo desistente do grupo consorcial. Juiz Joemilson Donizetti Lopes .Restituição . (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . uma vez que deserto. do Código do Processo Civil". até mesmo em razão da previsão contratual nesse sentido.Parcelas pagas . Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). Boletim nº 72 Consórcio de imóvel .Danos "Mantém-se a decisão que condenou administradora de consórcio e seu representante a restituírem valores pagos. deixo de condená-lo. Cobrança de taxa mensal de fundo extraordinário para rateio de prejuízos advindos da administração anterior . nº 071885-2 .099/95. somente para anular a parte dispositiva da sentença que declarou nula a deliberação contida no item seis da Assembléia. 55 da Lei nº 9. segundo porque vai além da competência atribuída à Assembléia Geral Extraordinária. mais perdas e danos. malgrado a sucumbência do recorrido.Rec. devendo ela ser decotado aquilo que ultrapassou o pedido.435-6/03 .25/03/04). Boletim nº 74 Consórcio . considerando que fora mínima. pois devidamente aviado e preparado. Tem legítimo interesse de agir o consorciado que. que dispõe sobre a constituição e o funcionamento de grupos de consórcio. despesas processuais e nos honorários advocatícios do recorrido que arbitro em dez por cento sobre o valor total da condenação. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Restituição de parcelas pagas .Correção monetária e juros . configurando decisão ultra petita. como a taxa de administração. Quanto ao mérito. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Os juros contam-se da citação. A discussão sobre o momento próprio para a devolução das parcelas não afasta o interesse processual.Rec.Interesse "Consórcio de imóvel . quando o consumidor não é devidamente informado do negócio jurídico realizado e pensava estar celebrando um contrato de crédito". Conheço do recurso interposto por CONSAVEL ADMINISTRADORA DE CONSÓRCIOS LTDA.Valores pagos . o consorciado desistente tem direito à devolução imediata das parcelas pagas.Interesse de agir .Legitimidade . A sentença foi além do pleiteado pelo recorrido. Em se tratando de consórcio de imóvel. nos temos do art. mormente se não se verifica a efetiva comprovação de outros danos".Multa penal. nº 04202-1 .

Direito à informação "Informações adequadas e precisas . pois independe da existência de culpa.Inversão "É direito básico do consumidor ver-se contemplado com a chamada inversão do ônus da prova. 12.Ônus da prova "Defeito no funcionamento do sistema de alarme original de fábrica . bem como furto do aparelho de som. VIII. mormente aquela que afastaria a competência do Juizado.419 .Rel.Conduta inadequada de preposto do estabelecimento comercial que causa constrangimento e humilhação a cliente . causando danos materiais ao recorrido. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Neste contexto. Considerando que a recorrente não se eximiu do ônus de comprovar a inexistência de defeito no sistema de alarme. desnecessária qualquer prova técnica.Condenação da recorrida em custas e honorários".041. Juiz Edison Magno Macedo . do CDC.Desconstituição do fato ensejador da responsabilidade. nº 702. 12 do CDC . Boletim nº 78 Consumidor .Rec.Direito básico .Recurso provido . nº 135858-2 .Rec. impõe-se a improcedência da ação".Rec. . do CDCRecurso a que se nega provimento. Só há que se falar em incompetência do Juizado Especial quando a complexidade da matéria exigir perícia técnica formal.Rel Juiz José Luiz de Moura Faleiros). No caso em apreço.Ônus da prova que recai sobre o fabricante.Rel.Ato ilícito . Grassando pertinente dúvida em demanda de consumo. decorrentes do arrombamento do veículo. nos termos do § 3º. do art. que se proceda a facilitação da defesa de seus direitos".Ônus da prova . conforme determina o § 3º do art.Desnecessidade de prova pericial diante da confissão expressa do fabricante acerca da existência do defeito Competência do Juizado Especial . É defeito e não vício do produto a desativação do sistema de alarme pela inserção de chave de fenda na fechadura da porta. 6º. como fabricante do sistema de alarme.Responsabilidade pelo fato do produto .503. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Boletim nº 74 Consumidor .Inteligência do art. Consumidor .55 Constrangimento . a responsabilidade da recorrente. Boletim nº 73. é objetiva.Fato do produto . impõe-se sempre interpretação favorável ao consumidor. 12 do CDC. com diligências e estudos especializados.Responsabilidade civil "Responsabilidade civil decorrente de ato ilícito .Declarações controvertidas do ofendido .Rescisão do contrato Devolução das parcelas devidamente corrigidas . (Turma Recursal de Cataguases .29/04/04). mister reconhecer sua responsabilidade pelo ressarcimento dos danos causados ao recorrido. o próprio fabricante admite a falha do sistema de alarme. Reveladas graves incoerências entre o conteúdo da inicial e as alegações do autor ao ser ouvido perante o Juízo envolvendo os fatos ensejadores do pedido e não havendo prova razoável a respeito do alegado.Direitos básicos dos consumidores independentemente de previsão contratual expressa . porquanto ordena o art. portanto. sendo. nos termos do art. 12 do CDC. nº 153 04 029798-5 . Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães).Responsabilidade .

constitui verdadeiro truísmo averbar que.Produtos ou serviços . que deve ser integralmente ressarcido. nº 153.Responsabilidade objetiva do prestador .099/95".Rec. in casu. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . e para condenar a recorrente ao pagamento das custas.Rel. nº 015304030280-1 . qualquer produto. Boletim nº 76 Consumidor . ficando facultado às empresas demandarem eventual reembolso em sede própria". Juíza Daniella Nacif de Sousa). Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). Juiz José Afrânio Vilela 04/05/04). A condenação deve ser solidária. bem como prevalecer-se da fraqueza ou ignorância do consumidor. sem solicitação prévia. despesas processuais e honorários advocatícios.Fornecimento . (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .029.04.Rec. Boletim nº 78 Consumidor . enviar ou entregar ao consumidor.56 Recurso a que se nega provimento. Boletim nº 78 . O prestador de serviços responde objetivamente pelos danos causados a terceiro. conhecimento ou condição social para impingir-lhe seus produtos ou serviços". Boletim nº 74 Conta conjunta . Defeito na prestação de serviços. mantendo-se in totum a r.293507-6 .04.Rec.Rec. Juiz Luiz de Oliveira). Boletim nº 75 Consumidor . nº 243674-1 . Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Condenação solidária . Dever de ressarcimento da integralidade dos prejuízos suportados.Rel. caput. A intenção de reparação dos danos provocados pela prestação defeituosa do serviço não é elemento caracterizador da responsabilidade indenizatória. (Turma Recursal de Cataguases . da Lei nº 9. Responsabilidade objetiva do prestador. tendo em vista sua idade. mazela ou má informação havida entre as empresas operadoras de telefonia.Rel.Rel. saúde. sentença. fixados em 20% (vinte por cento) do valor da condenação. Sentença reformada para determinar a majoração dos valores arbitrados a título de danos morais e materiais". nem tampouco influencia na fixação do dano material. nº 04.Prejuízos . ou fornecer qualquer serviço.Inserção indevida .Reembolso "O consumidor não pode ser prejudicado por equívoco.Rec. contato que não depende da sua atuação. (3ª Turma Recursal de Uberlândia .814-0 .136047-1 . (Turma Recursal de Cataguases . quando verificada sua existência. dentre outras práticas abusivas. 55.Ressarcimento "Consumidor. nº 024. indébita". em se tratando da denominada 'conta conjunta'.Prejuízo de ambos "Segundo o quod plerunque accidit.Falta de solicitação "É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços. ambos titulares sofrem as vicissitudes da inserção. ex vi do art.Rel.

Inadimplência .31/03/04).Juiz Dirceu Walace Baroni . Não havendo comprovação.Ação declaratória de inexistência de dívida com encerramento de conta corrente .Decisão parcialmente reformada". Boletim nº 72 Contrato .” (2ª Turma Recursal de Betim .Ilegitimidade ativa "Ordinária .Valor . Boletim nº 74 Contrato .57 Conta corrente . sobre o valor da prestação inadimplida e não sobre a integralidade do contrato. nº 377/04 Rel. Boletim nº 74 Conta corrente . nº 072.Pedido contraposto .Rel.Saque sem autorização . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Decisão a quo julgando procedente o pedido inicial Negativa de análise de pedido contraposto ao argumento de ilegitimidade ativa perante o Juizado Especial . quando o mesmo informa ter pedido isso ao banco.Comprovada a inatividade de conta corrente por mais de um ano. Juiz Alexandre Quintino Santiago . (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Encerramento . nº 071596-5 .Rec. sob pena de locupletamento ilícito e ofensa ao Código de Defesa do Consumidor. (Turma Recursal de Ipatinga . após o qual decretou-se o encerramento da conta e a isenção das taxas bancárias.Rec. substituindo a obrigação contratada se não demonstrada a abusividade da pactuação".22/12/03).Multa .441-3 .Responsabilidade "Saque em conta corrente sem autorização .Cumulatividade dos encargos .18/11/03). Juíza Áurea Maria Brasil Santos Perez . apenas. não podendo a instituição financeira mantê-la em aberto somente para cobrança de encargos que girem em torno de R$821.Prova .Ônus do correntista no tocante à comprovação de suposta irregularidade na operação bancária.Rec.Juiz Matheus Chaves Jardim).Operação bancária efetuada mediante apresentação de cartão e senha pessoal . Sentença reformada para manter os encargos bancários pelo período de um ano. descabido é o pedido de condenação pelos prejuízos auferidos".00. Restando comprovado pelo banco que o saque foi efetuado mediante apresentação do cartão magnético e senha pessoal.54. aberta com o depósito de. R$5.nº 180/03 .Inexistência de dívida “Juizado Especial Cível . A cumulatividade dos encargos de correção monetária e comissão de permanência há de ser demonstrada por perícia técnica conclusiva. Boletim nº 71 Conta corrente .Perícia técnica "O valor de 2% a incidir nas cláusulas penais moratórias deverá ser calculado. pressupõe-se o desejo do consumidor em seu encerramento. nas obrigações de trato sucessivo.Interrupção de bloqueio magnético e de conta corrente do autor/recorrido Pedido contraposto do recorrente . cabe ao correntista demonstrar suposta irregularidade na transação.

04.art.Ação de rescisão de contrato de promessa de compra e venda de lote. nº 994. A parte lesada pelo inadimplemento pode requerer a rescisão do contrato .Rec. Boletim nº 71 Contrato . do Código Civil Brasileiro .031332-9 .Inadimplência do comprador . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Juiz Juarez Raniero . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). mister é a devolução de todas as parcelas pagas.Reclamação judicial . nº 153. (Turma Recursal de Cataguases .Rel.Rec. não há estipulação da condenação de multa na ordem de 30% pelo vencedor inadimplente. incluindo as arras". (2ª Turma Recursal de Betim .Quantia paga .Devolução das parcelas pagas. nº 153. parágrafo único.Prazo .Devolução "Rescisão de contrato de compra e venda .Retenção “Desfeito o contrato por inadimplência do comprador. Dar guarida à pretensão é querer conferir demasiado elastério a determinados princípios sufragados do CDC.852-6 Juiz Sebastião Pereira de Souza).Com o advento da Lei nº 9.Possibilidade porque em todo contrato bilateral. não há justiça em simplesmente receber tudo que já havia pago.Multa contratual .retornando as partes ao status quo ante. transmudando o órgão julgador em órgão criador de cláusulas sequer imaginadas pelas partes". . ainda mais quando a publicidade é enganosa mencionando infra-estrutura completa. Boletim nº 72 Contrato . referente a decadência do direito do consumidor". Recurso parcialmente provido”. não atendendo como tal aquele desprovido de redes de esgoto sanitário.785/99.030276-9 . Juiz Dirceu Walace Baroni).Decadência "Para reclamar judicialmente objetivando alcançar a satisfação contratual perfeita. implicitamente. Boletim nº 76 Contrato . (Turma Recursal de Cataguases Rec.nº 089/03 . Possibilidade de retenção de valor estabelecido como multa contratual.Culpa . com devolução da quantia paga . (Turma Recursal de Passos . Boletim nº 73.Rel.Devolução "Juizado Especial Cível .04.Parcelas pagas . ora recorrente. Boletim nº 76 Contrato . Sentença mantida para determinar a rescisão do contrato com a restituição integral dos valores pagos. 26 do CDC.58 "No contrato firmado entre as partes.Rel.Rescisão . Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Culpa do vendedor . uma vez que o comprador não pode ser prejudicado por algo a que não deu causa".04/11/03). nº 205/03 .Rec. hão de ser observados os noventa dias previstos no art. existe uma causa resolutiva pela qual a inexecução de uma parte autoriza a outra a pedir resolução .Rescisão . 1. Rescindindo o contrato por culpa exclusiva do vendedor. o loteamento urbano necessita de infra-estrutura básica.092.

(Turma Recursal de Ipatinga . Revisão de contrato bancário. notadamente porque deduzida a pretensão com a retenção de 20% do valor pago.Restituição "Ação anulatória de cláusula contratual com restituição do valor pago .Rel.Valor pago .626/33 . Se não existir abusividade nas cláusulas. Incidência do CDC e da teoria de lesão contratual.Contratação oral . Os juros moratórios são devidos no percentual de 1% (um por cento) ao mês. Juiz Joemilson Donizetti Lopes). inexiste vedação à cobrança de juros superiores ao dobro da taxa legal.Norma de eficácia limitada Não aplicação do Decreto nº 22. Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro .Cobrança "Juizado Especial Cível . Boletim nº 74 Contrato de adesão . prevalecendo o princípio pacta sunt servanda. § 1º". quando ocorrida a saída do beneficiário. Obrigação excessiva onerosa. nº 04150400-3 .Juros remuneratórios . (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Rel.030. § 3º. o lapso temporal não há que ser estipulado apenas por uma das partes.626/33 às instituições financeiras. o aderente deve cumpri-las na forma estipulada".Rec.694 . nº 346/03 .Rec.Interpretação favorável ao consumidor "Tanto os contratos concluídos por escrito como também os celebrados verbalmente podem ser contratos de adesão se verificados os requisitos da lei. não revogada pela Súmula 596 do mesmo tribunal. no artigo 161. Restabelecimento do equilíbrio contratual.(1ª Turma Recursal de Uberlândia .Juros de mora. da Constituição Federal .705.Contrato bancário de adesão a produtos e serviços Juros remuneratórios . a exemplo das cártulas de crédito rural. (2ª Turma .Inexistência de norma legal .Obrigação excessiva "Declaratória.Revisão . Boletim nº 74 Contrato de adesão . Em uma ou outra hipótese a interpretação das cláusulas será aquela que mais favoreça o consumidor. que remete à aplicação do Código Tributário Nacional.Vedação Inteligência da Súmula 121 do STF. que veda a prática do anatocismo ainda que expressamente convencionada entre as partes".Cobrança . Prevista no contrato a devolução de parcelas já pagas. A prática de capitalização mensal dos juros tem sido repelida e somente admitida quando subsistente norma legal específica.Rec. Aplica-se a Súmula 121 do STF. bem como acerca da inaplicabilidade do Decreto nº 22.Rel.Boletim nº79 Contrato bancário . Juros abusivos.31/03/04). No tocante ao entendimento da ADIn 04 do Supremo afastou-se a auto-aplicabilidade do § 3º do artigo 192 da Constituição Federal. Substituição da taxa de juros incidente pela média de taxas de juros de mercado. Recurso não provido".Artigo 192. industrial e comercial.24/03/04).59 Contrato . à luz do disposto no artigo 406 do Código Civil. no patamar livremente pactuado entre as partes.Anatocismo . Juiz José Geraldo Hemétrio . nº 702. da citação até o pagamento do valor da condenação.

trata-se de contrato de adesão e assim sendo está sujeito aos princípios.Abusividade "Contrato de crédito . nº 024. declarado nulo.Abusividade.Responsabilidade perante terceiros.Obrigação de indenizar as perdas e danos . Recurso conhecido e não provido". tais como registro de marcação de terreno. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . o seu uso pelo consumidor deve.243. registro do contrato etc. pois a relação firmada entre as partes é nitidamente uma relação de consumo. apresentando-se perante terceiros como seus gerentes ou prepostos.Arrependimento unilateral . Boletim nº 74 .Rel.Rel. ITBI.Boletim nº79 Contrato de adesão .Empresa .Rel.Apresentação como gerente . Juiz José Nicolau Masselli). (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. O Código de Defesa do Consumidor se aplica aos contratos de crédito.Juros . desde que comprovadas nos autos. nº 071699-7 . (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Aplicabilidade do Código de Defesa do Consumidor. nessa parte. Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino). aquele que desistiu tem a obrigação de suportar as despesas obrigatórias para o aperfeiçoamento do contrato.Utilização de bens móveis. nº 024. Verificada a cobrança de juros superiores a doze por cento ao ano. além da multa contratual. Boletim nº 74 Contrato de consultoria . Recurso a que se nega provimento". ajustada esta ao limite de dez por cento sobre o montante pago". fundamentos e dispositivos do Código de Defesa do Consumidor.Nulidade "O contrato de prestação de serviços médicos (plano de saúde) que restringe de qualquer forma. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Boletim nº 78 Contrato de compra e venda .Responsabilidade "Civil . mobiliário e sede .649-3 .Rec. nº 239/04 .04. os mesmos devem ser reduzidos.Desistência . nº 135851-7 . A empresa de consultoria que permite que terceiros utilizem seus bens móveis e sua sede para realização de negócios.Rel.60 Recursal de Betim . através de uma ou mais cláusulas.Prestação de serviços médicos .Rec. Juiz Edison Magno Macedo .04.Rec. Nos contratos de compra e venda de imóveis com pagamento do preço parceladamente.Contrato de consultoria . responde civilmente pelos prejuízos causados por estes".Rel. corretagem.Multa excessiva . Juiz Rubens Gabriel Soares).Restrição .Rec.29/04/04).Boletim nº79 Contrato de crédito . taxa de avaliação. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). havendo desistência do negócio. via de regra.Cláusula penal .Cláusula penal . inclusive.294261-5 ..Despesas "Contrato de compra e venda .Cobrança de juros abusivos . pois.Apresentação como gerente ou preposto .

Recurso a que se nega provimento".Aplicabilidade do CDC. Boletim nº 76 Contrato de prestação de serviços .Rec. nº 153.61 Contrato de financiamento . principalmente no que se refere às causas de exclusão do pagamento seguro.029818-9 .nº 199/03 .Ação de revisão . Obrigações abusivas que colocaram o contratante em desvantagem exagerada. relevante papel exerce o princípio do pacta sunt servanda.Princípio da confiança . (Turma Recursal de Cataguases . pois.Boletim nº80 Contrato social . no que se refere às cláusulas restritiva de direitos. onde se insere o contrato de locação. Sentença mantida”. Nas relações contratuais.Abusividade "Contrato de seguro . através de uma ou mais cláusulas.Ação de revisão de contrato de financiamento .Juros de 12. via de regra. incompatível com a função social do contrato (boa-fé.Nulidade "O contrato de prestação de serviços que restringe de qualquer forma.Princípio da confiança . §1º.Anulatória . ou seja. do CNT).Pacta sunt servanda "Em matéria de direito obrigacional. nos . nº 024. o seu uso pelo consumidor. deve ser dada ao consumidor a oportunidade prévia de conhecer e concordar com os termos do negócio jurídico oferecido pela recorrente.04.Abusividade .Rel.24/10/03).Juiz Dirceu Walace Baroni . pretendendo dificultar a compreensão de seu sentido e alcance para. probidade e equidade) .951-6 . trata-se de contrato de adesão e assim sendo está sujeito aos princípios. São nulas as cláusulas contratuais.03.04.382884-7 .Juiz Rubens Gabriel Soares .Contrato de adesão . Boletim nº 71 Contrato de locação . assim como as práticas comerciais que visam subtrair do consumidor o direito à informação adequada e clara.Direito obrigacional .Obrigações abusivas “Juizado Especial Cível .Vício de informação quanto aos limites do risco segurado .Princípio da adstrição "Anulatória de inclusão de nome de sócio no contrato social de pessoa jurídica.Inclusão de sócio . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. ser declarado nulo.90% ao mês reduzido a 1% ao mês (inteligência do artigo 161. nº 024. Indenização por danos morais. Juiz Veiga e Oliveira). Boletim nº 72 Contrato de seguro . alegar que o consumidor interpretou equivocadamente o contrato e não tem o direito ao valor do seguro prometido. cuja finalidade é preservar a segurança dos negócios jurídicos e a função social do contrato".Restrição de uso . fundamentos e dispositivos do Código de Defesa do Consumidor".Rel.Vício de informação . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). posteriormente. especialmente nos contratos de seguro.994. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .18/11/03). deve nessa parte. (2ª Turma Recursal de Betim .Rec. Necessidade do magistrado se limitar à análise do pedido.Cumprimento da avença.

Ausência de prova do dano.Rel.Honorários . nº 023/04 . 289 do CPC determina a apreciação do . nº 702. nº 072160-9 .649.397 .Recurso provido .Não exigência de contrato escrito . Boletim nº 73. (Turma Recursal de Passos . Juiz José Luiz de Moura Faleiros . informalidade.Indícios e elementos de prova . entendem a doutrina e a jurisprudência que a prestação jurisdicional se opera por etapas.Contratação . nº 072. Coação não comprovada. Boletim nº 72 Cumulação de pedidos .Provimento negado". Responsabilidade civil não caracterizada. Não pode ser desprezada prova documental produzida pela parte. Juiz Fernando Caldeira Brant).Rec.Verba devida na situação em que comprovado o trabalho de intermediação realizado pelo autor .Corretagem de imóvel .360.Pedidos sucessivos .Comissão . a qual fornece elementos suficientes para o desate da lide". Sentença mantida".Rel.Condenação da recorrida em custas e honorários de advogado". (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . simplicidade.Rec. Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro).Devolução "Recurso . o trabalho não foi executado e.Rec. (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . A regra contida no art.280-5/03 .398 . da culpa e do nexo de causalidade.030. Boletim nº 78 Corretagem .Convicção "Orienta-se o processo no Juizado Especial pela oralidade. nº 702.Sentença citra petita "Havendo cumulação de pedidos. Boletim nº 74 Corretagem de imóvel .Aperfeiçoamento do negócio "Se pelo próprio compromisso de compra e venda elaborado pelo corretor vê-se insegurança no negócio por não constar datas de vencimento de pagamento de parcelas. Juiz Juarez Raniero 30/03/04). Corretor . não é devida a comissão". Boletim nº 73.041. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Cabimento .Serviço não contratado pelo comprador .Juiz Marco Aurélio Ferenzini 03/12/03).Rec. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Rec.Rel.62 termos em que fora formulado na petição inicial sob peça de nulidade do julgado.24/03/04).Rel. Critérios orientadores . por isso.Comissão .Devolução dos honorários . Recurso não provido. acabando por não se aperfeiçoar o negócio. economia processual e celeridade.Indeferimento do pedido de justiça gratuita . devendo o julgador valer-se de todos os indícios e elementos de prova para a formação de sua convicção.Prova de intermediação "Comissão de corretagem .Prova testemunhal satisfatória .

.Cerca elétrica . Dano Responsabilidade do condomínio inexistente . Boletim nº 78 Dano .Responsabilidade "Furto em apartamento . Boletim nº 75 Dano .Falha .008872-9 .Responsabilidade . Boletim nº 78 Dano .Rec.Furto . nº 153.Boletim nº79 Dano .Inocorrência Provimento parcial".382153-7 .Sobrecarga elétrica .Responsabilidade do fornecedor afastada em tese . Código de Defesa do Consumidor .Prova "Se os autos demonstrarem que a conduta do réu causou transtornos inevitáveis ao autor sem ter este concorrido de qualquer forma para a sua ocorrência.Conduta do réu .04. fato do conhecimento do condômino e que ainda assim deixa entreaberta a janela de seu imóvel. CPC art. Juiz Rubens Gabriel Soares).Provas "Recurso . O que importa reconhecer é que restrições de crédito indevidamente proclamadas ensejam direito à indenização".Rec. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . por si só. pois não constitui essência da ação.Rec.071.131. 128 c/c art. não pode pretender ser indenizado pelo dano sob alegação de que existe responsabilidade do Condomínio pelo ocorrido".04.Ocorrendo furto em imóvel supostamente protegido por cerca elétrica que se encontrava inoperante à época do evento.Dano .07.419-0 .63 pedido posterior. A prova do dano concreto não é exigível. II. 14. nº 313.Cadastro de negatividade de crédito .519-5 .Furto de celular -Responsabilidade . 460. (1ª Turma Recursal de Betim . Juiz Paulo César Penido Coelho). Nulidade".Computador .029.Furto de aparelho celular em evento musical .Sentença ultra petita ou extra petita . Pedidos sucessivos não apreciados pelo juízo singular. Juiz Carlos Roberto de Faria). Boletim nº 72 Dano . Sentença citra petita.Juíza Sandra Eloísa Massote Neves). em não sendo acolhido o anterior. tal fato implica.245-2 . pelo dano daí advindo".Rel.Ciência do proprietário.Rel.Sobrecarga elétrica .Juiz Fernando Caldeira Brant).Pedido negado.Rec.Cerca elétrica inoperante . (Turma Recursal de Ipatinga .Computador .Ciência do proprietário .Rec. nº 027. (Turma Recursal de Cataguases .04.Comprovada a culpa da concessionária . (8ª Turma Recursal de Belo Horizonte . na responsabilização civil do seu causador.Provas "Indenização . nº 024.Rel. nº 03.Aplicação do art.Inclusão "A remessa e inclusão do nome de alguém nos cadastros de negatividade de crédito é fator de limitação no mínimo pela aparente situação de insolvência.Provas insuficientes Registro de ocorrência policial e depoimento de namorada .

Sindicância . Boletim nº 75 Dano estético . Condenação mantida.Pessoas jurídicas . Responsabilidade civil da recorrente/ contratada. Recurso não provido. Alteração da verdade dos fatos.Juiz Alexandre Quintino Santiago .Indenização . comprovar somente a existência de dano advindo de um ato do aludido fornecedor.Recurso provido . impõe-se a denegação do pedido indenizatório ".Juíza Áurea Maria Brasil Santos Peres .Desconto de valores em proventos da autora . (Turma Recursal de Ipatinga .031846-8 . Litigância de má-fé.28/11/03). Boletim nº 72 Dano . 14 do CDC.240-9 .626-5 . a suposta vítima.Rel.nº 305/03 .Rec.Processo administrativo "A sindicância ou processo administrativo a que foi submetida o autor.Defeito do serviço .Rel. nº 024.Reparação “Reparação do dano estético .Rec. (Turma Recursal de Ipatinga .Negativação em órgãos de crédito “Indenização .030.03. por si só.Dano material e moral .Responsabilidade civil "A responsabilidade civil das pessoas jurídicas prestadoras de serviços por prejuízos causados na sua atividade enquadra-se nos dispositivos consumeiristas e só admite afastamento quando o dano não decorre de defeito no serviço ou vem de culpa exclusiva do consumidor. nº 153.Decisão reformada”. nos termos do art.Litigância de má-fé . Não se apresentando provas convincentes a demonstrar que o alegado furto ocorreu durante o evento patrocinado pela ré. devendo. Dano material à recorrida/ contratante. Recurso . (Turma Recursal de Cataguases .Dano configurado .nº 298/03 .26/11/03).64 A responsabilidade do fornecedor de serviços é objetiva.Sentença mantida”. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). nº 153.Necessidade de comprovação do não pagamento . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Boletim nº 76 Dano . Serviço de serigrafia defeituoso prestado por terceiro diretamente vinculado à recorrente/contratada.Quantum fixado .072. Boletim nº 71 Dano .04.Recurso adesivo "Contrato verbal de prestação de serviços de artes gráficas e serigrafia.Negativação em órgãos de crédito .Pedido julgado procedente . não gera direito de indenização para o autor. sendo imprescindível a comprovação do dano por parte do autor".Rec. Boletim nº 71 Dano material .Juiz Alexandre Quintino Santiago .26/11/03).Configuração . (Turma Recursal de Cataguases . resultando do nexo de causalidade". Juiz Vinícius Gomes de Moraes).04.

economia processual e celeridade.15/04/04). Responde pelos defeitos do serviço de serigrafia a recorrente/contratada que se comprometeu perante a recorrida/contratante a entregá-la certo número de camisas com caracteres pré-pactuados. nº 147/03 .Art.65 adesivo.Ameaça de negativação "Danos morais. Age como litigante de má-fé a parte que altera a verdade dos fatos para dissimular fato imprescindível ao desate da lide. do CPC. especialmente deste último. que se orienta pela oralidade. Correspondência expedida ameaçando colocar o nome do devedor no SPC e Serasa. Boletim nº 74 Dano moral .Responsabilidade . deve o proprietário arcar com os prejuízos causados.Rec. sob pena de violação dos referidos princípios. Se ele não se desincumbe de tal ônus. Juiz Salústio Campista). do respectivo nexo de causalidade e dano moral sofrido. e assim o manter durante a locação". simplicidade. por ele interposto.Indenização devida.04. Juiz Wauner Batista Ferreira Machado .Avarias provocadas em objetos que estavam no interior do quarto alugado . Inadmissibilidade no rito do Juizado Especial sob pena de violação ao princípio da celeridade. 333.Ônus da prova "Indenização por dano moral . informalidade.Rec.Ilicitude da conduta . Juiz Núbio de Oliveira Parreiras).Rel.Responsabilidade do locador . para que se caracterize o seu direito ao recebimento de indenização por danos morais. não bastando apenas a prova da ocorrência dessa agressão. Ao autor/recorrente. não se pode admitir o recurso adesivo.Rel. causando-lhe transtornos e aborrecimento.Não evidenciação clara da ilicitude da conduta do réu .Más condições do bem imóvel .Boletim nº80 Dano material . inciso I. nega-se provimento ao recurso. Tendo os bens do locatário sofrido avarias de maneira a inutilizá-los em razão das más condições de habitação do quarto alugado.Más condições . haja vista que o citado serviço foi prestado por pessoa diretamente vinculada àquela. Juiz Edison Magno de Macedo).136055-4 . do CPC . (2ª Turma Recursal de Betim Rec.Agressão . (Turma Recursal de Itajubá . uma vez que tem o dever de entregar o imóvel em perfeitas condições de uso. para confirmar totalmente a sentença vergastada. inciso I. não admitido o recurso adesivo". (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Necessidade de comprovar a contento essa ilicitude .Ônus do autor .Rel.Imóvel . No Juizado Especial. Recurso a que se nega provimento. Indenização devida. Apelo não provido".Boletim nº80 .Indenização "Dano material .Agressão praticada pelo réu e sofrida pelo autor . nº 04.140766-7 Rel. é imposto o ônus de comprovar a ilicitude da conduta agressiva praticada pelo réu/recorrido. nº 223.Não basta apenas a comprovação do resultado desta agressão e do respectivo nexo de causalidade .Nega-se provimento ao recurso Mantém-se a sentença recorrida. nº 025769-7/04 . mantendo-se a sentença recorrida". segundo o disposto no art 333. Não conhecimento. (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Boletim nº 76 Dano moral .Rec.

incumbe ao réu a prova da existência de fato impeditivo. Boletim nº 74 Dano moral . tendo finalidade educativa e evitando o enriquecimento ilícito.Cadastro de inadimplência .Rec.Boletim nº79 Dano moral .Rel. Boletim nº 73.Caracterização .Ausência de cuidado . implica em culpa da instituição que o promoveu.Indenização .Rec. nº 313.187. Empréstimo contraído por terceira pessoa. Dano moral e valor da indenização .Observância da conduta antecedente da vítima. Declaração de nulidade do título. A permanência do nome do devedor em cadastro restritivo de crédito. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Juiz Marcílio Eustáquio Santos . nº 072259-9 .Dano moral Caracterização .A indenização por dano moral caracteriza-se tanto pela inclusão.Rel. nº 024. (5ª Turma Recursal Cível da Comarca de Belo Horizonte . Código Civil).Caracterização . nº 072259-9 .Rec.(Fixação do quantum indenizatório . Falta de cuidados necessários para evitar o fato.Rel. Juiz Ronaldo Claret de Moraes).Manutenção "Manutenção indevida de registro em cadastro de inadimplência .Cadastro restritivo de crédito . Juiz Marcílio Eustáquio Santos). usando documentos da autora.Dano moral Caracterização . devendo por isso ser responsabilizada civilmente pelo dano moral daí advindo".04. quanto pela manutenção indevida dos órgãos restritivos de crédito. notadamente quanto a outros registros)".Caracterização .150023-9 .66 Dano moral . do Código de Processo Civil.Responsabilidade civil "Pela dicção do artigo 333. quando não solicitada por ele".Indenização "Danos morais. Inclusão de nome de correntista no cadastro do SPC.(Fixação do quantum indenizatório . mesmo após a quitação da dívida.A legislação consumeirista preceitua que "a abertura de cadastro.A indenização fixada a título de dano moral deve servir como desestímulo ao lesante e compensação à vítima.Manutenção "Manutenção indevida de registro em cadastro de inadimplência . Culpa e danos caracterizados. Juiz Rubens Gabriel Soares).Observância da conduta antecedente da vítima.Negativação indevida . (5ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. Obrigação de indenizar (art. Comunicação ao consumidor da inclusão de seu nome nos órgãos restritivos de crédito .382386-3 .04/03/04).Valor "Dano moral e caracterização . modificativo ou extintivo do direito do autor.Cadastro de inadimplência . Recursos conhecidos e provimento negado".Boletim nº80 Dano moral . II.Rel. Dano moral . . (Turma Recursal de Ipatinga . notadamente quanto a outros registros)". Valor da indenização compatível com o dano e o grau de culpa.04. registro e dados pessoais e de consumo deverá ser comunicada por escrito ao consumidor. ficha.

562-5 . por insuficiência de fundos. e.Rel.Rec.04. e não por insuficiência de fundos. por outro lado. configura-se dano moral indenizável". Daí.041. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Reparação "O ressarcimento por dano moral tem caráter pedagógico. devolvê-lo como contra-ordenado. o réu procedeu a negativação do seu nome agindo ilicitamente.Cheque . nº 243249-2 .Notificação hábil .Boletim nº79 Dano moral . Juiz Mauro Lucas da Silva).Rel. (Turma Recursal de Cataguases . Erro procedimental. nº 153. Recurso não provido .Rec.Cheque roubado .506. deve reparar o abalo moral sofrido.Provimento negado.Inscrição no SPC .Notificação hábil . Devolução. nº 153. pois ninguém pode beneficiar-se de sua própria torpeza".030283-5 .Responsabilidade do comerciante . cabe à instituição.Erro da instituição financeira "Cheque roubado.Rec.Culpa "Recurso . não toma as devidas cautelas para se certificar da autenticidade do título. nº 702.Condenação em custas e honorários . Cuidando o consumidor de comunicar previamente ao Banco o furto de seu talão de cheques. sancionador deve servir de punição àquele que se imiscuiu indevidamente na esfera jurídica alheia". Comunicação ao banco. o cheque era furtado e mesmo após a comunicação do fato pelo autor.Irregularidade . nº 071676-5 .Furto . Dano moral. Responde com culpa o estabelecimento que.Suspensão pela gratuidade judiciária".Inscrição no SPC . Boletim nº 75 Dano moral .Cheque . restou configurado o dano moral". Dano moral .67 não havendo especificação sobre quem deve fazê-lo. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Verificado tal erro procedimental e posteriormente levado o título a protesto. quando da apresentação do cheque para pagamento.Furto .04.Resgate ou substituição "Não há que se pleitear indenização por dano moral quando o recorrido deu ensejo por sua exclusiva omissão em não resgatar ou substituir o cheque anteriormente emitido e entregue para terceira pessoa. Juiz José Afrânio Vilela 04/05/04). Em atenção aos princípios norteadores das relações de consumo.099 .Caráter pedagógico .Cheque . Boletim nº 74 .029. In casu. todos os envolvidos na cadeia causal tem a obrigação de comunicar à parte hipossuficiente sobre sua negativação.Rel.Rel.Dano moral configurado . Juiz Vinícius Gomes de Moraes) Dano moral .Rec. (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Boletim nº 73.Aplicação do Código de Defesa do Consumidor . Juiz Fernando Caldeira Brant). (Turma Recursal de Cataguases . Juiz José Luiz de Moura Faleiros). por ocasião da apresentação do título.Rel.Rec.

