P. 1
Caps 1 2 3 4 5 Apostila Info Jansle Ok

Caps 1 2 3 4 5 Apostila Info Jansle Ok

5.0

|Views: 1.525|Likes:
Publicado porapi-3806814
Parte I da Apostila do curso de Informática do Professor Jansle ( até capítulo 5).
Parte I da Apostila do curso de Informática do Professor Jansle ( até capítulo 5).

More info:

Published by: api-3806814 on Oct 17, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO - EVANGÉLICO Mantido pela Faculdade Evangélica de Brasília – FEB S/C

CURSOS: Pedagogia/Teologia/Administração

Disciplina: Informática Aplicada Professor Jansle A S. de Sousa Carga Horária: 80 hora aula

JANEIRO DE 2007

1

Sumário CAPÍTULO 1 – INTRODUÇÃO. CAPÍTULO 2 - O FUNCIONAMENTO DO COMPUTADOR E SEUS DISPOSITIVOS. CAPÍTULO 3 - O FUNCIONAMENTO DA PLACA-MÃE E SEUS COMPONENTES. CAPÍTULO 4 - COMPONENTES ACESSÓRIOS. CAPÍTULO 5 – LIGANDO O PC. ... Etc...continua até CAP. 11

2

CAPÍTULO 1 – Introdução.
1.1-Por que estudar informática?

1

A grande maioria dos postos de trabalho de mão de obra especializada faz uso de informática pra produzir os resultados de sua atuação. Se você é administrador ou pedagogo não fará diferença. Para atuar de forma convincente no mercado você, gostando ou não, tem de fazer uso de informática. Mas afinal o que é informática? A informática é uma palavra que denota o tratamento de forma automática de qualquer informação. E o que é computador?

O computador é basicamente uma máquina, eletrônica automática, que lê dados, efetua cálculos e fornece resultados. Ou seja, máquina que recebe dados, compara valores, armazena dados e move dados; portanto trabalha com dados e estes bem interpretados tornam-se uma informação.
Figura 1.1 – Conceito geral de computador Tendo em vista o que foi exposto, cabe agora listarmos 3 objetivos básicos desse curso: I-Aprimorar habilidades de uso de ferramentas de software no local de trabalho. II -Desenvolver habilidades de abstração. III-Preparar para processos seletivos existentes no mercado de trabalho nos quais sejam avaliados o grau de conhecimento em informática.

1.2 Unidade de Medida em informática.
As unidades de medida do sistema das MKS podem ser multiplicadas e divididas através dos prefixos SI, que permitem escrever quantidades sem o uso da notação científica, de maneira mais clara para quem trabalha em uma determinada faixa de valores. Os prefixos são:

3

Prefixos do SI (Sistema Internacional de Unidades) Prefixo Símbol Fator de Multiplicação o exaE x 1 000 000 000 000 000 000 petaP x 1 000 000 000 000 000 teraT x 1 000 000 000 000

Fator

= 10 18 = 10 15 = 10 12

gigamega quilohectodecadecicentimilimicronanopicofemtoatto-

G M k
h da d c m μ n p f a

x x x
x x

1 000 000 000 1 000 000 1 000
100 10

= 10 9 = 10 6 = 10 3
= 10 2 = 10 1

x.

1
0,1 0,01 0,001 0,000 001 0,000 000 001 0,000 000 000 001 0,000 000 000 000 001 0,000 000 000 000 000 001

= 10 0
= 10 -1 = 10 -2 = 10 -3 = 10 -6 = 10 -9 = 10
-12

= 10
-15

= 10
-18

Exemplos comuns: • kg = kilograma = mil gramas • km = kilômetro = mil metros • cm = centímetro = um centésimo de metro Exemplos de uso na medida de freqüência:

1 kHz 1 MHz 1 GHz

= = =

1 kilo Hertz 1 Mega Hertz 1 Giga Hertz

= = =

1.000 Hz 1.000.000 Hz 1.000.000.000 Hz

= = =

10 10 10

3 6 9

= mil ciclos por segundo = um milhão de ciclos por segundo. = um bilhão de ciclos por segundo.

Para utilizá-los, basta juntar o prefixo e o nome da unidade, sem mudar a acentuação, como em nanometro, miliampère e deciwatt. Para formar o símbolo, basta juntar prefixo à sigla da unidade : kg,kW, kV, kHz, MHz, GHz Retirado de "http://pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%BAltiplos_e_sub-m%C3%BAltiplos"

4

1.3Conceitos de “sistemas analógicos” e “sistemas digitais”.
Hoje em dia podemos dizer que sistemas analógicos são aqueles que não tem chips nem circuitos integrados. Eles contem, resistor, capacitor, chaves, válvulas e funcionam com base em fenômenos ou eventos analógicos, mas não contêm circuitos integrados, muito menos chips (os chips ficam dentro do circuito integrado).

Figura 1.2 - Circuito integrado Tomando o conceito mais simples e genérico, eventos analógicos são os naturais, que ocorrem de forma contínua, sem interrupções, seja no tempo ou em intensidade, enquanto eventos digitais são as representações artificiais, que apresentam descontinuidades no tempo e em intensidade. Assim, os Computadores Analógicos (não se fabrica mais hoje) são computadores que executam trabalhos usando elementos físicos com estados contínuos (em contraposição e sistemas com estados discretos ou digitais, utilizados em computadores digitais). Exemplos usuais de variáveis utilizadas em computadores analógicos são: a intensidade de uma corrente elétrica em um resistor, o ângulo de giro de uma engrenagem e o nível de água em um recipiente. Seguem alguns exemplos:

Sinais Analógicos:
• • • • • • Voz; Nível das Marés; Temperatura; Umidade; Energia Elétrica em um fio; Rádios AM, FM, TV. • • • • • •

Sinais Digitais:
Sinal de fumaça (a portadora “fumaça” é modulada na forma de nuvens que transmitem a informação); DNA (seqüências longas de combinações de apenas 4 moléculas distintas); Código Morse (Sistema mais antigo de telecomunicação por sinais elétricos- adigitalização era feita manualmente); Braille (Primeiro formato binário para representação de caracteres na forma de 6 pontos para cada letra); Sinalizações por bandeiras e semáforos de trânsito. Caracteres em um computar ou a voz em um celular moderno; 5

Tabela 1.1 – Comparação entre circuito analógico e circuito digital Ao longo da história, à medida que se desenvolveu a eletrônica, a tecnologia de sistemas eletrônicos, os mesmos foram se tornando digitais.Assim, na verdade todo sistema digital transforma algum sinal analógico em sinal digital e daí , naquele aparelho contenedor do sistema, pode ser tratado digitalmente. A transformação de um sinal analógico para digital segue normalmente duas etapas (os dois conceitos abaixo (não vão cair na prova): • • a amostragem - pode ser comparada com o processo de separarmos a voz em termos de palavras, e fonemas a quantização pode ser comparada com o processo de representarmos os fonemas em termos de intensidade de volume e timbre.

Para a transformação em analógico para digital, existe o conversor analógico/digital. O conversor analógico/digital é um dispositivo que tem como entrada um sinal analógico e como saída um conjunto de números digitais1 com um valor que quantifica a amplitude do sinal de entrada. Esse dispositivo permite a digitalização de sinais analógicos que podem, então, ser lidos e processados por um computador digital. Características de Sistemas Analógicos: • Mais próximos dos sistemas naturais, portanto de menor complexidade; • Quando a informação é “copiada” perde-se qualidade (ex. Brincadeira do telefone sem fio; xerox do xerox); • Susceptibilidade a perdas e distorções (ex. ruído em uma conversa); • Poucos recursos para tratamento e melhoria (ex. Ênfase e de ênfase); • Pouca flexibilidade para melhorar o uso do espectro; • Restrições em freqüência são decorrentes de condições de propagação. Características de Sistemas Digitais: • Maior complexidade; • Como a representação é realizada em termos de unidades conhecidas, cópias podem ser feitas sem perda de qualidade (ex: copiar um texto datilografado; imprimir um texto no computador); • Imunidade a perdas e distorções (ex. Um texto escrito, mesmo com um pouco de café e amassado, pode ainda ser lido) • Facilidade de recursos de tratamento para melhoria. (ex. winzip, pega um arquivo grande e cria um pequeno, mais fácil de ser transmitido por e-mail); • Variedade de recursos para melhoria do uso do espectro. • Limitado em freqüência. (Mais freqüência = Mais dados). Atualmente, quando falamos em sistemas digitais, associamos imediatamente a palavra computador. Com o desenvolvimento da informática e das tecnologias digitais, todos os tipos de comunicação, visual, escrita e falada podem ser representadas por um único conjunto de símbolos, os
1

Daqui a pouquinho a gente vai ver que esses números digitais são chamados de bits, que se juntam de 8 em 8 para formar o byte.

6

bits e bytes (temos fotos, vídeo, áudio e textos em um computador). Esta unificação propiciou o desenvolvimento do que conhecemos pela expressão “convergência”, onde um meio de comunicação único pode ser utilizado para atender às mais diversas necessidades de transferência de informação.

1.4 Uma grandeza importante: o Hz (Hertz).
Existe uma grandeza que você não pode deixar de entender. É a unidade de freqüência, o Hz (Hertz). O número que vem na frente de Hz significa quantas vezes um evento ocorre em 1 segundo. Se a resposta for “uma” vez, podemos dizer que esse evento tem a freqüência de: 1 Hz = 1 Hertz = uma vez por segundo ! De maneira mais formal, o hertz (símbolo Hz) é a unidade derivada do denominado Sistema Internacional - SI para frequência, a qual é expressada em termos de oscilações por segundo (s-1 ou 1/s).A unidade é nomeada em homenagem ao físico alemão Heinrich Rudolf Hertz, que fez algumas importantes contribuições para a ciência no campo do electromagnetismo. Por exemplo, a nota musical padrão “La” tem freqüência de 440 Hz.A energia elétrica em corrente alternada é suprida em cerca de 50 Hz ou 60 Hz, dependendo do padrão no país ou região. Em escritos antigos, o termo equivalente ciclos por segundo (cps) é encontrado. Exemplo de exercício de transformação da unidade rotações por minuto em Hz: Rotação do motor de carro = 3000 rpm (rotações por minuto).Qual a freqüência em Hz? Esse cálculo é feito com uma regra de “3” : 3.000 rotações - 60 s x rotações 1s x= 50 => 50Hz Em informática o Hz é usado para medir a velocidade com o cérebro do computador chamado de processador trabalha, para medir a velocidade com que a placa mãe transporta informação e a velocidade com que a memórias de computador trabalham.Em resumo o Hz é usado em computação: a) para medir a velocidade doprocessador. b) Para medir a velocidade de acesso às memórias. c) Para medir a velocidade do barramento da placa-mãe.

7

Questão Dissertativa (Anatel/2004 [3]; Q36 – adaptado –Sistemas de comunicação podem ser classificados em analógicos e digitais. Atualmente, a digitalização de sinais analógicos, como no caso da telefonia e da radiodifusão sonora e de imagens, constitui um processo irreversível. Embora apresente diversas vantagens, o sistema digital também possui problemas na transmissão de sinais, que vêm sendo resolvidos pelo uso de técnicas adequadas. A partir das informações acima, redija um texto argumentativo identificando os motivos pelos quais os sinais analógicos, nos sistemas que transmitem voz e imagem, vêm sendo substituídos pelos sinais digitais. O texto deve abordar, necessariamente, os seguintes aspectos: • robustez de um sinal em face do ruído; • possibilidades de novos serviços de telecomunicações; • capacidade de transmissão;

Atenção!Uma questão como a anteriore as questões seguintes do CESPE não serão tema de nossa prova, mas servem para ilustrar que um assunto que vocês não dominavam podem ter seus conceitos básicos absorvidos de uma maneira mais fácil que o esperado e em assim sendo, se ter condições de responde questões de uma prova considerada mais complexa. Exemplo de exercícios do CESPE (não vai cair o assunto abaixo na prova):
A tecnologia digital tem sido aplicada em diferentes áreas, inclusive nas de geração e de distribuição de energia. Com relação à tecnologia digital, julgue os itens a seguir com base na tabela apresentada. 1. [ ] O conversor analógico/digital é um dispositivo que tem como entrada um sinal analógico e como saída um número digital com um valor que quantifica a amplitude do sinal de entrada. Esse dispositivo permite a digitalização de sinais analógicos que podem, então, ser lidos e processados por um computador digital. (C. E. Roraima/2004; Q96). [Certa]

Taxa de bits aproximada de fontes de sinais nãocomprimidas
fonte
telefonia voz de larga banda

taxa de amostragem / resolução
8.000 amostras/segund o 16.000 amostras/segund o 44.100 amostras/segund o 512 × 512 pixels – imagem colorida 640 × 480 pixels – imagem

palavra digital/símbol o
12 bits/amostra 14 bits/amostra 16 bits/amostra – 2 canais 24 bits/pixel 24 bits/pixel × 30 imagens/segundo

taxa de bits
96 kbps 224 kbps 1,412 Mbps 6,3 Mbits/imagem 221 Mbps

áudio de banda larga imagem vídeo

8

TV de alta definição (HDTV)

colorida 1.280 × 720 pixels – imagem colorida

24 bits/pixel × 60 imagens/segundo

1,3 Gbps

Jerry D. Gibson et all. Digital compression for multimedia. Academic Press, 1998 (traduzida e adaptada).

(CESPE 2005) – Leia texto abaixo e responda os itens a seguir. “O advento da tecnologia digital tem proporcionado uma série de facilidades desconhecidas até bem recentemente. A Internet, o CD-player, o DVD, os jogos interativos de computador, a televisão digital de alta definição, a telefonia celular e a tomografia computadorizada são exemplos atuais dessa transformação digital. Entretanto, as versões digitais de sinais como voz, música, TV e filmes, requerem uma imensa quantidade de bits/segundo para armazenar ou transmitir as informações de interesse. Para exemplificar, a tabela acima apresenta os requisitos de diversas fontes de sinal em suas formas originais (não-comprimidas). Nessa tabela, vários números observados, principalmente na última coluna, mostram valores muito altos, demandando grande quantidade de memória para o armazenamento da informação e(ou) tempo de alocação de canal no caso de transmissão. A compressão de dados, uma subárea dentro de processamento digital de sinais, estuda a representação eficiente das fontes de sinais. Essa eficiência é buscada no sentido de minimizar as redundâncias de informação das fontes. No sentido de sistemas estocásticos2, a redundância pode ser posta como a dependência estatística dos símbolos gerados pela fonte de sinal. Utilizando os recursos e avanços tecnológicos de redes de comunicações, microeletrônica de processadores digitais, computadores e equipamentos de telecomunicações, atualmente, já se tem uma série de ferramentas que fazem uso da compressão de dados para possibilitar a implementação de diversos produtos de mídia digita”l. Considerando o texto acima, julgue os itens: 2. [ ] Pode-se afirmar que a compressão de dados é a representação de uma fonte na forma digital com uma menor quantidade de bits, mantendo, contudo, uma fidelidade aceitável. Essa fonte de dados pode ser texto, voz, áudio, imagem estática, vídeo ou qualquer outra fonte que tenha a necessidade de ser armazenada e(ou) transmitida em forma digital. (DPF/2001; Q33.1). [Certa] 3. [ ] Os sistemas de telecomunicação podem utilizar transmissão analógica ou digital. Voz, música e vídeo são informações analógicas e, portanto, somente podem ser enviados por sistemas que utilizam transmissão analógica. Os sistemas que utilizam transmissão digital destinam-se exclusivamente à transmissão de dados, tais como os gerados pelos computadores. (Anatel/2004 [3]; Q40). [Errada]

1.5 – Computador na história. 1.5.1 - Um breve histórico.
A origem da idéia de programar uma máquina vem da necessidade de que as máquinas de tecer (tecelagem) produzissem padrões de cores diferentes. Assim, no século XVIII foi criada uma forma de representar os padrões em cartões
2

Processo estocástico é aquele que é aleatório ao longo do tempo.

