P. 1
teoria adaptação Carlistta Roy (1)

teoria adaptação Carlistta Roy (1)

|Views: 3.163|Likes:
Publicado porTFernanda Ribeiro

More info:

Published by: TFernanda Ribeiro on Oct 12, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/23/2013

pdf

text

original

TEORIA DA ADAPTAÇÃO

DE SISTER CALLISTA ROY

INTRODUÇÃO
Roy descreve a enfermagem como “arte humanitária e ciência em expansão que manipula e modifica os estímulos de modo a promover e facilitar a capacidade adaptativa do homem”. Sendo assim, este trabalho tem a tentativa de abordar sucintamente o que é a teoria da adaptação e como deve ser implementada pelos enfermeiros no dia a dia.

em 1968. Então. ela era um membro das Irmãs de José de Carondelet. . Califórnia. começou seu Modelo de Adaptação quando Saint Mary's College Adaption adotou o quadro para a base filosófica do currículo de enfermagem. Em 1966.SISTER CALLISTA ROY Sister Callista Roy nasceu em 14 de outubro de 1939 em Los Angeles.

capítulos e periódicos.Publicou vários livros. . e tem dado palestras e oficinas que destacam a sua teoria de enfermagem.

em 1981. da de academia diagnóstico americana de para enfermeiras. um doutoramento honorário da Humane Letters em 1984.Recebeu o National Fundador. Prêmio de Excelência na promoção de Normas Profissionais de Enfermagem. e membro da associação norte enfermagem . Hoje é um membro americana (NANDA). e Doutorado honorário e do Leste Michigan University em 1986.

Seu sistema concentra-se em comportamentos adaptativos e no conjunto de processos pelos quais uma pessoa se adapta ao ambiente estressor. .O livro The Roy Adaption Model oferece uma classificação para estressores que podem afetar a adaptação. É composto de suposições filosóficas e classes de estímulos e mecanismos.

TEORIA DA ADAPTAÇÃO O modelo é composto de quatro domínios conceituais de pessoa. A pessoa é um processo aberto. Ambiente são “todas as condições. saúde. que utiliza sistema adaptativo e o enfrentamento e habilidades para lidar com estressores. e de enfermagem: Pessoa é "um ser biopsicossocial em constante interação com um ambiente em mudança“. . circunstâncias e influências que circundam e afetam o desenvolvimento e o comportamento da pessoa”. meio ambiente.

Os elementos do processo de enfermagem de Roy incluem investigação do comportamento do estímulo. o estabelecimento de metas. Enfermagem é a arte humanitária e ciência em expansão que manipula e modifica os estímulos de modo a promover e facilitar a capacidade adaptativa do homem. a intervenção e avaliação. .Saúde é a capacidade do indivíduo para adaptar-se a mudanças no ambiente. o diagnóstico de enfermagem.

As adaptações nocivas inicialmente são maiores que as adaptações positivas. no entanto.A adaptação compreende todas as formas conscientes e inconscientes de ajustamento à condições do ambiente que o homem confronta. . no decorrer dos acompanhamentos e dos cuidados de enfermagem obtêm-se as adaptações positivamente compensatórias.

conduzindo-o a um mais elevado nível de bem-estar.Roy acredita que os cuidados de enfermagem são necessários quando fatores de stress não comuns ou mecanismos enfraquecidos fazem com que as defesas das pessoas se tornem ineficazes. onde a habilidade e a capacidade de criação dessas mudanças é o nível de adaptação da pessoa. A pessoa é vista como um sistema que tem a capacidade de criar mudanças para se adaptar ao ambiente. o objetivo dos cuidados de enfermagem é promover a adaptação do paciente. . Assim.

Nesta fase o enf. e de que forma os estímulos internos e externos estão agindo sobre o indivíduo.INVESTIGAÇÃO COMPORTAMENTAL Esses dados serão obtidos pelo enf. .(a) e a equipe dará ao tratamento. medição e técnicas habilidosas de entrevista. Essa investigação deixará claro o enfoque que o enf.(a) investiga a resposta e os estímulos adaptativos. (a) através de observação. Nessa fase o enf.(a) avalia qual dos estímulos causam maior impacto e quais os mais influentes sobre esse indivíduo.

O registro de metas deverá conter a mudança que se espera e o tempo para que elas ocorram. . já que este sabe quais são os problemas que acometem esse paciente. As metas são os comportamentos finais que espera-se serem atingidas. indicam a resolução ou não do problema de adaptação. Será então mais fácil à ação do enfermeiro diante da situação. já que acompanhado a determinada patologia pode se encontrar vários outros diagnósticos.PROCESSO DE ENFERMAGEM DE ROY APLICADO O Diagnóstico de enfermagem tem como papel facilitar a ação do enfermeiro diante da situação.