.Rec.Rec. São notórios os constrangimentos.Dano moral não configurado .Dano moral puro .SPC .Cobrança indevida Restituição em dobro . O valor alusivo à indenização pelo dano moral deve se ater às circunstâncias do caso concreto.Ausência de nexo causal "Dano moral . gerando o dano . do CDC.Indenização "Assinatura telefônica .Rescisão contratual .Autora que não cumpriu o ônus de sua prova demonstrando a existência do dano.078/90. Juiz Dirceu Walace Baroni). que seja associado.Negado provimento ao recurso".(2ª Turma Recursal de Betim .Indenização procedente. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Telefone . Boletim nº 72 Dano moral . Juiz Paulo Balbino). parágrafo único. à sua repercussão na esfera do lesado e ao potencial econômico-social do lesante. a fim de que se sinta compelido a não mais reiterar na prática do respectivo ato ilícito". Indenização indevida.Rel. Sentença mantida” .Rescisão contratual .Caracterização . Se indevida a quantia cobrada. porque o CDC é norma essencialmente protecionista". nítida a configuração do dano moral puro.nº 174/03 . Boletim nº 71 Dano moral .Juiz Dirceu Walace Baroni .Relação de consumo . nº 214/03 . que deve ser indenizado. assiste ao consumidor o direito à repetição.Configuração . restando. transtornos e abalos provocados nos afetos e atributos íntimos de uma pessoa que.Ausência de nexo de causalidade entre a conduta e o dano sofrido Impossibilidade de condenação . por si só. Boletim nº 73. da importância por ele despendida.12/11/03). (2ª Turma Recursal de Betim .Ônus da prova “Juizado Especial Cível .18/11/03). A relação entre assinante e empresa telefônica se reveste de natureza de consumo. Boletim nº 73. Dano moral .Cobrança indevida .68 Dano moral . empregado.Quem inscreve passa a responder solidariamente com os demais operadores do sistema. arquivista etc.Conduta . sujeita às normas ditadas pela Lei nº 8. em dobro.Rel. razão pela qual se revela abusiva a cláusula contratual que condiciona sua rescisão às formalidades unilateralmente estipuladas e executadas pela prestadora de serviços.Improcedência do pedido que se afigura a medida mais correta . ou seja.Dano moral configurado. que teria sido humilhada no comércio através de imitações pejorativas. como prevê o art. O sistema de proteção ao crédito deve ser usado com muita prudência pelo associado em decorrência da restrição que causa a confiabilidade do consumidor por sua mera inserção no cadastro de inadimplentes.Responsabilidade "Juizado Especial Cível . indevidamente.Configuração . (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Rec.Juiz José Luis de Moura Faleiros . . 42. pois. nº 132/03 . nº 243762-4 . vê seu nome lançado nos cadastros de inadimplentes.

nº 153.008904-0 . evitando indenizações irrisórias ou enriquecimento sem causa.Constrangimento e humilhação . bem assim.Constrangimento . uma vez que não restou comprovado o constrangimento e humilhação alegados para a configuração do dano moral. Boletim nº 73.030628-1 .Constrangimento ilegal "Dano moral . As condições da ação de execução deverão ser objeto de apreciação nesse processo. Juiz Jorge Paulo dos Santos). nº 321/03 . A simples inscrição de nome.Falta de autorização .Critério de fixação .Rec. sem a propositura daquela".04. nº 04.CPF de terceiros . Boletim nº 76 Dano moral . (1ª Turma Recursal de Betim . . porque não é este o escopo do instituto". nº 331/03 .O saque de letra de câmbio com sua apresentação a protesto não constitui ilícito civil. e. Boletim nº 72 Dano moral . (Turma Recursal de Ipatinga . O valor.Rec. através dos embargos. observando o conteúdo punitivo e educativo da condenação". sem constituir fonte de enriquecimento para quem o percebe. Juiz Paulo Rogério de Souza Abrantes). Dano moral .Rec.Conseqüências .indenização.Valor "O dano moral deve ser fixado de forma a compensar o constrangimento ocasionado. Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães).Falta de autorização .Indenização devida.Valor "A indenização por dano moral leva-se em consideração as conseqüências advindas do fato danoso.69 Dano moral . porém. não podendo a letra ser declarada nula por ausência de tais requisitos. não induzindo a pretendida indenização".Indenização . (Turma Recursal de Cataguases . em sede de ação anulatória.Correntista . Boletim nº 76 Dano moral . mas sim regular exercício de direito.Rel. (1ª Turma Recursal de Divinópolis . sem se tornar fonte de enriquecimento.Comprovação "Não pode ser acolhido o pedido do autor. as circunstâncias em que o mesmo ocorreu e a capacidade financeira e econômica das partes.Indenização .Negativação .16/12/03). nº 153 04 029824-9 .Rel.Rel. em lista de restrição ao crédito gera abalo moral indenizável. Situações desagradáveis não podem ser determinadas como moralmente lesivas.Rec.Rec.Indenização "Uso de CPF de terceiros . não ensejando a indenização por dano moral.Protesto "Correntista inadimplente . Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Inadimplência . indevidamente.Boletim nº79 Dano moral .Rel. deve ser atendido com prudência. (Turma Recursal de Cataguases . sem ocasionar ônus excessivo em quem o suporta".Juiz Carlos Roberto de Faria .

70 Ação de indenização por dano moral decorrente de constrangimento ilegal - Quantum indenizatório - Critério de fixação - Proporcionalidade - Caráter punitivo da parte vencida sem ensejar locupletamento da parte vencedora". (2ª Turma Recursal de Divinópolis - Rec. nº 223.04.145811-6 - Rel. Juiz Aurelino Rocha Barbosa).Boletim nº80

Dano moral - Culpa do gerente - Indenização "Dano moral - Desrespeito ao consumidor - Discussão na loja de vendas - Imprudência, negligência e imperícia do gerente - Indenização devida. Age com manifesta imperícia, negligência e imprudência, o gerente da loja que não tem condições de dominar-se e acaba entrando em discussão acirrada com cliente em sua loja, chegando a desrespeitá-lo como pessoa, no sentido de dizer, em voz alta, que não lhe venderia mais a mercadoria, nem mesmo se fosse a dinheiro e que o cheque dele não valia nada. Tal atitude demonstrou inabilidade, descuido, falta de reflexão ou necessárias precauções. Culpa em todas as suas modalidades, resultando em indenização pelo dano causado". (1ª Turma Recursal de Divinópolis - Rec. nº 287/03 - Rel. Juiz José Maria dos Reis - 23/12/03). Boletim nº 74

Dano moral - Débito de terceiro - SPC - Inscrição - Responsabilidade - Indenização "Juizado Especial Cível - Débito de terceiro inscrito como se fosse do autor. Indenização por dano moral decorrente da inscrição irregular no cadastro de inadimplentes (SPC) cuja prova se satisfaz com a demonstração da existência da inclusão. Os dados constantes nos bancos de dados (entidades de caráter público, artigo 43, § 4º, do CDC) são responsabilidade do fornecedor, que deve zelar pela segurança da inscrição e veracidade das informações. Sentença mantida". (2ª Turma Recursal de Betim - Rec. nº 247/04 - Rel. Juiz Dirceu Wallace Baroni).Boletim nº79

Dano moral - Defeito na representação - Cerceamento de defesa - Inocorrência "Defeito na representação - Rejeição - Não há que se falar em defeito de representação se os recorrentes outorgaram procuração para a defesa de seus interesses, diante da inexistência de personalidade jurídica em face da sociedade de fato demandada. Cerceamento de defesa Rejeição - Se os recorrentes constituíram advogado e este promoveu a defesa de seus interesses, apresentando contestação, rejeita-se o cerceamento apontado, se tratando muito mais de adequação do pólo passivo da relação processual em face da assumida condição dos recorrentes. Dano moral - Inocorrência. Meros aborrecimentos não tem o condão de gerar a indenização por danos morais, ademais, se legítimo o direito da parte em não querer contratar". (Turma Recursal da Comarca de Passos - Rec. nº 049/2004 - Rel. Juíza Patrícia Vialli Nicolini). Boletim nº 78

Dano moral - Depositário - Prisão civil - Cheque sem fundos

71 "Recurso de apelação. Civil. Indenização. Dano moral. Prisão civil de depositário infiel. Instauração de inquérito por prática de crime de estelionato por emissão de cheque sem fundos. Não comprovação de culpa por parte do credor. Indenização indevida. A prisão civil de depositário infiel em processo de execução, decretada de forma legal, não gera direito ao depositário à indenização por danos morais. Tratando-se de estelionato por emissão de cheque sem fundos de crime de ação penal pública incondicionada, não se pode exigir do credor - vítima que noticiou a prática do crime à Autoridade Policial que, após a quitação da respectiva dívida venha a requerer o arquivamento dos autos de inquérito, providência esta que deveria ter sido tomada pelo devedor - indiciado. Recurso a que se nega provimento". (1ª Turma Recursal de Divinópolis - Rec. nº 351/03 - Rel. Juiz Núbio de Oliveira Parreiras - 23/12/03). Boletim nº 74

Dano moral - Desconto promocional - Condição restritiva - Termo a quo "Não pode prevalecer condição restritiva de incidência de desconto promocional quando não devidamente esclarecida ao consumidor. O valor de indenização decorrente de dano moral fixada com parcimônia não merece revisão. O termo a quo da correção monetária e o ajuizamento e o da influência dos juros é a citação válida". (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 294.149-2 - Rel Juiz Marco Aurélio Ferenzini). Boletim nº 78

Dano moral - Devolução de cheque - Negligência bancária "Dano moral. Devolução de cheque emitido pelos recorridos por negligência do recorrente. Dano moral configurado. Obrigação de indenizar do recorrente. Irrelevância da não inclusão dos nomes dos recorridos em cadastro restritivo de crédito. Valor indenizatório razoável para o caso concreto. Condenação mantida. Recurso não provido. Sofre grande constrangimento e, conseqüentemente, dano moral, a pessoa que emite cheque e o vê devolvido por negligência do banco sacado, que injustificadamente retarda a efetivação de depósito na sua conta, o qual era necessário para a compensação do cheque. Fixado dentro dos parâmetros ditados pelo caso concreto, deve ser mantido o quantum da indenização. Recurso a que se nega provimento". (1ª Turma Recursal de Divinópolis - Rec. nº 223.04.145729-0 - Rel. Juiz Núbio de Oliveira Parreiras).Boletim nº80

Dano moral - Dilação probatória - Necessidade - Descabimento "Indenização - Dano moral - Abertura de crédito - Alegação de falsidade na assinatura Necessidade de dilação probatória - Não cabimento perante o Juizado Especial - Extinção do processo - Art. 51, II, da Lei nº 9.099/95 - Decisão mantida". (Turma Recursal de Ipatinga Rec. nº 313.04.131.282-5 - Rel. Juiz Alexandre Quintino Santiago). Boletim nº 78

Dano moral - Dívida - Pagamento parcial - Manutenção de protesto - Juros "Atualização de valor da dívida.

72 Pagamento de dívida com atualização de acordo com os ditames legais. Recalcitrância na mantença de protesto sob o argumento de pagamento parcial da dívida. Valor pretendido atualizado com aplicação de juros de dois por cento (2%) ao mês. Costume. Fonte subsidiária. Inaplicabilidade por ausência de lacuna legal. Acordo entre as partes. Irrelevância frente ao patamar de juros aplicado. Mantimento indevido do protesto. Dano moral. Ocorrência. Valor da compensação dos danos morais fixada dentro dos parâmetros do caso concreto. Condenação mantida. Recurso não provido. Se mesmo após o pagamento da dívida, atualizada de acordo com os ditames legais, insiste a recorrente em manter o respectivo protesto, argumentado pagamento a menor, com base em valor atualizado, indevidamente, comete ela ato ilícito. O costume é fonte subsidiária do direito, inaplicável no caso de ausência de lacuna da lei, salvo casos especiais, dentre os quais não se encaixa a matéria dos autos. Além de não provada, é irrelevante a existência de eventual acordo entre as partes acerca da taxa de juros, quando esta é aplicada acima do limite legal. Sofre abalo em seu crédito e, conseqüentemente, dano moral, a pessoa jurídica que tem protestos contra si mantidos indevidamente. Fixado dentro dos parâmetros ditados pelo caso concreto, deve ser mantido o quantum da indenização. Recurso a que se nega provimento". (1ª Turma Recursal de Divinópolis - Rec. nº 223.04.145795-1 - Rel. Juiz Núbio de Oliveira Parreiras).Boletim nº80

Dano moral - Energia elétrica - Estabelecimento comercial - Suspensão indevida "Indenização - Corte de energia elétrica - Estabelecimento comercial - Pagamento da conta com cheque sem provisão de fundos - Ausência de notificação do consumidor - Suspensão indevida - Dano moral - Ocorrência - Obrigação de indenizar. Ocorrendo a suspensão do fornecimento de energia elétrica a consumidor, sem prévio aviso deste, ainda que em razão da devolução do cheque utilizado para pagamento da conta, e se tratando de estabelecimento comercial, que necessita da energia para funcionar, resta clara a ocorrência do dano passível de indenização." (1ª Turma Recursal de Uberlândia - Rec. nº 150385-6/04 - Rel. Juiz Edison Magno Macedo). Boletim nº 78

Dano moral - Enquadramento legal - Simples aborrecimento "O simples aborrecimento por fatos normais da vida que o homem sofre no seu dia-a-dia não se enquadra no conceito de dano moral, pois, para que este se efetive, mister que o íntimo do cidadão seja duramente atingido, em decorrência da repercussão que o evento provoca na sociedade, sem que aquele tenha dado qualquer motivo para tanto". (Turma Recursal de Cataguases - Rec. nº 153.04.029598-9 - Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Boletim nº 76

Dano moral - Existência - Caracterização - Limites "A legislação pátria não estabelece os limites para a caracterização da existência ou não do dano moral. Recorre-se, então, aos critérios ditos normais de conduta e relacionamento dentro da sociedade, respeitando o paradigma do homem normal, nem excessivamente sensível aos

Se a autora e a parte requerida.Rec.Finalidade "A finalidade do dano moral é minorar as conseqüências da dor sofrida e não enriquecer ilicitamente a parte de quem dela aproveitar.Cabimento . devidamente positivado. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Suspensão indevida "Suspensão indevida do fornecimento de talonário de cheques.131277-5 . (Turma Recursal de Cataguases .581-7 .Responsabilidade objetiva "Extravio de bagagem . por estabelecer o verdadeiro nexo causal entre uma conduta e um resultado danoso.Boletim nº79 Dano moral .Falta "Extinto o processo sem julgamento de mérito. completamente insensível". Em sede de danos morais. (Turma Recursal de Cataguases . nº 153. (Turma Recursal de Cataguases . Recurso não provido. sem qualquer culpa da parte requerida no ato de inscrição.Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes . Fato que por si só causa constrangimento.Sentença confirmada.Rel.Fornecimento de cheque .28/11/03). Valor indenizatório razoável para o caso concreto.Inscrição indevida .Rec.Rel. nº 153 04 029968-4 . Boletim nº 75 Dano moral . (Turma Recursal de Ipatinga . Juiz Mauro Lucas da Silva). comportando.029.Rel.Rec. são vítimas de estelionato. nº 024.Fato de terceiro .Responsabilidade objetiva . ambas. Juiz Carlos Roberto de Faria). Juiz Vinícius Gomes de Moraes). eis que o objeto do pedido é dano moral puro".04.Responsabilidade O fato de terceiro. não há dano moral.Extinção do processo .04. de igual forma." (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. tanto punitivo do agente quanto compensatório em relação à vítima. visto que falta aos autores herdeiros da vítima legitimidade para figurar no pólo ativo do processo. encontrando-se o patamar dentro do razoável". Utilização de cheques para o trabalho. nº 313. Condenação mantida. Boletim nº 73. Dano moral . Boletim nº 72 Dano moral .071.03.73 acontecimentos que o cercam e. Dano moral comprovado.Rec.488-3 .029. é escusatória de responsabilidade civil do agente.501-3 . apenas e tão somente o cancelamento da inscrição junto aos órgãos de proteção de créditos". Recurso a que se nega provimento.04.Extravio de bagagem .Legitimidade .Dano moral . a boa doutrina inclina-se no sentido de conferir à indenização caráter dúplice. Boletim nº 75 Dano moral . . nº 153.Rel.

Dano moral indenizável. à míngua de prova eficiente.Inclusão no SPC . revela atitude condenável e causadora de constrangimentos. Juiz Joemilson Donizetti Lopes).Boletim nº80 Dano moral .Rel.Rec. Fixado dentro dos parâmetros ditados pelo caso concreto. deve ser mantido o quantum da indenização.Rec. e constatado eventual inadimplemento referente ao terminal anterior. Boletim nº 78 Dano moral . Boletim nº 73. em evidente retaliação do recorrente à demanda judicial anteriormente proposta em face dele pelos recorridos. Falta de reparação material. nº 223.Justiça gratuita "Indenização . (1ª Turma Recursal de Divinópolis . descabe o dever de indenizar. nº 024. O extravio de mercadorias em guarda volumes enseja indenização por danos morais quando não houver imediata reparação material dos prejuízos e especialmente quando o portador dos volumes transportava mercadorias de terceiro com o qual precisava prestar contas".Improcedência de pretensão .Extravio de mercadorias .Indenização "Dano moral. Dano moral .Agressão verbal .129002-4 . Respondendo a companhia por danos morais pela indevida inscrição no Serviço de Proteção ao Crédito.071.03. Juiz Vinícius Gomes de Moraes ).Prova vacilante e contraditória . O dano moral decorre do simples fato de ter havido encaminhamento indevido do nome do consumidor para inclusão nos cadastros de proteção ao crédito.Indenização "Dano moral indenizável .Rec.Condenação em custas e honorários. o que impõe o indeferimento do pedido de Justiça gratuita e a sua conseqüente condenação nas custas . 2.Indeferimento da justiça gratuita .Rec.Caracterizável como natural "Inexiste qualquer dano moral a ser passível de indenização quando o incômodo sofrido pela parte é caracterizável como natural às pessoas durante seu convívio social".Guarda volume .Indenização . nº 04150337-7 .74 A suspensão indevida do fornecimento de talonário de cheques. As circunstâncias do processo indicam que a recorrente possui condições de arcar com as custas e despesas do processo. Boletim nº 72 Dano moral .Rel. Recurso a que se nega provimento". nº 153 04 029960-1 . Extravio de mercadorias em guarda volume. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . especialmente quando se utiliza dos cheques para o desempenho de atividade profissional.Prova . Juiz Núbio de Oliveira Parreiras).Rel. tal fato não pode acarretar negativação. (Turma Recursal de Cataguases ." (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Se o argüido dano moral decorre de agressão verbal que não restou configurada.04.Incômodo .468-7 Juiz Renato Dresch).Inclusão indevida no SPC por operadora de telefonia Havendo alteração do número do terminal telefônico.Danos Morais .

uma vez que tal medida é tida pelo inconsciente coletivo como aplicável aos maus pagadores.Indicação errônea “Juizado Especial Cível . que estava livre de qualquer constrição legal. Boletim nº 71 Dano moral .Sentença que condena a administradora de consórcio a reparar os danos morais decorrentes de sua conduta ilícita .Consórcio .Dano moral . Juiz José Luiz de Moura Faleiros).Impossibilidade . promove ação judicial que culmina com a busca e apreensão do veículo. ocasionando devoluções de cheques emitidos.Indenização . acarreta o constrangimento do proprietário. como medida extrema.Constrangimento do proprietário do veículo . O mero ato de buscar via judicial. A busca de veículo errado.Dever de indenizar. (2ª Turma Recursal de Betim .Busca e apreensão "Ação de indenização . é suficiente para caracterizar o dano moral a ensejar a obrigação de indenizar. O quantum fixado a título de dano moral deve atender ao caráter preventivo.nº 181/03 . ao comando da legislação pertinente à espécie e mediante requerimento da parte.SPC e SERASA . compensatório e pedagógico da indenização. O Banco que.Rec.Validade .Desnecessidade de comprovação de prejuízo .Cancelamento sem prévio aviso . Não é necessária a comprovação do prejuízo.Cheque especial ." (2ª Turma Recursal de Uberlândia . nº 702.Rec.140762-6 .Indenização .Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino .851 .Rel. com objetivo de desestimular atos omissivos ou .Recurso não provido.Cancelamento sem prévio aviso "Ação de indenização .04.Responsabilidade pelos danos morais causados. bem como àquele que detém a propriedade e posse do veículo de forma legítima.Juiz José Maria dos Reis). causando constrangimento e transtornos ao consumidor consorciado.19/11/03).Limite de cheque especial . punitivo. A administradora de consórcio que. Boletim nº 78 Dano moral . pois a simples negligência da recorrente em não verificar a documentação do veículo junto ao DETRAN enseja o dever de indenizar”. com entrega de carta de liberação ao consorciado. Não pode ser debitada ao Poder Judiciário a responsabilidade pelo evento danoso.Medida judicial de busca e apreensão aviada indevidamente Responsabilidade da empresa que deu causa .Indenização por danos morais . Agrava-se a conduta ilícita se o bem é apreendido na posse de terceiro adquirente.75 processuais e honorários de advogado. causando-lhe o constrangimento e humilhação perante o meio social em que vive. mesmo após quitado o bem.360. haja vista que agiu o julgador primário.Inexistência de vínculo do Poder Judiciário com o evento danoso . responde pelos danos morais e materiais que a este causar.Quantum indenizatório fixado com razoabilidade Pedido procedente .Indicação do veículo errado para a apreensão .041. fica obrigado a reparar o dano moral resultante do lançamento do nome do correntista no SPC e no SERASA".Apreensão de veículo . Boletim nº 78 Dano moral . em ação de busca e apreensão. sem aviso prévio ao cliente correntista cancela o limite de cheque especial. (1ª Turma Recursal da Comarca de Divinópolis . nº 223.Indenização .Erro operacional da empresa ré .

Indenização .Responsabilidade "Indenização.Rec. nº 313.Critério de fixação . É direito de todo aquele que se diz vítima de um delito ver apurada a infração e tomar as providências que cada caso requer. entretanto. usar de cautelas necessárias . O estabelecimento comercial pode e deve tomar as providências cabíveis quando de ocorrência relativas a qualquer crime em suas dependências. que não merece reparo. Dano moral caracterizado. (2ª Turma Recursal de Divinópolis nº 318/03 . Débito indevido em conta corrente do consumidor.Não reconhecimento .04. (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Indenização devida em montante que não representa enriquecimento lícito do consumidor.Indenização .Rel. contudo.Rel.Início da fluência . Boletim nº 78 Dano moral .Indenização .Intempestividade . relativo a serviços que não foram prestados.Proporcionalidade . Boletim nº 71 Dano moral .76 comissivos que lesem direito alheio.Critério de fixação “Prazo recursal .Ação de indenização por dano moral Quantum indenizatório . Sentença mantida". Juiz Ronaldo Claret de Moraes).Juiz Aurelino Rocha Barbosa .Suspeita de furto de mercadoria em estabelecimento comercial . Interrupções injustificadas no fornecimento de energia elétrica. Adentrar no interior do quintal de residência autorizado por um dos moradores. não podendo. Responsabilidade civil da companhia prestadora dos serviços. conhecendo do recurso para. observando a capacidade de indenizar daquele que causou o dano e a dimensão que a violação teve na esfera íntima do ofendido.Interrupção . Juiz Carlos Donizetti Ferreira da Silva). à procura de coisas furtadas que teriam sido adquiridas por aquele que autorizou a entrada.149945-7 .Caráter punitivo da parte vencida sem ensejar locupletamento da parte vencedora”. Sentença que se mantém.Rel.Energia elétrica . ao final. nº 702030805676 .Indenização . negar-lhe provimento".Dano caracterizado .04. Deve.Falsa imputação "Indenização . inclusive acionar prisão em flagrante do agente.Rec. Consumidor em dia com os pagamentos. Valor indenizatório fixado de forma moderada.Boletim nº80 Dano moral .Boletim nº80 Dano moral .Dano moral . Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro).26/05/03).Falsa imputação .140713-9 . (Turma Recursal de Ipatinga .Rec. se caracterizar como causa de enriquecimento ilícito.Valor da indenização. mesmo sem ordem judicial.Constrangimento "Danos morais. nº 223. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Aplicação do artigo 2º da Resolução nº 289/95 TJMG . Recurso não provido. não caracteriza constrangimento ensejador de indenização por danos morais".

Racismo "Ação de indenização por dano moral .Negativação indevida . Juiz Armando Conceição Vieira Ferro).Pedido julgado procedente . Juiz Salústio Campista). Decisão mantida”.Juiz Alexandre Quintino Santiago .Joemilson Donizetti Lopes .Rel.Responsabilidade "Indenização . nº 147/03 . Boletim nº 71 Dano moral . eis que qualquer ser humano vítima de tais atitudes advindas de seus pares sociais incute no íntimo sentimentos vários com a sensação de injustiça e revolta. portanto.Negativação indevida Compatibilidade da condenação .Indenização .Protesto .Dano moral . Boletim nº 78 Dano moral .638 Rel. caracterizado em dano que merece ser indenizado.Indenização .Cancelamento de protesto .Indenização .Indenização . (Turma Recursal de Ipatinga .Consumidor . sendo de rigor a reparação". O sofrimento moral resta.Decisão mantida".Recurso intempestivo.04. (Turma Recursal de Ipatinga . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .nº 291/03 .Negativação indevida .Poderes outorgados para transacionar Responsabilidade in vigilando .Racismo e discriminação racial. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Boletim nº 72 Dano moral . tenho entendido que na qualificação da indenização deve ser levado em conta as circunstâncias em que ocorreu o fato.272-6 . apurando a veracidade das alegações de funcionários antes de uma abordagem para a apreensão das res furtiva.77 para não ferir a honra e a dignidade das pessoas. nº 021701-4 .Provas "A indenização por dano moral exige a comprovação de situação intensa e duradoura capaz de romper o equilíbrio psicológico do indivíduo. nem tão baixo ao ponto de não ser sentido o desfalque no patrimônio do ofensor". seja pelo transtorno íntimo.Dano moral . O valor não deve ser tão alto ao ponto de ser causa de enriquecimento da vítima. A dor da humilhação e da rejeição social e racial revelada pelo racismo e discriminação social não são difíceis de imaginar.Recurso tempestivo .Boletim nº80 Dano moral .041.131.Rec. Quanto ao valor fixado.Rec.Razoabilidade .26/11/03).Confissão de falta de comunicação do acordo de forma a se evitar a negativação .Boletim nº79 Dano moral . nº 702. o grau de culpa do ofensor e a intensidade do sofrimento infringido à vítima. seja pela mácula à imagem e à honra". bem como a condição econômica das partes.10/10/03). nº 313.Rec.505.Negativação indevida “Indenização .Indenização . Juiz Alexandre Quintino Santiago). (Turma Recursal de Itajubá Rec.Rel.

Juiz Fábio Torres de Sousa). sendo certo de que aquele nada deve e é cobrado. por si só. (Turma Recursal de Ipatinga .Rel. nº 223. deverá haver a retirada imediata da negativação. não conhecido".Juiz José Maria dos Reis). Boletim nº 78 Dano moral .140644-6 . nº 041.Dano moral . O pedido de gratuidade pode ser feito a qualquer momento e em qualquer grau de jurisdição". dos quais não pode se utilizar em virtude da oferta enganosa e. nº 04/135526-1 .Fixação do valor independente de período anterior do lançamento ou demora no pagamento .35884-8 .Indenização .Rec.Legitimidade passiva "Tabelionato . sendo legítima para responder o feito o seu titular". O valor de indenização deve atender aos princípios da proporcionalidade e da razoabilidade.Lançamento do nome do cliente no SPC e SERASA após pagamento do título . por serem órgãos da administração. Comprovação do dano ao consumidor. passa por aborrecimentos passíveis de indenização.Cobrança de conta telefônica sem utilização da linha .Cancelamento do contrato . não tem a empresa de telefonia direito de cobrar pelas contas telefônicas apenas por colocar a disposição do cliente a linha. originou o lançamento do nome do cliente junto ao SPC e SERASA.Rec. na fixação do valor de indenização.Manutenção indevida "Indenização . Boletim nº 78 Dano moral . (1ª Turma Recursal da Comarca de Divinópolis . Além do mais.Rec.Impossibilidade . não se leva em conta o período em que o nome esteve negativado.Indenização dano moral .Rel.Culpa in vigilandi .Dano moral . pena de ter que indenizar por danos morais. O dano moral advindo da cobrança indevida dispensa comprovação.Tabelionato . Boletim nº 78 .Reclamação junto ao Procon .Boletim nº79 Dano moral . Fixação do dano moral nos limites da razoabilidade.78 "Ação de indenização por danos morais. Uma vez pago o valor. Assim. Juiz Edison Magno Macedo)." (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Alegação por parte da autora de que o valor arbitrado a título de danos morais se apresentou irrisório. tendo que se recorrer ao Judiciário para sanar o problema. nº 150345-0/04 .órgão da administração Às serventias de registro extrajudiciais falece a personalidade jurídica.Indenização . Dever de indenizar o dano moral.Irregularidade configurada . por isto.Pedido procedente .Indenização .Ocorrência .Pedido de gratuidade em grau de recurso . não podendo ser fixado em valor ínfimo.04. Tendo o consumidor sido induzido a adquirir produtos da linha de telefonia celular.Rec.Possibilidade. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . ilegítima é a pretensão deduzida contra tal órgão.Rel.Ilegitimidade de parte . Recurso intempestivo e.Telefonia celular . cancelado o contrato junto ao Procon.SPC e SERASA . Juíza Maria das Graças Rocha Santos).Contrato de prestação de serviço de telefonia celular . Responsabilidade civil caracterizada.Cancelamento de contrato "Indenização .Obrigação de indenizar.

(1ª Turma Recursal de Betim . Juiz Mauro Lucas da Silva). Boletim nº 73.Valor . fazendo da ação judicial um negócio.04. Juízes Patrícia Vialli Nicolini. Valor.Gravidade da lesão "O valor da indenização por dano moral deve ser fixado examinando-se as peculiaridades de cada caso e. uma vez que a dor verdadeiramente não tem preço. que nada represente. Juarez Raniero e Guilherme Sadi . de tal forma que assegure ao ofendido satisfação adequada ao seu sofrimento.Fixação "A fixação da indenização por dano moral deve levar em conta tanto a qualidade do atingido como a capacidade financeira do ofensor.Valor "O valor de indenização por dano moral não pode ser de monta tal que incentive as pessoas a omitirem-se no trato negocial para depois virem pleitear em juízo.Rec.Rel. nº 153. trauma causado e outros fatores. Dano moral . e cause no agente impacto suficiente para evitar que provoque .Rel. Redução. Juiz Juarez Raniero . nº 187/03 .17/02/04).00 a fim de mitigar eventual enriquecimento sem causa.Valor .Rec.Indenização .Rec. Deve reparar o abalo moral sofrido e servir de punição àquele que se imiscuir indevidamente na esfera jurídica alheia". Dano moral.484-2 . nem tampouco exagerada. (Turma Recursal de Passos .Indenização . a condição sócio-econômica das partes e a participação de cada um nos fatos que originaram o dano a ser ressarcido. (Turma Recursal de Cataguases .79 Dano moral .Rel.Rel.27/04/04).Fixação .Indenização . Recurso parcialmente provido". a intensidade da culpa do agente.Enriquecimento sem causa . Boletim nº 75 Dano moral . Boletim nº 76 Dano moral .600. Na fixação do dano moral. nº 018/04 . se fixa a indenização pelo dano moral em R$3. grau de culpa. Juiz Jorge Paulo dos Santos). Boletim nº 75 Dano moral . nº 036/04 . que implique em sacrifício demasiado para uma parte e locupletamento para a outra".Rec. como o de servir de desestímulo à prática de novo ilícito e de compensação amenizadora. em especial.Indenização .Indenização .029. Indenização.Valor "Juizado Especial Cível. Voto vencido: Deve ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos a bem calçada sentença que em análise à prova carreada julgo procedente o pedido". deve-se ponderar sobre as condições sócio-culturais e econômicas dos envolvidos. de modo que a quantia arbitrada não seja tão irrisória. a gravidade da lesão.Valor . (Turma Recursal de Passos . sem o seu enriquecimento imotivado.Vv "Mantida a sentença quanto à conclusão da obrigação da recorrente em reparar o dano.

Caráter punitivo da parte vencida sem ensejar locupletamento da parte vencedora".Rel.04. nº 223. Juíza Áurea Brasil).Rec.Negativação indevida .Ação de indenização. Juiz Juarez Raniero 27/04/04). dispensando prova de efetivo prejuízo. Cadastramento indevido no SPC .Boletim nº80 . sob pena de inversão da ordem processual probatória ou até na sua total aniquilação. Impõe-se o cancelamento de dívida lançada em desfavor de correntista.Rel. nº 029/03 . (4ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Juiz Aurelino Rocha Barbosa).80 novo e igual atentado". nº 024. impondo-se a reparação do dano moral sofrido". cujo perigo pode repousar até na negativa de vigência do princípio do contraditório e ampla defesa.Critério de fixação Proporcionalidade .Boletim nº80 Dano moral . há que se traduzir.Falta de diligência e cautela da ré . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . não cabendo inserção de comandos não autorizados.Sucessivos ataques ao direito da parte . Juiz Maurílio Gabriel Diniz). em razão de cobrança indevida de tarifas e outras despesas bancárias. (Turma Recursal de Passos .071870-4 .Dano moral Confirmação .04.Indenização "Responsabilidade civil .Rec.Dano moral configurado . O constrangimento daquele que teve seu nome indevidamente inscrito no cadastro de proteção ao crédito é presumido. (2ª Turma Recursal de Divinópolis .Rec.382738-5 . nº 024.Rel.Provas . em eventos externos.Procedência .Pedido julgado procedente . não bastando meras alegações. passíveis de verificação.Indícios .Rel.Negativação indevida . ao menos através de indícios. apesar da certa subjetividade que o envolve.Recurso não provido.Dano moral . nº 313.Irregularidade .A interpretação do texto legal deve-se ater à mens legis. concretos.145802-5 .131.Inscrição no Cadastro do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) . (Turma Recursal de Ipatinga . Boletim nº 75 Dano moral .Responsabilidade civil .04.Indenização "Débito indevido .Indenização . Boletim nº 76 Dano moral .Rel. Os sucessivos ataques ao direito da parte podem configurar dano moral".04.Rec.Ausência de amparo legal . Juiz Fábio Torres de Sousa).Quantum indenizatório .252-8 . Boletim nº 78 Dano moral . Recurso parcialmente provido para decotar a condenação por dano moral não comprovado".Cancelamento .Interpretação extensiva "Interpretação extensiva da Lei pela parte .Inversão "O dano moral.Rec.

Rec.Nexo causal "Dano moral. (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Boletim nº 73.Faturas em atraso por dois anos . (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Recurso a que se nega provimento".Relevância na fixação do quantum.Boletim nº80 Dano moral .Rel. este fato deve ser relevado no momento de se aferir o quão lesado em sua moral restou após a negativação indevida".Rel.81 Dano moral .Indevido cancelamento de contrato de plano de saúde . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Cessação da assistência médico hospitalar .Recurso inominado adesivo Ausência de previsão legal . por ausência de previsão legal. Atos de terceiros que somente ocorreram devido à citada negligência. ainda que sem intenção de lesar". Resta. nº 024. nº 153 04 029826-4 .03. Negligência do recorrente como causa principal do dano moral experimentado pelo recorrido. Tendo a negligência do recorrente sido a causa dos atos de terceiros que geraram danos morais ao recorrido.Dano moral puro. Boletim nº 78 .Atos de terceiro . transtornos e abalos provocados nos afetos e atributos íntimos de uma pessoa que. mas. a ilicitude do ato.Indenização "Negativação de nome no SPC após pagamento da dívida .Ofensa . deve-se reconhecer o nexo causal entre a negligência e os danos e.293867-0 Rel. Valor indenizatório razoável para o caso concreto. A negativação do nome junto ao SPC após o pagamento do débito autoriza a condenação do credor negligente em danos morais.Rec. quando rigorosamente em dia com a prestação que lhe cabia.145731-6 . Juiz Paulo Balbino). não só ofensa à honra com repercussão no sentimento íntimo da pessoa atingida. vê rompido os efeitos de um contrato. Dano moral . que o agente causador tenha atuado contra o direito. Juiz Ricardo Torres Oliveira).Reparação "Para se cogitar a reparação do dano moral deve haver.04.Configuração .Indenização . (Turma Recursal de Cataguases . Não deve ser conhecido o recurso inominado interposto sob a forma adesiva.Negativação indevida . Recurso não provido.Cancelamento de contrato "Indenização .04.Rel.Plano de saúde . Condenação mantida. o dever de indenizar daquele.Boletim nº80 Dano moral . deve ser mantido o quantum da indenização. por corolário. Responsabilidade do recorrente. pois.Negligência . Fixado dentro dos parâmetros ditados pelo caso concreto. ficando desprovido da assistência médico hospitalar pactuada. irregular e subitamente. Se o consumidor ficou com as contas em atraso por dois anos.Rec. Juiz Núbio de Oliveira Parreiras). Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães).Não conhecimento. Nexo causal comprovado. nº 223. nítida a configuração do dano moral puro. que deve ser indenizado.145848-8 . São notórios os constrangimentos. nº 223.Rec. anteriormente. isto é.

82

Dano moral - Plano de saúde - Legitimidade ativa "Plano de saúde de menor impúbere - Falta de atendimento sob falso pressuposto de falta de pagamento - Dano moral - Legitimidade do responsável pelo pagamento. Aquele que é responsável pelo pagamento de plano de saúde de filho menor impúbere tem legitimidade para pleitear, em nome próprio, indenização por dano moral decorrente de fatos que lhe digam respeito, como pela descabida imputação de falta de pagamento com conseqüente desatendimento a filho, causando agonia ou aflição no próprio pai responsável. Apelação não provida". (2ª Turma Recursal de Betim - Recurso nº 8683-0/04 - Rel. Juiz Adalberto José Rodrigues Filho).Boletim nº79

Dano moral - Protesto - Inclusão indevida - Indenização - Prova "Indenização - Dano moral - Protesto - Ônus da prova - Código de Defesa do Consumidor. Valor do dano reduzido. Recurso parcial provido. A inclusão indevida do nome do devedor no protesto indevidamente gera a obrigação por danos morais, independentemente de comprovação dos danos por ele sofridos". (Turma Recursal da Comarca de Itajubá - Rec. nº 222/04 - Rel. Juiz Selmo Sila de Souza - 29/04/04). Boletim nº 75

Dano moral - Protesto de título - Constrangimento "O constrangimento sofrido e o irregular protesto do título geram direito a indenização por dano moral, independente da prova objetiva do abalo à honra e à reputação, ensejando direito de ressarcimento que deve ser fixado sem excessos, evitando-se o enriquecimento sem causa da parte atingida pelo ilícito". (Turma Recursal de Cataguases - Rec. nº 153 04 029572-4 - Rel. Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães). Boletim nº 73.

Dano moral - Protesto indevido - Imagem - Mácula "Visível a culpa, o nexo de causalidade, bem como configurado dano moral, que consiste na lesão sofrida pelo autor, pois é inegável que o protesto indevido e a manutenção deste restou forte em seu crédito, tendo ocorrido mácula à sua imagem". (Turma Recursal de Cataguases Rec. nº 153 04 029818-1 - Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Boletim nº 73.

Dano moral - Prova da lesão - Dívida - Cobrança - Má-fé "Ausente a prova da má-fé do credor na cobrança por dívida já paga, não tem aplicação o disposto no art. 940 do Código Civil de 2002; para que seja caracterizado o dano moral, necessária se torna a prova de lesão, do prejuízo. Meros aborrecimentos, meros contratempos, comuns ao dia-a-dia das pessoas não tem o condão de gerar dor moral. Recurso a que se dá provimento para julgar improcedente a pretensão autoral". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 185/03 - Rel. Juiz Guilherme Sadi - 17/02/04). Boletim nº 73.

83

Dano moral - Provas - Indenização - Fixação "Se a sentença contém elementos que traduzem a convicção do julgador, mesmo que se entenda deficiente, isso não é a causa de nulidade por falta de fundamentação. Tendo o fato que originou o dano moral ocorrido um ano e meio antes da propositura da ação, esse lapso temporal é de ser levado em conta como atenuação na fixação da indenização. Recurso parcialmente provido". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 036/04 - Rel. Juiz Juarez Raniero - 27/04/04). Boletim nº 75

Dano moral - Quitação - Instituição financeira diversa - SPC "Pagamento parcelas financiamento - Instituição bancária diversa - Atraso no repasse Obrigação cumprida - Negativação injustificada - Dano moral - Indenizar. O fato de ter o consorciado quitado as parcelas de financiamento em instituição financeira diversa do recorrente não justifica a inclusão dos dados do mesmo no Serviço de Proteção ao Crédito, ainda mais quando o Banco mandante é de pouca expressão no mercado financeiro, possuindo reduzido número de agências, e nenhuma nesta cidade". (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete Rec. nº 213/03 - Rel. Juiz Antônio João de Oliveira). Boletim nº 74

Dano moral - Reparação - Valor "O arbitramento do valor pertinente à exata reparação do dano moral não deve ser tão grande que se converta e fonte de enriquecimento, nem tão pequena que se torne inexpressiva". (Turma Recursal de Cataguases - Rec. nº 153.04.030284-3 - Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Boletim nº 76

Dano moral - Repetição de indébito - Parcela paga - Matrícula "Repetição de indébito c/c indenização - Alegação de pagamento indevido de parcela referente a outro semestre - Dano moral pela não efetivação de matrícula na nova instituição de ensino - Falta de provas - Existência de previsão contratual de devolução de valor em caso de não efetivação de matrícula - Procedência parcial do pedido - Decisão parcialmente reformada". (Turma Recursal de Ipatinga - Rec. nº 313.04.131.263-5 - Rel. Juiz Alexandre Quintino Santiago). Boletim nº 78

Dano moral - Responsabilidade civil - Abuso do direito - Negativação indevida "Responsabilidade civil. Dano moral. Abuso do direito. Art. 187, Código Civil. Ato ilícito. Reparação devida. Inclusão do nome da consumidora no SPC logo após a propositura de ação em que ela pretende discutir judicialmente a dívida que entende indevida.

