Você está na página 1de 27

PINTURA DECORATIVA

Natália Blanco

Além de estarem na moda e serem usadas como efeito decorativo, as pinturas


com estopa e com esponja também costumam disfarçar pequenas imperfeições da
superfície. Porém, o resultado das pinturas especiais depende basicamente da
preparação da parede a ser trabalhada.
As paredes com gesso ou pintadas, com a tinta em bom estado, devem ser
limpas com uma mistura de água, detergente e água sanitária. As fissuras ou
imperfeições precisam ser niveladas com massa corrida. Depois de seca deve ser
lixada e retirado todo o pó com pano seco.
Atualmente outros materiais são encontrados em lojas de material de pintura,
como por exemplo, massa para texturização (Van Blazter ou Coral) com areia de
quartzo que aplicada fornece uma aparência semelhante a casca de árvore. Estas
massas podem ser aplicadas diretamente sobre a parede com massa fina "sarrafeada"
e "curada" durante 30 dias no mínimo, eliminando a aplicação e lixamento de massa
corrida.
Reciclar móveis, além de uma tarefa bastante prazeirosa, é também ideal em
tempos mais escassos. Pinturas singelas não são mais privilégio das lojas de
decoração.
As madeiras precisam ser lixadas sempre na direção dos veios, ou ter vernizes
antigos retirados com produtos especiais como o Pintof. Por último deve ser limpa com
pano úmido para retirar todo o pó.
Já os metais precisam também ser lixados, lavados com removedor e receberem
uma demão de fundo para metais ou zarcão.
Embora o preparo da superfície seja trabalhoso, é uma etapa fundamental para
um resultado satisfatório.
Todavia nada se compara ao efeito verdadeiramente artístico que resulta da
aplicação de quaisquer das técnicas citadas a seguir.

TÉCNICAS DE TEXTURIZAÇÃO ARTÍSTICA

1) SPOGING-0N (ou esponjado) = é feito preferencialmente com esponja natural (a


de naylon não é muito adequada por ser muito uniforme, todavia podemos modificá-la
para obter um efeito parecido arredondando as beiradas, cortando as quinas com a
tesoura e retirando com os dedos alguns pedaços, formando buracos nela, maiores e
menores, em alto e baixo relevo por toda a face da esponja), batida na parede ou
madeira, usando uma só cor ou diversas. O efeito é um pontilhado suave e delicado,
esfumaçado, que permite, por exemplo, dar a idéia de "céu com nuvens" no quarto das
crianças. Se utilizarmos maior pressão ao "carimbar"a parede o efeito fica mais
acentuado, naturalmente.

2
2) AEROGRAFIA = feita com aerógrafo esta técnica pode ser executada a mão livre
ou com o uso de máscaras vazadas. Permite degradês com perfeição e imagens com
volumes, o que diferencia esta técnica do estêncil que sempre é "chapado". No
entanto a aerografia é uma técnica que exige uma grande prática para resultar num
trabalho bem executado.

3) ESTÊNCIL = usa-se uma matriz (máscara) de acetato ou papel-cartão com


motivos recortados, onde é passada a tinta. Pode-se usar rolinho, pincel, spray,
aerógrafo, esponja ou uma boneca de pano para reproduzir qualquer imagem com
uniformidade e sem relevo. É usado em móveis e paredes, compondo barrados ou
reproduzindo um mesmo desenho em toda a superfície. Usamos uma ou várias cores,
mas para cor é necessária uma máscara. Aplicado nas paredes para fazer barrados nos
rodatetos, rodapés, emoldurando janelas e portas e contornando lareiras. Utilizados
para dar bonitos efeitos nos móveis, tapetes, cortinas, toalhas de mesa e jogos
americanos.

4) DECAPÊ = trabalho em gesso, pó de mármore ou massa acrílica sobre madeira,


com pintura aplicada sobre efeito causado por lixamento com escova de aço.
Proporciona efeitos de envelhecimento, relevo e rachaduras. O decapê é uma técnica
bastante antiga, francesa, que foi criada para corrigir a superfície da madeira porosa,
com gesso. Atualmente utilizamos com massa corrida para dar uma aparência
envelhecida a objetos de madeira, cerâmica, gesso, parede, etc.O decapê é um
trabalho um tanto quanto parecido ao estriê. A pintura decapê rejuvenesce cadeiras
antigas. Com cores claras a madeira fica escondida sob demãos de massa e passa a
apresentar uma textura trabalhada.

5) ESTUQUE VENEZIANO = pode ser feito sobre qualquer superfície exceto piso.
Tem a aparência de envelhecimento semelhante às paredes de antigas construções
italianas que apresentavam relevos conseguidos com a aplicação de uma massa de
gesso, cola e tinta, espalhada com espátula em diversas camadas. Atualmente
utilizamos massa corrida para parede comum ou acrílica.Se o efeito desejado for o
policromado, cada camada leva uma cor. Depois de lixado o trabalho destaca a mistura
de cores ou de tons. É uma ótima técnica para ser aplicada em paredes com apenas
reboco ou com problemas de desnivelamento ou rachaduras.

6) MARMORIZAÇÃO = pode ser feita em qualquer superfície, desde que de


dimensões reduzidas, preparadas com massa fina e pintura à base de látex. Reproduz
a aparência do mármore, em todas as suas nuances, com o auxílio de pincéis
finíssimos e de penas de aves. A técnica é a mesma utilizada para simular o aspecto de
qualquer outra pedra como granito ou malaquita (pedra esverdeada com veios pretos).

3
São necessárias grande prática e sensibilidade do artista para que o efeito final seja
bem semelhante ao da pedra natural.

7) PÁTINA = a verdadeira técnica é feita com um preparado especial de nome


GLAZE, que lhe confere efeitos enfumaçados, com transparência, sobre qualquer cor,
seja ela uma cor nova ou não, aplicado com esponja marinha em suportes lisos. A
superfície adquire aparência antiga com sensação maior de profundidade. Esse estilo
de pintura reproduz as transformações que o tempo, a exposição à luz ou alterações
climáticas imprimem à pintura. Nesta técnica denominada PÁTINA podemos incluir
SATINÊ (pátina com veios ou também pátina lavada, tipo de acabamento que clareia a
madeira, mas deixa os veios à mostra. Moderniza uma peça de estilo), DRAGGING
(pátina com fundo), DECAPÊ (pátina com relevo), ESTONADO (pátina desgastada com
estilete que suaviza a aparência pesada dos móveis de madeira escura, contrastando
tinta branca sobre um fundo escuro) e DOURAÇÃO (um toque a mais à pátina com
fundo). O preparo caseiro do GLAZE é o seguinte: tres medidas de terebintina e uma de
óleo de linhaça. O GLAZE retarda a secagem da tinta e permite trabalhar mais a
técnica. Incluímos o DECAPÊ em PÁTINA, pois ambos proporcionam um efeito de
desgaste na peça de madeira. A principal diferença é a intensidade. Na pátina, a
pintura é suave e os veios da madeira ficam quase totalmente visíveis. Já no decapê,
as camadas são mais espessas.

8) RAGGING (lê-se ráguim) = é uma técnica de retirada de tinta (seja ela látex,
acrílica, esmalte, óleo ou GLAZE), utilizando tecido, jornal ou plástico. O efeito
alcançado é o de manchas carimbadas. Com o uso do jornal por exemplo, a mancha é
mais seca. Se for usado pano, é mais delicada tanto quanto for a textura do tecido.

9) RAGGING-ROLLING = é uma variante da técnica anterior, feita com uma trança


de tecido, rolada de baixo para cima e vice-versa, conferindo à superfície o efeito de
listras manchadas.

10) TROMPE-L'OEIL (lê-se trompilói) = como o próprio nome diz é uma técnica
que "engana os olhos". Tem efeito tridimensional, com profundidade, conseguido pelo
domínio perfeito do conhecimento de perspectiva em desenho e grande habilidade do
artista para tirar partido das cores e atingir efeitos de luz e sombra. Nessa técnica onde
é exigida boa noção de desenho e pintura, o resultado pode ser uma verdadeira obra
de arte. É possível criar elementos que na verdade não existem como uma janela
aberta para o jardim, um tapete, colunas sustentando o arco da sala, uma porta na
parede vazia. Vale usar tinta acrílica, aquarela ou a óleo. De origem grega, sua fase
áurea foi no Renascimento, quando Michelângelo fez uso dele em célebres afrescos
como os da Capela Sistina. As técnicas de imitação de mármore ( faux marbre ),
madeira ( faux bois ), ônix, granito e malaquita são trompe-l'oeil. Tais efeitos, entre
diversas outras técnicas de pintura, são conseguidos com glacis à óleo (mistura de
terebintina, óleo de linhaça, secante e tinta a óleo em bisnaga) ou glacis `a base de

4
água (água misturada a pigmento em pó, vinagre branco e cerveja). Após a aplicação
do glacis, passa-se o pincel seco para suavizar os traços e caracterizar os veios do
efeito mármore. SFESP

11) ESTRIÊ = este trabalho feito em tons claros, deve ser executado em linhas
verticais. Após a colocação da tinta passamos o lado áspero de uma esponja "Scoth
Brite" na vertical. Aparecerão estrias, obtidas pela transparência da madeira. Dá um
efeito muito bonito em madeiras. A diferença com o decapê é que na técnica de estriê
não é usada massa corrida.
AP

12) CLAREAMENTO DE MADEIRAS = técnica aplicada sobre madeiras cuja


aparência final é bem clara, após o uso de alguns produtos químicos.

