P. 1
Fisica-matematica-portugues

Fisica-matematica-portugues

|Views: 416|Likes:
Publicado porLarissa Andrade

More info:

Published by: Larissa Andrade on Oct 20, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as TXT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/26/2014

pdf

text

original

Matemática pirâmides pg. 02 Matemática pg. 04 Física pg. 06 Física pg. 08 Português pg.

10

Prismas e

Sólidos circulares

Eletrodinâmica I Eletrodinâmica II Parnasianismo

Sábado é dia de Simuladão No próximo sábado, dia 8, às 17h, a UEA realiza o primeiro SIMULADÃO de 2007, com as disciplinas ministradas nos dois primeiros módulos: Português, Geografia e História. É uma oportunidade de você avaliar o aprendizado adquirido até agora e testar seus conhecimentos. Participe. A entrada é gratuita. Além disso, é uma chance para você tirar suas dúvidas com os próprios professores que ministraram as disciplinas. Ao término da prova, todas as questões serão analisadas por eles, e as respostas exibidas nos telões. Na página 11, você vai encontrar uma ficha que deve ser preenchida e entregue no dia do teste. O SIMULADÃO terá 30 questões, sendo 10 de Português e Literatura, 10 de História e 10 de Geografia. O gabarito oficial será publicado na Apostila número 23, que circula no próximo domingo, dia 16, encartada nos jornais Diário do Amazonas, O Estado do Amazonas, Jornal do Commercio e Amazonas em Tempo, podendo também ser acessado pelos sites e www.linguativa.com.br, onde você vai encontrar, também, números anteriores de apostilas e todas as informações sobre o Aprovar. Na contracapa desta apostila, você vai encontrar uma relação com os endereços das 13 escolas da capital onde será aplicado o SIMULADÃO. No interior, a prova será nos Núcleos e Centros da UEA e nas escolas que recebem regularmente as transmissões das aulas do Aprovar. Para os deficientes visuais, a prova será aplicada na Biblioteca Braille do Estado do Amazonas, instalada na Biblioteca Pública (Rua Barroso, 57, Centro). Mas é preciso agendar previamente com o sr. Gilson Pereira pelo telefone 3234-0588. Prepare-se e boa sorte! Matemática Professor CLÍCIO Prismas e pirâmides Prisma é um sólido geométrico delimitado por

faces planas, no qual as bases se situam em planos paralelos. Quanto à inclinação das arestas laterais, os prismas podem ser retos ou oblíquos. Quanto à base, os prismas mais comuns estão mostrados na tabela: Seções de um prisma a) Seção transversal a região poligonal obtida pela interseção do prisma com um plano paralelo às bases, sendo que esta região poligonal é congruente a cada uma das bases. b) Seção reta (seção normal) É uma seção determinada por um plano perpendicular às arestas laterais. Princípio de Cavalieri Consideremos um plano P sobre o qual estão apoiados dois sólidos com a mesma altura. Se todo plano paralelo ao plano dado interceptar os sólidos com seções de áreas iguais, então os volumes dos sólidos também serão iguais. Prisma regular É um prisma reto cujas bases são regiões poligonais regulares. Exemplos: Um prisma triangular regular é um 1. prisma reto cuja base é um triângulo equilátero. 2. Um prisma quadrangular regular é um prisma reto cuja base é um quadrado. 3. Um prisma é um sólido formado por todos os pontos do espaço localizados dentro dos planos que contêm as faces laterais e os planos das bases. As faces laterais e as bases formam a envoltória deste sólido. Esta envoltória é uma superfície que pode ser planificada no plano cartesiano. Tal planificação realiza-se como se cortássemos com uma tesoura esta envoltória exatamente sobre as arestas para obter uma região plana formada por áreas congruentes às faces laterais e às bases. A planificação é útil para facilitar os cálculos das áreas lateral e total. a) O volume de um prisma é dado por: V(prisma) = A(base).h b) A área lateral de um prisma reto que tem por base uma região poligonal regular de n lados é dada pela soma das áreas das faces laterais.

Como nesse caso todas as áreas das faces laterais são iguais, basta tomar a área lateral como: 2 A(lateral) = n . A(face lateral) Uma forma alternativa para obter a área lateral de um prisma reto tendo como base um polígono regular de n lados é tomar P como o perímetro desse polígono e h como a altura do prisma. A(lateral) = P.h Aplicação Um prisma reto, de volume igual a 36cm3, tem como base um triângulo retângulo de hipotenusa igual a cm e como catetos números inteiros consecutivos, medidos em centímetros. Calcule, em centímetros, a altura H deste prisma. Solução: Catetos x2 + (x são 2 e Vp = Ab Cubo Um paralelepípedo retângulo com todas as arestas congruentes ( a= b = c) recebe o nome de cubo. Dessa forma, as seis faces são quadrados. Diagonais da base e do cubo Considere a figura a seguir: dc=diagonal do cubo db = diagonal da base Área lateral A área lateral AL é dada pela área dos quadrados de lado a: AL=4a2 Área total A área total AT é dada pela área dos seis quadrados de lado a: AT=6a2 Volume De forma semelhante ao paralelepípedo retângulo, o volume de um cubo de aresta a é dado por: V = a3 do triângulo: x, x + 1 + 1)2 = 13 , então x = 2. Logo os catetos 3; . H, então 36=3H, então H=12cm

as arestas indicadas pela mesma letra são paralelas. quatro arestas de medida b e quatro arestas de medida c. temos: AL= ac + bc + ac + bc = 2ac + 2bc =AL = 2(ac + bc) . Diagonais da base e do paralelepípedo db = diagonal da base dp = diagonal do paralelepípedo Área lateral Sendo AL a área lateral de um paralelepípedo retângulo. b e c da figura: Temos quatro arestas de medida a.Paralelepípedo retângulo Seja o paralelepípedo retângulo de dimensões a.

CD. temos os seguintes elementos: base: o polígono convexo R arestas da base: os lados do polígono AB. Observações: a 1. VC. ele é denominado regular (todas as faces e todas as arestas são congruentes).R. V = abc Pirâmides Dados um polígono convexo R. quadrangular. conforme sua base seja. VB. EA arestas laterais: os segmentos VA. VE. Toda pirâmide triangular recebe o nome do tetraedro. Quando o tetraedro possui como faces triângulos eqüiláteros. com P. contido em um plano a. chamamos de pirâmide o conjunto de todos os segmentos VP. etc. respectivamente. faces laterais: os triângulos VAB.. podemos dizer que o volume do paralelepípedo retângulo é o produto da área da base AB pela medida da altura h: V =AB. etc.h . um quadrilátero. cujo polígono da base é regular. Toda pirâmide reta. VBC. Ela pode ser triangular. verificamos que a área total é a soma das áreas de cada par de faces opostas: AT= 2(ab + ac + bc) Volume Como o produto de duas dimensões resulta sempre na área de uma face e como qualquer face pode ser considerada como base. base com base. VD. de duas . VCD. A reunião. e um ponto V ( vértice) fora de a. recebe o nome de pirâmide regular. a 2. um pentágono. VEA altura: distância h do ponto V ao plano Classificação Uma pirâmide é reta quando a projeção ortogonal do vértice coincide com o centro do polígono da base. VDE.3 Área total Planificando o paralelepípedo. BC. um triângulo. DE. Elementos da pirâmide Dada a pirâmide a seguir. pentagonal.