84 É devida a reparação dos danos morais causados quando o possuidor de um direito subjetivo, ao exercê-lo, excede manifestadamente aos limites impostos pelo seu fim social e pela boa-fé, nos termos do art. 187, do NCC. Deve ser ensejador de danos morais as chateações e os incômodos pelos quais a consumidora passa em razão da dívida que entende não ser devida e, ainda assim, tem seu nome incluído nos cadastros dos maus pagadores logo após a propositura da ação judicial em que ela discute o débito, no intuito de forçar a suposta devedora ao pagamento da dívida que lhe era impingida, impossibilitando qualquer resistência a tal cobrança. Recurso conhecido e provido". (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 024.04.382987-8 - Rel. Juiz Veiga e Oliveira).Boletim nº80

Dano moral - Responsabilidade objetiva - Indenização - Valor "Dano moral e responsabilidade objetiva - A responsabilidade em sede de relações consumeiristas é objetiva. Assim, provada a existência de uma conduta, de um dano e do nexo de causalidade entre a primeira e o segundo, caracteriza-se a lesão e, logo, a possibilidade de indenização por dano moral. Dano moral e valor da indenização - A indenização fixada a título de dano moral deve servir como desestímulo ao lesante e compensação à vítima, tendo finalidade educativa e evitando o enriquecimento ilícito. A fixação da indenização em sete salários mínimos mostra-se eqüitativa, justa, atendendo à função a que se destina. Violação do contrato. Cobrança abusiva de valores - Ao efetuar o desconto de valores da conta corrente do recorrido sem qualquer autorização, a instituição recorrente causou-lhe lesão, porquanto agiu de forma abusiva, sem qualquer previsão contratual. Condenação em custas e honorários, estes no importe de 20% sobre o valor da condenação". (2ª Turma Recursal de Uberlândia - Rec. nº 702.041.505.497 Rel. Juiz José Luiz de Moura Faleiros).Boletim nº79

Dano moral - Responsabilidade objetiva - Indenização - Valor "Dano moral e caracterização - A responsabilidade em sede de relações consumeristas é objetiva. Assim, provada a existência de uma conduta, de um dano e do nexo de causalidade entre a primeira e o segundo, caracteriza-se a lesão, e, logo, a possibilidade de indenização por dano moral. Esta, por sua vez, caracteriza-se tanto pela inclusão, quanto pela manutenção indevida dos órgãos restritivos de crédito. Dano moral e valor da indenização - A indenização fixada a título de dano moral deve servir como desestímulo ao lesante e compensação à vítima, tendo finalidade educativa e evitando o enriquecimento ilícito. O valor fixado nos autos mostra-se apto, eqüitativo, justo atendendo à função a que se destina. Da vexatio quaestio. Solidariedade entre as rés - A solidariedade entre as rés decorre de expressa previsão legal, constante do Código de Defesa do Consumidor, que não exclui da obrigação de indenizar qualquer integrante da cadeia causal do dano. Custas e honorários - Como houve a sucumbência recíproca, tendo em vista que todos os recorrentes não lograram êxito em seu pleito de insubordinação quanto a decisão prolatada, a condenação em custas e honorários deve observar tal circunstância. Todavia, a autora postula sob o pálio da gratuidade, pelo que suspendo a execução, nos termos da Lei nº 1.016". (2ª Turma Recursal de Uberlândia - Rec. nº 702.041.505.943 - Rel. Juiz José Luiz de Moura Faleiros).Boletim nº79

Juíza Yeda Monteiro Athias). com a conseqüente manutenção indevida do nome do consumidor em cadastro restritivo de crédito configura dano moral indenizável ".Baixa da anotação . nº 702. O valor do dano moral deve ser mitigado ao ponto da razoabilidade. para que não se constitua em prestígio ao enriquecimento sem causa. Não provando que a inscrição se deveu por fato de terceiro.Rel. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Legitimidade "Havendo documento no qual consta ter sido a recorrente quem deu causa à inscrição no SPC.Dano moral . Boletim nº 78 Dano moral .Rec.Boletim nº79 .Dano moral.Companhia telefônica . responde a recorrente pelo dano moral causado. Juiz Joemilson Donizetti Lopes . Juiz Juarez Raniero .Rec.Inclusão indevida "Dano moral indenizável . O atraso no cancelamento da anotação. estando dentro de margens seguras.Comprovação do pagamento .150554-7 .Inclusão indevida .Restrição de crédito .SPC .19/05/04). nº 024. é ela parte legítima passiva de ação.Culpa .154-2 Rel. ficando caracterizado o ato ilícito.Indenização "Indenização . Juiz Luiz Carlos de Azevedo Corrêa Junior).Ônus do credor .Inclusão indevida no SPC por operadora de telefonia Havendo comprovação do pagamento do débito e igualmente comprovada a restrição de crédito imposta pela inclusão indevida no cadastro de inadimplentes. negligentemente promove registro negativo junto aos órgãos de proteção ao crédito.85 Dano moral .SPC . O dano moral decorre do simples fato de ter havido encaminhamento indevido do nome do consumidor para inclusão nos cadastros de proteção ao crédito. É dever do credor providenciar a baixa na restrição creditícia depois de comprovado pelo devedor o cumprimento da obrigação. face à capacidade indenizatória da recorrida".04. bem como não configura enriquecimento ilícito.Ônus "Restrição creditícia . devida é a indenização por dano moral.Pagamento . Boletim nº 75 Dano moral . (7ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Dano moral .Inclusão indevida no SPC .Manutenção indevida .Rec. Não está a merecer reparos o quantum indenizatório arbitrado que se mostra aquém daquele praticado. Age com culpa a companhia telefônica que habilita linha telefônica sem se resguardar das cautelas necessárias. a assegurar à vítima indenização por dano moral". (1ª Turma Recursal de Uberlândia . por falha operacional.Culpa.294. nº 04135893-9 . (Turma Recursal de Passos .Rec. nº 020/04 .Culpa .Rel.30/03/04).SPC .04. Recurso não provido".Rel. a fim de verificar se os dados cadastrais lhe estão sendo repassados pelo seu real titular e. Boletim nº 73.

Empresa de telefonia "Dano moral. estranhos à relação de prestação de serviço. Boletim nº 76 Dano moral .135904-4 . principalmente nos dias atuais. nº 04. Recurso a que se nega provimento". Juiz Veiga de Oliveira).614-9 . sendo presumidos os efeitos nefastos da honra do ofendido. não constitua lucro fácil para o lesado. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . nem seja irrisório". O dano moral puro ou objetivo independe de efetivo reflexo patrimonial.Negligência evidenciada .Rec. elementos.Dano moral . assumindo. bastando a comprovação do ato ilícito e do nexo de causalidade. há que se considerar as condições financeiras da vítima e do autor do dano. dentre outros.Prova .SPC . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Inscrição indevida .Boletim nº79 Dano moral .Rel. O cadastro indevido de uma pessoa no SPC já presume por si só seus danos conseqüentes. Indenização devida. deve-se levar em consideração.Rec.Prova . sendo suficiente a demonstração de que a dívida apontada não era devida.Inscrição indevida . do CDC. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . § 3º.Inclusão indevida no SPC por operadora de telefonia". com o seu comportamento. as circunstâncias do fato.Rec. A empresa de telefonia ao disponibilizar linha telefônica sem contato pessoal ou exigência de comprovação de dados. Boletim nº 72 Dano moral . a responsabilidade por eventuais danos causados a terceiros.Indenização . O nome é um dos bens mais valiosos que tem um cidadão. Na fixação do quantum indenizatório. em que não se sobrevive dignamente sem crédito na praça. ambas responde solidariamente pelos danos que causam ao consumidor na prestação do serviço contratado.Prova. a condição do agente e da vítima.Inclusão indevida . . Negligência das empresas de telefonia.Rel.SPC . Inscrição indevida no SPC. a fim de que o quantum reparatório. prescinde-se de prova do prejuízo.Inclusão indevida no SPC . nº 139/03 .Valor "Ação de indenização . nº 381.SPC . age com negligência.Indenização "Inscrição indevida de restrição ao crédito lançada no SPC . A indevida inscrição da restrição no serviço de proteção ao crédito é dano material que dispensa comprovação.SPC .Dano moral puro . Se nenhuma das prestadoras de serviços prova que incorreu em uma das hipóteses de exclusão de responsabilidade do artigo 14.86 Dano moral . Juíza Yeda Monteiro Athias). sem perder seu caráter pedagógico e punitivo.Indenização devida. Na fixação do valor da reparação por dano moral.Prescinde de prova de prejuízo material .Juiz Joemilson Donizzetti Lopes 13/11/03).Indenização "Dano moral indenizável . Para se configurar dano moral. de forma que sirva como compensação para aquela e ao mesmo tempo se faça sentir no bolso deste último.Inclusão indevida .

Boletim nº 75 Dano moral . nº 04204-1 .Indenização . 43. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . A companhia de telecomunicações local responde pela falha no repasse das alterações cadastrais. deve o quantum indenizatório ser mantido".Rel.Indenização "Manutenção de inscrição do SPC . § 2º.16/10/03). Juíza Yeda Monteiro Athias . o que por si só caracteriza ato ilícito passível de indenização".Indenização devida Sentença reformada".Telefonia .Alteração no número do terminal telefônico Inclusão indevida do nome de antigo proprietário no SPC . nº 115/03 .Débito quitado .Rec.Dano moral . se estas se mostram desnecessárias. se deu sem anterior notificação nos termos do art.Telefonia .SPC .Rec. CDC . assim como observadas as condições das partes. indevida a negativação.Dano moral caracterizado Responsabilidade solidária.Rec. não se vislumbrando a temida hipótese de possível enriquecimento ou fonte de lucro indevido".Abordagem humilhante "Dano moral . Não se declara nulidade por indeferimento de perguntas na instrução do feito. passível de indenização. assim.Suspeita de furto .Manutenção de inscrição .135901-0 . Adequado visualizar-se o montante determinado. impertinentes ou injustificadas no contexto dos fatos que interessam ao deslinde da causa. Boletim nº 72 Dano moral . tendo em vista a situação econômica do causador do dano e a extensão do dano moral sofrido pela parte adversa. § 2º. Juiz Joemilson Donizetti Lopes).Fixação . Presente o nexo entre a conduta do réu e a reação da autora em que estampado o sentimento de humilhação face à exposição da situação pública vexatória. Juiz José Américo Martins da Costa . nº 008/04 . Boletim nº 76 Dano moral . mormente se não decorre nenhum prejuízo para a busca da verdade e do convencimento. Tendo sido atendido o pedido da razoabilidade. (1ª Turma Recursal de Betim . todavia a responsabilidade da companhia de telefonia de longa distância não pode ser afastada.Rec.Inscrição do nome do devedor Comunicação prévia .Juíza Yeda Athias de Almeida .Falha no repasse da alteração cadastral . ou por outra pessoa em seu proveito.Suspeita de furto . não há como atribuir ao mesmo a responsabilidade pela quitação deste débito. configurado resta o dano moral.Art.Necessidade .Obrigação solidária .25/03/04).Rel.Cerceamento de defesa inocorrente.Inclusão no SPC "Ação de indenização .Dano moral . Boletim nº 74 Dano moral . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Ausência .07/05/04).Abordagem humilhante e vexatória em via pública Nulidade por indeferimento de perguntas . 43. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Rel. nº 04. CDC. visto que a inscrição do nome do devedor nos órgãos de proteção ao crédito.Responsabilidade da companhia telefônica local . sendo.87 Inexistindo prova de que a dívida inscrita nos órgãos de proteção ao crédito foi contraída pessoalmente pelo suposto devedor.

re-faturar tal valor.041.Indenização . Juiz José Luiz de Moura Faleiros) Dano moral .360. Boletim nº 72 Dano moral .Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes .88 "Utilização de banco de dados de empresa de telefonia . Dano moral configurados.Obrigação solidária das duas empresas . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Busca e apreensão indevida. Juiz Juarez Raniero . Sentença reformada. (Turma Recursal de Passos . nº 024. Boletim nº 71 .Assinatura . houve falha da própria prestadora de serviço.Cobrança indevida "Assinatura de TV a cabo . deve o mesmo ser condenado a indenizar. Boletim nº 73.Rec. Alienação fiduciária. sem comunicação prévia à consumidora.Juiz José Geraldo Hemétrio .581-7 . Fraude de terceiro para habilitar linha telefônica. Boletim nº 78 Dano moral .Erro de funcionário da própria empresa.Rec. Em comprovada a culpa do banco réu pelos danos morais causados ao mover Ação de Busca e Apreensão de veículo que já se encontrava com as parcelas quitadas. repressivo e reparatório .Veículo quitado .Critério de fixação: preventivo. Inclusão do nome no SPC.03.30/03/04). logo após verificado o erro.Desligamento do sinal . Dano moral .293666-6 . nº 033/04 .Indenização por dano moral . (Turma Recursal de Ipatinga .Rel.Inscrição "Dano moral. ao contrário do afirmado na sentença primeva.Cobrança indevida . Juiz Renato Luís Dresch). esse lapso temporal é de ser levado como atenuação na fixação da indenização.071. Indenização.Tempo de ocorrência . nº 702.Negado provimento ao recurso Sentença mantida".Indenização “Responsabilidade civil.Culpa .Rec.26/11/03).Legitimidade para configurar no pólo passivo da demanda .SPC . O fato de terceira pessoa utilizar os dados de partícula para habilitar fraudulentamente linha telefônica. Parcelas pagas.TV a cabo .Fixação "Tendo o fato que originou o dano moral ocorrido um ano e meio antes da propositura da ação. nº 024." (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .nº 304/03 . Os documentos anexados pela própria recorrida demonstram que.Busca e apreensão .Rel.Rel. Dano moral devido.28/11/03). devendo o quantum indenizatório ser fixado por livre-arbítrio do Juiz dentro do critério da sensatez e comedimento a não torná-lo fonte de lucro e sim compensação adequada à lesão sofrida”. não isenta a companhia telefônica da responsabilidade por danos morais pela inclusão no SPC ao titular dos documentos utilizados".497 . ao lançar desconto indevido e.04. Recurso parcialmente provido".Telefonia .

Ausência de comprovação de roubo e furto.Seguradora . Ausência de boletim de ocorrência quando da solicitação de sustação junto à instituição financeira. Boletim nº 72 Danos . Não há que se falar em dano moral em mero dissabor. oriundo da vida de relação".Rec. Caracteriza dano moral indenizável os inegáveis dissabores decorrentes da não transferência da propriedade de veículo por quem o adquire.Requisitos . Dano não caracterizado.Juíza Maria das Graças Ribeiro .Verificação . da Lei nº 6.89 Dano moral . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Joemilson Donizetti Lopes .Boletim de ocorrência "Indenização por danos morais e materiais. § 2º.Cobrança . Seguro empresa.04. nº 153. Não exigência pela seguradora.12/11/03). Interpretação do contrato de forma mais favorável ao segurado. nº 124/03 .Oposição ao pagamento. de declaração de bens e de estoque.Sinistro "Cobrança. Boletim nº 72 .899/81. Boletim não encaminhado à instituição financeira.Cheque sustado . cabendo multa pelo não cumprimento da obrigação. Recurso parcialmente provido". Superveniência do sinistro.Rec.Dano moral indenizável. Protesto feito por terceiro e já baixado. o dano e o nexo de causalidade. não importando futura venda efetuada a terceiro adquirente.25/03/04). como a atitude ilícita.17/12/03).Rec. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . quando da adesão da contratante. Boletim nº 74 Dano moral . nº 04201-1 . (Turma Recursal de Cataguases . Preenchido o documento de transferência do veículo em nome da seguradora que cobriu os danos causados em razão de sinistro com perda total. Valores devem respeitar limite da apólice e as provas do dano. nº 151/03 .Nexo de causalidade "Para a verificação do dano moral devem estar presentes os requisitos necessários.Rec. Correção monetária incidente de acordo com o artigo 1º. cumpre-lhe a obrigação de transferência da propriedade junto ao DETRAN. mormente quando o vendedor passa a receber cobranças quanto a multas e taxas de licenciamento e seguro.Rel.031333-7 . Ausência de culpa da instituição financeira. Comprovação do sinistro. Dever de indenizar.Rel. Cheque sustado pelo motivo devido. Negativa de pagamento do seguro pela seguradora. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Veículo sinistrado .Transferência de propriedade de veículo sinistrado . ficando sujeito a anotações negativas no prontuário de sua CNH". Boletim de ocorrência lavrado posteriormente à solicitação de sustação narrando o extravio de talonário de cheques. Boletim nº 76 Danos .Juíza Maria das Graças Ribeiro . Ciência da seguradora quanto às condições de instalação do alarme. Recurso improvido". Cheque sustado pelo 'motivo 21' . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). repassando a terceiros sem a providência prevista no Código de Trânsito Brasileiro.Transferência de propriedade "Obrigação de fazer .

13/11/03).Ação de rescisão de contrato c/c pedido de devolução de valores .Responsabilidade "Juizado Especial Cível . Boletim nº 73. Juiz Dirceu Walace Baroni .Comprovação "Recurso .Companhia telefônica .Rel. nº 229/03 .14/04/04).Ação de rescisão de contrato c/c pedido de devolução de valores e indenização por danos morais .Impossibilidade.Atraso no pagamento . O desconforto. por dano material . nº 242833-4 .Rel.Rec.Rel." (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Boletim nº 74 . Boletim nº 78 Danos . Juiz Fernando Caldeira Brant).Direitos autorais .Empresa que vende produtos de outra é responsável por indenização a consumidor que foi ludibriado por seu funcionário.Negativa "Companhia telefônica .Rel. Juiz Joemilson Donizetti Lopes). Descabida a produção de provas após o julgamento do processo".Ocorrência .Rec.Rescisão .Elevadores .Autoria da obra intelectual respeitada .Empresa revendedora . nº 041503369-0 . (2ª Turma Recursal de Betim . (2ª Turma Recursal de Betim Rec. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . nº 129/03 .Não comprovação . Constatado o nexo causal entre a lesão sofrida pelo condômino e o acidente decorrente de ato negligente na manutenção pelas despesas médico-hospitalares advindas.Devolução "Juizado Especial Cível . por dano material e moral Sentença mantida em parte para reduzir o valor do dano moral".Habilitação de linha .Negativa de habilitação de linha . a dor e supressão das atividades rotineiras diárias gerados configuram o dano moral indenizável.Recurso provido".Manutenção de elevadores em condomínio . nº 244/04 .Condomínio .Boletim nº79 Danos .Sentença mantida incólume". A indenização por danos morais e materiais exige prova de que o requerido tenha agido com culpa no fato em que se baseia o pedido. Boletim nº 72 Danos .Contrato de cessão .Empresa que vende plano de capitalização é responsável por indenização a consumidor que foi ludibriado por seu corretor. no qual verificado a queda de condômino no momento dos reparos.Rec. Danos .Divulgação de obra . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Rec.Legitimidade "Ação de indenização por dano material e moral . Juiz Dirceu Wallace Baroni).Legitimidade passiva ad causam da prestadora de serviços.Valores pagos .Contrato .Direitos autorais .90 Danos .Dano moral .Capitalização .Danos materiais . É parte legítima passiva para configurar na ação de reparação de danos materiais e morais a prestadora de serviço de manutenção dos elevadores de condomínio.Dever de informação .Danos morais e materiais Produção de provas em grau de recurso .Juiz Edílson Magno de Macêdo .

91 Danos . (Turma Recursal de Passos . Sentença confirmada".Negligência . nº 313. Boletim nº 72 Danos . Se a prestadora de serviços não prova que ocorreu uma das hipóteses de exclusão de responsabilidade do artigo 14.Indenizações . pretendendo dificultar a compreensão de seu sentido e alcance para. São nulas as cláusulas contratuais.04. Existência do nexo causal.Boletim nº80 Danos . do CDC.149937-4 . 333. Danos materiais. nº 155/03 . (Turma Recursal de Passos .Invasão da pista contrária .Ônus da prova "Indenização. Danos materiais. Boletim nº 76 Danos .Interrupção de fornecimento "Ação de indenização.Legítima defesa . morais e lucros cessantes.Juiz Juarez Raniero .Rec. Culpa da fornecedora do serviço. II.Rel. Quantum proporcional à extensão do dano. posteriormente. conduzindo à obrigação de reparar os danos a que deu causa". Espancamento. (Turma Recursal de Cataguases .Rel.Indenização . Pedidos julgados parcialmente procedentes. nº 163/03 . alegar que o consumidor interpretou equivocadamente o contrato e não tem o direito aos serviços que acreditou estarem incluídos no pacote.Indenização . Indenizações devidas. (Turma Recursal de Ipatinga . Ônus da prova.Espancamento . no caso de o réu cumprir o estabelecido no art. Vício de informação dos serviços fornecidos. Prova bem analisada pelo Juiz monocrático.04. Negligência na prestação de serviços. assim como as práticas comerciais que visam subtrair do consumidor o direito à informação adequada e clara. do Código do Processo Civil e demonstrar que atuou em legítima defesa ao ofender a integridade física do autor".Rec.Rec. Decisão primeva que analisou corretamente os fatos. Dano estético. Interrupção de fornecimento de energia elétrica em local onde foi realizada uma festa. nº 153.Manobra imprudente . Sentença mantida". Improcedência. Juiz Ronaldo Claret de Moraes).Juiz Carlos Frederico Braga da Silva .16/12/03).Legitimidade . responde pelos danos que causa ao consumidor em face da ausência ou deficiência na prestação do serviço contratado. § 3º.Prova "Quem suporta os danos é que tem legitimidade para pleitear a indenização. O pedido inicial da ação de reparação de danos decorrentes de espancamento deve ser julgado improcedente.Rec.Energia elétrica . .Valor "Dano material e moral.Culpa "A invasão da pista contrária constitui manobra imprudente e ofensiva às mais elementares regras do trânsito. Juíza Daniella Nacif de Sousa). Boletim nº 72 Danos .029607-8 .16/12/03).

Retratada situação em que a instituição financeira contratou a abertura de conta sem os cuidados necessários. do Código de Processo Civil.Reparação ..Juiz Joemilson Donizetti Lopes .51943-4 . Negado provimento ao recurso".92 Na fixação do quantum indenizatório.24/10/03).Rec.12/05/04). e indevida quanto aos danos morais. 14 da Lei nº 8. Boletim nº 72 Danos . Boletim nº 72 Danos .Responsabilidade .Rec. Devida a indenização pelos danos materiais. Não comprovação dos fatos narrados. 333.Juiz Rubens Gabriel Soares .994. inciso II que aquele 'só não será responsabilizado quando provar a culpa exclusiva do consumidor ou de terceiro. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . modificativo ou extintivo do direito do autor. que 'o fornecedor de serviços responde. Juiz Veiga de Oliveira).078/90." (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Fatos narrados . nº 702.314-7 .12/05/04).Rec. ao mesmo tempo. Boletim nº 75 . há que se considerar as condições financeiras da vítima e do autor do dano.Indenização "Ação de indenização.Provas . Reparação por danos morais e materiais.Rel Juíza Maria das Graças Rocha Santos . independentemente da existência de culpa.295-3 . Ensina o art. mormente quando não cuidou de inibir a negativação ao tomar ciência de sua indevibilidade". a prova de existência de fato impeditivo. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .03.Rec..Nulidade de débito .Boletim nº79 Danos .Documentos falsos "Ação de nulidade de débito cumulada com indenização por danos materiais e moral com pedido de antecipação de tutela para cancelamento de restrição . se faça sentir no bolso deste último. (1ª Turma Recursal de Uberlândia/MG .Reparação . Boletim nº 75 Danos . nº 294.041. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Reparação . pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços (. incumbe a ré. de forma que sirva com compensação para aquela e. emerge o dever de indenizar uma vez inscrito o nome do autor no cadastro de inadimplentes.16/10/03). Indenização indevida".Rel. Recurso a que se conhece e nega provimento". nº 024. nº 119/03 . pautando-se em documentos falsos.Ônus "Pela dicção do art.Rel Juíza Maria das Graças Rocha Santos .)' e complementa o seu § 3º.35955-6 .Rec. Ausência dos requisitos necessários à caracterização da responsabilidade alegada pelo autor. inciso II. nº 702.Comprovação "Ação de reparação de danos.030.

a seguradora autorizado a vistoria necessária para apurar esses defeitos.Adulteração de cheques "Indenização . faz-se necessária a ocorrência de três pressupostos essenciais.Danos apresentados após reparos mal realizados por culpa da companhia de seguros .Rel.Rec. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . A responsabilidade civil somente se configura mediante a presença de três requisitos. São notórios os constrangimentos. Perdas e danos morais e materiais.24/03/04). restando.Inscrição indevida .Cheque compensado .Indevida inscrição nos cadastros de proteção ao crédito . (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Obrigação de indenizar os gastos despendidos. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Boletim nº 74 Danos .Inclusão "Danos materiais e morais . nº 04204-1 .19/02/04).Exercício regular do direito . pois.25/03/04).Rel.Débito existente e inadimplido . naquela época. nº 702. nos termos dos arts. A empresa que inscreve o nome do devedor inadimplente nos órgãos de proteção ao crédito. Boletim nº 74 Danos . causando prejuízos ao proprietário.SPC .Rel. (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . age no exercício regular de um direito. afastado o dever de indenizar". mormente se o contrato de seguro previa o conserto". vê seu nome lançado nos cadastros de inadimplentes. restando.Assinatura e valor adulterados .Seguro .Rec.030.SPC . Responsabilidade civil caracterizada. dano e nexo de causalidade comprovados. que se viu obrigado a deixar o imóvel e a inutilizar construções no local. deve indenizar pelos gastos que teve o autor ao reparar o automóvel. indevidamente. Recurso não provido". revestindo-se o ato de inscrição de licitude e regularidade.732-7 . quais sejam. Construtora que precede à errônea demarcação de lote em loteamento.Pedido procedente.513.Demarcação errônea "Ressarcimento.Dever de indenizar não configurado.Acidente de veículo "Seguro .Inclusão no nome de devedor solidário no cadastro de devedores (SPC) .Responsabilidade civil . Juíza Yeda Monteiro Athias . o dano e o nexo de causalidade entre a conduta lesiva e o dano. Configurado que os danos apresentados no veículo do segurado são decorrentes de acidente a que se envolveu.Rec. Boletim nº 78 . nº 243.93 Danos .544 .Acidente de veículo . ausente um dos requisitos da responsabilidade civil (culpa). Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro . a culpa do agente e a produção do evento danoso. Assim. Legitimidade passiva. a existência do dano. Para configuração da responsabilidade indenizatória.Dano material e moral .Rel Juiz Paulo Balbino). portanto. transtornos e abalos provocados nos afetos e atributos íntimos de uma pessoa que. Juiz Edison Magno Macedo . não praticando qualquer conduta culposa. Dever de indenizar.Rec. nº 04162-1 . e não tendo. Boletim nº 74 Danos . 186 e 927 do Código Civil Brasileiro. nítida a configuração do dano moral puro". quais sejam: a culpa. Culpa.

tem sua bagagem extraviada e. sem lhe prestar qualquer apoio ou informação. ao retornar. sem qualquer tentativa por parte da empresa de solucionar a questão. nítida a configuração do dano moral puro".294262-3 .Rel. Juiz Paulo Balbino).Extravio de bagagem . transtornos e abalos provocados nos afetos e atributos íntimos de uma pessoa que. Visando a indenização pelos danos causados pelo ano letivo perdido. sendo cabível a indenização no exato valor requerido. nº 04135896-2 .Inaplicabilidade. restando.Transporte aéreo .Empresa de turismo . através de seu guia. deixado o passageiro abandonado à sua própria sorte em país estrangeiro.Objetos contidos na mala . não se dignando a tomar qualquer atitude no sentido de encaminhá-lo de volta ao país.Comprovação Desnecessidade.Extravio de bagagem . Boletim nº 78 Danos . deve indenizar os danos material e moral sofridos. em especial aquelas relativas à indenização das bagagens extraviadas. ao sair de férias.Rel.Ano letivo perdido "Ação constitutiva de obrigação de fazer com indenização por danos materiais com pedido de tutela antecipada. Boletim nº 74 Danos . Tendo a empresa transportadora extraviado a bagagem do passageiro.Viagem internacional .Responsabilidade da empresa de turismo de organizar retorno do passageiro ao Brasil .Viagem internacional interrompida pelo serviço de imigração do país visitado . Por consubstanciar lei posterior. São notórios os constrangimentos. Juiz Edison Magno Macedo . (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Tendo a empresa de turismo.Extravio de bagagem .Indenização . deve ser responsabilizada pelos danos morais causados".Falha na prestação do serviço Obrigação de indenizar os danos materiais .Transporte rodoviário . Negado provimento ao .Rec. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . nº 04181-1 . Demonstrada a obrigação de indenizar por parte da recorrente. Juiz Edison Magno Macedo . Não há necessidade de comprovação por parte do consumidor de que realmente levava dentro da bagagem os objetos reclamados. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .94 Danos .Indenização "Transporte rodoviário .Rec. o Código de Defesa do Consumidor revogou as disposições trazidas pelo Código Brasileiro de Aeronáutica que com ele colidem.Obrigação de fazer .Dano material e moral . depara com o desdém da companhia transportadora na solução do problema a ela apresentado. nº 024.Código Brasileiro de Aeronáutica .19/05/04).Rel. Boletim nº 75 Danos materiais .03.Indenização "Indenização.Desídia "Ação de indenização por danos morais e materiais .Desídia . pois.Obrigação de indenizar.Rec. desde que este se mostre razoável".Extravio de bagagem .25/03/04). mormente se passado mais de um ano do evento.Transporte aéreo .

Rel.Exclusão da responsabilidade do transportador .Transporte rodoviário .Art. resta afastado o dever de indenizar". sem que houvesse respaldo fático para tanto. tais como assalto. Boletim nº 74 Danos morais .Boletim nº79 Danos morais . não é elidida por prova testemunhal frágil.95 recurso".nº 149/03 .Referência à possibilidade abstrata de acolhimento do pedido do autor . mediante apresentação de orçamento com preço certo pela totalidade do serviço. tão somente. Boletim nº 75 Danos materiais .Ação de cobrança .Culpa . (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Juiz Edison Magno Macedo . Incidindo a excludente de responsabilidade prevista no art.Atribuição de prática de crime .Advogado . Recurso desprovido.Rel Juíza Maria das Graças Rocha Santos . A Súmula 187 do STF aplica-se.04/11/03). nº 702. Não se incluem entre os riscos do transporte fatos exclusivos de terceiros. aos casos que guardam estrita relação com o transporte oferecido pela transportadora.Interesse “Parte que foi excluída do pólo passivo da demanda.Provas "Ação de cobrança c. não há que se falar na pretendida cobrança e indenização por danos morais'. não tem interesse recursal.Indenização . Ofensa escrita por cliente em processo judicial.Indenização “Impossibilidade jurídica do pedido .Além disso.Rec. § 3º.Rel. (Turma Recursal de Passos . Comprovado o valor dos serviços contratados e o adimplemento total através de prova documental juntada e não impugnada. II do CDC.030. atribuindo a Advogado prática de crime. propicia indenização a este por danos morais.Juiz Juarez Raniero .12/05/04).Valor dos danos morais arbitrados em consonância com a razoabilidade e com a capacidade econômica das partes envolvidas Condenação da recorrente em sucumbência e honorários advocatícios por ter sido vencida.Fato exclusivo de terceiro .Roubo ocorrido dentro do ônibus . II. Juiz Joemilson Donizetti Lopes). nº 04173-1 .Rec.Rec.c indenização por danos morais.43344-6 . isentando-a de culpa . Boletim nº 71 Danos morais . a recorrente não se desincumbiu de provar fato de terceiro. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . 14.Configurada a sua culpa através da incontrovérsia e documentos .Mantém-se a condenação da recorrente por danos morais . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Cadastro de inadimplentes . razão pela qual não podem ser considerados vícios ou defeitos do serviço. 14.Fato exclusivo de terceiro "Indenização por danos materiais .Perquirição sobre o efetivo direito do autor adentrar o mérito e não se refere à dita condição da ação .19/02/04). § 3º.Transporte rodoviário . A contratação de mão-de-obra para serviços da construção civil. do CDC. pelo que não se conhece do recurso por esta aviado. nº 04150607-3 . Sentença confirmada”. A .

nº 176/03 . 04187-1. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Pratica o ato ilícito que enseja indenização por danos morais.Colisão de veículos .Motorista que reteve a esposa da vítima no local do acidente a fim de garantir o ressarcimento do dano.20/11/03). o motorista que tendo seu veículo atingido pelo da vítima retém.25/03/04). (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Juiz Edison Magno de Macêdo).Rel. com o intuito de garantir o ressarcimento do dano".04. 04185-1. 04193-1.Envio de carnê de pagamento após o vencimento da prestação Incidência de multa .Rec.Cobrança indevida .Boletim nº79 Danos morais . nº 027. Sendo incontroverso que a recorrente inscreveu o nome da recorrida no cadastro de inadimplentes. não tem direito a receber indenização por danos morais por terem sido barrados na entrada do evento.Inocorrência. pelo que deve ser mantida. levando-se em conta a capacidade econômica das partes.Boletim nº79 Danos morais . Juiz Edison Magno Macedo . 04186-1.Descaracterização "Ação de indenização . e não se tal intenção é condizente com a verdade.Clube social . 04189-1.Impedimento de sócios entrarem em festa . (2ª Turma Recursal de Betim . embasada em informações errôneas.96 impossibilidade jurídica do pedido refere-se à pretensão abstrata do pedido da recorrida.008.Danos morais .Compra parcelada . Boletim nº 74 Danos morais .Rec.Rel.333.Retenção da esposa da vítima .Possibilidade .Justo motivo .Juiz Wauner Batista Ferreira Machado .Descaracterização . Demonstrando que os sócios do clube promoveram algazarra na entrada da festa. perturbando os demais sócios presentes e desrespeitando regras básicas de convivência em sociedade.Carnê de pagamento .Vencimento "Compra parcelada .Dano moral . nº 150556-2/04 . 04190-1. inciso II. não há que se falar em indenização por danos morais".Indenização "Indenização .Impedimento de entrada "Clube social . Condena-se a recorrente em sucumbência.Improcedência do pedido.935-4 .Danos morais Inexistência . cuja culpa não conseguiu atribuir a segunda ré.Colisão de veículos . 04191-1. 04194-1 em conexão . no local do acidente sua esposa também ferida. Ainda que . 04188-1. resta caracterizada a sua culpa e a obrigação de indenizar a recorrida por isso.Cobrança realizada . Ficando caracterizado que a cobrança da dívida é devida.Rec.Danos morais Não ocorrência. O valor dos danos morais foi arbitrado em montante razoável. do CPC. pois foi vencida”.Cobrança indevida .Procedência do pedido . Juíza Sandra Eloísa Massote Neves). consoante lhe impõe o art. (1ª Turma Recursal de Betim . mormente se foram advertidos por diversas vezes pela segurança do local sobre suas atitudes e ignoraram as advertências". enquanto este recebia atendimento médico-hospitalar. Boletim nº 71 Danos morais . mesmo já tendo adquirido o ingresso. 04192-1. nº 04183-1.Rel. pois isso é matéria de mérito.

Rec. uma vez que poderia facilmente se desincumbir da obrigação. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . nº 123/03 . Redução do valor da indenização. conclui-se que. Não sendo o fato narrado na inicial passível de acarretar qualquer dano. foi diligente na devolução da quantia paga a mais".Dano não-configurado . a obrigação de indenizar.Rec. o que lhe ocasionou a devolução de outros cheques pelo desfalque causado em sua conta corrente. não pode pleitear indenização por danos morais da loja vendedora.Juiz Edílson Magno de Macêdo 10/12/03)." (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Emissão de cheque para solver dívida . Desatenção do banco. em virtude de falha no sistema de cobrança 'on line'. Juiz Edison Magno Macedo . (1ª Turma Recursal de Uberlândia . que inibem a presença de compradores.04.Princípios .Danos morais . momento em que emitiu cheque para pagamento do mesmo valor.Falha no sistema .Débito eletrônico "Pagamento em débito eletrônico . a proibição da entrada de 'coletores de sobras'. Boletim nº 72 Danos morais .Valor do cheque .Rel. A simples cobrança por funcionária do estabelecimento do pagamento da prestação. nº 153/03 . Culpa e dano caracterizados.Boletim nº79 Danos morais .141053-8 . Juiz Ronaldo Claret de Moraes). e causam embaraço aos comerciantes. Demora injustificada no estorno do valor.Inexistência.19/02/04). inexiste.Desatenção do banco "Danos morais. constitui exercício regular de um direito. Boletim nº 72 Danos morais .Cobrança em duplicidade . nº 04163-1 . Obrigação de indenizar (artigos 186 e 927. Código Civil).16/10/03). (Turma Recursal de Ipatinga . não pode o comprador exigir indenização por danos morais pela cobrança da dívida. sob pena de negativação do nome do devedor no SPC não configura dano moral passível de indenização". nº 313. Boletim nº 74 Danos morais . Tendo o devedor pago dívida em duplicidade.Rec. ao saber do erro cometido pelo sistema de cartão de crédito. solvendo o débito na loja onde fez a compra.Conta corrente . inexistindo o dano.Rec.Juíza Yeda Athias de Almeida .Rel. Débito excessivo em conta corrente de valor de cheque emitido. mormente se esta.Improcedência do pedido.Duplicidade de cobrança .Configuração "Indenização por danos morais .Fixação . por conseqüência. em nada contribuindo para o fomento do comércio.97 a empresa credora envie o carnê para pagamento de prestação após seu vencimento.Indenização . Sendo o fomento do mercado de hortifrutigranjeiros a principal atividade da CEASA/MG. Recurso provido em parte".

