Você está na página 1de 17

Criação Comercial de Avestruzes

SAMUA  - Comercial e Agropecuária Ltda

Fazenda Três Irmãs

PABX (016) 224.1832 FAX (016) 224.4098


http://www.samua.com.br
14.802-500 - Araraquara - SP

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 1


Apostila de Criação de Avestruzes.
Classificação: Struthio Camelus Austrálias conhecido no Brasil como Avestruz, é uma ave corredora de
grande porte e está incluído no grupo das " Ratitas", ( RATITAS , vem do Latim, significando “jangada” ). O
esterno destas aves é plano, desprovido de carena, ao contrário das aves voadoras. A carena nas aves
voadoras, é sede de inserção dos potentes músculos peitorais. O avestruz não é uma ave voadora, logo, não
tem músculos peitorais desenvolvidos como um pato ou galinha. Deste fato decorre uma importante
peculiaridade produtiva do avestruz: a maior quantidade de carne produzida não estará no peito, mas nas
coxas e dorso, já que trata-se de animal corredor.
O grupo das ratitas inclui:
Avestruz Struthio Camelus Australis Originário da África do Sul.
Ema Rhea Americana ou Pterocnemia Pennata Originária da América do Sul
Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.
Causar Casuarius Casuarius Originário da Nova Guiné.
Emu Australiano Dromaius Novaehollandie Originário da Austrália.

O avestruz é originário da África, e se divide em 5 diferentes subespécies das quais as mais conhecidas
comercialmente são:
1. Black Neck – Pescoço Preto - mais conhecido como African Black é um animal domesticado (Struthio
Camelus Domesticus) fruto de seleção empírica feita pêlos sul-africanos ao longo dos últimos 150 anos.
2. Red Neck – Pescoço Vermelho – É uma ave mais agressiva que pode chegar a atacar pessoas uma vez
sentindo-se ameaçada.
3. Blue Neck – Pescoço Azul – É uma ave também agressiva. Não gosta do convívio com pessoas nem com
outras raças de avestruz.

Esta classificação se baseia na coloração da pele dos animais adultos, pois, na verdade todos
apresentam a mesma coloração das plumas (Machos preto e Fêmeas Cinza).

A seleção foi feita com base em certas características produtivas:


• Maior fertilidade e precocidade – Maior número de ovos e início da postura precoce.
• Docilidade – Manejo é mais simples.
• Alta densidade de plumas – Maior ganho com esta venda.
Não existe uma raça que seja superior a outra. As “Red” e “Blue” tem maior porte, mas iniciam a
postura mais tarde e são mais agressivas. Os criadores de avestruz nos U.S. denigrem uns as raças
criadas pelos outros. Há muito cruzamento entre as diferentes raças, gerando grande variabilidade
(animais com características diferentes). Ainda existe muito trabalho a ser feito em termos de
melhoramento genético cruzando as diferentes raças, até que se obtenha uma ave perfeita, que
comece a postura mais cedo, etc. Este trabalho está começando agora a ser desenvolvido no Brasil e
deve demorar cerca de 50 anos.
Os maiores criadores de avestruz na Europa São:
• Inglaterra
• Holanda
• Espanha
• Itália
• Polônia
Os maiores criadores de avestruz no resto do mundo são:
• África do Sul
• Austrália
• Israel
• Canadá
• Estados Unidos
• China

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 2


A China é um dos países em que mais cresce a estrutiocultura.
Os produtos do avestruz são :
• Plumas – Maior produtor é a África do sul, o mercado consumidor está na
Europa, Ásia e Américas. São classificadas em vários tipos: as que tem mais
estática vão para indústrias automobilísticas, as mais longas e bonitas são usadas
como adornos e as outra usadas nos espanadores. No Brasil temos um mercado
seguro para as plumas (carnaval), mas este não é o produto mais interessante do
avestruz.
• Couro – Grande aceitação e procura no mercado internacional. Cada animal irá
produzir de 1,2 a 1,5 m de couro de fácil extração e curtimento, aceita bem várias
cores e é naturalmente decorado (Cálamos). Está sendo usado em substituição do
coro de répteis como o crocodilo e a cobra, pois o avestruz não é um animal
protegido. O mercado europeu do couro paga entre US$ 200 a US$ 300 por peça
de couro cru e paga entre US$ 500 a US$ 600 pelo couro tratado.
• Ovos – Pesam entre 1.200 e 1.800 gr. Tem sabor muito semelhante ao ovo de
galinha. Hoje ainda não é consumido, porque está sendo usado na formação de
plantéis reprodutores.
• Outros – Cascas vazias dos ovos são usadas na decoração ( porta moedas ,abajur,
porta jóias, etc...); a gordura entra na preparação de cremes e pomadas; os cílios
podem ser utilizados para a confecção de cílios postiços; a carcaça pode entrar na
composição de rações.
• Carne – É o produto que está dando mais impulso a criação comercial de
avestruzes atualmente. A carne está sendo redescoberta por ser semelhante a
carne de bovinos em termos de aspecto, sabor e textura mas com a vantagem de
ter baixos teores de gordura e colesterol. Esta característica da carne se deve à
distribuição de gorduras no organismo do animal: estas se localizam em volta do
estômago e sob a pele, propiciando cortes de carne magra e couro extremamente
macio. Mercado consumidor está nos U.S. e Europa. A Suíça importa 200-300
toneladas por ano de carne de avestruz. No Brasil existe um grande interesse por
carnes exóticas, e a carne de avestruz inicialmente se introduziria neste setor.

