Você está na página 1de 32

Ultraestrutura e Reprodução de Fungos

Morfologia geral de fungos filamentosos


- Hifas
oFilamentos que apresentam crescimento polar, constituem a
parte vegetativa do fungo
- Micélio 1

Conjunto de hifas de um fungo


2
- Corpo de frutificação
Estrutura reprodutiva 3
4
1- Chapéu
2- Basídios com esporos
3- Pé ou estipe 5
4- Hifas
5- Micélio
Hifas
Ultraestrutura

- As hifas constituem uma


rede de filamentos que
constitui o micélio fungal. O
micélio se expande por
extensão das hifas
individuais que crescem por
crescimento apical, isto é, por
deposição de material nas
suas pontas. O crescimento
do micélio não tem limites,
desde que a hifa continue a
se extender sobre um meio
que lhe forneça nutrientes.
As hifas podem apresentar-
se divididas em segmentos,
que são delimitados por
estruturas denominadas
septos. Os septos possuem
normalmente um ou vários
poros. Pelos poros passam
não só nutrientes, mas
organelas inteiras podem
migrar através deles, mesmo
núcleos.

- Hifas que possuem septos são chamadas de


SEPTADAS, ao passo em que as hifas em que
estes não estão presentes apresentam uma massa
contínua de citoplasma, e são denominadas
CENOCÍTICAS.
Zonas Morfo-Funcionais

2 1
4 3

1- Zona de Crescimento Apical


2- Zona de Absorção
3- Zona de Armazenamento
4- Zona de Senescência
1-    Zona de crescimento apical
- Crescimento da ponta por agregação de polímeros
(principalmente quitina)
- Agregação de vesículas na organela chamada
“spitzenkörper”, que funciona como um centro de
distribuição para vesículas destinada à parede. Essa
organela só é encontrada em hifas em crescimento, e
apresenta-se diferenciada em cada classe de fungos.
2-    Zona de Absorção
 - Absorção de nutrientes
Manutenção de um gradiente protônico, mediante a ação de uma
bomba de prótons que mantém a quantidade de prótons interna cerca
de 1000x menor que a externa, mediante gasto de energia (ATP). O
gradiente eletroquímico de prótons gerado é utilizado como força motriz
para outros transportadores que carreiam solutos para dentro das hifas
(açúcares, por ex.)

2
  Zona de Armazenamento
 - Região aonde os nutrientes em excesso são armazenados de forma
insolúvel. Carbono é armazenado como glicogênio (de forma semelhante aos
animais e diferente das plantas, que estocam amido) ou lipídeos, nitrogênio como
aminoácidos e proteínas e fósforo como polifosfato.
Produtos armazenados podem ser utilizados no crescimento das hifas, durante
escassez de material no meio ou incorporado a esporos e assim consumidos
durante a germinação.

3
 Zona de Senescência
 - Zona de degeneração, caracterizada pela desintegração do micélio de
forma autolítica.
- É caracterizada pelo acúmulo de pigmentos, que dá um aspecto
escurecido à essa região.
Ocorre em hifas que deixam de ser funcionais ou que estejam em regiões onde
os nutrientes se esgotaram.

4
 Desenvolvimento do Micélio e formação de 
uma colônia
- Uma colônia em geral se desenvolve de
forma radial, com o seu espalhamento
dependendo do ângulo de formação das hifas.
- Esse espalhamento também depende da
disponibilidade de nutrientes e oxigênio
- Fatores como a incidência periódica de luz
solar podem fazer com que haja um
desenvolvimento mais rápido ou diferenciado
de estruturas, como por exemplo os corpos de
frutificação.
O desenvolvimento cíclico dos corpos de
frutificação do micélio muitas vezes dão
origem a estruturas curiosas. Essas e outras
características dos corpos de frutificação (as
estruturas mais evidentes dos fungos), como a
presença de pigmentos fluorescentes, por
vezes deram origem a histórias fantásticas,
como os “círculos de fadas” e a associação
com seres como gnomos e duendes.
Desenvolvimento do Micélio
Círculos de Fadas
Reprodução
Fungos podem apresentar tanto reprodução
Sexuada Quanto Assexuada

Reprodução Assexuada
- Fragmentação – Ocorre a fragmentação do micélio por senescência.
- Reprodução Assexuada
- Brotamento – Ocorre em fungos unicelulares, como as leveduras. Crescem
pequenos brotos, que crescem e se desprendem da célula-mãe
Saccharomyces cerevisiae
- Reprodução Assexuada
- Fissão – Também em fungos unicelulares, as leveduras. Sofrem uma clivagem no
meio do corpo celular.
- Reprodução Assexuada
-Esporulação – Os fungos produzem células haplóides especiais, dotadas de uma parede mais
resistente, que ao germinarem dão origem a hifas. Alguns fungos marinhos ou de outros ambientes
aquáticos possuem esporos livre-natantes, dotados de flagelos, que nesse caso são denominados
de zoóspororos. Os esporos são geralmente encontrados em estruturas especializadas, ou corpos
de frutificação, que apresentam algumas vezes mecanismos de dispersão bem sofisticados,
arremessando os esporos a grandes distâncias.
-Os esporos podem ser originários tanto da reprodução SEXUADA quando da ASSEXUADA
Reprodução Sexuada
Ocorre mediante a fusão de
hifas de dois micélios diferentes
(haplóides), originando-se um zigoto 
diplóide (2n). Esse zigoto sofrerá
posteriormente uma meiose
reducional, que originará os esporos
(haplóides – os esporos não contém
um embrião como as sementes das
células vegetais!).
Ciclos de vida dos principais grupos de fungos

Chitridiomycota
Chitridiomycota
Zygomycota
Zygomycota
Deuteromycota

Penicillium sp.
Deuteromycota

Penicillium roquefortii
Ascomycota
Ascomycota
Basidiomycota
Basidiomycota
Líquens (Associação de Algas e Fungos)