Você está na página 1de 18

CRESCIMENTO DA

POPULAÇÃO
E
SUSTENTABILIDADE
DO PLANETA
Isaac Asimov, Introducción a la Ciencia

Há pessoas que podem emigrar para outros planetas, mas…


supondo que existem 1012 de planetas habitáveis no Universo e que
se podia transportar pessoas para qualquer um deles, quando fosse
conveniente, a manter-se o ritmo de crescimento populacional, cada
um desses planetas acabaria por ficar completamente a abarrotar e
apenas ofereceria espaço para as pessoas estarem em pé até ao ano
5000! No ano 7000 a massa humana seria igual à massa de todo o
Universo conhecido!
Evidentemente, a raça humana não poderá crescer durante muito
tempo ao ritmo actual, prescindindo de tudo o que diz respeito ao
esgotamento de alimentos, água, minerais e energia.
Note-se que não digo “não quererá”, nem “não se atreverá”, nem
“não deverá”, digo linearmente “não poderá”!”
O crescimento explosivo da população humana associado ao consumo
massivo dos recursos do planeta é a principal causa da degradação ambiental
e da perda de biodiversidade.
Os 10 países mais povoados em 2004 !!!

Crescimento da
população mundial
A Demografia
Tem como tema de estudo as populações humanas, não se limitando,
contudo, a descrever o estado de uma população. Centra-se no
conhecimento da dinâmica dessa população, procurando dar resposta a
várias questões:

A proporção de crianças está a aumentar ou diminuir?


Como tem evoluído a população?
Está a acentuar-se o êxodo rural?

Para avaliar estas situações, a demografia faz uso de vários parâmetros,


designados por indicadores demográficos, tais como:

Natalidade, Mortalidade, Esperança Média de Vida e Migração


Natalidade – capacidade de crescer inerente a uma população. Exprime-se em
termos de taxa que é dada pelo número de nascimentos por 1000 habitantes
num ano.

Mortalidade – morte dos indivíduos numa população. Também se expressa


numa taxa (número de mortes numa população por 1000 habitantes num ano).

EVOLUÇÃO DA POPULAÇÃO
(Natalidade + Imigração) – (Mortalidade + Emigração)

TAXA DE CRESCIMENTO NATURAL


Taxa de natalidade – Taxa de mortalidade
(excluindo a influência da migração)

Todos estes indicadores têm sofrido modificações ao longo do tempo,


consoante o decurso da História…
Principais factos ao longo do tempo

Pré-História…
Povoamento reduzido; mortalidade elevada; esperança de vida curta (30 anos)

Início da Era Cristã…


Crescimento populacional; aparecimento e desenvolvimento da agro-pastorícia

Idade Média…
Crescimento populacional reduzido; Peste Negra

Século XVIII…
Elevadas taxas de mortalidade; guerras, fome e epidemias que geraram
subalimentação, miséria e violência

Meados do séc. XVIII…


Grandes progressos da Medicina (descoberta de vacinas); aumento da
população e pestes menos frequentes
Primeiras décadas do séc. XIX…
Início da industrialização; aumento da natalidade

Início do séc. XX na Europa…


Explosão demográfica que conduz a uma vaga de emigração para o continente
americano; desenvolvimento da Medicina, melhores condições e higiene e
industrialização

1920…
A Europa e a América do Norte sextuplicam a sua população

1920 na Ásia, América Latina e África…


Aumento da natalidade e mortalidade; reduzido crescimento populacional

1950 na Europa…
Diminuição da população com o “Boom” da pílula anticoncepcional

Actualmente…
Explosão demográfica apenas em países em vias de desenvolvimento
Europa com crescimento lento e à custa das migrações
Evolução da taxa de crescimento natural
Em 2002…
Variação populacional entre 2002 e 2005
Em 2004…

Evolução da taxa
de crescimento
O nível de desenvolvimento condiciona o
crescimento demográfico
Países desenvolvidos
Problema – baixa taxa de natalidade.
Causas – Planeamento familiar; acesso a métodos contraceptivos;
investimento nos estudos e na realização profissional; casamentos
tardios.
(Europa: a taxa de crescimento ronda os 0%; a descendência já não
assegura a substituição das populações)

Países subdesenvolvidos
Problema – elevado crescimento demográfico
Causas – Cuidados de saúde e planeamento familiar muito precário;
baixo nível de instrução.
Análise de pirâmides etárias
Permitem fazer previsões em relação ao crescimento da população e aos problemas
sociais e económicos que essa população irá enfrentar.

Consideram-se estruturas etárias (proporção da população, de cada um dos sexos,


que se encontra em cada nível etário) divididas nos seguintes intervalos:

• Idade pré-reprodutiva – 0 a 14 anos


• Idade reprodutiva – 15 a 44 anos
•Idade pós-reprodutiva – mais de 45 anos
Desenvolvimento sustentável
Satisfaz as necessidades do presente sem comprometer a capacidade
das gerações futuras em satisfazerem as suas próprias necessidades
(Comissão Mundial para o Ambiente e Desenvolvimento)
Procura conciliar o desenvolvimento económico com a preservação
ambiental e ainda, pôr fim à pobreza no mundo.
A sobrevivência e a manutenção da saúde dos seres humanos dependem da
satisfação de necessidades como:

alimento suficiente em quantidade e variedade;


ar puro;
água potável;
abrigo;
trabalho digno e seguro;
cuidados de saúde;
oportunidades educativas e culturais.
O Desenvolvimento Sustentável tem cinco aspectos prioritários que devem
ser entendidos como metas:
1. a satisfação das necessidades básicas da população (educação,
alimentação, saúde, lazer, etc.) com a efectivação dos programas
educativos.
2. a solidariedade para com as gerações futuras (preservar o ambiente, de
modo que estas tenham as condições necessárias à qualidade de vida).
3. a participação da população envolvida (todos devem ter consciência da
necessidade de conservar o ambiente, numa atitude de cidadania
plena).
4. a preservação dos recursos naturais.
5. A elaboração de um sistema social que garanta emprego, segurança
social e respeito por outras culturas.
Como obter estas metas???
Optando por recorrer a energias renováveis, reduzir, reutilizar e reciclar
materiais e tentar controlar o crescimento populacional, assentando na
educação ambiental e na educação sexual.
Depois do estudo de todos os temas, facilmente nos apercebemos
do contributo da Biotecnologia na manipulação da fertilidade e na
alteração do material genético, da imunidade e do controlo de
doenças, bem como na alimentação e na resolução dos problemas
ambientais, e da forma como permitirá aumentar a qualidade de vida
dos seres humanos, numa óptica de desenvolvimento sustentável.