P. 1
Propriedades operatórias dos logaritmos

Propriedades operatórias dos logaritmos

|Views: 1.093|Likes:
Publicado porJuçara Kovalski

More info:

Published by: Juçara Kovalski on Oct 23, 2011
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/10/2013

pdf

text

original

Propriedades operatórias dos logaritmos

Os logaritmos possuem inúmeras aplicações no cotidiano, a Física e a Química utilizam as funções logarítmicas nos fenômenos em que os números adquirem valores muito grandes, tornando-os menores, facilitando os cálculos e a construção de gráficos. O manuseio dos logaritmos requer algumas propriedades que são fundamentais para o seu desenvolvimento. Veja: Propriedade do produto do logaritmo Se encontrarmos um logaritmo do tipo: loga(x * y) devemos resolvê-lo, somando o logaritmo de x na base a e o logaritmo de y na base a. loga (x * y) = loga x + loga y Exemplo: log2(32 * 16) = log232 + log216 = 5 + 4 = 9 Propriedades do quociente do logaritmo Caso o logaritmo seja do tipo logax/y, devemos resolvê-lo subtraindo o logaritmo do numerador na base a pelo logaritmo do denominador também na base a. logax/y = logax – logay Exemplo: log5(625/125) = log5625 – log5125 = 4 – 3 = 1 Propriedade da potência do logaritmo Quando um logaritmo estiver elevado a um expoente, na próxima passagem esse expoente irá multiplicar o resultado desse logaritmo, veja como: logaxm = m*logax Exemplo: log3812 = 2*log381 = 2 * 4 = 8

Propriedade da raiz de um logaritmo Essa propriedade é baseada em outra, que é estudada na propriedade da radiciação, ela diz o seguinte:

Essa propriedade é aplicada no logaritmo quando:

Exemplo:

Propriedade da mudança de base Existem situações nas quais precisaremos utilizar a tábua de logaritmos ou uma calculadora científica na determinação do logaritmo de um número. Mas para isso devemos trabalhar o problema no intuito de estabelecer o logaritmo na base 10, pois as tábuas e as calculadoras operam nessas condições, para isso

utilizamos a propriedade da mudança de base, que consiste na seguinte definição:

Exemplo

25 → 4x = 25/100 → 4x = 1/4 → 4x = 4–1 → x = –1 i) 16log25 = (24)log25 = (2log25)4 = 54 = 625 j) log0. pois logab = x → ax = b Dois logaritmos são iguais. alogab = b. pois a1 = a O logaritmo de uma potência da base é o expoente.25 = x → 4x = 0. e posteriormente adaptados por Henry Briggs.Os logaritmos criados por John Napier e Jobst Burgi. Dessa forma: logab = x ↔ ax = b Exemplos: log39 ↔ 32 = 9 log10100 ↔ 102 = 100 log216 ↔ 24 = 16 log981 ↔ 92 = 81 A partir dessa definição podemos apresentar algumas definições que auxiliarão no desenvolvimento de algumas situações envolvendo logaritmo.01 → 10x = 1/100 → 10x = 10–2 → x = –2 . pois m * logaa = m * 1 = m A potência de base a e expoente logab é igual a b. em qualquer base.01 = x → 10x = 0. onde: a = base do logaritmo b = logaritmando x = logaritmo O logaritmo de um número b em uma base a é o expoente x que se deve aplicar à base a para se ter o número b. logab = logac ↔ b = c Exemplos Aplicar a definição de logaritmo para calcular o valor de x em cada caso: a) log327 = x → 3x = 27 → x = 3 b) log81x = 3/4 → x = 813/4 → x = (34)3/4 → x = 312/4 → x = 33 → x = 27 c) log4√2 = x → 4x = √2 → 22x = √2 → 22x = 21/2 → 2x = 1/2 → x = 1/4 d) logx8 = 2 → x2 = 8 → √x = √8 → x = 2√2 e) log4(2x – 1) = 1/2 → 2x – 1 = 41/2 → 2x – 1 = √4 → 2x – 1 = 2 → 2x = 3 → x = 3/2 f) log1818 = x → 18x = 18 → x = 1 g) logx1024 = 2 → x2 = 1024 → √x² = √1024 → x = 32 h) log40. possuem a seguinte lei de formação: logab = x. quando seus logaritmandos forem iguais. pois a0 = 1 O logaritmo de qualquer número a na própria base a será igual a 1. Veja: O logaritmo do número 1 em qualquer base sempre será igual a 0. loga1 = 0. logaa = 1. logaam = m.