Comparação entre os valores nutricionais de diferentes tipos de carne:


Carne de Calorias Protídios Lipídios Colesterol
Bovino 240 23 15 77
Suíno 275 24 19 84
Frango 140 27 3 73
Peru 135 25 3 59
Avestruz 97 22 2 58

O avestruz alcança o peso de abate por volta de 12 meses de idade, produzindo em média:
• Entre 30 e 40 Kg de carne limpa, sendo 15 Kg de carne de primeira e 15 Kg de
carne de segunda. A carne de primeira é composta de pedaços mais inteiros tipo
filé, e a carne de Segunda é assim chamada não por tratar-se de carne de menor
qualidade em termos de composição e maciez, mas, porque vem em pedaços
menores , sendo ideal para a preparo de pratos tipo strogonoff.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 3


Cortes da carne da avestruz

• Entre 1 e 2 kg de plumas
• E entre 1,2 a 1,5 m de couro.
• O rendimento por animal abatido é proporcionalmente baixo (30% do peso vivo)
se comparado com o rendimento de bovinos, sendo este fato largamente
compensado pela grande produção de filhotes. O avestruz é uma ave que gera em
quantidade produtos de primeira qualidade com baixos custos de produção, já que
não requer muitas construções, estruturas ou mão de obra.

Valor de um animal abatido de 12 – 14 meses:


Produto Quantidade Valor US$
Carne 30 – 40 kg 400
Couro 1,2 – 1,5 m 250
Plumas 1 – 2 kg 100
Valor total em US$: 750

Características dos avestruzes:


• Grande porte, alcançando quando adulto de 2 a 2,5 m de altura e de 100 a 150 kg
de peso.
• Temperatura corpórea 38-39 C.
• Aparelho digestivo semelhante ao de ruminantes (sem papo, 2 estômagos, 2
cecos e intestinos longos, digestão bacteriana).
• Asas rudimentares, não voam.
• Animal corredor (atingindo até 60 km/h).
• Pernas longas, pés com dois dedos, dos quais apenas um com unha.
• Vida longa (50 a 70 anos de vida), contando de 20 a 40 anos de vida reprodutiva.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 4


• Início da vida reprodutora com 2 – 3 anos.
• Dimorfismo sexual marcado: nos adultos o macho é preto com as pontas das asas
brancas e a fêmea é cinza, mas tal diferença só aparece a partir de 1 ano e meio
de idade.

Ambiente e comportamento:
• Originário de regiões semi-áridas, planas (savana africana), na altura do Trópico
de capricórnio.
• Tem uma ótima capacidade de adaptação, suportando altas e baixas temperatura.
• Durante a temporada reprodutiva os machos formam haréns em que há uma
fêmea dominante (um macho para três fêmeas).
• A fêmea choca os ovos durante o dia e o macho durante a noite.

Sistemas de identificação dos animais:


A identificação da ave é fundamental para que se possa fazer seu acompanhamento desde o
nascimento até sua morte. Este acompanhamento é chamado de registro de dados. O
registro de dados deve conter a idade, sexo, vacinações, medicações e doenças, e ainda
todas as informações sobre o acompanhamento desta ave (início da postura, produtividade,
rendimentos, familiares, cruzas, etc).Esta identificação pode ser feita por diferentes
métodos:

• Tatuagem no bico. Tem a desvantagem de sair com o tempo.


• Tingimento de penas ou pele. É um método falho pois as penas caem e a cor
desbota até sumir da pele.
• Faixas nos membros posteriores. É um bom método desde que se preste atenção
para que as faixas não apertem as pernas dos filhotes a medida em que forem
crescendo.
• Microchips. É o método mais eficiente, implantado na parte posterior inferior da
coxa ou pescoço do animal ficando com ele até que morra para só então ser
retirada e usada em outro animal. Não usa energia, nem bateria, não acaba, não
pode ser perdida, não desgasta e nem pode ser roubada. Usa-se um leitor
(transreceptor) para ler o número do avestruz. Uma vez lido e digitado no seu
computador este número dá acesso a todas as informações a respeito desta ave. O
microchip custa 12.5 US$ e o leitor varia entre 800 e 2.300 US$ .

Produção:
Fase de cria – de 0 a 3 meses:
Instalações:
• Mantê los abrigados à noite; quando há chuva, vento ou frio, em um galpão
coberto com pelo menos 3m2 por animal, não inferior a 20m quadrados para
estimular a movimentação.
• Mantê los aquecidos com campânulas a gás se a temperatura estiver inferior a 20
graus.
• O galpão coberto deve ter no mínimo 20m2, e uma base de cimento rústico e
lavável.
• O galpão deve ser lavado e desinfetado todos os dias, a desinfeção deste galpão é
essencial para a saúde das aves e deve estar muito bem desinfetado para recebê-
las. ( Sugerimos desinfeção com cal e desinfetante a base de iodo).
• O piquete ao ar livre deve ter pelo menos 10m2 por animal nos três primeiros
meses, devendo ser longo e estreito para estimular a movimentação e corrida, os