13) TÊMPERA = o aspecto final é semelhante ao estriê. É uma pintura executada


sobre a madeira crua. Se utilizadas cores pastéis o efeito se torna mais bonito. Sobre
ela podemos aplicar estêncil.

14) CORROSÃO = A corrosão conseguida através da aplicação de ácido próprio ,


sobre folha de ouro, cobre ou prata, fornece um efeito de envelhecimento. Sobre esta
corrosão podemos aplicar decóupage. Esta técnica pode ser feita sobre metal,
cerâmica, gesso, parede e madeira.

15) POLICROMIA = É a arte de misturar e multicolorir. A Policromia pode ter ou não


textura. O betume sombreia a cor em algumas regiões, e imprime efeitos de manchas,
marcas e riscos.

APLICAÇÃO DAS TÉCNICAS

Algumas medidas podem evitar perda de tempo e de material. Se for feito um


teste preliminar sobre um pedaço de eucatex, onde deve ser aplicada a técnica
escolhida, proporcionará visualizar o resultado final do trabalho. Algumas técnicas
podem ser executadas a quatro mãos desde que sejam muito bem treinadas antes. Na
hora de fazer efeitos com papel ou plástico o resultado final será variado se uma
pessoa exercer mais pressão do que a outra. Sobre a consistência da tinta é bom

5
observar que quando muito líquida, escorre e estraga o que já foi feito, principalmente
usando esmaltes sintéticos ou óleos; quando muito consistente, impede a boa
execução do trabalho. Proteja bem móveis, portas, janelas e piso contra os respingos
de tinta. Se a parede recém pintada sujar antes do prazo de 20 dias, que é o ideal para
a perfeita aderência das técnicas, esperar transcorrer este prazo para depois
providenciar a limpeza. O verniz ECOLAC da CORAL, é um verniz acrílico,à base de
água, incolor. Dá um leve brilho ao trabalho na parede e facilita a limpeza. Todavia, não
dá muito maior durabilidade, Aplicar somente após 3 dias de finalizada a texturização.
Em duas demãos,com revólver, rolo de pintura de pelo de carneiro (pelo baixo) ou
trincha larga macia.
Efeitos diferentes podem ser obtidos se a tinta for aplicada na parede com rolo
de espuma macia que foi amarrada com elástico, ou com barbante em diversos pontos,
seja reto, dividindo o rolo em partes iguais, ou na diagonal.

ESTÊNCIL = 1) Desenhe a figura que pretende reproduzir em uma folha de


acetato grosso ou papel cartão, de preferência plastificado ( papel duplex ou triplex).
Escolha formas simples.
2) Recorte a parte interna da figura com um estilete pequeno, para
obter o molde.
3) Fixe o molde no local escolhido, com fita crepe. Preencha a
parte vazada com tinta acrílica, com tinta látex (colorida com corante ou com tinta
acrílica ou com tinta de tecido) ou tinta de artesanato. Utilize para isto pincel, esponja,
boneca de pano ou spray.
4) Transfira o molde apenas depois da pintura pelo menos um
pouco seca, para evitar borrões, mesmo pequenos, repetindo a operação até completar
o barrado.
5) Antes de aplicar a tinta sobre o estêncil, é conveniente testar
sobre um pedaço de cartolina. Se escorrer é porque está muito diluída.
6) Tenha uma reserva de tinta com a mesma cor do fundo da
parede para retocar a pintura básica caso escorra a tinta aplicada em estêncil.
7) A tinta látex é a melhor absorvida quando aplicada em estêncil
evitando escorridos por baixo da máscara.
8) Dê preferência a figuras grandes e recortadas sem deixar
rebarbas ou saliências.
9) Um material econômico para substituir o acetato, é a chapa de
raio-x limpa com cândida.
10) Se quiser aplicar a técnica de estêncil com tinta em spray ou
aerógrafo, use aparas de papel cartão ou papelão para dirigir o jato de forma mais
precisa e evitar respingos fora dos limites do desenho.
11) Limpe eventuais borrões com um pano de malha embebido em
aguarrás e só depois continue a pintura.
12) Restos de tinta podem estragar o próximo trabalho. Para evitar
que isto aconteça, limpe as máscaras com uma mistura de terebintina e aguarrás,
esfregando em seguida com sabão de coco. Enxagüe e enxugue bem.

6
13) Inicie a pintura em pedaços menos visíveis da parede. Assim
possíveis imperfeições não saltarão tanto aos olhos e voce estará pegando mais prática
na execução.

FALSO ESTÊNCIL = 1) Podemos desenhar um modelo diretamente na parede. Para


isto utilizar lápis aquarela num tom mais claro do que o tom da tinta que utilizaremos
para pintar o espaço do desenho.
2) Pintar a área interna do risco.

OUTRO FALSO ESTÊNCIL = 1) Se quiser, pinte a parede com o efeito manchado ou


com o ragging ou com o esponjado. A seguir desenhe o motivo escolhido diretamente
na parede, com traços fortes, com lápis aquarela.
2) Pinte internamente com o lápis aquarela criando nuances
variadas, dando efeitos de luz e sombra.
3) Com cotonete e estopa umedecidos em água, esfumace
suavizando os traços feitos com o lápis. Deixe secar.

ESTÊNCIL EM RELEVO COM FOLHA DE OURO =


1) Prenda bem o estêncil na área que deseja fazer a borda. Fixe da
melhor forma possível.
2) Aplique com espátula de plástico flexível, a massa acrílica para
parede sobre o estêncil, que deverá ser retirado antes que a massa seque. Deixe secar
muito bem.
3) Aplique sobre os relevos, verniz acrílico para concreto aparente o
que ajudará a dar maior durabilidade .
4) Quando seco ajustar novamente a folha de estêncil sobre os
relevos e aplicar verniz mordente sobre a área do desenho. Aguarde alguns minutos.
5) Aplique a folha de ouro. Esfregue com um algodão seco para
aderir o ouro ao verniz mordente.
6) Impermeabilize a folha de ouro com verniz acrílico para concreto
aparente.
7) Se quiser envelhecer utilize um paninho em betume, esfregando
bem.

IMITAÇÃO DE RÁDICA SOBRE MADEIRA = 1) A madeira deve estar crua e lixada.


Passe duas demãos de tinta látex branca e deixe secar.
2) Aplique duas demãos de goma-laca indiana intercalando
secagem de 1 hora. A seguir aplique uma demão de betume da Judéia no sentido dos
veios da madeira. Vale lembrar que os pincéis devem ser limpos conforme orientação
dos fabricantes dos produtos.

7
3) Faça movimentos circulares sobre o betume com chumaço de
algodão ou boneca de tecido antes que ele seque, virando para a direita em
movimento de meia-lua para obter efeito de nó de madeira, imitando a rádica.
4) Repita a operação a cada 15 cm pois o betume seca
rapidamente. Deixe secar por 6 horas.
5) Passe uma demão de goma-laca, que impermeabiliza e dá efeito
de verniz.
6) Esta técnica se executada sobre placas de madeira poderá
depois ser presa à parede em faixas, por exemplo.

ESTUQUE VENEZIANO = Se a parede estiver descascando, lixar com uma escova de


aço. Nunca se deve trabalhar em paredes com umidade sem antes corrigir o problema.
Para calcular o consumo de massa corrida levamos em conta que para cada metro
quadrado são necessários dois litros de massa. Só aplicar em uma parede, a menos
que o ambiente seja muito grande. No quarto, por exemplo, aplicar somente na parede
da cama 1) Podemos
utilizar uma mistura de gesso, cola branca (1/3), água e tinta (corante líquido, ou em
pasta ou em pó), que seria a aplicação de uma técnica mais antiga, ou massa acrílica
e corante. Escolha a cor de fundo. A mistura com massa acrílica é a mais adequada
pois não seca tão rapidamente dificultando o trabalho.
2) Mistura a massa acrílica com o pigmento formando uma pasta.
3) Aplique uma demão sobre a parede com uma desempenadeira
de aço sempre em movimentos circulares, sem deixar uma camada exageradamente
alta. Deixar secar conforme orientação da embalagem. Podemos parar e continuar no
dia seguinte. O trabalho com espátula ou desempenadeira apresenta resultados
diferentes, dependendo do movimento que se põe no braço.
4) Sobre este fundo, "manche" a parede com a massa acrílica em
outra cor, sempre em movimentos circulares.
5) Espere secar e aplique outra cor se desejar. À medida que as
camadas se sobrepõem, os desenhos e manchas se formam naturalmente.
6) Em seguida, pinte tudo com uma camada fina de tinta látex em
tons bens neutros e claros adicionando mais água ao látex e sem encharcar o pincel
( trincha larga), deixando quase transparente. Esta etapa pode ser pulada conforme
gosto pessoal. Deixe secar.
7) Se no final as cores de baixo ficarem escondidas, raspe algumas
partes com lixa d'água grossa. Como a massa já é aplicada colorida, resultarão bonitos
efeitos de cores.
8) É possível conseguir efeitos diferentes na aplicação da massa
corrida, dobrando as bordas menores da desempenadeira para cima.
9) Se preferir dê acabamento com verniz spray sobre o trabalho
seco. Ou com verniz
acrílico para concreto aparente. FSP