9

de papel perfurado, que eram tratados manualmente. Em 1801, Joseph Marie Jacquard (1752-1834) inventa um tear mecânico, com uma leitora automática de cartões. A máquina de tecer de Jacquard trabalhava tão bem que milhares de tecelões perderam o emprego com a automação, se rebelando e quase matando o inventor. A idéia de Jacquard atravessou o Canal da Mancha, onde inspirou Charles Babbage (1792-1871), um professor de matemática de Cambridge, a desenvolver uma máquina de “tecer números”, uma máquina de calcular onde a forma de calcular pudesse ser controlada por cartões. Tudo começou com a tentativa de desenvolver uma máquina capaz de calcular polinômios por meio de diferenças, o calculador diferencial. Enquanto projetava seu calculador diferencial, a idéia de Jacquard fez com que Babbage imaginasse uma nova e mais complexa máquina, o calculador analítico. Esta máquina era extremamente semelhante ao computador atual. Sua parte principal seria um conjunto de rodas dentadas, o moinho, formando uma máquina de somar com precisão de 50 dígitos. As instruções seriam lidas de cartões perfurados.Além disso tudo, Babbage imaginou a primeira máquina de impressão, que imprimiria os resultados dos cálculos, contidos nos registradores.Enfim, Babbage conseguiu, durante algum tempo, fundos para sua pesquisa, porém não conseguiu completar sua máquina no tempo prometido e não recebeu mais dinheiro. Hoje, partes de sua máquina podem ser vistas no Museu Britânico, que também construiu uma versão completa, utilizando as técnicas disponíveis na época. Junto com Babbage, trabalhou a jovem Ada Augusta, filha do poeta Lord Byron, conhecida como Lady Lovelace, ou Ada Lovelace. Ada foi a primeira programadora da história, projetando e explicando, a pedido de Babbage, programas para a máquina inexistente. Ada inventou os conceitos de subrotina, uma seqüência de instruções que pode ser usada várias vezes, loop, uma instrução que permite a repetição de uma seqüência de cartões, e do salto condicional, que permite saltar algum cartão caso um condição seja satisfeita. Ada Lovelace e Charles Babbage estavam avançados demais para o seu tempo, tanto que até a década de 1940, nada se inventou parecido com seu computador analítico. Até essa época foram construídas muitas máquinas mecânicas de somar destinadas a controlar negócios (principalmente caixas registradoras) e algumas máquinas inspiradas na calculadora diferencial de Babbage, para realizar cálculos de engenharia (que não alcançaram grande sucesso).

1.5.2 - A máquina de tabular.
O próximo avanço dos computadores foi feito pelo americano Herman Hollerith (1860-1929), que inventou uma máquina capaz de processar dados baseada na separação de cartões perfurados (pelos seus furos). A máquina de Hollerith foi utilizada para auxiliar no censo de 1890, reduzindo o tempo de processamento de dados de 7 anos, do censo anterior, para apenas 2 anos e meio.

10

A máquina de Hollerith foi também pioneira ao utilizar a eletricidade na separação, contagem e tabulação dos cartões. A empresa fundada por Hollerith no início do smais tarde, viria a se juntar com mais alguns empreendedores da tecnologia e formaria uma empresa de nome Computing- Tabulating- Recording Company (C-T-R), hoje conhecida como International Bussiness Machines, ou IBM:

Figura 1.3 – Logotipo da IBM

1.5.3 Os primeiros computadores para uso do público em geral
O primeiro computador eletro-mecânico foi construído por Konrad Zuse (1910–1995). Em 1936, esse engenheiro alemão construiu, a partir de relês que executavam os cálculos e dados lidos em fitas perfuradas, o Z-1. Zuse tentou vender o computador Z 1 ao governo alemão, que desprezou a oferta, já que não poderia auxiliar no esforço de guerra. Os projetos de Zuse ficariam parados durante a guerra, dando a chance aos americanos de desenvolver seus computadores. Foi na II Guerra Mundial que realmente nasceram os computadores atuais. A Marinha americana, em conjunto com a Universidade de Harvard, desenvolveu o computador Mark I, projetado pelo professor Howard Aiken, com base no calculador analítico de Babbage. O Mark I ocupava 120 m3 aproximadamente, conseguindo multiplicar dois números de 10 dígitos em 3 segundos. Simultaneamente, e em segredo, o Exército Americano desenvolvia um projeto semelhante, chefiado pelos engenheiros J. Presper Eckert e John Mauchy, cujo resultado foi o primeiro computador a válvulas: o Eletronic Numeric Integrator And Calculator: ENIAC. Ele era capaz de fazer 500 multiplicações por segundo! Tendo sido projetado para calcular trajetórias balísticas, o ENIAC foi mantido em segredo pelo governo americano até o final da guerra, e só foi anunciado para o mundo após o fim da guerra.

11

Figura 1.4 – ENIAC, o 1° computador eletrônico, desenvolvido pelo Exército dos EUA No ENIAC, o programa era feito rearranjando a fiação em um painel. Nesse ponto John von Neumann propôs a idéia que transformou os calculadores eletrônicos em “cérebros eletrônicos”: modelar a arquitetura do computador segundo o sistema nervoso central. Para isso, eles teriam que ter 3 características: 1. Codificar as instruções de uma forma possível de ser armazenada na memória do computador. Von Neumann sugeriu que fossem

usados uns e zeros.
2. Armazenar as instruções na memória, bem como toda e qualquer informação necessária a execução da tarefa, e 3. Quando processar o programa, buscar as instruções diretamente na memória, ao invés de lerem um novo cartão perfurado a cada passo. Este é o conceito de Programa Armazenado, cujas principais vantagens são: rapidez, versatilidade e automodificação. Assim, o computador programável que conhecemos hoje, onde o programa e os dados estão armazenados na memória ficou conhecido como computador de von Neumann. Para divulgar essa idéia, von Neumann publicou sozinho um artigo. Eckert e Mauchy não ficaram muito contentes com isso, pois teriam discutido muitas vezes a idéia com von Neumann. O projeto ENIAC acabou se dissolvendo em uma chuva de processos, mas já estava criado o computador moderno. Hoje em dia, o computador é praticamente indispensável na vida das pessoas, pois, além de reunir gerações, ele pode aproximar amigos, parentes, além de ser muito útil para a nossa vida. Em resumo: 1801 1840
Criação do tear mecânico por Joseph Marie Jacquard controlado por cartão perfurado lidos automáticamente. Charles Babbage se baseia no tear de Jacquard e inicia a criação de uma máquina que consegue tratar números usando a mesma tecnologia dos cartões do tear automático.

12

1890

1905
1936 1940 1943

O americano Herman Hollerith iventa uma máquina caáz de procesar dados baseados na separação de cartões perfurados. A máqina auxilia e reduz o temp ode tabulçao do censo americano de 7 anos para 4. Criação da IBM Primeiros trabalhos para montagem de um computador eletro mecânico pelo alemão Konrad Zuse. Os trabalhos não progrediram pois os governo alemão nã oapoio a idéia. MARK I computador da marinha americana durante a segunda guerra ENIAC computador eletrônico do exército americano aprintado durante a segunda grande guerra.

1.6 Byte, bit?! Mas afinal o que são esses nomes ?
Ao sugerir que ocomputador trabalhasse com ZEROS e UNS, Von

Neumann criou o que chamamos hoje de computador digital e para fazer valer sua idéia criou-se o conceito de “bit” e “Byte”. Assim, o
byte é o conjunto de 8 dígitos preenchidos por ZERO ou UM. Exemplo :

0

1

1

0

0

1

0

1

Cada janela contendo ZERO ou UM é chamada de bit. Bit (simplificação para dígito binário, “BInary digiT” em inglês) é, portanto, a menor unidade de informação usada na Computação e na Teoria da Informação, embora muitas pesquisas estejam sendo feitas em computação quântica com qubits. Um bit tem um único valor, 0 ou 1, ou verdadeiro ou falso, ou neste contexto quaisquer dois valores mutuamente exclusivos. Embora os computadores tenham instruções (ou comandos) que possam testar e manipular bits, geralmente são idealizados para armazenar instruções em múltiplos de bits, chamados bytes. No princípio, byte tinha tamanho variável mas atualmente tem oito bits. Bytes de oito bits também são chamados de octetos. Existem também termos para referir-se a múltiplos de bits usando padrões prefixados, como kilobit (kb), megabit (Mb) e gigabit (Gb). Fisicamente, o valor de um bit é, de uma maneira geral, armazenado como uma carga elétrica acima ou abaixo de um nível padrão em um único capacitor dentro de um dispositivo de memória ou chip.Em telecomunicações ou volume de tráfego em redes de computadores são geralmente descritos em termos de bits por segundo. Por exemplo, “um modem de 56 kbps é capaz de transferir dados a 56 kilobits em um único segundo” (o que equivale a 7 kilobytes, 7 kB, com B maiúsculo para mostrar que estamos nos referindo a bytes e não a bits, em caso de dúvida, b tem o significado de bit). Ethernet transfere dados a velocidades que variam de 10 megabits por segundo a 1000 megabits por segundo (de 1,25 a 125 megabytes por segundo). No Sistema Internacional (SI), os prefixos kilo-, mega-, etc às vezes têm o significado modificado quando aplicados a bits e bytes A segunda é uma grandeza de contagem de informação. Um computador trabalha com vários caracteres e esses caracteres ocupam espaço. Para expressar mais facilmente esse espaço ocupado, foi criado o sistema de medidas de contagem de informação para os computadores. O byte é usado para especificar o tamanho ou quantidade da memória ou da capacidade de armazenamento de um computador, independentemente do tipo de dados lá armazenados.O byte é composto de 8 bits é, por vezes, também chamado de octeto. 13

O Sistema de Prefixos em Informática (é diferente).
Agora, ATENÇÃO ! O que vamos falar agora é algo que não há concenso. Há quem considere quo os prefixos Giga, Mega e Kilo usados com Byte e bit tem omesmo significado. Em assim sendo , essa diferença não cairá na prova.
Há uma correte de profissionais que defendem o conceito de quando se trata se usar prefixos junto com o “byte” , exprimem-se as quantidades em prefixo binário (e não no Sistema Internacional de Unidades ou MKS descrito acima), que é uma forma de quantificação utilizada em Informática onde se torna mais útil utilizar potências de dois do que potências de dez. Assim , têm o mesmo nome das unidades do SI, embora sejam múltiplos de 1024 (210) e não de 1000 (103), como estamos acostumados. Saber quando utilizar cada uma das notações depende do contexto de utilização. Isto pode causar alguma confusão. Observe bem a explnação a seguir.

Byte (B) 1 Byte = 8 bits (23 bits) Quilobyte (KB)

Terabyte (TB)
• • • •

1 024 Bytes (210)

1 024 GB 1 048 576 MB 1 073 741 824 KB 1 099 511 627 776 (240) Bytes
Prefixo Nome Símbolo Múltiplo quilobyte kB 210 megabyte gigabyte terabyte petabyte exabyte MB GB TB PB EB

Megabyte (MB)
• •

1 024 KB 1 048 576 Bytes (220)

Gigabyte (GB)
• • •

1 024 MB 1 048 576 KB 1 073 741 824 Bytes (230)

220 230 240 250 260

1.8 Dois outros conceitos importante em informática: hardware e software.
Uma divisão básica de quantas partes é a divisão do que você pode pegar e do que você não ver no computador. Assim, temos o: A) HARDWARE - conjunto de circuitos eletrônicos “inalteráveis” - máquina física em si. É a palavra usada para definir a parte física de um equipamento. Além do computador, formado por placas, discos, microprocessadores e outros, incluem-se nesta definição as impressoras, monitores de vídeo, scanners, mouses, entre outros. B) SOFTWARE conjunto de instruções “alteráveis” - isto porque os programadores podem facilmente mudá-las. São os programas que dão vida e função aos computadores. Os programas são escritos em linguagem digital (linguagem de máquina, C++, Delphi, Basic) comandam todo o funcionamento do computador. Sem um software de sistema de qualquer tipo, um computador ficaria indiferente ao mundo em geral, e para com os humanos em particular.

14

O Software ultrapassou o Hardware como a chave para o sucesso de muitos sistemas baseados em computador. Seja o computador usado para dirigir um negócio, controlar um produto ou capacitar um sistema, o software é um fator que diferencia. Isso é tão marcante que no mercado capitalista um dos homens mais ricos do globo hoje em dia é proprietário de uma fábrica se software e não de computadores. O software através do oferecimento de informações, capacidade de ser “amigável ao ser humano”, a inteligência e a função é o que diferencia 2 produtos de consumo ou indústrias idênticas. Os softwares podem ser de dois tipos : a) SOFTWARE APLICATIVO : É o programa específico escrito ou testado para executar alguma operação (ou resolver um problema) de interesse do usuário. Em geral é escrito em Linguagem de Alto Nível pelo próprio usuário. b) SOFTWARE BÁSICO :É o conjunto de programas que supervisionam e auxiliam a execução dos diversos softwares aplicativos. O software básico é, em geral, formado pelos seguintes programas principais: • Sistema Operacional (ou Programa Supervisor): que controla e supervisiona a execução de todos os outros programas (exemplos: CP/M, WINDOWS 95, UNIX, LINUX, DOS, etc); comanda o computador como um todo , inclusive lhe dizendo quando tem começar ou deixar de fazer alguma coisa e até mesmo quando começar a funcionar outro software. • Compiladores e Interpretadores: que traduzem ou interpretam os programas escritos em diferentes linguagens.