é o apótema da pirâmide (altura de uma face lateral). b)A face lateral da pirâmide é um triângulo isósceles. Secção paralela à base de uma pirâmide Um plano paralelo à base que intercepte todas as arestas laterais determina uma secção poligonal de modo que: a) as arestas laterais e a altura sejam divididas na mesma razão. b)a secção obtida e a base sejam polígonos semelhantes. o octaedro é regular. VA VB VC = = VD VE = h = = VA VB VC VD VE H área A B C D E h2 = área ABCDE H2 Relações entre os elementos de uma pirâmide regular Vamos considerar uma pirâmide regular hexagonal. c) as áreas desses polígonos estejam entre si assim como os quadrados de suas distâncias ao vértice. Quando as faces das pirâmides são triângulos eqüiláteros. de aresta lateral l e aresta da base a: a MC = 2 h2 = l2 a2 a) A base da pirâmide é um polígono regular inscritível em um círculo de raio OB=R.pirâmides regulares de bases quadradas resulta num octaedro. Áreas .

temos: bgAL= n. n é o número de arestas laterais. a) 6cm b) 10cm c) 4cm d) 8cm e) 12cm 04. b)área da base (AB): área do polígono convexo (base da pirâmide). Se o volume do prisma é de 800 cm3. c) área total (AT): união da área lateral com a área da base: AT = AL +AB. Uma das dimensões da base é igual ao dobro da outra. Para uma pirâmide regular. Volume O princípio de Cavalieri assegura que um cone e uma pirâmide equivalentes possuem volumes iguais: Desafio Matemático z01. temos as seguintes áreas: a) área lateral (AL): reunião das áreas das faces laterais. calcule a medida da altura.Numa pirâmide. a) 5cm e 10cm b) 7cm e 10cm c) 4cm e 7cm d) 5cm e 8cm . Um prisma triangular regular tem 60cm de perímetro da base. a é o apótema do polígono da base. o volume é 600cm3. Calcule as dimensões da base desse paralelepípedo. AB=pa em que: 2 b é a aresta. Um prisma triangular regular tem cm de aresta da base. g é o apótema. Calcule a área lateral de um prisma reto cuja base é um triângulo de lados medindo 4cm. enquanto a altura é 12cm. a) 18cm2 b) 32cm2 c) 22cm2 d) 16cm2 e) 26cm2 03. Sabendo que a medida da aresta lateral é o dobro da medida da aresta da base. p é o semiperímetro da base. calcule a área lateral do prisma. 6cm e 8cm e cuja altura mede 2cm: a) 24cm2 b) 34cm2 c) 36cm2 d) 38cm2 e) 22cm2 02. Num paralelepípedo retângulo.

a) k = 6 b) k = 7 c) k = 5 d) k = 9 e) k = 8 06. de 6 metros de altura. cuja aresta lateral mede 13cm e o apótema da pirâmide mede 12cm. Calcule a área total de um prisma reto.1cm b) 0.3cm c) 0. Uma caixa-d água tem forma cúbica com 1m de aresta.2cm d) 0. tendo por base um retângulo de área 12m2 e cuja diagonal mede 5 metros. a) 144m3 b) 124m3 c) 134m3 d) 154m3 e) 104m3 . Quanto baixa o nível da água ao retirarmos 1 litro de água da caixa? a) 0.4cm e) 0. Calcule a área lateral de uma pirâmide triangular regular. a) 100cm2 b) 110cm2 c) 140cm2 d) 160cm2 e) 180cm2 09. cuja aresta lateral tem 10m e o raio da circunferência circunscrita à base mede 6m. Um paralelepípedo retângulo tem arestas medindo 5. 4 e k.6cm 08. calcule k.e) 10cm e 12cm 05. Sabendo que sua diagonal mede . Determine o volume de uma pirâmide hexagonal regular. a) 96m2 b) 89m2 c) 67m2 d) 108m2 e) 112m2 07.

6cm2 d) 130.6cm2 c) 135. Então.qual o volume. (UEA)A área lateral de um cone é 24pcm2 e o raio de sua base é 4cm.Desafio Matemático 01. a altura do cilindro deve ser diminuída em k%.6cm2 b) 120.de remédio líquido que a seringa pode conter. Qual é a área total do cone? a) 125. (PUC)O raio de um cilindro circular reto é aumentado em 25%.O volume do sólido gerado por esse retângulo é de 600cm3.se o seu conteúdo num tubo cilíndrico de 10cm de raio.em ml. A que altura chega o mercúrio no tubo? a) 20/cm b) 30/cm c) 40/cm d) 60/cm e) 80/cm 06.3cm2 07.8cm2 b) 1032cm2 c) 1024cm2 d) 1122cm2 e) 1234cm2 04.8cm2 e) 120. (PUC)Uma caixa cúbica de aresta medindo 20cm está totalmente cheia de mercúrio. a) 15ml b) 15. Calcule a área total desse sólido. que mede 6cm. Quando o êmbolo se afastar 5cm da extremidade da seringa próxima à agulha. a alturaé igual ao raio da base. Sabe. O prisma tem altura 12 e volume igual ao dobro do volume do cone.7ml 03. (UFPA) Um cone e um prisma quadrangular regular retos têm bases de mesma área. (FGV)Um retângulo gira em torno de um dos seus lados. Então k vale: a) 36 b) 28 c) 25 d) 30 e) 32 05. para que o volume permaneça o mesmo. a) 32cm2 b) 22cm2 c) 16cm2 d) 30cm2 e) 32cm2 02. Despeja. (FGV)Uma seringa tem a forma cilíndrica com 2cm de diâmetro por 8cm de comprimento. a altura do cone vale: a) 18 b) 16/3p c) 36 d) 24 e) 8 .7ml c) 14ml d) 10ml e) 18. que a área lateral desse cilindro é 16cm2. a) 1004.se também. Calcule a área total do cilindro. (MACK)Num cilindro.

objetos. ferramentas. obtidos pelo deslocamento paralelo da geratriz sempre apoiada sobre a curva diretriz. Classificação quanto à inclinação Em função da inclinação do segmento AB em relação ao plano do chão . Cilindros O conceito de cilindro é muito importante. respectivamente. se o segmento AB for perpendicular ou oblíquo ao plano que contém a curva diretriz. Altura: A altura de um cilindro é a distância entre os dois planos paralelos que contêm as bases do "cilindro". observamos caixas d água. Num cilindro existem duas bases. Superfície Total: É o conjunto de todos os pontos da superfície lateral reunido com os pontos das bases do cilindro. o cilindro será chamado reto ou oblíquo. Superfície Lateral: É o conjunto de todos os pontos do espaço. Área lateral: É a medida da superfície lateral . Com essa cartolina um menino constrói um chapéu cônico e o coloca com a base apoiada sobre uma mesa.08. Nas cozinhas. Qual a distância do bico do chapéu à mesa? a) b) c) d) 20 cm e) 10 cm Matemática Professor CLÍCIO Sólidos circulares 1. (UFMG) Um pedaço de cartolina possui a forma de um semicírculo de raio 20cm. Eixo: É o segmento de reta que liga os centros das bases do "cilindro". encontramos aplicações intensas do uso de cilindros. Nas construções. vasos de plantas. Principais elementos Base: É a região plana contendo a curva diretriz e todo o seu interior. que não estejam nas bases. todos eles com formas cilíndricas.

onde r é o raio da base. r2 + 2. Então. então: V = p r² h Área lateral e área total de um cilindro circular reto Em um cilindro circular reto.se que a área da base do cilindro coincide com a área da secção determinada por um plano que contém o eixo do cilindro.h. Cilindro circular reto As geratrizes são perpendiculares aos planos das bases. 4 At= 2Ab + Al At= 2. h At= 2.5m AB = AS .r.5m. pois é gerado pela rotação de um retângulo.141593. em m2.. o volume é dado pelo produto da área da base pela altura. Este tipo de cilindro é também chamado de cilindro de revolução. h = 3p/4m AT = 2p r (r + h) AT = 2p.p.5 + 3p/4) .p . Área total: É a medida da superfície total do cilindro. Volume de um cilindro Em um cilindro.p r2 = 2rh . sabe. e p=3. V = A(base) h Se a base é um círculo de raio r. Cilindro eqüilátero É um cilindro de revolução cuja seção meridiana é um quadrado. a área total do cilindro. r.p.do cilindro.(1.p r = 2h ..r (r + h) Aplicação (UFAM) O raio de um cilindro de revolução mede 1.1. e h é a altura do cilindro. a área lateral é dada por A(lateral)=2p.5. Seção meridiana de um cilindro: É uma região poligonal obtida pela interseção de um plano vertical que passa pelo centro do cilindro com o cilindro.. Classificação dos cilindros circulares Cilindro circular oblíquo Apresenta as geratrizes oblíquas em relação aos planos das bases. A área total corresponde à soma da área lateral com o dobro da área da base. vale: a) 3p2/4 b) 9p(2 + p)/4 c) p(2 + p) d) p2/2 e) 3p(1 + p)/2 Solução: r = 1.