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 5


cantos a quarenta e cinco graus para evitar acidentes, devem ter comedouros,
bebedouros, cobertura e também um alambrado fino com 1,5m de altura para
proteger a ave de outros animais,( dos três aos seis meses, o piquete deve ter pelo
menos 100 m quadrados por animal ).
• Bebedouro: pode ser de alvenaria ou similares com uma bóia (para que esteja
sempre cheio) e um extravasor para facilitar escoamento da água e limpeza
diária.
• Comedouro: pode ser feito com pneu , galão de plástico cortados ao meio ,ou
similares, observando que o bebedouro e comedouro devem estar de lado oposto
do piquete, para incentivar a movimentação da ave dentro do mesmo.
• Cobertura dentro do piquete: pode ser de eternit com tela ou bambu nas laterais.
• A base destes piquetes podem ser de terra batida ou pasto.
• Terra batida – À partir da Quarta semana (1 mês )já se dá capim picado (pedaços
de mais ou menos 1,5cm).
• Pasto – Pode ser braquiara, napiê, ou até alfafa que por ter um ótimo nível de
proteínas, é o melhor pasto.

Manejo:
• Nos primeiros 5 dias de vida a ave tem que fazer jejum total de comida, não
esquecendo da água à vontade.
• Estimular a movimentação! Jejum e movimentação são fundamentais nos
primeiros 5 dias de vida do animal.
• Ração com 20-22% de proteína contendo milho, farelo de soja, farelo de trigo e
um núcleo (cálcio, fósforo, vitaminas e oligo-minerais), Proteína 20%, Gordura
3%, Fibra 8%, Cálcio 1,5 a 2,0%, Fósforo 0,7 a 1,0%.(Aconselhamos que seja
feita analise do solo para complementar a ração com Cálcio e Fósforo.)
• Introduzir o pasto aos poucos à partir do primeiro mês.
• Durante os primeiros três meses, a ração é à vontade e o pasto é dado 2 vezes ao
dia. A partir do quatro mês, complementar a alimentação com pasto verde na
razão de uma parte de ração para duas a três partes de pasto verde.

Consumo de ração nos primeiros três meses:


• Mês 1 - entre 000 – 300 gr por dia.
• Mês 2 - entre 300 – 400 gr por dia.
• Mês 3 - entre 400 – 500 gr por dia.

Consumo de pasto nos primeiros três meses:


• Mês 1 - entre 000 – 300 gr por dia.
• Mês 2 - entre 600 – 1.200 gr por dia.
• Mês 3 - entre 1.200 – 1.500 gr por dia.

Evolução da resistência dos animais ao frio e a chuva:


• Semana 1-Tomar todos os cuidados com os animais (Frio, vento etc...)
• Semana 2 - Soltar as aves duas vezes por dia para tomar sol (30mim).
• Semana 3 - Soltar as aves por mais tempo duas vezes por dia tomando cuidado
com os ventos fortes e chuva.
• Semana 4 - Soltar as aves as 9:00hs e recolher as 15:00hs, tomando cuidado com
os ventos fortes e recolher em caso de chuvas fortes, podendo ficar num chuvisco
rápido.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 6


• Semana 5 - procedimento normal soltando as aves pela manha (8:00 hs) e
recolhendo a tarde (17:00hs).
• Semana 6 - idem (tomar cuidado com as aves em caso de chuvas fortes).
• Semana 7 - Podem agora ficar numa chuva rápida, cuidado com o tempo fechado.
• Semana 8 - As aves já podem agora ficar embaixo da chuva desde que seja fraca
e rápida.

Obs: Um avestruzinho saudável está sempre em movimento, ciscando no chão,


andando, correndo em grupo com a cabeça bem alta. Se um animal fica parado seja
em pé ou deitado, anda com a cabeça baixa, não come, se isola do grupo,
provavelmente está doente. Uma ave normal nasce com peso entre 800 gr e 1 kg. A
seguir relacionamos os problemas mais comuns enfrentados nesta fase de
desenvolvimento e algumas sugestões de tratamento, mas consulte sempre um
veterinário antes de medicar um animal.
Se qualquer ave ficar doente no piquete, observar o máximo possível, medicar
de acordo com um veterinário, nunca separar a ave doente do grupo a menos que a
doença for transmissível, quando houver necessidade de separar a ave doente, fazer a
quarentena com outras aves que estiverem mais enfraquecidas para se fazer um
tratamento adequado e evitar o Stress, o isolamento desta, pode provocar a morte,
podendo ela estar doente ou não.

