P. 1
FENOLOGIA DA SOJA

FENOLOGIA DA SOJA

|Views: 5.141|Likes:
Publicado porClaudinei Finger

More info:

Published by: Claudinei Finger on Oct 01, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/02/2013

pdf

text

original

1

FENOLOGIA DA SOJA
ESTÁDIOS DE DESENVOLVIMENTO DE SOJA

A caracterização dos estádios de desenvolvimento da planta de soja é essencial para a descrição dos vários períodos que a lavoura atravessa durante o ciclo da cultura. O uso de uma linguagem unificada na descrição dos estádios de desenvolvimento agiliza o seu entendimento porque facilita a comunicação entre os diversos públicos envolvidos com a cultura de soja. Portanto, a metodologia de descrição dos estádios de desenvolvimento deve apresentar uma terminologia única, ser objetiva, precisa, e universal, ser capaz de descrever um único indivíduo ou uma lavoura inteira e ser capaz descrever qualquer cultivar. O sistema proposto por Feshr e Caviness (1977) divide os estádios de desenvolvimento de soja em estádios vegetativos e estádios reprodutivos (Tabela 1). O sistema de representação empregado aqui divide o desenvolvimento da planta em duas fases: vegetativa (V) e reprodutiva (R). Subdivisões da fase vegetativa são designadas numericamente como V1, V2, V3, até Vn, menos os dois primeiros estádios que são designados como VE (emergência) e VC (estádio de cotilédone). O último estádio vegetativo é designado como Vn, onde “n” representa o número do último nó vegetativo formado por um cultivar específico. O valor de “n” varia em função das diferenças varietais e ambientais. A fase reprodutiva apresenta oito subdivisões ou estádios, cujas representações numéricas e respectivos nomes são apresentados no Quadro 1. A partir do estádio VC, os estádios vegetativos (V) são definidos e numerados à medida que as folhas dos nós superiores se apresentam completamente desenvolvidas. Um nó vegetativo com “folha completamente desenvolvida” é identificado quando no nó vegetativo acima os folíolos não estão enrolados e nem dobrados. Em outras palavras, quando as extremidades dos folíolos não mais se tocam, em oposição ao ilustrado na Figura 1. O nó da folha unifoliolada é o primeiro nó ou ponto de referência a partir do qual se começa a contagem para identificar o número de nós foliares superiores. Nesse único nó, as folhas unifolioladas (simples) são produzidas em lados opostos da haste e com pecíolos pequenos. Todas as outras folhas verdadeiras formadas pela planta são trifolioladas (compostas), com pecíolos longos, e são produzidas unicamente (em nós diferentes) e alternadamente (de lado a lado) no caule (Figura 2). Os cotilédones, que são considerados como órgãos de

2

armazenamento na forma de folhas modificadas, também surgem de maneira oposta na haste, abaixo do nó unifoliolado.

FIGURA 1: FOLHA DO TOPO DA HASTE COM MARGENS DOS FOLÍOLOS SE TOCANDO. FONTE: POTAFOS [s.d.], disponível em www.ipni.org.br, acessado em 23/08/2007. QUADRO 1. ESTÁDIOS VEGETATIVOS E REPRODUTIVOS DA SOJA1

Estádios Vegetativos VE – Emergência VC – Cotilédones V1 - Primeiro nó V2 – Segundo nó V3 – Terceiro nó * * V(n) - enésimo nó

Estádios Reprodutivos R1 – Início do florescimento R2 – Pleno florescimento R3 – Início da formação das vagens R4 – Plena formação das vagens R5 – Início do enchimento das sementes R6 – Pleno enchimento das sementes R7 – Início da maturação R8 – Maturação plena

FONTE: POTAFOS [s.d.], disponível em www.ipni.org.br, acessado em 23/08/2007.

1.1-Estádios Vegetativos

1.1.1 Germinação e emergência

1

Este sistema identifica exatamente os estádios da planta de soja. Porém, nem todas as plantas em um dado campo

estarão no mesmo estádio ao mesmo tempo. Quando se divide em estádios um campo de soja, cada estádio específico V ou R é definido somente quando 50% ou mais das plantas no campo estão nele ou entre aquele estádio.