Um cone é dito reto quando o eixo é perpendicular ao plano da base. fechada e um ponto P fora desse plano. apresentamos um cone oblíquo.AT = 9p (2 + p )/4 2. Geratriz: Qualquer segmento que tenha uma extremidade no vértice do cone e a outra na curva que envolve a base. Superfície lateral: A superfície lateral do cone é a reunião de todos os segmentos de reta que tem uma extremidade em P e a outra na curva que envolve a base. . Cones O conceito de cone Considere uma região plana limitada por uma curva suave (sem quinas). Superfície do cone: A superfície do cone é a reunião da superfície lateral com a base do cone que é o círculo. Classificação do cone Quando observamos a posição relativa do eixo em relação à base. e é oblíquo quando não é um cone reto. Vértice: O vértice do cone é o ponto P. os cones podem ser classificados como retos ou oblíquos. Eixo: Quando a base do cone é uma região que possui centro. Chamamos de cone ao sólido formado pela reunião de todos os segmentos de reta que têm uma extremidade em P e a outra num ponto qualquer da região. Abaixo. Seção meridiana: A seção meridiana de um cone é uma região triangular obtida pela interseção do cone com um plano que contem o eixo do mesmo. inclusive a própria curva. Elementos do cone Base: A base do cone é a região plana contida no interior da curva. Altura: Distância do vértice do cone ao plano da base. o eixo é o segmento de reta que passa pelo vértice P e pelo centro da base.

R . a seção meridiana é a região triangular limitada pelo triângulo isósceles VAB. Determine o comprimento do cateto c. Solução: Como a área do triangulo mede 2m2. Esferas Chamamos de esfera de centro O e raio R o conjunto de pontos do espaço cuja distância ao centro é menor ou igual ao raio R.b 16 = c(4/3) c = 12 m 3. Volume O volume da esfera de raio R é dado por: . Assim. g + p R2 Aplicação Os catetos de um triângulo retângulo medem b e c e a sua area mede 2m2. todas as geratrizes são congruentes entre si.c. segue que (1/2)bc = 2. ela é limitada por uma superfície esférica e formada por todos os pontos pertencentes a essa superfície e ao seu interior. pelo Teorema de Pitágoras. Considerando a rotação completa de um semicírculo em torno de um eixo e. No caso acima. Em um cone circular reto. V =(1/3) Abase h 16p R2 b 16p = (1/3) pc. Se g é a medida de cada geratriz então. O cone obtido pela rotação do triângulo em torno do cateto b tem volume 16pm3. a esfera é o sólido gerado por essa rotação. implicando que b.c = 4. temos: g2 = h2 + R2 A Área Lateral de um cone circular reto pode ser obtida em função de g (medida da geratriz) e R (raio da base do cone): ALat = p R g A Área total de um cone circular reto pode ser obtida em função de g (medida da geratriz) e R (raio da base do cone): ATotal = p .Observações sobre um cone circular reto Um cone circular reto é chamado cone de revolução por ser obtido pela rotação (revolução) de um triângulo retângulo em torno de um de seus catetos A seção meridiana do cone circular reto é a interseção do cone com um plano que contem o eixo do cone.

Se considerarmos a rotação completa de uma semicircunferência em torno de seu diâmetro. A área da calota esférica é dada por: S = 2.4 V = 3 Partes da esfera Superfície esférica A superfície esférica de centro O e raio R é o conjunto de pontos do espaço cuja distância ao ponto O é igual ao raio R.pR3 .R. 0. respectivamente.se outro cone circular reto. x . Af= 2R2a (a em radianos) Af .R2 Calota esférica É a parte da esfera gerada do seguinte modo: Desafio Matemático 01. . 2p .a Cunha esférica Parte da esfera que se obtém ao girar um semicírculo em torno de seu eixo de um ângulo a (0< a <2p ): O volume da cunha pode ser obtido por uma regra de três simples: Aplicação Seja 36p o volume de uma esfera circunscrita a um cubo. Aumenta.se a altura e diminui.h Fuso esférico O fuso esférico é uma parte da superfície esférica que se obtém ao girar uma semicircunferência de um ângulo (0< x <2p )em torno de seu eixo: A área do fuso esférico pode ser obtida por uma regra de três simples: As .p.a As . Então. Af= (a em graus) 90° Af . para obter. a superfície esférica é o resultado dessa rotação. a razão entre o volume da esfera e o volume do cubo é: a) 8p/3 b) 2p/3 c) p/4 d) p e) p/2 Solução: 5 A área da superfície esférica é dada por: S = 4.se o raio da base desse cone. de uma mesma medida x. 360° pR2a . (USP)A altura e o raio da base de um cone circular reto medem 4cm e 15cm.p.

a alternativa que fornece a distância de O a P. em cm. Calcule a área lateral desse cone. a) 10cm b) 5cm c) 2cm d) 1cm e) 3cm 06.5m2 03. é: a) 3/2 b) 2 c) 6 d) 2 e)2 05. (USP)O volume de um cone é 400m3 e o raio de sua base é 5m. são fundidas e moldadas em forma de um cilindro circular cuja altura mede 3cm. então. Determine x em centímetros. resultando desta interseção uma circunferência de raio igual a 4cm. (PUC-SP) Qual é o raio de uma esfera 1milhão de vezes maior (em volume) que uma esfera de raio 1? a) 100 000 b) 10 c) 10 000 d) 1 000 e) 100 04. (UFPE) Uma esfera de centro O e raio igual a 5cm é cortada por um plano P. (UFPA) O círculo máximo de uma esfera mede 6pcm. a) 2cm b) 3cm c) 4cm d) 5cm e) 6cm 02.5m2 e) 240. Assinale.5m2 c) 225. Qual o volume da esfera? a) 12pcm3 b) 24pcm3 c) 36pcm3 d) 72pcm3 e) 144pcm3 07. O raio do cilindro. a) 230.5m2 d) 222. sem exceder a sua altura de 16cm.5m2 b) 241. O número de doces em formato de bolinhas de 2cm de raio que se podem obter com toda a massa é: a) 300 b) 250 c) 200 d) 150 e) 100 .de mesmo volume que o original. cujos raios medem 1cm e 2cm. (UFMG) Duas bolas metálicas. (UFRS) Uma panela cilíndrica de 20cm de diâmetro está completamente cheia de massa para doce.

.

