P. 1
A MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO DE MATRIZES

A MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO DE MATRIZES

|Views: 60|Likes:

More info:

Published by: Mary Da Silva Mendes on Oct 06, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/06/2011

pdf

text

original

A MODELAGEM MATEMÁTICA NO ENSINO DE MATRIZES

E SISTEMAS LINEARES


Letícia Menezes Panciera
1
Dr. Márcio Violante Ferreira
2


RESUMO


No presente trabalho foram desenvolvidas situações-problemas envolvendo o estudo
de matrizes e sistemas de equações lineares para alunos do Ensino Médio, através da
metodologia da Modelagem Matemática. Descrevemos aqui uma experiência de sala de aula,
realizada na disciplina de Fundamentos de Geometria Analítica e Álgebra Linear, do Curso de
Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e Matemática, do Centro Universitário
Franciscano de Santa Maria – UNIFRA –RS. Os conteúdos de matrizes podem ser utilizados
nas mais diversas situações reais e constitui-se em tabelas que designam com clareza certas
situações, representando um grupo ordenado de números que se apresentam em linhas e
colunas. As matrizes ordenam e simplificam os problemas, contribuindo para a resolução de
vários tipos de questões, sendo utilizadas na Estatística, na Física Atômica, na Engenharia, na
Administração, na Economia, enfim, na Matemática Pura e Aplicada. Os sistemas lineares
aparecem também em aplicações de diversas áreas, como Administração, Economia,
Sociologia, Ecologia, Demografia, Genética, Eletrônica, Engenharia e Física. As situações-
problemas propostas envolvem perca de peso em um programa de dieta e com exercícios pré-
estabelecidos, determinando as calorias que se vai queimar e, também, o controle do fluxo de
veículos nas ruas de mão única no horário de rush no centro de uma cidade. As questões
desenvolvidas foram feitas com a preocupação de fornecer conteúdo contextualizado e
interdisciplinar. Conclui-se que a metodologia da Modelagem Matemática, além de servir
como motivação para introduzir novas idéias propicia também, a compreensão e a
interpretação de problemas reais.


Palavras-Chave: Modelagem Matemática; matrizes; situações-problemas







_____________________________
1
Graduada em Matemática – Especialista em Informática na Educação e aluna do Curso de
Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e de Matemática - UNIFRA – RS
letipan@terra.com.br
2
Professor do Curso de Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e de Matemática –
UNIFRA – RS ferreira@unifra.br
2
DESENVOLVIMENTO


No presente trabalho foram desenvolvidas situações-problemas envolvendo o estudo
de matrizes e sistemas de equações lineares para alunos do Ensino Médio, através da
metodologia da Modelagem Matemática. Descrevemos aqui uma experiência de sala de aula,
realizada na disciplina de Fundamentos de Geometria Analítica e Álgebra Linear, do Curso de
Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e Matemática, do Centro Universitário
Franciscano de Santa Maria – UNIFRA –RS.
Muitas vezes os educadores de Matemática encontram dificuldades em desenvolver
determinados conteúdos Matemáticos mostrando a aplicação dos mesmos para seus alunos.
A Modelagem Matemática como uma metodologia de ensino, vem ao encontro da
nova visão de Educação Matemática, que valoriza não apenas adquirir conhecimentos, mas o
desenvolvimento de capacidades, atitudes e valores, relacionando a Matemática com o mundo
real.
Segundo Bassanezi (2002), o qual se utiliza desta modalidade, o uso da modelagem
conduz para o ensino de conteúdos matemáticos conectados com outras formas de
conhecimento.
O tema abordado para o desenvolvimento dessa experiência foi perca de peso em um
programa de dieta e com exercícios pré-estabelecidos, determinando as calorias que se vai
queimar e, também, o controle do fluxo de veículos nas ruas de mão única no horário de rush
no centro de uma cidade.
Segundo D’ Ambrósio (1998) devemos contemplar os nossos alunos com problemas
significativos ao invés de situações artificiais e repetitivas.
Os conteúdos matemáticos da Educação Básica devem ter conexões com o meio social
dos alunos, para utilizá-los na sua vida cotidiana.
No entanto, sugerimos duas aplicações de grande relevância, pois faz parte do
cotidiano dos alunos, para resolver matrizes e sistemas lineares, utilizando a metodologia da
Modelagem Matemática.
Tendo em vista uma melhoria na qualidade de vida desses adolescentes, vamos
abordar o conteúdo de matrizes através de um programa que relacione atividades físicas e as
calorias que eles vão perder, estimulando também, a atividade física entre os adolescentes.


