Você está na página 1de 1

Mdulo 5 Interpretaes do Brasil (parte 1) A fbula das trs raas ou o problema do racismo brasileira Roberto DaMatta O argumento central

ral de DaMatta nesse texto consiste em denunciar o erro contido no que ele chama de fbula das trs raas, que a crena na mistura entre a preguia do ndio, a melancolia do negro e a cupidez e estupidez do branco lusitano como justificativa de nosso atraso social e econmico, indigncia cultural e tendncia poltica ao autoritarismo. O que DaMatta defende que essa fbula uma forma de conceber uma sociedade hierarquizada como a nossa como se fosse uma totalidade integrada por laos humanos com o sexo e os atributos raciais complementares. Em oposio a ideia de um empreendimento colonial no qual o colonizador (no caso, o portugus) estava aberto a relaes intertnicas igualitrias, ausentes de preconceito racial, DaMatta produz uma interpretao do Brasil na qual ele argumenta que houve, de fato, uma reproduo da sociedade hierrquica portuguesa. Essa interpretao produzida pelo autor se ope chave interpretativa de Freyre, que atribui cultura portuguesa uma ausncia de preconceitos raciais ou um humanitarismo. Em lugar disso, DaMatta afirma que h sociedade portuguesa uma hierarquia refinada, caracterizada pela demarcao de um lugar prprio a cada raa dentro de um sistema de relaes sociais concretas, engendrando laos de patronagem, inserindo todos mesmo que em situao de desigualdade em um sistema totalizante. O racismo cientfico, segundo DaMatta, vem a substituir a ideologia catlica e o formalismo jurdico portugus, quando estes no so mais suficientes para sustentar essa hierarquia onde cada raa possui seu lugar dentro de um sistema de relaes sociais. A insuficincia do arcabouo ideolgico da colonizao se d depois do movimento de Independncia e, principalmente, da Abolio. As ideias racistas deterministas de autores como Gobineau sero usadas no somente para manter a hierarquia social, mas tambm para direcionar a tese do branqueamento. Cada raa, por suas diferenciaes biolgicas, constituiria um tipo comportamental e mental intrnseco, imutvel, de modo que mesmo admitindo a evoluo de cada raa, no de admite a alterao de sua natureza. As raas so vistas como complemento natural uma da outra, o que justifica suas diferentes posies na pirmide hierrquica, na qual os brancos lusitanos ocupam o topo.