O software básico, em geral, está escrito em linguagem de máquina ou numa linguagem de baixo nível. Tanto o software aplicativo como o básico trabalham em linguagem de máquina (diz-se “rodam”...), isto é, em código binário (bits e bytes) , que é a única codificação aceita pelo hardware ou arquitetura do computador. O usuário, em geral, não manipula diretamente valores ou códigos binários, mas trabalha com valores decimais, hexadecimais e códigos Basic. Pascal, C, etc. Os programas do software básico encarregam-se de efetuar a tradução dos códigos e a conversão dos valores.

1.9- O Sistema Operacional: o mais importante software básico..
Originalmente, os sistemas operacionais visavam somente gerenciar uma das operações mais complexas de entrada/saída que era a comunicação com várias unidades de disco, porém o sistema operacional rapidamente transformou-se numa ponte completa entre o PC e o software aplicativo executado nele, além de ser a porta de comunicação entre o usuário e a máquina. Sem um sistema operacional, cada programador teria que inventar, a partir de um esboço, como o programa faria certas funções, como por exemplo: • • apresentar o texto e a parte gráfica na tela enviar os dados à impressora 15

• •

ler e gravar arquivos no disco e uma série de outras funções que ligam o programa ao hardware.

Entretanto, um sistema operacional faz mais do que facilitar a vida dos programadores. O sistema operacional cria uma plataforma comum a todos os programas utilizados. Sem ele, você provavelmente não seria capaz de gravar arquivos criados em programas diferentes no mesmo disco, porque cada um teria sua própria maneira de armazenar tais arquivos. O sistema operacional também fornece ferramentas para gerenciar todas as tarefas que você deseja executar fora do aplicativo, como por exemplo: • • • apagar e copiar arquivos ver a lista dos arquivos contidos no disco executar uma série de comandos em um arquivo de lote (batch file).

O sistema operacional não trabalha isolado. Ele depende não somente da cooperação de outros programas mas da combinação, sem conflitos, com o BIOS etc, como veremos em detalhes no capítulo a seguir. Mesmo que a tecnologia utilizada nos computadores digitais tenha mudado dramaticamente desde os primeiros computadores da década de 1940, quase todos os computadores atuais ainda utilizam a arquitetura de Von Neumann proposta no final da década de 1940 por ele. Existem diversos tipos e versões de Sistemas Operacionais no mundo, entre eles podemos citar : Windows ( versões em uso por aí : NT, 98, 2000, XP), o OS2,o Linux, Maços, entre outros.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CAPÍTULO 1 1-Complete : Prefixo teraSímbol o T Fator de Multiplicação x 1 000 000 000 000 Fator

= 10 12

gigamega quilo-

x x x

= = =

2- Qual o nome do computador que o exército americano desenvolveu na época da Segunda grande Guerra ?

16

3-Um byte tem quantos bits ?

4- Uma seqüência de 64 bytes tem quantos bits ?

5- Se num cabo digital conseguimos gerar o sinal de 100 bytes em um segundo, podemos dizer que há a geração de 800 bits por segundo nesse cabo ?

6- A unidade Hz é usada em computaçãopara dimensionar a freqüência de operação de dispositivos digitais.Costuma-se verificar em anúncio de vendas de computadores que algo denominado processador tem clock de “tantos” , por exemplo: 2 GHz. Oque quer dizer 2GHz? Quantomaior o clock , maior o processdor ? 1000 Hz é igual 1kHZ ?

7- Dê exemplo de uso de prefixos k, M, G usados como prefixos de unidades de grandeza.

17

2
2. O Funcionamento Dispositivos. do Computador e seus
2.1 A Estrutura do Computador : Visão Geral.

Portas USB

18

Figura 2.1 - Blocos funcionais de um computador
OBS.: Compare o esquema acima com o esquema que desenhamos no quadro em sala de aula. A arquitetura de von Neumann (pág. 9) descreve o computador com as seguintes seções principais: a) Dispositivo de Entrada de dados: ler os dados iniciais ou constantes e de Saída de dados: apresenta os resultados (São chamados de dispositivos I/O3) b) os Dispositivos de armazenagem (podem ser entendidos como um dispositivo misto de entrada e saída). c) Dispositivo de Processamento: processa informações efetua os cálculos são encontrados no que chamamos placa mãe que contem basicamente são as memórias, e a CPU (Unidade lógica e aritmética, ULA + Unidade de Controle, UC + Registradores = processador). d) Estas partes são interconectadas por fios e barramentos. OBS.: Existem ainda componentes acessórios e componentes de segurança que nada tem a ver com a computação em si: o gabinete, o no break de proteção, as capas protetoras de teclado e monitor etc.

Dispositivos de Entrada Dispositivos de Processamento Dispositivos de Armazenagem

Acessórios
(fonte, ventiladores, cabos, capas e o gabinete em si, etc)

Dispositivos de Saída

Figura 2.2 – Diagrama de blocos blocos das funções de processamento básicas de um computador

3

I – Input ; O – Output.

19

Figura 2.3 – Instalaçãodos componetes básico de um computador pessoal.
A seguir uma foto na qual temos a visão geral de um computador tendo como foco a placa mãe:

Entrada / Saída
Slots de expansão

Processador

HD

Slots de RAM

Figura 2.4 – A placa-mãe e alguns de sue componentes e conexões.
Vamos desenhar o esquema acima em sala de aula com muito mais detalhes.

20

2.2 As partes do computador (não esqueça a chave de memória): detalhes.
2.2.1 - Dispositivos de entradas - I/O. Os dispositivos I/O podem ser pertencer ao próprio PC ou serem equipamentos comprados separados que chamamos de periférico. Existem inúmeros periféricos e a cada dia que passa a tecnologia vai inventando novos equipamentos úteis para novas aplicações.Assim, podemos dizer que temos dispositivos I/O associado ao computador e dispositivos I/O periféricos. A seguir os I/O de entrada de um PC : I - teclado. II- mouse. III- webcam IV- scaner. V- microfone. I - Teclado. Semelhante ao de uma máquina de escrever, com algumas teclas adicionais necessárias, o teclado é usado para dar entrada nas informações. É a interface entre o microcomputador e o usuário. Existem dois tipos básicos de teclados: captativos e o de Figura 2.5 – Teclado. contato. No primeiro tipo toda vez que uma tecla é pressionada forma-se uma capacitância e há a modificação do sinal (corrente elétrica) detectada. No de contato existe realmente o contato em duas partes de metal permitindo ou não a passagem da corrente elétrica. Em todo teclado existe um microprocessador que fica "procurando" todas as teclas para verificar qual foi pressionada. Através de um circuito tipo matriz esta tecla gera um código de varredura (SCAN CODE) e este é enviado para o BIOS da motherboard (placa mãe) que faz o reconhecimento da tecla através de uma tabela. II - Mouse Mouse é um mecanismo que é ligado a saída serial do microcomputador com a qual através de uma movimentação de um ponto na tela podemos selecionar a opção desejada de maneira rápida de funcionamento e pelas interfaces gráficas

Figura 2.6- Mouse 21

introduzidas inicialmente no Macintosh, pelo Windows e atualmente em outros sistemas operacionais. O mouse pode ser de botões ou de esfera (trackball) e pode ter 3 botões (padrão Mouse System, em desuso) e 2 botões (padrão Microsoft). Existe também o mouse sem fio utilizando uma interface infravermelha. Os joysticks são utilizados principalmente para jogos de ação. É um acessório que facilita a comunicação do usuário com o computador. O usuário aciona o mouse e o movimento é reproduzido na tela por um cursor em forma de seta. Com este cursor é possível escolher as funções desejadas dentro de um programa, fazer gráficos ou desenhos, sem usar o teclado.
ATENÇÃO : Uma doença para os usuários de informática ! O uso do computador de forma repetitiva e da forma inadequada pode causar dores pelo corpo. Nocaso do mouse , por exemplo, pode ocorrer dores nos tendões que fazem os movimentos da palama da mão e dos dedos. As lesões inflamatórias causadas por esforços repetitivos já eram conhecidos desde a antiguidade sob outros nomes, como por exemplo, na Idade Média, a "Doença dos Escribas", que nada mais era do que uma tenossinovite, praticamente desaparecendo com a invenção da imprensa. Essa inflamação seguida de dores é hoje conhecida como LER. LER (ou L.E.R.) é a abreviatura de Lesão por Esforço Repetitivo (em Inglês RSI (Repetitive Strain Injury) ou, ainda em Português, Dano de Esforço Repetitivo. Representa uma síndrome de dor nos membros superiores, com queixa de grande incapacidade funcional, causada primariamente pelo próprio uso das extremidades superiores em tarefas que envolvem movimentos repetitivos ou posturas forçadas. Também é conhecido por L.T.C. (Lesão por Trauma Cumulativo) e por D.O.R.T. (Distúrbio Osteomuscular Relacionado ao Trabalho), mas na realidade entre todos estes nomes talvez o mais correto tecnicamente seria o de Síndrome da Dor Regional.

III - Web cam Webcam é uma câmera de vídeo de baixo custo que capta imagens, transferindo-as de modo quase instantâneo para o computador ou para internet. Muito utilizada em videoconferências e/ou entre conversar . Geralmente possui baixa qualidade de imagem e ausência de som.O tipo de conexão utilizada com o computador geralmente é do tipo USB. Figura 2.7 - Webcam IV – Scaner O Digitalizador ou Scanner é um equipamento eletrônico responsável por digitalizar imagens, fotos e textos para o computador. O scanner é um periférico de entrada. O scanner é um elemento que faz varreduras na imagem gerando impulsos elétricos através de um captador de reflexos. Serve para transferir desenhos, fotos e textos para o computador. O scanner pode ser de dois tipos: scanner de mão, o qual é parecido com um rato bem grande e que devemos passar por cima do desenho/texto a ser transferido para o computador.

Figura 2.8 – Scanner de mesa

22

Este tipo de scaner já não é mais apropriado para trabalhos semiprofissionais. E scanner de mesa, muito parecido com uma máquina de Xerox, onde devemos colocar o papel e abaixar a tampa para que o desenho seja então transferido para o computador. Os scanners Scanner de mesa de mesa fazem a leitura a partir dos CCDs - Coupled Figura 2.9 – Scanner de mão. Charge Device (Dispositivo de carga dupla) Para trabalhos profissionais o scanner utilizado é o cilíndrico. O scanner cilíndrico fazem a leitura a partir de fotomultiplicadores (PMT - Photomultiplier). Sua maior limitação reside no fato de não poderem receber originais não flexíveis e somente digitalizarem imagens e traços horizontais e verticais. O scanner cilíndrico tem a capacidade de identificar um maior número de variações tonais nas áreas de máxima e de mínima. V Microfone Microfones também são utilizados em computadores, em diversos softwares, como para conversas on-line, gravação de mensagens e para partidas de jogos online. Em computadores mais modernos, os microfones ficam localizados embutidos nos fones, já em PCs mais antigos, o microfone fica juntamente com o mouse, em cima da mesa. Figura 2.10 – Microfone. 2.2.2- Dispositivos de saídas - I/O. Agora que já vimos os dispositivos de entra, veremos os de saída, lembrando que eles são também considerados I/O. A seguir os I/O de saída de um PC : I - impressora. II- monitor de vídeo. III- caixas de som. I - Impressora A impressora também é dispositivo I/O e especificamente de saída. Quando conectada a um computador ou a uma rede de computadores, tem a função de imprimir textos, gráficos ou qualquer outro resultado de uma aplicação. Herdando a tecnologia das máquinas de escrever, as impressoras sofreram drásticas mutações ao longo dos tempos. Também com o evoluir da computação gráfica, as impressoras foram se especializando. Assim, encontram-se impressoras otimizadas para desenho vetorial e outras otimizadas para texto. A tecnologia de 23

impressão foi incluída em vários sistemas de comunicação, como o fax, por exemplo. Características - As impressoras são tipicamente classificadas quanto à escala cromática (em cores ou em preto-e-branco), páginas por minuto (medida de velocidade) e tipo. Resolução máxima - Uma impressora laser com uma resolução de cerca de 300 dpi consegue lidar consideravelmente com impressão de texto quase nítida. Assim sendo, porque deverá obter melhor qualidade? A resposta assenta na impressão fotográfica - algo para o qual as impressoras jato de tinta são excelentes. Basicamente, uma impressão de texto a 300 dpi fica perfeita para tipos de letras bem delineados, mas quando se deseja fotos quase perfeitas ao nível dos pixels, necessita de maiores resoluções. Ccaso venha a imprimir fotos, procure impressoras que imprimam pelos menos a 1440 dpi (dot per inch) na sua resolução máxima. Qualidade do papel - Uma das grandes questões que se colocam para obter uma boa qualidade de impressão é o tipo de papel utilizado na impressora. Os papéis para jato de tinta profissionais para fotos são menos absorventes e normalmente têm uma granularidade mais fina. À medida que a tinta se transforma em líquido e deixa a cabeça de impressão, é pouco provável que se espalhe pelo papel, evitando os borrões nas impressões. Para impressão de fotografias, o melhor é restringir-se ao mesmo fabricante tanto para a impressora como para o papel. Desta forma, é garantido que obterá os melhores resultados para as suas fotos. Acima disso, muitos tipos de papel fotográfico (mesmo de grandes marcas) tendem a não gostar das impressoras de elevadas resoluções, especialmente das que utilizam seis tipos de cores em vez do usual CMYK..Existem vários tipos de impressoras e essa classificação de tipos 9 taxonomia , é feita com base na tecnologia usada para se executar a impressão. Assim, temos: • Impressora de impacto - Uma impressora de impacto é uma impressora que recorre principalmente a processos mecânicos para imprimir em papel. Podem ser de dois tipos: matricial (ou de agulhas) e margarida. É uma das tecnologias mais antigas de impressão. As impressoras de impacto baseiam-se no princípio da decalcação, i.e., ao colidir uma agulha (matricial) ou roda de caracteres (margarida) contra um fita de tinta dá-se a produção da impressão. As impressoras margarida e impressoras matriciais são exemplos de impressoras de impacto. Impressora de jato de tinta - As impressoras a jato de tinta são o tipo de impressoras mais popular atualmente pela sua relação custo/qualidade. Podem imprimir texto e gráficos com qualidade variável, a cor e a preto. Funcionam expelindo tinta. O seu único defeito é que podem borrar.

Figura 2.11 – Impressora jato-de-tinta.

24

Impressora a laser – funcionam de modo semelhante às fotocopiadoras. Seu funcionameto esta baseado nos princípios da eletricidade estática. Originalmente, no processo conhecido como Light-Lens, um cilindro fotosensível era carregado com a imagem refletida do original através de espelhos. Após essa etapa, forma-se uma imagem latente do original na superfície do cilindro. O cilindro recebe uma carga de material conhecido como toner ou tonalizador que é atraído pelas cargas que formam a imagem. O toner é então transferido para o papel, também através de cargas elétricas, e então fixado ao mesmo em processo que envolve calor e pressão. Nos dias de hoje, a imagem latente é formada no cilindro com o uso de raios laser ou diodos emissores de luz LED, no processo chamado de digital semelhante às impressoras a laser.Foi introduzida pela Xerox na década de 1960 e foi gradualmente substituindo o processo de cópia por papel químico.

