P. 1
Abdome

Abdome

|Views: 475|Likes:
Publicado porAndressa Daga

More info:

Published by: Andressa Daga on Oct 05, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/10/2014

pdf

text

original

Esta é uma compilação de informações que foram necessárias para responder questões da prova de abdome da Anatomia II que foram

aplicadas para a ATM 2013-1 Esse material tem como único objetivo guiar o estudo, e os autores não se responsabilizam pelo seu uso. Bom proveito. Paulo Henrique Gabiatti Donadel Vinycius Marin de Liz

Abdome:
Limites: Superior = diafragma tóraco-abdominal Inferior = abertura superior da pelve (linha arqueada – imprecisa) Anterior: Músculo reto abedominal, músculos piramidais, aponeurose do oblíquo externo, olbíquo interno e transverso. Lateral = 3 músculos (Ob. Externo, interno e transverso) ilíaco e ossos do quadril. Posterior: corpos e discos das 5 vertebras lombares, pilares do diafragma, músculo psoas maior e menor, músculo quadrado lombar, músculos ílicos e ossos do quadril. Rebordo costal protege as vísceras abdominais mais altas. A parede se divide de externo para interno em: Pele Tela subcutânea (com gordura, principalmente na parte superficial) Músculos e fáscias, ou ossos Tecido extraperitoneal Peritôneo. O plano mediano possui a linha alba: Entrecruzamento das aponeuroses de inserção do oblíquo interno e externo de cada lado. É uma linha xifopubiana. Dividindo na linha hemiclavicular direita e esquerda, e numa linha passando pelo rebordo costal, e outra passando pelas espinha ilíacas âtero-superiores temos uma divisão anatômica conforme a seguinte tabela: Hipocôndrio Direito Flanco Direito Fossa Ilíaca Direita. Epigástro Mesogástro, ou periumbilical Hipogástrico ou Hipocôndrio Esquerdo Flanco Esquerdo Fossa Ilíaca esquerda

-1-

é ventral ao reto anterior. Dermatômeros abdominais: Xifóide = T7 Hipogástrico = L1 Umbigo = T10 Camadas subcutâneas: Superficial .onde se localizam os vasos. e auxilia na flexão do tronco e eliminação da urina.suprapúbica O Assoalho do trígono lombar é formado pelo oblíquo interno. se intrecruzam e se fixam na linha média. Todos os músculos tem aponeurose quando chegam na margem do reto. Forma o anel inguinal superficial.: Transverso do Abdome As 3 camadas cruzam o reto anterior do abdome (músculo poliventrico do rebordo costal ao púbis. largura de 4 dedos. se fixam em aponeurose. Bainha dos retos 2/3 superior: Oliquo externo = externo Oblíquo interno = por fora e por dentro (se delamina) Transverso = por dentro 1/3 inferior: tudo por fora do reto abdominal. 1º Plano: Oblíquo externo (mão no bolso) 2º Plano –camada intermediária-: Oblíquo interno (o contrário) 3º Plano –camada interna. cava inferior. veia porta. com inserção aponeurótica). com excessão do epimísio do transverso e que já se junta com o peritôneo. O oblíquo externo se insere via aponeurose no ligamento inguinal. -2- . Na parede abdominal há anastomose da cava superior.Areolar (continua com as demais camadas). O músculo piramidal é inconstante. Profunda – Lamelar (termina na prega inguinal e vai até a genitália externa) Os Músculos do abdome não tem tendão.