O desdobramento dos cotilédones expõe o epicótilo em crescimento (folhas jovens. dependendo das condições de umidade e temperatura do solo e da profundidade de semeadura. Uma vez embebida a semente. quando o número máximo de nós vegetativos é atingido. As reservas nutritivas armazenadas nos cotilédones suprem as necessidades da planta jovem durante os primeiros 7 a 10 dias depois de VE. Para a determinação dos estádios V1 em diante. a pequena seção do caule situada entre o nó cotiledonar e a raiz primária (Figura 2). a cada 3 dias até logo após o início da granação das vagens (R5). a fotossíntese das folhas em desenvolvimento é suficiente para a planta se sustentar. haste e gema apical de crescimento localizada acima do nó cotiledonar). ou VE (Figura 3). evidencia-se a sua germinação com o crescimento da radícula. os nós cotiledonares não são considerados. enquanto os cotilédones dobram-se para baixo. A fixação da raiz primária no solo junto com a elongação do hipocótilo estabelecem uma alavanca que ergue os cotilédones à superfície do solo.3 A semente de soja inicia a germinação por meio da absorção de água em quantidades equivalentes a 50% de seu peso. que é seguido pelos demais estádios vegetativos numerados (V). Logo após o crescimento inicial da raiz primária. A partir de V1. O estádio VE ocorre uma a duas semanas após a semeadura. fixando-se sozinha no solo. ou até próximo ao estádio V1. As raízes laterais iniciam o seu crescimento a partir da raiz primária antes da emergência. levando consigo os cotilédones. isto é. caracterizando-se o estádio de emergência. pois não possuem folhas verdadeiras. que se prolonga para baixo. Entre a abertura dos cotilédones (VC) e o quinto nó vegetativo formado (V5) uma nova folha se forma a cada 5 dias. o hipocótilo em forma de gancho endireita-se e cessa seu crescimento. . Logo após a emergência (VE). e a partir do estádio V5. inicia a elongação para a superfície do solo. ou raiz primária. o hipocótilo. A posterior expansão e desdobramento das folhas unifolioladas marcam o início do estádio de abertura dos cotilédones (VC).

chamadas nódulos (Figura 5). As raízes de soja são naturalmente infectadas com bactérias de Bradyrhizobium japonicum que desenvolvem estruturas nas raízes com formas circulares ou ovais. o nó unifoliolado e os dois primeiros nós trifoliolados (Figura 4). FIGURA 3: GERMINAÇÃO E EMERGÊNCIA. acessado em 23/08/2007. disponível em www. isto é.br.d.ipni.br.org.].4 FIGURA 2: PLÂNTULA DE SOJA.]. .2 Estádio V2 No estádio V2 as plantas estão com 15 a 20 cm de altura e três nós apresentando folhas com folíolos desdobrados. disponível em www.1.org.ipni. 1. acessado em 23/08/2007.d. FONTE: POTAFOS [s. FONTE: POTAFOS [s.

a formação de nódulos pode ser vista logo após a emergência (VE). a fixação de nitrogênio de maneira mais ativa começa próximo aos estádios V2 a V3. quando diminui bruscamente. o número de nódulos formados e a quantidade de nitrogênio fixada aumenta até aproximadamente R5. acessado em 23/08/2007. Em condições de campo. Depois disso. a planta fornece o suprimento de carboidratos para as bactérias.d. são brancos. porém.5 (no meio de R5 e R6). marrons ou verdes se a fixação de N2 não estiver ocorrendo. porém. FIGURA 4: ESTÁDIOS V2.org.5 Milhões dessas bactérias localizam-se dentro de cada nódulo e fornecem boa parte do nitrogênio requerido pela planta de soja.ipni.br. . disponível em www. Uma relação como essa. por meio de um processo natural conhecido como fixação de nitrogênio. onde as bactérias e a planta lucram uma com a outra é denominada relação simbiótica. Através da fixação do nitrogênio as bactérias transformam o N2 gasoso presente na atmosfera do solo e indisponível à planta em produtos nitrogenados que a planta de soja pode usar. Em troca.]. Os nódulos que fixam nitrogênio ativamente para a planta mostram-se internamente com coloração rosa ou vermelha. FONTE: POTAFOS [s.