8
VARIAÇÃO PARA ESTUQUE VENEZIANO = 1) Passar massa corrida com espátula
larga, seja de metal ou plástica, com movimentos zig zag ou circulares, deixando
camada grossa
2) Após seca (24 horas), passar duas demãos de tinta látex branca.
Aguardar secagem de 4 horas.
3) Pegar uma estopa e molhar no GLAZE e em seguida na tinta
esmalte, sem encharcar, e ir passando aos poucos na superfície, em movimentos
circulares. A tinta já deve ter sido diluída em aguarrás deixando bem aguada. O Glaze
retarda a secagem para trabalharmos bem.
4) Fazer uma parede toda de uma só vez. Senão dá emendas.
5) Quando estiver quase secando, pegar um paninho seco e ir
passando para criar claros e escuros limpando alguns lugares mais que outros para dar
efeito.
6) Proteger com verniz acrílico para concreto aparente.
epda

OUTRA VARIAÇÃO PARA ESTUQUE VENEZIANO = 1) Aplicar a massa corrida


diluída com aguarrás na proporção de 1 de massa para 3/4 de aguarrás. Usar broxa
retangular para a aplicação, tendo o cuidado de espalhar a massa uniformemente, mas
deixando relêvo.
2) Sobre ele e sem deixar secar, aplique imediatamente, pinceladas
com trincha, de uma ou mais cores. Pinceladas curtas, de mais ou menos 6 cm de
comprim.
3) Trabalhar a demão de produto com uma espátula ou
desempenadeira, de acordo com o movimento desejado.
4) Limpe a espátula ou desempenadeira seguidamente, de forma
a evitar a mistura de cores ou o acúmulo de produto que podem aparecer após a
secagem, raspando-a na lateral de uma placa de madeira.
5) O ideal é que a aplicação seja feita por duas pessoas, uma
aplica com a broxa retangular, o outro passa a espátula a seguir.

ESTUQUE FLORENTINO = 1) O estuque florentino dá uma aparência mais suave do


que o veneziano.
2) Coloque um pouco de massa corrida acrílica sobre um azulejo e
com uma espátula de plástico pegue pequenas quantidades e aplique grosseiramente
na parede num constante vai-e-vem (zig-zag). Deixe secar.
3) Dilua tinta esmalte acetinado na cor escolhida com aguarrás e
aplique sobre os relevos de massa corrida, dando batidinhas com esponja de espuma
macia. Alguns pontos devem ficar mais escuros outros mais claros. Não deve estar
diluída em excesso para não escorrer.
4) Se quiser, após a secagem, lixar de leve alguns pontos,
aparecendo assim o branco da massa corrida.

9
VARIAÇÃO PARA ESTUQUE FLORENTINO = 1) Tingir a massa corrida com corante
para látex ou com anilina em pó. Para misturar bem mexer com as próprias mãos.
2) Aplicar com espátula ou desempenadeira com o movimento
escolhido.
3) Se for do seu agrado espere secar bem, aplique pinceladas
estratégicas de verniz mordende, e quando ficar grudento, coloque folha de ouro ou
cobre ou prata, alisando suavemente com pincel seco.
4) Para proteger aplique verniz acrílico para concreto aparente.

FALSO MÁRMORE TRAVERTINO = Os veios dos mármores são sempre


descontínuos e angulosos, ora grossos, ora finos, no sentido diagonal, imitando a
natureza. Para imitar rachaduras, utilize um cotonete com aguarrás, que também pode
ser usado para fazer veios. Tenha como modelo um pedaço de pedra de mármore
natural e respeite o padrão dosveios. .
1) Prepare tintas separadamente = a) esmalte sintético alto-brilho MARFIM. b) esmalte
sintético alto-brilho BRANCO misturado a outra quantidade de Marfim para clareá-lo,
para que algumas áreas fiquem mais claras e outras mais escuras. c) esmalte
sintético MARROM ESCURO. Se as tintas começarem a engrossar soltá-las com um
pouco de aguarrás.
2) Respingue algumas gotas de tinta marrom em toda a superfície
mas sem exageros. Pincele em seguida, de cima para baixo, tinta marfim e marfim-
claro, com pincel largo, mesmo sobre os respingos escuros.
3) Embeba estopa em aguarrás e vá passando sobre as manchas
com movimentos arredondados para deixá-las fluidas.
4) Suavize as manchas com um pedaço de tecido de uma camiseta
branca velha como se fosse um mata-borrão.
5) Prepare um tom mais escuro de tinta e aplique com pincel
menor em sentido diagonal para imitar os veios de mármore. É conveniente ter um
pedaço de mármore verdadeiro para sua orientação.
6) Pegue uma folha de papel sulfite, enrole, amasse (deve formar
uma cobrinha) e suavize os veios com ela, girando-a de leve sobre a tinta escura. Vá
trocando de papel conforme encharque de tinta.
7) Suavize ainda mais com a estopa já umedecida levemente em
aguarrás.
8) Em seguida molhe um cotonete na aguarrás e desenhe
rachaduras quase que retirando a tinta que fica ao lado dos veios escuros.
9) Use um pedaço de estopa e de malha para cada cor de tinta.
10) Use ainda um pincel fininho para fazer outras linhas. Poderá
suavizá-las usando uma pena de ave.
FF

MÁRMORE CARRARA = Para madeira, gesso, cerâmica, louça vitrificada, piso,


metal. Sempre preparar adequando ao tipo de suporte que será utilizado. No piso o
que dará durabilidade ao trabalho será o verniz que aplicar no final. Se a durabilidade
do synteko é de 8 anos, o trabalho durará 8 anos.

10
1) Lixar bem e retirar o pó. Passar uma demão de goma-laca.
Aplicar massa corrida se for necessário corrigir as imperfeições. Deixar secar.
2) Lixar bem e aplicar goma-laca. Deixar secar. Lixar novamente.
Deixar bem lisinha.
3) No piso para corrigir as imperfeições, usar massa à óleo no
lugar de massa corrida. Depois também passar goma-laca.
4) Passar tres demãos de látex branco com secagem entre elas.
Se quiser dar um efeito num pé de vaso, por exemplo, pintar com esmalte preto fosco
ou brilhante. Em duas demãos. Para continuar o trabalho isolar esta área com plástico.
5) Passar 1 demão de goma-laca incolor sobre o látex branco seco.
6) Para pintar = colocar em pratinhos de alumínio, GLAZE ( que dá
maleabilidade e mais tempo para executar o trabalho de efeito mármore), tinta esmalte
acetinado na cor desejada (para mármore carrara é o cinza claro) e aguarrás.
7) Pegar um pedaço de estopa, molhar no Glaze, sem encharcar,
depois a pontinha no esmalte e ir pintando a peça, esfregando e esbatendo. Ir
manchando a peça, batendo a estopa. Para que não fiquem as marcas da estopa,
passar o pincel Sofner (que é super macio, branco, parecendo quase ter algodão na
ponta) ou pincel de maquiagem, alisando levemente por todos os lados.O melhor é
trabalhar em dias mais frios ou pela manhã, para não secar depressa.
8) Sem esperar secar, pegar outra estopa úmida apenas com
aguarrás e fazer marcas ora formando linhas, ora círculos. Alisar com pincel Sofner
para suavizar.
9) Com cotonete seco, afinar os veios para conseguir outros e
suavizar com o Sofner.
10) Fazer um SPETRING = com uma brochinha redonda dura,
molhar em aguarrás, retirar o excesso num jornal e espirrar com a ajuda do dedo,
raspando sobre as cerdas, na direção da peça. Em seguida alisar com o Sofner.
11) Após aguardar secagem de dois dias, passar verniz acrílico
para concreto aparente ou verniz poliuretano, ou synteko se for piso.

MARMORIZAÇÃO ( VARIAÇÃO DO EFEITO ) = 1) Passe látex acrílico branco ou


levemente colorido, na parede ou coluna para realizar um fundo de base.
2) Use um pincel macio para colocar pontos de tinta na coluna. E
com o auxílio de uma estopa, embebida em aguarrás, espalhe esses pontos. Tinta
esmalte sintético.
3) Com a mesma estopa vá arrastando a tinta formando fios
(desenhando os veios do mármore). Para retirar todos os sinais é só bater a estopa
úmida em aguarrás nas regiões marcadas.
4) Utilize um cotonete umedecido em aguarrás para fazer riscos
brancos insinuando trincas no sentido contrário aos veios.
5) Com um giz pastel oleoso marque pontinhos na coluna e
espalhe-os com a ponta do dedo. Insinuarão defeitos naturais do mármore.
6) Finalize usando verniz acrílico (à base de água) aplicado com
rolo de espuma.

