P. 1
2) sistemas administrativos

2) sistemas administrativos

|Views: 236|Likes:
Publicado porPaulo Ferreira

More info:

Published by: Paulo Ferreira on Oct 18, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/10/2015

pdf

text

original

Sistemas administrativos

Aula: 05 Março 2010

Isabel Ferreira

1

AP (CONT)

2

3. Os Sistemas Administrativos
1.  2.  3.  4.  5.  6.  Introdução Sistemas administrativo tradicional Sistema administrativo de tipo britânico ou de administração judiciária Sistema administrativo de tipo francês ou de administração executiva Confronto entre os sistemas de tipo britânico e de tipo francês Evolução dos sistemas administrativos britânico e francês
AP (CONT)

Isabel Ferreira

1

o seu modo de estruturação varia em função do tempo e do espaço. A tipificação desses diferentes modos jurídicos de estruturação dá lugar ao estudo dos sistemas administrativos.3 1. Introdução Sistemas Administrativos:  Sistema Tradicional (séc. Introdução Os modos jurídicos de organização. ou seja. XVII e XVIII)  Sistemas Modernos:  Sistema britânico (ou de administração judiciária)  Sistema francês (ou de administração executiva) Isabel Ferreira AP (CONT) 2 . Isabel Ferreira AP (CONT) 4 1. funcionamento e controlo da Administração Pública.

e sobre o esmo indivíduo eram acumuladas jurisdições não só incompatíveis. consequentemente. Sistema administrativo tradicional Monarquia tradicional: 5   Indiferenciação das funções administrativas e jurisdicional e. mas destruidoras umas das outras” (Mouzinho da Silveira) Isabel Ferreira AP (CONT) 3 .   “Atribuições diferentes eram dadas indiferentemente.2. Sistema administrativo tradicional Não havia separação de poderes:   O Rei exercia simultaneamente a 6 função administrativa e a função judicial. insuficiência do sistema de garantias jurídicas face à Administração – não havia Estado de Direito Isabel Ferreira AP (CONT) 2.   Não subordinação da Administração Pública ao princípio da legalidade e. inexistência de uma separação entre órgãos do poder executivo e judicial – não havia separação de poderes. consequentemente.

Sistema administrativo tradicional Não havia Estado de Direito 7   Não havia normas que regulassem a actuação da Administração Pública.  Existiam algumas regras que vinculavam a Administração Pública.2.  Normas que não vinculavam o poder soberano. ou atribuir direitos especiais a determinadas pessoas ou entidades.  O soberano podia dispensar quem quisesse dos deveres gerais impostos por essas normas. Isabel Ferreira AP (CONT) 2.  Ou então. que apenas obrigavam os funcionários subalternos perante os respectivos superiores hierárquicos. Isabel Ferreira AP (CONT) 4 . essas normas não revestiam carácter jurídico. mas que não conferiam quaisquer direitos aos particulares face à Administração Pública. Sistema administrativo tradicional 8  Os particulares não se podiam queixar de ofensas cometidas pela Administração aos seus direitos ou interesses legítimos.  Podiam ser afastadas por razões de conveniência administrativa ou de utilidade política. podendo ser meras instruções ou directivas internas. invocando para o efeito as referidas normas. mas:  Tratavam-se de regras avulsas.

2.  Estado Direito: proclamam-se os direitos do homem direito naturais e anteriores ao do Estado. cujas funções passaram a ser executadas por órgãos diferenciados: actividade administrativa – órgão administrativos. Sistema administrativo tradicional Com as Revoluções Liberais (Inglesa-1688. actividade judicial – órgão judicial. a Administração fica submetida a verdadeiras normas jurídicas de carácter externo e obrigatório para todos. Francesa-1789): 9  Separação de Poderes: separação entre actividades administrativas e judicial. os particulares ganharam o direito de invocar essas normas a seu favor na defesa de direito ou interesses ofendidos pela Administração Pública. Isabel Ferreira AP (CONT) 2. Sistema administrativo tradicional 10 Sistema administrativo tradicional Revolução liberal Sistema administrativo moderno Isabel Ferreira AP (CONT) 5 .