A Figura 6 mostra o primeiro ramo começando a se desenvolver na axila do primeiro nó da folha trifoliada. permanecer dormente (inativa) ou desenvolver um agrupamento de flores e. O número de ramos que se desenvolve a partir da haste principal aumenta com os espaçamentos mais largos entre as linhas da cultura e com densidades mais baixas de plantas na linha. acessado em 23/08/2007.3 Estádios V3 E V5 As plantas em V3 possuem 18 a 23 cm de altura e quatro nós. disponível em www. NO DETALHE NÓDULO ATIVO UM FATIADO.br. da mesma forma que a haste principal. posteriormente. cujas folhas apresentam folíolos desdobrados (Figura 6). Cada ramo desenvolve folhas trifolioladas.ipni. vagens. dependendo também do cultivar em crescimento. as gemas axilares na parte superior da haste aparecem fechadas e começam a desenvolver . nos quais as folhas estão com folíolos desdobrados (Figura 7). As plantas em V5 apresentam-se com aproximadamente 25 a 30 cm de altura e possuem seis nós. COM COLORAÇÃO VERMELHA TÍPICA. Em cada axila foliar existe uma gema axilar que é semelhante ao ponto de crescimento (gema apical) da haste principal. essa gema pode se transformar em um ramo vegetativo. 1. nós.1. FONTE: POTAFOS [s. O ângulo de inserção formado entre a haste principal e um pecíolo foliar é chamado axila. gemas axilares. Porém.6 FIGURA 5: NÓDULOS RADICULARES EM UMA PLANTA DE SOJA NO ESTÁDIO V2. flores e vagens. axilas. Cerca de uma semana antes do início do florescimento (estádio V5 no presente artigo).org.].d.

br.1. acessado em 23/08/2007 1.d.]. que produz flores e finalmente vagens ao longo de sua extensão.org.br. Um rácemo é uma estrutura pequena semelhante à haste. disponível em www.ipni.d.ipni. acessado em 23/08/2007 FIGURA 7: ESTÁDIO V5. FONTE: POTAFOS [s. FIGURA 6: ESTÁDIO V3.4 Estádio V6 .org.7 agrupamentos de flores chamados rácemos. O número total de nós que a planta produz é definido em V5. FONTE: POTAFOS [s.]. disponível em www.

Novos estádios de V aparecem agora a cada 3 dias. o rendimento será reduzido em aproximadamente 3%.org. Se 50% de folhas forem perdidas no estádio V6. Estádio Símbolo VE VC V1 V2 V3 V(n) Denominação Emergência Cotilédone desenvolvido Primeiro nó Segundo nó Descrição Estádio vegetativo Os cotilédones estão acima da superfície do solo As margens das folhas unifoliadas e opostas não se tocam Folhas unifoliadas desenvolvidas Folha trifoliada completamente desenvolvida no nó acima ao da folha unifoliada Terceiro nó Três nós sobre a haste principal com folhas completamente desenvolvidas. disponível em www.br. iniciando-se com nós das folhas . sete nós têm folhas com folíolos desdobrados e as folhas unifolioladas e os cotilédones já podem ter senescido e caído. Nesse estádio.ipni. acessado em 23/08/2007 QUADRO 2: FASES FENOLÓGICAS DA CULTURA DA SOJA E RESPECTIVAS SIMBOLOGIAS.d. FIGURA 8: ESTÁDIO V6. FONTE: POTAFOS [s. As raízes laterais estão completamente presentes no solo entre as linhas de plantas espaçadas a 75 cm.].8 Plantas no estádio V6 têm 30 a 35 cm de altura (Figura 8). iniciando-se com nós das folhas unifoliadas Enésimo nó “N” números de nós sobre a haste principal com folhas completamente desenvolvidas.