11
MARMORIZAÇÃO COM EFEITO FANTASIA = Imita os desenhos do mármore, mas
não suas cores. Indicado para trabalhos em paredes, colunas e peças de gesso.
1) Pinte a parede de branco com tinta látex. Deixe secar.
2) Com um pincel redondo macio médio, pincele alguns pontos,
intercalando, com pó xadrez amarelo e vermelho. Pó diluído em água.
3) Com esponja de louça, crespa, umedecida em água,mescle os
pós xadrez e vá alternando movimentos circulares e batidinhas para imprimir a textura
da esponja. Os veios se formarão. Deixe secar.
4) Após 24 horas, aplique verniz poliuretano ou verniz acrílico ou
goma-laca, usando trincha.

MARMORIZAÇÃO COM EFEITO NATURAL = Reproduz mais fielmente as cores


encontradas nos diversos tipos de mármores encontrados na natureza. Indicado para
paredes, lareiras, móveis e peças pequenas.
1) Aplique um fundo branco com tinta esmalte branco acetinado e
deixe secar.
2) Lixe e aplique duas demãos de tinta grafite. Após 24 horas,
misture tinta à óleo para tela na cor verde oliva com amarelo de cádmio e algumas
gotas de terebintina e aplique na peça com um pedaço de plástico, dando suaves
batidinhas sobre o fundo grafite.
3) Não espere secar. Suavize a pintura ainda úmida com esponja
crespa. Dê umas batidinhas. Dilua a tinta a óleo branca em terebintina e, com o pincel
roliço fino, trace veios na diagonal. Matize com uma trincha seca e bem macia.
4) Deixe secar por 24 horas. Depois, com a trincha, aplique verniz
poliuretano, dando o brilho e o aspecto de polimento característico do mármore. Duas
demãos.

EFEITO ESPONJADO SOBRE MADEIRA COM FILETES DOURADOS =


1) Lixe bem a peça e remova todo o pó com pano úmido. Deixe
secar.
2) Aplique com pincel chato duas demãos de tinta látex branca
intercalando secagem.
3) Use um pincel chato e passe uma demão de tinta acrílica para
artesanato branca, obtendo assim a cor de fundo. Deixe secar.
4) Pegue uma esponja macia sintética de banho e faça cavidades
nela. Se preferir utilize uma esponja de algas naturais que dispensa esta providência.
5) Com a esponja aplique tinta acrílica na área branca. Trabalhe de
modo a não cobrir tudo. Deixe transparecer a cor de fundo e não deixe camadas altas
de tinta. Se necessário dilua mais a tinta.
6) Prepare a tinta dourada = misture purpurina ouro com um pouco
de goma-laca. Com o pincel chato e pequeno, pinte frisos dourados. Utilize pincel
redondo pequeno para frisos muito estreitos. Deixe secar.
7) Aplique uma demão de verniz spray fosco sobre toda a peça.
Este trabalho executado em placas de madeira pode depois ser preso à parede.

12
OBS= No caso de querer dar uma durabilidade maior ao trabalho, é
conveniente utilizar tinta esmalte acetinado ou tinta Duco no lugar de tinta acrílica. Mas
antes a madeira deve ser preparada com seladora para madeira no lugar da tinta látex
branca. Para acabamento passe uma camada de verniz Duco.

EFEITO ESPONJADO IMITANDO PEDRAS =Ideal para peças como vasos de barro,
parede, móveis. Dá um efeito de pedra não polida ou trompe'oeil de pedras em
tijolinhos. Sobre a técnica aplicar decóupage
Material= tinta esmalte acetinado, aguarrás, Glaze, estopa, esponja
de espuma (esponja mar), fita crepe filetada ( vem partida em tiras destacáveis) para o
efeito de tijolinhos de pedra.
1) Aplicar 1 demão de fundo preparador de parede. Se a parede já
está pintada, testar para ver se quando a fita crepe for retirada, não trará tinta junto,
danificando o aspecto final.
2) Medir a parede, e se quiser riscar os espaços para colocar a fita
crepe, fazê-lo apenas com giz de lousa colorido que será fácil de ser retirado. Colocar
as tiras finas de fita crepe na horizontal de ponta a ponta, e na vertical a distâncias
iguais, formando assim a aparência de tijolinhos sobrepostos.
3) Apertar bem a fita crepe para que não penetre tinta sob ela.
Molhar estopa no Glaze depois na tinta esmalte e esfregar passando também por cima
da fita crepe, tomando cuidado com ela. Esfregar em movimentos circulares. A tinta fica
até um pouco transparente. Na parede fazer em trchos de cada vez para dar tempo de
trabalhar a técnica. Fica manchado. Não esperar secar.
4) Pegar um pedaço de esponja de 5x5 cm, molhar na aguarrás,
espremer para tirar o excesso, e ainda tirar excesso em papel. Esponjar de leve a
pintura que começará a abrir. Se não pegar bem, pode voltar e repassar.
5) Sem esperar secar, pegar uma estopa seca e ir batendo para ir
secando a superfície. Se quiser efeito mais crespinho, voltar com a estopa de aguarrás
para abrir mais. Retirar a fita crepe somente após secagem.
6) Todo o trabalho em parede deve receber uma demão de verniz
acrílico para concreto aparente.

DECAPÊ = 1) Prepare aguarrás e massa acrílica para parede em partes iguais


e aplique uma demão sobre a superfície escolhida, com um pincel no. 22 cabo amarelo
de pelos duros, e num só sentido. Deixe secar 12 horas.
2) Lixe com lixa no. 150, até deixar a superfície lisa e aplique outra
demão, desta vez misturando uma medida de massa corrida com meia medida de
aguarrás. Deixe secar 12 horas.
3) Lixe e desta vez aplique uma demão de massa corrida sem
diluir. Mas antes que seque faça ranhuras sobre ela com uma escovinha feita com
pedacinhos de piaçava presos com fita crepe, ou então com uma escova de limpeza de
cerdas duras ou de aço ou de piaçava. Deixe secar 12 horas.
4) Misture a tinta ( que pode ser= acrílica com água, ou látex com
corante, ou esmalte sintético com diluente próprio) e aplique com pincel sempre no
sentido das ranhuras. Deixe secar.

13
5) Lixe com bastante cuidado dando um efeito desgastado ao
trabalho. Retire bem o pó com pano úmido e deixe secar bem.
6) Aplique verniz fosco em spray ou com pincel, se a superfície for
madeira. Mas também pode ser aplicado sobre paredes, se achar conveniente.
7) O decapê e o estuque devem ser evitados sobre madeira, pois
com frequencia se soltam. Todavia, Bióxido de Titânio em pó, encontrado em lojas que
vendem ceras, misturado a água e cola branca tipo cascorez rótulo azul, cria uma
consistência pastosa para ser aplicada sobre móveis de madeira, com uma durabilidade
mais satisfatória.

DECAPÊ SOBRE MADEIRA COM BIÓXIDO DE TITÂNIO = 1) Lixe bem a peça para
que receba a massa. Prepare o bióxido com cola Cascorez e água formando uma pasta
com consistência pastosa de maneira a ser marcada por uma escova de piaçava,
passada no mesmo sentido, o que dará aparência texturizada, arranhada.
2) Após secagem, aplicar seladora VENAC. Deixar secar.
3) O móvel deve ser lixado com Bombril, e receber uma camada de
betume, diluído em aguarrás e aplicado com boneca de tecido de malha
homogeneamente, cujo efeito será de envelhecimento.
4) Após secagem a superfície volta a ser lixada com Bombril e
recebe uma última demão de seladora,

NOVA TEXTURA AO DECAPÊ = 1) Esta técnica consiste em dar ao Decapê relevo


com formas mais definidas utilizando seringa descartável sem agulha, ou aparelho para
decorar bolo com bico fino, ou embalagem de cabeleireiro com bico fino, tipo
embalagem de mostarda.
2) Diluir a massa corrida com aguarrás e misturar com palito.
3) Testar o ponto de fluidez e colocar na embalagem. Aplicar na
superfície que já deve ter sido desenhada à lápis.
4) Seguir orientações anteriores sobre lixamento e
envernizamento.
5) A Nova Textura pode ser aplicada em molduras de quadros e
espelhos, móveis, portas , imitando mosaico, etc.
MAN

OUTRA TEXTURA AO DECAPÊ = 1) Preparar a seguinte massa para o relêvo:


Colocar numa tigela uma certa quantidade de farinha de trigo e juntar uma terça parte
de goma-arábica ou cola Cascorez. Misturar bem com espátula até ficar uma pasta bem
uniforme e, a seguir, adicionar tinta em pó ou corante para látex, misturando
vigorosamente até ficar totalmente incorporado à massa e obter a intensidade de cor
desejada. Verificar que a massa esteja macia, mas que ao mesmo tempo não alastre.
2) Pegar uma folha de papel resistente e com ele fazer um
cartucho de papel no formato de cone, colando a lateral. Encher no máximo 3/4 com
massa. Cortar apenas a pontinha do bico inferior para que saia pouca massa.

