P. 1
Palestra Lei de Sociedade + Lei de Justiça, Amor e Caridade

Palestra Lei de Sociedade + Lei de Justiça, Amor e Caridade

4.0

|Views: 1.546|Likes:
Publicado porapi-3812905

More info:

Published by: api-3812905 on Oct 17, 2008
Direitos Autorais:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPS, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

03/18/2014

pdf

text

original

Lei de Sociedade

O Livro dos Espíritos
PARTE TERCEIRA Das leis morais

• CAPÍTULO VII - Da lei de sociedade • Necessidade da vida social • Vida de insulamento. Voto de silêncio • Laços de família

• 766. A vida social está em a Natureza? – “Certamente. Deus fez o homem para viver em sociedade. Não lhe deu inutilmente a palavra e todas as outras faculdades necessárias à vida de relação.” • 767. É contrário à lei da Natureza o insulamento absoluto? – “Sem dúvida, pois que por instinto os homens buscam a sociedade e todos devem concorrer para o progresso, auxiliando-se mutuamente.”

• 768. Procurando a sociedade, não fará o homem mais do que obedecer a um sentimento pessoal, ou há nesse sentimento algum providencial objetivo de ordem mais geral? – “O homem tem que progredir. Insulado, não lhe é isso possível, por não dispor de todas as faculdades. Falta-lhe o contato com os outros homens. No insulamento, ele se embrutece e estiola.” – Homem nenhum possui faculdades completas. Mediante a união social é que elas umas às outras se completam, para lhe assegurarem o bem-estar e o progresso. Por isso é que, precisando uns dos outros, os homens foram feitos para viver em sociedade e não insulados.

• 770. Que se deve pensar dos que vivem em absoluta reclusão, fugindo ao pernicioso contato do mundo? – “Duplo egoísmo.” • a) - Mas, não será meritório esse retraimento se tiver por fim uma expiação, impondo-se aquele que o busca uma privação penosa? – “Fazer maior soma de bem do que de mal constitui a melhor expiação. Evitando um mal, aquele que por tal motivo se insula cai noutro, pois esquece a lei de amor e de caridade.”

• 771. Que pensar dos que fogem do mundo para se votarem ao mister de socorrer os desgraçados? – “Esses se elevam, rebaixando-se. Têm o duplo mérito de se colocarem acima dos gozos materiais e de fazerem o bem, obedecendo à lei do trabalho.” • a) - E dos que buscam no retiro a tranqüilidade que certos trabalhos reclamam? – “Isso não é retraimento absoluto do egoísta. Esses não se insulam da sociedade,porquanto para ela trabalham.”

• 772. Que pensar do voto de silêncio prescrito por algumas seitas, desde a mais remota antigüidade? – “Perguntai, antes, a vós mesmos se a palavra é faculdade natural e por que Deus a concedeu ao homem. Deus condena o abuso e não o uso das faculdades que lhe outorgou. Entretanto, o silêncio é útil, pois no silêncio pões em prática o recolhimento; teu espírito se torna mais livre e pode entrar em comunicação conosco. Mas o voto de silêncio é uma tolice..... ....O voto de silêncio absoluto, do mesmo modo que o voto de insulamento, priva o homem das relações sociais que lhe podem facultar ocasiões de fazer o bem e de cumprir a lei do progresso.

• 774. Há pessoas que, do fato de os animais ao cabo de certo tempo abandonarem suas crias, deduzem não serem os laços de família, entre os homens, mais do que resultado dos costumes sociais e não efeito de uma lei da Natureza. Que devemos pensar a esse respeito? – “Diverso do dos animais é o destino do homem. Por que, então, quererem identifica-lo com estes? Há no homem alguma coisa mais, além das necessidades físicas: há a necessidade de progredir. Os laços sociais são necessários ao progresso e os de família mais apertados tornam os primeiros. Eis por que os segundos constituem uma lei da Natureza.Quis Deus que, por essa forma, os homens aprendessem a amar-se como irmãos.” (205)