300W a uma tensão de 110V. Abaixo do gráfico. consome a energia elétrica.6 . Neste circuito. com o mesmo comprimento mas com o dobro do diâmetro.000 d) 288. (Unifesp) A linha de transmissão que leva energia elétrica da caixa de relógio até uma residência consiste de dois fios de cobre com 10. Qual é a resistência de cada fio individualmente.m: a) calcule a resistência elétrica r de cada fio desse trecho do circuito. (UFRS) Quando uma diferença de potencial é aplicada aos extremos de um fio metálico. há o esquema de um circuito no qual R1 e R2 estão ligados em série a uma fonte ideal de 12V. do mesmo material. em kO? 03. (Desafio da TV) Um chuveiro de 2400W.0m de comprimento e seção reta com área 4. a intensidade. 10-6O. da corrente elétrica que percorre R1 e R2 .32 02. calcule a potência dissipada P nesse trecho do circuito. de forma cilíndrica. funcionando 4 horas por dia durante 30 dias. Considerando que a resistividade elétrica do cobre é . uma corrente elétrica i percorre esse fio. (UFPE) Alguns cabos elétricos são feitos de vários fios finos trançados e recobertos com um isolante. = 1. em kWh. Um certo cabo tem 150 fios e a corrente total transmitida pelo cabo é de 0.0mm2 cada um. b) Se a potência fornecida à residência for de 3. Supondo os dois fios à mesma temperatura.Desafio Físico 01. 04. de: a) 288 b) 320 c) 18. (Cesgranrio) O gráfico a seguir representa as intensidades das correntes elétricas que percorrem dois resistores ôhmicos R1 e R2 em função da ddp aplicada em cada um deles.000 e) 0.75A quando a diferença de potencial é 220V. A mesma diferença de potencial é aplicada aos extremos de outro fio. qual será a corrente elétrica no segundo fio? a) i b) 2 i c) i / 2 d) 4 i e) i / 4 05.

t Unidade no SI: C/s Uma intensidade de exemplo. 6 Intensidade da corrente elétrica Seja Q a soma dos módulos de todas as cargas que atravessam uma seção transversal de um condutor. Relação entre as correntes elétricas em um nó Nó é o ponto de um circuito elétrico em que mais de dois fios condutores estão interligados (ponto P da figura abaixo). por que passam 10C de carga segundo.2A d)1. Em qualquer intervalo de tempo.8A Física Professor CARLOS Jennings Eletrodinâmica I Leis de OHM Corrente elétrica É o movimento ordenado de portadores de carga elétrica. o sentido do movimento dos portadores coincide com o sentido convencional. Note que esse sentido é oposto ao sentido real do movimento dos elétrons livres. Então.8A b) 1. corrente de 10A.5A e) 1. ou seja. significa pela seção em cada = ampère = A. a quantidade de elétrons que chega ao nó é igual à que sai dele. como indica a figura anterior. num certo intervalo de tempo: A intensidade i da corrente elétrica nesse condutor é definida por: Q i = . a soma das intensidades das correntes elétricas que chegam ao nó também é igual à soma das que dele saem: . um fluxo de portadores de carga num determinado sentido. Sentido convencional da corrente elétrica O sentido que se convencionou para a corrente elétrica no condutor é o sentido dos potenciais decrescentes.0A c) 1. No caso de portadores móveis positivos (como íons positivos em soluções eletrolíticas).vale: a) 0.

Entre elas.6 . estão indicados os sentidos (convencionais) das correntes elétricas: i1 = 20A. de uma extremidade à outra. Pilhas. 1 elétron 16C . cujas extremidades estão ligadas ao pólo de um gerador. a) Qual a intensidade e o sentido da corrente elétrica i4 no fio 4? b)Quantos elétrons passam por uma seção transversal do fio 4 em cada segundo? (carga elétrica elementar = e = 1. 1020 Gerador elétrico Diz-se de todo sistema capaz de gerar correntes elétricas. quando se desloca pelo fio. cujo valor absoluto vamos representar por U. 10 19C). Ou .0 .i1 + i2 = i3 + i4 Aplicação A figura mostra quatro fios condutores interligados no ponto P. 10 19C . n elétrons n = 1. para totalizar também 36A. b)16A = 16C/s 1. Solução: a) A soma das correntes que chegam ao nó é igual à soma das que saem dele. baterias e usinas hidroelétricas são exemplos de geradores. Em três desses fios. Saindo do nó temos: i2 + i3 = 15A+ 21A = 36A Chegando ao nó: i1 = 20A Então. i2 = 15A e i3 = 21A (constantes). operando para converter alguma modalidade de energia não-elétrica em energia elétrica. Diferença de potencial elétrico (ddp) Considere o fio metálico representado abaixo.6 . pelo fio 4 deve chegar uma corrente i4 = 16A. existe uma diferença de potencial (ddp) ou tensão elétrica. A ddp indica: a energia potencial elétrica que cada coulomb de carga entrega ao fio na forma de energia térmica.

consumida ou dissipada pelo fio (ou fornecida pelo gerador). Uma lâmpada operando numa potência de 100W. i . por um aparelho que opera com potência de 1kW durante 1h.6 .t . o fio recebe do gerador uma quantidade de energia elétrica E.U Q Pot = . se há uma ddp igual a U volts entre as extremidades do fio. 106J Resistência elétrica Considere um condutor submetido a uma diferença de potencial U e percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i: = = U. num certo intervalo de tempo.t Unidade no SI: J/s = watt = W. Por outro lado.t . consome 100J de energia elétrica em cada segundo. Pot = U. 1h = 103W . Se. 1kWh = 1kW . por exemplo. U Então: E Q. a potência elétrica Pot. 3600s = 3. . de um terminal a outro. é dada por: E Pot = . num certo intervalo de tempo. por exemplo. passa uma carga de módulo Q coulombs pelo fio. E joules E = Q .a energia potencial elétrica que o gerador repõe em cada coulomb de carga que se desloca pelo gerador.t Quilowatt-hora (kWh) É uma importante unidade de medida de energia. Equivale à energia consumida. isso significa que 1 coulomb de carga entrega ao fio U joules de energia. a energia E entregue a ele será: 1 coulomb . Se. U joules Q coulombs .

a resistência informa quantos volts são necessários para produzir 1A nesse fio.Sua resistência elétrica R é definida por: U R = Unidade no SI: V/A = ohm = O.) são os valores de tensão e potência especificados pelo seu fabricante para que funcione corretamente. Em esquemas de circuitos. condutores cujas resistências podem ser desprezadas em relação a outras: os fios de cobre usados na instalação de uma lâmpada. Assim. seja ele percorrido por corrente ou não. no SI. não existe condutor ideal. ele deverá queimar quando passar ele uma corrente i superior a 30A. Se a resistência elétrica de um fio metálico é. ferro de passar roupa. Os fusíveis de proteção de circuitos e os interruptores também possuem resistências desprezíveis. o circuito ficará aberto e teremos i = 0. a resistência elétrica é simbolizada por: Condutor ideal Diz-se de todo condutor cuja resistência elétrica é igual a zero. Símbolo de um fusível: Se um fusível for de 30A. Ao queimar. chuveiro. Valores nominais Valores nominais de um aparelho elétrico (lâmpada. igual a 5O. Símbolos de um interruptor simples: Interruptor aberto (não passa corrente: i = 0). são necessários 5V para produzir cada ampère de corrente. por exemplo. têm resistências desprezíveis em comparação com a da lâmpada. por exemplo. por exemplo. entretanto. Há. Mas é bom que se diga: excluindo o fenômeno da supercondutividade. uma lâmpada cujos valores nominais são: 100W . etc. Considere. Interruptor fechado (passa corrente: i ¹ 0). a diferença de potencial é igual a zero. Seu símbolo em esquemas de circuitos é: Entre os terminais de um condutor ideal. por exemplo.

um resistor é simbolizado por: A potência dissipada no resistor é a energia elétrica que nele se converte em energia térmica por unidade de tempo. mantidos em temperaturas constantes. Essa conversão (dissipação) é denominada efeito Joule. Pot = : . essa energia é dada por: Pot = U . por exemplo). A constante de proporcionalidade é a sua resistência R: U = constante = R i Podemos escrever também: U = R . Resistores São condutores em que a energia elétrica converte-se exclusivamente em energia térmica. A = . Pot = R . i . i (sendo R constante em temperatura constante). Como já sabemos. a ddp U e a intensidade de corrente i são diretamente proporcionais. i: Pot = R . i2 U Como i = R U U2 Pot = U. i Mas como U = R . Curva característica de um condutor ôhmico Gráfico que relaciona a intensidade de corrente i no condutor com a ddp U entre seus terminais. CONDUTORES ÔHMICOS Primeira Lei de Ohm Para alguns condutores (metais e grafite. R R Segunda Lei de Ohm Considere um condutor de comprimento L e seção transversal uniforme de área A. Isso significa que ela opera com potência de 100W desde que seja ligada a 220V. i .220V. 7 Em esquemas de circuitos.