Outros tipos de impressoras ( não iremos entrar em detalhes- não cairá na prova) : • Plotter - As plotters são especializadas em desenho vetorial e muito comuns em estúdios de arquitetura e

CAD/CAM, além de agência de publicidade. Podem funcionar com base na tecnologia a laser ou jato de tinta. Impressoras de Cera Térmica - As impressoras de cera térmica utilizam tambores CMYK direcionados por uma fita, e papel ou transparência especialmente cobertos. A cabeça de impressão contém elementos quentes que derretem cada cor de cera no papel conforme ele rola pela impressora. Impressoras Dye-Sublimation - Usadas em empresas como agências de serviços — onde a qualidade profissional dos documentos, panfletos e apresentações são mais importantes que o custo dos consumíveis — as impressoras dye-sublimation (ou dye-sub) são os cavalos de batalha da impressão CMYK de qualidade. Os conceitos por trás das impressoras dye-sublimation são similares aos das impressoras de cera térmica, exceto pelo uso de filme dye plástico difusivo ao invés de cera colorida. A cabeça de impressão aquece o filme colorido e vaporiza a imagem em papel especialmente coberto. Impressoras de Tinta Sólida - Usadas principalmente nos setores de embalagens e design industrial, as impressoras de tinta sólida são famosas por imprimir numa variedade de tipos de papel. As impressoras de tinta sólida, como o nome implica, usam espetos de tinta endurecidos, que são derretidos e espirrados através de pequenos bocais na cabeça de impressão. O papel é então enviado através de um rolamento fusor, que por sua vez força a tinta sobre o papel. A impressora de tinta sólida é ideal para provas e protótipos de novos designs de embalagens de produtos. Sendo assim, a maioria das empresas de serviços não tem necessidade deste tipo de impressora.

II - Monitor. É um dispositivo principal de saída de dados. Semelhante a uma tela de TV, o monitor serve para visualizar os resultados do processamento de informações. Existem duas tecnologias disponíveis, para produção das imagens: CRT e LCD, como explicaremos a seguir: • CRT (sigla de Tubo de raios catódicos, em inglês) é o monitor "tradicional", iluminado por um feixe de electrões que qualidade de imagem mais comum. A maior desvantagem é o mal que fazem à visão, devido à taxa de atualização da imagem (refresh) que origina intermitência na imagem (o cansaço deve-se ao facto do cérebro reduzir esta percepção de intermitência).

Figura 2.12 – Monitor CRT.

25

O LCD (Liquid cristal display, sigla para Ecrã de cristais líquidos, em inglês), cujos cristais são polarizados para gerar as cores, tem preço consideravelmente mais alto, mas como vantagens tem uma imagem estável, que cansa menos a visão, e não emite radiação. Existem monitores LCD com boa qualidade de imagem, o seu preço é que muitas vezes é inibidor. Até 1997 este tipo de monitor era utilizado apenas em computadores portáteis, passando desde então a ser uma alternativa ao convencional CRT. Estes monitores se tornam uma tendência, pois usualmente ocupam um espaço menor nas áreas Figura 2.13 – Monitor LCD. de trabalho.

Quanto a resolução podemos ter monitores tipo CGA, EGA, VGA e Super VGA além de serem monocromáticos ou coloridos. Temos também os monitores entrelaçados que se diferem no modo que são gerados os sinais de varredura horizontal. Existe um conceito na especificação de monitor que é a chamada resposta em freqüência (ou largura de banda, medida em Mhz) dos monitores é o que limita a resolução que este pode apresentar ao usuário, ou seja, o sinal de maior freqüência que pode ser processado pelos circuitos do monitor. Quanto maior a resolução necessária maior resposta em freqüência o monitor deve ter. Observe que, a resolução é diretamente proporcional à quantidade de pontos apresentados na tela e quanto maior a resolução menor fica a informação na tela. Outra característica importante dos monitores VGA/SVGA coloridos é o DOT PITCH medido em milímetros. Quanto menor este valor mais nitidez terá a imagem e atualmente nos monitores SVGA este valor situa-se em torno de 0,26 mm e 0,39mm. Além dos monitores tradicionais temos os monitores de cristal líquido (LCD) sendo monocromáticos ou coloridos e são grandemente utilizados em notebooks ou similares devido ao baixo consumo de energia e também já existem aparelhos de televisão LCD. OBS.,: Atualmente já temos monitores que servem para entrada de dados tipo os monitores TOUCH-SCREEN . A imagem da tela é medida em pixel ou DPI (pontos por polegada) e sua medida é chamada de resolução.

2.2.3- Dispositivos de armazenagem (também chamados de memória secundária).
IIIIIIIVDisquetes e seu drive discos óticos e seu drive. Pendrive HD.

I - Disquetes ( Disco Flexível ). Os disquetes são unidades de disco que auxiliam ao usuário no momento em que for necessário executar ou gravar trabalhos (arquivos ) de forma externa, ou seja fora do

Figura 2.14 – Disco flexível de 3 ½’’. 26

HD. Digamos que os disquetes tem a mesma função do HD ( armazenar e executar ), mas com eles podemos mover e transportar arquivos de um local para outro sem dificuldades. ( de um computador para outro, de uma cidade para outra, etc. ) Os disquetes são usados a partir do DRIVE, que é a pequena entrada na frente dos gabinetes. Talvez o único inconveniente dos disquetes seja a sua pequena capacidade de armazenamento. Os discos flexíveis, também conhecidos como disquetes, consistem em uma fina lâmina circular de Mylar com um diâmetro de 5,25 ou 3,5 polegadas coberta com uma camada de óxido de ferro. Uma capa plástica quadrada recobre o disco e o protege contra sujeira e abrasão. A gravação de informações em um disco em rotação e a sua recuperação posterior são as funções do acionador de disco flexível (drive). Há um contanto entre a cabeça de leitura e gravação e o disco propriamente dito, o que resulta em desgaste após um certo tempo de uso. Os disquetes são utilizados para backup (cópia de segurança) e instalação de programas. Os disquetes são inseridos no computador através do DRIVE. Figura 2.15 – Floppy disk -drive de disquete

II - Discos óticos (CD-ROM e CD-R)
Semelhantes aos CD’s de música, os discos óticos podem armazenar sons, imagens e textos. Sua gravação é feita através de pequenos buracos queimados por um laser. Os CD’s podem ser não regraváveis chamados de CD-ROM (Compact Disc - Read Only Memory / Disco Compacto Somente para Leitura), ou podem ser regraváveis, os chamados CD-R ( Compact Disc Regravable – Disco Compacto Regravável ) São utilizados para programas de jogos, Figura 2.16 – Floppy disk -drive de disquete. enciclopédias e livros. Os drives de CDROM normalmente acompanham os equipamentos multimídia, ou podem ser encontrados em Kit’s Multimídia. III - Pendrive Memória USB Flash Drive, também designado como Pen Drive, é um dispositivo de armazenamento constituído por uma memória flash tendo uma fisionomia semelhante à de um isqueiro ou chaveiro e uma ligação USB permitindo a sua conexão a uma porta USB de um computador. As capacidades atuais, de armazenamento, são de 256 MB, 512 MB, 1 Figura 2.17 – Drive de CD/DVD.

Figura 2.18 – Pen drive. 27

GB a 4 GB (esses númenros nãoparam de crescer). A velocidade de transferência de dados pode variar dependendo do tipo de entrada:
• •

USB 1.1: 1,5 a 12 Mbits/s; USB 2.0: Apesar do USB 2.0 poder transferir dados até 480 Mbit/s, as flash drives estão limitadas pela largura de banda da memória nelas contida, com uma velocidade máxima real de, aproximadamente, 100 Mbits/s.

Em condições ideais as memórias flash podem armazenar informação durante 10 anos.Uma vez encaixado na porta USB, o Flash Drive aparece como um disco removível, similar a um disco rígido ou disquete. Em computadores com sistema operacional Windows XP ou com as versões recentes do Linux ou MacOS, os flash drives são reconhecidos automaticamente como dispositivos de armazenamento removível. Em sistemas operacionais mais antigos (como o Windows 98) é necessário instalar um pacote de software denominado "device driver", específico para o dispositivo utilizado, que permite ao sistema operacional reconhecê-lo. Há alguns "device drivers" anunciados como genéricos ou universais para Windows 98, mas nem sempre funcionam perfeitamente com qualquer dispositivo. Alguns modelos podem reproduzir música MP3 e sintonizar FM. Em contrapartida, são um pouco mais caros, volumosos e pesados, e utilizam uma pilha interna (geralmente no tamanho AAA). Cabe aqui um esclarecimento do que é memória flash : é uma memória de computador do tipo EEPROM NAND que permite que múltiplos endereços sejam apagados ou escritos numa só operação. Em termos leigos, trata-se de um chip re-escrevível que, ao contrário de uma RAM, preserva o seu conteúdo sem a necessidade de fonte de alimentação ( sem bateria ou pilha ). Esta memória é comumente usada em cartões de memória e em drives flash USB (pendrive descrito acima). O pendrive também vem começando a ser chamado de disco sólido pelo grande futuro que tem pela frente, já que além de ser muito mais resistente que os discos rígidos atuais, apresenta menor consumo, maiores taxas de transferência, latências e peso muito mais baixos. Já é cogitado o seu uso como substitutoi do HD em notebooks, o que será expandido para a versão desktop em no máximo 5 anos.

Hd, Winchester, Hard Disk ou Disco Rígido ( nomes diferentes para a mesma coisa)
IV -

Todos os nomes acima representam um só local. O HD é uma unidade de disco interna. O HD é um disco que fica dentro do computador, por isso chamado de Disco Rígido (HD = Hard Disk = Winchester = Disco Rígido). O HD geralmente e na maioria das vezes, fica fixado através de parafusos no chassi do gabinete, em sua parte interna.,

28

Quando colocamos um CD no aparelho e apertamos a tecla PLAY, nós temos a possibilidade de ouvir a música. Isto aconteceu porque a música estava gravada no CD. Assim também é o computador. Todos os programas utilizados, estão gravados no HD. Ele é responsável por armazenar e executar os dados internos da máquina. Os discos rígidos, também muito conhecidos como winchester, possuem uma base rígida de alumínio, com uma camada de óxido de ferro, e operam em um recipiente hermeticamente fechado (para Figura 2.19 - HD : Hard Disk. prevenir contaminação por poeira). Nesse sentido pode ocorrer um problema com HD denominado bad block é um defeito físico na superfície magnética de um HD, normalmente causado pelo choque de partículas de poeira ou desgaste da mídia. A velocidade de gravação e leitura é muito maior do que nos disquetes. A capacidade de armazenamento também é bem maior e, por não haver contato entre a cabeça de leitura e o disco, praticamente não há desgaste, resultando numa segurança maior para os dados. Existem vários tipos de HD, assim como vimos com os Microprocessadores, porém não medimos o HD pela potência e sim pela capacidade, ou seja a quantidade de informações que cabem dentro dele. A capacidade dos HD’s é medida através da unidade de medida da capacidade das unidades de disco de um computador que é o BYTE. As unidades de disco de um computador são ( geralmente ) : HD, Disquete e CD. Mais tecnicamente o HD utiliza discos magnéticos montados internamente em um eixo de rotação comum (splindle motor) de 3600/5400 rpm e tem uma performance muito melhor que a dos drives de disquete. Seu acesso é medido em ms (milisegundos ou 10 -3) e tem capacidade de até vários Gb. Atualmente temos dois padrões principais de Hard-Disk quanto a interface, IDE e SCSI. Os HD IDE são mais comuns e os SCSI apresentam uma melhor performance e confiabilidade apesar do advento recente da Enhanced-IDE (ou FAST-ATA), uma versão melhorada da interface IDE com maior taxa de transferência de dados e possibilidade de romper o limite de aproximadamente 540Mb que existe nas HD IDE comuns. Os hard-disk podem também se diferenciar pelo seu tamanho (fator de forma). Atualmente temos os HD de 3½ são mais comuns e os HD de 2½ são utilizados nos notebooks.

29

DISCOS VIRTUAIS São discos lógicos configurados na memória do computador. Estes discos são criados através de um programa que passa a utilizar a memória como uma área de armazenamento momentâneo. A capacidade depende de memória livre disponível e seu acesso é o mesmo do acesso de leitura ou gravação em memória, ou seja, bem mais rápido que qualquer HD. São utilizados para testes, softwares com muitos acessos em discos de leitura e outros para colocarmos arquivos temporários. Toda informação neste tipo de disco é perdida quando o microcomputador é desligado e são designados por letras como os drives D: ; E:; etc...

OBS.: • Drive - O drive é a peça responsável por receber os disquetes ( ou CD’s ) para que possa ser feita a leitura dos mesmos no computador. São também fixados no chassi do gabinete em sua parte interna e parafusados. • Confunde-se muito Drives com Driver > O Driver é o software para instalação de algum produto, ou equipamento como por ex. Impressoras, Scanner’s, etc.

c) dispositivos de processamento.
I - Placa mãe (placa de sistema – veremos detalhes desse assunto no capítulo seguinte). EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CAPÍTULO 2 1- Refaça o desenho da figura 2.2 representando a instalação de um computador que possua: monitor, impressora, mouse, caixa de som, teclado, estabilizador, microfone, gabinete, webcam.