ou trajeto inguinal. Canal inguinal = passagem oblíqua de 3 a 5 cm através da parede abdominal. O canal inguinal feminino é mais estreito. Nos homens = funículo espermático. A borda medial é formada pela borda lateral do reto do abdome. A principal proteção do canal inguinal é muscular. Hérnias: -3- . Nas mulheres = ligamento redondo do útero. A borda inferior pelo ligamento pectíneo e pube. Resultante das forças: Supraumbilical = para cima Infraumbilical = para baixo Total = para o púbis. e as hérnias muito menos frequente. Inervação = Toraco-abdominais (últimos intercostais) Vascularização da parede do abdome: Artéria epigástrica superior (ramo da torácica interna) Artéria epigástrica inferior (ramo da ilíaca externa) Veias de mesmo nome.Transição entre eles = linha arqueada. O canal da passagem do ligamento redondo do útero aos vasos que o acompanham e ao nervo ílioinguinal. Entre os anéis inguinais está o canal inguinal. Os vasos epigástricos inferiores formam a borda lateral do trígono inguinal. Lateralmente = fibras musculares do oblíquo interno Posteriormente = aponeurose do transverso e fáscia transversal Acima = fibras arqueadas do oblíquo interno e transverso do abdome Assoalho = ligamento inguinal e ligamento lacunar.(resquício do cordão umbilical) Paredes: Anterior = aponeurose do oblíquo externo. Drenagem linfática superior – cadeia axilar e torácica interna Drenagem linfática inferior – Inguinal.

lisa e deslizante. As intraperitoneais estão envoltas por peritôneo. Inguinais = indireta (oblíqua) e direta. Indireta: o conteúdo abdominal penetra no canal inguinal na altura do ânulo profundo. Na linha semilunar = hérnias laterais. Direta: penetra no canal inguinal através de sua parede posterior. As extraperitoneais podem ser retro-peritoneais ou pré-peritoneais. 2 folhetos: Parietal (acolado à parede) e Visceral (acolado à viscera) As visceras podem ser intraperitoneias ou extraperitoneais. É mais comum. medialmente à artéria epigástrica inferior. Peritôneo: Membrana serosa. Umbilicais = ventrais -> congênitas resultantes do fechamento incompleto da parede abdominal. na mulher as tubas uterinas abrem-se em seu interior. Epigástricas. Vasc: vasos da vísceras. Podem ocorrer tb na linha alba (hérnias medianas). No homem o peritôneo é completamente fechado. com maior incidência em homens e no lado direito. -4- .A maioria das hérnias ocorre na região umbilical e inguinal. Principal função: Diminui o atrito e opor resistência às infecções. que forma a parede abdominal (sendo conhecida como peritôneo parietal –da parede-) Constituição histológica exatamente igual ao pericárdio fibroso e a pleura. Os retroperitoneais possuem peritôneo apenas nas faces anteriores (rim) Os pré-peritoneais só possuem peritôneo na parte posterior Vascularização do peritôneo parietal: Artérias lombares Torácicos abdominais. Inervação parietal: últimos intercostais e plexo lombosacral (peritôneo lombar posterior) Vascularização do peritôneo visceral.

e vão para a cisterna do quimo. ou ângulo da cárdia Curvatura maior Curvatura menor Incisura angular Piloro Regiões: Fundo Corpo -5- . e o duodeno. Ele comunica a cavidade peritoneal com a bolsa omental. tá atrás do estômago e do omento menor. O omento maior é uma prega peritoneal que se origina no estômago na frente do cólon transverso. a posterior também é peritôneo que cobre o diafragma. A cavidade peritoneal é subdivida pelo omento maior. A Drenagem linfática do andar supramesocólico acompanha as ilíacas. E atrás dele está a veia cava inferior. o pâncreas. ao qual se prende. A Aorta é retroperitoneal. A bolsa omental é um espaço grande e irregular. Ex: mesentério = meso do entério Omento gastro-epático. O Estômago está situado no epigástro e no hipocôndrio esquerdo. e supra-renal esquerda. A parede anterior da bolsa omental é formada de peritôneo.4 situações das vísceras quando à reflexão peritoneal. Parede com pedículo = meso Visceras com pedículo = omento Parede sem pedículo = ligamento Visceras sem pedículo = ligamento. O forame epiplóico é um canal curto atrás da borda livre do omento menor. cólon transverso e mesocolontransverso em: Parte súpero anterior: compartimento supramesocólico Parte ínferoposterior: compartimento inframesocólico. acabando então no ducto torácico. Cárdia Esfincter esofágico inferior (funcional) Ângulo de hiss. o rim.