uma flor aberta em qualquer nó sobre a haste principal (Figura 9). O florescimento em um rácemo ocorre da base para o topo (Figura 10). nestes.1 Estádio R1 (início do florescimento) R1 . p.2 Estádios Reprodutivos Os oito estádios R (reprodutivos) são divididos em quatro partes: R1 e R2 descrevem o florescimento.2. 1988. completando-se ao redor do estádio R5. R5 e R6 o desenvolvimento da semente e R7 e R8 a maturação da planta. 1. Em R1. as vagens da base do rácemo são sempre mais maduras que as vagens do ápice. O florescimento e a frutificação ocorrem principalmente em rácemos primários. R3 e R4 o desenvolvimento da vagem. As plantas em R1 estão com 38 a 46 cm de altura e apresentam-se nos estádios vegetativo V7 a V10 (7 a 10 nós completamente desenvolvidos).5 e R3.9 unifoliadas FONTE: ÁLVARES FILHO. O crescimento vegetativo e a produção de novos nós continuam durante alguns estádios reprodutivos. porém. as raízes nessa zona geralmente começam a se degenerar depois disso.34-35. as taxas de crescimento vertical da raiz aumentam incisivamente e permanecem relativamente altas nos estádios R4 a R5. O florescimento começa entre o terceiro e o sexto nó da haste principal. progredindo para cima e para baixo. de modo que. os estádios de R1 a R6 descrevem melhor o desenvolvimento da planta. O florescimento atinge o auge entre os estádios R2. 1. Dessa forma. A proliferação de raízes secundárias e pêlos radiculares até a profundidade de 23 cm no solo também é grande durante esse período. . Os ramos começam a florescer alguns dias depois da haste principal. mas os racemos secundários podem se desenvolver ao lado do rácemo primário na mesma axila. dependendo do estádio V no momento do florescimento.

.2.br.org. FONTE: POTAFOS [s.d.10 FIGURA 9: ESTÁDIO R1.d.2 Estádio R2 (pleno florescimento) R2 .org. disponível em www.flores abertas em um dos dois nós superiores da haste principal com folha completamente desenvolvida (Figura 11). acessado em 23/08/2007 FIGURA 10: INÍCIO DO FLORESCIMENTO NOS RÁCEMOS.br. a planta acumulou somente cerca de 25% de sua matéria seca final e nutrientes. FONTE: POTAFOS [s.].ipni. disponível em www. acessado em 23/08/2007 1. As plantas em R2 têm 43 a 56 cm de altura e estão nos estádios V8 a V12.ipni. Nessa fase.]. atingiu aproximadamente 50% de sua altura final e desenvolveu cerca de metade do número total de nós.

d.5.11 Esse estádio marca o início de um período de rápido e constante acúmulo diário das taxas de matéria seca e de nutrientes pela planta. Além disso. com várias raízes laterais direcionando o seu crescimento para baixo. o sistema radicular apresenta-se completamente desenvolvido no espaço entre linhas. Essa rápida acumulação de matéria seca e nutrientes pela planta inteira inicia-se nas partes vegetativas (folhas. deslocando-se gradualmente para as vagens e sementes em formação. acessado em 23/08/2007 . Essas raízes. disponível em www. FONTE: POTAFOS [s. FIGURA 11: ESTÁDIO R2. enquanto as partes vegetativas finalizam o seu desenvolvimento. pecíolos e raízes). A Figura 12 mostra que um grande número de nódulos radiculares pode se desenvolver em uma única planta. hastes.ipni. Se 50% de folhas forem perdidas no estádio R2. que continuará até logo após o estádio R6. junto com a principal.br. continuam se aprofundando no perfil do solo até logo após o estádio R6.]. a taxa de fixação de nitrogênio pelos nódulos radiculares também aumenta rapidamente no estádio R2. Nesse estádio.org. o rendimento será reduzido em aproximadamente 6%.