30

3
CAPÍTULO 3- Funcionamento da placa mãe e seus componentes.
Não iremos estudar a fundo esse assunto nesse curso, mas abordaremos alguns aspectos importantes a respeito da placa mãe. A Placa Mãe (Mother Board) é uma grande placa que fica dentro do gabinete que abriga em si várias outras placas assim como também, os principais componentes internos do computado. Também denominada mainboard ou motherboard, é uma placa de circuito eletrônico e considerada o elemento mais importante de um computador, pois tem como função permitir que o processador se comunique com todos os periféricos instalado, sendo responsável pela interconexão de todas as peças que formam o computador. O HD, a memória, o teclado, o mouse, a placa de vídeo, o processador, ou seja, praticamente todos os dispositivos precisam ser ligados à placa-mãe para formar o computador. Ela é composta por diversos componentes eletrônicos e slots e portas para que seja possível conectar os vários dispositivos. Existem vários tipos, dentre eles: a Placa AT , a Placa AT e ATX (simultaneamente) e a Placa ATX ( só iremos estudar este modelo ! ). Em resumo, na placa-mãe encontramos: a) o processador ( microprocessador) b) as memórias ( RAM, ROM e BIOS ), c) a bateria d) os chipsets, que são os principais circuitos integrados da placa-mãe e são responsáveis pelas comunicações entre o processador e os demais componentes. e) barramento f) os conectores : I-Slots de expansão (PCI, ISA, AGP...) II - Portas PS/2 ( do mouse e do teclado) III - Porta serial IV - Porta paralela V - Porta USB g) Placas de expansão. I – Placa de vídeo. II – Placa de som III – Placa de rede IV- Paca de fax-modem h) Componentes acessórios e componentes de segurança. I – Gabinete II- Fonte interna

31

III- No-break IV- Cabos. V- Estabilizador VI- Ventiladores ( coolers) Vamos estudar item a item listado acima:

MICROPROCESSADOR4 (C.P .U. – Unidade Central de Processamento)
a) PROCESSADOR ou O Microprocessador, ou C.P.U. (a sigla CPU é conceitual; o processador é forma física da CPU) é o cérebro do computador. As informações internas, quando estão sendo executadas, passam pelo Microprocessador. Tudo que acontece dentro dá máquina passa pelo Microprocessador, e ele atua como um “Gerente” interno. Quando você vai comprar um computador a primeira parte a ser observada no ato da compra é qual o tipo de Microprocessador está instalado na máquina. Agora vamos nos livar de uma pequena confusão que nos deparamos quando estamos lendo um livro de informática: a diferença de CPU e microprocessador. Vejamos a seguir um texto que nos insere no contexto de entender a sutileza desses conceitos. Figura 3.1 – Processador do Fabricante Intel, marca PentiumMicroprocessadores Cyrix O módulo que controla e coordena tudo dentro de um computador é a unidade central de processamento, ou CPU. É na CPU que as atividades reais da computação são executadas. Trabalhando a partir dos códigos de instrução (buscar da memória e executar alternadamente), a CPU faz todos os cálculos especificados por um programa. Pode então armazenar os resultados de sua operação na memória ou enviá-los a qualquer outra parte dentro ou fora do computador. Como todos os microcomputadores, o PC possui uma CPU implementada quase que inteiramente num único circuito integrado (chip ), conhecido por microprocessador.Viu ? É nesse contexto que devemos entender a CPU x microprocessador. Existem vários tipos de Microprocessador PENTIUM; assim como existem vários tipos de lâmpadas ( força de iluminação ). A força de uma lâmpada é medida pelos WATTS. Quanto mais WATTS uma lâmpada tiver, mias força de iluminação ela terá. Com o Microprocessador é a mesma coisa. Quanto mais força ele tiver, mais quantidade de informações ele processará. A força de um Microprocessador se mede pelo MEGAHEARTZ ( MHZ ) Ex. PENTIUM 1.4 GHZ – Força de processamento de 1.400.000.000 hertz. Ex. PENTIUM 2.4 GHZ – Força de processamento de 2.400.000.000 hertz.

Talvez você nunca tenha ouvido falar em Microprocessador, mas certamente já ouviu falar em PENTIUM. Pentium é uma marca dominante no mercado mundial de Informática no que diz respeito à Microprocessadores. Os PENTIUMs sao fabricados pela Intel.
4

32

Figura 3.2 - Fotos de Microprocessadores Cyrix

utros aspectos importante sobre o microprocessadores é a definição da tecnologia.As tecnologias dos microprocessadores são RISC e CISC. Os programas compilados nos CISC tem instruções de comprimento em bytes variável. Esse processo gera atrasos que são totalmente eliminados com os chips de tecnologia RISC (Reduced Instruction Set Computer) onde o próprio software em execução faz o trabalho pesado. Acontece que o aumento de performance do chip compensa em muito esse trabalho extra do programa. Os chips RISC dissipam menos calor e rodam a freqüências de clock maiores que os chips CISC. A linha de processadores Alpha da Digital está projetada para funcionar com clock de até 600 Mhz! Os chips RISC são utilizados em Workstations, um tipo de computador mais caro e com muito mais performance rodando normalmente sob o UNIX e utilizados em processamento científico, grandes bases de dados e aplicações que exijam proteção absoluta dos dados e processamento Real-Time (tipo transações da Bolsa de Valores). Exemplos de chips RISC: Intel i860, i960, Digital Alpha 21064, HPPARISC, MIPS, Sun Sparc PC (Macintosh), etc. Muitas modificações implantadas atualmente no Pentium são oriundas dos chips RISC tornando-se na verdade um chip CRISC! No que diz respeito às partes (seu componentes), os microprocesadores (CPUs) são composto de 3 partes:
• • •

ALU ou ULA – Unidade de lógica Aritmética – calculadora do coputador. Registradores – guardam resultados intermediários. Unidade de Controle – dirige e coordena as atividades do computador.

O microprocessador é o coração de um microcomputador. Desde o advento do processador INTEL 8088 (Linha PC-XT) até o atual PENTIUM IV passando pelos 80286, 80386 e 80486, apresentam sempre uma evolução exponencial em relação ao seu antecessor, medido atualmente em milhões de transistores (386DX-360.000 transistores, 486DX 1.200.000, Pentium -3,1 milhões, etc) e paradoxalmente em microns de espessura de trilha (486 DX - 0,7µ).

33

Cabe lembrar que estes processadores intel - assim como a linha Motorola 68xxx são de tecnologia CISC (Complex Instruction Set Computer). O processador mantém compatibilidade do microcódigo (sub-rotinas internas ao próprio chip) com toda a linha de processadores anteriores a ele, isto é, um programa feito para o 8086 dos micros XT deve rodar num Pentium sem problemas (obviamente muito mais rápido). O inverso não é possível. O microcódigo deve analisar todas as instruções de outros processadores além de incorporar as suas próprias que não são poucas. Além disso, os programas compilados nesses processadores tem intrusões de comprimento em bytes variável. Esse processo gera atrasos que são totalmente eliminados com os chips de tecnologia RISC (Reduced Instruction Set Computer) onde o próprio software em execução faz o trabalho pesado. Acontece que o aumento de performance do chip compensa em muito esse trabalho extra do programa. Os chips RISC dissipam menos calor e rodam a freqüências de clock maiores que os chips CISC. A linha de processadores Alpha da Digital está projetada para funcionar com clock de até 600 Mhz! Os chips RISC são utilizados em Workstations, um tipo de computador mais caro e com muito mais performance rodando normalmente sob o UNIX e utilizados em processamento científico, grandes bases de dados e aplicações que exijam proteção absoluta dos dados e processamento Real-Time (tipo transações da

Bolsa de Valores).
Exemplos de chips RISC: Intel i860, i960, Digital Alpha 21064, HPPA-RISC, MIPS, Sun Sparc PC (Macintosh), etc. Muitas modificações implantadas atualmente no Pentium são oriundas dos chips RISC tornando-se na verdade

O processador fica encaixado no socket devendo observar que uma placa-mãe não aceita qualquer tipo de processador, pois é desenvolvida para modelos específicos. Cada tipo de processador tem características que o diferenciam de outros modelos, a quantidade de pinos, por exemplo, ou na velocidade de processamento. Assim sendo, a placa-mãe deve ser desenvolvida para aceitar determinados processadores. A velocidade de processamento (clock) é um dos itens que determina a capacidade ou "agilidade" da máquina, entretanto a quantidade de memória cache é fundamental para a agilidade do processador. A própria placa-mãe possui clock (velocidade de processamento) e é responsável pelo rendimento da máquina pois ela faz a interconexão entre o processador e os demais itens. São fabricantes de CHIPs processadores: Fabrican te Intel AMD Cyrix Marca/ Modelo Pentium PRO ;, Pentium MMX ; Pentium I; Celeron; Pentium III; Pentium IV; Core DUO EXTREME. AMD X5; AMD K6 ; ATHLON Cx586; Cx86 P200; Cx86 MX P200

b) As Memórias ( RAM, ROM e BIOS ):

Em resumo as memórias são teoricamente classificada no PC como cumprindo o papel de memória ...:  principal  Cachê  Virtual  Secundárias ou de massa ( auxiliares). Vejamos um resumo nas tabelas das páginas seguintes.

34

TAXONOMIA DAS MEMÓRIAS - Resumo Memória Principal : podem ser RAM e ROM
a)

Memória RAM – (Radom Acess Memory - Memória de Acesso Aleatório) Toda e
qualquer informação que esteja sendo processada, todo e qualquer programa que esteja sendo executado permanece armazenado na memória RAM. A memória RAM pode ser expandida e assim vende-se na forma de pequenas placas chamadas de “pentes de memória”. O conceito de aceso aleatório se deve ao fato de o computador alterar seu conteúdo de forma aleatória e em função da execução dos programas sem permissão desta. Como a memória RAM é alimentada eletricamente, seu conteúdo é esvaziado quando desligamos o computador e não a chance de recuperação (conteúdo volátil). Existem 2 tipos de memória RAM : - DRAM ( Dynamic Random Acces Memory) : é formado por circuitos que armazenam os bits de informações através de pequenos capacitores.Quando tem carga representa o “1” e quando não tem carga representa o “0”.Não se trata de uma mem´ria rápida. São denominadas de meórias dinêmicas. Possuem capacidade alta, mas acessar este tipo de memória é mais lento que as memórias estáticas; possuem preços menores; usam tecnologia mais simples e ainda aceitáveis. - SRAM ( Static Random Memory ) : são ´memórias do tipo estática e são bem mais rápidas que as dinêmicas (DRAM) , porém armazenam menos dados e com preços mais elevados. As memórias SRAM costumam ser usadas em chips de memória cache. OBS.: Existe uma tecnologia especial de funcionamento de RAM, a tecnoliga DDR: Seus pentes ou módulos possuem 84 pinos, 16 a mais que as memórias tradicionais, que possuem 168 pinos. O diferencial que as memporias DDR tem é o fato de que elas podem realizar o dobro de operações por ciclo de clock. Hoje há pentes de mais de 1GB e a tecnologia não pára de evoluir.

Memória ROM é um tipo de memória onde seus dados não podem ser modificados, isto é, uma memória somente para leitura. Não é apagada quando o micro for desligado. OBS.: nas memórias ROM temos basicamente 3 programas pré-gravados desde a sua fabricação :
b) • BIOS – Basic Input output System – programa que identifica os periféricos básicos para que o processador possa acioná-los.OBS.: circuito integrado que contém a BIOS é também chamado de ROM BIOS. O circuito integrado ROM BIOS contêm um chip tipo Flash-ROM que contendo um pequeno software (256k) chamado BIOS (Basic Input Output System) que é responsável por controlar o uso dos dispositivos e mantem informações de data e hora. O BIOS trabalha junto com o POST, um software que testa os componentes do micro em busca de eventuais erros. OBS.: O BIOS fica gravada na MEMÓRIA ROM – baseada em chips semicondutores que contêm instruções e dados armazenados elo fabricante e pode ser lido mas não modificado.A instruções gravadas são as instruções de inicialização do sistema do computador. POST- Power On Self Test – programa que realizxa os testes ao se ligar o computador. SETUP – Programa que que permite realizar as configurações básicas do computador.

• •

Os programas acima que estão armazenados na RAM são chamados de Firmware.

Cache Memória

Memória Cache é uma pequena quantidade de memória estática de alto desempenho, tendo por finalidade aumentar o desempenho do processador realizando uma busca antecipada na memória RAM. São de 3 tipos (esses3 tipos não irão cair na prova do prof. Jansle): • • •
Cache L1 - Uma pequena porção de memória estática presente dentro do processador Cache L2 -Possuindo o Cache L1 um tamanho reduzido e não apresentando uma solução ideal, foi desenvolvido o cache L2 Cache L3 - Terceiro nível de cache de memória. Inicialmente utilizado pelo AMD K6-III (por apresentar o cache L2 integrado ao seu núcleo) utilizava o cache externo presente na placa-mãe como uma memória de cache adicional.

35

A Memória Virtual é como se fosse uma extensão da memória RAM que se estabelece no HD. Se temos 256 MB de RAM instalados na forma de pentes de memória, e adicionarmos uma partição swap de 512 MB no HD (disco rígido) , teremos, no total, 768 MB de memória.Quem faz isso é4 o sistema operacional de forma automática.Você deve ter sempre um HD com espaço de sobra pois a o uso do recurso memória virtual fica. Quanto menos memória RAM um computador tiver, maior será a nescessidade da utilização da memória virtual.

Memória virtual

• NOTA 1 : mais um pouco sobre memória RAM Cada um dos locais de armazenagem ou endereços da RAM pode ser acessado independente de todos os outros, daí o nome de memória de acesso aleatório. Pode-se pensar na RAM como um agrupamento de caixas de correio, como aquelas que podem ser encontradas em hotéis. O esperado é cada uma dessas caixas possuir um único número (endereço) para que sejam identificadas. As cartas contidas nessas caixas são indiferentes aos dados armazenados na RAM. Obviamente, podemos colocar uma carta em qualquer caixa ou removê-la sem nos preocupar com o conteúdo das caixas vizinhas. Assim é com o acesso aos dados na RAM. A RAM possui um notável defeito - sua volatilidade. Uma vez que a fonte de alimentação do computador tenha sido desligada, todos os dados armazenados estarão perdidos.Se o dado tiver de ser guardado para uso futuro, no computador pessoal, a armazenagem por um longo período é proporcionada pelos HD’s. O tamanho da memória RAM pode variar de computador para computador. A necessidade de ter pouca ou muita memória depende exclusivamente dos softwares (programas) a serem utilizados no micro. Mas uma coisa é certa: quanto mais avançado for o programa e quanto mais recursos ele tiver, mais memória RAM será preciso para rodá-lo. Figura 3.3 – “Pentes” de memória RAM. Sobre sua aparêcnia: são pequenos pentes que são encaixados nos slots de memória das placas mãe (motherboard). É na memória RAM que ficam todas as informações utilizadas durante as operações de escrita ou leitura nas unidades de armazenamento e os programas, cache de software para hard-disk, drives virtuais, vírus. Diferenciam-se no número de vias, tempo de acesso e tipo e são melhor definidas como DRAM (Dinamic Random

Memória Secundária

A secundária pode ser de armazenamento óptico e de armazenamento magnético: • Armazenamento óptico: CD, DVD • Armazenamento Magnético: HD (winchester=disco rígido). • Armazenamento eletrônico:Pendrive.

36

Access Memory). Precisam continuamente de um sinal da CPU (refresh) para manterem seus dados armazenados.