Basso. Relações da 1ª porção. Celíaco. 1ª e 4ª porção = intraperitoneais (14 IN) 2ª e 3ª = retroperitoneais. Pilar direito do diafragma. Área nua gástrica = área sem peritônio na região do fundo do estômago. Inervação do estômago = vago Duodeno: Formato de “C” 4 porções 1ª porção. Anteriormente está o fígado e a vesícula biliar. Flexura duodeno-jejunal. Flexura duodenal inferior 3ª porção. Flexura duodenal superior 2ª porção.Pilórica : -antro – canal – Musculatura em 3 camadas: Externa – longitudinal Interna – circular Fibras oblíquas partindo da incisura angular. Relevo mucoso = pregueamento No corpo e no piloro = + longitudinal. tr. Artéria gástrica esquerda esquerda (puxa o esofago abdominal para baixo) Peritônio. 2 ductos desaguando na 2ª porção -> colédoco e pancreático. rim esquerdo. No fundo = irregular. Mecanismo que impedem o refluxo: Esfincter esofágico (principal) Angulo da Incisura da cárdia – de hissPrega mucosa de gubaroff. O “C” duodenal abraça o pâncreas. pâncreas. cava. aorta. -6- . Relações: Duodeno.

Relações da 3ª parte: Corre para a esquerda e cruza o psoas maior direito. Papila menor = na face ântero medial da parte descendente do duodeno. Deságua o ducto pancreático acessório. o colotransverso. Ângulo cólico esquerdo Rim esquerdo (fica apoiado sobre ele) -7- . que então transita por dentro do pâncreas e deságua na papila maior. Relações da 2ª porção: Anteriormente está o fígado e a vesícula biliar.Posteriormente tem o ducto biliar. formando o ducto hepático comum. a aorta. a veia cava inferior. 2 cm mais alta que a papila maior. Está cruzada anteriormente pelos vasos mesentéricos superiores e raíz do mesentério. a veia porta e o pâncreas. Relações da 4ª parte: Ascende ao lado esquerdo da aorta. esse ducto recebe o ducto que vem da vesícula biliar (o cístico). intraperitoneal. Papila maior = projeção mamilar no interior da face POSTERO MEDIAL no interior da segunda porção do duodeno. BAÇO: Hipocôndrio esquerdo. junto com o ducto pancreático. e rim direito. Funções de hematopoiese (intrauterina) e Hemocaterese (filtragem) As hemácias são produzidas na medula óssea dos ossos chatos. Posteriormente = vasos renais direito. na segunda porção do duodeno.a vesícula biliarr e intertino delgado. Insicão na borda direita da 2ª parte do duodeno não compromete a irrigação. e o pesoas maior esquerdo. e forma o ducto colédoco. Relações: Fundo gástrico. O Ducto hepático direito se une com o esquerdo.

Vascularização= Ramos pancreáticos da artéria esplênica Ramos pancreáticos do tronco pancreático duodenal superior e inferior. (3:30 da manhã.. Posterior = vertebral. isso que dá. Veias venosas para veias homônimas.. PÂNCREAS: (L2. atrás do colo do pâncreas) Acima dele = artéria esplênica.) Colédoco = -8- . aorta. além do apoio no rim e as reflexões peritoneais. ( a pontinha da cauda é intraperitoneal) Pâncreas = cabeça. artéria e veia mesentérica. corpo. O Baço está naquela posição por causa da pressão (resultante das forças) na cavidade. cauda ( cabeça + corpo = colo ) Atrás do pâncreas = veia esplênica (logo após forma a veia porta. L3) Mesogástro e hipocôndrio esquerdo. Se o suco pancreático for ativado dentro do pâncreas ele “vai comer ele mesmo” > hemorragia intracavitária por acometimento da veia esplênica que está atrás dele.Hilo (na face visceral) = artéria e veia esplênica –não tem ducto pq não é glândula-. Retroperitoneal. Há o omento esplenopancreático (ligando o pâncreas ao baço) Tronco celíaco logo atrás do corpo Relações Anterioremnte: implantação do mesocólon transverso. tronco celíaco... Resquícios de lobulação na borda anterior. Lateralmente: com o C duodenal. Uma pancreatite pode comprometer a veia esplênica.