Patologias mais comuns:

• Entorses, deslocamentos, traumatismos – São causadas ou por instalações


inadequadas ou pelo manejo violento das aves ou ainda por stress massagear a
parte afetada com Calminex pomada. É mais comum à partir do terceiro mês.
• Deformidades nas patas – Podem ser causadas por herança genética do animal,
podem também ter sido causadas por traumatismos repetidos (tombos,...), podem
ainda ser conseqüência de uma alimentação deficiente ou decorrentes do intenso
período de crescimento dos filhotes, onde há um ganho de peso excessivo e as

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 7


pernas ainda são fracas. Temos rotação de dedos, pernas e coxas ou
deformidades nos ossos e articulações. A solução é difícil: a colocação de talas,
a cirurgia ou o uso de suplementos minerais não revertem uma deformidade já
instalada.
• Incompleta absorção do saco vitelino – tem como conseqüência a infecção e
morte do animal – é um dos maiores problemas encontrados nos primeiros 15
dias de vida. O tempo normal de absorção do saco é de 7 a 10 dias, sendo que
este é um meio rico para bactérias que entram pela cicatriz umbilical. Pode ser
causado por stress ( excesso de calor, frio, vento, barulho...). A solução é
antibióticos terapia ou cirurgia, mas as chances de cura são pequenas.
• Diarréia ( fezes muito moles, misturadas com urina): se o animal está bem e
ativo pode ser excesso de grama por isso diminua a quantidade de capim e de
mais ração. Mas se o animal estiver apático, de cabeça baixa, antibiótico terapia
+ soro.
• Coprofagia (ingestão de fezes) é normal em todas as idades. Ajuda a formar a
flora bacteriana do animal.
• Apatia, anda com a cabeça baixa – não é uma doença, é um sinal de que algo
não está bem, seria necessário identificar a causa ( infecção, stress?): antibiótico
terapia + soro.

Para reconhecer um animal que tenha pernas tortas, observamos os seguintes


itens: Pernas abertas, pernas em X, pernas em arco, dedos virados para dentro ou
para fora e unhas viradas uma para a outra. Esta ave será um descarte do seu plantel e
portanto será ave para abate. Se for possível esperar até que a ave tenha 1 ano para
abatê –la, melhor pois ela renderá mais carne. Se a ave não estiver apresentando
condições para esperar 1 ano, devemos abatê –la assim que pare de crescer e antes
que morra por si só, para que possamos fazer o aproveitamento de sua carne
derivados.
Durante os 3 primeiros meses de vida do animal, dizemos que ele está no
berçário. As perdas neste período chegam até 20 %. Há casos registrados em
criatórios que as perdas foram de 0%, isto porque dentro de um criatório novo, bem
desinfetado não tem risco de contaminação, com o passar do tempo este se torna um
risco eminente, normal para um criatorio é de 5% a 10%.

Fase de recria – de 4 a 12 meses (Abate) , 4 a 18 meses (matriz)


Instalações:
• Piquetes longos e estreitos (como a pista do Jóquei Club) por que os avestruzes
precisam correr para desenvolverem massa muscular e crescerem fortes e
saudáveis.
• Os piquetes devem ter uma base de pasto resistente ao pisoteio, pois os animais
pastam o dia inteiro. Alfafa por exemplo é um ótimo pasto, mas não suporta a
presença constante de animais adultos. Em geral os animais ficam em piquetes
com base de braquiara e se dá alfafa picada.
• Estes piquetes devem ter 1 fio de arame a cada 10 cm a partir dos primeiros
40cm inferiores, e passando a 20cm até completar 1,80 m. Todas as telas e
arames devem ser bem acabados e sem pontas para evitar acidentes.
• Os piquetes devem ter uma área coberta mínima de 20m2, para abrigo da ave
( lugar este que deverá ficar o cocho de ração). Esta cobertura deve existir em
todos os piquetes, inclusive nos de matrizes.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 8


• Machos e fêmeas podem ficar juntos em áreas de 200 m2 por cabeça até 6 meses
, 6 a 18 meses passamos para 600 m2 e acima de 18 meses passamos para 1000
m2.
• Água à vontade. O consumo de água é de 10 litros por dia / ave.
• O consumo de ração continua aumentando mês a mês. No quarto mês o avestruz
come entre 500 – 580 gr de ração por dia, no quinto mês entre 600 - 700 gr,
aumentando 100 gr por mês até que no décimo mês, a ave come entre 1.200 –
1.900 gr de ração por dia, levando-se em conta o tipo de pasto existente no
piquete.
• Nesta fase a ração deve ter um nível de proteína 12 %,gordura 3%, fibra 8%,
cálcio 1,5%, fósforo 0,7%. (Aconselhamos que seja feita analise do solo para
complementar a ração em Cálcio e Fósforo.)
• O animal também precisa de pasto fresco que é a base do piquete ou é dado de 2
a 4 vezes por dia, na proporção de duas a três vezes a quantidade de ração diária
(capim triturado, podendo ser braquiara , alfafa etc...).

Nesta fase as aves são bastante resistentes à doenças infecciosas. Os


traumatismos, porém podem ocorrer em uma ave pequena, mas são problema típico
de animais maiores, quando os ossos já são mais longos. Os avestruzes são animais
sem papo, vorazes e sem paladar, podendo comer qualquer coisa (parafusos, pregos,
pedaços de madeira, pregadores de roupas...). Portanto devemos prestar muita
atenção na construção dos piquetes, para evitar a presença de pontas ou farpas nas
estruturas e no chão, pois posteriormente os animais podem encontra-los, ingeri-los,
sofrerem perfuração digestiva e morte.

