P. 1
Real Imaginário Simbólico

Real Imaginário Simbólico

|Views: 417|Likes:

More info:

Published by: Danielle Ferreira Silva on Oct 04, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

08/13/2014

pdf

text

original

CONSIDERAÇÕES A RESPEITO DO CONCEITO DE REAL EM LACAN

Wilson Camilo Chaves
*

RESUMO. O presente trabalho visa elucidar a noção de real em Lacan no período que vai dos primeiros escritos ao Seminário, livro III, “As psicoses”, de 1955/1956. A discussão gira em torno das relações entre o imaginário e o real e entre o simbólico, o imaginário e o real. Lacan, primeiramente, atrela o imaginário ao real permeado pelo termo imago, cunhado por Freud. Logo em seguida, privilegia o simbólico e define a experiência psicanalítica como pertencente a esta ordem. No momento anterior,o real da experiência psicanalítica será da ordem do imaginário e nesse segundo instante será da ordem do simbólico. Tem-se aí a famosa tríade simbólico, imaginário e real. Mais à frente, em seu pensamento, o real vai ser definido como o que escapa ao simbólico. Tratar-se-á do impossível da relação sexual.
Palavras-chave: simbólico, imaginário e real, teoria lacaniana.

CONSIDERATIONS REGARDING THE CONCEPT OF REAL IN LACAN
ABSTRACT. The present work seeks to elucidate the notion of Real in Lacan in the period that is going from the first writings to the Seminar, book III, " The psychoses ", of 1955/1956. The discussion rotates around the Imaginary and Real relationships; Symbolic, Imaginary and Real. Lacan, firstly, harnesses the Imaginary to the Real permeated by the term imago, happening of Freud. Therefore soon after, it privileges the Symbolic and it defines the experience analytic as being of this order. In the previous moment, the Real of the experience analytic will be of the order of the Imaginary. In that second instant, the Real of the analytic experience will be of the order of the Symbolic. Then we have, the famous triad, Symbolic, Imaginary and Real. More ahead, in your thought, the Real will be defined as what it escapes to the Symbolic. It will be treated of the impossible of the sexual relationship.
Key words: Symbolic, imaginary and real; Lacan’s theory.

LAS CONSIDERACIONES CON RESPECTO AL CONCEPTO DE REAL EN LACAN
RESUMEN. El presente trabajo busca elucidar la noción de Real en Lacan en el período que se extiende de las primeras escrituras al Seminario, libro III," Las psicosis", de 1955/1956. La discusión rueda alrededor de las relaciones Imaginario y Real; Simbólico, Imaginario y Real. Lacan, primeramente, ata el Imaginario al Real penetrado por el término imago, proveniente de Freud. Por consiguiente, poco después, privilegia el Simbólico y define la experiencia psicoanalítica como siendo de este orden. En el momento anterior, el Real de la experiencia psicoanalítica será del orden del Imaginario. En un según momento, el Real de la experiencia analítica será del orden del Simbólico. Hay allí, la triada famosa, Simbólico, Imaginario y Real. Adelante, en su pensamiento, el Real se definirá como lo que escapa del Simbólico. Se tratará del imposible de la relación sexual.
Palabras-clave: Simbólico, imaginario y real; teoría lacaniana.

A noção de Real recebeu algumas conotações ao longo da teoria lacaniana, o que não significa que Lacan não tenha se dedicado a ela tal como fizera com os outros dois registros - Imaginário e Simbólico. Diferente é a posição de Roustang (1988), que afirma: “Não existe nenhum texto em que o real seja por si mesmo objeto de um
*

desenvolvimento. A palavra aparece aqui e ali, como se seu sentido dependesse da evidência” (p. 50). Queremos, neste artigo, resgatar a noção de Real desde sua relação com o Imaginário, bem como lançar luzes a respeito de sua relação com o Simbólico, focalizando-o, assim, num momento bastante específico da obra de Lacan.

Psicanalista. Doutor em Filosofia. Professor do Departamento de Psicologia da Universidade Federal de São João del ReiUFSJ/MG.

