P. 1
Decorrencia da Teoria das Relações Humanas

Decorrencia da Teoria das Relações Humanas

|Views: 339|Likes:
Publicado porFábio Carvalho

More info:

Published by: Fábio Carvalho on Sep 29, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/12/2015

pdf

text

original

Evolução do Pensamento Administrativo - UVB

Aula 07 Decorrências da Escola das Relações Humanas
Objetivos da aula:
Nesta aula espera-se que o aluno desenvolva habilidades e competências para: • Estabelecer as condicionantes históricas e sociais do surgimento da Teoria das Relações Humanas; • Descrever a sua evolução; • Expor seus princípios; • Discutir a sua atualidade e aplicabilidade.

Introdução:
Nosso objetivo nesta aula é fazer uma revisão crítica da evolução das Escolas de Pensamento Administrativo, dos seus primórdios até a consolidação da Escola Das Relações Humanas, passando pela Abordagem Clássica de Taylor e Fayol. Para tanto, vamos rever o que você já estudou até a aula de hoje: 1. Em suas primeiras aulas, foi estudada a expansão marítima das potências européias durante o séc. XVI, que deu origem ao Mercantilismo, durante o qual surgiram as grandes Companhias comerciais; 2. O grande acúmulo de capitais (além de outros fatores, vistos nas aulas 1 e 2), criou as condições para a Revolução

Faculdade On-line UVB

47

UVB Industrial dos séculos XVIII e XIX. 3. provocada pela prolongada recessão mundial. Esta análise preparará o terreno para o estudo das abordagens modernas da Administração. seguida pelo “boom” econômico dos anos 20. nas décadas de 50 e 60. Finalmente. levando ao questionamento do pensamento administrativo clássico pela Escola Humanista de Mayo. por sua vez. Itália. tecnológica e econômica da sociedade. notadamente as empresas. decorrem em grande parte do processo de evolução social. levando à eclosão da 2ª Guerra (1939-1945). que marcou a Grande Depressão dos anos 30. Essa insatisfação. a história da Evolução do Pensamento Administrativo diz respeito às soluções encontradas pelas organizações. vale relembrar o “estouro da bolha” de prosperidade com o “crack” dos mercados em 1929.Evolução do Pensamento Administrativo . criou condições para o surgimento de regimes totalitários (Alemanha. Neste cenário. As empresas enfrentavam desafios organizacionais cada vez mais complexos. que viriam a tomar forma durante o Pós . principalmente a partir da segunda metade do séc. levou as empresas a buscarem modelos de gestão cada vez mais elaborados. A análise consiste na discussão das limitações destes “modelos clássicos” de administração. Agora. 5. Japão). A Administração Científica de Taylor e Escola Clássica de Fayol dominaram o cenário do pensamento administrativo durante o início do séc XX. levou à eclosão da 1ª Guerra (1914-18). Você também verificou que a intensificação da concorrência internacional entre empresas e países o final do século XIX e início do século XX. 4. XIX. faz-se necessário examinar de forma crítica os modelos de pensamento adotados pelas três grandes escolas estudadas até aqui. principalmente no que se refere ao ponto Faculdade On-line UVB 48 .Guerra. Assim. política. a violenta expansão das empresas industriais. para fazer frente às condições do ambiente de negócios que. Rússia.

publicado em set/02 na edição No 16 da Revista Espaço Acadêmico. ao constituírem práticas consistentes com estas idéias. As teorias administrativas são adaptativas. As teorias administrativas podem ser abordadas: (a) ideologicamente. Faculdade On-line UVB 49 . sendo também produto do contexto histórico e sócioeconômico no qual está inserida. se preferirmos. entre os objetivos dos proprietários das empresas e seus colaboradores. iniciaremos nosso estudo baseado nas seguintes idéias centrais: • • As teorias administrativas são produtos das formações sócioeconômicas de um determinado contexto histórico. Vamos começar? Conhecendo as Premissas Para iniciarmos a analise da história do pensamento administrativo. mas obedecem a um princípio geral a partir do qual são elaboradas.UVB central da gestão de qualquer empresa (ou organização). ao se manifestarem como um conjunto de idéias e (b) operacionalmente.Evolução do Pensamento Administrativo . • • • A partir destas premissas. A burocracia é a base comum das teorias administrativas. verificamos que cada teoria administrativa incorpora os elementos fundamentais das escolas precedentes e simultaneamente reflete as características do modo de produção vigente. de autoria de ANA PAULA PAES DE PAULA. A harmonização das relações de trabalho. A discussão abaixo se baseia principalmente no artigo “As Inexoráveis Harmonias Administrativas e a Burocracia Flexível”. o inevitável conflito entre os objetivos organizacionais e os individuais ou.