14
3) Dobrar o cartucho na parte superior e ir espremendo levemente
formando desenhos sobre a superfície escolhida.
4) Esperar até o dia seguinte, quando a massa ficará duríssima.
5) Pintar e envernizar com verniz incolor.

ESTRIÊ = MATERIAL= tinta látex branco neve, pincel de cerdas finas, trincha, estopa,
seladora para madeira, thinner, cêra incolor em pasta, escova de piaçava ou
plástico,palha de aço, flanela.
1) Aplique uma demão de tinta látex branca com trincha e retire o
excesso da tinta ainda úmida com malha molhada, até obter a transparência da
madeira. Espere secar.
2) Aplique a mesma tinta com pincel fino, formando discretos frisos.
Deixe secar.
3) Dê uma demão de seladora diluída com thinner ( na proporção
de um terço de thinner), espere secar e lixe.
4) A seladora dará uma leve amarelado sobre o brnaco. Se quiser
que fique bem branco, usar seladora acrílica, que é branca leitosa e solúvel em água.
5) Repita. Reaplique a seladora e lixe com palha de aço no. 0.
6) Com o móvel seco e liso, aplique a cera e lustre.

DRAGGING ( ou pátina com fundo ) = 1)Prepare uma mistura de massa corrida com
aguarrás 1:1 e aplique uma demão num só sentido, o dos veios da madeira.. Deixe
secar e lixe.
2) Aplique outra demão menos diluída na proporção de 1: 1/2.
Deixe secar e lixe até que a madeira fique uniforme, lisa e com veios recobertos. Use
lixa no. 150 meio gasta.
3) Misture tinta esmalte sintético fosco ou acetinado branco com o
corante próprio, em bisnaga, na cor preferida e, com retalho de malha, aplique sem
exagerar na quantidade, no sentido dos veios e deixá-lo com aspecto estriado. Ou
então, aplique a tinta com pincel tipo trincha picotado com tesoura, para deixar falhas
em seus pêlos, que deixará a superfície toda estriada.. Nesta etapa pode-se usar a
parte verde de uma esponja scoth-brite para passar sobre a tinta, como abrasivo até
chegar ao efeito riscado desejado. Pode-se também usar palha de aço. Deixe secar.
4) Retire o pó. Passe verniz poliuretano fosco, apenas uma demão.
Deixe secar e encere a peça com cera para automóveis.

DOURAÇÃO = 1) Esta técnica dá um toque a mais à técnica anterior, pátina com


fundo. Antes de aplicar o verniz, corte as cerdas de um pincel chato de cerdas duras, de
forma irregular e molhe-o em um pires com goma-laca e purpurina, retirando o excesso.
2) Pincele a madeira no mesmo sentido do desgaste da pátina sem
exageros. Deixe secar e siga a etapa no. 5 anterior

15
PÁTINA ACETINADA = 1) Para deixar a madeira com uma película de tinta
transparente como se tivesse sido lavada ou desbotada, recomenda-se aplicar o
esmalte sintético acetinado com um pano ( malha de algodão ), como se estivesse
aplicando uma cera, respeitando os veios da madeira. Logo a seguir, remova excessos
com pano umedecido em aguarrás. Deixe secar bem.
2) Aplique verniz poliuretano.

SATINÊ ( OU PÁTINA COM FUNDO SEM USO DE MASSA CORRIDA )=


1) Nesta técnica não é utilizada a massa corrida. Esmalte sintético
colorido é aplicado diretamente sobre a madeira. O satinê é feito com apenas uma cor,
bastante diluída em aguarrás, criando um efeito suave. Adequada à madeiras
preferencialmente cerejeira e marfim cruas.
2) Com retalho de malha de algodão, tipo camiseta branca, aplique
a tinta sobre a madeira no sentido dos veios, Deixe secar.
3) Com lixa no. 180, lixe a superfície no mesmo sentido dos veios
até aparecer a madeira, deixando a tinta predominar nos veios. Retire o pó.
4) Utilize pincel macio para passar tres demãos de verniz,
intercalando-as com secagem e lixamento leve. Encere.

SATINÊ COM USO DA TINTA LÁTEX = 1) Moderniza uma peça de estilo. Depois de
lixada e livre da poeira, a peça recebe várias camadas de tinta látex diluída em água,
tingida com corante preto. Para um efeito bastante homogêneo, a aplicação foi feita
com esponja macia, mas pode-se utilizar boneca ou trincha macia.
2) Depois de seca a madeira é lixada no sentido dos veios, com
bombril. Para dar brilho usar cera em pasta encontrada em loja de madeiras.

PÁTINA MINEIRA = Usando a técnica da pátina mineira, reformamos móveis e


objetos de madeira antigos, dando-lhes um toque envelhecido, com aspecto rústico e
pinturas singelas e outros efeitos especiais, como ranhuras e lixados. Rústica, com ou
sem desenhos, ela sobrepõe vários tons de tinta posteriormente desgastados. A
madeira pode ser envelhecida com betume, receber ranhuras na superfície ( feitas com
pincel de cerdas duras ), várias demãos de tintas de diferentes cores, e até mesmo um
lixado mais grosseiro em algumas partes da peça.
Material = Pincéis chato médio, e redondo fino de cerdas macias,
pincéis de cerdas duras, massa corrida ou gesso acrílico, tinta látex branca, corantes
para tinta látex, lixas para madeira, aguarrás, esponja crespa, verniz fosco, betume.

PÁTINA MINEIRA COM TEXTURA ALTA =


1) Gesso acrílico aplicado sobre a madeira lixada e sem pó, com
uma esponja crespa, para obter uma textura suave, menos na área que receberá
posterior pintura de flores barrocas.
2) Depois de seca, passe duas demãos de tinta látex branca em
toda a superfície, intercalando secagem.

16
3) Transfira o desenho com carbono, pinte as pétalas e as folhas
com pincel redondo e macio com tinta látex colorida com corante. Com a tinta ainda
úmida, aplique tinta branca mesclando-a, em todo o desenho, para dar efeitos de luz.
4) Com pincel chato passe betume diluído com aguarrás, limpando-
o com um paninho macio, para dar um toque envelhecido. Depois aplique verniz fosco.
5) Outra sugestão é aplicar sobre esta textura, estêncil, ou
decóupage.

PÁTINA MINEIRA COM RANHURAS = 1) Pinte com tintas de cores claras,


acompanhando os veios da madeira, deixando a madeira ao natural em algumas
partes.. Deixe secar.
2) Dê uma boa lixada para integrar madeira e tinta. Envernize.
Sugestão de cores = verde médio, amarelo, telha, azul escuro.
Ao invés de tinta látex colorida, poderia ser usada tinta Acquacolor.

PÁTINA MINEIRA COM DESGASTE = 1) Passar uma demão bem diluída de látex
branco, deixando pequenos trechos sem tinta. Deixar secar.
2) Sobrepor outra cor com um pedaço de espuma, de forma
irregular, mas acompanhando os veios da madeira.
3) Para dar o efeito envelhecido, lixar até desgastar a pintura.

OUTRA PÁTINA MINEIRA COM TEXTURA RÚSTICA ENVELHECIDA = Materiais=


lixa no. 120 ou 140, meio quilo de gesso misturado a um litro de cola branca, tinta látex:
amarela, vermelho-sangue, laranja, verde-musgo, pistache, azul-marinho, seladora para
madeira diluída com thinner, cera branca líquida com algumas gotas de Neutrol ( a
quantidade do líquido depende do tom de envelhecimento pretendido ), trinchas, escova
de lustrar sapato, flanela e panos de algodão.
1) Com trincha dura aplique uma camada de gesso com cola,
camada fina. Deixe secar.
2) Espalhe a tinta com trincha larga, sobrepondo as cores onde
quer que apareçam. Deixe secar e lixe. Retire o pó. Para dar mais movimento à lixa, o
segredo é embrulhar uma pedra redonda com ela.
3) Aplique a mistura de cera e Neutrol e deixe secar um ou dois
dias..
4) Remova o excesso com a escova de sapatos.
5) Para vedar a pintura, dê uma demão de seladora diluída com
thinner. Espere secar e lustre com flanela.

POLICROMIA = Material= massa à óleo, tinta esmalte ( vermelha, amarela, verde,


azul e cobre, esta última da linha automotiva ), estopa e espátula, betume, aguarrás,
cera incolor em pasta Poliflor.

17
1) Para obter efeito de textura, passe massa a óleo com espátula,
em sentidos opostos, em camada fina (2 mm ) e deixe secar. A massa corrige eventuais
rachaduras ou pequenos buracos em peças antigas.
2) Separe as tintas puras e o betume em tigelas individuais.
3) A boneca de estopa aplicada sobre a massa ou madeira, alisa a
superfície, enquanto a trincha dá a impressão de pintado. A estopa não soltará fios ao
longo da superfície se a bonequinha for umedecida com aguarrás antes de ser molhada
na tinta. Quanto mais usada, melhor e mais firme fica a estopa.
4) Use várias bonecas de estopa para aplicar as tintas e o betume,
que sombreia a cor . Espere secar.
5) Passe uma estopa umedecida em aguarrás para tirar os
excessos, imprimindo efeitos de manchas, marcas e riscos.
6) No final, aplique cera em pasta e lustre.