Psicologia em Estudo, Maringá, v. 14, n. 1, p. 41-46, jan./mar. 2009

assentimentos. por ignorar o quanto sua verdade é relativa às muralhas de sua torre. Pertencem à realidade verdadeira. Não obstante. segundo Lacan (1998). isto é. 2009 . Lacan se esforça. em ambos os textos . mas não pode de maneira alguma identificá-la como seu fim próprio” (Lacan. p. Nesse texto de 1936. impossibilitando apreender o Real./mar. p. p. portanto. Trata-se de certa influência do pensamento sociológico de Augusto Comte. sonhos. para Lacan (1998). tal como acontecera desde a tese de 1932. nem no cientificismo nem no “letrado”. Dessa maneira. De que Real se trata nesse início do ensino de Lacan? A afirmativa lacaniana citada abaixo começa a elucidar essa importante noção: A ciência estava bem posicionada para servir de objeto último à paixão pela verdade. criticando o associacionismo de uma maneira geral e. pode propor-se como objetivo seu fenômeno e seu valor. Lacan. como se verificará. p. Esforçara-se em analisar objetivamente o subjetivo. tão objetivo quanto possível” (Lacan. exclui a imagem. Freud. reduz o fenômeno da imagem à sua função de ilusão. que despreza a realidade psíquica e cuja “formação academicista” o impede de uma observação totalizante do sujeito. v. seguindo Freud. 83) Trata-se. identificada. na medida em que. O associacionismo. intuições. a psicologia não constitui uma ciência. a psicologia associacionista. 78). Lacan enfatiza a imagem. ainda que. p. É o conceito de imagem que Lacan privilegiará para contrapor à visão associacionista. crenças. ao escutar o sujeito. 82). no ‘letrado’. com isso. cujo status é relegado à categoria de ilusão. por reduzi-los. 1998. uma terceira via. mutila o que do real lhe é dado a apreender (Lacan. 1998. com seu traço. em apreender objetivamente o fenômeno psíquico por meio da experiência psicanalítica. só se vai ao real pelo simbólico. criando outra positividade e operando uma verdadeira revolução metodológica. considerando-a como uma “sensação enfraquecida. em meados dos anos de 1950. despertando no vulgo a prosternação diante do novo ídolo que chamou de cientificismo e. etc.Lacan objetiva reivindicar uma positividade para a psicologia freudiana. O associacionismo. É a tríade que se começa a formar. são explicados. 81). 78). pelo associacionismo com “algum determinismo estranho à sua ‘aparência’ e chamado de ‘orgânico’. 1998 p. ela é tomada por eco e sombra da sensação. a seu ver. Para Lacan. na experiência analítica que se fundamenta no real. Mais à frente. porém. 