resultou no planejamento de longo prazo da produção. Assim.Evolução do Pensamento Administrativo . demarcaram os parâmetros essenciais da organização burocrática: o formalismo e a hierarquia. Taylor correspondeu à estas expectativas ao criar um sistema de produção onde havia uma “única maneira correta de se executar uma tarefa”. sufocando conflitos e resistências através de sanções e ameaças. estabeleceram-se grandes corporações que detinham o monopólio do mercado e ambicionavam produzir em larga escala. as corporações buscavam meios de maximizar a produtividade por meio do uso das máquinas e da intensificação do trabalho. e regulada pelo estabelecimento de quotas de produção. que significava uma remuneração proporcional à quantidade de trabalho realizado. Faculdade On-line UVB 50 . No âmbito deste modo de organização econômico-social. O taylorismo foi complementado pelas teorias de Fayol que. inspiradas nas estruturas militares. As teorias elaboradas por Frederick Taylor e Henry Fayol auxiliaram na transição do capitalismo liberal para o capitalismo monopolista. a conjuntura histórica e econômica favoreceu a racionalização da produção? Ou seja.UVB Crítica à Abordagem Clássica Você lembra que estudamos em aulas passadas que no início do século. Isto conferiu maior estabilidade ao ambiente. da combinação entre a racionalização do trabalho na fábrica e nas estruturas administrativas nasceu o que chamamos de Abordagem Clássica da Administração. na organização do trabalho por meio de rotinas rígidas e na divisão do trabalho entre os planejadores e os executantes das tarefas. Essa escola recorria a métodos rígidos e mecanismos punitivos para manter a disciplina e obter a obediência dos funcionários. característica que. associada ao ideal de produção de massa. determinada pela medição dos tempos e movimentos.

Como já foi visto. a harmonia nas relações trabalhistas se mostraram bastante limitadas. consenso. Crítica à Escola da Relações Humanas Pressionados pelos movimentos sindicalistas. A Escola das Relações Humanas procura atenuar a sensação de dominação (do indivíduo pela organização) através de práticas participativas. mantendo o objetivo central de manter a produtividade nas organizações e reduzir as tensões entre a empresa e seus colaboradores. esta escola foi representada por Mayo e seus seguidores que defendiam a valorização dos grupos informais na organização.UVB Os representantes da Abordagem Clássica viabilizaram a primeira fase do capitalismo monopolista. Faculdade On-line UVB 51 . Tais métodos em nada contribuíam para reduzir a insatisfação do funcionário em relação à exploração de sua força de trabalho.Evolução do Pensamento Administrativo . a Abordagem das Relações Humanas vem com uma proposta mais voltada à satisfação do trabalhador. embora substituindo a contenção direta pela manipulação dos conflitos. e esta fragilidade abriu espaço para contestações individuais e organizadas ao sistema. através da força. esta abordagem mantém a separação entre planejamento e execução no desenvolvimento das tarefas. Mayo reequacionou a lógica eficientista da Abordagem Clássica a partir da máxima cooperação. solucionando as falhas da Abordagem Clássica. integração e participação. como forma de combater a sensação de alienação dos funcionários e promover o equilíbrio das relações. Porém. que acabaram por fortalecer o movimento sindical. mesmo com uma visão mais humanística. mas suas tentativas de obter. a Escola das Relações Humanas ainda herda características tayloristas.

A “Harmonia Administrativa” A Abordagem Clássica e a Escola das Relações Humanas legitimaram o modelo fordista de produção e consumo. não podemos esquecer que: Faculdade On-line UVB 52 . ao compararmos a Abordagem Clássica e a Escola das Relações Humanas. Pois. Apesar da facilidade com que se reeditam e se adaptam. podemos concluir que estas refletem o modo de produção do capitalismo monopolista. impossibilitando sua solução. estas escolas se estabeleceram como portadoras de teorias e práticas eficientes para viabilizar a produção massificada. mas auxiliaram principalmente na harmonização das relações entre capital e trabalho. Você notou que. percebemos que as teorias administrativas são dinâmicas? Isto é. transformam-se de acordo com mudanças estruturais e conjunturais. cada teoria herda características de suas antecessoras. Pois.UVB A Escola das Relações Humanas estimularia nos funcionários uma “falsa consciência” de que são importantes no processo decisório. quando na verdade apenas endossam decisões já tomadas. ao analisar as duas principais escolas administrativas da primeira metade do século XX. Foi a crise deste modelo de desenvolvimento que desencadeou o movimento de reestruturação produtiva e a reformulação das teorias administrativas. se você bem percebeu. o psicologismo ocultaria os reais conflitos.Evolução do Pensamento Administrativo . As duas Abordagens: Clássica e das Relações Humanas Em síntese. Ao interpretar tensões procedentes das relações entre capital e trabalho como problemas individuais e de personalidade.