(Turma Recursal de Cataguases . passível de reparação pecuniária de meros aborrecimento e situações desconfortáveis pelas quais as pessoas estão suscetíveis a passar no cotidiano.Fornecimento de água . Juiz Alexandre Quintino Santiago . nº 015304032889-7 . ainda mais quando o ato imputado como ilícito não é praticado diretamente contra a pessoa que requer indenização por danos morais. Boletim nº 78 Danos morais .029621-9 .Sentença mantida". Boletim nº 78 Danos morais .Comprovação da quitação da dívida .Rel. nº 702.04. Boletim nº 71 . nº 153. Não decorre lesão moral.Presunção de constrangimento .Indenização .135530-0 Rel. (Turma Recursal de Cataguases .Boletim nº79 Danos morais .Rel.Restabelecimento do fornecimento de água . (Turma Recursal de Ipatinga .Rec.Recusa de caucionar o valor .Contas não pagas . nº 131.04. Boletim nº 75 Danos morais . Entendimento já assentado nos Tribunais Superiores”.Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino .Quantum "A indenização por danos morais deverá ser nem tão grande que se converta em fonte de enriquecimento.Fornecimento de água .Pedido liminar .Rec.Indenização por danos morais . Juiz Alexandre Quintino Santiago)." (1ª Turma Recursal de Uberlândia .150339-3 .237-9 Rel. Boletim nº 76 Danos morais .04.Sentença mantida".Pedido de liminar "Ordinária .Indenização por danos morais .Pedido julgado parcialmente procedente .98 "O quantum fixado a título de danos morais deve ser fixado dentro dos princípios da razoabilidade e proporcionalidade.Contas não pagas até a data do corte .Indenização .Rec.SERASA .Pedido de liminar .Rel.Pedido julgado improcedente .Contas não pagas "Ordinária .Não configuração "Indenização por danos morais .Restabelecimento do fornecimento de água . (2ª Turma Recursal de Betim . (Turma Recursal de Ipatinga .Rec.28/04/04).Dano não configurado . Juiz Vinícius Gomes de Moraes).nº 200/03 .Indenização .Dever de indenizar.Ilegalidade da manutenção do nome do consumidor no cadastro do SERASA Desnecessidade de comprovação de prejuízo . Juíza Daniella Nacif de Sousa).Rec. nem tão pequena que se torne inexpressiva". Juíza Yeda Monteiro Athias).Improcedência do pedido.19/11/03). Deve ter caráter punitivo e educativo de modo que não produza enriquecimento ilícito de uma das partes".Contas não pagas até a data do corte . nº 313.Indenização por danos morais .Mero aborrecimento .Manutenção do nome “Juizado Especial Cível .

Entendimento já assentado nos Tribunais Superiores”.Indenização .Inscrição do SERASA . não se podendo mais discutir a autoria e materialidade dos fatos.Quitação da dívida “Juizado Especial Cível . A manutenção do nome do consumidor no cadastro do SERASA.Cobrança indevida “Juizado Especial Cível .Suspeita de furto . Juiz Edison Magno de Macedo).nº 194/03 .Habilitação fraudulenta de linhas telefônicas . aquela sentença criminal tem força vinculante.Suspeita de furto .Presunção de constrangimento .Injúria . Boletim nº 76 Danos morais . pois ela deveria verificar a veracidade dos dados do solicitante do serviço.Rel.Força vinculante "Cível . (1ª Turma Recursal de Uberlândia Rec.Cobrança de contas indevidas .Excesso na ação dos seguranças .Indenização .Crime de injúria .Responsabilidade da prestadora de serviços de telefonia .Ocorrência . que é presumido. (2ª Turma Recursal de Betim . A manutenção do nome do consumidor no cadastro de inadimplentes por si só causa constrangimento e gera o direito à indenização por dano moral. Responde a empresa concessionária prestadora de serviços da telefonia fixa pelos prejuízos resultantes da indevida inscrição do nome do consumidor no SERASA.Sentença criminal . e havendo pedido no âmbito cível de indenização pelos danos morais advindos da conduta delituosa.Indenização .Culpa caracterizada .Inteligência do art.136092-7 .Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino . Boletim nº 71 Danos morais .Indenização .Indenização por danos morais .Serviços de telefonia .Dever de indenizar. habilitou conta telefônica utilizando-se do CNPJ de outrem. por si só.Condenação no juízo criminal Vinculação da sentença crime . já que a habilitação não fora feita por este.Procedência do pedido.Indenização .Ilegalidade da manutenção do nome do consumidor no cadastro do SERASA Desnecessidade de comprovação de prejuízo . Não há que se discutir culpa da empresa de telefonia pela cobrança indevida de contas telefônicas. imprescindível a prova da culpa.Dever de indenizar. que é presumido”. causa constrangimento e gera o direito à indenização por dano moral.Loja . 935 do CC/2002 . já que os prejuízos causados na esfera subjetiva do ofendido decorrem . Tendo ocorrido a condenação do requerido no juízo criminal por crime de injúria.Indenização por danos morais.Dever de indenizar.Danos morais . mas por terceiro de má-fé que.19/11/03). (2ª Turma Recursal de Betim .Consumidora abordada na porta da loja .Valor "Indenização por danos morais . tendo em vista que a dívida já foi paga. Para que se configure o cabimento da indenização por danos morais. pena de se ferir a coisa julgada".Culpa .nº 175/03 . Boletim nº 71 Danos morais . fraudulentamente.Presunção de constrangimento .SERASA .99 Danos morais .Comprovação da quitação da dívida .Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino -19/11/03). nº 04.

Boletim nº79 Danos morais . automaticamente se extingue e. considerando que a indenização não se presta apenas para minorar o sofrimento da vítima.Impossibilidade de conhecer novas provas em sede recursal . proporcionalmente ao grau de culpa. devendo atingir o patrimônio do causador do dano com o intuito salutar e moderado de propiciar a sua reflexão e de evitar a sua reincidência em circunstâncias análogas".Art.Nome no SPC e SERASA .Negativa de crédito .Juíza Maria das Graças Ribeiro . substituindo a anterior.Sob pena de preclusão . ao porte financeiro das partes e às peculiaridades do caso.00 é suficiente para a reparação dos danos sofridos pela recorrida. Porém. A irresignação da ré/recorrente não . as restrições e encargos incidentes. nº 024. Boletim nº 72 Danos morais . devida a indenização por danos morais. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).Acessório da dívida extinta. Responsabilidade civil caracterizada. nº 242/04 .000.Extinção da anterior . Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino). Provimento parcial para decotar a condenação em juros de mora".Boletim nº79 Danos morais . na medida em que é responsável pelo comportamento negligente. 183 do CPC Condena-se a recorrente em custas e honorários advocatícios. Contraindo o credor nova dívida. Fixação do dano moral nos limites da razoabilidade. constrangimento.12/11/03).Responsabilidade civil "Ação declaratória de inexistência de débito. sendo que esta relação não se inclui na exceção prevista no parágrafo único do artigo 927. mas.Indenização "Juizado Especial Cível . também. com a mesma.381666-9 .Produção .Provas devem ser produzidas na audiência de instrução e julgamento .Mantém-se a condenação . Constatado o comportamento negligente da recorrente.Aplicação subsidiária do art. humilhação perante os demais clientes da loja. sob pena de restar caracterizada a obrigação de indenizar.099/95 .Rec.04. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . advindo do fato danoso. mas levando-se em conta que não pode ser fonte de enriquecimento ilícito. Dever de indenizar o dano moral. Negativa de crédito. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Novas provas . não se justificando a mantença do nome do devedor pela dívida extinta nos bancos de dados do SERASA e SPC. A condenação à reparação por danos morais deve ser fixada em termos razoáveis. pois seus seguranças agiram de forma excessiva quando abordaram a recorrida. Indenização por danos morais.Rec.Momento “Danos morais .Novação da dívida . tenho que o valor de R$2.Indenização por danos morais .Novação da dívida .Rel. Recurso a que se dá provimento parcial. para penalizar a ré. 28 da Lei nº 9. (2ª Turma Recursal de Betim . independentemente da existência do dano.Rel.Dever de cancelamento .100 justamente da relação entre a conduta culposa e o dano. somente para reduzir o valor da condenação para R$2. causando-lhe transtornos. Consumidor cujo nome não se encontra inserido no SPC/SERASA. como acessórios. nº 136/03 . desconforto. Comprovação do dano ao consumidor.000.SPC e SERASA .00".Rec.

Boletim nº79 Danos morais .04.099/95. que revele o animus injuriandi ou caluniandi do jornalista. Recurso conhecido e não provido. Condena-se a recorrente em sucumbência. Constitui. que é a audiência de instrução e julgamento. o exercício abusivo do direito-dever de informar.16. está precluso o direito da ré/recorrente em produzir provas a destempo. Pelos documentos acostados à inicial.20/11/03). passível de compensação pecuniária.381693-3 . pois os argumentos e provas. sob a falsa promessa de que receberia. um veículo. Boletim nº 75 Danos morais . em curto prazo.550-0 . a responsabilidade das empresas ora demandadas é solidária.Condenação "Veiculação de informações e propaganda enganosa. nº 153. na medida em que não é quantificável e decorre exclusivamente de ato que venha a violar a esfera patrimonial moral do indivíduo. O dano material prescinde da comprovação de prejuízo. Boletim nº 71 Danos morais . como já dito.Propaganda enganosa . verba honorária em razão da sucumbência (artigo 55. O fato de a recorrente somente ter recebido a quantia de R$150.099/95). aplicado subsidiariamente.Responsabilidade solidária entre a empresa de capitalização e a corretora .00.Recurso a que se nega provimento. que deve nortear a celebração dos contratos. uma satisfação para compensar os transtornos sofridos. pois. conforme imposição do art.Rel. Ausentes os elementos culpa ou dolo. à recorrida.Condenação por danos morais .Proteção ao crédito . da Lei nº 9. no percentual de 20% do valor da condenação".nº 179/03 .Rel.Não há dever de indenizar se a empresa que inscreve o nome do . (Turma Recursal de Cataguases . Perante o consumidor. independentemente de declaração judicial.Dever de indenizar "Somente configura ofensa à honra. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes)..Estelionato . restou devidamente comprovado que a recorrida pagou a quantia de R$550. 28 da Lei nº 9. o que configura propaganda enganosa e atenta contra o princípio da boa-fé objetiva. § 2º.Rec. por ela apresentados.Dever de restituição dos valores pagos .Inscrição . conforme determinação do art.Lesão a consumidor .Estelionato . No caso de testilha. para tanto.Lesão a consumidor . referente à boleta acostada à f. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Juiz Mauro Lucas da Silva). Assim. 183 do CPC. que não foram feitos no momento próprio. título de capitalização.101 pode prosperar. não a exime da obrigação de ressarcir integralmente a consumidora lesada. na verdade. pois foi vencida”. são inovações em sede de recurso. restou demonstrado que o corretor representante da recorrente ofereceu. a empresa de capitalização e a corretora são solidariamente responsáveis pelos serviços e produtos que oferecem.Indenização "Indenização por danos morais .Ofensa a honra . (2ª Turma Recursal de Betim .Rec.00. não ocorre o dever de indenizar por danos morais". nº 024.Ausência de negligência pela recorrente Comprovação da diligência .Juiz Wauner Batista Ferreira Machado .029.04.

nº 313. Juiz Fábio Torres de Sousa). nº 313.Rec. visando desestimular novas condutas idênticas . Valor de indenização compatível com o dano e o grau de culpa.Telefonia "Comprovada a rescisão contratual pela entrega do aparelho celular à empresa de telefonia.04. (Turma Recursal de Ipatinga . Cessionário de caução-endosso ou caução-mandato. Empréstimo contraído por terceira pessoa. Juiz Ronaldo Claret de Moraes).04.Negado provimento ao recurso Condenação em custas e honorários".Protesto .SERASA . Juiz Ronaldo Claret de Moraes).Boletim nº79 Danos morais . Inclusão do nome de correntista no cadastro do SPC e SERASA.Rec. desde que dê ao autor oportunidade para suprir a omissão.Inscrição indevida . que apenas obedece às instruções do mandante quanto ao protesto do título.Rescisão contratual . Preliminar que se deve ser alegada na contestação. Boletim nº 78 Danos morais .A fixação de danos morais deve ter finalidade compensatória e punitiva.24/03/04). nº 04/131289-0 . Preliminar de ilegitimidade ativa não acolhida e de ilegitimidade passiva do banco cessionário acolhida. Recurso conhecido e provimento negado". Juiz Walner Barbosa Milward de Azevedo .Ação de anulação . Título de crédito entregue a banco para simples cobrança.Culpa "Culpa do recorrente comprovada pela não transferência do veículo a tempo e modo devidos . (3ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . Necessidade da pessoa jurídica demonstrar ser microempresa para ingressar como autora no Juizado Especial Cível. (Turma Recursal de Ipatinga .137386-8 . Obrigação de indenizar (art. Boletim nº 74 Danos morais .Legitimidade "Ação de anulação de protesto cumulada com danos morais. Ilegitimidade passiva do banco mandatário.Indenização devida . Havendo provas nos autos de que a recorrente agiu com a devida diligência.Rec.131.Obrigação de indenizar "Danos morais. Culpa e danos caracterizados. nº 154/03 Juiz José Luiz de Moura Faleiros .17/12/03).250-2 Rel. Recurso adesivo do autor com provimento negado". usando documentos do autor. Código Civil).Rel. se ocorrida.Transferência de veículo . indevida a inscrição do nome do consumidor junto aos órgãos de proteção de crédito que.Rel. 187. descabe a indenização". (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Falta de cuidados necessários para evitar o fato. Possibilidade do juiz apreciar a questão de ofício.Rel.SPC .102 autor nos órgãos de proteção do crédito for vítima de estelionato. Boletim nº 72 .Rec. gera o dever de indenização por danos morais". Decisão de mérito mantida contra um dos réus. (Turma Recursal de Ipatinga . nº 04189-3 .Rec.Boletim nº79 Danos morais .

Juíza Patrícia Vialli Nicolini . Boletim nº 73.Universidade particular . tal entendimento deve prevalecer em respeito à autonomia dos contratantes. nº 015/03 .Boletim nº79 Danos morais .Defensor Público .Provimento ao recurso.Advogado particular "Trânsito em julgado .381935-8 .Rec. injustificadamente. é competente a Justiça Estadual para conhecer e julgar o pedido.Competência da Justiça Estadual . deve ser considerado válido. (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. Designado Defensor Público para a defesa do direito buscado pela parte. caso atuasse no feito desde sua instauração. que poderá apresentar recurso pelo restante do prazo que lhe teria sido atribuído. Tendo sido pactuados juros em modalidade superior aos limites legais. se o pagamento foi feito diretamente no setor financeiro da universidade. Débito em conta . a ré-matrícula para o próximo ano letivo".103 Danos morais . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Ocorrência. Mesmo na vigência de cláusula contratual que estabelece como único meio de pagamento da mensalidade escolar o boleto bancário. nº 150567-9/04 .Pagamento .Responsabilidade .Trânsito .Cobrança de mensalidade já quitada . (Turma Recursal de Passos .Pagamento diretamente ao setor financeiro da instituição .Juros .Danos morais .30/03/04).Autonomia dos contratantes "Ação declaratória de inexistência de débito em face de financeira . Cabível a indenização por danos morais. em razão da negativa da Universidade em dar por quitada dívida já paga pela aluna.Rel.Desnecessidade . Manifestado desinteresse do Defensor em recorrer. não havendo norma legal que o impeça. Desnecessária a majoração do quantum arbitrado a título de danos morais quando sua fixação em primeiro grau atendeu aos parâmetros aplicáveis à espécie.Recurso a que se nega provimento. Juiz Edison Magno de Macêdo).Limites legais .Descumprimento da liminar não verificado .Local "Universidade particular .cláusula contratual que dispõe como única forma de pagamento o boleto bancário .Majoração do quantum indenizatório .Alteração de código . tal disposição contratual deve prevalecer".Validade . encerrando-se a discussão acerca do contrato firmado entre as partes.Ausência de intimação pessoal do Defensor Público Tempestividade do recurso apresentado por advogado particular . e ainda. por lhe negar.Rel. o prazo recursal somente tem início a partir de sua intimação pessoal.Erro . Tratando-se de contrato de prestação de serviços educacionais com Universidade particular. A prova do alegado descumprimento da liminar é imprescindível para a fixação da multa correspondente.Rec. Recurso a que se nega provimento".Rel. Juiz Evandro Lopes da Costa Teixeira).04. faculta-se a contratação de advogado particular.Inteligência da Súmula 34 do STJ .Abusividade configurada . e por esta recebido.Boletim nº79 Débito . nº 024.

da Lei nº 9. tendo aquela assumido a responsabilidade pela coleta. 10 da citada Lei.Oportunidade "'Impõe-se a anulação de decisão que não oportuniza a parte produzir prova do alegado fato constitutivo de seu direito. Ilegitimidade de parte que não se reconhece porquanto a negociação ocorreu entre recorrente e recorrido diretamente.099/95". despesas processuais e honorários advocatícios do recorrido. conforme art. sentença.Intervenção de terceiros .Rec. Boletim nº 74 .23/03/04).Rel. Juiz Carlos Roberto de Faria). nº 243795-4 . Boletim nº 73. emitindo o documento. e para condenar a recorrente ao pagamento das custas.Não cabimento . ex vi do art. revela que não precisava daquela nomeação para apresentar as contra-razões e assim.140977-9 Rel. que. Denunciação à lide .Rec. confirma-se a sentença por seus próprios fundamentos". caput. (Turma Recursal da Comarca de Passos . Recurso a que se nega provimento. Juiz Juarez Raniero .Rel. Boletim nº 78 Defensor dativo .Rec.Anulação . nº 062/2004 .Compensação de dívida entre credor e devedor distintos Impossibilidade . mantendo-se in totum a r. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).Recurso a que se nega provimento. A prova pericial é desnecessária. altera o código ou erra na emissão do mesmo. 55. apresentadas estas quase dois meses após aquele pedido.Tempestividade "Se o recorrido comparece à Secretaria pedindo nomeação de Defensor dativo para apresentar contra-razões e depois constitui Advogada. não importando em nome de quem foi passado o veículo.Questão exclusivamente de direito Desnecessidade de prova pericial .Contra-razões .104 "Nas operações de débito em conta. não permitindo o débito". A celeridade pretendida pelo legislador na Lei nº 9. transporte e pagamento do leite. não há como tê-las como tempestivas. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Isso porque não há lugar para compensação quando se trata de credores e devedores distintos. No mérito. (Turma Recursal de Passos .Questão de direito "Denunciação à lide . Juiz Guilherme Sadi). o estabelecimento bancário não é responsável por erro da parte contratante. nº 313.Prova . Súmula: Recurso inominado conhecido e provido".Rel. fixados em vinte por cento sobre o valor corrigido da causa. pois a questão deduzida em juízo é exclusivamente de direito.04.099/95 fez com que vedasse a possibilidade de intervenção de terceiros.Advogado . não pode deixar de repassar o preço do produto aos produtores rurais para compensar dívidas assumidas pela cooperativa da qual são filiados.Boletim nº79 Decisão .Rec. nº 068/03 . (Turma Recursal de Ipatinga . Firmado o convênio administrativo operacional entre a recorrente e a Cooperativa Regional. consistindo em se verificar se a recorrente é a responsável pelo pagamento do preço do leite ao recorrido.

nos termos do disposto no artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor.Restituição devida.Prova .Falta de preparo . isto é. pois os documentos apresentados somente comprovam o que já estava explícito. Recurso a que se dá provimento para anular a sentença e julgar extinto o processo sem julgamento de mérito.Avaria em computador . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. nº 024. portanto. inciso II. É deserto o recurso cujo preparo não foi feito nas quarenta e oito horas seguintes à sua interposição.Rel.Indenização "Avarias em microcomputador em razão de descarga elétrica .Rel.105 Depósito . Recurso a que se nega provimento".Rec.099/95". Sentença mantida.Teoria do risco .Teoria do risco . na realidade.Boletim nº79 Deserção . 42.Indenização . modificativo ou extintivo do direito do autor. o rito estabelecido pela Lei do Juizado é incompatível com a realização de prova pericial. Aplica-se no presente caso a teoria do risco.Responsabilidade .750. que houve falha na prestação de serviços compete ao recorrente a obrigação de restituir o valor que não foi creditado na conta corrente do cliente. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).099/95 e tampouco requerida Justiça gratuita no decorrer do processo.Lançamento a menor .Deserção por falta de preparo. ou seja.Prova . da Lei nº 9. independentemente de intimação. criar um risco de dano para terceiros. A alegação do recorrente de que ocorreu. deve ser obrigado a repará-lo. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).00. Constatado. A inversão do ônus da prova não elide a necessidade da perícia. equivoco de seu empregado no momento de digitar a quantia a ser lançada. pois há necessidade de conhecimento técnico específico a exigir prova pericial para se saber se a placa-mãe do microcomputador do recorrido foi avariada em decorrência do fato alegado. Havendo deserção. o ônus da prova incumbe ao réu quanto à existência de fato impeditivo. não merece respaldo.Custas e honorários "Recurso . ao invés de lançar R$7.00 digitou R$4. nos termos do artigo 31. Desse modo.381514-1 . ou se ela ocorreu por outro motivo. sendo que.Ausência de prova de fato desconstitutivo do direito . nº 024. através de sua atividade. que estabelece que aquele que. pois tal inversão não retira o direito da parte à prova para se eximir da responsabilidade que o recorrido lhe quer imputar.Lançamento a menor na conta corrente .Boletim nº79 Descarga elétrica . nos termos do artigo 333 do Código de Processo Civil. ou seja. A sentença deve ser anulada.Restituição devida "Depósito . ainda que sua atividade e seu comportamento sejam isentos de culpa.450. § 1º. segundo inteligência do art.04. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . é devido pagamento somente de custas processuais. da Lei nº 9. Não .04.381506-7 .Sentença anulada.Cemig Necessidade de prova técnica . que não há equivalência alguma entre o número do depósito efetuado pelo recorrido e aquele lançado na mesma data. de modo que a sentença não pode subsistir. falha no sistema elétrico.

267.Impossibilidade "Incompetência do Juizado Especial . Boletim nº 74 Desistência . a indenização ex post".Cumulação de pedidos . inciso III . Boletim nº 72 Despejo . Boletim nº 73.Inadimplência . que julgando improcedente o pedido contraposto. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). SPC etc.Uso próprio . Cadin.Rec. como derivativo do princípio da razoabilidade. fato esse que não ocorreu.503. nº 043/2004 . Boletim nº 78 Devedor . há de servir como norte na análise das situações jurídicas. (Turma Recursal de Cataguases .Rec. Dever de indenizar .Ação de despejo apenas para uso próprio. não é devido pagamento das custas processuais e honorários advocatícios".Indeferimento "Não tendo sido comprovados os pressupostos ensejadores do dever de indenizar.Presença .29/10/03).Rel.Impossibilidade de cumulação de pedidos . conforme contido no artigo 3º. do Código de Processo Civil".Tolerância .Rel.Rec.Juíza Maria Luiza Santana Assunção . (Turma Recursal de Cataguases .Pressupostos . Juíza Patrícia Vialli Nicolini). nº 153.Rec.609 . Boletim nº 78 Direito de propriedade . Boletim nº 76 . nº 153 04 029802-5 .041.Rec.Rel Juiz José Luiz de Moura Faleiros). (Turma Recursal da Comarca de Passos . mantendo incólume o julgado a quo". (3ª Turma Recursal de Uberlândia .106 conhecido do recurso face a deserção. correta a decisão que homologa a desistência extinguindo o feito nos termos do art.Parte requerida . nº 702.Extinção do processo "Se a parte requerida presente na audiência de instrução e julgamento não se manifestar expressamente sobre o pedido de desistência formulado pelo autor. § 4º. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Deferido o pedido de Justiça gratuita .Rec. é a comprovação da inadimplência deste.Indenização "A tolerância. nº 134/03 .29/04/04). Juiz Edison Magno Macedo .Pedido contraposto . nº 135846-7Rel. como consectário não inarredável. deve-se ser confirmada a sentença monocrática. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Condenação do recorrente em custas e honorários suspensa". indeferiu a pretensão indenizatória". fulcrado na legislação civil e. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Inscrição em banco de dados "O que autoriza o credor a inserir o nome do consumidor no cadastro do banco de dados do Serasa.Rel. do direito de propriedade. ressalvando.04.031846-8 . pelo que a procedência do pedido inicial se impõe.Negado provimento ao recurso .

Rec.Alienação "Não se exime a embargante de provar fato relevante para o deslinde da questão. incidente a ressalva do art.Rec.029.Penhora .544-3 Rel. Juiz Mauro Lucas da Silva).Rel.029586-4 .Fato relevante . declarando subsistentes a penhora efetivada. Boletim nº 76 Embargos . mantendo-se a sentença monocrática por seus próprios e jurídicos fundamentos”. Boletim nº 75 . Recurso provido".Rec. 350.discussão do negócio subjacente. Boletim nº 71 Embargos . (Turma Recursal de Passos . uma vez que os bens constritos no auto de penhora não estão abrangidos pelas exceções da Lei nº 8. Juarez Raniero e Guilherme Sadi .Prova “Não tendo o recorrente comprovado o pagamento integral da dívida que possui com o recorrido.Execução fiscal .Rel. permanece perene título executivo.Rel.Pagamento integral .embargado.Vv "Embora os cheques tenham tido origem em negociação entre as partes.Pagamento .Ação executiva .04.Cheque .04/11/03). do Código Civil.Rec. III.23/03/04). Voto vencido: Embargos à execução . tratando-se de sub-rogação legal.Exceções da Lei "Julgados improcedentes os embargos opostos. Dívida .Sub-rogação "Se o recorrente pagou dívida do recorrido a fim de livrar seu imóvel da penhora realizada em execução fiscal movida contra empresa da qual o recorrido era sócio. Juízes Patrícia Vialli Nicolini.embargante demonstrado de forma clara e insofismável o descumprimento da avença pelo exeqüente . qual seja. (Turma Recursal de Cataguases . devendo a execução ser declarada nula". nos termos do art.009/90". Restando comprovado que os títulos exeqüentes se encontram vinculados ao negócio originário entre as partes e que o credor não cumpriu sua parte na avença. Boletim nº 73. (Turma Recursal de Passos . que à época da alienação a citação válida dos devedores para os termos da ação executiva ainda não se concretizara".Origem . Juiz Carlos Frederico Braga da Silva . sub-roga-se nos direitos do credor (Fazenda Pública) e. deve a execução prosseguir até a completa satisfação daquela . nº 153. 2ª parte. Recurso não provido.Citação . do mesmo código. não tendo o executado . nº 018/04 .Recurso a que se nega provimento. (Turma Recursal de Cataguases . Boletim nº 75 Embargos a execução . (Turma Recursal de Passos . nº 182/03 .27/04/04). Juiz Vinícius Gomes de Moraes).nº 135/03 .107 Dívida . os títulos carecem de certeza e exigibilidade. nº 153.04. 346.Juiz Guilherme Sadi .

24/10/03).Juiz Rubens Gabriel Soares . fora dos casos legais.16/12/03). (Turma Recursal de Ipatinga .108 Embargos a execução .04. Omissão e contradição inexistentes.Juiz Ronaldo Claret de Moraes .Trânsito em julgado "Execução de título judicial.Modificação . Prosseguimento dos atos executórios". b. Embargos a execução. que esteia embargos declaratórios. contradição.Rec.Descabimento "Processo civil. 52. O juiz não está obrigado a responder todas as alegações das partes.Fase de conhecimento "Se o réu é revel na fase de conhecimento. não há como na fase de execução pretender. Motivo da decisão que despreza alegações impertinentes. Nulidade reconhecida. 48. mas não para que se adeque a decisão ao entendimento do embargante. nº 024. se existentes. Boletim nº 72 Embargos a execução . A contradição. nem se obriga a ater-se aos fundamentos indicados por elas e tampouco a responder um a um todos os seus argumentos.Rec.994. Juiz Maurílio Gabriel Diniz).Título judicial .071837-3 . dúvidas. quando já tenha encontrado motivo suficiente para fundar a decisão. (4ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Boletim nº 76 Embargos de declaração . Lei nº 9. da Lei nº 9. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Matéria transitada em julgado. caput. nº 024.03.Revelia . rediscutir o título executivo judicial que deu origem àquela.099/95". Além disso.04. levando à sua alteração".Rel. Impossibilidade.Alegações impertinentes . nº 024.Acórdão . inciso IX. é a que ocorre entre duas afirmações do acórdão.Confirmação de sentença "Descabem embargos de declaração contra acórdão que confirmou sentença por seus próprios e jurídicos fundamentos se contra esta sentença não foram igualmente interpostos embargos declaratórios".944-1 . nº 312/03 .Rec. letras a. e não a que contradiz prova ou afirmação da parte e decide aplicando o direito de forma oposta à tese do embargante.293320-0 . Juiz Maurílio Gabriel Diniz).Impossibilidade "Os embargos de declaração não se prestam a modificar o acórdão. Os embargos declaratórios só se justificam a esclarecer. c e d.Rel.Acórdão . Embargos de declaração. (4ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Boletim nº 72 Embargos de declaração . Nova decisão extinguindo o feito. omissão ou dúvida do julgado. Processo decidido anteriormente. a matéria dos embargos a execução está circunscrita ao disposto no art.Rec.099/95). Boletim nº 76 Embargos de declaração . salvo se existente obscuridade. . omissões ou contradições no julgado (art.

Esta Turma Recursal.Rec. inclusive a verba do advogado que teve de contratar para recorrer.Contradição inexistente .099/95 "Embargos de declaração . simplesmente por emulação. 48 da obscuridade.099/95.Sucumbência do recorrido vencido na Turma Recursal Artigo 55 da Lei nº 9.Rejeição . Não constituem os embargos declaratórios instrumentos adequados à reforma da decisão combatida".Decisão . o que eventualmente adiantou.099/95. Boletim nº 71 Embargos de declaração . Boletim nº 73. está a respaldar o princípio da celeridade do procedimento.Boletim nº80 Embargos de declaração .Juiz Juarez Raniero 04/11/03).Rel. ao advertir o recorrente de que será condenado nos ônus da sucumbência se ocorrer. vem decidindo que o artigo 55 da Lei nº 9.Alteração “Através de embargos de declaração. (Turma Recursal de Passos .Ônus da sucumbência "Embargos de declaração . Boletim nº 72 Embargos de declaração .Rec. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. portanto de embargos que vá. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . nº 109/03 . Juiz Paulo Balbino).Rel. 48 da Lei nº 9. . (1ª Turma Recursal de Uberlândia . restituindo ao vencedor que acreditou e provou sua tese. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). Na forma do art. para protelar a execução do julgado. pretendendo reabrir discussão sobre o julgado".382056-2 .109 Embargos a que se nega provimento".13/11/03). 48 da Lei nº 9. nº 071869-6 .Decisão . Juiz Veiga e Oliveira).293606-2 .Embargos a que se nega provimento.Boletim nº79 Embargos de declaração . Quando não configuradas as hipóteses previstas pelo art. Embargos rejeitados”.04.Reforma da decisão Inadequação.nº 074/03 .Reforma . Embargos a que se nega provimento". omissão ou dúvida não se conhecendo. além disso. não se altera a decisão por entender o embargante que tenha sido ela injusta. aquele dispositivo legal não veda a condenação do recorrido sucumbente a arcar com o ônus do processo em sede recursal.Inocorrência .04. mais ainda se pretende trazer explicações a respeito de conduta anterior. Por outro lado. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . por maioria.099/95 . os embargos de declaração devem ser rejeitados.Juíza Yeda Athias de Almeida . evitando assim em jurisdição do Juizado Especial.Art.Rec.Descabimento. nº 024. a interposição de recurso. 48 da Lei nº 9. que deveria ter sido deduzida quando de contra-razões de recurso não apresentadas.Matéria alegada não contemplada pelo art.099/95 .Omissão .Contradição inexistente . contradição. nº 024.Rejeição "Embargos de declaração . princípio constitucional da igualdade das partes no processo.Rel.

Rel.Omissão .Efeito infringente . portanto.Reforma da decisão Inadequação. cabendo.Recurso intempestivo".Prazo . nº 026/04 . 50 da Lei nº 9. a imposição de multa de 1% (um por cento) sobre o valor da condenação.Embargos de declaração intempestivos . (4ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. Juiz Maurílio Gabriel Diniz).Modificação do julgado "Não se modifica julgado.Rec.Rel. a ser revertido em benefício da parte adversa".Recurso . Juiz Jorge Paulo dos Santos).Inocorrência "Embargos de declaração .24/03/04). Boletim nº 74 Embargos de declaração .04.Ciência da sentença "Contagem de prazo a partir da ciência da sentença . nº 024.029562-5 . contado da intimação da sentença". Boletim nº 76 . (1ª Turma Recursal de Betim . no Juizado Especial. Boletim nº 76 Embargos de declaração . (Turma Recursal de Cataguases . Quando não configuradas as hipóteses previstas pelo artigo 48 da Lei nº 9.Omissão . Juiz Mauro Lucas da Silva).Rec. Rejeitados os embargos quando pretender modificar o decidido". devendo ser reconhecido como mecanismo de protelação.243493-6 .Rec.Fundamentos "Será cabível a interposição de embargos de declaração quando.Prazo . os embargos de declaração apenas suspendem o prazo para apresentação de recurso.Rec.Interposição .Contagem . Intempestivo é o recurso interposto no Juizado Especial Cível após o decurso do prazo de dez dias.Rejeição . Boletim nº 76 Embargos de declaração . após o julgamento dos embargos de declaração.099/95. Não constituem os embargos declaratórios instrumentos adequados à reforma da decisão combatida". este se restitui por tempo igual ao que faltava para a sua complementação.382041-4 . quando não se vislumbra defeitos que possa embasar. nº 0024.Suspensão "Estipula o art. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .04. (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Rel.110 Embargos de declaração .099/95 que.Inocorrência da interrupção de prazo recursal .04. Juiz Armando Conceição Vieira Ferro . Juiz Paulo Balbino).Inocorrência . o que implica dizer que.Boletim nº79 Embargos de declaração . houver obscuridade. os embargos de declaração devem ser rejeitados.Rel. na sentença ou acórdão.Rel. nº 144/03 . nº 153. contradição ou omissão. via embargos de declaração.

nº 135/03 .Rec.Joemilson Donizzeti Lopes . restam os dias que lhe sobejarem". como determina o art. da Lei nº 1. Discussão sobre insuficiência de provas. Boletim nº 72 Embargos de declaração . Boletim nº 74 Embargos de declaração . necessidade de declaração. (1ª Turma Recursal de Betim . os mesmos ocasionam a suspensão do prazo do recurso.Rec.008885-1 . ou seja. Deserção .Verba honorária . nº 200/03 . Boletim nº 78 . I. dúvida. que em nenhum momento declarou estar desenvolvendo graciosamente o mister. Juiz Renato Luís Dresch).Rediscussão do mérito . Inadmissibilidade de rediscutir o mérito. obscuridade ou contradição.Metodologia utilizada "Processual Civil.Constituição desde a propositura da ação .Rel. Embargos a que se nega provimento". nº 024.Rejeição. pois inexiste exame do mérito.Rel.Não cabimento . indevida a condenação do recorrente em honorários advocatícios. para fins de concessão de assistência judiciária.Boletim nº79 Embargos de declaração .Advogado particular .Ausência de exame do mérito .Verba honorária . Juíza Sandra Eloísa Massote Neves).Não havendo omissão. Assim.Rec. Desde o início do processo.Quantum exequendo . e este não declarado estar trabalhando de forma graciosa. § 4º.Inadmissibilidade "Embargos de declaração. que são os vícios que se corrigem mediante embargos declaratórios.Patrocínio gratuito. Justificativa do Contador Judicial sobre metodologia utilizada para apuração do quantum exeqüendo .Inexistência da recontagem do prazo. (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete .04. o prazo não recomeça a fluir em toda a sua inteireza. nº 027.293491-9 .Recurso intempestivo .Suspensão .Deserção "Embargos de declaração .Rec. por não se prestarem os embargos para perquirição sobre metodologia de cálculos judiciais".04. o que vale dizer que os dias já decorridos não serão recobrados. 45. não há se falar em concessão da gratuidade judiciária". Julgado deserto o recurso interposto. Presunção de condomínio nos bens móveis. Juiz Francisco Eclache Filho). Embargos de declaração.Prazo recursal .10/12/03). (1ª Turma Recursal de Uberlândia . não se admite o recurso. não cabendo rediscutir o mérito da decisão".Rel. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Não cabimento "Embargos de declaração . II. Para interposição do recurso principal.060/50. esteve o recorrente acompanhado de procurador. tendo o recorrente contratado advogado particular.111 Embargos de declaração .Suspensão do prazo do recurso . Os embargos de declaração caberão quando houver obscuridade no acórdão.Recurso intempestivo . Em se tratando de embargos de declaração interpostos contra sentenças prolatadas nos Juizados Especiais.

nº 159/03 . (Turma Recursal de Passos . Juiz Renato Luís Dresch). Os embargos prestam-se a esclarecer. Os embargos só se prestam a corrigir omissão. Boletim nº 71 Embargos de declaração . consoante dispõe o art.Tramitação processual . contradição ou dúvida no julgado. Juiz Juarez Raniero). se existente.Fundamentação . por força do art 46 da Lei nº 9.Inadequação "Embargos de declaração .Rec. . Boletim nº 78 Embargos de declaração .099/95. Sua utilização com este fim denota caráter protelatório e enseja a aplicação da multa prevista pelo art.04/11/03).Rel.Sentença .Rec.Desnecessidade "Embargos declaratórios. (Turma Recursal da Comarca de Passos .04. nº 029/2004 . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . omissões ou contradições no julgado e não para adequar a decisão ao entendimento do embargante Embargos a que se nega provimento”. (Turma Recursal de Passos . do Código de Processo Civil". Em razão da simplicidade e informalidade que orientam o Juizado Especial.Rel. parágrafo único. nº 024. nº 071.099/95".Juiz Guilherme Sadi .Inadequação .Utilização "Direito processual. não há necessidade de fundamentar especificamente todos os aspectos jurídicos do litígio. havendo confirmação de sentença monocrática. Súmula: Embargos declaratórios não conhecidos". Embargos de declaração.Rec. Embargos rejeitados".Ausência de questionamento "Não tendo havido qualquer questionamento durante toda a tramitação do processo e mesmo à Turma Recursal nos dois recursos julgados.243519-8 .Reforma da decisão .Reforma da decisão .Argumentos “O Juiz ou o Tribunal não está obrigado a responder todas as alegações argüidas pelas partes.112 Embargos de declaração .529-6 . incabível o recurso ora utilizado.Fundamentação . 538. o primeiro anulando a sentença e o segundo dando parcial provimento. Boletim nº 73.Sentença . não sendo cabível para modificar o teor daquele. Boletim nº 78 Embargos de declaração . Boletim nº 72 Embargos de declaração . 48 da Lei nº 9. nem se obriga a ater-se aos fundamentos indicados por elas e tampouco a responder um a um todos os seus argumentos.Juiz Paulo Balbino). Inexistindo qualquer omissão no acórdão guerreado. a respeito de quebra de sigilo bancário. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Não constituem os embargos declaratórios instrumentos adequados à reforma da decisão combativa.Rec. Juiz Guilherme Sadi).Caráter protelatório Multa. obscuridade. dúvidas.nº 109/03 . quando já tenha encontrado motivo suficiente para fundamentar a decisão. Fundamentação de sentença que confirma a sentença. inexiste omissão qualquer na decisão proferida. Desnecessidade.Rel.

pois o fato dela estar patrocinada pela Defensoria Pública não tem o condão de suprimir a decisão judicial. que são os três vícios que se corrigem mediante embargos declaratórios. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Erro material . Boletim nº 72 Embargos declaratórios . por não se prestarem os embargos ao simples reexame da causa". nº 04150466-4 . Juiz Joemilson Donizetti Lopes). determinar a correção do percentual referente aos honorários advocatícios para vinte por cento (20%) sobre valor da condenação".Boletim nº79 Embargos de declaração . nº 04150485-4 . omissão ou obscuridade. A justiça gratuita não se presume.113 Embargos de declaração . não sofrendo. Reexame da causa.Presunção "Improcedentes os embargos de terceiros.Rec. Juiz Joemilson Donnizetti Lopes). Embargos de declaração. (Turma Recursal de Cataguases . em favor do exeqüente possuidor". omissão ou obscuridade. Embargos de declaração.Reexame da causa "Processual civil. não se admite o recurso. .Error in judicando . haja vista a dificuldade do estabelecimento da presunção de propriedade do bem móvel em favor do embargante. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. podendo o bem ser adjudicado. assim. por não se prestarem os embargos ao simples reexame da causa".Rel.Reexame da causa "Processual civil.Rel. Reexame da causa. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Boletim nº 76 Embargos declaratórios . não se admite o recurso. que são os três vícios que se corrigem mediante embargos declaratórios.Existência "Embargos acolhidos para. nº 024. Não havendo contradição. a interposição de recurso inominado por Defensor Público não exime de requerer a assistência judiciária.071.03. Embargos não conhecidos.Vícios inexistentes .04.Assistência judiciária "Embargos declaratórios não são o instrumento adequado para modificar decisão que se vislumbra error in judicando. declarando a existência de erro material no acórdão embargado. Se a recorrente não estava sob o pálio da justiça gratuita na primeira instância.Propriedade . deve ser requerida pela parte e deferida pelo Juiz.Juiz Rubens Gabriel Soares .030647-1 Rel.Vícios não existentes . A concessão de justiça gratuita é ato jurisdicional. turbação ou esbulho na posse dos seus bens por ato de ação judicial.453-9 .21/11/03).Boletim nº79 Embargos de terceiros .Rec. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Não havendo contradição. Recurso subscrito por defensor público não exime da parte fazer o preparo se a Justiça gratuita não foi requerida. nº 153.Rec.