PINTURA AQUARELADA SOBRE MADEIRA = 1) Lixar a madeira com lixa fina e


retirar o pó com pano úmido.
2) Depois de seca aplicar pinceladas de tinta Acquacolor. Ë um
produto solúvel em água, que tinge sem esconder os veios da madeira.
3) Aplicar uma camada de seladora para madeiras, inclusive nas
partes não pintadas.

ESTONADO OU PÁTINA PROVENÇAL = Material, se a madeira for clara = lixa l80


e 220, tinta látex branca, rolo de pintura, lâmina de estilete grande ou uma espátula
pequena, cera incolor com silicone em pasta, estopa, 1 potinho de anilina em pó de cor
castanha ou imbuia ou tinta ACQUACOLOR, álcool.
1) Nivele a superfície e retire vernizes velhos com lixa 180.
2) Se a madeira for escura passe já para o modo de pintar.
3) Quem vai "estonar" madeiras claras deve antes escurecê-las.
Para isso, dilua toda a anilina em 1 litro de água.
4) Faça uma bolinha com a estopa e, com ela, passe essa solução
em toda a peça, feito de uma só vez e apenas em um sentido, para evitar manchas.
Passe quantas demãos achar necessário para que a madeira fique bem escura. Deixe
secar durante tres horas, senão manchas comprometerão o trabalho.
5) Para pintar= dilua a tinta látex conforme instruções da
embalagem. Com o rolo, aplique tres demãos. Quanto mais tinta for aplicada, mais fácil
será o desgaste. O tempo de secagem deve ser observado.
6) Utilizando a espátula ou o estilete, vá raspando a tinta látex em
locais onde o desgaste ocorreria naturalmente com o passar dos anos: cantos,
pequenas depressões na madeira, perto de puxadores. A espátula não permite um
desgaste muito detalhado, mas é mais segura.
7) Nivele o móvel lixando com a lixa 220. Concentre o trabalho nos
pontos mais desgastados.
8) Passe cera incolor com outra bolinha de estopa.

18
PÁTINA ESCURA COM EFEITOS DOURADOS SOBRE METAL =
1) Primeiro lixe e dê um banho de aguarrás para retirar todos os
resíduos do ferro. A seguir dê três demãos de tinta esmalte acetinada grafite escuro,
diluída em 50 % de aguarrás, com pincel. Aguardar secagem.
2) Detalhes dourados podem ser acrescentados com uma mistura
de purpurina finíssima dourada ou purpurina alemã, misturada a álcool ou goma-laca,
preferencialmente passada num só sentido.
3) Para finalizar, os detalhes dourados adquirem um tom
envelhecido quando recebem uma demão de goma-laca indiana misturada com álcool,
betume e aguarrás.

TÊMPERA = Material = cola de pele de coelho (à venda em lojas de produtos


para restauração), alvaiade puríssimo, corante Suvinil, verniz poliuretano fosco, lixas.
1) A têmpera caseira é preparada com uma mistura de alvaiade,
cola de pele de coelho (1/3) e corante. Preparar diversas cores em harmonia,
principalmente cores pastéis.
2) As camadas são aplicadas sobre madeira com pinceladas na
vertical, intercalando tons da mesma cor. Entre cada demão, a peça é lixada para
ganhar textura.
3) Aplicar verniz para a proteção.

MANCHADO= 1) Com uma brocha aplique tinta látex ou tinta esmalte colorida na
parede em movimentos circulares, concentrando estas pinceladas em algumas áreas
mais que em outras.
2) Use uma só cor ou tons próximos.
3) A habilidade para variar a força na aplicação da tinta é que
determina o contraste claro/escuro, evitando o efeito "chapado". Usando uma estopa
seca ou levemente umedecida (com água para o látex ou com aguarrás para o
esmalte), desmanchar as marcas do pincel. Se trabalhar com duas cores, utilizar uma
estopa para cada cor.
4) Não interrompa o trabalho até que ele termine. O ideal é ter um
ajudante. Quando a tinta seca não é mais possível criar "movimentos" na textura.

MANCHADO SOBRE PAREDE COM TEXTURA =


1) O efeito manchado pode ser aplicado sobre diversas texturas
citadas acima. Outra sugestão é sobre papel de seda na parede.
2) Nas paredes com folhas de papel de seda brancas,
estrategicamente coladas sobre elas ( papel amassado ou dobrado ), se obtém uma
textura irregular. Colá-los com cola branca e alisar com um rolo de pintura também com
cola. Colar o papel de modo que fique levemente enrugado. Deixar secar um dia, e
retirar as eventuais sobras de papel.

19
3) Depois é só aplicar com pincel tinta a óleo diluída em solvente
até chegar nos tons desejados, e levemente esbatidos com esponja macia seca.
4) Ou então, dar tres demãos de tinta látex branca, com rolo de
pintura, deixar secar e aplicar a técnica anterior.

MANCHADO ( VARIAÇÃO) = 1) Lixar muito bem a peça com lixas de diferentes


gramaturas e retirar o pó com pano úmido. Deixar secar.
2) Passar goma-laca em duas demãos, intercalando secagem.
3) Aplicar látex branco em duas ou três demãos para cobrir bem a
superfície.
4) Misturar à parte, 1 parte de água com 1 parte de detergente .
5) Em um pratinho colocar tinta acrílica para tela .
6) Passar um pincel duro, do tipo de cabo amarelo da Tigre,
primeiro na água com detergente e depois na tinta. Levar o pincel até a superfície
branca e esfregar para fazer espuma colorida. Se quiser, mudar para outra cor.
Cuidado com a quantidade de líquido para que o trabalho não fique escorrido. Deixar
formar grandes bolhas. Não retocar pois mancha muito.
7) Seca depressa. Aplicar verniz em 3 ou 4 camadas ou
impermeabilizar com cola Cascorez rót. Azul.

CARIMBOS = 1) Paredes podem ser carimbadas dando um efeito diferenciado.


Utilizar carimbos já vendidos em lojas de artesanato para pintura em seda ou improvizá-
los.
2) Pegar um pedaço de ripa de madeira ou taco e sobre um dos
lados colar, com cola de sapateiro, modelo previamente desenhado e recortado em
E.V.A.
3) Colocar um pouco de tinta látex colorida ou tinta acrílica diluída
em um pratinho de sobremesa raso e nesta tinta encostar o carimbo, retirando o
excesso em uma folha de sulfite antes de pressioná-lo na parede.

BARRADO COM FLORES RECORTADAS EM TECIDO =


Material= tecido estampado, cola Cascorez rótulo azul, tinta látex
branca, esmalte sintético fosco ou acetinado na cor escolhida para a parede, aguarrás,
estopa, pincel no. 10, verniz acrílico para concreto aparente, rolo de espuma, bandeja
de pintor, tesoura.
1) Pinte toda a parede com látex branco e deixe secar.
2) Com pincel chato distribua pontos de tinta esmalte sintético
acetinado em duas cores, ou como preferir, sobre a parede, alternando-as.
3) Sem deixar secar, pegue uma estopa umedecida em aguarrás e
espalhe a tinta com movimentos circulares amplos. Deixe manchas ora mais claras ora
mais escuras.
4) Recorte o tecido floral contornando a estampa. Passe termolina
leitosa e deixe secar.

20
5) Passe cola branca no verso e aplique o barrado sobre a parede
já seca., na altura desejada.
6) Após secagem da colagem, colocar o verniz acrílico para
concreto aparente em uma bandeja de pintor, molhe o rolo de espuma, e aplique sobre
o barrado de tecido.
7) Se quiser retire o excesso do rolo e aplique uma camada bem
fina de verniz em toda a parede.

BARRADO EM FAIXA DE TECIDO PINTADO A MÃO =


Material = faixa de lona com 11 cm de largura por 5 m de
comprimento pintada com tinta para tecido com o motivo desejado, e com bainha feita a
máquina nas duas bordas, fita crepe, cola Cascola (tipo de sapateiro)
1) Prenda a faixa à parede utilizando a Cascola conforme
orientação da embalagem.
2) Após a secagem se quiser pode passar verniz para concreto
aparente, ou então a limpeza da faixa poderá ser feita usando escova com uma solução
de vinagre e água, ou detergente.
3) No caso de optar pelo verniz, deve proteger a parede, ao longo
da faixa, com fita crepe que será retirada após aplicação do verniz, para que não suje a
parede..