o logaritmo foi inventado para facilitar os cálculos na matemática antiga.Historicamente. Essa facilidade (de transformar produto em soma) é chamada de PROSTAFÉRESE. Ele traz a facilidade de transformar uma multiplicação em uma soma. Veja as propriedades abaixo: 1°Propriedade: Aqui temos a Prostaférese. e na direita uma soma de logs. sem calculadora. tendo que fazer a multiplicação de dois números grandes! Não seria mais fácil somá-los? Ou ter a posse de dois números que. Tente acompanhar o raciocínio. Veja o exemplo abaixo com o expoente 2: . podemos colocar a mesma base b dos dois lados como potenciação: Agora a gente pode aplicar a propriedade de potenciação: E agora aplicar a 4° conseqüência. estudada no capítulo anterior: E ficamos com: Agora aplicamos a equivalência fundamental: queríamos demonstrar. estas propriedades mostradas aqui servem pra isso. Tente demonstrar você. A demonstração é extremamente parecida com a 1° propriedade. Para provar essa propriedade não é tão difícil. siga os passos da anterior. Faz de conta que temos um número x que é a soma de dois logaritmos que estão na mesma base b: Se temos esta igualdade. somados. dão o mesmo resultado que o produto desejado? Pois é. 3° Propriedade: Esta propriedade é uma "extensão" da primeira. mas em vez de multiplicação temos a divisão e no lugar da soma vira subtração. onde não existia calculadora. Imagina você. Veja que do lado esquerdo da igualdade temos log de uma multiplicação. e chegamos no valor que 2° Propriedade: Esta é quase a mesma coisa que a anterior.

essa é a facilidade de saber esta propriedade. é imaginando a figura abaixo: Veja algumas aplicações: (UFRGS) A raiz da equação (A) 6 (B) 3. devemos fatorar o 12: Aplicamos a 1° Propriedade Operatória . Uma maneira de visualizar esta propriedade.5 (C) (D) (E) é Começamos aplicando a volta da equivalência fundamental: Agora vemos que esta resposta não está nas alternativas.sabemos que agora aplicamos a primeira propriedade Poderíamos ter saído da primeira linha diretamente para a última. Portanto. e tentar decorá-la mais facilmente.

Começamos fatorando sempre o logaritmo pedido. então vale Este tipo de questão é clássico nos vestibulares do Brasil. neste caso o 12. letra "B". letra "E". então é . Portanto: Resposta correta.Mas o sabemos que vale 2. Peguei este exemplo pois não possui muita dificuldade. 1) (UCS) O valor de (A) (B) (C) (D) (E) é 2) (UFRGS) Se (A) (B) e . (UCS) Se (A) (B) (C) (D) (E) e . Resposta correta. Agora devemos aplicar as propriedades operatórias: E substituímos os valores dados no enunciado: 2a+b.

calcule o valor de em função de P 6) (CAJU) A solução para o sistema de equações: . então é igual a (A) (B) (C) (D) (E) 4) (PUCRS) A solução da equação (A) (B) pertence ao intervalo (C) (D) (E) 5) Dado (A) (B) (C) (D) (E) .(C) (D) (E) 3) (PUCRS) Se e .