é feita a readaptação. a partir disso. A Avaliação do processo de enfermagem é então avaliada e se detecta uma ação ou afastamento da obtenção das metas e.Os Planos para Implementação tem como finalidade alterar ou controlar os estímulos focais e contextuais. se necessário. A implementação pode ainda enfocar a capacidade de enfretamento da pessoa. ou seu nível de adaptação. .

COMO APLICAR A TEORIA DA ADAPTAÇÃO Os pressupostos do modelo fundamentam as formulações sobre adaptação que ajudam o enfermeiro e o cliente a esclarecer o que perturba essa adaptação a fim de escolher quais ações são passíveis de serem implementadas. . O processo de enfermagem auxilia os clientes a enfrentarem e a superarem os problemas de adaptação e a adequarem-se melhor à nova condição. permitindo-lhes um tratamento mais eficaz e. conseqüentemente. uma melhor qualidade de vida.

acompanha a própria prescrição de enfermagem para checar a evolução do estado geral. O Modelo de Adaptação de Roy é um modelo conceitual. as quais requerem respostas para a adaptação da pessoa aos estímulos ambientais. família. bem como.O SAE obriga o enfermeiro a uma convivência mais próxima para melhor conhecer o cliente. . permitindo que a pessoa seja vista como um sistema composto por vertentes de ordens biopsicossocial. também chamados de mecanismos de enfrentamento reguladores (fisiológico) e cognatos (sentimentos e mobilizações emocionais) os quais são subsistemas da pessoa como um sistema adaptativo.

A pessoa é parte de um ambiente harmonioso e relacional. é um ser no mundo. onde corpo. Essa integração. pessoa-pessoa e pessoa-mundo espelha a abordagem holística tão evidente nas raízes existenciais da enfermagem teórica. clientes. mente e espírito são inseparáveis e partes constituintes da pessoa que. o qual envolve diferentes pessoas enfermeiro. . familiares e outros profissionais. submetida à cotidianidade.

a pessoa é vista entrelaçado entre o sistema e o ambiente. ocorrendo uma troca de informações:  O modo adaptativo fisiológico representa a resposta física aos estímulos ambientais. . à saúde e ao profissional da área de enfermagem.Colocando-se a pessoa como receptora do atendimento de enfermagem em relação ao ambiente.  O modo de interdependência são os padrões de interação social da pessoa em relação aos outros.  O de autoconceito representa os aspectos psicológicos. morais e espirituais.

Os profissionais. . buscam compreender como este reage aos diversos estímulos aos quais está exposto para que passe de comportamentos mal-adaptativos à mudança nas habilidades para adaptar-se favoravelmente à saúde. em relação aos modos adaptativos. o enfermeiro pode identificar respostas adaptativas ou ineficientes em situação de saúde e de doença. ao analisarem os comportamentos do cliente. Por meio da observação dos comportamentos das pessoas.

Sendo um sistema. além da criança. na qual percebe-se que. . a família necessitava de cuidados visando o atendimento de suas necessidades e cura da doença. dentre eles o focal. que é o estímulo interno ou externo que constitui o maior grau de mudança.EXEMPLO 1 Durante uma vivência no ensino clínico em pediatria. a pessoa recebe estímulos. tem-se a oportunidade de cuidar de uma criança doente e hospitalizada e sua família. gerando um forte impacto.

como experiências anteriores com hospitalização. têm a capacidade de se adaptar à nova situação. . a qual é permeada pela ocorrência de inúmeros estímulos. consegue-se chegar à adaptação. dependerá dos mecanismos de enfrentamento ou processos de controle individuais e nem sempre. frente aos mesmos estímulos. tendo-se inúmeros comportamentos ineficazes. os quais não se relacionam diretamente com a vivência atual da doença e hospitalização. criança e familiar. doença na família. Acredita-se que.Os estímulos residuais serão os demais estímulos. como um sistema. O comportamento apresentado por ambos. mas têm influência sobre ela.

perfusão. etc. eliminação. deficiência respiratória. vômito. náusea. recebendo assim os estímulos externos/internos e apresentando ações ativas/reativas. . peso. demonstrando sua adaptação a tal situação. A pessoa é vista como parte integrada ao ambiente. O modelo de Roy identifica pontos chave para a intervenção adequada da enfermagem. atividade e repouso. nutrição. para isso são avaliados o modo fisiológico: oxigenação.EXEMPLO 2 Na sala de recuperação o modelo de Roy é aplicado a uma pessoa durante o período de sua recuperação imediata.