3
Pesquisas mostram que pessoas que incluem atividades físicas no seu programa de
emagrecimento têm menor chance de recuperar o peso perdido do que as que só mudaram a
dieta. Além de promover o controle de peso, a atividade física melhora sua força e
flexibilidade, diminui o risco de enfermidade cardíaca, ajuda a controlar a pressão sangüínea e
diabetes e ainda pode melhorar a sensação de bem-estar e diminuir o estresse.

Situação-Problema 1:

Fernando é um aluno que pesa 73 quilos. Ela quer perder peso por meio de um
programa de dieta e de exercícios.
Após consultar a tabela 1, ele montou o programa de exercícios na tabela 2.
Quantas calorias ele vai queimar por dia se seguir esse programa?

Tabela
1 -
CALORIAS QUEIMADAS POR HORA

Peso Caminhar a
3Km/h
Correr a
9Km/h
Andar de
bicicleta a
9Km/h
Jogar futebol
69 213 651 304 420
73 225 688 321 441
77 237 726 338 468
81 249 764 356 492

Suponhamos um acompanhamento deste aluno através de um programa de exercícios ao
longo da semana.

Tabela
2 -
HORAS POR DIA PARA CADA ATIVIDADE





4
Caminhar Correr Andar de
bicicleta
Jogar futebol
Segunda-feira 1,0 0,0 1,0 0,0
Terça-feira 0,0 0,0 0,0 2,0
Quarta-feira 0,4 0,5 0,0 0,0
Quinta-feira 0,0 0,0 0,5 2,0
Sexta-feira 0,4 0,5 0,0 0,0

Após este levantamento vamos cruzar as informações:
As informações do aluno Fernando estão localizadas na tabela
1
, segunda linha.
Essa informação pode ser representada por uma matriz X 4x1 e as da tabela
2,
através
de uma matriz A 5x4.
Então, por meio destas informações podemos dizer quantas calorias Fernando vai
queimar após cada dia de exercício físico, simplesmente calculando A . X:

Se formarmos o produto AX, a primeira linha de A.X vai representar as calorias que ela vai
queimar na segunda-feira:
1,0. 225 + 0,0. 688 + 1,0. 321 + 0,0. 441 = 546
O produto da segunda linha de A . X representam as calorias para terça-feira:
0,0. 225 + 0,0. 688 + 0,0. 321 + 2,0. 441 = 882
O produto da terceira linha de A .X representam as calorias para quarta-feira:
0,4. 225 + 0,5. 688 + 0,0. 321 + 0,0. 441 = 434
O produto da quarta linha de A .X representam as calorias para quinta-feira:
0,0. 225 + 0,0. 688 + 0, 5 . 321 + 2,0. 441 = 1042,5
O produto da quinta linha de A .X representam as calorias para sexta-feira:
0,4. 225 + 0,5. 688 + 0,0. 321 + 0,0. 441 = 434

|
|
|
|
|
¹
|

\
|
|
|
|
|
|
|
¹
|

\
|
441
321
688
225
.
0 , 0 0 , 0 5 , 0 4 , 0
0 , 2 5 , 0 0 , 0 0 , 0
0 , 0 0 , 0 5 , 0 4 , 0
0 , 2 0 , 0 0 , 0 0 , 0
0 , 0 0 , 1 0 , 0 0 , 1
5
A matriz A é de ordem 5 x 4, e a matriz X é de ordem 4 x 1 e a matriz-produto A.X é
de ordem 5 x 1. Podemos, então perceber que a multiplicação de duas matrizes somente é
possível se o número de colunas da primeira for o mesmo que o número de linhas da segunda.


Logo, Fernando vai queimar 546 calorias na segunda-feira, 882 calorias na terça-feira, 434
calorias na quarta-feira, 1042,5 calorias na quinta-feira e 434 calorias na sexta-feira com este
programa de dieta e exercícios.