RAGGING = 1) Prepare o GLAZE misturando 3 partes de terebintina com


uma parte de óleo de linhaça. Prepare a tinta que pode ser látex colorido ou tinta a óleo.
2) Pegue um pedaço de fralda de pano, molhe na tinta (colorida) e
depois molhe no glaze.
3) Com movimentos circulares, aplique a tinta na parede, deixando-
a úmida. Retire o excesso de tinta com plástico ou papel amassado, limpos, como se
estivesse carimbando a parede. É esse movimento que vai dar textura à parede.
4) Se desejar dar um efeito diferente, repita o processo sobrepondo
outras cores.

RAGGING (VARIAÇÃO) = 1) Umedecer uma boneca de estopa em aguarrás e depois


em tinta esmalte acetinada. Esponjar a parede.
2) O ideal é fazer meio metro quadrado por vez, de cima para
baixo, não deixando escorrer. Se escorrer, repassar rapidamente por cima.
3) Pegar uma malha de camiseta branca, e apertar de encontro ao
trabalho de leve, para clarear alguns pontos.

RAGGING SOBRE EMPAPELAMENTO = Boa técnica para parede, cerâmica,


caixas, pé de abajur, madeira.
1) Passar látex branco neve. Deixar secar.
2) Passar na parede cola branca com água com trincha larga ou
rolinho de espuma, e colocar o papel de modo que fique levemente enrugado. Sobre

21
ele ir passando a trincha com cola para ir assentando o papel contra a parede para
colar bem as bordas.
3) Deixar secar um dia, e retirar excessos de papel se houver nos
cantos.
4) Passar látex branco neve sobre ele com rolo de pintura. Deixar
secar. Passar duas a tres demãos se necessário.
5) Fazer o Ragging (retirada de tinta), após aplicar a tinta.
6) Para pintar usar aguarrás e tinta esmalte acetinado, que dá
melhor resultado ao receber verniz no final.
7) Pegar uma bonequinha de estopa, umedecer na aguarrás bem.
Passar na tinta e esponjar a superfície. Cuidado para não escorrer. Fazer meio metro
quadrado por vez.
8) Sem esperar secar, pegar uma malha de algodão e encostar na
peça com delicadeza para retirar um pouco da tinta. Não dar batidinhas , como no
esponjado, para não criar um padrão igualzinho, e sim para deixar bem solto o efeito
final.
9) Não esperar secar e pegar um espanador, que teve as pontas
cortadas para ficar mais reto, encostar na tinta sem diluição. Testar num papel à parte,
e carimbar sobre a pintura anterior. A tinta deve ser pura, pois diluída como foi antes,
ela perde 30 % da intensidade da cor. Tom sur tom. Deixar secar por pelo menos 24
horas.
10) Aplicar verniz para concreto aparente em 1 demão.
Sugestão = podemos pintar toda uma parede com espanador,
virando-o (sempre girando), e carimbando.

RESPINGADO = 1) Aplique uma cor bem clara de tinta látex como fundo, com rolo
de pintura e deixe secar.
2) Se necessário aplique novamente para evitar manchas.
3) Molhe uma escova de limpeza ou de dentes em tinta látex de cor
mais escura e mantendo uma distância de cerca de 15 cm da parede passe uma régua
sobre as cerdas, para que respingos sejam projetados na parede. Se quiser faça o
mesmo com outra cor. Deixe secar.
4) Na parede não é necessária nenhuma proteção sobre o trabalho,
embora pudesse ser usado verniz acrílico fosco, mas na madeira é conveniente passar
cera em pasta com silicone ou até do tipo automotiva com uma boneca de tecido.

CORROSÃO VERDE-GRI = Pátina green ou pátina-blue são ácidos vendidos em boas


lojas de material artístico, que provocam a corrosão sobre folha de ouro, prata ou
bronze. Utilizar luvas para não sofrer alergias. O aspecto final é de envelhecimento.
1) Lixar bem a madeira e eliminar totalmente o pó.
2) Aplicar goma-laca incolor para impermeabilizar.
3) Após a secagem, aplicar tinta látex cor telha (Wanda) e deixar
secar.
4) Aplicar verniz mordente à base de água, e deixar secar até o
ponto de sentir grudar ao toque (de 5 a 10 minutos). Sobre ele colocar uma folha de

22
ouro com delicadeza. Passar sobre ela um pincel bem macio e seco (tipo de blush) bem
devagar para grudar.
5) Passar uma estopa seca no ouro que for sobrando e com ela ir
alisando a peça. A folha de ouro ficará bem assentada. Existem ouro 12 - 14 - 22 - 23.
Com o ouro 23 se consegue o trabalho de ouro brunhido que dá a sensação de peça de
ouro verdadeiro.
6) Não passar goma-laca nesta fase. Passar sim ou a pátina green
ou a pátina blue. Com esponja de banho daquelas com mais furos, passar a pátina e
bater de leve na peça. Se escorrer não tem importância. O efeito será bonito.
7) Em poucos minutos começa a reação, corroendo o ouro até
aparecendo a cor de fundo em alguns lugares. Quando chegar ao estágio de corrosão
que se deseja, é só usar o verniz acrílico ou o verniz poliuretano sempre em spray.
Deve ser verniz em spray para que pinceladas de verniz não retirem o efeito da pátina.
8) Na parede = folhear a ouro sobre tinta Wanda cor telha, e ir
aplicando com pincel o ácido num só sentido para dar o efeito de escorrido, só que sem
repassar, o que tiraria o ouro. Pode também ser feito sobre metal (ferro fundido , por
exemplo), só que tratado com zarcão.

OUTRA CORROSÃO SOBRE FOLHA DE OURO = para ferro, parede ou madeira.


1) Lixar e retirar o pó.Passar uma demão de látex cor telha (Wanda
telha). Deixar secar.
2) Passar verniz mordente à base de água.
3) Quando estiver no ponto de durex, pegar a folha de ouro ou de
prata ou de cobre, e colocar sobre o verniz, Se precisar colocar talco nas mãos.
4) Alisar com algodã0 ou com tecido macio.
5) Misturar SULFORETO DE SÓDIO em escamas, em água (é
bem fedido), na quantidade de 1 colher de chá em água, em pratinho de alumínio.
Compra-se em farmácia.
6) Colocar luvas. Deixar um papel ao lado para tirar excessos.
7) Com esponja de buracos grandes, molhar no líquido e apenas
colocar sobre a folha de ouro, sem apertar demais nem esfregar. Começa a corrosão.
8) Se deixar 1 ou 2 dias, ela ficará preta pois corroe bastante.
9) Chegando ao ponto de corrosão que quiser, colocar embaixo de
uma torneira e deixar escorrer água sobre ele.
10) Na parede e na madeira, aplicar verniz acrílico para concreto
com rolinho de espuma.
11) No lugar do sulforeto pode-se usar vinagre, ou ácido acético.
Só que corroe menos.

OUTRAS APLICAÇÕES DAS TÉCNICAS

23
ESTUQUE = Massa acrílica ou PVA pode ser aplicada só sobre reboco na
parede, sem acabamento. Ë bom para locais comerciais. Usar espátula larga de
plástico ou metal.
Aplicar grosseiramente com movimentos aleatórios. Podemos usar um garfo ou
espátula dentada para obter efeitos diferentes. Usando uma espuma úmida e alisando
damos outro efeito diferente = quando o estuque estiver quase seco, passar a espuma
do tipo fina com um pouco de água, ficará mais lisinho.
Se quiser usar massa colorida, tingir com corante em pó (pó
xadrez), ou com anilina em pó, ou até com tinta acrílica para tela ( este, no entanto,
ficará mais caro). Não usar água em excesso. Ë como uma massa de bolo, líquido em
excesso desanda.
Estuque é excelente para disfarçar rachaduras nas paredes. Ë
também utilizado para cobrir paredes com azulejos antigos, sem retirá-los. Para isso
devemos primeiramente fosfatizá-los com FUNDO FOSFATIZANTE (à venda em lojas
de material de construção). Deixar secar. Depois cobrir os espaços de rejunte, que
estão com relevo mais baixo, com massa à óleo, nivelando. Depois de seco fazer o
estuque por cima.
Esse tipo de trabalho também pode ser feito em banheiros. Nesse
caso usar apenas massa acrílica.
Quaisquer técnicas nunca devem ser executadas em paredes com
umidade e com bolor. As paredes nesses casos, devem ser antes impermeabilizadas
com produtos especiais para isso.
Após a aplicação da massa corrida ou acrílica, podemos dar efeitos
diferentes grudando nela enquanto ainda úmida, metais, conchinhas de praia com
folheação a ouro (com mordente e folha de ouro) é ótima sugestão para fazer um
border em varanda de casa de praia; ou então apertar contra a superfície, alguma coisa
para marcar, como uma tampinha de garrafa plástica. Deixar secar 24 horas.
Estuque também pode ser feito sobre papel de parede, desde que
não esteja este se soltando. Também sobre palhinha, deixando em alguns espaços esta
aparecendo. Outras sugestões com estuque = manchado de nuvens brancas em
céu azul; Marrom café - com - leite / branco / azul celeste ; Ocre com lixamento para
aparecer a massa branca de baixo; Manchado azul-marinho e azul mais claro com
lixamento para aparecer o branco; Marrom chocolate com lixamento; vermelho escuro
e marrom café com lixamento.
Se com o passar do tempo enjoarmos do estuque, poderemos
aplicar outra técnica por cima. Se sujar com o tempo é só dar uma lixadinha e, se
quiser, esbater a cor novamente com delicadeza e tom claro.
epda