E. cabe ao enfermeiro atuar como mediador entre a objetividade técnica e a subjetividade humana. assim contribuir para capacitar pessoas a criarem mecanismos de enfrentamento capazes de diminuir respostas negativas. . ora positivas ora negativas. em situações estressantes. Entretanto.CONSIDERAÇÕES FINAIS A Teoria de Roy permite reconhecer que as pessoas. a fim de elaborar estratégias para as ações do cuidar. mediante estímulos. favorecendo as vivências e facilitando a realização dos procedimentos de saúde e enfermagem. podem desencadear respostas.

pdf http://www.abensc.pdf http://www.pdf http://www.scielo.com/doc/28618009/Calis ta-Roy .gov.scribd.br/pdf/ape/v18n3/a03v 18n3.scielo.br/rbc/n_48/v01/pdf /artigo1.com/downloads/processo_de_enferma gem_fundamentado_-_bernadete.REFERÊNCIAS http://www.br/pdf/rlae/v10n6/v10 n6a12.pdf http://pt.inca.

9..

 @9@ ¾ ½ ¾¾½¾¾  ¯  €° f¯ °f¯ f¾ €¯fsµ ¾ ¾  f f½fsj  f© f¯  °€ ¯   n ° f ¾nf n    ½  f ¾¾f f f½fsj f €¯ ¾n  f¾ fsµ ¾ ¾j ½f¾¾ ¾ ¾  ¯ ¯½ ¯ °f f¾  ½n ¾¾ °€ ¯f– ¯ ff ¾ n ° ¾ f °€ °f ¯ f ¾½ f ¯ ¾ ½  ¯f¾ f f½fsj f f f ¯ ¾ ¯  g °f n° sj ½ ¯°   ¾ ¯ ff¯ ° ¯f¾ €nf n°¾  ° ¯ ° ¯f ¯  f f  f .

   f½fsj x¯¯ n°n f  ½ ¯°  f½ ¾¾f¾ ©f¾fn¯¯¾¾ ¯fn¯½¾½   ° ¾  °¾ ½¾n¾¾nf f¾f¾   ¯ ¾½¾f¾ ½ffff f½fsj f½ ¾¾ff¾ ¾¯¾f¯  °f¾ f¯ x¯ nf¯f ¾ ¯ nf°¾¯¾  °€ °f¯ ° –f  ¾ %€¾–n% n–°f¾%¾ °¯ °¾ ¯ fsµ ¾ ¯n°f¾%¾f¾¾j¾ ¾¾ ¯f¾ f½ ¾¾fn¯¯ ¾¾ ¯ff f½f . –f °€ ¯ f¯fn°y°nf¯f¾½¯f ½ff¯ n° n n ° €f¯f  ¯n¯ fn¯½f°ff ½½f½ ¾nsj  °€ ¯f– ¯½ffn nff sj  ¾f – f .

½ ¾¾fx½f  ¯f¯  ° f¯°¾  fn°f  f °  €  ° ¾½ ¾¾f¾ °€ ¯  n ° ¾ €f¯f ¾  ¾½€¾¾°f¾ ¾¾f° –fsj ½ ¾¾f ½ ¾¾f ½ ¾¾f ¯°  ¾½ fff  f– ¯¾nfj  ° °f¾f ¾ ¾ °nf¾ f °€ ¯f– ¯ nf ° n½ ¯ °   ¾½ ¾j°¾ ½fh ¾ ½f ¾n°¾° ¾ f½ ¾¾f ¾ ¯  fg n f° f x¯¾ °¯°  .

.

nf°  ¾ f ½ ¾¾f n¯  n ½f  f ° ¯ ° °€ ¯f– ¯ ¯  fsj f f¯  ° g ¾f f ½€¾¾°f f h f °€ ¯f– ¯ f ½ ¾¾f x ¾f ° fsf  °  ¾¾ ¯f  f¯  ° n °  ¯f nf °€¯fsµ ¾ P  ¯  f f½f €¾–n  ½ ¾ °f f  ¾½¾f €¾nf f¾ ¾¯¾ f¯  °f¾ P  fn°n   ½ ¾ °f ¾ f¾½ n¾ ½¾n–n¾ ¯f¾ ¾½f¾ P  ¯  °  ½ ° y°nf ¾j ¾ ½f µ ¾ ° fsj ¾nf f ½ ¾¾f ¯  fsj f¾ ¾ .