para cada posição do cursor. Sendo . uma constante de proporcionalidade denominada resistividade elétrica ou resistência específica do material que constitui o condutor. = R. Da expressão anterior. e. temos: L R = . a corrente elétrica percorrerá uma parte mais longa ou menos longa dessa película. aumentamos ou diminuímos uma certa corrente elétrica. Dependendo da posição do cursor. b)a resistência elétrica do resistor do chuveiro em funcionamento. quando giramos o potenciômetro de volume de um rádio. temos: A . no SI: O . o potenciômetro terá uma resistência elétrica diferente.resistência elétrica R desse condutor é diretamente proporcional ao seu comprimento L. Calcule: a) a intensidade de corrente no chuveiro. A Ao se estabelecer uma corrente no condutor.: O . assim. L é a distância percorrida pelos portadores de carga livres. m Unidade prática de . m2/m = O . mm2/m Reostato É um resistor de resistência variável (ajustável mecanicamente). um reostato é simbolizado por: Caiu no Vestibular Caiu no vestibular 01. no SI. Por exemplo.. aumentamos ou diminuímos o volume do som. Numericamente. é igual ao da resistência de um condutor em que L = 1m e A = 1m2. (UEA) Um chuveiro submetido a uma tensão U = 220V opera com potência Pot = 4400W. Em esquemas de circuitos. L Unidade de . . Assim. e inversamente proporcional à área A. o valor de . Veja detalhes internos de um potenciômetro: O cursor é uma pequena haste metálica em contato com a película de grafite. e A é a área através da qual eles fluem.

0mm2 e é percorrido por uma corrente elétrica de intensidade i = 30A.t E = 4400W . (UEA) Um fio de cobre sem a cobertura isolante (desencapado) tem seção transversal de área A = 6. em J e em kWh. 106J Ou: E = 4. O cobre possui resistividade .c) a energia elétrica E consumida pelo chuveiro em 15 minutos de funcionamento.96 .t E = Pot . i 220 = R . R = 11O Ou: Pot = R2 . 1/4 h = 1. i = 20A b)U = R . R = 11O R c)Pot = 4400W = 4.1kWh Observe que é muito mais simples calcular o consumo em kWh. 202 . Considere dois pontos. 10-2O. R = 11O Ou ainda: U2 Pot = R 2202 4400 = .4kW .. 20 .4kW . 900s = 3. desse fio.t = 15min = 900s = 1/4 h E Pot = . Solução: a) Pot = U . mm2/m. A 10.8 .10 2m . Solução: A resistência elétrica entre P e Q. i . 02. . i 4400 = R . = 1. i 4400 = 220 . aplicando a Segunda Lei: L RPQ = . separados por 10cm: Calcule a diferença de potencial entre P e Q. P e Q.

RPQ = 1.0 . i = 3.8. 30 UPQ = 9. 10 3V .0 . Agora. calculemos UPQ pela Primeira Lei: UPQ = RPQ . 104 . 104 .0 .10 2mm2/m. 6.0mm2 RPQ = 3.

e R4. temos três resistores de resistências R1 = 100O. cuidando para que nós interligados por um fio ideal recebam a mesma: Em seguida. i1 = 3A U = R2 . entre A e C. sem repetição. associando uma letra a cada nó. 300 = 30 . i2 . b)Determine a intensidade de corrente elétrica em R1. marcamos todos os pontos que receberam letras.60 RCB = R2 + R3 30+60 80O + 20O = 100O Essa resistência de 100O está em paralelo com R1. a) Determine a resistência equivalente RAB entre os terminais A e B.Caiu no Vestibular Na montagem. observando que (na figura 1) R1 está entre A e B. 300 = 100 . considerando R4 = 80O.R3 30. R2 está entre B e C. i2 . que também é igual a 100O : 100 100 RAB = = . RCB = 20O n 2 b) R4 = 0 significa que o reostato tornou-se um condutor ideal: Redesenhando o esquema. quando é aplicada uma ddp U = 300V entre A e B. mantendo os terminais em posições extremas. R3 está entre C e B. Agora. i1 . R3 = 60O. um reostato de resistência R4 (variável de 0 a 80O) e um fio ideal F. i3 . i3 . RAB = 50O = . i1 . R2. redesenhamos o esquema. Solução: a) Como as extremidades de um fio ideal estão no mesmo potencial. i3 = 5A Física . temos: U = R1 . 300 = 60 . com R4 = 0. i2 = 10A U = R3 . R2 e R3. R2 = 30O.

Estabelecendo uma ddp U entre os terminais A e B da associação. i = i1 + i2 + . i + R2 .. in: Então: A ddp U é igual em todos os resistores. sendo cada uma delas uma parte de U. Rn associados em série.. respectivamente. na iluminação de uma residência. Então: A intensidade de corrente i é igual em todos os resistores.+ Rn (resistência equivalente pontos A e B). Consideremos n resistores de resistências R1. Assim. U2. os resistores são percorridos por uma mesma corrente de intensidade i e ficam submetidos à ddp U1... Rn associados em série. i2... i+ . Em paralelo: Resistores estão associados em paralelo quando estão interligados de modo a se submeterem a uma mesma ddp U.. a ddp será igual a U em todos os resistores. .. . e neles serão estabelecidas correntes elétricas de intensidades i1.+ Un R1. Un. Em série: Resistores estão associados em série quando estão interligados de modo a estabelecer um único caminho para a corrente elétrica... + in .. R2. .Professor CARLOS Jennings Eletrodinâmica II Associação de Resistores 1. 2. estabelecendo mais de um caminho para a corrente elétrica..+ Rn.. i + R2 + .. R2. a corrente que passa por um deles é a mesma que passa pelos demais. Resistência equivalente à da associação (Req) é aquela que um único resistor deveria ter para que a mesma ddp U produzisse nele uma corrente de mesma intensidade. . Esse tipo de associação é usado.... Consideremos n resistores de resistências R1. i = Req = R1 entre os U2 + . Esse tipo de associação é freqüentemente utilizado na iluminação de árvores de natal.... por exemplo. U = U1 + Req. Estabelecendo uma ddp U entre os terminais A e B da associação.

A ddp entre esses dois pontos é igual a zero. e = 12V. em cálculos de circuitos. existe entre seus terminais (pólos). mas de energia por unidade de carga. Associação mista: Associação mista é aquela em que existem resistores associados em série e em paralelo. no caso de baterias de automóvel. pois não se trata de força. É bom que se diga: a denominação de força eletromotriz é inadequada. No caso das pilhas comuns.U U U U = 1 1 1 1 . = + + + ... + . os dois pontos podem ser considerados coincidentes. e. GERADOR ELÉTRICO EM CIRCUITOS Grandezas características de um gerador elétrico Quando um gerador não participa de um circuito.R2 = Req R1+ R2 n resistores de resistências iguais a R. + + . Por isso. ou seja...5V.em paralelo: 8 = Req Rn A resistência equivalente à de uma associação de resistores em paralelo é menor que a menor das resistências associadas.ReqR1 R2 Rn ReqR1R2 Rn Essa expressão dá a resistência equivalente entre os pontos A e B. denominada . quando ele não é percorrido por uma corrente elétrica. A e B. denominada força eletromotriz (fem). Como todo condutor real. e = 1. uma ddp e. como na associação esquematizada abaixo: Curto-circuito Dois pontos estão em curto-circuito quando existe um condutor ideal conectado entre eles. o gerador apresenta uma resistência elétrica r. 3. Anote aí: Cálculo prático para apenas dois resistores em paralelo: R1.