A . Estando fundamentada a decisão inexiste omissão. Juíza Yeda Monteiro Athias). Inexistindo qualquer omissão.Inocorrência "Embargos declaratórios .A inexistência de contradição.04. nº 024.Decisão fundamentada "Embargos declaratórios.Modificação do acórdão "Embargos declaratórios . Decisão fundamentada rejeição. Recurso não conhecido". A contradição para embargos deve dizer respeito a aspectos da decisão.Omissões . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Inexistência .04. nº 205/04 .Rec.Rec. Vício de omissão. (Turma Recursal de Passos . (Turma Recursal da Comarca de Itajubá .Utilização dos embargos como meio de obter novo julgamento. Juiz Renato Dresch).293449-7 .114 A ausência de requerimento nas razões recursais é motivo para não se conhecer do recurso em razão de sua deserção.Boletim nº79 Embargos declaratórios . os embargos declaratórios devem ser rejeitados".Obscuridade. contradição ou obscuridade. nº 069/03 . Inocorrência.Inocorrência "Embargos declaratórios. Quando não configuradas as hipóteses previstas pelo artigo 48 da Lei nº 9.Rel.Rec. o que não se admite na vida eleita".16/12/03).Rec. sobretudo quando é possível identificar-se nítido propósito de modificação do acórdão embargado. Juiz Selmo Sila de Souza 29/04/04). acolhe-se os embargos declaratórios.Juiz Carlos Frederico Braga da Silva .Embargos rejeitados". com ré-análise da matéria já apreciada. nº 024.Rel.Omissões .099/95. impõe-se a rejeição liminar dos embargos declaratórios interpostos. nº 702. para que o julgado seja completo. contradição e omissão . que seja favorável ao embargante Impossibilidade. Rejeição. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Boletim nº 78 Embargos declaratórios .04.Boletim nº79 Embargos declaratórios . obscuridade ou omissão impõe a rejeição dos embargos .Omissão .Rel.Verbas da sucumbência "Havendo omissão no acórdão.243284-9 .150626-3 Rel.Intenção . Embargos declaratórios não se prestam a reformar decisão sob a alegação de existência de error in justificando.Omissão no acórdão .Inocorrência . Boletim nº 72 Embargos declaratórios . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Rejeição . Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). Boletim nº 75 Embargos declaratórios .Rec. no sentido de suspender a exigibilidade das verbas da sucumbência".

04. e juros de mora de 12% ao ano.Vistoria . O Juizado Especial é competente para conhecer do pedido uma vez que não há necessidade de conhecimento técnico específico a exigir prova pericial. (artigo 19.Seguro . nº 293317-6 Rel.Boletim nº79 .472/97).382252-7 . como entendeu o Juízo a quo.099/95 é de celeridade. de forma que se aplica. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Seguro . indispensável a sua participação como parte na lide. a contar do seu efetivo desembolso. Empresa privada . como também é a norma inserta no artigo já mencionado. contrato de seguro e de adesão. Juiz Rubens Gabriel Soares).Inversão do ônus da prova . não tem o condão de invalidar o recurso. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . no presente caso. do Código de Processo Civil. já que a questão prescinde de dilação probatória devido à existência de prova pré-construída. de dois mil.Ônus da prova . nº 024.Vistoria realizada .Efeitos infringentes à decisão . de forma que o fato de ter sido protocolado em Juizado Especial diverso. Não cabem embargos declaratórios para discutir contradição com disposição de lei". conforme se consta no documento da fl.Rec. Com razão o embargante ao alegar que não há competência discriminada entre o Juizado Cível e o de Relações de Consumo.Legitimidade "A recorrida é empresa privada prestadora de serviços públicos de telecomunicações e tem seus serviços apenas regulados pela Anatel . segundo o disposto no artigo 14 da Lei nº 8.Prestação serviço público . por preposto da recorrida.472/97). de forma que o conheço. Isto porque a mens legis da Lei nº 9.Regulamentação . para anular a sentença e julgar parcialmente procedente a ação. 'o fornecedor de serviços responde independentemente da existência de culpa. o que permite o Juízo ad quem julgar o pedido.Dever de indenizar . pela reparação dos danos causados aos consumidores por defeitos relativos à prestação dos serviços'. informalidade e utilidade prática do provimento jurisdicional.Rel. sem dúvida. é prova suficiente para demonstrar sua obrigação.508-0 .Sentença caçada. Boletim nº 72 Embargos declaratórios . VII. estes a partir da citação".Rec.Rec. Aplica-se subsidiariamente o art. não sendo.Indenização "Embargos declaratórios conhecidos . Boletim nº 73.Juiz Renato Dresch). bem como homologar reajustes. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Recurso a que se dá provimento parcial. dando efeitos infringentes aos embargos declaratórios. o que compete à Telemar". no caso. até porque. da Lei nº 9.Agência Nacional de Telecomunicações (artigo 8º da Lei nº 9. 20. o Código de Defesa do Consumidor. nº 03. O contrato celebrado entre as partes é.071. corrigida monetariamente. quatrocentos e oitenta e dois reais e vinte e dois centavos. § 3º. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).078/90. A vistoria feita no veículo e a glosa substituição de peças. Compete à Anatel controlar e proceder a revisão das tarifas desses serviços.115 contradição para autorizar embargos declaratórios deve dizer respeito a aspectos da fundamentação ou da parte dispositiva. 515.

Boletim nº 78 .Ação de cobrança Descabimento .Confissão de dívida que deve prevalecer . à exceção da matrícula. Indenização devida". Impõe-se a retenção da matrícula dada sua finalidade de remunerar os custos administrativos empregados para sua própria realização".Rec.A cobrança de juros acima da taxa legal caracteriza agiotagem.Nulidade de título "Declaração .Recurso inominado "Exceção de pré-executividade parcialmente acolhida . Boletim nº 72 Estabelecimento de ensino . Dessa forma. capaz de descaracterizar o título de crédito dado em garantia. (Turma Recursal de Passos .293882-9 .Morte de frangos . Não se conhece do recurso.04/05/04). Boletim nº 76 Endosso-mandato . Boletim nº 74 Exceção de pré-executividade . Juiz José Maria dos Reis).Indenização "Falha no fornecimento de energia elétrica. o que se está a impugnar é decisão interlocutória e o recurso próprio para tanto é o agravo de instrumento.Juros extorsivos .04.Nota promissória prescrita . deve pagar o valor com juros legais e correção monetária a partir da data do empréstimo.Enriquecimento sem causa . sob pena de enriquecimento sem causa". por falta de amparo legal. nº 433/03 .Não conhecimento do recurso inominado.O endosso mandato não transfere ao banco sacado a propriedade do título".Rec. uma vez que a decisão que acolheu parcialmente a exceção de pré-executividade não pôs fim ao processo. Boletim nº 78 Energia elétrica .Ilegitimidade passiva do mandatário . (1ª Turma Recursal de Divinópolis . havendo confissão do devedor de que contraiu empréstimo em dinheiro e não provando que pagou. Todavia. incabível no rito da Lei nº 9.Juiz Jorge Paulo dos Santos).Rel. Aprovação em exame vestibular de instituição diversa. Manifestado o interesse do consumidor em rescindir o contrato firmado com instituição de ensino ante a aprovação no exame vestibular de outra universidade. Recurso não conhecido".Juiz Juarez Raniero 16/12/03). é devida a restituição dos valores pagos a título de parcelas da semestralidade.116 Empréstimo . Devolução apenas do valor pago a título de mensalidade.Rel.Rec.Cobrança . Morte de frangos por falta de refrigeração.04. ou seja. (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . não é sentença. Matrícula em estabelecimento de ensino.Rec.Nulidade de título . nº 027.099/95.08880-2 . (1ª Turma Recursal de Betim Rec. quando não comprovada a efetiva fruição dos serviços educacionais. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).Confissão de dívida "Cobrança de juros extorsivos . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Falha no fornecimento . mas sim decisão interlocutória. Desistência. nº 151/03 . Matrícula.Matrícula . nº024. Retenção. nº 243294-8 .Decisão interlocutória .Rel.Decisão interlocutória . Juiz José Afrânio Vilela .Devolução "Consumidor.

Objeto único na residência .Impenhorabilidade. A norma contida na Lei nº 8. § 1º.Embargos do devedor .Bem de família .009/90 . É pacífico o entendimento de não se penhorar televisor quando este. Juiz José Aluísio Neves da Silva). (1ª Turma Recursal de Betim .Cheque .Rel. certificado através da certidão do Oficial de Justiça.Arquivamento "Exceção de suspeição . evitando a penhora sobre bens estritamente necessários ao funcionamento do lar. Segurança concedida para determinar a manutenção da penhora sobre o bem e posterior prosseguimento da execução até o leilão".Rec. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .009/90 visa resguardar a dignidade da família. sendo o de avalizar a dívida. Lei nº 8.Impenhorabilidade "Execução .117 Exceção de suspeição .Causa debendi Ônus da prova .099/95.Boletim nº79 Execução .Prova "Execução por título extrajudicial .Nota promissória .Televisão .Aval . devendo prevalecer a penhora sobre ela realizada". é considerada bem supérfluo. A prova de que a emissão do cheque exeqüendo teve como causa debendi atos de agiotagem praticados por seu beneficiário é ônus do executado.Rec. nº 212/03 . o tanquinho de lavar roupa e a televisão são impenhoráveis.16/12/03). Juiz Jorge Paulo dos Santos).Penhora mantida . qualquer expressão.Rejeição .Rec. Boletim nº 74 Execução . uma vez que não se caracterizam pela suntuosidade.Juiz Guilherme Sadi . (Turma Recursal de Passos Rec. já que outro significado não teria tal assinatura. da Lei nº 9. tendo em vista que o mesmo traz aos moradores um mínimo de conforto possível".13/11/03). A assinatura aposta no verso da Nota Promissória caracteriza o aval.Ausência dos motivos previstos dos artigos 134 e 135 do CPC Rejeição .Garantia dívida. (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete . dentre elas a alienação judicial do bem. devendo ser julgados improcedentes os embargos do devedor se não comprovada nenhuma irregularidade formal do cheque.Arquivamento determinado".Embargos do devedor .Juiz Edílson Magno de Macêdo .Alienação judicial "Não tendo o executado apresentado embargos à execução na audiência prevista no art. nem a realização de negócio jurídico que tenha maculado a sua emissão. 53. dispensando-se para tanto.009/90. nº 008790-3/04 Rel.Nota promissória . A antena parabólica.Aval . é o único aparelho existente na moradia familiar. ao contrário. é direito do credor requerer ao Juiz a adoção de uma das alternativas do § 2º do mesmo artigo supra citado.Lei nº 8. Boletim nº 72 Execução .Impenhorabilidade . nº 141/03 . nº 130/03 .Assinatura verso .Título extrajudicial . O fogão. a geladeira. ou tendo aqueles sido julgados improcedentes. Boletim nº 72 .

Rel.Não julgamento do mérito .Não cabimento em face da inexistência de dúvidas acerca da relação jurídica .358. nº 131/03 .Rel. Juiz Selmo Sila de Sousa). Sentença mantida.Juiz José Luis de Moura Faleiros .Rec. Boletim nº 72 .Rel. Apelo não provido".12/11/03). sem julgamento de mérito.Complexidade da matéria .Boletim nº79 Extinção do processo .Ausência da parte "Extinção do processo sem julgamento do mérito pelo não comparecimento da parte Medida correta.Necessidade de prova pericial Extinção do processo sem julgamento do mérito. (2ª Segunda Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Analisar questão totalmente técnica com amparo em meros depoimentos testemunhais gera evidente afronta ao princípio constitucional da ampla defesa por não permitir que o fornecedor produza prova pericial apta a comprovar que a ausência do dano e do nexo causal entre os serviços por ele prestado e os alegados defeitos.Inexistência de impedimento à pretensão da autora . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . ambos do CPC .Rec. apesar de ter sido intimado pessoalmente.Complexidade da matéria .Supressão de instância "Extinção do processo sem julgamento do mérito incorreta . Boletim nº 72 Extinção do processo . inciso V. Juiz Veiga de Oliveira).Sem julgamento de mérito .Rec. nº 121/03 .041.Boletim nº79 Extinção do processo .118 Extinção do processo . extingue-se o processo sem julgamento do mérito.Turma Recursal de Itajubá . nº 294. Juiz José Luiz de Moura Faleiros) Extinção do processo .678/04 .Rec. Extinção do processo. Exigindo a questão posta em julgamento prova pericial técnica para elucidação dos fatos. ainda mais quando o juízo aguarda o prazo mencionado pela legislação . (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Impossibilidade de enfrentamento meritório pela 2ª Instância sob pena de supressão de instância . pois foram criados para julgamento de causas simples e de menor complexidade.723 .Prova pericial "Juizado Especial Cível .Sem condenação em custas e honorários". nº 702.Juiz José Luis de Moura Faleiros .Determinação judicial não cumprida "Determinação judicial não cumprida pelo autor.Sem julgamento de mérito "Ação declaratória .Negado provimento ao recurso". Recurso que se conhece e se dá provimento para extinguir o processo sem julgamento do mérito". (Rec.Negado provimento ao recurso".183-1 . inciso I e 295.Extinção sem julgamento de mérito com fundamento nos artigos 267. nº 021. (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Autor . uma vez que os Juizados Especiais não possibilitam a produção de tal prova.12/11/03).

A fiança terá a mesma duração do contrato ao qual está vinculada. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). (Turma Recursal de Cataguases . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Rec. Boletim nº 72 Financiamento .Rel. nº 153.Consumidor .12/11/03).119 Falta de habilitação .Cobrança . Fornecedor . põe.Exoneração .Marco da data . sob pena de lesão ao direito do consumidor". (2ª Turma Recursal de Uberlândia . conforme provas dos autos". a qual inexistiu Recurso provido para retroagir a exoneração da fiança à data do término do contrato".Duração . efetivamente.Momento "Fiança . Não há que se falar em cobrança de tarifa bancária não contratada pelo consumidor.Manobra arriscada .Perigo de dano configurado Condenação mantida.Rel.Informações "É dever do fornecedor manter o consumidor adequado e permanentemente informado sobre todos os aspectos da relação contratual.Tarifa bancária não contratada .Rec. durante todo o período em que perdurar a relação contratual". a incolumidade pública.Rel.Provas "Para proceder a revisão do faturamento e conseqüentemente a apuração do valor devido.Aplicação do Código de Defesa do Consumidor .Exoneração .Juiz José Luis de Moura Faleiros . deve prevalecer o marco da data em que a concessionária passou a verificar a diminuição do consumo do recorrido. (Turma Recursal de Cataguases . Eventual cobrança de tarifa deve ser tratada específica e expressamente no contrato.Perigo de dano ." (1ª Turma Recursal de Betim .Rec. somente sendo possível sua ampliação mediante expressa anuência do fiador.Revisão .04. Boletim nº 73. nº 032/04 . nº 129/03 .030. gerando perigo de dano e caracterizando o delito apontado pelo artigo 309 do CTB.Rec.Termo de Cessão de Financiamento de Leasing .Relação contratual . nº 071649-2 . Conduzir motocicleta em uma só roda. Boletim nº 75 Fiança .Cobrança .Rel.Configuração "Dirigir veículo sem habilitação .Rec.Cláusulas genéricas "Recurso . empinando-a em via pública. Juiz Fernando Caldeira Brant). em risco.Provimento negado. Interpretação das cláusulas contratuais da forma mais favorável para o consumidor quando estas forem genéricas.Tarifa bancária .638-0 . Juíza Daniella Nacif de Sousa). Boletim nº 76 . Juiz Jorge Paulo dos Santos).032589-3 .04. Boletim nº 78 Faturamento . nº 153.Incabível .

§ 3º. nº 243483-7 . mormente quando há comprovação de que o pretenso mandatário assumiu pessoalmente obrigação pela devolução do valor recebido".Rec. Sentença mantida".Rel. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec. Pedido formulado apenas em sede recursal.Deserção "Consumidor. Inexiste ofensa ao princípio consumerista da informação quando o consumidor comprova que já se utilizava há tempos dos serviços ora em discussão e pelos quais efetuava o pagamento mensal de forma regular. conforme estabelece o art 14. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Ônus da prova .Contrato particular .681 . (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . comprovante da outorga do mandato. Gratuidade de Justiça.Indenização "Indenização. nº 04. Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro).04/05/04). Prova testemunhal e boletim de ocorrência. O boletim de ocorrência constitui mero princípio de prova.Arras "Contrato particular de compra e venda de imóvel .078/90.120 Fornecedor .293734-2 .Pedido em sede recursal . Veículo estacionado em estacionamento privativo de shopping.ônus da prova .Indenização .Rel.Devolução das arras Falta de comprovação de representação do credor por quem recebeu . Comprovação efetiva do furto. Juiz José Afrânio Vilela .Rec. não há que se falar em responsabilidade da empresa de telefonia.Rescisão .Impossibilidade.Arrependimento unilateral .Rel. menor.Rel. Recurso não provido. Boletim nº 78 Gratuidade de justiça . Comprovação do dano. nº 702. Comprovada a culpa in vigilando do autor quanto às ligações realizadas por sua filha. exigindo. A carência financeira da parte que constituiu advogado desde a peça do ingresso deve ser nela suscitada.Responsabilidade objetiva. Boletim nº 76 Imóvel . II.Contrato .Rescisão . Juiz Wagner Wilson Ferreira). da Lei nº8.358. Furto de pertences deixados no interior do veículo. Boletim nº 74 Imóvel .Estacionamento de shopping . junto com o recibo. Deserção. Boletim nº 78 Furto em veículo .041.Rec.Culpa in vigilando "Fornecedor . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . O fornecedor de serviços pode eximir-se de sua responsabilidade objetiva provando que o serviço prestado possui a garantia e segurança esperadas.Compra e venda . Recurso a que se nega provimento". Juiz Edison Magno de Macedo). A culpa pelo fato deve ser exclusiva do consumidor.Compra e venda . O pedido de justiça gratuita não pode ser formulado apenas para eximir do preparo recursal".04. sob pena de não poder exigir do mandante a repetição do que pagou. Quem efetiva o pagamento a mandatário deve certificar-se de que tem ele poderes para receber em nome do credor.136038-0 .Responsabilidade . nº 024. da culpa e do nexo de causalidade.

tais como registro de marcação do terreno.Rescisão .Juiz Jorge Paulo dos Santos).Obrigação de restituir todas as parcelas recebidas.Boa-fé "Não se pode aplicar o art.Rel.24/03/04). (1ª Turma Recursal de Betim . Juiz Edison Magno de Macedo). Boletim nº 74 Indenização . Boletim nº 78 . Defeitos nas instalações hidráulicas. Tendo o adquirente firmado contrato para aquisição de um terreno.135900-2 .Arrependimento unilateral .04.Rel. Locação de imóvel para fins comerciais. Boletim nº 75 Imóvel . tornando-se irrelevante diante das circunstâncias fáticas".Obrigação de indenizar as perdas e danos devidamente comprovados.ao conserto das instalações. havendo desistência do negócio. (Turma Recursal de Cataguases .Reforma em imóvel alheio . nº 027.Rec.647. nº 04135876-4 . Inércia da locatária em pleitear a rescisão contratual ou proceder .Rec. Recurso não provido". (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .Descumprimento por parte do vendedor Rescisão .Locação comercial . culpa e nexo de causalidade. Boletim nº 78 Indenização . a boa-fé argüida por quem ergueu reforma em imóvel dito alheio continua não influindo na solução da questão apresentada.Rec.Enriquecimento ilícito .Rec.219 . Desse modo.Rel. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . Juiz Vinícius Gomes de Moraes).009054-3 . Juiz Edison Magno Macedo .121 "Contrato de compra e venda de imóvel . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Contrato de compra e venda . além da multa contratual. é possível a decretação da rescisão contratual se ficou comprovada que a empresa vendedora não cumpriu com sua parte no contrato". e já tendo pago todas as parcelas. Indenização indevida. Nos contratos de compra e venda de imóveis com pagamento do preço parceladamente. nº 702.Ressarcimento "Indenização .Descumprimento . 1255 do CC de forma isolada aos demais fatos descritos nos autos. registro do contrato etc.030. Ausência de dano.Rec. ITBI. descontando os gastos nos aluguéis futuros.Danos . taxa de avaliação. nº 04. desde que comprovadas nos autos.Restituição "Contrato de compra e venda de imóvel . aquele que desistiu tem a obrigação de suportar as despesas obrigatórias para o aperfeiçoamento do contrato.Ressarcimento "Ressarcimento de danos. Responsabilidade civil não caracterizada.às suas expensas .Rel.19/05/04). ajustada esta ao limite de 10% sobre o montante pago". Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro .Desconto em conta corrente e não repasse dos valores ao credor Ressarcimento devido pena de enriquecimento elícito". Alegação de danos à atividade comercial. Boletim nº 76 Imóvel . nº 015304032757-6 .

Fins sociais da lei .Indenização baseada na repetida ocorrência do evento . nº 366/04 . nº 124/03 . de um lado.Faculdade do Juiz "É facultado ao Juiz estabelecer o quantum da indenização conforme preceitua a lei ao dizer que o juiz adotará em cada caso a decisão que reputar mais justa e equânime.Valor .Rec. 461. simplicidade.029.Telefonia móvel "Prestação de serviço de telefonia móvel . Boletim nº 73.04. informalidade.Direito de defesa . sob pena de multa diária no valor de R$ 500.Reiteração de conduta . eis que a recorrente agia de modo reiterado. Boletim nº 73.Culpabilidade do réu "No momento de fixação do quantum indenizatório. (3ª Turma Recursal de Uberlândia . Não provido o recurso.Rel. nos termos do art.122 Indenização . o montante não seja irrisório. as formas a serem exigidas devem ser suficientes apenas para possibilitar o direito de defesa. Juiz Mauro Lucas da Silva). nº 201636-0 . as conseqüências do ato e a condição social e financeira das partes para que. atendendo aos fins sociais da Lei e as exigências do bem comum".Declaração da seguradora "Ação de indenização .099/95". (Turma Recursal de Cataguases .Sentença reformada em partes.Rel. Não havendo prejuízo para a defesa não pode haver indeferimento da inicial". (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . A declaração deve ser emitida no prazo de 48 (quarenta e oito) horas. Boletim nº 74 Indenização . Boletim nº 75 Indenização . .Prestação em desacordo com a propaganda anunciada .A indenização deve seguir os parâmetros de inibição de novas condutas e extensão do dano causado.Rec. Boletim nº 72 Inicial .Rel.Rel. (Turma Recursal de Cataguases .Veículo recuperado sem perda total . para determinar que a seguradora em conformidade com o quanto declarou nos autos emita a declaração de que o veículo foi recuperado sem reconhecimento de perda total. (Turma Recursal de Ipatinga . o juiz não pode perder de vista o grau de culpabilidade do réu. No mais confirmada a sentença nos termos do art.29/10/03).Prejuízo . nº 153 04 029234-1 .Rec. Juiz Renato Dresh). do Estatuto Processual Civil.Valor . Formas processuais apenas para atender ao direito de defesa. No juizado especial.Rec.Rec. e do outro.00 (quinhentos reais). causando maior indignação aos indenizados. 46 da Lei nº 9. nº 153. Indenização . Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães). prejudicando seus clientes". § 3º e § 4º.31/03/04). contados da data da intimação.Não caracterização "Inépcia da inicial. não se traduza em locupletamento indevido a estes". economia e celeridade.492-5 . Juiz Fábio Torres de Sousa .Juiz Luiz de Oliveira .

Boletim nº 76 .Exame "O nosso ordenamento jurídico consagrou o princípio da persuasão racional.030306-4 .Rel.04/11/03).Rec.nº 146/03 . não há que se falar em nulidade do julgamento hostilizado".Provas .04.Juiz Juarez Raniero . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . (Turma Recursal de Cataguases .Juiz Juarez Raniero .Pedido previdenciário .04.123 Inscrição indevida .Serviços telefônicos “Inscrição indevida em órgão de proteção quando já cancelado contrato de prestação de serviços telefônicos. Boletim nº 71 Instituição bancária .Defesa indireta . como examinado na decisão ora atacada.Convencimento . nº 153. Estando o réu desde o início assistido pela Defensoria Pública e não comparece a audiência.Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). inciso II.Rec. Juiz Rubens Gabriel Soares). desde que baseado nos elementos probatórios demonstrados nos autos".Rec. Valor reduzido.Advogado do Réu "Regra geral reputa-se válida a intimação para a prática dos atos e termos processuais feita ao advogado do réu. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). (Turma Recursal de Passos .Prova de fato .505-7 . nº 153. (Turma Recursal de Cataguases .Encargo do réu "Pela dicção do art.Rel.04. Recurso parcialmente provido”. incumbe ao réu a prova da existência de fato impeditivo. 333. Boletim nº 78 Intimação . nº 015304033357-4 .04/11/03).Competência “Ao Juizado Especial Estadual falece competência para processamento do pedido de benefício previdenciário do INSS”. no entanto. concluindo que o recorrido não teve qualquer participação nos fatos que pudessem causar danos a recorrente".Validade . (Turma Recursal de Cataguases .Responsabilidade "Nenhum ato ilícito foi praticado pelo Banco.Rel.Ato ilícito .nº 143/03 . nº 024.243.029597-1 . do Código de Processo Civil.Liberdade .Rec. Boletim nº 76 Inversão do ônus . Boletim nº 78 Juiz . pelo qual o Juiz formará o seu convencimento com liberdade no exame das provas. modificativo ou extintivo do direito do autor".Órgão de proteção . Indenização devida. (Turma Recursal de Passos . Boletim nº 71 INSS .Regra geral .

Danos morais .Erro quanto ao lançamento de conta .Fase recursal . por exemplo.Sucumbência .Retirada de relógio medidor pela CEMIG .Impossibilidade se a recorrente contratou advogado particular. (Turma Recursal de Itajubá .Impossibilidade se a recorrente contratou advogado particular.Revelia .Valor da causa "Juizado Especial Civil. Concessão dos benefícios da justiça gratuita apenas para recorrer . como.23/12/03). Recurso deserto”.Benefícios . Quem age pelas próprias mãos fora dos casos previstos por lei.Fase recursal . causando dano a alguém. fica obrigado a reparar. legítima defesa.Rec. nº 217/04 . assim quando a parte já mantinha advogado no feito. como autora.Não se admite a concessão da justiça gratuita tão somente para fins de recorrer.Rec. O valor fixado pelo juiz atendeu aos princípios pertinentes à espécie. Recurso não conhecido". Juiz José Maria dos Reis .Retirada de relógio medidor "Revelia conhecida . e a sentença merece ser mantida".Rel. Boletim nº 75 Justiça gratuita . com procuração nos autos e não solicita a gratuidade. Não se concedem os benefícios da assistência judiciária gratuita em fase recursal. resultando em dano moral a ser reparado. (2ª Turma Recursal de Betim .18/11/03). nº 453/03 .Fase recursal . a parte.Forma de coibir ao pagamento de conta em atraso . (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Juiz Selmo Sila de Souza 29/04/04).Procedência do pedido . nº 228/04 . Boletim nº 74 Justiça gratuita .Advogados com procuração nos autos “Juizado Especial Cível . A atitude da recorrente foi ilícita e causou grande repercussão na comunidade local. Boletim nº 74 Justiça gratuita .nº 177/03 Juiz Dirceu Walace Baroni .Rel. em causa superior a vinte salários mínimos.Indenização por danos morais devida .124 Julgamento antecipado .Inteligência do art. Em caso de não conhecimento. em causa superior a vinte salários mínimos. Juiz Selmo Silva de Souza . Não se concedem os benefícios da assistência judiciária gratuita em fase recursal.Ato ilícito . contratou advogado para intentar o pedido inicial.Rel. 20 da Lei nº 9.Valor fixado dentro do princípio de razoabilidade.25/03/04).099/95 . Recurso não provido".Rec. Boletim nº 71 Justiça gratuita . Impõe-se o julgamento antecipado da lide quando a parte demandada regularmente citada não comparece à sessão conciliatória e nem a AIJ.Fase recursal "Juizado Especial Civil. não esforço imediato. Concessão dos benefícios da justiça gratuita apenas para recorrer . como ocorreu no presente caso. configurado. se. se a parte contratou advogado para propor pedido inicial. comete ato ilícito e. (Turma Recursal da Comarca de Itajubá . não é devido à sucumbência recursal.Julgamento antecipado da lide .

Fase recursal "Não se acata pedido de gratuidade formulado apenas na interposição de recurso.Preparo .Rel. Juiz Rubens Gabriel Soares). nº 024. (1ª Turma Recursal de Divinópolis . nº 007/04 . (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . (2ª Turma Recursal de Betim .Pagamento antecipado de VRG e descaracterização do contrato . É defeso ao requerente postular diretamente à Turma Recursal.125 "Juizado Especial Cível . não é devido sucumbência recursal". sem ter formulado tal pleito na inicial.Recurso .03/12/03).060/50. Impossibilidade . Direito da parte vencedora em 2º grau na restituição pelo Estado das custas pagas".Não se admite a concessão da Justiça gratuita tão somente para fins de recorrer.Rec.04.099/95)". Cível. Justiça gratuita .Rec.Rel. configurado assim quando a parte que já mantinha advogado no feito com procuração nos autos e não solicita a gratuidade.O pagamento antecipado do VRG não descaracteriza o contrato de leasing.Pagamento antecipado .Rel. § 1º. desde o início do feito.As parcelas pagas .Sucumbência "Embargos declaratórios. (Turma Recursal de Passos . Deserção. Justiça gratuita .Requerimento . nº 202/03 . nº 153/2001 .Rec. Ônus da sucumbência indevido. Para obter benefício da justiça gratuita deve a parte apresentar o requerimento inicialmente ao Juiz singular do Juizado Especial. a deserção é automática (art 42.Súmula 293 "Leasing . 12 da Lei nº 1. representado por procurador particular. Beneficiário de Justiça Gratuita. Juiz Carlos Frederico Braga da Silva .STJ .381469-8 . Boletim nº 73.Momento processual "Direito processual.Pedido . Juiz Núbio de Oliveira Parreiras . sendo mister que se observe o grau de jurisdição da instância revisora e se evite que o requerimento se transforme em burla do sistema que impõe a condenação nos consectários da sucumbência". Juiz Dirceu Walace Baroni).Rec.Rel. da Lei nº 9.Rel. Restituição de parcelas. Execução na forma do art. Ônus da sucumbência. conforme disposto pela Súmula 293 do Superior Tribunal de Justiça.Descaracterização . ausente ele. Em caso de não conhecimento.23/03/04). tendo o recorrente sido. Recurso não conhecido".Deserção "Se a parte não está litigando sob o pátio da Justiça gratuita. Boletim nº 78 Justiça gratuita . Boletim nº 74 Leasing .Rec. (Turma Recursal da Comarca de Passos . Boletim nº 73. Recurso. Juiz Juarez Raniero). nº 054/2004 . o preparo do recurso é pressuposto de sua admissibilidade e. Parte vencedora em 1º grau que não recorreu. Boletim nº 78 Justiça gratuita .

Condenação do recorrente em custas e honorários no importe de 20% Suspensão da execução.03. Boletim nº 75 Linha telefônica . a parte autora não é obrigada a demandar todos os litisconsortes.07/05/04).Rel. podendo acionar somente um deles. O fato de a Constituição Federal prever o direito de regresso da pessoa jurídica de direito público contra o servidor responsável pelo dano.Pólo passivo .Cobrança indevida Indenização .Rel. com o mesmo número.Cobrança indevida "Faturas anteriores à assinatura de uso de linha telefônica .505. Legítima ação manejada somente contra o servidor público. Juiz Juarez Raniero).Rescisão .060/50".Rel.Devolução dos valores pagos adiantadamente. Constando do contrato que os valores a título de aluguel foram pagos antecipadamente.Boletim nº79 Lei dos Juizados Especiais .Mudança de endereço . deve arcar com o valor devido pelo não uso do terminal durante o tempo de recusa.Rec.Legitimidade "Não sendo litisconsórcio necessário.Negativa de instalação "Negando a Telemar instalar linha telefônica em outro endereço. inovando na concepção normal da sentença. nº 313. nº 005/04 . vale dizer. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). embora não negando a possibilidade de fazê-lo. nº 153. as despesas feitas e o mais que de direito for devido a empresa arrendante. Boletim nº 76 Linha telefônica .Devolução dos valores "Contrato de locação . e o bem é apreendido.126 em contrato de leasing. Juiz José Américo Martins da Costa . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . serão utilizadas para cobrir a depreciação da coisa. (Turma Recursal de Cataguases .04.Contrato .Boletim nº79 Locação .Sentença confirmada". não impede que este seja acionado direta e isoladamente.Rescisão por culpa do locador .Rel. pois a rescisão dera-se por culpa do locador que . (Turma Recursal de Ipatinga . Boletim nº 78 Litisconsórcio .Rec. (1ª Turma Recursal de Betim .Princípios . nº 702. Recurso parcialmente provido". da Lei nº 1. (Turma Recursal da Comarca de Passos . Juiz José Luiz de Moura Faleiros). mas facultativo.085204-7 . é correta sua devolução. não havendo espaço que o mesmo denuncie o preponente". quando não se ultima o contrato.029531-0 Rel. pretende-se a solução rápida do conflito de interesses".Culpa do locador . sem a inclusão no pólo passivo da pessoa jurídica de direito público.Rec.Rec. Juiz Carlos Roberto de Faria).Faturas anteriores à assinatura .695 . nos termos do artigo 12.041.Rec.Solução rápida "O espírito da Lei dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais é o da simplicidade e o da informalidade. nº 008/2004 .

30/03/04). tendo em vista a ilegalidade da mesma.Assistência judiciária .Quebra de contrato.Legitimidade da seguradora "Ação de cobrança . se mantém a locação. da Lei nº 8. sem autorização do locatário. Juiz José Aluísio Neves da Silva).Rel.Assistência judiciária . (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . inclusive com pagamento de multa por descumprimento de cláusula contratual".Prorrogação "Se o contrato de locação é escrito. A seguradora é parte legítima passiva na ação em que se discute lucros cessantes decorrentes do sinistro já assumido por ela própria.Rel. II.Rec. (3ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . nº 4492-3 . . nº 206/03 . pois vai de encontro ao disposto no art. é devida a indenização por lucros cessantes. nº 04207-1 . na condição de responsável solidária. Boletim nº 74 Locação .Legitimidade passiva ad causam da seguradora. 787 do CCB". Boletim nº 74 Lucros cessantes . proferida em primeiro grau de jurisdição por Magistrado que atua nos Juizados Especiais. parágrafo único. Reconhecida a culpa do segurado no acidente.Necessária comprovação da insuficiência de recursos Inocorrência . Sublocação . uma vez que o artigo 41 da Lei nº 9.245/91. não se mostra passível de qualquer recurso ordinário ou extraordinário.Acidente de veículo . ainda que haja cláusula contratual estipulando o contrário. parágrafo único.127 providenciara a retomada do bem antes do término do contrato". Locação . 56.099/95 somente contempla a interposição de recurso das sentenças ali proferidas e tampouco se sujeita à modificação pela via correcional.25/03/04). Boletim nº 74 Mandado de segurança . a correspondente irresignação pode ser manifestada através de mandado de segurança. (Turma Recursal de Passos Rec. Sublocar imóvel a terceiro.Oposição . pela seguradora. com indenização já paga diretamente ao terceiro prejudicado.245/91.Não autorização pelo locatário .Rec. Juiz Luis de Oliveira . Boletim nº 73.Insuficiência de recursos "Mandado de segurança contra decisão singular de deserção de recurso inominado Cabimento . I. Juiz Joemilson Donizetti Lopes .24/03/04). nº 024/04 .Rel.Denegação da ordem. (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete Rec.Lucros cessantes por acidente de veículo utilitário . ainda que sob o título de fundo de comércio constitui motivo forte a justificar a quebra de contrato. A decisão que julga deserto o recurso inominado.Ausência de lesão a direito líquido e certo . 56. eventual prorrogação a ensejar responsabilidade do fiador deve ser comprovada por documento nos autos".Contrato escrito . da Lei nº 8.Art.Sublocação "Cláusula contratual contrária à norma legal . Findo o prazo da locação fixado no contrato e não havendo oposição nos trinta dias subseqüentes.Rel. Juíza Patrícia Vialli Nicolini . a teor do art. Por conseguinte.