NOTA 2 : um pouco mais sobre memória Cache:
A Memória Cache de um computador é a ponte de acesso entre a Memória Ram e o HD. Para entender melhor seu funcionamento mentalize a seguinte ilustração. Digamos que você é um professor e está dando uma aula teórica sobre plantas. Você está na escola e de repente lhe“CI” de memória CACHE. prática quais plantas estão sendo ensinadas (eles pedem pra ver na Figura 3.4 – entenderão melhor). Então você vai até o pátio da escola e pega algumas plantas para mostrar aos alunos, coloca algumas sobre a sua sua mesa e outro tanto numa caixa que se encontra dentro da sala de aula (e continua a aula). Em determinado momento você decidiu falar novamente sobre uma planta que está sobre a mesa; você simplesmente pega-a e mostra novamente aos alunos.Porém, ao querer citar sobre outra planta, você nota que não a tem em sua mesa, e então qual o procedimento a ser feito; você novamente terá que ir até ao pátio, ou até a caixa e colocá-la em sua mesa para que possa ser manuseada por suas mãoes e mostrada aos alunos. Juntando agora para que você possa entender: • Memória Ram = a caixa ; • Memória Cache = a mesa, • HD = Pátio da escola • Processador =você e seu cérebro • Chipset= seu braço e mãos • Dados= as plantas • Barramento = corredores e sala da escola Sempre que o processador (você) necessita de uma informação(planta) que foi solicitada pela situação, ele tem que procurar essa informação no HD (Pátio ), só que antes ela passa pela memória cache (Mesa) ou RAM (caixa), e vê se esta informação já esta armazenada ali. Se ela já está ali, e só pega-la; se não, a Memória Ram, passa direto, vai até o HD, volta, armazena em cachê (na mesa), e por fim utiliza-apara processamento usando cachê (mãos) . Praticamente todas as placas possuem um cache memory. O cache é um conjunto de chips de acesso rápido instalados na placa mãe, ou seja, externo ao processador. A memória principal do computador DRAM é bem mais lenta que a memória cache ou secundária, SRAM (Static Random Access Memory) que tem tempos de acesso de até 12 ns, mas em compensação é bem mais cara. Assim o cache reduz sensivelmente a velocidade de acesso médio a memória principal armazenando as mais requisitadas instruções e dados. A efetividade do cache está relacionada com o seu tamanho, largura do byte, algorítimo de substituição de dados, esquema de mapeamento e do tipo do programa em execução. Não é atoa que a tecnologia de cache está presente tanto em winchesters, processadores (o 486 DX tem 8 kb de cache internamente e 16 kb no Pentium) e em muitas outras placas. A construção das memórias cache segue princípios de construção

37

totalmente diferentes das memórias comuns. Utilizam elementos lógicos compostos basicamente de transistores chamados flip-flops.Resumindo tudo, o cache trabalha na velocidade do processador enquanto a memória DRAM depende da inclusão de wait states (estados de espera do processador) para disponibilizar o dado devido a sua lentidão. OBS.: BUFFER é uma região da RAM reservada para uso com dados que são mantidos temporariamente enquanto aguardam transferência entre locais, como entre áreas de dados do aplicativo e um dispositivo de entrada e saída. c) A Bateria A bateria interna é recarregável do tipo Lítio CR2032 e tem a funções de manter as informações da Flash-ROM enquanto o computador está desligado.

d) Os Chipsets De uma forma geral, um chipset (anglicismo que significa grupo de chips) é o cérebro de uma placa de circuitos. Na informática, é o cérebro da placa mãe, faz a Figura 3.5 – Placa mãe: bateria e chipset.

comunicação processador

do

com as memórias, portas (USB, paralela, PS2, serial, etc) com o Sistema operacional.
Em suma, chipsets (geralmente em número de dois) são os chips responsáveis pelo controle de diversos dispositivos de entrada (input) e saída (output) como o barramento, o acesso à memória, o acesso ao HD, dispositivos on-board, comunicação do processador com a memória RAM e componentes da placa-mãe. Nas placas-mãe mais novas é comum encontrarmos dois chipsets (não vai cair na prova): norte (ponte norte) e sul (ponte sul) • O schipset norte ou (north Bridge) faz o trabalho mais pesado e por isso geralmente requer um dissipador de calor devido ao seu aquecimento elevado. Cabe ao schipset norte as tarefas de controle do FSB (Front Side Bus)- velocidade na qual o processador se comunica com a memória RAM e com os componentes da placa-mãe. • O schipset sul ou (south Bridge) geralmente é responsável pelo controle de dispositivos de entrada ou saída (I/O) como as interfaces IDE que ligam os HDs, os drives de CD-ROM, drives de DVD-ROM e drives de disquete ao processador. Controlam também as interfaces Serial ATA. Geralmente cuidam também do controle de dispositivos on-board como o som.

38

e) O Barramento . Em ciência da computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros periféricos. O desempenho do barramento é medido pela sua largura de banda (quantidade de bits que podem ser transmitidos ao mesmo tempo), geralmente potências de 2: 8 bits, 16 bits, 32 bits, 64 bits (hoje praticamente todos barramentos são de 32 bits).Também pela velocidade da transmissão medida em bps (bits por segundo) por exemplo: 10 bps, 160 Kbps, 100 Mbps, 1 Gbps etc. Tipos de barramentos:

   

Barramento do processador - utilizado pelo processador internamente. Barramento de cache - Barramento de Cache em organizações de computadores mais recentes, é um barramento dedicado para acesso à memória cache. Barramento de memória - Barramento de Memória responsável pela conexão da memória principal ao processador. Barramento de entrada e saída (ou barramento de expansão) (ou E/S) é um conjunto de circuitos e linhas de comunicação que se ligam ao resto do PC com a finalidade de possibilitar a expansão de periféricos e a instalação de novas placas no PC. Permitem a conexão de dispositivos como: Placa gráfica Rede, Placa de Som , Mouse , Teclado , Modem etc. OBS.: Existem os seguintes padrões (não vão cair na prova) : o o o o o o o
ISA EISA MCA (proprietária IBM), VESA ( Local Bus - VLB) Pipeline PCI AGP (especial para

melhorar os gráficos, jogos)

Os padrões de barramento listados acima estão em ordem crescente de performance. Como atualmente tem-se o lançamento de um novo processador com novas tecnologias para acelerar o processamento (duplo cache interno, maior velocidade de clock, etc) quase que anualmente, muitas motherboards permitem o upgrade (atualização do processador sem a troca de qualquer outro componente do microcomputador. O barramento PCI ou (Peripheral Component Interconnect) é uma tecnologia para conectar diferentes periféricos na Placa-mãe. As placas-mãe mais antigas dispunham de outras tecnologias leia os artigos para saber mais: barramento ISA, barramento EISA, barramento VESA. O barramento AGP ou (Accelerated Graphics Port) é uma tecnologia de grande desempenho para processamento de imagens. As placas AGP excedem um pouco em tamanho as placas PCI. A tecnologia AGP já está sendo substituída pelo barramento PCI

39

Express. A tecnologia PCI Express conta com um recurso que permite o uso de uma ou mais conexões seriais. Veja mais no artigo PCI Express.

f) Conetores ou portas.
I – Slots de expansão : Os slots estão soldados na placa mãe e são lugares onde se pode encaixar uma placa pra se fazer a expansão do micro. Os slots são definidos de acordo com o barramento. Devemos entender portanto que os slots são uma espécie de porta de acesso para o seu mundo exterior; são “encaixes” que nos permitem que se “fixem” ao computador outras placas para o funcionamento de partes distintas da máquina, dentre eles alguns dispositivos de entrada e os de saída.. Aí cabe explicar que os slots para serem usados devem ter “fixados’ neles outras placas. Figura 3.6 – Slots de expansão (ISA). OBS.: A Placa Mãe é como se fosse um grande prédio que abriga em si, várias repartições, departamentos e escritórios em geral. Assim a placa-mãe ou as placas de expansão podem possuir dispositivos que comunicam o barramento com o mundo exterior: são as portas. Assim, as portas são: • são locais por onde se adentram e saem os dados para a placa –mãe; • são tomadas existentes na face posterior da caixa do computador, às quais se ligam dispositivos de entrada e de saída, e que são diretamente ligados à motherboard se conectam o mouse, o teclado, joystick etc. Estas portas ou canais de comunicação podem ser: II- Porta PS/2.

Figura 3.7 – Portas OS/2. III- Porta Serial.

Surgiram com os IBM PS/2 e nos respectivos teclados. Também são designadas por miniDIM de 6 pinos. Os teclados e mouses dos computadores atuais são, na maior parte dos casos, ligados através destes conectores. Nas motherboards atuais existem duas portas deste tipo.

A saída serial de um computador geralmente está localizada na placa MULTIIDE e é utilizada para diversos fins como, por exemplo, ligar um fax modem externo, um plotter, uma impressora e outros periféricos. As portas cujas plugs têm 9 ou 25 pinos são também designadas de COM1 e COM2. As motherboards possuem uma ou duas portas deste tipo.

40

Porta USB

Porta Paralela

Porta USB

Porta Serial

Figura 3.8 – Visão dos conectores (portas): USB, serial, paralela. IV - Porta Paralela. Nas portas paralelas o sinal elétrico é enviado em simultâneo (os bytes são transmitidos aos pares e em paralelo)e, como tal, tem um desempenho superior em relação às portas série. No caso desta porta, são enviados 8 bits de cada vez, o que faz com que a sua capacidade de transmissão atinja os 100 Kbps. Esta porta é utilizada para ligar impressoras e scanners e possui 25 pinos em duas filas. V - Porta USB (Universal Serial Bus). Desenvolvida por 7 empresas (Compaq, DEC, IBM, Intel, Microsoft, NEC e Northern Telecom), permite conectar periféricos por fora da caixa do computador, sem a necessidade de instalar placas e reconfigurar o sistema. Computadores equipados com USB permitem que os periféricos sejam automaticamente configurados assim que estejam conectados fisicamente, sem a necessidade de reboot ou programas de setup. O número de acessórios ligados à porta USB pode chegar a 127, usando para isso um periférico de expansão. A conexão é Plug & Play e pode ser feita com o computador ligado. O barramento USB promete acabar com os problemas de IRQs e DMAs. O padrão suportará acessórios como controles de monitor, acessórios de áudio, telefones, modems, teclados, mouses, drives de CD ROM, joysticks, drives de fitas e disquetes, acessórios de imagem como scanners e impressoras. A taxa de dados de 12 megabits/s da USB vai acomodar uma série de periféricos avançados, incluindo produtos baseados em Vídeo MPEG-2, digitalizadores e interfaces de baixo custo para ISDN (Integrated Services Digital Network) e PBXs digital. Em resumo (veja a foto):

41

Serial Figura 3.9 – Conectores (portas).

Serial

Para facilitar o entendimento dos conectores estude a figura a seguir de um gabinete que chamamos de ATX ( modelo que estamos estudando) :
1-Extensão elétrica. para rede

2- Tomada de ligação com rede elétrica. 3-Entradas de mouse teclado tipo PS/2 4-Portas USB com e

tecnologia

5-Porta serial 6-saída de ventilação da fonte de alimentação. 7, 8 e 9 – Janelas de saída das placas de expansão ( vídeo, de som etc). 10- Exemplo típico de entrada e saída PS/2, portas seriais e USB

Figura 3.10 -Conectores e elementos da traseira do gabinete. g) As Placas de expansão Como já foi citado anteriormente, na Placa Mãe de um computador estão os Slots que servem para agregar outras placas que também fazem parte do funcionamento interno do computador. Vejamos algumas destas principais placas: I - PLACA DE VÍDEO – A Placa de Vídeo é responsável por transmitir os sinais e convertê-los em imagem para que possa ser visualizada no Monitor de vídeo. Sua função então é fornecer ao Monitor a imagem.

42

As placas de vídeo dividem-se em comuns, aceleradoras e co-processadas, em ordem de performance. As comuns tem como principais componentes um RAMDAC (Conversor Analógico-Digital) e o seu chipset (Trident, OAK, Cirrus Logic, etc) as aceleradoras geralmente são placas com barramentos que permitem melhor performance na transferência de dados e as co-processadas tem um microprocessador dedicado para a parte de vídeo deixando o processador principal livre. Ex. TMS 34010, Targa e outras. II - PLACA DE SOM – A Placa de som, que geralmente faz parte de um Kit Multimídia ( Kit Multimídia é um pacote que contém: Drive de CD, Caixas de som e a Placa de som ), possibilita a execução de som no computador além da entrada do som no computador. Tudo o que é ligado a som, passa por esta placa.

Figura 3.11 – Conectores de uma placa de som (off-board). Acima temos as conexão de uma placa de som 5.1. Ela possui 3 saídas de áudio, 1 de microfone e 1 chamada line-in. As placas mais comuns ( de placa de som 2.1) tem 1 saída de áudio, 1 entrada de microfone e 1 chamada Line-in. A entrada de microfone normalmente aparece com a inscrição MIC-IN no espelho da placa. III - PLACA DE REDE – Quando você ver algum computador ligado a outro em uma empresa, saiba que isto é uma rede. A rede são várias máquinas interligadas para que todas elas tenham, geralmente, o mesmo conteúdo. Muito utilizado em grandes empresas esse recurso de rede; e somente através desta placa, isto é possível. Ela tem a finalidade de interligar um computador a outro, e assim sucessivamente. IV - PLACA DE FAX-MODEM - O princípio de funcionamento da placa de fax é que ele faz com que o computador possa “conversar” com outro computador através da linha telefônica conecta os computadores às linhas telefônicas. A palavra modem é formada dos termos Modular/Demodulador. O Fax-Modem também podem receber e enviar fax e existe na forma de uma placa. Esta placa é conectada a saída serial de um microcomputador. O modem recebe o sinal na forma digital modulando-o em onda senoidal e transmitido via linha de transmissão até a outra ponta onde temos outro modem para fazer a demodulação e retornar o sinal á forma original. Os modems diferem pelo padrão e velocidade de transmissão. Na prática, hoje, podemos ter modems trabalhando desde 14.400 até 56.000bps (Bits por segundo).

43

OBS.: Dois conceitos importantes sobre placa mãe ( isso vai cair na prova): • On-board: como o próprio nome diz, o componente on-board vem diretamente conectado aos circuitos da placa mãe, funcionando em sincronia e usando capacidade do processador e memória RAM quando se trata de vídeo, som, modem e rede. Tem como maior objetivo diminuir o preço das placas ou componentes mas, em caso de defeito o dispositivo não será recuperável, no caso de modem AMR, basta trocar a "placa" do modem AMR com defeito por outra funcionando, pois, este é colocado em um slot AMR na placa-mãe. São exemplos de circuitos on-board: vídeo, modem, som e rede. • Off-board: são os componentes ou circuitos que funcionam independentemente da placa mãe e por isso, são separados, tendo sua própria forma de trabalhar e não usando o processador, geralmente, quando vídeo, som, modem ou rede, o dispositivo é "ligado" a placa mãe usando os slots de expansão pra isso, têm um preço mais elevado que os dispositivos on-board, sendo quase que totalmente o contrário em todos os aspectos do tipo on-board, ou seja, praticamente todo o processamento é realizado pelo próprio chip encontrado na placa do dispositivo.