Situação-Problema 2:

O controle do fluxo de veículos nas ruas de mão única no horário do rush no centro de
uma cidade.
No centro de uma cidade dois conjuntos de ruas de mão única se cruzam, como mostra
a figura abaixo:


|
|
|
|
|
|
¹
|

\
|
434
5 , 1042
434
882
546
A . X =
A
m x n
. X
n . p
= AX
m x p
6
Qual é a média do número de veículos por hora que entram e saem dessa seção durante o
horário de rush.
Determine a quantidade de veículos entre cada um dos quatro cruzamentos?
Tendo em vista que, em cada cruzamento o número de veículos que entra tem que ser igual ao
de veículos que sai, levando em consideração as setas indicadas pela figura.
Como mostra a figura no cruzamento A, o número de veículos que entra é x +360 e o
número de veículos que saí é y + 488, logo:

x + 360 = y + 488 (cruzamento A)

y + 416 = z + 384 (cruzamento B)

z + 312 = t + 480 (cruzamento C)

t + 512 = x + 248 (cruzamento D)

Resolução da matriz para este sistema:

|
|
|
|
|
¹
|

\
|
− −

− −

264 1 0 0 1
168 1 1 0 0
32 0 1 1 0
128 0 0 1 1


Fazendo o escalonamento dessa matriz, temos:
|
|
|
|
|
¹
|

\
|
− −

− −

136 1 0 1 0
168 1 1 0 0
32 0 1 1 0
128 0 0 1 1
~
|
|
|
|
|
¹
|

\
|
− −

− −

168 1 1 0 0
168 1 1 0 0
32 0 1 1 0
128 0 0 1 1
~
|
|
|
|
|
¹
|

\
|

− −

0 0 0 0 0
168 1 1 0 0
32 0 1 1 0
128 0 0 1 1

Após a matriz escalonada, obtemos o seguinte sistema:
¦
¹
¦
´
¦
168
32
128
= −
− = −
= −
t z
z y
y x

O sistema é compatível e, como tem uma variável livre, existem muitas soluções
possíveis. Por isso devemos conhecer o número de veículos entre dois cruzamentos. Como


7
sabemos que a média de carros que trafega por hora os cruzamentos C e D é de 160 carros,
então sabemos o valor de t, podendo assim, resolver para x
,
y , z em termos de t, obtendo:
z – t = 168
z – 160 = 168
z = 168+160
z = 328
logo temos 328 carros entre o cruzamento B e C.
y – z = -32
y – 328 = -32
y = -32+328
y = 296
logo temos 296 carros entre o cruzamento A e B.

x – y = 128
x – 296 = 128
x = 424 , carros entre o cruzamento D e A .
Através desta aplicação podemos observar o número de veículos entre cada
cruzamento.
Visivelmente podemos observar que durante o dia há vários níveis de fluxos de
veículos em determinados pontos da cidade. Assim, podemos fazer um trabalho de
conscientização dos motoristas para que neste período de rush eles não cometam excessos.
Usando o mínimo necessário da buzina, ouvindo um som a um volume audível somente aos
ocupantes do carro.
E que as autoridades de trânsito determinem que naqueles pontos e horários próximos
às escolas, hospitais, asilos, creches entre outros, seja proibida a utilização de carro de som.
Fazendo com que reduza os níveis de poluição e poluição sonora nestes pontos.
Através desta situação podemos trabalhar em sala de aula com as outras áreas do
conhecimento. Ocorrendo assim a interdisciplinariedade na Escola de Educação Básica.
8
A importância da Matemática com a integração de situações reais na sala de aula como
meio para acessar o mundo matemático quanto para compreender e intervir no meio social
(Barbosa, 1999).
Fazendo com que estas situações-problemas contribuam para o conhecimento mais
significativo da aplicabilidade de situações que ocorrem no nosso dia-a-dia e essencialmente
que o cidadão (nosso aluno) se conscientize da sua parte nesse processo.