36) GABARITO 01 . 12) (E) (0.D 03 . 6) (B) (6. 7) (C) (9.C 02 . 4) (D) (1.D 05 .D 1) (UCS) O valor de (A) (B) (C) (D) (E) é Veja que esta é uma aplicação direta da 4° conseqüência da definição de logaritmos podemos cortar os termos : = Resposta letra "A" 2) (UFRGS) Se (A) (B) e . então é (C) (D) (E) .B 04 .é (A) (7.A 06 .

letra "D". 4) (PUCRS) A solução da equação (A) (B) pertence ao intervalo .Este tipo de questão começamos fatorando o termo que estiver no logaritmando: Agora podemos aplicar as propriedades de radiciação : Então as propriedades operatórias dos logaritmos: Agora é só substituir os valores dados no enunciado: Resposta certa. então é igual a (A) (B) (C) (D) (E) Agora a questão é ao contrário. 3) (PUCRS) Se e . Começamos aplicando as propriedades operatórias no logaritmo pedido: Agora sim substituimos os valores dados no enunciado na expressão acima: Resposta correta. letra "B".

vamos fatorar o 200: Aplicar as propriedades dos logaritmos: . Veja só. devemos moldar os valores no logaritmo que está sendo pedido em função do número 5. o valor de . descartamos o valor Resposta final 5) Dado (A) (B) (C) (D) (E) . Portanto.(C) (D) (E) Começamos aplicando a 4° conseqüência da definição de logaritmos: Veja que x é logaritmando na equação do enunciado. não podemos ter logaritmando negativo. . calcule o valor de em função de P Foi dado apenas uma informação. está no intervalo da alternativa "D". . Respeitando as condições de existência dos logaritmos. ou seja. ou seja.

Veja que Sabemos que log 10 = 1 e log 5 = P. 6) (CAJU) A solução para o sistema de equações: é (A) (7.P. 7) (C) (9. Resposta correta. Aí que vem a mãnha.P e log 5 = P podemos descobrir o valor de log 200. 6) (B) (6. 4) (D) (1. Agora que sabemos o valor de log 2 = 1 . a propriedade operatória dos logaritmos: Agora a 5° conseqüência da definição de logaritmos: Agora temos um sistema mais simples de ser resolvido: . Aplicamos. no lado esquerdo. 36) Devemos começar transformando a equação que envolve logaritmos em uma equação sem log. "D". portanto.Só que o problema agora é descobrir o valor de podemos trocar o valor 2 como sendo . log 2 = 1 . 12) (E) (0.

1) (UCS) O valor de (A) (B) (C) (D) (E) é Veja que esta é uma aplicação direta da 4° conseqüência da definição de logaritmos podemos cortar os termos : = Resposta letra "A" 2) (UFRGS) Se (A) (B) e . então é (C) (D) (E) Este tipo de questão começamos fatorando o termo que estiver no logaritmando: Agora podemos aplicar as propriedades de radiciação : . letra "C".Que pode ser resolvido isolando quase de cabeça: Alternativa correta.

4) (PUCRS) A solução da equação (A) (B) pertence ao intervalo (C) (D) .Então as propriedades operatórias dos logaritmos: Agora é só substituir os valores dados no enunciado: Resposta certa. 3) (PUCRS) Se e . Começamos aplicando as propriedades operatórias no logaritmo pedido: Agora sim substituimos os valores dados no enunciado na expressão acima: Resposta correta. letra "D". letra "B". então é igual a (A) (B) (C) (D) (E) Agora a questão é ao contrário.

devemos moldar os valores no logaritmo que está sendo pedido em função do número 5. Veja só. . calcule o valor de em função de P Foi dado apenas uma informação. não podemos ter logaritmando negativo. ou seja. vamos fatorar o 200: Aplicar as propriedades dos logaritmos: Só que o problema agora é descobrir o valor de podemos trocar o valor 2 como sendo . Respeitando as condições de existência dos logaritmos. Aí que vem a mãnha.(E) Começamos aplicando a 4° conseqüência da definição de logaritmos: Veja que x é logaritmando na equação do enunciado. descartamos o valor Resposta final 5) Dado (A) (B) (C) (D) (E) . . Veja que . o valor de . está no intervalo da alternativa "D". Portanto. ou seja.