Inexistência de comprovação de pagamento .Competência "Mandado de segurança . Boletim nº 78 Mandado de segurança .060/50.382213-9 .Audiência de justificação com intimação de terceiro Impossibilidade . Se inexiste comprovação patente do cumprimento da obrigação exeqüente nem da existência da penhora suficiente.Dilação probatória .Extinção do processo .Rel.Ato de Turma Recursal . A turma recursal não tem competência para rever suposto ato ilegal praticado por outra turma recursal. denega-se a segurança.Penhora . A quebra do sigilo bancário por ato judicial é medida excepcional e só ocorre quando o credor tenha esgotado todos os meios de diligência sobre a existência de bens do devedor. Assim sendo. descabe a segurança para impedir a realização da penhora. que indefira.Pedido de quebra de sigilo bancário .Rec.Execução .Boletim nº79 Mandado de segurança . até a integral garantia do Juízo da execução.Recurso nº 8919/04 .Não conhecimento de embargos interpostos.Rel.Embargos "Mandado de segurança ." (1ª Turma Recursal de Uberlândia .04. a prestação de assistência judiciária integral e gratuita pressupõe a efetiva comprovação da insuficiência de recursos. Juíza Yeda Monteiro Athias). da Constituição Federal.04. a respectiva decisão.Rel." (1ª Turma Recursal de Divinópolis . por estar no mesmo grau de jurisdição que a autoridade coatora.Boletim nº79 Mandado de segurança .Incompetência da Turma Recursal.Quebra de sigilo bancário "Mandado de Segurança .Rel. O mandado de segurança não comporta extensa dilação probatória. Não comprovando isto.Execução forçada . o qual não recepcionou o artigo 4º da Lei nº 1. Juiz Adalberto José Rodrigues Filho). Neste contexto. com resultado infrutífero. O pedido de intimação de terceiro que não faz parte da relação jurídica processual em processo de execução forçada. de plano. não tem amparo legal.Interesse de agir . nº 702. Juiz Paulo Balbino). o respectivo pedido. tampouco enseja a concessão de mandado de segurança". nº 22304140654-5 . o artigo 5º deste mesmo texto legal permite ao juiz.Segurança denegada. nº 0024. Boletim nº 78 Mandado de segurança .128 Em conformidade com o disposto pelo artigo 5º. O recebimento de embargos pressupõe a existência de penhora para a garantia do valor da execução. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .150368-2 . por não lesar direito líquido e certo da parte interessada. LXXIV.Não esgotamento de vias administrativas por parte do credor . Juiz José Maria dos Reis).Rec. diante de fundadas razões. (2ª Turma Recursal de Betim . Segurança denegada".Rec.

da petição inicial. Tendo sido determinada.Rel. quais sejam.Rec. 8º da Lei nº 1. Não-cabimento. (Turma Recursal da Comarca de Passos . nº Cível nº 150464-9/04 .Rel. sendo a ordem no mandado de segurança o remédio próprio para afastar a ilegalidade praticada. Juiz Carlos Frederico Braga da Silva).Penhora em conta salário "Mandado de Segurança .533/51". Não deve ser conhecido o mandado de segurança interposto contra acórdão não recorrido da Turma Recursal que considerou intempestivo o recurso inominado apresentado. por não ser caso de mandado de segurança. (Turma Recursal de Cataguases . tem-se por ilegal a constrição efetuada. nos termos do art.Indeferimento "Inexistindo ato ilegal da apontada autoridade coatora.Negado provimento ao recurso Condenação em custas e honorários. Processo extinto sem julgamento de mérito".Conta-salário .Petição inicial .Penhora de pensão e aposentadoria .Rec.Pensão e aposentadoria .129 "Não enseja o remédio constitucional de Mandado de Segurança faltando o interesse de agir e se verificar pela presença de dois elementos.Constrição ilegal . (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . A Turma Recursal possui competência para apreciar mandado de segurança contra decisão judicial proferida no âmbito dos Juizados Especiais. uma vez que não é o caso da impetração do remédio constitucional.Rel. em ação de execução.Rel. nº 702.Turma Recursal .Rel. nº 153 04 029972-6 . Boletim nº 73. 12 da Lei nº 1. através da qual a mesma recebe pensão por morte de seu marido e aposentadoria.Morosidade da recorrente em requerer o benefício . Boletim nº 78 Morosidade da recorrente .Rec. Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães). Mandado de segurança . impõe-se o indeferimento de plano.030. (Turma Recursal de Passos .Improcedência do pedido inicial mantida .24/03/04). Turma Recursal Competência. caberia à parte interessada opor embargos de declaração ou Recurso Extraordinário antes do trânsito em julgado da decisão impugnada.535. nº 035/2004 . Juiz Guilherme Sadi). pois.Não cabimento "Direito processual. a penhora sobre conta da impetrante. suspensão em face do art." (1ª Turma Recursal de Uberlândia .060/50".Ordem concedida.Ausência de ilicitude "Ausência de conduta ilícita da recorrida . Boletim nº 78 Mandado de segurança . necessidade da tutela jurisdicional e adequação do provimento pleiteado.Mandado de Segurança nº 479 04 074512-3 . Boletim nº 74 .380 . Boletim nº 78 Mandado de segurança . Juiz Edison Magno Macedo). nos exatos termos dos fundamentos jurídicos contidos nos enunciados da Súmula 267 e 268 do Supremo Tribunal Federal".Rec. Juiz José Luiz de Moura Faleiros . Mandado de segurança.

Juiz Juarez Raniero).Nota promissória emitida para garantia de serviço de mecânica realizado anteriormente . nº 153.26/11/03).Sinal .Devolução . é da Justiça do Trabalho.Garantia . Boletim nº 72 .029. nº 042/2004 Rel.Oportunidade .04.07/05/04).Preclusão "A nulidade deve ser declarada na primeira oportunidade que a parte tenha para falar nos autos. Recurso provido".Ausência de prova a demonstrar a não responsabilidade da recorrente sobre o valor contido na cártula . (3ª Turma Recursal de Uberlândia . Se as duas partes agiram com culpa.552-6 .Descumprimento .Rec.Rel. por ausência de amparo legal". (1ª Turma Recursal de Betim . sob pena de preclusão.Rec. higiene e medicina.Sinal .Confiança . Perde o sinal os promitentes compradores que desistem do negócio.503.Rec.Boa-fé .Suspensão em face da gratuidade concedida. o vendedor porque omitiu os problemas do carro e o comprador porque negligenciou em não revisar a contento o carro. não se justifica a pretensão de que seja multiplicado por 12 (doze) o valor da mensalidade para fins de execução da verba honorária. nº 154/03 .Rec.Culpa concorrente "Nos negócios jurídicos deve preponderar a boa-fé e a confiança. (Turma Recursal da Comarca de Passos .Emissão em garantia "Comercial .Sentença mantida. Boletim nº 75 Negócio jurídico . a competência para dirimir conflito resultante de descumprimento de normas trabalhistas relativas à segurança.Devolução .617 .Competência .Impossibilidade "Negócio desfeito . Juiz José Américo Martins da Costa .Rec. Boletim nº 78 Nulidade . Juiz Mauro Lucas da Silva). Boletim nº 75 Normas trabalhistas . nº 702.Juíza Maria Luiza Santana Assunção .Procedência do pedido inicial . (Turma Recursal de Cataguases ." (2ª Turma Recursal de Uberlândia .Negado provimento ao recurso Condenação em custas e honorários .Rel.Rel.041.Impossibilidade . nada mais correto fixar a culpa concorrente". quando há no contrato cláusula prevendo arras penitenciais".130 Negócio desfeito . Boletim nº 78 Nota promissória .Justiça do Trabalho "Diante da Súmula 736 do STF. Se o contrato de prestação de serviço não traz valor certo. Juiz José Luiz de Moura Faleiros). nº 111/03 .

robusta e inconteste da lesão moral que alega ter experimentado.04/11/03).Fato constitutivo "Cabe ao autor o ônus da prova do fato constitutivo de seu direito.04. I. Seja na Justiça Comum ou Especializada. (Turma Recursal de Cataguases . incumbe ao autor de uma pretensão a demonstração do fato constitutivo de seu direito pena de rejeição de seu pedido. 333.Lesão moral . com julgamento de mérito. com a extinção do processo. Não se conhece o recurso aviado após o prazo legal de interposição”.Títulos "Os pressupostos legais da certeza.Rel. Juiz José Maria dos Reis 23/12/03). I. Boletim nº 75 Ônus da prova . sendo certo que não se desincumbiu o devedor do ônus da prova descontituitiva de direito do credor estampado nos títulos que embasam a execução. pois isso traria surpresa à parte.Execução . Não tendo a recorrida jungido aos autos prova firme.Momento processual . Boletim nº 75 Ônus da prova . Juiz Mauro Lucas da Silva).131 Ônus da prova .Rel.Rel.029. (Turma Recursal de Passos . na forma do art. quanto aos fatos alegados. cabe em via de regra a quem alega e não deve prosperar o pedido indenizatório quando não estão comprovados os fatos articulados na . Juiz Guilherme Sadi .nº 111/03 Juíza Patrícia Vialli Nicolini . posto que hipossuficiência da parte em face da recorrente é patente. do CPC".27/04/04).571-6 . 333 do CPC Aplicação no Juizado Especial Cível. valendo aqui o princípio de que o ônus da prova incumbe a quem alega". (Turma Recursal de Cataguases . nº 153.Fato constitutivo de direito . nº 044/04 . Recurso inominado conhecido e provido para julgar improcedente o pedido inaugural dos autos'.029.Rel. Juiz Mauro Lucas da Silva).Rec.Rec. a improcedência do seu pleito se impõe. (Turma Recursal de Passos .Inversão . Boletim nº 75 Ônus da prova . do CPC. (1ª Turma Recursal de Divinópolis .04. nº 393/03 .Fato constitutivo do direito alegado pelo autor .Surpresa à parte "A análise dos requisitos para o Juiz determinar a inversão do ônus da prova não pode ser realizada por ocasião da sentença. nos termos do art.Rec.Art. deve ser mantida a sentença guerreada.Rec.Regra . liquidez e exigibilidade foram atendidos. nº 153.481-8 .Demonstração "Ônus da prova . 269. Boletim nº 74 Ônus da prova . sob pena de ocorrer prejuízo para a defesa do réu".Fatos alegados "O ônus probandi.Sentença mantida “Mostrando-me razoável a inversão do ônus da prova. Boletim nº 71 Ônus da prova .

Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Rel.Rec. (Turma Recursal de Cataguases . Juiz Vinícius Gomes de Moraes).029.Circunstâncias do caso "Formulado pedido contraposto não contestado. ferindo dispositivo legal.12/11/03).Rec.Precedentes desta Turma Recursal".04. Boletim nº 75 Pagamento em dobro .Rel.Aplicação do CDC . (Turma Recursal de Cataguases . Restando demonstrados nos autos a cobrança e o pagamento de quantia indevida. cabendo à parte ré fazer prova de que os fatos alegados na inicial não procedem."Taxa de estágio" .Devolução que deve ser efetivada de uma só vez para restabelecer a igualdade entre as partes .Rec.Cabimento . Boletim nº 72 Pedido contraposto . eis que objetiva dar concreção ao primado secular da restitutio in integrum". (Turma Recursal de Cataguases . Boletim nº 75 Orçamento .CDC "Restituição de parcelas pagas .Restituição "Condenação à restituição do que restou cobrado indevidamente . a título de 'taxa de estágio'. Ônus da prova . nº 154/03 .Pagamento em dobro Reconhecimento da ilegalidade da cláusula contratual. havendo inversão do ônus da prova em favor do autor".Juros moratórios de 6% (seis por cento) ao ano . (2ª Turma Recursal de Uberlândia Rec. nº 153 04 029822-3 . Juíza Áurea Maria Brasil Santos Perez .542-7 .Prestadora .04.Juiz José Luis de Moura Faleiros . nº 128/03 .05/03/04). Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães).029. nº 153. nº 153.Dedução de 10% (dez por cento) a título de multa e demais despesas tidas pela recorrida .16/12/03).Restituição . Boletim nº 73.Falta de contestação .483-4 .Juiz Juarez Raniero . impõe-se a restituição em dobro dos valores cobrados.Forma de apresentação "O orçamento apresentado aos autos deve ser completo. nº 201641-0 .Rel.Rec.132 inicial.Serviço público . é de ser ele deferido diante das circunstâncias do caso". nos termos do parágrafo único do art.Forma . pois as questões não suscitadas e debatidas em primeiro grau não podem ser apreciadas pelo Tribunal na esfera de seu conhecimento recursal para não ofender o princípio do duplo grau de jurisdição".Rec. 42 do CDC". (Turma Recursal de Passos .Rel. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Boletim nº 72 . Boletim nº 74 Parcelas pagas . tratando-se de direito disponível (patrimonial).Responsabilidade objetiva "A responsabilidade da prestadora de serviço público é objetiva.

Instrumentos públicos "A regra é a penhorabilidade.04. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Mero transtorno .Inviabilidade de processamento da demanda . da Lei nº 9.029816-5 .008 .099/95".641-4 . Enunciado 31 dos Juizados Especiais: "É admissível pedido contraposto no caso de ser a parte ré pessoa jurídica".Rec. (Turma Recursal de Cataguases .Extinção do processo "Juizado Especial .Juiz José Luiz de Moura Faleiros . da Lei nº 9. nº 153.Cabimento "Pedido contraposto . por serem necessários à conservação da coisa. (Turma Recursal de Cataguases .Dano material devido .Culpa . 51.O autor não faz jus à restituição do aluguel quando usufrui do imóvel locado. sem exame do mérito.Indenização "Recurso . quando não efetua o pagamento do valor que pretende ver restituído.Inviabilidade . ainda mais. Recurso não provido Condenação em custas e honorários . Boletim nº 75 Penhora . ante a complexidade da causa .Cabível o oferecimento de pedido contraposto por pessoa jurídica.Perda de vôo . Perícia .Rec.Rel.Regras . não havendo ofensa ao artigo 8º.Culpa da ré .Indenização .Embargantes "A penhora só recairá sobre o direito do nu-proprietário.Nu-proprietário .Dano moral não configurado .Não cabimento .Processo julgado extinto. atende o princípio consagrado na mesma Lei de economia.Pessoa jurídica . nº 702.041. nº 155/03 . Boletim nº 73.17/12/03).Boletim nº79 Penhora . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . § 1º. Boletim nº 72 . Deve-se permitir a penhora dos instrumentos públicos".Prejuízo financeiro .Suspensão pela gratuidade judiciária".133 Pedido contraposto . já que ele não torna quem o apresenta em parte ativa. em nada atingindo o usufruto dos embargantes. Desconto efetuado de modo correto.506.As obras realizadas no imóvel são de responsabilidade da imobiliária. nº 243246-8 .Necessidade de perícia . Juiz José Luiz de Moura Faleiros). e a impenhorabilidade é excepcional.Rec.Usufruto . (3ª Turma Recursal de Uberlândia . Juiz Fernando Caldeira Brant).Rec. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Provimento parcial". Juiz Vinícius Gomes de Moraes).099/95.Dano .Rel.Pessoa jurídica .04.Art. Boletim nº 76 Perda de vôo . e ainda. nº 153.Cabimento . Restituição do aluguel pago .030.Rel.Rel. II. Obras realizadas no imóvel . que terão respeitadas suas posses por parte do futuro arrematante do imóvel".Rec.Ocorrência .

sendo insuficiente ao desiderato perseguido . quando patrocinado por advogado de escol. A proposta obriga o fornecedor e integra o contrato a ser celebrado.04. Juiz Guilherme Sadi).Cirurgia estética . e com perturbação do sossego da vizinhança.Rel.075510-7 .Decote apenas da parcela alusiva aos custos administrativos do investimento. Juiz Paulo Balbino).CDC .Cobertura . Boletim nº 78 Petição inicial .Rescisão contratual .Legislação municipal "Manutenção de eqüinos em zona urbana . deve ser proibida.Devolução .Rec.Rec.Equinos em zona urbana . (1ª Turma Recursal de Betim .Serviço não correspondente às indicações constantes da oferta Rescisão contratual e restituição das parcelas pagas .Devolução antes do término do contrato .Rel. fazendo profissão de fé na parêmia actoria incumbit probatio. nº 015304033033-1 .04.Responsabilidade "Plano de capitalização . por imprimir vantagem excessiva a uma das partes.Parcelas pagas .Rel Juíza Sandra Eloísa Massote Neves).Encargo do autor "Compete ao autor. o valor pago ao corretor também será devolvido". assiste ao consumidor o direito à rescisão contratual e restituição imediata das parcelas pagas pelos serviços que não correspondem às indicações da oferta que lhe foi dirigida. nº 110/03 .Rec.Boletim nº79 Plano de capitalização . nº 0024. comprovar os fatos articulados na peça de ingresso.381991-1 .Devolução "Plano de capitalização .134 Perturbação da vizinhança .Contrato .Boletim nº79 Plano de saúde . Em face da responsabilidade solidária constante do artigo 34 do CDC.Ônus probatório . Se afigura ilegal a devolução calculada com base em tabela constante do contrato. Por conseqüência.os adminículos que ornamentam os autos". (Turma Recursal de Cataguases . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . nº 479. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Rec. sob pena de fixação de multa diária pelo não cumprimento de determinação judicial para este fim".Perturbação da vizinhança .Responsabilidade solidária.Impossibilidade: a manutenção de animais eqüinos em zona urbana quando feita sem obediência à Legislação Municipal e normas de higiene.Parcelas . Boletim nº 78 Plano de capitalização . de seus prepostos dos representantes autônomos". Responsabilidade solidária do fornecedor do serviço. (Turma Recursal de Passos .percepção de lucros cessantes .Rel.

Despesas médicas .Plano de saúde. uma vez que os atestados contidos nos autos são suficientes para demonstrar a natureza e urgência da cirurgia".Cobertura . cujo interesse maior.590-8 .Provimento negado".135 "Cirurgia abdominal . São cobertos pelo plano de saúde os procedimentos médicos que não forem expressamente excluídos por cláusula específica. tem o Estado sobre eles legal intervenção.Boletim nº80 Plano de saúde . nº 153.Cláusulas genéricas .04. Juiz Paulo Balbino). ainda que pactuada livremente entre as partes. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . a cláusula restritiva de direitos. colhida sob a pecha da adesão.Celebração enganosa . devendo ser excepcionalizado o pagamento.382799-7 .Exclusão .Proporcionalidade "Ação de cobrança .04. (Turma Recursal de Cataguases . Juiz Fernando Caldeira Brant). Boletim nº 76 Plano de saúde .03.Hipótese não prevista no art. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Alegação de não cobertura de cirurgia estética Aplicação do Código de Defesa do Consumidor . E.Exclusão . devido ao vínculo existente entre as partes. clara e precisa sobre o produto ou serviço contratado".Despesas médicas .Abuso "Recurso .Cobertura .Rec.Exclusão "Plano de saúde . vida. em face da espécie.Marca passo . nº 242904-3 .Contrato de adesão .029611-0 Rel.Interpretação favorável ao consumidor em caso de dúvidas Aplicação dos arts.Cláusula específica . pois.Cláusulas genéricas .Cláusula restritiva “Em contratos sobre plano de saúde. perde eficácia diante desse interesse maior ".Plano de saúde . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Plano de saúde . tendo em vista consistir em direito básico do consumidor a informação adequada. mormente quando recomendado por profissional médico credenciado pela contratante e o período de carência contratual estava para se extinguir". a saúde e a vida. (1ª Turma Recursal da Comarca de .Cláusula específica . § 3º e § 4º.Exclusão . Juíza Daniella Nacif de Sousa). visualizada a necessidade de procedimentos médicos para tratamento do credenciado é de bom alvitre que venha a baila o princípio da proporcionalidade a aquilatar os bens jurídicos apreciados. do Codecon .Rec. Aplicação do Código de Defesa do Consumidor aos contratos de plano de saúde.Contrato de adesão . nº 024.Cobertura total .Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes .Abuso configurado . À parte os termos do plano de saúde contratado. Boletim nº 72 Plano de saúde .Plano de saúde .28/11/03).Inexistência.656/98. Boletim nº 73.Rec. Não há que se falar em ausência de cobertura por se tratar de cirurgia estética.Rel.Rec. 10 da Lei nº 9. nº 024. é a sociedade.Rel.071. 46 e 54.

Mensalidade . Cobertura.23/02/2001).Preliminares . objetivo fundamental da existência dos planos de saúde".Interpretação favorável ao consumidor em caso de dúvidas . Juiz Joemilson Donizetti Lopes . clara e específica sobre o serviço contratado". Juiz Fernando Caldeira Brant). Sendo a cirurgia destinada a corrigir obesidade mórbida.Aumento excessivo da mensalidade .Cláusula de exclusão inaplicável .04.Ausência de exclusão expressa "Plano de saúde.Abusividade caracterizada .Plano de saúde . a cláusula contratual claramente redigida que transmita ao consumidor a informação adequada.Juiz Veiga de Oliveira .Obesidade mórbida com doenças associadas sem sucesso com tratamentos clínicos .Provimento negado". tal não configura procedimento de plástica embelezadora a que menciona a cláusula de exclusão. inda que restritiva. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Obesidade mórbida.Cláusula genérica . Boletim nº 73. porque o que importa é garantir a vida.Cláusula expressa . Boletim nº 73.293874-6 . Para garantir a incolumidade física e evitar a morte da segurada. nº 201654-3 . Plano de saúde .Rel.Validade "Plano de saúde .Não configuração . após a celebração do contrato. Falta de exclusão expressa.136 Uberlândia .Exclusão .Complexidade .Inocorrência .Cláusula expressa .Celebração enganosa .Exclusão . Juiz Renato Luís Dresch).Competência "Recurso .Não liquidez .Aplicação do art.Perícia desnecessária in casu .Rec.Rec. nº 2033/00 . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Rec.Rec.Obesidade mórbida .Mérito . O reconhecimento da moléstia pela Associação Médica Brasileira.Relação de consumo . com re-interado sucesso.Aumento . associada com doenças que colocam em risco a vida.Validade. responde a operadora pela aplicação de prótese recomendada pela área médica.Execução por mero cálculo . assim recomendada pelo médico assistente da paciente.Procedimento reconhecido e recomendado pelo médico assistente .Rel. Juiz Paulo Balbino). Boletim nº 78 Plano de saúde .Exclusão inaplicável "Plano de saúde .25/03/04).Incompetência do Juizado . Boletim nº 72 . Plano de saúde .Rec.Rel.Nulidade da sentença .Sessões de fisioterapia . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Obrigação da seguradora. Merece prevalecer. 47 do Codecon .Obesidade mórbida . (2ª Turma Recursal de Belo Horizonte . nº 04175-1 . nº 243420-9 . nº 024. leva a entidade prestadora de serviços médicos hospitalares a lhe assegurar a cobertura quando não houve exclusão expressa no contrato".Causa complexa . Boletim nº 74 Plano de saúde .Rel. mesmo que ainda não reconhecida pela burocracia oficial.

Redução do índice de reajuste.Onerosodidade excessiva . custeando o tratamento do recorrente. devendo o pedido ser interpretado como substituição do índice eleito pela recorrente por outro. não pode o juiz se ater de forma excessiva aos formalismos interpostos pelo Código de Processo Civil.Extinção do índice contratual Aplicação unilateral pela prestadora de outro índice .Inteligência do artigo 47. o que não ocorrerá em casos de pagamento manifestamente desproporcional ao valor da prestação oposta.é abusivo ou não. Restabelecimento do equilíbrio econômico. Recurso conhecido. menos oneroso.Recurso a que se nega provimento.Índice . é a média aritmética dos índices INPC e IGP-DI . A alegação de necessidade de restabelecimento do equilíbrio econômico contratual não pode servir de desculpa para tornar excessivamente onerosa a contraprestação do consumidor e quebrar todas as suas perspectivas negociais. nada mais justo que assim o faça.078/90 e seus respectivos princípios. basicamente. nº 024. uma vez que a questão litigiosa é exclusivamente de direito.029. aptos a alcançar sua finalidade. O micro-sistema de proteção ao consumidor está materializado. na Lei nº 8. na sua execução. pois devidamente aviado e preparado. Os contratos devem se manter. no presente caso. Conhece-se do recurso interposto. Onerosidade excessiva.04.Ausência "Se a empresa Unimed-Leopoldina não garantiu o atendimento que necessitava o recorrente. . por ausência de profissional especializado na área de ação contratualmente prevista. no caso. mas que se nega provimento". consistindo em se verificar se o índice de reajuste aplicado pela Unimed . Juiz Mauro Lucas da Silva).IGPM .Reajuste de cláusulas contratuais . nº 153. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . do CDC .04.Abuso de direito .Na falta de previsão contratual. o reajuste das prestações deve se dar pelo índice oficial substitutivo. O Juizado Especial é competente para julgar a presente causa.495-8 .Rec.137 Plano de saúde .Rel. o requerimento da autora foi atermado. que.Rec.Reajuste . Não há que se falar em nulidade da sentença.Competência "Plano de saúde . por circunstâncias alheias à sua vontade".Profissional especializado .381504-2 .Rel. Boletim nº 75 Plano de saúde . até mesmo porque. em sede de Juizado Especial. (Turma Recursal de Cataguases . O credor não tem o direito potestativo de fazer exigências incompatíveis com os fins que deram causa ao contrato. bem como a devolução da quantia paga a maior. de forma que não há necessidade de conhecimento técnico específico a demandar prova pericial. que necessitou utilizar os serviços da Unimed-Cataguases. por ter deferido prestação diversa da pleiteada. Plano de saúde. o que ampara a possibilidade de redução do índice de reajuste contratualmente previsto.Redução de reajuste "Direito Civil. porque. Juiz Veiga e Oliveira).Boletim nº80 Plano de saúde .

508 do CPC . somente se reiniciando após a ciência inequívoca do segurado da recusa do pagamento. aplica-se a Lei nº 10.138 A sentença não é ilíquida.Rel. 42 da Lei nº 9. Juíza Patrícia Vialli Nicolini).099/95).04.Rec.Rel. nº 208/04 . Conquanto comprovada a quitação do débito e ainda assim continuando inscrito no SERASA e SPC.04. em decorrência do direito de consumidor segurado à completa e clara informação.04. que são específicos para esta hipótese. conforme o disposto no art.art.Rel. nº 024. Se optou pelas normas vigentes à época da avença.Rel.058-0 . nº 024. (Turma Recursal de Itajubá . em virtude de motivo de força maior.099/95 e não da juntada do expediente aos autos.Boletim nº79 Prazo prescricional . (2ª Turma Recursal de Belo Horizonte . no percentual de 10% do valor da condenação". bem como a devolução da quantia paga indevidamente. ao contrário da Justiça Comum . mas cujo índice de reajuste previsto no contrato fora extinto. Juiz Selmo Silva de Souza .544/95. nº 479. do CCB de 1916. Boletim nº 78 Prazo recursal .994. a conta da data do fato que a autoriza. § 6º. que rege as relações jurídicas que se aperfeiçoaram na sua vigência. da Lei nº 9. § 2º. II e III. a prova mostra que não houve qualquer abalo e pelo contrário. Recurso que não se conhece ".Rec. Inteligência do art.o prazo para interpor e responder o recurso é de dez dias. II. da Lei nº 8. No Juizado Especial. a não ser que o consumidor tenha concordado em adequá-los as novas normas. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).Cadastros de negativação .Rec. Início da contagem do prazo. Juiz Rubens Gabriel Soares). Deserção. não pode pretender se utilizar dos índices estabelecidos pela ANS. contados da data da ciência da sentença. sob pena de malferir o princípio da segurança jurídica.Início e suspensão "O art.Rec.25/03/04).Prova de abalo "Tendo sido suspensos os prazos processuais pela correição anual ordinária no Juizado Especial. Recurso a que se nega provimento. A Lei nº 9. O prazo prescricional suspende-se com o pedido de pagamento de indenização à Seguradora. pois estabeleceu o índice a ser aplicado no período.Contagem .Segurado .Deserção "Juizado Especial.192/01 e Decreto nº 1. mormente o ato jurídico perfeito.074514-9 . revela-se nos autos a intenção proposital do recorrido em ver-se na situação vexatória como circunstância preparatória para a ação de danos morais". mantendo-se a sentença pelos seus próprios fundamentos. Prazo recursal. tempestivo se mostra o recurso interposto além do prazo. 6º.078/90". verba honorária em razão da sucumbência (artigo 55. (Turma Recursal da Comarca de Passos . Boletim nº 74 Prazos processuais . 178. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . estabelece em um ano o prazo prescricional de que dispõe o segurado para propor a ação contra o segurador.Suspensão . Os contratos avençados antes da vigência da norma mencionada (janeiro de 1999) e que não foram adaptados.294071-8 . revelando-se deserto aquele apresentado fora do prazo legal. Boletim nº 78 .566/98 não se aplica aos contratos anteriores a sua vigência.

Inclusão das custas dispensadas no primeiro grau. no ato de preposição. no prazo assinado pela lei e.Cerceamento de defesa "No Juizado Especial Cível a preposição não exige vínculo empregatício entre preposto e preponente.Custas dispensadas . Deserção. nº 153.Rec. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Pacificado por esta Turma Recursal o entendimento de que não se concede a gratuidade judiciária tão somente para recorrer.Juiz Carlos Roberto de Faria . com a conseqüente nulidade da aplicação da revelia". 101 inciso VI c/c art. Juiz Wagner Wilson Ferreira). . de 27.art. Quando houver irregularidade. cabe a este último provar em ação própria o que entender necessário à obtenção de eventual indenização. o pedido. (Turma Recursal de Ipatinga . se intimado o fizer. eventuais ônus de sucumbências. .029.inteligência da Lei Estadual nº 6. além disso.Inclusão .293613-8 . Revela-se deserto o recurso. Recurso a que não se conhece".Rel.Deserção . das custas de primeiro grau que foram dispensadas. com as razões.Rec. nº 215/03 . a preposição tem validade plena. (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete . sob pena de cerceamento de defesa.Necessidade . nº 303/03 . Não se pode invocar a própria torpeza para se beneficiar".Não conhecimento Deserção. revelando deserto o recurso.139 Prejuízo . Juiz Antônio João de Oliveira). O recurso só é considerado regular quando aviado no tempo. deve o Juiz conceder à parte um prazo razoável para saná-la. Boletim nº 78 Preposto .Advogado .673/75. das custas do segundo grau e da Taxa Judiciária.Desnecessidade .Gratuidade judiciária "Preparo . pelo modo próprio. Boletim nº 72 .Vínculo empregatício .533-6 . assim. cujo preparo foi sonegado pelo recorrente que não se encontrava sob o pátio da Assistência Judiciária. nº 024. o preparo completo no prazo determinado e a resposta do recorrido. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Juizado Especial Cível .Rec. sob o patrocínio de advogado habilitado. isto é.04. desacompanhado do preparo em que a parte não esteja sob o pátio de assistência judiciária gratuita. indicado o preposto. Boletim nº 75 Preparo . (Turma Recursal de Cataguases .Rel. petição escrita.art.04. 102.Prova "Se prejuízo o advogado causou ao cliente.96 .Pedido de gratuidade para recorrer . com alteração dada pela Lei nº 12.16/12/03). ou seja. 42 da Lei nº 9.12.Rel. evitando-se.099/95.Rec. e nesta oportunidade nada mencionou sobre tal benefício".Deserção "Preparo do recurso. No Juizado Especial Cível o preparo para recorrer é composto.425.Cliente . Boletim nº 74 Preparo recursal . mormente quando o recorrente esteve assistido por procurador desde a audiência de instrução e julgamento.

Participante desistente. que regem as relações jurídicas que se aperfeiçoaram na sua vigência. Prestação de serviços . 35 da Lei nº 9." (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Interpretação .Teoria da aparência .Direto ao resgate das contribuições relativas aos benefícios de risco ante a veiculação de propaganda garantindo tal direito aos participantes . Juíza Yeda Monteiro Athias). (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . é da competência dos Juizados Especiais.Desistência . se outro prazo específico não estiver previsto.Responsabilidade solidária entre a entidade aberta de previdência e a associação quanto ao ressarcimento de valores a seus membros . estabelecem em vinte anos o prazo prescricional das ações pessoais. o prazo prescricional é de um ano para o exercício da ação do segurado contra o segurador. do CDC .Rel. 177 e 179 do CCB de 1916. combinado com os arts.Seguro . bastando a simples inquirição de técnicos da confiança do Juízo. Juiz Vinícius Gomes Moraes). II. . § 6º. Não carecendo o processo da produção de prova técnica que exigiria a análise de um profissional devidamente habilitado para tais questões.Consumidor "Contrato de prestação de serviços .131.04.04. por si só.Prazo "Prescrita a pretensão do recorrente. 2028 do Novo Código Civil.Restituição de contribuições "Plano de Previdência Privada . (Turma Recursal de Ipatinga .Contrato dúbio .Rec.099/95 (Enunciado 12 do Fórum Nacional de Juizados Especiais). Juiz Fábio Torres de Sousa).Hermenêutica . Boletim nº 78 Prescrição . A sentença por ser um título executivo.Responsabilidade . Boletim nº 78 Previdência privada .294053-6 . Boletim nº 73. Juiz Rubens Gabriel Soares). nº 153 04 029966-8 .Recurso a que se nega provimento.Perícia informal .Restituição das contribuições pagas . nº 313. contando o prazo do dia em que o interessado tomar ciência do fato gerador da ação". certeza e exigibilidade.Rec.Resgate "Plano de previdência privada complementar . pois como bem preceitua o art.04.Impossibilidade diante da ausência de prova quanto à sua previsão . Recurso conhecido e provido.Inteligência do art.242-9 .Rec.140 Prescrição . 178. tal procedimento.150381-5 . deve se revestir de liquidez. nº 024. 31. A perícia informal é admissível na hipótese do art. nº 702.Rel. Boletim nº 78 Previdência privada . é de se cassar a sentença que não possui elementos para se tornar exeqüível. assim.Ações pessoais . As cláusulas contratuais são interpretadas de maneira mais favorável ao consumidor quando se demonstrarem dúbias".Teoria da aparência .Cobrança de taxa de administração . (Turma Recursal de Cataguases .Interpretação de contrato dúbio a favor do consumidor.Rel.Rel.Admissibilidade "O art.Rec.

de modo que não há que se falar em sua incidência.Rec.Perda de direito de garantia . responsabilizando-se pela qualidade da prestação do serviço e por eventuais danos causados em decorrência dele. ao promover a divulgação e a inscrição de seus associados como participantes do plano de previdência.795-2 . 55. O art. inviabilizando pedido indenizatório". nº 024. como fornecedor do serviço. O art.Rel.293366-3 .Responsabilidade "Indenização . bem como por força do art. uma vez que.Improcedência do pedido. Boletim nº 75 Produto com defeito .04. não é explícito em relação a previsão de taxa de administração. 27.04. perante seus associados.008.Rel.141 A recorrente é parte legítima para figurar no pólo passivo da presente ação. 8º do Estatuto.Produto com defeito . de conseqüência.BO . este é devido em face do princípio da boa-fé.Rec.Boletim nº79 Prova .558-3 . Boletim nº 78 Princípio da igualdade . como também o material apresentado pelas partes não menciona a existência da referida taxa. que fixo em 20% sobre o total da condenação. sentença por seus próprios fundamentos e. Entretanto. se apresenta. condeno a recorrente ao pagamento das custas.Descumprimento de cláusula de termo de responsabilidade . Recurso a que se nega provimento.04. nº 027. nos casos dos benefícios de risco (pensão e pecúlio). descumprindo cláusula de termo de responsabilidade firmado entre as partes.Fé pública . É a chamada teoria da aparência.099/95". sem a oitiva da parte contrária. (Turma Recursal de Cataguases . ex vi do art. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . perde o direito a qualquer garantia do serviço. da Lei Complementar nº 109/01. dada sua natureza aleatória. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). (1ª Turma Recursal de Betim . ao contrário do que afirma a recorrente. vedando a alteração do produto por empresa estranha à negociação. bem como a recolher as respectivas contribuições. O julgamento imediato.Vista à parte "Dar vista à parte contrária em caso de alegação de algum vício no processo de execução atende ao preceito constitucional do contraditório e ao igualitário das partes no processo. O consumidor que. que obriga o fornecedor que veicular informação ou publicidade que induza o consumidor a acreditar na possibilidade de ver restituído os valores pagos no caso de delito. Juiz Mauro Lucas da Silva). despesas processuais e honorários advocatícios do recorrido.Execução .Perda do direito . em virtude do convênio celebrado com a MONGERAL. instalando-o em outro veículo sem anuência da recorrida. atenta contra o princípio da igualdade".Rec.Réplica .029. 30 do CDC.Rel. por ter sido vinculada propaganda assegurando direito à restituição. no caso em tela. o participante somente faz jus ao resgate mediante previsão contratual. nº 153.Vício no processo . assegura aos participantes o direito ao resgate parcial ou total do investimento. mantendo a r. Juíza Sandra Eloísa Massote Neves). da Lei nº 9.Alegação .Inversão do ônus . que dispõe sobre o Regime de Previdência Complementar.Garantia . sendo obrigatório nos planos de benefício por sobrevivência (aposentadoria) e. mesmo que não tivesse previsão contratual de resgate. caput.

com toda amplitude. tal procedimento.Produção . II. Complexidade.Extinção do processo "Arbitramentos de honorários.Rel. em conformidade com o disposto pelos artigos 3º c/c 51. Recurso conhecido e não provido ". nº 024. porquanto imprescindível o conhecimento técnico para elucidá-la. 35 da Lei nº 9.294125-2 .17/12/03).099/95". incumbe ao réu a prova da existência de fato impeditivo.Complexidade . que deverá restar extinto. (Turma Recursal de Ipatinga .Amplitude “Juizados Especiais . Extinção do processo sem julgamento de mérito. da Lei nº 9. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Juiz Paulo Balbino).26/11/03).142 "Pela dicção do art. Necessidade de realização de prova pericial.Descabimento . Boletim nº 71 Prova pericial . do Código de Processo Civil. 364 do CPC. Boletim nº 72 Prova pericial . cujo processo se orienta pelos critérios próprios para que se alcance a rápida solução. modificativo ou extintivo do direito do autor. Boletim nº 78 Prova pericial . (3ª Turma Recursal de Uberlândia Rec.Incompetência . sem apreciação do mérito.Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro . poderá o juiz inquirir técnicas de sua confiança. prevalecem até prova em contrário'. possui fé pública o boletim de ocorrência. não se podendo olvidar a onerosidade que é intrínseca à prova pericial”.04.nº 310/03 . o Juizado Especial não se apresenta competente para o processamento e julgamento do respectivo feito.Prova pericial .099/95 (Enunciado 12 do Fórum Nacional de Juizados Especiais). Quando a solução da questão litigiosa depender da produção de prova pericial. faz extrapolar a competência dos Juizados Especiais.Perícia . Desnecessária se faz à prova pericial. Recurso improvido".Rec. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . por si só.Rel.Incompetência do Juizado "Cerceando o processo da produção de prova técnica que está a exigir a análise de um profissional devidamente habilitado para tais questões. nº 024. acobertadas pela presunção de veracidade. . inciso II.382746-8 . provas que sejam exigíveis à contraposição do conflito. cujas declarações. nº 160/03 . Apenas a perícia informal é admissível na hipótese do art. visto que escapa da competência do Juizado Especial de Pequenas Causas. Juiz Rubens Gabriel Soares).Extinção processual.Prova pericial . não bastando a simples inquirição de técnicos da confiança do Juízo.Boletim nº80 Prova técnica .04.Juiz José Geraldo Hemétrio . Em conformidade com a norma do art. assim como ordenar de ofício. Procedimento incompatível com os princípios norteadores do Juizado Especial. 333.Incompetência .Rec. onde o processo é gratuito e as provas são produzidas em audiência.Em sede de Juizado Especial de Pequenas Causas sendo necessária a prova do fato.Extinção processual "Juizados Especiais .