Note que o sentido (convencional) da corrente é de ( ) para (+) dentro do gerador. Circuito simples Assim denomina-se um circuito em que um gerador alimenta um resistor. é de (+) para ( ) no resistor. bastando calcular a resistência equivalente à da associação dos vários resistores alimentados. Anote aí: quando um gerador alimenta dois ou mais resistores. Elementos em que a corrente passa de (+) para ( ) estão recebendo energia elétrica (são os resistores e os receptores). O gerador estabelece entre os terminais do resistor uma ddp U que é menor que a força eletromotriz e. temos um circuito que pode ser reduzido a um circuito simples. Generalizando a informação: Elementos em que a corrente passa de ( ) para (+) estão fornecendo energia elétrica (são os geradores). como veremos adiante. ou seja.resistência interna do gerador. . e de (+) para ( ) fora dele.

em cada segundo. = = = (0 =. Significa quantos joules de energia elétrica o gerador efetivamente fornece. < 1) Pott e . Potu U.9 Equação do gerador U = e r . temos: No gerador: U = e r . Pott = Potu + Potd = U . Potências no gerador Potd: é a potência elétrica desperdiçada pelo gerador. obtida pela soma da potência útil com a desperdiçada. no caso das pilhas) são transformados em energia elétrica. Significa quantos joules de energia elétrica são dissipados inutilmente dentro do gerador. i Então: e r . i U = ddp aproveitada pela lâmpada. i . a potência que o gerador fornece a quem ele alimenta.e = (R + r) . i2 Potu: é a potência elétrica útil do gerador. ie = S Resistências . em cada segundo. i . i = R . i) . r . porque resulta da razão entre grandezas de mesma natureza) ç que informa qual a fração da potência total é aproveitada como potência útil. Aplicação . e = ddp gerada.i U . Significa quantos joules de algum tipo de energia (química.i e Intensidade de corrente elétrica num circuito simples Num circuito simples. Potu = U . i Pott: é a potência elétrica total produzida pelo gerador. i2 Pott = (U + r . i No resistor: U = R . i = ddp perdida dentro do gerador. Pott = e . Potd = r . em razão de sua resistência interna. ou seja. i Rendimento elétrico de um gerador É a grandeza adimensional (sem unidade. i A resistência R pode ser a resistência equivalente à associação de uma quantidade qualquer de resistores. em cada segundo. i + r .

i = 12 1 .Um gerador de fem e = 12V. Calcule: a) a intensidade da corrente elétrica no circuito. muitas vezes somos obrigados a considerar o gerador ideal. Em série: O pólo positivo de um gerador é ligado ao pólo negativo do gerador seguinte. i2 = 1 . quando não temos informação sobre sua resistência interna. i2 ou U2/R) d)Potd = r . Associação de geradores 1. = e Gerador ideal Diz-se de um gerador hipotético cuja resistência interna r é igual a zero. seu rendimento é igual a 1. Considere n ) = = 0. ou seja. i = 12 . d) a potência desperdiçada dentro do gerador. e) a potência elétrica total gerada. 3 = 9V c)Potu = U . e resistência interna r = 1O está ligado a um resistor de resistência R = 3O. i 12 = (3 + 1) . por isso. Solução: a) e = S Resistências . É simbolizado por: Nesse gerador não há desperdício de energia. f) o rendimento elétrico do gerador. Anote aí: na resolução de exercícios. 3 = 9V Ou no resistor: U = R . i = 3 . 100%. c) a potência útil do gerador. pois é a mesma). 32 = 9W e) Pott = e . 3 = 27W (poderia ser também R . i . = Pott 36 U também . b) a ddp U entre os terminais do gerador (ou do resistor. i = 3A b)No gerador: U = e r . 3 = 36W (poderia ser também Potu + Potd) Potu 27 f) . i = 9 .75 = 75% (poderia ser .

+ rn req = r + r + r . respectivamente. e2. req = (vantagem: diminui a . . Em paralelo: Os pólos positivos dos geradores são ligados juntos. req = r1 + r2 +.. + rn 2..+ en req = r1 + r2 +. Sendo eeq e req a força eletromotriz e resistência interna do gerador equivalente à associação. r2. geradores de diferentes forças eletromotrizes.+ en eeq = e + e + e. Então: eeq = e1+ e2 + .. as pilhas estão associadas em série. porque podemos ter geradores alimentando outros geradores.eeq= 3e (vantagem: multiplica a força eletromotriz). temos: eeq = e r req = n Anote aí: na prática. . e resistências internas r1. Considere n geradores iguais.. associados em série: Sendo eeq e req a força eletromotriz e resistência interna do gerador equivalente à associação.. temos: eeq = e1+ e2 + .. Vantagens e desvantagens das associações de geradores Nas associações (I) e (II). en. cada um deles com força eletromotriz e e resistência interna r. r r req = n 3 .. Em (II). associados em paralelo. não é comum associar..... req = 3r (desvantagem: aumenta a resistência interna)...geradores de forças eletromotrizes e1. as pilhas estão associadas em paralelo: eeq = e (desvantagem: mantém a força eletromotriz dos geradores associados). Os alimentados funcionariam como receptores elétricos. o mesmo ocorrendo com os pólos negativos. rn. cada pilha tem "força" eletromotriz e e resistência interna r. em paralelo. Vamos discutir a vantagem e a desvantagem de cada uma: Em (I)..

RCD = 24O RCD 40 60 Poderíamos também usar o cálculo prático para dois resistores em paralelo: 40. C e D. As resistências de 40O e 60O estão em paralelo porque se ligam aos mesmos pontos. RCD = 24O As três resistências que restaram estão em série: RAB = R + 24 + 1 Como RAB = 35O: 35 = R + 24 + 1. .resistência interna). Essas resistências equivalem a: 10O + 20O + 30O = 60. Determine o gerador equivalente entre os pontos A e B: Caiu no vestibular Calcule a resistência R para que a resistência equivalente entre A e B seja RAB = 35O. Solução: As resistências de 10O. A resistência equivalente é dada por: 1 1 1 = + . 20O e 30O estão em série. uma vez que são atravessadas pela mesma corrente elétrica. estando submetidas à mesma ddp.60 2400 RCD = 40+60 100 = . Desafio Físico 01. RAB = 10.

03. Ver através da máscara da face. Quanta gente. e teima. Beneditino. d) Espiritualismo e misticismo. Opte. Trabalha. Todas são falsas. e sua! a) b) c) d) e) Castro Alves Alberto de Oliveira Raimundo Correia Olavo Bilac Francisca Júlia 02. na paciência e no sossego. Leia a estrofe seguinte: Se se pudesse. 04. e) Apego excessivo à métrica e à rima. e lima. II A fama de Raimundo Correia provém mais dos sonetos antológicos (As Pombas. I Olavo Bilac. escreve! No aconchego Do claustro. a) Concepção objetiva da vida. apresenta pequenos traços românticos. então piedade nos causasse! (Raimundo Correia. depois. a) b) c) d) e) Todas são verdadeiras. talvez que inveja agora Nos causa. III Vicente de Carvalho ficou conhecido pelo epíteto de Poeta do Mar . pela alternativa coerente. Leia as informações seguintes. c) Valorização de elementos da mitologia grega. Longe do estéril turbilhão da rua. e sofre. apesar de ser considerado um poeta parnasiano. o espírito que chora. Mal Secreto) Assinale a alternativa que exprime a .Desafio literário 01. São verdadeiras apenas a I e a II. (Desafio do Rádio) Identifique o autor do excerto de poema seguinte. Mal Secreto) do que do sucesso de obras poéticas publicadas. São verdadeiras apenas a I e a III. Apenas a I é verdadeira. b) Busca da perfeição formal. (Desafio da TV) Somente uma das afirmações abaixo não se aplica ao Parnasianismo.