7) (C) (9. portanto. no lado esquerdo. Agora que sabemos o valor de log 2 = 1 . a propriedade operatória dos logaritmos: Agora a 5° conseqüência da definição de logaritmos: Agora temos um sistema mais simples de ser resolvido: Que pode ser resolvido isolando quase de cabeça: . 36) Devemos começar transformando a equação que envolve logaritmos em uma equação sem log. Aplicamos. log 2 = 1 . "D".P. 6) (B) (6. 12) (E) (0. Resposta correta. 6) (CAJU) A solução para o sistema de equações: é (A) (7.Sabemos que log 10 = 1 e log 5 = P. 4) (D) (1.P e log 5 = P podemos descobrir o valor de log 200.

Mudando para a base 7. Vamos aplicar uma base c de potência nos dois lados da igualdade: Agora podemos aplicar a 4° conseqüência da definição no lado esquerdo e rescrever a potência do lado direito: . Vamos igualar a fração a x e encontrar o valor de x. Por exemplo. a base nova "c". A regra é a seguinte: Mudança de Base Ou seja. pode ser apresentado um logaritmo que possui uma base não muito boa para a resolução da questão. se tivermos um logaritmo na base b. c > 0 e c ≠ 1. Podemos provar essa propriedade partindo da fração. .Alternativa correta. podemos transformar em uma fração de logaritmos em uma outra base qualquer c. ou seja. letra "C". Poderíamos ter colocado qualquer outra base c no lugar do 7. pode ser qualquer número que satisfaça a condição de existência da base. seja o logaritmo de 45 na base 3: teremos: . Em algumas questões. Nestas situações é necessário que troquemos a base do logaritmo! Neste capítulo iremos aprender o que fazer para colocarmos qualquer base que quisermos no logaritmo da questão.

(UFRGS) Sabendo que (A) (B) (C) e .E aplicar novamente a 4° conseqüência. Este valor encontrado possui termos que foram dados no enunciado. portanto. agora no lado direito: Com a equivalência fundamental: Que é exatamente o valor que queríamos chegar. então o logaritmo de a na base b é (D) (E) É dado o valor do logaritmo de a na base 10 e é pedido o logaritmo de a na base b. No próximo capítulo você irá aprender estas conseqüências. vamos transformar o para a base 10. A mudança de base nos dá mais algumas ferramentas para utilizar calculando expressões que envolvam logaritmos. 1° Conseqüência: . podemos substituir: Esta propriedade de mudança de base gera algumas conseqüências legais de sabermos para resolver equações envolvendo logaritmos. Para adequar o pedido ao informado.

o inverso de escrever . por essa conseqüência. Veja como pode cair no vestibular esta propriedade através do exemplo abaixo: (CAJU) Sendo calcule o valor de . podemos cortar estes dois e transformar em um logaritmo só. ao invertermos um logaritmo. podemos modificar a expressão acima para: E agora isolar o valor solicitado no enunciado: Esta é a resposta final 2° Conseqüência: Quando temos uma multiplicação de dois logaritmos em que um deles possui a base igual ao logaritmando do outro.Essa conseqüência diz que. Portanto. Partimos de a mudança de base para a nova base b. e. podemos A demonstração desta propriedade é através da mudança de base. devemos trocar a base e o logaritmando de lugar. e efetuamos é . Por exemplo. portanto: como queríamos demonstrar. Mas. sabemos que . Podemos rescrever a informação 3° Propriedade Operatória: como sendo e aplicar a Veja que agora temos um logaritmo que é exatamente o inverso do logaritmo pedido no enunciado. .

o primeiro logaritmo já está na base a. portanto. e sobra: Como queríamos demonstrar. (CAJU)Calcule o valor da expressão . Começamos somente reagrupando os fatores de maneira a nos facilitar os cortes. Vamos colocar o quarto logaritmo do lado do segundo: Agora veja que os fatores grifados acima podem ser unidos em um só ao cortar a base 5 do da esquerda com o logaritmando 5 do da direita: Estes novos termos grifados acima podem ser unidos também ao cortar a base 7 com o logaritmando 7: Estes dois logaritmos que sobraram podem ser unidos ao cortar a base 8: . Vou escolher a base a. não precisamos mexer nele): Agora os dois termos podem se cortar. Veja como pode cair no vestibular. ou seja. Partimos da multiplicação: E trocamos os dois logaritmos para uma base comum qualquer. trocamos as bases dos dois logaritmos para a base a (no caso. Pode ser qualquer uma.A demonstração também não é difícil e só utiliza a troca de base.