14. O fim da verdade é outro que não o da ciência. “Para além do princípio de realidade” e em outros desse período só se atinge o Real pelo Imaginário. embora médico.42 Chaves IMAGINÁRIO E REAL No artigo Para-além do ‘Princípio de realidade’ de 1936. 83). segundo o raciocínio do associacionismo. 1. quer a relação de um fim biológico”(p. tratar-ser-á dos dados concretos da imagem. mas no da psicanálise freudiana. 247). a não ser o de função de informação” (Lacan. É por essa razão que. Maringá. vai dar outra conotação a esses fenômenos. o é também pela complexidade de sua função. jan. 1975. delírios. Sentimentos. deixando. 82). na esteira da fidelidade à “revolução freudiana” (p. atrelado ao Imaginário. Lacan (1975) havia proposto fazer uma “análise concreta do psiquismo” que pudesse conduzir a um determinismo específico da subjetividade. a psicologia associacionista deve ser substituída pela psicologia da forma. No texto de 1936 Lacan vai se preocupar também com os dados concretos. aberta menos seguramente à realidade. porém. que não incorresse em nenhum reducionismo. 84). Na Tese de 1932. 1998. segundo Lacan. na medida em que se volta para a verdade. 1998. empobrece consideravelmente a riqueza dos dados. na medida em que. dá importância ao seu testemunho. o sujeito concreto. quer ao suporte de um objeto físico. de desbravar outro caminho. talvez. Assim. O Real já tem importância nesse início do pensamento de Lacan. opôs-se radicalmente a essa proposta. esse eterno pedantismo que. isto é. para Lacan. Desse modo. valorizando-a como um fenômeno privilegiado da investigação psicanalítica. de maneira mais específica. lançando “sobre o caso estudado um olhar tão nu. caindo em “concepções como a de piatismo” (Lacan.a tese de 1932 e o artigo de 1936 . “Da psicose paranóica em suas relações com a personalidade”. A partir Psicologia em Estudo. A ciência pode até “honrar-se de suas alianças com a verdade. não nos moldes do associacionismo. complexidade esta que não se pode tentar abarcar num único termo. de ser “simplesmente positiva”. que visa a “uma garantia da verdade” (Lacan. 81). pois é “o mais importante da psicologia pela riqueza de seus dados concretos. que é o primeiro sinal dessa atitude de submissão do Real em Freud. 41-46. assim. n. “que sabe que uma certa intencionalidade é fenomenologicamente inerente a seu objeto” (p. somente aqueles fenômenos que se inserem em algum nível das operações do conhecimento racional. o associacionismo jamais vai ascender a uma psicologia autêntica. p. 1998. No texto de 1936. p. com o engrana” (Lacan. não escapa à critica de Lacan nem mesmo o próprio médico. Seu objetivo é inscrever a sua psicologia no terreno da ciência.