Lei de Justiça, Amor e Caridade

 JUSTIÇA E DIREITOS NATURAIS
 está baseada no ensino: “Fazei aos outros o

que quereríeis vos fizessem”;  o direito do próximo deve ser sempre respeitado, e é o limite natural do direito individual.
 DIREITO DE PROPRIEDADE. ROUBO

 o direito de propriedade mais primário é o do

direito a vida, devendo ser preservado a própria e a do próximo;  o direito a propriedade legitimamente obtida, ou seja, com honestidade e sem egoísmo, é justo e certo;  é considerado roubo toda apropriação indébita de bem alheio, obtida pela força ou pela astúcia ou ação enganadora.

 CARIDADE E AMOR AO PRÓXIMO
 caridade é amor em ação;  é importante exerce-la

em relação ao “inimigo”;  caridade não é sinônimo de esmola;  faz mais caridade quem gera emprego do que quem distribui bens de consumo.
 AMOR MATERNO E FILIAL
 o amor materno e filial é um dos recursos mais

fortes com que conta a natureza para o desenvolvimento da criatura humana;  cumpre aos pais darem aos filhos o melhor ensinamento para a vida, especialmente através do exemplo;  o amor materno e filial serve como protótipo das ligações afetivas na sociedade na vida.

DA PERFEIÇÃO MORAL AS VIRTUDES E OS VÍCIOS  a virtude é toda resistência voluntária ao arrastamento dos maus pendores;  o vício é a entrega voluntária aos maus pendores, sem resistência;  um traço característico de imperfeição é o interesse pessoal colocado acima de qualquer outra coisa;  a pregação da moral sem a correspondente ação é letra morta e palavra inútil. No bem, o importante não é o discurso, mas sim a prática.

PAIXÕES  paixão é concentração de energia que proporciona um exagero de ação; pode ser construtiva ou destrutiva.  é preciso governá-la para evitar prejuízos ao semelhante O EGOÍSMO  é o pior de todos os vícios, o maior obstáculo a evolução e ao crescimento espiritual;  das imperfeições humanas é a mais enraizada, por derivar da influência da matéria sobre o espírito;  o egoísmo é a fonte de todos os vícios, e a caridade o é de todas as virtudes. Destruir um e cultivar a outra deve ser o nosso objetivo.

CARACTERISTÍCAS DO HOMEM DE BEM
 O homem de bem é o que procura ser: justo,

amoroso, caritativo, fazendo aos outros o que gostaria que lhe fizessem;
 é humanitário, bondoso e benevolente;  é complacente; não é egoísta nem vingativo;  é inteligente e respeitador em relação aos erros

e direitos de seus semelhantes.

• CAPÍTULO VIII: BEM-AVENTURADOS OS QUE TÊM PURO O CORAÇÃO • Simplicidade e pureza de coração. - Pecado por pensamento. Adultério. - Verdadeira pureza. Mãos não lavadas. - Escândalos. Se a vossa mão é motivo de escândalo, cortai-a; • Instruções dos Espíritos: Deixai que venham a mim as criancinhas. - Bem-aventurados os que têm fechados os olhos. Simplicidade e pureza de coração; • 1. Bem-aventurados os que têm puro o coração, porquanto verão a Deus. (S. Mateus, cap. V, v. 8.)

• 2. Apresentaram-lhe então algumas crianças, a fim de que ele as tocasse, e, como seus discípulos afastassem com palavras ásperas os que lhas apresentavam, Jesus, vendo isso, zangou-se e lhes disse: “Deixai que venham a mim as criancinhas e não as impeçais, porquanto o reino dos céus é para os que se lhes assemelham. Digo-vos, em verdade, que aquele que não receber o reino de Deus como uma criança, nele não entrará.” - E, depois de as abraçar, abençoou-as, impondo-lhes as mãos. (S. MARCOS, cap. X, vv. 13a 16.)

Roteiro de Palestra de Carlos Augusto P. Parchen c_a_parchen@yahoo.com.br

You're Reading a Free Preview

Descarregar
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->