Incidências de Rotina As incidências de rotina, também chamadas de rotinas de departamento, incidências básicas, são aquelas realizadas mais comunentes

em serviços de radiologia e obtidas em pacientes capazes de cooperar com o procedimento. Só que existem variantes, pois as incidências de rotina podem variar um pouco de departamento para departamento ou de preferência de um ortopedista e/ou radiologista para outro. Por exemplo: alguns departamentos têm como rotina básica para ombro duas incidências como sendo: AP com rotação externa e AP com rotação interna. Quando outros departamentos têm como rotina para o mesmo, ombro AP frente verdadeira e incidência tangencial para túnel supra-espinhal. Essas variações existem e é de suma importância termos conhecimento delas e sabermos qual é a rotina adotada no departamento de radiologia em que trabalhamos ou iremos trabalhar. Diante dessa controvérsia sobre rotina, optamos em basear este trabalho de acordo com o que diz a maioria das referências bibliográficas. Então, dividiremos as incidências de rotina em: rotina básica propriamente dita e rotina básica para traumatismo. Rotina Básica Incidência AP – rotação externa (RE) – (Não realizar em pacientes com traumatismo) Indicações clínicas: Dor sem trauma, ou após trauma antigo. Patologias demonstradas: Bursite, osteoartrite, capsulite adesiva crônica idiopática, artrite reumatóide, osteoporose, fraturas e/ou luxação da porção proximal do úmero e cintura escapular são demonstradas. Essa incidência pode revelar depósitos de cálcio no interior dos músculos, tendões ou estruturas da bolsa articular do ombro. Incidência AP – rotação interna (RI) – (Não realizar em pacientes com traumatismo) Indicações clínicas e patologia demonstrada: idem a incidência AP – rotação externa.

Rotina Básica para Traumatismo Incidência AP – rotação neutra (RN) Indicações clínicas: Traumatismo. Patologias demonstradas: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero e cintura escapular. Incidência Lateral Transtorácica – Método de Lawrence Indicações clínicas: Traumatismo.

osteoartrite e o defeito de Hill-Sachs aumentando a rotação externa do braço. também conhecidas como incidências opcionais é um recurso para se detectar melhor certas patologias ou estruturas anatômicas especificas do corpo.Patologias demonstradas: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero. também pode demonstrar osteoporose. Seguindo a metodologia anterior as incidências especiais serão descritas como: incidências especiais propriamente ditas e incidências especiais para traumatismo.também conhecida popularmente como incidência axilar Indicações clínicas: Dor sem trauma ou após trauma antigo.: Algumas obras literárias referem-se ao Método de Lawrence como sendo uma incidência axial ínfero-superior. Ombro Incidência Lateral em Y Escapular – Posição Oblíqua Anterior Indicações clínicas: Trauma Patologias demonstradas: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero e da escápula são demonstradas. Patologias demonstradas: . mais a maioria das obras referem-se como sendo parte do mesmo método as incidências axiais ínfero-superior. Incidência Axial Ínfero-Superior – Método de West-Point Indicações clínicas: Dor sem trauma ou após trauma antigo. aquelas realizadas em pacientes que não podem cooperar para o procedimento. Incidências Especiais Incidência Axial Ínfero-Superior – Método de Lawrence . ou ainda. Obs. súpero-inferior e lateral transtorácica. Patologias demonstradas: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero. Incidências Especiais As incidências especiais. É uma ótima incidência para se avaliar luxação da articulação gleno-umeral. verificar alinhamento de fratura após cirurgia ou redução.

Incidência Tangencial – Método de Fisk – incidência para sulco intertubercular (biciptal) Indicações clínicas: Dor sem trauma Patologias demonstradas: Patologias que acometam o sulco intertubercular. Incidência AP Verdadeira – Método de Grashey – Posição Oblíqua Posterior – Ombro Frente Verdadeira Indicações clínicas: Dor sem trauma ou após trauma antigo. Ombro Incidência AP – Método de Zanca Indicações clínicas: Dor sem trauma. . patologias que acometam a cavidade glenóide e espaço articular gleno-umeral. também pode evidenciar osteoporose e osteoratrite. Ombro Incidência Transaxilar Súpero-Inferiror – Método de Bernageau – Ombro Alexander – Método de Hobbs Modificado Indicações clínicas: Dor sem trauma. subluxação AC. pode demonstrar uma fratura de Bankart e a integridade da articulação gleno-umeral.Realizada para patologias específicas como o defeito de Hill-Sachs e fratura de Bankart (fratura da borda da cavidade glenóide).: osteofitos. como por exemplo os osteofitos dos tubérculos umerais. ou ainda. Patologias demonstradas: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero. também pode demonstrar osteoporose. osteoartrite e o defeito de Hill-Sachs. Incidência Axial Súpero-Inferior – Método de Lawrence – também conhecida como incidência axilar Indicações clínicas: Dor sem trauma. Patologias demonstradas: Patologias que acometam a articulação acrômio-clavicular. Patologias demonstradas: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero e fraturas labiais ou da borda da cavidade glenóide. Ex.