Rel. aos princípios fundamentais da Carta Política da Nação têm de ser dada a interpretação que mais eficácia lhes dê".Boa fé . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). nº 006/03 .Ausência do fummus boni iuris .Provas . É da competência da Turma Recursal deliberar sobre a presença dos pressupostos de admissibilidade de recurso interposto contra a sentença proferida no Juizado Especial.Ausência “Queixa crime . (Turma Recursal de Cataguases . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Boletim nº 78 Recurso . Boletim nº 76 Provas .Ausência de provas motivadoras do deferimento do pedido inicial .Conjunto probatório .029645-8 .Rec.Não conhecimento "Falta de preparo . (Turma Recursal de Passos . ao réu. Boletim nº 78 Queixa crime .Não conhecimento".nº 211/03 Juiz Alexandre Quintino Santiago . nº 153.143 (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . nº 027. nº 024. nº 015304034408-4 .Análise "Direito Processual e Constitucional.Rec.Fatos .04.Ausência de preparo . Reexame. Garantia Constitucional. Decisão judicial.Direito .Princípio persuasão racional "O nosso ordenamento jurídico consagrou o princípio da persuasão racional pelo qual o Juiz formará o seu convencimento com liberdade no exame das provas.Pressuspostos .Não observância do pressuposto objetivo de admissibilidade do recurso .Juiz Jorge Paulo dos Santos). (Turma Recursal de Cataguases . para que se cumpra a garantia Constitucional de acesso ao Poder Judiciário. Juiz Rubens Gabriel Soares).Prova .008878-6 .293.Rec. (1ª Turma Recursal de Betim . Boletim nº 71 Recurso . o de provar o fato impeditivo. desde que baseado nos elementos probatórios demonstrados nos autos".675-7 .Admissibilidade . Boletim nº 72 Recurso .Ônus "Ao autor da ação incumbe provar os fatos que normalmente o integram e. pois. que se estende também à instância revisora.Rec.Sentença mantida”. Boletim nº 78 Provas .04.Rel.16/12/03). Acesso ao Poder Judiciário.04.26/11/03).Juiz Carlos Frederico Braga da Silva . modificativo ou extintivo do direito do autor". (Turma Recursal de Ipatinga .Rel.Rec.Fummus boni iuris .

Rec.96 .Rel. Pedido de vista não suspende ou interrompe o prazo.099. o pedido. (2ª Turma Recursal Cível da Comarca de Belo Horizonte . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . O pedido de vista não suspende e nem interrompe o prazo para recorrer o que é peremptório". nº 153 04 029820-7 Rel. no prazo assinado pela petição escrita.Pedido de vista . Juiz José Geraldo Hemétrio . isto é. Boletim nº 72 . desacompanhado do preparo em que a parte não esteja sob o pálio de assistência judiciária gratuita. por petição escrita. Recurso .Inclusão das custas dispensadas no primeiro grau.Rec.31/03/04). (Turma Recursal de Passos . Juizado Especial Cível . Prazo. Juiz Renato Luís Dresch). nº 024.425. (Turma Recursal de Cataguases .Boletim nº79 Recurso . das custas do segundo grau e da Taxa Judiciária. O recurso só é considerado regular quando aviado no tempo.artigo 101.Denominação . em sede do Juizado Especial a informalidade". .04. da Lei nº 9.Rel. o preparo completo no prazo determinado e a resposta do recorrido.12. de 27. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Contra razões . nº 024. O prazo para a Defensoria Pública recorrer conta-se da intimação da parte sobre a sentença.Nulidade "Por expressa disposição do art.Suspensão e interrupção "Recurso. havendo de ser decretada a nulidade do julgamento iniciado.Informalidade "Recurso de apelação cível deve ser conhecido embora a denominação. Provimento negado". Boletim nº 78 Recurso . Defensoria Pública. oferecer suas contra-razões (resposta). revelado deserto o recurso. (Turma Recursal de Ipatinga .Custas .Rec. Recurso a que não se reconhece". eis que apresentado no prazo legal. Deserção.Artigo 42 da Lei nº 9. sendo que os documentos apresentados por ela foram confirmados pelos integrantes da diretoria social da recorrente. sob o patrocínio de advogado habilitado.293603-9 .Rec.Prazo . interposto recurso. se intimado o fizer. Boletim nº 73.inteligência da Lei nº 12. e provada a boa fé da recorrida.Defensoria Pública . das custas de primeiro grau que foram dispensadas. No Juizado Especial Cível o preparo para recorrer é composto. Juiz Veiga de Oliveira).381452-4 . devidamente preparado e prevalecendo.099/95. com as razões.Deserção "Preparo do recurso. nº 350/03 . baixando o processo em diligência para cumprir o dispositivo". será intimado o recorrido para. no prazo de dez dias. inciso VI c/c artigo 102 .Preparo . 42. Boletim nº 74 Recurso .Juiz Juarez Raniero 16/12/03). nº 160/03 .Rel.Rec. § 2º. Contagem intimação da parte. Revela-se pelo recorrente que não se encontrava sob pálio da assistência judiciária.144 "Conjunto probatório farto e convincente.04.

Ausência de preparo .Rec.19/02/04). nº 071715-1 Rel. Boletim nº 75 Recurso .Não conhecimento .892-1 .Devolução do prazo . uma vez que foi ajuizado fora do prazo estipulado pela Lei nº 9. "Deserção . Boletim nº 74 Recurso . após exaurido o termo correspondente. nº 071877-9 .Não conhecimento do recurso. Considera-se vencida a parte que interpõe o recurso não conhecido em razão da deserção. Não preparado o recurso. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Não preparado o recurso. Considera-se vencida a parte que interpõe o recurso não conhecido em razão da deserção. impondo-se daí sua condenação no pagamento das custas e honorários advocatícios".Rel. impõe-se o não conhecimento do recurso face sua deserção.Rec.Não conhecimento "Recurso não conhecido por ser intempestivo. Juíza Áurea Maria Brasil Santos Perez .19/04/04). As questões não suscitadas e debatidas em 1º grau não podem ser apreciadas pela Turma Recursal.Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). independentemente de declaração judicial. VV. sob pena de ofensa ao princípio do duplo grau de jurisdição". impondo-se daí sua condenação no pagamento das custas e honorários advocatícios".Deserção . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . qual seja. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .V. V.Deserção . Juíza Yeda Monteiro Athias . dez dias após a aludida intimação". o direito de praticar o respectivo ato.Momento "Recurso inominado .Falta de preparo .Rec.Rec.Intempestividade . Juíza Yeda Monteiro Athias .Rel.Princípio do duplo grau de jurisdição.Pedido de restituição do prazo recursal após escoado o termo legal .v. porquanto.Vv "Recurso inominado . Juiz Paulo Balbino).135.22/12/03).Não conhecimento . (Turma Recursal de Cataguases . extingue-se. 183 do Código de Processo Civil".Questões não suscitadas nem debatidas em primeira instância .Duplo grau de jurisdição "Recurso inominado . nº 04. Recurso . Boletim nº 73.v. Boletim nº 74 Recurso .Rec. impõe-se o não conhecimento do recurso face sua deserção.Rel.099/95.145 Recurso . Boletim nº 78 . nº 04169-1 . como prevê o art.Intempestividade.Deserção . A devolução do prazo recursal deve ser postulada durante a sua vigência. nº 015304034498-5 . (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia .

Deserção.Intempestividade caracterizada.Suspensão do prazo para recurso . assim. Juiz Edison Magno de Macêdo).Embargos de declaração . É defeso ao requerente postular diretamente à Turma Recursal. Boletim nº 72 .Legitimado passivo .Juiz Wauner Batista Ferreira Machado . Desconhece-se o recurso.20/11/03).04.Juiz Carlos Frederico Braga da Silva . Boletim nº 76 Recurso .Rec. não tem legitimidade e interesse para recorrer.Boletim nº79 Recurso . se for o caso. Boletim nº 71 Recurso .Pedido . ao menos em parte. falta para recorrer àquele que não perdeu.Prazo "Intempestivo é o recurso interposto no Juizado Especial Cível após o decurso do prazo de dez dias. que alega ser de sua propriedade.099/95 . nº 152 /03 . Para obter o benefício da justiça gratuita deve a parte apresentar o requerimento inicialmente ao Juiz singular do Juizado Especial.Falta de interesse para recorrer .Legitimidade “Ilegitimidade e falta de interesse ao agir .16/12/03). Sem condenação em ônus sucumbenciais. Juiz Maurílio Gabriel Diniz). Diversamente do que ocorre no processo civil. nº 150596-8/04 .nº 198/03 .146 Recurso .Rel.Momento "Direito Processual. que sustenta a nulidade do processo desde a citação. se não comprovou.Interesse de agir . (Turma Recursal de Passos .Desconhece-se o recurso .243595-8 . nos Juizados Especiais. (4ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . por não ter sido incluído no pólo passivo de ação. Recurso.Interposição .Oposição de Embargos de Declaração .Inexistência de sucumbência . O recorrente assistido. tendo em vista que não se pode considerar o recorrente vencido”.Justiça gratuita .Alegação não comprovada .Interesse . (2ª Turma Recursal de Betim . ocasião pertinente para a desconsideração da personalidade jurídica. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . contado da intimação da sentença recorrida". sendo mister que se observe o grau de jurisdição da instância revisora e se evite que o requerimento se transforme em burla do sistema que impõe a condenação nos consectários da sucumbência".Sustentação da nulidade da citação . de plano.Na posição da pessoa jurídica ré .Pessoa física Menor assistido .Rel.Rec.Suspensão do prazo "Pressupostos de admissibilidade do recurso .Interposição de recurso .Inteligência do artigo 50 da Lei nº 9.Não constituída legalmente .Rel. mas a pessoa jurídica de fato. a oposição de embargos declaratórios suspende o prazo para o recurso. A sucumbência na ação é que justifica o recurso.Questão afeta aos embargos à execução. nº 024. reiniciando-se o mesmo após o julgamento destes". tal alegação. A questão poderá ser suscitada em embargos à execução.

Juíza Patrícia Vialli Nicolini . Segundo recurso intempestivo. nº 164/03 .04/11/03). havendo o recurso de ser interposto no prazo de dez dias. onde não é observado pela parte. incluindo-se na contagem o último dia. Boletim nº 71 Recurso .Juíza Marli Rodrigues da Silva . Aviado fora do lapso legal. (Turma Recursal de Passos .099/95. mesmo que após seja enviada correspondência. nº 142/03 . via imprensa.nº 141/03 .04. nº 313. nº 167/03 . Recurso .Sentença mantida nos seus próprios fundamentos.Rec. nº 026/04 .29/10/03). pelos seus próprios fundamentos". Juiz Juarez Raniero .Juiz Carlos Frederico Braga da Silva .Juiz Carlos Frederico Braga da Silva .Rel. O art. se intimada a parte.Contagem "Publicada a sentença em audiência.Ciência da sentença . (Turma Recursal de Passos .Manutenção da sentença . do CDC permite a revisão de contrato quando se mostre excessivamente oneroso ao consumidor. V.Contagem "Tendo sido as partes intimadas da sentença. conforme art. nos termos do artigo 42 da Lei nº 9.Rec.Rec. 42 da Lei nº 9.Rel.Intempestividade “Considera-se intempestivo o recurso aviado. por situações imprevisíveis.Negado provimento .Boletim nº79 .Sentença confirmada por seus fundamentos "Negado provimento ao recurso e confirmada a bem lançada sentença recorrida. Juiz Carlos Roberto de Faria).Fundamentos "Ação anulatória . 26 do Regime Interno das Turmas Recursais dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais do Estado de Minas Gerais.16/12/03). extemporâneo. o disposto no art. no tocante à data em que teve ciência da sentença monocrática”. Boletim nº 73.Rec.30/03/04).16/12/03). a partir desta conta-se o prazo para recurso. Boletim nº 72 Recurso . através de publicação da imprensa oficial. (Turma Recursal de Passos . o prazo flui a partir do primeiro dia útil.099/95. pelos seus próprios fundamentos". aprovado pela Instrução nº 1 de 14/08/2002".148171-1 . (Turma Recursal de Passos . 6º.Prazo . Boletim nº 72 Recurso .Rec. o prazo começa a fluir dois dias após. iniciando-se a partir do primeiro dia útil.Sentença confirmada por seus fundamentos "Negado provimento ao recurso e confirmada a bem lançada sentença recorrida. não há de ser conhecido".Prazo . Primeiro recurso não provido e não conhecimento do segundo por ser intempestivo".Negado provimento . Boletim nº 72 Recurso . (3ª Turma Recursal de Uberlândia .147 Recurso . (Turma Recursal de Ipatinga .Prazo .

Intempestividade “Intempestividade .Rec. A inobservância do prazo estabelecido pelo artigo 42 da Lei nº 9.099/95.Boletim nº79 Recurso .18/11/03).Prazo . Juiz Evandro Lopes da Costa Teixeira). 274. (Rec.Intempestividade “Juizado Especial Cível . Recurso a que se nega recebimento.ao contrário da Justiça Comum.148 Recurso . artigo 508 do CPC .Contagem . 42 da Lei nº 9. Início da contagem do prazo.O prazo para apresentação do recurso a que se refere o artigo 42 da Lei de Regência conta-se da data da publicação do Órgão Oficial e não da .Turma Recursal de Itajubá Rel.o prazo para interpor e responder recurso é de dez dias. devido à aplicação do princípio de celeridade.Lei nº 9. Deserção. Recurso que não se conhece".Indenização .O recurso deve ser interposto no prazo de 10 dias. interposto perante a Turma Recursal.Rel.Inexiste suspensão de prazos no Juizado Especial Cível . contados da data de ciência da sentença .nº 190/03 . nos termos do art.Boletim nº79 Recurso .Juiz Dirceu Walace Baroni . revelando-se deserto aquele apresentado fora do prazo legal. nº 021. do CPC).381895-4 .Necessidade dos ritos desta lei tramitarem mais rápido do que o rito sumário . parte final.nº 189/03 . que aqui são mais valorizados do que no rito sumário. (2ª Turma Recursal de Betim . Boletim nº 71 Recurso . Juiz Selmo Sila de Sousa). inciso II.Contagem . cujo início se deu no mês de férias forenses.Deserção "Juizado Especial. (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . cujos prazos também não se suspendem (art. intempestivo”.Inteligência do artigo 42 da Lei nº 9.099/95 . No Juizado Especial .Publicação . Prazo recursal.Cujos prazos não se suspendem em razão de férias (parte final do inciso II do art.Prazo recursal .Início .Prazo .Órgão Oficial . julho.099/95 . portanto.Férias forenses “Intempestividade de recurso . fora do decêndio legal.Intempestividade "Inobservância do prazo do artigo 42 da Lei nº 9.666-9/04 . 274 do CPC).Início da contagem do prazo no mês de julho .Prazo .Prazo .Apesar das férias forenses .” (2ª Turma Recursal de Betim .04. Considera-se intempestivo o recurso. Boletim nº 71 Recurso . que não suspendem os prazos do Juizado Especial Cível.Juiz Wauner Batista Ferreira Machado .Recurso não conhecido porque aviado no 11º dia.099/95 e não da juntada do expediente aos autos. nº 024.099/95 impede o recebimento do recurso intempestivamente protocolizado".20/11/03).Prazo .Incidência do princípio da celeridade processual .

A assistência judiciária gratuita não deve ser deferida pelo magistrado somente para fins recursais.Assistência judiciária .04/11/03). quando o postulante esteve assistido por advogado contratado e não demonstrou a necessidade de . V.Rec.Admissibilidade . após o prazo de 10 dias estabelecido pelo art.Hipótese em que não se conta o prazo em dobro .Ausência .19/05/04). ausente ele ou.Preparo . (Turma Recursal de Passos .Preparo .Deserção. se feito em desacordo com a legislação vigente. Juiz Rubens Gabriel Soares).060/50. Boletim nº 75 Recurso . Tendo o Defensor Público sido constituído após prolatada a sentença.149 data de recebimento da carta de intimação.04.Deserção "Assistência judiciária .Boletim nº80 Recurso .Rel. (Turma Recursal de Ipatinga . devendo o processo ser anulado desde então. Boletim nº 71 Recurso . 42 da Lei nº 9.Não conhecimento .Defensor Público . nº 024.Impossibilidade.nº 145/03 . (1ª Turma Recursal de Uberlândia .V: Ainda que intempestivo o recurso. O preparo é um dos requisitos extrínsecos de admissibilidade do recurso. da Lei nº 9. é cabível a condenação do vencido no pagamento de honorários de advogado". (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . o preparo do recurso é pressuposto de admissibilidade do recurso. nº 04135863-2 . pena de se premiar o vencido que. Em sede de Juizados Especiais.099/95)". mesmo tendo a sentença transitada em julgado. sendo necessário que já estivesse atuando no processo nessa condição para se valer do benefício do § 5º da Lei nº 1. § 1º.Rec. nº 313. sob pena de preclusão. Não pode o julgador conceder a gratuidade de justiça para o fim de levantar a deserção".780-6 .149951-5 .Parte assistida por Defensor Público apenas após prolação da sentença .Juiz Guilherme Sadi . Juiz Edison Magno Macedo . 42.Ausência de preparo . a deserção é automática (art.Recurso serôdio .Assistência judiciária "Ação ordinária . não é possível ocorrer o aditamento da inicial depois de realizada a audiência de conciliação.Vv "Recurso interposto fora do prazo legal . quando a parte tem advogado constituído nos autos Recurso não conhecido por ter sido apresentado doze dias depois do prazo fatal”. Juiz Carlos Roberto de Faria).Rec.Rel.243.Rel.Fase recursal . se recorresse ao Defensor Público para reabrir seu prazo para recurso.Deserção "Se a parte não está litigando sob o pálio da justiça gratuita.099/95. O pedido de assistência judiciária deve ser efetuado no ato de interposição do recurso ou no prazo para o preparo. tendo em vista o rito específico desta Lei.04.Prazo legal . não se concede prazo em dobro para recorrer.Intempestividade Aditamento da inicial após audiência de conciliação . Boletim nº 78 Recurso .Preparo .

(2ª Turma Recursal de Uberlândia . nos termos do art. nº 005/04 . não obtida na instrução.Preparo .Rec. Recurso desprovido".Rec. Recurso deserto e não conhecido".Necessidade . § 1º.Prazo "O recurso apresenta-se deserto se o seu preparo não ocorrer nas quarenta e oito horas seguintes à sua interposição e em sede de Juizados Especiais Cíveis. (Turma Recursal de Passos . Juiz Juarez Raniero 17/02/04).23/03/04). Recurso . Para desconstituição do título de crédito. . É deserto o recurso não preparado. (Turma Recursal de Cataguases .Prazo "O preparo do recurso é feito até 48 horas após a interposição do mesmo. nº 702. nº 153 04 029570-8 .Intempestividade "Recurso protocolado após o prazo de dez dias da prolação da decisão em audiência. Recurso .Justiça gratuita . da Lei nº 9.Protocolo .Rel. Não conhecimento". da Lei nº 9.030.Rec. O recurso será interposto no prazo de dez dias contados da ciência da decisão".Rec. nº 186/03 .Rel. sob pena de ser considerado deserto.Ônus da prova . Juiz José Américo Martins da Costa . Art. (1ª Turma Recursal de Betim .786.Pessoa jurídica .Rel.Rel.Rel.Preparo .150 assistência. da Lei nº 9. Juíza Maria das Graças Nunes Ribeiro). Independentemente de intimação. Preparo intempestivo. Ausente condição de admissibilidade.099/95.Rec.Rec. parágrafo único c/c art. necessário prova robusta e indene de dúvida que. Não merece acolhida a reiteração do pedido de justiça gratuita realizado na fase recursal sem que seja demonstrada a real necessidade do pleiteante pessoa jurídica.Prazo "Recurso inominado.Indeferimento. Boletim nº 76 Recurso . o recurso deve ser preparado nas quarenta e oito horas seguintes à sua interposição recursal. Artigo 42. não agasalha a procedência dos embargos. Boletim nº 73.066 .Boletim nº79 Recurso . 42. § 1º. Intempestividade.Preparo . nº 109/03 . Juiz Juarez Raniero .Preparo . Boletim nº 73.Pedido de justiça gratuita . Boletim nº 73.099/95.07/05/04).Pedido . pessoa jurídica não faz jus ao benefício de gratuidade de justiça".136098-4 .Pessoa jurídica "Recurso deserto . (3ª Turma Recursal de Uberlândia . Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães). 54. Recurso a que não se conhece". A contagem do prazo para preparo (48 horas) é feita minuto a minuto. (Turma Recursal de Passos . nº 04.Rel.Prazo .099/95. 42. Boletim nº 75 Recurso . Juiz Walner Barbosa Milward de Azevedo). § 1º.

Tempestividade .Decisão primeva mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos .041.Suspensão em face da gratuidade jurídica. nº 024.03. incisos e alíneas.872 . mesmo porque a rejeição da tese da parte vencida não importa em violação a dispositivos constitucionais. ausente ela. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Rec. A matéria a ser suscitada em sede de recurso extraordinário deve observar a fiel disposição contida no artigo 102.Juiz Rubens Gabriel Soares . Aviado fora do lapso legal.Rel Juiz José Luiz de Moura Faleiros).Sentença .Tempestividade .04.Rec. Recurso extraordinário não admitido".Condenação da recorrente em custas e honorários .Rec.099/95.503.151 Recurso . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte Rec.Rel. Boletim nº 78 Recurso . não há de ser conhecido". geram a sua inadmissão.Boletim nº79 Recurso extraordinário . nº 201.183-1 .24/10/03).150094-0 . sem o que não há que se falar em sua admissão. Boletim nº 72 Recurso extraordinário . nº 702.020-0 . nº 294.Boletim nº79 Recurso Inominado . o prazo flui a partir de dois dias após a publicação. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . nos termos do art.Impossibilidade "A simples pretensão de reexame da matéria discutida nos autos não autoriza a admissão do recurso extraordinário.099/95. Juiz Veiga de Oliveira). Juiz Veiga de Oliveira). Juiz Ronaldo Claret de Moraes).Intempestividade "Recurso extemporâneo.Ausência de prova da abusividade Negado provimento ao recurso .Rec.615-4 . 42.Mantida pelos próprios e jurídicos fundamentos "Valor mensal da prestação .Somatória de fatores . máxime no que tange à tempestividade de interposição de recurso extraordinário. Recurso não admitido".Boletim nº80 ." (2ª Turma Recursal de Uberlândia . nº 313. havendo o recurso de ser interposto no prazo de dez dias. da Constituição da República. incluindo-se na contagem o último dia. (Turma Recursal de Ipatinga .994.Reexame da matéria .Rel. da Lei nº 9. Publicada a sentença no “Minas Gerais”. o recurso não deve ser recebido pelo Juízo recorrido". em combinação com outros constantes do Código de Processo Civil. sendo a Comarca do Interior.Inobservância de dispositivos "A inobservância de dispositivos constantes da Lei nº 9.Condição de admissibilidade "A tempestividade é condição de admissibilidade do recurso. extemporâneo.Rel.

Revela-se deserto o recurso.099/95. o seu não conhecimento é automático (art.Rel. petição escrita. nº 024.152 Recurso inominado .293679-9 .Inadmissibilidade .Preparo parcial "Recurso via fax-símile.099/95). da Lei nº 9.art.425.Deserção. com a alteração dada pela Lei nº 12.135528-7 . Boletim nº 78 Recurso inominado .96 . pelo modo próprio. o pedido. 101 inciso IV c/c art. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . além disso. revelando deserto o recurso.05.inteligência da Lei Estadual nº 6. da Lei nº 1. da Lei nº 9. das custas de primeiro grau que foram dispensadas.593-3 .Inclusão das custas dispensadas no primeiro grau.Rel.12. das custas do segundo grau e da Taxa Judiciária.Rec. a teor do que determina o art.04. posto que seu prazo se exauriu no dia 03 de dezembro de 2003 ".Ausência . Recurso via fax-símile cujo original não foi entregue ao Juízo no prazo de cinco dias. Enunciado nº 80. nº 024.04. Deserção. desacompanhado do preparo em que a parte não esteja sob o pálio de assistência judiciária gratuita.Defensoria Pública "A tempestividade é condição de admissibilidade do recurso. o recurso inominado cuja interposição não se faz acompanhar por regular preparo. Juiz Rubens Gabriel Soares). isto é. § 5º.060/50. (Turma Recursal de Ipatinga Rec. 102 . previsto no art.Preparo . nº 313.Deserção "Preparo do recurso. .673/75. Juiz Paulo Balbino). (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . O recurso só é considerado regular quando aviado no tempo. 42. porquanto deserto.Rel. Boletim nº 78 . Deserção. o preparo completo no prazo determinado e a resposta do recorrido.243. ausente ela. se intimado o fizer. da Lei nº 9. Apelo não conhecido".Preparo .04. de 26. no prazo assinado pela lei e. caput. cujo preparo foi sonegado pelo recorrente que não se encontrava sob o pálio da assistência judiciária. nº 024. sob o patrocínio de advogado habilitado. ou seja. Mesmo em se considerando que a Defensoria Pública possui prazo em dobro para recorrer. Extemporaneidade.99.800. 42. No Juizado Especial Cível o preparo para recorrer é composto. 5º. Preparo recursal não integral.Interposição via fax . flagrante sua intempestividade.Rec.art.Boletim nº80 Recurso intempestivo . Juiz Veiga e Oliveira).099/95". Recurso a que não se conhece".Rel. Juiz Ronaldo Claret de Moraes). de 27. com as razões. Não deve ser conhecido.Rec.Deserção "Recurso inominado . § 1º.382788-0 . Juizado Especial Cível . como prevê o art. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Preparo .Boletim nº80 Recurso inominado .03.Ausência . 2º. 42 da Lei nº 9.

pelo que a .Boletim nº79 Relação de consumo . Boletim nº 78 Relação jurídica .Rel Juiz Marco Aurélio Ferenzini).Confirmação .Rec. nº 060/2004 . Boletim nº 76 Reparação de dano .Orçamento . será relação comercial ou civil. segundo o comando contido na parte final do artigo 46 da Lei nº 9. Juiz Marco Aurélio Ferenzini). 8º da Lei nº 9. conforme inteligência do art.Desistência pelo consumidor . Ao contrário. necessário se faz seu ingresso no feito na forma de litisconsórcio passivo necessário.Fundamentos "Tendo sido em primeiro grau.Consumo .CDC "Se a relação jurídica for de consumo estará sujeita ao regime jurídico do Código de Defesa do Consumidor.Rec.153 Recurso intempestivo . Juiz Carlos Roberto de Faria).Rec. analisadas as questões fáticas e jurídicas.Cobrança de taxa de iluminação pública inserida na fatura mensal . as pessoas jurídicas de direito publico não podem ser partes no processo instituído pela referida lei.Prazo legal "O consumidor pode.04.Sentença .Rec. 8º da Lei nº 9. quando não acompanhados de prova de que são eficazes para a restituição da coisa ao seu status quo ante". Boletim nº 78 Repetição de indébito .Rel.Taxa de iluminação pública . desmerece ser conhecido o recurso interposto fora do prazo legal.131286-6 .Inteligência do art. Juiz Juarez Raniero).Rec. Boletim nº 78 Recurso.Obstáculo não comprovado "Não havendo comprovação de alegado obstáculo.Prova de eficácia "Não merecem credibilidade os orçamentos pelo responsável pela reparação do dano. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Interesse do município . se não for.Rel. (Turma Recursal de Cataguases . por seus próprios fundamentos.Litisconsórcio passivo necessário . Recurso não conhecido".Rel.Regime jurídico . às legislações que as regem". sujeita.04. nº 293. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .029589-8 . desistir do produto ou do serviço. nº 313.099/95. respectivamente.440-6/04 .Litisconsórcio "Repetição de indébito CEMIG . nº 243. (Turma Recursal de Ipatinga .Extinção do processo sem julgamento do mérito. Presentes os interesses da Fazenda Pública.099/95". que não a devolução da coisa ou do produto do serviço". há de ser confirmada a sentença. nº 153. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . com a aplicação correta do direito à relação jurídica controvertida. (Turma Recursal da Comarca de Passos . sem maiores ônus.Rel.099/95 . no prazo legal. no entanto.363-1 .

Desconsideração da personalidade jurídica .Apropriação indébita .Rec.Devolução de valores .Rel.Rec. Recurso conhecido a que se nega provimento". A correção monetária é devida desde a data do efetivo desembolso do valor a ser restituído. conhecida entre nós como desconsideração da pessoa jurídica.Existência de ação de execução em face do fiador .154 extinção do processo sem julgamento do mérito se impõe".Ressarcimento de pagamento . Juiz Francisco Eclache Filho).Rel.Hipóteses . nº 024. Boletim nº 78 . Não comprovada a necessidade de prova técnico-pericial é de se afastar a alegada complexidade da causa apta a deslocar a competência do Juízo.Complexidade da causa .Falta de provas Indeferimento pedido inicial .Pago "O exame do pedido de repetição de indébito tem como pressuposto lógico conhecimento e confronto entre o valor devido e o que foi efetivamente pago". (Turma Recursal de Conselheiro Lafaiete .Devolução "Rescisória . Boletim nº 78 Rescisória .Caracterização "Contrato de plano empresas com fidelização .Rec. ou ainda a despersonalização da pessoa jurídica.Devolução de metade do valor pago pela autora por períodos compreendidos entre o mês de maio/2002 e fevereiro/2003 .Rel. os quais são partes ilegítimas na relação jurídica que se pretende analisar em Juízo.04.Apropriação indébita .Rec. pois se trata de questão prejudicial ao pedido de se atacar diretamente o patrimônio dos sócios.Ilegitimidade. Juiz Wagner Wilson Ferreira). nº 04150344-3 ." (1ª Turma Recursal de Uberlândia . nº 209/03 .Sentença mantida".04. Não há incidência de multa no caso em que a extinção da relação contratual resulta em não cumprimento do avençado por uma das partes contratantes. Juiz Joemilson Donizetti Lopes).Pagamento . Não configurada qualquer das hipóteses legais permissivas da excepcional aplicação da teoria advinda do direito anglo-saxão. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). (Turma Recursal de Cataguases . através dos quais a comunidade não se efetivou.Restituição de parcelas pagas Complexidade da causa. Boletim nº 74 Repetição de indébito .Rec. não sendo o caso da sua aplicação na espécie sujeita.293845-6 . Os juros contam-se da citação.Não configuração . nº 131.Contrato de locação . teoria da desestimação da pessoa jurídica.Rel.032587-7 .Contrato de locação . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Devido .240-3 .28/04/04). Reconhecimento que os serviços pactuados não foram prestados pela operadora de telefonia é de rigor a rescisão contratual com a devolução dos valores pagos pelos aparelhos celulares.Valores . Boletim nº 76 Rescisão contratual . Boletim nº 75 Responsabilidade .Rel. Juiz Alexandre Quintino Santiago . (Turma Recursal de Ipatinga . nº 153.Desconsideração da personalidade jurídica "Responsabilidade civil .

Legitimidade passiva da empresa seguradora a quem é imputada a prática de ato ilícito . se apresenta como parte legítima.Audiências . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . terá o julgador melhores elementos para avaliar o pedido da ressalva aposta pelo legislador na parte final do artigo 20 da Lei nº 9.Rec. Em se tratando de uma justiça eminentemente conciliatória.Ausência . uma vez que litiga sob o pátio da Justiça gratuita". Justificativa apresentada no mesmo dia de sua realização . Juiz Vinícius Gomes de Moraes).135544-4 . uma vez que indenização pleiteada pelo recorrente não decorre do descumprimento do contrato de seguro. Negado provimento ao recurso.099/95).Rel.Ausência de comprovação da retenção indevida do veículo e da ocorrência do dano ao proprietário .Audiência . mas sim da prática de ato ilícito a ela imputada. Revelia . (Turma Recursal de Ipatinga .Audiência de conciliação . nº 153.Rec. inclusive na sala de audiência.Ausência da parte "Revelia . nº024. decorre da prática de ato ilícito. Recurso conhecido e não provido.Pessoa física .Impossibilidade .Rel. pois já havia comparecido por duas vezes na Secretaria do Juizado Especial.Local de realização "Conhecendo o recorrente o local onde seria realizada audiência.099/95". é inequívoca a questão de revelia".04.Rel. Boletim nº 78 Réu . no qual este último não aparece como titular da apólice. nº 313. esclarecendo que a execução dessa verba fica condicionada à mudança na situação econômica do recorrente. (Turma Recursal de Cataguases .Cerceamento do direito de defesa. que se reflete na obrigação de indenizar. a retenção indevida do veículo. nº 153 04 029807-4 . isto é.155 Responsabilidade extracontratual . ora recorrida. À falta de comprovação da prática de ato ilícito.Rec. Boletim nº 73. a título doloso ou culposo. § 2º. Juiz José Geraldo Hemétrio).Recurso a que se nega provimento. (Turma Recursal de Cataguases . verba honorária em razão da sucumbência (art 55.04. no percentual de 10% do valor da condenação. A responsabilidade extracontratual. injusto se torna negar à parte o direito a uma nova audiência. Boletim nº 76 Revelia .030645-5 Rel. mantida a sentença de primeiro grau".Ausência da parte na audiência de conciliação.Boletim nº79 .Rec.Legitimidade passiva "Responsabilidade extracontratual . pois mesmo que não ocorra a conciliação. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Revelia "Não comparecendo o réu (pessoa física) a qualquer das audiências e restando infrutífera a tentativa de conciliação proposta perante a seu representante. não há que se falar em obrigação de indenizar. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes).04. o processo será julgado à revelia. da Lei nº 9.293930-6 . A seguradora.Seguradora . bem como da ocorrência de dano.

principalmente. (1ª Turma Recursal de Divinópolis . Juiz José Maria dos Reis).Rel. Aplicação do reajuste anual Critérios de reajustamento das mensalidades. Boletim nº 75 Revelia . Há necessidade de comunicação expressa do critério de reajuste das mensalidades. enquanto o art.Ocorrência . A proporcionalidade entre o valor do benefício e a mensalidade deverá ser .Lei nº 9. de ofício. de que não há demonstração do direito subjetivo. Apuração por ocasião do pagamento. Prescrição.04. quando este não traz prova verossimilhante do alegado. Boletim nº 76 Revelia . O prazo prescricional conta-se a partir do momento em que foi aplicado o reajuste anual da mensalidade.Motivo de força maior "Revelia .Recurso nº 223.Veracidade . não pode julgar antecipadamente a lide.Reajuste anual .009/95 .Elementos de prova "Sendo a revelia relativa. apesar da revelia constatada. Juiz Mauro Lucas da Silva). devendo determinar.567-4 .029. Início do prazo. Necessidade de comunicação expressa ao segurado .04. nº 153. 319 do CPC estabelece que ela decorre da não apresentação de resposta ao pedido inicial". Boletim nº 76 Revisão de mensalidade .Rec. que o autor demonstre o fato constitutivo do seu alegado direito por meio de outras provas legítimas".156 Revelia . O processo deve servir de instrumental forma de aplicação do direito preexistente a ele. nem relativa e nem absoluta.Ausência de procurador .Proporcionalidade entre o valor da mensalidade e o benefício. O simples fato da existência de revelia não pode gerar veracidade.Critérios de reajustamento "Revisão de mensalidade.Rec.Ausência de procurador . (2ª Turma Recursal de Divinópolis .Boletim nº79 Revelia .Provas "Falta de prova do fato constitutivo do direito alegado pelo autor .CPC "O art. o juiz convicto.Inteligência da parte final do art. do direito alegado pelo autor. Juíza Daniella Nacif de Sousa).Rel. A revelia só implica no reconhecimento como verdadeiros os fatos alegados na inicial quando convencido estiver o Juiz". 20 da Lei nº 9. (Turma Recursal de Cataguases . nº 153. ainda que comprovado a posteriori.Rel.Rec.04.029509-6 . não podendo ensejar a criação do direito subjetivo.Presunção da verdade . pode-se afirmar que a presunção da verdade depende de elementos de prova que possa dar credibilidade e segurança ao que foi alegado. Juiz Aurelino Rocha Barbosa). (Turma Recursal de Cataguases . diante de motivo de força maior. após análise de todas as provas apresentadas pelo autor.O não-comparecimento à audiência do advogado contratado para promover a defesa.Inadmissibilidade de julgamento antecipado da lide .099/95 Sentença cassada.Prescrição . Estando.140699-0 Rel. justifica-se". 20 da Lei Especial dita que a revelia é decorrente da ausência do demandado a qualquer das audiências. nº 387/03 .