44

4
CAPÍTULO 4 – Componentes Acessórios e de Segurança.
4.1 Gabinete O Gabinete nada mais é do que a grande peça metálica que fica geralmente ao lado do monitor do usuário, e que serve única e exclusivamente para “guardar” todas as peças internas do computador, aquelas que fazem realmente o trabalho de funcionamento. Pode-se pensar no gabinete como se fosse o local no carro onde fica guardado o motor. O Gabinete às vezes é chamado erradamente de “CPU”. Gabinete não é CPU ! CPU é outra parte totalmente diferente do computador. Algumas peças internas são encaixadas e parafusadas diretamente no gabinete, outras estão na Placa Mãe.

Figura 4.1 – Gabinete.

4.2 Fonte interna Diferentemente de outros eletrodomésticos que utilizam fontes lineares, os microcomputadores utilizam fontes chaveadas pois estas permitem uma substancial redução de tamanho e são mais eficientes. A potência da fonte deve ser compatível com o tipo de micro a ser montado e com seus periféricos. Estas variam de 180VA a 300VA (VA Volt-Ampere). O dimensionamento de uma fonte para um microcomputador depende da quantidade de periféricos, e consequentemente das placas que serão ligadas no barramento de expansão. Sempre nesses casos devemos escolher uma fonte onde não se utilize mais de 2/3 da sua potência nominal. Winchesters mais antigas consomem bastante energia e alguns Figura 4.2 – Fonte interna do computador. processadores atuais (como o Pentium em 5v) podem dissipar até 15W As tensões geradas por uma fonte chaveada para microcomputadores são 5VDC, 12VDC, -12VDC e -5VDC. Além desses, existe um sinal de +5VDC gerado pela fonte denominado POWER GOOD. Este tem como função indicar à placa-mãe o perfeito funcionamento da fonte e a partir deste, o chipset gera sinais de RESET para todos CIs da placa. Tudo depende do bom funcionamento da fonte.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

45

4.3 No-break. O nobreak é um equipamento que contem uma bateria e mantêm o computador funcionando se faltar energia elétrica. Um no-break pode conter também um circuito de estabilização. O estabilizador de voltagem mantêm a voltagem alternada de nossas casas estável e livre de oscilações que possam vir a causar danos ao computador. Figura 4.2 – No-break 4.4 Cabos. Os cabos são basicamente de dois tipos : - de força: os cabos de força podem ser: os cabos que saem da fonte, o cabo do Cabos de força monitor e o cabo domonitor, da fonte etc. - de dados: os cabos de dados servem para conectar um dispositivo a outro ou à placa mãe. Um exemplo de cabo de dados é o cabo de mouse, o cabo do monitor e Cabo flat internamente temos os cabos chamados de “cabo Flat”. Figura 4.3 – Gabinete: cabos de força ( fonte); cabos de dados. 4.5 O estabilizador. O estabilizador estabiliza a voltagem e protege a fonte do computador livre de oscilações de voltagem provocadas por ruídos na rede de energia elétrica e/ou de trovões e raios que podem provocar sobre tensão nas tomadas elétricas caseiras. Observe que um estabilizador é diferente de um no-break. O no-break tem uma bateria interna e que no caso de faltar energia elétrica essa bateria supre a fonte de energia até que a rede elétrica volte ao normal. 4.6 Ventiladores ( coolers). Também conhecido como dissipoador ou, na gíria informática também referido como Cooler, é o nome dado ao conjunto de dissipação térmica, instalado sobre o processador. O cooler é formado por dois dispositivos: um dissipador de calor, que é um pedaço de alumínio ou cobre recortado, e uma ventoinha, que é um pequeno ventilador colocado Figura 4.5 – Cooler. sobre o dissipador de calor. O calor que o processador gera em sua operação deve ser dissipado para que o processador não queime. O calor em excesso pode derreter os minúsculos circuitos do processador

Figura 4.4 – Estabilizador.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

46

caso não exista um cooler instalado. Há cooler também em algumas placas de vídeo e sempre um ventilador na fonte interna.

Agora finalmente, vejamos a seguir mais uma forma de representar as conexões da placa-mãe e suas ligações com os dispositivos de maneira geral:

Drive disquete

Cache

RAM ROM
BIOS

Processador

Drive DVD HD

Chipset Chipset

Placa de vídeo

Fonte

Bat

Slots de expansão

Monitor

MIC

cx som

Cabo de rede

Teclado
Mouse

Impressora

Webcam

Figura 4.6 - Desenho esquemático de um computador e seus componentes e periféricos.
O desenho anterior será feito foi feito (está sendo feito) várias vezes em sala de aula.É preciso agora chamar sua atenção para a seguinte necessidade : você deve ser capaz de fazer esse desenho numa folha de papel, de memória, com segurança.Você também deve ser capaz de entender o que representa cada componente desenhado.

EXERCÍCIO DE FIXAÇÃO CAPÍTULO 4

Informática Aplicada – Prof. Jansle

47

1- Faça o desenho esquemático de uma placa-mãe e todas as conexões internas e externas para os dispositivos de entrada e saída. Use o espaço abaixopara fazê-lo.

2- Liste os componentes básicos de uma placa-mãe.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

48

Assinale as alternativas corretas: 3 - Complete A ) O espaço no qual inserimos o disquete na frente do computador se chama _____________________. B ) O________________ é um aparelho que passeia pela mesa e exibe uma pequena seta no monitor de vídeo. 4 - Faça a correspondência correta ( A ) Mouse ( ) Marca de microprocessador ( B ) HD ( ) 1 espaço ocupado ( C ) Estabilizador ( ) Gabinete horizontal ( D ) Monitor Monocromático ( ) Armazena e executa informações externas ( E ) Desktop ( ) 1 GB ( F ) 1.000.000 bytes ( ) Cores em cinza ( G ) Byte ( ) Aparelho que diminui a tensão elétrica ( H ) Pentium ( ) Armazena e executa informações internas ( I ) Disquete ( ) 1 MB ( ) Pequena seta no monitor de vídeo 5 – Explique com suas palavras: A) Memória Ram ______________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ B) Winchester _________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ C) Placa de Vídeo ____________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ D) Placa de Fax-Modem _______________________________________________________ _______________________________________________________________________________ E) Drive _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ F) Placa Mãe __________________________________________________________________ _______________________________________________________________________________ 6 – Faça a correspondência correta: ( a ) Byte ( ) É a comunicação entre o usuário e a máquina ( b ) GibaByte ( ) Armazena programas essenciais do sistema de um computador ( c ) MegaByte ( ) É Responsável por gerar os sons de um computador ( d ) KiloByte ( ) Ponte de acesso entre a Memória RAM e o HD ( e ) Driver ( ) Processa todas as informações da máquina

Informática Aplicada – Prof. Jansle

49

( f ) Gabinete ( ( g ) Placa de Som ( ( h ) Drive ( i ) Microprocessador computador ( j ) BIOS ( ( l ) Memória Cache ( ( m ) Disquetes ( ( n ) Placa de Rede ( computador ( o ) Interface ( (

) Permite ligar um computador a outro computador ) 1.000.000.000 Bytes ( ) Armazenam e executam dados externamente ( ) Local onde são armazenadas as peças internas do ) 1.000.000 Bytes ) É onde inserimos o disquete no computador ) 1.000 Bytes ) Programa para instalar um equipamento no ) 1 espaço ocupado ) É utilizada para acessar a Internet

7- Escreva uma carta para seu primo(a) explicando a ele(a) quais os parâmetros que se devem observar para se comprar um computador com uma boa performance.Explique a ele(a) qual a unidade de medida de velocidade do processador; a unidade de resolução da impressora; a unidade resolução do monitor etc. Coloque todos os detalhes que você possa se lembrar; a unidade de medida do tamanho do HD; o tamanho de bit admissível para o barramento; quais os tipos de periféricos que ele(a) pode comprar etc.

8- Marque a correta : O Microprocessador é uma pequena parte do computador que tem a função de : a ) Armazenar e executar informações internas b ) Distribuir a energia pela máquina c ) Processar todas as informações d ) Nenhuma das alternativas corretas SIMULADO I SÉRIE DE EXERCÍCIOS TIPO “CERTO OU “ ERRADO” CAPÍTULOS 2 , 3 e 4 01)_______ O Windows e o Linux são sistemas operacionais. 02)_______O ENIAC foi um dos primeiros computadores e tinha um tamanho bastante reduzido. 03)_______A IBM é uma empresa fundada após a segunda guerra e se tornou uma grande organização fabricante de computador, no século passado.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

50

04)________A Cyrix é fabricante de processador. 05 )_______Intel é um fabricante de placa mãe e não fabrica processador. 06) _______ Uma impressora é um dispositivo de entrada na medida que nela se adentram todas as informações que se deseja ler numa folha de papel. 07) _______ A placa mãe pode ser on board ou off board. 08) ______ Um computador de uso pessoal pode ser desmontado e trocada a placa mãe. 09) ______ A freqüência da corrente elétrica alternada distribuída em nossas casas é de 60Hz 10)_______Um adulto de estatura mediana tem massa de aproximadamente 70.000g 11) ______ 1GHz corresponde a 1.000 MHz e a 1.000.000 Hz. 12)______ 1MHz corresponde a 1.000 Hz. 13) _____ 1 MB corresponde a 1.000 B. 14)_____ Um MHz é uma unidade que pode significar quantas vezes um evento ocorre num intervalo de tempo correspondente de um milhão de segundos. 15) _____ Se dissermos que um computador possui massa de 5.000g isso corresponde a dizer que o computador possui 0,000 005 Mg. 16)_____A freqüência de trabalho de um barramento de 64 bits é 400Mhz.Isso corresponde a dizer que em 1 segundo podem trafegar 400.000.000 x 64 bits. 17)______ 1 kB corresponde a 1.000 bytes. 18) _____ 1MB corresponde a 1.000.000 b. 19) _____1kb corresponde a 1024 Bytes. 20)_____Um barramento de 64 bits consegue transportar numa única operação mais informação que um barramento de 32 bits. 21) ______Processador é Hardware. 22) ______Windows é software aplicativo. 23)______O OS2 é Software aplicativo. 24) ____O Linux não é verdadeiramente um sistema operacional pois além de ser gratuito não é usado em PC.

25) _____O computador é composto basicamente por Placa Mãe, Dispositivos de Entrada, Dispositivos de Saída e Dispositivos de Armazenagem. 26)______ Uma placa mãe contém drives de disquete, processador, memórias, portas, barramento e slots de expansão. 27)______As portas estão localizadas para fora do gabinete são a interface de ligação dos periféricos com a placa mãe. 28) ______ As memórias de um computador podem ser do tipo RAM e ROM. 29) _______ As memórias RAM podem ser apenas lidas e jamais gravadas. 30) _______ As memórias ROM vem gravadas de fábrica ou da oficina. 31)_______A memória cache é usada para ajudar o processador no seu acesso a informações que estejam disponível na RAM. 32)______O monitor touch screen pode ser considerado dispositivo de entrada e saída. 33)_______ As teclas digitadas num teclados são enviadas para a BIOS e daí para o processador. 34)______Os monitores podem ser do tipo CGA, EGA, VGA e Super VGA. 35)______Quanto menor o dot pit de um monitor maior é a resolução do mesmo. 36)_______O mouse pode possuir dois botões ou 3 botões. 37)_______As Webcams são conectadas num computador por uma porta. 38)________O scaner pode ser de mão ou de mesa. 39)________ Uma impressora é um dispositivo de entrada. 40)________A nitidez de um trabalho impresso pode ser medido por uma unidade chamada dpi. 41) ______Nos monitores SVGA o dot pit situa-se entre 0,26 mm e 0,39mm. 42) ______ Cristal líquido é um tipo de tecnologia de construção de monitor. 43) ______ Um monitor SVGA tem dot pitch maior que um monitor VGA.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

51

44) ______Uma impressora de 300dpi não é capaz de imprimir um texto. 45)_______kbps é uma unidade de taxa de transmissão. 46)______ kbps quer dizer kilobyte por segundo. 47)______ 1Mb possui 1024 x 1024 bytes. 48)______ O ENIAC foi desenvolvido dentre outros pelo exército norteamericano. 49)______ Um software básico jamais é transformado em linguagem de máquina. 50)_______Uma impressora a laser não usa tinta líquida. 51) ______dpi é um acrônimo e quer dizer “dot per inch”. 52)_______Uma impressora a laser funciona de modo semelhante a uma copiadora. 53)______O tamanho dos discos flexíveis hoje é 2 ½”. 54) ______A gravação em um disquete é feito de forma magnética. 55)______A gravação em um CD-ROM é feita de forma magnética. 56)______Um pendrive é um tipo de armazenador de informação. 57)______O tipo de memória chamada FLASH é usada no PEN DRIVE. 58)______ HD é um acrônimo que quer dizer HARD DRIVE. 59)_______Winchester é a outra forma de se chamar o HD. 60)_______O HD fica fixado geralmente na placa mãe por meio de parafusos. 61)______ O Alumínio o óxido de ferro são produtos utilizados na construção de um HD. 62)______Quando um HD é contaminado por poeira pode surgir um bad block. 63)_______ A capacidade dos HD’s é medida através da unidade de medida da capacidade das unidades de disco de um computador que é o Hertz. 64)_______ O HD utiliza discos magnéticos montados internamente em um eixo de rotação comum (splindle motor) de 3600/5400 rpm e tem uma performance muito melhor que a dos drives de disquete. 65)_______O drive é a peça responsável por receber os disquetes (ou CD’s ) para que possa ser feita a leitura dos mesmos

no computador. São também fixados no chassi do gabinete em sua parte interna e parafusados 66)_______Drive é o mesmo que driver. 67)_______O Disquete de 3.5 “ possui capacidade de armazenamento de 1,44 Mb e pode ser chamado também de disco flexível. 68)_______O Processamento de Dados é realizado em 3 etapas. A Primeira etapa é chamada de entrada, a segunda processamento e a terceira saída. 69)_______As Memórias Principais são a RAM (Random Access Memory), utilizada pelo computador para a leitura de dados,e ROM (Read Only Memory), que é a memória responsável pela execução dos programas do computador. 70)_________Uma das principais características da memória RAM é ser uma memória que não depende de energia para funcionamento. 71)_________A Memória Cache não pode ser considerado um componente físico. 72)________O disquete de 3,5” é um periférico de entrada e saída de dados. 73)________Um bad block é um defeito físico na superfície magnética de um HD, normalmente causado pelo choque de partículas de poeira ou desgaste da mídia. 74)_________Para o funcionamento adequado do computador, a quantidade de memória RAM a ser instalada deve ser dimensionada em função do tipo de operações/processamento que ele deverá executar. O conteúdo armazenado na memória RAM é perdido quando o computador é desligado. 75)_________Uma das características da memória ROM é a inicialização de um sistema operacional que se dá através do BOOT. 76)_________ A placa mãe possui um item chamado de barramento que liga os diverso componentes do computador à CPU.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

52

77)_________ A ULA é responsáveis pelo controle de periféricos no computador. 78)_________A UC faz cálculos de forma a permitir os registradores a registrar os resultados intermediários entre um processamento e outro. 79)_________A unidade Clock de computado é Hz. 80)________Dois computadores tem a mesma CPU , porém configurados pra barramento de 32 bits o primeiro e 64 bits o segundo. Podemos dizer que o segundo por ter necessidade de transportar mais informação pode chegar a ser mais lento? 81)_______Os slots são locais onde se pode encaixar novas placa no computador quando se deseja fazer uma expansão. 82)_______ As memórias não tem conexão com o barramento. Acerca de software e hardware, julgue o item 83. 83)________ O scaner e o software a ele associado permitem digitalizar informações impressas em papel e armazenar os dados obtidos nesse processo em arquivos, que podem, por exemplo, ser utilizados na construção de páginas web. 84)________ Placa mãe se liga às memórias através do barramento. 85) ________ A memória ROM não se liga ao barramento. 86)________ Os slots de expansão podem receber placas que melhorem performance do computador.