demonstra também especificamente o arco coracoacromial para a região da saída supra-espinhal. fraturas e luxações da porção proximal do úmero e da escápula. . Ombro Incidência AP – Método de Rockwood Indicações clínicas: Dor na região da articulação AC. fratura de Bankart e região póstero-lateral da cabeça do úmero e a base do processo coracóide. Patologias demonstradas: Lesão de Hill-Sachs. Incidências Especiais para Traumatismo Incidência Tangencial para Saída (Túnel) Supra-Espinhal – Método de Neer Indicações clínicas: Trauma ou dor sem trauma. também pode demonstrar osteoporose. osteoartrite e o defeito de Hill-Sachs. bursite. Ombro Axilar Velpeau Indicações clínicas: Patologias que acometam as articulações acrômio-clavicular. (osteofitos marginais). Ombro Incidência Axial Infero-Superior – Método de Clements Modificado Indicações clínicas: Dor sem trauma. síndrome do impacto.Patologias demonstradas: Fraturas e/ou luxações da porção proximal do úmero. Patologias demonstradas: Tendinites. Patologias demonstradas: São demonstradas a osteoporose. Patologias demonstradas: Esporão Anteroposterior de acrômio. Ombro Incidência AP – Método de Striker – Ombro Variante Indicações clínicas: Dor após trauma antigo. osteoartrite e defeitos de Hill-Sachs. Patologias demonstradas: Luxação e subluxação das articulações acrômio-clavicular.

A RM é útil no diagnóstico de ruptura do manguito rotador. As imagens de TC obtidas em cortes transversais também são excelentes para a determinação da extensão das fraturas. A RM ainda tem a vantagem de não se usar de radiação ionizante para obtenção de imagens. O exame a que nos referimos é a Artrografia. Fora o fato de serem métodos que permitem elevada precisão diagnóstica e não invasivos. o manguito rotador e outras estruturas de tecidos moles associadas. A rotina ou séries de radiografias que são obtidas para o procedimento podem variar muito de departamento para departamento. ou seja. uma patologia conhecida também como síndrome do impacto. com ou sem uso de contraste. Esse exame utiliza duas técnicas para avaliar a articulação do ombro. mais se tem as seguintes incidências como padrão: AP piloto com rotação externa e interna. que nada é do que um estudo das articulações sinoviais e seus componentes após a injeção de meios de contraste. túnel supra-espinhal (Método de Neer). fraturas glenóides. AP frente verdadeira (Método de Grashey). Incidência Axial Oblíqua Apical – Método de Garth Indicações clínicas: Trauma. A artrografia do ombro utiliza uma injeção de contraste simples ou duplo para demonstrar a cápsula articular. Como descrito acima à principal indicação desse exame e o estudo da cápsula articular e uma possível ruptura do manguito rotador. Patologias demonstradas: Trata-se de uma boa incidência usada no traumatismo para avaliação de possíveis luxações da articulação gleno-umeral. Modalidades ou Procedimentos Alternativos para Diagnostico por Imagem do Ombro Falaremos primeiro de um exame muito usado antigamente e que hoje diante de técnicas modernas e não tão invasivas para diagnóstico por imagem ficou um tanto quanto obsoleto. Na área de diagnóstico por imagem do ombro temos também outros métodos largamente usados nos dias atuais como: Tomografia Computadorizada e Ressonância Nuclear Magnética A tomografia computadorizada (TC) e a ressonância magnética (RM) do ombro são muitas vezes solicitadas para avaliação do comprometimento da parte óssea e dos tecidos moles. lesões de Hill-Sachs e calcificações dos tecidos moles.permitindo a avaliação de possível impacto do ombro. sendo: a técnica de contraste simples que utiliza como agente opacificador e meio de contraste radiopaco o iodo e o estudo com duplo contraste que utiliza também o iodo associado a um meio de contraste radiotransparente como o ar ou gás. transaxilar (Método de Lawrence) e sulco bicipital (Método de Fisk). .

. tendões ou ligamentos podem ser visualizadas. Esse exame consegue detectar patologias nas primeiras 24 horas após o inicio do quadro. lesões da bolsa articular e rotura ou lesão de nervos. em vez da anatomia. . A medicina nuclear é mais sensível que a radiografia porque avalia a fisiologia do órgão envolvido. Os US também permitem a avaliação dinâmica durante os movimentos articulares.Conhecimentos próprios adquiridos atuando na área de diagnostico por imagem. Bontrager – 5 edição.Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica – Kenneth L.Radiologia – Técnicas Básicas – Professor: Robson Leal – Editora Escolar. lesões ósseas metastáticas e celulite. Rupturas do manguito rotador. Bibliografia: .Tratado de Técnica Radiológica e Base Anatômica – Kenneth L. Esses estudos podem ser complementares aos estudos mais caros de ressonância magnética. Ultra-sonografia O US é útil na obtenção de imagens das estruturas musculoesqueléticas de articulações como o ombro para a avaliação dos tecidos moles. . Bontrager – 7 edição.Medicina Nuclear A cintilografia óssea é útil na detecção de osteomielite. .

indicações clínicas. . patologias demonstradas e técnicas alternativas de diagnóstico por imagem. incidências especiais.Introdução Este trabalho tem o objetivo de descrever e discutir aspectos como: incidências de rotina. Este trabalho é baseado em referências bibliográficas e conhecimentos próprios adquiridos na área de diagnóstico por imagem. E o objeto de estudo e discussão será as incidências e posicionamentos para radiografias do ombro.