12/05/04). Cláusula contratual limitativa de direito de consumir sem o devido destaque. sob pena de contrariedade à própria natureza do objeto contratual. nº 243615-4 .Previsão de indenização . Boletim nº 74 Seguro . compete a quem o excepciona.Seguro de vida em grupo . a finalidade de resguardar o bem objeto da contratação. nº 149/03 . das indenizações decorrentes do acidente do veículo automotor". sob a alegação de inexistência dos mesmos. Tendo o contrato de seguro. Juiz Renato Luís Dresch).Validade "Cobrança.Rel Juíza Maria das Graças Rocha Santos . Não prevalência. presume-se que a contratação se operou em desacordo com a legislação consumerista. a sua prova. Recurso não provido". (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Não vistoriados os bens por ocasião da contratação." (2ª Turma Recursal de Uberlândia Rec.Cláusula contratual limitativa .041. Juiz José Afrânio Vilela . Boletim nº 72 Seguro . Vício na contratação. pela inexistência de garantias de que o consumidor foi previamente cientificado dos riscos excluídos.36002-6 .Falecimento da segurada . Boletim nº 75 Seguro .Sentença mantida”. (Turma Recursal de Ipatinga .Pedido procedente .Rel.Princípio da boa-fé .Vício na contratação "Consumidor.Rec.Juíza Maria das Graças Rocha .Cobrança “Cobrança . (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Sentença reformada para determinar o pagamento. Boletim nº 78 Seguro . Boletim nº 71 Seguro . Não estando a apólice assinada pela contratante. e se oposto fato negativo de que determinado bem não foi objeto de sinistro.Competência .Exclusão de cobertura . nº 024. não é lícita a recusa do pagamento da indenização. por essência.Contrato .Complexidade .Rel.26/11/03). e não ao autor.293924-9 . nº 702.Prova em contrário "Em contrato de seguro impera o princípio da boa fé.nº 319/03 .Rec.157 apurada por ocasião do pagamento".04/05/04). (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Seguro de automóvel. caso o condutor do veículo seja pessoa não indicada na apólice.Rec. Cláusula de pessoalidade.04.17/12/03). Sinistro comprovado. não deve prevalecer clausula que exclui a cobertura.Juiz Alexandre Quintino Santiago . se não há limitação expressa com a concordância do segurado. Interpretação benéfica ao consumidor.Falecimento da segurada . pela seguradora. A validade do contrato de seguro automobilístico abrange todo o território nacional.Perícia documental . Indenização devida. Contrato de seguro.

nº 702.158 "Juizado Especial .505.Rel.Poder regulamentador .Complexidade . Juiz Vinícius Gomes de Moraes). uma vez que este e a seguradora são solidariamente responsáveis pelos prejuízos causados ao consumidor decorrentes da má prestação do serviço.Perícia documental .Responsabilidade "Seguro de veículo. Não há que se falar em ilegitimidade passiva do corretor de seguros.SSP "As regras de direito externadas pela Superintendência de Seguros Privados. (Turma Recursal de Cataguases . .Cláusula de vigência "A proposta de seguro de automóvel deve ser tida como aceita na data de sua formalização. nº 04184-2 .Rel. é de se impor a obrigação indenizatória". tem caráter nitidamente público e. que estabelece que o fornecedor do produto ou serviço é solidariamente responsável pelos atos de seus prepostos ou representantes autônomos.Seguro de vida Doença preexistente não aferida no momento da contratação .Desgaste natural . Inteligência do artigo 34. (2ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . sobrepõe-se às normas estabelecidas para os contratos de seguro in concreto". pretenda conferir à seguradora prazo para aceitação da mesma". portanto.Rel.Rec.Competência .24/03/04).Indenização. nº 153.588 .Prêmio .Boletim nº79 Seguro de veículo .Aceitação . não tendo sido constatado desgaste natural em peças por ocasião de vistoria prévia. A omissão do segurador na apuração da real capacidade fisiológica do segurado no momento da celebração do contrato não constitui motivo para que se furte ao pagamento da indenização relativa ao sinistro pactuado".029. e daí que prevalece a cláusula de vigência sobre qualquer outra que seja potestativa. não se reveste de alta complexidade e.Repasse à seguradora . em face de seu legítimo poder regulamentador dos contratos de seguro privados.Rec. Danos materiais e morais configurados. Responsabilidade solidária entre a seguradora e o corretor. não afasta a competência do Juizado Especial para o processamento e julgamento do respectivo litígio. Boletim nº 73. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .04. do CDC. Juiz Armando Conceição Vieira Ferro . ocorrendo sinistro e estando acordes os laudos de reparação. por conseguinte.Regras . A perícia consistente na simples análise documental. nº 071814-2 . Juiz Paulo Balbino).041.Rec.525-2 .Indenização "Em contrato de seguro de veículo usado.Rel. Boletim nº 75 Seguro de automóvel . Juiz Armando Conceição Vieira Ferro). Boletim nº 74 Seguro de veículo . Falta de repasse do valor do prêmio à seguradora por culpa exclusiva do corretor.Rec. Seguro . nos termos do artigo 34 do CDC. (2ª Turma Recursal de Uberlândia . Dever de indenizar.

Grupo econômico .099/95). Indenização indevida.04. que foi efetivamente pago pela recorrente. em face do Código de Defesa do Consumidor. sendo certo que tal atitude causou-lhe prejuízos. nº 133/03 .Legitimidade de qualquer seguradora integrante do consórcio DPVAT . nº 027. no percentual de 10% do valor da condenação".Rec. nº 071565-0 .Legitimidade passiva ad causam da instituição financeira e da seguradora .13/11/03).Trator . sendo certo que o quantum indenizatório fixado na sentença não se apresenta excessivo.Acidente de trabalho "Seguro obrigatório . Boletim nº 72 Seguro residencial .Teoria da aparência.04.Trator . (1ª Turma Recursal de Betim . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . 3º da Lei nº 6.Juíza Yeda Athias de Almeida .Boletim nº79 Seguro desemprego . As cláusulas do contrato avençado que prevêem cancelamento automático do contrato em caso de atraso no pagamento do prêmio são. Renovação anual. Recurso a que se nega provimento". nulas de pleno direito. Direito adquirido ou ato jurídico .Nulidade "Seguro desemprego . pertencendo a instituição financeira e a seguradora ao mesmo grupo econômico. Juiz Jorge Paulo dos Santos).Boletim nº79 Seguro saúde .656/98 e dos índices do ANS.Rel.Rec. A indenização por danos morais também é devida diante dos vários transtornos que a atitude do recorrente causou à recorrida. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). nº 024.Legitimidade .Acidente de trabalho . Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). Recurso conhecido e não provido. Boletim nº 74 Seguro obrigatório .Rec.Cancelamento . verba honorária em razão da sucumbência (artigo 55. nos contratos de seguro". (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . § 2º.Legitimidade passiva .Resistência no pagamento da indenização securitária . Com base nas normas de defesa do consumidor. Possibilidade de aplicação da Lei nº 9.Rec.381820-2 . de forma que não há que se falar em enriquecimento sem causa. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Rel.Teoria da aparência "Seguro residencial .Vigência do art. não repassou à seguradora o valor do prêmio do seguro. na qualidade do corretor.008780-4 .Veículo automotor .Pagamento atrasado .Renovação anual "Contrato de seguro saúde. especialmente na teoria da aparência. ambos possuem legitimidade para responder pelo pagamento do valor devido em razão da ocorrência do sinistro.Via pública .Rel.194/74".Atraso no pagamento da parcela.159 Os danos materiais são devidos na medida em que restou exaustivamente comprovado que o recorrente. da Lei nº 9. Inexistência de violação.

Rec. Boletim nº 78 Seguro saúde .099/95".656/98 suspensa pelo STF nos autos da ADIN 1931.099". 35-E da Lei nº 9.293814-2 . como critério de reajuste do valor da prestação mensal do plano de saúde.Rec. nº 313. É carente de ação. o que exclui a inconstitucionalidade na aplicação do índice da Agência Nacional da Saúde . 46 da Lei nº 9. (Turma Recursal de Ipatinga . A renovação dos contratos de seguro de saúde é anual. Aplicação pela operadora do índice IGP-M.Próprios fundamentos "Tendo sido em primeiro grau. A cada nova renovação do contrato. mesmo para os contratos celebrados antes da Lei nº 9. Boletim nº 78 Sentença .131.Rel. por seus próprios fundamentos. analisadas as questões fáticas e jurídicas. com a aplicação correta do direito à relação jurídica controvertida. Carência de ação. porquanto suspensa a aplicação do art.26/11/03).Critério de reajuste .04. (3ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . aplicam-se as leis vigentes. Boletim nº 75 Sentença . porque se trata de norma de ordem pública".04/05/04).Rel.04. Mérito da pretensão não apreciado. nº 131. Aplicação do art. Boletim nº 74 Sentença .Rel. Juiz Carlos Roberto de Faria 28/04/04). 46 da Lei nº 9. Revisão de prestação. (Turma Recursal de Ipatinga .Confirmação . Boletim nº 71 .099".233-8 . (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . a parte que pleiteia a substituição do índice IGP-M por aquele divulgado pela ANS.Juiz Carlos Roberto de Faria .Confirmação pelos próprios e jurídicos fundamentos "Tendo sido em primeiro grau.656/98 por força de liminar concedida pelo Supremo Tribunal Federal nos autos da ADIN nº 1931. há de ser confirmada a sentença. analisadas as questões fáticas e jurídicas.ANS. com a aplicação correta do direito à relação jurídica controvertida. Juiz Carlos Roberto de Faria).Rec. há de ser confirmada a sentença por seus próprios fundamentos. analisadas as questões fáticas e jurídicas. nº 243544-6 .656/98. segundo o comando contido na parte final do art. com a aplicação correta de direito à relação jurídica controvertida. nº 024. (Turma Recursal de Ipatinga . 46 da Lei nº 9.Revisão de prestação .Rel. com efeito.Confirmação pelos próprios fundamentos “Tendo sido em primeiro grau. Juiz José Afrânio Vilela . Substituição pelo índice divulgado pela ANS. segundo o comando contido na parte final do art.Índice "Plano de saúde.267-6 . por seus próprios fundamentos.Rec.nº 306/03 . segundo o comando contido na parte final do art. erga omnes". pela falta de possibilidade jurídica do pedido. 35-E da Lei nº 9. Juiz Renato Luís Dresch). há de ser confirmada a sentença.160 perfeito da empresa segura.

Assinatura telefônica . A superveniente preclusão lógica da produção de prova pericial requerida em contestação descaracteriza o cerceamento de defesa alegado pelo recorrente.Prova pericial . nº 0024.008852-1 .Rel. VIII. no percentual de 20% do valor da condenação".161 Sentença . II.Fundamentação . no entanto. (1ª Turma Recursal de Betim .Boletim nº79 Sentença . isto é. nº 024. dentre as quais a inversão do ônus da prova. cuja competência é do Juízo que decidiu a causa. ora recorrida.Preclusão lógica Cerceamento de defesa descaracterizado.099/95. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). quando verificar que é insuficiente para cumprir seu objetivo.Rel. nº 04. quando demonstrado seu excesso. nos termos do dispositivo do artigo 575. bem como a fundamentação fática e jurídica das conclusões lançadas por seu prolator. do CPC . da Lei nº 9.Execução . ela é irretocável em decorrência do princípio do non reformatio in pejus. É certo que o valor executado supera a quantia de quarenta salários mínimos fixados no artigo 3º da Lei nº 9.099/95. A quantia arbitrada a título de multa (R$500.Caráter coercitivo Inocorrência de enriquecimento ilícito.Competência . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Competência do juízo que decidiu a causa .Enriquecimento ilícito "Execução de sentença . no entanto. do CPC. A multa tem natureza coercitiva. verba honorária em razão da sucumbência (artigo 55.Rec. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . da Lei nº 9.Aplicabilidade . § 2º. considerando que a credora. O acórdão que confirmar a sentença pelos próprios fundamentos servirá como Súmula de julgamento. Boletim nº 78 Sentença . sem necessidade de novo conteúdo decisório".Nulidade inocorrente .04.Multa por descumprimento de obrigação . fazer com que nasça a vontade do devedor em cumprir a obrigação principal. Art.Possibilidade "Juizado Especial Cível .Fundamentação . previsto em seu artigo 6º.Sentença .Boletim nº79 .381973-9 . Recurso conhecido e não provido.078/90. reduziu consideravelmente o valor da multa e. Juiz Paulo Balbino).00 por dia de atraso) não se apresenta abusiva diante da absoluta inércia da recorrente em cumprir sua obrigação. Não se denota nula a sentença que contempla todos os requisitos previstos pelo artigo 38 da Lei nº 9. como limite de alçada dos Juizados Especiais.Inversão do ônus da prova . o Juízo a quo.Confirmação pelos próprios fundamentos . de ofício.Cerceamento de defesa . sob este aspecto.Inteligência do artigo 575.04.381476-3 .Confirmação pelos próprios fundamentos . não se pode olvidar que o presente caso versa sobre a execução de sentença. consubstanciada na simples retirada do nome da recorrida do SERASA. A relação entre assinante e empresa telefônica se reveste de natureza consumerista.099/95).Súmula.Rec.Julgamento .Assinatura telefônica "Sentença . 46. ou diminuí-la.Rec. como direito básico do consumidor". não se insurgiu contra tal decisão.099/95.Relação de consumo . sujeita às normas ditadas pela Lei nº 8.Juiz José Américo Martins da Costa). tanto que pode o Juiz aumentar seu valor. II.

Boletim nº 72 Sentença .994. Boletim nº 73. 35.92. Boletim nº 71 . Boletim nº 71 Sentença . v.Limites da demanda . em 15. julgando procedente o pedido inicial e o pedido contraposto”.93.3. deve ela se confirmada por seus próprios e jurídicos fundamentos.Juíza Patrícia Vialli Nicolini . A competência do Juizado Especial Cível é para a conciliação. (Turma Recursal de Passos .099/95) é aquela que versa sobre fato cuja prova não é de grande complexidade. afastando-se dos limites da demanda. j. que escorreitamente analisou a questão posta nos autos. não aprecia a causa posta.Mantida .04/11/03). p.u. deve ser mantida a sentença recorrida por seus próprios e jurídicos fundamentos".nº 115/03 .nº 108/03 . 98. nº 027/04 .12. rel. (Turma Recursal de Passos . nº 024. ficando claro assim que os técnicos de que o juiz poderá valer-se para elucidação da matéria controvertida quando a prova do fato assim o exigir (art.Rec.Nulidade "'É nula a sentença que.Próprios e jurídicos fundamentos “Tendo a sentença monocrática analisada com acuidade e profundidade todas as questões que lhe foram submetidas pelas partes. que julgando procedente o pedido.30/03/04). Resp 29. Boletim nº 71 Sentença . (Turma Recursal de Passos ..Próprios e jurídicos fundamentos “Deve ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos a bem lançada sentença monocrática.Mantida . min.930-0 Juiz Rubens Gabriel Soares . decidindo-a em função de dados não discutidos no processo' (STJ .Mantida . a teor do que dispõe o art. Juíza Patrícia Vialli Nicolini .04/11/03). mormente se as requeridas não apresentaram defesa na AIJ designada.nº 133/03 .513)".Fundamentos . inciso I. julgamento e a execução de causas cíveis de menor complexidade." (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .099-9-GO.Juiz Guilherme Sadi . Dias Trindade. da Lei nº 9.2. Sentença . (Turma Recursal de Passos . deram provimento.3ª Turma. da Constituição da República.Rec. tornando-se incontroversos os fatos articulados pelo autor em seu pleito pórtico”. condenou o recorrente ao pagamento das benfeitorias realizadas no imóvel”. DJU 1.162 Sentença .Juíza Patrícia Vialli Nicolini .04/11/03).Rel.Provas "Inexistindo nos autos provas diversas daquelas analisadas pelo julgador monocrático.Próprios e jurídicos fundamentos “Deve ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos a bem lançada sentença monocrática.03.24/10/03). primeira parte do caput.

163

Sentença - Mantida - Próprios e jurídicos fundamentos “Recurso improvido - Sentença mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos. Deve ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos a sentença monocrática que escorreitamente analisa a matéria posta nos autos, julgando procedente o pedido inicial. O pedido de assistência judiciária tão somente destinada à prática recursal merece ser indeferido. Recurso adesivo que se nega seguimento”. (Turma Recursal de Passos - nº 112/03 - Juíza Patrícia Vialli Nicolini - 04/11/03). Boletim nº 71

Sentença - Mantida por seus próprios fundamentos "Analisada na sentença, de forma correta, a matéria fática é de ser mantida por seus próprios fundamentos. A notificação dos fiadores encaminhada à locatária após o vencimento da locação e quando já em curso ação de despejo, não dá ensejo para exclusão de sua responsabilidade no contrato". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 180/03 - Rel. Juiz Juarez Raniero - 17/02/04). Boletim nº 73.

Sentença - Manutenção - Fundamentação "Analisadas as questões fáticas e jurídicas postas pelas partes, deve ser mantida a sentença por seus próprios fundamentos, eis que se coaduna com as circunstâncias da causa. Recurso não provido". (Turma Recursal da Comarca de Passos - Rec. nº 057/2004 - Rel. Juiz Juarez Raniero). Boletim nº 78

Sentença - Manutenção - Fundamentos "Deve ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos a bem lançada sentença primeva, que em análise à prova carreada aos autos, julga parcialmente procedente a denúncia". (Turma Recursal da Comarca de Passos - Rec. nº 061/2004 - Rel. Juíza Patrícia Vialli Nicolini). Boletim nº 78

Sentença - Manutenção - Fundamentos - Dano moral "Deve ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos a bem lançada sentença monocrática que julga procedente o pedido. Voto vencido: não provado a existência do dano moral, como é a regra, incabível a indenização". (Turma Recursal de Passos - Rec. nº 479.04.074525-5 - Rel. Juiz Guilherme Sadi).Boletim nº79

Sentença - Nulidade - Precatórias - Não devolução - Não intimação de advogado

164 "É nula a sentença, impondo-se a renovação dos autos processuais, quando expedidas várias Precatórias, é aquela proferida antes do retorno de todas, sem que tenha o juízo declarado dentro de qual prazo as mesmas deveriam ser cumpridas (art. 203, do CPC). É também de se reconhecer a nulidade da sentença, renovando-se os atos processuais, quando o advogado da parte não é intimado da data da audiência para inquirição das testemunhas no Juízo Deprecado para que, caso queira, acompanhe e participe da produção da prova oral ali produzida'. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 024.04.243.670-9 - Rel. Juiz Rubens Gabriel Soares). Boletim nº 78

Sentença trabalhista - Coisa julgada - Ausência - Preclusão da matéria "Busca e apreensão. Sentença trabalhista. Ausência de coisa julgada para o cível. Preclusão da matéria. Embora a sentença trabalhista não faça coisa julgada para o processo civil, ocorre preclusão da matéria discutida e apreciada por aquela justiça especializada". (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 201527-1- Rel. Juiz Renato Dresh). Boletim nº 73.

Sentença ultra e extra petita - Nulidade - Princípios da adstrição - Contraditório "Sentença ultra e extra petita - Nulidade - Ofensa aos princípios da adstrição da sentença ao pedido, do contraditório e da ampla defesa. É nula a sentença que condena o réu em quantidade superior ao que foi demandado, afastando-se dos limites da demanda e decidindo-a em função de dados não discutidos no curso do processo. Tendo a autora se limitado ao pedido de condenação da ré à devolução das parcelas pagas, descontadas as despesas do contrato, não cabe ao Juiz fazer alterações de ofício no pacto firmado entre as partes, especialmente quando se verifica a inexistência de qualquer cláusula nula de pleno direito que permitisse a sua intromissão na discussão da relação jurídica posta em Juízo, ofendendo, pois, os princípios da adstrição da sentença ao pedido (demanda), do contraditório e da ampla defesa. Recurso conhecido. Acolhido a preliminar, cassação da sentença e anulação parcial do processo". (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte - Rec. nº 024.04.293968-6 - Rel. Juiz Wagner Wilson Ferreira). Boletim nº 78

Sentenças - Acórdãos - Recomendações - Fundamentações "As recomendações ou fundamentações dadas em acórdãos ou sentenças judiciais, por não integrantes de sua parte dispositiva e por não configurarem coisa julgada, não obrigam litigantes e, muito menos, o judiciário a executá-las". (Turma Recursal de Cataguases - Rec. nº 153.04.029825-6 - Rel. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Boletim nº 76

Serviço de telefonia - Ligações internas - Responsabilidade

165 "Não é da obrigação da prestadora de serviços de telefonia a fiscalização de ligações existentes dentro do imóvel do assinante. Ainda que comprovada ou denunciada a existência da conexão extravagante, não se determinando a autoria da mesma, impõe-se a improcedência do pedido". (2ª Turma Recursal de Uberlândia - Rec. nº 702.041.505.802 - Rel. Juiz Armando Conceição Vieira Ferro).Boletim nº79

Serviço telefônico - Consumidor - Direito de ação - Prazo - Decadência "Juizado Especial Cível - Consumidor - Prestação de serviços de telefonia fixa Decadência do direito de ação - 90 dias - Suspensão do prazo - Não comprovação. Ao receber extratos de contas de telefone referentes aos meses de novembro de 2001 a abril de 2002, deveria a recorrente, dentro do prazo de noventa dias, fixado no inciso II do artigo 26 do CDC, ter reclamado pela possível cobrança indevida de ligações não feitas, sob pena de caducar o direito. Nos termos do inciso I do § 2º do artigo 26 do Código de Defesa do Consumidor, obsta a decadência do direito do consumidor a reclamação formulada pelo consumidor até a resposta negativa do fornecedor ou prestador de serviços. Porém, a mera informação levada ao PROCON não suspende o prazo, já que o procedimento conciliatório não fora instaurado por falta de documentos". (2ª Turma Recursal de Betim - Rec. nº 248/04 - Rel. Juiz Marco Aurélio Ferrara Marcolino).Boletim nº79

Serviço telefônico - Uso de serviço - Opção - Responsabilidade "O uso do serviço 021, da Embratel, ocorre por opção do detentor do direito de uso da linha telefônica; não guarda a Embratel qualquer responsabilidade por eventual problema entre o usuário e a prestadora do serviço telefônico". (Turma Recursal de Ipatinga - Rec. nº 313.04.126801-9 - Rel. Juiz Carlos Roberto de Faria).Boletim nº79

Servidão de água - Usucapião - Provas - Competência "Juizado Especial Cível - Ação negatória de servidão envolvendo captação de água na fonte por cano subterrâneo - Usucapião alegada como matéria de defesa - Questão de alta indagação fática que necessita de melhor dilação probatória a fim de compreender a correta situação existente, sob pena de cometimento de injustiça, em causa que pode refletir bem de primeira necessidade à vida - Processo julgado extinto para excluir a competência do Juizado Especial Cível, anulando-o ab ovo". (2ª Turma Recursal de Betim - Recurso nº 8702-8/04 Rel. Juiz Adalberto José Rodrigues Filho).Boletim nº79

Sigilo bancário - Instituição financeira - Obrigação "O sigilo bancário deve ser entendido como obrigação da instituição financeira de não repassar a terceiros sem autorização de quem de direito os dados e movimentações financeiras constantes de seus arquivos, as quais são de disposições apenas do titular da conta". (Turma

o preço.04. Boletim nº 75 . Boletim nº 72 SPC .Inscrição indevida .Rel. Compra não realizada Indenização devida.Rec.Ligações . Apelo não provido".Rel. que se fez passar por aquele. nº 093/03 . devendo a sentença monocrática ser mantida por seus próprios e jurídicos fundamentos”. Boletim nº 71 SPC .Dano moral “Tendo o nome do recorrido sido incluído nos cadastros do SPC após o pagamento do débito e não tendo a recorrente comprovada eficientemente sua alegação de que aquele ainda estava inadimplente.04. nº 071. Juiz Mauro Lucas da Silva). (Turma Recursal de Cataguases . não se cuidando de proceder à retirada da negativação após a ciência da procedência da ação declaratória de falsidade ideológica. (Turma Recursal de Itajubá .Dano moral .Rel.Rec. nº 21.Contrato de locação firmado através de identidade falsa . Juiz Selmo Sila de Souza).Rec. mediante atribuição de volume e quantidade de ligações sem qualquer margem de fiscalização pelo consumidor.13/11/03). configurado resta o dano moral. Boletim nº 78 Taxa de matrícula .Fiscalização "Fixando a empresa ré.Rec.Volume e quantidade .Obrigação da baixa da negativação .166 Recursal de Cataguases .Contrato de locação .nº 148/03 Juiz Guilherme Sadi . Tendo o nome do autor sido inscrito indevidamente no SPC em razão de contrato de locação firmado entre a imobiliária e um falsário.166-7 .04/11/03).Aluno desistente .Indenização "Colocação indevida do nome da recorrente no SPC. nos mostra insofismável que a prestadora de serviço de telefonia viola regras da lei do consumidor".Juiz Edison magno de Macedo . (Turma Recursal de Passos .Rec.Fato julgado e reconhecido definitivamente .Devolução "A devolução da taxa de matrícula ao aluno desistente é medida que se impõe.629-7/04 . unilateralmente. nº 153.Inclusão no SPC do nome do locatário . Juíza Daniella Nacif de Sousa). (1ª Turma Recursal de Uberlândia . (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Identidade falsa "SPC . exsurge o dever de indenização por danos morais". nº 153.Dever de indenizar o dano moral. Boletim nº 76 SPC .Juiz Matheus Chaves Jardim). Valor fixado da indenização parcimonioso.029. Boletim nº 72 Telefone .Pagamento do débito .030290-0 .559-1 . e.Cadastro . efetuado o pedido de transferência na primeira semana do período letivo".

que obriga a Empresa de telefonia pagar indenização a título de dano moral ao usuário. por inadimplência do usuário.Perícia .Rel. da Lei nº 9.491-7 .Medição dos pulsos . constrangimento. Boletim nº 73. 6º. (Turma Recursal de Cataguases .Rel.Rec. este prejuízo patrimonial.167 Telefone . Recurso preparado dentro do prazo legal. Dano moral não se confunde com dano material. II. § 3º. Boletim nº 74 Telefonia . Juiz Fernando Caldeira Brant).Perícia .Incompetência absoluta do Juizado .Princípio da continuidade do serviço público "Corte de linha telefônica .Rescisão do contrato . o preço.Rel. aquele indeniza sofrimento.Cabível . Telefonia . § 1º. Referida interrupção configura ato ilícito e ofensa ao princípio acima referido.Recurso a que se nega provimento. da Lei nº 9.Fixação unilateral de preço .099/95 (fls.Dano moral devido independente de prova do prejuízo . nos mostra insofismavelmente que a prestadora de serviço de telefonia viola a regra do art 6º. em seu art.Culpa exclusiva da empresa de telefonia . nos termos do art. (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . ficando o consumidor à mercê dos dados inseridos unilateralmente pela prestadora de serviço.Serviço defeituoso "O serviço prestado pela recorrente é defeituoso.Provimento parcial". 55.Danos materiais devidos Danos morais não comprovados . nº 071805-0 .Aplicação do Código de Defesa do Consumidor .Rec. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . da .Dano moral .Mérito . fato esse que poderia ser possível se a recorrente instalasse aparelho de medição individual na residência dos consumidores. 42. A Lei nº 8.Rec. evitando permanentes e infindáveis discussões sobre ligações não reconhecidas".Falha na prestação do serviço da operadora . passível de fraude por terceiros.Competência "Recurso . no percentual de vinte por cento do valor da condenação".04. nº 243191-6 .099/95). Recurso conhecido e não provido. constrangimento. nº 153.Telefone móvel .Desnecessidade Causa não complexa . autoriza a interrupção do serviço público. mediante atribuição de volume e quantidade de ligações sem qualquer margem de fiscalização pelo consumidor.Danos . como ocorreu no presente caso. Juiz Mauro Lucas da Silva). 45/47). Tal ato causa desconforto. III e IV. sem que com isso seja caracterizada ofensa ao princípio da continuidade do serviço público.Mau funcionamento do aparelho .Preliminar . no valor fixado na sentença.Ausência de fiscalização "Fixando a empresa-ré. Boletim nº 75 Telefone móvel .029. Juiz Pedro Carlos Bitencourt Marcondes). unilateralmente.Complexidade . § 2º.987/95. o que o impede aferir seus pulsos. quando o usuário não está inadimplente. verba honorária em razão de sucumbência (art.

nº 153. zelar pela boa prestação de seus serviços. norma cogente e de Direito Público. mediante atribuição de volume e quantidade de ligações sem qualquer margem de fiscalização pelo consumidor. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).Rec. pois se trata de cláusula leonina". Inadmissibilidade de condicionar o cancelamento do serviço ao pagamento das prestações. cumpre ao consumidor provar que era improvável a possibilidade de terceira pessoa utilizar os serviços telefônicos nos horários contabilizados para autorizar a inversão do ônus da prova quanto à existência de defeito técnico". Para inverter o ônus da prova.Rec.Concessionária . Se alguém pactua locação de linha telefônica por interposta pessoa. Utilização do serviço telefônico. Contestação. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Boletim nº 73.Ônus da prova . Boletim nº 78 Telefonia . preza pela qualidade de seus serviços".03. Boletim nº 76 Telefonia . III e IV. nos mostra insofismável que a prestadora de serviço de telefonia viola a regra o art.168 Lei nº 8.Serviços .029613-6 . Boletim nº 76 Telefonia .Suspensão de serviço .Rel.Rec. não pode haver automático restabelecimento do serviço sem ciência prévia do consumidor.Cláusula leonina "Telefonia. II.078/90". nº 024.04. (Turma Recursal de Cataguases .Rel.515-5 . sobremaneira.Locação .Rec. o preço. Juiz Vinícius Gomes de Moraes).CDC "Sendo a Embratel concessionária de serviço público deve. Inversão do ônus da prova consumidor. Boletim nº 72 Teoria da aparência . Cláusula leonina. nº 015304034396-1 .Linha telefônica .Rel. nº 242860-7 . deve . Juiz Renato Dresh). (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .078/90".Rec.Garantias "Não se aplica a teoria da aparência quando inexistem indícios probatórios suficientes em favor de sua adoção.30/12/02). Suspensão de serviço. (Turma Recursal de Cataguases . da Lei nº 8. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Inadmissibilidade de restabelecimento automático. Estando suspenso o serviço telefônico.071.Prestação .Direito Público .Serviço público . Aplicação apenas no caso de improbabilidade de utilização dos serviços por terceira pessoa ligada ao consumidor. unilateralmente. O serviço também não pode ser condicionado ao pagamento de mensalidade em aberto. 6º.Provas .Fiscalização "Fixando a empresa-ré. Telefonia . Ônus da prova do fornecedor.Rel.04. (Turma Recursal de Cataguases . pois o Código de Defesa do Consumidor.Inversão "Telefonia.Juiz Renato Dresch . nº 153.030622-4 .

Desconto na aquisição de veículo .Dolo "Título de capitalização . motivo pelo qual não há direito líquido e certo a ser .Desconto na aquisição de veículo .Utilização como desconto na aquisição de veículos .Rec.Juiz José Américo Martins da Costa). tendo-se como norte o cálculo do Contador Judicial quando os cálculos de ambas as partes estão a merecer reparos".Rec.Rec.Indenização pretendida. Título de capitalização . por si só. (1ª Turma Recursal de Betim . Juizado Especial competente. Para a definição do critério exeqüendo observa-se estritamente o comando do título executivo judicial. procedendo-se às deduções neles previstas.Definição do critério exequendo "Execução de título judicial.Execução . Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães).Juiz Joemilson Donizetti Lopes .Rec. A alegação do contratante de incompreensão dos termos de Documento de Garantia de Desconto para Aquisição de veículo vinculado a título de Capitalização não caracteriza por si só situação de dolo a justificar o desfazimento do contrato com devolução integral das parcelas pagas ao invés do valor previamente estipulado para resgate".Indenização pretendida. ainda mais quando a transação mostrou-se inédita entre as partes". Boletim nº 78 Título judicial .Nota promissória . nº 153 04 029238-2 . Boletim nº 72 Tutela . de conformidade com a lei uniforme.Alegação de dolo . Boletim nº 78 Título de capitalização .Natureza interlocutória "A antecipação de tutela é decisão de natureza interlocutória. nº 010/04 . (1ª Turma Recursal de Betim . não prevendo o rito do Juizado Especial recurso para atacá-la. Validade.13/11/03). Boletim nº 73.Alegação de dolo .Rel. nº 135/03 . Boletim nº 78 Título de crédito .Rel. (1ª Turma Recursal de Uberlândia .Antecipação .Utilização como desconto na aquisição de veículo .169 munir-se das garantias necessárias. Juiz Selmo Sila de Souza). situação de dolo a justificar o desfazimento do contrato com devolução integral das parcelas pagas ao invés do valor previamente estipulado para resgate".Dolo "Título de capitalização . nº 04023980-1 . A alegação do contratante de incompreensão dos termos de Documento de Garantia de Desconto para Aquisição de veículo vinculado a título de Capitalização não caracteriza.Rec nº 21638/04 .Competência "Nota promissória preenchida em nome de pessoa física. (Turma Recursal de Cataguases . (Turma Recursal de Itajubá .Rel Juíza Sandra Eloísa Massote Neves). em face do valor cobrado".

Boletim nº 72 Veículo . sob pena de arcar com as responsabilidades de eventuais transtornos causados ao . É serviço prestado no interesse do próprio incremento do comércio. (1ª Turma Recursal de Uberlândia . deve ela cuidar para providenciar a transferência. em conseqüência. nº 153. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte .Sentença mantida".Vício oculto .DPVAT .677-1 .Vício oculto . por ser contrato de depósito. Juiz Clóvis Cavalcanti Piragibe Magalhães). ainda que gratuito o estacionamento. Boletim nº 75 Veículo .Tratando-se de furto de veículo.Rel. Juiz Joemilson Donizetti Lopes). Boletim nº 73.Rec.Fixação do valor indenizatório em salário-mínimo conforme sua lei regente . pelos prejuízos causados ao depositante. (1ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . muito menos por via mandamus".Rel.Transferência .Rec.Não comprovação Conserto mecânico .Depreciação mercadológica . no que concerne a despesas realizadas com conserto do bem objeto do contrato. no estacionamento de estabelecimento comercial.Furto .Rec. nº 201599-0 . Juiz Fernando Caldeira Brant).Prova "A verba de desvalorização do veiculo há de estar amparada por provas conclusivas de decantada depreciação mercadológica.Aquisição de veículo . Boletim nº 76 Veículo .136038 .Rec. Sem que fossem prestados os cuidados cabíveis ao automóvel. se o defeito surgiu seis meses após a venda e o adquirente não comprovou manutenção regular após aquisição.170 amparado.Não cabimento in casu . nº 512/04 .029.Comprovação "Recurso .Acionado vendedor .Indenização .Valor "Seguro obrigatório de veículo . daí o dever de vigilância e guarda".Seguro obrigatório . nº 072.Desvalorização . (1ª Turma Recursal de Divinópolis .04.Prova de pagamento .Responsabilidade pelos transtornos "Adquirido veículo pela recorrente do recorrido.Rec.355-5 . Não há que se falar em reembolso pelo vendedor do veículo ao comprador. sob pena de improcedência da postulação".Desnecessidade de prova do pagamento do bilhete do seguro e/ou do DUT .Juiz Matheus Chaves Jardim).Indenização . Juiz Aurelino Rocha Barbosa).Reembolso .Rel. Veículo . responde o depositário.Provimento negado.Defeito posterior .Estabelecimento comercial .Estacionamento "Ação de indenização por furto de veículo ocorrido no estacionamento de estabelecimento comercial .Rel.Aquisição . nº 04. Boletim nº 76 Veículo . (Turma Recursal de Cataguases .Proprietário anterior .Lei nº 6.194/74 . não tem cabimento ser acolhida a tese de vício oculto".

apurado pela tabela FIPE. vigente na data da liquidação do sinistro.Rel. nº 051/04 .499-5 .Peças trocadas .27/04/04).Pagamento de novas peças pelo comprador para sua liberação .Tabela FIPE "Se a indenização contratada tem por base o valor médio do veículo. devidamente acrescido de correção monetária e juros. Boletim nº 78 Veículos automotores . (2ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . nº 04182-1 .Rec.Transferência "Veículo apreendido durante vistoria para transferência .Boletim nº79 .Rec. (8ª Turma Recursal Cível de Belo Horizonte . Recurso não provido".Quilometragem . deve a fornecedora restituir o valor recebido. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). Tendo o comprador adquirido veículo com motor e câmbio trocados. Boletim nº 78 Vício do produto . Juiz Veiga de Oliveira). sem prejuízo de eventuais perdas e danos.Prova Cabimento.Rel Juiz Marco Aurélio Ferenzini). Boletim nº 75 Veículo apreendido .Responsabilidade civil "Responsabilidade civil .Cobrança do valor ao vendedor Impossibilidade .171 antigo proprietário a partir daquela aquisição.Rec.Rec. (Turma Recursal de Passos .Comprovação . Juiz Edison Magno Macedo . se assim o exigir o consumidor. Boletim nº 74 Veículo sinistrado . nos termos do inciso II do § 1º do artigo 18 do CDC. Juiz Juarez Raniero .Rel. comprovando a licitude da origem das peças contidas no veículo".Rel. Não sendo o vício do produto sanado no prazo máximo de 30 dias de sua instalação pela fornecedora. não pode a seguradora adotar o valor vigente na data da entrada dos documentos". visto que totalmente inadequado ao fim a que se destina. nº 243.Comprovação da licitude das peças. e tendo comprado peças novas para sua liberação perante a polícia. Recurso que se conhece e se dá provimento"." (Turma Recursal de Cataguases . pode o consumidor exigir a restituição da quantia paga pelo produto viciado. nº 381.788-9/04 .Vistoria . sendo absolutamente desnecessárias maiores sofismas.Valor comercial "Inelutável que a quilometragem do veículo possui superlativa importância no estabelecimento do valor comercial dos automotores.Valor de indenização . fulcrando na parêmia veritas evidens non probanda. (1ª Turma Recursal da Comarca de Uberlândia . nº 015304033359-0 . Comprovado o vício do produto.Rec.25/03/04).Vício do produto não verificado pelo juiz sentenciante . não tem o direito de cobrar do vendedor o valor que gastou.Rel. se nem ao menos oportunizou ao mesmo solucionar a questão.

Juiz Dirceu Walace Baroni . A cada um deles é imputada a responsabilidade pela garantia de qualidade-adequação do produto". (2ª Turma Recursal de Betim .04. Veículo que apresenta trinca no bloco do motor após quinze dias de sua aquisição obrigando a reparação do dano .04. nº 153. Juíza Daniella Nacif de Sousa).Rel. Boletim nº 76 Vício do produto .029800-9 .Trinca no bloco do motor “Juizado Especial Cível .Responsabilidade "Respondem pelo vício do produto todos aqueles que ajudaram a colocá-lo no mercado. Boletim nº 76 Vício redibitório . (Turma Recursal de Cataguases . distribuidor e o comerciante.172 Vício do produto .Legitimidade . Boletim nº 71 . nº 153. parte legítima para integrar a presente lide". fazendo parte integrante da cadeia produtiva da multinacional alemã.nº 184/03 .Rec. 3º do CDC.Concessionária .Garantia .Indenização por vício redibitório. a concessionária é fornecedora de produtos da VW do Brasil. Juiz Vinícius Gomes de Moraes). (Turma Recursal de Cataguases .Rec. a teor do art. desde o fabricante.18/11/03).030382-5 . portanto.Cadeia produtiva "Em se tratando de relação de consumo.Veículo .Rel. sendo.Sentença parcialmente mantida”.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->