br. As vagens em desenvolvimento localizam-se nos nós mais baixos da haste principal. reduzem o rendimento devido à redução em um ou mais dos componentes. esses dois componentes ainda podem variar o suficiente para produzir aumentos consideráveis de rendimento. Aumentos ou decréscimos de rendimento podem ser justificados pelo aumento ou diminuição de um ou mais desses três componentes. porém.2.3 Estádio R3 (início da formação da vagem) R3 – vagem com 5 mm de tamanho em um dos quatro nós superiores da haste principal com folha completamente desenvolvida (Figuras 13 e 14). Os limites superiores para o número de sementes por vagem e tamanho da semente são definidos geneticamente. porém. como temperatura alta ou deficiência de umidade. O componente do . as produções não são alteradas significativamente. disponível em www. Assim. principalmente quando se obtêm maiores rendimentos. Nesse período é comum encontrar vagens em desenvolvimento.ipni. flores abertas e botões florais na mesma planta. podem ser compensadas por outro componente. Se as densidades de plantas forem adequadas.org.d. a maioria dos ganhos na produção resulta de aumentos no número total de vagens por planta. flores murchas. Condições estressantes.]. FONTE: POTAFOS [s. As plantas em R3 apresentam-se com 58 a 81 cm de altura e estão no estádio V11 a V17. Geralmente. onde o florescimento se iniciou primeiro. o número de sementes produzidas por vagem e o peso por semente (tamanho da semente). o rendimento (peso total de sementes) pode ser dividido em três componentes: o número total de vagens produzidas por planta. As reduções em um dos componentes de produção da planta. acessado em 23/08/2007 1.12 FIGURA 12: NÓDULOS DA PLANTA SOJA.

d.ipni.br.d. FONTE: POTAFOS [s.org. aumentando assim o potencial de redução da produção causada pelo estresse. acessado em 23/08/2007 .5 diminui a sua habilidade para compensar as perdas decorrentes de uma condição de estresse.].]. acessado em 23/08/2007 FIGURA 14: ESTÁDIO R3. disponível em www.org.13 rendimento da planta que será reduzido ou aumentado depende do estádio reprodutivo em que a soja se encontra quando ocorre o estresse. Conforme a planta de soja se desenvolve do estádio R1 ao R5. disponível em www.br. FIGURA 13: DETALHE DO 4º NÓ SUPERIOR DA HASTE PRINCIPAL COM TRÊS VAGENS JOVENS.ipni. FONTE: POTAFOS [s.

Este período é caracterizado pelo rápido crescimento da vagem e pelo início do desenvolvimento da semente. O florescimento nos nós superiores dos ramos também ocorre por último na planta.org.2. a maioria atingirá esse tamanho no estádio R5. acessado em 23/08/2007 . as vagens atingem o maior comprimento e largura antes das sementes começarem a fase de rápido desenvolvimento. algumas sementes dentro das vagens localizadas nos nós inferiores iniciam rápido crescimento. O período compreendido entre R4 e logo após R5. As últimas flores que ocorrem na planta localizam-se na extremidade da haste principal. onde surge um rácemo floral (Figura 16). Esse rácemo consiste de flores axilares agrupadas na extremidade da haste. FIGURA 15: ESTÁDIO R4.d. Algumas vagens localizadas nos nós mais inferiores da haste principal já se encontram com o seu tamanho final ou próximo dele. disponível em www. As plantas em R4 apresentam-se com 70 a 100 cm de altura e estão nos estádios V13 a V20.].br.ipni. Assim. FONTE: POTAFOS [s. próximo ao final desse período.14 1.4 Estádio R4 (vagem formada) R4 – vagem com 2 cm de comprimento em um dos quatro nós superiores da haste principal com folha completamente desenvolvida (Figuras 15).5 é um período de rápida e constante acumulação de matéria seca pelas vagens. porém. Normalmente.