DECÓUPAGE = A palavra significa "recorte" em francês. Ë uma técnica francesa do


séc. 17 e utilizada principalmente na Era Vitoriana (séc. 19).
Utilizar xerox coloridos de papéis de presente ou recortes de
revistas. 1) A peça, seja ela cerâmica, ferro, madeira ou parede, deve

24
ser bem lixada e todo o pó retirado. Para impermeabilizar passar uma demão de goma-
laca incolor. No ferro passar uma demão de zarcão e depois a goma-laca.
2) Passar verniz mordente à base de água. O verniz à base de óleo
demora muito a dar o tempo de 'toque'. Passar apenas em pequenos trechos por vez e
ir colando a folha de ouro. Alisar com pincel seco e bem macio "sofner", ou com pincel
de maquiagem, ou algodão. Não ficará totalmente liso, apenas o ouro deve ficar bem
aderido à superfície
3) Fazer à gosto na peça inteira ou em trechos. Peças grandes dão
um resultado mais chamativo, pois se tornam peças mais elaboradas. Recortar xerox
coloridos dos motivos preferidos (os vitorianos são muito belos e papéis de parede têm
belas estampas), e impermeabilizar com uma demão de goma-laca tanto no avesso
quanto no direito. Essa impermeabilização é para que a cola não provoque manchas
quando secar.
A goma-laca alemã é incolor. A goma-laca indiana é mais escura. O
pincel mousse também conhecido como polibrush, é muito bom para aplicar goma-laca.
Limpar o pincel com álcool.
4) Passar na peça, uma demão de goma-laca incolor sobre a
folheação com ouro. Iniciar a colagem começando pelas figuras grandes e intercalar as
pequenas mesmo que estas fiquem as vezes sobrepostas . Utilizar cola branca para a
colagem.
5) Quando trabalhar sobre madeira passar duas demãos de goma-
laca. Se escolher uma cor de fundo que não seja folheação a ouro, prata ou bronze,
pintar com látex colorido sobre aquela primeira demão de goma-laca citada no item 1.
Depois seguir os mesmos processos.
6) Podemos também aplicar a técnica de decóupage em paredes.
Mas por ser deveras trabalhosa, convém aplicar apenas como border.
7) Após a secagem da colagem de figuras, passar nova demão de
goma-laca. Ela funcionará como uma proteção, segurança, impermeabilizando a peça.
8) Passar várias demãos de verniz Sparlack fosco ou brilhante ou
misturado. Quando passamos várias demãos de verniz não sentimos na superfície o
relevo da colagem. São precisas umas 20 demãos. Dará perfeição ao trabalho. Não é
necessário lixar entre as camadas. Deixar cada camada secar 4 horas. Mas sobre um
gargalo de vaso, por exemplo, que está apenas com a folheação à ouro, 2 camadas
apenas de verniz sobre a camada de goma-laca, são suficiente.
Este trabalho leva uns 5 dias para ser finalizado.
Sugestões = Um biombo imitando estante de livros. Os livros serão
xerox coloridos.
Aplicação da técnica sobre biombos e baús antigos.
Uma estante com portas de vidro que por dentro recebem uma
madeira com decoupage que fechadas parecem estar cheias de livros.
Pingentes de cortina colados junto a um puxador de porta.
Revestimento de caixas de papelão com técnica de decóupage.
Paredes em que os quadros são decóupage ( xerox de obras ) e
com molduras de madeira.
Borders.
epda

25
ESTÊNCIL = Estêncil pode ser aplicado sobre madeira, com tinta acrílica para
tela; parede, com tinta acrílica para tela ou tinta à óleo para tela ou de latinha de loja
de tintas; e sobre azulejos, desde que antes estes sejam pintados com tinta epóxi e o
estêncil seja com tinta cerâmica ou tinta esmalte.
Sugestão= muito usada na linha country, bandeja de madeira com
pátina e estêncil 1) Lixar muito bem e retirar o pó. Passar tres demãos de tinta látex
PVA branca.
2) Pintar com tinta acrílica para tela com pincel mousse na cor
desejada e num só sentido. Vai ficar manchado, estriado, mas o efeito é muito bonito.
Seca rapidamente. Lixar no mesmo sentido das pinceladas. Aparecerá alguns brancos
do fundo.
3) Se for reformar um móvel, por exemplo, retirar todo o verniz.
Pintar com látex branco e aplicar esta técnica. Para prender um estêncil na parede o
ideal é usar cola para estêncil (REPOSITION SPRAY). Se for prender com fita crepe,
antes de colar a fita no estêncil para depois grudá-lo na parede,passar a fias vezes na
roupa para ficar com pelinhos, assim não serão retiradas lascas da tinta da parede.
4) Para pintar os espaços do estêncil, usar espuma fina. Passar na
tinta acrílica que deve estar num pratinho. Tirar o excesso num papel e esbater o
estêncil levemente. A seguir dar um sombreado com tinta mais escura, junto as bordas
da figura. Para dar mais um efeito diferente, no meio colocar tinta látex PVA branca,
esbatendo também com a esponja.
5) Depois de retirado o estêncil e a pintura estar seca, passar ou
uma demão de goma-laca incolor ou verniz acrílico para concreto aparente.
Epda

CRAQUELÊ = Pode ser feito em paredes, no entanto é muito trabalhoso. Só fazer


em border.
São utilizados nesta técnica, verniz de craquelê de secagem rápida
= CRACO FINISH no. 1, e verniz de craquelê de secagem lenta = CRACO FINISH no.
2.
Sugestão para este trabalho= 1) Lixar bem um susplat de madeira,
ou cerâmica, ou ferro. Se for ferro passar zarcão. Retirar bem o pó.
2) Passar uma demão de goma-laca. Deixar secar. Aplicar duas
demãos de tinta esmalte preto brilhante ou fosca. Deixar secar entre as demãos.
3) Aplicar uma demão de goma-laca. Deixar secar
4) Aplicar o verniz no. 1, vendido em lojas de artesanato. Ele é
branco. Esticar bem em todas as direções, cobrindo toda a região que deseja o efeito.
Pegar um secador de cabelos e secar. Ficará transparente. Passar outra demão do
no. 1. Secar com secador. Passar a 3 a. demão de Craco Finish no.1 e secar com
secador. Estas demãos é que provocarão cracos maiores. Quanto menos demãos de
no. 1, menores serão os cracos.
5) Passar o no. 2 com pincel bem macio. Como elé é transparente
observar bem a aplicação para não deixar lugares sem passar. Secar com secador.
Começará a craquelar.

26
6) Sobre a peça seca, passar com os dedos mesmo, ou tinta a óleo
para tela cor contrastante ou passar purpurina em pó, para cobrir os cracos.
7) Boa técnica para móveis de ferro ou para sobre o decóupage.
Também para molduras de quadros, por exemplo, fundo bege, cracos marrom escuro.
Parece laqueação.
8) Passar algodão para tirar excessos.
9) Para proteção passar spray Sparlack ou goma-laca ou verniz
poliuretano.
10) Amostras devem ser feitas sobre placas de 20 x 30 ou 25 x 40,
ou ainda sobre pedaços de rodapés de 10 cm de largura por 30 cm de comprim.
11) Sugestão= fazer um border com decóupage com cracos
pequenos.
Abaixo dele, aplicar a técnica de pátina com tinta acquacolor em azul-claro, rosa, em
tiras verticais e com espaço entre elas de cerca de 1,5 cm deixados em branco.
Mesa com cracos sobre pintura com tinta esmalte.
Mesa com cracos sobre a madeira apenas impermeabilizada com
goma-laca, sem tinta.
Epda

EFEITO MARMORIZADO EM RODATETOS DE GESSO =


1) Passar a seladora acrílica solúvel em água, que pode ser usada
em gesso, parede, cerâmica e madeira. Ela é branca e leitosa. Deixar secar.
2) Passar látex branco ou colorido, se preferir, diluído em 10 % de
água. Látex acrílico acetinada/ ou semibrilho/ ou semifosco. Deixar secar.
3) A pintura será um marmorizado simples com tinta látex. Cor;
terracota ou cerâmica.Deixar um potinho com água à parte, e a tinta deve ser
espalhada com pincel macio, roliço, em pinceladas curtas, deixando áreas mais claras e
outras mais escuras, conforme o pincel estiver mais ou menos cheio de água. Não
deixar secar.
4) Pegar um paninho de malha e dar leves batidinhas espalhando e
deixando claros e escuros, mais densos. Pegar um cotonete, molhar na água e ir
rolando sobre a tinta para formar veios.
5) Para realçar os detalhes de peças com muitos relêvos, reforçar
com a cor dando sombras. Para a luz, pintar com látex mais claro e suavizar com
paninho.
6) Após a secagem completa, passar verniz acrílico.

27