Patologias mais comuns:


• Traumatismos - Por serem animais assustadiços e estabanados, podem esbarrar
numa cerca ou escorregar, sofrendo fraturas, luxações ou lacerações. Têm ossos
longos. As lacerações resolvem-se bem, mas fraturas e luxações não são tão
simples assim.
• Oclusão digestiva - Significa ingestão em excesso. Pode ser causada por stress,
devido a viagem ou a adaptação (mudança de piquete) onde as aves ingerem
grande quantidade de alimento(ração ou pasto), ou de outros materiais (folhas
secas, areia, etc.) causando a interrupção do trânsito digestivo e a morte por
desnutrição. Podemos tentar uma solução fazendo lavagem gástrica com Nujol,
massageando a barriga da ave ou colocando-a no soro(cura difícil).
• Perfuração digestiva – É causada pela ingestão de materiais estranhos nos
piquetes, (pedaços de madeira, areia, cimento ou longas hastes de capim) e não
tem cura.
• Doenças infecciosas - Trata-se de espécie robusta, recém introduzida no
território e criada em boas condições sanitárias (piquetes amplos, expostos ao sol
com poucos animais). Maior atenção deve ser dada ao aparecimento de micoses
sob os dedos dos pés (em geral ligadas a um piso freqüentemente úmido e/ou
com urina e fezes acumuladas) e a parasitoses intestinais como helmintoses ou
ácaros. Usamos mais ou menos o mesmo tratamento do gado ou aves.

O avestruz tem pouca sensibilidade na pele e também sangra muito pouco. Por
isto a grande maioria das suturas são feitas sem anestesia. O grande golpe de defesa
do avestruz é o chute, por isto ele deve ser imobilizado para que se possa fazer
curativos e suturas. O melhor jeito de imobiliza-lo é colocando-o em um “cavalete”
especial para curativos. Este cavalete terá outra tora de madeira um pouco mais para

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 9


cima, para proteger o pescoço do animal que estará usando um capuz para não se
assustar com a situação (cuidado especial com as asas e pescoço, são frágeis).

A figura ao lado nos dá uma idéia de


como deve ser um cavalete para os
curativos.

baia

Fase de Reprodução – de 2 anos em diante:


Características Gerais:
• Início da postura aos 2 anos, vida reprodutiva de 20 a 30 anos. Há casos de
animais que começaram a botar ovos com 18 meses.
• A média de postura é de 50 – 60 ovos por ano. Há fêmeas que chegam a botar
até 100 ovos por temporada reprodutiva.
• A temporada reprodutiva, neste hemisfério, é de setembro a março, colocando
um ovo a cada 48 horas (coloca 8 a 10 ovos, para uns dias, recomeça fazendo
assim a recuperação necessária etc...).
• Normalmente a postura é feita no terreno, pode-se fazer um ninho na área
coberta do piquete para a fêmea, ou fazer um ninho conforme croquiz e induzir a
ave por os ovos ali. Também costuma-se colocar um ovo de madeira (ovo de
indes) neste ninho para estimular a postura.
• Machos e fêmeas têm comportamento bem definidos para o acasalamento. O
macho faz a dança nupcial, mexendo todo o corpo, asas e pescoço. A fêmea
abaixa e levanta a cabeça a toda hora em resposta à dança do macho.

Nas figuras abaixo temos o ninho e a cobertura do ninho.


Instalações:

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 10


• Piquetes de 400 – 500 m2 por animal (20 x 50 = 1.000 m por casal)ou até
maiores.
• O piquete deve ser feito em terreno com boa drenagem, pouca inclinação e com
porteira, com cerca de arame liso de acordo com nossa planta.
• Corredor de 3m de largura entre os piquetes e cerca externa de alambrado com
1,8m de altura com malha variando de 2,5 a 3,0 polegadas.
• Área coberta para comedouros, de 4 x 5m e altura mínima de 2.5 m, com
porteira para confinamento temporário dos animais.
• Pastagem resistente ao pisoteio.
• Muito cuidado durante a construção dos piquetes! Não jogar pedaços de arame,
pregos lascas de madeira, ponta de cigarros etc..
• Depois de terminada a construção dos piquetes deve-se fazer uma revisão
MUITO cuidadosa para retirar todos os materiais que possam ser ingeridos
(arames, pregos, tocos de madeira, etc.).

Manejo:
• Fora da temporada de reprodução, machos e fêmeas ficam em piquetes
separados. No início da primavera são formados os trios de reprodutores sempre
levando em conta a relação macho-fêmea que propicia a melhor produtividade
em termos de ovos fecundados (casais ou trios).
• O manejo pode produzir organização no estado selvagem, com o macho sendo
posto em um piquete com uma ou mais fêmeas. Contudo uma das fêmeas será
predominante, ou seja, será mais coberta pelo macho. As outras fêmeas serão
menos cobertas e conseqüentemente botarão menos ovos fecundados (que não
gerarão filhotes).
• Por este motivo não convém por muitas fêmeas para um só macho; em geral nos
criatórios comerciais os animais são postos em piquetes formando casais ou no
máximo trios.

Alimentação:
• Ração com 12 % de proteína e suplementação de cálcio.
• Entre 1.200 e 1.400 gr de ração\dia.
• Água à vontade. Cada avestruz adulto bebe em média 10 litros de água por dia.