89). resta o que esse homem quer lhe dizer. acaso continua ele a dirigir ao ouvinte realmente presente. é suspendendo esse movimento que ele compreende o sentido do discurso (p. mas no real da experiência psicanalítica. mas o que ele lhe diz contém um sentido. na medida em que mantém significativa relação com o pensamento do sujeito: a linguagem “por ser abordada por sua função de expressão social. tem regras claras. 87). É no movimento que o ouvinte o sente. na transferência. p. que agora já não é tão ilusória. sendo mentiroso com ele” (Lacan. de maneira implícita. 41-46. é da reconstituição da imagem pelo sujeito que se trata. pois o trabalho da psicanálise. não pode garantir sua realidade se o outro ‘mais real’ mostrase bem presente apesar de sua ausência” (p. o Imaginário ganha uma dimensão de Real. no final de seu pensamento. mais especificamente. O sintoma precisa ser distinguido do “registro da vida comum da vida psíquica por algum traço discordante onde se mostre bem seu caráter ‘grave’”(Lacan. Sua presença enquanto pessoa física no aqui e agora. O ouvinte entra nessa experiência “na situação de interlocutor” (Lacan. mas que aquilo que ela significa (coisa ou ser) ela significa primeiramente para alguém”(p. significa para alguém” (Lacan. isto é. A experiência psicanalítica. 86). 1. de onde é preciso retirá-la. a lei da associação livre. Psicologia em Estudo. já que ele impõe a seu discurso não querer dizer nada. o que Lacan denuncia é quanto tal identificação despreza “o que tem significação real./mar. 1998. dedicado à ética. o que importa não é o que se diz. Se não há alguém a quem se dirigir. 1964. o real como trauma. agora. ao fantasma da lembrança. 1998. O sujeito solicita o analista. v. 88). o Imaginário e o Simbólico. livro 7. o Real será definido como o que escapa ao Simbólico. 1998. em Freud. 2003). à testemunha da solidão. De acordo com Marcos (2003). 2009 . 86). é em virtude da lei da experiência. para Lacan. dessa forma. tem um papel fundamental: Pelo simples fato de estar presente e escutar. não há por que falar. encontram-se condensadas em uma única. p. não é o real. ou seja: se é psicológico. 1998 a. sua presença. imaginário porém mais real. doravante inutilizado pelo fim dos sintomas e pelo arremate da personalidade” (Lacan. p. ao mensageiro do destino? (p. n. Ao longo do texto de 1936. O que ele diz. do analista. concebendo-o como um epifenômeno. Lacan elogia Freud. que identifica o imaginário com o ilusório. mas é da ordem do real. inicialmente. O ouvinte é o analista. para Lacan (1998). Assim. até se entrelaçarem de uma vez por todas. restaurada em sua realidade própria. a algum outro. Essa relação entre linguagem e pensamento desdobrase na relação entre o analista e o analisando. isto é.O real em Lacan 43 dos anos de 1960 e. ao fazer tal afirmativa. Lacan (1998). no nóborromeano. é regressivamente assimilada ao real. 50) comenta a respeito dessa importante afirmativa de Lacan: A imagem. 1998. o psicanalista. “a linguagem antes de significar alguma coisa. 87). ainda que de forma moderada (Marcos. p. para ser progressivamente desassimilada do real. o sintoma” (Lacan. por excelência. jan. de 1959/1960. p. a ética da psicanálise será centrada não no ideal. O interlocutor. logo em seguida. pode ‘não ter nenhum sentido’. 85). Roustang (1988. como gestalt formadora que importa reconstituir. p. na medida em que a experiência psicanalítica prossegue: “a conduta deixa de imitar sua sugestão. Lacan aponta para a situação de que o analisando deve se deparar com o Real produzido pela reconstituição da imagem. e o analista vê o fim de seu poder. que. tocando. Ação que testemunha a eficiência dessa realidade (p. 333). mas. 14. Maringá. especificamente. Há uma valoração do real. ou seja. com efeito. e. p. Marcos (2003) considera que Lacan. pois. Assim. revela ao mesmo tempo sua unidade significativa na intenção e sua ambigüidade constitutiva como expressão subjetiva. p. depondo contra o pensamento. a relação entre o Imaginário e o Real. Explicita-se. 85). “o índice de realidade do outro não é. 338). à estátua do dever. este homem que fala dirige-se a ele. Ao criticar a medicina e a psicologia associacionista. não quer dizer que “a linguagem signifique apenas o sujeito da enunciação. embora em cada momento da obra de Lacan este conceito vá se evidenciando de acordo com os dois outros registros. Entretanto. dessa maneira. as lembranças retomam sua densidade real. consiste justamente em “resolver uma ilusão”. 86-87). 1998. pois. a ação terapêutica deve ser essencialmente definida como um duplo movimento pelo qual a imagem. entretanto. mas o que se lhe diz. ou antes. já no Seminário. adverte que o psicanalista permanece silencioso e resiste pacientemente a isso: Não haverá um limite em que essa atitude deva fazer cessar o monólogo? Se o sujeito prossegue nele. a princípio difusa e fragmentada. para. O termo-chave é a linguagem. solicitá-lo explicitamente. sê-lo-á somente na aparência.