coberto pelo diafragma. 1ª parte do duodeno. além do estômago e duodeno através de um número de pregas peritoneais. A maior parte do fígado está sob cobertura da caixa óssea torácica. Flexura cólica direita e rim direito. Forma as células sanguíneas do feto. Parte pilórica do estômago. Veia porta – sinusóides – veias hepáticas – veia cava inferior – átrio direito.Supradodenal Retroduodenal Retropancreático Intrapancreático. O ligamento falciforme conecta o fígado ao diafragma e à parede abdominal anterior. Tronco Celíaco: -9- . O fígado se conecta com o diafragma e com a parede abdominal anterior. Intraperitoneal “” Retroperitoneal “” FÍGADO: Relações: Superfície visceral da esquerda para a direita: Parte superior do estômago. parte terminal do esôfago. omento menor. O omento menor estende-se do fígado à curvatura menor do estômago e ao início do duodeno.

. Tendão conjunto (mal denominado) = quando os músculos oblíquo interno e transverso de unem na aponeurose. supra-renais. . ilíacas. Limites: Anterior = aponeurose do oblíquo externo Posterior = fáscia transversa + peritôneo Superior = Borda inferior do oblíquo externo + transverso.. Aponeurose dos músculos do abdome Linha arqueada Canal inguinal – limites.SABER: Retroperitoneais: Aorta. Mulher = ligamento redondo do útero. ureteres. Conteúdo: Homem = cordão espermático. tr. mesentérias.10 - . Celíaco.. conteúdo. Inferior = ligamento inguinal. frênicas inferiores. rins.

11 - . face diafragmática. no recesso costodiafragmático. O baço se relaciona: Anterior = estômago Posterior = diafragma Medial = rim esquerdo Inferior = flexura esquerda do colo. Onde passa a artéria cística: ducto cístico. vesícula biliar. vasos epigástricos inferiores. O colédoco: 1º = supraduodenal. mais medial) e o anel inguinal profundo (do oblíquo interno.O canal inguinal é entre o anel inguinal superficial (do oblíquo externo. Existem ductos biliares que drenam do fígado direto para a vesícula. A esqueletopia do baço é da 9ª a 11ª costela. As que desembocam na porta são: Veia cística . reto do abdome-. mais lateral) Trigono de Hesselbach (ocorrência de hérnias) -ligamento inguinal. ducto hepático. Pregas menores e irregulares = região do fundo e superior do corpo (curvatura maior) Pregas maiores e mais horizontais = pequenas curvatura. 2º = retroduodenal 3º = retropancreático. lobo quadrado. As camadas de gordura do abdome: Superficial = areolar Profunda = lamelar Há anastomose da epigástrica superior (ramo terminal da torácica interna) com a epigástrica inferior (ramo da ilíaca externa). hilo hepático. As 4 áreas nuas do fígado são: Veia cava inferior. A formação da veia porta é por: Mesentéria superior + esplênica – mesentérica inferior. Pregas maiores e irregulares: Corpo e antro. 4º = intrapancreático. Trígono de Calot.

. A 1ª e 4ª porções do duodeno são intraperitoneais.12 - . Sintopia da tríade portal: Veia porta (mais dorsal) Ducto colédoco (antero lateral) Artéria hepática própria (ântero medial) Os limites do forame epiplóico: Cava inferior Tríade portal. A 2ª e 3ª porções do duodeno são retroperitoneais. Flexura duodenal superior. e com a mesentéria –entre 3ª e 4ª) A vascularização da tireóide é pela artéria tireoídea superior (ramo da carótida externa) e pela tireoídea inferior (tronco tireocervical – da artéria subclávia) O ducto torácico só não drena a linfa do quadrante superior direito.Veia paraumbilical Gástrica esquerda Gástrica direita. Lobo caudado do fígado. VER RELAÇÕES DA BOLSA OMENTAL. O fígado tem relações com: Cava inferior. 2 do omento maior) O duodeno se relaciona com a artéria gastroduodenal na primeira porção. VER RESULTANTES E FORÇAS DA PAREDE ABDOMINAL O Avental dos omentos: Tem tropismo + para locais infecciosos (policial do abdome) É formado por 4 lâminas (2 do mesocolo. Vesícula biliar Lobos Ligamentos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->