podemos ver como aplicá-las na resolução de equações logaritmicas. aplique isso e você acertará. devem ser DESCARTADAS! Portanto. 1} (C) {-2} (D) {1} (E) { } é: Começamos aplicando apenas a equivalência fundamental: Agora é só aplicar a fórmula de Bhaskara. . é a seguinte: Todas as soluções encontradas devem ser TESTADAS na equação ORIGINAL. 2} (B) {-2. As soluções que não satisfizerem as condições de existência. algo que dê pra dizer. aplicamos a equivalência fundamental: Esta é a resposta final do exercício. Equações logaritmicas são quaisquer equações que tenham a incógnita (normalmente é x) dentro de um símbolo log. para aprendermos a resolver equações logaritmicas. vamos dar uma olhada em algumas questões chave de vestibulares passados. afim de verificar as condições de existência. Para resolver este tipo de equação não existe um mecanismo geral. Uma regra que deve sempre ser seguida ao terminar a resolução de uma equação logaritmica. 01) O conjunto solução da equação logaritmica (A) {-1.Agora para descobrir o valor deste logaritmo. Agora que já estudamos todas propriedades dos logaritmos.

. OK . E a alternativa correta é a letra "B" 2) O número real x que satisfaz a equação (A) (B) (C) (D) (E) é: Aplicamos a equivalência fundamental: Agora caímos em uma equação exponencial do tipo II. OK Portanto. para para : : . temos: Aplicamos Bhaskara e chegamos em: Agora voltamos para x utilizando novamente a troca de variáveis feita inicialmente : Absurdo! Aplicamos a equivalência fundamental.Chegando no valor de x devemos TESTAR AS SOLUÇÕES. as duas respostas são válidas. Verificação. como dito na única regra de resolução de equações logaritmicas. Efetuando a troca de variáveis .

Começamos vendo que o 9 na equação pode virar 3². OK.Agora devemos testar esta solução na equação original do enunciado. É válida! Resposta correta. igual às equações exponenciais do tipo II. . O produto dessas raízes é: Esta equação já envolve um truquezinho. 3) A equação (A) (B) (C) (D) (E) tem duas raízes reais. E aplicamos a 3° propriedade operatória: O pulo do gato vem agora. Substituindo este valor de x na equação: Aplicamos a 4° conseqüência da definição do logaritmo: Aplicamos a 3° propriedade operatória . Devemos ver que os dois logaritmos envolvidos na equação acima são um o inverso do outro (1° consequência da mudança de base). letra "E".

utilizamos a troca inicial novamente: para y=2: para y=-1: O produto destes dois valores (como pedido no enunciado) é "E". 4) (UFRGS) A solução da equação (A) [-2. letra está no intervalo: Esta equação devemos apenas trazer todos os logs para o mesmo lado da igualdade e aplicar as propriedades operatórias: Aplicamos a 2° propriedade operatória dos logaritmos: Aplicamos a equivalência fundamental: .Agora devemos mudar a variável. Resposta. tanto faz. ou efetuar MMC. 2] (E) (2. 1] (D) (1. Estes são os valores de y. 3] . 0] (C) (0. Chegamos em: Aplicamos Bhaskara e chegamos em . Portanto. Efetuamos a troca : Podemos multiplicar ambos os lados por y. o exercício quer os valores de x. -1] (B) (-1.