¾ ½€¾¾°f¾ f f°f¾f ¯ ¾ n¯½f¯ °¾  n ° ¾nf¯ n¯½ °  n¯ ¾  f– f¾  ¾¾ ¾¯¾ f¾ f¾ ¾h ½¾ ½ff  ½f¾¾ n¯½f¯ °¾ ¯f f f½f¾ g ¯ f°sf °f¾ f  f ¾ ½ff f f½f ¾ €ff ¯ ° g ¾f 9 ¯  f  ¾ fsj ¾ n¯½f¯ °¾ f¾ ½ ¾¾f¾ ¯  fsj f¾ ¯ ¾ f f½f¾  °€ ¯  ½  °€nf  ¾½¾f¾ f f½ff¾  ° €n ° ¾ ¯ ¾fsj ¾f  °sf .

9 f° ¯f y°nf ° °¾° n°n ¯ ½ ff  ¯ ¾ f ½° f n f ¯f nf°sf  ° ¾½ff f ¾f €f¯f °f f ½ n ¾  fx¯ f nf°sf f €f¯f ° n ¾¾ff n f ¾ ¾f°   f ° ¯ ° ¾f¾ ° n ¾¾ f ¾ nf f  °sf  °  ¯ ¾¾ ¯f f ½ ¾¾f  n ¾¯¾ °  ¾  €nf  x  ¾¯ ° °   °  n°¾  ¯f –f ¯ f°sf – f°  ¯ € ¯½fn .O.

¾ ¾¯¾  ¾ f¾ ¾ j ¾ ¯f¾ ¾¯¾ ¾ f¾ °j ¾  fn°f¯  f¯ ° n¯ f y°nf ff f  °sf ¾½ffsj ¯f¾ y¯ °€y°nf ¾  f n¯ ½ y°nf¾ f°  ¾ n¯ ¾½ffsj  °sf °f €f¯f n f ¾  nf°sf €f¯f n¯ ¯ ¾¾ ¯f y¯ f nf½fn f ¾ f f½f g °f ¾fsj f f x ½ ¯ f f ½ f ny°nf °¯ ¾ ¾¯¾  n¯½f¯ ° f½ ¾ °f  ½ f¯ ¾ € ° f¾ ¯ ¾¯¾ ¾¯¾ ½ ° h ¾ ¯ nf°¾¯¾ °€ °f¯ °  ½n ¾¾¾ n° °  f¾ ° ¯ ¾ ¯½ n°¾ – ¾ n –f g f f½fsj  °  ¾ °¯ ¾ n¯½f¯ °¾ ° €nf ¾ .

O.9 -f ¾ff  n½ fsj  ¯   x f½nf  f ¯f ½ ¾¾f f°  ½   ¾f  n½ fsj ¯ ff ¯°¾f°  ¾f f f½fsj f f ¾fsj ½ff ¾¾ ¾j fff ¾  ¯  €¾–n – °fsj €ny°nf  ¾½ff ½ €¾j °sj °h¾ f ´¯ ½ ¾ ¯°fsj f f  ½¾ n  ¯    °€nf ½°¾ nf ½ff f °  °sj f f f f °€ ¯f– ¯  ½ ¾¾f x ¾f n¯ ½f ° –f f f f¯  °  n °  f¾¾¯ ¾ ¾¯¾  °¾$° °¾ f½ ¾ °f°  fsµ ¾ ff¾$ ff¾ .

.

--  @ f  ½ ¯  n° n   f¾ ½ ¾¾f¾ ¯ f° ¾¯¾ ½ ¯ ¾ °nf f  ¾½¾f¾ f ½¾f¾ f ° –ff¾ ¯ ¾fsµ ¾ ¾ ¾¾f° ¾ ° f° nf f °€ ¯  ff n¯ ¯ f  ° f  ©  f xn°nf f ¾ ©  f ¯f°f f €¯ f f ¾fx–f¾ ½ff f¾ fsµ ¾  n f  f¾¾¯ n°  ½ff nf½fnf ½ ¾¾f¾ f nf ¯ ¯ nf°¾¯¾ °€ °f¯ ° nf½f ¾ ¯°  ¾½¾f¾ ° –ff¾ €f n °  f¾ y°nf¾ €fnf°  f  ffsj ¾ ½n ¯ °¾ ¾f °€ ¯f– ¯ .

-.

 P½ $$ ¾n  $½ €$f½ $°$f° ½ € P½ $$ ¾n  $½ €$f $°$°f ½ € P½ $$ °nf – $ n$°%$$½ €$f–  ½ € P½ $$ f ° ¾n n¯$ °f ¾$½n ¾¾% % °€ ¯f– ¯%€ ° f¯ °f % % °f  ½ € P½ $$½ ¾n n¯$ n$$.

f¾f  .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->