CONSIDERAÇÕES FINAIS

Abordar estas situações-problemas nas aulas de Matemática possibilita um
conhecimento Matemático mais significativo, pois o aluno fará parte do levantamento de
dados para o desenvolvimento da aplicação, viabilizando um maior interesse, entusiasmo e
motivação pelas aulas e observando que a Matemática está presente no nosso cotidiano.
Os conteúdos possuem diferentes aplicabilidades e é preciso mostrar isso aos alunos,
como forma de contribuir para a sua formação integral para a vida e para o trabalho.
A aplicação de situações reais com o desenvolvimento do conteúdo de sistemas
lineares e matrizes para a interpretação e análise nas aulas de Matemática faz com que os
alunos enxerguem o quanto a Matemática é importante e faz parte do nosso dia-a-dia.
Conclui-se que com esta metodologia nas aulas de Matemática além de servir como
motivação para introduzir novas idéias propicia, também, a compreensão e interpretação de
um problema real onde o aluno está inserido e faz parte deste processo como cidadão.
Desta forma, o ensino da Matemática cumpre a sua função de contribuir na formação
do indivíduo, tratando de assuntos e questões do dia-a-dia, com a intenção de mostrar,
conhecer e até mesmo alertar.













9
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS:

BARBOSA, Jonei Cerqueira. O que pensam os professores sobre a modelagem
matemática? Zetetiké,v.7,n.11,p.67-85,1999.

BASSANEZI, Rodney Carlos. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática: uma
nova estratégia. São Paulo: Contexto, 2002.

D’AMBRÓSIO, Ubiratan. Etnomatemática. São Paulo: Àtica, 1998.

http://www.cetesb.sp.gov.br/Ambiente/glossario/glossario_m.asp acesso em 21 de abril de
2006

http://www.scielo.br/scielo acesso em 20 de maio de 2006

http://www.personalfit.com.br acesso em 24 de maio de 2005






























Atenção:
Forma de apresentação: comunicação oral
Recurso: datashow - computador

o qual se utiliza desta modalidade. o uso da modelagem conduz para o ensino de conteúdos matemáticos conectados com outras formas de conhecimento. mas o desenvolvimento de capacidades. determinando as calorias que se vai queimar e. realizada na disciplina de Fundamentos de Geometria Analítica e Álgebra Linear. sugerimos duas aplicações de grande relevância. Segundo Bassanezi (2002). que valoriza não apenas adquirir conhecimentos. Tendo em vista uma melhoria na qualidade de vida desses adolescentes. relacionando a Matemática com o mundo real. pois faz parte do cotidiano dos alunos. A Modelagem Matemática como uma metodologia de ensino. Descrevemos aqui uma experiência de sala de aula. do Centro Universitário Franciscano de Santa Maria – UNIFRA –RS. . Os conteúdos matemáticos da Educação Básica devem ter conexões com o meio social dos alunos. No entanto. Segundo D’ Ambrósio (1998) devemos contemplar os nossos alunos com problemas significativos ao invés de situações artificiais e repetitivas. também. através da metodologia da Modelagem Matemática. vem ao encontro da nova visão de Educação Matemática. para utilizá-los na sua vida cotidiana. utilizando a metodologia da Modelagem Matemática. estimulando também. atitudes e valores. o controle do fluxo de veículos nas ruas de mão única no horário de rush no centro de uma cidade.2 DESENVOLVIMENTO No presente trabalho foram desenvolvidas situações-problemas envolvendo o estudo de matrizes e sistemas de equações lineares para alunos do Ensino Médio. a atividade física entre os adolescentes. O tema abordado para o desenvolvimento dessa experiência foi perca de peso em um programa de dieta e com exercícios pré-estabelecidos. do Curso de Mestrado Profissionalizante em Ensino de Física e Matemática. para resolver matrizes e sistemas lineares. vamos abordar o conteúdo de matrizes através de um programa que relacione atividades físicas e as calorias que eles vão perder. Muitas vezes os educadores de Matemática encontram dificuldades em desenvolver determinados conteúdos Matemáticos mostrando a aplicação dos mesmos para seus alunos.

ajuda a controlar a pressão sangüínea e diabetes e ainda pode melhorar a sensação de bem-estar e diminuir o estresse. Além de promover o controle de peso. ele montou o programa de exercícios na tabela 2. a atividade física melhora sua força e flexibilidade. Ela quer perder peso por meio de um programa de dieta e de exercícios. diminui o risco de enfermidade cardíaca. Tabela 2 HORAS POR DIA PARA CADA ATIVIDADE - . Após consultar a tabela 1. Quantas calorias ele vai queimar por dia se seguir esse programa? Tabela 1 .3 Pesquisas mostram que pessoas que incluem atividades físicas no seu programa de emagrecimento têm menor chance de recuperar o peso perdido do que as que só mudaram a dieta.CALORIAS QUEIMADAS POR HORA Peso Caminhar a 3Km/h 69 73 77 81 213 225 237 249 651 688 726 764 Correr a 9Km/h Andar de bicicleta a 9Km/h 304 321 338 356 420 441 468 492 Jogar futebol Suponhamos um acompanhamento deste aluno através de um programa de exercícios ao longo da semana. Situação-Problema 1: Fernando é um aluno que pesa 73 quilos.