  Grande independência dos juizes e forte prestígio do poder judicial. Sistema administrativo do tipo britânico ou de administração judiciária Aspectos fundamentais do direito anglo-saxónico:   Lenta formação ao longo dos séculos. Isabel Ferreira AP (CONT) 12 3. g)  Garantias jurídicas dos administrados. e)  Subordinação da Administração ao direito comum.   Vinculação à regra do precedente.11 3.   Papel destacado do costume como fonte de direito. b)  Estado de Direito.   Função primacial dos tribunais na definição do direito vigente. c)  Descentralização. d)  Sujeição da Administração aos tribunais comuns. Sistema administrativo do tipo britânico ou de administração judiciária Características: a)  Separação dos poderes. f)  Execução judicial das decisões administrativas. Sistema de administração judiciária: devido ao papel preponderante nele exercido pelos tribunais Isabel Ferreira AP (CONT) 6 .

transferi-los ou admiti-los (Act of Settlement).  Estado de Direito: os direitos. determinado que o direito comum seria aplicável a todos os ingleses – império do direito. Sistema administrativo do tipo britânico ou de administração judiciária  Separação dos poderes: o Rei foi impedido de resolver. a administração local gozava de uma ampla autonomia face a uma administração central diminuta. em regra. Isabel Ferreira AP (CONT) 7 .  Sujeição da Administração aos tribunais comuns: os litígios que surjam entre as entidades administrativas e os particulares não são. Sistema administrativo do tipo britânico ou de administração judiciária  Descentralização: distinção entre administração central (central government) e administração local (local government). da competência de tribunais especiais. por si ou por conselhos. questões de natureza contenciosa (Star Chamber). entram na jurisdição normal dos tribunais comuns.13 3. nunca houve delegados gerais do poder central nas circunscrições locais. foi proibido de dar ordens aos juizes. liberdades e garantias dos cidadãos foram consagrados no Bill of Rights. Isabel Ferreira AP (CONT) 14 3.

tal como em relação a qualquer cidadão. estão como os simples particulares. por isso.15 3. como os seus conselhos e funcionários regemse pelos mesmos direitos que os cidadãos anónimos. o juiz pode não apenas anular as decisões. como ordenar às autoridades administrativas que cumpram a lei. não podendo. ou empresa privada. submetidos ao direito comum. Sistema administrativo do tipo britânico ou de administração judiciária  Subordinação da Administração ao direito comum: tanto o Rei.  Execução judicial das decisões administrativas: as decisões unilaterais da administração não têm em princípio força executória própria. os tribunais comuns gozam de uma plena jurisdição face à Administração Pública. central ou local. em princípio. Sistema administrativo do tipo britânico ou de administração judiciária  Garantias jurídicas dos administrados: os particulares dispõem de um sistema de garantias contra as ilegalidades e abusos da Administração Pública. Isabel Ferreira AP (CONT) 16 3. ser imposta pela coacção sem uma prévia intervenção do poder judicial. todos os órgãos da administração Pública. fazendo o que ela impõem ou abstendo-se de a violar. Isabel Ferreira AP (CONT) 8 .

17 4. d)  Sujeição da Administração aos tribunais administrativos. dada a autonomia reconhecida ao poder executivo relativamente aos tribunais Isabel Ferreira AP (CONT) 9 .  Sujeição a reformas globais impostas pelo legislador em dados momentos.  Função de importância muito variável dos tribunais na aplicação do direito legislado.  Distinção básica entre direito público e direito privado. g)  Garantias jurídicas dos administrados Sistema administrativo executivo. f)  O privilégio da execução prévia. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Características iniciais: a)  Separação de poderes. em geral:  Escassa relevância do costume. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Traços gerais do direito romano – germânico.  Papel primordial da lei como fonte de direito. e)  Subordinação da Administração ao direito administrativo. Isabel Ferreira AP (CONT) 18 4. c)  Centralização.  Mais prestígio do poder executivo do que do poder judicial. b)  Estado de Direito.  Maior influência da doutrina jurídica do que da jurisprudência.

sendo dirigidos por um maire nomeado pelo Governo e assistido por um conseil municipal.   o território é dividido em departamentos chefiados por perfeitos. também.   São criados os Tribunais Administrativos. que não eram verdadeiros tribunais . também nomeado. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Sujeição da Administração aos tribunais administrativos:   O poder político tomou providências no sentido de impedir intromissões do poder judicial no normal funcionamento do poder executivo. Isabel Ferreira AP (CONT) 10 . Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva 19 Centralização:   os funcionários da administração central são organizados segundo o princípio da hierarquia. interferir no funcionamento da Administração Pública. de livre nomeação governamental .4. ambos colocados na dependência do perfeito. embora com personalidade jurídica própria. não passam de instrumentos administrativos do poder central.   as autarquias locais. mas órgãos da Administração independentes e imparciais. Isabel Ferreira AP (CONT) 20 4. formando uma poderosa administration locale de l´Etat.   O poder executivo não podia imiscuir-se nos assuntos de competência dos tribunais e o poder judicial não podia. incumbidos de fiscalizar a legalidade dos actos da Administração e julgar o contencioso dos seus contratos e da sua responsabilidade civil.   os municípios perdem autonomia administrativa e financeira.