/mar. Ele é a razão da permanência através da mudança incessante das aparências. depois de 1936 vai desaparecer de cena por algum tempo e só voltará a ocupar um lugar de destaque no final de 1955. é a Meyerson. Vanier (2005) sintetiza. nesse período de sua obra. “O Eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise”. instaurando-se. de 1952 e “O Simbólico. a mesma perspectiva de Henri Wallon em relação à imagem especular e “opõe o real à ‘realidade própria’ da imagem” (Marcos. É à Antropologia estruturalista que. o Imaginário designa a relação com a imagem do semelhante e com o ‘corpo próprio’. 1. O Simbólico é. é independente do eu e da consciência. nesse momento de sua obra. p. é o ser de todos os fenômenos. 349). o Real. graças a ele. 349). fazer desaparecer o termo ‘inconsciente’ em prol da imago”. nos de 1953. ou o que quer que seja que se inscreva no que encontramos e reencontramos incessantemente. é. imaginário e simbólico nesse período do ensino de Lacan. no seminário dedicado às psicoses. Lacan recorre para solidificar seu programa de dar à psicanálise um estatuto de ciência. o Imaginário e o Real. 2009 . então. Essas definições antecipam o que Lacan propõe em 1953 (p. “O mito individual do neurótico”. que deve ser distinguido da realidade. Segundo Roustang (1988). e por essa razão é matematizável e logizável (p. Para Marcos (2003). Entre os textos acima citados destacaremos os dois últimos. jan. No texto “O Simbólico. 18-19). pode ser creditado dos traços da objetividade. consiste em almejar “entre outras coisas. de 1954-1955. podemos afirmar que. no texto de 1953 sobre a tríade. Para Lacan. nessa época. a fim de elucidar a relação entre real. que consiste e resiste. que estavam transformando a psicanálise numa teoria adaptativa. Pelo real. Segundo Vanier (2005). como o texto de 1951. é um efeito do Simbólico: o que o Simbólico expulsa. IMAGINÁRIO E REAL Sob a égide de um retorno a Freud. Isto é. o entendimento de Lacan a respeito desses três registros. já que a imagem que dele participa determina e constitui o sujeito. 20). enfim. de maneira simples e coesa. pois. A justificativa que encontra Lacan para que se volte à fonte da Psicanálise se fundamenta na proposição de que a experiência freudiana aborda a realidade humana na sua totalidade. não haveria nenhuma outra experiência que conseguiria esse feito. que é o de dar à psicologia um status de ciência. “Função e campo da linguagem em psicanálise”. 2005. v. Lacan propõe a tríade a fim de elucidar as instâncias introduzidas por Freud. e que Freud manifestou como sendo sua realidade essencial. os registros Imaginário e Real são remanejados e fundados a partir do Simbólico. formavam a compreensão desse conceito: o real é um invariante. 2003. nesse início de seu pensamento: O Simbólico remete simultaneamente à linguagem e à função compreendida por Lévi-Strauss como aquela que organiza a troca no interior dos grupos sociais. 14. racional. p. n. SIMBÓLICO. essenciais da realidade humana. a experiência analítica é a que se dá na fala (ou em palavras): É de fato assim que devemos entender o simbólico de que se trata na troca analítica. Lacan coloca em questão “a representação corrente de uma psicanálise comparável às disciplinas científicas” (Vanier. Lacan adota. voltar às fontes da Psicanálise é denunciar a degradação que esta disciplina vinha sofrendo. portanto. de 1953. trazido ao primeiro plano. p. o Real. A fim de entender a realidade humana é preciso enfatizar os três registros que a compõem: o Simbólico. a teoria não deve ser dissociada de sua técnica. E o Real? Roustang (1988) afirma a respeito do conceito de real que Lacan talvez nunca tenha renunciado aos traços principais que. nesse intervalo entre 1936 e 1955. funcionando a partir da articulação do significante e do significado. Contrariamente a esse autor. Maringá. este programa ambicioso de Lacan. o Imaginário e o Real”. o Imaginário e o Real’. bem como no Seminário II. que Lacan recorre a fim de fundamentar suas premissas. Lacan (2005) introduz esses três registros como os Psicologia em Estudo. Trata-se de “retirar a imagem da ordem do mimetismo a fim de restituí-la em sua dimensão de lembrança” (Marcos. denunciando os desvios cometidos alémmar pelos defensores de uma psicologia do ego. também. trata-se ainda e sempre de símbolos. 41-46. relativista. o objeto da psicanálise. “Intervenção sobre a Transferência” e. Quer se trate de sintomas reais ou atos falhos. De acordo ainda com Roustang (1988). p. Assim. 51).44 Chaves Esse real deve ser dito eficiente. o conceito de Real aparecerá em importantes textos. Não se pode perder de vista o projeto que Lacan está elaborando nesse momento de sua obra. para Lacan. e de símbolos organizados na linguagem. 2003.