(3) as sementes iniciam um período de rápido e constante acúmulo de matéria seca e nutrientes. (2) as altas taxas de fixação de nitrogênio atingem o seu auge e em seguida começam a diminuir rapidamente. FONTE: POTAFOS [s. Perto de R5. No início de R5. Logo após R5. número de nós e área foliar. Esse período é caracterizado pelo rápido crescimento ou início do enchimento das sementes (Figuras 18) e redistribuição da matéria seca e nutrientes das partes vegetativas para as sementes em formação. no qual a semente está com aproximadamente 80% da sua matéria seca total. o desenvolvimento reprodutivo apresenta desde flores quase abertas até vagens contendo sementes com 11 mm de comprimento. O rendimento em grãos depende da taxa e da duração do tempo de acúmulo de matéria seca nas . vários eventos acontecem quase ao mesmo tempo.ipni.org.2.15 FIGURA 16: RÁCEMO FLORAL DE SOJA NA EXTREMIDADE. pecíolos e ramos. O período de rápida e constante acumulação de matéria seca na semente continua até logo após R6.].5 tem-se: (1) a planta atinge seus máximos em altura.d. acessado em 23/08/2007 1.5. Entre os estádios R5 e R6.5 ocorre o máximo acúmulo de matéria seca e de nutrientes nas folhas. iniciando a seguir a sua redistribuição (translocação) dessas partes da planta para as sementes em desenvolvimento. disponível em www.5 Estádio R5 (início da formação da semente) R5 – semente com 3 mm de tamanho em um dos quatro nós superiores da haste principal com folha completamente desenvolvida (Figuras 17) Plantas em R5 têm 75 a 110 cm de altura e encontram-se nos estádios V15 a V23.br.

ipni.d. acessado em 23/08/2007 FIGURA 18: RÁPIDO DESENVOLVIMENTO DE VAGENS E DE SEMENTES DURANTE O ESTÁDIO R5.d.org.]. acessado em 23/08/2007 . disponível em www.br.]. Estresses podem influenciar tanto a taxa como a duração do tempo de acúmulo de matéria seca nas sementes. FONTE: POTAFOS [s.ipni.16 sementes. FONTE: POTAFOS [s.br. FIGURA 17: ESTÁDIO R5.org. disponível em www.

próximo a R7.2. porém.d. disponível em www. a rápida taxa de acúmulo de matéria seca e de nutrientes começa a diminuir logo após o estádio R6. acessado em 23/08/2007 . nesse momento (Figura 20). sementes de todos os tamanhos podem ser observadas na planta. ou até que todas as folhas caiam. Três a seis folhas trifolioladas podem ter caído dos nós mais inferiores antes do início do rápido amarelecimento folia. O rápido amarelecimento das folhas (senescência visual) começa logo após R6 e continua acentuadamente até R8. Devido à altura da planta e ao número de nós atingirem os valores máximos em R5. O acúmulo de matéria seca e de nutrientes na planta é máximo logo após R6. Plantas em R6 têm 80 a 120 cm de altura e encontram-se nos estádios V16 a V25. A semente em R6 ou “semente verde” é caracterizada por apresentar largura igual à da cavidade da vagem. FIGURA 19: ESTÁDIO R6. FONTE: POTAFOS [s. e nas sementes.br.]. O crescimento da raiz completa-se logo após R6.5. A senescência e queda foliar inicia-se nos nós inferiores da planta (região mais velha) e subseqüentemente estende-se para cima até as folhas mais jovens. pequenos acréscimos nessas características são evidentes entre R5 e R6.6 Estádio R6 (semente cheia) R6 – vagem contendo sementes verdes que preenchem totalmente a cavidade da vagem localizada em um dos quatro nós superiores da haste principal com folha completamente desenvolvida (Figuras 19).17 1.5.org. Nesse estádio o peso total das vagens da planta é máximo. logo após R6. A taxa de crescimento dos grãos e da planta nessa fase ainda é muito rápida.ipni. e nas sementes.5. Na planta.5.