o pleno emprego. Desse modo. Pós-Fordismo? A partir da segunda metade do século XX. regulado pelo Estado. Em outras palavras. emprego e produtividade. bem como para atender às exigentes e renovadas Faculdade On-line UVB 53 . a hegemonia do fordismo e sua eficiência no campo produtivo passaram a ser questionadas. sendo o Estado o mediador do pacto entre capital e trabalho e provedor de direitos sociais aos excluídos do mercado de trabalho. com a plena utilização das máquinas e taxas estáveis de lucros. seria muito “rígido” para acomodar as novas tecnologias de produção. • Assim.Evolução do Pensamento Administrativo . A “era do ouro” do capitalismo do pós-guerra baseou-se em um compromisso entre os empresários e trabalhadores que.UVB As teorias administrativas são respostas aos conflitos entre os interesses das corporações e os dos seus colaboradores. promover a “harmonia administrativa”. a legitimação do modo fordista de produção é conseqüência de seu alinhamento com o modelo de desenvolvimento vigente. advindas do equilíbrio entre produção e consumo. Seu objetivo é garantir a produtividade e promover um ordenamento harmônico das relações no mundo do trabalho. que recorre aos métodos da Abordagem Clássica e da Escola de Relações Humanas. teria realizado a necessária conexão entre produção e consumo. a regulação das relações sociais. quando o “compromisso fordista” entrou em crise. cujo anterior descompasso redundara na crise de 29. o paradigma fordista de produção e organização do trabalho foi enfraquecido pela argumentação de que não garantia mais os níveis de produtividade necessários. Tal compromisso edificou-se a partir das seguintes bases: • • a organização fordista do trabalho.

desregulamentar se torna a meta e o Estado mínimo. antes concretizada pela legislação estatal. Estudaremos estas assim chamadas “escolas modernas” da administração no prosseguimento do nosso curso. Além disso. de produção de bens e serviços e de investimentos de capital. Diante destas mudanças. emprego e produtividade. os administradores profissionais incorporam o Faculdade On-line UVB 54 . uma vez tendo-se tornado impossível manter taxas estáveis de lucro a partir do equilíbrio dos binômios produção e consumo. A Burocracia Nas organizações empresariais. isto se expressaria através das organizações enxutas e flexíveis. terceirização. O papel destes é o estabelecimento e a execução das normas que regulam o comportamento dos funcionários e preservam os interesses dos acionistas. produção e consumo. downsizing. que reclama tecnologias e formas de organização do trabalho mais flexíveis do que as fordistas. que combina taxas variadas de emprego (estáveis e flexíveis).UVB demandas do mercado consumidor. a burocracia desempenha o papel de mediadora entre os interesses dos proprietários e os interesses dos trabalhadores. quarteirização. A regulação do mercado de bens. o ideal. Em outras palavras. Os administradores profissionais são os representantes do corpo burocrático. passa a ser um entrave. que ganharam espaço na mídia e nas práticas empresariais nos últimos anos: reengenharia. as sociedades capitalistas evoluíram para um novo modelo produtivo. serviços e mão-de-obra. maximizando ganhos a partir das diferentes formas de contratação da mão-de-obra. virtualização organizacional. as teorias administrativas ajustaram-se para atender às demandas da restruturação produtiva. No campo da administração.Evolução do Pensamento Administrativo .

meios coativos e hierarquias rígidas. No contexto do capitalismo monopolista. disciplina e divisão do trabalho. herda parte da estrutura conceitual que pretende questionar. os burocratas recorrem às teorias administrativas e suas práticas. Esta aula foi dedicada à crítica das Escolas estudadas até aqui. No âmbito do fordismo. principalmente. Weber estabelece que instituir competências. Foi. autoritária e baseada em regras. A organização burocrática é centralizada. a organização burocrática é um repositório de discursos e práticas administrativas. por exemplo.UVB poder e são os guardiões da “harmonia” na organização: procuram assegurar a produtividade amenizando as naturais tensões entre capital e trabalho. a impessoalidade. bem como estabelecer regras gerais fixas e abrangentes é a melhor maneira de organizar a empresa. onde pudemos constatar que cada Teoria. bem como o discurso integrador da Escola das Relações Humanas. E ficamos por aqui! A Teoria da Burocracia de Weber será o tema de nossa próxima aula. a hierarquia e a administração profissional. a partir das características da Escola Clássica que Max Weber construiu o seu modelo de organização burocrática. Dessa forma. se adapta às novas condições históricas. marcado pelo formalismo. hierárquica. Para organizar o trabalho e a produção. ao mesmo tempo que questiona as Teorias anteriores e corrige suas falhas. E notar que as Teorias Administrativas refletem as condições sócio-econômicas do contexto histórico no qual surgem e influenciam a evolução do sistema Faculdade On-line UVB 55 . poderes de mando. a burocracia empresarial absorveu as idéias rígidas e centralizadoras da Abordagem Clássica.Evolução do Pensamento Administrativo . analogamente às teorias. valendo-se dos instrumentos de controle disponíveis.

num processo auto-alimentado. A próxima aula será dedicada ao estudo Teoria da Burocracia de Weber.Evolução do Pensamento Administrativo .UVB produtivo. ATÉ LÁ! Faculdade On-line UVB 56 .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->