Piedade versus falsidade. Falece em Niterói (RJ). Realismo. nismo dura no Brasil de 1880 a 1893. a) b) c) d) e) Pré-Modernimso. torna-se um dos mais Cronologia Cronologicamente. o Parnasia populares poetas da literatura brasileira. em 19 de janeiro de 1937. 05. ASPECTOS GERAIS arte de compor versos. Simbolismo. em 28 de abril de 1857. ultrapas( a situação de escritor profissional é sonho sa a primeira fase do Modernismo (1922 a . entretanto. 3. Infelicidade versus felicidade. Parnasianismo Popularidade Alberto de Oliveira. mostrando perfeição.oposição fundamental desse quarteto. Essência do ser versus aparência. Romantismo. Tristeza versus alegria. A que período da Literatura Brasileira o texto seguinte faz referência? A poesia com gosto refinado. agradou o público leitor brasileiro da época. AUTORES E OBRAS Literatura 10 ALBERTO DE OLIVEIRA Nascimento e morte Antônio Mariano Professor João BATISTA Gomes Alberto de Oliveira nasce em Palmital de Saquarema (RJ). Parnasianismo. A Atividades profissionais Para sobreviver influência do movimento. a) b) c) d) e) Matéria versus espírito. demonstrando a um só tempo talento e técnica na 1. Prova disso é a extensão da influência do período: não desapareceu nem com as primeiras manifestações modernistas.

professor. concretizan dá-se o nome Parnasianismo à produção do-se o forte pendor pelo objetivismo e pelas poética do Realismo-Naturalismo. de Luís Estréia Em 1878. mostrando-se ainda preso aos cânones do Romantismo. onde se torna amigo de Olavo Bilac. está o seu momento mais alto no que realista não vinga. a) Sonetos e Rimas (poesias. Alberto torna-se farmacêutico e 1930). de Teófilo Dias. Início no Brasil As primeiras obras do Par e cursa a Faculdade de Medicina até o terceinasianismo brasileiro são: ro ano. Romantismo. em 1924.na época). Oposição ao Romantismo Trindade parnasiana As manifestaCom Raimundo Cor ções poéticas durante a vigência do Realis reia e Olavo Bilac. constitui a trindade parna mo-Naturalismo opõem-se radicalmente ao siana no Brasil. cenas exteriores. Diploma-se em Farmácia. 1882). concerne à ortodoxia parnasiana. é eleito . Príncipe dos poetas No concurso organi- Origem O movimento parnasiano surge na zado pela revista Fon-Fon. 1880). em 1884. b) Fanfarras (poesias. Por influência européia. com as Guimarães Júnior. estréia em livro. Melhor livro Nas páginas de Meridionais Poesia realista A denominação poesia (1884). Canções Romântiicas.

Fugem. blico leitor brasileiro da época. Parnaso é o 4. de 1859. Vaso Grego poesia). a bordo do navio brasileiro São Luís.França. mostrando perfeição. da influência romântica e adotam uma linguagem menos Nascimento e morte Raimundo da Mota brasileira. Por meio delas. 2. em 13 de setembro de refinado. 1885) é inspirado na mitologia grega. Versos e rimas (poesias. os parnasianos retornam à RAIMUNDO CORREIA época clássica. Vaso Chinês Cultura grega Tomando a cultura grega como modelo. agrada o pú 1911. ancorado na baía de Mogúncia (MA).1878) o subjetivismo da época romântica. França. Prova disso é . Falece Influência duradoura A poesia com gosto em Paris. Canções românticas (poesias. 2. prega-se um modo OBRAS novo de fazer poemas: sem a emoção e sem 1. 1884) Origem do nome O nome Parnasianismo 3. com gosto por termos rebuscados de Azevedo Correia nasce em 13 de maio e eruditos. antologias denominada Parnaso Contemporâneo. Meridionais (poesias. 1895) monte consagrado a Apolo (o deus da beleSonetos famosos: za) e às musas (divindades inspiradoras da 1. com a publicação de uma série de Príncipe dos Poetas Brasileiros . Sonetos e poemas (poesias. assim.

Valentim Magalhães. 1879) c) composição de soneto (2 quartetos e 2 2. CARACTERÍSTICAS DO todos destinados a ser grandes figuras das PARNASIANISMO letras. expetos. Teófilo Dias. 1883) tercetos). Augusto de Lima. quer custo. em cujas páginas se encontra um dos mais Passam a ter valor os seguintes aspectos: conhecidos sonetos da língua portuguesa: As Pombas. a qualAs Pombas Em 1883. riência ainda romântica. a) rimass ricas e raras. com de fazer arte. 1. Eduardo Prado. Arte pela arte É a arte pelo simples prazer Estréia Começa na literatura em 1879. 3. 1887) d) clareza e lógica. sem a influência dos sentimen o volume de poesias Primeiros sonhos. Fontoura Xavier 2.a extensão da influência parnasiana: não Faculdade Na Faculdade de Direito de São desaparece nem com as primeiras manifesPaulo. tações modernistas. às vezes técnicoOBRAS científico. Sinfonias (poesias. Versos e Versões (poesias. b) vocabulário erudito. publica as Sinfonias. . conhece Raul Pompéia. a perfeição exterior dos poemas. Primeiros Sonhos (poesias. das emoções. Perfeição formal O poeta busca. Afonso Celso. do jornalismo e da política.

Sonetos famosos: Retomada do Classicismo Valoriza-ção 1. f) ausência de emoção. 1891) e) poesia descritiva. ganha o erotismo. Aleluias (poesias. mas é expulso no com os aspectos técnicos da composição. Anoitecer Amor carnal e erótico OLAVO BILAC O amor.4. da emoção. As Pombas da cultura grega. destacando partes do corpo dos Guimarães Bilac nasce no Rio de Janei da mulher cuja descrição era proibida no pe ro (RJ). Mal Secreto arte e a nomes de deuses. onde ríodo anterior. 3. Os poemas falam da nuNascimento e Morte Olavo Braz Martins dez feminina. Falece. ao contrário da postura ingênua adotada no Romantismo. Tenta. em 28 de dezembro de 1918. com referência a obras de 2. a . quarto ano. acusado de necrofilia. em 16 de dezembro de 1865. preocupando-se mais dicina do Rio de Janeiro. Impassibilidade O poeta tenta abster-se do Medicina Matricula-se na Faculdade de Me- sentimento.

Estréia Publica a primeria obra em 1888. Jornalista e poeta Dedica-se. na qual codifica o seu credo estético. OBRAS 1. desconhecida e obscura. 1904) Poemas famosos: 1. E o arrolo da saudade e da ternura! Amo o teu viço agreste e o teu aroma De virgens selvas e de oceano largo! Amo-te. Perseguido por Floriano Fazendo jornalismo político nos começos da República. Amo-te assim. no concurso da revista Fon-Fon (1913). Poesias Infantis (poesias. És. Profissão de Fé 3. Crônicas e Novelas (prosa. Que tens o trom e o silvo da procela. Poeta épico Ao lado do poeta lírico. ó rude e doloroso idioma. em que da voz materna ouvi: meu filho! . encontram-se os famosos sonetos de Via-Láctea e a antológica Profissão de Fé. . o curso de Direito em São Paulo. que se distingue pelo culto do estilo. pela pureza da forma e da linguagem e pela simplicidade como resultado do lavor. a desilusão e a morte do bandeirante Fernão Dias Pais Leme. mas não passa do primeiro ano. inculta e bela. 1898) 4. no seu tempo. que na ganga impura A bruta mina entre os cascalhos vela. das quais a mais famosa é em favor do serviço militar obrigatório. celebrando os feitos. a um tempo. Ouvir Estrelas 2. felizmente. que. E em que Camões chorou. Os dois chegam a comparecer em praça pública para um duelo de espadas.. no exílio amargo. compõe a letra do Hino à Bandeira. desde cedo. não acontece. Na obra. Tuba de alto clangor. 1888) 2. Poesias (poesias. tornando-se o mais típico dos parnasianos brasileiros. lira singela.. tendo sido eleito o Príncipe dos Poetas Brasileiros .seguir. Sagres (poesias. esplendor e sepultura: Ouro nativo. um dos poetas brasileiros mais populares e mais lidos. ao jornalismo e à literatura. de que é expressão o poema O Caçador de Esmeraldas. há em Bilac um poeta de tonalidade épica. Príncipe dos poetas Bilac é. Hino à Bandeira Na linha patriótica. Tem intensa participação na vida política do Brasil e em campanhas cívicas. Poesias. 1894) 3. Briga com Pompéia Fica famosa a briga entre Olavo Bilac e Raul Pompéia. Língua Portuguesa Língua Portuguea Última flor do Lácio. é um dos perseguidos por Floriano Peixoto.