87)________ A fonte alimenta o computador através do barramento. 88) _______ A memória cache apaga-se com o desligar do computador. 89)________A memória RAM não se apaga quando desligamos o computador. 90)________ A memória ROM se apaga quando desligamos o computador. 91) _______ A memória BIOS pode se pagar quando desligamos o computador. 92) ________A BIOS não se conecta ao barramento. 91)________A fonte alimenta o barramento com a voltagem de 220V ou 110V. 92) ________ Pelo barramento não circula bytes, somente bits. 93) ________kbps é unidade de taxa de transmissão de dados digitais em redes de computadores. 94)________Pode-se medir a quantidade de dado gravado num HD com a unidade MB/s. 95) ________DVD é dispositivo de armazenagem óptico. 96) ________ Mother Board é o mesmo que placa mãe. 97)________ Main board é o mesmo que placa de vídeo. 98)________ RISC e CISC são tecnologias de HD. 99) ________ SCSI e IDE são tecnologias de fabricação de processador. 100)_______Existe pendrive de capacidade de 1000 GB.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

53

CAPÍTULO 5 – Ligando o PC.

5

Não vamos perder tempo nessa parte do curso. Vamos ao que interessa: como ligar usar o computado e o que tem por trás desse ligamento e uso? Assim, para podermos carregar o sistema operacional, devemos ligar o computador, porém, após ligá-lo e antes de carregar o sistema operacional, acontece duas coisas: o autoteste e o boot.

3.1 O Boot ( = POST + Carregamento do SO).
Ao ligar o computador, nada de importante parece acontecer durante alguns segundos. Na verdade, ele está passando por um complexo conjunto de operações para verificar se todos os componentes estão funcionando de acordo e avisar se algo não está indo bem. Esta operação é a primeira etapa de um processo um tanto complicado, chamado de partida (boot-up), ou simplesmente, boot. Num PC, este processo é necessário porque a máquina precisa ter uma forma de despertar todos os seus componentes e assim carregar o sistema operacional sem problemas. O computador pessoal não pode fazer nada de aproveitável se não possuir um sistema operacional (o programa que permite ao PC utilizar os demais programas). Mas antes de executar o sistema operacional, o PC precisa de uma forma de carregá-lo na memória de acesso aleatório (RAM). Esta forma é conhecida como bootstrap, ou apenas boot, um pequeno código que faz parte permanente do PC. O bootstrap possui este nome porque permite que o PC execute algo por si só, sem o auxílio de um sistema operacional externo. Na verdade, a operação de boot não faz muita coisa. Ela possui somente duas funções: I) executar o POST ou Autoteste inicial (descrito anteriormente) antes de o PC tentar carregar um sistema operacional, ele precisa ter certeza de que todos os seus componentes estão rodando e que a CPU e a memória estão funcionando corretamente. Este é o trabalho do Autoteste inicial ou POST (power on self test). II) pesquisar as unidades de disco para o sistema operacional – Ao terminar o POST , inicia-se o processo de leitura dos arquivos do sistema operacional e a cópia destes arquivos para a memória de acesso aleatório (RAM).

Informática Aplicada – Prof. Jansle

54

Na seqüência, o sistema operacional encarrega-se de tarefas um pouco mais complicadas, que o código de boot não consegue gerenciar sozinho, inclusive a de fazer o equipamento interagir com os programas.

3.2 A seqüência de operações no Boot.
1º - Ao ligar o PC, um sinal elétrico segue um caminho até a CPU para limpar os dados remanescentes dos registradores internos do chip do processador. O sinal reinicia um registro que indica ao processador o endereço da próxima instrução a ser executada que neste caso de ligar o micro é endereço de início de um programa de inicialização (boot) armazenado permanente no endereço da memória ROM. 2º - A CPU utiliza o endereço citado em “1º-” para ativar o programa de inicialaização da BIOS na ROMBIOS (BIOS), o que por sua vez ativa uma série de verificações do sistema, conhecidas como auto-teste ou POST. 3º - NO POST a CPU verifica primeiramente a si mesma e ao programa POST lendo códigos em várias posições e comprando-as com registro idênticos permanentes. 4º- Para executar o POST a CPU envia sinais através do barramento para garantir que todos estão funcionando testando-os todos. 5º - Assim é testada a memória contida na placa de vídeo e os sinais de vídeo que controlam o monitor. 6º - Em seguida, faz com que o código BIOS da placa de vídeo passe a integrar o BIOS total do sistema e da configuração da memória. É neste ponto que começamos a ver alguma coisa no monitor de vídeo. 7ª - Na seqüência age-se sobre os chips da memória RAM. Nesse caso, a CPU escreve dados em cada chip, em seguida os lê e compara com os dados enviados aos chips inicialmente (um balanço da quantidade de memória que está sendo verificada aparece no monitore durante o teste). 8º - Em seguida o teclado pe testado. Há a verificação se o cabo está conectado corretamente ou se há teclas acionadas. 9º - Após, o POST envia sinais para as unidades de disco e espera respostas para determinar quais as unidades estão disponíveis. 10º - Por fim os resultados de todos os teste feito pela BIOS são aprovadas e o processo de carregamento do Sistema Operacional a partir dos discos para a memória prosseguir.

3.3 Porque Boot ao invés de carregar de imediato o SO ?
Por que os PCs usam esse tipo de método? Por que não integrar o sistema operacional no PC? Alguns computadores mais especializados ou mais básicos o fazem. Os primeiros modelos, utilizados principalmente para jogos, como
Informática Aplicada – Prof. Jansle

55

Atari 400 e 800, e o recente palmtop LX95 da Hewlett-Packard possuem um sistema operacional permanente. O LX95 inclui até mesmo um aplicativo, o Lotus 1-2-3, num microchip especial. Mas, na maioria das vezes, o sistema operacional é carregado do disco por dois motivos: a) É mais fácil atualizar a versão do sistema se este for carregado através de disco. Quando uma empresa como a Microsoft (fabricante do MS-DOS, WINDOWS-95, XP, ME, 98, sistemas operacionais mais utilizado em PCs) deseja acrescentar novos recursos ou eliminar erros de programação (bugs), ela simplesmente lança um novo conjunto de discos com a nova versão. Às vezes, somente um único arquivo é inserido para corrigir uma falha no sistema operacional. É mais barato para a Microsoft distribuir disquetes ou CD-ROMs do que projetar um microchip que contenha o sistema operacional. E bem mais fácil para os usuários instalar um novo sistema operacional em disquetes do que trocar chips. b) Outra razão para se carregar o sistema operacional a partir de discos é permitir que o usuário possa escolher o sistema. OBS.: Na configuração de alguns PCs, pode-se até definir qual sistema operacional será utilizado toda vez que se liga o computador. SIMULADO II SÉRIE DE EXERCÍCIOS TIPO “CERTO OU “ ERRADO” CAPÍTULOS 2, 3, 4 e 5 01)_______ Os dispositivos I/O podem ser pertencer ao próprio PC ou serem equipamentos comprados separados que chamamos de periférico. 02)_______ Existem dois tipos básicos de teclados: captativos e o de contato . Os ce contato se desgatam mais lentamente. 03)_______ Além dos monitores tradicionais temos os monitores de cristal líquido (LCD) sendo monocromáticos ou coloridos e são grandemente utilizados em notebooks ou similares devido ao baixo consumo de energia e porém não existem aparelhos de televisão LCD. 04)________ Sobre webcam: o tipo de conexão utilizada com o computador geralmente é do tipo USB. 05 )_______ Uma impressora é um dispositivo I/O. 06) _______ As impressoras são tipicamente classificadas quanto à escala cromática (em cores ou em preto-e-branco), páginas por minuto (medida de velocidade) e tipo. 07) _______ Uma impressora de impacto é uma impressora que recorre principalmente a processos mecânicos para imprimir em papel. 08) ______ Um computador de uso pessoal pode ser desmontado e trocada a placa mãe. 09) ______ São conhecidos fabricantes de memórias flash são: Kingston, Corsair, SanDisk, HP, Sony, Markvision, Extralife , LG e Ford 10)_______ Alguns modelos de pendrive podem reproduzir música MP3 e sintonizar FM, nesse caso devem usar pilhas. 11) ______ Os pendrives também vem começando a ser chamado de disco sólido pelo grande futuro que tem pela frente, já que além de ser muito mais resistente que os discos rígidos atuais, apresenta menor consumo, maiores taxas de transferência, latências e peso muito mais baixos.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

56

12)______ Atualmente temos dois padrões principais de Hard-Disk: a tecnologia IDE e a tecnologia SCSI. 13) _____ Os teclados jamais são conectados por portas OS/2. 14)_____ Um processador Pentium de 1400MHz não é o mesmo que um processador de 1,4 GHz. 15) _____ As placas mãe mais modernas possuem conectores serial, paralelo e USB ligados diretamente à placa mãe. 16)_____Conectores podem ser considerados o mesmo que portas. 17) _____Os programas (software) compilados em processadores de tecnologia CISC tem instruções de comprimento de byte variável. 18) _____ Os chips RISC dissipam menos calor e rodam a freqüências de clock maiores que os chips CISC. 19) _____ O processador fica encaixado no socket devendo observar que uma placa-mãe não aceita qualquer tipo de processador, pois é desenvolvida para modelos específicos.. 20)_____ Bios é um tipo de chip tipo Flash-ROM que contém um pequeno software (256k) chamado BIOS (Basic Input Output System) que é responsável por controlar o uso dos dispositivos e mantem informações de data e hora. 21) ______ Memória Cache é uma pequena quantidade de memória estática de alto desempenho, tendo por finalidade aumentar o desempenho do processador realizando uma busca antecipada na memória RAM.. 22) ______A dita memória secundária pode ser de armazenamento óptico e de armazenamento magnético. 23)______ A RAM possui uma notável caracterítica: sua volatilidade. Uma vez que a fonte de alimentação do computador tenha sido desligada, todos os dados armazenados estarão perdidos. 24) ____O chip de BIOS é uma memória apenas de leitura, não-volátil. 25) _____O chipset faz a comunicação do processador com as memórias, portas (USB, paralela, PS2, serial, etc) com o Sistema operacional. 26)______ Chipsets são os chips responsáveis pelo controle de diversos dispositivos de entrada (input) e saída (output) como o barramento, o acesso à memória, o acesso ao HD, dispositivos on-board, comunicação do processador com a memória RAM e componentes da placa-mãe e o controle da ligação da fonte. 27)______ Em computação barramento é um conjunto de linhas de comunicação que permitem a interligação entre dispositivos, como o CPU, a memória e outros periféricos.. 28) ______ O desempenho do barramento é medido pela sua largura de banda (quantidade de bits que podem ser transmitidos ao mesmo tempo), geralmente potências de 2: 8 bits, 16 bits, 32 bits, 64 bits.. 29) _______ A velocidade de processamento (clock) é um dos itens que determina a capacidade ou "agilidade" da máquina, entretanto a quantidade de memória cache não é fundamental para a agilidade do processador.. 30) _______ As memórias podem ser principal, cache, virtual, secundárias ou de massa (auxiliares). 31)_______As portas mais em uso hoje em dia são: serial, paralela, PS/2 e USB. 32)______ Os slots estão soldados na placa mãe e são lugares onde se pode encaixar uma placa pra se fazer a expansão do micro. 33)_______ Na placa mãe, encontramos os Slots, que são “encaixes” que nos permitem que se “fixem” ao computador outras placas para o funcionamento de partes distintas da máquina, dentre eles os dispositivos de entrada e os de saída. 34)______ A porta USB foi desenvolvida por 7 empresas (Compaq, DEC, IBM, Intel, Microsoft, NEC e Northern Telecom) – OBS.: veja apostila.
Informática Aplicada – Prof. Jansle

57

35)______ Computadores equipados com USB permitem que os periféricos sejam automaticamente configurados assim que estejam conectados fisicamente, sem a necessidade de reboot ou programas de setup. 36)_______ A placa de vídeo é responsável por transmitir os sinais e convertê-los em imagem para que possa ser visualizada no Monitor de vídeo. 37)_______Sobre placa de som julgue as assertivas: A Placa de som, que geralmente faz parte de um Kit Multimídia ( Kit Multimídia é um pacote que contém: Drive de CD, Caixas de som e a Placa de som ), possibilita a execução de som no computador. É responsável pela saída e Entrada de Som no computador. 38)________Componentes off-board vem diretamente conectado aos circuitos da placa mãe, funcionando em sincronia e usando capacidade do processador e memória RAM quando se trata de vídeo, som, modem e rede. Tem como maior objetivo diminuir o preço das placas ou componentes mas, em caso de defeito o dispositivo não será recuperável. 39)________ On-board: são os componentes ou circuitos que funcionam independentemente da placa mãe e por isso, são separados, tendo sua própria forma de trabalhar e não usando o processador, geralmente, quando vídeo, som, modem ou rede, o dispositivo é "ligado" a placa mãe usando os slots de expansão pra isso, têm um preço mais elevado que os dispositivos on-board, sendo quase que totalmente o contrário em todos os aspectos do tipo on-board, ou seja, praticamente todo o processamento é realizado pelo próprio chip encontrado na placa do dispositivo. 40)________O Boot é um processo que se inicia com o que chamamos de POST , seguido pelo carregamento do Sistema Operacional.. 41) ______ Ao se ligar um micro, antes de o PC tentar carregar um sistema operacional, ele precisa ter certeza de que todos os seus componentes estão rodando e que a CPU e a memória estão funcionando corretamente. Este é o trabalho do Autoteste inicial ou POST (power on self test). 42) ______ Sobre o Boot, julgue: ao terminar o POST , inicia-se o processo de leitura dos arquivos do sistema operacional e a cópia destes arquivos para a memória de acesso aleatório (RAM).. 43) ______ Durante o POST, a CPU escreve dados em cada chip de memória, em seguida os lê e compara com os dados enviados aos chips inicialmente em meio a isso, um balanço da quantidade de memória que está sendo verificada aparece no monitor durante o teste.

Informática Aplicada – Prof. Jansle

58

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->