Patologias mais comuns:


• Traumatismos - Por serem animais assustadiços e estabanados, podem esbarrar numa
cerca ou escorregar, sofrendo fraturas, luxações ou lacerações. Têm ossos longos. As
lacerações resolvem-se bem, mas fraturas e luxações não são tão simples assim.
• Oclusão digestiva - Significa ingestão em excesso. Pode ser causada por stress,
devido a viagem ou a adaptação (mudança de piquete) onde as aves ingerem grande
quantidade de alimento(ração ou pasto), ou de outros materiais (folhas secas, areia,
etc.) causando a interrupção do trânsito digestivo e a morte por desnutrição. Podemos
tentar uma solução fazendo lavagem gástrica com Nujol, massageando a barriga da
ave ou colocando-a no soro(cura difícil).
• Perfuração digestiva – É causada pela ingestão de materiais estranhos nos piquetes,
(pedaços de madeira, areia, cimento ou longas hastes de capim) e não tem cura.
• Doenças infecciosas - Trata-se de espécie robusta, recém introduzida no território e
criada em boas condições sanitárias (piquetes amplos, expostos ao sol com poucos
animais). Maior atenção deve ser dada ao aparecimento de micoses sob os dedos dos

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 11


pés (em geral ligadas a um piso freqüentemente úmido e/ou com urina e fezes
acumuladas) e a parasitoses intestinais como helmintoses ou ácaros. Usamos mais ou
menos o mesmo tratamento do gado ou aves.
• As doenças genitais podem afetar a reprodução dos animais, e, portanto devem ser
tratadas até a cura completa do animal.

Postura:
• Os ovos pesam entre 1.200 e 1.800 gr.
• Tem a casca bem resistente e porosas, geralmente para identificação usa-se escrever
nas casca com uma caneta hidrográfica, grafite ou etiqueta.
• O ovo deve ser coletado o mais rápido possível para evitar contaminação.
• Apesar de não ser um animal agressivo, o avestruz tem forte instinto de defesa do seu
território e dos ovos. Por isso é preciso Ter instalações que facilitem o manejo e a
coleta dos ovos.
• As fêmeas costumam por 1 ovo a cada 2 dias, fazendo assim um rodízio de postura.
• Os ovos são coletados, desinfetado e armazenados em ambiente fresco (18/20 Graus) e
limpo (desinfetado) e posteriormente colocados nas incubadeiras , de preferencia uma
vez por semana.
• É perigoso deixar os ovos em descanso por mais de uma semana pois há risco de morte
embrionária e conseqüente diminuição da taxa de eclosão.

Incubação:
• A maior vantagem da incubação artificial é que, a fêmea não precisa interromper a
postura dos ovos para chocá-los, nem para cuidar de seus filhos.
• Permite uma maior taxa de eclosão.
• A incubação dura entre 41 e 42 dias.
• A temperatura na incubadora deve estar sempre entre 36 e 37 graus Celsius.
• A umidade relativa do ar deve estar entre 50% e 60%.
• Deve-se fazer a primeira ovoscopia na primeira semana para avaliar se há
desenvolvimento embrionário. Depois disso, acompanha-se o desenvolvimento do
embrião com o ovoscópio a cada duas semanas.
• Ao constatar que não está havendo desenvolvimento embrionário em qualquer dos
ovos, este deve ser imediatamente retirado da incubadora para evitar a proliferação
bacteriana e fonte de infecção para os outros ovos.
• Viragem automática de 2 em 2 horas
• Uma incubadora para 18 ovos custa em torno de R$ 4.800,00.
• É interessante ter 2 ou 3 incubadoras menores em vez de uma só grande para que se
possa ter mais opções de temperatura e umidade, sendo que, alguns ovos perdem mais
umidade que outros, assim fica mais fácil controlar a umidade entre os ovos.

Eclosão:
• Período que precede a eclosão e dura entre 2 e 3 dias.
• A temperatura nesta época deve estar entre 35,5 e 36,5 graus Celsius.
• A umidade relativa do ar no mesmo período deve estar entre 45% e 59%.
• Neste período interrompe-se a viragem dos ovos.
• O pinto leva em média 48 horas para sair do ovo, sendo que às vezes é preciso ajudá-
lo.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 12


• Após o nascimento , o pinto fica mais 3 horas na chocadeira, passando para o berçário
climatizado a 36 graus, reduzindo a temperatura um grau dia até atingir a temperatura
ambiente.

Problemas com a diminuição da taxa de eclosão:


• A má posição do embrião dentro do ovo, com dificuldade em romper a casca e sair,
causando a morte nas horas que imediatamente antecedem ou sucedem a eclosão, é um
dos problemas mais freqüentemente encontrados.
• Pode estar havendo uma infecção dentro da própria incubadora, causando a morte
embrionária.
• A inexperiência de alguns criadores pode ser fatal para sua granja, sugerimos portanto
que o criador terceirise a incubação dos ovos produzidos no seu criatório, recorrendo a
granjas bem equipadas e com técnicos preparados. Desta maneira, o criador economiza
em investimentos e aproveita a experiência de criatórios especializados.

Transporte:
• Ovos e pintinhos de um dia: Transporte bem fácil e barato, quase sem traumas.
• Filhotes até 6 meses: Transporte fácil, custo médio, com poucos riscos e traumas.
• Adultos: Transporte difícil, bem caro, com muitos riscos de perdas por stress e
traumatismos diversos. Há ainda, o risco de stress pela adaptação no novo criatório.

Perspectiva e Projeção do Mercado de Avestruzes.