A representação gráfica da função logarítmica deve ser gravada por todos. ao substituir o valor de x. Psara isso. Portanto. só o que devemos saber é que. A representação gráfica de um logaritmo pode ser de duas formas. substituímos o valor de x encontrado na equação do enunciado: Neste momento não precisamos continuar.Agora testamos na equação original (do enunciado) para ver as condições de existência. Veja os gráficos abaixo mostrando as duas formas para a função : CRESCENTE base b > 1 DECRESCENTE . a resposta é mesmo Este valor encontra-se entre 0 e 1. não encontramos nenhuma falha nas condições de existência dos logaritmos envolvidos. Várias questões de vestibular exigem este conhecimento. letra "C". Resposta correta.

ou seja. . sem tocar. Resposta correta. duas propriedades. dada por . mas somente a alternativa A corta o eixo x no ponto 1. Dentre as alternativas. que diz que logaritmo de 1 em qualquer base é ZERO. em ambos os gráficos. Isso está de acordo com a 1° Consequência da Definição de logaritmos. ou seja. ocorre no ponto 1. Note que os cortes no eixo x. letra A.base 0 < b < 1 Nestes gráficos devemos observar. a curva não toca o eixo y nunca. sendo um valor entre 0 e 1 só pode ser um logaritmo decrescente. principalmente. E o eixo y é uma assíntota vertical. somente as letras A e D são decrescentes. Veja um exercício do vestibular da UFRGS sobre este tema: (UFRGS) A representação geométrica que melhor representa o gráfico da função real de variável real x. apenas vai chegando cada vez mais perto.é (A) (B ) (C) (D) (E ) O enunciado nos diz que o logaritmo pedido possui base igual a .

Podemos efetuar todas as operações que fazemos com igualdades. Tem-se ea (A) a < b < 1 (B) 1 < b < a (C) 1 < a < b (D) b < a < 1 (E) b < 1 < a Os dois gráficos representam logaritmos crescentes. Com isso. Se. resposta correta. Em qualquer inequação. invertemos a desigualdade . tivermos um sinal de desigualdade (<. Por exemplo. Veja a figura ao lado. letra B. ambas as bases são maiores do que 1. mais próximo de ambos os eixos estará seu gráfico. >. a curva S representa o cunjunto solução da equação curva T. ou seja. devemos inverter a desigualdade. (UFRGS) Na figura. então sua base é maior (a > b). devemos multiplicar a inequação por (-1). o conjunto solução da equação . Como a curva S está mais próxima dos eixos x e y do que a curva T. ≤) devemos nos atentar a algumas propriedades. ao invés de termos uma igualdade entre dois logaritmos. Portanto. quanto maior a base de um logaritmo. quando multiplicamos ou dividimos ambos os lados por um número negativo. ≥. a inequação: 1 . Devemos então saber qual a relação entre a e b. Ficamos então entre as alternativas B e C.Devemos saber também que.x < 0 Podemos passar o 1 para o outro lado: -x < -1 Agora.

Pegamos um por dos logaritmandos que possuam "x". Ambos com a mesma base. chegamos ao intervalo da resposta. Para inequações envolvendo logaritmos seguimos alguns passos: 1° Passo Aplicamos as condições de existência em todos os logaritmos que possuírem a incógnita em alguma de suas partes. 4° Passo Computar a intersecção dos intervalos encontrados nos passos 1 e 3. 2° Passo Aplicamos as propriedades dos logaritmos a fim de tentar deixar apenas um logaritmo de cada lado da desigualdade. e aplicamos as condições de existência: No próximo capítulo você encontra alguns exercícios para treinar o que aprendeu aqui.x>1 E com isso. atentando-se para o fato de que se: base > 1 Mantém-se a desigualdade Inverte-se a desigualdade 0 < base < 1 3° Passo E guardamos também o intervalo encontrado. Veja o exemplo abaixo: (CAJU) Qual o intervalo solução da inequação: 1° Passo . Guardamos a interesecção destes intervalos encontrados. Essa regra é para todas inequações. 1) (PUCRS) O valor da expressão é . "Cortamos" os logs dos dois lados.

(A) 0 (B) 1 (C) 2 (D) 3 (E) 4 2) (CAJU) Qual o valor de x na equação (A) (B) (C) (D) (E) ? .

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->