Poemas famosos: 1. fazendeiro. Apelido Pela obsessão que tinha de falar do mar. Faz parte da chamada Boêmia Abolicionista. só vem a lume em 1903. Relicário (pesias. Pequenino Morto (elegia) 4. O Jornal. impedidos que são pelas autoridades policiais de irem à sede. Direito Em 1882. em 22 de abril de 1924. Mármores. Última obra Seu segundo e último livro de poesias. Velho Tema 2.O gênio sem ventura e o amor sem brilho! VICENTE DE CARVALHO Nascimento e morte Vicente Augusto de Carvalho nasce em Santos (SP). Francisca Júlia prova que mulher também sabe fazer poesia de qualidade. Ardêntias. 4. 1895) . em 1908. OBRAS 1. com enorme sucesso. um livro de sonetos que causa sensação nas rodas culturais de São Paulo e do Rio de Janeiro. Morre em São Paulo (SP). vira político. que são seus admiradores e principais incentivadores. Colabora. Estréia Em 1885. militando em todos os jornais. Poemas e canções (poesias. bacharelando-se aos 21 anos incompletos. nome inspirado na fosforescência das ondas. 1885) 2. Depois de casado. empresário. Cria versos perfeitos. Esfinges. em 1905. aos 16 anos. A Flor e a Fonte FRANCISCA JÚLIA Nascimento e morte Francisca Júlia nasce em Xiririca. em O Estado de S. e funda. ingressa na Faculdade de Direito. 1888) 3. Mármores (poesias. Raimundo Correia e Alberto de Oliveira). Muitas atividades Em Santos. Talento feminino Num universo inteiramente dominado por poetas do chamado sexo forte. Olavo Bilac faz-lhe elogios emocionados. Palavras ao Mar 3. Paulo. rosa de amor (poesias. Sucesso literário Publica. OBRAS 1. A obra faz sucesso. assume a chefia da imprensa republicana. publico sua primeira obra. em 5 de abril de 1866. mas faz carreira de verdade na área jornalística. 1901). ESTRÉIA Em 1895. elevando-se ao nivel da trindade parnasiana (Olavo Bilac. publica seu primeiro livro de versos. 1908). consagrando-o aos 19 anos. Ardêntias (poesias. durante muitos anos. em A Tribuna. ganha o apelido de Poeta do Mar . merecendo os mesmos aplausos do primeiro. em 1920. cujas reuniões muitas vezes se realizam nos bancos das praças públicas. Rosa. o livro Poemas e Canções. em 1871. hoje Eldorado (SP). Falece em São Paulo (SP).

. Esfinges (poesias. serenas. Ruflando as asas. ENJAMBEMENT no verso seguinte uma ou mais palavras que completam o sentido do verso anterior.. VERSOS DECASSÍLABOS Todos os versos do soneto têm dez sílabas métricas.. Como voam as pombas dos pombais.. Voltam todas em bando e em revoada. 2/3 (dezenas: numeral. Fogem. Musa Impassível 2. penas: substantivo) e 11/14 (pombais: substantivo. céleres voam... SÍMILE É figura que consiste em comparar. E à tarde. madrugada: substantivo). o processo em questão ocorre entre os versos 2/3 e 5/6 2. Note a comparação que o poeta faz entre o fenômeno que ocorre com as pombas (saem dos pombais.2. Esfinges As Pombas Raimundo Correia Vai-se a primeira pomba despertada. mais outra.. mais: advérbio). enfim [dezenas De pombas vão-se dos pombais.. 5. apenas Raia sanguínea e fresca a madrugada. Processo poético de pôr 1.. 6/7 (serenas: adjetivo. Vai-se outra mais.. há apenas uma rima masculina: pombais/mais. coisas semelhantes. No azul da adolescência as asas soltam.. aos pombais de novo elas... apenas: advérbio). 1903) Poemas famosos: 1. E eles aos corações não voltam mais. 4. Encontramo-las nos seguintes pares de versos: 1/4 (despertada: adjetivo.. RIMAS RICAS Ocorrem entre palavras de classes diferentes. Em todo o soneto. um por um. mas voltam) e o que ocorre no coração dos seres humanos (os sonhos saem e não voltam mais). Os sonhos. sacudindo as penas. de maneira comum. No poema As Pombas. RIMAS MASCULINAS São masculinas as rimas que ocorrem entre palavras oxítonas ou monossílabas.o verso: Fo/gem/. O termo francês pode ser substituído por cavalgamento ou encadeamento. Mas aos pombais as pombas [voltam. quando a rígida nortada Sopra. Leitura obrigatória . Mas/ aos/ pom/bais/ as/ 1 2 3 4 5 6 7 pom/bas/ vol/tam 8 9 10 3. Também dos corações onde abotoam.. Vamos verificar o 13..

Teixeira Pró-Reitor de Pós-Graduação e Pesquisa Walmir Albuquerque Coordenadora Geral Munira Zacarias Rocha Coordenador de Professores João Batista Gomes Coordenador de Ensino Carlos Jennings Coordenadora de Comunicação Liliane Maia Coordenador de Logística e Distribuição Raymundo Wanderley Lasmar Produção Renato Moraes Projeto Gráfico Jobast . Não pode ser vendido.Encarte referente ao curso pré-vestibular Aprovar da Universidade do Estado do Amazonas. M. Governador Eduardo Braga Vice-Governador Omar Aziz Reitor Lourenço dos Santos Pereira Braga Vice-Reitor Carlos Eduardo Gonçalves Pró-Reitor de Planejamento e Administração Antônio Dias Couto Pró-Reitor de Extensão e Assuntos Comunitários Ademar R.

Djalma Batist a. s/n.Alberto Ribeiro Antônio Carlos Aurelino Bentes Heimar de Oliveira Mateus Borja Paulo Alexandre Rafael Degelo Tony Otani Editoração Eletrônica Horácio Martins Este material didático. sábados: reprise às 23h Postos de distribuição: Amazon Sat (21h30 às 22h) RBN (13h às 13h30) reprise: 5h30 e 7h (satélite) PAC São José Alameda Cosme Ferreira pping São José Rádio Rio Mar (19h às 19h30) PAC Cidade Nova Rua Noel Nutles. Manaus-AM .uea. 1325 Compensa (8h às 9h e reprise de 16h às 16h30) PAC Porto Rua Marquês de Santa Cruz.br e www.edu. nos seguintes meios de comunicação: TV Cultura (7h às 7h30). CEP 69050-010. Beira Mar.br Endereço para correspondência: Projeto Aprovar .Flores. Brasil.° Rádio Panorama de Itacoatiara (11h às 11h30) armazém 10 do Porto de Manaus Centro Rádio Difusora de Itacoatiara (8h às 8h30) PAC Alvorada Rua desembargador João Rádio Comunitária Pedra Pintada de Itacoatiara Machado.linguativa. que será distribuído nos Postos de Atendimento (PAC) na capita l e Escolas da Rede Estadual de Ensino. 1350 Cidade Nova I Rádio Seis Irmãos do São Raimundo PAC Compensa Av. ébase para as aulas transmitidas diariamen te (horário de Manaus). 4922 Planalto (10h às 10h30) PAC Educandos Av. s/nº Educandos Rádio Santo Antônio de Borba (18h30 às 19h) Rádio Estação Rural de Tefé (19h às 19h30) horário local Rádio Independência de Maués (6h às 6h30) Rádio Cultura (6h às 6h30 e reprise de 12h às 12h30) Centros e Núcleos da UEA (12h às 12h30) www.Reitoria da UEA . de segunda a sábado.Av. 3578 .com.

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->