Perspectiva de evolução do mercado de avestruzes:
Primeira fase – Breeding Phase. É a fase de criação e desenvolvimento do plantel
nacional. Durante esta fase ainda não há abate, vendem-se apenas animais matrizes. Esta
fase dura em média 20 anos.
• A venda de matrizes é pelo menos 10 vezes mais lucrativa que a venda de produtos.
• Nos U.S.A., a fase de Breeding durou 20 anos e um casal de matriz adulto chegou a
custar U$ 60.000,00, hoje já caiu para preços bem mais razoáveis (U$ 8.000,00).
• Na Europa a fase de Breeding já dura 17 anos e ainda não está concluída.
• Para ser importador de matrizes de avestruz, é necessário ter uma firma que esteja
devidamente credenciada pelo IBAMA (mais ou menos 9 meses) e pelo MINISTÉRIO
DA AGRICULTURA (10 dias).
• Para ser criador de avestruzes, não é necessária nenhuma licença específica. A única
exigência é que as aves que não forem nascidas no Brasil tenham sido compradas de um
importador credenciado
.
Segunda fase – Commercial Phase. É a fase de venda dos produtos do avestruz abatido:
carne, couro e plumas.
• Quando o Brasil entrar na fase de abate das aves, surgirão especialistas em todas as
etapas da criação: Incubação, Sexagem, Microchipagem, Abatedouro e Curtume.
• Para abater as aves é necessário um abatedouro especial, pois o avestruz por sua altura e
pescoço não pode ser abatido nos abatedouros comuns.
• No início da fase de abate, os criadores usarão os abatedouros já existentes, feitos para
outros animais: Ex. Gado e Suínos. Em seguida será desenvolvido um abatedouro próprio
e exclusivo para avestruzes.
• Para que se possa vender os produtos do avestruz, é necessário garantimos:

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 13


1. Continuidade da oferta.
2. Homogeneidade na qualidade dos produtos.
3. Custos gerais homogêneos.

Potencialidade do mercado:

Espécie Consumo Carne por Abate Anual Fêmeas Rebanho


Carne T\A Animal Kg (Cabeças) (Número) (Número)
Bovino 4,9 milhões 240 21 milhões - -
Avest (1%) 49.000 30 1,6 milhões 55.000 110.000
Avest (5%) 248.000 30 8,2 milhões 275.500 550.000

A carne do avestruz entrará no mercado como uma carne exótica e se difundirá devido a:
• Alta produtividade do avestruz.
• Grande capacidade da ave de se desenvolver em áreas marginais.
• Características saudáveis da carne.
• Diminuição dos custos de produção.

O Brasil tem algumas vantagens na criação pecuarista:


• Tradição na criação bovina e outros.
• Sensibilidade do consumidor para carnes exóticas (saudáveis e saborosas).
• Técnica de criação “natural” preocupada com o bem estar dos animais (grande espaço à
disposição e alimentação não forçada).
• Tradição no tratamento e na utilização do couro.
• Por ser um mercado novo, desperta muito interesse dos pecuaristas, sendo que as
matrizes apresentam ótima rentabilidade.

Os fatores limitantes para a criação de avestruzes são:


• Investimento alto e para poucos.
• Carência de informações.
• Falta de experiência dos veterinários.
• Dificuldades burocráticas em geral.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 14


CRIATÓRIO MODELO SAMUA.
O criatório ideal deve ter:
1. Área para quarentena com:
• 2 piquetes de 20 por 50 metros, com piquetes de contenção cobertos de 4 por 5
metros para comedouros, bebedouros e manejo. A cerca dos piquetes podem ser de
arame liso ou de preferencia tela tipo alambrado, com os palanques virados para fora e
contos a quarenta e cinco graus.
• Os piquetes devem ter também um corredor de serviço com 3 metros de largura,
para que possa passar um carro se for necessário. A cerca externa, (proteção para os
piquetes )devem ser de alambrado para evitar a entrada de animais estranhos.
• Galpão coberto com pelo menos 50 metros quadrados, piso de cimento rústico para
facilitar a limpeza e desinfeção diária.

2. Piquetes para adultos:


• Os piquetes devem ter 1.500 metros quadrados por trio, sugerimos piquetes de 30
por 50 metros. Também deve ter boa drenagem e pouca inclinação.
• O alambrado deve ter malha de 3.0 polegadas, com 1,7 m de altura, ou cerca de
arame liso com os palanques virados para fora.
• Piquetes de contenção cobertos (eternit, sapé ou telhas) de 5 por 5 m e 2.5 m de
altura para comedouros e manejo das aves. Deve ter também uma porteira para
confinamento temporário dos animais, lembrando sempre que comedouro e bebedouro
sempre do lado oposto do piquete.
• A pastagem destes piquetes pode ser brachiara com outro pasto resistente ao
pisoteio.
• Sombra natural ou artificial (tela, quiosques).

3. Galpão berçário:
• Galpão coberto com pelo menos 50 metros quadrados, piso de cimento rústico
lavável, com comedouro e bebedouro removíveis no caso de permanecerem por
tempo prolongados(dia de chuva).
• Campânulas a gás para aquecimento noturno.
• Comedouros, bebedouros e termômetro.
• Piquetes externos (longos e estreitos) com pelo menos 10 metros quadrados para
cada animal, lembrando que quanto maior melhor para estimular a corrida.
• Estes piquetes devem ter comedouros, bebedouros e sombra.
• A base destes piquetes é de terra batida ou de pasto.