0 0.0.0. simplesmente calculando A .0.4  0.5.4 Caminhar Segunda-feira Terça-feira Quarta-feira Quinta-feira Sexta-feira 1. Então.0  Se formarmos o produto AX. 441 = 434 .0 0.X representam as calorias para sexta-feira: 0.0.0 0.0   321   2. segunda linha.4 0. 321 + 2.0   0. 441 = 1042.0 0.0 0.0.0 0.0  0.0.0 0.0.0 Após este levantamento vamos cruzar as informações: As informações do aluno Fernando estão localizadas na tabela 1.0 0.5 1. 688 + 1.0    . 441 = 546 O produto da segunda linha de A .0 0.4   0. 688 + 0.0    225   2. a primeira linha de A. 225 + 0.0 0. 688 + 0.0 0.4.0.0 0.0 0. X representam as calorias para terça-feira: 0. 5 . 225 + 0.0 0.4 0.X representam as calorias para quinta-feira: 0. 321 + 2.0 0. por meio destas informações podemos dizer quantas calorias Fernando vai queimar após cada dia de exercício físico.0.0 0. X:  1.0.X vai representar as calorias que ela vai queimar na segunda-feira: 1. 441 = 434 O produto da quarta linha de A . através de uma matriz A 5x4.0.0 0. 441 = 882 O produto da terceira linha de A . 321 + 0.0.0       441  0.5.5 0.5 Correr 1.  688  0. 225 + 0.0  0. 321 + 0.5 0.0 0. 688 + 0.0.5 0. 225 + 0.0. 225 + 0.0 2.5 0.5 O produto da quinta linha de A .0 Andar de bicicleta Jogar futebol 0. 688 + 0. Essa informação pode ser representada por uma matriz X 4x1 e as da tabela2. 321 + 0.X representam as calorias para quarta-feira: 0.0.4.0 2.

e a matriz X é de ordem 4 x 1 e a matriz-produto A.5   434    A. No centro de uma cidade dois conjuntos de ruas de mão única se cruzam. Situação-Problema 2: O controle do fluxo de veículos nas ruas de mão única no horário do rush no centro de uma cidade. 434 calorias na quarta-feira. como mostra a figura abaixo: . então perceber que a multiplicação de duas matrizes somente é possível se o número de colunas da primeira for o mesmo que o número de linhas da segunda.X= Logo. Am x n . p = AXm x p  546     882   434    1042.X é de ordem 5 x 1. 882 calorias na terça-feira.5 calorias na quinta-feira e 434 calorias na sexta-feira com este programa de dieta e exercícios. Podemos.5 A matriz A é de ordem 5 x 4. Xn . 1042. Fernando vai queimar 546 calorias na segunda-feira.

Como . Determine a quantidade de veículos entre cada um dos quatro cruzamentos? Tendo em vista que. logo: x + 360 = y + 488 (cruzamento A) y + 416 = z + 384 (cruzamento B) z + 312 = t + 480 (cruzamento C) t + 512 = x + 248 (cruzamento D) Resolução da matriz para este sistema: 0 0 128  1 − 1    0 1 − 1 0 − 32  0 0 1 − 1 168    −1 0 0 1 − 264    Fazendo o escalonamento dessa matriz. como tem uma variável livre.6 Qual é a média do número de veículos por hora que entram e saem dessa seção durante o horário de rush. Por isso devemos conhecer o número de veículos entre dois cruzamentos. levando em consideração as setas indicadas pela figura. o número de veículos que entra é x +360 e o número de veículos que saí é y + 488. Como mostra a figura no cruzamento A. temos: 1  0 0  0  −1 0 0 128 1 −1 0 − 32 0 1 − 1 168 0 1 − 136 −1        1 − 1 0 0 128   0 1 − 1 0 − 32  0 0 1 − 1 168   0 0 − 1 1 − 168         0 0 1 − 1  0 0 1 −1 0 0 1 −1  0 0 0 0  128 − 32 168 0        ~ ~ Após a matriz escalonada. existem muitas soluções possíveis. em cada cruzamento o número de veículos que entra tem que ser igual ao de veículos que sai. obtemos o seguinte sistema:  x − y = 128   y − z = −32  z − t = 168  O sistema é compatível e.