p. Na experiência analítica. 1. No Seminário. pois “a encarnação do amor é o dom do filho. à duração. já não é possível saber como começou. 2005. que fazem uma única e mesma coisa (Lacan. concebido e exemplificado primeiramente por Freud: refere-se ao brinquedo com o carretel que a criança faz aparecer e desaparecer conforme a chegada e a saída da mãe: Essa repetição primitiva. que deve ser concebida “como ligada a um processo circular do intercâmbio da fala” (p. de maneira alguma. de acordo com o momento do diálogo” (Lacan. essa escansão temporal. para Lacan. subsistir em uma certa permanência tudo o que durou como humano. proferido nos anos de 1954/1955. 2005. do impossível de se dizer. Maringá. n. para simbolizar alguma coisa que tem um sentido diferente. nesse instante do pensamento de Lacan. 2005. mais preservado do lado movediço e descompensante do processo natural. A constituição do sujeito se dará no registro do Simbólico (Chaves. indagar a respeito das “forças” que “dão certa existência a esse equilíbrio. p. 22). a saber. Mas será no Seminário. Lacan critica./mar. para Lacan. p. Assim. há o Simbólico e o Real. o Imaginário se apresenta de outra forma. tudo o que se pode analisar é da ordem do Simbólico. isto é. que Lacan (1992b) afirmará que o Real é sem fissura e que só é possível apreendê-lo por intermédio do Simbólico. O Simbólico garante o que transcende para que o sujeito não se consuma em si mesmo. Não obstante.mas de dizer a respeito de sua função. O Real. 2005). Lacan (2005) critica demasiadamente todos aqueles que após Freud desconsideraram “a função simbólica da linguagem”. uma vez emergida. p. que é da ordem do Imaginário. Mas há também o Imaginário e o Real que. antes de tudo. A fantasia. toda ciência que supostamente aborda o Real sem levar em conta o Simbólico. Institui-se assim o “outro como outro”. 2009 . de certa maneira. pois. A significação do símbolo está associada ao automatismo de repetição. Para a psicanálise. 35). este simbolismo tem um nome: repetição. e por ter durado. se devemos dar sentido a esse algo limítrofe o qual mal podemos falar que é o amor. p. nem mesmo como era antes de sua existência . 2005. então. o simbolismo é essencial. faz com que a identidade do objeto seja mantida na presença e na ausência. pois “ela é feita para se exprimir. O símbolo está intimamente ligado ao tempo. p. 2005. existido no tempo. garantindo a não-alienação para sempre em sua imagem. 45). acaba se dirigindo a um simbolismo. Lacan (1992a) dirá que o Real é o que retorna sempre ao mesmo lugar. é valorizar o que fez com que ele o estabelecesse. ao que denominamos conceito (Lacan. na medida em que este não se confunde. enfatizar o aspecto irredutível e imprescindível do pensamento de Freud. p. o que interessa a Lacan é desvendar o que se dá na experiência psicanalítica. “tem valor estritamente simbólico”. Tal ciência. a significação do símbolo na medida em que ele se refere ao objeto. livro III. do que mal se pode falar. e ainda.22). 16). para além do Imaginário. 41-46. bem como para dar conta da consistência da passagem do consciente para o inconsciente. em desconsideração à importante noção de pulsão de morte. 2005. jan. De acordo com Lacan (1992b). sem o saber. ultrapassa a fala. Mais uma vez. para ser dita. 2005. o símbolo. 14. só o é na medida em que represente outra coisa que não a ele mesmo. com o analisável. é significativo. o automatismo de repetição. que. especificamente. para Lacan. encontram-se imbricados com o Simbólico. 36). “O Eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise”. Assim. é simbólico: “Quanto mais humano. sob a ótica de Lacan. então. tem esse valor de algo mais real” (Lacan. O Imaginário de que se trata numa análise. ou seja. nesse momento de sua obra. “As psicoses”. Para o homem. não de indagar a respeito da origem da linguagem – pois. é este – a conjugação total da realidade e do símbolo. livro II. ele próprio” (Lacan. É dela que o psicanalista sempre parte para indagar a respeito de quem é esse neurótico com quem se lida nessa experiência psicanalítica. enfatizando o Imaginário pela via da resistência. na experiência psicanalítica. Temos com isso o alcance exato. o que é da ordem do Imaginário no homem difere do que é da ordem do imaginário no animal. Assim. Nota-se quanto o Real. v. o instinto de morte. e que chamamos de princípio de prazer” (Lacan. e. Com efeito.O real em Lacan 45 que é o equivalente da estrutura da linguagem (Lacan. 50). está atrelado ao Simbólico: Que Freud tenha introduzido aí o amor é algo que deve nos mostrar a que ponto ele deva às relações simbólicas seu alcance no plano humano. Assim. A experiência psicanalítica não poderá se reduzir ao Imaginário. 129). o humano só o é se tem acesso ao símbolo. ou melhor. O homem faz Lacan dá ao amor um estatuto de real. para um humano. Trata-se. reflexo de si mesmo. na psicanálise descarta-se – pelo menos nesses Psicologia em Estudo. p. 51). Real e Simbólico se entrelaçam. O dom. 2005. é “ou a totalidade ou o instante esvanecido” (Lacan.