por isso. bem diferentes das do direito privado: diferentes para mais. diferentes para menos. na medida em que a Administração é sujeita a deveres e restrições que não vigoram em relação aos particulares. na medida em que a Administração é dotada de poderes de autoridade.21 4. Direito Administrativo Isabel Ferreira AP (CONT) 11 . exercem actividades de interesse público e utilidade geral e. tradição na corrente romano – geremânica.   Distinção entre direito público e direito privado. de normas jurídicas de direito público. devem dispor quer de poderes de autoridade. Isabel Ferreira AP (CONT) 4. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Sujeição da administrativo: Administração ao 22 direito   Nasce um conj. quer de privilégios ou imunidades pessoais. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Sujeição da administrativo: Administração ao direito   Os órgãos e agentes administrativos não estão na mesma posição que os particulares. de que os particulares não dispõem.

Isabel Ferreira AP (CONT) 24 4. e não por intermédio dos tribunais comuns.4. também oferece aos particulares um conjunto de garantias jurídicas contra os abusos e ilegalidades da Administração Pública. por assentar num Estado de Direito. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Garantias Jurídicas dos administrados   Este sistema. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva 23 O Privilégio da execução Prévia   Permite à Administração executar as suas decisões por autoridade própria.   A Administração Pública tem em regra força executória própria.   Essas garantias são efectivadas através dos tribunais administrativos. e podem por isso mesmo ser impostas pela coacção sem necessidade de qualquer intervenção prévia do poder judicial.   Mas. nem os tribunais administrativos gozam de plena jurisdição face à Administração.   As garantias dos particulares face à Administração são aqui menores do que no sistema britânico. Isabel Ferreira AP (CONT) 12 .

Portugal.25 4. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Este sistema. Portugal. mas tratam-se espécies de um único género.   Em muitos dos novos Estados que acederam à independência no séc. que nasceu em França. que nasceu em França. XX depois de terem sido colónias desses países Europeus.   Em muitos dos novos Estados que acederam à independência no séc. Sistema administrativo do tipo francês ou de administração executiva Este sistema. vigora:   Em quase todos os países continentais da Europa Ocidental. República Federal Alemã. Isabel Ferreira AP (CONT) 26 4. Isabel Ferreira AP (CONT) 13 . República Federal Alemã.   Existem variantes nacionais: Itália. XX depois de terem sido colónias desses países Europeus. vigora:   Em quase todos os países continentais da Europa Ocidental. mas tratam-se espécies de um único género.   Existem variantes nacionais: Itália.

27 5. Existe unidade de jurisdição. Confronto entre os sistema de tipo britânico e de tipo francês Sistema de tipo britânico ou de administração judiciária Quanto à organização administrativa Quanto ao controle jurisdicional da Administração Sistema de tipo francês ou de administração executiva Sistema descentralizado Sistema centralizado Está entregue aos tribunais comuns. Está entregue aos tribunais administrativos. Existe dualidade de jurisdição. Isabel Ferreira AP (CONT) 28 5. Isabel Ferreira AP (CONT) 14 . Confronto entre os sistema de tipo britânico e de tipo francês Pontos em comum:  Ambos consagram o Princípio da Separação de Poderes e o Estado de Direito.

gradualmente. Isabel Ferreira AP (CONT) 15 . Confronto entre os sistema de tipo britânico e de tipo francês Sistema de tipo britânico ou de administração judiciária Quanto à execução das decisões administrativas Sistema de tipo francês ou de administração executiva Fá-la depender de sentença do tribunal Atribui autoridade própria a essas decisões e dispensa a intervenção prévia de qualquer tribunal Quanto às garantias jurídicas dos administrados Confere aos tribunais comuns amplos poderes de injunção face à Administração que lhe fica subordinada como a generalidade dos cidadãos.29 5. - a criação de vários serviços locais do Estado. ficando a Administração independente do poder judicial. o carácter de total centralização: - aceitando a autonomia dos corpos intermédios. mais sujeitos à tutela e superintendência do Governo Sistema de tipo francês ou de administração executiva Foi perdendo. Só permite aos tribunais administrativos que anulem as decisões ilegais das autoridades ou as condenem ao pagamento de indemnizações. - a eleição livre dos órgãos autárquicos. uma reforma descentralizadora que transferiu numerosas e importantes funções do Estado para as regiões. - uma certa diminuição dos poderes dos prefeitos -  e. - transferência de tarefas e serviços antes executadas a nível municipal para órgãos de nível regional. bem recentemente. Evolução dos sistemas administrativos Sistema de tipo britânico ou de administração judiciária Em termos de organização administrativa Tornou-se mais centralizada: - dado o grande crescimento da burocracia central. AP (CONT) Isabel Ferreira 30 6.