Assim. podendo assim. E que as autoridades de trânsito determinem que naqueles pontos e horários próximos às escolas. z em termos de t. Visivelmente podemos observar que durante o dia há vários níveis de fluxos de veículos em determinados pontos da cidade. então sabemos o valor de t. obtendo: z – t = 168 z – 160 = 168 z = 168+160 z = 328 logo temos 328 carros entre o cruzamento B e C. y – z = -32 y – 328 = -32 y = -32+328 y = 296 logo temos 296 carros entre o cruzamento A e B. Usando o mínimo necessário da buzina.7 sabemos que a média de carros que trafega por hora os cruzamentos C e D é de 160 carros. asilos. hospitais. y . seja proibida a utilização de carro de som. Através desta aplicação podemos observar o número de veículos entre cada cruzamento. ouvindo um som a um volume audível somente aos ocupantes do carro. creches entre outros. Fazendo com que reduza os níveis de poluição e poluição sonora nestes pontos. podemos fazer um trabalho de conscientização dos motoristas para que neste período de rush eles não cometam excessos. resolver para x . carros entre o cruzamento D e A . . Ocorrendo assim a interdisciplinariedade na Escola de Educação Básica. x – y = 128 x – 296 = 128 x = 424 . Através desta situação podemos trabalhar em sala de aula com as outras áreas do conhecimento.

pois o aluno fará parte do levantamento de dados para o desenvolvimento da aplicação. como forma de contribuir para a sua formação integral para a vida e para o trabalho. Fazendo com que estas situações-problemas contribuam para o conhecimento mais significativo da aplicabilidade de situações que ocorrem no nosso dia-a-dia e essencialmente que o cidadão (nosso aluno) se conscientize da sua parte nesse processo. a compreensão e interpretação de um problema real onde o aluno está inserido e faz parte deste processo como cidadão.8 A importância da Matemática com a integração de situações reais na sala de aula como meio para acessar o mundo matemático quanto para compreender e intervir no meio social (Barbosa. Desta forma. viabilizando um maior interesse. Os conteúdos possuem diferentes aplicabilidades e é preciso mostrar isso aos alunos. 1999). A aplicação de situações reais com o desenvolvimento do conteúdo de sistemas lineares e matrizes para a interpretação e análise nas aulas de Matemática faz com que os alunos enxerguem o quanto a Matemática é importante e faz parte do nosso dia-a-dia. . entusiasmo e motivação pelas aulas e observando que a Matemática está presente no nosso cotidiano. Conclui-se que com esta metodologia nas aulas de Matemática além de servir como motivação para introduzir novas idéias propicia. tratando de assuntos e questões do dia-a-dia. com a intenção de mostrar. o ensino da Matemática cumpre a sua função de contribuir na formação do indivíduo. conhecer e até mesmo alertar. também. CONSIDERAÇÕES FINAIS Abordar estas situações-problemas nas aulas de Matemática possibilita um conhecimento Matemático mais significativo.

personalfit. O que pensam os professores sobre a modelagem matemática? Zetetiké. http://www.gov.n.1999.com.p.cetesb.computador . BASSANEZI. 2002. 1998.11. Ubiratan. Ensino-aprendizagem com Modelagem Matemática: uma nova estratégia.sp.asp acesso em 21 de abril de 2006 http://www. Jonei Cerqueira.scielo. São Paulo: Àtica.9 REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS: BARBOSA.br/Ambiente/glossario/glossario_m. Etnomatemática. D’AMBRÓSIO.67-85.br acesso em 24 de maio de 2005 Atenção: Forma de apresentação: comunicação oral Recurso: datashow . São Paulo: Contexto.br/scielo acesso em 20 de maio de 2006 http://www.v.7. Rodney Carlos.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->