4. Incubatório e Laboratório:
• Azulejo frio higiênico nas paredes e piso, fácil de lavar e desinfetar.
• Lâmpadas germicida.
• Controle de temperatura e umidade 24 horas por dia.
• Ar condicionado com exaustor.
• Gerador de energia.
• Desumidificador
• Termo higrômetro
• Ovoscópio.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 15


• Incubadoras, Chocadeiras e Nascedouros.
• Microscópio para estudos.
• Equipamentos para sexagem por D.N.A.
• Sistemas de microchipagem e identificação para as aves.

5. Enfermaria:
• Vacinas, remédios e antibióticos.
• Tronco para curativos.
• Área para confinamento temporário.
• Equipamento para autópsias.

6. Outros:
• Escritório para administração do criatório.
• Escritório para administração das vendas.
• Sala para palestras.

Planta do Criatório Samua:

--

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 16


RESUMO
Cuidados Diários
- Não deixar tomar chuvas fortes até o quinto mês.
- Recolher a noite até o Quinto mês e em caso de chuvas.
- Água sempre Fresca e limpa.
- Pedregulhos de tamanho variado em quantidade no piquete, lembrando que o avestruz ingere pedras com
tamanho aproximado da metade de sua unha.
- Pastos e abrigos sempre livres de pregos, arames , grampo de cerca, toco de cigarro, cavaco de madeira,
linha de nylon, etc...
- Permanecer o máximo de tempo junto aos animais; a partir dos seis meses, você que não convive junto
ao animal diariamente, muito cuidado ao entrar no piquete, o animal poderá estranha-lo, lembrando que
a unha do animal é muito afiada e o chute é sua principal defesa.

Galpão e Piquetes

Galpão: de 3 m2 / animal, máxima ventilação possível, piso de cimento grosso e de fácil limpeza e
desinfeção diária, alimentação no galpão só no caso de chuvas, de fácil acesso para os piquetes.
Piquetes: Formato retangular com os cantos a quarenta e cinco graus, quanto maior melhor, manter o pasto
sempre baixo, cocho de ração e água de preferencia que possa ajustar a sua altura , lembrando que a avestruz
é um animal que cresce diariamente, chegando até 2,50 metro de altura.
Cercas : altura mínima de 1,70 m até 2,00 m ,podendo ser de arame liso a partir de 40 cm de altura do solo,
10 em 10 cm os primeiros quatro fios passando para 20 cm no restante até chegar na altura necessária, ou de
tela; palanques com distancia máximas de 3 metros, não deixar pontas na cercas para evitar acidentes
desagradáveis.

Pastagem e Ração
Pasto : gramíneas e leguminosas, considerando que o avestruz pasta com maior eficiência do que o gado;
quanto mais nutritiva a pastagem , menor a necessidade de ração.
Ração : nos três primeiros meses, a melhor forma de alimentação é a ração desintegrada, após três meses
ração peletizada , sendo melhor aproveitada pela ave e homogeneidade dos nutrientes e vitaminas.
Como a necessidade nutricional das aves se modificam com o seu crescimento , abaixo apresentamos a
composição básica da ração para estes ciclos.
Ração Inicio: Proteína -20 a23%, Gordura 3%, Fibra 8%, Cálcio 1,5%, Fósforo 0,7% (até 2 meses de idade)
De 2 a 6 meses: Proteína 18%, gordura 3%, Fibra 10% , Cálcio 2% , Fósforo 1%.
De 6 a 10 meses: Proteína 14%, Gordura 3%, Fibra 14% , Cálcio 3%, Fósforo 1%.
De 10 a 14 meses: Proteína 12%, Gordura 3%, Fibra 16%, Cálcio 3%, Fósforo 1%.
Após 14 meses : Proteína 10%, Gordura 3%, Fibra 16%, Cálcio 3%, Fósforo 1%.
Vitaminas
- Até cinco meses de idade: Vitaminas solúveis na água de bebida; Rosivol C - Roche, Celtz -Sanpar,
Nopstress - Guabi, Vita Gold - aplicações de acordo com o fabricante.
Antibiótico
- Baytril - Bayer , Advocin - Pfizer , aplicações de acordo com o fabricante; Usar somente em casos de
infeções graves, sendo que logo após fornecer iogurte dissolvido na água em abundância. Local de aplicação
intramuscular parte superior da coxa .
Parasitas
Internos - Vermes chatos e redondos , controle de seis em seis meses com produtos a base de Febendazol ou
albendazol ( produto para avicultura) , ou Ivomec liquido dosagem de acordo com o fabricante.
- Externos - Carrapatos ou Piolhos, pulverizar com Malation, quando houver necessidade.
Machucados , Cortes , Lesões , Bicheiras
- Pomadas Furacim , Equiderme , etc..., não usar Lepecid ou similares.
Vacinas
Não é necessário a não ser em regiões, onde há alta incidência da doença de New - Castle, usar vacina oleosa
subcutânea com aplicação na base do pescoço a cada seis meses.

SAMUA - Comercial e Agropecuária Ltda - Tel. (016)224.1832 - Araraquara - SP 17

Interesses relacionados