14. pp. nos sonhos. Trad. 37130. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Original publicado em 1986). É o Simbólico que se eleva à categoria de Real ou melhor. Lacan. Um limite tenso: Lacan entre a filosofia e a psicanálise (S. (M. assim. Nícia Adan. Aluísio. (B.edu. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Original publicado em 1955/1956). ressalta Zizek (1991.qualquer possibilidade de elaboração de seu pensamento. (2005). Lacan. o imaginário e o real. CONCLUSÃO F.(1964/1990). Vera. dedicado às psicoses. São Carlos: Edufscar. J. 331-366). Vera. que ele demonstra mais sua força. O simbólico. o significante enquanto tal. pp.). (1998). (2005). já em numerosas passagens do Lacan dos anos cinqüenta”.46 Chaves primeiros anos . denunciando a psicologia associacionista. Nesse momento de sua obra. pp. o Imaginário e o Real. Essa definição terá um grande peso. O Seminário. Roberto. a impossibilidade de sua inscrição no Simbólico. D. Lacan (1992b) denuncia certo realismo das psicologias ao se voltar para os limites. J. coloca em questão o conjunto dos significantes.000 Alfenas-MG.). Lacan. J. Trad. Lacan conceberá o Real como sendo da ordem do Impossível. Trad. Safatle (Org. Vimos que Lacan inicialmente se debruça sobre o fenômeno psíquico a fim de apreendê-lo através de uma nova positividade. Trad. Temos. dessa maneira. Lacan: do equívoco ao impasse (C. dois elementos da tríade. (2005). Lacan. (1959/1960/1988). Mais à frente. Vanier. P. mas já trabalhado por Wallon. pois em alguns seminários dos anos seguintes Lacan a ela recorrerá várias vezes para definir o que é da ordem do Real. Em As psicoses (M. sob a influência do Estruturalismo de Lèvi-Strauss e da Lingüística de Endereço para correspondência : Recebido em 27/09/2007 Aceito em 08/07/2008 Wilson Camilo Chaves. livro XI. Subversão da imagem: contribuição a uma leitura de “Para além do princípio de realidade”. as capacidades individuais. propriamente dita. Entretanto. ou seja. articulado em termos diferentes. nesse Seminário./mar. magno. a experiência psicanalítica já não será mais da ordem do Imaginário. em sua obra. No Seminário.). O Seminário. enquanto pertencente ao campo do Simbólico.77-95). que reduz a imagem à condição de ilusão. São Paulo: Unesp. tem a função de reestruturar o mundo. J. 71) que “esse real impossível está em ação antecipadamente. uma vez que é justamente na psicose que melhor se evidencia a supremacia do significante sobre o significado. O sujeito psicótico. A determinação do sujeito em Lacan: da reintrodução na psiquiatria à subversão do sujeito. Lacan. Vladimir. C. O pivô da empresa de Lacan girará em torno do termo Imago. Paris: Seuil (Original publicado em 1932). O mais sublime dos histéricos (R. Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Original publicado em 1954/1955). Trad..). (1992b). aqui. (1988). Maringá.11-53). André. (1975). Rio de Janeiro: Jorge Zahar. O Imaginário humano distingue-se do imaginário animal. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Original publicado em1973). pois está inserido na ordem da linguagem. S. 41-46. definido como o que retorna sempre ao mesmo lugar. E-mail: camilo@ufsj. livro III. Lacan cunha o Estádio do Espelho e eleva a imagem ao patamar da ordem do Real. v. nos anos 1970 Lacan introduz a diferença entre Real e realidade e enfatiza o Real como pertencente à ordem do impossível.. p. 255 Bairro: Centro Cep. constituirá uma práxis simbólica. O ponto da relação do sujeito com o Simbólico vai ser buscado por Lacan lá onde Freud.. A ética da psicanálise (Q. (2003). Em V. responsável pela constituição. na condição de imagem especular. retomado da obra freudiana. só se vai ao Real pelo Simbólico. denominou de umbigo do sonho. Trad. W. François. de uma relação do sujeito com o objeto que não passe pelo simbólico.). REFERÊNCIAS Chaves. livro VII. O Real será atrelado ao aforismo “não há relação sexual”. Rio de Janeiro: Campus. Segundo Zizek (1991). Em Nomes-doPai (T. O Seminário. Saussure e Jacobson. pois a repetição. pois é ali onde o significante falta. Lacan.). Trad. J. Lacan (1992a) analisa com mais profundidade o conceito de significante. o que escapa ao Simbólico. o Simbólico. Marie Christine. A.). (1991). Trata-se de um ponto inapreensível. p. Lacan. na psicose.br Psicologia em Estudo. Os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. Zizek. Rua Bias Fortes. Nesse Seminário II. De la psychose paranoïaque dans ses rapports avec la personnalité. 2009 . jan. J.). Trad. Para além do “Princípio de realidade”. livro III. (1992a). São Paulo: Estação Liberdade (Original publicado em 1998). O Eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise (L. Marcos. Trad. Trad. Ter-se-á o impossível da relação sexual. J. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Original publicado em 1936). isto é. 1. n. Em Escritos (R. Antonio. Há. portanto é artigo de representação. O Real será. Brasil. Roustang. J. Rio de Janeiro: Jorge Zahar (Original publicado em 1953). do sujeito.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->