d.2.se amarela ou tenha perdido completamente a cor verde. normalmente marrom ou palha. Embora nem todas as vagens numa planta em R7 tenham perdido a sua cor verde.org. disponível em www.7 Estádio R7 (início da maturidade) R7 – uma vagem normal na haste principal que tenha atingido a cor de vagem madura. Isso ocorre quando a semente (e geralmente a vagem) torna. A Figura 22 mostra uma vagem e grãos verdes no estádio R6.br. .]. acessado em 23/08/2007 1. A semente de soja na maturidade fisiológica possui aproximadamente 60% de umidade e contém todas as partes da planta necessárias para começar sua próxima geração. A maturidade fisiológica de uma semente de soja acontece quando cessa o acúmulo de matéria seca.18 FIGURA 20: VAGEM DE SOJA NO ESTÁDIO R6 RETIRADA DO 4º NÓ SUPERIOR DA HASTE PRINCIPAL. a planta essencialmente se encontra na maturidade fisiológica porque muito pouca matéria seca adicional será acumulada. FONTE: POTAFOS [s. uma vagem e grãos completamente amarelos na maturidade fisiológica e uma vagem e grãos com cor característica para a colheita. dependendo do cultivar (Figura 21).ipni.

2.]. disponível em www.br. Na mesma figura. FONTE: POTAFOS [s.ipni. R7(AMARELA) E R8(MARROM). com vagens e sementes verdes até grãos maduros prontos para a colheita. FONTE: POTAFOS [s. São necessários de 5 a 10 dias de clima seco após R8 para que a soja atinja menos de 15% de umidade A Figura 24 ilustra as mudanças de cor e de tamanho das vagens e grãos de soja a partir do estádio R6.].d.br.8 Estádio R8 (maturidade completa) R8 – 95% das vagens apresentam-se maduras (Figura 23). acessado em 23/08/2007 1. acessado em 23/08 FIGURA 22: VAGENS DE SOJA NOS ESTÁDIOS R6(VERDE).org. a partir da direita.ipni. disponível em www.d. apresentam cor característica para .19 FIGURA 21: ESTÁDIO R7.org. a segunda vagem e respectivos grãos.

org.20 colheita. cor de vagem madura nem sempre indica ponto de colheita para os grãos em seu interior. EVOLUÇÃO DA COR VERDE (ESTÁDIO R6) PARA A COR MARROM (PONTO DE COLHEITA). acessado em 23/08/2007 . disponível em www.d.br.org. FIGURA 23: ESTÁDIO R8.]. disponível em www. porém não atingiram a forma e o grau de umidade para a realização desta.ipni. Assim.ipni. Com ambiente seco favorável a soja perderá umidade rapidamente. acessado em 23/08/2007 FIGURA 24: SEQÜÊNCIA DE MATURAÇÃO DE VAGENS E GRÃOS DE SOJA.br. FONTE: POTAFOS [s.d.]. FONTE: POTAFOS [s.

org. R6 Pleno enchimento de grãos Vagem contendo semente verde que preencha a sua cavidade. com a folha completamente desenvolvida. acessado em: 16 de set de 2007.34-35. localizada em um dos quatro últimos nós da haste principal. R4 Plena formação de vagens Vagem com 2. Estádio Reprodutivo R1 R2 Inicio do florescimento Florescimento pleno Uma flor aberta em qualquer nó da haste principal Uma flor aberta no último nó da haste principal.5 cm de comprimento desenvolve-se em um dos quatro últimos nós da haste principal.br. R5 Início de enchimento de grãos Semente com 3 mm de comprimento em uma vagem. 2 BIBLIOGRAFIA http://www.0 cm de comprimento desenvolve-se em um dos quatro últimos nós do caule com folha desenvolvida completamente. p. FONTE: ÁLVARES FILHO. . 1988. com a folha completamente desenvolvida. com folha completamente desenvolvida R3 Início de formação de vagem Vagem com 0. R7 Maturação fisiológica Uma vagem normal sobre a haste principal que tenha atingido a cor da vagem madura.ipni. localizada em um dos quatro últimos nós da haste principal. R8 Maturação de colheita 95% das vagens atingindo a cor de vagem madura.21 QUADRO 3: FASES FENOLÓGICAS DA CULTURA DA SOJA E RESPECTIVAS SIMBOLOGIAS. com folha completamente desenvolvida.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->