as relações entre os particulares e o Estado submetidas à fiscalização dos tribunais judiciais.31 6. aumentou o intervencionismo económico e fez avolumar a função de prestação de serviços culturais. Evolução dos sistemas administrativos Sistema de tipo britânico ou de administração judiciária Quanto ao direito regulador da Administração A transição do Estado Liberal de Direito para Estado Social de Direito. em muitos casos estatutariamente vinculados a agir nos termos do direito civil. Isabel Ferreira AP (CONT) 32 6. educativos. entre outros. da Administração britânica. Evolução dos sistemas administrativos Sistema de tipo britânico ou de administração judiciária Quanto ao Surgiram os chamados controle administrative tribunals jurisdicional da Administração (mantêm-se no essencial as diferenças de sistemas analisadas anteriormente) Sistema de tipo francês ou de administração executiva Aumentaram. dando origem ao aparecimento de leis administrativas Sistema de tipo francês ou de administração executiva A Administração francesa teve de actuar sob a égide do direito privado: foi o que sucedeu com as empresa públicas. Isabel Ferreira AP (CONT) 16 . significativamente. e com os serviços públicos de carácter social e cultural. obrigadas a funcionar nos moldes do direito comercial.

Provedor da Justiça Sistema de tipo francês ou de administração executiva Os tribunais administrativos ganham cada vez mais poderes declarativos face á Administração. a pedido do particular interessado. Evolução dos sistemas administrativos Sistema de tipo britânico ou de administração judiciária Quanto à execução das decisões administrativas Surgem os administrative trubunals.33 6. Surge a mais moderna instituição de protecção dos particulares frente à Administração Pública: ombudsman. se não podem condenar as autoridades administrativas a fazer ou a não fazer alguma coisa. Sistema de tipo francês ou de administração executiva O Direito Administrativo francês concede aos particulares a possibilidade de obter dos tribunais administrativos a suspensão da eficácia das decisões unilaterais da Administração Pública: ou seja. para decidir questões de direito administrativo que a lei manda resolver por critérios de legalidade estrita e. que não são autênticos tribunais mas sim órgãos administrativos independentes. Surge a mais moderna instituição de protecção dos particulares frente à Administração Pública: Médiateur. Provedor da Justiça.provedor-jus. no direito francês muitas das decisões da Administração só vêm a ser executadas se um tribunal administrativo. criados junto da Administração Central. portanto. em Portugal. fazendo preceder a decisão administrativa de um due process of law. Evolução dos sistemas administrativos Sistema de tipo britânico ou de administração judiciária Quanto às garantias jurídicas dos particulares As garantias individuais dos particulares continuam consideravelmente superiores neste sistema comparativamente ao sistema francês. no exercício dos quais. já podem todavia ir mais longe do que a mera anulação dos actos ilegais. em Portugal. Isabel Ferreira AP (CONT) 34 6. http://www.pt/ Isabel Ferreira AP (CONT) 17 . a tal se não opuser.

Evolução dos sistemas administrativos   O princípio fundamental que inspira cada um dos sistemas é diverso. Evolução dos sistemas administrativos Será que os sistemas britânicos e francês já não se distinguem um do outro? Ou será que se mantêm todas as diferenças essenciais que desde o início os separaram? Nem uma coisa.  Áreas de aproximação: organização administrativa. Isabel Ferreira AP (CONT) 18 . tribunais comuns.35 6. muitas das soluções que vigoram num e noutro lado são diferentes. nem outra. em França. a técnica jurídica utilizada por um e por outro não é a mesma. no direito regulador da Administração.  Áreas de diferença: tribunais a cuja fiscalização é submetida a Administração Pública – Inglaterra. Isabel Ferreira AP (CONT) 36 6. unidade de jurisdição. tribunais administrativos. dualidade de jurisdições. no regime de execução das decisões administrativas e no elenco das garantias jurídicas dos particulares.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->